8 Tratamento de efluentes líquidos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "8 Tratamento de efluentes líquidos"

Transcrição

1 8 Tratamento de efluentes líquidos 8.1-Introdução Ex.: Efluente doméstico Esgoto Bruto Efluente Seguro MO N P Patogênicos MO N P Patogênicos O quê remover? COMO REMOVER? Quanto remover?

2 ETE Custo de implantação Custo de operação Eficiência desejada 1. Grade 2. Caixa de areia 3. Decantador 4. Tanque de aeracao 5. Decantador 6. Saída do efluente final 7. Reatores anaeróbios

3 5.3.1 Processos de tratamento Processos Físicos Processos Químicos Processos Biológicos

4 a) Processos físicos Envolvem processos físicos (interceptação e sedimentação) na remoção do poluente Utilizados para: Remoção de sólidos grosseiros Remoção de sólidos sedimentáveis Remoção de sólidos flutuantes Remoção da umidade do lodo Homogeneização e equalização de efluentes Diluição de águas residuária Unidades de tratamento: Grades de limpeza manual ou mecanizada Peneiras estáticas, vibratórias ou rotativas Caixas de areia simples ou aeradas Tanques de retenção de materiais flutuantes Decantadores Flotadores a ar dissolvidos Leitos de secagem de lodo Filtros prensa e a vácuo Centrífugas Filtros de areia Adsorção em carvão ativada

5 b) Processos químicos Utilizam produtos químicos para: Aumentar eficiência de remoção de um elemento ou substância Modificar seu estado ou estrutura ou Alterar suas características químicas Unidades de tratamento: Coagulação-floculação Precipitação química Oxidação Cloração Neutralização ou correção do ph

6 c) Processos biológicos Dependem da ação de microrganismos aeróbios ou anaeróbios na remoção/transformação do poluente Unidades de tratamento: Lodos ativados e suas variações Filtros biológicos anaeróbios ou aeróbios Lagoas aeradas Lagoas de estabilização facultativas e anaeróbias Digestores anaeróbios de fluxo ascendente

7 c.1 Microrganismos Matéria e organismo Classificação e Estrutura Celular Monera/protista diferenciação celular inexiste Vegetal/animal diferenciação celular elevada, contendo células, tecidos, órgãos e aparelhos Matéria e energia Fontes: Luminosa e química CO 2 e MO N, P, etc ENERGIA CARBONO NUTRIENTES Necessidades:

8 c.2 - Classificação dos microrganismos quanto a respiração Classificação dos microrganismos quanto a respiração Aeróbios estritos: utilizam oxigênio Facultativos: utilizam oxigênio e depois o nitrato Anaeróbios: utilizam o sulfato e o dióxido de carbono As formas preferenciais são: 1. Aeróbia / O 2 C 6 H 12 O 6 + 6O 2 > 6C H 2 O PRODUÇÃO DE LODO MAIOR 2. Anóxica / NO 3 - (denitrificação) 3. Anaeróbia / SO 4 2- (dessulfatação) 2NO 3 - -N + 2H + > N 2 + 2,5O 2 + H 2 0 CH 3 COOH + SO H + > H 2 S + 2H 2 O +2CO 2 4. Anaeróbia / CO 2 (metanogênese) Hidrogenotrófica Acetotrófica 4H 2 + CO 2 > CH 4 + 2H 2 O CH 3 C00H > CH 4 + CO 2

9 c.3 - Crescimento dos microrganismos Disperso formação de flocos que ficam suspensos na água Floco: composto aglutinado numa estrutura. Composição: MO, material inerte e microrganismos, havendo gradiente de OD no interior do floco. Este formado, a MO suspensa é removida via sedimentação Ex.: Lagoas de Estabilização e os Lodos Ativados Aderido fixação sobre um meio suporte, formando biofilme fixação de microrganismos em suporte sólido ou suspenso o biofilme viabiliza retenção de elevada concentração de biomassa por considerável período de tempo Ex.: Filtro Biológico, Biodisco, Biofiltro Aerado, Filtro Anaeróbio Tdh > Tgc Tdh < Tgc Tdh, tempo de detenção hidráulica, e o Tgc, tempo de geração celular

10 8.3 - Classificação dos sistemas de tratamento Englobam um ou mais processos descritos Classificados em função do tipo de material removido e da eficiência de remoção Tratamento preliminar Tratamento primário Tratamento secundário Tratamento terciário Tratamento de lodos Tratamento físico-químico

11 Tratamento Finalidade Unidades de tratamento Preliminar Remoção de sólidos grosseiros Grades, peneiras, caixas de areia, caixas de retenção de óleos e graxas Primário Secundário Terciário Lodos Físicoquímicos Remoção de resíduos finos em suspensão nos efluentes Reduzir teor de matéria orgânica Remoção de substâncias não eliminadas nos tratamentos anteriores, como nutrientes, microrganismos patogênicos, cor, etc Desidratação ou adequação para disposição final Remoção de sólidos de todos os tipos e alteração das características físico-químicas Tanques de flotação, decantadores, fossas sépticas Lodos ativados, filtros biológicos, lagoas aeradas, lagoas de estabilização, digestor anaeróbio de fluxo ascendente e sistemas de disposição no solo, etc Lagoas de maturação, ozonização, radiações ultravioletas, filtros de carvão ativo e precipitação química em alguns casos Leitos de secagem, centrífugas, filtros prensa, filtros a vácuo, prensas desaguadoras, digestão anaeróbica ou aeróbica, incineração, disposição no solo Coagulação,/floculação, precipitação química, oxidação e neutralização

12 Fonte: apud Von Sperling, 1996 a) Exemplos

13 Fonte: apud Von Sperling, 1996

14 Fonte: apud Von Sperling, 1996

15

16 1. Rechen 2. Sandfang 3. Vorklärbecken 4. Belebungsbecken 5. Nachklärbecken 6. Ablauf der Kläranlage 7. Faulturm

17 b) Comparação da eficiência entre os sistemas (esgoto doméstico) Sistemas de tratamento Eficiência na remoção (%) DBO N P Coliformes Tratamento preliminar 0-5 ~0 ~0 ~0 Tratamento primário Lagoa facultativa Lagoa anaeróbia lagoa facultativa ,9 Lagoa aerada facultativa Lagoa era. Mist. Completa lagoa decant Lodos ativados convencional * 30-45* Lodos ativados (aeração prolongada) * 10-20* Lodos ativados (fluxo intermitente) * 30-45* Filtro biológico (baixa carga) * 30-45* Filtro biológico (alta carga) * 30-45* Biodiscos * 30-45* Reator anaeróbio de manta de lodo Fossa séptica filtro anaeróbio Infiltração lenta >99 Infiltração rápida >99 Fonte: apud Von Sperling, 1996

18 Redução Sistemas de tratamento DBO Sólidos em suspensão Bactérias Crivos finos Cloração de esgoto bruto ou decantado Decantadores Floculadores Tanques de precipitação química Filtros biológicos de alta capacidade Filtros biológicos de baixa capacidade Lodos ativados de alta capacidade Lodos ativados convencionais Filtros intermitentes de areia Cloração de efluentes depurados biologicamente

19 c) Comparação de custos entre sistemas (esgoto doméstico) Sistemas de tratamento Requisitos Custos de implant. (US$/hab) Área (m 2 /hab) Potência (W/hab) Tempo de detenção hidráulica (d) Lodo a ser tratado (m 3 /hab.an o) Tratamento preliminar <0,001 ~ Tratamento primário 0,03-0,05 ~ ,1-0,5 0,6-13 Lagoa facultativa 2-5 ~ Lagoa anaeróbia lagoa facultativa 1,5-3,5 ~ Lagoa aerada facultativa 0,25-0,5 1,0-1, Lagoa era. Mist. Completa lagoa decant. 0,2-0,5 1,0-1, Lodos ativados convencional 0,2-0,3 1,5-2, ,4-0,6 1,1-1,5 Lodos ativados (aeração prolongada) 0,25-0,35 2,5-4, ,8-1,2 0,7-1,2 Lodos ativados (fluxo intermitente) 0,2-0,3 1,5-4, ,4-1,2 0,7-1,5 Filtro biológico (baixa carga) 0,5-0,7 0,2-0, NA 0,4-0,6 Filtro biológico (alta carga) 0,3-0,45 0,5-1, NA 1,1-1,5 Biodiscos 0,15-0,25 0,7-1, ,2-0,3 0,7-1,0 Reator anaeróbio de manta de lodo 0,05-0,10 ~ ,3-0,5 0,07-0,1 Fossa séptica filtro anaeróbio 0,2-0,4 ~ ,0-2,0 0,07-0,1 Infiltração lenta ~ NA - Infiltração rápida 1-6 ~ NA - Fonte: apud Von Sperling, 1996

20 d) Aspectos importantes na seleção de sistema de tratamento de esgotos Eficiência (desejada ou exigida por legislação) Confiabilidade Disposição do lodo Requisitos de área Impactos ambientais Custos de operação Custos de implantação Sustentabilidade Simplicidade

21 e) Principais ETEs em Curitiba

22

23

24 Referências Von Sperling, M Introducão à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental UFMG. Philippi Jr., A. et al Curso de Gestão Ambiental. Barueri-SP: Manole. (Coleção Ambiental; 1) Imhoff, K. & Imhoff, K Manual de tratamento de águas residuárias. São Paulo: Ed Edgard Blücher Ltda. Santos, Daniel Caderno de Saneamento Ambiental. Cap.4 Sistemas de Esgotamento Sanitário Tsutiya & Sobrinho Coleta e transporte de esgoto. NBR Estudo de concepção de sistemas de esgoto sanitário NBR9649 Projeto de redes coletoras de esgoto sanitário EPUSP:

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

BLOCO 05 SISTEMA DE COLETA DE ESGOTO SANITÁRIO DO DISTRITO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DA ENTIDADE

BLOCO 05 SISTEMA DE COLETA DE ESGOTO SANITÁRIO DO DISTRITO NA ÁREA DE ATUAÇÃO DA ENTIDADE Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 0 ESGOTAMENTO SANITÁRIO - plificado IDENTIFICAÇÃO: NÚMERO DO CADASTRO DA ENTIDADE

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

5 - Sistema de Esgotamento Sanitário

5 - Sistema de Esgotamento Sanitário 5 - Sistema de Esgotamento Sanitário Esgoto sanitário Água Pluvial Esgoto doméstico Esgoto industrial Água de infiltração Contribuição Pluvial Parasitária Sistema Separador Sistema Unitário Sistema de

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Luciano dos Santos Rodrigues Professor Adjunto - Controle Ambiental e Saneamento Escola de Veterinária UFMG e-mail: lsantosrodrigues@gmail.com

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

Keywords: WWTP; Anaerobic reactor; Deployment costs; Area requirement.

Keywords: WWTP; Anaerobic reactor; Deployment costs; Area requirement. PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Arício Vieira da Silva Júnior (aricio_junior@hotmail.com) Fausto Rodrigues de Amorin ( fausto.amorim@hotmail.com)

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/97 N 16 TRATAMENTO DE ESGOTO: TECNOLOGIAS ACESSÍVEIS 1. Introdução No Brasil, 49% do esgoto produzido é coletado através de rede e somente

Leia mais

Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação

Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação D ra Tania Leme de Almeida Prof a Assistente do Curso Superior em Meo Ambiente e Recursos Hídricos

Leia mais

NATURAIS Partículas orgânicas e inorgânicas do solo, resíduos de animais silvestres e vegetação, metais do tipo de solo.

NATURAIS Partículas orgânicas e inorgânicas do solo, resíduos de animais silvestres e vegetação, metais do tipo de solo. NATURAIS Partículas orgânicas e inorgânicas do solo, resíduos de animais silvestres e vegetação, metais do tipo de solo. ESGOTOS DOMÉSTICOS Matéria orgânica, microrganismos patogênicos, fósforo e nitrogênio.

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação

Figura 1: Esquema representativo de uma das linhas de tratamento da ETE do Baldo, com as respectivas vazões de recirculação II-234 - AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UMA ETE EM ESCALA REAL, COMPOSTA DE RETOR UASB SEGUIDO DE TANQUE DE AERAÇÃO COM BIODISCOS Danillo Luiz de Magalhães Ferraz (1) Tecnólogo em Meio Ambiente

Leia mais

Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR

Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR Nome dos Autores; Glaucia Espindola M. Schilling; Renata Silvério

Leia mais

Tratamento de efluentes

Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes Aguas residuais não devem ser rejeitadas antes de tratamento adequado industriais / urbanas / agrícolas ETAR - estação de tratamento de águas residuais Objectivo: eliminação de

Leia mais

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO www.cesan.com.br 1 CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO 2 Lei 11.445 de 2007 Art. 1 o Esta Lei estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. 3 O QUE

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil Objetivos

Leia mais

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Workshops Meio Ambiente Convênio CETESB-CIESP TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Escolha do Sistema de Tratamento de Efluentes Caracterização

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO Eng. Elso Vitoratto engenharia@novaeraambiental.com.br Conceito

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal!

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal! Olá pessoal! Foi com grande alegria que recebi um novo convite para elaborar um curso online do Ponto. O objetivo agora é contribuir para a aprovação dos alunos no concurso para o TCU/2011 por meio de

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL APLICABILIDADE DE SISTEMAS SIMPLIFICADOS PARA ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE CIDADES DE PEQUENO PORTE CRISTIANE MAYARA

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 Eduardo Fazza Dielle Juiz de

Leia mais

Sumário. Apresentação... 15. Referências bibliográficas... 24

Sumário. Apresentação... 15. Referências bibliográficas... 24 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas... 24 Capítulo 2 Resumo geral da teoria...... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...

Leia mais

TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS FUNASA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte, 18-22 março 2013 Painel: Esgotamento Sanitário TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Marcos von Sperling Universidade Federal

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL. Filtros Biológicos

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL. Filtros Biológicos UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CENTRO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA TECNOLOGIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL Filtros Biológicos Emilia Nunes da Silva R.A. 060375 Maira Cristina Gasparini R.A. 062620 Maraline

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Dezembro/ 2008 Revisão: Abril/2012 Revisão: Julho/2013 Preparado para: CASAN Companhia

Leia mais

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo;

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte REATORES ANAERÓBIOS Divididos em dois grupos: Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Sistemas de Alta Taxa:

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernanda Liska 1 ; Simone Fiori 2 *; Vera M. Cartana Fernandes 3 ; Vinícius Scortegagna 4 Resumo Apenas parte dos domicílios

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

Subsídios para o estudo da relação custos-efetividade de siltemas de tratamento de esgoto. por. Washington Luiz Mourão Silva

Subsídios para o estudo da relação custos-efetividade de siltemas de tratamento de esgoto. por. Washington Luiz Mourão Silva Subsídios para o estudo da relação custos-efetividade de siltemas de tratamento de esgoto por Washington Luiz Mourão Silva Dissertação apresentada com vistas à obtenção do título de Mestre em Ciências

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 2 COMPOSIÇÃO Função dos usos a qual a água é submetida e forma com que são exercidos. Variação com o clima Situação social e econômica Hábitos da população Água: 98 99,9 % Sólidos: 2 0,1 % Esgoto SÓLIDOS

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Guias Socioambientais do BNDES Setembro/ 2014 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Sumário Apresentação... 3 1. Introdução... 4 2. Estação de Tratamento de Água (ETA)... 4 3. Estação de Tratamento

Leia mais

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE II-236 - REMOÇÃO DE EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE Rachel Chiabai Engenheira Civil, graduada pela Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS. PARA OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETEs

ORIENTAÇÕES BÁSICAS. PARA OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETEs ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA OPERAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO - ETEs Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico Tratamento Secundário Tratamento Biológico Tratamentos Biológicos O 2, Elizabeth Duarte Tratamento Secundário Remoção de matéria orgânica biodegradável por processos biológicos 1- Decomposição da matéria

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA PRODUÇÃO DE LODO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE MULEMBÁ E VALE ENCANTADO E AVALIAÇÃO DOS CUSTOS COM SUA DISPOSIÇÃO

ESTUDO COMPARATIVO DA PRODUÇÃO DE LODO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE MULEMBÁ E VALE ENCANTADO E AVALIAÇÃO DOS CUSTOS COM SUA DISPOSIÇÃO FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA E EDUCAÇÃO FAESA FACULDADES INTEGRADAS ESPÍRITO-SANTENSES GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL IVAN HOTT GOMES ULIANE BERTHOLDI BERNADINO ESTUDO COMPARATIVO DA PRODUÇÃO DE LODO DAS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES INDUSTRIAIS

TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES INDUSTRIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO TÉCNICO DE PETRÓLEO TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES INDUSTRIAIS 1 CURSO TÉCNICO DE PETRÓLEO Professora: Msc. Marisa Soares Borges Universidade

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM UNIVERSIDADES: o caso da Universidade Federal de Itajubá

ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM UNIVERSIDADES: o caso da Universidade Federal de Itajubá ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM UNIVERSIDADES: o caso da Universidade Federal de Itajubá Luciane dos Santos Pimenta 1 ; Herlane dos Santos Costa 2 ; Regina Mambeli

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA TRATAMENTO BIOLÓGICO E DESINFECÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS: UMA ALTERNATIVA PARA ATENDIMENTO A PEQUENAS POPULAÇÕES

SISTEMA INTEGRADO PARA TRATAMENTO BIOLÓGICO E DESINFECÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS: UMA ALTERNATIVA PARA ATENDIMENTO A PEQUENAS POPULAÇÕES SISTEMA INTEGRADO PARA TRATAMENTO BIOLÓGICO E DESINFECÇÃO DE ESGOTOS SANITÁRIOS: UMA ALTERNATIVA PARA ATENDIMENTO A PEQUENAS POPULAÇÕES Carlota Virgínia Pereira Alves, Carlos Augusto de Lemos Chernicharo,

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA Klaus Dieter Neder Companhia de Água e Esgotos de Brasília S.C.S. ED. CAESB, Q. 04, BL. A, Nº 67/97 BRASÍLIA, DF, CEP 70300

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA Lariza dos Santos Azevedo Juiz

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ANDREIA MARIA FAEDO

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ANDREIA MARIA FAEDO 0 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA ANDREIA MARIA FAEDO TECNOLOGIAS CONVENCIONAIS E NOVAS ALTERNATIVAS PARA O TRATAMENTO DE EFLUENTES DOMÉSTICOS Florianópolis 2010 1 ANDREIA MARIA FAEDO TECNOLOGIAS

Leia mais

Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.

Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir. Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 Caracterização dos Efluentes Vazão (quantitativa)

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS ITEMA DE LODO ATIVADO 1 INTODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES Adriane Dias da Silva Lisboa 1 *; Lucas Achaval Silva 2 ; Yovanka Pérez Ginoris 3 ; Marco Antonio

Leia mais

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES COM APROVEITAMENTO DE BIOGÁS E RECICLAGEM DE NUTRIENTES ATRAVÉS DE BIOSSISTEMAS INTEGRADOS GRANDES SISTEMAS SISTEMAS DOMICILIARES 1 BIOSSISTEMA : Conjunto de equipamentos

Leia mais

Projeto PROBIOGÁS Iniciativas para o aproveitamento energético do biogás em ETEs. Hélinah Moreira

Projeto PROBIOGÁS Iniciativas para o aproveitamento energético do biogás em ETEs. Hélinah Moreira Projeto PROBIOGÁS Iniciativas para o aproveitamento energético do biogás em ETEs Hélinah Moreira Por que buscar a melhoria da eficiência energética em ETEs? Setor de Saneamento - Brasil 1/3 do consumo

Leia mais

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS SISTEMA AERÓBICO X SISTEMA ANAERÓBICO AERÓBICO SISTEMA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO COM INGESTÃO DE OXIGÊNIO PURO OU EM FORMA DE AR COMPRIMIDO HAVENDO SELEÇÃO DE ORGANISMOS AERÓBICOS. ANAERÓBICO SISTEMA DE

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

ABORDAGEM DAS DIFERENTES ALTERNATIVAS PARA DESTINAÇÃO DE LODOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

ABORDAGEM DAS DIFERENTES ALTERNATIVAS PARA DESTINAÇÃO DE LODOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E PERÍCIA AMBIENTAL GUILHERME SALVADOR DEBIASI ABORDAGEM DAS DIFERENTES ALTERNATIVAS PARA DESTINAÇÃO DE

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

Estudo de caso para a viabilidade de implementação de sistema de tratamento de esgoto compacto na região metropolitana de Goiânia

Estudo de caso para a viabilidade de implementação de sistema de tratamento de esgoto compacto na região metropolitana de Goiânia http://dx.doi.org/10.5902/2236130810964 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Monografias Ambientais - REMOA e-issn 2236 1308 - V. 14, N. 1 (2014): Edição Especial

Leia mais