Design is not just what it looks like and feels like. Design is how it works. Steve Jobs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design is not just what it looks like and feels like. Design is how it works. Steve Jobs"

Transcrição

1 Construindo um Cloud Rodrigo Albani de Campos Design is not just what it looks like and feels like. Design is how it works. Steve Jobs Indice Indice... 1 Resumo... 2 Um pouco de história... 2 Por que agora?... 3 A tecnologia... 3 O mercado... 4 Características da Nuvem... 5 Construindo um Cloud... 6 A Rede... 6 Os Dados... 8 A Virtualização Orquestração e Gerência Conclusão e Considerações Construindo um Cloud 1

2 Resumo O assunto mais comentado no mercado da tecnologia da informação recentemente é o Cloud Computing, ou Computação em Nuvem. Muito se fala sobre o consumo de TI como um serviço nesse novo modelo de negócio, mas o que é de fato a Nuvem e como ela é construída? Esse artigo pretende desmistificar o que existe por trás de um serviço de nuvem, mostrar quais as principais tecnologias utilizadas e ajudar a entender o que precisa ser levado em consideração na contratação de um serviço com o objetivo de garantir a maior aderência possível entre a demanda de negócio e a oferta contratada. Além disso, o artigo sedimenta alguns conceitos sobre Cloud, os diversos modelos de serviço e entrega e principais características. Um pouco de história A ideia básica da computação em nuvem é a habilidade de um ou mais sistemas integrados em oferecer capacidade de computação e armazenamento distribuídos para um conjunto heterogêneo de usuários finais, permitindo assim que a capacidade computacional seja oferecida como um serviço. Conceitualmente, assemelha-se a como consumimos energia elétrica ou água. A possibilidade de um dia a computação ser consumida dessa forma foi proposta originalmente por John McCarthy 1 em um discurso realizado em 1961 no MIT, quando os primeiros sistemas de compartilhamento de tempo estavam sendo desenvolvidos naquela universidade. If computers of the kind I have advocated become the computers of the future, then computing may someday be organized as a public utility just as the telephone system is a public utility... The computer utility could become the basis of a new and important industry. John McCarthy Esses sistemas foram base para a evolução da computação como conhecemos hoje, já que permitiam que um único sistema computacional operasse de forma compartilhada, como se fosse capaz de realizar mais de uma operação ao mesmo tempo. Em meados da década de 70, o conceito de distribuição de processamento e armazenamento foi previsto por outros pioneiros da ciência da computação como Grace Hooper 2, conforme podemos ler no livro de Russel McGee, My Adventure with Dwarfs: A Personal History in Mainframe Computers 3. O autor chama a atenção para o fato de Hooper, já naquela época, acreditar que grandes computadores seriam substituídos por diversas máquinas de diferentes tamanhos e Construindo um Cloud 2

3 capacidades conectadas por uma rede. Qualquer usuário em qualquer nó da rede poderia se comunicar com outras máquinas e outros usuários em outros nós, assim como poderia ter acesso a dados em qualquer banco de dados conectado na rede desde que tivesse permissão para isso. Ao longo dos anos o conceito de multitarefa e de compartilhamento de tempo se solidificou e virou comum, porém a tecnologia que permitiu a difusão do conceito de nuvem se não se consolidou até meados dos anos 2000 com o estouro das dot-com. O gráfico a seguir representa o processo evolutivo da computação ao longo dos anos até a atualidade. Figura 1 - Evolução de Sistemas de Computadores Por que agora? O Cloud Computing, assim como acontece com outras tecnologias, desponta agora como resultado de dois fatores: a disponibilidade tecnológica e a demanda do mercado. A tecnologia É a tecnologia que torna esse modelo computacional viável. Em particular, a disponibilidade e ubiquidade de rede de alta velocidade por um custo aceitável permite que serviços computacionais sejam distribuídos em escala global. Construindo um Cloud 3

4 Andy Grove 4, cofundador e CEO da Intel de 1987 até 1998, desenvolveu sobre a disponibilidade de banda de rede em um discurso em 1988: If you are amazed by the fast drop in the cost of computing power over the last decade, just wait till you see what is happening to the cost of bandwidth. Andrew Grove De forma semelhante, em 1994, Bill Gates afirmou em um artigo da PC Magazine que em uma década teríamos banda infinita. O fato é que a rede acaba sendo o amálgama que une os componentes da nuvem. Sem o advento das redes de grande capacidade, estáveis e com um custo aceitável, a nuvem como concebemos hoje não seria possível. Outro avanço fundamental foi o amadurecimento e popularização das tecnologias de virtualização. Apesar de não serem novas, essas tecnologias estavam anteriormente disponíveis apenas em equipamentos de grande porte e complexidade. Apesar de a virtualização não ser um fator preponderante, já que muitas arquiteturas na nuvem são baseadas em componentes multiusuários não necessariamente virtualizados, a habilidade de segmentar a infraestrutura facilita a adoção e o desenvolvimento na nuvem. O mercado Se por um lado a tecnologia que permite a computação em nuvem evoluiu e se tornou amplamente disponível, o mercado apresentou em contrapartida a demanda por um modelo de consumo de computação sem precedentes. Uma teoria que sumariza de forma eficiente essa demanda é a do Redshift 5, que posiciona o mercado em duas situações opostas. De um lado estão as empresas cuja demanda computacional é ultrapassada pela tecnologia disponível, ou seja, que potencialmente desperdiçam recursos ou que não tem capacidade de consumir tudo o que lhes é oferecido. Essas empresas, pelo que prega a teoria, estariam em decaimento para o azul, ou em Blueshift. Considerando a alta ociosidade observada em vários Datacenters pode-se assumir que a maioria das empresas se encontra nesse espectro. De outro lado, temos empresas cuja demanda ultrapassa, em alguns casos em várias ordens de magnitude, a capacidade computacional que pode ser entregue em um único equipamento, não importa o quão grande seja o mesmo. Para estas empresas, diz-se que estão em decaimento para o vermelho, ou Redshift. Um exemplo clássico de redshift foi a crise observada pelo ebay em 1999, quando a maior máquina Sun disponível não era capaz de atender a demanda computacional do banco de dados principal do site de leilões Construindo um Cloud 4

5 By November 1999, the database servers approached their limits of physical growth Randy Shoup and Dan Pritchett SD Forum Apesar de atualmente termos máquinas com muito mais capacidade do que em 1999, a realidade é que empresas de escala web não teriam como centralizar o processamento ou o armazenamento de seus dados em um único equipamento, a exemplo do que ocorreu com o ebay em Curiosamente, as soluções para os problemas de blueshift e redshift são as mesmas, e permeiam quatro fatores fundamentais: 1. Distribuição do tráfego 2. Elasticidade instantânea 3. Escalabilidade de processamento 4. Escalabilidade de armazenamento Não por coincidência, essas são características que encontramos no conjunto de tecnologias que chamamos hoje de Cloud Computing. Características da Nuvem Devido a grande repercussão de mercado da computação em nuvem, o termo acabou sendo pervertido e utilizado de forma até exagerada. Praticamente qualquer recurso computacional oferecido fora das instalações do cliente hoje em dia carrega o termo nuvem ou cloud em seu nome. O que define então, de forma descomprometida, a computação em nuvem? O National Institute of Standards and Technology (NIST) oferece um conjunto de cinco características que procuram definir o que é um serviço de computação em nuvem 7. Apesar de a definição ser considerada incompleta por muitos, é bastante concisa e define uma referência que vem se tornando padrão para o mercado. Essas características são: Auto-Serviço Sob Demanda: Um cliente pode de forma unilateral provisionar capacidade computacional, como por exemplo, tempo de processamento de um servidor ou armazenamento de dados na rede, conforme a sua necessidade e sem precisar de interação humana com um ou mais provedores de serviço. Acessibilidade ubíqua pela rede: Os recursos estão disponíveis pela rede e podem ser acessados através de mecanismos padrão que viabilizam o seu uso por plataformas heterogêneas e de portes distintos. Compartilhamento de recursos: Os recursos computacionais do provedor são compartilhados de forma que sirvam a múltiplos clientes usando um modelo multi Construindo um Cloud 5

6 locatário (multi-tenant), com recursos físicos e virtuais sendo dinamicamente alocados e redistribuídos conforme a demanda do cliente. Existe uma sensação de independência de localidade de tal forma que o cliente geralmente não controla ou desconhece exatamente a posição exata dos recursos provisionados, apesar de poder determinar a localidade em um nível mais abstrato (país, estado ou datacenter). Exemplos de recursos incluem armazenamento de dados, processamento, memória e largura de banda de rede. Elasticidade rápida: A capacidade contratada pode ser provisionada e devolvida de forma elástica, em alguns casos até mesmo automaticamente, para rapidamente escalar para mais ou menos conforme a demanda. Para o cliente, a capacidade disponível é virtualmente ilimitada e pode ser ajustada em qualquer quantidade e em qualquer momento. Serviço mensurável: Sistemas em nuvem automaticamente controlam e otimizam a utilização de recursos através do uso de mecanismos de métricas em um nível de abstração apropriado para o tipo de serviço (exemplos incluem armazenamento, processamento, largura de banda de rede e número de contas ativas). A utilização de recursos pode ser monitorada, controlada e registrada, oferecendo transparência tanto para o provedor quando para o consumidor do recurso utilizado. Construindo um Cloud A construção de uma infraestrutura de nuvem deve ser alinhada com objetivos e requisitos claros. Essas demandas variam de acordo com o cenário que se pretende atacar, porém alguns componentes são onipresentes por se fazerem necessários para que a solução ofereça todas as características de um ambiente de nuvem. A Rede Seja qual for a solução ou stack adotado para a construção da nuvem, um componente básico e essencial para a sua construção é a rede. De fato, devido à natureza compartilhada e heterogênea da nuvem, a rede é um dos fatores críticos de sucesso para garantia da estabilidade e segurança dos serviços que serão hospedados na mesma. Esta ainda é uma área que vem se consolidando e ainda não existe de fato um padrão. Os fatores que devem ser considerados para a escolha da solução ou de um fornecedor são: Capacidade de isolar máquinas virtuais de tal forma que uma não possa enxergar o tráfego da outra Capacidade de impedir que uma máquina assuma inadvertidamente o endereçamento de outra, independente de camada Capacidade de proteger componentes de roteamento do sistema de colisões de endereçamento propositais ou não feitas pelos usuários da nuvem Construindo um Cloud 6

7 Capacidade de criar redes privadas isoladas entre máquinas de um mesmo domínio ou cliente Capacidade de criar redes privadas isoladas mantendo o endereçamento da rede privada do cliente (essencial para a criação de nuvens híbridas) Capacidade de limitar o volume de tráfego da máquina virtual Capacidade de contabilizar o volume de dados trafegado para casos em que a bilhetagem seja feita considerando essa métrica Capacidade de oferecer recursos de firewall e demais proteções contra ataques Escalabilidade para atender ao novo paradigma, onde a quantidade de redes lógicas é muito maior Tecnologias relevantes Recentemente uma série de tecnologias vem sendo apresentadas com o objetivo de resolver os desafios da computação em nuvem. Essa lista não é uma compilação completa das tecnologias que vem despontando no mercado, mas pretende esclarecer alguns termos que tem se tornado comum nas discussões sobre o assunto. VXLAN Uma das maneiras mais tradicionais e difundidas de fazer o isolamento de redes é o IEEE 802.1Q VLAN 8. Esse padrão define entre outras coisas um método para a rotulagem de segmentos de rede com um identificador de 12 bits, permitindo dessa forma a segmentação lógica de uma rede em 4096 blocos isolados. O problema é que em arquiteturas de nuvem multi-tenant esse limite muitas vezes é ultrapassado, fazendo necessária a criação de um novo padrão. Um grupo de fornecedores incluindo Cisco, VMWare, Citrix e Red Hat propuseram então um novo padrão chamado VXLAN (Virtual extensible LAN) que utiliza um identificador de segmento de 24 bits, permitindo assim a criação de mais de 16 milhões de segmentos distintos, um valor muito mais adequado para a nova realidade dos ambientes de nuvem. Além disso, o protocolo propõe um encapsulamento IP utilizando UDP, o que permite que a LAN seja estendida em camada 3. OpenFlow O OpenFlow 9 vem sendo apresentado como uma evolução para as arquiteturas tradicionais de redes, propondo um modelo que visa atender a necessidade de oferecer a capacidade de programar uma rede de forma análoga ao que se faz com sistemas operacionais de servidores. De grosso modo, em uma arquitetura de rede tradicional as camadas de controle (control plane) e de tráfego (data plane) ficam no mesmo equipamento, a arquitetura OpenFlow Construindo um Cloud 7

8 permite a separação dessas camadas de tal forma que as tomadas de decisão sobre roteamento, permissões e controles fiquem em um equipamento diferente daquele por onde o tráfego passa, conforme o diagrama seguinte pretende demonstrar. Figura 2 - Diagrama Simplificado do OpenFlow Os Dados Quando tratamos dos dados na nuvem se faz necessário esclarecer de quais tipos de dados estamos falando, já que o para cada um dos problemas existem uma ou mais soluções distintas. O primeiro ponto que deve ser esclarecido é sob qual modelo de serviço estamos oferecendo esses dados. Uma forma de oferecer dados é no conceito de IaaS (Infraestrutura como serviço), em que a grosso modo estamos falando de virtualização da infraestrutura de storage. Nesse modelo, em geral, estamos falando em oferecer um dispositivo de bloco, como um disco ou uma unidade lógica. Outra forma de oferecer dados é no conceito de PaaS (Plataforma como infraestrutura). Nesse modelo o acesso aos dados é garantido por uma API ou SDK, que permite o desenvolvimento ou integração de componentes de software que acessam uma plataforma que oferece capacidades de armazenamento de dados. Dentro desses dois modelos de serviço, podemos caracterizar os dados como: Dados do usuário o Dados dos usuários que devem ser compartilhados entre várias máquinas ou serviços na nuvem o Dados dos usuários que são privados dentro do contexto da máquina ou do serviço e não devem ser compartilhados Dados do provedor de infraestrutura o Backups mantidos para recuperação de desastre o Dados necessários para aprovisionamento dos serviços (imagens, templates) Construindo um Cloud 8

9 o o Áreas de transferência e retenção para controle do ciclo de vida dos serviços Dados de monitoramento e orquestração da nuvem Cada uma dessas categorias traz desafios que precisam ser mitigados durante a construção do ambiente. Para os dados do usuário, os principais pontos de atenção são: Isolamento dos recursos de dados de tal forma que seja possível oferecer garantias de desempenho e qualidade de serviço para o acesso aos dados Proteção contra acessos não autorizados aos dados do usuário Havendo necessidade, a capacidade de oferecer criptografia dos dados Desempenho constante e estável no acesso aos dados Capacidade de estender os volumes oferecidos Havendo necessidade, a capacidade de compartilhar os dados entre diversas máquinas virtuais ou serviços mediante permissão concedida pelo usuário Tecnologias relevantes De forma análoga ao que observamos em redes, a área de armazenamento de dados tem se desenvolvido para atender ao novo paradigma. Os modelos tradicionais de SAN não se adaptam a todo o tipo de instalação em nuvem e inclusive na grande maioria dos fornecedores de Cloud público esse modelo sequer é utilizado. Storage Area Networks As Storage Area Networks (SAN) são utilizadas frequentemente em nuvens privadas, onde as cargas de trabalho são conhecidas e geralmente previsíveis, e em ambientes onde a responsabilidade pela alta disponibilidade do sistema não está embarcada no software, dependendo, portanto de uma infraestrutura que permita, por exemplo, a movimentação de cargas de trabalho entre diferentes servidores sem parada na aplicação. Como esse tipo de movimentação exige uma área de troca de dados comum entre diversos servidores da nuvem o modelo de SAN se mostra eficiente. Alguns fabricantes disponibilizam inclusive uma integração entre a camada de gerencia da nuvem e os equipamentos de storage, permitindo assim que operações intensivas de acesso aos dados sejam gerenciadas diretamente pelo subsistema de discos, minimizando a carga de gestão do orquestrador. Um exemplo disso é o VAAI 10 da VMWare. Em contrapartida, a utilização de uma SAN e a consolidação das máquinas virtuais em poucos ou em um único equipamento pode ser crítica em cenários com milhares de máquinas virtuais ou serviços, onde uma eventual falha ou até mesmo uma manutenção programada pode fazer com que toda ou grande parte da nuvem fiquem indisponíveis. 10 Construindo um Cloud 9

10 Outro ponto relevante ao se considerar uma SAN é o custo, em geral mais alto do que soluções menos sofisticadas para o armazenamento de dados. Esse custo se reflete tanto em equipamento quanto na operação do sistema, que demanda profissionais com um maior nível de expertise. Direct-Attach Storage Os sistemas de disco diretamente conectados (DAS) foram por muitos tempos desconsiderados ou menosprezados em meios corporativos onde eram considerados pouco confiáveis ou menos flexíveis do que as Storage Area Networks ou mesmo os sistemas de Network Attached Storage (NAS). Recentemente, porém, o advento de sistemas distribuídos mais sofisticados e também o avanço nas tecnologias de virtualização fizeram com que as empresas passassem a reconsiderar a utilização de subsistemas de disco diretamente conectados nos servidores, sem a necessidade de uma rede para a interconexão e compartilhamento desses dados. O aumento na confiabilidade dos discos e a disponibilidade ubíqua de controladoras RAID também contribuíram para que o DAS perdesse a reputação de baixa disponibilidade. Além disso, as configurações de nuvem pública fazem com que seja interessante a redução da abrangência do impacto em caso de falhas, com uma distribuição e separação dos pontos únicos de falha entre centenas e até mesmo milhares de servidores. Dessa forma, se assume como aceitável a perda temporária de um conjunto reduzido de máquinas ou serviços virtuais, pois as arquiteturas de sistemas utilizadas na camada de aplicação estariam prontas para automaticamente transferir essa carga para outro servidor. Object Storage Outra classe de dispositivos para o armazenamento de dados que tem se tornado bastante popular são os Dispositivos para Armazenamento de Objetos (OSD). Essa categoria de sistemas e equipamentos se diferencia dos sistemas tradicionais ao oferecer o acesso aos dados de forma mais abstrata, com acesso oferecido geralmente por uma API ou SDK, e oferecendo recursos sofisticados como controle de ciclo de vida, replicação, deduplicação, distribuição geográfica do dado e controles de compartilhamento. Uma característica frequentemente encontrada nos sistemas de Armazenamento de Objetos é a utilização de um subsistema de disco de baixo custo, com mecanismos de replica e proteções implantadas via software. A escalabilidade se dá de forma horizontal, ou seja, com a adição de novos servidores no sistema. O projeto OpenStack 11 oferece um típico sistema de Armazenamento de Objetos dentro do seu stack. 11 Construindo um Cloud 10

11 Deduplicação de dados Os sistemas de armazenamento modernos tem oferecido uma tecnologia chamada de deduplicação, que oferece uma potencial economia no consumo líquido de storage através da não duplicação de dados que são idênticos independentes do proprietário. Um exemplo típico são os arquivos do sistema operacional das máquinas virtuais, que em geral são iguais e permanecem inalterados na maioria das máquinas. O racional é que não faz sentido ocupar mais de um bloco de storage para armazenar dados que são comuns entre si. Apesar de a tecnologia ser mais eficiente em ambientes com grandes volumes compartilhados, típicos das SAN e dos Object Storages, o mesmo vem sendo aplicado e aproveitado com ganhos significativos mesmo em instalações relativamente pequenas, características dos sistemas de discos diretamente conectados. As vantagens da deduplicação trazem um pênalti em termos de consumo de processamento e memória, e em alguns casos também existe uma perda de desempenho. Um dos sistemas de arquivos responsáveis pela popularização do uso de deduplicação é o ZFS, que oferece essa capacidade nativa desde Outubro de A Virtualização Atualmente a virtualização é praticamente onipresente no desenvolvimento de soluções de computação em nuvem, sendo em alguns casos confundida com o próprio conceito de nuvem. Uma maneira mais correta de ver a virtualização é entender ela como um grande facilitador, porém é importante compreender que por si só ela não é capaz de entregar todas as vantagens desse novo paradigma. Alguns outros componentes lógicos são fundamentais, como por exemplo, a automação e orquestração do ambiente. Breve história da virtualização A tecnologia de virtualização teve o começo de seu desenvolvimento muito próximo das tecnologias de multitarefa e compartilhamento de tempo. Esses avanços na ciência da computação foram contemporâneos na década de 1960 e tiveram como precursores sistemas derivados do CP-40, um sistema operacional desenvolvido pela IBM para seus primeiros mainframes. Um dos frutos do CP-40 foi CP-67/CMS, que viabilizava o compartilhamento de tempo em Sistemas IBM Construindo um Cloud 11

12 Figura 3 - IBM S/360 Na década de 1980 a Locus Computing Corporation 13 apresentou alguns dos primeiros sistemas de virtualização para plataforma 80286, permitindo a execução de aplicativos MS- DOS como guests em um sistema Unix System V. No final da década de 90 a VMWare passou a oferecer uma série de sistemas que permitiam a virtualização em máquinas x86 e em 2003 foi lançado o primeiro sistema de virtualização de código aberto, o Xen 14. Tipos de Virtualização A virtualização de sistemas é dividida em três categorias: Virtualização Total Virtualização Parcial Paravirtualização Simulação completa da camada de hardware, permitindo que o sistema operacional e os aplicativos sejam utilizados com pouca ou nenhuma modificação. Nem todos os componentes da máquina hospedeira são simulados no ambiente virtualizado, fazendo com que sejam necessárias alterações para a migração de algumas aplicações para esse ambiente. Não existe uma simulação da camada de hardware, mas sim uma divisão em domínios ou partições lógicas com recursos e capacidade isoladas. Em geral exige que os aplicativos e sistemas sejam desenvolvidos especificamente para o ambiente onde serão Construindo um Cloud 12

13 executados. Tecnologias Relevantes Como peça fundamental de diversas implantações de nuvem, a camada de virtualização vem evoluindo e oferecendo recursos cada vez mais avançados. Entre esses recursos alguns são extremamente relevantes para a definição de uma arquitetura de nuvem. Isolamento de recursos Mesmo em sistemas que oferecem virtualização total, muitas vezes não existe um isolamento de recursos que garanta aos sistemas uma parcela fixa e predeterminada dos recursos da máquina física. Isso pode fazer com que eventualmente um dos usuários do sistema consuma recursos em excesso, causando impacto no desempenho das outras máquinas hospedadas no mesmo equipamento. Esse comportamento é muitas vezes chamado de neighbouring effect, que em tradução livre expressa o impacto das máquinas vizinhas no comportamento de outras máquinas. Tais eventos são especialmente críticos em ambientes de nuvem pública, onde existe pouco ou nenhum controle sobre a utilização de recursos por parte de usuários que compartilham o mesmo equipamento. Atualmente o isolamento de memória e processamento já é algo resolvido na maioria dos hypervisors, porém o controle de acesso aos subsistemas de disco ainda é deficitário na maioria dos ambientes de nuvem compartilhado, principalmente quando o subsistema de discos está conectado através de redes não especializadas, como por exemplo, em NAS ou até mesmo em iscsi. Frequentemente o que se encontra em ambientes de nuvem é a distribuição de recursos de acesso aos dados por fair share, ou seja, se entende que os recursos serão distribuídos de forma homogênea entre as máquinas virtuais de acordo com a capacidade de cada uma delas de gerar demanda, sem que haja garantia nenhuma da capacidade entregue. O Cloud do UOL Host procura resolver essa questão através de mecanismos de controle que garantem níveis de desempenho alinhados com a capacidade do plano contratado. Overcommit de memória O overcommit é a capacidade do hypervisor de entregar para as máquinas virtuais hospedadas uma quantidade de memória que em sua totalidade excede a própria capacidade da máquina física. A motivação para o uso dessa tecnologia é a capacidade de aumentar a concentração de máquinas virtuais em um mesmo servidor, permitindo assim um melhor aproveitamento do equipamento. Isso é feito através de um conjunto de tecnologias que pode ser transparentes ou não para os sistemas que rodam nas máquinas virtuais: Construindo um Cloud 13

14 Transparent Page Sharing: O TPS é similar ao conceito de deduplicação de dados, porém se aplica na memória volátil ao invés dos dados em disco. Como algumas páginas de memória de máquinas virtuais distintas podem armazenar conteúdo idêntico, o hypervisor cria uma tabela de referência para essa página de memória indicando que duas ou mais máquinas virtuais tem o mesmo dado e mantém apenas uma página alocada na memória real que é compartilhada entre as máquinas virtuais. O TPS não depende de nenhuma modificação ou driver instalado nas máquinas virtuais, ele atua de forma transparente. Ballooning: O ballooning é uma técnica que permite que o sistema operacional que roda na máquina virtual notifique ao hypervisor a sua demanda real de memória, possibilitando que a memória física seja alocada dinamicamente de acordo com as necessidades do ambiente. Essa técnica depende de um driver específico instalado no sistema operacional da máquina virtual e consequentemente depende de um suporte específico para que possa ser utilizado. Swapping: Da mesma forma que um sistema operacional pode usar uma área de swap para armazenar em disco páginas de memória não utilizadas, o hypervisor pode aplicar a mesma técnica para fazer com que áreas de memória com utilização pouco frequente sejam retiradas da memória física e transportadas para uma área de swap. Essa técnica também é transparente para o sistema operacional da máquina virtualizada, porém pode trazer um pênalti de desempenho quando sua utilização for muito frequente ou em casos em que o overcommit ultrapassar uma taxa de concentração razoável. Thin Provisioning O thin provisioning consiste em um recurso frequentemente oferecido tanto pelos subsistemas de disco quanto pelos hypervisors, e em resumo é a entrega de um volume de dados lógico de um tamanho maior do que o que foi efetivamente alocado no disco físico. Isso faz sentido já que em muitos casos o usuário não utiliza de fato a capacidade total de disco que foi oferecida no plano contratado, porém pode ser um problema critico em ambientes de nuvem pública onde o comportamento do conjunto de usuários é imprevisível e muitas vezes o aumento da capacidade de disco no servidor não é possível. Snapshot Diversos hypervisors oferecem a capacidade de gerar um snapshot (fotografia) da máquina virtual. Essa fotografia persiste o estado atual da máquina virtual, de sua memória volátil e de seus dispositivos de armazenamento de tal forma que é possível recuperar essa condição no futuro. Esse recurso difere de um procedimento tradicional de backup já que na maioria dos casos não é possível fazer uma recuperação pontual de um arquivo ou diretório, sendo necessária a recuperação completa do ambiente para que se extraia um dado específico. Construindo um Cloud 14

15 Uma utilização típica do recurso de snapshot é para a realização de backups de emergência antes de uma manutenção no ambiente ou alterações no sistema operacional, como a instalação de uma atualização de segurança por exemplo. Orquestração e Gerência Provavelmente o campo mais indefinido dentro do universo da computação em nuvem são as camadas de orquestração e gerência. Uma série de soluções e iniciativas vem sendo apresentadas, porém a maioria delas acaba sendo enviesada para atender um Hypervisor ou um ambiente específico, tornando a solução especializada em, por exemplo, nuvens públicas ou privadas. Muitas vezes é necessário construir a camada de orquestração e gerência do zero, principalmente em ambientes públicos onde frequentemente se encontra uma grande diversidade de componentes e fornecedores de soluções e não existe um orquestrador capaz de contemplar todas as tecnologias envolvidas na construção do ambiente. Entre as funções normalmente encontradas em um orquestrador para ambientes de computação em nuvem, identificamos frequentemente as seguintes características: Controle e gestão do aprovisionamento de máquinas virtuais dentro dos clusters de servidores, incluindo a distribuição para melhor aproveitamento do hardware instalado. Controle e gestão da instalação do sistema operacional e pacotes básicos de software nas máquinas virtuais. API para comunicação da camada de orquestração com as interfaces de controle do sistema para o usuário final API para comunicação da camada de orquestração com ferramentas de gestão do ambiente de nuvem Agendamento e controle de operações para manutenção do ambiente Integração com sistemas heterogêneos e hypervisors distintas Conclusão e Considerações Por mais que hoje existam diversas nuvens prontas, qualquer instalação um pouco mais sofisticada provavelmente exigirá a integração de componentes não previstos na concepção original do ambiente. Além disso, compreender os sistemas e tecnologias envolvidos na construção de um ambiente de nuvem pode ajudar na escolha da solução correta e também facilitar o entendimento de comportamentos e situações decorrentes do uso do ambiente em nuvem. Como referência, o diagrama final de um ambiente de nuvem, com todos os sistemas devidamente acoplados seria o seguinte: Construindo um Cloud 15

16 Figura 4 - Diagrama de uma nuvem Vale frisar que diferentes problemas exigem diferentes soluções e que devido ao ritmo de evolução da tecnologia envolvida com a computação em nuvem é necessária uma atualização constante. O UOL Host mantém seu compromisso de se manter na vanguarda da tecnologia ao oferecer artigos e informações relevantes para o mercado e para os seus clientes. Esse mesmo compromisso é aplicado em seus produtos e serviços. Construindo um Cloud 16

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 1 Conceitos da Computação em Nuvem A computação em nuvem ou cloud computing

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve

Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Proteção de ambientes Citrix XenServer com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura maneiras

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE COMPUTAÇÃO EM NUVEM: UM FUTURO PRESENTE Andressa T.R. Fenilli 1, Késsia R.C.Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil andressa.trf@gmail.com, kessia@unipar.br Resumo. Computação em

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia

Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers. Juliano Simões. Diretor de Tecnologia Benefícios e processos relacionados à migração e servidores dedicados para cloud servers Juliano Simões Diretor de Tecnologia Agenda Comparar o modelo de servidor dedicado, orientado ao hardware, com os

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres

Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Como usar a nuvem para continuidade dos negócios e recuperação de desastres Há diversos motivos para as empresas de hoje enxergarem o valor de um serviço de nuvem, seja uma nuvem privada oferecida por

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Computação em Nuvem Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente Computadores

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 12 Computação em Nuvem Sumário Introdução Arquitetura Provedores

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer

A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer A computação na nuvem é um novo modelo de computação que permite ao usuário final acessar uma grande quantidade de aplicações e serviços em qualquer lugar e independente da plataforma, bastando para isso

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS

Cloud. Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não teve paciência para explicar. {/} CLOUD SOLUTIONS Cloud Computing: O que é. O que faz. As vantagens. E tudo o que um CEO precisa saber, mas o TI não

Leia mais

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade...

Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Continuidade de Negócio de TI O Sucesso da sua empresa também depende disso. Qual é sua necessidade... Reduzir custo de TI; Identificar lentidões no ambiente de TI Identificar problemas de performance

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Classificação::Modelo de implantação

Classificação::Modelo de implantação Classificação::Modelo de implantação Modelo de implantação::privado Operada unicamente por uma organização; A infra-estrutura de nuvem é utilizada exclusivamente por uma organização: Nuvem local ou remota;

Leia mais

O que é Cloud Computing?

O que é Cloud Computing? O que é Cloud Computing? Referência The Economics Of The Cloud, Microsoft, Nov. 2010 Virtualização, Brasport, Manoel Veras, Fev. 2011. 2 Arquitetura de TI A arquitetura de TI é um mapa ou plano de alto

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF 108 Segurança da Informação Computação em Nuvem Prof. João Henrique Kleinschmidt Introdução Centralização do processamento Surgimento da Teleinformática Década de 60 Execução de programas localmente

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

2 Computação na Nuvem

2 Computação na Nuvem 18 2 Computação na Nuvem 2.1 Definição A ideia essencial da computação na nuvem é permitir um novo modelo onde o consumo de recursos computacionais, e.g., armazenamento, processamento, banda entrada e

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos

Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos FOLHA DE PRODUTOS: CA AppLogic Plataforma na nuvem do CA AppLogic para aplicativos corporativos agility made possible O CA AppLogic é uma plataforma de computação na nuvem pronta para o uso que ajuda a

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION

UNIFIED. A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA. em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION UNIFIED A nova geração de arquitetura para proteger seus dados D TA em ambientes físicos ou virtuais de forma unificada PROTECTION RESUMO DA SOLUÇÃO UNIFIED DATA PROTECTION Incentivadas pelo crescimento

Leia mais

OpenStack. Cloud Software

OpenStack. Cloud Software OpenStack Cloud Software O que é o OpenStack? Concebido como um SO para a nuvem Todo em código aberto Infraestrutura de nuvem como serviço (IaaS) Nuvens públicas ou privadas Composto por um conjunto de

Leia mais

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7

14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 14/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação ORIGEM e Comunicações Departamento de Segurança da Informação e

Leia mais

GUIA DE DESCRIÇÃO DO PRODUTO

GUIA DE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GUIA DE DESCRIÇÃO DO PRODUTO EMC CLOUDARRAY INTRODUÇÃO Atualmente, os departamentos de TI enfrentam dois desafios de armazenamento de dados críticos: o crescimento exponencial dos dados e uma necessidade

Leia mais

Computação em Nuvem & OpenStack

Computação em Nuvem & OpenStack Computação em Nuvem & OpenStack Grupo de Pesquisa em Software e Hardware Livre Ação Computação em Nuvem: Charles Christian Miers André Rover de Campos Glauber Cassiano Batista Joinville Roteiro Definições

Leia mais

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD

DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD ARMAZENAMENTO DE DADOS MODULAR ARMAZENAMENTO DE DADOS DELL POWERVAULT SÉRIE MD Simplificação da TI O Dell série MD pode simplificar a TI, otimizando sua arquitetura de armazenamento de dados e garantindo

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III

Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Serviços em Nuvem: Oportunidade para Operadoras Parte III Este artigo introduz os conceitos de computação em nuvem, Cloud Computing, e a insere no contexto de mercado de serviços ao apresenta-la como uma

Leia mais

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage

Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Dez fatos inteligentes que você deve saber sobre storage Tendências, desenvolvimentos e dicas para tornar o seu ambiente de storage mais eficiente Smart decisions are built on Storage é muito mais do que

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ

TRIBUTAÇÃO NA NUVEM. Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ TRIBUTAÇÃO NA NUVEM Tax Friday 21 de outubro de 2011 AMCHAM - RJ PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS APLICÁVEIS 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS INTRODUÇÃO À

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Rivolta Cloud Backup

Rivolta Cloud Backup Rivolta Cloud Backup Apresentação O que é o cloud backup? Cloud backup ou backup na nuvem é a forma mais economica e segura de manter as informações da sua empresa segura e sempre atualizada, caso haja

Leia mais

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização

arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização arcserve Unified Data Protection Resumo da solução de virtualização Hoje a virtualização de servidores e desktops é uma realidade não só nas empresas, mas em todos os tipos de negócios. Todos concordam

Leia mais

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate

TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate TRIBUTAÇÃO NAS NUVENS Uma Regulação em Debate Workshop Divisão Tributária 18.04.2013 CIESP - CAMPINAS PROGRAMA 1. BREVE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2. PRINCIPAIS OPERAÇÕES E ASPECTOS TRIBUTÁRIOS POLÊMICOS

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Aluno: Tiago Castro da Silva

Aluno: Tiago Castro da Silva Faculdade Tecnodohms I Mostra de Ciência e Tecnologia Tecnologias de Virtualização para CLOUD COMPUTING Aluno: Tiago Castro da Silva CURSO: REDES DE COMPUTADORES A Computação evoluiu e Cloud Computing

Leia mais

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE)

SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) SISTEMA DE ARMAZENAMENTO (STORAGE) Possuir capacidade instalada, livre para uso, de pelo menos 5.2 (cinco ponto dois) TB líquidos em discos SAS/FC de no máximo 600GB 15.000RPM utilizando RAID 5 (com no

Leia mais

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO.

NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. NUVEM HÍBRIDA: DEIXE AS PREOCUPAÇÕES COM SEGURANÇA NO PASSADO. Muitas empresas brasileiras estão interessadas nas vantagens proporcionadas pela computação em nuvem, como flexibilidade, agilidade e escalabilidade,

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas

Arquiteturas Paralelas e Distribuídas Arquiteturas Paralelas e Distribuídas TSI-6AN Apresentado por: Cleber Schroeder Fonseca 1 CLOUD COMPUTING 2 Cloud Computing A expressão cloud computing (computação nas nuvens) começou a ganhar força em

Leia mais

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Symantec NetBackup for VMware

Symantec NetBackup for VMware Visão geral A virtualização de servidor é a maior tendência modificadora na área de TI atual. Os departamentos de TI, que dependem do orçamento, estão se apressando para aderir à virtualização por vários

Leia mais

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment

Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral da solução Forneça a próxima onda de inovações empresariais com o Open Network Environment Visão geral À medida que tecnologias como nuvem, mobilidade, mídias sociais e vídeo assumem papéis

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda

SFD 2010. Carla Souza Otacílio Lacerda SFD 2010 Carla Souza Otacílio Lacerda Virtualização "Em computação, é uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos utilizadores, mostrando outro hardware virtual,

Leia mais

Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI. Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014

Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI. Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014 Estratégia da VMware: O modelo corporativo definido por software e o desafio de simplificar a TI Anderson Ferreira Bruno Amaral 22 Ago 2014 Desafios de TI Arquitetura da VMware Estratégia da VMware Sucesso

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP

Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Arcserve Backup: Como proteger ambientes NAS heterogêneos com NDMP Phil Maynard UNIDADE DE SOLUÇÕES DE GERENCIAMENTO DE DADOS PARA O CLIENTE FEVEREIRO DE 2012 Introdução Em todos os lugares, o volume de

Leia mais

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001

Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Levando os benefícios do IP aberto ao controle de acesso físico. Controlador de porta em rede AXIS A1001 Abra as portas para o futuro. Com o Controlador de porta em rede AXIS A1001, estamos introduzindo

Leia mais

Senado Federal Questões 2012

Senado Federal Questões 2012 Senado Federal Questões 2012 Sistemas Operacionais Prova de Analista de Sistemas Prof. Gustavo Van Erven Senado Federal Questões 2012 Rede Social ITnerante http://www.itnerante.com.br/ Vídeo Aulas http://www.provasdeti.com.br/

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)?

O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? O que é Cloud Computing (Computação nas Nuvens)? Introdução A denominação Cloud Computing chegou aos ouvidos de muita gente em 2008, mas tudo indica que ouviremos esse termo ainda por um bom tempo. Também

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar)

COMPUTAÇÃO EM NUVEM. Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) COMPUTAÇÃO EM NUVEM Michele Marques Costa 1,2, Julio César2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Mih_nai@hotmail.com juliocesar@unipar.br Resumo. Este artigo contém a definição e citação

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais