Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil"

Transcrição

1 Súmula da Reunião Ordinária n 1076, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 28 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Conselheiro Analista de Processos Analista de Processos Assistente Administrativo Assessor da Presidencia Estagiária Assistente Administrativo Estagiário Eng. Civ. João Luis De Oliveira Collares Machado Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Alice Helena Coelho Scholl Eng. Civ., Eng. Ind. Mec. Alberto Stochero Eng. Civ. Antonio Alcindo Medeiros Piekala Eng. Civ. Carlos André Bulhões Mendes Eng. Civ. Carlos Giovani Fontana Eng. Civ. Carlos Germano Weinmann Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Claudio Akila Otani Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Daniel Lena Souto Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Emidio Marques Ferreira Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Felipe Nascimento Abib Eng. Civ. Fernando Alberto Gehrke Eng. Civ. Fernando Martins Pereira Da Silva Eng. Civ. Hilário Pires Eng. Civ. Johni Suarez Acosta Eng. Civ. José Ubirajara Martins Flores Eng. Civ. Pasqual Fatturi Pires Eng. Civ. Luiz Antonio Braganca Da Cunda Eng. Civ., Tec. Agropec. Marcelo Suarez Saldanha Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcio Marun Gomes Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Marcos Wetzel Da Rosa Eng. Civ. Marcus Vinicius Do Prado Eng. Civ. Maria Izabel Brener Da Rosa Eng. Civ. Mario Cezar Macedo Munró Eng. Civ., Marcus Vinicius Leite De Santana Eng. Civ. Sergio Luiz Brum Eng. Civ., Eng. Seg. Trab. Antônio Silvério Eng. Civ. Suzel Magali Vanzellotti Leite Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Eng. Civ. Cristiane De Oliveira Eng. Civ. Manoela Schumacher Triches Dos Santos Vera Regina Pereira Mendonca Eng. Civ. Alcimar Da Rocha Lopes Adriane Chaves Borba Elaine Lourdes A. Viegas Rodrigo Pacheco Fialho OBSERVAÇÕES.: Justificaram previamente ausência os Conselheiros: Ricardo Giacomello Colbalchini e seu suplente o Cons. Marcelo Rodrigo Ticiani, André Horak, Odilon Carpes Moraes, Sheila Cristina Kehl Pieper, Lia Maria Herzer Quintana. Não justificou ausência o Conselheiro Daniel Duarte das Neves não sendo 1

2 convocado o seu suplente, o conselheiro Rodrigo Wienskoski Araujo. 1. VERIFICAÇÃO DO QUÓRUM CONCLUSÃO : Quórum foi verificado. 2. APROVAÇÃO DA(S) SÚMULA(S) nº 1073, 1074 CONCLUSÃO : Aprovadas com vinte e seis votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. Súmula D0167; Súmula D ANÁLISE DO EXPEDIENTE ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA CONHECIMENTO REFERÊNCIA : Memorando nº 010/2014, datado de 17/03/2014, da Câmara Especializada de Engenharia Industrial, do Crea-RS ASSUNTO : Informa que concorda que o Estudo de Impacto de Vizinhança - EIV é multidisciplinar e que o engenheiro mecânico também possui competência para exercer a coordenação do Estudo/Relatório de Impacto de Vizinhança - EIV/RIV. CONCLUSÃO : Ciente. Foi distribuído para o Cons. Astor José Grüner. Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : Memorando nº 014/2014, datado de 17/03/2014, da Câmara Especializada de Engenharia Industrial, do Crea-RS. ASSUNTO : Informa que decidiu enviar memorando as outras Especializada comunicando que concorda com o Memorando nº 018/2014-CEEST, da Câmara Especializada de Engenharia de Seguraça do Trabalho, do Crea-RS CONCLUSÃO : Ciente. Foi distribuído para o Cons. Astor José Grüner. Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : Instrução da Presidência n 161, de 02/12/2013, do Crea-RS. ASSUNTO : Estabelece procedimentos para a indicação de representante do Crea-RS para proferir palestras institucionais e técnicas nas instituições de ensino de nível médio e superior. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Memorando n 01/2014-GECE - Unidade de Recurso ao Plenário, do Crea-RS ASSUNTO : Encaminha sumário dos processos relatados pela Comissão de análise de processos de recurso ao plenário. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Memorando n. 02/ Comissão de Coordenadores de Câmaras Especializadas - CCCam ASSUNTO : Informa que na Reunião realizada em 27/03/2014, foram eleitos o Engenheiro Florestal Luiz Ernesto Grillo Elesbão e o Engenheiro Eletricista Jorge Fernando Ruschel dos Santos, respectivamente, como Coordenador e Coordenador Adjunto da Comissão, para o exercício de CONCLUSÃO : Ciente ANÁLISE DO EXPEDIENTE - PARA MANIFESTAÇÃO REFERÊNCIA : Composição da Comissão Eleitoral ASSUNTO : Indicação de dois Conselheiros da CEEC para compor a Comissão Eleitoral deste 2

3 OBS RELATOR CONCLUSÃO ano. : Indicação da Cons. Alice Coelho Scholl e do Cons. Marcos Wetzel da Rosa feita na Reunião Plenária do dia 14/03/2014 pelo Coordenador da CEEC. : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado : A Cons. Alice Coelho Scholl e o Cons. Marcos Wetzel da Rosa colocaram as vagas à disposição para que fossem escolhidos outros conselheiros pela Câmara, tendo em vista a indicação dos mesmos ter sido feita pelo Coordenador na Reunião Plenária do dia 14/03/2014. A CEEC decidiu por manter a indicação da Cons. Alice Coelho Scholl e do Cons. Marcos Wetzel da Rosa para participarem da Comissão Eleitoral deste ano. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Memorando nº 013/2014, 17/03/2014, da CEEI, do Crea-RS. ASSUNTO : Encaminha Norma de Fiscalização nº 015, de 20/12/2013, que dispõe sobre empresas enquadradas em regime especial de fiscalização na área da engenharia indústrial. OBS : Foi designado o Cons. Astor José Grüner para emitir parecer sobre o assunto. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil não se opõe à Norma de Fiscalização da Câmara Especializada de Engenharia Industrial nº 015/2013. Aprovado com vinte e sete votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : do Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado, datado: 20/03/2014. ASSUNTO : Encaminha informativo do Curso de Técnico em Edificação gratuito realizado pela Universidade FEEVALE através do PRONATEC - Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico. O curso não possui registro no CREA-RS e o Mercado de Trabalho que está sendo oferecido não fazem parte das atribuições dos técnicos em edificações. OBS : O Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado deu ciência do encaminhado ao PRONATEC solicitando reunião a fim de esclarecer algumas questões a respeito de atribuições e registro de curso no Conselho. A solicitação da Câmara foi protocolada no PRONATEC e aguarda o seu retorno. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente. Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : datado de 13/03/2014, do Departamento de Comunicação e Marketing, do Crea-RS. ASSUNTO : Solicita artigo para edição de maio/junho, da revista do Crea-RS. OBS : Distribuído para o Cons. Carlos Giovani Fontana que enviará matéria para a próxima publicação. CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : datado de 23/03/2014, da Assessoria de Apoio às Instituições de Ensino - AAIE, do Crea-RS. ASSUNTO : Solicitação de palestrante para PUC/RS. Assunto: A Ética e a Legislação Profissionais do Engenheiro Cursos: Mecânica, civil, produção, química e mecatrônica. Av. Ipiranga nº 6681 Prédio 30 do campus central da PUCRS, Sala 310C 3

4 OBS RELATOR CONCLUSÃO Opções de data: 02/04/2014 ou 09/04/2014 Horário: 19h30min. : Foi designado o Cons. José Ubirajara Martins Flores para a realização da palestra no dia 09/04/2014. : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado : Ciente REFERÊNCIA : Memorando n 030/2014-CEEST, datado de 24/03/2014, da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho, do Crea-RS. ASSUNTO : Manifestação sobre o Memorando 013/2014, que encaminha parecer da CEEC acerca do estuto de impacto de vizinhança. OBS : Foi designado o Cons. Astor José Grüner para analisar e emitir parecer acerca do Memorando 030/2014-CEEST. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente. Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : Reunião Ampliada ASSUNTO : Proposta de datas para a Primeira Reunião Ampliada da CEEC 1ª opção: 24/25/26 de abril de ª opção: 22/23/24 de maio de 2014 Sugestão e escolha da cidade. OBS : Foi decidido realizar a 1ª reunião ampliada nos dias 22/23/24 de maio de 2014, em Gramado/Canela (conforme disponibilidade de hotéis). RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comissão de Relato de Processos segundo Resolução nº 1.050/2013 OBS : A Comissão foi ampliada para atender também os processos referentes à Visto em Atestado, tendo em vista a grande demanda de processos deste tipo na CEEC. Foram incluídos na Comissão os Conselheiros Carlos Giovani Fontana, Hilário Pires, Márcio Marun Gomes, Marcos Wetzel da Rosa e Alice Helena Coelho Scholl. A Comissão passará a ser convocada semanalmente, nas sextas-feiras quando não houver reunião e nas quintas-feiras em semanas de reunião, por um período de 90 dias. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente COMUNICADOS REFERÊNCIA : Participação do Representante do Plenário Cons. Carlos Wengrover Rosa, da CEEST. OBS : O Coordenador saudou o Cons. Carlos Wengrover Rosa e passou a palavra ao mesmo. O Cons. Carlos Wengrover Rosa falou alguns minutos sobre o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio, sobre a nova Lei Complementar nº , publicada em dezembro de 2013, que ainda não possui regulamentação. Comentou que os profissionais estão baseando-se na Instrução Normativa 001/2014, publicada pelo Corpo de Bombeiros, enquanto a Lei Complementar não é regulamentada. Comentou ainda sobre a atribuição dos engenheiros civis para realizarem SPDA, que houve decisão na justiça que revogaria a Decisão Normativa nº 70/01. 4

5 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado : Ciente Comunicados Gerais REFERÊNCIA : Comunicados das Comissões ASSUNTO : A partir da próxima reunião (dia 11/04/2014) a coordenação vai receber os Comunicados das Comissões por escrito, quando os Conselheiros tiverem algo a manifestar. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião REFERÊNCIA : Presença do Eng. Agr. Gustavo André Lange, Diretor Presidente do CREACred-RS OBS : O Coordenador comunicou a presença do Eng. Agr. Gustavo André Lange, e lhe concedeu a palavra. O Eng. Agr. Gustavo André Lange falou sobre a nova unidade do Creacred-RS na sede da Mútua, e convidou a todos para a sua inauguração no dia 15/04/2014. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Seminário sobre PPCI em Santa Rosa OBS : O Cons. Hilário Pires parabenizou o Cons. Claudio Akila Otani pela organização do Seminário sobre Segurança, Prevenção e Proteção Contra Incêndio PPCI s, realizado em Santa Rosa nos dias 21 e 22 de março. Ainda, agradeceu ao Coordenador por solicitar autorização para a sua participação e dos Conselheiros Alberto Stochero, Antonio Alcindo Medeiros Piekala e Marcus Vinícius do Prado ao referido evento. RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : VI Seminário de Segurança Contra Incêndios em Edificações OBS : O Cons. Volnei Pereira da Silva comunicou aos conselheiros sobre o VI Seminário de Segurança Contra Incêndios em Edificações, a ser realizado na Unisinos no dia 01/04/2014, às 15:30, convidando a todos os presentes e informando que as inscrições são gratuitas. RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Ciente REFERÊNCIA : Comunicados dos Conselheiros OBS : O Coordenador abriu espaço para os conselheiros manifestarem-se. O Cons. Sérgio Luiz Brum comunicou que foi eleito Coordenador da Comissão de Renovação do Terço. O Cons. Volnei Pereira da Silva comunicou que participou da formatura do curso de Engenharia Civil na Unisinos e que não houve representante do Crea-RS para a entrega de carteiras dos formandos. RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Ciente APRESENTAÇÃO DA PAUTA DISCUSSÃO DOS ASSUNTOS PERTINENTES À CÂMARA ESPECIALIZADA 5

6 6.1 REFERÊNCIA : Memorando n. 118/2013, datado de 25/10/2013, do Gestor Operacional Engenheiro Civil Donário Braga Neto. ASSUNTO : Encaminha Instrução da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica n. 001, de 11/10/ Dispões sobre o exercício ilegal da profissão e o encaminhamento do processo à autoridade policial. CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil entende que a Instrução da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica n. 001, de 11/10/2013, deve ser redigida da seguinte maneira: "Art. 1º Toda vez que se caracterizar a habitualidade do exercício ilegal da profissão, a partir de processos administrativos, de acordo com o Art. 47 da Lei das Contravenções Penais, a Câmara de Engenharia Elétrica encaminhará denúncia à autoridade policial competente, solicitando que a mesma tome as devidas providências na esfera criminal." Encaminhar junto com este parecer o relato aprovado pela CEEC em 14 de março de 2014, acerca da Instrução da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho nº 001/2013, que versa sobre o mesmo assunto. Aprovado com vinte e nove votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D REFERÊNCIA : Ato Normativo 03/90. ASSUNTO : Estabelece as condições de participação dos intervenientes em serviços e obras de engenharia, arquitetura e agronomia, e revoga o Ato n 03/78. OBS : Foi encaminhado Ofício n. 581/ PRES/CCEC, em 18/10/2013 pelo Gabinete da Presidência. RELATOR : Cons. Sheila C. K. Pieper, João L. de O. Collares Machado CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.3 REFERÊNCIA : Curso de Tecnologia em Construção de Edifícios 2014 na FTSG - Faculdade de Tecnologia da Serra Gaúcha OBS : Foi decidido reiterar o Memorando nº 104/2013-CEEC, que solicita à CEAP informações acerca do referido curso. RELATOR : Cons. Bruno Susin CONCLUSÃO : Ciente. Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.4 REFERÊNCIA : Elaboração de parecer padrão sobre Projeto de Loteamentos RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6.5 REFERÊNCIA : Regimento Interno do Crea-RS. CONCLUSÃO : Assunto retirado de pauta. 6.6 REFERÊNCIA : Memorando Interno n. 116/2013, de 09/12/2013, da Câmara Especializada de Agronomia. ASSUNTO : Encaminha Norma de Fiscalização n. 002/2013 que dispõe sobre os procedimentos da Fiscalização da Pessoa Jurídica que desenvolve atividade no setor da agropecuária e dá outras providências. Prazo até 20/12/2013 para enviar considerações. RELATOR : Cons. Marcelo Suarez Saldanha CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião. 6

7 6.7 REFERÊNCIA : Ofício Circular nº 0086, datado de 09/01/2014, do Confea. ASSUNTO : Encaminha para manifestação anteprojeto de Resolução nº 001/2014, que dispõe sobre o registro de pessoas jurídicas nos Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia e dá outras providências. e Cons. Fernando Martins Pereira da Silva CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião RELATO DE PROCESSOS Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : JACSON D. T. FAIS CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : AGORCI MACHADO DA SILVEIRA CONCLUSÃO : Somos pelo arquivamento do presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : JG & R ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada.o autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LEO FERREIRA DOS PASSOS 7

8 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Marcos Wetzel da Rosa : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : GENERI REIS DA SILVA CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito, perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO), do valor da multa imposta prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ANGELINA MARTINS CONCLUSÃO : A autuada, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. A autuada deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : STB ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu 8

9 prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LUIZ CARLOS JUSTO DE OLIVEIRA CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : IEDA RIBEIRO GERHARDT - ME CONCLUSÃO : A autuada, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. A autuada deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LUCIANA PIRES MACEDO CONCLUSÃO : A autuada, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. A autuada deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D

10 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : IEX IMPORTAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO LTDA CONCLUSÃO : Da análise da defesa apresentada não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista o não atendimento das disposições legais antes citadas, restando assim configurado o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, prevista no art. 73, alínea "e", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : NELSON MARTINS LUZ CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluida na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : QUALINCORP INCORPORADORA LTDA CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RAFAEL LUIS CARRARD CONCLUSÃO : Da análise da defesa apresentada não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista o não atendimento das disposições legais antes citadas, restando assim configurado o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa imposta, prevista no art. 73, alínea d, da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. 10

11 contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RAUL ROMBALDI & CIA LTDA - ME CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ROSA PARTICIPAÇÕES E NEGÓCIOS LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAULO ERNANI VALANDRO CONCLUSÃO : Sou pela procedência do Auto de Infração, contudo, aplicando-se o beneficio da redução de 20% (vinte por cento) do valor da multa prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : REJANE TEIXEIRA MENDES CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. A Autuada deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. 11

12 contrário e nenhuma abstenção. D Processos de registro profissional e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TIAGO FAVARETTO DE CAMARGO RELATOR : Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da interrupção de registro do Técnico em Meio Ambiente Tiago Favaretto de Camargo no Crea-RS Processos de Registro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SPHERA CONSTRUÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Antônio Silvério CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica SPHERA CONSTRUÇÕES LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL LUIZ ANTÔNIO SANT'ANNA SOUTO, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÕES DE IMÓVEIS; INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO ELÉTRICA(restrito a baixa tensão em edificações). Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da decisão. Encaminhar à Câmara Especializada de Engenharia Industrial para análise da anotação de r.t. de fl. 05 e objeto social de fl. 10. E após, encaminhar à Câmara Especializada de Engenharia Elétrica para análise da anotação de r.t. de fl. 07 e objeto social de fl PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RJ - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS LTDA - ME RELATOR : Cons. Antonio Alcindo Medeiros Piekala CONCLUSÃO : Oficiar à empresa RJ - INSTALAÇÕES ELÉTRICAS LTDA - ME, solicitando que providencie Alteração Contratual, devidamente registrada na Junta Comercial do RS, incluindo em seu objeto social as atividades informadas no Contrato de Prestação de Serviços que são: "Prestação de serviços de engenharia civil, como projetos, execução, assessoria e fiscalização de obras", para que possamos anotar o Eng. Civil Reginaldo Scotti Madeira como Responsável Técnico pela empresa em tela. Caso seja efetuada alguma alteração deverá ser anexado ao processo nova Alteração Contratual, conforme os padrões Operacionais do CREA-RS. Concedemos o prazo de 10 (dez) dias a contar do recebimento deste para providências e/ou manifestação PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PFG POÇOS ARTESIANOS LTDA. ME RELATOR : Cons. Antonio Alcindo Medeiros Piekala CONCLUSÃO : Deferir a anotação da ENG. CIVIL DAIANE BRESSAN PACHECO como Responsável Técnica pela pessoa jurídica requerente. E somos pela homologação do parecer de fls. 142 e 143. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ENGINEERING S.A. SERVIÇOS TÉCNICOS SP 12

13 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Antonio Alcindo Medeiros Piekala : Deferir a baixa de registro da Pessoa Jurídica ENGINEERING S.A. SERVIÇOS TÉCNICOS SP e do profissional ENG. CIVIL MARCOS TAUNAY BERRETTINI. Cumprir a Instrução da Presidência n. 109/2009. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão Processos de Cadastro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ELISEU KOPP & CIA LTDA. RELATOR : Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite CONCLUSÃO : Esta Especializada está ciente da manifestação da empresa de fl. 582, em resposta ao parecer de fl Somos pelo arquivamento do presente processo PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : JNS SERVIÇOS TÉCNICOS LTDA ME RELATOR : Cons. Antonio Alcindo Medeiros Piekala CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica JNS TOPOGRAFIA LTDA ME, alterando sua razão social para: JNS SERVIÇOS TÉCNICOS LTDA.ME. Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica JNS SERVIÇOS TÉCNICOS LTDA.ME, passando a estar registrada na área da Engenharia Agrimensura para: SERVIÇOS E PROJETOS DE TOPOGRAFIA E GEODÉSIA; ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE OBRAS VIÁRIAS(no âmbito da engenharia de agrimensura); ADMINISTRAÇÃO DE OBRAS(no âmbito da engenharia de agrimensura); OBRAS DE NIVELAÇÃO DE RODOVIAS(no âmbito da engenharia de agrimensura. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão. Oficiar ainda à empresa informando que, para exercer as atividades de construção de estações e redes de distribuição de nergia elétrica(obras civis), deverá anotar engenheiro civil como responsável técnico no prazo de (10)dez dias. Após, encaminahr à Câmara Especializada de Engenharia Elétrica para análise do objeto social de fl PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CALIFA CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA RELATOR : Cons. Antonio Alcindo Medeiros Pierala CONCLUSÃO : Deferir a alteração contratual da Pessoa Jurídica CALIFA CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA., passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO DE IMÓVEIS, RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E INDUSTRIAIS, CONSTRUÇÕES DE CASAS E APARTAMENTOS PELO PLANO MINHA CASA MINHA VIDA DO GOVERNO FEDERAL, PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS, LOTEAMENTO, DESMEMBRAMENTO E DESDOBRO DE LOTES(limitado ao parcelamento do solo urbano, restrito aos itens 1.1, 1.2, 1.3, 1.5, 2, 3, 4, 4.1, 6, 7, 8, 9.1, 9.2, 10 e 11 da decisão normativa 047/92 do CONFEA), PROJETO, EXECUÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE OBRAS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS, INDUSTRIAIS, CALÇAMENTO, PAVIMENTAÇÃO, OBRAS DE INFRA ESTRUTURA E TERRAPLENAGEM, PERÍCIA, CONSULTORIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA EM ENGENHARIA CIVIL, VISTORIA, MEDIÇÃO, ORÇAMENTO E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS E EMPREENDIMENTOS URBANOS, REFORMAS E AMPLIAÇÕES DE IMÓVEIS, COMERCIAIS, RESIDENCIAIS E INDUSTRIAIS. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão. 13

14 8. APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS EXTRAPAUTA RELATO DE PROCESSOS Processos de Denúncia e Ética Profissional PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : J.L.M.R.C. RELATOR : Cons. Hilário Pires CONCLUSÃO : Encaminhou-se para a próxima reunião PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : R.V.J. RELATOR : Cons. Daniel Lena Souto CONCLUSÃO : Deste modo somos pelo arquivamento da presente denúncia. Comunicar as partes. Aprovado com vinte e nove votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : C.B. RELATOR : Cons. Alice Helena Coelho Scholl CONCLUSÃO : A Câmara Especializada de Engenharia Civil após análise dos documentos constantes nos autos do processo, acata o parecer da Comissão de Ética Profissional onde concluí pelo arquivamento do referido processo. Aprovado com vinte e nove votos favoráveis, nenhum voto contrário e nenhuma abstenção. D Processos de Auto de Infração PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : TRANSPORTES CUELLO LTDA. CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluida na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SERAUTO CONSTRUÇÕES LTDA CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito, perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO), do valor da multa imposta prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D

15 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ROQUE ALDAIR SEVERINO ALVES CONCLUSÃO : Sou pela procedência do Auto de Infração, contudo, aplicando-se o beneficio da redução de 20% (vinte por cento) do valor da multa prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ROTA DO SOL CONCRETOS LTDA - ME CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ROVANI CONSTRUÇÕES - INDUSTRIA E COMÉRCIO DE ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA-ME CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito, perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO), do valor da multa imposta prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RECANTO DOS PLATANOS EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluido na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RAMÃO NERI ROSA DO PRADO 15

16 RELATOR CONCLUSÃO : Cons. Marcos Wetzel da Rosa : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LEONARDO RAUPP PROCOPIO ME CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BENTO FRANCISCO GOULART DIAS CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiros os fatos constatados que configuram o exercício ilegal da profissão, capitulado no art. 6, alínea "a", da Lei 5.194, de Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "d", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : CELSO DA SILVA TISATO CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. 16

17 Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ACCIONA WINDPOWER BRASIL - COMÉRCIO, INDUSTRIA, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito, perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO), do valor da multa imposta prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DARCY WAGNER E CIA LTDA ME CONCLUSÃO : O autuado, regularmente notificado, não produziu defesa, ensejando assim o JULGAMENTO À REVELIA do Auto de Infração, presumindo-se verdadeiro o fato da autuada ter exercido atividades abrangidas pela área de fiscalização do Crea sem, no entanto, possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : RAMIREZ & PIETROWSKI LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº:

18 INTERESSADO : HCER GERENCIADORA E ENGENHARIA LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BERTÓ E CIA LTDA CONCLUSÃO : Somos pelo arquivamento do presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BIANCA DA SILVA ELY CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. A Autuada deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ALTERO DESIGN INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava regular na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : REUS CONSTRUÇOES LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para 18

19 desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : JULIANO DA SILVA PINHEIRO CONCLUSÃO : Da análise do presente processo constata-se que a obra/serviço objeto da autuação não era passível de regularização, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. O autuado deve ser informado que, tão logo seja regularizada a situação do terreno, a edificação também deverá ser objeto de regularização junto ao Crea-RS, através da contratação de profissional habilitado e do recolhimento da correspondente ART. Deverá, também, dar-se conhecimento ao Ministério Público e ao Poder Público Municipal do ilícito notificado, para ciência e para que procedam de acordo com a legislação aplicável ao caso. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : VALKIR GARCIA DE CAMPOS CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluida na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PROMOLDE - PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO LTDA.ME CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente e a penalidade deverá ser mantida. Contudo, considerando que após a lavratura do Auto de Infração o autuado regularizou o ilícito, perante o Conselho, aplique-se o benefício da redução 20% (VINTE POR CENTO), do valor da multa imposta prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D

20 PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAULO JERUSALEM DOS SANTOS CONCLUSÃO : O Auto de Infração é procedente. Contudo, aplique-se o benefício da redução do valor da multa imposta para o mínimo da tabela prevista na Resolução do Confea vigente à época da autuação, cujos valores deverão ser atualizados até a data do efetivo pagamento. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MUNICIPIO DE SENTINELA DO SUL CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, identifica-se, de forma inequívoca, o descumprimento do disposto no parágrafo 2 do art. 59 da Lei antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea "c", da citada Lei, devendo o processo ter seu prosseguimento até o pagamento da dívida, atualizada. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PAULO VITOR RIBEIRO LEÃO CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluida na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : PEDRO ERVINO TREIN CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº:

21 INTERESSADO : PERÍMETRO-SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO PREDIAL E SEGURANÇA MONITO CONCLUSÃO : Da análise do presente processo não se constatam elementos capazes para desconstituir o Auto de Infração, haja vista que a autuada possui objetivo social voltado à área de fiscalização do Crea e exerceu atividades abrangidas por esta, sem, no entanto possuir registro, contrariando o que dispõe o art. 59, caput, da Lei nº 5.194, de 1966, antes citada. Sendo o Auto de Infração procedente, mantenha-se a multa, cujo valor está previsto no art. 73, alínea c, da Lei nº 5.194/66. O Autuado deverá providenciar a regularização do ilícito junto a este Conselho, através do registro. contrário e nenhuma abstenção. D PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : NUNES & CIANCIO LTDA CONCLUSÃO : Da análise do presente processo, constata-se que a obra/serviço objeto da autuação estava concluida na data da autuação, não subsistindo o Auto de Infração. Sendo o Auto de Infração improcedente, arquive-se o presente processo, com a extinção da multa imposta. contrário e nenhuma abstenção. D Processos de registro profissional e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : ELDON ALBERTO RECKZIEGEL RELATOR : Cons. Volnei Pereira da Silva CONCLUSÃO : Informamos que as atribuições do Engenheiro Civil Eldon Alberto Reckziegel são conferidas pela Resolução nº 218/73 art. 7º, sem nenhuma restrição, conforme análise do fato/fundamentação legal. Dar ciência ao profissional do conteúdo de todo o parecer. Gerência de Registro: Substituir todo o campo "atribuições" do RPF do Eng. Civil Eldon Alberto Reckziegel para o descrito abaixo: Resolução 218/73 Art. 7º Processos para Homologar PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : LUCIANO PACHECO CONCLUSÃO : Informamos que o profissional Engenheiro Civil Luciano Pacheco possui atribuição para a atividade de INSTALAÇÃO DE AR CONDICIONADO TIPO SPLIT em EDIFICAÇÕES, devendo utilizar na ART o código w9999 especificando o serviço acima. Oficiar o requerente do conteúdo de todo o parecer PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : GUSTAVO DIETER BRAUN RELATOR : Cons. João Luis de Oliveira Collares Machado CONCLUSÃO : Somos pelo deferimento da interrupção de registro do Engenheiro Civil Gustavo Dieter Braun no Crea-RS. 21

22 Processos de Registro Pessoa Jurídica e suas alterações cadastrais PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MACHADO DA ROCHA CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA RELATOR : Cons. Alberto Stochero CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL FERNANDO DALLA CORTE ADAM como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART:Solicitamos a alteração na ART Nº , fl. 72, no campo: Honorários(alterar para: 2.172,00) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : DH-X CONSTRUTORA E INCORPORADORA LTDA RELATOR : Cons. Antônio Silvério CONCLUSÃO : Deferir a anotação da ENG. CIVIL JANAINA MARTINS MACEDO como Responsável Técnica pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão. AO DEPTO DE ACERVO TÉCNICO E ART/SART: Solicitamos a alteração na ART Nº , fl. 93, nos campos: Honorários (alterar para: 6.516,00), Quantidade: (40) e Unid: (H/SEM) PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : G.P.SIG ENGENHARIA LTDA. RELATOR : Cons. Alberto Stochero CONCLUSÃO : Deferir a baixa de registro da Pessoa Jurídica G.P.SIG ENGENHARIA LTDA. e do profissional ENG. CIVIL WERNEY ANDRE GORCK. Cumprir a Instrução da Presidência n. 109/2009. Oficiar à Pessoa Jurídica dando-lhe ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : SANTA RITA COMÉRCIO E INSTALAÇÕES LTDA RELATOR : Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL JULIO CESAR DE SOUZA FERRI como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : BOLOGNESI EMPREENDIMENTOS LTDA RELATOR : Cons. Suzel Magali Vanzellotti Leite CONCLUSÃO : Deferir a anotação do ENG. CIVIL FERNANDO DAL PIVA como Responsável Técnico pela pessoa jurídica requerente, passando a estar registrada na área da Engenharia Civil para: CONSTRUÇÃO CIVIL, INCORPORAÇÃO DE BENS IMÓVEIS. Oficiar ao profissional e à pessoa jurídica dando-lhes ciência da decisão PROTOCOLO Nº: INTERESSADO : MJF FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA. RELATOR : Cons. Fernando Martins Pereira da Silva CONCLUSÃO : Deferir o registro da pessoa jurídica MJF FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE CIMENTO LTDA., sob a responsabilidade técnica do ENG. CIVIL DOUGLAS FOLCHINI, sendo registrada na área da Engenharia Civil para: FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE CIMENTO PARA USO NA CONSTRUÇÃO. Oficiar à pessoa jurídica dando-lhe ciência da 22

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1077, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 11 de Abril de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Representante do Plenário

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1079, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 9 de Maio de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1093, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 5 de Dezembro de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 85ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 19 de maio de 2015 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. Indl. Mec. e Seg. Trab. Elio Lopes

Leia mais

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS

SÚMULA DA 374ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE GEOLOGIA E ENGENHARIA DE MINAS Data: 26 de novembro de 2012 Local: Auditório Rebouças - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Geólogo Fábio Augusto Gomes

Leia mais

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Pauta da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Dezembro de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Nelson Kalil Moussalle Coordenador

Leia mais

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 69ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 17 de dezembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 644, DE 14/06/2011, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 643, DE

Leia mais

Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Pauta da Reunião Ordinária n 1134, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 25 de Novembro de 2016 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Analista de Processos Analista de Processos 1. VERIFICAÇÃO

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1058, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 10 de Maio de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 656, DE 11/06/2012, 18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 4. LEITURA DE EXTRATO DE CORRESPONDÊNCIAS RECEBIDAS

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1075, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 14 de Março de 2014 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenadora Adjunta Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1072, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Dezembro de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1025, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 21 de Outubro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1060, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 7 de Junho de 2013 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselherio Representante

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1023, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 23 de Setembro de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes

Leia mais

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia

Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos. Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia Responsabilidade Técnica na Pesquisa com Agrotóxicos Eng. Agr. Gilberto Guarido Coordenador da Câmara Especializada de Agronomia CONFEA CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CREA CONSELHO REGIONAL

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE ORDEM SF I. I - A.N.I. - MANUTENÇÃO UGI NORTE 1 SF-659/2012 SANDRA REGINA TEIXEIRA SANTIAGO CARLOS ALBERTO GUIMARÃES GARCEZ Processo: SF- 659/2012 Interessado: SANDRA REGINA TEIXEIRA

Leia mais

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

SÚMULA DA 68ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Data: 26 de novembro de 2013 Local: Sala de GT s - Edifício "Santo Antônio de Sant'Anna Galvão" Av. Rebouças, 1028 2º andar Jardim Paulista São Paulo / SP Coordenação: Eng. civil, eng. oper. mec. máq.

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1047, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 5 de Outubro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Analista de Processos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho ASSESSORIA DA FISCALIZAÇÃO IT. 42 01 1 / 5 1. OBJETIVO Assessorar o Departamento de nas ações fiscalizatórias de verificação do exercício das profissões pertencentes ao sistema Confea/Crea, junto às empresas,

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 659, DE 10/09/2012-18:00 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 659, DE 10/09/2012-18:00 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITULARIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR: SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 658, DE 13/08/2012,

Leia mais

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos

CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE AGRIMENSURA. Julgamento de Processos 1 I - PROCESSOS DE VISTAS I. I - PROCESSOS QUE RETORNAM À CÂMARA APÓS "VISTA" CONCEDIDA 2 UGI PRESIDENTE PRUDENTE Nº de Ordem 1 Processo/Interessado PR-661/2012 Relator JOÃO BATISTA PEREIRA ANTONIO MOACIR

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1008, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 17 de Dezembro de 2010 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Volnei Pereira Da Silva Coordenador-Adjunto

Leia mais

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos

A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos DEPEN DEPARTAMENTO DE ENSINO A Profissão do Engenheiro Eletricista no Brasil e Seus Regulamentos Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ivan da Silva Bié 2, Marcus Vinicius Silva Ferraz 3, Mariana Cardoso Mendes

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1052, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 14 de Dezembro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coord. Adjunto Analista de Processos Analista

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho FISCALIZAÇÃO EXTERNA IT. 06 08 1 / 9 1. OBJETIVO Coordenar, programar e acompanhar a execução do trabalho de fiscalização executado pelos agentes/analistas de fiscalização, com o objetivo de fiscalizar

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Distrito Federal SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA N.º 531/2015 (quingentésima trigésima primeira) DIVISÃO DE APOIO AO COLEGIADO - DAC ASSUNTO: Pauta da Sessão Ordinária n.º 531/2015, do Plenário do Crea-DF. 11/FEV/2015 HORÁRIO:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho APOIO AO DIREITO DO CONSUMIDOR IT. 12 08 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para procedimentos visando à solução de litígios motivados por problemas técnicos, no que se refere à participação de Profissionais/Empresas

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Regula o exercício das profissões de Engenharia, Arquiteto e Engenheiro-Agrônomo, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1012, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 1 de Abril de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Eng. Civ. Jefferson Luiz De Freitas Lopes Coordenador

Leia mais

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 637, DE 15/10/2010, 18 HORAS

PAUTA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 637, DE 15/10/2010, 18 HORAS 1. VERIFICAÇÃO DE QUORUM 1.1. JUSTIFICATIVA 1.2. TITUTALIRIDADE 2. EXECUÇÃO DO HINO NACIONAL 3. DISCUSSÃO E APROVAÇÃO DA ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ANTERIOR 3.1. ATA DA SESSÃO PLENÁRIA ORDINÁRIA Nº 635, DE

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1014, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 6 de Maio de 2011 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro Conselheiro

Leia mais

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita

O Perito Judicial e a Justiça Gratuita 4º SEMINÁRIO PAULISTA DE PERÍCIA JUDICIAL 26 de agosto de 2011 O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Ao CREA-SP, instituído pelo Decreto Federal nº 23.569, de 11 de dezembro de 1933, e mantido pela Lei

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INDÚSTRIAS 5 dicas essenciais sobre o licenciamento ambiental de indústrias Copyright Ecovalor Consultoria e Assessoria em Sustentabilidade Ltda, 2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADOS: Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia UF: BA S/C Ltda. e outros ASSUNTO: Consulta sobre a vigência

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001.

RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. RESOLUÇÃO CFP Nº 007/01 DE 01 DE JUNHO DE 2001. Aprova o Manual para Credenciamento de Cursos com finalidade de Concessão do Título de Especialista e respectivo registro. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA

REGULAMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DA FACULDADE SANTO AGOSTINHO CEP/FSA Teresina, 13 de agosto de 2012. Dispõe sobre a regulamentação do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Santo Agostinho CEP/FSA. A Direção Geral da Faculdade Santo Agostinho FSA, no uso de suas atribuições

Leia mais

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás

MUNICÍPIO DE MORRINHOS Estado de Goiás JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= LEI Nº 2.689, DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010. CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- Autoriza a doação de lote

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades.

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades. ATO NORMATIVO Nº 55/03 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea ES, para o exercício de 2004 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

446, 23/01/2014, 24/01/2014 PARECER CEE/PE Nº 143/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - FCAP ASSUNTO: RENOVAÇÃO DO RECONHECIMENTO DO CURSO SUPERIOR SEQUENCIAL DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA EM GESTÃO IMOBILIÁRIA

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015

SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015 SESSÃO PLENÁRIA Nº 1996 (ORDINÁRIA) DE 23 DE ABRIL DE 2015 Item III. Discussão e aprovação da Ata da Sessão Plenária nº 1995 (ORDINÁRIA). PAUTA Nº: 1 PROCESSO: Interessado: Crea-SP Assunto: Discussão e

Leia mais

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.885, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece o Calendário Fiscal de Arrecadação dos Tributos Municipais, o valor da Unidade Financeira Municipal (UFM) e os preços do metro quadrado de terrenos

Leia mais

Levantamento de dados históricos da Faculdade de Engenharia Mecânica, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ.

Levantamento de dados históricos da Faculdade de Engenharia Mecânica, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Levantamento de dados históricos da Faculdade de Engenharia Mecânica, a partir de documentos do Arquivo Central/SIARQ. Lei nº 8.361, de 20.10.64 - dispõe sobre a criação de uma Faculdade de Engenharia

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 24 23 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 228 - Data 21 de agosto de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CPRB. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 057/2009 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

» o seu histórico escolar possui conteúdo curricular em conformidade com a "Portaria Reconhecida nº 550" do MEC;

» o seu histórico escolar possui conteúdo curricular em conformidade com a Portaria Reconhecida nº 550 do MEC; 11. n.; 2-3 Arq. Um. ~mizu Assistente TOOiicô GEAT!SUPTEC Reg. 3998 CREA-s? 5061452fi73 POIfaria SUPTEC NO I SERViÇO PÚBLICO FEDERAL Processo no: PR 972/08 Interessado: EDNAlDO VICENTE GONZAGA Histórico:

Leia mais

Eng. Ind. Mec. e de Seg. Trab. Elio Lopes dos Santos Creasp nº 0601832438 Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho

Eng. Ind. Mec. e de Seg. Trab. Elio Lopes dos Santos Creasp nº 0601832438 Coordenador da Câmara Especializada de Engenharia de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP 93ª REUNIÃO ORDINÁRIA DE 18/02/2016 ORDEM DO DIA Data: 18/02/2016 Horário: 13h30min. Local: Centro Técnico

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1051, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1051, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1051, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 7 de Dezembro de 2012 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Analista de Processos Analista de Processos Assistente

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADO

RELATÓRIO E VOTO FUNDAMENTADO Órgão : Plenário Processo nº : 207554/2014 Assunto : Cadastramento do Curso de Técnico em Edificações Subsequente ao Ensino Médio em Edificações Interessado : IF Goiano Câmpus de Formosa-GO Local : Goiânia

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO DA PRESIDÊNCIA N.º 168, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece procedimentos administrativos para fins de Registro de Atestado de obra/serviço no Crea-RS, conforme disposto na Resolução do Confea

Leia mais

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02

ATA DE REUNIÃO. Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 Ata da Sessão Plenária nº 3409 Data: 19/02/2013 Folha: 01/02 1. PRESENÇAS: 1.1. Conselheiros Titulares: Adm. Wagner Siqueira Presidente Adm. Jorge Humberto Moreira Sampaio V.P. de Planej. e Desenvolv.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010

PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 PORTARIA Nº 98 DE 11/06/2010 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 12/06/2010 Dispõe sobre a autorização para recebimento e homologação de laudos técnico-ambientais e plantas georreferenciadas, elaborados

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE RECURSO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA PROCESSO: 23249.023345/2011-95. REFERENTE: CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 01/2011 IMPUGNANTE: LTM CONSTRUÇÕES LTDA JULGAMENTO DE RECURSO

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

procederá as anotações pertinentes no prontuário do servidor. Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

procederá as anotações pertinentes no prontuário do servidor. Art. 3º. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Salvador, Bahia Terça-feira 04 de agosto de 2015 Ano XCIX N o 21.747 PORTARIA Nº 1.925/2015 - Deferir a IÊDA DE JESUS FRANÇA, Analista Universitário, matrícula nº 74000575-4, lotada na Pró-Reitoria de

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ESTADO" DO CEARÁ RESOLUÇÃO N. 4VIS /2007 1a CÂMARA DE JULGAMENTO 76 a SESSÃO DE: 18.04.2007 PROCESSO N. 1/002917/2002 AUTO DE JNFRAÇÃO N 1/200210491 RECORRENTE: DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS FREIRE RECORRIDO:

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 111/97 - Plenário - Ata 09/97 Processo nº TC 0l5.766/96-9. Interessado: Identidade preservada. Entidade: Superintendência da Zona Franca de Manaus -

Leia mais

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei;

O Sr. Prefeito Municipal de Volta Redonda, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei; DECRETO N.º 9185 EMENTA: Institui o DCU SIMPLES, um conjunto de Programas de Ação do Departamento de Controle Urbanístico da Secretaria Municipal de Planejamento, para aprovação de projetos e licenciamento

Leia mais

SINOPSES DE PROCESSOS 623ª Sessão Ordinária da CEECMGA, realizada em 29.09.2015

SINOPSES DE PROCESSOS 623ª Sessão Ordinária da CEECMGA, realizada em 29.09.2015 SINOPSES DE PROCESSOS 623ª Sessão Ordinária da CEECMGA, realizada em 29.09.2015 Número de Ordem: 01 IDENTIFICAÇÃO DO PROCESSO Nº PROC. 202213/2014 DATA: Interessado: Guilherme Monteiro da Rosa Assunto:

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 6.125, DE 2013 Dispõe sobre a obrigatoriedade de conservação e manutenção de elevadores elétricos, esteiras e escadas rolantes instalados em edifícios

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES.

DISPÕE SOBRE O REGISTRO DE EMPRESAS DE MINERAÇÃO DE PEQUENO PORTE NO CREA/ES. Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Espírito Santo Av. César Hilal, 700 1º andar Bento Ferreira Vitória ES CEP 290 522 232 Tel.: (27) 3334 9900 FAX: (27) 3324 3644 CEEI DISPÕE SOBRE

Leia mais

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 41/96 - Plenário - Ata 05/96 Processo nº TC 010.652/95-7 Interessado: Promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul - Dr.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução nº 2555/2013 Estabelece normas operacionais de procedimentos para aumentar a segurança na concessão de registros profissionais no CREA-SP mediante a confirmação da autenticidade de documentos

Leia mais

Colocar a portaria ou Decisão PL

Colocar a portaria ou Decisão PL Aprova o Manual de Procedimentos para o julgamento dos Processos de fiscalização do CREA-AP pela CEEC/CE's - Câmara Especializada de Engenharia Civil/Câmaras Especializadas. Colocar a portaria ou Decisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO

REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO REGISTRO ELETRÔNICO DE PONTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 85, DE 26 DE JULHO DE 2010- MTE- DOU 27.07.2010- Disciplina a fiscalização do Sistema de Registro Eletrônico de Ponto SREP regulamentado pela Portaria

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: ICP 0288/2007 PRT/2ª S. Bernardo do Campo Procurador oficiante: Dr. João Filipe Moreira Lacerda Sabino Interessado: Sindicato Intermunicipal dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do

Leia mais

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal)

LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) LEI Nº 4.950-A, DE 22 DE ABRIL DE 1966 (Suspensa, por inconstitucionalidade, pela Resolução nº 12, de 1971, do Senado Federal) Dispõe sôbre a remuneração de profissionais diplomados em Engenharia, Química,

Leia mais

Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ordinária n 1004, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 22 de Outubro de 2010 Local: PORTO ALEGRE - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto Conselheiro Conselheiro

Leia mais

Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil

Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Súmula da Reunião Ampliada n 1006, da Câmara Especializada de Engenharia Civil Data: 25 de Novembro de 2010 a 27 de Novembro de 2010 Local: FARROUPILHA - RS PARTICIPANTES: Coordenador Coordenador Adjunto

Leia mais

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443

EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443 EXTRATO DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR CVM Nº RJ2009/9443 Acusados: Delta Hedge Empreendimentos e Consultoria Econômico-Financeira Ltda. Ementa: Não observância aos limites

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007

TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 TERMO DE COMPROMISSO DE AJUSTE DE CONDUTA Nº 0135/2007 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS FISCALIZAÇÃO DE OBRAS E POSTURAS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS FISCALIZAÇÃO DE OBRAS E POSTURAS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS FISCALIZAÇÃO DE OBRAS E POSTURAS Fabiana Meurer Gustavo Leonardo Wloch Assessora de Planejamento Territorial - AMAVI A FISCALIZAÇÃO MUNICIPAL Os Municípios,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU P.32818/99 LEI Nº 4553, DE 08 DE JUNHO DE 2000 Dispõe sobre Perfuração de Poços para Captação de Águas Subterrâneas no Município de Bauru e dá outras providências. NILSON COSTA, Prefeito Municipal de Bauru,

Leia mais