AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGENDA PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA 21/05/2014"

Transcrição

1 PROTEÇÃO DE QUEDAS NR35 TRABALHO EM ALTURA Eng. Alberto Delgado Gerente de Treinamento Região América Latina 2 AGENDA Estatísticas dos Acidentes no Trabalho Riscos típicos de Trabalhos em Altura Revisão da Norma NR 35 Análise dos Riscos de Queda e os Riscos adicionais Seleção, inspeção e manutenção dos EPI s Dinâmica de uma queda. Fator de queda. Distância total de queda. Efeitos da suspensão inerte. Resistência mecânica dos pontos de ancoragem Princípios básicos da prevenção das quedas Princípios básicos da proteção das quedas Linhas de Vida Horizontais A importância de um plano de Emergência e Resgate 3 1

2 Estatísticas no Brasil Total de Acidentes no Trabalho ( ) Estatísticas no Brasil Total de Acidentes Fatais no Trabalho ( ) Estatísticas Brasil: 6 2

3 Acidentes fatais de queda no trabalho pela altura de queda em EEUU (2012*) Acidentes fatais de queda no trabalho, pela altura de queda, 2012* Porcentagem de quedas fatais em função da altura de queda 7 Inferior a 1,8 1,8 a 3,0 3,3 a 4,5 4,8 a 6,0 6,3 a 7,5 7,8 a 9,0 Superior a 9,0 Altura de queda (metros) Não Especificado Em 2012, os acidentes fatais por causa das quedas representaram 544 mortes. Os casos de lesões fatais por causa das quedas desde uma altura inferior a 6 m representaram 46% Riscos típicos de Trabalhos em Altura Os trabalhadores estão expostos a quedas de alturas em uma grande variedade de locais, tais como: Em cima de prensas e máquinas Em cima de racks de tubulações Em cima de pontes rolantes Em cima de guindastes Trabalhando em correias transportadoras e monocarris suspensos. Trabalhando sobre ou dentro de fornos Em cima de torres de água e silos 8 Riscos típicos de Trabalhos em Altura Trabalhando na beira do telhado e aberturas Em cima de caminhões ou vagões Trocar luminárias e lâmpadas. Instalação elétrica Instalar equipamentos de ventilação Montagem de tubulações Montagem de andaimes Manutenção de estruturas e dispositivos elevados 9 3

4 NR-35 Trabalho em Altura Foi publicada no Diário Oficial da União o dia , a Portaria nº 313, de 23 de março de 2012, da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT), aprovando a Normal Regulamentadora nº 35 (Trabalho em Altura), além de criar a Comissão Nacional Tripartite Temática (CNTT) da NR-35 com o objetivo de acompanhar a implantação da nova regulamentação 10 NR 35.1 Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores envolvidos direta ou indiretamente com esta atividade Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 11 NR-35 Trabalho em Altura Responsabilidades do empregador Responsabilidades do trabalhador 35.3 Capacitação e Treinamento Planejamento, Organização e Execução Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem Emergência e Salvamento 12 4

5 NR-35.3 Capacitação e Treinamento (entrou em vigor em 27/03/2013) Considera-se trabalhador capacitado para trabalho em altura aquele que foi submetido e aprovado em Treinamento teórico e prático, carga mínima 8hs: a) Normas e regulamentos aplicáveis trabalho altura, b) Análise de Risco e condições impeditivas; c) Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle d) Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva; e) Equipamentos de proteção individual para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso f) Acidentes típicos em trabalhos em altura; g) Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros Reciclagem 2 anos 13 NR Capacitação e Treinamento O empregador deve realizar treinamento periódico bienal e sempre que ocorrer quaisquer das seguintes situações: a) mudança nos procedimentos, condições ou operações de trabalho; b) evento que indique a necessidade de novo treinamento; c) quando do retorno de afastamento ao trabalho por período superior a noventa dias; d) mudança de empresa. 14 NR-35.5 Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem Quanto ao ponto de ancoragem, devem ser tomadas as seguintes providências: a) ser selecionado por profissional legalmente habilitado; b) ter resistência para suportar a carga máxima aplicável; c) ser inspecionado quanto à integridade antes da sua utilização. 15 5

6 NR-35.6 Emergência e Salvamento (entrou em vigor em 27/03/2013) O empregador deve disponibilizar equipe para respostas em caso de emergências para trabalho em altura A equipe pode ser própria, externa ou composta pelos próprios trabalhadores que executam o trabalho em altura, em função das características das atividades O empregador deve assegurar que a equipe possua os recursos necessários para as respostas a emergências 16 NR-35.6 Emergência e Salvamento (entrou em vigor em 27/03/2013) As ações de respostas às emergências que envolvam o trabalho em altura devem constar do plano de emergência da empresa As pessoas responsáveis pela execução das medidas de salvamento devem estar capacitadas a executar o resgate, prestar primeiros socorros e possuir aptidão física e mental compatível com a atividade a desempenhar. 17 NR-35.4 Planejamento, Organização e Execução Todo trabalho em altura deve ser precedido de Análise de Risco. Mas, quem tem que fazer aquele análise? Nós sugerimos conformar um comitê da NR 35 com as seguintes responsabilidades: Identificar os lugares com riscos de queda Avaliar os riscos de queda Propor soluções ou medidas de controle para os riscos de queda, aplicando a Hierarquia de controle 18 6

7 Hierarquias de Controle dos Perigos de Queda (NR Planejamento ) 1. Medidas para evitar o trabalho em altura, sempre que existir meio alternativo de execução; Aplicar novo desenho de engenharia e/ou modificar o Procedimento de trabalho. 2. Medidas que eliminem o risco de queda dos trabalhadores, na impossibilidade de execução do trabalho de outra forma. Medidas de proteção coletiva. Exemplo: guarda corpos, corrimãos, andaimes, plataformas e aplicar restrição ou limitação de movimento. 3. Medidas que minimizem as consequências da queda, quando o risco de queda não puder ser eliminado. Exemplo: Redes de Proteção e Equipamentos de Proteção Individual: Cintos, talabartes com absorvedor de impacto simples, duplo, trava quedas retrátil, trava quedas de corda ou de cabo de aço. 19 Identificação dos Riscos de Queda 20 Identificação dos Riscos de Queda 21 7

8 Identificação dos Riscos de Queda 22 Identificação dos Riscos de Queda 23 Análise dos Riscos de Queda Como podemos atingir à área de trabalho? Quais as vias de entrada/saída para o trabalho em altura? Quais os meios físicos utilizados para entrar e sair? Será que temos pontos de ancoragem? Será que atendem os requisitos de resistência? Qual é a altura da área de trabalho? Quais os riscos na área de trabalho? Quais os riscos abaixo da área de trabalho? 24 8

9 Análise dos Riscos de Queda Quantos trabalhadores serão utilizados ao mesmo tempo? Quais os movimentos que precisam fazer os trabalhadores? O que ferramentas, equipamentos e materiais precisam os trabalhadores? Qual é a frequência da tarefa em particular? Quão difícil é resgatar ao trabalhador se sofre uma queda? Será que temos pontos de ancoragem para o resgate? Seleção do Equipamento de PI, Acessórios e Sistemas de Ancoragem Os equipamentos e as ancoragems selecionados: Devem ser adequados para o trabalho a desempenhar. Definidos segundo o análise de risco e de uso obligatorio Fácil de usar (vestir). Cumprir com as Normas. Uso certo (Treinamento). Inspeção antes de cada uso e periódica (formal). Manutenção Periódica 26 O que é compatibilidade do uso dos equipamentos de proteção? 27 9

10 A Física da detenção de uma queda e a suspensão O que acontece quando uma pessoa sofre uma queda? Em geral há quatro fases de uma queda que correm em sequencia temporal: 1. Inicio da queda 2. Queda livre 3. Detenção (Desaceleração) 4. Suspensão 28 Dinâmica de uma queda 0.3 seg./ cm QUEDA LIVRE: 0.6 seg./ 1.83 m 1 seg./ 4.9 m Demoramos 0,3 s para darmos conta do que está acontecendo O corpo pode cair 1,83 metros totalmente fora de controle em 0,6 s 4,9 m em 1 s 19,6 m em 2 s 29 2 seg./ 19.6 m Fator de Queda Fator de queda: Zero: Quando ancorado acima da argola das costas Um: Quando ancorado ao nível da argola das costas Dois: Quando ancorado abaixo da argola das costas (no nível de trabalho) 30 10

11 Dinâmica de uma queda sem Absorvedor 31 Dinâmica de uma queda com Absorvedor 32 DISTÂNCIA TOTAL DE UMA QUEDA O QUE DIZ A NR ? O QUE DIZ A NORMA ABNT NBR TALABARTE DE SEGURANÇA EM QUANTO À MARCAÇÃO SOBRE ELE? 33 11

12 NR O talabarte e o dispositivo trava quedas devem estar fixados acima do nível da cintura do trabalhador, ajustados de modo a restringir a altura de queda e assegurar que, em caso de ocorrência, minimize as chances do trabalhador colidir com estrutura inferior. Nossa sugestão é que devem estar fixados ao nível dos ombros ou acima deles 34 A Zona livre de queda (NBR 15834) 35 Distância de Queda Livre e Distância de Queda Total A = Altura do ponto de ancoragem A C C = Comprimento do talabarte com Absorvedor de Energía a D = Altura da argola D das costas em cima do nivel de trabalho (assumir ~1,5 m) Nivel de Trabalho E = Espaço livre necessário do nivel de trabalho para o solo ou obstáculo mais perto. E Distância de Queda Livre (DQL): DQL = a D + C A a D EV DD EEC EV = Esticamento vertical do sistema Aprox: 0,20 DD = Distância de desaceleração (em torno de 1m) EEC = Efeito de esticamento do cinto (assumir 0.30 m) FS = Fator de Segurança FS = EV + EEC + fs = 1m Distância de Queda Total (DQT): DQT = DQL + DD + FS (EV + EEC + fs ) 36 fs aprox 0,5 m Para não bater com nenhum obstáculo ou no chão 12

13 Distância de Queda Livre e Distância Total de Queda A = 2,1m a D = 1,5 m A C C = 1,8m Distância de Queda Livre (DQL): DQL = 1,5 + 1,8 2,1 = 1,2 m a D EV EV = Esticamento vertical do sistema Aprox: 0,20 DD DD = 1m Nivel de Trabalho E =? EEC EEC = Efeito de esticamento do cinto (assumir 0.30 m) E E = 3,2m FS = 1m Distância de Queda Total(DQT): DQT= DQL + DD + FS (EV + EEC + fs ) DQT = 1,2 + 1,0 + 1,0 = 3,2m fs aprox 0,5 m 37 Isto significa que 3,20 m abaixo do Nível de trabalho não deve haver obstáculo nenhum ou chão Distância de Queda Livre e Distância de Queda Total CALCULO DA DISTÂNCIA DE QUEDA TOTAL USANDO UM TALABARTE DE 1,8m QUANDO A ANCORAGEM ENCONTRA-SE NA ALTURA DA ARGOLA DAS COSTAS -Distãncia de queda livre 1,80m -Distãncia de desaceleração 1,00m -Fator de Segurança 1,00m -Distância de Queda Total 3,80m 38 Nivel de trabalho Isto significa que 3,80 m abaixo do Nível de trabalho não deve haver obstáculo nenhum ou chão Distância de Queda Total usando um Trava-quedas Retrátil Trava quedas retrátil -Máxima distância de parada* 1,00m 0,61m** -Fator de Segurança 1,00m 1,00m -Distância de Queda Total 2,00m 1,61m * MDP = 1,0m para pessoas até 140 Kg **MDP = Se o trabalhador pesa por volta de 100 Kg 39 Nivel de trabalho Isto significa que 2,00m ou 1,61m abaixo do Nível de trabalho não deve haver obstáculo nenhum ou chão 13

14 Efeitos da Suspensão Inerte Tempo Máximo de Suspensão Com cinto pára-quedista: 14 Minutos* Efeitos da suspensão Circulação restrita do sangue Adormecimento dos membros inferiores Choque A pessoa deve ser resgatada o mais rápido possível * Em excelente estado físico. 40 Opções de Prevenção Sistemas de restrição e limitação de movimento Usados com um cinto de 3 a 4 argolas e uma ancoragem. Pode ter a opção de uma linha principal ancorada em um ancoragem principal e um travaquedas de corda. 41 Opções de Prevenção 42 14

15 Normas Brasileiras - ABNT Todas as Normas para os equipamentos de Trabalho em Altura passaram por revisão em 2010 NBR 14626:2010 Trava queda guiado em linha flexível NBR 14627:2010 Trava queda guiado em linha rígida NBR 14628:2010 Trava queda retrátil NBR 14629:2010 Absorvedor de energia NBR 15834:2010 Talabarte de segurança 43 NBR 15835:2010 Cinturão abdominal e talabarte para posicionamento e restrição NBR 15836:2010 Cinturão paraquedista NBR 15837:2010 conectores 15

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo

11/12/2011 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. 08/12/2011 São Paulo MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO 08/12/2011 São Paulo 1 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais p causas acidentes fatais no Brasil eno mundo. de Início da queda Fases de uma queda

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8

08/08/2013 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Deuteronômios 22.8 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Deuteronômios 22.8 09/08/2013 Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado (terraço), para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

O QUE É A NR 35? E-Book

O QUE É A NR 35? E-Book Nós da DPS Consultoria e Assessoria em Segurança do Trabalho, queremos inicialmente manifestar nossa satisfação pelo seu interesse em nosso E-book. Nossa meta é proporcionar a você um material para auxiliar

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Item 35.5 da NR-35 (Equipamentos de Proteção Individual, Acessórios e Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para revisão do Item 35.5 (Equipamentos de Proteção Individual,

Leia mais

Considerações sobre Proteção Contra Quedas

Considerações sobre Proteção Contra Quedas Para desenvolver e implementar um sistema de proteção contra quedas é importante estar familiarizado com as seguintes considerações e conceitos: Queda Livre: É a distância entre o ponto que o trabalhador

Leia mais

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

03/01/2015. Sumário. Trabalho em altura. Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão. Andre Cavalcanti Santos Téc. em saúde e segurança do trabalho E-mail: cavalcanti_sst@hotmail.com Sumário Trabalho em altura; EPI s para trabalho em altura; EPC s; Aplicação do conjunto x trabalho Conclusão.

Leia mais

Bem Vindos ao Work Shop Trabalho em Altura PROT-CAP / CAPITAL SAFETY. Abril de 2012. Fabio Cruz. cruz.fabio@protcap.com.br

Bem Vindos ao Work Shop Trabalho em Altura PROT-CAP / CAPITAL SAFETY. Abril de 2012. Fabio Cruz. cruz.fabio@protcap.com.br Work Shop Trabalho em Altura Bem Vindos ao Work Shop Trabalho em Altura PROT-CAP / CAPITAL SAFETY Abril de 2012 Fabio Cruz cruz.fabio@protcap.com.br Programação Inicio das Atividades Apresentação Prot-Cap

Leia mais

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim)

Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PROCEDIMENTO DE SMS Trabalhos em Altura com a Utilização de Cadeira Suspensa (Balancim) PR-99-993-CPG-009 Revisão: 00 Aprovação: 30/05/2014 Página: 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos de segurança para

Leia mais

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA

NR35. Todo trabalho em altura começa no solo. Portaria SIT nº313/12 TRABALHO EM ALTURA Portaria SIT nº313/12 Todo trabalho em altura começa no solo OBJETIVO DO CURSO Promover a capacitação dos trabalhadores que realizam trabalhos em altura, no que diz respeito a prevenção de acidentes no

Leia mais

Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho

Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho Thiago Freitas de Oliveira Engº Segurança do Trabalho Cabe ao empregador: Assegurar a realização da Análise de Risco - AR e, quando aplicável, a emissão da Permissão de Trabalho - PT; Desenvolver procedimento

Leia mais

Suport-ES debate a necessidade da aplicação da NR 35 Trabalho em Altura

Suport-ES debate a necessidade da aplicação da NR 35 Trabalho em Altura Boletim Informativo do Sindicato Unificado da Orla Portuária SUPORT-ES 19 de março de 2015 Jornalista Cristiane Brandão Suport-ES debate a necessidade da aplicação da NR 35 Trabalho em Altura O Suport-ES,

Leia mais

Forças geradas por uma queda

Forças geradas por uma queda Forças geradas por uma queda Avaliar os riscos envolvidos em cada uma das etapas de trabalho e usar o equipamento adequado nem sempre é procedimento suficiente para impedir um acidente. É preciso considerar

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem)

CONSULTA PÚBLICA Anexo II da NR-35 (Sistemas de Ancoragem) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação do Anexo II da Norma Regulamentadora n.º 35

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura

Cartilha de segurança. Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura Cartilha de segurança Seleção e utilização de EPI para trabalho em altura 2ª edição Realização: Curitiba Set/2011 A reprodução

Leia mais

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a

I - PROCESSO DO DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA. Os primeiros passos da equipe devem ser dados para a obtenção de informações sobre o que determina a A aplicação de uma competente estratégia pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento de um programa de proteção contra quedas, bem como justificar o tempo investido em sua elaboração e administração.

Leia mais

DO TRABALHO E MP R EGO

DO TRABALHO E MP R EGO M I N I S T É R I O DO TRABALHO E E MP R EGO 15/06/2011 CAUSAS DE ACIDENTES GRAVES E FATAIS Queda é a uma das principais causas de acidentes fatais no Brasil e no mundo. ACIDENTES NA CONSTRUÇÃO

Leia mais

Manual para trabalhos em altura.

Manual para trabalhos em altura. Manual para trabalhos em altura. Montagem de andaimes. O trabalho de montagem de andaimes possui características peculiares, pois em geral, os pontos de ancoragem são o próprio andaime, o que requer uma

Leia mais

DIFICULDADES E AVANÇOS NA APLICAÇÃO DA NR 35

DIFICULDADES E AVANÇOS NA APLICAÇÃO DA NR 35 SEGURANÇA NO TRABALHO EM ALTURA NR 35 DIFICULDADES E AVANÇOS NA APLICAÇÃO DA NR 35 JUSTIFICATIVA POR QUE? JUSTIFICATIVA Simples QUEDAS podem ocorrer em qualquer ramo de atividade e estão entre as principais

Leia mais

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Cinto de segurança para trabalhos em locais elevados Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Orientar sobre a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança para todos que

Leia mais

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

Legislação de aprovação de produtos. Responsabilidades INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Legislação de aprovação de produtos O processo de aprovação envolve 5 partes: Processos de Aprovação Brasil Silvia Pini Arruda Silvia.pini@msasafety.com 11 40705997 Ministério do trabalho (governo); Agência

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001)

ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18 Andaime Suspenso Mecânico ANDAIMES SUSPENSOS (Alterado pela Portaria SIT n.º 30, de 20 de dezembro de 2001) NR-18.15.30 Os sistemas de fixação e sustentação e as estruturas de apoio dos andaimes

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE

MANUAL DE OPERAÇÃO. Modelo: BALANCIM INDIVIDUAL GUINCHO DE CABO PASSANTE MANUAL DE OPERAÇÃO Balancim Individual do Tipo Cadeirinha Mecânica Cabo Passante O Balancim Individual Manual AeroAndaimes é um equipamento para movimentações verticais realizadas através do guincho de

Leia mais

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013

Catálogo Eletrônico. Email: montich@ Contato: (11) 2356-6456 / (11) 99857-9813 2013 Catálogo Eletrônico Email: montich@ 2013 APRESENTAÇÃO A MONTICH ENGENHARIA, fundada em julho de 2013, com sede própria, hoje é especializada diretamente no seguimento de Fabricação, Projetos e Instalações

Leia mais

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro.

MANUAL TÉCNICO. Segurança e Saúde no Trabalho ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR. Andaimes setembro/2012. Andaime Fachadeiro. e MANUAL TÉCNICO ANDAIME TUBULAR ANDAIME TUBULAR e ANDAIME TUBULAR Objetivo Estabelecer os procedimentos que devem ser obedecidos na liberação de montagem / desmontagem de andaimes com a finalidade de

Leia mais

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO.

CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CONFORMIDADE LEVADA A SÉRIO. CATÁLOGO DE PRODUTOS 2015 ALTISEG, A PRIMEIRA EMPRESA BRASILEIRA DE SEGURANÇA EM ALTURA A POSSUIR O SELO DE CONFORMIDADE INMETRO. CUSTON custon pro 1180147-1 (P-M) 1180149-2

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

Engª Luisa Tânia - Agosto/2012.

Engª Luisa Tânia - Agosto/2012. Engª Luisa Tânia - Agosto/2012. Instrumento de referência para que o TA seja realizado de forma segura. Requisitos mínimos NR a ser complementada por anexos que contemplarão as especificidades das mais

Leia mais

Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura

Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura Principais atualizações nas normas de EPI para o trabalho em altura Estrutura antes da atualização NBR 11370:2001 Cinturão e talabarte de segurança NBR 14626:2000 Trava queda guiado em linha flexível NBR

Leia mais

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado.

A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. A STEELFLEX, nova marca da BSB, chega ao mercado de EPIs com um portifólio de produtos diferenciados, de alta performance e design arrojado. Com o objetivo de oferecer soluções cada vez mais eficazes para

Leia mais

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 -

Informativo 21/2011. - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di - Alterações nas NRs 12, 15 e 06 - Informativo 21/2011 NR 12 NOVO ANEXO (XII - EQUIPAMENTOS DE GUINDAR PARA ELEVAÇÃO DE PESSOAS E REALIZAÇÃO DE TRABALHO

Leia mais

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE.

Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Interface entre a Norma Regulamentadoras 18 (18.15 andaimes) e a NR 35 do MTE. Instrutor: Emanuel Rodrigues Técnico em Segurança do Trabalho na área de Petróleo e Gás; Instrutor de Trabalhos em Altura

Leia mais

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 APRESENTAÇÃO COLABOR A COLABOR Consultoria e Treinamentos é uma empresa de soluções para aumento de performance para PROFISSIONAIS E EMPRESAS. Nossas

Leia mais

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1

Riscos adicionais. Riscos adicionais. Altura COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP - 1 Riscos adicionais Riscos adicionais De altura; De ambientes confinados; De áreas classificadas; De umidade; Condições atmosféricas; Ataque de animais peçonhentos/domésticos. Altura Trabalho em altura é

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA n.º 35 - TRABALHOS EM ALTURA NR-35 COMENTADA

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA n.º 35 - TRABALHOS EM ALTURA NR-35 COMENTADA MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA n.º 35 - TRABALHOS EM ALTURA NR-35 COMENTADA 1 Presidente da República Dilma Rousseff Ministro do Trabalho e Emprego Carlos Daudt

Leia mais

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA

TÉCNICO. manual BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA manual TÉCNICO BALANCIM INDIVIDUAL - CADEIRINHA Sumário Balancim Individual - Cadeirinha...03 Instrução de Montagem...05 Norma Regulamentadora NR-18...07 Atualização da NR-18...11 Balancim Individual -

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME TUBULAR Sumário Andaime Tubular...03 Montagem Especial...04 Acessórios...05 Modos e Pontos de Ancoragem...06 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09

Leia mais

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados

Orientações Básicas. para. Trabalhos em Telhados Orientações Básicas para Trabalhos em Telhados Caderno de Prevenção 1 2 TRABALHO EM TELHADOS O objetivo deste estudo é apenas apresentar os procedimentos de segurança a serem observados na realização de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE EQUIPAMENTOS INDIVIDUAIS PARA MOVIMENTAÇÃO VERTICAL E HORIZONTAL EM TRABALHOS EM ALTURA. REVISÃO 11/2010 1 INTRODUÇÃO A adoção das novas especificações técnicas dos equipamentos

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

Manual do Locatário ANDAIME TUBULAR Instruções para Instalação e Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO ANDAIMES Andaimes são estruturas metálicas tubulares para acesso à altura para trabalho aéreo

Leia mais

CURSO SUPERVISOR DE TRABALHO EM ALTURA

CURSO SUPERVISOR DE TRABALHO EM ALTURA FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Noções de Segurança no Trabalho em Altura 4 Laboratório de Materiais e Equipamentos 4 Gestão de

Leia mais

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO

ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO e MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO ANDAIME FACHADEIRO Trabalho em Altura Uma das principais causas de acidentes de trabalho graves e fatais se deve a eventos envolvendo quedas de trabalhadores de diferentes

Leia mais

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA

METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA METODOLOGIA DE RESGATE COM LINHA DE VIDA Autor Carmelindo Monteiro Neto COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ - COELCE RESUMO Este trabalho apresenta metodologias bastante simples de instalação de linha de vida

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809

Portaria Inmetro nº 388/2012 Códigos SGI 03807, 03808 e 03809 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria de Avaliação da Conformidade Dconf Divisão de Fiscalização

Leia mais

ManSafe para a indústria

ManSafe para a indústria Brochura sobre aplicações ManSafe para a indústria Sistemas de proteção contra queda para aplicações industriais Sistemas de suspensão Sistemas horizontais LadderLatch VersiRail Trava quedas retrátil (SRL,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO

MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO MANUAL TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 1 SUMÁRIO Acessórios 03 Instruções de montagem 04 Dicas Importantes 10 Acesso dos Andaimes 11 Informações de Segurança 12 2 ACESSÓRIOS 3 ANDAIME FACHADEIRO INSTRUÇÕES

Leia mais

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10.

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. MEU SONHO É LEVAR O HOMEM A LUA E TRAZE-LO DE VOLTA COM SEGURANÇA John Kennedy (1917-1963) AS EMPRESAS DEVEM CRIAR POLÍTICAS QUE VALORIZEM

Leia mais

O EPI e seus sistemas dentro da nova NR 35 Trabalho

O EPI e seus sistemas dentro da nova NR 35 Trabalho O EPI e seus sistemas dentro da nova NR 35 Trabalho em altura. Por: Marcos Amazonas, Gerente Técnico da Honeywell Produtos de Segurança. NR de Trabalho em altura Especificidade Há muito aguardada, entrou

Leia mais

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho

2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho 14/03/2011 2º Work Shop Internacional de Trabalhos em Altura engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho NR.36 TRABALHOS EM ALTURA Esta norma é aplicável a qualquer trabalho realizado acima de

Leia mais

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001

Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 Portaria nº 30 de 20 de Dezembro de 2001 A SECRETÁRIA DE INSPEÇAO DO TRABALHO e o DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso das atribuições legais que lhe conferem o Decreto n.º

Leia mais

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002

INSTRUÇÃO DE EXAMES CANDIDATO INS-002 Página 1 de 14 1. OBJETIVO Fornecer ao candidato as instruções necessárias para execução do exame prático de Acesso por Corda de acordo com o Sistema de Certificação ANEAC. 2. DOCUMENTOS APLICÁVEIS - NAC-005

Leia mais

OSHA - FICHA DE DADOS IMPORTANTES. Reduzindo o Perigo da Queda Durante a Construção Civil Residencial: Instalando as Treliças, Caibros do Telhado

OSHA - FICHA DE DADOS IMPORTANTES. Reduzindo o Perigo da Queda Durante a Construção Civil Residencial: Instalando as Treliças, Caibros do Telhado OSHA - FICHA DE DADOS IMPORTANTES Reduzindo o Perigo da Queda Durante a Construção Civil Residencial: Instalando as Treliças, Caibros do Telhado (Reducing Falls During Residential Construction: Installing

Leia mais

GUIA PARA ELABORAR ANÁLISE DE RISCO

GUIA PARA ELABORAR ANÁLISE DE RISCO GUIA PARA ELABORAR ANÁLISE DE RISCO INTRODUÇÃO: Considerando que todo o trabalho em altura deve ser precedido de uma análise de risco e tendo em vista não existir uma publicação prática que ajude os prevencionistas

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho

engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho engº Gianfranco Pampalon Auditor fiscal do trabalho OIT - 2003 Anualmente ocorrem 270 milhões de acidentes de trabalho 2.000.000 são fatais. 740.000 a.t. /dia - 9 /segundo 5.500 a.t. fatais/dia - 4/minuto

Leia mais

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho

Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho Obrigações legais no trabalho com máquinas e equipamentos de trabalho 1 1. A campanha MET 2. Aquisição de máquinas seguras 3. Utilização de equipamentos de trabalho bem adaptados 4. Locais de trabalho

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial.

manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO 2011 Andmax, todos os direitos reservados. Material de distribuição restrita, proibida reprodução total ou parcial. manual TÉCNICO ANDAIME FACHADEIRO Sumário Andaime Fachadeiro...03 Instrução de Montagem...04 Acessórios...06 Modos e Pontos de Ancoragem...07 Dicas Importantes...08 Acesso dos Andaimes...09 Informações

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL UNIDADE PETRÓPOLIS CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO SISTEMÁTICA DE TRABALHO EM ALTURA Guilherme Chaves Barcellos Petrópolis Rio de Janeiro Julho 2013 SERVIÇO

Leia mais

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA 35 TRABALHOS EM ALTURA NR35 COMENTADA

MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA 35 TRABALHOS EM ALTURA NR35 COMENTADA MANUAL DE AUXÍLIO NA INTERPRETAÇÃO E APLICAÇÃO DA NORMA REGULAMENTADORA 35 TRABALHOS EM ALTURA NR35 COMENTADA Presidente da República Dilma Roussef Ministro do Trabalho e Emprego Secretária de Inspeção

Leia mais

PROJETO APRESENTADO PARA A ABRASEG NR 35 FORMAÇÃO DE TRABALHORES SUPERVISORES E INSTRUTORES. Luiz Eduardo Spinelli Jussara Ney

PROJETO APRESENTADO PARA A ABRASEG NR 35 FORMAÇÃO DE TRABALHORES SUPERVISORES E INSTRUTORES. Luiz Eduardo Spinelli Jussara Ney PROJETO APRESENTADO PARA A ABRASEG NR 35 FORMAÇÃO DE TRABALHORES SUPERVISORES E INSTRUTORES Luiz Eduardo Spinelli Jussara Ney São Paulo Fevereiro de 2014 1 O projeto O presente projeto é uma das mais importantes

Leia mais

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO

Coleção MONTICUCO Fascículo Nº 70 Engenharia de Segurança e Meio Ambiente do Trabalho LISTA DE CHECAGEM ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO LISTA DE CHECAGEM DE ANDAIME SUSPENSO MOTORIZADO 1 Autor DEOGLEDES MONTICUCO Iniciou aos 14 anos como Mensageiro. 1974 - Engenheiro Civil e 1975 - Engenheiro de Segurança do Trabalho. Obras de construções:

Leia mais

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO

ANDAIMES E PLATAFORMAS DE TRABALHO Página: 1 de 5 ITEM TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO 18.15.1 Manter 18.15.1.1 18.15.2 Os andaimes devem ser dimensionados e construídos de modo a suportar, com segurança, as cargas de trabalho a que estarão

Leia mais

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.

APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153. APRESENTAÇÃO: JOSÉ VIEIRA CABRAL CPF: 031395948-01 ENCARREGADO DE OBRAS CIVIS: MESTRE DE OBRA CERTIFICADO Nº 118-01/0299-153.092/00453-01-01 INSCRITO PELA A EMPRESA SINDOSCON SINDICATO DA INDÚSTRIA DE

Leia mais

Abraçadeira Absorvedor de energia Análise de Risco Ancoradouro Andaime Andaime de Encaixe Rápido Andaime de Quadro Andaime em Balanço

Abraçadeira Absorvedor de energia Análise de Risco Ancoradouro Andaime Andaime de Encaixe Rápido Andaime de Quadro Andaime em Balanço Abraçadeira - Componente de união no andaime tubular convencional fabricado em aço-mola forjado, temperado e revenido, pesando aproximadamente 1,24Kg por peça, composta de um corpo principal e dois parafusos

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho.

Figura 1: Plataforma de trabalho do andaime. Figura 2: Piso metálico da plataforma de trabalho. INSTRUÇÕES DE USO ANDAIME TUBULAR 1. Devem ser tomadas precauções especiais, quando da montagem, desmontagem e movimentação de andaimes próximos às redes elétricas. 2. O piso de trabalho dos andaimes deve

Leia mais

Climbing and Working at Heights

Climbing and Working at Heights STANDARD LME-12:001900 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Locais e gerenciamento do local... 4 3.1 Edifícios e Telhados... 4 3.2 Estruturas de suporte de antenas... 4 3.3 Zonas de queda...

Leia mais

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas.

Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. Laudo Técnico referente à aplicação do Item 9.4.1 da Lei municipal 11228/92 da Prefeitura da Cidade de São Paulo para a operação com Gruas. ELABORADO PELO GRUPO FORMADO PELO SINDUSCON, SECOVI, CBIC, LOCADORES,

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

Não devemos esquecer que a escolha dos equipamentos deverá, em qualquer situação, garantir conforto e segurança ao trabalhador nas três operações:

Não devemos esquecer que a escolha dos equipamentos deverá, em qualquer situação, garantir conforto e segurança ao trabalhador nas três operações: TRABALHO EM ESPAÇOS CONFINADOS O objetivo deste informativo é apresentar, de forma simples, as quatro escolhas básicas que deverão ser feitas para especificação de um conjunto de equipamentos, exigidos

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

Honeywell Produtos de Segurança. Proteção em Altura Como atender a nova NR-35 quando o assunto for EPI. Política de Segurança Inteligente

Honeywell Produtos de Segurança. Proteção em Altura Como atender a nova NR-35 quando o assunto for EPI. Política de Segurança Inteligente Honeywell Produtos de Segurança Proteção em Altura Como atender a nova NR-35 quando o assunto for EPI Política de Segurança Inteligente 1 Índice Introdução 3-6 Seu equipamento de proteção de queda é um

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E

Leia mais

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES

\\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES \\\\\\\\\\\\\\\\\\ \\\\\\\\\\\\\\\ MANUAL DE INSTRUÇÕES FLEX MACA FLEX ATENÇÃO NÃO PERMITIR CONTATO COM MATERIAIS CORROSIVOS OU AGRESSIVOS. MANTER MACA E COMPONENTES AFASTADOS DE FONTES DE CALOR. INSPECIONAR

Leia mais

Deuteronômios /10/2012

Deuteronômios /10/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Deuteronômios 22.8 Quando edificares uma casa nova, farás um parapeito, no eirado (terraço), para que não ponhas culpa de sangue na tua casa, se alguém de algum modo cair

Leia mais