Minuta do Termo de Referência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Minuta do Termo de Referência"

Transcrição

1 Minuta do Termo de Referência 1. OBJETO Fornecimento de equipamentos com serviço de manutenção e suporte durante o período de 5 anos; LOTE 1 Item Descrição Quantidade 1.1 Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP; 1.2 Switch Tipo 2: Switch fast-ethernet 48 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP; 1.3 Módulo transceiver SFP 1000Base-T para switch tipo 1 e tipo 2; 1.4 Módulo transceiver SFP 1000Base-SX para switch tipo 1 e tipo 2; 1.5 Módulo transceiver SFP 1000Base-LX10 para switch tipo 1 e tipo 2; 1.6 Treinamento (switches tipo 1 e tipo 2); LOTE 2 Item Descrição Quantidade 2.1 Switch Tipo 3: Switch 24 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP 2.2 Switch Tipo 4: Switch 48 portas 1GbE 1000BASE-T, 4 portas 1GbE SFP 2.3 Switch Tipo 5: Switch 24 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 10GbE SFP+/XFP 2.4 Switch Tipo 6: Switch 48 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 10GbE SFP+/XFP 2.5 Módulo transceiver SFP 1000Base-T para switch tipo 3, 4, 5 e Módulo transceiver SFP 1000Base-SX para switch tipo 3, 4, 5 e Módulo transceiver SFP 1000Base-LX10 para switch tipo 3, 4, 5 e Módulo transceiver SFP+/XFP 10GBase-SR para switch tipo 5 e tipo Módulo transceiver SFP+/XFP 10GBase-LR para switch tipo 5 e tipo Módulo transceiver SFP+/XFP 10GBase-T para switch tipo 5 e tipo Solução de interligação 10GbE, para switch tipo 5 e tipo Treinamento (switches tipo 3, 4, 5 e 6) LOTE 3 Item Descrição Quantidade 3.1 Cordão óptico duplex, multimodo, OM2 50/125, 3m, LC/UPC para LC/UPC DIT/GIC TR_ ARP Switches 1 de 14

2 LOTE 3 Item Descrição Quantidade 3.2 Cordão óptico duplex, multimodo, OM3 50/125 (10GbE), 3m, LC/UPC para LC/UPC 3.3 Cordão óptico duplex, monomodo padrão, 3m, LC/UPC para LC/UPC 3.4 Cordão óptico duplex, monomodo padrão, SMF, 3m, LC/UPC para SC/UPC 2. DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS G ou 10GbE: 10-gigabit ethernet, sem distinção entre meios de transmissão ópticos ou metálicos; GBE, 1GbE, GBE, GbE: gigabit ethernet, sem distinção entre meios de transmissão ópticos ou metálicos; /7/356: dito do serviço disponível a todas as horas do dia, todos os dias da semana, todos os dias do ano, inclusive feriados; P8C: conector modular popularmente denominado RJ45, normatizado, com versões para utilização em cabeamento CAT-5e (1GbE) e CAT-6A (10GbE); 2.5. bps: bits por segundo; 2.6. combo (porta): porta com função dupla, podendo assumir personalidade modular SFP ou personalidade fixa 1000BASE-T, que não podem ser utilizadas simultaneamente. Mecanicamente é composta por uma porta com uma entrada fixa para conector RJ45, e uma entrada para módulo SFP; 2.7. FE (porta): porta fast-ethernet. No caso de porta modular, utiliza módulo SFP apropriado para fast-ethernet 100Mbps, que não deve ser confundido com os módulos SFP apropriados para gigabit-ethernet; 2.8. FIB: Forwarding Information Base: tabela de busca rápida de baixíssima latência, utilizada pelo plano de dados para encaminhar pacotes; 2.9. Gbps: gigabits por segundo (bilhões de bits por segundo), também denotado Gbit/s; GiB: gibibytes: Unidade IEC utilizada para expressar quantidade de memória em sistemas computacionais baseados em arquitetura binária. Equivale a exatamente bytes ou 230 bytes. Muitas vezes confundido com "gigabyte"; IPv4, IPv6: Protocolo Internet (IP) versão 4 ou versão 6, conforme definido pela IETF L2: equipamento de comutação de pacotes IPv4 e IPv6, sem capacidade de roteamento IPv4 e IPv6; L3: equipamento de comutação de pacotes IPv4 e IPv6, com capacidade de roteamento IPv4 e IPv6; line-rate: mesmo que wire-speed; Mbps: milhões de bits por segundo, também denotado Mbit/s; Mpps: milhões de pacotes por segundo; non-blocking: é dito do equipamento ou módulo cuja arquitetura interna e capacidade de comutação, roteamento, e encaminhamento de pacotes garante que não haverá contenção de recursos internos mesmo com todas as portas operando em sua capacidade máxima efetiva. Neste edital, esta definição é estendida para aplicar-se a todas as operações do plano de dados, inclusive mas não limitado a: roteamento, classificação, modificação, e encaminhamento de pacotes; OAM: funcionalidades específicas para apoio das atividades de Operação, Administração e Gerenciamento; oversubscription: e dito do componente (módulo, cartão de interface, chassis, matriz de comutação, etc) que não é capaz de operar com todas as suas portas funcionando em máxima capacidade ao mesmo tempo em determinadas situações, por limitações de largura de banda dos canais de comunicação. Por exemplo um módulo com 2 interfaces 10-gigabit-ethernet cuja conexão com o resto do chassis seja menor que 20Gbit/s em cada direção (total: 40Gbit/s), ou cujas conexões internas entre as portas sejam menores que 10Gbit/s em cada direção (total: 20Gbit/s), opera em modo de oversubscrition; pps: pacotes por segundo; RIB: Routing Information Base: Tabela de roteamento, contendo rotas ativas e inativas, utilizada pelo plano de controle (routing engine); RJ45: nome popular do conector 8P8C; DIT/GIC TR_ ARP Switches 2 de 14

3 2.23. wire-speed: é dito do equipamento onde a velocidade máxima efetiva de todas as portas é igual à máxima velocidade teórica das mesmas. Neste edital, esta definição é estendida para aplicar-se a todas as operações do plano de dados, inclusive mas não limitado a: roteamento, classificação, modificação, e encaminhamento de pacotes; 3. DA ENTREGA DO OBJETO 3.1. A entrega do objeto deverá ser efetuada em até 45 (quarenta e cinco) dias corridos, contados da data do recebimento da ordem de compra, no endereço definido na ordem de compra, restrito à cidade de São Paulo; 3.2. A documentação de entrega dos pedidos, inclusive notas fiscais, deve fazer referência ao nome do modelo do equipamento utilizado pelo fabricante, nome do fabricante e modelo (part number) do equipamento em questão. Não serão aceitas descrições genéricas. Acessórios ou opcionais que sejam adicionados ao equipamento base para adequá-lo ao exigido por esse edital devem ser referenciados separadamente, no mesmo formato; 3.3. A contratada deverá fornecer à CONTRATANTE tabela de referência que permita facilmente identificar todos os componentes/módulos/equipamentos/acessórios e seus números de modelo (part-numbers) referenciado nas notas fiscais, para cada item do objeto; 4. DAS MULTAS 4.1. A contratada será multada pela CONTRATANTE conforme a tabela abaixo, sem prejuízo a outras multas e sanções, nos casos previstos por este termo de referência; Tabela 1 - Multas Administrativas Inciso Descrição Penalidade I - Manutenção II Suporte técnico Exceder tempo máximo para o primeiro atendimento Exceder tempo máximo para reparo Não atender o prazo para reparo definitivo de equipamento Exceder tempo máximo para abertura de chamado e suporte de 1º nível Exceder tempo máximo, suporte de segundo ou terceiro nível Multa de 0,05% (zero vírgula zero cinco por cento) por hora de atraso, limitada a 5% (cinco por cento) por item por mês, calculada sobre o: preço unitário do item; Multa de 0,1% (zero vírgula um por cento) por hora de atraso, limitada a 5% (cinco por cento) por item por mês, calculada sobre o: preço unitário do item; Multa de 1% por dia de atraso, calculada sobre o preço unitário do item, limitado ao preço do próprio item; Multa de 0,05% (zero vírgula zero cinco por cento) por hora de atraso, limitada a 5% (cinco por cento) por item por mês, calculada sobre o preço unitário do item; Multa de 1% por hora de atraso, calculada sobre o preço unitário do item, limitado a 10% (dez por cento) por item por mês; O edital prevê outras multas e sanções, que estão descritas em outras partes do edital que não o termo de referência; 5. DA GARANTIA E MANUTENÇÃO 5.1. Os equipamentos deverão ser fornecidos com garantia do fabricante e com contrato de manutenção, para que sejam atendidas todas as disposições desta seção; 5.2. O custo de garantia, extensões de garantia e/ou contratos de manutenção que forem necessários para atender as exigências deste edital, deverão ser incorporados ao custo do item do edital referente ao equipamento à qual a garantia se aplica; 5.3. Garantia válida no Brasil; 5.4. Garantia e manutenção modalidade on-site ou balcão na cidade de São Paulo/SP, Brasil; DIT/GIC TR_ ARP Switches 3 de 14

4 5.5. Durante a vigência da garantia e/ou do contrato de manutenção, o reparo e/ou substituição do equipamento defeituoso e de peças, não incorrerá em nenhum custo extra para a CONTRATANTE, inclusive custos de transporte de equipamentos, módulos e peças; 5.6. Vigência por no mínimo 60 meses para todos os equipamentos, módulos, acessórios e software, e de 12 meses para cordões ópticos; 5.7. Deve incluir todas as atualizações de versão de software, bem como do firmware e sistema operacional dos equipamentos, inclusive atualizações para novas versões com ampliação de funcionalidade, sem nenhum tipo de ônus para a CONTRATANTE; 5.8. Inclui serviços de suporte técnico, descritos em outra seção deste edital, exceto para cordões ópticos; 5.9. Os prazos de vigência da garantia e de contratos de manutenção iniciam apenas na efetiva data de recebimento do equipamento ou cordão óptico pela CONTRATANTE; Módulos SFP 1000BASE-T devem possuir trava robusta, particularmente se a mesma for uma trava móvel. A quebra desta trava durante o uso normal do módulo caracterizará defeito de projeto ou de fabricação do módulo, e o módulo deverá ser substituído por um módulo novo e em perfeito estado de funcionamento, sem ônus para a CONTRATANTE; Níveis de acordo de serviço para manutenção e reparos (inclusive em garantia): Para todos os modelos de swtich, módulos e transceivers: Primeiro atendimento (registro do chamado e determinação se há defeito físico) em no máximo 1h; Reparo definitivo em no máximo 20 dias úteis; Serviço disponível no horário comercial; Para cordões ópticos: Primeiro atendimento (registro do chamado) em no máximo 2h; Reparo definitivo em no máximo 2 diasuteis; Serviço disponível no horário comercial; No caso de serviço, garantia ou manutenção on-site, todas as despesas de envio e retorno por conta da contratada; Será aceito o reparo definitivo: Através da substituição definitiva do componente, equipamento ou módulo por um outro novo de mesmo modelo, sem uso prévio, em perfeitas condições de funcionamento, dentro dos prazos estabelecidos por este termo; Através do reparo em fábrica ou por assistência técnica autorizada pela fábrica do componente, equipamento ou módulo, que retorne o mesmo à CONTRATANTE em perfeitas condições de funcionamento dentro dos prazos estabelecidos por este termo; Para cordões ópticos, somente será aceita a substituição definitiva do cordão óptico por outro novo, de mesmo modelo, sem uso prévio, em perfeitas condições de funcionamento; O reparo definitivo deverá restaurar inclusive as condições estéticas/cosméticas (aparência externa) do componente, equipamento ou módulo; 6. DO ESTADO DOS EQUIPAMENTOS 6.1. Todos os equipamentos, módulos e cordões ópticos, devem ser novos, sem uso prévio e em perfeito estado de funcionamento. Não devem ser remanufaturados, recondicionados, ou possuir reparos de quaisquer espécies; 6.2. Todos os equipamentos devem ser acompanhados de todos os manuais e acessórios normalmente fornecidos pelo fabricante com aquele modelo de equipamento; 6.3. Equipamentos, módulos, componentes, ou qualquer outra parte do OBJETO do presente edital que a CONTRATANTE constate terem sido entregues já com defeito ou danificados devem ser trocados por um outro equipamento, componente ou item novo, de mesma marca e modelo, com número de série diferente, em no máximo 15 dias úteis; 6.4. Equipamentos que a CONTRATANTE constate terem sido entregues com outras irregularidades (como por exemplo, falta do selo ANATEL ou selo ANATEL incorreto, DIT/GIC TR_ ARP Switches 4 de 14

5 falta de manuais, software ou firmware incorreto, configuração de hardware incorreta, equipamento incorreto), devem ter as mesmas sanadas em no máximo 5 dias úteis; 6.5. Todos os equipamentos devem ser fornecidos completos do ponto de vista da funcionalidade em rede, e incluir todos os adicionais necessários (de quaisquer espécie: licenças de software, cabos, manuais, etc); 6.6. Todas as switches devem ser entregues com o firmware estável mais novo disponibilizado pelo fabricante (quando da efetiva entrega do equipamento à CONTRATANTE) para detentores de contrato de manutenção (mesmo que tal versão seja mais recente que a normalmente enviada com os roteadores), ou tal firmware deve ser legalmente disponibilizado para a instalação pela CONTRATANTE, sem qualquer ônus para a CONTRATANTE, e independente da existência de contrato de manutenção; 7. DA CERTIFICAÇÃO REGULATÓRIA 7.1. Todos os equipamentos, módulos e cordões ópticos devem ser certificados e homologados pela ANATEL, conforme disposto na resolução ANATEL nº 242 de 30 de novembro de 2000; Todos os equipamentos devem vir acompanhados de selo válido de certificação e homologação ANATEL, correspondente ao equipamento, afixado em local apropriado da carcaça do equipamento; Todos os cordões ópticos devem vir com o número do certificado de homologação ANATEL gravado ao longo do revestimento do cordão óptico; 7.2. A homologação ANATEL dos equipamentos e cordões ópticos ofertados deve estar válida e ativa no momento da contratação, durante todo o prazo de vigência da ata de registro de preços, e na entrega dos equipamentos e cordões ópticos; 7.3. Deverá ser fornecida cópia dos certificados de homologação perante a ANATEL de todos os equipamentos, módulos e cordões ópticos ofertados, como parte integrante da documentação técnica da proposta; 8. DO CRITÉRIO DE HOMOGENEIDADE DE PARQUE E GERÊNCIA 8.1. Todas as switches, cartões de interface e módulos ofertados dentro do mesmo lote devem garantir a perfeita interoperabilidade dos recursos avançados das mesmas, inclusive empilhamento, e redução do custo de manutenção, operação e gerenciamento do parque; Módulos SFP, SFP+, ou XFP podem ter fabricantes diferentes, desde que tenham sido homologados pelo fabricante da switch para serem utilizados naquele equipamento; A documentação de comprovação da homologação do módulo SFP, SFP+, ou XFP pelo fabricante da switch (por exemplo: carta do fabricante, página web do fabricante, ou documentação/manuais do equipamento) deverá ser fornecida junto à documentação; 8.2. Todos os módulos e transceivers ofertados devem ser plena e perfeitamente compatíveis com os equipamentos ofertados; 8.3. Para cada item do OBJETO onde é pedida mais de uma unidade, todas as unidades devem ser de mesmo fabricante e modelo, exceto módulos SFP, SFP+, ou XFP; 9. DO TREINAMENTO E SUPORTE TÉCNICO 9.1. Deverá ser fornecido o serviço de suporte técnico por telefone e por todo o período de garantia e manutenção do equipamento, ou por60 meses, o que for maior; Prestado por equipe técnica especializada qualificada; O suporte técnico deve ser prestado por profissionais certificados pelos fabricantes dos equipamentos ofertados a prestar tal suporte para aquele equipamento ou família de equipamentos; Sem ônus de qualquer espécie para a CONTRATANTE; Fornecido pelo fabricante ou por agente autorizado deste; DIT/GIC TR_ ARP Switches 5 de 14

6 Deve incluir suporte nível 1, 2 e 3, inclusive escalando para as equipes de engenharia do fabricante caso necessário; O serviço de suporte técnico deve ser fornecido em português em todos os casos (inclusive 2º e 3º nível de suporte), sendo aceito também o inglês no caso específico de comunicação com equipes de engenharia do fabricante; Deve incluir suporte à operação e configuração do equipamento, e trouble-shooting de problemas de configuração, firmware e hardware; Deve estar disponível em horário comercial; Deve incluir ponto de contato efetivo para escalar problemas, acessível através de direta, telefone fixo e celular direto, independentes do call-center de suporte; Os engenheiros da CONTRATANTE devem poder escalar um chamado aberto diretamente para o nível 2 ou nível 3 sem empecilhos, caso haja dificuldade de comunicação com o nível 1. Este escalamento preferencialmente deve acontecer mediante simples solicitação do fato ao nível 1, ou se necessário, através do canal de escalamento; 9.2. Acordo de nível de serviço para o suporte técnico: Primeiro atendimento e suporte de primeiro e segundo nível em no máximo 1h; Suporte de terceiro nível em no máximo um dia útil; 9.3. O treinamento on-site deverá ser realizado na cidade de São Paulo, nas dependências da CONTRATANTE, para uma turma de no mínimo 4 funcionários da CONTRATANTE; O treinamento deverá cobrir a: instalação, configuração, operação, gerência e troubleshooting de todos os equipamentos ofertados; O treinamento deve cobrir todas as funcionalidades do equipamento, mesmo aquelas não exigidas por este edital; 10. DAS VELOCIDADES DE COMUTAÇÃO E ENCAMINHAMENTO (THROUGHPUT) Neste edital, os termos envolvendo capacidade de encaminhamento, velocidades de portas ou de canais, também conhecidas como "throughput", referem-se a capacidade de encaminhamento e comutação de pacotes unidirecional, ou seja, 1Gbps significa 1 gigabit por segundo em uma única direção; O equipamento deve sempre implementar encaminhamento bidirecional com a mesma capacidade em ambas as direções simultaneamente, portanto quando o edital referencia uma porta com capacidade de 1Gbps, o equipamento deve ser capaz de encaminhar simultaneamente 1Gbps de tráfego em cada uma das duas direções (entrante e sainte) nesta porta; Matrizes de comutação serão especificadas pela sua capacidade somadas as duas direções do tráfego (entrante e sainte); 11. DO ENCAMINHAMENTO DE PACOTES Todos os equipamentos devem implementar as funcionalidades contidas nesta seção; A arquitetura do equipamento deve separar o plano de controle do plano de dados; Todos os equipamentos devem ter característica wire-speed non-blocking. A matriz de comutação deve ter largura de banda suficiente para encaminhar tráfego bidirecional em todas as portas simultaneamente (inclusive portas de empilhamento); Exemplo: um equipamento com 24 portas 1GbE e 2 portas 10GbE precisa de uma matriz de comutação com no mínimo 88 Gbps; Os pacotes ethernet, inclusive IPv4 e IPv6, devem ser encaminhados em hardware via matriz de comutação sem participação da CPU, exceto nos casos de: Pacote IPv4 com IP Options; Pacote IPv6 do tipo Router Alert; Pacotes desviados para a implementação de funções de proteção, snooping e similares (como por exemplo: DHCP, DHCPv6, IGMP, MLD); Pacotes de plano de controle (BPDUs, LLDP, etc); DIT/GIC TR_ ARP Switches 6 de 14

7 Pacotes de gerência direcionados ao equipamento (inclusive pacotes multicast direcionados a grupos assinados pela CPU do equipamento para funções de host, gerência e plano de controle); ACLs, contadores, CoS e QoS, e as outras funcionalidades de plano de dados devem ser implementados pela matriz de comutação e operar em wire-speed sem aumentar a carga na CPU do equipamento; A matriz de comutação deve implementar mecanismo de proteção que permita evitar ataques DoS à CPU do equipamento, tanto proveniente do plano de dados como do plano de controle; 12. DO SUPORTE AO PROTOCOLO IPv Todos os equipamentos deverão: Os fabricantes e representantes dos mesmos devem atentar para a existência do documento RIPE-554, "Requisitos de suporte a IPv6 para equipamentos de TIC", Todos os equipamentos devem implementar as funcionalidades contidas nesta seção; Todos os equipamentos ofertados devem suportar e implementar o protocolo IPv6, com equivalência de recursos com o protocolo IPv4 para todas as funções de host (por exemplo: gerência, sessões SSH, gerência Web, SNMP); Funções de host não estão ligadas a roteamento, e sim à existência de endereços IPv6 e pilha IPv6 no equipamento para acessar as funções de gerência do próprio equipamento; Implementar RFC 2460 IPv6 Specification; Implementar RFC 2461 IPv6 Neighbor Discovery; Implementar RFC 2462 IPv6 Stateless Address Auto-Configuration; Implementar RFC 6724 Default Address Selection for Internet Protocol Version 6 (IPv6), ou alternativamente a versão mais antiga, RFC 3484; Implementar RFC 4443 ICMPv6; Implementar RFC 4193 Unique Local IPv6 Unicast Addresses (ULA); Implementar RFC 4291 IPv6 Addressing Architecture; Implementar RFC 3587 IPv6 Global Unicast Address Format; Implementar RFC 2464 Transmission of IPv6 over Ethernet Networks; Implementar RFC1981 Path MTU Discovery for IPv6; Implementar RFC 4861 Neighbor Discovery for IPv6, preferencialmente segundo RFC 5942 IPv6 Subnet Model: The Relationship between Links and Subnet Prefixes; Implementar RFC 4862 IPv6 SLAAC; Implementar RFC 3315 DHCPv6 (funções de cliente DHCPv6); Implementar RFC 4213 Transition Mechanisms for IPv6 Hosts and Routers - Dual IP Layer; Os equipamentos devem ser gerenciáveis em IPv6, inclusive SNMP; A capacidade de comutação e encaminhamento de pacotes IPv6 deverá ser idêntica a capacidade de comutação e encaminhamento de pacotes IPv4; As exigências de capacidade de comutação e encaminhamento mínimo de pacotes definidas por este termo devem ser atendidas em qualquer combinação de tráfego IPv4, IPv6, e outros protocolos sobre ethernet; Todos os equipamentos deverão: Implementar IPv6 em filtros/acls, inclusive para classificação de fluxos e QoS, em nível equivalente à funcionalidade IPv4; Implementar RFC 4541 MLDv2 snooping; Implementar mecanismos de proteção do plano de controle e processador contra flood de pacotes IPv6 em nível de funcionalidade equivalente à implementada para IPv4; 13. DAS ESPECIFICAÇÕES GERAIS COMUNS A TODOS OS EQUIPAMENTOS Todos os equipamentos devem implementar as funcionalidades contidas nesta seção; DIT/GIC TR_ ARP Switches 7 de 14

8 13.2. Os equipamentos devem ser acompanhados de todas as licenças de software e firmware necessárias para todas as funcionalidades exigidas por este termo de referência; Portas 1000BASE-T devem implementar os padrões IEEE gigabit ethernet, fast ethernet e ethernet, com autodetecção de velocidade (10/100/1000), modo duplex, e pause-frames; Serão aceitas portas combo em lugar de portas fixas 1000BASE-T ou de portas modulares SFP, desde que sejam do tipo exigido (1GbE ou 10GbE); Serão aceitas portas 1000BASE-T em substituição a portas 100BASE-TX, desde que suportem autonegociação e velocidades 10/100/1000; Portas 1000BASE-T fixas podem ser substituídas por porta SFP com SFP 1000BASE-T instalado e incluso no preço do equipamento, desde que o SFP e a porta suportem a autodetecção, e os padrões ethernet (10BASE-T), fast-ethernet (100BASE-TX) e gigabit ethernet (1000BASE-T); Portas SFP devem possuir capacidade de autonegociação 10/100/1000 quando instalado um módulo SFP 1000BASE-T apropriado; Todas as portas 1GbE e 10GbE modulares devem utilizar módulos SFP, SFP+ ou XFP apropriados à velocidade da porta, e devem suportar monitoramento do estado do módulo (digital diagnostics); As portas 1GbE modulares devem suportar todos os tipos de módulos SFP 1GbE constantes como item do objeto; As portas 10GbE modulares devem suportar todos os tipos de módulos 10GbE (SFP+ ou XFP) constantes como item do objeto; Dentro do mesmo lote, todas as switches com portas 10GbE devem suportar módulos do mesmo tipo (ou SFP+, ou XFP); Não serão admitidas portas ópticas fixas, todas as portas ópticas devem ser modulares (receber módulos ópticos), sendo admitidas portas do tipo combo (uma porta modular agrupada a uma porta fixa elétrica); Todas as portas 10GbE devem ser modulares; Portas 10GbE SFP+ devem suportar cabos direct-attach passivos; O equipamento deve ser acompanhado de todos os cabos específicos para o mesmo (cabo console, cabo alimentação); Os equipamentos que possuam porta de empilhamento exclusiva devem ser fornecidos com um cabo de empilhamento; 14. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA OS MÓDULOS SFP/SFP+/XFP Todos os equipamentos devem implementar as funcionalidades contidas nesta seção; Módulos para 1GbE (gigabit ethernet) devem ser to tipo SFP; Módulos para 10GbE (10-gigabit ethernet) devem ser do tipo SFP+ ou XFP; Todos os módulos SFP, SFP+ e XFP devem possuir capacidade de monitoramento (digital diagnostics monitoring); Todos os módulos SFP, SFP+ e XFP ópticos que operarem com fibra monomodo para distâncias superiores a 5km, devem possuir capacidade de monitoramento do nível do sinal óptico (DOM); Todos os módulos SFP, SFP+ e XFP ópticos devem possuir conectorização LC, compatíveis com polimento PC/SPC/UPC; Todos os módulos devem implementar o padrão IEEE correspondente ao tipo do módulo, e ter velocidade de canal compatível com a velocidade de interface (1GbE ou 10GbE); O padrão IEEE já incorpora revisões e adições como: IEEE 802.3ab, IEEE 802.3z, IEEE 802.3ae, IEEE 802.3an, dentre outras. Ou seja, estes padrões são exigidos por este edital; BASE-LX10: também conhecido como 1000BASE-LX/LH, laser operando na janela de 1310nm, para distâncias até 10km; BASE-SX: operando na janela de 850nm, para fibras multimodo, distância até 550m em fibra OM2; DIT/GIC TR_ ARP Switches 8 de 14

9 BASE-T: gigabit ethernet sobre cabeamento CAT 5e/CAT6/CAT6A usando conectores 8P8C. Deve obrigatoriamente implementar autonegociação e suportar operação em modo gigabit ethernet 1000BASE-T, fast ethernet (100BASE-TX) e ethernet (10BASE-T), selecionado automaticamente; GBASE-SR: 10-gigabit ethernet, laser 850nm, para 300m em fibra multimodo OM3; GBASE-LR: 10-gigabit ethernet, laser 1310nm, para 10km em fibra monomodo; GBASE-T: 10-gigabit ethernet, para cabeamento em cobre CAT6A, distância 100m; GBASE-CX4: 10-gigabit ethernet, para cabeamento em cobre CX4; Módulos 10GbE devem operar em modo LAN PHY; Serão aceitos módulos ópticos para distâncias maiores em substituição a módulos ópticos de mesmo tipo para distâncias menores, entretanto deverá ser fornecido atenuador óptico adequado com o mesmo padrão de conectorização do módulo caso exista risco de causar ofuscamento/sobrecarga no receptor; Os módulos devem ser homologados pelo fabricante dos switches para uso nos equipamentos ofertados; Módulos SFP 1000BASE-T devem possuir trava robusta, particularmente se a mesma for uma trava móvel. A quebra desta trava sem a ocorrência de danos de outra espécie ao módulo caracterizará defeito do mesmo por trava fraca, e o módulo deverá ser reparado ou substituído por um módulo novo e em perfeito estado de funcionamento pela contratada, sem ônus para a CONTRATANTE; 15. ESPECIFICAÇÕES PARA SOLUÇÃO DE INTERLIGAÇÃO 10GbE Deve ser adequada aos equipamentos onde será instalada, e permitir no mínimo tráfego full-duplex a 10Gbit/s em cada direção; Não substitui o empilhamento. Será utilizada para interligar pilhas de equipamentos distintas; Se os equipamentos suportarem portas modulares do tipo SFP+, a solução deverá ser implementada através de cabo SFP+ direct-attach passivo, com comprimento mínimo de 1 metro; Se os equipamentos suportarem portas modulares do tipo XFP, a solução deverá ser implementada através de uma das seguintes opções, a critério da contratada: Um par de módulos 10GBASE-SR interligados por cordão óptico multimodo duplex, com fibra tipo OM3, e comprimento mínimo de 1 metro e máximo de 3 metros, acrescido dos atenuadores ópticos adequados; Um par de módulos 10GBASE-T interligados por patch-cord duplamente blindado F/FTP ou S/FTP, CAT-6A, com comprimento mínimo de 1 metro e máximo de 3 metros; 16. ESPECIFICAÇÕES PARA CORDÕES ÓPTICOS O cordão de fibra óptica deve ser montado e certificado em fábrica; O cordão deve possuir 3 metros de comprimento; O cordão de fibra monomodo deve utilizar fibra monomodo padrão, e ter cor azul; O cordão de fibra multimodo deve utilizar fibra multimodo 50/125, tipo OM2 ou OM3 conforme item do objeto, e ter cor amarela; O cordão deve ser totalmente dielétrico constituído por duas fibras ópticas (duplex); A fibra deve possuir revestimento primário em acrilato e revestimento secundário em material polimérico e termoplástico. Sobre o revestimento secundário devem ser colocados elementos de tração de fios dielétricos e capa em material não propagante à chama com classe LSZH; Os conectores devem possuir ferrolho de zircônia; O cordão deve possuir impresso na capa externa o nome do fabricante, a marca do produto, a data de fabricação e o número do certificado de homologação na ANATEL. 17. ESPECIFICAÇÕES SOMENTE PARA SWITCHES TIPO 1 E TIPO Somente para o tipo 1: DIT/GIC TR_ ARP Switches 9 de 14

10 Possuir no mínimo 24 (vinte e quatro) portas fast-ethernet 100BASE-TX com autonegociação automática 10/100, para conectores 8P8C; Possuir no mínimo 4 (quatro) portas gigabit-ethernet, sendo no mínimo 2 portas para módulos SFP ou combo, e 2 portas 1000BASE-T para conectores 8P8C ou combo; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 12,8Gbps (doze bilhões e oitocentos milhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 9,5Mpps (nove milhões e quinhentos mil pacotes por segundo); Somente para o tipo 2: Possuir no mínimo 48 (quarenta e oito) portas fast-ethernet 100BASE-TX com autonegociação automática 10/100, para conectores 8P8C; Possuir no mínimo 4 (quatro) portas gigabit-ethernet, sendo no mínimo 2 portas para módulos SFP ou combo, e 2 portas 1000BASE-T para conectores 8P8C ou combo; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 17,6Gbps (dezessete bilhões e seiscentos milhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 13Mpps (treze milhões de pacotes por segundo); Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Não é permitido o uso de conectores do tipo TELCO; Deve possuir fonte de alimentação interna ao equipamento, que opere com tensões de entrada entre 100 e 240 VAC e suporte frequência de 60 Hz nominais com tolerância de 5% para mais ou menos; Deve permitir empilhar, no mínimo, 08 (oito) unidades e permitir o seu gerenciamento através de um único endereço IP; O empilhamento deve formar uma topologia de anel bidirecional, resiliente à falha de um segmento do anel; As portas de empilhamento devem funcionar de forma bidirecional, com cada direção a no mínimo 1Gbps; Deve ser possível empilhar switch tipo 1 com switch tipo 2, sem qualquer restrição de recursos ou funcionalidades; Deve ser possível ter como membros da mesma pilha qualquer quantidade de switches tipo 1 e tipo 2, simultaneamente, até a quantidade máxima de unidades empilhadas seja atingido; Deve implementar funcionalidade de espelhamento de tráfego TX e RX; Suportar, no mínimo, (oito mil) endereços MAC; Suportar gerenciamento via SNMP v1, v2c e v3; Deve implementar IEEE 802.1p (Classe de Serviços); Deve implementar IEEE 802.1D (Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.1w (Rapid Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.1s (Multiple Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.3x (Flow Control); Deve implementar IEEE 802.1Q (VLAN); Deve implementar IEEE 802.1x Port Authentication; Deve implementar IEEE ad (Link Aggregation), permitindo a criação de, no mínimo, 6 LAGs com 04 portas por LAG; Deve implementar IGMP v1, v2 Snooping; Deve ter suporte a Radius Authentication, Authorization e Accounting; DIT/GIC TR_ ARP Switches 10 de 14

11 Deve implementar Telnet; Deve implementar Secured Shell (SSHv2); Deve implementar Syslog; Deve implementar Command Line Interface CLI; Deve implementar Bridge MIB, RFC1493; Deve implementar 4 (quatro) grupos RMON; Deve implementar MIB II, RFC1213; Deve implementar RMON MIB, RFC 2819; Deve implementar NTP ou SNTP; Deve possuir 1 (uma) porta RS-232C (DB-9 ou RJ-45) para fins de gerenciamento via console; Deve permitir o gerenciamento do equipamento através de interface WEB de forma nativa ao produto, através do protocolo seguro HTTPS; Deve possuir mecanismo para diagnósticos dos cabos de rede conectados ao switch; Deve implementar classificação de tráfego nas camadas 2, 3 e 4; Deve implementar lista de controle de acesso (ACL) de camada 2 e 3 permitindo aplicação em cada porta do switch; Deve implementar Strict Priority; Deve implementar WRR (Weighted Round Robin) ou SRR (Shaped Round Robin); Deve suportar Inbound Rate Limiting; O arquivo de configuração deve ser baseado em texto, permitindo sua edição, upload e download; Permitir que apenas um endereço MAC seja autorizado em uma porta e qualquer outro que tente se conectar a esta porta seja bloqueado; Deve ser possível informar, por porta do switch, a quantidade de endereços MAC que podem ser aprendidos; Deve suportar controle de tráfego de broadcast (Broadcast Suppression), permitindo configurar valores individuais de supressão por porta; Deve implementar no mínimo, 255 VLANs ativas e permitir 4094 identificadores de VLAN conforme o padrão IEEE 802.1Q; Deve implementar DHCP Client; Deve implementar funcionalidade para configurar portas protegidas e não protegidas dentro de uma vlan, onde: Portas protegidas não podem se comunicar com outras portas protegidas na mesma vlan; Portas não protegidas podem se comunicar com portas protegidas Deve implementar autenticação com base em endereços MAC; Deve permitir a configuração de um texto de identificação para cada porta do switch, suportando, no mínimo, 30 caracteres; Deve implementar qualidade de serviço DiffServ (Differentiated Services), permitindo a classificação, marcação e remarcação do campo Type of Service (ToS) do cabeçalho IP A licença do software (firmware) que acompanha o produto deve estar atualizada e suportar as exigências acima. Caso a licença restrinja as capacidades do device, deverá ser atualizada de forma a atender as exigências, antes de a solução ser colocada em produção. 18. ESPECIFICAÇÕES SOMENTE PARA SWITCHES TIPO 3, 4, 5 e 6 DIT/GIC TR_ ARP Switches 11 de 14

12 18.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Somente para switches tipo 3: Deve possuir no mínimo 24 (vinte e quatro) portas 1GbE 1000BASE-T com autonegociação para 10BASE-T, 100BASE-TX e 1000BASE-T, para conectores 8P8C, sendo no mínimo 2 (duas) portas tipo combo SFP; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 48Gbps (quarenta e oito bilhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 35Mpps (trinta e cinco milhões de pacotes por segundo); Somente para switches tipo 4: Deve possuir no mínimo 48 (quarenta e oito) portas 1GbE 1000BASE-T com autonegociação para 10BASE-T, 100BASE-TX e 1000BASE-T, para conectores 8P8C, sendo no mínimo 4 (quatro) portas 1GbE SFP ou combo; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 96Gbps (noventa e seis bilhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 70Mpps (setenta milhões de pacotes por segundo); Somente para switches tipo 5: Deve possuir no mínimo 24 (vinte e quatro) portas 1GbE 1000BASE-T com autonegociação para 10BASE-T, 100BASE-TX e 1000BASE-T, para conectores 8P8C; Deve possuir no mínimo 2 portas 10GbE SFP+; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 88Gbps (oitenta e oito bilhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 65Mpps (sessenta e cinco milhões de pacotes por segundo); Somente para switches tipo 6: Deve possuir no mínimo 48 portas 1GbE 1000BASE-T com autonegociação para 10BASE-T, 100BASE-TX e 1000BASE-T, para conectores 8P8C; Deve possuir no mínimo 2 portas 10GbE SFP+; Possuir capacidade de switching em camada 2 (dois) de, no mínimo, 136Gbps (cento e trinta e seis bilhões de bits por segundo); Possuir desempenho de encaminhamento de pacotes de, no mínimo, 100Mpps (cem milhões de pacotes por segundo); Não será permitido o uso de conectores do tipo TELCO; Deve possuir fonte de alimentação interna ao equipamento, que opere com tensões de entrada entre 100 e 240 VAC e suporte frequência entre 50 e 60 Hz nominais com tolerância de 5% para mais ou menos Deve permitir empilhar, no mínimo, 08 (oito) unidades e permitir o seu gerenciamento através de um único endereço IP; Deve possuir no minimo duas portas dedicadas para empilhamento; Estas portas são portas adicionais às listadas na descrição de portas de cada tipo de switch; Cada porta de empilhamento deve ser bidirecional, e cada direção deve funcionar a no mínimo 10Gbps; Estas portas podem ser exclusivas para empilhamento, ou portas 10GbE de uso geral que possam ser configuradas para funcionar como portas de empilhamento; O empilhamento deve formar uma topologia de anel bidirecional, resiliente à falha de um segmento do anel; Deve ser possível empilhar switches tipo 3, 4, 5 e 6 com switches de outro tipo (3, 4, 5 e 6), sem qualquer restrição de recursos ou funcionalidades; DIT/GIC TR_ ARP Switches 12 de 14

13 Deve ser possível ter como membros da mesma pilha qualquer quantidade de switches tipo 3, 4, 5 e 6 simultaneamente, até a quantidade máxima de unidades empilhadas seja atingido; Deve implementar funcionalidade de espelhamento de tráfego TX e RX; Suportar, no mínimo, (doze mil) endereços MAC; Suportar gerenciamento via SNMP v1, v2c e v3; Deve implementar IEEE 802.1p (Classe de Serviços); Deve implementar IEEE 802.1D (Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.1w (Rapid Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.1s (Multiple Spanning Tree); Deve implementar IEEE 802.3x (Flow Control); Deve implementar IEEE 802.1Q (VLAN); Deve implementar IEEE 802.1x Port Authentication; Deve implementar IEEE ad (Link Aggregation), permitindo a criação de, no mínimo, 6 LAGs com 04 portas por LAG; Deve implementar IGMP v1, v2 Snooping; Deve ter suporte a Radius Authentication, Authorization e Accounting; Deve implementar Telnet; Deve implementar Secured Shell (SSHv2); Deve implementar Syslog; Deve implementar Command Line Interface CLI; Deve implementar Bridge MIB, RFC1493; Deve implementar 4 (quatro) grupos RMON; Deve implementar MIB II, RFC1213; Deve implementar RMON MIB, RFC 2819; Deve implementar NTP ou SNTP; Deve possuir 1 (uma) porta RS-232C (DB-9 ou RJ-45) para fins de gerenciamento via console; Deve permitir o gerenciamento do equipamento através de interface WEB de forma nativa ao produto, através do protocolo seguro HTTPS; Deve possuir mecanismo para diagnósticos dos cabos de rede conectados ao switch; Deve implementar classificação de tráfego nas camadas 2, 3 e 4; Deve implementar lista de controle de acesso (ACL) de camada 2 e 3 permitindo aplicação em cada porta do switch; Deve implementar Strict Priority; Deve implementar WRR (Weighted Round Robin) ou SRR (Shaped Round Robin); Deve suportar Inbound Rate Limiting; O arquivo de configuração deve ser baseado em texto, permitindo sua edição, upload e download; Permitir que apenas um endereço MAC seja autorizado em uma porta e qualquer outro que tente se conectar a esta porta seja bloqueado; Deve ser possível informar, por porta do switch, a quantidade de endereços MAC que podem ser aprendidos; Deve implementar controle de tráfego de broadcast (Broadcast Suppression), permitindo configurar valores individuais de supressão por porta; Deve implementar no mínimo, VLANs ativas e permitir (quatro mil) identificadores de VLAN conforme o padrão IEEE 802.1Q; Deve implementar DHCP Client; Deve implementar funcionalidade para configurar portas protegidas e não protegidas dentro de uma vlan, onde: Portas protegidas não podem se comunicar com outras portas protegidas na mesma vlan; DIT/GIC TR_ ARP Switches 13 de 14

14 Portas não protegidas podem se comunicar com portas protegidas Deve implementar autenticação com base em endereços MAC; Deve permitir a configuração de um texto de identificação para cada porta do switch, suportando, no mínimo, 30 caracteres; Deve implementar qualidade de serviço DiffServ (Differentiated Services), permitindo a classificação, marcação e remarcação do campo Type of Service (ToS) do cabeçalho IP A licença do software (firmware) que acompanha o produto deve estar atualizada e suportar as exigências acima. Caso a licença restrinja as capacidades do device, deverá ser atualizada de forma a atender as exigências, antes de a solução ser colocada em produção. São Paulo, 30 de outubro de LUIZ ANTONIO VALE MOURA GERÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES DIT/GIC TR_ ARP Switches 14 de 14

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas

TERMO DE REFERÊNCIA. Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas TERMO DE REFERÊNCIA Item I Switch Tipo 1 10/100 Mbps Layer 2 24 Portas Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação; Deve possuir, no mínimo, 24

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP;

TERMO DE REFERÊNCIA. Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T, 2 portas 1GbE SFP; TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Fornecimento de Switches, Módulos transceiver e Cordões Óticos. LOTE 1 Item Descrição 1.1 Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas 1GbE 1000BASE-T,

Leia mais

Termo de Referência. LOTE 1 Item Descrição Quantidade

Termo de Referência. LOTE 1 Item Descrição Quantidade 1. OBJETO Termo de Referência Fornecimento de Switches, Módulos transceiver e Cordões Óticos. LOTE 1 Item Descrição Quantidade 1.1 Switch Tipo 1: Switch fast-ethernet 24 portas FE 100BASE-TX, 2 portas

Leia mais

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps

Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA Switch de Borda - 48 portas de 1 Gbps Especificações Técnicas Característica/Configurações/Requisitos mínimos: Descrição do Material Switch

Leia mais

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA

1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA 1. LOTE 1 SWITCH REDE OPTICA Switch de 10 portas, Quantidade unidades. 1.1.1. Deve ser montável em rack padrão EIA 19 (dezenove polegadas) e possuir kits completos para instalação e deve ocupar uma unidade

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE

Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Switch com mínimo de 24 portas 10/100Mbps (Ethernet/Fast- Ethernet) ou velocidade superior em conectores RJ45 - POE Especificações Técnicas Mínimas: 1. O equipamento deve ter gabinete único para montagem

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1.UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE REDE CORPORATIVOS ( SWITCHS e ACESSÓRIOS), todos

Leia mais

Especificação de Referência Switch de Acesso I

Especificação de Referência Switch de Acesso I 1 Especificação de Referência Switch de Acesso I Código do Objeto Descrição do Objeto Aplicação do Objeto Data da Especificação de Referência Validade da Especificação de Referência AC0000045 Switch de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12

TERMO DE REFERÊNCIA. implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. 3 Módulo e cabo stack para switch de borda 12 TERMO DE REFERÊNCIA I DEFINIÇÃO DO OBJETO O presente Projeto Básico tem por objeto a aquisição de equipamentos para implantação e conectividade da rede de dados da EBSERH. ITEM DESCRIÇÃO QUANTIDADE 1 Switch

Leia mais

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I

PEDIDO DE COTAÇÃO - ANEXO I Folha: 0001 001 111586 Nobreak Senoidal de Dupla Conversão de no mínimo 3.0 KVa 1. Todos os equipamentos deverão ser novos de primeiro uso e estar na linha de produção atual do fabricante; 2. A garantia

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Switch Central de Grande Porte

Switch Central de Grande Porte Switch Central de Grande Porte GERAL 1. Estrutura de chassi modular, para instalação em gabinete padrão EIA 19, e kit completo de instalação. Os equipamentos ofertados deverão vir acompanhados de kits

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação de Referência Switch de Borda Alguns itens apresentam opções de configuração, refletindo nos aspectos originais de preço e características da máquina Código do Material Descrição do Material

Leia mais

Especificaça o Te cnica

Especificaça o Te cnica Especificaça o Te cnica Esta especificação técnica tem como objetivo possibilitar a implantação da infraestrutura de rede lógica (nível de acesso) na nova sede da DME Distribuição. A solução deverá ser

Leia mais

Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps

Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps Switch de borda L3 com 48 portas, sendo 2 portas de 10Gbps ARQUITETURA 1. Permitir instalação em gabinete de 19" (dezenove polegadas). 2. LEDs de identificação de atividades de status do sistema, de cada

Leia mais

Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL

Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL REFERENTE: CONTRUÇÃO DO FÓRUM DE RIO LARGO -AL Construção do Fórum Da Comarca de RIO LARGO - AL ESPECIFICAÇÕES PARA AQUISIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Especificação SWITCH DE 24 PORTAS

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN

Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Expansão da rede local do CSS Equipamentos para Blocos do Sesc/DN Objeto: Aquisição de infraestrutura de Tecnologia da Informação (TI) para expansão da rede loca do CSS (aumento de pontos de rede) em atendimento

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI:

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI: ATA DE REGISTRO DE PREÇOS INFRAESTRUTURA CONVERGENTE DE TI: 01 02 03 04 SEGURANÇA LAN SWITCHING GERÊNCIA DE REDE SERVIÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Soluções desta ATA de Registro de Preços: SEGURANÇA LAN

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SWITCHES 1 SWITCH Todos os switches objeto deste fornecimento deverão ser do mesmo fabricante e serem entregues com todas as licenças de software necessárias à implementação de todos

Leia mais

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 03/2009 (PERGUNTAS) AQUISIÇÃO DE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DE 192 PORTAS ((TEXTO)) Aos 15 (quinze) dias do mês de junho de dois mil e nove, às 14:00 hs, na sede da Empresa

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2.

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET. Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON. Versão 2. COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO CET Termo de Referência para Equipamentos de Redes Ópticas Passivas - GPON Versão 2.0 Revisão STE 26/01/2016 SUMÁRIO 1. OBJETIVO...3 2. INTRODUÇÃO...3 3. DEFINIÇÕES...3

Leia mais

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 1. Por meio deste aditamento, inserimos o Anexo I Especificações Técnicas.

Leia mais

ATA 5 Ativos de Rede UFOP

ATA 5 Ativos de Rede UFOP ATA 5 Ativos de Rede UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Pregão 096/2014 Válida até: 17/11/2015 Item 01: TRANSCEIVER SFP 1000BASE-SX......42 unidades Preço Unitário:..... R$ 510,00 Item 02: Switch

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULOS SWITCHES CISCO 4510 e 3750

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULOS SWITCHES CISCO 4510 e 3750 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULOS SWITCHES CISCO 4510 e 3750 AGOSTO/2013 DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E TECNOLOGIA GERÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES OBJETO Ata de registro de Preço para aquisição de módulos de conexão

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA 1. UNIDADE REQUISITANTE: ETICE 2. DO OBJETO: 2.1. Registro de preços para futuras e eventuais aquisições de EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÂO DE DADOS (SWITCHS e ACESSÓRIOS), de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 22 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS

ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS ATAS DE REGISTRO DE PREÇO ESTADUAIS ATA ESTADUAL Tribunal de Justiça de MG SWITCH CHASSI, MÓDULOS e TRANSCEIVERS Validade: 23 / 05 /2013 Pregão: 026/2012 SWITCHES CHASSI - 7 itens - Validade: 23 / 05 /

Leia mais

Termo de Referência Tecnologia da Informação

Termo de Referência Tecnologia da Informação Termo de Referência Tecnologia da Informação TERMO DE REFERÊNCIA PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE TI E LICENÇAS. GERENCIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS JULHO/2015 CDG CAE 01/2015 1. DO OBJETO Aquisição de

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 067/2013 No dia 06 (seis) do mês de novembro de 2013 (dois mil e treze), o MUNICÍPIO DE ANGRA DOS REIS, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ sob o nº

Leia mais

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013

Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Análise e questionamentos sobre a proposta da Ziva para o PE 34/2013 Sobre os critérios de aceitabilidade pág 2/3 (1) Os subitens 1.1 e 1.5 da proposta excedem os preços máximos admissíveis estabelecidos

Leia mais

ATA DA CONSULTA TÉCNICA N.

ATA DA CONSULTA TÉCNICA N. ((TITULO))ATA DA CONSULTA TÉCNICA N.º 2/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) ATA DE REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO DE SWITCH DE REDE ÓPTICA E SWITCH DE BORDA PARA OS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Switches SmartPro Gigabit Empilháveis com Uplinks de 10G

Switches SmartPro Gigabit Empilháveis com Uplinks de 10G Destaques do produto Conectividade de 10 Gigabits O empilhamento físico 10G e/ou uplink elimina o gargalo dos servidores de backbone e acessos para armazenamento Gerenciamento integrado Interface do usuário

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE

MARÇO / 2009 AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2. Diretoria de Infraestrutura de TIC DIT. Departamento de Redes de Telecomunicações DERE TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SWITCHES NÍVEL 2 MARÇO / 2009 RQ DERE 005/2009 Termo de Referência Aquisição de Switches Nível 2 1 / 20 HISTÓRICO DE REVISÕES DATA VERSÃO DESCRIÇÃO AUTOR 26/01/2009 1 Criação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 8 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 4/2015 PROCESSO Nº 04300.003546/2014-01

Leia mais

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EXPANSÃO E INTEGRAÇÃO DO SYSTEM STORAGE IBM DS4700.

ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EXPANSÃO E INTEGRAÇÃO DO SYSTEM STORAGE IBM DS4700. ANEXO II ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EXPANSÃO E INTEGRAÇÃO DO SYSTEM STORAGE IBM DS4700. LOTE 1 (Único) 1 8 Disco FC de 300 GBytes, 4 Gbps, 15 Krpm E-DDM. Tecnologia Fibre Channel Enhanced Disk Drive Modules;

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL SESC/MS N.º 016/2012 - PG O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Regional no Estado do Mato Grosso do Sul, entidade de direito privado, sem fins lucrativos, comunica

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

Switch Gerenciável Gigabit Smart de 10/16/24/48 portas

Switch Gerenciável Gigabit Smart de 10/16/24/48 portas Tecnologia Green Economia de energia pelo status do link Economia de energia pelo tamanho do cabo Oferece uma operação contínua, confiável e ecológica PoE baseado na hora (somente DGS-1210-10P) Switch

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

Web Smart Switch DGS-1210-28. Destaques

Web Smart Switch DGS-1210-28. Destaques Destaques Economize energia, economize dinheiro Seja amigável com o planeta e com o seu orçamento; obtenha economias de energia significativas para manter seus custos baixos Gerenciamento Funções avançadas,

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SEMA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SEMA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO I. Regência legal: GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA I N S TRUME N TO CONVOC ATÓR IO S EÇÃO A PREÂMBULO Esta licitação obedecerá, integralmente, as disposições da Lei Estadual nº 9.433/05 (alterada pelas Leis

Leia mais

Top-Down Network Design

Top-Down Network Design Top-Down Network Design Chapter Ten Selecting Technologies and Devices for Campus Networks Copyright 2010 Cisco Press & Priscilla Oppenheimer Selecionando Tecnologias e Dispositivos Neste ponto do projeto

Leia mais

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3

Padrões de Rede 15/02/2014. Padrões de rede. Padrão Ethernet IEEE 802.3 802.3 Padrões de Rede Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Padrões de rede Existem diversos padrões Ethernet, que são utilizados pela maioria das tecnologias de rede local em uso. Definem

Leia mais

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO:

ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: ÓRGÃO: UASG: ENDEREÇO DE ENTREGA: RESPONSÁVEL TÉCNICO: GRUPO 1 Item Quant. Descrição item R$ unitário R$ total 01 123 SWITCH TIPO 01: Equipamento tipo Switch Gigabit Ethernet com capacidade de operação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE. Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo:

SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE. Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo: SOLICITAÇÃO DE ORÇAMENTO - 29/09/2009 URGENTE Prezados Senhores, Necessita este Conselho de proposta estimativa de preço nos moldes das descrições abaixo: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO Contratação

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015

REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015 REGISTRO DE PREÇOS EXTREME NETWORKS PREGÃO ERP Nº 110/2015 DADOS DO ÓRGÃO GERENCIADOR DA ATA Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL - MG Código UASG: 153028 CNPJ: 17.879.859/0001-15 Endereço: Rua Gabriel

Leia mais

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 02/2009 (PERGUNTAS) REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA AQUISIÇÃO DE SWITCH S TIPO 1, 2 e 3

((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 02/2009 (PERGUNTAS) REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA AQUISIÇÃO DE SWITCH S TIPO 1, 2 e 3 ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 02/2009 (PERGUNTAS) REGISTRO DE PREÇOS PARA FUTURA AQUISIÇÃO DE SWITCH S TIPO 1, 2 e 3 ((TEXTO))Aos 09 (nove) dias do mês de junho de dois mil e nove, às 14:00 hs,

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO - DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS

DIRETORIA DE GESTÃO - DG DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS - DGS PREGÃO ELETRÔNICO N.º 070/2010 ADENDO MODIFICADOR N.º 001 DATA DE EXPEDIÇÃO: 06/01/2011 Às empresas interessadas no pregão eletrônico N.º 070/2010 AQUISIÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI, COMPOSTA DE HARDWARE,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO

TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO TERMO DE REFERENCIA 1 - OBJETO Contratação de empresa especializada para fornecimento de equipamentos e instalação de Ativos de Rede, destinados à ampliação da infraestrutura física e lógica da Procuradoria

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO

CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO CONSULTA PÚBLICA Nº 004/2013 PROJETO: AQUISIÇÃO DE SWITCHES DE NÚCLEO, DISTRIBUIÇÃO E ACESSO ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310

ESPECIFICAÇÃO DE FITOTECA AUTOMATIZADA Substituição dos Silos Robóticos Storagetek 9310 Especificação Técnica 1. A Solução de Fitoteca ofertada deverá ser composta por produtos de Hardware e Software obrigatoriamente em linha de produção do fabricante, não sendo aceito nenhum item fora de

Leia mais

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC

Governo do Estado do Acre Secretaria de Estado de Planejamento Diretoria de Tecnologia da Informação e Comunicação DTIC Especificações de Referência Central Telefônica Código do Objeto TOIP00008 Descrição do Objeto Central Telefônica Data da Especificação de Referência Outubro de 2013 Validade da Especificação de Referência

Leia mais

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Termo de Referência ANEXO B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO B DO TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS LOTE 1 Item 1 Switch Core 1. Chassis Cisco Nexus 7010 (N7K-C7010), com 8 (oito) slots para inserção de módulos com portas Ethernet, 2 (dois) slots

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS. diovany@worklink.inf.br Diretor Comercial (61) 8538-3245

REGISTRO DE PREÇOS. diovany@worklink.inf.br Diretor Comercial (61) 8538-3245 REGISTRO DE PREÇOS Diovany Moreira Diovany Moreira diovany@worklink.inf.br Diretor Comercial (61) 8538-3245 HISTÓRICO DA EMPRESA Conectividade Armazenamento de dados Segurança Telecomunicações SISTEMA

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO DO AMBIENTE DE TIC DA PMSP

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO DO AMBIENTE DE TIC DA PMSP ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO DO AMBIENTE DE TIC DA PMSP A PRODAM é uma empresa de economia mista, criada em 1971, com a finalidade de contribuir para a organização administrativa da Prefeitura

Leia mais

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001

TERMO DE ADJUDICAÇÃO. Item 0001 TERMO DE ADJUDICAÇÃO Às 15:39 horas do dia 13 de março de 2012, o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Palmas, designado pela portaria 095/2011-GAB/SEFIN após analise da documentação do Pregão

Leia mais

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS

Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS Curso Técnico em Redes de Computadores NORMAS PADRÕES E PROTOCOLOS CONCEITUAÇÃO Norma Prática tornada obrigatória por entidades técnicas e/ou regulamentadoras. Padrão Prática recomendada e de ampla aceitação

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME. Prezado(a) Sr(a) Giancarlo Bergamo Cecilio,

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME. Prezado(a) Sr(a) Giancarlo Bergamo Cecilio, POR FAVOR NÃO IMPRIMA ESTA PÁGINA. GRATO!!!!! PREGÃO ELETRÔNICO Nº 13/2012-SALC Curitiba, PR, 05 de NOVEMBRO de 2012. Empresa: BERGAMO & CAVALCANTE INFORMATICA LTDA ME CNPJ: 11.195.926/0001-04 e-mail:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. DIT/GIC TR_NOV_SOLUCÃO_INTERNET_010414v2 1/83

TERMO DE REFERÊNCIA. DIT/GIC TR_NOV_SOLUCÃO_INTERNET_010414v2 1/83 TERMO DE REFERÊNCIA DIT/GIC TR_NOV_SOLUCÃO_INTERNET_010414v2 1/83 1. DESCRIÇÃO CONTRATAÇÃO SOLUÇÃO DE CONEXÃO DA PRODAM MUNICIPAL DE SÃO PAULO PMSP À INTERNET COM LINKS REDUNDANTES. A FIM DE GARANTIR A

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center

TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011. 2.1 - SWITCHES TIPO A - Camada Núcleo da Rede Campus e Data Center TERMO DE REFERÊNCIA TR Pregão Eletrônico nº 018/2011 Anexo I 1 DO OBJETO 1.1 - Prestação de serviços de infraestrutura tecnológica de conectividade e de segurança lógica, com fornecimento de equipamentos

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO

DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO DESPACHO DE HOMOLOGAÇÃO PROCESSO LICITATÓRIO Nº: 085/2012 PREGÃO PRESENCIAL Nº: 039/2012 OBJETO: FORNECIMENTO PARCELADO DE ATIVOS DE REDE COMPOSTOS POR SWITCHES, CABOS E INTERFACES PARA MANUTENÇÃO E AMPLIAÇÃO

Leia mais

Ethernet. Fast Ethernet

Ethernet. Fast Ethernet Ethernet Desenho feito por Robert Metcalfe em 1973 no centro de pesquisas da Xerox. Fast Ethernet Padrão IEEE 802.3u 1995 Switches com função: Full duplex / Controle de Fluxo (802.3x) Virtual LAN (VLAN)

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração Latino Americana. Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP) 05/10/2015 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Pregão Eletrônico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal da Integração LatinoAmericana Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00034/2015 (SRP)

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação de Referência Switches Wireless LAN (Controlador de Rede sem Fio) Alguns itens apresentam opções de configuração, refletindo nos aspectos originais de preço e características da máquina Código

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação

PROAPPS Security Data Sheet Professional Appliance / Apresentação O ProApps Security O ProApps Security é um componente da suíte de Professional Appliance focada na segurança de sua empresa ou rede. A solução pode atuar como gateway e como solução IDS/IPS no ambiente.

Leia mais

Prazo de Garantia dos produtos: 5 anos.

Prazo de Garantia dos produtos: 5 anos. MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA Edital de Licitação n.º 051/2014 - PREGÃO ELETRÔNICO -SRP ATA de Registro de Preços 046/2014 ATA válida até 25/11/2015 Item

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 26430 - INST.FED.DE EDUC.,CIENC.E TEC.S.PERNAMBUCANO 158149 - INST.FED.EDUC.CIENC.E TEC.SERTãO PERNAMBUCANO RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00008/2015-001 SRP 1 - Itens da Licitação 1 - EQUIPAMENTO

Leia mais

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke

OptiView. Total integração Total controle Total Network SuperVision. Solução de Análise de Rede. Ninguém melhor que os. Engenheiros de Rede e a Fluke Ninguém melhor que os OptiView Solução de Análise de Rede Total integração Total controle Total Network SuperVision Engenheiros de Rede e a Fluke Networks para saber o valor de uma solução integrada. Nossa

Leia mais

SWITCHING SWITCHES SEM GESTÃO SWITCHES COM GESTÃO. SWITCHES xstack L2/L3 WIRELESS MÓDULOS DE FONTES DE ALIMENTAÇÃO VIDEOVIGILÂNCIA ARMAZENAMENTO

SWITCHING SWITCHES SEM GESTÃO SWITCHES COM GESTÃO. SWITCHES xstack L2/L3 WIRELESS MÓDULOS DE FONTES DE ALIMENTAÇÃO VIDEOVIGILÂNCIA ARMAZENAMENTO SWITCHING SWITCHES SEM GESTÃO SWITCHES COM GESTÃO SWITCHES xstack L2/L3 WIRELESS MÓDULOS DE FONTES DE ALIMENTAÇÃO VIDEOVIGILÂNCIA ARMAZENAMENTO 05 06 07 08 09 10 11 02 SWITCHING SEM GESTÃO Para menos de

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SWITCH SWITCH CORE SUBITEM CARACTERÍSTICAS GERAIS REDE E DESEMPENHO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Quantidade: 02 unidades DESCRIÇÃO A solução deverá ser composta de um único chassis modular, com 1.0 no mínimo

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015

CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 CONSULTA PÚBLICA Nº 003/2015 TI APPLICATION DELIVERY CONTROLLER ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais