GÊNERO DE DISCURSO E IMAGEM AUTORAL EM CARTAS ESPIRITUAIS DE FREI ANTONIO DAS CHAGAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GÊNERO DE DISCURSO E IMAGEM AUTORAL EM CARTAS ESPIRITUAIS DE FREI ANTONIO DAS CHAGAS"

Transcrição

1 GÊNERO DE DISCURSO E IMAGEM AUTORAL EM CARTAS ESPIRITUAIS DE FREI ANTONIO DAS CHAGAS Jarbas Vargas Nascimento i Ricardo Celestino ii RESUMO: Já era tempo de trazer a estudo, do ponto de vista linguístico-discursivo, as Cartas Espirituais, escritas por Chagas, no Barroco português. Frei Antonio das Chagas é o nome religioso que tomou para si Antonio da Fonseca Soares, ao se tornar franciscano, em 1662, na cidade de Évora. Embora tenha exercido grande fascínio no momento histórico-cultural em que viveu, principalmente, pela maneira como dividiu sua vida entre o laicismo e a religiosidade, entre a poesia e a prosa, sua produção epistolar ainda não alcançou grande mérito no interior das pesquisas linguísticas. As Cartas Espirituais, num total de 366, estão distribuídas em dois volumes: um com 100 e outro com 266 cartas. Dentre elas, selecionamos para esse artigo a carta de número IV do primeiro volume, para examinarmos nela, na perspectiva da Análise do Discurso de linha francesa, a construção do gênero carta e a forma de constituição da imagem autoral. Interessa-nos, também, identificar as estratégias discursivas que são assumidas pelo enunciador, ao se posicionar no campo discursivo da religiosidade, o que nos permite uma aproximação entre a Carta e suas condições de produção. Para dar conta desses objetivos, assumiremos as contribuições de Bakhtin (1992) sobre gênero de discurso e a categoria de imagem de autor proposta por Maingueneau (2011). Este estudo torna-se relevante na medida em que, não somente contribui para o desenvolvimento de pesquisas sobre o gênero de discurso, mas também, por abordar, no funcionamento discursivo, a função-autor. PALAVRAS-CHAVE: Frei Antonio das Chagas, Cartas Espirituais, gênero de discurso, imagem autoral. ABSTRACT: It was time to bring the study of linguistic- discursive point of view, the Spiritual Letters, written by Chagas in Portuguese Baroque. Frei Antonio das Chagas is the religious name that took upon itself Antonio Soares da Fonseca, to become a Franciscan, in 1662, in the city of Évora. Although he exercised great fascination in historical-cultural moment in which he lived mainly by how divided his life between secularism and religion, between poetry and prose, his epistolary production has not yet reached great merit within linguistic research. The Spiritual Letters, totaling 366, are divided into two volumes: one with 100 and another with 266 letters. Among them, we selected for this Article IV 's letter number of the first volume, to examine it from the perspective of discourse analysis of the French line, the construction of gender and the form letter on which the authorial image. Interests us also identify the discursive strategies that are assumed by the enunciator, when positioning the discursive field of religion, allowing us a closer relationship between the Charter and its conditions of production. To realize these goals, we will assume the contributions of Bakhtin (1992) on gender discourse and image category proposed by the author Maingueneau (2011). This study is relevant in that it not only contributes to the development of research on gender discourse, but also by addressing, in discursive function, function-author. KEY-WORDS:Frei Antoniodas Chagas, SpiritualLetters, kind of discourse, authorialimage. 1

2 Considerações iniciais Este artigo tem como tema o estudo do gênero do discurso carta e a construção da imagem autoral em Cartas Espirituais de Frei Antonio das Chagas. Obra de valor documental, as Cartas Espirituais foram editadas postumamente em dois volumes, o primeiro em 1684, com 100 cartas, e o segundo em 1697, com 266. A amostra selecionada para análise consiste na carta IV do primeiro volume. A escolha de Cartas Espirituais foi impulsionada por serem passíveis de reconhecimento como Thesaurus da língua e da cultura portuguesa pelo Ministro Geral Franciscano da Ordem dos Frades Menores, e ainda não serem estudadas na perspectiva da Análise do Discurso de linha francesa. Em buscas bibliográficas primeiras, obtivemos pouco sucesso em encontrar registros que legitimassem Cartas Espirituais como obra de relevância conceptista no século XVII. Destacamos, contudo, exames das cartas de Chagas por especialistas em estudos literários, dentre eles Maria de Lourdes Belchior Pontes ( ), professora da Faculdade de Letras de Lisboa, em sua dissertação intitulada Frei Antonio das Chagas: um homem e um Estilo do Século XVII, que parte da perspectiva de que Chagas representou biograficamente o homem de sua época ao lado de Pe. Antonio Vieira. Frei Antonio das Chagas é o nome religioso que assumiu Antonio da Fonseca Soares, homem que viveu expressivamente a dualidade da época barroca, foi soldado da Guerra da Restauração contra o exército espanhol e conhecido por suas produções poéticas e seu desempenho militar como Capitão das Boninas. No primeiro período de sua existência, são predominantes em seus poemas as experiências amorosas e os excessos cometidos em sua vida secular, o que retrata o tipo de produção discursiva da época. Com 31 anos, em 1662, Soares renunciou a atividade militar e laica e professou os votos monásticos na Ordem de São Francisco, em Évora. A partir de então, passou a dedicar sua vida ao evangelho e ao trabalho missionário. Percorreu as terras do Alentejo e do Algarve em andanças apostólicas, quando compôs Cartas Espirituais, uma obra-prima, que o inclui entre os grandes cultores do Barroco português. Com expressividade na vida religiosa, Chagas dirigiu os estudos do convento da Província franciscana de Algarves, conhecido como Seminário de Varatojo, que abrigava sacerdotes diocesanos e religiosos com vocação missionária, com o intuito de eles professarem a vida franciscana. Para fundamentar a análise da carta que selecionamos, optamos pelo referencial teórico-metodológico da Análise do Discurso de linha francesa (doravante AD), nas abordagens propostas por Dominique Maingueneau (1997, 2001, 2007, 2008a, 2

3 2008b, 2010, 2011). A AD consiste em um ponto de cruzamento das ciências humanas (MAINGUENEAU,2011)e reflete as formações discursivas e as condições de produção de um discurso, situado em determinado lugar social. Para que possamos examinar a Carta selecionada,tomamos a categoria de gênero de discurso, com base em Bakhtin (1992), que parte do pressuposto de que cada esfera da sociedade elabora tipos relativamente estáveis de enunciados, que refletem as condições e finalidades de cada uma dessas esferas por meio de conteúdos temáticos, estrutura composicional e estilo. Para Maingueneau (2001,2008a), a categoria gênero de discurso pode ser tomada como uma instância reguladora do discurso, cujos parâmetros coercivos referem-se às restrições que caracterizam a carta. Elegemos, também, a categoria de imagem de autor, conforme Maingueneau (2010), que nos ajuda a refletir sobre as estratégias discursivas assumidas pelo enunciador, ao se posicionar nos campos da literatura, da religiosidade e da espiritualidade. 1 As condições sócio-histórico-culturais de Cartas espirituais Durante a Contra-reforma, a Igreja Católica utilizou-se das expressões da arte Barroca como veículo de transmissão de seus princípios. A linguagem barroca era utilizada em sermões, cartas espirituais, orientações, dentre outras produções religiosas que atraía o crente, levando-o a acatar as diretrizes da Igreja Católica. Para tanto, com a finalidade de compreendermos o valor documental das Cartas Espirituais de Chagas, é indispensável refletirmos sobre as condições estéticoliterárias do Barroco português. O Barroco português nasceu de um forte enfraquecimento político, econômico e cultural, em virtude do grande período de dependência à Espanha e da crise dos valores renascentistas devido às lutas religiosas e à falência do comércio com o Oriente. O Renascimento, acompanhado pelo período das grandes navegações portuguesas, pelas colonizações da África e da América e pelas expansões marítimas, alimentou um absolutismo existencial no homem do século XVI. Detentor dos conhecimentos científicos, dos domínios da arte, dos domínios da razão, o homem desse século tudo podia frente ao mundo. Todavia, no final do século XVI e início do século XVII, há o ressurgimento de valores abandonados desde o período medieval, junto do que era proposto pelos renascentistas. Esse momento de dualismo conceitual frente ao mundo é caracterizado como o Barroco, um estilo artístico e literário pós-renascentista, que mistura em sua essência, elementos do Renascimento, com produções influenciadas pelo paganismo e o sensualismo. Elementos das estruturas medievais de traços arcaizantes, típicos da Contra-reforma, emancipados pelo clero do século XVII, revelam uma forte religiosidade, que faz lembrar o teocentrismo medieval. A estética barroca estende- 3

4 se à literatura, à religião, à pintura, escultura, arquitetura e à música produzidas durante todo o século XVII, assim como serve de base para a construção de outros discursos como o filosófico, o político e o religioso. Chagas, fruto do contexto Barroco, possuía uma sensualidade e uma imaginação criadora, que lhe permitiu fundir imaginação e sentidos em suas Cartas Espirituais, que se manifestam como um veículo de transmissão de valores morais e espirituais utilizado para comunicação com religiosos de seu convento e com seus irmãos da Província de Algarves. Nas Cartas, materializadas na língua portuguesa em uso, podemos perceber dualidade entre o sagrado e o profano, tensão religiosa, racionalização da fé, uso de figuras semânticas, sintáticas e fônicas, todas advindas do estilo artístico barroco. 2 Imagem autoral e Gênero de discurso Por muito tempo, as Ciências da Linguagem trataram a questão da autoria exclusivamente por enfoques literários; entretanto, dada a influência da AD, que procura entender o processo de construção de sentidos em situações reais de uso da linguagem, passam-se a legitimar novos territórios de estudo, o que, na atualidade, nos permite inserir a autoralidade como parte constitutiva da discursividade. Pela AD, podemos examinar as práticas sociais e refletir sobre o gênero de discurso carta e a categoria de imagem autoral; por isso, faz-se necessário buscar uma noção de autoria e de imagem autoral que subsidiem a análise da Carta IV de Cartas Espirituais de Chagas. Em Bakhtin (1992), identificamos a reflexão acerca da autoria, observando-a em discursos literários. Para o autor, o homem é o centro do conteúdo-forma da organização de uma visão artística e agrega valores concernentes ao mundo em que ele habita. Esse homem citado por Bakhtin é identificado na obra e na prática social, e isso pressupõe a afirmação de que se trata de uma instância autoral constituída pelo enunciador do discurso literário e por uma representação encenada pelo sujeito produtor. Bakhtin compreende, de um lado, que o sujeito produtor possui uma posição ativa e participante em seu meio e lida com componentes desse acontecimento; logo, sua produção discursiva será parte desses acontecimentos. Ser autor é, de um lado, assumir uma função de autor, que deve ser avaliada em detrimento dos valores de mundo em que o escritor se insere. Por outro lado, para Maingueneau (2010), a presença/encenação do escritor não é uma atividade que fica fora do texto, mas é constitutiva a ele. Para tanto, sistematiza a construção da instância autoral a partir de três dimensões: o garante, o autor-ator e o auctor. 4

5 O garante é aquele que assume a responsabilidade de um discurso na cena enunciativa, está nas entrelinhas da enunciação, mas também pode aparecer explicitamente no título, na epígrafe ou no prefácio, entre outros lugares textuais. Pensa-se no entremeio de um narrador e um autor implicado. Segundo Maingueneau (2010, p.141): (...) o garante opera na fronteira: não é o enunciador do texto nem um indivíduo de carne e osso, mas uma instância híbrida que frustra essa distinção. O autor-ator reflete em um autor consolidado pelo estatuto social, aquele que organiza uma trajetória de produção enunciativa, aceito por terceiros e estereotipado historicamente e, segundo Maingueneau, pautado apenas na instância de produção textual, em proximidade com uma carreira. Essa instância se constitui como a manutenção do estatuto social de ser autor de determinado gênero e está restrito à representatividade do autor frente às instâncias sociais, que o influencia e condiciona às coerções interdiscursivas no discurso produzido. O auctor é o responsável por um grupo de textos identificáveis, que caracterizam uma linearidade estilística e autoral do autor. Deve ser reconhecido e autorizado por terceiros e é comumente consolidado, quando o autor ganha notoriedade social. Não só o autor precisa garantir uma imagem compatível e perceptível entre um discurso e outro, como deve ser validado por terceiros, para que uma obra se consolide. Tal instância está relacionada à percepção do outro frente ao autor. Segundo Maingueneau (2010, p.142): (...) para que um indivíduo seja plenamente ``auctor``, é necessário que terceiros o instituam como tal, mediante a produção de enunciados sobre ele e sobre sua obra, em suma, conferindo-lhe uma imagem de autor. Na confluência das três instâncias acima referidas é que se consolida a Imagem autoral. O autor constrói uma apresentação e uma imagem de si dentro do processo enunciativo e, como ministro de uma determinada instituição, consolidará a base de valores contextuais de seu discurso. O autor, nessa perspectiva, deve ter participação autorizada no processo enunciativo, e essa autoridade deverá soar, em uníssono, com o que ele representa nas instâncias sociais, estabelecendo os domínios, que um dado escritor possui na sociedade e o posicionamento que ele adquire diante dela. Segundo Maingueneau (2010, p.28): Uma produção verbal, parece, não ser autorizável, isto é, atribuível a um autor, a não ser que ela seja objeto de uma representação que permita enclausurá-la, apreendê-la do exterior, como um todo, de maneira a atribuíla a uma entidade escolhida entre um conjunto de candidatos possíveis, colocada como seu responsável. 5

6 Assim, por se tratar a função-autor de um imbricamento entre sua participação no processo enunciativo e nas instâncias sociais o qual faz parte, compreendemos que para examinar a construção da imagem autoral em uma das cartas de Chagas, necessitamos refletir sobre a construção do gênero do discurso carta espiritual. Para Bakhtin (1992, p.279), os gêneros do discurso são tipos relativamente estáveis de enunciados, e isso nos leva a propor um estudo discursivo de Cartas Espirituais, considerando a categoria de gênero, bem como sua relação com o linguístico e o social. Assim, os gêneros do discurso possuem três dimensões que se fundem indissoluvelmente no todo do enunciado: o tema, a estrutura composicional e o estilo. O tema é o assunto do qual o enunciado irá tratar. A estrutura composicional referese aos elementos textuais, discursivos e semióticos, que podem compor um enunciado e engloba, ainda, os efeitos de sentido que o enunciado promove socialmente. O estilo marca a coletividade do enunciado produzido, a partir de um campo discursivo e de um instante sócio-histórico em que o discurso se insere. Para Maingueneau (1997), os gêneros do discurso são dispositivos sociais de enunciação do discurso, é uma realidade empírica resultante da articulação entre a organização textual e o fenômeno social. 3 Análise Selecionamos, como material linguístico para a prática analítica da constituição da imagem autoral no gênero do discurso carta espiritual, a Carta IV, retirada do volume I de Cartas Espirituais de Frei Antonio das Chagas. Propomos identificar como se constitui o gênero de discurso carta, dada a interação entre enunciador e coenunciador na prática social religiosa do século XVII. Identificamos que o gênero assume uma instância reguladora desse discurso, assim como a imagem autoral, que emerge da enunciação e é legitimada na confluência das ações sociais, no processo enunciativo. Como todas as produções de Chagas, a Carta IV é um veículo de comunicação que propicia a transmissão de valores espirituais, linguísticos e literários, pois observamos nela a interação entre o homem e o mundo, por meio da língua em uso, no século XVII. A Carta de Chagas materializa os paradigmas de orientação espiritual seiscentista, tendo o sujeito enunciador espaço privilegiado de comunicação, dada as condições sociais de cada envolvido na enunciação: de um lado, aquele que orienta é um frei, de outro, o orientado religioso professo ou um aspirante ao hábito conventual. No funcionamento e na organização de nosso objeto de análise, observamos as relações entre o material linguístico-enunciativo e as condições sócio-históricas de 6

7 produção como lugar das restrições discursivas e das configurações textuais. Cartas Espirituais são produções particulares para cada co-enunciador, o que nos permite compreender que, as escolhas enunciativas que o enunciador faz para conseguir a adesão do co-enunciador, possuem referência direta ao indivíduo social e suas práticas diárias. Observamos, também, algumas condições decorrentes desse primeiro tópico de nossa pesquisa, que compreendem as condições sociais da Igreja Católica e a influência da Arte Barroca nos diapositivos estéticos de discursos religiosos seiscentistas, principalmente no que diz respeito à legitimidade do ponto de vista do enunciador, quando quer garantir a adesão de seu co-enunciador. A carta que selecionamos se constitui pela/na interdiscursividade marcada pelos campos da teologia medieval, da religião e da literatura, o que nos permite entender o cotidiano do século XVII português. O discurso que analisamos a seguir apresenta em sua organização uma epígrafe, saudação inicial, orientações e reflexões, saudação final, data e despedida. Com marcas de pessoalidade e influências do lugar o qual enuncia, percebemos, no interior da enunciação, que tanto o enunciador quanto o co-enunciador caracterizamse como instâncias, que legitimam papeis provenientes da prática social. Vamos diretamente ao discurso de Chagas: Carta IV A huma de suas irmaãs, antes de ser Freira. O amor de Deos more, e arda em vosso coraçaõ. Minha irmaã, e Senhora. Vós sois hum pouco de pó, e cinza, huma pouca de terra estéril, e cheya de espinhos, e hum sacco de podridão, hoje que pareceis melhor. E daqui a pouco, esterco, e mantimento de bichos. E nada tendes de vosso, mais que peccar, e não saber agradecer a Deos os favores, que vos faz. Tudo que em vós sentis do amor de Deos, são obras de seu amor. E Deos o que está fazendo em vós, póde fazer em qualquer creatura, que melhor lho agradecerá por seus altíssimos juízos mostra que vos quer bem, e que vos ama a vós, ao mesmo tempo que na redondeza do mundo deixou outros muito melhores que vós, e de melhores inclinações. E neste conhecimento haveis de ir sempre, para que não percais humildade, que He o alicerse de todas as virtudes. E quanto mais esta se mette por baixo da terra, conhecendo a sua vileza, e a sua ingratidão, tanto mais sabe crescer, e entra pelo Ceo o amor de Deos, que mora nos humildes de coração, mais que em todos e para saber isto como He, tende sentido bem no que vos digo. 7

8 A Graça de Deos, e o Amor de Deos, He a natureza, e o ser de Deos, que todo He Amor, assim como nós somos Corpo, e Alma. E daqui vem, que quem vive em graça, e em amor, vive em Deos, e Deos vive nelle, e Deos He o que obra nelle. E porque como então a creatura participa da Divina Natureza, assim como a vide, que vive unida á cepa, della recebe o succo, e o humor, de que vive, e de que dá fructo: assim a creatura unida com seu Creador, vive, e respira os alentos da Graça Divina, que com Ella cresce cada vez mais, e dá fructo de boas obras. E como a Graça, e Amor de Deos, He infinito; logo que o creatura tem alguma cousa della, ferve, e deseja ardentemente sahir de si toda, e chegar-se aquelle infinito senhor, como a panella, que tem grande fogo, este sobre em cachões fora da panella, e se deseja ir, e sahe. Porque aquelle calor de fogo, que entrou na agoa, deseja unir-se com o fogo, que está fora, que He o seu centro; e deseja também deitar fora toda a agoa, que lho impede que isto He a nossa vida, e a panella nosso corpo, e a quentura o Amor de Deos, de que as fervuras nascem. He necessário saber isto, para que quando huma Alma se sente cheya de amor, que He o melhor que pode ter neste mundo, saiba que aquelle amor, ou aquella fervura, não nasceo da agoa, que bem fria He por natureza, nem do barro do nosso corpo, que bem grosseiro He também; mas que so nasceo do amor de Deos, que em nos se ferve de fazer maravilhas para sua gloria; e para que nos favores espirituaes perca esta carne mortal as suas friezas, e se purgue das immundicias, que tem antes de cozer-se, e depois se tempre com as virtudes. E ultimamente quando parece que arrefece, se componha com a vontade de Deos, que já quer gostar della. Desorte, que o nosso ponto até aqui não He mais que conhecermos bem, e verdadeiramente que Deos He o que obra, quando obramos bem, e não nós: e que não cuidemos que He humildade dizer, que Deos obra em nós, senão conhecimento certo, que então He só certo, quando nos conhecemos. E conhecer isto, não He humildade, senão verdade certa, e conhecimento verdadeiro de nossa vileza. Segue-se agora tratarmos de como huma pessoa, que pela Graça de Deos se sente já fora do Mundo, sentindo-se sem outros desejos que os desejos do Amor de Deos, como se alongará mais do Mundo. Porque muitos deixao o Mundo. E para isto, basta fugir de suas vaidades. Mas não se alongao muito, porque não chegao a solidão: isto He, solidão de espírito. E solidão de espírito nenhuma outra cousa He mais, que viver so com Deos. Porque assim como a solidão He huma cousa tão só, que nella não vive ninguém: assim a solidão do espírito He tão solitária, e so, que não acha nella mais que Deos, e fica a Alma feita hum deserto, os sentidos hum hermo, onde Deos, como acha sozinha a sua creatura, vem logo fallar-lhe ao coração, e em ardentes suspiros, e abrasados desejos de se unir com Deos, que He o seu principio, donde sahio, a fonte donde nasceo, a origem donde manou, e o centro, onde finalmente aquieta, quando nele se recolhe, e se mette e se entra de todo, para, depois de estar mettida nelle, se estender pela immensidade daquelle ser infinito, para se alargar naquelle pego de amor, para arder naquelle mar de luz, para se darramar, e transformar de todo naquele summo bem, sobre infinito, sobre admirável, e sobre eterno. Para isto He necessário que vivamos sem creaturas na Memoria, sem discursos no Entendimento, sem outro amor na Verdade, mais que o Amor de Deos: e que juntamente andem sempre os sentidos como pasmados nas maravilhas de Deos, em tudo o que se puzer diante do sentido em oração continua. Na oração particular He necessário que agora entremos. De dous modos vemos a Deos, e de dous modos He a visão de Deos: huma He visão clara, e esta só a tem os Bem-aventurados no Ceo: outra se chama visão obscura, e esta a tem os que no Mundo chegaõ a fazer actos de Fé. Este acto de Fé não He mais que dizer huma creatura com todo seu coração: Meu Deos, eu creyo de todo meu coração, que vós estais aqui dentro de mim, fora de mim, sobre mim, e ao redor de mim. E logo crer isto sem duvida nenhuma, e não por a cuidar como elle alli esta: que isto então He meditação, senão crer, e crer, que quanto menos isto se cuida, e menos se considera, então se crê melhor. Porque em vós crendo que Deos está em vós, e comvosco, sem saber como, e que vos está como espreitando, logo vos accendeis em amor, que He o maior bem de todos, melhor que ter visõe, e extasis, e revelações: que isto tudo se pode ter em peccado mortal. Só o amor de Deos se não pode ter, senão em Graça. Antes importa muito ás pessoas espirituaes, que totalmente tirem de si o desejo de visões, e consolações. Porque He golozina espiritual. E em quanto a creatura não chega a união de Deos, aindaque se dera caso, que vos apparecera hum Cristo crucificado, tínheis obrigação 8

9 de duvidar se o era, e de lhe dizer: Senhor, não He isto o que eu quero, nem desejo: o que quero He, que se faça em mim a vossa vontade: e tratar de vos pôr na solidão; isto He dizendo: Deos na minha memória, Deos na minha Vontade, Deos no meu Entendimento, e nada mais. E como a solidão do espírito He nada, He necessário por-vos nesse nada desse modo: nada quero, nada desejo, nada tenho, nada mereço, nada procuro mais que o amor de meu Senhor Jesu Cristo. E isto vos encommendo muito. Porque neste nada, e na solidão, com que se diz: Deos na minha vontade, e nada mais, etc. está quase toda a chave do jogo. E a razão He: porque Cristo não esta sempre comvosco, quanto á Humanidade, tanto a deveis querer mais. Porem sempre convem que comeceis pela vida de christo. E sabei, que agora estais no Cabo da Boa Esperança: que isto são as sequidões, froxidoes, e mais impedimentos do espírito. Se passares adiante, vivereis em altíssimos favores de Deos, e vivereis nelle, e andareis por cima dos Ceos. Se vos deixares vencer das froxidoes, desgostando, e apartandovos da Oracao, perdereis a Deos, e perdereis tudo. Por isso, aindaque não seja mais que offerecer a Deos o tempo, convem que lhe offereçais semppre as horas, que costumais ter de Oração. Sobre aquillo do convento, cedo nos veremos, e então fallaremos. Bem me parece isto. Porque He sinal de matrimonio espiritual, que He o mais alto estado, a que se chega no Mundo. He sinal; porque assim como huma pessoa, que se casa, deixa pay, e may, como dizia Christo, pelo seu Esposo: assim quem casa com Deos, que deixa por elle tudo, dá mostras de que Deos a quer furtar, e cazar-se com Ella. Mas sobre isto falaremos. E o que importa, He fazer agora esses exercícios todos os dias, começando sempre por Christo, ate que nos vejamos. Sobre a resa, me parece bem que rezeis as vossas obrigações, e que vos não canceis em ter o sentido na resa, senão em Deos. E melhore resareis assim, e não vos fará nenhum impedimento deste modo. Por isso resai em todo o caso, cuidando so em Deos, e passando-o pela resa. Antes que entreis na Oração, fazei muito por dizer estas palavras com devoção: Meu Deos, e meu Senhor, se pudera vir aqui com a pureza da Virgem Santíssima, Senhora Nossa, essa fora a minha alegria. Se pudera vir com o amor de todos os Serafins, e com a reverencia, e louvor de todos os Anjos do Ceo, essa fora a minha bem-aventurança. Se aqui trouxera o mesmo amor, com que vós vos amais, essa fora a minha gloria. Se de todos os corações do mundo pudera fazer hum so coração, eu vo-lo dera, meu Deus, e so para vos o quisera. Se de cada areya do mar, de cada estrella do CEO, de cada argueiro da terra, de cada hervinha do campo, de cada folha das arvores, de cada letra dos livros pudera fazer mil Mundos de Almas, mil Reynos de Vidas, mil mares de corações, mil ceos de espíritos, todos, meu Deos, meu Amor, forao poucos, e me parecerão limitados para entregar-vos, e render-vos. Se fora Deos, como vos sois, vos adorara por meu Deos, e andara fazendo sempre creaturas, que vos adoraro, córos de Anjos, que vos louvarão, templos, em que vos servirão, e Almas, que vos amarão. Se fora o mesmo, que vos sois, deixare de ser Deos, porque vos o fosseis, e me contentara, pondo-me a vossos pés, com que huma vez amorosamente puzesseis em mim os vossos olhos, e me não quizesseis mal. Meu Deos, e meu Senhor, se me derais licença que nesse Ceo furtasse alguma cousa, nem a Gloria furtaria, nem a Bemaventurança: só huma cousa furtará, e esta He o vosso amor, a todos os Anjos, e Serafins, a todos estes Espiritos Bemaventurados deixaria eu Bemaventurados, mas o amor, que vos tem, havia de furtar-lho. Nem a Virgem vossa May escaparia, de que eu para vos amar ardentissimamente lhe furtasse também o amor. Daí-me vosso amor, meu Deos pay, daí me huma migalha de amor a esta pobrezinha, que vo-lo pede de esmola por amor de meu Senhor Jesu Christo. Daí-me vosso amor, meu Deos Filho. Daí-me vosso amor, meu Deos Espirito Santo. Amen. Deos vos guarde. Coimbra, 2 de janeiro de Irmao, e Amigo d alma. Frei Antonio das Chagas. Constatamos que a Carta espiritual IVinicia com a seguinte epígrafe: Recorte 1 9

10 O Amor de Deos more, e arda em vosso coraçaõ; A epígrafe tem como função situar o co-enunciador no lugar institucional do discurso e, para isso, propõe uma manobra interdiscursiva em que se retoma o discurso teológico medieval, a partir de uma estratégia estética típica dos cultores barrocos. Identificamos que tudo que será enunciado, após a epígrafe, é conduzido e direcionado por um sistema de coerções que determina o discurso como pertencente ao campo religioso. A epígrafe pressupõe efeitos de sentido submetidos a uma espécie de filtro, que estabelece um lugar de pertencimento reconhecido pelo coenunciador. Por se tratar de um discurso institucionalizado como religioso, há, na epígrafe, a validação do estatuto do enunciador e do co-enunciador. O enunciador assume o papel daquele que detém o poder de mediação entre a instância divina, no caso Deos, e o co-enunciador. Os enunciados da epígrafe buscam mobilizar o aparelho enunciativo, elevando o enunciador ao status de porta-voz de uma entidade maior, ou seja, de um SUJEITO-UNIVERSAL divino. O co-enunciador, por sua vez, é projetado na enunciação como um receptor passivo na mediação, crente e consciente de sua passividade e dependente da mediação do enunciador. Essa relação, se não for realizada, implica o comprometimento da prática social desse gênero. O papel que assume o enunciador durante o processo enunciativo também é autoral. No enunciado O Amor de Deos more, e arda em vosso coraçaõ a maneira de dizer, ou seja, o estilo que o enunciador utiliza para realizar sua orientação, coloca-o como um autor-responsável, que se destaca dos demais orientadores espirituais, por romper, na interação com o co-enunciador, a relação de poder que tem, enquanto frei orientador e doutrinador, sobre o orientado. Ao utilizar como categoria gramatical o pronome vosso, de forma singularizada, o enunciador dirige-se diretamente a seu coenunciador na condição de quem necessita do Amor de Deos. Não podemos ignorar que o estatuto do enunciador e, consequentemente, sua imagem autoral, tornam-se constituídos pelo lugar institucional que ele ocupa. Assumindo a representação social de frei, o enunciador está autorizado na prática social a exercer o papel de mediador entre Deos e o co-enunciador fiel e, ainda, ser o direcionador das represálias institucionais, que recaiam sobre aqueles que pecavam. Contudo, mesmo que o papel assumido pelo enunciador garanta a legitimidade ao enunciado de epígrafe, que só pode ser outorgado pelo enunciador autorizado institucionalmente, há uma maior adesão do co-enunciador, frente aos demais orientadores espirituais, no momento em que ele subverte a autoridade do papel de orientador, revelando-se igual diante de seu orientado. A inversão de um sentimento realizando a ação sob alguém e não alguém sentindo o Amor de Deos é uma marca do estilo cultista do Barroco seiscentista, que subverte o que é regular na prática social para destacar uma formação discursiva determinada. 10

11 A opção estética se dá com o intuito de valorizar a influência de Deos sobre o fiel, o que possibilita uma interdiscursividade com a teologia medieval, proposta, dentre outros filósofos, por Santo Agostinho e São Tomás de Aquino. O fato de Amor de Deos ser sujeito da ação nos leva a refletir que Deos é quem age pelo fiel, que o fiel é meio pelo qual Deos se manifesta, ou seja, é parte de um todo. Esses argumentos fazem parte do paradigma teológico e espiritual da época, uma vez que veiculava o pensamento que o indivíduo era, desde o seu nascimento, predestinado por Deos, eo livre-arbítrio consistia em cumprir as missões pelas quais Deos determina ao indivíduo, para cumpri-las bem em sociedade. Como o indivíduo é dependente da graça, do julgamento e do Amor de Deos,já no início da orientação, o enunciador marca essa necessidade do homem com Deos e não de Deos com o homem. A expressão Amor de Deos compreende o Amor que Deos sente pelas coisas e pelos seres. Deos, na perspectiva do homem seiscentista, é onisciente e onipresente, pois tudo passa por sua ciência e julgamento. Deos, para os fiéis, ao abençoar e punir, não é mal nem parcial, pois realiza todas suas ações sob o sentimento de Amor e justiça divinas. As punições pelas quais o fiel é submetido são boas para Deos e, consequentemente, boas em sua essência, mesmo que o fiel não as compreenda dessa maneira. O ser mundano tem, para os religiosos, uma visão limitada sob o julgamento e o amor de Deos. A seguir, identificamos que a Carta IV apresenta a seguinte saudação: Recorte 2 Minha Irmaã, e Senhora. Com a finalidade de iniciar as orientações e reflexões e referenciar e identificar o coenunciador, na cena enunciativa, a saudação inicial surge como uma adjetivação, que engrandece o co-enunciador e aproxima-o intimamente do enunciador.o enunciador refere-se ao co-enunciador como Minha Irmaã, o que nos possibilita uma dupla construção de efeitos de sentido: primeiramente, remete-nos a ideia de irmã como parente, membro familiar, haja vista que Chagas foi orientador espiritual e responsável pela entrada de suas irmãs na Ordem de São Francisco. Todavia, também nos possibilita a leitura de irmã como a mulher, que realizou votos religiosos cristãos, e como todo cristão é filho de Deus; compreendem-se por irmão e irmã todos os religiosos cristãos. Tal problemática é difícil de ser validada com exatidão, haja vista a dificuldade em se objetivar a identidade do destinatário da carta em análise. Contudo, pelo que é enunciado no decorrer das reflexões e orientações, a carta IV desenvolve-se diretamente pela temática da doutrinação dos valores e passos a serem seguidos, com a finalidade de alcançar o sucesso cristão. A segunda leitura tem a possibilidade de englobar também a primeira hipótese de sentido ao item lexical escolhido pelo 11

12 autor. A Irmaã aque se refere o discurso está presente de alguma forma ao contexto da vida religiosa. O tratamento de irmaã para se referir ao co-enunciador também contribui para a construção de uma imagem autoral do enunciador. O enunciador estabelece uma relação de igualdade com sua aconselhada, ao apreendê-la como irmã, uma vez que superior a ambos, somente Deus simbolizado como o pai. Ainda, o item lexical irmã, além de pertencer ao campo da religiosidade, também faz parte do campo discursivo da familiar e, ao refletirmos que o gênero do discurso, em análise, é uma carta particular, endereçada a um remetente específico, o termo irmaã reforça a imagem autoral de um religioso, que se coloca tão íntimo de sua aconselhada, que a consideração por irmã é maior do que a simples polidez de um tratamento institucional. O enunciador complementa sua saudação com o tratamento Senhora. O uso deste tipo de tratamento implica a referência de Chagas por um co-enunciador que ocupa determinado lugar social de destaque na sociedade. Os efeitos de sentido decorrentes do léxico Senhora nos remetem, em primeiro lugar, ao tratamento de mulher casada. Isso se comprova, se observarmos, no funcionamento discursivo que a orientação, que se pretende, destina-se a alguém que almeja o lugar institucional de religiosa, de freira; neste sentido, o co-enunciador não constitui a instância de uma pessoa casada. Em segundo lugar, o tratamento por Senhora revela certa condição social da mulher à qual se destina o discurso, já que na sociedade seiscentista tratar alguém por Senhora é elevar e respeitar o que este indivíduo representa socialmente, recuperando a relação de suserania e vassalagem medieval: aquele que enuncia Senhora posta-se submisso a quem co-enuncia. No desenvolvimento das reflexões e orientações do enunciador, identificamos que o discurso é enunciado em um único parágrafo, que desenvolve e conclui o tema proposto. O enunciador realiza uma introdução ríspida, de advertência, como podemos observar no recorte abaixo: Recorte 3 Vós sois hum pouco de pó, e cinza, huma pouca de terra estéril, e cheya de espinhos, e hum sacco de podridão, hoje que pareceis melhor. E daqui a pouco, esterco, e mantimento de bichos. E nada tendes de vosso, mais que peccar, e não saber agradecer a Deos os favores, que vos faz. O enunciador propõe orientar, espiritual e institucionalmente, um co-enunciador, que almeja iniciar a vida religiosa missionária. O discurso é constituído por enunciados, que marcam o valor da vida do homem e sua representatividade enquanto sujeito individual, autônomo e antropocêntrico. Por referir-se ao corpo e não à alma humana, o enunciador tem como pressuposto diminuir o valor da vida 12

13 mundana do fiel e reforçar a necessidade do co-enunciador em unir-se ao divino espiritual e institucionalmente, com o intuito de engrandecer a alma. O enunciador condena as condições do homem enquanto ser social, ao passo que o coloca como inferior à figura de Deus, em dívida com o divino durante toda a sua existência humana. Procura produzir, no funcionamento discursivo,uma imagem do religioso submisso e inferior a todos e a Deus, posto que o argumento principal da carta são os votos de humildade. Ainda, ao propor a metaforização do homem como terra estéril,cheia de espinhos, e pó e cinza, o enunciador propõe, a partir de um jogo de ideias típicas do cultismo Barroco,o desapego que tem da materialidade do mundo, compreendendo-as como efêmeras e passageiras. O conselho do enunciador é que o co-enunciador aproxime sua vida dos passos e da vontade de Deos,conforme disciplina a Igreja Católica, pautada na Teologia em vigência, particularmente, no período medieval, por meio do Amor a Cristo. Para o enunciador,a dedicação à vida espiritual é a única salvação do espírito das impurezas da vida mundana, que o transforma em terra estéril, cheia de espinhos. O homem mundano é passageiro e suas proezas e realizações no mundo social serão julgadas divinamente. O enunciador compreende em sua orientação que Deus é o caminho da salvação do homem e de sua vida de pecados. As ações que se desenrolam no corpo do texto tem como função a comoção do coenunciador, almejando sua adesão à instituição religiosa representada pelo enunciador. A doutrina moral presente no discurso, em tela, centra-se na busca de adesão do co-enunciador a um ponto de vista específico acerca da cosmo visão, segundo as coerções do enunciador, que representa um pensamento institucionalizado e muito comum à Igreja Católica seiscentista. No entanto, a enunciação só atingirá o efeito de sentido proposto, se a instância enunciativa emanar de uma autoria de responsabilidade, confluente na enunciação e na prática social. Os enunciados serão legítimos em concomitância com a instância autoral, que emerge na confluência do discurso com a prática social e que define o enunciador como autor-responsável daqueles enunciados, ou seja, digno e autorizável a dizer o que diz. O enunciador valida sua imagem autoral na enunciação, ao mostrar-se conhecedor da filosofia teológica medievalista, e na prática social, ao possuir a função social de frei e a permissão do dizer que a instituição Igreja Católica que lhe concede tal ministério. Soma-se a esta autoridade presente no discurso, o tratamento íntimo que o enunciador oferece ao co-enunciador nos enunciados já analisados. Por este olhar, vemos constituída uma imagem autoral de alguém que detém conhecimento da verdade teológica, religiosa e espiritual, na medida em que busca, mesmo com palavras penitenciosas, o bem do co-enunciador. Essa mesma imagem autoral é mantida no Recorte 4: 13

14 Recorte 4 A Graça de Deos, e o Amor de Deos, he a natureza, e o ser de Deos, que todo he Amor, assim como nós somos Corpo e Alma. E daqui vem, que quem vive em graça, e em amor, vive em Deos, e Deos vive nelle, e Deos he o que obra nele. A Graça de Deos e o Amor de Deos são associados à natureza. A finalidade dessa associação é exemplificar como o co-enunciador deve compreender a fé em Deus e a necessidade de torná-la exterior no trabalho missionário. Graça aproxima-se ao dom de Deus que eleva o homem ao estado sobrenatural de santidade, ou assemelha-o a esse estado. Compreende, também, a prática do bem, das palavras e dos atos de Deus por parte do fiel. Amor tem como pressuposto o sentimento predisposto de desejar o bem do próximo, com afeto, apego e dedicação, que, composto em Amor de Deos, remete a uma inclinação emotiva que o coenunciador deve ter pelo divino que lhe deseja o bem. O Amor e a Graça de Deos estão relacionados ao sentimento de adoração, veneração e devoção a Deus e, quando associados à natureza por comparação, o enunciador propõe que as condições necessárias para o trabalho missionário e o enriquecimento espiritual do co-enunciador são naturais, ou seja, regulados por fenômenos universais e inquestionáveis, inato e inerente a si mesmos, que dependem apenas da vontade e da atuação humana, para despertá-los. Isso tudo representa, além do paradigma teológico medieval, o institucional religioso seiscentista. Associar a Graça Divina e o Amor de Deos à natureza é reforçar o pensamento teocêntrico de que tudo está suscetível e centralizado na vontade divina. A associação reflete uma oposição ao cientificismo do século XVII, que busca distanciar e dissociar o divino dos fenômenos naturais e sociais, compreendendo o meio e a sociedade de forma mais racional do que metafísica. Essa dupla perspectiva de observar a fé provoca uma antítese que percorria o cerne do homem seiscentista e revela características do pensamento Barroco. Muitos cientistas do século XVII eram rotulados de pecadores imorais por negarem, em suas pesquisas, a associação de um fenômeno natural ou a relação de uma lei institucional com o divino. Destacam-se pensadores como Maquiavel, Descartes, Spinoza, Leibniz, dentre outros, que polemizaram a relação natural/divino, que edificou o pensamento teológico medieval. Na proposição de um jogo de ideias, muito comum à estética Barroca seiscentista, o enunciador constrói, no Recorte 4, um raciocínio lógico com a finalidade de provocar a adesão do co-enunciador. Pautado nos pensamentos da Teologia medieval, dos quais destacamos São Tomás de Aquino e Santo Agostinho, identificamos que o enunciador, ao relacionar a Graça de Deos e o ser de Deos com 14

15 o Corpo e a Alma dos homens, incluindo-se, afirma que tanto Corpo quanto Alma são necessários ao trabalho de fé. O corpo, para o enunciador, é meio pelo qual a alma executará as boas ações de fé e as funções preestabelecidas pela instituição Igreja Católica, em nome do divino. Todavia, não é apenas o jogo de ideias que irá garantir a adesão do co-enunciador ao discurso enunciado, mas a legitimidade que esse discurso carrega na prática social seiscentista: o enunciador tem conhecimento da base filosófica que regula o funcionamento institucional da Igreja Católica. O fato de realizar uma comparação que facilita a visão de seu co-enunciador, para a compreensão do discurso, reforça a noção de que o enunciador domina o discurso institucional e teológico e com humildade, esforça-se, o máximo possível, para se fazer entender. Os elementos destacados possibilitam a emergência de uma instância autoral que influencia na legitimidade desse discurso. Na carta em análise, encontramos a seguinte finalização: Recorte 5 Dai-me vosso amor, meu Deos Espirito Santo. Amen. Deos vos guarde. A finalização associa-se diretamente com os temas desenvolvidos nas reflexões e orientações constitutivas da enunciação da carta em análise. Identificamos que o enunciador se coloca, novamente, em situação semelhante a de seu co-enunciador diante de Deos, ao utilizar o pronome oblíquo vos e o pessoal meu. Os pensadores da Teologia medieval compreendem que todos, diante de Deos, são iguais por carregarem o pecado original, mas distinguem-se pelas funções que executam e que são determinados na vida mundana.trata-se, então, de destacar, no instante de finalização do discurso, o engrandecimento da fé e a confiança no poder da oração para o outro, centrado sempre no Amor de Deos. O enunciador objetiva, com a finalização, mostrar ao co-enunciador a necessidade de manter-se em ligação com Deos em todos os trabalhos missionários e institucionais que realizar. O cumprimento dessas funções acarreta o engrandecimento espiritual do co-enunciador e no seu caminho para o Reino dos Céus. Novamente, observamos a interdiscursividade que o gênero realiza tanto com o campo teológico medieval, na perspectiva de centralizar Deos em todos os atos mundanos, quanto ao campo da literatura e da língua portuguesa no Barroco, por incidir, naquele tempo histórico de grande dualidade, um ponto de vista determinado: o homem sujeito à fé e não à razão e aos próprios juízos. CONSIDERAÇÕES FINAIS 15

16 Por nossa pesquisa fundamentar-se nos estudos enunciativo-discursivos da linguagem, ao término dessa pesquisa observamos que a Carta Espiritual IV, selecionada para este artigo, é passível de ser tomada como prática discursiva institucionalizada do discurso religioso e literário. As cartas espiri tuais são gêneros de discurso e apresentam como pressuposto orientar e doutrinar o posicionamento de fiéis e religiosos aos paradigmas da Igreja Católica e da espiritualidade cristã seiscentistas. O enunciador, inserido em um lugar social, interage enunciativamente com um co-enunciador que, também, possui especificidades socioculturais, com a finalidade de convencê-lo de que a orientação epistolar detém direcionamentos que solucionam as inquietações da vida cotidiana do homem seiscentista. Tanto o enunciador como o co-enunciador são instâncias que influenciam e são influenciadas pela instituição a qual se filiam e representam. O gênero de discurso carta institui um padrão de orientação epistolar que, além de cumprir com o dever missionário de um frei, ao orientar seus fiéis, pode substituir, na prática social, a orientação confessionária pessoal. O enunciador, distante de seu orientado, por meio da Carta mostra-se próximo, íntimo e amigo de um co-enunciador, que lhe pede orientações, necessita de suas palavras para resolver tanto questões do espírito quanto incômodos sociais e pessoais. Na verdade, não é apenas a relação dos campos da religiosidade da teologia que enfatizamos como espaços discursivos de embate na amostra selecionada. Ao refletirmos acerca da imagem autoral, que emerge no discurso,como fruto da interação entre o enunciador e o co-enunciador, vimos que há evidências estéticolinguístico-discursivas que legitimam a carta selecionada como pertencente ao Barroco português. No processo enunciativo, o enunciador exerce o papel social, que lhe é instituído, sendo o missionário que busca, pela autoridade institucional e pela aproximação pessoal, a adesão do ponto de vista de seu orientado. Por se destacar dos demais autores de cartas espirituais, devido às escolhas estéticodiscursivas, que caracterizam sua maneira, inovadora, à época, de enunciar o discurso religioso, podemos validar Chagas como auctor de discursos possíveis de serem localizados como Thesaurus da cultura Barroca seiscentista, ao lado e, talvez, acima de autores como Padre Manuel Bernardes e Padre Antonio Vieira, que utilizam da estética barroca para realizar orientações institucionais e espirituais. Por fim, os resultados apresentados nessa pesquisa não se findam, mas permitem a abertura de uma vereda ainda não explorada nos estudos enunciativo-discursivos acerca da relação entre autoralidade e gêneros do discurso em Cartas Espirituaisde Frei Antonio das Chagas. REFERÊNCIAS 16

17 BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, CHAGAS, Frei Antonio das. Cartas Espirituais. Edição Isabel Morujão. Porto: Campo das Letras, CHARTIER, Roger. (org.). História da vida privada: Da Renascença ao Século das Luzes. Trad. Hildegard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, GODINHO, Pe. Manuel. Vida, virtudes e morte com opinião de santidade do venerável Pe. Frei Antonio das Chagas. Lisboa: Miguel Rodrigues, MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da Enunciação. São Paulo: Parábola, 2008a..Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola, 2008b..Doze Conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Parábola, Análise de Textos de Comunicação. 6.ed.São Paulo: Cortez, Novas Tendências em Análise do Discurso. 3. ed. São Paulo: Pontes, A análise do discurso e suas fronteiras; In: Revista Matraga. Rio de Janeiro, v.14, n.20, p , jan./jun i Doutor em Letras (Semiótica e Linguística Geral) pela USP. Professor Titular do Departamento de Português e do Programa de Estudos Pós-graduados em Língua Portuguesa da PUCSP. ii Mestrando em Língua Portuguesa pela PUCSP. 17

A Bíblia afirma que Jesus é Deus

A Bíblia afirma que Jesus é Deus A Bíblia afirma que Jesus é Deus Há pessoas (inclusive grupos religiosos) que entendem que Jesus foi apenas um grande homem, um mestre maravilhoso e um grande profeta. Mas a Bíblia nos ensina que Jesus

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

Lição 01 O propósito eterno de Deus

Lição 01 O propósito eterno de Deus Lição 01 O propósito eterno de Deus LEITURA BÍBLICA Romanos 8:28,29 Gênesis 1:27,28 Efésios 1:4,5 e 11 VERDADE CENTRAL Deus tem um propósito original e eterno para minha vida! OBJETIVO DA LIÇÃO Que eu

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro?

O seu conceito das religiões é como o seguinte quadro? ...as religiões? Sim, eu creio que sim, pois não importa a qual religião pertença. O importante é apoiar a que tem e saber levá-la. Todas conduzem a Deus. Eu tenho minha religião e você tem a sua, e assim

Leia mais

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA

NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA NOVENA À SAGRADA FAMÍLIA Introdução: A devoção à Sagrada Família alcançou grande popularidade no século XVII, propagando-se rapidamente não só na Europa, mas também nos países da América. A festa, instituída

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO

NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO NOVE DIAS COM IRMÃ CLARA FIETZ NA ESCOLA DE JESUS CRISTO ORAÇÃO DO INÍCIO DA NOVENA SENHOR JESUS CRISTO, Vós nos encorajastes a Vos trazer nossa preocupação na oração. Se me pedirdes alguma coisa em meu

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

I DOMINGO DA QUARESMA

I DOMINGO DA QUARESMA I DOMINGO DA QUARESMA LITURGIA DA PALAVRA / I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

TRÊS ESTILOS DE VIDA

TRÊS ESTILOS DE VIDA TRÊS ESTILOS DE VIDA 1 Co 2:14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. 15 Porém o homem

Leia mais

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA

CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA CRISTO EM TI A MANIFESTAÇÃO DA GLÓRIA INTRODUÇÃO Irmãos! A bíblia nos ensina que Deus nos chama a realizar, a ser, a conhecer e a alcançar muitas coisas, tais como, realizar a obra de Deus, a ser santos,

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

A Liderança do Espírito

A Liderança do Espírito A Liderança do Espírito Autor : Andrew Murray Para muitos Cristãos a liderança do Espírito é considerada como uma sugestão de pensamentos para nossa orientação. Eles almejam e pedem por ela em vão. Quando

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Elementos da Vida da Pequena Comunidade

Elementos da Vida da Pequena Comunidade Raquel Oliveira Matos - Brasil A Igreja, em sua natureza mais profunda, é comunhão. Nosso Deus, que é Comunidade de amor, nos pede entrarmos nessa sintonia com Ele e com os irmãos. É essa a identidade

Leia mais

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013

DIA DE ORAÇÃO PELA JMJ RIO2013 ROTEIRO PARA O DIA DE ORAÇÃO PELA JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE RIO2013 Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude - CNBB CANTO DE ENTRADA (Canto a escolha) (Este momento de oração pode ser associado

Leia mais

Todos Batizados em um Espírito

Todos Batizados em um Espírito 1 Todos Batizados em um Espírito Leandro Antonio de Lima Podemos ver os ensinos normativos a respeito do batismo com o Espírito Santo nos escritos do apóstolo Paulo, pois em muitas passagens ele trata

Leia mais

Sagrado Coração de Jesus

Sagrado Coração de Jesus Trezena em honra ao Sagrado Coração de Jesus Com reflexões sobre suas doze promessas a Santa Margarida Maria de Alacoque EDITORA AVE-MARIA Introdução Antes de o prezado leitor iniciar esta Trezena em honra

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Regis de Morais. Corações em Luz

Regis de Morais. Corações em Luz Regis de Morais Corações em Luz Campinas-SP 2003 Sumário O QUE É SANTIDADE? (Advertência)...13 PRECE DE SANTO AGOSTINHO (Meditações)...17 Oração de São Francisco de Assis... 19 1. Senhor... 21 2. Fazei

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

CANTOS À SANTA BEATRIZ

CANTOS À SANTA BEATRIZ (MÚSICA:DOCE É SENTIR) Santa Beatriz, com imenso amor Humildemente corre ao Senhor Entra no céu com grande alegria Acompanhada da Virgem Maria. Que maravilha vê-la exaltada assim, Na glória eterna de Deus

Leia mais

Entrevista - Espiritualidade nas empresas

Entrevista - Espiritualidade nas empresas Entrevista - Espiritualidade nas empresas 1 - O que podemos considerar como espiritualidade nas empresas? Primeiramente considero importante dizer o que entendo por espiritualidade. Podemos dizer que é

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana

ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana ITAICI Revista de Espiritualidade Inaciana 93 ISSN - 1517-7807 9!BLF@FB:VWOOUWoYdZh outubro 2013 Que a saúde se difunda sobre a terra Escatologia e Exercícios Espirituais Pedro Arrupe, homem de Deus 1

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto

Rita de Sá Freire. Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto Rita de Sá Freire Maria: a Mãe do Eterno e Sumo Sacerdote - Homenagem ao Dia do Padre 4 de agosto No dia 4 de agosto, a Igreja comemora São João Maria Vianney, Padroeiro dos Padres. Gostaria de prestar

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Predestinação. Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Aula 15/06/2014 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira S S O homem é pecador Romanos 3:9-18 S Pecadores merecem a morte Genesis 2:17, Romanos 6:23 S Portanto, se é para Deus ser justo e dar somente o que

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE

JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE JAKOBSON, DUCHAMP E O ENSINO DE ARTE Terezinha Losada Resumo: A obra Fonte de Marcel Duchamp é normalmente apontada pela crítica de arte como a síntese e a expressão mais radical da ruptura com a tradição

Leia mais

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL

Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL Educador: Luciola Santos C. Curricular: História Data: / /2013 Estudante: 7 Ano Estudo Dirigido - RECUPERAÇÃO FINAL 7º Ano Cap 1e 2 Feudalismo e Francos Cap 6 Mudanças no feudalismo Cap 7 Fortalecimento

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Maria Maria Maria Maria

Maria Maria Maria Maria 1 Ave, Maria! 2 Introdução Poucas vezes, Maria é citada nas Escrituras Sagradas. Na verdade, são apenas 17 passagens, algumas relativas aos mesmos fatos, distribuídas nos quatro Evangelhos, e uma passagem

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia.

Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Páscoa do Senhor de 2015 Missa do Dia. Caríssimos Irmãos e Irmãs: Assim que Maria Madalena vira o túmulo vazio, correu à Jerusalém atrás de Pedro e João. Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10)

Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média. (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 4 - Teorias políticas da Idade Média (Santo Agostinho e São Tomás de Aquino) Cap 23, pag 292 a 295 (Itens 7 a 10) Aula 04 Teorias políticas da Idade Média O b j e t i v o s : - Entender a evolução

Leia mais

Nossa Senhora da Assunção

Nossa Senhora da Assunção Série Pe. Roque Vicente Beraldi, CMF Novena milagrosa a Nossa Senhora da Assunção Dia da festa: 15 de agosto EDITORA AVE-MARIA Introdução Contemplações sobre a Sagrada Escritura, sem conteúdo comprovado,

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

Uma palavra da velha guarda, com novo significado

Uma palavra da velha guarda, com novo significado Um Espaço Chamado Castidade 1 Uma palavra da velha guarda, com novo significado Se eu pedisse a você uma definição de castidade, posso até apostar que você associaria com esperar até o casamento para fazer

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas

Dia a dia. com o Evangelho 2016. Texto e comentário Ano C São Lucas 7 8 9 Dia a dia 10 com o Evangelho 2016 11 12 Texto e comentário Ano C São Lucas 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA

A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA A TEORIA DO CONHECIMENTO DE DESCARTES E SUA RELAÇÃO COM A GEOMETRIA EUCLIDIANA PLANA Danilo Pereira Munhoz Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho danilomunhoz@gmail.com Fabrícia Lélis Universidade

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

Domingo dentro da Oitava de Natal SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ. Vésperas I

Domingo dentro da Oitava de Natal SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ. Vésperas I Domingo dentro da Oitava de Natal Semana I do Saltério SAGRADA FAMÍLIA DE JESUS, MARIA E JOSÉ Festa Quando o Natal do Senhor é num Domingo, a festa da Sagrada Família celebra-se no dia 30 de Dezembro e

Leia mais

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito

9.9 Jesus Cristo é homem perfeito 9.9 Jesus Cristo é homem perfeito Aula 48 Assim como é importante verificarmos na Palavra de Deus e crermos que Jesus Cristo é Deus, também é importante verificarmos e crermos na humanidade de Jesus após

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS TEMA CENTRAL Todos os direitos reservados por: MINISTÉRIO IGREJA EM CÉLULAS R. Ver. Antônio Carnasciali, 1661 CEP 81670-420 Curitiba-Paraná Fone/fax: (041) 3276-8655 trabalhoemconjunto@celulas.com.br edile@celulas.com.br

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração

Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração Adoração no Islã (parte 1 de 3): O Significado da Adoração O conceito e propósito da adoração no Islã não têm paralelo com qualquer outra religião existente. Ele combina o mundano com o espiritual, o indivíduo

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14)

Português. Sagrada Família de Jesus, Maria e José B. Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Português Sagrada Família de Jesus, Maria e José B Deus apareceu na terra e começou a viver no meio de nós. (cf. Bar 3,38) Leitura I Ben-Sirá 3,3-7.14-17a (gr. 2-6.12-14) Deus quis honrar os pais nos filhos

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

1º VESTIBULAR BÍBLICO DA UMADUP. Livro de João

1º VESTIBULAR BÍBLICO DA UMADUP. Livro de João Upanema/RN, 03 de Agosto de 2013 1º VESTIBULAR BÍBLICO DA Livro de João Leia com atenção as instruções abaixo: 1. Verifique se o caderno de prova contém 30 (trinta) questões. Em caso negativo, comunique

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária Caro jovem,, Que alegria saber que como você muitos jovens estão encontrando um caminho para a oração pessoal e diária. Continue animado com a busca de um relacionamento mais pessoal

Leia mais

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva

Deus o chamou para o ministério da palavra e do ensino também. Casou-se aos 21 de idade com a ministra de louvor Elaine Aparecida da Silva Biografia Jessé de Souza Nascimento, nascido em 11/04/1986 em um lar evangélico. Filho de Adão Joaquim Nascimento e Maria de Souza Nascimento. Cresceu sendo ensinado dentro da palavra de Deus e desde muito

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais