Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I. Prof. Robson Alves de Oliveira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br robson.oliveira@unir."

Transcrição

1 Noções Básicas sobre Tratamento de Efluentes Parte I Prof. Robson Alves de Oliveira Ji-Paraná

2 Caracterização dos Efluentes Vazão (quantitativa) Matéria Orgânica DBO, DQO, COT Sólidos (SST, S. Sedimentáveis) Cor Toxicidade ph, temperatura N, P, Outros 2

3 No estudo de concepção deve-se definir com clareza: Impacto ambiental do lançamento no corpo receptor; Objetivos do tratamento (principais constituintes a serem removidos); Nível de tratamento; Eficiências de remoção desejadas. A remoção de poluentes, de formar a atender a um padrão de qualidade vigente, está associada aos conceitos de nível de tratamento e eficiência do tratamento. 3

4 Níveis de Tratamento de Efluentes Tratamento Preliminar (pré-tratamento): remoção de sólidos em suspensão grosseiros (materiais de maiores dimensões e areia). Tratamento Primário: remoção de sólidos suspensos (sedimentáveis); remoção da DBO em suspensão (ou DBO particulada): associada à MO dos sólidos em suspensão sedimentáveis. Em ambos predominam mecanismos físicos de remoção de poluentes. 4

5 Níveis de Tratamento de Efluentes Tratamento Secundário: Predominam mecanismos biológicos. remover a DBO solúvel (ou DBO filtrada): sólidos orgânicos dissolvidos sólidos dissolvidos não são removidos por sedimentação. remover a DBO em suspensão finamente particulada. remover a DBO em suspensão (caso não haja tratamento primário). Eventualmente nutrientes (nitrogênio e fósforo). 5

6 Níveis de Tratamento de Efluentes Tratamento Terciário (polimento): objetiva a remoção de poluentes específicos como sólidos inorgânicos dissolvidos (nutrientes) e/ou microorganismos. Tratamento físico-químico; Filtração, membranas, desinfecção. Considerações: O tratamento preliminar deve existir em todas as ETEs em nível primário, secundário ou terciário. 6

7 Níveis de Tratamento de Efluentes Considerações: A definição do nível do tratamento de esgotos de uma ETE esta associada ao maior nível existente na ETE. O tratamento secundário (biológico) pode ou não vir imediatamente após o tratamento preliminar. O tratamento terciário ainda é raro no Brasil. A remoção de nutrientes e organismos patogênicos pode ser considerada como integrante do tratamento secundário ou do tratamento terciário (depende do processo adotado). 7

8 Níveis de Tratamento de Efluentes 8

9 Eficiência do tratamento A eficiência no tratamento (ou em uma etapa do tratamento) é dada pela fórmula: E = eficiência de remoção (%) C o = concentração afluente do poluente (mg/l) C e = concentração efluente do poluente (mg/l) Caso haja mais de uma etapa ou unidade em série ao longo do tratamento, as eficiências não são 9 aditivas.

10 Eficiência do tratamento O cálculo da eficiência global de remoção é feito de forma multiplicativa, com base nas frações remanescentes. E = eficiência de remoção global E 1, E 2, E 3, E n = eficiência de remoção nas etapas 1, 2, 3,..., n 10

11 Eficiência do tratamento A eficiência de uma unidade situada após outras é inferior à eficiência que se teria, caso ela fosse a primeira etapa da série. Isso ocorre particularmente no caso da matéria orgânica, a qual muda ao longo do tratamento, tornando-se menos biodegradável, ou seja, de remoção mais difícil. 11

12 Operações, processos e sistemas de tratamentos de esgotos Os métodos de tratamento dividem-se em operações e processos unitários integração deste compõe os Sistemas de Tratamento. Operações físicas unitárias: métodos de tratamento no qual predomina a aplicação de forças físicas (gradeamento, mistura, floculação, sedimentação, flotação, filtração). Processos biológicos unitários: métodos de tratamento nos quais a remoção de contaminantes ocorre por meio de atividade biológica (remoção da DBO, nitrificação, desnitrificação). 12

13 Operações, processos e sistemas de tratamentos de esgotos Processos químicos unitários: métodos de tratamento nos quais a remoção ou conversão de contaminantes ocorre pela adição de produtos químicos ou devido as reações químicas (precipitação, adsorção, desinfecção). Esses métodos são empregados para a fase líquida (fluxo principal de liquido na ETE), a fase sólida diz respeito aos subprodutos sólidos gerados no tratamento biológico (lodo). 13

14 Em função do tipo de remoção Sólidos grosseiros crivos, grades e peneiras; Sólidos grosseiros sedimentáveis desarenadores e decantadores; Sólidos flutuantes Caixas de gordura, tanques de flotação e decantadores com removedores de escuma; Material fino em suspensão decantadores, tanques de flotação, tanques de precipitação química, filtros de areia. Substâncias orgânicas dissolvidas, semidissolvidas e finamente divididas fertirrigação, escoamento superficial, infiltração-percolação, filtros biológicos, lagoas de estabilização, lodos ativados, tanques sépticos e valos de oxidação; Controle de doenças transmissíveis e combate ao mau cheiro desinfecção (cloração, ozonização, raios ultravioleta), aeração ou uso de substâncias químicas inibidoras de mau cheiro. Remoção de nutrientes fertirrigação, escoamento superficial, infiltraçãopercolação, tratamento terciário (precipitação, adsorção, osmose, etc.) 14

15 Tratamento Preliminar Objetivos: remoção dos sólidos grosseiros e areia Gradeamento Desarenador (caixa de areia) resfriamento trocador de calor torre de resfriamento 15

16 Tratamento Primário Objetivo: remoção de sólidos sedimentáveis e matéria orgânica em suspensão (DBO suspensa ou particulada). Predominam mecanismos físicos de remoção de poluentes Sedimentação (gravidade) decantadores circulares 80-90% de eficiência de remoção Flotação uso de micro-bolhas de ar requer menores áreas, maior eficiência operação e manutenção mais complexa,alto custo de investimento testes de laboratório e/ou piloto (quantidade de ar = 2-3% do volume de efluente) 16

17 Tratamento Secundário Objetivo: é a remoção de matéria orgânica dissolvida (DBO solúvel ou filtrada) e eventualmente nutrientes (nitrogênio e fósforo). Predominam mecanismos biológicos Aeróbio lagoas de estabilização (facultativas, aeradas) lodos ativados Anaeróbio lagoas anaeróbias sistemas de alta taxa (UASB) 17

18 Mais alguns conceitos básicos importantes Quantificação dos poluentes: o conceito de carga. A carga é expressa em termos de massa por unidade de tempo. 18

19 Mais alguns conceitos básicos importantes 19

20 Mais alguns conceitos básicos importantes Equivalente populacional (EP): traduz a equivalência entre o potencial poluidor de uma agroindústria (em termos de MO) e uma determinada população, a qual produz essa mesma carga poluidora: É comum adotar na literatura internacional o valor de 54 g DBO/hab.d: 20

21 Mais alguns conceitos básicos importantes Principais modelos hidráulicos: 21

22 Mais alguns conceitos básicos importantes Principais modelos hidráulicos: Um corpo d água como um rio, pode ser caracterizado através do regime em pistão. No fluxo em pistão cada seção transversal funciona como um êmbolo (ou um pistão). Não há intercâmbio entre as seções de jusante e de montante (dispersão nula). Em cada seção a qualidade da água é a mesma em todos os pontos. 22

23 Mais alguns conceitos básicos importantes Principais modelos hidráulicos: Um corpo d água em regime de mistura completa se caracteriza por ter em todos os pontos da massa líquida a mesma concentração. A concentração do efluente é igual em qualquer ponto do corpo d água. Este modelo pode ser aplicado, como uma aproximação, de lagos e represas. 23

24 Mais alguns conceitos básicos importantes Principais modelos hidráulicos: Na realidade, os corpos d água apresentam uma característica de dispersão dos poluentes intermediária entre as duas situações extremas. Os corpos d água (ou trechos) podem ser caracterizados por um coeficiente de dispersão. Coeficientes elevados aproximam o corpo d água ao regime de mistura completa. Coeficientes reduzidos aproximam-no ao fluxo em pistão. 24

25 Mais alguns conceitos básicos importantes 25

26 EXEMPLO 01 - Uma agroindústria lança suas águas residuárias em uma estação de tratamento de efluentes a uma vazão média de 1,5 L s -1. Essa água residuária possui biodegradabilidade (relação DQO/DBO) de 2,5 e uma DQO afluente de mg L -1. No tratamento preliminar, primário e secundário a eficiência na remoção de DBO é de 15, 50 e 90%, respectivamente. a) Calcular a DBO efluente (de saída) da estação e o equivalente populacional da agroindústria. b) Qual a finalidade dos tratamentos primário, secundário e terciário? c) O tratamento do efluente da agroindústria atende ao padrão de lançamento (Resolução CONAMA 430/2011)? 26

27 EXEMPLO 02 Calcular o Equivalente Populacional (EP) de uma agroindústria que possui os seguintes dados: Vazão = 120 m3/d; Concentração de DBO = 2000 mg/l EXEMPLO 03 Um matadouro abate 60 cabeças de gado e 100 porcos por dia. Dar as características estimadas do efluente. Adotar o valor médio de 3,0 kg DBO/boi abatido (1 boi 2,5 porcos). 27

28 EXEMPLO 04 Calcular o EP de uma granja de suínos com 2500 matrizes que gera 15 L.cab -1.d -1 de água residuária (ARS). Segundo análises verificou-se que a ARS possui DBO = 3500 mg.l-1. Sabe-se que esse resíduo possui degradabilidade DQO/DBO = 1,67. Caso o proprietário implante uma ETE com eficiência global de 85%, qual será a DBO lançada pelo sistema? O córrego onde será lançado a ARS possui Q = 100 L.s -1 à montante e uma DBO média = 7 mg.l -1. O corpo d água sofrerá mudanças na sua condição após o lançamento da granja? 28

29 BACTÉRIAS 29

30 Caracterização das Bactérias Constituem o maior e mais importante grupo para o tratamento biológico de efluentes A grande maioria heterotrófica Unicelulares, procarióticas Apresentam diferentes forma tais como: Esféricas (0,5 a 1,0 m de diâmetro) Bastonetes (0,5 a 1,0 m por 1,5 a 3,0 m) Espiraladas (0,5 a 5 m por 6 a 15 m) 30

31 s Composição Elementar de uma Bactéria Elemento Peso seco (%) C 50 O 28 N 12 H 6 P 2 K 1 Outros (S, Mg, Ca, Fe) 1 31

32 Log do número de células Crescimento Bacteriano Curva típica de crescimento em batelada Estacionária Endógena Aclimatação Tempo (h) 32

33 Número relativo de microrganismos Ecologia Microbiana do Tratamento DBO remanescente Bactérias Ciliados livres Amebas Flagelados Ciliados fixos Rotíferos, Tardígrados, Nematódeos, Anelídeos Tempo 33

34 Tratamento Biológico Aeróbio O 2 N, P CO 2 Efluente (DBO, DQO) Reator/Decantador Efluente Tratado Biomassa 34

35 Anabolismo Catabolismo Metabolismo Nutrientes outros produtos energia células Fonte de energia 35

36 Biodegradação Aeróbia Oxidação: produção de energia (catabolismo) CHONS + O 2 + Bactérias CO 2 + NH 3 + ENERGIA + outros Síntese: produção de biomassa (anabolismo) CHONS + O 2 + ENERGIA C 5 H 7 NO 2 Auto-oxidação: fase endógena C 5 H 7 NO O 2 5 CO 2 + NH H 2 O + ENERGIA 36

37 Papel dos Microrganismos Microrganismos + Matéria Orgânica + Energia O 2 Microrganismos H 2 O e CO 2 Converter a matéria orgânica dissolvida e coloidal em gás e células 37

38 Digestão Anaeróbia Processo biológico no qual diferentes tipos de microrganismos, na ausência de oxigênio molecular, promove a transformação de compostos orgânicos complexos (carboidratos, proteínas e lipídios) em produtos mais simples como metano e gás carbônico. Nos sistemas de tratamento anaeróbios: (a) deve-se manter grande massa de bactérias ativas que atuem no processo da digestão anaeróbia; (b) É necessário que haja contato intenso entre o material orgânico presente no afluente e a massa bacteriana no sistema. 38

39 Digestão Anaeróbia Os fatores que mais influem são a temperatura, o ph, a presença de elementos nutrientes e a ausência de materiais tóxicos no afluente. Nas ultimas décadas tem ocorrido mudanças na concepção dos sistemas de tratamento de águas residuárias (desenvolvimento de reatores fundamentados no processo anaeróbio). A maior aceitação de sistemas de tratamento anaeróbio se deve a melhoria do desempenho dos sistemas anaeróbios modernos, tendo-se um aumento não somente da velocidade de remoção do material orgânico, mas também da % de material digerido. 39

40 Digestão Anaeróbia O melhor desempenho dos sistemas anaeróbios é o resultado da melhor compreensão do processo da digestão anaeróbia, que permitiu o desenvolvimento de sistemas modernos mais eficientes que os sistemas clássicos. Reator anaeróbio como principal unidade de tratamento biológico de esgoto: remoção de 70 % do material orgânico nessa unidade sem o dispêndio de energia ou adição de substancias químicas. Unidades de pós-tratamento podem ser usadas para a remoção de parcela da fração remanescente de material orgânico, de forma a permitir a produção de efluente final com qualidade compatível com os padrões legais de lançamento. 40

41 Digestão Anaeróbia Vantagens: a) Baixo consumo de energia. b) Menor produção de lodo (economia considerável no manejo e destino final desse tipo de resíduo dos sistemas de tratamento). c) Possibilidade de recuperação e utilização do gás metano como combustível. d) Possibilidade de funcionar bem mesmo após longos períodos de interrupção (importante para efluentes sazonais). 41

42 Digestão Anaeróbia Aspectos negativos: a) Longo período de partida do sistema se não há disponibilidade de inoculo adequado. b) Sensibilidade do processo a mudanças das condições ambientais (ph, temperatura, sobrecargas orgânicas e hidráulicas). c) Possível emissão de odores ofensivos. 42

43 TRATAMENTO PRELIMINAR GRADEAMENTO E PENEIRAMENTO

44 GRADEAMENTO E PENEIRAMENTO Objetivo da unidade: remoção de sólidos grosseiros (pedaços de madeira, plásticos, folhas, cascas, hastes, ramos, penas, ossos etc.) FINALIDADE DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS GROSSEIROS proteção de bombas, tubulações, transportadores, peças especiais, aeradores, etc; facilitar escoamento; remoção parcial da carga poluidora melhoria da eficiência em unidades subseqüentes; aspectos estéticos. 44

45 Grades nas unidades de tratamento primário 45

46 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA SEPARAÇÃO SÓLIDO/LÍQUIDO - grades; - peneiras. Grades - tipos: de limpeza manual; de limpeza automática. - espaçamento entre barras função das dimensões do material a ser removido: grades finas (3/8 a 3/4 ) partículas de 1-2 cm; grades médias (3/4 a 1 1/2 ) partículas de 2-4 cm; grades grosseiras (> 1 1/2") partículas de 4-10 cm - inclinação: 45 a 60 o com a horizontal limpeza manual; 60 o com a horizontal limpeza mecânica. 46

47 Dimensionamento - velocidade de escoamento do líquido muito alta arraste de material retido; muito baixa acúmulo por sedimentação mau cheiro. ** limpeza manual 0,30 m s -1 < v < 0,60 m s -1 ** limpeza mecânica 0,60 m s -1 < v < 1,0 m s -1 - dimensionamento do canal afluente à grade seção do canal em que, A u = Q/v A u - área útil (livre entre barras) (m 2 ); Q vazão de água residuária (m 3 s -1 ); v velocidade de escoamento (m s -1 ). 47

48 E = a/(a+t) em que, S = A u /E E eficiência da grade S seção do canal (m 2 ); a espaçamento entre barras (cm); t espessura das barras (cm). Operação e manejo do sistema - limpeza contínua da grade evitar represamento e arraste de material; - material sólido removido secagem para facilitar transporte e encaminhamento para: incineração; aterro sanitário; alimentação animal; compostagem; incorporação ao solo. 48

49 Grades paralelas Grade inclinada 49

50 Exemplo 05 Uma estação de tratamento de efluentes recebe uma vazão máxima de 140 L s -1. a) Dimensione um sistema de grades verticais para remoção de sólidos grosseiros, utilizando barras com 10 mm de espessura e igualmente espaçadas em 20 mm. Considere para o nível médio da água no canal uma altura de 50 cm e uma velocidade de escoamento do efluente de 60 cm s -1. b) Quais são os constituintes e a principal função do tratamento preliminar? 50

51 Peneiras - muito utilizadas para tratamento preliminar de águas residuárias agroindustriais; - aberturas de 0,25 a 5,0 mm remoção de sólidos mais finos ou fibrosos; - necessitam de auto-limpeza; Tipos - estáticas ou hidrodinâmicas; - móveis. 51

52 Peneiras estáticas 52

53 - Principais características mais simples; modelos para promover auto-limpeza; baixos custos de operação e manutenção; problemas operacionais entupimento furos; menor eficiência que as demais 53

54 Peneiras móveis - cilindros giratórios de fluxo tangencial admissão externa ao cilindro: * Principais características: ** simplicidade de operação e manutenção; ** grande capacidade de processamento; ** eficiente separação de sólidos ** remoção de 6% de SS; 26% de óleos e graxas e 7% na DBO. 54

55 Peneiras de cilindros giratório 55

56 de fluxo axial admissão no eixo de rotação do cilindro - Principais características ** eficiente separação de sólidos; ** Peneira com furo de 1,0 mm: remoção de 23% dos SS e 30% dos óleos e graxas. 56

57 fluxo frontal peneira tipo correia transportadora; Filtro Prensa Detalhe do recolhimento de lodo 57 do filtro prensa

58 peneiras vibratórias: ** recomendadas para águas residuárias de maior concentração de ST (até 16 dag L -1 ); 58

59 Peneira plana vibratória Operação e manejo do sistema - peneiras móveis, apesar de auto-limpantes precisam de limpeza periódica (jatos d água, rodo de borracha, etc.) 59

60 TRATAMENTO PRELIMINAR: DESARENADOR

61 DESARENADORES OU CAIXAS DE AREIA a) Objetivo: remoção de sólidos facilmente decantáveis particulado grosseiro e de elevada massa específica; inorgânico areia, pedrisco, cascalho, etc; orgânico grãos de café, feijão, milho, ração, restos de frutas e hortaliças, cascas de ovos, pedaços de ossos, etc. 61

62 b) Finalidade: minimizar impactos nos corpos receptores assoreamento evitar abrasão nos equipamentos, bombas e tubulações; reduzir obstrução e avarias em tubulações, orifícios, sifões, etc.; evitar assoreamento em tanques e tubulações. OBS. Pode ser a primeira e única etapa do tratamento disposição no solo e lançamento ao mar. c) Princípio: alteração do regime hidráulico decantação 62

63 Critérios de projeto de desarenadores a) tipo: ** sem aeração; ** com aeração b) forma de separação: gravidade ou centrifugação; c) remoção dos sólidos: manual ou mecanizada (raspadores, bombas centrífugas, parafuso sem fim, caçambas transportadoras, etc. d) seção: retangular, quadrada ou circular; 63

64 Dimensionamento NBR Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário sedimentar partículas de 0,1 a 0,4 mm; velocidade horizontal * grandes velocidades arraste de partículas; * velocidades inferiores odores desagradáveis; 0,25 < v h < 0,35 m s -1 OBS. manutenção da velocidade dispositivo controlador (vertedor ou calha Parshall) 64

65 NBR Projeto de estações de tratamento de esgoto sanitário * projeto para remoção mínima de 95% em massa das partículas de areia ( = 2,65 g cm -3 ) > 0,2 mm vs = 0,02 m s -1 ; * vazão de dimensionamento vazão máxima afluente; * limpeza mecanizada para Q > 250 L s -1 ; * pelo menos duas unidades instaladas reserva para manutenção; * taxa de escoamento superficial de 600 a 1300 m 3 m -2 d -1 * seção transversal mínima de 0,20 m de profundidade por 0,20 m de largura (no caso de limpeza manual 0,30 m); 65

66 comprimento de um desarenador prismático: * princípios da sedimentação discreta: refere-se à sedimentação de partículas que conservam suas propriedades físicas iniciais (forma, dimensão e densidade) * A velocidade de sedimentação é independente da concentração. A v h S h v s L B 66

67 * tempo de sedimentação: t s = h/v s * tempo de detenção: t d = L/vh * velocidade horizontal: v h = Q/S= Q/(B.h) como t s = t d : h/v s = L.B.h/Q v s = Q/L.B v s = Q/(L.B) v s = Q/A A = Q/v s em que, v s velocidade de sedimentação das partículas (m s -1 ); Q vazão (m 3 s -1 ); A seção longitudinal horizontal ou área superficial (m 2 ). OBS. Na sedimentação discreta o que importa é a área superficial. 67

68 Seguindo-se os valores de v h e v s de projeto: A = Q/v s B.L = B.h.v h /v s L = 0,30.h/0,02 L = 15.h acrescentando, por questão de segurança, 50% a mais em L (recomendação da ABNT): em que, L- comprimento do canal (m); e h altura de líquido no canal (m). costuma-se considerar B = 4.h L = 22,5.h 68

69 Operação e manutenção do sistema medição periódica da camada de areia acumulada; desviar a vazão e executar a limpeza quando material acumulado ocupar 2/3 do comprimento. Destino do material removido: aterro sanitário; uso em construção civil. 69

70 Desarenadores para tratamento de esgoto doméstico 70

71 Planta de desarenador convencional 71

72 Planta de desarenador/decantador para tratamento de águas residuárias agroindustriais ricas em sólidos sedimentáveis 72

73 TRATAMENTO PRELIMINAR: Medição de vazão

74

75 TRATAMENTO PRELIMINAR/PRIMÁRIO CAIXA DE GORDURA

76 REMOÇÃO DE GORDURAS E SÓLIDOS FLUTUANTES Introdução a) Origem: - resíduos: materiais de massa específica menor que a da água óleos, graxas, gorduras, ceras e outros; - material de constituição da escuma. - concentração encontrada em águas residuárias: * esgoto doméstico: de 50 a 150 mg L -1 de gordura; * águas residuárias da suinocultura: de 450 a mg L -1 de gordura. 76

77 Escuma da água residuária do descascamento/despolpa dos frutos do cafeeiro 77

78 Escuma da água residuária do descascamento/despolpa dos frutos do cafeeiro 78

79 b) Finalidade: - evitar obstruções dos coletores, rede hidráulica, poros de filtros, capeamento de flocos biológicos em sistemas de lodos ativados, emissores das águas e poros do solo. - evitar aderência em peças especiais da rede hidráulica; - evitar acúmulo nas unidades de tratamento odores desagradáveis, proliferação de moscas e perturbações no funcionamento dos dispositivos de tratamento. OBS.: a formação de crostas em lagoas de estabilização anaeróbias, apesar de ser vantajosa sob o ponto de vista de manter a anaerobiose, favorece a proliferação de moscas; - efeitos anti-estéticos em corpos receptores. 79

80 Efeito anti-estético em corpos hídricos receptores 80

81 c) Princípio: separação sólido/líquido por flutuação (inverso da sedimentação) Dimensionamento V = Q.t d e A s = Q/v as A s área superficial da caixa de gordura (m 2 ); Q vazão afluente (m 3.h -1 ); v as velocidade mínima de ascensão (m.h -1 ) determinada experimentalmente; V - volume do tanque (m 3 ); t d tempo de detenção da água residuária (h) t d entre 1-15 min, sendo 5 min o valor típico. muito pouca informação a respeito da velocidade de ascensão de óleos e gorduras v as entre 1-15 m.h -1 * 95 % de óleo de linhaça 14,4 m.h -1 v h > 36 m.h -1 evitar a deposição de material orgânico na caixa de gordura 81

82 Operação e manutenção da caixa de gordura - limpeza periódica remoção do óleo e gordura retidos, a fim de evitar que o material seja arrastado com o efluente. Destino do material: enterrio; reciclagem gordura e graxas de matadouros, lanifícios, curtumes e indústrias alimentícias aproveitados nas indústrias de sabão e glicerina. Detalhe do acesso à caixa de gordura, para que possa efetuar a limpeza periódica do tanque 82

83 Planta de caixa de gordura de uma só câmara 83

84 Exemplo 06 Uma pequena comunidade rural de 900 habitantes consome cerca de 140 L hab -1 dia -1 de água. Sabendo-se que 80% dessa água consumida vira esgoto doméstico, pede-se: a) Dimensione uma caixa de gordura que atenda essa população. Adote uma velocidade de escoamento do efluente de 36 m h -1, uma velocidade mínima de ascensão de 10 m h -1 e a relação comprimento:largura de 3:1. b) Por que a velocidade de escoamento da água residuária em uma caixa de gordura deve ser alta (maior que 36 m h -1 )? 84

85 Obrigado pela atenção Continua na próxima aula! 85

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento

Workshops Meio Ambiente. Convênio CETESB-CIESP. Engº. Regis Nieto. Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Workshops Meio Ambiente Convênio CETESB-CIESP TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS Engº. Regis Nieto Gerente do Setor de Avaliação de Sistemas de Saneamento Escolha do Sistema de Tratamento de Efluentes Caracterização

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 2 COMPOSIÇÃO Função dos usos a qual a água é submetida e forma com que são exercidos. Variação com o clima Situação social e econômica Hábitos da população Água: 98 99,9 % Sólidos: 2 0,1 % Esgoto SÓLIDOS

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS ITEMA DE LODO ATIVADO 1 INTODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 Eduardo Fazza Dielle Juiz de

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Revisão da NBR 12.209 Elaboração de Projetos Hidráulico-Sanitários de Estações de Tratamento de Esgotos Sanitários Texto Revisado - Setembro/ 2009

Revisão da NBR 12.209 Elaboração de Projetos Hidráulico-Sanitários de Estações de Tratamento de Esgotos Sanitários Texto Revisado - Setembro/ 2009 Revisão da NBR 12.209 Elaboração de Projetos Hidráulico-Sanitários de Estações de Tratamento de Esgotos Sanitários Texto Revisado - Setembro/ 2009 O presente Texto Revisado da Norma NBR 12.209 foi elaborado

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/97 N 16 TRATAMENTO DE ESGOTO: TECNOLOGIAS ACESSÍVEIS 1. Introdução No Brasil, 49% do esgoto produzido é coletado através de rede e somente

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil Objetivos

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Sumário. Apresentação... 15. Referências bibliográficas... 24

Sumário. Apresentação... 15. Referências bibliográficas... 24 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas... 24 Capítulo 2 Resumo geral da teoria...... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal!

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal! Olá pessoal! Foi com grande alegria que recebi um novo convite para elaborar um curso online do Ponto. O objetivo agora é contribuir para a aprovação dos alunos no concurso para o TCU/2011 por meio de

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos

Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Licenciamento e Controle Ambiental em Abatedouros de Frangos Luciano dos Santos Rodrigues Professor Adjunto - Controle Ambiental e Saneamento Escola de Veterinária UFMG e-mail: lsantosrodrigues@gmail.com

Leia mais

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE BRASÍLIA A BUSCA DE TECNOLOGIA APROPRIADA Klaus Dieter Neder Companhia de Água e Esgotos de Brasília S.C.S. ED. CAESB, Q. 04, BL. A, Nº 67/97 BRASÍLIA, DF, CEP 70300

Leia mais

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA

ÁGUA MAIS LIMPA MAIS LIMPA ÁGUA Efluentes ÁGUA MAIS LIMPA O tratamento de efluentes em abatedouros avícolas é obrigatório e fundamental para amenizar o impacto ambiental da atividade. A água tratada pode retornar à natureza sem poluir

Leia mais

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015.

Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos. 8 Compostagem. Professor: Sandro Donnini Mancini. Sorocaba, Março de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Tratamento de Resíduos Sólidos e Efluentes Gasosos Graduação em Engenharia Ambiental 8 Compostagem Professor: Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2015.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

Questionar verdades absolutas é muito importante nos projetos de engenharia

Questionar verdades absolutas é muito importante nos projetos de engenharia Capítulo 2: Tratamento Preliminar: 2.1 Introdução. A despoluição dos córregos acontece através de vários mecanismos, sendo que os principais são: o tratamento do esgoto, o reuso da água e a mudança de

Leia mais

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

Guias Socioambientais do BNDES. Setembro/ 2014. Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Guias Socioambientais do BNDES Setembro/ 2014 Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Sumário Apresentação... 3 1. Introdução... 4 2. Estação de Tratamento de Água (ETA)... 4 3. Estação de Tratamento

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO 1 LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO 2 DEFINIÇÃO Os sistemas de lagoas de estabilização constituem-se na forma mais simples para tratamento de esgotos, apresentando diversas variantes com

Leia mais

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO

CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO www.cesan.com.br 1 CESAN TRATAMENTO DE ESGOTO 2 Lei 11.445 de 2007 Art. 1 o Esta Lei estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. 3 O QUE

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D.

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D. Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos André Lermontov, D.Sc Junho 2013 Inovar: é imaginar o que ninguém pensou; é acreditar no que ninguém

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE GARIBALDI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Portaria nº 001 2011 SMMA Portaria nº 001 2011 SMMA Estabelece Termo de Referencia para elaboração de Projetos de Estações de Tratamento de Esgotos com Prévia anuência do Município para que o mesmo assuma a responsabilidade de

Leia mais

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB Marcio Gomes Barboza/Eduardo L. C. de Amorim GTR/CTEC/UFAL 1 1. INTRODUÇÃO Upward-flow Anaerobic Sludge Blanket (UASB) Dr. Gatze Lettinga

Leia mais

Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação

Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação Saneamento na Área Rural Principais indicadores físicos, químicos da qualidade da água e métodos de avaliação D ra Tania Leme de Almeida Prof a Assistente do Curso Superior em Meo Ambiente e Recursos Hídricos

Leia mais

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS TRATAMENTOS BIOLÓGICOS SISTEMA AERÓBICO X SISTEMA ANAERÓBICO AERÓBICO SISTEMA DE TRATAMENTO BIOLÓGICO COM INGESTÃO DE OXIGÊNIO PURO OU EM FORMA DE AR COMPRIMIDO HAVENDO SELEÇÃO DE ORGANISMOS AERÓBICOS. ANAERÓBICO SISTEMA DE

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br

DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II. Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br DISCIPLINA: AMB30106 Sistema de Água II Prof. Robson Alves de Oliveira robson.oliveira@unir.br Ji-Paraná - 2014 2 INTRODUÇÃO Na saída do floculador espera-se: que toda a matéria em suspensão esteja aglutinada,

Leia mais

TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR

TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO PRELIMINAR TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS Remoção de Sólidos Grosseiros Processo de remoção de materiais sólidos (todos os tipos) presentes e/ou lançados inadequadamente na água residuária.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA APROVEITAMENTO DOS SUBPRODUTOS GERADOS NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE JUIZ DE FORA Lariza dos Santos Azevedo Juiz

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE

II-236 - REMOÇÃO DE O&G EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE II-236 - REMOÇÃO DE EM DOIS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ASSOCIANDO REATORES ANAERÓBIOS E AERÓBIOS EM SÉRIE Rachel Chiabai Engenheira Civil, graduada pela Universidade Federal do Espírito

Leia mais

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS TRATAMENTO BIOLÓGICO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS Partida, Operação, Controle de Processo e Análise de Problemas Operacionais APRESENTADOR: 1. Eng. Luiz Fernando Matusaki Objetivos: Processo Biológico oxidar a

Leia mais

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1 PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1. O Mercado

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais