INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA"

Transcrição

1 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PORTARIA NORMATIVA IBAMA Nº 84, DE 15 DE OUTUBRO DE 1996 O Presidente do Instituto Brsileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Nturis Renováveis - IBAMA, no uso ds tribuições legis que lhe confere o rtigo 24 do nexo I do Decreto n 78, de 5 de bril de 1991, bem como o Regimento Interno do IBAMA, provdo pel Portri Ministeril n 445, de 16 de gosto de 1989, do Ministério do Interior, e tendo em vist o disposto n Lei n 6.938, de 31 de gosto de 1981 e Lei n 7 802, de 11 de julho de l989, regulmentd pelo Decreto n , de 11 de jneiro de 1990, modificdo pelo Decreto n 991, de 24 de novembro de 1993, bem como Portri nº 333 do Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e d Amzôni Legl, de 11 de outubro de 1996 publicd no Diário Oficil d União de 14 de outubro de 1996; considerndo que vlição mbientl dos grotóxicos, seus componentes e fins não se limit à nálise de resultdos de ensios lbortoriis; considerndo que vlição mbientl dests substâncis se d por meio de um processo contínuo e dinâmico que inclui tmbém o compnhmento e nálise do comportmento e efeitos frente diferentes condições edfoclimátics e modo de plicção que podem gerr informções que reforcem utilizção segur enqunto vigorr o registro; considerndo que um dos pressupostos d reformulção e modernizção do Estdo é o comprtilhmento entre o Governo e o Setor Produtivo d preservção, melhori e recuperção d qulidde mbientl propici à vid, visndo ssegurr o desenvolvimento sustentável; e considerndo que os custos d mnutenção d qulidde mbientl não são responsbilidde únic do Governo; resolve: DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - Estbelecer procedimentos serem dotdos junto o Instituto Brsileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Nturis Renováveis - IBAMA, pr efeito de registro e vlição do potencil de periculosidde mbientl - (pp) de grotóxicos, seus componentes e fins, segundo definições disposts nos incisos XX, XXI, XXII, do rtigo 2, do Decreto nº 98.8l6. Art. 2 - Instituir o Sistem Permnente d Avlição e Controle dos Agrotóxicos, seus componentes e fins, que compreende os seguintes subsistems: ) clssificção do potencil de periculosidde mbientl; b) estudo de conformidde; c) vlição do risco mbientl; d) divulgção de informções; e) monitormento mbientl; f) fisclizção. Prágrfo Único - O Sistem Permnente d Avlição e Controle de Agrotóxico, seus componentes e fins será plicdo todos os produtos submetidos o IBAMA à luz d legislção em vigor. DA CLASSIFICAÇÃO Art. 3 - A clssificção qunto o potencil de periculosidde mbientl bsei-se nos prâmetros biocumulção, persistênci, trnsporte, toxicidde diversos orgnismos, potencil mutgênico, tertogênico, crcinogênico, obedecendo seguinte grdudo:

2 Clsse I - Produto Altmente Perigoso Clsse II - Produto Muito Perigoso Clsse III - Produto Perigoso Clsse IV - Produto Pouco Perigoso Prágrfo Único - Aos grotóxicos, seus componentes e fins que se enqudrem em pelo menos um dos seguintes csos será conferid clssificção de "Produto de Periculosidde Impeditiv à Obtenção de Registro", ) não houver disponibilidde no pís de métodos pr su destivção e de seus componentes, como preceitu líne, do 6, do rtigo 3, d Lei e inciso I, do rtigo 22, do Decreto ; b) presentr crcterístics mutgênics, tertogênics ou crcinogênics referids n líne c, do 6, do rtigo 3, d Lei e incisos III, IV e V, do rtigo 22, do Decreto ; c) clssificção de pp e/ou vlição do risco mbientl indicrem índices nào ceitáveis de periculosidde e/ou risco, considerndo os usos propostos. Art. 4 - Pr efeito de clssificção qunto o pp de grotóxicos, seus componentes e fins o interessdo deverá presentr documentção complet conforme estbelecid nos nexos, I, III, IV, V e X. 1 - Os testes condicionlmente requeridos constntes nos referidos nexos, bem como quisquer outros documentos ou informções dicionis pertinentes poderão ser solicitdos à empres requerente, n form e przo estbelecidos n legislção em vigor. 2 - O não tendimento ou tendimento prcil do interessdo sem justifictiv técnic por escrito, em té 30 dis, contr d dt do recebimento d notificção de ddo(s) dicionl(is), implicrá no rquivmento do processo, por despcho fundmentdo, seguido de comunicção o órgão registrnte pr doção ds medids cbíveis. 3 - A não presentção de teste ou informção estbelecid pr clssificção de pp, deverá ser justificd tecnicmente e será vlid pelo IBAMA. 4 - A não ceitção d justifictiv técnic presentd será comunicd oficilmente à empres, que disporá de 10 (dez) dis úteis pr se mnifestr, contr d dt de recebimento d comunicção. 5º - Os testes E.1.2, E.2 e E.3 constntes do nexo IV, d presente portri deverão ser relizdos com solos ds seguintes clsses: Ltossolo Vermelho Escuro, distrófico ou álico, A moderdo textur médi; Ltossolo Roxo distrófico ou álico, A moderdo, textur rgilos; Glei Húmico, Tb, A proeminente, textur médi. DO ESTUDO DE CONFORMIDADE Art. 5º - O estudo de conformidde vis ferir informções presentds pel empres, pr efeito de registro ou clssificção do potencil de periculosidde mbientl, qundo julgdo necessário pelo IBAMA. 1º - Os testes de que trt o cput deste rtigo serão relizdos em lbortório escolhido pelo IBAMA. 2 - Qundo d solicitção d clssificção do potencil de periculosidde mbientl, empres fornecerá mostr do grotóxico ou do componente ou de fins com certificdo de przo de vlidde, que serão lcrds pelo IBAMA, n presenç do interessdo, ficndo empres como fiel depositári. DA AVALIAÇÃO DO RISCO AMBIENTAL

3 Art. 6 - A vlição do risco mbientl, será relizd qundo clssificção de periculosidde mbientl considerndo os usos propostos crcterizr necessidde d gerção de informção de cmpo, ou qundo, critério do IBAMA, for verificd su necessidde. 1º - A vlição do risco mbientl será exigido ds formulções já registrdos ou registrr, podendo implicr n lterção, suspensão ou cncelmento dos registros, qundo vlição indicr mximizção ou minimizção dos riscos mbientis previstos n clssificção de potencil de periculosidde mbientl. 2 - O registro será mntido conforme s especificções estbelecids pr s mesms sempre que s hipóteses do prágrfo nterior não se verificrem. 3 - A necessidde d vlição do risco mbientl ds formulções, qundo identificd, obrigrá o registrnte presentr termo de compromisso, conforme inciso I do nexo VI, dentro do przo de 90 (novent) dis previsto pr clssificção de potencil de perieulosidde mbientl, sendo que o não tendimento implicrá no rquivmento do processo por despcho fundmentdo. 4º - Pr formulções já registrdos presentção de termo de compromisso de execução de estudo de cmpo deverá ocorrer no przo de 60 (sessent) dis contr d dt de recebimento d notificção. 5 - A não execução ou interrupção do termo de compromisso de que trtm os prágrfos nteriores, sem justifictiv ceit pelo IBAMA, crretrá n imedit plicção ds penliddes cbíveis. 6 - As informções necessáris à elborção do projeto pr vlição do risco mbientl são quels constntes no inciso II do Anexo VI, podendo ser crescids e/ou suprimids, dependendo de cd situção ser estudd. DA DIVULGAÇÃO Art. 7 - A divulgção de informções reltivs à vlição e o controle mbientl vis promover educção mbientl, que estimule o uso seguro e eficz, com o objetivo de reduzir os efeitos prejudiciis pr o meio mbiente e de prevenir cidentes decorrentes de su utilizção imprópri. Prágrfo Único - As informções serem divulgds reltivs à clssificção do potencil de periculosidde mbientl ou o registro deverão ser encminhds em um przo de té 30 (trint) dis pós emissão do registro e su elborção ficrá crgo d empres registrnte, conforme o nexo VII. DO MONITORAMENTO Art. 8 - O monitormento mbientl vis compnhr os impctos mbientis regionis ou ncionis, com o objetivo de embsr tomd de decisões no estbelecimento de polítics públics reltivs grotóxicos e fins, no tocnte melhori d qulidde mbientl. Prágrfo Único - O IBAMA irá desenvolver o monitormento mbientl de que trt o cput deste rtigo, independente d situção de registro, do(s) produto(s) que fç(m) prte do estudo em questão, podendo solicitr às empress cooperção no fornecimento de informções técnics. DO REGISTRO Art. 9º - O IBAMA promoverá publicção no DOU, em um przo de 15 dis úteis, s seguintes informções reltivs o pedido de registro: ) nome do requerente; b) mrc comercil do produto;

4 c) nome químico e comum do ingrediente tivo; d) nome científico do ingrediente tivo no cso de gente biológico; e) rzão do requerimento: importção, exportção, produção e comercilizção; f) indicção do uso pretendido; g) clsse do produto. Art Pr efeito de registro de grotóxicos, componentes e fins o interessdo deverá presentr documentção complet estbelecid nos nexos I, II, III, IV, V e X. Art Sempre que não forem tendids s especificções prevists nest Portri e seus nexos, ou por solicitção fundmentd do Ministério d Súde o registro será negdo e comunicdo oficilmente o requerente. Art Após o recebimento d vlição toxicológic expedid pelo Ministério d Súde, o IBAMA concluirá nálise do processo, no przo máximo de 30 (trint) dis. Art A empres deverá encminbr modelo do rótulo e bul, conforme s recomendções do IBAMA, com vists à provção dos mesmos. Art N mrc comercil do produto formuldo, deverá constr posto o nome, s iniciis "N.A." (Não Agrícol). DA FISCALIZAÇÃO Art As ções de inspeção e fisclizção de que trt o Decreto /90, de competênci deste IBAMA, serão executds em cráter permnente, com vists à proteção mbientl. 1 - As empress deverão qundo solicitdos pelo IBAMA, prestr s informções ou proceder à entreg de documentos, nos przos estbelecidos, fim de não obstrem s ções de inspeção e fisclizção e outrs medids que se fizerem necessáris. 2º - As snções decorrentes de ção de inspeção e fisclizção serão s prevists nos rtigos 14 e 15 d Lei n /81, 15 e 17 d Lei n /89 e do Decreto /90. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art Os procedimentos fixdos em Resoluções decorrentes de Acordos ou Trtdos Interncionis dos quis o Brsil é signtário, seguirão s especificiddes li elencds. Art Os procedimentos serem dotdos junto o IBAMA pr efeito de vlição mbientl de snentes domissnitários, registro de componentes, registro e vlição mbientl de produtos biotecnológicos, registro e vlição de produtos destindos o uso em mbientes hídricos, registro especil temporário, vlição mbientl preliminr serão definidos em portri específic em um przo máximo de 90 (novent) dis, contr d dt de publicção dest portri. Art Pr efeito de inclusão ou substituição de fbricnte / fornecedor de um produto técnico ou produto formuldo, no registro já concedido será exigido o comprovnte de registro do produto ser fornecido, em conformidde com legislção vigente. Prágrfo Único - A lterção que se refere esse rtigo será utorizd desde que mesm não implique em mudnçs ds proprieddes ecotoxicológics do produto registrdo.

5 Art No encminhmento dos processos o IBAMA, os testes, informções e justifictivs técnics devem seguir seguintes especificções: ) cd seção do dossiê (C, D, E, F e G) deverá constr de volumes seprdos, podendo ind um seção ter mis de um volume, ms não o contrário; b) será exigido o ordenmento dos testes de cordo com os códigos constnte do nexo IV e V, com sus respectivs folhs de rosto (conforme Anexo X). c) cd volume deverá ser montdo em fichários com seprdores e bs de identificção pr cd teste; d) cd volume deverá presentr o menos cd frontl e lombd n cor correspondente à seção, como descrit seguir: (Prte C - Brnc, Prte D - Ros, Prte E - Amrel, Prte F - Azul e Prte G - Verde). Art O IBAMA somente promoverá clssificção de potencil de periculosidde mbientl e/ou registro de um produto formuldo produzido no Brsil cujo respectivo produto técnico encontr-se registrdo ou cujo processo de registro trmite concomitentemente com o do produto formuldo. 1 - Não será exigid representção de ddos reltivos o ingrediente tivo ou produto técnico. 2 - No cso de formulções importds será exigid presentção de ddos referentes o produto técnico e o ingrediente tivo julgdos necessários. Art Os testes serem desenvolvidos pr vlição de periculosidde mbientl relciondos nos nexos IV e V, deverão seguir s metodologis constntes do Mnul de Testes pr Avlição de Ecotoxicidde de Agentes Químicos - IBAMA. 1 - Qulquer lterção de metodologis ser comunicd os interessdos. O IBAMA fixrá um przo pr o cumprimento ds mesms, comptível com s necessiddes de juste; 2 - A critério do IBAMA, poderão ser ceits metodologis distints ds constntes no referido Mnul, descrits detlhdmente, em português e compnhds de informções sobre existênci de seu reconhecimento científico. 3º - Tod documentção referente os testes (metodologi e conclusão) constntes do nexo IV e V, deverá ser sumrid em português. 4 - Os ludos dos testes deverão ser ssindos pelo executor e utenticdos pel requerente. Art Pr efeito de ceitção pelo IBAMA de publicção, em substituição um teste, nos csos previstos nos nexos IV e V, serão observdos lém do cráter científico d publicção, nturez ds informções presentds frente às necessiddes pr vlição do prâmetro. Art As mostrs de produto técnico ou formuldo encminhds os lbortórios deverão ser compnhds de declrção d concentrção do ingrediente tivo emitid pel empres contrtnte. O lbortório executor deverá providencir determinção d concentrção de ingrediente tivo n mostr ser testd, qul será prte integrnte do reltório de cd teste. Art As mostrs do produto técnico ou formuldo, que compnhm vlição do potencil de periculosidde mbientl, serão lcrds pelo IBAMA n presenç do representnte d empres qul permnecerá como fiel depositári. Art Os testes pr vlição de grotóxicos, componentes e fins serão ceitos qundo procedentes de lbortórios credencidos e/ou reconhecidos pelo Instituto de Metrologi, Normlizção e Qulidde Industril. - INMETRO.

6 Art Os vlores constntes do item 8 do nexo IX, referente à Mnutenção do Registro e/ou d Clssificção do PPA, poderão ter seus pgmentos efetudos em té 4 (qutro) prcels mensis consecutivs. 1 - O pgmento em prcel únic ou o recolhimento d primeir prcel deverá ocorrer té o di 28 (vinte e oito) de fevereiro de cd no, contr d dt de publicção dest portri. 2 - Excepcionlmente no exercício de 1996 dt limite pr pgmento d prcel únic ou recolhimento d primeir prcel será 15 (quinze) de novembro. Art Os vlores referentes os serviços constntes do nexo IX deverão ser pgos vi Documento Único de Arrecdção - DUA. 1 - O recolhimento do vlor reltivo o serviço de "check list", deverá ser efetudo previmente o encminhmento do requerimento de registro ou de vlição/clssificção do PPA. 2 - O pgmento dos serviços correspondentes os itens 2 à 7 do nexo IX deverá ser efetudo qundo notificção nesse sentido for feit à empres interessd pelo IBAMA, sendo comprovção do recolhimento pré-requisito pr expedição do respectivo certificdo ou pr o enqudrmento do produto em Clsse II, conforme previsto no Art. 30 dest Portri. Art As empress deverão envir semestrlmente, reltório contendo s informções de produção, exportção e importção conforme nexo VIII. Art Tendo o solicitnte cumprido o estbelecido nest portri e seus nexos, não mnifestção deste IBAMA dentro do przo previsto n legislção, implicrá n imedit expedição d vlição do potencil de periculosidde mbientl, enqudrndo o produto n Clsse II - Muito Perigoso. Art Os recursos finnceiros reltivos os serviços especificdos no Anexo IX dest portri serão destindos tividdes de vlição, monitormento e fisclizção que promovm proteção d qulidde mbientl. Art Est Portri entr em vigor n dt de su publicção, revogndo-se s Portris n 139 de 21 de dezembro de 1994 e Portri n 149 de 30 de dezembro de EDUARDO DE SOUZA MARTINS ANEXO I I - PARA REGISTRO DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS A - Requerimento em 3 (três) vis, conforme disposto no inciso I, do rtigo 8, do Decreto /90, modificdo pelo Decreto 991/93; B - Reltório Técnico I, contendo os documentos reltivos à vlição de eficiênci de produto comercil, constntes do Anexo II d presente Portri; C - Reltório Técnico II e demis documentos exigidos pelo Ministério d Súde;

7 D - Reltório técnico III, previsto no inciso IV, do rtigo 8, do Decreto n , modificdo pelo Decreto 991, contendo os ddos e informções estbelecids no Anexo III d presente Portri; E - Modelo de rótulo, conforme disposto nos rtigos 37, 38 e 39 e Anexo IV do Decreto /90; F - Modelo de bul, conforme disposto no rtigo 41, do Decreto /90, sendo que, no que concerne o inciso III, deverão ser incluíds: ) medids de primeiros socorros e informções detlhds qunto às ções emergenciis serem dotds em cso de cidentes mbientis envolvendo o produto; b) métodos e procedimentos pr descontminção de solo e águ; c) telefone de emergênci d empres; d) instruções técnics sobre destinção finl de resíduos e emblgens; e) descrição do método pr destivção do grotóxicos, seus componentes e fins. G - Descrição ds emblgens: tipo, mteril, cpcidde volumétric e tipo de rotulgem; H - Comprovnte de recolhimento do vlor reltivo o "Check List", constnte do Anexo IX, trvés do Documento único de Arrecdção - DUA; I - Declrção especificndo relção de testes experimentis de cmpo relizdos, ou qundo pertinente, cópi do certificdo de Registro Especil Temporário - RET expedido pelo IBAMA; II - PARA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE PERICULOSIDADE AMBIENTAL A - Um vi do requerimento, conforme disposto no inciso I, do rtigo 8, do Decreto n /90; modificdo pelo Decreto 991/93; B - Reltório técnico III, previsto no inciso IV, do rtigo 8º, do Decreto n , modificdo pelo Decreto 991, contendo os ddos e informções estbelecids no Anexo III d presente Portri; C - Modelo de rótulo, conforme disposto no inciso II, do rtigo 38, do Decreto n ; D - Modelo de bul, conforme disposto nos incisos III e IV; do rtigo 41, Decreto n , incluindo: ) medids de primeiros socorros e informções detlhds qunto às ções emergenciis serem dotds em cso de cidentes mbientis envolvendo o produto; b) métodos e procedimentos pr descontmindo de solo e águ; c) telefone de emergênci d empres; d) instruções técnics sobre destinção finl de resíduos e emblgens; e) descrição do método pr destivção do grotóxicos, seus componentes e fins. E - Descrição ds emblgens: tipo, mteril, cpcidde volumétric e tipo de rotulgem; F - Comprovnte de recolhimento do vlor reltivo o "Check List", constnte do Anexo IX, trvés do Documento técnico de Arrecdção - DUA; G - Declrção especificndo relção de testes experimentis de cmpo relizdos, ou qundo pertinente, cópi do resultdo d Avlição Ambientl Preliminr expedido pelo IBAMA e do Registro Especil Temporário - RET;

8 ANEXO II DADOS E INFORMAÇÕES QUE DEVERÃO COMPOR O RELATÓRIO TÉCNICO I I - Os testes sobre eficiênci e prticbilidde d formulção pr fins de registro e revlição técnic, pr produtos destindos o uso n proteção de florests, mbientes industriis e áres não cultivds, deverão conter no mínimo: 1. Título, Autor(es), Instituição(oes); 2. Introdução; 3. Mteriis e Métodos; 3.1 Locl e dt; 3.2 Deverá ser indicd espécie e vriedde utilizds no teste, bem como os procedimentos fitotécnicos utilizdos no experimento (prepro do solo, espçmento e trtos culturis); 3.3 Descrição dos produtos usdos; Citr mrc comercil, tipo de formulção, concentrção e nome(s) comum(s) do(s) ingrediente(s) tivo(s); Nome do(s) grupo(s) químico(s), qundo definido(s); 3.4 Trtmento; Dose(s) utilizds(s); Tmnho d prcel, especificndo espçmento utilizdo, densidde populcionl d cultur (espécie e vriedde) e/ou do lvo biológico (qundo pertinente); Número de plicções; Époc e modo de plicção, citndo idde e o estágio de desenvolvimento d cultur, e do lvo biológico (qundo pertinente); Intervlo de plicção; Tecnologi de plicção; 3.5 Delinemento esttístico: Utilizr metodologi e delinemento experimentl dequdo, pr lcnçr os objetivos propostos; Utilizr no mínimo 06 (seis) trtmentos e 04 (qutro) repetições, sendo entre eles, um trtmento com um produto pdrão d região e um trtmento testemunh; 3.6 Métodos de vlição: Deverá ser utilizdo o método dequdo pr cd situção, lém de ddos de produção qundo pertinentes; 4. Resultdos e discurção: 4.1 Tecer considerções respeito d fitotoxicidde 5. Concluções; 6. Bibliogrfis consultds; 7. Responsbilidde técnic: Assintur do profissionl responsável pel condução do trblho, com nome dtilogrfdo, número de registro no Conselho d Ctegori e região. O documento deverá ser dtilogrfdo em ppel timbrdo do órgão oficil ou entidde privd. O trblho técnico deverá ser visdo ou encminhdo pelo chefe imedito do pesquisdor; ) Só serão ceitos testes qundo conduzidos em condicões de cmpo e estbelecidos em regiões representtivs d cultur, e o que não se enqudrr, justificr; b) As informções conclusivs sobre os testes devem ser reltds de mneir não deixr dúvids sobre eficiênci e prticbilidde do produto testdo; c) Qulquer modificção hvid ns instruções e metodologis cim descrits deverá ser devidmente justificd pelo pesquisdor. II - Os testes e informções referentes à comptibilidde do produto, serão fornecidos pelo requerente qundo julgr necessário.

9 ANEXO III DADOS E INFORMAÇÕES QUE DEVERÃO COMPOR O RELATÓRIO TÉCNICO III I - PARA COMPONENTES A) Produtos técnicos (inciso XXV, rtigo 2º do Decreto nº /90): ) nome(s) e endereço(s) completo(s) do(s) fbricnte(s) e do(s) fornecedor(s) do produto ser vlido; b) número(s) de código do(s) ingrediente(s) tivo(s) no Chemicl Abstrcts Service Registry (CAS); c) esquem do processo produtivo do produto, contemplndo sus etps de síntese, seus subprodutos e impurezs; d) declrção, com ludo em nexo, d composição quli-quntittiv do produto técnico, reltivo cd um dos fbricntes, incluindo sus impurezs com concentrções iguis ou superiores 0,1% toxicologicmente significtivs presentes, bem como dos limites mínimo e máximo de vrição do teor de cd componente do produto; e) Declrção, com ludo em nexo, de identificção e quntificção de subprodutos ou impurezs presentes no produto técnico em concentrções inferiores 0,1 %, qundo significtivs do ponto de vist toxicológico e mbientl. Em hvendo mis de um fbricnte, presentr ludos específicos; f) descrição d(s) metodologi(s) nlític(s) pr crcterizção quli-quntittiv do ingrediente tivo e, qundo pertinente, ds impurezs toxicologicmente significtivs; g) testes e informções constntes do Anexo IV. II - PARA AGROTÓXICOS E AFINS: (incisos XX e XXII, do rtigo 2º, do Decreto nº /90). ) nome(s) e endereço(s) do(s) fbricnte(s) e do(s) fornecedor(es) do produto formuldo e do produto técnico; b) código(s) tribuído(s) durnte fse experimentl; c) número do código do(s) ingrediente(s) tivo(s) no Chemicl Abstrcts Service Registry (CAS); d) esquem ds principis etps de produção do produto formuldo prtir do produto técnico e demis componentes, bem como em se trtndo de obtenção do produto formuldo diretmente prtir ds mtéris-prims; e) declrção, com ludo em nexo, d composição quli-quntittiv, do produto formuldo em todos os seus componentes indicndo sus funções especifics n formulção. Em hvendo mis de um fbricnte, presentr ludos específicos; f) declrção dos limites máximos e mínimos de vrição do teor de cd componente do produto formuldo; g) informções toxicológics e mbientis sobre os principis produtos de degrdção do produto técnico compnhds de cópi de referênci bibliográfic; h) cópi do certificdo de registro ou do comprovnte de protocolo do requerimento de registro do produto técnico; i) testes e informções constntes do Anexo IV ou Anexo V.

10 ANEXO IV TESTES E INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS À AVALIAÇÃO ECOTOXICOLÓGICA. TESTE PARTE C - CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS C.1 - Estdo físico, Aspecto, Cor e Odor C.2 - Identificção Moleculr ESPECIFICAÇÃO DA EXIGÊNCIA PRODUTO(S) À SER(EM) TESTADO(S) EM CASO DE REQUERIMENTO DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE: PT/PF PT PF T PT PF T PT ou I.A. C.3 - Gru de Purez T PT PT C.4 - Impurezs metálics T PT PT C.5 - Ponto/Fix de Fusão I PT PT C.6 - Ponto/Fix de Ebulição I PT PT C.7 - Pressão de Vpor T PT ou IA PT ou IA C.8 - Solubilidde/Miscibilidde T PT PF C.9 - ph I PT PF C.10 - Constnte de Dissocição em meio quoso C.11 - Constnte de formção de Complexo com metis em meio quoso B PT ou IA PT ou IA B PT ou IA PT ou IA C.12 - Hidrólise T PT ou IA PT ou IA OBSERVAÇÕES GERAIS Identificção por espectrômetro de mss ou ressonânci mgnétic nucler compnhd de espectrometri de IV. Identificção por bsorção tômic dos metis: Cd, Hg, Pb, Cr, As Apens pr PT sólidos TA Apens pr PT líquidos TA Águ e outros solventes Refere-se o ph do produto e/ou de sus soluções Com presentção de mei-vid e produtos de degrdção C.13 - Fotólise T PT ou IA PT ou IA O teste deverá ser

11 C.14 - Coeficiente de Prtição (n-octnol/águ) C.15 - Densidde I PT PF C.16 - Tensão superficil de Soluções T PT I PT PF C.17 - Viscosidde I PT PF C.18 - Distribuição de prtículs por tmnho T PT PF C.19 - Corrosividde T PT PF C.20 - Estbilidde Térmic e o r relizdo n presenç e usênci de fotossensibilizdores Pr PT e PF sólidos ou líquidos à TA Apens pr PT e PF líquido à TA Apens pr PT e PF sólidos TA Refere-se o potencil do produto corroer o mteril de condicionmento e plicdores: plásticos, metis, ppel etc. T PT PF Ns condições de uso C.21 - Ponto de Fulgor I PF C.22 - Voltilidde T PT PT C.23 - Proprieddes Oxidntes PARTE D - TOXICIDADE PARA ORGANISMOS NÃO- ALVO I PT PT PT/PF PT PF D.1 - Microorgnismos T PT PF D.2 - Algs T PT PF D.3 - Orgnismos do solo T PT PF D.4 - Abelhs T PT PF D.5 - Microcrustáceos D Agudo T PT PF D Crônico T PT PT D.6 - Peixes D Agudo T PT PF D Crônico T PT PT D.7 - Bioconcentrção em peixes Microorgnismos úteis envolvidos em processos de ciclgem de nutrientes CR/T PT PT Solicitdo qundo: log Kow > 2 ou solubilidde em águ < 1,0 mg/l ou mei-

12 D.8 - Aves D.8.1- Dose únic T PT PT vid n águ > 4 dis (hidrólise) ou produto não fcilmente degrdável em solução quos (biodegrdbilidde imedit) ou sempre que o produto puder tingir mbientes quáticos D Diet CR/T PT PT * DL 50 < 500 mg/kg D Reprodução CR/T PT PT D.9 - Plnts D Fitotoxicidde pr plnts não-lvo PARTE E - COMPORTAMENTO NO SOLO E.1 - Teste de Biodegrdbilidde E Biodegrdbilidde imedit E Biodegrdbilidde em solos E.2 - Teste pr Avlição d Mobilidde E.3 - Teste pr Avlição d Absorção/Dessorção PARTE F - TOXICIDADE PARA ANIMAIS SUPERIORES F.1 - Toxicidde Orl CR/B T T T T PF ou PT PT PF PT ou I.A. ou I.A. PT ou I.A. ou I.A. PT ou I.A. ou I.A. PT ou I.A. ou I.A. PT/PF PT PF F Agud pr rtos T PT PF F Agud pr rtos doses repetids T PT PT F Curto Przo CR/T PT PT F Curto Przo pr cães CR/B PT PT PT PT PT PT ** CL 50 < 1000 mg/kg Pr produtos cuj mei vid sej > 180 dis ou evolução CO 2 < 1% em 28 dis. Qundo DL 50 orl for < 50 mg/kg pr produtos sólidos ou < 200 mg/kg pr produtos líquidos.

13 F Metbolismos e vi de excreção bem como mei vid biológic em nimis de lbortório. Toxicidde dos metbólitos se forem diferentes n plnts e nimis F.2 - Toxicidde Inltóri Agud pr rtos F.3 - Toxicidde cutâne/oculr F Cutâne gud pr rtos F Irritção cutâne primári F.4 - Irritção oculr curto przo (coelhos) PARTE G - POTENCIAL GENOTÓXICO, EMBRIOFETOTÓXICO E CARCINOGÊNICO G.1 - Potencil Genotóxico B PT PT CR/T PT PF T PT PF CR/T PT PF CR/T PT PF PT/PF PT PF G Procriontes T PT PT e PF G Eucriontes T PT PT e PF G Potencil Embriofetotóxico G Efeitos sobre reprodução e prole, em 2 (dus) gerções sucessivs. G.3 - Potencil Crcinogênico G Crcino - genecidde médio przo G Crcinogenicidde (2 nos) B PT PT B PT PT T PT PT Solicitdo pr produtos voláteis ou com pressão de vpor > 10-6 mmhg (25 C) ou fumigntes ou se sólidos com tmnhos de prtículs < 5µ Não requerid se substânci corrosiv ou com ph < 2 ou > 11,5 Não requerid se substânci corrosiv ou com ph < 2 ou > 11,5 In vivo, In vitro ou em céluls germintivs Será ceito pr vlição deste prâmetro, qulquer um dos testes B PT PT relciondos * Pr Produtos Técnicos ou Formuldos ** Somente pr Produtos Técnicos

14 Abreviturs: PT = produto técnico; PF = produto formuldo; I.A. = ingrediente tivo; T = teste completo; B = teste ou publicção científic complet; I = informção referencid; TA = tempertur mbiente (20-25 C); UV = ultr violet; IV = infr-vermelho; CR = Condicionlmente Requerido. ANEXO V Testes e Informções Necessáris à Avlição Ecotoxicológic de Produtos Atípicos Teste C.1 - Estdo físico, specto, cor e odor C.2 - Identificção Moleculr Esplhntes Adesivos Cobre Inorgânico Enxofre Inorgânico CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS Óleo Minerl Óleo Vegetl Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim C.3 - Gru de Purez Sim Sim Sim Sim Sim C.4 - Impurezs Metálics C.5 - Ponto - Fix de Fusão C.6 - Ponto - Fix de Ebulição Não Sim Sim Sim Não Não Sim/I Sim/I Não Não Sim/I Não Não Não Não C.7 - Pressão de Vpor Sim Não Não Sim Não C.8 - Solubilidde / Miscibilide Sim Sim Sim Não Não C.9 - ph Sim/I Sim/I Sim/I Não Não C.10 - Constnte de dissocição em meio quoso C.11 - Constnte de formção de complexos em meio quoso Sim/I Sim/I Não Não Não Sim/I Não Não Não Não C.12 - Hidrólise Sim Não Não Não Não C.13 - Fotólise Sim Não Não Não Não C.14 - Coeficiente de Prtição n-octnol/águ Não Não Não Não Não C.15 - Densidde Sim/I Sim/I Sim/I Sim/I Sim/I C.16 - Tensão Superficil de soluções quoss Sim/I Não Não Sim/I Sim/I C.17 - Viscosidde Sim/I Não Não Sim/I Sim/I C.18 - Distribuição de Prtículs por Tmnho Não Sim Sim Não Não C.19 - Corrosividde Sim Não Não Não Não C.20 - Estbilidde Térmic e o Ar Sim Não Não Sim Sim TOXICIDAE PARA ORGANISMOS NÃO-ALVO D.1 - Microorgnismos Sim Não Não Sim Não D.2 - Algs Sim Sim/B Sim/B Sim Não D.3 - Orgnismos do Sim Sim/B Sim/B Sim Não

15 Solo D.4 - Abelhs Não Sim/B Sim/B Não Não D Microcrustáceos Agudo D Microcrustáceos Crônico Sim Sim/B Sim/B Sim Não Não Sim/B Sim/B Não Não D Peixes Agudo Sim Sim/B Sim/B Sim Não D Peixes Crônico Não Sim/B Sim/B Não Não D.7 - Bioconcentrção em Peixes D Aves, Dose Únic Não Sim/B Sim/B Não Não Não Sim/B Sim/B Não Não D Aves, Diet Não Sim/B Sim/B Não Não E Biodegrdbilidde imedit E Biodegrdbilidde em Solos E.2 - Teste pr Avlição d Mobilidde E.3 - Teste pr Avlição d Adsorção / Desorção F Toxicidde Orl Agud pr Rtos F.2 - Toxicidde Inltóri Curto Przo pr Rtos F Toxicidde Cutâne Agud pr Rtos F Irritção Cutâne Primári F Irritção Oculr Primári G Potencil Genotóxico - Procriontes G Potencil Genotóxico - Eucriontes COMPORTAMENTO NO SOLO Sim Não Não Não O produto será considerdo pouco trnsportável (Clsse IV) e ltmente persistente (Clsse I) TOXICIDADE PARA ANIMAIS SUPERIORES O produto será considerdo persistente e pouco trnsportável (Clsse IV) Sim Sim/B Sim/B Não Não CR p/ produtos voláteis e P.V. > 10-6 mmhg (25 C) Condicionl pr sólidos com tmnho de prtículs menores que 5µm Não Não Não Sim/B Sim/B Não Não Sim Sim/B Sim/B Não Não Sim Sim/B Sim/B Não Não POTENCIAL GENOTÓXICO, EMBRIOFETOTÓXICO E CARCINOGÊNICO Sim Sim/B Sim/B Sim Não Sim Sim/B Sim/B Sim Não G.2 - Potencil CR/B CR/B CR/B Não Não

16 Embriofetotóxico G.3 - Potencil Crcinogênico Resíduos não sulfondos (RNS) Hidrocrbonetos Aromáticos Polinucledos (HAP) Ponto de inflmbilidde Índices de Iodo e Sponificção CR/B CR/B CR/B Não Não INFORMAÇÕES ADICIONAIS Não Não Não Sim Não Não Não Não Sim Não Sim Não Não Sim Sim Não Não Não Sim Sim Not: CR = Condicionlmente Requerido B = Teste ou bibliogrfi complet I = Informção referencid 1. Em relção o teste microorgnismo (D.1) pr Cobre e Enxofre inorgânico, o teste será eximido e os produtos serão considerdos ltmente tóxicos (Clsse I) pr este prâmetro. 2. Onde lê-se Sim/B, serão ceits referencis bibliográfics complets que contemplem composição quli-quntittiv do produto em nálise. Cso referênci não se deque o produto, será exigido teste; 3. Onde form isentdos os testes medinte pré-clssificção e o requerente julgr-se prejudicdo, devem ser presentdos testes que comprovem o contrário. 4. Pr produtos fumigntes, plicm-se s exigêncis prevists nest Portri Normtiv. A dispens se drá cso cso, medinte justifictiv técnic d Empres. ANEXO VI I - TERMO DE COMPROMISSO A Empres..., sedid em..., representd leglmente por..., identificção (CPF, CIC)..., firm o presente termo em que se compromete elborr e executr o Projeto... e presentr o IBAMA os seus resultdos, pr fins de revlição do produto conforme cronogrm ser estbelecido entre s prtes, submetendo-se às penliddes prevists em lei. Locl:... Dt:... Assintur:... II - ESTUDO DO RISCO AMBIENTAL Informções Cdstris

17 Nome d Empres: CGC: Endereço: Responsável Técnico: N de Registro no Conselho Regionl (se houver) Telefone / FAX pr contto: Ddos d Empres Ddos do Produto Nome Químico: CAS Number: Mrc Comercil: Clsse do Produto: Indicção de Uso: Dose(s) de Aplicção(ões): Método de Aplicção: Intervlo de Aplicção N de Aplicções Instituição e/ou Lbortório de Execução: CGC: Endereço: N do Protocolo / Certificdo de Credencimento INMETRO: Responsável Técnico: Ddos do Lbortório ou Instituição Executor N de Registro no Conselho Regionl: Telefone / FAX pr contto: Identificção e Descrição do Agroecossistem. Nome d Propriedde:. Endereço:. Coordends Geográfics:. Tmnho d Áre Teste:.

18 Mpemento d Áre Teste:. Corpos d'águ Nome Temp. Médi Vzão Médi ph Profundide Médi Durez Rio(s): Richo(s): Córrego(s): Lgo(s) / Açude(s): Bci: Vegetção Descrição sumári d vegetção d áre de influênci diret: Solo Clssificção do Solo:. ph:. Tempertur:. Umidde:.

19 Fun Silvestre Descrição sumári d ocorrênci de fun silvestre: Ddos de destino mbientl Escomento Superficil - "Run off" Grupo Ftor Vlor Ftores Meteorológicos Crcterístics d Lvour e Precipitção Tempertur Irrdição Solr Umidde Reltiv Velocidde do Vento Direção Predominnte do Vento Dt do Plntio Prátics Culturis Emergênci Proprieddes do solo e/ou Mturção e Colheit Densidde de Plntio Intercepção Folir Restos de Cultur Profundidde ds Rízes Profundidde de Incorporção o Solo Método de Cultivo Rotção Modlidde de Irrigção e número Époc Teor de Mtéri Orgânic Sedimentos Textur do Solo Umidde Inicil do solo Cpcidde de Cmpo Ponto de Murchmento Condutividde Hidráulic Sturd Declividde Densidde

20 Propriedde do Produto Fitossnitário Porosidde em Função do Perfil do Solo Escorrimento Folir Deriv Rel Deriv Detlhmento do Projeto Objetivos Mteriis e Métodos Resultdos Discussão Conclusão Estrutur ANEXO VII DIVULGAÇÃO NOME DA EMPRESA: MARCA COMERCIAL: 1 - Descrição do Produto: Nome comum do I.A.: Nome químico do I.A.: nº - CAS (Chemicl Abstrct Service) : Grupo químico: Fórmul estruturl: Fórmul brut: Peso moleculr: Clsse de uso: Tipo de Formulção: Concentrção do Ingrediente Ativo: Modlidde de uso: Tipo de plicção: Restrição de uso: 2 - Crcterístics Físico-Químics Estdo Físico, specto, cor, odor (PT/PF) ph : (PT/PF) Solubilidde (I.A.): Pressão de vpor (I.A.): Hidrólise (I.A.): Fotólise (I.A.):

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO - Em milhares de reais Jornl do Commercio Quint-feir, 28 de fevereiro de 2013 A-55 Senhores cionists, Em cumprimento às disposições legis e esttutáris, Administrção d Generli Brsil Seguros submete à precição de V. Ss. s demonstrções

Leia mais

Depósito Aduaneiro de Distribuição (DAD)

Depósito Aduaneiro de Distribuição (DAD) Mercdores Depósito Aduneiro de Distribuição (DAD) Coletâne (Norms Vigentes) Versão 2.00 - Mio de 2010 Atulizd té: nstrução Normtiv SRF nº 138, de 17 de dezembro de 1992 Pulo Werneck mercdores.blogspot.com

Leia mais

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance

É assim que se faz PLANEJAMENTO DE OBRAS. Novos métodos e ferramentas de controle de obras ajudam empresas a melhorar a performance PLANEJAMENTO DE OBRAS É ssim que se fz SÉRGIO COLOTTO Novos métodos e ferrments de controle de obrs judm empress melhorr performnce Reportgem Mriuz Rodrigues 38 Construção Mercdo n o 12 julho 2002 O plnejmento

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 15, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os prazos, o cronograma e as priorizações para a primeira etapa da implantação do registro de insumos farmacêuticos ativos (IFA), definido

Leia mais

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4.1 A ESTRUTURA DO SISTEMA EDUCACIONAL A tul estrutur e funcionmento d educção brsileir decorre d provção d Lei de Diretrizes e Bses d Educção (Lei n.º 9.394/96),

Leia mais

LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO LEGISLAÇÃO RELACIONADA AOS PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, DF / 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA

Leia mais

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004;

Considerando o disposto na Resolução ANTT nº 701, de 25 de agosto de 2004, que altera a Resolução ANTT nº 420, de 12 de fevereiro de 2004; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior- MDIC Instituto Nacional de Metrologia Normalização e Qualidade Industrial - Inmetro Portaria nº 10, de 24 de janeiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA

EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA EDITAL PARA APOIO ÀS ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA DE VALOR DA BORRACHA 1- OBJETO DO APOIO O objeto do presente Edital consiste em selecionar Planos de Gestão, de forma a obter apoio financeiro

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN R.S.A.E.

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN R.S.A.E. REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN (Publicado no DOE em 01/07/2009) (Resolução 1093 AGERGS, publicada no DOE em 23/04/2009) R.S.A.E. 2009 REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE ÁGUA E ESGOTO DA CORSAN...

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA 1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL CONCEA DIRETRIZ BRASILEIRA PARA O CUIDADO E A UTILIZAÇÃO DE ANIMAIS PARA FINS CIENTÍFICOS E DIDÁTICOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SCEN, Trecho 2, Ed. Sede do IBAMA, Bloco G - 70.818-900 - Brasília - DF Telefone: (61) 3307-7118 - Fax: (61) 3307-7124 http://www.mma.gov.br/cgen

Leia mais

Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente

Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente Dispositivos que tratam de Áreas de Preservação Permanente (APP) na legislação brasileira vigente Lei Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965 - Institui o novo Código Florestal Lei nº 6.766, de 19 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO Nº 171/2013-CONSEPE, de 5 de novembro de 2013. Aprova o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966

LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 LEI Nº 5.194, DE 24 DEZ 1966 Regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro- Agrônomo, e dá outras providências. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Resolução Conama 362/2005 Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Diretrizes para o licenciamento ambiental Grupo de Monitoramento Permanente GMP DIRETRIZES PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES

Leia mais

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SCEN, Trecho 2, Ed. Sede do IBAMA, Bloco G 70.818-900 Brasília DF Telefone: (61)4009-9518 Fax: (61) 4009-9509 http://www.mma.gov.br/port/cgen

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto na Lei 12.378, de 31.12.2010: (...) Artigo 28- Compete ao CAU/BR: Inciso XIV - aprovar e divulgar tabelas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/N o 32 DE 10 DE AGOSTO DE 2006.(*) FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal, art. 205 e 208

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 425, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 425, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012 1 RESOLUÇÃO Nº 425, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento das entidades públicas e privadas de que tratam o art. 147, I e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FACULDADE

REGIMENTO INTERNO FACULDADE 2014 REGIMENTO INTERNO FACULDADE Este é o Regimento Interno em vigor, e tem como objetivo normatizar e disciplinar o funcionamento da FACULDADE DE ECONOMIA E FINANÇAS IBMEC - RJ. SUMÁRIO TÍTULO I... 7

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 44, DE 17 DE AGOSTO DE 2009 ##TEX Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos

Leia mais

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG

Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Regimento Acadêmico da Graduação - RAG Resoluções atuais: Nº 36/1999 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar) Nº 18/2002 Altera o Regimento Acadêmico da Graduação (revogar foi incorporada) Nº

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 Aprova a NBC TA 200 Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Auditoria em Conformidade com Normas de Auditoria. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

DECISÃO DE DIRETORIA CETESB Nº 10, DE 12 DE JANEIRO DE 2010.

DECISÃO DE DIRETORIA CETESB Nº 10, DE 12 DE JANEIRO DE 2010. DECISÃO DE DIRETORIA CETESB Nº 10, DE 12 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre o Monitoramento de Emissões de Fontes Fixas de Poluição do Ar no Estado de São Paulo Termo de Referência para a Elaboração do Plano

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE. Faculdade de Ciências TRABALHO DE LICENCIATURA. Tema:

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE. Faculdade de Ciências TRABALHO DE LICENCIATURA. Tema: UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Fculdde de Ciêncis DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA TRABALHO DE LICENCIATURA Tem: Csos Integráveis de Equções Diferenciis Funcionis Autor: Tâni Joquin Tomás Estudnte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 358. DE 13 DE AGOSTO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 358. DE 13 DE AGOSTO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 358. DE 13 DE AGOSTO DE 2010 Regulamenta o credenciamento de instituições ou entidades públicas ou privadas para o processo de capacitação, qualificação e atualização de profissionais, e de

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 507, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Os MINISTROS DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, DA FAZENDA e CHEFE DA CONTROLADORIA- GERAL DA UNIÃO, no uso da atribuição que lhes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CONCURSO PÚBLICO - 2015 CARGO - NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO D Campus São Carlos 00115-01 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Campus Araras 00115-02 ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO Campus

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10 /2011, de 20 de Setembro de 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10 /2011, de 20 de Setembro de 2011 Pág. 1 de 38 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10 /2011, de 20 de Setembro de 2011 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA, nomeado pela Portaria nº 318, de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/79/CONSU Aprova Regimento Geral da Universidade Federal de Sergipe. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Sergipe, no

Leia mais