Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas. Perguntas Mais Frequentes (FAQ)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas. Perguntas Mais Frequentes (FAQ)"

Transcrição

1 Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas Perguntas Mais Frequentes (FAQ)

2 A Lei n.º 58/2008, de 9 de Setembro, aprovou o Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas, que entrou em vigor a 1 de Janeiro de 2009, substituindo o anterior Estatuto Disciplinar. As Perguntas Mais Frequentes, que se seguem, procuram dar resposta às questões mais importantes levantadas pelo novo regime disciplinar. I ÂMBITO DE APLICAÇÃO DO NOVO ESTATUTO 1. QUAL A LEI APLICÁVEL AOS PROCESSOS PENDENTES À DATA DA ENTRADA EM VIGOR DO NOVO ESTATUTO? 1 É aplicável o novo Estatuto, quanto às penas, qualificação das infracções e normas processuais, se em concreto for mais favorável ao arguido, do que a lei vigente no momento da prática dos factos puníveis (Estatuto Disciplinar de 1984 ED/84). São mais favoráveis no actual Estatuto, por exemplo: a) O enquadramento das infracções antes punidas com a pena de inactividade e que são agora punidas com a pena de suspensão art.º 17.º, h) a n); b) Encurtamento dos prazos de prescrição art.º 6º (procedimento disciplinar e infracção) e art.º 26.º (penas); c) Aumento dos direitos de defesa do arguido (caso da eliminação da suficiência probatória dos autos de notícia art.º 47.º e 58.º do ED/84). (Cfr. art.º 4.º, 1 e 2 da Lei 58/2008, de 9 de Setembro) 2. COMO SE CONTAM OS PRAZOS NOS PROCESSOS PENDENTES, A PARTIR DA DATA DA ENTRADA EM VIGOR DO NOVO ESTATUTO? Contam-se a partir da entrada em vigor do novo Estatuto, se os prazos aí previstos forem, em concreto, mais favoráveis ao arguido do que os prazos previstos no Estatuto Disciplinar de 1984 (art.º 4.º, 3 da Lei 58/2008, de 9 de Setembro).

3 Mas deverão ser aplicados os prazos previstos na lei antiga (ED/84), se esta for a lei mais favorável: Ex. 1: Se um facto punível foi praticado em (e não havendo lugar a suspensão da prescrição), de acordo com o art.º 4.º, 1 do Estatuto Disciplinar de 1984, o direito de instaurar processo disciplinar prescreveria em Se contarmos o prazo pelo novo Estatuto, esse prazo terminaria em (um ano, a partir da sua entrada em vigor - art.º 6.º, 1). Logo a lei mais favorável em concreto é a lei antiga (ED/84), devendo assim o processo disciplinar ser instaurado até Ex. 2: Um processo disciplinar parado na sua instrução há dois anos e 10 meses, à data da entrada em vigor do novo Estatuto, prescreverá se não houver um novo acto de instrução com incidência na marcha do processo, no prazo de 2 meses, i.e., em (quando se perfazem 3 anos - prazo prescricional do art.º 4.º, 1 do Estatuto Disciplinar de 1984). Este prazo é, assim, mais favorável ao arguido do que o prazo de 18 meses estabelecido no art.º 6.º, 6 do Estatuto Disciplinar de II SUJEIÇÃO AO PODER DISCIPLINAR 3. A QUEM SE APLICA O NOVO ESTATUTO? O novo Estatuto aplica-se aos trabalhadores que exercem funções públicas, independentemente da modalidade da relação jurídica de emprego estabelecida com a Administração Pública, ou seja: a) Aos nomeados; b) Em comissão de serviço; c) Com contrato de trabalho em funções públicas (por tempo indeterminado) ou contrato a termo resolutivo (certo ou incerto) (Cfr. art. º 1.º, 1 do Estatuto Disciplinar de 2008) 4. DESDE QUANDO ESTÃO SUJEITOS OS TRABALHADORES AO PODER DISCIPLINAR? A sujeição ao poder disciplinar inicia-se com o estabelecimento do vínculo funcional. Assim: a) Os nomeados estão sujeitos ao poder disciplinar desde a aceitação dessa nomeação; 2

4 b) Os contratados desde a celebração do contrato; c) Os providos em comissão de serviço, desde a sua posse. Todos estes trabalhadores estão, porém, sujeitos ao poder disciplinar desde o início legal de funções, se este for anterior à constituição daqueles vínculos. (Cfr. art. º 4.º, 3 do Estatuto Disciplinar de 2008) 5. QUE IMPLICAÇÃO TEM A CESSAÇÃO OU ALTERAÇÃO DA SITUAÇÃO LABORAL NA PENDÊNCIA DO PROCESSO DISCIPLINAR? No caso de cessar a relação jurídica de emprego público ou se alterar a situação jurídico-laboral do arguido na pendência do processo disciplinar, o processo disciplinar segue os seus trâmites, não impedindo tais factos a sua punição (art.º 4.º, 4, do Estatuto Disciplinar de 2008). 3 No entanto, em caso de cessação da relação jurídica de emprego a pena só será executada, se o punido voltar a constituir nova relação jurídica de emprego público (art.º 12.º, do Estatuto Disciplinar de 2008) III PRAZOS 6. QUAIS OS PRAZOS DE PRESCRIÇÃO PARA A INSTAURAÇÃO DE PROCESSO DISCIPLINAR? Os prazos de prescrição ficam mais curtos. Assim, a instauração de processo disciplinar deve exercer-se nos 30 dias subsequentes ao conhecimento da infracção por qualquer superior hierárquico, desde que, entretanto, não tenha passado um ano sobre a data em que a infracção haja sido cometida. O prazo de um ano é alargado, coincidindo com o prazo prescricional do crime (art.º 118.º do Código Penal), se a infracção disciplinar constituir também crime. (Cfr. art.º 6.º, 1, 2 e 3 do Estatuto Disciplinar de 2008) Se a infracção for continuada, a contagem do prazo de prescrição ocorrerá a partir do dia da prática do último acto que a integre (cfr. art.º 119.º, 2 do CP).

5 7. ESTES PRAZOS PODEM SUSPENDER-SE? Sim. Mas estes prazos (de 30 dias, um ano ou superior) só se suspendem por um período máximo de seis meses, se, cumulativamente: a) For instaurado inquérito prévio, nos 30 dias imediatos à suspeita de infracção; b) Se do inquérito resultar a instauração de processo disciplinar, esta deve efectivar-se nos 30 dias seguintes à recepção do processo de inquérito, pela entidade com competência para instaurar processo disciplinar; c) Se à data da instauração do inquérito ou do processo disciplinar, não tenham já sido ultrapassados os prazos de 30 dias ou de 1 ano (ou superior). (Cf. art. 6.º, 4 e 5 do Estatuto Disciplinar de 2008) 8. QUAL O PRAZO DE PRESCRIÇÃO PARA A CONCLUSÃO DO PROCESSO DISCIPLINAR? O novo Estatuto fixa agora um prazo máximo de 18 meses para a conclusão do processo disciplinar, contados desde a data da sua instauração até à notificação do arguido da decisão final, sob pena de prescrever (art.º 6.º, 6 do Estatuto Disciplinar de 2008). 9. COMO SE CONTA ESTE PRAZO? Este prazo conta-se de forma contínua (incluindo sábados, domingos e feriados), nos termos do art. 72.º, 2 do Código do Procedimento Administrativo CPA. 10. ESTE PRAZO PODE SUSPENDER-SE? Sim. Este prazo pode não se iniciar se houver decisão judicial que impeça o seu início ou suspender-se a marcha do processo, até que seja apreciada judicialmente qualquer questão (art.º 6.º, 7 do Estatuto Disciplinar de 2008). O prazo volta a correr a partir do dia em que cesse a causa de suspensão (art.º 6.º, 8 do Estatuto Disciplinar de 2008) Ex.: Imagine-se que em 11 de Julho faltava um mês para se perfazerem os 18 meses. O prazo terminaria em 11 de Agosto. Mas uma decisão judicial suspende a marcha do 4

6 processo disciplinar em 16 de Julho e até 14 de Setembro (recomeçando a contagem no dia 15 de Setembro). O último dia para a prescrição do processo disciplinar passa a ser 9 de Outubro (11 a 15 de Julho = 5 dias; 15 a 30 de Setembro = 16 dias; 1 a 9 de Outubro = 9 dias. Total: 30 dias). IV INSTAURAÇÃO DE PROCESSO DISCIPLINAR 11. QUEM TEM COMPETÊNCIA PARA INSTAURAR PROCEDIMENTO DISCIPLINAR? A competência para instaurar processo disciplinar é sempre do superior hierárquico em relação aos seus subordinados, ainda que não seja competente para punir (art.º 29.º, 1 do Estatuto Disciplinar de 2008). 5 Se o visado for o dirigente máximo do serviço, essa competência encontra-se deferida ao membro do Governo com superintendência na área da educação (art.º 29.º, 2 do Estatuto Disciplinar de 2008). A competência do Inspector-Geral da Educação para instaurar processo disciplinar mantém-se inalterada. 12. EXISTE AUTONOMIA DO PROCESSO DISCIPLINAR EM RELAÇÃO AO PROCESSO PENAL? Sim. O processo disciplinar não tem de ser suspenso até que se conclua o processo penal pendente, nem a absolvição ou condenação em processo penal impõem decisão em sentido idêntico no processo disciplinar (art.º 7.º, 3 do Estatuto Disciplinar de 2008). 13. QUAL O PROCESSO PREVISTO NO NOVO ESTATUTO PARA O CASO DE FALTAS INJUSTIFICADAS? Desaparece o processo especial por falta de assiduidade, que estava previsto nos arts. 71. º e ss. do Estatuto Disciplinar de Quando um trabalhador deixou de comparecer ao serviço, sem justificação, durante cinco dias seguidos ou dez dias interpolados, deve o seu superior hierárquico participar, de imediato, tal facto ao dirigente máximo do serviço (art.º 40.º, 3 do Estatuto Disciplinar de 2008).

7 O dirigente máximo do serviço recebe essa participação e afere se considera atendíveis os motivos apresentados pelo trabalhador, caso em que arquivará a participação (art.º 40.º, 4 do Estatuto Disciplinar de 2008). No caso do dirigente máximo do serviço considerar infracção disciplinar prevista no art.º 18.º, 1, g), instaurará processo disciplinar que seguirá a forma de processo comum (art.º 39.º e ss.), não havendo mais lugar a distinguir se o paradeiro do arguido é conhecido ou desconhecido, como acontecia no Estatuto anterior Todos os processos por falta de assiduidade especiais instaurados ao abrigo do Estatuto Disciplinar de 1984 e ainda pendentes convertem-se automaticamente em processos disciplinares comuns (art.º 4.º, 13 da Lei 58/2008, de 9 de Setembro). 14. QUAL A REGRA DA APENSAÇÃO DE PROCESSOS DISCIPLINARES? A regra é sempre a da apensação ao processo que primeiro tiver sido instaurado (Cfr. art.º 31.º, 2, do Estatuto Disciplinar de 2008) V APURAMENTO DE FACTOS COM RELEVÂNCIA DISCIPLINAR 15. EM CASO DE NÃO SE SABER QUAIS OS FACTOS PRECISOS E QUAL O SEU AUTOR, COMO PROCEDER? Deve instaurar-se processo de inquérito, para se decidir se há ou não lugar à instauração de processo disciplinar, nos termos dos arts. 66.º e 68.º do Estatuto Disciplinar de Todos os actuais processos de averiguações em curso são convertidos automaticamente em processos de inquérito (art.º 4.º, 14 da Lei 58/2008, de 9 de Setembro). 16. QUAL O PRAZO PARA A INSTRUÇÃO DO PROCESSO DE INQUÉRITO? A lei não estabelece prazo. Porém, a instauração do processo de inquérito só suspende os prazos para instaurar processo disciplinar, previstos nos art.ºs 6.º, 1, 2 e 3, se esse 6

8 inquérito durar até seis meses e, além disso, estiverem reunidos cumulativamente os requisitos referidos na resposta à pergunta 7 - alíneas a), b) e c) (Cfr. art.º 6.º, 4 e 5 do Estatuto Disciplinar de 2008) 17. QUEM PODE CONVOLAR O PROCESSO DE INQUÉRITO NA FASE INSTRUTÓRIA DO PROCESSO DISCIPLINAR? A entidade que mandou instaurar o processo de inquérito (art.º 68.º, 2 e 4 do Estatuto Disciplinar de 2008). 18. PODE CONTINUAR A INSTAURAR-SE PROCESSO DE AVERIGUAÇÕES? 7 Sim. Só o dirigente máximo do serviço o pode fazer e apenas para apurar se o desempenho que justificou duas avaliações negativas consecutivas do trabalhador constitui ou não violação culposa dos deveres funcionais imputável ao trabalhador (art. 69.º, 1, 2 e 3 do Estatuto Disciplinar de 2008) Contudo, se no âmbito desse processo de averiguações forem detectadas violações de outros deveres funcionais por parte de intervenientes no processo de avaliação de desempenho, o instrutor participa-os ao dirigente máximo do serviço para efeitos de eventual instauração de processo de inquérito ou de processo disciplinar (art.º 69.º, 6 do Estatuto Disciplinar de 2008). 19. QUAL O PRAZO PARA A INSTRUÇÃO DE PROCESSO DE AVERIGUAÇÕES? O prazo máximo é de 3 meses, contados desde a data da sua instauração até à recepção do relatório final pelo dirigente máximo do serviço (art.º 69.º, 4 Estatuto Disciplinar de 2008). Se for ultrapassado esse prazo, prescreve o processo de averiguações, o que faz prescrever também a possibilidade de instauração de processo disciplinar pela infracção prevista no art.º 18.º, 1, h) ou outras eventualmente detectadas na sua instrução (art.º 69.º, 4 do Estatuto Disciplinar de 2008). Este prazo pode não se iniciar se houver decisão judicial que impeça o seu início ou suspender-se a marcha do processo até que seja apreciada judicialmente qualquer questão (ex.: a suspensão de eficácia de algum acto processual) (art.º 69.º, 5; art.º 6.º, 7 e 8, do Estatuto Disciplinar de 2008).

9 VI SUSPENSÃO PREVENTIVA DO ARGUIDO 20. QUEM PODE SUSPENDER PREVENTIVAMENTE O ARGUIDO? É o dirigente máximo do serviço, sob proposta fundamentada da entidade que tenha instaurado o processo ou do instrutor (art.º 45.º do Estatuto Disciplinar de 2008). 21. O QUE MUDA NESTE REGIME? Não dá lugar a perda de remuneração base. A notificação da suspensão preventiva tem de ser acompanhada da indicação, ainda que genérica, da infracção ou infracções imputadas ao arguido (art.º 45.º, 3 do Estatuto Disciplinar de 2008), pelo que o instrutor, ao propô-la, deve ter esse facto em consideração, na proposta que fizer ao dirigente máximo do serviço. VII NOTIFICAÇÃO DA ACUSAÇÃO 22. QUEM TEM DE SER NOTIFICADO DA ACUSAÇÃO? O arguido; A comissão de trabalhadores, se a houver, e/ou a associação sindical, se o arguido for representante sindical, mas só: a) Quando esteja em causa a aplicação de penas de: 1) Demissão; 2) Despedimento por facto imputável ao trabalhador; 3) Cessação da comissão de serviço. b) E o arguido a isso se não opuser, por escrito, durante a instrução (Cfr. art.º 49.º, 5, 6 e 7 do Estatuto Disciplinar de 2008) 8

10 VIII DEFESA 23. QUANDO SE CONSIDERA APRESENTADA A DEFESA? Na data da sua expedição, quando remetida pelo correio. (Cfr. art.º 51.º, 3 do Estatuto Disciplinar de 2008) 24. QUAIS OS PODERES DO ADVOGADO NA FASE DE DEFESA? O novo Estatuto reforça os poderes do advogado constituído no processo disciplinar, podendo intervir na inquirição do arguido e das testemunhas e, em geral, exercer todos os poderes inerentes à representação. (Cfr. art.º 53.º, 7 do Estatuto de 2008) 9 IX - PENAS 25. QUEM TEM COMPETÊNCIA PARA APLICAR PENAS? Todos os superiores hierárquicos são competentes para a aplicação da pena de repreensão escrita aos seus subordinados. A aplicação das restantes penas passa a ser da competência do dirigente máximo do serviço. A competência punitiva, nestes casos, é indelegável. No caso do arguido ser o próprio presidente do conselho executivo/ director, a entidade competente para lhe aplicar a pena é o membro do Governo com superintendência na área da educação. (Cfr. art.º 14.º, 1, 2, 3 e 6 do Estatuto Disciplinar de 2008) 26. MANTÉM-SE INALTERÁVEL O ELENCO DE PENAS? Não. Desaparecem do elenco de penas a inactividade e a aposentação compulsiva.

11 Foi introduzida a pena de despedimento por facto imputável ao trabalhador, só aplicável aos trabalhadores que tenham um vínculo contratual, de qualquer natureza (art.º 9.º, 1 do Estatuto Disciplinar de 2008). 27. O QUE MUDA NA CARACTERIZAÇÃO DAS PENAS? Reduzem-se as molduras abstractas das penas de multa e de suspensão. Consagram-se limites por infracção e por ano, a saber: a) Multa é sempre fixada em quantia certa e não pode exceder o valor correspondente a 6 remunerações base diárias por cada infracção, num total máximo da remuneração correspondente a 90 dias por ano; b) Suspensão 20 a 90 dias por cada infracção, num total máximo de 240 dias ano. (Cfr. art.º 10.º, 2 e 4 do Estatuto Disciplinar de 2008) 28. O QUE MUDA NO REGIME DE SUSPENSÃO DAS PENAS? Reduzem-se os tempos de suspensão das penas, do seguinte modo: a) Nos seus limites mínimos 6 meses, para a pena de repreensão escrita e multa e um ano, para a pena de suspensão; b) Nos seus limites máximos um ano, para as penas de repreensão escrita e multa e 2 anos, para a pena de suspensão. (Cfr. art.º 25.º, 2 do Estatuto Disciplinar de 2008) 29. O QUE FAZER ÀS INFRACÇÕES A QUE CORRESPONDIA PENA DE INACTIVIDADE NO ESTATUTO ANTIGO? Se à data da entrada em vigor do novo Estatuto, já tiver sido notificada acusação com enquadramento de infracção ou infracções em pena de inactividade, o processo segue os seus trâmites e se, no relatório final, o instrutor considerar provados factos que, pelo anterior Estatuto, eram punidos com a pena de inactividade, como esta pena desapareceu do elenco de penas do actual Estatuto e esses factos são agora subsumidos na pena de suspensão, proporá a aplicação da pena de suspensão, que graduará nos limites do art.º 10.º, 4. 10

12 Se à entrada em vigor do novo Estatuto, já se encontrar proposta pena de inactividade, ou se esta já estiver aplicada ou em curso de execução, será a mesma convertida automaticamente em pena de suspensão pelo seu limite máximo, i.e., 240 dias (art.º 4.º, 5 da Lei n.º 58/2008, de 9 de Setembro). 30. O QUE FAZER ÀS INFRACÇÕES A QUE CORRESPONDIA PENA DE APOSENTAÇÃO COMPULSIVA NO ESTATUTO ANTIGO? Nos processos ainda em instrução à data da entrada em vigor do novo Estatuto, em que tenha sido deduzida acusação com factos enquadrados no art.º 26.º do anterior Estatuto (aposentação compulsiva ou demissão), apenas poderá ser proposta a pena de demissão ou de despedimento, caso se mantenha a inviabilização da manutenção da relação funcional. 11 Se à entrada em vigor do novo Estatuto, já se encontrar proposta pena de aposentação compulsiva, ou esta já tiver sido aplicada, mas ainda não executada, o processo volta ao instrutor para reavaliação: ou mantém a pena ou converte-a em pena de suspensão, que graduará pelo limite do art.º 10.º, 4 (art.º 4.º, 7 da Lei 58/2008, de 9 de Setembro).

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I. Artigo 1º Âmbito de aplicação REGULAMENTO DISCIPLINAR CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento Disciplinar é aplicável aos estudantes do ISAL - Instituto Superior de Administração e

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6260 Diário da República, 1.ª série N.º 174 9 de Setembro de 2008 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 58/2008 de 9 de Setembro Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores Que Exercem Funções Públicas A Assembleia

Leia mais

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 Artigo 14.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 571/2008, de 3 de julho. Artigo 15.º Produção de efeitos 1 A presente portaria

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

PARECER N.º 7/CITE/2004

PARECER N.º 7/CITE/2004 PARECER N.º 7/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento da trabalhadora..., nos termos do art.º 24 do anexo ao Decreto-Lei n.º 70/2000, de 4 de Maio e do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 230/2000,

Leia mais

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa.

5. A rescisão do contrato de trabalho sem prévia instauração de um processo disciplinar é considerado despedimento sem justa causa. Proc. n 101/97 Prisão Abandono do posto de trabalho Processo disciplinar Nulidades secundárias Legitimidade Processo sumário Conciliação Sumário: 1. Apenas às partes ou seus mandatários é conferida legitimidade

Leia mais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS. Artigo 1º Âmbito de aplicação PROPOSTA ESTATUTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES (Aprovada pelo Conselho Geral em reunião de 29.10.2012, órgão com competência para aprovar o regulamento, nos termos do disposto no artigo 90º, n.º 1 dos Estatutos

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO

O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO (REVISÃO) - 1 O ESTATUTO DO DELEGADO SINDICAL E O EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE SINDICAL NO ÓRGÃO OU SERVIÇO PÚBLICO A Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, com entrada em vigor em 1 de agosto de 2014, aprovou a

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

PARECER N.º 41/CITE/2008

PARECER N.º 41/CITE/2008 PARECER N.º 41/CITE/2008 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

PARECER N.º 100/CITE/2009

PARECER N.º 100/CITE/2009 PARECER N.º 100/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 535 DL/2009

Leia mais

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo

Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS. Preâmbulo Lei nº 5/99 LEI SOBRE PROCEDIMENTOS NO TRIBUNAL DE CONTAS Preâmbulo Na sequência da adopção da Lei Orgânica do Tribunal de Contas, tem o presente diploma como escopo fundamental definir o processo atinente

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA

Prática Processual Civil. 1º Curso de Estágio de 2011 Ana Alves Pires Advogada Formadora OA Prática Processual Civil Ana Alves Pires Advogada Formadora OA 1 I. Actos das partes Prazos processuais II. Contagem dos prazos III. Prazo supletivo legal IV. Modalidades de prazos: peremptório e dilatório

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES LEI GERAL DO TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES FAQ ÍNDICE A ASPETOS GERAIS... 3 I Sistemática e âmbito de aplicação... 3 II Sujeição ao poder disciplinar... 4 III Prazos... 5 B DO

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E LEGISLAÇÃO Proposta de lei n.º / Regime penal especial para jovens com idade entre 16 e os 21 anos O presente diploma sobre o regime penal

Leia mais

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO

TRIBUNAL CRIMINAL DA COMARCA DE LISBOA 1º JUÍZO-2ª SECÇÃO 1 - RELATÓRIO Nos presentes autos de processo comum, com intervenção do Tribunal Singular, o Ministério Público deduziu acusação contra Maria Silva, nascida a 11 de Setembro de 1969, natural de Coimbra,

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE)

INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) INCIDENTE DE QUALIFICAÇÃO (Arts. 185 a 191 do CIRE) Artigo 185.º Tipos de insolvência A insolvência é qualificada como culposa ou fortuita, mas a qualificação atribuída não é vinculativa para efeitos da

Leia mais

Prescrição da pretensão punitiva

Prescrição da pretensão punitiva PRESCRIÇÃO PENAL 1 CONCEITO É o instituto jurídico mediante o qual o Estado, por não fazer valer o seu direito de punir em determinado tempo, perde o mesmo, ocasionando a extinção da punibilidade. É um

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais REGULAMENTO DO CENTRO DE ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA INSTITUCIONALIZADA DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se às arbitragens que decorram

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR

REGULAMENTO DISCIPLINAR REGULAMENTO DISCIPLINAR Aprovado pela direção em 20 de janeiro de 2015 ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1º - Âmbito de Aplicação... 3 Artigo 2º - Sujeição ao Poder Disciplinar... 3 Artigo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 146 30 de Julho de 2008 5119

Diário da República, 1.ª série N.º 146 30 de Julho de 2008 5119 Diário da República, 1.ª série N.º 146 30 de Julho de 2008 5119 5 O cartão modelo n.º 2 contém no anverso: a) Ao centro, no topo, o escudo nacional a cinzento e o logótipo n.º 1 da ANPC, a cores, sobre

Leia mais

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece os períodos de funcionamento do Gabinete

Leia mais

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng

Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02. Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng Processo n.º 697/2010 Data do acórdão: 2010-12-02 Assunto: suspensão da execução da pena de prisão S U M Á R I O Sendo o arguido recorrente um delinquente com antecedentes criminais e sem confissão integral

Leia mais

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO

REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO REGULAMENTO DISCIPLINAR DOS ESTUDANTES PREÂMBULO A sã convivência na comunidade académica é uma das condições essenciais para a prossecução do objetivo da formação humana, cultural, científica e técnica,

Leia mais

Guia de Apoio às Escolas em Matéria Disciplinar

Guia de Apoio às Escolas em Matéria Disciplinar Guia de Apoio às Escolas em Matéria Disciplinar INTRODUÇÃO A Lei n.º 58/2008, de 9 de Setembro aprovou o Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que Exercem Funções Públicas, que entrou em vigor a 1 de

Leia mais

Contratação. Contrato de trabalho

Contratação. Contrato de trabalho Contratação Contrato de trabalho O contrato de trabalho pode ser escrito ou verbal. Contudo, os seguintes contratos têm de ser reduzidos a escrito: Contrato de trabalho com trabalhador estrangeiro (exceto

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

PARECER N.º 106/CITE/2010

PARECER N.º 106/CITE/2010 PARECER N.º 106/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO REGULAMENTO INTERNO DE DURAÇÃO, HORÁRIO DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO NOTA JUSTIFICATIVA A entrada em vigor da Lei n.º 59/2008, de

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS

PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE ACTOS PROCESSUAIS PENAIS Artº. 107º nº. 5 e 107º A do CPP 145º do CPC APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA SANÇÃO PELA PRÁTICA EXTEMPORÂNEA DE

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS. Estatuto Disciplinar do Estudante CAPÍTULO I

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS. Estatuto Disciplinar do Estudante CAPÍTULO I INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS Estatuto Disciplinar do Estudante CAPÍTULO I Objetivos e âmbito Artigo 1.º Objetivos O presente Estatuto visa salvaguardar os valores do Instituto Superior de

Leia mais

REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES

REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES Ministério das Finanças e da Administração Pública Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES ÍNDICE DE ASSUNTOS I - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA REFORMA 5 1. Cessação

Leia mais

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Regulamento Nota Justificativa O presente regulamento foi elaborado, de acordo com a Lei nº 59/2008 de 11 de Setembro, com a adaptação pelo Acordo Colectivo

Leia mais

Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho

Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho Normas de registo e controlo da pontualidade e assiduidade dos trabalhadores da Câmara Municipal de Espinho Aprovadas por Despacho nº 33/2012, de 19 de março do Senhor Presidente da Câmara, Dr. Pinto Moreira

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

PROCESSO DISCIPLINAR N.º: 07/2015

PROCESSO DISCIPLINAR N.º: 07/2015 PROCESSO DISCIPLINAR N.º: 07/2015 Arguido: MARIA DO ROSÁRIO MARTINS SOTTOMAYOR Licenciada FPAK N.º 5097 ACÓRDÃO I No dia 01 de Julho de 2015, a Direcção da Federação Portuguesa de Automobilismo e karting,

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4/2004 Data: 3 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.22 ASSUNTO: TRABALHADOR ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação do Código

Leia mais

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS

RERD. Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS RERD Regime Excecional de Regularização de Dívidas Fiscais e à Segurança Social FAQS Nota: As questões e respostas aqui indicadas destinam-se a exemplificar a aplicação prática do regime excecional de

Leia mais

Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL I RELATÓRIO

Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL I RELATÓRIO Acórdão nº. 9/2013 3ª Secção-PL Processo n.º 2 ROM-SRM/2013 Processo de Multa n.º 8/2012-SRM Acordam os Juízes do Tribunal de Contas em Plenário da 3ª Secção I RELATÓRIO 1. Em 15 de novembro de 2012 foi

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ n.º: 38/2015 Jogo: Recorrente Relator: GD Direito / CDUL (Campeonato da Divisão de Honra) Lino António Salema Noronha Tudela

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Atualidade Laboral. A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto

Atualidade Laboral. A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto Atualidade Laboral A nova redução das compensações em caso de cessação do contrato de trabalho Lei n.º 69/2013, de 30 de agosto David Carvalho Martins Advogado da Gómez-Acebo & Pombo A nova Lei consagra

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei nº /2012, de de. Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA E LEGISLAÇÃO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Lei nº /2012, de de Sobre a execução da prestação de trabalho em favor da comunidade A presente lei define as regras aplicáveis

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 142 24 de julho de 2012 26181. CAPÍTULO I Disposições gerais UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Diário da República, 2.ª série N.º 142 24 de julho de 2012 26181. CAPÍTULO I Disposições gerais UNIVERSIDADE DE COIMBRA Diário da República, 2.ª série N.º 142 24 de julho de 2012 26181 Despacho (extrato) n.º 9973/2012 Por despacho de 06 de dezembro de 2011 do Reitor da Universidade da Beira Interior, foi autorizada, a manutenção

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II

12/08/2012 PROCESSO PENAL II PROCESSO PENAL II II 2ª -Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 II Acessem!!!!!! www.rubenscorreiajr.blogspot.com 2 1 O : É o conjunto de atos cronologicamente concatenados (procedimentos), submetido a princípios e regras

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou:

Tendo presente este enquadramento, o Conselho de Administração, na sua reunião de [*] de [*] de 2008, deliberou: Independência dos membros do Conselho de dministração da Portugal Telecom, SGPS, S., com excepção dos membros da respectiva Comissão de uditoria Considerando as alterações ao Código das Sociedades Comerciais

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I.

AMN A Z E V E D O, M A R Q U E S & N OVERSA Sociedade de Advogados, R.I. Tabela de Honorários dos Advogados e Solicitadores (Portaria n.º 1386/2004, de 10 de Novembro repristinada pela Portaria n.º 210/2008, de 29 de Fevereiro) A Lei n.º 34/2004, de 29 de Julho, que procedeu

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral

Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Aspetos legislativos, no domínio sócio-laboral Lei n.º 53/2011, de 14 de outubro, que procede à segunda alteração ao Código do Trabalho, aprovado em anexo à Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, estabelecendo

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

S. R. 2. Passando à referida análise começaremos por referir o teor do citado artigo 4.º do DL 24/84 de 16 de Janeiro:

S. R. 2. Passando à referida análise começaremos por referir o teor do citado artigo 4.º do DL 24/84 de 16 de Janeiro: 1 1. Determinou Sua Excelência o Senhor Conselheiro Procurador-Geral da República que este Conselho se pronunciasse sobre a interpretação da norma do artigo 4.º, n.º 2 do Estatuto Disciplinar dos Funcionários

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho

FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho FICHA Nº 3 - CONTRATOS DE TRABALHO 3.1 - C T Administração Pública Administração Pública: DL. 23/2004 de 22 de Junho Código do trabalho: ÂMBITO DE APLICAÇÃO art. 1º REGIME JURÍDICO art. 2º DEVERES ESPECIAIS

Leia mais

PARECER N.º 38/CITE/2005

PARECER N.º 38/CITE/2005 PARECER N.º 38/CITE/2005 Assunto: Parecer nos termos do n.º 3 do artigo 133.º do Código do Trabalho e da alínea j) do n.º 1 do artigo 496.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Não renovação de contrato

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

PARECER N.º 26/CITE/2003

PARECER N.º 26/CITE/2003 PARECER N.º 26/CITE/2003 Assunto: Parecer prévio nos termos do artigo 24.º do anexo ao Decreto-Lei n.º 70/2000, de 4 de Maio, e do artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 230/2000, de 23 de Setembro Processo n.º

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto

Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária Despacho n.º 19 642/2007 de 30 de Agosto Considerando que a entidade fiscalizadora do trânsito Câmara Municipal de Lisboa através da Polícia Municipal e da EMEL,

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

Despedimento de trabalhadores

Despedimento de trabalhadores Despedimento de trabalhadores A lei não permite que a empresa despeça um trabalhador sem que exista justa causa para o fazer. Assim, esta forma de terminar o contrato de trabalho não pode ser utilizada

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si celebram, de um lado, o SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS - SINPAPEL, e, de outro

Leia mais

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior.

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2009 Data: 6 de Outubro de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: TRABALHADOR-ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa n.º 04/2004,

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

Regulamento de Disciplina da FPX

Regulamento de Disciplina da FPX Regulamento de Disciplina da FPX Capítulo I: DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento é parte integrante do Regulamento Geral da FPX e aplica-se às competições que se realizarem em

Leia mais

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por

decorrentes de descumprimento total ou parcial de contrato fica regulamentado por c Poder Judiciário ctóáça INSTRUÇÃO NORMATIVA N5 24, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o procedimento de apuração e aplicação de penalidades às empresas contratadas pelo Conselho Nacional de Justiça.

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais