Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*"

Transcrição

1 HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades socioeconômicas, tanto as existentes na área de educação como aquelas referentes ao acesso aos serviços de saúde, são preditoras importantes da hanseníase no Brasil.

2 Com relação ao Programa Nacional de Controle da Hanseníase (PNCH), é preconizado que se tenha como taxa de prevalência da doença um número menor do que 1/ habitantes, essa taxa mede a manutenção da doença na população. Em Araucária esta taxa, no ano de 2013, atingiu 1/ habitantes. O tratamento para ambas as formas consiste em dose supervisionada, realizada mensalmente, no Centro de Especialidades Médicas e, doses auto administradas em tomadas diárias por 6 meses nos casos Paucibacilares e de 12 meses para os casos Multibacilares. O acompanhamento dos contatos dos doentes é feito de forma ambulatorial, nas Unidades Básicas de Saúde. SÉRIE HISTÓRICA HANSENÍASE 2000 a CASOS NOVOS ESTIMADOS/POP.; CASOS NOVOS ABSOLUTOS; TX. INCIDENCIA; TX PREVALÊNCIA; TX. CURA; TX. ABANDONO; TX. ÓBITO ANO POPULAÇÃO Nº CASOS NOVOS ESTIMADOS Nº CASOS NOVOS OBTIDOS INCID.* PREVALÊNCIA* RESPECTIVAS COORTES CURA** ABANDONO** ÓBITO** a , % 0.0% 9.1% a , % 0.0% 0.0% a , % 10.0% 0.0% a , % 0.0% 20.0% a , % 16.7% 0.0% a , % 0.0% 7.7% a , % 0.0% 0.0% a , % 0.0% 10.0% a , % 0.0% 10.0% a , % 0.0% 0.0% a , % 0.0% 0.0% a , % 0.0% 0.0% a , % 0.0% 0.0% a ,39 0, % 0.0% 0.0% *Tx Incidência/Prevalência por / hab. Estimativa para o Paraná (2005) = 1 a 5 casos para /hab. **Taxa Cura/Óbito/Abandono (MB referente a 2 anos;pb referente a 1 ano).ex Coorte 2006 = MB 2004;PB Fonte: SINAN/DVE Hanseníase: conhecimentos gerais 1. O que é? Doença infecto contagiosa, crônica de grande importância para a saúde pública devido à sua magnitude e seu alto poder incapacitante. 2. Qual o microrganismo envolvido? Mycobacterium leprae, também conhecido como bacilo de Hansen é um parasita intracelular obrigatório que apresenta afinidade por células cutâneas (pele) e por células dos nervos periféricos. 3. Qual a classificação da hanseníase? A hanseníase, para fins de tratamento, pode ser classificada em: Paucibacilar: de 1 a 5 lesões de pele (baixa carga de bacilos) Multibacilar: > de 5 lesões de pele (alta carga de bacilos).

3 4. Quais os sinais e sintomas? Manchas esbranquiçadas, avermelhadas ou amarronzadas em qualquer parte do corpo com perda ou alteração de sensibilidade; Área de pele seca e com falta de suor; Área da pele com queda de pêlos, especialmente nas sobrancelhas; Área da pele com perda ou ausência de sensibilidade; Sensação de formigamento (Parestesias) ou diminuição da sensibilidade ao calor, à dor e ao tato. A pessoa se queima ou machuca sem perceber. Dor e sensação de choque, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas, inchaço de mãos e pés. Diminuição da força dos músculos das mãos, pés e face devido à inflamação de nervos, que nesses casos podem estar engrossados e doloridos. Úlceras de pernas e pés. Nódulo (caroços) no corpo, em alguns casos avermelhados e dolorosos. Febre, edemas e dor nas juntas. Congestão, sangramento, ferimentos e ou ressecamento do nariz; Ressecamento nos olhos; Mal estar geral, emagrecimento; Locais com maior predisposição para o surgimento das manchas: mãos, pés, face, costas, nádegas e pernas. Importante: Em alguns casos, a hanseníase pode ocorrer sem manchas. 5. Como se transmite? A transmissão se dá por meio de uma pessoa doente que apresenta a forma infectante da doença (multibacilar - MB) e que, estando sem tratamento, elimina o bacilo por meio das vias respiratórias (secreções nasais, tosses, espirros), podendo assim infectar outras pessoas suscetíveis. O bacilo de Hansen tem capacidade de infectar grande número de pessoas, mas poucas pessoas adoecem, porque a maioria apresenta capacidade de defesa do organismo contra o bacilo. A hanseníase não é transmitida por: Meio de copos, pratos, talheres, portanto não há necessidade de separar utensílios domésticos da pessoa com hanseníase. Assentos, como cadeiras, bancos; Apertos de mão, abraço, beijo e contatos rápidos em transporte coletivos ou serviços de saúde; Picada de inseto; Relação sexual; Aleitamento materno; Doação de sangue; Herança genética ou congênita (gravidez); Importante: Assim que a pessoa começa o tratamento deixa de transmitir a doença. A pessoa com hanseníase não precisa ser afastada do trabalho, nem do convívio familiar.

4 6. Qual o período de incubação? Em média de 2 a 5 anos. 7. Qual o período de transmissibilidade? Enquanto a pessoa não for tratada. 6. Como confirmar o diagnóstico? O diagnóstico da hanseníase é basicamente clínico, baseado nos sinais e sintomas detectados no exame de toda a pele, olhos, palpação dos nervos, avaliação da sensibilidade superficial e da força muscular dos membros superiores e inferiores. Em raros casos será necessário solicitar exames complementares para confirmação diagnóstica. 7. Como tratar? O tratamento é ambulatorial. Administra-se uma associação de medicamentos, a poliquimioterapia (PQT/OMS), conforme a classificação operacional, sendo: Paucibacilares: rifampicina, dapsona; Multibacilares: rifampicina, dapsona e clofazimina; 8. Como se prevenir? A hanseníase é uma doença incapacitante e apesar de não haver uma forma de prevenção especifica, existem medidas que podem evitar as incapacidades e as formas multibacilares, tais como: Diagnóstico precoce; Exame, precoce, dos contatos intradomiciliares; Técnicas de prevenção de incapacidades; Uso da BCG (ver item vacinação); 9. Como se realiza a prevenção de incapacidades? A prevenção de incapacidades é uma atividade que se inicia com o diagnóstico precoce, tratamento com PQT, exame dos contatos e BCG, identificação e tratamento adequado das reações e neurites e a orientação de autocuidado, bem como dar apoio emocional e social. A PI se faz necessário em alguns casos após a alta de PQT (reações, neurites e deformidades em olhos, mãos e pés). A avaliação neurológica, classificação do grau de incapacidade, aplicação de técnicas de prevenção e a orientação para o autocuidado são procedimentos que precisam ser realizados nas unidades de saúde. Estas medidas são necessárias para evitar sequelas, tais como: úlceras, perda da força muscular e deformidades (mãos em garra, pé caído, lagoftalmo). Recomenda-se o encaminhamento às unidades de referencia os casos que não puderem ser resolvidas nas unidades básicas. 10. Como proceder em caso que requerem reabilitação? Nos casos que já existem deformidades físicas, faz parte do tratamento das mesmas o autocuidado, a cirurgia e exercícios pré e pós-operatórios. Além

5 da indicação de prótese e órteses. O objetivo é favorecer uma melhor qualidade de vida das pessoas atingida pela hanseníase.

HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR!

HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR! HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR! Guia para orientações ao paciente de hanseníase Programa Estadual de Controle da Hanseníase Gerência de Dermatologia Sanitária O QUE É HANSENÍASE? Doença causada por um

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

Célio Gonçalves Marques tinha 20 anos, no início da década de 1980,

Célio Gonçalves Marques tinha 20 anos, no início da década de 1980, Hanseníase Quem cura o estigma? Evolução do tratamento da Hanseníase permitiu a cura dos pacientes, mas é preciso avançar na diminuição das incapacidades e prevenção da doença Célio Gonçalves Marques tinha

Leia mais

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública A Lepra pode ser fàcilmente curada com MDT. Disponível e gratuita em todos os centros de saúde. Grupo de Eliminação da Lepra Organização Mundial da Saúde CH-1211 Geneva 27 Switzerland Internet: www.who.int

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS Fernanda Marques Batista Vieira A Hanseníase com agente etiológico Mycobacterium leprae é uma doença infectocontagiosa, de evolução lenta, é transmitida de forma inter-humana,

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

Ações de Eliminação da Hanseníase

Ações de Eliminação da Hanseníase PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS Protocolo da Equipe de Saúde das Unidades Básicas nas Ações de Eliminação da Hanseníase I. INTRODUÇÃO : A ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE... 15

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Hanseníase e Direitos Humanos

Hanseníase e Direitos Humanos MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Hanseníase e Direitos Humanos Direitos e Deveres dos Usuários do SUS 1ª edição 1ª reimpressão Série F. Comunicação

Leia mais

Eliminação da Hanseníase

Eliminação da Hanseníase A hanseníase pode ser facilmente curada com PQT. A PQT está disponível gratuitamente em todos os postos, centros de saúde e unidades saúde da família. Leprosy Elimination Group World Health Organisation

Leia mais

Informaçãoes Para os Doentes

Informaçãoes Para os Doentes Informaçãoes Para os Doentes Sobre a hanseníase... Serão curados da hanseníase se tomarem a PQT, conforme a indicação. Devem completar o ciclo de tratamento: 6 cartelas para doentes PB ou 12 cartelas para

Leia mais

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG

Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Prova do Processo Seletivo para Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate de Endemias. SEMSA - Ponte Nova MG Nome: Nota: INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA (LEIA ATENTAMENTE!) 1. A prova é individual

Leia mais

Guia para o Controle da Hanseníase

Guia para o Controle da Hanseníase MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Guia para o Controle da Hanseníase - Versão Preliminar - 1ª edição Série Cadernos de Atenção Básica; n. 10 Série A. Normas

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas

Área Técnica de Dermatologia Sanitária. Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas Área Técnica de Dermatologia Sanitária Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Gestão de Políticas Estratégicas GUIA PARA IMPLANTAR / IMPLEMENTAR AS ATIVIDADES DE CONTROLE

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

E R BO SRA AL F S s O TS M D + A S V DIA

E R BO SRA AL F S s O TS M D + A S V DIA VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013.

Boletim Epidemiológico Volume 01, Nº 2, 04 de Julho 2013. Boletim Epidemiológico Volume 0, Nº 2, 04 de Julho 20. Influenza O controle da Influenza no país continua sendo feito por monitoramento - vigilância de Síndrome Gripal (SG) e da Síndrome Respiratória Aguda

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

HANSENÍASE CID 10: A30

HANSENÍASE CID 10: A30 Hanseníase HANSENÍASE CID 10: A30 Características gerais Descrição Doença crônica granulomatosa, proveniente de infecção causada pelo Mycobacterium leprae. Esse bacilo tem a capacidade de infectar grande

Leia mais

3. Resultados e discussão

3. Resultados e discussão Ximenes Neto FR, Rocha AEF, Linhares MSC, Cunha ICKO. Pesquisa e prioridades em saúde: um olhar para o trabalho do enfermeiro no cuidado aos sujeitos com hanseníase na Estratégia Saúde da Família. In:

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica Guia para o Controle da Hanseníase Brasília, DF 2002 Ministro da Saúde Barjas Negri Secretário de Políticas de Saúde

Leia mais

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M

4 0 0 /2 2 0 A D A IS V E R O Ã IÇ D pelo E V L T H O L E P O Ã Ç C E F - IN E T N IE C A P O D L A U N A M MANUAL DO PACIENTE - INFECÇÃO PELO HTLV EDIÇÃO REVISADA 02/2004 pelo Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Infecção pelo HTLV. Sabemos que as

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PARA PREVENÇÃO DE INCAPACIDADES FÍSICAS E REABILITAÇÃO EM HANSENÍASE RECOMENDADO PELO CREFITO 11

PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PARA PREVENÇÃO DE INCAPACIDADES FÍSICAS E REABILITAÇÃO EM HANSENÍASE RECOMENDADO PELO CREFITO 11 PROTOCOLO DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL PARA PREVENÇÃO DE INCAPACIDADES FÍSICAS E REABILITAÇÃO EM HANSENÍASE RECOMENDADO PELO CREFITO 11 Organizadores Dr.Bruno Metre Fernandes, Dra. Glenia Feitosa

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009.

Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009. Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009. Define ações de controle da hanseníase. O SECRETÁRIO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE e o SECRETÁRIO

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

GRIPE sempre deve ser combatida

GRIPE sempre deve ser combatida GRIPE sempre deve ser combatida Aviária Estacional H1N1 SAZONAL suína GRIPE = INFLUENZA Que é a INFLUENZA SAZONAL? É uma doença própria do ser humano e se apresenta principalmente durante os meses de inverno

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN

HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN HANSENÍASE: AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE COM OS MONOFILAMENTOS DE SEMMES WEINSTEIN Amanda Letícia J. Andreazzi Giselle Alcântara Mota Tatiane Pangone Villarino tatianevillarino@hotmail.com Paula Sandes Leite

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

Linha de Cuidado da Hanseníase

Linha de Cuidado da Hanseníase Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Atenção Primária Coordenação de Linhas de Cuidado e Programas Especiais

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção

Leia mais

PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Legislações - GM Sex, 15 de Outubro de 2010 00:00 PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase.

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento,

O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, O diabetes ocorre em qualquer idade e se caracteriza por um excesso de açúcar no sangue (hiperglicemia). Os principais sintomas são emagrecimento, fome e sede constantes, vontade de urinar diversas vezes,

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura?

O que é Hemofilia? O que são os fatores de coagulação? A hemofilia tem cura? Volume1 O que é? O que é Hemofilia? Hemofilia é uma alteração hereditária da coagulação do sangue que causa hemorragias e é provocada por uma deficiência na quantidade ou qualidade dos fatores VIII (oito)

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

Informação. Para o Doente. A lepra pode ser fácilmente curada.

Informação. Para o Doente. A lepra pode ser fácilmente curada. Informação Para o Doente Sobre a lepra... Eles serão curados da lepra se tomarem os medicamentos da blister conforme a indicação. Eles devem completar o ciclo de tratamento: 6 blisters para doentes PB

Leia mais

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br

Aids ou Sida? www.interaulaclube.com.br A UU L AL A Aids ou Sida? A Aids é uma das doenças mais comentadas e pesquisadas dos últimos anos. Mesmo com os avanços que os especialistas vêm obtendo, ainda falta explicar muitos de seus aspectos. A

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015

COLÉGIO SÃO JOSÉ. 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 COLÉGIO SÃO JOSÉ 7º ano- Ciências Ensino Fundamental Professora Vanesca 2015 REINO MONERA - Formado por bactérias (heterótrofas) e algas azuis (autótrofas) Célula bacteriana Ribossomos Citoplasma Membrana

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Hanseníase: avaliação diagnóstica a partir dos dados do SINAN em Itaperuna-RJ

Hanseníase: avaliação diagnóstica a partir dos dados do SINAN em Itaperuna-RJ Hanseníase: avaliação diagnóstica a partir dos dados do SINAN em Itaperuna-RJ Rejane Maria dos Santos Freitas ## Elzira Lúcia de Oliveira ++ Palavras chave: Hanseníase, avaliação diagnóstica, Programa

Leia mais

Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS

Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS Coordenação do Programa de Controle de Hanseníase CCD/COVISA/SMS HANSENÍASE HISTÓRIA SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA CLÍNICA HISTÓRICO LEPRA (hebráico, significa impureza): na bíblia encontram-se relatos de doenças

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA E HANSENÍASE NA CIDADE DE UBERLÂNDIA

SAÚDE PÚBLICA E HANSENÍASE NA CIDADE DE UBERLÂNDIA SAÚDE PÚBLICA E HANSENÍASE NA CIDADE DE UBERLÂNDIA Maria Vicentina Pereira Salgado Martins Docente da Escola Técnica de Saúde /ESTES Universidade Federal de Uberlândia mvps50@hotmail.com Thaís Salgado

Leia mais

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós.

Tuberculose em algum lugar, problema de todos nós. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DE AGRAVOS Aos Profissionais de Saúde e População Catarinense DIA MUNDIAL DE LUTA CONTRA

Leia mais

Silencioso. mas. Implacável

Silencioso. mas. Implacável Silencioso mas Implacável Autores Acácio Diniz Ana Fonte Ana Francisco André Coutinho Carla Monteiro Diana Ferreira Luís Dinis Luís Francisco Patrícia Filipe Paula dos Santos Pedro Cardeira Ricardo Santos

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B

A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B A INTRODUÇÃO DA VACINA DPT - HEPATITE B INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE MAIO - 2001 Ministério da Saúde Departamento de Saúde da Comunidade 1 INFORMAÇÃO AO PESSOAL DE SAÚDE No mês de Julho de 2001, o Programa

Leia mais

Semana Europeia da Vacinação

Semana Europeia da Vacinação Diverte-te com esta Sopa de Letras sobre Vacinação: N A J I X S E B I G D F P O U M E R L H F S Q B I K R C W U O T A B H I G I E N E Y SAÚDE VACINA PREVENÇÃO BACTÉRIA IMUNIDADE CONTÁGIO HIGIENE INFEÇÃO

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE Área geográfica = 95,4 mil Km² equivalente a 1,12 do território rio nacional População = 6.049.234 habitantes Nº de municípios do Estado = 293 Nº de municípios

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto

Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Informativo eletrônico do IFRS Campus Sertão Ano 01 Edição 1 Agosto de 2009 Aulas só reiniciarão no dia 31 de agosto Docentes decidiram protelar a volta às aulas de 17 para 31 de agosto em reunião na manhã

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA ORIENTAÇÃO E REABILITAÇÃO CARTILHA DE EXERCÍCIOS FISIOTERAPÊUTICOS PARA PACIENTES EM PÓS-OPERATORIO DE CÂNCER DE MAMA Seguindo todas essas dicas, você terá uma vida melhor. Vai previnir o linfedema e complicações,

Leia mais

ANO IX NÚMERO 33 MAIO DE

ANO IX NÚMERO 33 MAIO DE Equipe de Vigilância das Doenças Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre ANO IX NÚMERO MAIO DE 7 E DITORIAL Neste ano, por motivos alheios

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose

Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde COMSUS Curitiba, 10 e 11 de abril de 2014. Estimativa da incidência da tuberculose, 2012.

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS NOVEMBRO AZUL Universidade Federal do Acre Centro de Ciências da Saúde e do Desporto PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PARA O TRABALHO EM SAÚDE PET / SVS MS PROF. DR. CRESO MACHADO LOPES Tutor NOVEMBRO AZUL CAMPANHA DE

Leia mais

Cartilha da Influenza A (H1N1)

Cartilha da Influenza A (H1N1) Cartilha da Influenza A (H1N1) Agosto 2009 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA ADJUNTA DE ATENÇÃO INTEGRADA Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Micarla de Sousa Prefeita da Cidade do Natal

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

HANSENÍASE. Manifestações clínicas. Características clínicas

HANSENÍASE. Manifestações clínicas. Características clínicas HANSENÍASE Manifestações clínicas Características clínicas As manifestações clínicas da doença estão diretamente relacionadas ao tipo de resposta imunológica ao M. leprae. Temos então, as seguintes formas

Leia mais

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE

PREFEITURA DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOSES DENGUE DENGUE O que é? A dengue é uma doença febril aguda, causada por vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (Brasil e Américas) e Aedes albopictus (Ásia). Tem caráter epidêmico, ou seja, atinge um grande

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata.

Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. PORTAL DA SAÚDE Síndroma da Imunodeficiência Adquirida (SIDA) Saiba o que é a sida, como se transmite, como se pode prevenir e como se trata. O que é a sida? A sida (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida)

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. vírus ZIKA. Informações ao Público

MINISTÉRIO DA SAÚDE. vírus ZIKA. Informações ao Público MINISTÉRIO DA SAÚDE vírus ZIKA Informações ao Público Brasília DF 2015 PÚBLICO EM GERAL Prevenção/Proteção Cuidados Observe o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por vírus zika (manchas vermelhas

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular

O que são varizes? IX Semana Estadual de Saúde Vascular O que são varizes? Varizes são veias que se tornaram dilatadas e tortuosas ao longo das pernas. Algumas varizes são calibrosas e evidentes na pele. Outras, de menor calibre, chamadas de microvarizes ou

Leia mais

Reino Monera. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Reino Monera. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Monera Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Reino Monera Grupo formado por bactéria e cianobactérias. Discute-se que sejam parecidos com as primeiras formas de vida. Bactérias Procariontes

Leia mais

ENFERMEIRO DO PSF - 40H

ENFERMEIRO DO PSF - 40H QUESTÃO 01 A Constituição Federal de 1988 na seção II dispõe sobre a Saúde, que descreve em artigo sobre a saúde ser direito de todos. Para tanto, no art. 198 as ações e serviços públicos de saúde integram

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais