SISTEMA CEMIG DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS. Manual de Procedimentos de Coleta e Metodologias de Análise de Água

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA CEMIG DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS. Manual de Procedimentos de Coleta e Metodologias de Análise de Água"

Transcrição

1

2

3 SISTEMA CEMIG DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE RESERVATÓRIOS Manual de Procedimentos de Coleta e Metodologias de Análise de Água Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil 2009

4 Copyright: ISBN: Companhia Energética de Minas Gerais Cemig Presidência Djalma Bastos de Morais Diretoria de Geração e Transmissão Luiz Henriue de Castro Carvalho Superintendência Gestão Ambiental da Geração e Transmissão Enio Marcus Brandão Fonseca Gerência de Estudos e Manejo da Ictiofauna e Programas Especiais Newton José Schmidt Prado Autores Maria Edith Rolla Bióloga - Cemig Sônia Maria Ramos Técnica em Química Cemig Marcela David de Carvalho - Bióloga Cemig Helen Regina Mota Bióloga - Consultora Andréa Cássia Pinto Pires de Almeida - Bióloga Cemig Revisão Ludmylla Soares Colaboradores Fernando Antônio Jardim Biólogo Maria Beatriz Gomes Bióloga Diagramação Moniue Soares Pereira Ilustração Andréa Cassia Pinto Pires Almeida Fotos Hélen Regina Mota Maria Edith Rolla Sônia Maria Ramos Rubens Florentino Mota Normalização Maria Izabel Moreira Couto Bibliotecária - Cemig COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS. Sistema Cemig de monitoramento e Controle de ualidade da água de reservatório siságua- manual de procedimentos de coleta e Metodologia de análise de água. Belo Horizonte: Cemig, p. ilust. 1.Água 2.Reservatória I. Titulo II. Companhia Energética de Minas Gerais III. Rolla, Maria Edith IV. Ramos,Sônia Maria V. Carvalho, Marcela David de VI..Mota, Helen Regina VII. Almeida, Andréa Cássia Pinto Pires CDU

5 Sumário APRESENTAÇÃO A Coleta Classificação das amostras Ações para preparação e execução do trabalho de campo Medidas de segurança para a utilização de embarcações Procedimentos a serem observados Parâmetros indispensáveis para uma coleta de rotina Águas superficiais ambiente lótico (rios, riachos e nascentes) Águas de reservatório e lagos (perfis), ambiente lêntico Água Potável Tanues e viveiros de piscicultura Efluentes Condicionamento e Transporte de Amostras (Lee A. Barclay) Métodos de Análise Normas de segurança das embarcações e limpeza Referências Bibliográficas Anexos Anexo Legislação Ambiental e Normas da Cemig Legislação Federal Legislação Estadual Normas da Cemig Normas de coleta da U.S. Fish and Wildlife Service National Fisheries Research Bibliografia de identificação taxonômica Sugestão de Fichas de Coleta... 77

6 APRESENTAÇÃO A criação de reservatórios a partir do barramento de cursos hídricos proporciona grandes modificações na dinâmica desses ambientes auáticos, afetando profundamente o euilíbrio físico, uímico e biológico. Os fatores determinantes da evolução da ualidade do novo sistema, tanto em termos ecológicos, como do ponto de vista sanitário, atuam de modo distinto da condição natural sem barramento. A Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig - possui 52 reservatórios em três estados brasileiros: Minas Gerais, Espírito Santo e Santa Catarina, com monitoramento da ualidade da água. O acompanhamento fazse necessário em função do aumento do índice populacional e do crescente uso da água na agropecuária e na indústria. Embora seja benéfico para o homem, o desenvolvimento pode comprometer os ecossistemas auáticos, tornando a água imprópria para abastecimento, dessedentação de animais, recreação, pesca, bem como para o uso industrial. Portanto, o acompanhamento da ualidade da água torna-se essencial para se ter uma real dimensão do comprometimento. O Sistema Cemig de Monitoramento e Controle de Qualidade da Água de Reservatórios - SISÁGUA - possibilita uma avaliação espacial e temporal, de forma adeuada e uniforme, para ue os dados obtidos possam ser utilizados pela própria empresa, em todas as unidades e também pelos parceiros. O monitoramento é a medição ou verificação de parâmetros de ualidade e uantidade de água. O acompanhamento - contínuo ou periódico - da condição e controle da ualidade do corpo de água é realizado de acordo com o Conselho Nacional do Meio Ambiente Resolução CONAMA no 357 de 2005 e conforme Resolução CONAMA no 274, de 2000, ue estabelece níveis para a balneabilidade, de forma a assegurar as condições necessárias à recreação de contato primário, tais como natação, esui auático e mergulho. Em nível estadual, deve-se observar ainda a Deliberação Normativa conjunta COPAM-CERH-MG no 1/2008. Este manual leva em conta, também, a Deliberação Normativa do Conselho Estadual de Meio Ambiente do Estado de Minas Gerais COPAM - no 89, de 15/09/2005, ue define as normas a serem seguidas pelos laboratórios responsáveis por medições vinculadas aos procedimentos exigidos pelos órgãos ambientais do Estado. É objetivo deste manual a padronização dos métodos a serem utilizados nas campanhas de campo e laboratórios, realizadas pela Cemig e por parceiros. Ressaltamos a importância do cuidado especial com as coletas, pois se executadas 4

7 de maneira inadeuada podem comprometer os resultados, tornando-os duvidosos e/ou gerando falsas interpretações e projeções.o material busca minimizar as diferenças existentes entre os coletores, visando a comparação e avaliação dos dados e a elaboração de estratégias de manejo dos reservatórios. Chamamos atenção para a segurança, tanto nos laboratórios uanto no campo, prevendo medidas capazes de eliminar ou mitigar os riscos de acidentes de trabalho e doenças ocupacionais, preservando a saúde e a integridade física dos profissionais. Além do monitoramento nos reservatórios, a Cemig Geração e Transmissão realiza, em todas as usinas, o controle de efluentes orgânicos e inorgânicos, com base nas legislações do Conselho Nacional do Meio Ambiente Resolução CONAMA no 357 de 2005 e a Deliberação Normativa conjunta COPAM-CERH-MG no 1/2008, e também da água potável, utilizada pelos empregados, conforme a legislação do Ministério da Saúde na Portaria no 518, de 2005 e as instruções de coleta da Organização Mundial de Saúde OMS. Constam deste manual instruções para coleta e análise em tanues de piscicultura de acordo com a legislação e Boid, 1979, citada no item 2.4. Estão descritas nesta publicação técnicas simples para amostragem de materiais biológicos, físicos e uímicos em águas doces. Aui estão transcritos, também, os procedimentos anteriores e posteriores à coleta. De fato, o manual é um roteiro para uem trabalha no campo, a fim de evitar erros e descuidos, ue causam, muitas vezes, desperdícios e desgastes desnecessários aos técnicos envolvidos na coleta. O Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas sugere dez premissas básicas para o sucesso da prática de monitoramento: 1. Os objetivos devem ser bem definidos e o programa adaptado a eles e não vice- versa, como já ocorreu no passado. O suporte financeiro deve ser adeuadamente dimensionado; 2. O tipo e a natureza do corpo d água devem ser avaliados, por meio de estudos preliminares, principalmente as variáveis espaciais e temporais; 3. Os meios apropriados (água, material particulado, biota) devem ser devidamente selecionados; 4. As variáveis, os tipos de amostras, a freuência de amostragem e a localização de estações de coleta devem ser definidos, cuidadosamente, de acordo com os objetivos; 5. O campo, os euipamentos e o laboratório devem ser selecionados com base nos objetivos e não vice-versa; 6. Um tratamento de dados completo e operacional deve ser estabelecido; 7. O monitoramento da ualidade do ambiente auático deve ser integrado ao 5

8 monitoramento hidrológico; 8. A ualidade analítica dos dados deve ser regulamente verificada por um controle interno e externo; 9. Os dados não devem ser enviados para os tomadores de decisão como uma mera lista de variáveis, mas sim interpretados e avaliados por experts, com recomendações relevantes para estratégias de manejo; 10. O programa deve ser periodicamente avaliado, especialmente se houver ualuer alteração no ambiente, de causa natural ou influenciada por medidas tomadas na área da bacia. ATENÇÃO É importante ressaltar ue a legislação estadual e/ou federal deve ser observada na realização do monitoramento em outros empreendimentos da empresa, localizados fora do estado de Minas Gerais. 6

9 1. A Coleta A coleta de água deve ser feita de acordo com o objetivo principal do monitoramento, priorizando a segurança dos executores da tarefa. Em caso de morte de peixes por motivos desconhecidos, euipamentos especiais de segurança devem ser utilizados. O laboratório de medição ambiental deve ser cadastrado junto ao Sistema Estadual de Meio Ambiente - SISEMA - e adotar os procedimentos de controle de ualidade analítica, necessários ao atendimento das condições exigíveis, conforme Deliberação Normativa - COPAM no 89/2005; reuisitos imprescindíveis para a aceitação dos relatórios ou laudos pelos órgãos ambientais e outras autoridades. A Agência de Proteção ao Meio Ambiente dos Estados Unidos (EPA) classifica os danos à saúde humana em uatro níveis. No uadro a seguir, estão descritos os euipamentos de proteção reueridos em caso de amostragem em ambientes contaminados. Quadro 1 Classificação dos danos à saúde humana segundo a Agência de Proteção ao Meio Ambiente dos Estados Unidos (EPA) Nível Condições ambientais Euipamentos de proteção reueridos D C B A Baixa probabilidade de risco - nenhum suspeito conhecido de veiculação hídrica. Possíveis ricos de de veiculação hídrica, ue podem ser identificados. Possível faixa de riscos desconhecidos. Probabilidade alta de doença desconhecida de veiculação hídrica ou de contato com materiais corrosivos. Corpo e pés protegidos contra riscos não corrosivos. Corpo e pés protegidos e, ainda, máscara de gás apropriada. Corpo e pés protegidos. Roupa especial - roupa da lua - para impedir a penetração no corpo e nos pés. O trabalho de campo associado à coleta e transporte de amostras representa uma grande parte do orçamento de um programa de monitoramento. As viagens de campo devem, portanto, ser realizadas após planejamento prévio e detalhado, a fim de evitar o esforço desnecessário e o desperdício. Caso uma peça essencial de um euipamento seja esuecida ou uma estação de coleta não seja localizada devido a uma descrição mal feita, por exemplo, a viagem estará seriamente comprometida. 7

10 Da mesma forma, se a estimativa do tempo de viagem for irreal e a expedição demorar mais ue o planejado, o tempo máximo permitido para estocagem das amostras será excedido e os resultados das análises, conseuentemente, serão uestionáveis. O trabalho de campo deve ser programado com o laboratório, para ue os laboratoristas tenham ciência da uantidade de amostras, do tempo estimado e local previsto para a chegada e dos parâmetros a serem analisados. A euipe ue fará a coleta das amostras de água, biota ou sedimento deve ser devidamente treinada em técnicas de amostragem e procedimentos de campo. Deve ter conhecimento dos objetivos do trabalho, com o intuito de obter uma amostra representativa de todo o corpo d água. A coleta e o manuseio das amostras são fontes freuentes de erro, ue superam as falhas ocorridas durante a análise. 1.1 Classificação das amostras A coleta deve ser programada, preferencialmente, para o período da manhã, uando a temperatura do ar é mais baixa e há menor probabilidade de distorção dos resultados. Na definição dos parâmetros, da uantidade de estações e da periodicidade do monitoramento, as diferenças regionais, geográficas, sociais e econômicas, as tensões exercidas sobre o reservatório e o orçamento disponível devem ser considerados. As ações decorrentes do uso e ocupação do solo, na bacia de drenagem dos reservatórios, são fatores determinantes das condições do ecossistema. Alguns tipos de reservatório reuerem um planejamento mais elaborado, devido à localização e/ou à dimensão, a exemplo da proximidade de grandes centros industriais e urbanos. No caso da Cemig, a importância para a geração é um fator determinante do planejamento. Para manter os euipamentos e suprimentos em boas condições de uso, alguns cuidados são necessários: Elaborar uma lista dos euipamentos e programar uma checagem periódica, de acordo com as recomendações dos fabricantes, especialmente uando houver utilização de baterias. Se possível, tenha um sistema de backup das análises, ue não exija baterias; Substituir regularmente soluções e meios de cultura, a fim de conservá-los adeuados para o uso; Manter um diário de manutenção; Estocar adeuadamente os aparelhos especiais e produtos uímicos, para prevenir deterioração ou contaminação. Os frascos utilizados nas coletas sem garrafa coletora devem ser segurados 8

11 pela parte de baixo e submersos a mais ou menos 20cm, com a boca levemente inclinada para cima. A boca do frasco deve estar contra a correnteza. Os meios de transportes para as amostras e os horários disponíveis devem estar anotados e cadastrados. A euipe deve assegurar o mínimo possível de variações no transporte das amostras até o local de análise. De acordo com o objetivo do monitoramento, as amostras podem ser classificadas como: Contínuas ou permanentes normalmente coletadas pela manhã, após uma caracterização prévia do reservatório monitorado, com definição da periodicidade e do tamanho da rede de amostragem, conforme a necessidade da região e a importância estratégica da usina; Emergencial realizada em ualuer dia ou horário, em função de algum acidente ambiental, a exemplo de um derramamento de óleo, ue compromete a vida auática e viola a Lei de Crimes Ambientais. O roteiro para esse tipo de coleta deverá ser elaborado com base nas informações das euipes de campo da região afetada e da população ribeirinha. As amostras podem também ser subdivididas em compostas ou integradas, uando coletadas em diferentes partes e então reunidas para atender a objetivos específicos do monitoramento. As amostras compostas ou integradas podem ser dos tipos: Integradas de profundidade: mais comumente coletadas de duas ou mais partes iguais, em intervalos pré-determinados, entre a superfície e o fundo; Área integrada: combina uma série de amostras tomadas de vários pontos espacialmente distribuídos em corpos d água; Tempo integrada: mistura volumes iguais de água coletada em uma estação, em intervalos regulares de tempo; Descarga integrada: primeiramente, as taxas de descargas das amostras são medidas, em intervalos regulares, por um determinado período. Um arranjo comum é amostrar a cada duas horas no período de 24 horas. A amostra composta reúne porções mistas, proporcionais à taxa de descarga mensurada no período da amostragem; Amostras subterrâneas: são coletadas em poços subterrâneos, cisternas ou nascentes. Ocasionalmente, durante o curso de uma pesuisa hidrogeológica. A Figura 1 (pág. 16) mostra como escolher cuidadosamente o local da estação de coleta. 9

12 1.2 Ações para preparação e execução do trabalho de campo Pelo menos uma semana antes da coleta, no escritório: Definir itinerário; Providenciar inventário detalhado de estações de amostragens, mapas, coordenadas (uando possível); Elaborar lista de amostras reueridas em cada estação de amostragem; Preparar tabela onde as leituras serão anotadas. Pelo menos um dia antes da coleta: Separar todo o material e euipamento a serem utilizados; Etiuetar os frascos das amostras com as seguintes informações: local de coleta, parâmetro, profundidade, data e identificação do ponto; Preencher o cabeçalho das fichas de campo; Verificar as baterias dos euipamentos; Verificar barco e motor (se necessário); Confirmar acesso a locais restritos ou privados com a Coordenação local; Certificar-se dos arranjos de viagens e/ou transporte de amostras com a Coordenação institucional; Notificar a data e o horário de chegada das amostras ao(s) laboratório(s); Averiguar condições locais de tempo e exeuibilidade de viagem, com ualuer fonte de informação disponível. Amostragem: Preparar os reagentes a serem utilizados na coleta e nas análises laboratoriais; Verificar frascos de amostragem, reagentes, etiuetas e canetas; Verificar materiais (caixas e gelo) para estocagem das amostras; Certificar-se de ue os amostradores/ euipamentos estejam calibrados; Providenciar botas de borracha de cano alto e/ou tênis náutico; Verificar procedimentos padrões para amostragem. Para documentação: Providenciar canetas, etiuetas, computadores, fichas de campo, etc. Testes no local: Disponibilizar listagem de análises a serem realizadas no campo; Checar estoues de produtos necessários (água destilada, tampão de ph, padrões e brancos); 10

13 Preparar e/ou calibrar euipamentos: phmetro, condutivímetro, oxímetro, turbidímetro e termômetros; Disponibilizar procedimentos padrões e manuais de euipamentos. Segurança: Providenciar kit de primeiros socorros, luvas e extintor de incêndio. Transporte: Providenciar veículo, com capacidade adeuada, para transporte de pessoal, suprimentos e euipamentos; Verificar veículo (bateria, lubrificação, calibração dos pneus, combustível, etc.); Planejar itinerário detalhadamente; Verificar acessórios para euipamentos e medidores, incluindo cabos, baterias, etc. Como utilizar os euipamentos: Disco de Secchi - todas as leituras devem ser feitas, preferencialmente, pelo mesmo operador, já ue a sensibilidade de visão pode variar; Rede de plâncton deve ser confeccionada com materiais ue não sofrem alterações e deformações com o tempo, boca larga para uma grande área de filtração e malha adeuada para cada tipo de uso (fito, zooplâncton). As mais indicadas são as de 30-45μm; Garrafa de van Dorn Verificar periodicamente a estrutura física da garrafa, observando a vedação, o cabo de descida e a marcação; Deve ser limpa constantemente, com água e escovão apenas, para evitar incrustação de matérias e formação de lodo, capazes de contaminar as amostras coletadas. Controle de Euipamentos: Para ue as medições sejam confiáveis, o controle dos euipamentos deve ser realizado periodicamente, atendendo às especificações dos respectivos manuais, incluindo: Calibração comparar com um padrão; Ajuste alcançar a condição de aceitação. O laboratório deverá manter uma lista dos euipamentos, com os respectivos prazos de calibração/verificação. 11

14 1.3 Medidas de segurança para a utilização de embarcações Portos; Embarcação devidamente vistoriada e licenciada pela Capitania dos A documentação da embarcação e a habilitação do condutor deverão estar, rigorosamente, em dia; Limpeza do casco e higienização interna; Higienização dos euipamentos do barco ue entram em contato com a água, a fim de evitar o transporte de larvas de espécies invasoras de uma bacia hidrográfica a outra; Colete salva-vidas adeuado para o peso de cada ocupante do barco; Uniformes (tênis náutico sem cadarço, camiseta, shorts, bonés ou chapéus, luvas de borracha); Protetor solar - Fator de Proteção Solar (FPS) 15; Capa de chuva (conjunto completo de calça e jaueta); Repelente; Remos; Foguetes sinalizadores; Ferramentas (alicate universal, chave de fenda, canivete, pinos e hélice para motor); Mapa plastificado do local do percurso (se necessário); Rádio de comunicação; Binóculos (se necessário); Bússola ou Geographical Position System GPS; Caixa para primeiros socorros; Garrafa térmica com água potável. 1.4 Procedimentos a serem observados Antes da coleta água; Solicitar autorização do responsável para colocação da embarcação na Elaborar análise de risco; Avisar a sala de controle da usina sobre a utilização da embarcação; Assegurar boas condições físicas e mentais do condutor; Verificar as condições de navegação (meteorologia e operação da usina); Verificar as condições da embarcação, os euipamentos, os EPIs e a capacidade de carga; 12

15 Verificar o combustível; Certificar-se do sistema de transporte do barco do abrigo até o reservatório; Seguir as normas de segurança da Cemig e legislação vigente, conforme Ministério da Marinha, durante os trabalhos. No dia da coleta Acondicionar o material coletado em engradados sem repartição. Os frascos devem estar etiuetados e colocados em caixas plásticas ou de isopor, organizados por ponto. Os reagentes devem ser mantidos em local seguro. Posicionar o material no barco, de forma a deixar espaços vazios para conforto e movimentação dos técnicos; Manter em local adeuado o mapa dos pontos, a prancheta com fichas de coleta, lápis, borracha, caneta e fita crepe; Colocar as pipetas no porta-pipetas, junto com a vidraria. Levar sempre papel absorvente para secagem do material, ue deverá ser lavado com água destilada após a coleta em cada ponto; Verificar as condições para o uso da embarcação e colocar as ferramentas, o pino e duas toneladas de óleo em local de fácil acesso. Antes de entrar no barco Debater a Análise de Risco; Colocar os Euipamentos de Proteção Individual - EPI; Localizar os pontos de coleta no mapa, planejar o roteiro e dirigir-se ao primeiro ponto. Preenchendo a ficha de coleta A Cemig fornece à empresa contratada os Modelos de Ficha de Campo (ANEXO), utilizado no Sistema Cemig de Monitoramento e Controle de Qualidade da Água de Reservatórios - SISÁGUA. A Cemig irá, oportunamente, instruir e repassar à empresa contratada o acesso necessário, para ue os resultados das medições ambientais possam ser lançados diretamente no SISÁGUA. ATENÇÃO A Ficha de Caracterização Ecológica deverá ser preenchida em TODOS os pontos, durante a coleta de reconhecimento (MODELO 1). Nas demais, somente a Ficha de Coleta, MODELO 2A ou MODELO 2B. 13

16 A ficha de coleta contém informações indispensáveis ao banco de dados, conforme o Quadro a seguir: Como nomear a estação: Quadro 2 Códigos usados para registro dos dados do monitoramento Reservatório Código Tipo Código Subtipo Código Amostra Código Sub Amostra Código Tipo de análise Código Reservatório 0 Subsuperficial 1 simples 0 água 0 Rio 1 Metade da zona fótica 2 integrada 1 esgoto 20 Superficial 1 Fundo 3 duplicada 2 sedimento 30 Tanue de piscicultura 2 Margem 4 triplicada 3 composta 4 Jaguara JG Poço artesiano 0 aleatória 5 branco 6 Subterânea 2 Esgoto doméstico Esgoto laboratório Efluente industrial Água turbinada Tomada d água Localização da estação Geográfica: coordenadas; bacia hidrográfica, sub-bacia, rio, riacho e córrego; nome da usina. Data Dia,mês,ano,horário; Clima aberto); Ventos (ausentes, leves, médios, fortes); Céu (100% encoberto, 75% encoberto, 50% encoberto, 25% encoberto, Presença ou ausência de chuva, nas últimas 24 horas (trovoadas com chuvas, chuvas, nublado, parcialmente nublado, pancadas de chuvas, ensolarado); 14

17 Observações de campo Presença de: - materiais flutuantes, inclusive espumas não naturais: visualmente ausentes; - substâncias ue comuniuem gosto ou odor: visualmente ausentes; - corantes provenientes de fontes antrópicas: visualmente ausentes; - resíduos sólidos objetáveis: visualmente ausentes; - marcas de enchentes nas margens, em caso de chuva recente, etc. Odores: Quadro 3 - Detecção de odores associados a compostos presentes no esgoto não tratado Compostos Fórmula Química Odor Aminas CH 3 NH 2, (CH 3 )3H peixe Amônia NH 3 amoníaco Diaminas NH 2 (CH 2 )4NH 2 (CH 2 )5NH 2 carne podre Sulfeto de hidrogênio H 2 S ovo podre Mercaptanas (por ex., metil e etil) Mercaptanas (por ex., butil e crotil) CH 3 SH, CH 3 (CH 2 )3SH (CH 3 )3SH,CH 3 (CH 2 )3SH repolho podre Jaritataca (gambá) Sulfetos orgânicos (CH 3 )2S, (C 6 H 5 )2S Couve podre Material fecal C 9 H 9 N fezes Anotar os resultados das análises medidas no campo: Preferencialmente, as medidas devem ser realizadas entre 10h e 16 horas, já ue nesse período os raios solares incidem em ângulo similar; Após a coleta: Dispor o material coletado no bagageiro do veículo de transporte, de modo a obter estabilidade durante o percurso de volta; Verificar periodicamente a refrigeração das amostras, substituindo o gelo uando necessário; Acondicionar os reagentes uímicos de maneira segura, a fim de evitar vazamentos ou atritos durante a viagem; Manter o laboratório responsável informado sobre o horário previsto de 15

18 chegada das amostras; Preencher e afixar a etiueta padrão, contendo informações relativas à identificação da amostra. Sugestão de locais de coleta de amostras: Figura 1 1 Livre de efluentes 2 3 Entrada de material orgânico Amostras para pesuisa de substâncias tóxicas à montante da área afetada 16

19 Cadeia de hieraruia da Cemig em caso de acidentes ambientais A definição da cadeia hieráruica deve estar de acordo com a Lei de Crimes Ambientais, Cap. I art 2º. Quem, de ualuer forma, concorre para a prática dos crimes previstos nesta Lei, incide nas penas a estes cominadas, na medida de sua culpabilidade, bem como o diretor, administrador, o membro do conselho e de órgão técnico, o auditor, o gerente, o preposto ou mandatário de pessoa jurídica, ue sabendo da conduta criminosa de outrem, deixar de impedir a sua prática, uando podia agir para evitála. Consultar a IS-48 nos anexos, ue trata de Negociações Socioambientais na Cemig. Coletas de parâmetros físico-uímicos Aguardar o barco parar, desligar o motor e jogar a poita (âncora) com cuidado para não levantar sedimentos capazes de contaminar as amostras e, só então, iniciar a coleta; campo; Fazer a leitura do disco de Secchi na sombra e registrar o valor na ficha de Calcular a zona fótica - multipliue o valor obtido na leitura do disco de Secchi por 3 e, em seguida, divida por 2, para obter o valor estimado correspondente à metade da zona fótica -, e registrar na ficha de campo; Medir o perfil de temperatura da água com a sonda e registrar temperaturas e profundidade total na ficha de campo; Fazer a primeira coleta de profundidade, posicionando a garrafa na metade da zona fótica; Repetir a coleta a mais ou menos um metro da profundidade total; As amostras não devem incluir partículas como folhas, detritos ou ualuer objeto estranho, exceto material de sedimento; Nas determinações de campo com eletrodos indicadores, devem ser tomadas alíuotas separadas das ue serão enviadas ao laboratório; Deve-se ter cuidado para não tocar a parte interna dos frascos e euipamentos de coleta e evitar a exposição a pó e outras impurezas ue possam ser fontes de contaminação, tais como gasolina, óleo, fumaça de exaustão de veículos. Recomenda-se, portanto, o uso de luvas plásticas incolores, de preferência cirúrgicas, ao pessoal de campo, responsável pela coleta das amostras. 17

20 ATENÇÃO Ao iniciar a coleta ou após a mudança de ponto, deve-se lavar os euipamentos com água destilada ou criar um ambiente com a própria água do ponto de coleta, a fim de evitar a contaminação das amostras e ocasionar falsos resultados do monitoramento. Zooplâncton: As amostragens de zooplâncton deverão propiciar análises ualitativas e uantitativas. Para análises ualitativas, a coleta deverá ser feita com a rede de nylon de 35μ de poro nos ambientes lóticos e de 68μ de poro nos lênticos, em arrastos horizontais ou deixando a rede contra a correnteza por 15 minutos. Quando possível, realizar também arrastos verticais. Já nos pontos limnéticos, as amostras deverão ser obtidas pela filtragem da coluna d água, a partir de um metro do fundo até a superfície, por meio de arrasto vertical, da ZONA FÓTICA ou, no mínimo, de cinco metros. Quando o disco de Secchi marcar abaixo de dois metros, utilizar uma rede de arrasto de, no mínimo, 30cm de diâmetro. O material filtrado deverá ser estocado em frasco de 250mL e refrigerado até a realização do exame a fresco. Para análise uantitativa, tanto no ambiente lótico uanto no lêntico, a coleta deverá ser feita na porção subsuperficial da coluna d água, por filtragem de 200 litros de água na rede de nylon de 35μ de poro para lótico e 68μ de poro para lêntico, com auxílio de um balde de volume certificado. Para estocagem do material filtrado, colocar 100mL da amostra em um frasco de tampa plástica de 150 ml, gotejar 0,2 a 0,3mL de rosa de bengala e acrescentar 4mL de formol. No caso da análise uantitativa, o material deverá ser fixado, após 15 minutos, em formalina a 5%. Para o preparo da solução de rosa de bengala, são utilizados 0,5g de rosa de bengala e 100 ml de água destilada. Dissolva a substância em água destilada e, em seguida, complete o volume até 100mL. Fitoplâncton: Os organismos fitoplanctônicos deverão ser coletados com a rede de nylon de 25μ de poro, específica para captura de fitoplâncton. Em ambiente lótico, a 18

21 amostragem ualitativa deverá ser realizada por meio de arrasto horizontal, posicionando a rede contra a correnteza durante 15 minutos. Quando possível, coloue-a verticalmente. A amostragem ualitativa no reservatório (ambiente limnético) deverá ser por arrastos verticais na zona fótica. O material filtrado no arrasto deverá ser estocado em frasco de 250mL e refrigerado até a realização do exame a fresco. Para análise uantitativa, tanto no ambiente lótico uanto no ambiente lêntico, a coleta de um litro de água deverá ser feita na porção subsuperficial da coluna d água, corada e preservada em lugol acético. Cianobactérias Em estudos da comunidade de cianobactérias, a metodologia de coleta deve atender aos objetivos do programa de monitoramento, de acordo com os usos específicos do corpo hídrico, levando em conta as características do manancial (lêntico ou lótico), bem como os demais aspectos do ambiente, ue podem interferir na distribuição dos organismos planctônicos. Para ue a amostra seja representativa do sistema, no caso de florações, devese considerar a distribuição espacial (horizontal e vertical) e a ação dos ventos, especialmente para as cianobactérias, ue formam escumas superficiais pela deposição junto às margens. Alguns procedimentos utilizados na coleta e análise de cianobactérias são empregados, com maior freuência, no monitoramento de mananciais de abastecimento público pelas companhias de saneamento. Os procedimentos variam de acordo com o tipo de análise a ser realizada, conforme descrito a seguir: Coleta análise ualitativa Utiliza-se rede de plâncton de nylon com 20mm de abertura de malha e a coleta é realizada por meio de arraste horizontal repetidas vezes na subsuperfície (20cm abaixo da superfície) ou com o auxílio da embarcação. Ou ainda por arraste vertical, mergulhando a rede até uma profundidade previamente estabelecida e, em seguida, trazendo-a até a superfície. Coleta análise uantitativa A coleta de amostra para análise uantitativa pode ser realizada manualmente ou com auxílio de amostradores especiais, como garrafas de amostragens e bombas de sucção. Na coleta manual, o frasco de polietileno ou vidro neutro é levado a uma profundidade de 20cm aproximadamente. Em casos de florações superficiais, a coleta é realizada diretamente nos pontos de maior concentração de organismos (escuma). 19

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto

Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto, Iodeto Página: 2 de 8 -------------------- INFORMAÇÕES PARA AMOSTRAGEM EM FUNÇÃO DO ENSAIO Ensaio: Acidez, Alcalinidade, Cloreto, Condutividade, Cor, Demanda Bioquímica de Oxigênio DBO 5D, Demanda de Cloro,Fluoreto,

Leia mais

AS CIANOBACTÉRIAS E A QUALIDADE DA ÁGUA. A importância de estar sempre atento

AS CIANOBACTÉRIAS E A QUALIDADE DA ÁGUA. A importância de estar sempre atento AS CIANOBACTÉRIAS E A QUALIDADE DA ÁGUA A importância de estar sempre atento 1 ISBN: 978-85-87929-43-3 Copyright: Companhia Energética de Minas Gerais COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS Presidência:

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

COLETA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS (Poços de Monitoramento e Piezômetros)

COLETA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS (Poços de Monitoramento e Piezômetros) Página 1 de 7 1 1. DESCRIÇÃO E CUIDADOS GERAIS: A técnica a ser adotada para a coleta de amostras depende da matriz a ser amostrada, do tipo de amostra a ser efetuada e da natureza do ensaio solicitado.

Leia mais

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios.

Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. Procedimento de Verificação da Presença do Mexilhão-Dourado em Reservatórios. OBJETIVOS Verificar a existência de larvas do mexilhão-dourado na água. Verificar a presença de mexilhões-dourados adultos

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado.

A seguir, sugerimos algumas formas de acondicionamento por tipo de material a ser enviado. Acondicionamento Para o cliente que deseja enviar um objeto via Correios, o correto acondicionamento dos objetos é muito importante para assegurar que as remessas cheguem bem a seus destinos. Recomenda-se

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente

- Manual Prático e Fundamentos. SNatural Meio Ambiente Tratamento de Água - Manual Prático e Fundamentos SNatural Meio Ambiente Rua das Orquídeas, 94 Vila Mariana SP São Paulo 04050 000 Fone: 11 5072 5452 www.snatural.com.br snatural@sti.com.br 1 Tratamento

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Qualidade da água para consumo humano

Qualidade da água para consumo humano Qualidade da água para consumo humano Segurança microbiológica O tratamento da água deve garantir a inativação dos organismos causadores de doenças. Para verificar a eficiência do tratamento, são utilizados:

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

MULTI USO TRADICIONAL

MULTI USO TRADICIONAL Pag. 1 de 6 SEÇÃO 1.0 INFORMAÇÕES DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. ENDEREÇO: Rua Soldado Arlindo Sardanha,11.Parque

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H.

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Atenção: é recomendável que este manual seja lido por todos que participarão direta ou indiretamente da utilização deste produto. CONHEÇA O NOSSO PRODUTO ASSUNTOS

Leia mais

ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa

ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa NOTA TÉCNICA Nº 01/2014 ASSUNTO: Vigilância Sanitária e Ambiental em Carro Pipa O Carro-pipa é um veículo transportador que fornece água para consumo humano, classificado como uma solução alternativa coletiva

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Encanador. 4) Número de Aulas: O trabalho será realizado em cinco etapas, divididas em aulas a critério do professor. Encanador 1) Objetivos Gerais Aprofundar os conhecimentos sobre o profissional que tem como um dos focos de trabalho a água e o saneamento básico, assim como problemas que podem ocorrer quando houver sinistros

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DO DESTILADOR DE ÁGUA

PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DO DESTILADOR DE ÁGUA PROCEDIMENTOS PARA UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DO DESTILADOR DE ÁGUA Daniele de Almeida Miranda, Gilvan Takeshi Yogui Para fins de referência, este documento pode ser citado como: Miranda, D.A.; Yogui, G.T.

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

APOSTILA : TRATAMENTO DE PISCINA

APOSTILA : TRATAMENTO DE PISCINA APOSTILA : TRATAMENTO DE PISCINA Trat Bem Piscinas sempre pensando em você! TRATAMENTO DE PISCINA Introdução Para manter a água da piscina limpa e saudável é necessário que seja feito dois tipos de tratamento

Leia mais

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas

Guia de Soluções EcoWin Soluções Ecológicas Guia de Soluções Problemas & Soluções Este manual técnico traz exemplos de situações que surgiram durante a instalação e operação dos sistemas URIMAT no país ou no exterior nos últimos anos. A seguir,

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS 3ª AUDIÊNCIA PÚBLICA - Propostas para o Esgotamento Sanitário - Sistema de Informações em Saneamento Responsabilidades da Concessionária: - Realizar o

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas:

Tratamento de Água. Numa estação de tratamento de água, o processo ocorre em etapas: Tratamento de Água Definição Tratamento de Água é um conjunto de procedimentos físicos e químicos que são aplicados na água para que esta fique em condições adequadas para o consumo, ou seja, para que

Leia mais

GELALCOOL START 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

GELALCOOL START 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Versões: CRISTAL, EUCALIPTO e LAVANDA. Nome da empresa: Lima & Pergher Indústria Comércio e Representações Ltda. Endereço: Avenida Airton Borges

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS MANUAL DE COLETA DE AMOSTRAS Rua: Victor Sopelsa, nº 3000 Bairro Salete E-mail: sac-lableite@uncnet.br Fone: (49) 3441-1086 Fax: (49) 3441-1084 Cep: 89.700-000 Concórdia Santa Catarina Responsável /Gerente

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Este produto é uma composição de cargas minerais. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO UT-X FE POWDER CÓDIGO FISPQ-1616 REVISÃO 0 EMISSÃO 14/08/2012 APROVAÇÃO 14/08/2012 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

Amostragem e Preparação de Amostras para Análises Ambientais.

Amostragem e Preparação de Amostras para Análises Ambientais. Amostragem e Preparação de Amostras para Análises Ambientais. Palestrantes: Eng a. Quím.. Marina Gracinda Modesto Msc. Quím.. Ind. Stefan Klaus Lins e Silva Programa Objetivos da Amostragem Levantamento

Leia mais

CONTATO TELEFONE: (47) 3377 1323 / (47)3377 1657 E-mail: lg.controledaqualidade@hotmail.com ou lgindustriaquimica@hotmail.com M.S. 3.

CONTATO TELEFONE: (47) 3377 1323 / (47)3377 1657 E-mail: lg.controledaqualidade@hotmail.com ou lgindustriaquimica@hotmail.com M.S. 3. Pág. 1 de 9 SEÇÃO 1 - Identificação do produto e da empresa NOME DO PRODUTO SUPER ATIVADO LG NOME DO FABRICANTE LG INDÚSTRIA QUÍMICA LTDA ME ENDEREÇO RODOVIA SC 413 km 12 RIO DO PEIXE LUIS ALVES - SC CEP

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO

MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO MANUAL BÁSICO DE TRATAMENTO QUÍMICO O Tratamento Químico e fundamental para deixar a água da piscina saudável, limpa e cristalina. Você necessita medir, inicialmente, três parâmetros: Alcalinidade Total,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança do Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança do Produto Químico 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO... HTH Avaliar Elevador de Alcalinidade NOME DA EMPRESA... Arch Química Brasil Ltda. ENDEREÇO... Av. Brasília,nº 1500 Jd. Buru Salto-SP TELEFONE

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

PRIMER MASTER UNIVERSAL

PRIMER MASTER UNIVERSAL FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS PRIMER MASTER UNIVERSAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Técnico e Comercial Nome Técnico e Comercial: Primer Anticorrosivo Master

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

DETERGENTE LIMPA PISO SANDOMIS Detergente de Uso Geral para Pisos

DETERGENTE LIMPA PISO SANDOMIS Detergente de Uso Geral para Pisos Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DETERGENTE LIMPA PISO SANDOMIS Detergente de Uso Geral para Pisos 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1

1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 Política de Resposta a Emergência Ambiental Versão 1 Data 09/2014 SUMÁRIO 1 OBJETIVO DA POLÍTICA... 1 2 DESCRIÇÃO DA POLÍTICA... 1 2.1 O QUE É UM DERRAMAMENTO?... 1 2.2 QUE TIPOS DE DERRAMAMENTOS EXISTEM?...

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Este documento tem como objetivo definir diretrizes e orientações para projetos de laboratórios de Sistemas de Tratamento de Água. Considerações iniciais Para estabelecimentos

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Eletrolítica 1.400 µs/cm

Eletrolítica 1.400 µs/cm 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Material de Referência Certificado Solução de Condutividade Nome do produto: Eletrolítica 1.400 µs/cm Código de serviço: 8844 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS

Instituto do Meio Ambiente ESTADO DE ALAGOAS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS DOCUMENTAÇÃO PARA POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NOVOS LICENÇA PRÉVIA - Documentação necessária 1. Requerimento Padrão definido pelo IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Cadastro do empreendimento, definido

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

Dupla ação Além de limpador é um excelente renovador de brilho, em especial de ceras lustráveis.

Dupla ação Além de limpador é um excelente renovador de brilho, em especial de ceras lustráveis. Optimum Floral Detergente Limpa Pisos Eficiente e prático Possui em sua formulação detergentes e ceras que possibilitam realizar em uma só operação a limpeza e conservação de pisos / acabamentos. Versatilidade

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE ÁGUA E AMOSTRAS AMBIENTAIS Sistema Único de Saúde Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde Laboratório Central de Saúde Pública Código do Documento Cópia Controlada Nº MANUAL 1/8 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA DE

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos.

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO. Preparado: Yes Este produto é uma composição de óleos lubrificantes e aditivos. FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA SOBRE PRODUTO QUÍMICO Accu-Lube LB-4500 CÓDIGO FISPQ-0505 REVISÃO 3 EMISSÃO 27/12/2010 APROVAÇÃO 27/12/2010 Page 1 of 5 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços

INSTRUÇÃO NORMATIVA. Assunto: Procedimentos para Tamponamento de Poços IN-2/06 Outubro/26 1/6 1. OBJETIVO Esta Instrução Normativa em sua primeira versão visa definir procedimentos genéricos para desativação de poços tubulares que tenham sido abandonados por qualquer motivo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

- Endereço: Av. Engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza Nº. 1137. - E-mail: policlean@uol.com.br Site: www.policlean.com.br

- Endereço: Av. Engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza Nº. 1137. - E-mail: policlean@uol.com.br Site: www.policlean.com.br DE PRODUTO QUIMICO - FISPQ INDÚSTRIA QUIMICA LTDA Nome do Produto: ALGICI FISPQ nº: TP 001 LGICIDA OIRAD Aut. Funcionamento M.S. nº: 300.304-6 Página 1 de 8 Data da última revisão:16/9/2010 1. Identificação

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 FISPQ NRº. 005 1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Comercial : Estabilizador de ph Sinônimo: Bicarbonato Ácido de Sódio N CAS: 144-55-8 Nome da Empresa:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água

1 Boas Práticas de Utilização 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água 2 Conteúdos 1 Boas Práticas de Utilização... 1.1 Normas de Qualidade Higiene e Ambiente - Água... 1.2 Normas de Segurança... 1.3 Recomendações de Ergonomia... 1.4 Normas de Utilização... 2 Resolução de

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 1/11 FISPQ NRº. 024 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: - Nome do Produto: Sulfato de Alumínio - Nome químico comum: Sulfato de Alumínio - Código Interno de Identificação do Produto: Sulfato de Alumínio

Leia mais

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto :

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto : Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : LIMPA- PEDRAS Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. Telefone FAX: (11) 2632-7070

Leia mais

Recebendo seus Alevinos

Recebendo seus Alevinos Recebendo seus Alevinos 1. Cuidados contra entrada e saída de peixes no viveiro O primeiro cuidado a ser tomado é a prevenção da entrada de peixes predadores nos viveiros. É possível fazer isso, protegendo

Leia mais

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06

COLETA DE AMOSTRA 01 de 06 01 de 06 1. PRINCÍPIO Para que os resultados dos métodos de análise expressem valores representativos da quantidade total de substância disponível, é imprescindível recorrer a técnica de coleta definida

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais