Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil"

Transcrição

1 Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 9 de Maio de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Analista de Processos Analista de Processos Oficial Administrativo Assistente Administrativo Assistente Administrativo Assessor da Presidencia Estagiária Estagiário Eng. Civ. João Luis De Oliveira Collares Machado Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Alice Helena Coelho Scholl Eng. Civ., Eng. Ind. Mec. Alberto Stochero Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Astor Jose Gruner Eng. Civ., Tec. Edif. João Leal Vivian Eng. Civ. Carlos Germano Weinmann Eng. Civ. Carlos Giovani Fontana Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Claudio Akila Otani Geog. Daniel Duarte Das Neves Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Daniel Lena Souto Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Gerson Sonaglio Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Gabriel Cabeda Maciel Eng. Civ. Fernando Alberto Gehrke Eng. Civ. Fernando Martins Pereira Da Silva Eng. Civ. Hilário Pires Eng. Civ. Johni Suarez Acosta Eng. Civ. José Ubirajara Martins Flores Eng. Civ. Pasqual Fatturi Pires Eng. Civ. Luiz Antonio Braganca Da Cunda Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcio Marun Gomes Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcos Wetzel Da Rosa Eng. Civ. Marcus Vinicius Do Prado Eng. Civ. Maria Izabel Brener Da Rosa Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Odilon Carpes Moraes Eng. Civ. Ricardo Giacomello Cobalchini Eng. Civ. Sergio Luiz Brum Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Sheila Cristina Kehl Pieper Eng. Civ. Suzel Magali Vanzellotti Leite Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Eng. Civ. Cristiane De Oliveira Eng. Civ. Manoela Schumacher Triches Dos Santos Luciana Guimaraes Barbieri Vera Regina Pereira Mendonca Elaine Lourdes A. Viegas Alcimar Da Rocha Lopes Adriane Chaves Rodrigo Pacheco Fialho OBSERVAÇÕES.: Justificaram ausência os Conselheiros: André Horak, Antônio Alcindo Medeiros Piekala, Roberto Antônio Alves Bolsson, Emídio Marques Ferreira, Felipe Nascimento Abib, Lia Maria Herzer Quintana, Marcelo Suarez Saldanha, Mario 1

2 Cezar Macedo Munró, Daisy Munhoz Goulart. 1. VERIFICAÇÃO DO QUÓRUM CONCLUSÃO : Quórum foi verificado. 2. APROVAÇÃO DA(S) SÚMULA(S) nº 1077 CONCLUSÃO : Aprovada com vinte e quatro votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D ANÁLISE DO EXPEDIENTE ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA CONHECIMENTO REFERÊNCIA : Planilhas de excepcionalidades de todas a Câmaras CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Memorando n. 026/2014, datado de 29/04/2014, da Câmara Especializada de Engenharia Industrial. ASSUNTO : Informa que após análise do Memo 027/2014 da CEAGRO e 032/2014 da CEEF, que tratam da tramitação de planilha de excepcionalidade, decidiu não encaminhar a referida planilha para análise das demais câmaras. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Revista "EM MOVIMENTO" Federação Interestadual de Sindicatos de Engenheiros - FISENGE CONCLUSÃO : Ciente ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA MANIFESTAÇÃO REFERÊNCIA : Fabricação de Estruturas Metálicas OBS : O Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado informou à Câmara sobre a questão de "Fabricação de estruturas metálicas" e as atribuições dos engenheiros civis com relação à atividade de fabricação. A Cons. Alice explicou o entendimento da Norma de Fiscalização da CEEC nº 009/2006, que vem sendo adotado na análise de processos desta Especializada e mencionou a última reunião bicameral entre CEEC e CEEI, da qual não resultou acordo quanto as atribuições dos engenheiros civis com relação a estruturas metálicas. A Cons. Alice explicou ainda que a CEEC não utiliza o termo "fabricação" por entender que o mesmo refere-se a FABRICAÇÃO DO PERFIL METÁLICO. O Cons. Marcos Wetzel da Rosa mencionou um processo que analisou sobre antenas metálicas, onde consta um parecer dizendo que o engenheiro civil possui atribuição para a fabricação das mesmas. O Cons. Marcus Vinícius do Prado se manifestou dizendo entender que os engenheiros civis possuem atribuição para a fabricação de estruturas metálicas. O Cons. Sérgio Brum se manifestou dizendo que os termos "fabricação" e "construção" são distintos. Entende que o termo "fabricação" refere-se a produção industrial e o que é feito em obra trata-se de "construção". O Cons. Astor José Grüner se manifestou dizendo que o termo "fabricação" é utilizado popularmente para referir-se à "construção" de estruturas metálicas e, sendo assim, é favorável a que a Câmara passe a aceitar a atividade de "fabricação" como de atribuição dos engenheiros civis. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil decidiu que passará a adotar o 2

3 termo "fabricação" dentre as atribuições dos engenheiros civis referentes a estruturas metálicas. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Memorando n. 042/2014, datado de 29/04/2014, da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho. ASSUNTO : A Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho - CEEST, na Reunião Ordinária n. 029, de 25 de abril de 2014, em resposta ao Memorando n. 017/ CEEC, de 21/03/2014, ao Memorando n. 05/2014-CCCam, de 16/04/2014 e ao Memorando n. 016/2014-CEEC, de 21/03/2014, decidiu elaborar a Deliberação CEEST/RS nº 01/2014, cópia anexa, com prazo para manifestação até 22/05/2014. Após, a deliberação será encaminhada para o Plenário do Crea-RS, conforme regra o artigo 82 do Regimento do CREA-RS. RELATOR : Cons. Astor José Grüner CONCLUSÃO : Manter a decisão emanada pela Câmara Especializada de Engenharia Civil em 27 de setembro de 2013 a respeito do julgamento de Engenheiros da MODALIDADE CIVIL com especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho em processos que violem princípio ou norma do Código de Ética Profissional ou outras leis do sistema Confea/Crea (5194/66, 6496/77 e 4950-A/66) somente na Câmara Especializada de Engenharia Civil. Enviar cópia deste relato a todas as Câmaras Especializadas do CREA-RS para conhecimento. Enviar cópia deste relato à Gerência do GECE. Enviar cópia deste relato à Presidência do Crea-RS Reiterar à presidência do CREA-RS a solicitação para que envie determinação ao protocolo geral do CREA-RS solicitando que todos os processos de denúncia ou infração à Lei 5194/66, em que o Engenheiro Civil com Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho integrar o pólo passivo da lide como infrator à Lei 5194/66 ou Denunciado por infração ao Código de Ética Profissional, após serem protocolados no CREA e devidamente autuados com os documentos necessários, sejam distribuídos à Câmara Especializada de Engenharia Civil para manifestação e julgamento. Aprovado com vinte e cinco votos favoraveis, um voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Mensagem Eletrônica datada de 08/05/2014, do Professor Décio Collato do Curso de Engenharia Civil da ULBRA (protocolo ). ASSUNTO : Solicita representante para fazer uma palestra sobre o Crea e as atividades do Engenheiro Civil, para apresentar aos alunos de 1º Semestre do referido curso. Datas: 28/05 ou 04/06 ou 11/06 a partir das 19h no Prédio 14, sala 149 do Campus Canoas da ULBRA. OBS : Indicado o Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado, que definirá posteriormente a data. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Oficio n. 072/2014, datado de 30/04/2014, da URCAMP - Centro de Ciências Exatas e Ambientais ( ). ASSUNTO : Solicita aos Conselheiros representantes uma palestra que se raelizará dia 3

4 OBS RELATOR CONCLUSÃO 15/05/14 às 19h. Local: Museu da Gravura Brasileira durante a Semana Acdêmica do Centro aos Acadêmicos desta IES com sugestão dos seguintes assuntos: 1- Atribuições e sombreamento das profissões; 2- Relação do profissional com o conselho; : Foram designados o Cons. Márcio Marun Gomes e o Gestor de Fiscalização Eng. Químico Marino José Greco. : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado : Ciente REFERÊNCIA : Memorando n. 015/ PRES/GADC, datado de 09/05/2014. ASSUNTO : Encaminha o Projeto de Novo Regimento Interno do Crea/RS com sua respectiva Exposição de Motivos. OBS : O Cons. Marcus Vinicius do Prado apresentou o relatório do Grupo de Trabalho para revisão do Regimento Interno do Crea-RS. Vários conselheiros manifestaram-se. Os conselheiros foram de opinião que o assunto deve ser melhor analisado por eles. Ficou decidido que todos receberão o relatório para analisarem, tendo assim mais tempo para discussão do assunto. RELATOR : Cons. Marcus Vinicius do Prado CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : datado de 09/05/2014 do Engenheiro Ricardo Azambuja. ASSUNTO : Matéria vinculada na RBS: Pela matéria, vinculada no site da RBS hoje, parece que nossa profissão de Engenheiros Civis, é completamente desnecessária Acredito que deveríamos nos manifestar a respeito nos mesmos órgãos de imprensa visando a valorização de nossa categoria. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : A Câmara decidiu por solicitar à Gerência de Comunicação e Marketing para que providencie matéria nos mesmos termos evidenciando as atribuições dos engenheiros civis na execução de reformas e construções. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D COMUNICADOS REFERÊNCIA : Aniversariantes do mês de MAIO/2014 CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião Comunicados das Comissões REFERÊNCIA : Comissão de Orçamento e Tomada de Contas OBS : O Cons. Astor José Grüner comunicou que na Plenária de 09/05/2014 haverá o relato da prestação de contas da Mútua de Novembro/Dezembro. O Cons. Astor José Grüner também falou sobre a prestação de contas do Crea-RS e deixou na Câmara uma cópia dos relatórios de janeiro/fevereiro/março para a análise dos Conselheiros. Os mesmos não foram aprovados, estando ainda em discussão na Comissão. RELATOR : Titular: Cons. Astor José Grüner - Suplente: Cons. Sérgio Luiz Brum CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Renovação do Terço OBS : O Cons. Sérgio Luiz Brum comunicou que a Comissão se reuniu no dia 30/04/2014, 4

5 RELATOR CONCLUSÃO e decidiu prorrogar o prazo para encaminhamento de documentos das entidades até o dia 20/05/2014, em função de poucas terem encaminhado até o presente momento. : Titular: Cons. Sérgio Luiz Brum - Suplente: Cons. Fernando Martins Pereira da Silva : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Ética Profissional OBS : O Cons. Marcos Wetzel da Rosa comunicou que a Comissão de Ética Profissional reuniu-se dia 24/04/2014 e foram acatados quatro processos. Comunicou ainda que participou como Coordenador na falta dos titulares. RELATOR : Titular: Cons. Antônio Alcindo Medeiros Piekala - Suplente: Cons. Marcos Wetze da Rosa CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Meio Ambiente OBS : A Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite não pode comparecer e o Cons. Sérgio Luiz Brum não foi convocado. RELATOR : Titular: Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite - Suplente: Cons. Sérgio Luiz Brum CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão Editorial OBS : O Cons. Carlos André Bulhões Mendes não pode comparecer e o Cons. Carlos Giovani Fontana não foi convocado. RELATOR : Titular: Cons. Carlos André Bulhões Mendes - Suplente: Cons. Carlos Giovani Fontana CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Convênios OBS : Os Conselheiros Odilon Carpes Moraes e Marcelo Suarez Saldanha não puderam comparecer. RELATOR : Titular: Cons. Odilon Carpes Moraes - Suplente: Cons. Marcelo Suarez Saldanha CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Educação e Atribuição Profissional - CEAP OBS : O Cons. Carlos André Bulhões Mendes não pode comparecer e a Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite não foi convocada. RELATOR : Titular: Cons. Carlos André Bulhões Mendes - Suplente: Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Análise de Processos de Recursos ao Plenário CAPR OBS : Não teve reunião no período. RELATOR : Titulares: Cons. Marcos Wetzel da Rosa, Luiz Antonio Bragança da Cunda e Fernando Martins Pereira da Silva CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Representante na Coordenadoria das Inspetorias OBS : O Cons. Cláudio Akila Otani comunicou que participou da última reunião da 5

6 RELATOR CONCLUSÃO Coordenadoria das Inspetorias e houve apresentação da Fiscalização, estando presente o Gestor Marino José Greco, que mostrou que após os treinamentos baixa o número de inconformidades. Comunicou ainda que conversou com o Gestor Marino para que tenha uma comunicação direta dos fiscais com os seus supervisores ou com os analistas de câmara, e não fiquem abrindo processo de consulta e encaminhando para os conselheiros responderem em reunião, pois o processo fica muito demorado muitas vezes perdendo o seu objeto. : Titular: Cons. Claúdio Akila Otani - Suplente: Cons. Márcio Marun Gomes : Ciente Comunicados Gerais REFERÊNCIA : 2ª Reunião Ordinária da Coordenadoria de Câmaras Especializadas de Engenharia Civil - CCEEC OBS : O Coordenador falou da importância do evento e verificou se todos os conselheiros inscritos receberam a informação sobra a marcação de suas passagens. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Reunião Ampliada ASSUNTO : Alteração da data da Primeira Reunião Ampliada da CEEC OBS : Não será possível realizar a reunião ampliada no período definido anteriormente por motivo de indisponibilidade de hotel e espaço para o evento na cidade de Gramado/Canela. Foram sugeridos novos locais e datas. A CEEC optou pelos dias 18, 19 e 20 de julho, na cidade de Santana do Livramento. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Indicação de Conselheiro para Palestra no IPA OBS : O Cons. Volnei Pereira da Silva informou à Câmara que não mais realizará a palestra no IPA (solicitada através do protocolo ), pois questionaram o fato do mesmo ser professor da Unisinos, que isso poderia causar constrangimento entre os alunos da disciplina no IPA. O Cons. Volnei lembra que como Conselheiro estaria representando o Crea-RS e não a Unisinos. O Cons. Odilon Carpes Moraes sugeriu que a CEEC se manifestasse com relação a esta situação que, na opinião do Conselheiro, é um absurdo. A CEEC decidiu encaminhar manifestação ao IPA lamentando o fato ocorrido. O Cons. José Ubirajara Martins Flores redigiu minuta do documento. RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Mensagem Eletrônica 023/ SOEA OBS : O Coordenador salientou que a SOEA será realizada de 11 a 15 de agosto de 2014, em Teresina - Piauí, e a importância de encaminhar dentro do prazo as fichas de inscrição. Informou que todas as despesas serão custeadas pelo Confea. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente. 6

7 APRESENTAÇÃO DA PAUTA DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS PERTINENTES À CÂMARA ESPECIALIZADA REFERÊNCIA : Memorando n. 031/2014 da Câmara Especializada de Engenharia Florestal, datado de 16/04/2014. ASSUNTO : Encaminha parecer da CEEC acerca do Estatuto de Impacto de Vizinhança - EIV e, considerando os seguintes dispositivos legais: Lei Federal n /79, Lei Federal /2001, Lei Federal n /1966 e, art. 10 da Resolução 218/73, decidiu informar que concorda que o EIV é multidisciplinar e que os profissionais Engenheiros Florestais possuem atribuição para responsabilizarem-se tecnicamente pela elaboração do Estaudo de Impacto de Vizinhança e Reláorio de Impacto de Vizinhaça, no âmbito de sua atuação profissional, como membro de equipe multidisciplinar. RELATOR : Cons. Astor José Gruner CONCLUSÃO : - A CEEC aprovou em sessão de 06/dez/2013 o relato que apresenta parecer tratando das atribuições necessárias aos profissionais que se dedicam à elaboração de ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EIV e do respectivo RELATÓRIO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA RIV. - A decisão da CEEC foi enviada ao Gestor Operacional que decidiu encaminhar a todas as Câmaras Especializadas do Crea-RS para ciência e parecer. - A Câmara Especializada de Engenharia Florestal CEEF encaminhou o Memorando no. 031/2014-CEEF a todas as câmaras dizendo :...decidiu informar que concorda que o EIV é multidisciplinar e que os profissionais Engenheiros Florestais possuem atribuição para responsabilizarem-se tecnicamente pela elaboração do Estudo de Impacto de Vizinhança e Relatório de Impacto de Vizinhança, no âmbito de sua atuação profissional, como membro de equipe multidisciplinar. - O Estatuto da Cidade, Lei no de 10 de julho de 2001 na seção XII, em seus artigos : Art. 36 Lei municipal definirá os empreendimentos e atividades privados ou públicos em área urbana que dependerão de elaboração de estudo prévio de impacto de vizinhança (EIV) para obter as licenças ou autorizações de construção, ampliação ou funcionamento a cargo do Poder Público Municipal. Art. 37 O EIV será executado de forma a contemplar os efeitos positivos e negativos do empreendimento ou atividade quanto à qualidade de vida da população residente na área e sua proximidades, incluindo análise, no mínimo, das seguintes questões : I adensamento populacional; II equipamentos urbanos e comunitários; III uso e ocupação do solo; IV valorização imobiliária; V geração de tráfego e demanda por transporte público; VI ventilação e iluminação; VII paisagem urbana e patrimônio natural e cultural. Conforme se constata nesses artigos citados (36 e 37 da Lei /2001), o Estudo de Impacto de Vizinhança analisa os efeitos positivos e negativos de um empreendimento, abordando informações técnicas e serviços como levantamento planialtimétrico, obras públicas, entorno urbano, rede pública elétrica, telefonia, rede de água e de esgotos, projeto do empreendimento, avaliação dos imóveis, usos e volumetria lindeira, poluição sonora e ruídos, espacialização, 7

8 engenharia de trânsito, mobilidade urbana e demais itens de infraestrutura urbana tais como praças, parques, transportes, pavimentações, etc, todos serviços relacionados tipicamente com as atribuições do ENGENHEIRO CIVIL sendo ele o que possui atribuição e competência para a COORDENAÇÃO destes estudos e relatórios. - O Estatuto da Cidade, Lei no de 10 de julho de 2001 na seção XII, em seu artigo : Art. 38 A elaboração do EIV não substitui a elaboração e a aprovação de estudo prévio de impacto ambiental (EIA), requeridas nos termos da legislação ambiental. Vemos aqui expressado de forma clara e evidente que existe uma grande diferença entre Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) com Estudo de Impacto Ambiental (EIA). - A Resolução nº 218, de 29 de junho de 1973, que discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia em seu artigo : Art. 7º - Compete ao ENGENHEIRO CIVIL ou ao ENGENHEIRO DE FORTIFICAÇÃO e CONSTRUÇÃO: I - o desempenho das atividades 01 a 18 do artigo 1º desta Resolução, referentes a edificações, estradas, pistas de rolamentos e aeroportos; sistema de transportes, de abastecimento de água e de saneamento; portos, rios, canais, barragens e diques; drenagem e irrigação; pontes e grandes estruturas; seus serviços afins e correlatos." 1-A Câmara Especializada de Engenharia Civil concorda com o parecer da Câmara de Engenharia Florestal emanado em seu memorando no. 031/2014 CEEF. 2-Conforme análise da fundamentação legal acima entendemos ser atribuição típica e privativa de Engenheiro Civil a COORDENAÇÃO de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e do Relatório de Impacto de Vizinhança (RIV), sendo que quando necessário, tendo em vista assuntos específicos que sejam atribuição de outro profissional do sistema ou para enriquecer o trabalho, poderá ser formada equipe multidisciplinar envolvendo outros profissionais de áreas afins, inclusive registrados em outros conselhos profissionais, sempre sob a coordenação do Engenheiro Civil. 3-Enviar cópia deste relato para o Gestor Operacional e para todas as Câmaras Especializadas deste Crea-RS. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Memorando 021/2014, da Câmara Especializada de Geologia e Engenharia de Minas, de 28/03/2014. ASSUNTO : Em atenção aos termos do Memorando 109/2013 da CEEC, pelo qual propõe que seja submetida ao Plenário deste Conselho a aprovação de entendimento que complementará a Decisão Plenária PL/RS 206/2012 a qual, por sua vez, definiu que as atividades pertinentes à elaboração de EIVs é prerrogativa de profissionais com reconhecida atribuição à atividade, vimos por meio deste manifestar que: Esta CEGM não tem dúvidas nem questiona que os Engenheiros Civis possuem reconhecidas competências e atribuições para serem responsáveis técnicos pela elaboração de Estudos de Impacto de Vizinhança - EIV e Relatórios de Impacto de Vizinhança RIV. Porém entende que, na forma como a proposta está redigida 8

9 e como resultado da ampla divulgação que deverá ser dada aos municípios, poderá ocorrer o entendimento de que o Engenheiro Civil é o único profissional habilitado para tal, o que não foi o espírito nem a intenção da Decisão PL/RS 206/2012 e não leva em consideração a variedade de portes ou especialidades da miríade de empreendimentos que podem ocorrer nas zonas urbanas, como por exemplo, de mineração. Como subsídio à necessidade de flexibilização deste entendimento, juntamos relato e voto sobre o assunto, proferido pela COEMA ao analisar a consulta formulada no processo n , que também se destinou à apreciação pelo Plenário. Pelas razões expostas propomos a seguinte redação substitutiva para tal aprovação. A responsabilidade técnica pela elaboração de Estudos de Impacto de Vizinhança EIV e Relatórios de Impacto de Vizinhança RIV é prerrogativa do engenheiro civil e dos demais profissionais fiscalizados pelo Sistema CONFEA-CREAs, devendo ser levado em conta o predomínio das atividades envolvidas e o porte do empreendimento, para a definição daquele que poderá se responsabilizar integralmente ou daquele que poderá coordenar uma equipe multidisciplinar que as compete. OBS : Manifestação da CEGM referente ao Memorando nº 109/2013 da Câmara Especializada de Engenharia Civil CEEC, reencaminhado pelo Gestor Operacional do Crea-RS. RELATOR : Cons. Astor José Gruner CONCLUSÃO : 1-Conforme análise dos fatos e a fundamentação legal acima entendemos ser atribuição típica e privativa de Engenheiro Civil a COORDENAÇÃO de Estudo de Impacto de Vizinhança (EIV) e do Relatório de Impacto de Vizinhança (RIV), sendo que quando necessário, tendo em vista assuntos específicos que sejam atribuição de outro profissional do sistema ou para enriquecer o trabalho, poderá ser formada equipe multidisciplinar envolvendo outros profissionais de áreas afins, inclusive registrados em outros conselhos profissionais, sempre sob a coordenação do Engenheiro Civil. 2-Enviar cópia deste relato para o Gestor Operacional e para todas as Câmaras Especializadas deste Crea-RS. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : do Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado, datado: 20/03/2014. ASSUNTO : Encaminha informativo do Curso de Técnico em Edificação gratuito realizado pela Universidade FEEVALE através do PRONATEC - Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico. O curso não possui registro no CREA-RS e o Mercado de Trabalho que está sendo oferecido não fazem parte das atribuições dos técnicos em edificações. OBS : O Cons. Fernando Martins Pereira da Silva informou que esteve no Ministério da Educação falando sobre os cursos do PRONATEC e explicou que o PRONATEC é uma reedição do curso técnico a partir do ensino médio com horas adicionais. O que a FEEVALE está colocando como atribuição é por conta da instituição, não é o que diz a Lei que instituiu o curso técnico do PRONATEC. O PRONATEC possui alguns eixos, sendo o que nos interessa o eixo tecnológico de infraestrutura, onde o curso de técnico em edificações possui 1200 horas. Possui um programa mínimo, exigido pelo próprio Ministério da Educação: legislação e normas técnicas; sistemas construtivos; desenho técnico; materiais de construção; 9

10 RELATOR CONCLUSÃO planejamento de obras; topografia; solos; controle de qualidade em obras; normas de segurança e saúde no trabalho. Exige também que as escolas que possuem o curso tenham biblioteca com acervo específico, laboratórios e os alunos devem fazer estágio obrigatório em canteiro de obra. O Cons. Fernando informou ainda que o PRONATEC foi instituído pela Portaria nº 870/2008. O Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado questionou sobre o registro destes cursos no Crea-RS, que as instituições deixam para encaminhar o mesmo somente após as turmas formadas. O Cons. Fernando explicou que o Ministério da Educação diz que a responsabilidade de solicitar o registro do curso no Conselho é das instituições que promovem os cursos e salienta que as instituições podem solicitar o reconhecimento de seus cursos até terem a primeira turma formada, não necessariamente no início do curso. Acrescentou que a Câmara poderia, com relação a este curso específico da FEEVALE, oficiar a instituição a respeito do cadastro de seu curso no Crea-RS e sobre as atribuições dos técnicos em edificação. : Cons. Fernando Martins Pereira da Silva : A Câmara decidiu por oficiar a instituição FEEVALE a respeito do cadastro de seu curso de Técnico em Edificações no Crea-RS e sobre as atribuições dos técnicos em edificação. Aprovado com vinte e cinco votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Ato Normativo 03/90. ASSUNTO : Estabelece as condições de participação dos intervenientes em serviços e obras de engenharia, arquitetura e agronomia, e revoga o Ato n 03/78. RELATOR : Cons. Claudio Akila Otani, Mário Cézar Macedo Munró, Márcio Marun Gomes e João Luis de O. Collares M. CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.5 REFERÊNCIA : Memorando Interno n. 116/2013, de 09/12/2013, da Câmara Especializada de Agronomia. ASSUNTO : Encaminha Norma de Fiscalização n. 002/2013 que dispõe sobre os procedimentos da Fiscalização da Pessoa Jurídica que desenvolve atividade no setor da agropecuária e dá outras providências. Prazo até 20/12/2013 para enviar considerações. RELATOR : Cons. Marcelo Suarez Saldanha CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.6 REFERÊNCIA : Curso de Tecnologia em Construção de Edifícios 2014 na FTSG - Faculdade de Tecnologia da Serra Gaúcha OBS : Reiterado o Memorando nº 104/2013-CEEC, que solicita à CEAP informações acerca do referido curso. RELATOR : Cons. Bruno Susin CONCLUSÃO : Retirado de pauta até que se tenha resposta do Memorando nº 104/2013-CEEC. Ciente. 6.7 REFERÊNCIA : enviado pelo Cons. Astor José Gruner datado 04/04/2014. ASSUNTO : Atribuição de Engenheiros Agrônomos e Agrícolas para emissão de ART's referentes a PONTES. OBS : Aguardar retorno da Câmara de Agronomia sobre a marcação da reunião para tratar esse assunto. 10

11 RELATOR CONCLUSÃO Análise do processo nº (MEMO 031/ /04/2014). O Cons. Astor José Gruner informou sobre o processo nº que foi fiscalizada a ponte de Encruzilhada do Sul e que a mesma foi feita de concreto armado com a responsabilidade técnica de um Engenheiro Agrícola. Foi solicitada a presença do Gestor da Fiscalização mas o mesmo não estava no Conselho e então veio o Supervisor de Fiscalização Vitor Hugo da Silva Molina. : Cons. Astor José Gruner e Cons. Marcus Vinicius do Prado : Encaminhou-se para a próxima reunião RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : E.P.P. RELATOR : Cons. Alberto Stochero CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ALEXSANDRO LAURINDO MACHADO RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Sou pela procedência do Auto de Infração, contudo, aplicando-se o beneficio da redução de 20% (vinte por cento) do valor da multa prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONTRACTOR INSTALADORA LTDA - ME RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ADERLEI DA SILVA XAVIER RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Sou pela procedência do Auto de Infração, contudo, aplicando-se o benefício da redução de 20% (vinte por cento) do valor da multa prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até 11

12 a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MARCOS JESSE OLIVEIRA SALES RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Conceda-se o prazo suplementar de 30 (trinta) dias, a contar do recebimento da comunicação desta decisão, para a sua regularização através do registro da competente ART, recolhida por profissional habilitado. Havendo a regularização nos termos acima, hipótese em que a multa será mantida, contudo, aplicando-se o benefício da redução de 20% (vinte por cento) do valor previsto na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. Em caso de ausência de regularização, sou pela procedência do Auto de Infração, com a manutenção da multa imposta no seu valor integral, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : NARA MARGARETE DOS SANTOS RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo constata-se que a obra/serviço objeto da autuação não era passível de regularização, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. O autuado deve ser informado que, tão logo seja regularizada a situação do terreno, a edificação também deverá ser objeto de regularização junto ao Crea-RS, através da contratação de profissional habilitado e do recolhimento da correspondente ART. Deverá, também, dar-se conhecimento ao Ministério Público e ao Poder Público Municipal do ilícito notificado, para ciência e para que procedam de acordo com a legislação aplicável ao caso. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ADRIANO DOS SANTOS VIEIRA CIELSKI CONSTRUÇÃO - ME RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D

13 7.2.7 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CRS ENGENHARIA E CONSULTORIA LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : AMÍLTON BOSQUETTO RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : EMPRESA GAUCHA COMERCIO E CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise da documentação que consta no processo conclui-se pela ausência de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular do processo, devendo o presente Auto de Infração ser arquivado, com a extinção da multa imposta. Reiniciar o processo de fiscalização para este ilícito, dentro dos procedimentos estabelecidos pela Resolução nº 1.008, de 2004, e normas aplicáveis à situação específica. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MAURICIO VINICIUS GODOY RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da 13

14 citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : L E C COMÉRCIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO FERRAGEM E EMPREITEIRA DE MÃO DE OBR LTDA - ME RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : EFR EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : GILSON DUARTE AZEVEDO RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LORIMI SORNBERGER MAURER - ME RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O(a) Autuado(a) deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D

15 Processos de registro profissional e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MARCOS CÉSAR CADORE RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Analisando o Oficio fornecido pela empresa Bianchini S/A. Industria, Comercio e Agricultura com as atividades do profissional, fl. 08, em que a empresa informa que o profissional " Exerce a operação das plantas de pré-tratamento e transesterificação", que são atividades técnicas, indeferimos a interrupção de registro do Técnico em Meio Ambiente Marcos César Cadore PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : WAGNER DANTON DE BITTENCOURT BILHALVA RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da anotação do Curso de Mestrado em Geomática - Área de Concentração: Tecnologia da Geoinformação Processos de Registro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ZANON INDÚSTRIA DE ESTRUTURAS EM CONCRETO LTDA RELATOR : Cons. Marcio Marun Gomes CONCLUSÃO : Determinamos a baixa de Registro de Pessoa Jurídica junto a este Conselho. Cumprir a Instrução da Presidência Nº 109/2009. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : QUEIROZ MELLO TWINS BARRA GARDEN EMPREENDIMENTOS IMOB. LTDA. RELATOR : Cons. Fernando Alberto Gehrke CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica QUEIROZ MELLO TWINS BARRA GARDEN EMPREENDIMENTOS IMOB. LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL LEANDRO DOS SANTOS BOTTA, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: PROMOVER A EXECUÇÃO, MEDIANTE INCORPORAÇÃO, CONSTRUÇÃO, DE UM EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO, COM RECURSOS PRÓPRIOS E PROVENIENTES DE CRÉDITO ASSOCIATIVO ATRAVÉS DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART:Solicitamos a alteração na ART Nº , fl. 17, no campo: Quantidade:(6,50) e Unid:(h/d) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PRE MOLDADOS ARGENTA LTDA RELATOR : Cons. Marcio Marun Gomes CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica PRE MOLDADOS ARGENTA LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL ANDRÉ RICARDO CISLAGHI, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS, INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E SERVIÇOS DE REFORMA, E SERVIÇOS GERAIS NA CONSTRUÇÃO CIVIL. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PRE FORTE MOLDADOS LTDA RELATOR : Cons. Marcio Marun Gomes 15

16 CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica PRE FORTE MOLDADOS LTDA., sob a responsabilidade técnica da ENG. CIVIL SIMONE WINCK, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS PRE-MOLDADAS DE CONCRETO ARMADO; FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE CIMENTO PARA USO NA CONSTRUÇÃO; CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUIX CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA-EPP RELATOR : Cons. Marcio Marun Gomes CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica CONSTRUIX CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA-EPP, sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL GIULIANO DE AZEVEDO OLIVEIRA, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO DE BARRAGENS E REPRESAS PARA GERAÇÃO DE ENERGIA(obras civis); OBRAS DE ALVENARIA; INCORPORAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS; MONTAGEM DE ESTRUTURAS METÁLICAS; CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS; FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO ARMADO EM SÉRIE E SOB ENCOMENDA. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão. Após, encaminhar à Câmara Especializada de Engenharia Industrial para análise do objeto social de fl PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : IGOR MIGUEL BIANCHI & CIA LTDA RELATOR : Cons. Marcio Marun Gomes CONCLUSÃO : Deferir o registro da Pessoa Jurídica IGOR MIGUEL BIANCHI & CIA. LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL ALEXANDRE BERNARDON, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS; CONSTRUÇÃO DE INSTALAÇÕES ESPORTIVAS E RECREATIVAS; CONSTRUÇÃO DE PONTES, TÚNEIS, VIADUTOS, ELEVADOS; OBRAS DE ALVENARIA; SERVIÇO DE PINTURA PAREDES, TETOS E RODAPÉS; SERVIÇOS DE CALÇAMENTO DE RUAS; OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO DE RUAS; SERVIÇOS DE PREPARAÇÃO DE TERRENOS PARA CONSTRUÇÃO. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LUXO POPULAR CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES RELATOR : Cons. Gerson Sonaglio CONCLUSÃO : Deferir o registro da Pessoa Jurídica LUXO POPULAR CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL CRISTOFER GUNTER PIRES LACERDA, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO DE IMÓVEIS. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MARCELO BORGES DE FIGUEIREDO RELATOR : Cons. Maria Izabel Brener da Rosa CONCLUSÃO : Deferir o registro de firma individual de leigo, da empresa MARCELO BORGES DE FIGUEIREDO-ME, sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL JONATAN RAFAEL MARQUES, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO ELÉTRICA(restrito a baixa tensão em edificações); INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO; INSTALAÇÃO DE PORTAS, JANELAS, TETOS, DIVISÓRIAS E ARMÁRIOS EMBUTIDOS DE QUALQUER MATERIAL; INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS, SANITÁRIAS E DE GÁS(predial). Oficiar a empresa dando ciência desta decisão. 16

17 7.4.9 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAP CONSULTORIA DE INVESTIMENTOS LTDA. RELATOR : Cons. Fernando Martins Pereira da Silva CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL DORLI PEREIRA DA SILVA como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : COBIAN CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA RELATOR : Cons. Fernando Martins Pereira da Silva CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL GUILHERME LUIS BIANCHINI como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente, passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO DE CASAS E EDIFÍCIOS, INCORPORAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS, LOTEAMENTO(limitado ao parcelamento do solo urbano restrito aos itens 1.1, 1.2, 1.3, 1.5, 2, 4.1, 6, 7, 8, 9.1, 9.2, 10, 11 da decisão normativa 047/92 do CONFEA) DE IMÓVEIS PRÓPRIOS. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ECO VERDE PRESTAÇÃO SERVIÇOS DE COLETA DE LIXO LTDA ME RELATOR : Cons. Gerson Sonaglio CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. AMBIENTAL RENATO FORTUNATI como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CJS SERVIÇOS LTDA - ME RELATOR : Cons. Fernando Alberto Gehrke CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL RODRIGO DURANTE como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : VIA NORTE COLETA E TRANSPORTE DE RESÍDUOS LTDA - EPP RELATOR : Cons. Gerson Sonaglio CONCLUSÃO : Esta Especializada está ciente da manifestação da empresa de fl. 99, em resposta ao parecer de fls. 72 e 73. Encaminhar à Câmara Especializada de Engenharia Química para análise do objeto social de fls. 97 e PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CONSTRUTORA E PRÉ-MOLDADOS REIS & SILVA LTDA - ME RELATOR : Cons. Gerson Sonaglio CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL GUSTAVO MENEGUSSO PIRES, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ÁGUA E SOLO ESTUDOS E PROJETOS LTDA 17

18 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Gerson Sonaglio : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL JOSE DE RIBAMAR SOUSA, pela Pessoa Jurídica requerente, passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: ESTUDOS, PARECERES, CONSULTORIA, ASSESSORIA, AUDITORIA E PROJETOS; ELABORAÇÃO DE PARECERES, RELATÓRIOS, PLANOS, PROJETOS, ARBITRAGENS E LAUDOS, EM QUE SE EXIJA A APLICAÇÃO DE CONHECIMENTOS INERENTES ÀS TÉCNICAS DE ORGANIZAÇÃO; GERENCIAMENTO DE PROGRAMAS, PROJETO E OBRAS. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ETEL - ESTUDOS TÉCNICOS LTDA RELATOR : Cons. Fernando Alberto Gehrke CONCLUSÃO : Deferir a baixa de responsabilidade técnica do ENG. CIVIL JOÃO SOTHER CELESTINO ALVES, pela Pessoa Jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à Pessoa Jurídica dando-lhes ciência da decisão Processos para Homologar PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SBS ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES S.A. RELATOR : Cons. Alice Helena Coelho Scholl CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL WAINE GINARDI TEIXEIRA DE SOUZA como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. O deferimento neste parecer é válido provisoriamente, pelo prazo de 90 dias. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART: Solicitamos a alteração na ART Nº , fl. 1259, nos campos: Quantidade: (08) e Unid: (H/D) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ARTEBRAZ SERVIÇOS DE CONSTRUÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento do visto em certidão e deferimento da ART n no acervo técnico do profissional, sendo que o processo deverá ser encaminhado ao Departamento de Acervo Técnico e Art para a seguinte alteração na ART : - Incluir no campo observações: "empresa executante: Artebraz Serviços de Construções Ltda - ME." Processos de Cadastro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MANAPÁ CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO SPE LTDA RELATOR : Cons. Gerson Sonaglio CONCLUSÃO : Deferir a alteração de carga horária e vínculo empregatício da ENG. CIVIL CRISTIANE GROFF, Responsável Técnica pela empresa MANAPÁ CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO SPE LTDA. Oficiar ao profissional e à empresa dando-lhes ciência da decisão Processos de Registro de ART pela Resolução 394 Processos para Homologar 18

19 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : FERNANDO MARTINS LIMONGI RELATOR : Cons. Alice Helena Coelho Scholl CONCLUSÃO : Processo deferido Processos relativos à ART - outros Processos para Homologar PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAULO ROBERTO GOMES RELATOR : Cons. Luiz Antônio Bragança da Cunda CONCLUSÃO : Processo deferido. 8. APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EXTRAPAUTA RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : L.A.S.C. RELATOR : Cons. Gabriel Cabeda Maciel CONCLUSÃO : Trata-se de Denúncia da Justiça Federal, através da Vara Federal de Cruz Alta, onde consta como denunciado o Engenheiro Civil Luiz Alberto Soares de Castro. Do objeto da denúncia: Carlos Guimarães dos Santos e Adriana Paula Correa dos Santos firmaram financiamento imobiliário com a Caixa Federal para construção de moradia no ano de 2000, oportunidade em que contrataram os serviços do Eng. Civil Luiz Alberto Soares de Castro. Aconteceram fissuras nas paredes da edificação, houve substituição de marca de material de construção diferente do que foi especificado no memorial descritivo, ocasionando problemas denominados de vícios de construção, conforme parecer do perito. O denunciado, de acordo com a defesa apresentada na folha 31, é profissional do sistema à 39 anos sem jamais ter ocorrido problemas de ordem Ética ou Técnica, informa, também, que o seu representante no processo judicial não patrocinou sua causa na melhor forma, resultando em condenação judicial para reconstruir a casa e pagar indenização por danos morais, sentença esta que já foi cumprida, conforme consta na folha 32. Entretanto, cabe salientar o parecer do perito apresentado nas folhas 304/305 do processo judicial, onde recomendou a possibilidade de recuperação e não a demolição com reconstrução. Considerando os fatos descritos, anteriormente, constata-se que o profissional Engenheiro Civil Luiz Alberto Soares de Castro cumpriu a sentença judicial reconstruindo a casa e pagando a indenização que o juiz estabeleceu. CONCLUO O RELATO PELO ARQUIVAMENTO DA PRESENTE DENÚNCIA CONTRA O PROFISSIONAL. ESTE É O PARECER. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.A.F.L. RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa 19

20 CONCLUSÃO : Procedida a análise preliminar, nos termos do artigo 8º da Resolução nº 1.004, de 2003, do Confea, denota-se que os fatos denunciados não se caracterizam como infração ética e sim como de natureza obrigacional, cujo julgamento é de competência do poder judiciário. Isto posto, a denúncia não pode ser recebida, porque em desconformidade com o disposto na Resolução nº 1.004, de 2003, do Confea. Oficie-se ao denunciante e ao denunciado da decisão desta Especializada, após arquive-se o presente processo. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : L.S.B. RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Da análise da documentação que consta no processo, em especial, o Relatório final da Comissão de Ética e a não manifestação do denunciado deve ser aplicada a penalidade de Censura Pública ao profissional denunciado, pois há comprovação de que infringiu o Código de Ética Profissional instituído pela Resolução n/ 1.002, de 2002, do Confea, nos seguintes dispositivos: artigos 8, 9, 10 e 13. Intime-se novamente às partes, concedendo-lhes o prazo de 60 (sessenta) dias para, querendo, interpor recurso ao Plenário do CREA-RS, conforme dispõe a Resolução n 1.004, de 2003, em seu artigo 37. Ao final do referido prazo, caso não seja apresentado recurso, a penalidade será aplicada. Aprovado com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : E.P.P. RELATOR : Cons. Felipe Nascimento Abib CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : V.H.C. RELATOR : Cons. Marcos Wetzel da Rosa CONCLUSÃO : Antes desta Câmara realizar o julgamento, necessário dar ciência às partes do teor do citado relatório, abrindo-se prazo de 10(dez) dias para manifestação, de acordo com a Resolução n do Confea. Após encerrado o prazo, com ou sem manifestação das partes, volte para análise e julgamento PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : G.F.C.F. RELATOR : Cons. Daniel Lena Souto CONCLUSÃO : Antes desta Câmara realizar o julgamento, necessário dar ciência às partes do teor do citado relatório, abrindo-se prazo de 10(dez) dias para manifestação, de acordo com a Resolução n do Confea. Após encerrado o prazo, com ou sem manifestação das partes, volte para análise e julgamento PROTOCOLO Nº:

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 28 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 11 de Abril de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Representante do Plenário

Leia mais

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Dezembro de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Nelson Kalil Moussalle Coordenador

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 643, DE

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 14 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 5 de Dezembro de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 19 de maio de 2015 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. Indl. Mec. e Seg. Trab. Elio Lopes

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 4. LEITURA DE EXTRATO DE CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

Leia mais

Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 25 de Novembro de 2016 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Analista de Processos Analista de Processos 1. VERIFICAÇÃO

Leia mais

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 17 de dezembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 21 de Outubro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 10 de Maio de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Dezembro de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho APOIO AO DIREITO DO CONSUMIDOR IT. 12 08 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos visando à solução de litígios motivados por problemas técnicos, no que se refere à participação de Profissionais/Empresas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 23 de Setembro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece procedimentos administrativos para fins de Registro de Atestado de obra/serviço no Crea-RS, conforme disposto na Resolução do Confea

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 7 de Junho de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselherio Representante

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - FCAP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DO RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM SF I. I - A.N.I. - MANUTENÇÃO UGI NORTE 1 SF-659/2012 SANDRA REGINA TEIXEIRA SANTIAGO CARLOS ALBERTO GUIMARÃES GARCEZ Processo: SF- 659/2012 Interessado: SANDRA REGINA TEIXEIRA

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2006 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES PROCESSO Nº: UNIDADE GESTORA: RESPONSÁVEIS: INTERESSADO: ASSUNTO: RELATÓRIO REINSTRUÇÃO: DE ELC-14/00549369

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA

Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA EMENTA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº. 876860-7, DA 12ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DE LONDRINA Agravante : COMERCIAL LONDRINENSE DE EXPLOSIVOS E MINERAÇÃO LTDA Agravado Relator : MUNICÍPIO DE LONDRINA : Des. LEONEL CUNHA

Leia mais

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades.

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades. ATO NORMATIVO Nº 55/03 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea ES, para o exercício de 2004 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL

INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL INGRESSO DE PROFISSIONAIS ESTRANGEIROS NO BRASIL REGISTRO PROFISSIONAL E ACERVO TÉCNICO A EXPERIÊNCIA DO CREA-PR Eng. Civ. Joel Krüger Presidente CREA-PR Sistema CONFEA/CREAs 977.750 Profissionais 306

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 5 de Outubro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Analista de Processos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009)

DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) DECRETO Nº 50.943, DE 23 DE OUTUBRO DE 2009 (Regulamenta as disposições da Lei Nº 15.003, de 23 de Outubro de 2009) Estabelece diretrizes e normas referentes à construção, instalação, reforma, ampliação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o registro de profissionais, aprova os modelos e os critérios para expedição de Carteira de Identidade Profissional e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 1.032, DE 30 DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre a celebração de convênios entre os Creas e as entidades de classe e as instituições de ensino e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 17 de Dezembro de 2010 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Coordenador-Adjunto

Leia mais

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009.

Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. 1 Publicada no Diário Oficial do Amapá Nº. 4635 de 07/12/2009. GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA nº. 018/2009 Dispõe sobre os procedimentos para a concessão

Leia mais

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROC: 1/004193/2004 \ AL: 1/200410475 ESTADO DO CEARA SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROCESSO DE RECURSO N 1/004193/2004 AUTO

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA

LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA OBRIGATÓRIA REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA LEGISLAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SALVADOR QUE DETERMINA "OBRIGATÓRIA" REALIZAÇÃO DE INSPEÇÃO PREDIAL POR PROFISSIONAL HABILITADO NO CREA Diário Oficial do Município ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 5.907/2001

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA N.º 531/2015 (quingentésima trigésima primeira) DIVISÃO DE APOIO AO COLEGIADO - DAC ASSUNTO: Pauta da Sessão Ordinária n.º 531/2015, do Plenário do Crea-DF. 11/FEV/2015 HORÁRIO:

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Referência: Processo n.º 0.00.002.001198/2014-32 Edital do Pregão Eletrônico nº 43/2014 Contratação de serviços técnicos continuados de operação do sistema de automação, remanejamento e instalação de equipamentos

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV. Mário Barreiros ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA - EIV Mário Barreiros Arquiteto Mestre em Engenharia Civil e Urbana Flektor Engenharia e Consultoria Ltda. Palestra realizada para o Instituto de Desenvolvimento Urbano

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 659, DE 10/09/2012-18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 659, DE 10/09/2012-18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR: SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 658, DE 13/08/2012,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro Educacional Sorocabano Uirapuru Ltda. UF: SP ASSUNTO: Consulta sobre a aplicação das Diretrizes Curriculares

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

NORMA nº 02/2011 - CEGM

NORMA nº 02/2011 - CEGM NORMA nº 02/2011 - CEGM Dispõe sobre a fiscalização e regularização das atividades de planejamento, pesquisa, locação, perfuração, ensaios, limpeza e manutenção de poços tubulares para captação de água

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL

FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL FISCALIZAÇÃO NA ÁREA DA ENGENHARIA CIVIL Eng. ª Civil Cristiane de Oliveira Analista de Processos CEEC Rogério Fernando G. de Oliveira Supervisor Temas a serem abordados: - Fiscalização em obras de Profissionais

Leia mais

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Dispõe sobre a NBC P 5 sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas

Leia mais

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica

Estado de Mato Grosso Município de Tangará da Serra Assessoria Jurídica MENSAGEM PROJETO DE LEI xxx/gp/2012 Tangará da Serra/MT, xx de xxxxxxxxxx de 2012. Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos (a) Senhores (a) Vereadores (a), Cumprimentando-o cordialmente, vimos

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS

Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS Regimento do Conselho Municipal de Educação (CME) Venâncio Aires - RS CAPITULO I DA NATUREZA Art. 1º O Conselho Municipal de Educação de Venâncio Aires, consolidado pela lei Municipal nº 3904 de 16 de

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 41/96 - Plenário - Ata 05/96 Processo nº TC 010.652/95-7 Interessado: Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul - Dr.

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL Inspetoria 1 DIVISÃO 1 PROCESSO Nº: REP 11/00278840 UNIDADE GESTORA: PREFEITURA MUNICIPAL DE TIJUCAS INTERESSADO:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia UF: BA S/C Ltda. e outros ASSUNTO: Consulta sobre a vigência

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88

R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 R E S O L U Ç Ã O Nº 002/88 CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFPI Aprova o Regimento do Conselho de Administração da UFPI. O Reitor da Universidade Federal do Piauí e Presidente do Conselho de Administração,

Leia mais

EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER

EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER 1) INTRODUÇÃO Considerando que para ter-se uma comunidade com qualidade de vida, deve-se compreender que tal qualidade está diretamente

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho BAIXA DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA IT. 44 05 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para solicitação de baixa de Anotação de Responsabilidade Técnica ART. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT.01

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER

EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER 1) INTRODUÇÃO O presente Edital abre oportunidade para que as Instituições Públicas e as Privadas, desde que sem fins lucrativos e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal

CONPLAM Conselho de Planejamento Urbano e Meio Ambiente de Natal PEDIDO DE VISTAS Conselheiro WILSON LUIZ CARDOSO (Clube de Engenharia do RN) PROCESSO: Nº. 00000.022525/2008-73 (SEMURB) Cadastrado em 02/07/2008 ASSUNTO: Solicita Análise do CONPLAM sobre o substitutivo

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispões sobre o Registro de Responsabilidade Técnica (RRT) na prestação de serviços de arquitetura e urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05 DE MARÇO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 016/2015 DE 05

Leia mais

Saiba como funciona. www.cubatao.sp.gov.br

Saiba como funciona. www.cubatao.sp.gov.br IPTU BOM EMPREENDEDOR Saiba como funciona www.cubatao.sp.gov.br Descontos que são transformados em benefícios para a comunidade O IPTU do Bom Empreendedor é uma iniciativa inédita da Prefeitura de Cubatão.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

Recurso contra aplicação de multa cominatória

Recurso contra aplicação de multa cominatória PARA: GEA-2 DE: Paulo Portinho RA/CVM/SEP/GEA-2/Nº 105/2015 DATA: 22/06/2015 ASSUNTO: Recurso contra aplicação de multa cominatória CIA. INDL. SCHLOSSER S.A. Processo CVM nº 2014-14745 1. Senhor Superintendente,

Leia mais

CÂMARA DE GRADUAÇÃO PARECER CEPE Nº 069/2014 ASSUNTO: Determinações ao Colegiado de Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, da UEPG. PROCESSO Nº 09296 de 13 de junho de 2014. RELATÓRIO Tendo em vista

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo

Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Quinta-feira, 26 de Abril de 2007 Ano XIII - Edição N.: 2834 Diário Oficial do Município Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo DECRETO Nº 12.693 DE 25 DE ABRIL DE 2007 Estabelece procedimentos

Leia mais

PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009)

PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009) PARECER CREMEB N 21/09 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/06/2009) EXPEDIENTE CONSULTA 91787/02 ASSUNTO: Fornecimento de resultados de exames complementares de trabalhadores ao Sistema Público de Saúde

Leia mais