LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LISTA DE FIGURAS. - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 006"

Transcrição

1 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 - Mosaico de Unidades de Conservação na Região do Entorno do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense Municípios Abrangidos Pela Zona de Amortecimento do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense Desenhos e Pinturas que Registram a Ocupação Antiga na Região do Morro Caracará 028 Figura 4 - Movimento de Carga da Hidrovia Paraná-Paraguai, no Ano de Figura 5 - Infra-estrutura Utilizada na Prática da Pesca Esportiva 052 Figura 6 - Número de Pessoas, por Origem 054 Figura 7 - Percentual da Participação de cada Estado Brasileiro nas Estatísticas do Setor Turístico, em Figura 8 - Estrada Transpantaneira 059 Figura 9 - Mato Grosso Hotel 059 Figura 10 - Hotel Porto Jofre 059 Figura 11 - Vista Parcial do Porto da Cidade de Corumbá 062 Figura 12 - Peça Produzida por Jovens Artesãos na Casa Massa Barro 063 Figura 13 - Peça Produzida por Jovens Artesãos na Casa Massa Barro 063 Figura 14 - Peça Produzida por Jovens Artesãos na Casa Massa Barro 064 Figura 15 - Peça Produzida por Jovens Artesãos na Casa Massa Barro 064 Figura 16 - Peça Produzida a Partir de Fibras Naturais (Salsaparrilha) 064 Figura 17 - Peça Produzida a Partir de Fibras Naturais (Salsaparrilha) 064 Figura 18 Figura 19 Figura 20 Figura 21 - Localização das Estações de Amostragem no Parque Nacional do Pantanal Matogrossense Variação Sazonal dos Níveis do Rio Paraguai, em Porto Conceição, acima da Área do Parque e Três Bocas, a Montante da Confluência com o Rio Cuiabá e no Rio Cuiabá, em Porto Alegre, a Jusante da Junção com o Rio São Lourenço Esquema dos Postos Fluviométricos e Área de Inundação na Região do Rio São Lourenço Porcentagem de Areia Grossa, Areia Fina, Silte e Argila em Ambientes Amostrados no PNPM em Abril (A) e Setembro (B) de

2 Figura 22 - Porcentagem de Matéria Orgânica (% M.O.) no Sedimento de Fundo de Ambientes do PNPM, nas Fases de Cheia (abril) e Seca (setembro) de Figura 23a - Diagrama da Análise de Agrupamento das Estações de Amostragem do Rio Paraguai, a Montante do Rio Cuiabá e Baías na Fase de Seca, na Área do PNPM 124 Figura 23b - Diagrama da Análise de Agrupamento das Estações de Amostragem do Rio Paraguai, a Montante do Rio Cuiabá e Baías na Fase de Cheia, na Área do PNPM 124 Figura 24 Figura 25 - Nível do Rio Cuiabá na Estação São João (MT), Localizada a Montante da Confluência com o Rio São Lourenço (Série de 1979 a 2001) Macroambientes Encontrados na Área de Estudo: Planície e Morraria 132 Figura 26a - Curvas de Abundância de Espécies para as Comunidades Amostradas no Parque Nacional do Pantanal Mato- Grossense e RPPN 140 Figura 26b - Curvas de Abundância de Espécies para as Comunidades Amostradas no Parque Nacional do Pantanal Mato- Grossense e RPPN 141 Figura 27 Figura 28 Figura 29 - Dendrograma de Similaridade entre os Diferentes Pontos de Amostragem de Vegetação na Região do PNPM e Reservas Particulares do Patrimônio Natural na Serra do Amolar Vegetação Aquática Flutuante Fixa de Eichhornia Azurea Camalote na Margem de Deposição de Sedimentos, na Seca Margem Desbarrancando, sem Macrófitas Aquáticas, Apenas Gramíneas Jovens e Rebrotando, na Seca 151 Figura 30 - Corixo do Tipo Lêntico 152 Figura 31 - Corixo do Tipo Lótico, com Nome de Rio 152 Figura 32 Figura 33 - Praia de Seixos na Lagoa Gaíva com Algas Microscópicas de Cor Esverdeada, RPPN Fazenda Acurizal Zonação da Vegetação Aquática em Margem de Rio com Camalote Eichhornia Azurea, Seguida de Panicum Elephantipes (FF), Formando uma Nítida Zonação. A Vegetação sendo mais Baixa no Ponto Distal da Margem e Mais Alta, Emergente, na Borda, com Malmequer Aspilia Latissima, de Flor Amarela 153 Figura 34 - Batume com Embaúba 154 Figura 35 - Dendrograma de Cluster para os Diferentes Pontos Amostrais da Vegetação Aquática do PNPM e das RPPNs 155

3 Amostrais da Vegetação Aquática do PNPM e das RPPNs Figura 36 - Vitória-régia Victoria amazônica 160 Figura 37 - Oryza latifolia rebrotando de ramos quase secos no início das chuvas 161 Figura 38 - Habenaria aricaensis 162 Figura 39 Figura 40 Figura 41 - Saivero Ludwigia peruviana Formando Marmiquezal Quase Impenetrável. Sede do Parque, Lado Sul Pegada da Onça-Parda Puma Concolor Observada no Ponto Mcfi-1, Floresta Inundável na Face Leste do Morro do Caracará Número de Espécies, por Grupo Taxonômico, que Compõem Atualmente a Herpetofauna da Área do PNPM e Entorno 227 Figura 42 - Tempo Despendido para Registrar a Presença de 27 Espécies de Anfíbios Durante os Trabalhos de Campo da AER 227 Figura 43 - Tempo Despendido para Registrar a Presença de 15 Espécies de Lagartos Durante os Trabalhos de Campo da AER 228 Figura 44 - Exemplares de Paleosuchus palpebrosus Encontrados na Planície Inundável do Pantanal (ARFI-1, Ponto Novo, em 17º S, 57º O)Durante a AER. a) Fêmea adulta (CRA= 69,5cm); b) juvenis (CRA entre 22-31,5cm) 238 Figura 45a - Abundância Relativa (% do Total de Registros) das Espécies de Anfíbios Anuros Registradas Durante a AER 239 Figura 45b - Abundância das Espécies de Anfíbios Anuros Registradas Durante a AER, Corrigida pelo Esforço de Procura (horas) em todos os Habitats Onde Cada Espécie Pode Ocorrer na Área do PNPM e Entorno 239 Figura 46 - Anfíbios Anuros Considerados Abundantes na Área do PNPM e/ou em Sua Zona de Amortecimento, Durante a AER 244 Figura 47a - Abundância Relativa (% do total de registros) das Espécies de Répteis Registradas Durante a AER 245 Figura 47b - Abundância das Espécies de Répteis Registradas Durante a AER, Corrigida pelo Esforço de Procura (horas) em Todos os Habitats onde cada Espécie pode Ocorrer na Área do PNP e Entorno 245 Figura 48 - Desenho Esquemático da Distribuição dos Avistamentos de Jacaré-paguá Paleosuchus palpebrosus ao Longo de um Trecho do Córrego do Fundão (Faz, Acurizal, Serra do Amolar, Corumbá, MS), Durante Censos Noturnos Realizados na AER, Campanha da Cheia 247

4 Realizados na AER, Campanha da Cheia Figura 49 Figura 50 - Representatividade de Distintas Espécies de Anuros (a) e de Répteis (b) no Material Obtido em pitfalls Durante a AER Répteis Mais Freqüentemente Capturados em Armadilhas de Interceptação e Queda Durante a AER 253 Figura 51a - Produtividade Comparada dos Diferentes Pontos Amostrados por Armadilhas de Interceptação e Queda, Segundo o Número de Indivíduos e Número de Espécies; 254 Figura 51b - Produtividade Comparada dos Diferentes Pontos Amostrados por Armadilhas de Interceptação e Queda, Segundo o Número de Indivíduos; b) Obtidos em cada Ponto, Corrigidos pelo Esforço de Amostragem no Local 254 Figura 52 Figura 53 Figura 54 Figura 55 - Croquis de Localização dos Pontos de Coleta de Dados e Percursos Efetuados em abril e agosto de 2001, no PNPM e Entorno Croquis de Localização dos Pontos de Coleta de Dados e Percursos Efetuados em abril e agosto de 2001, no PNPM e Entorno Distribuição das Espécies Observadas pelos Ecossistemas Trabalhados. Os Valores sobre a Coluna de Cor Laranja Correspondem aos Totais Observados, Enquanto os da Coluna de Cor Azul Indicam as Espécies Exclusivas Curva Cumulativa de Espécies em Função dos Registros Anotados nos Censos. 266 Figura 56 - Distribuição da Taxa de Captura pelas Diversas Fitofisionomias Trabalhadas 269 Figura 57 Figura 58 Figura 59 Figura 60 - Freqüência Relativa, em Porcentagem, das Espécies Capturadas nas Redes Curva Cumulativa de Espécies Detectadas nas Redes em Função das Capturas Dendrograma Resultante da Análise de Agrupamento dos Piquetes de Censo Resultado Gráfico da Análise Decorana dos Piquetes de Censo 273 Figura 61 - Infra-Estruturas da Sede 324 Figura 62 Figura 63 - Estrutura Organizacional do Parque e suas Relações com as Instâncias Federal e Estadual Organograma Funcional do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense 362

5 Figura 64 - Morro do Caracará 387 Figura 65 - Ruínas no Morro do Caracará 387 Figura 66 - Gravura no Morro do Caracará 388 Figura 67 - Pintura no Morro do Caracará 388 Figura 68 - Baía do Morro e Serra do Amolar 388 Figura 69 - Baía do Morro e Morro do Caracará 388 Figura 70 - Propostas para a AEI Morro Caracará 389 Figura 71 - Infra-estrutura Existente e Proposta para essa AEI 394 Figura 72 - Ambientes Contemplados pela Trilha Ramsar 399 Figura 73 - Ambientes que Podem ser Contemplados na Baía do Burro 404 Figura 74 - Ambientes que Podem ser Contemplados na Baía do Burro 404 Figura 75 - Ambientes que Podem ser Contemplados na Baía do Burro 404 Figura 76 - Ambientes que Podem ser Contemplados na Baía do Burro 404 Figura 77 - Rio Caracará 406

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada;

- Local para a disposição final de lixo e esgoto gerados a bordo da embarcação identificada; 413 - Escritório de apoio administrativo e Posto de Informação implantado; - Visitantes informados sobre o Parque, seus objetivos e atividades de visitação disponíveis; - Local para a disposição final

Leia mais

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal

SERRA DO AMOLAR. A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal SERRA DO AMOLAR A vida que bate no lado esquerdo do Pantanal 2015 O CAMINHO DAS ÁGUAS Quando adentram a planície, as águas diminuem de velocidade por conta da baixa declividade e dão origem a grandes

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

LISTA DE SIGLAS. - Associação Corumbaense das Empresas Regionais de Turismo. - Administração da Hidrovia Paraguai-Paraná

LISTA DE SIGLAS. - Associação Corumbaense das Empresas Regionais de Turismo. - Administração da Hidrovia Paraguai-Paraná LISTA DE SIGLAS ACERT AEI AER AHIPAR Aneel BAP BID CEPTA CI CIH Cities CMCA Cobramab Codesp - Associação Corumbaense das Empresas Regionais de Turismo - Áreas Estratégicas Internas - Avaliação Ecológica

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso.

8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso. 398 8 - Elaborar projeto específico para a implantação de áreas de descanso. Os locais para implantação das áreas de descanso serão definidos no projeto de urbanização, devendo, preferencialmente, ser

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto.

BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. BIOMAS BRASILEIROS BIOMA: deriva do grego bio vida e ama grupo, ou conjunto. Bioma é uma área do espaço geográfico, com dimensões até superiores a um milhão de quilômetros quadrados, representada por

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

O desmatamento nas Unidades de Conservação em Mato Grosso 1,2

O desmatamento nas Unidades de Conservação em Mato Grosso 1,2 Resumo O desmatamento nas Unidades de Conservação em Mato Grosso 1,2 Instituto Centro de Vida - ICV Alta Floresta e Cuiabá, Setembro de 2006 Roberta dos Santos Laurent Micol Gustavo Irgang Dra. Jane Vasconcellos

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015

Biomas Brasileiros. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Biomas Brasileiros Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Fevereiro/2015 Bioma Bioma é um conjunto de diferentes ecossistemas, que possuem certo nível de homogeneidade. O termo "Bioma" (bios, vida, e oma,

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

da ZA. do lixo urbano e rural.

da ZA. do lixo urbano e rural. 340 QUADRO 42 Matriz de Análise Estratégica Ambiente Interno Ambiente Externo Premissas Forças Pontos Fracos Ameaças Defensivas ou de Restritivas 01 Fiscalização da área do Parque é precária, não contemplando

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

RPPN Fazenda Rio Negro

RPPN Fazenda Rio Negro Sítio Ramsar Área Úmida de Importância Internacional RPPN Fazenda Rio Negro Conservação Internacional 1. Dados G erais Nome da RPPN: Fazenda Rio Negro Proprietário: Conservação Internacional do Brasil

Leia mais

5.10) Lazer, Turismo e Cultura

5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10) Lazer, Turismo e Cultura 5.10.1) Metodologia No contexto da AII, com destaque para os Estados de Goiás e Mato Grosso, foram obtidas informações junto à EMBRATUR referentes aos principais pontos turísticos

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS BIOMAS BRASILEIROS Creative Commons/Nao Iizuka Bioma Amazônia ou Domínio Amazônico Heterogêneo Perene Denso Ombrófila Três estratos Influenciado pelo relevo e hidrografia Bacia

Leia mais

TRILHAS. Projeto Trilhas Interpretativas

TRILHAS. Projeto Trilhas Interpretativas TRILHAS Projeto Trilhas Interpretativas O Projeto Trilhas Interpretativas, desenvolvido desde 1996 com uma proposta de educação ambiental informal, realiza atividades de bem estar em áreas naturais. A

Leia mais

Membros. Financiadores

Membros. Financiadores Projeto de Pesquisa: CARACTERIZAÇÃO FITOGEOGRÁFICA, DISTRIBUIÇÃO DAS ESPECIES LENHOSAS E DETERMINANTES VEGETACIONAIS NA TRANSIÇÃO CERRADO/AMAZÔNIA Descrição: Serão feitos levantamentos de solos e vegetação

Leia mais

Variação da distribuição espacial das comunidades meiobentónicas dos sedimentos subtidais, sujeitos a diferentes níveis de pressão antropogénica: estuários do Mira e Mondego Helena Adão - (IMAR-CIC, Universidade

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53.

AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS DE RECUPERAÇÃO FINAL 7º ANO: AULAS 6, 7, 20, 27, 34 e 35,36 e 37 E 53. AULAS 6 e 7: O RELEVO BRASILEIRO PLANALTOS BRASILEIROS: Muito desgastados, antigos, conhecidos também como cinturões orogênicos

Leia mais

Atualmente, os esforços de conservação da RPCSA são direcionados principalmente para programas de fiscalização, comunicação, prevenção e combate a

Atualmente, os esforços de conservação da RPCSA são direcionados principalmente para programas de fiscalização, comunicação, prevenção e combate a RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2011 1 2 INTRODUÇÃO A união de esforços entre organizações governamentais e não governamentais, proprietárias de terras ou não, deu origem à Rede de Proteção e Conservação da Serra

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA

I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA I SIMPÓSIO DA REDE PPBio MATA ATLÂNTICA 11 de Agosto de 2015 Sandro Muniz Biólogo Gestor de Unidade de Conservação DEMANDAS DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO PN Serra da Lontra PEIG Hidrogeologia Conhecer

Leia mais

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS

Programa de Monitoramento de Atropelamentos de Fauna da BR - 262/MS Introdução A BR-262 atravessa o estado do Mato Grosso do Sul de Leste a Oeste, a partir do município de Três Lagoas (divisa com estado de São Paulo), passando pela capital, Campo Grande, até o município

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Plano de Manejo do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense Resumo Executivo APRESENTAÇÃO

Plano de Manejo do Parque Nacional do Pantanal Matogrossense Resumo Executivo APRESENTAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO A região do Pantanal ocupa uma área de aproximadamente 250 mil quilômetros quadrados, formando a maior planície inundável do planeta e abrange os seguintes países: Argentina, Bolívia, Paraguai

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

3. do Sul-Sudeste. Sudeste.

3. do Sul-Sudeste. Sudeste. A Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA O Brasil apresenta hidrografia bastante diversificada e rica. Para se ter uma idéia, a Bacia Amazônica, que é a maior do mundo, tem 7.050.000 km, enquanto a do Congo,

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00

CRIANÇAS QUÍMICOS SABICHÕES À DESCOBERTA DA FLORA. Actividades de Verão. 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 CRIANÇAS Actividades de Verão 11:00 13:00 (excepto aos fins de semana) 16:30 18:00 QUÍMICOS SABICHÕES Durante esta actividade os participantes contactam com experiências que lhes permitirão compreender

Leia mais

Vegetação de Mato Grosso

Vegetação de Mato Grosso Vegetação de Mato Grosso Prof. Pedro Eisenlohr pedrov.eisenlohr@gmail.com Objetivos desta aula Fornecer as bases para o estudo da vegetação de Mato Grosso. Contextualizar historicamente os estudos da vegetação

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Vegetação do Pantanal e mudancas climaticas Dra. Catia Nunes da Cunha. Núcleo de Estudos Ecológicos do Pantanal

Vegetação do Pantanal e mudancas climaticas Dra. Catia Nunes da Cunha. Núcleo de Estudos Ecológicos do Pantanal Vegetação do Pantanal e mudancas climaticas Dra. Catia Nunes da Cunha Núcleo de Estudos Ecológicos do Pantanal NEPA-IB/UFMT Pantanal Localização: Pantanal Brasil: Bolívia: Paraguai: Bacia do Alto Rio Paraguai

Leia mais

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga

Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Origem, Evolução e Diversidade da Fauna do Bioma Caatinga Adrian Antonio Garda Departamento de Zoologia Laboratório de Anfíbios e Répteis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Estrutura da apresentação

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Relatório Rio Paraguai e Sua Gente

Relatório Rio Paraguai e Sua Gente Relatório Rio Paraguai e Sua Gente Introdução Entre 25 e 30 de abril de 2002, a Expedição Rio Paraguai - Suas Águas, Sua Gente percorreu o trecho superior do rio Paraguai da cidade de Cáceres no Mato Grosso

Leia mais

O NOSSO MEIO AMBIENTE

O NOSSO MEIO AMBIENTE Projeto de Educação e Comunicação Ambiental Palestra O NOSSO MEIO AMBIENTE Ecossistemas da Região do Entorno da Este produto foi elaborado em cumprimento à Condicionante 10 da LO 003/2003 - Programa Rodoverde,

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL)

PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) PROPOSTA DE ARRANJO PRODUTIVO LOCAL (APL) ESTRADA PARQUE PATANTANAL (EPP) MS CARACTERIZAÇÃO ESTRADA PARQUE PANTANAL (EPP) Com 120 quilômetros, a Estrada Parque Pantanal diferencia-se de uma estrada convencional

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 052, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2002.

LEI COMPLEMENTAR Nº 052, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2002. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 052, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE A DEMARCAÇÃO TERRITORIAL DOS DISTRITOS QUE COMPÕE O MUNICÍPIO DE DOURADOS O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado do Mato Grosso do Sul,

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal

A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal A origem, evolução e diversidade da fauna do Bioma Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador/Lab. Vida Selvagem Embrapa Pantanal walfrido.tomas@embrapa.br Pantanal : o que é? Uma planície inundável que,

Leia mais

LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO LICENCIAMENTO E UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ZONA DE AMORTECIMENTO ÁREAS CIRCUNDANTES PLANO DE MANEJO COMPENSAÇÃO AMBIENTAL SANÇÕES CRIMINAIS E ADMINISTRATIVAS CONCLUSÕES ZONA DE AMORTECIMENTO Art. 25 da Lei

Leia mais

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL COMPENSAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL O instrumento da Compensação Ambiental está contido expressamente no Art. 36 da Lei N o 9985 de 18 Julho de 2000 que institui o Sistema Nacional

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas)

Protocolo de instalação de piezômetros em locais com nível freático pouco profundo (áreas sazonalmente encharcadas) A localização do nível do lençol freático e o conhecimento da sua variação devido às precipitações e outros agentes naturais é de extrema importância para entender a distribuição e abundancia de espécies.

Leia mais

Relatório CAMINHADA DA LUA CHEIA PARQUE ESTADUAL SERRA VERDE BELO HORIZONTE/MG. Data: 28 de Agosto de 2015.

Relatório CAMINHADA DA LUA CHEIA PARQUE ESTADUAL SERRA VERDE BELO HORIZONTE/MG. Data: 28 de Agosto de 2015. Relatório CAMINHADA DA LUA CHEIA PARQUE ESTADUAL SERRA VERDE BELO HORIZONTE/MG. Data: 28 de Agosto de 2015. Objetivo: Proporcionar a preservação e educação ambiental vivenciada para PREVENÇÃO À INCÊNDIOS

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES

MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES MOSAICO DE ÁREAS PROTEGIDAS DO EXTREMO SUL DA BAHIA - MAPES ACADEBIO Agosto de 2012 Suiane Benevides Marinho Brasil /RVS Rio dos Frades / Sec. Executiva do COMAPES EXTEMO SUL DA BAHIA CORREDOR CENTRAL

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

VALOR ECOLÓGICO, SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DAS ÁREAS ÚMIDAS PARA A COMUNIDADE, ENFOQUE NA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE NASCENTES NO PANTANAL

VALOR ECOLÓGICO, SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DAS ÁREAS ÚMIDAS PARA A COMUNIDADE, ENFOQUE NA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE NASCENTES NO PANTANAL VALOR ECOLÓGICO, SOCIOECONÔMICO E CULTURAL DAS ÁREAS ÚMIDAS PARA A COMUNIDADE, ENFOQUE NA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA DE NASCENTES NO PANTANAL Solange Ikeda Castrillon Departamento de Biologia UNEMAT Instituto

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA GRADAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA FINS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL, DE QUE TRATA A LEI Nº 9.985, DE 18/07/2000. A Comissão

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Catálogo de RPPNs na Bacia do Alto Paraguai - Brasil

Catálogo de RPPNs na Bacia do Alto Paraguai - Brasil BRASIL Catálogo de RPPNs na Bacia do Alto Paraguai - Brasil Tiragem: 3.000 exemplares Coordenação: Bernadete Lange e Analuce Freitas Texto: Ida Pietricovsky de Oliveira, Bernadete Lange, Analuce Freitas

Leia mais

DE LEI DO SENADO Nº 750 DE 2011 SUBSTITUTIVO

DE LEI DO SENADO Nº 750 DE 2011 SUBSTITUTIVO WCS BRASIL (Associação para Conservação da Vida Silvestre) R. Spipe Calarge, 2355 Campo Grande, MS 79052-070 Fone 67 33886917 4 de abril de 2014 Recomendações de modificações e comentários da WCS BRASIL

Leia mais

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS

Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS 122 Eixo Temático ET-01-016 - Gestão Ambiental PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ATROPELAMENTOS DE FAUNA NA BR-262/MS Joana Pinto Santos 1, Marcela Barcelos Sobanski 2 1 Analista em Infraestrutura de Transportes

Leia mais

PREÇO/Diária Individual: R$ 260,00. Duplo: R$ 337,00. Individual: R$ 298,00. Duplo: R$ 387,00. Duplo: R$ 230,00. Individual: R$107,00

PREÇO/Diária Individual: R$ 260,00. Duplo: R$ 337,00. Individual: R$ 298,00. Duplo: R$ 387,00. Duplo: R$ 230,00. Individual: R$107,00 Confira os valores da hospedagem para os participantes e acompanhantes do XXIX Fonaje Fórum Nacional dos Juizados Especiais, durante o período de 25 a 27 de maio de 2011, na cidade de Bonito, MS. NOME

Leia mais

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com;

GROSSO Email:vinicius.k99@gmail.com; GROSSO Email:celiaalvesgeo@globo.com; GROSSO Email:jennyfercarla18@gmail.com; CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA DO RIO PARAGUAI, NO SEGMENTO ENTRE A FOZ DO CÓRREGO JACOBINA A FOZ. Neves da Silva, V. 1 ; Alves de Souza, C. 2 ; Ferraz Bühler, B. 3 ; Carla de Almeida, J.

Leia mais

IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ASSOCIADAS A ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO CANAL ARTIFICIAL DO RENATO EM CÁCERES MATO GROSSO

IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ASSOCIADAS A ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS NO CANAL ARTIFICIAL DO RENATO EM CÁCERES MATO GROSSO IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS ASSOCIADAS A ALTERAÇÕES da Cruz Matias, A.R. 1 ; dos Santos Leandro, G.R. 2 ; da Silva Campos, E. 3 ; Alves da Silva, L. 4 ; 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE - UNEMAT Email:drinha_cruz@hotmail.com;

Leia mais

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL

AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO E DO BRASIL AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO Formações vegetais do globo AS FORMAÇÕES VEGETAIS DO GLOBO As Grandes Formações Vegetais da Superfície da Terra Tundra Vegetação

Leia mais

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES

EIA/ RIMA - TERMINAL BRITES 1. Identificação do empreendedor e Empresa Consultora 1 1 1 1 1.1 Identificação do empreendedor 1 1 1 1 CPEA 746 Brasil Intermodal Terminal Santos Terminal Brites Check List 5 1.2 Identificação da empresa

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Fitogeografia do Brasil.

Fitogeografia do Brasil. Fitogeografia do Brasil. Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecemse muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

VARIÁVEIS SEDIMENTARES E HIDRODINÂMICA NA CONFLUÊNCIA DOS RIOS CABAÇAL E PARAGUAI, PANTANAL SUPERIOR, BRASIL

VARIÁVEIS SEDIMENTARES E HIDRODINÂMICA NA CONFLUÊNCIA DOS RIOS CABAÇAL E PARAGUAI, PANTANAL SUPERIOR, BRASIL VARIÁVEIS SEDIMENTARES E HIDRODINÂMICA NA CONFLUÊNCIA DOS dos Santos Leandro, G.R. 1 ; Rodrigues do Nascimento, F. 2 ; Alves de Souza, C. 3 ; Alves da Silva, L. 4 ; Ferreira Santana, M. 5 ; 1 UNIVERSIDADE

Leia mais

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO

PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO PANORAMA DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO EM MATO GROSSO Gabriela Victória Corrêa da Silva 1, Jessica Maria Klemp Moura, Marcelo Sacardi Biudes, Nadja Gomes Machado 1 Laboratório de Biologia da Conservação,

Leia mais

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6

ÍNDICE. II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6. II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 2330-00-EIA-RL-0001-00 Julho de 2010 Rev. nº 00 GASODUTO DO PARÁ ÍNDICE II.5.2.3 - Áreas Protegidas... 1/6 II.5.2.3.1 - Unidades de Conservação na Região - UCs... 1/6 II.5.2.3.2 - Áreas Prioritárias para

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais