Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil. CIV 640 Saneamento Urbano"

Transcrição

1 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

2 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil Objetivos da aula 12 Ao final desta aula as (o) alunas (o) deverão conhecer elementos de projeto de sistemas de esgotamento sanitário

3 Tipos de Esgotamento Sanitário

4 Tipo de sistema Sistema Combinado; Águas pluviais; Águas residuárias.

5 Tipo de sistema Sistema Separador (Brasil) Águas residuárias

6 Tipos de Esgotamento Sanitário Inconvenientes do sistema combinado custos iniciais elevados; grandes dimensões das canalizações; Riscos de refluxo de esgoto por ocasião de cheias; A ETE não pode ser dimensionada para toda a vazão (Extravasamento sem tratamento) Possível ocorrência de mau cheiro nas bocas de lobo e pontos do sistema tubulações com grandes diâmetros com capacidade ociosa no período seco.

7 Tipos de Esgotamento Sanitário Vantagens do sistema separador Afastamento das águas pluviais facilitado; menores dimensões das canalizações; possibilidade do emprego de diversos materiais para as tubulações de esgotos; planejamento de execução das obras por partes; melhoria das condições de tratamento de esgotos sanitários; não ocorrência de extravasamento dos esgotos nos períodos de chuva intensa.

8 Tipos de Esgotamento Sanitário

9 Caracterização Quantitativa Fontes de esgotos que contribuem a uma ETE Esgotos domésticos (residências, instituições e comércio) Águas de infiltração Despejos Industriais (diversas origens e tipos de indústrias) Para a caracterização, tanto quantitativa, quanto qualitativa, dos esgotos afluentes à ETE, é necessário uma análise de cada um destes itens.

10 Caracterização Quantitativa Vazão Doméstica: Calculada com base na vazão de água da localidade Vazão de água (Quota Per Capita QPC)

11 Caracterização Quantitativa Fatores de influência no consumo de água

12 Caracterização Quantitativa Vazão Média de Esgotos Q dméd = Pop.QPC.R/1000 (m 3 /d) Ou Q dméd = Pop.QPC.R/86400 (l/s) Q dméd = Vazão doméstica média de esgotos (m 3 /d ou l/s) QPC = quota per capita de água R = coeficiente de retorno esgoto/água OBS.: variam de 60% a 100%. Usualmente adotado 80%.

13 Caracterização Quantitativa Variações da vazão. Vazões máxima e mínima No projeto de uma ETE, não basta considerar apenas a vazão média. É necessária também a quantificação dos valores mínimos e máximos. K1 = 1.2 (coeficiente do dia de maior consumo) K2 = 1.5 (coeficiente da hora de maior consumo) K3 = 0.5 (coeficiente da hora de menor consumo) Q dmáx = Q méd. K1.K2 = 1.8 Q méd Q dmin = Q méd.k3 = 0.5 Q dméd Valores super ou subdimensionados afetam diretamente o desempenho técnico e econômico da ETE em Projeto

14 Caracterização Quantitativa Vazão de Infiltração Ocorre através de tubos defeituosos, conexões, juntas ou paredes de poços de visita. Fatores que influenciam: extensão da rede coletora Unidade: l/s.km Valores médios utilizados = 0.3 a 0.5 l/s.km Área servida Tipo de solo Profundidade do lençol freático Topografia Densidade populacional (número de conexões por área)

15 Caracterização Quantitativa Vazão Industrial É função do tipo e porte da indústria, processo, grau de reciclagem, existência de pré-tratamento etc. Levantamento de informações: Consumo de água Volume consumido total (por dia ou mês) Volume consumido nas diversas etapas do processamento Recirculações internas Origem da água (abastecimento público, poços etc) Eventuais sistemas de tratamento da água internos

16 Caracterização Quantitativa Vazão Industrial Levantamento de informações: Produção de despejos vazão total número de pontos de lançamento regime de lançamento (regime, duração e frequência) ponto(s) de lançamento (rede coletora, curso d`água) eventual mistura dos despejos com esgotos domésticos e água pluviais

17 Caracterização Qualitativa A característica dos esgotos é função dos usos à qual a água foi submetida. Projeto de uma ETE: Não há interesse em determinar os diversos compostos dos quais a água residuária é constituída Utilizar parâmetros indiretos que traduzam o caráter e o potencial poluidor do despejo Parâmetros físicos, químicos e biológicos

18 Caracterização Qualitativa

19 Caracterização Qualitativa Principais características físicas dos esgotos domésticos

20 Caracterização Qualitativa Principais características químicas dos esgotos domésticos

21 Caracterização Qualitativa Principais características químicas dos esgotos domésticos

22 Equivalente Populacional Parâmetro caracterizador dos despejos industriais E.P (equivalente populacional) = carga de DBO da indústria (kg/d)/contribuição per capita de DBO (kg/hab.d)

23 CARACTERÍSTICAS TÍPICAS DOS ESGOTOS Fonte: Von Sperling, 2006

24 Sistemas de esgotos sanitários (SES) Conceito É o conjunto de elementos que tem por objetivo a coleta, o transporte, o tratamento e a disposição final,tanto do esgoto doméstico, quanto do lodo resultante

25 Rede Coletora Partes de um Sistema de Esgotos Sanitários Conjunto de canalizações destinadas a receber e conduzir os esgotos dos edifícios (composta por coletores secundários e por coletores tronco) Interceptor Canalização que recebe coletores ao longo de seu comprimento, não recebendo ligações prediais diretas Emissário Canalização destinada a conduzir os esgotos a um destino conveniente (estação de tratamento de esgotos ou lançamento).

26 Rede Coletora Predial Principal ou tronco Interceptor Emissário Partes de um Sistema de Esgotos Sanitários

27 Algumas normas para projetos de esgotamento sanitário NBR 9648 Estudo de concepção de Sistemas de Esgotos Sanitários NBR 9649 Projeto de redes coletoras de esgotos sanitários NBR Tanques Sépticos Projeto, construção e operação NBR Projeto de instalações elevatórias de esgotos

28 Concepção de Sistemas de Esgotamento Sanitário Atividades desenvolvidas: Análise do sistema de esgotamento existente Estudo demográfico e projeção populacional Estimativa das vazões (doméstica, infiltração e industrial) Determinação das variações de vazão Capacidade de autodepuração do corpo receptor Planta planialtimétrica da localidade Estimativa da quantidade de serviços e custos

29 Tipos de traçados de redes Concepção do Traçado da Rede de Esgotos

30 Concepção do Traçado da Rede de Tipos de traçados de redes Esgotos

31 Localização dos coletores na via pública Depende: interferências (galerias de águas pluviais, cabos telefônicos e elétricos, adutoras, redes de água, tubulação de gás); profundidade dos coletores; tráfego; largura da rua; soleiras dos prédios, etc.

32 Concepção do Traçado da Rede de Esgotos Localização dos coletores na via pública

33 Concepção do Traçado da Rede de Esgotos Localização dos coletores na via pública

34 ACESSÓRIOS DOS SES Poço de Visita (PV) Terminal de Limpeza (TL): tubo que permite a introdução de equipamentos de limpeza e substitui o PV no início dos coletores Tubo de Inspeção e Limpeza (TIL): dispositivo não visitável, permite a introdução de equipamentos de limpeza Caixa de Passagem (CP): câmara sem acesso usado em curvas e mudanças de declividade

35 ACESSÓRIOS DOS SES

36 POÇOS DE VISITA CHAMINÉ BALÃO

37 TUBO DE INSPEÇÃO E LIMPEZA (TIL)

38 TUBO DE LIMPEZA (TL)

39 CAIXA DE PASSAGEM (CP)

40 TIPOS DE REDES COLETORAS REDE SIMPLES REDE DUPLA

41 PROFUNDIDADE DOS COLETORES Recomendações de Norma: Recobrimento mínimo de 0,9 m no leito e 0,65 m no passeio. Usual > 1,5 m no leito

42 MATERIAIS UTILIZADOS Tubos cerâmicos: ø 100, 150, 200, 250, 300, 350, 375, 400 mm Tubos PVC: ø 100 a 400 mm Tubos de concreto: ø 400 a 2000 mm - (coletores tronco, emissários e interceptores) Tubos de ferro fundido dúctil: ø 150 a 1200 mm (linhas de recalque) Tubos de polietileno: ø 63 a 1200 mm (linhas de recalque, emissários submarinos)

43 REDE COLETORA PVC

44 INTERCEPTORES Recebem coletores ao longo do comprimento Não recebem ligações prediais diretas Localizados próximos de cursos d água ou lagoas.

45 INTERCEPTORES

46 ELEVATÓRIAS São instalações destinadas a transferir os esgotos de um ponto a outro em diversas partes do SES. Utilizadas sempre que não for possível ou viável, por razões técnicas e econômicas, o escoamento dos esgotos por gravidade. Usadas em terrenos planos e extensos, evitando-se que as canalizações atinjam profundidades excessivas e em áreas novas situadas em cotas inferiores às existentes.

47 Tipos de traçados de redes tipo distrital

48 ELEVATÓRIAS

49 DE QUE PRECISAMOS PARA O DIMENSIONAMENTO REDE?

50 DEFINIR O TRAÇADO E OS ELEMENTOS

51 DEFINIR O TRAÇADO E OS ELEMENTOS

52 CONHECER OS PARÂMETROS DE PROJETO Diâmetro (D) m ou mm Lâmina d água (y) m Velocidade inicial e final (vi e vf) m/s Área Molhada (Am) m2 Raio Hidráulico (R H ) = Am/Pm m Declividade (I) - m/m Tensão trativa (σ) Pa Velocidade Crítica (vc) m/s

53 TENSÃO TRATIVA Tensão trativa: tensão tangencial exercida sobre a parede do conduto pelo líquido escoado. σ 1 Pa

54 DECLIVIDADE MÍNIMA Declividade mínima: Declividade mínima para ocorrer para autolimpeza da rede garantindo tensão trativa de pelo menos 1 Pa ao longo do dia. Para o coeficiente de manning de η = 0,013, σ = 1 Pa e y/d = 0,75. * Imin em m/m e Qi em L/s. Derivada da equação de manning Q = I 1/2 AR 2/3 H V = I -1/2 R 2/3 H η η

55 DIÂMETRO DO TUBO Para manter a lâmina máxima igual a 0,75, o diâmetro mínimo necessário pode ser calculado diretamente por: n=0,013; D em m; I em m/m; e Qf em m 3 /s. :

56 VELOCIDADE CRÍTICA Acima da Vf pode promover a introdução de ar nos tubos coletores. Quando a velocidade final Vf é superior a velocidade crítica Vc deve-se reduzir o y/d para 0,5; R Hf.

57 PASSOS PARA DIMENSIONAMENTO Para todos os trechos da rede devem ser estimadas as vazões inicial e final (Qi e Qf ). Menor valor de vazão, 1,5 L/s em qualquer trecho. Os diâmetros a empregar devem ser previstos nas normas e especificações brasileiras relativas aos diversos materiais, o menor não sendo inferior a DN 100. A declividade de cada trecho da rede coletora não deve ser inferior à mínima admissível calculada e nem superior à econômica.

58 PASSOS PARA DIMENSIONAMENTO Verificar a tensão trativa média de cada trecho para a vazão inicial (Qi) e n=0,013. A máxima declividade admissível é aquela para a qual se tenha Vf = 5 m/s. Quando a velocidade final Vf é superior a Vc, o y/d = 0,5. As lâminas d água devem ser sempre calculadas admitindo o escoamento em regime uniforme e permanente, sendo o valor máximo, para a vazão final (Qf), igual ou inferior a 75% do diâmetro do coletor (ou 50% quando Vf >Vc).

59 RESUMO PARA DIMENSIONAMENTO

60 DESOBSTRUÇÃO DE REDES COLETORAS HIDROJATEAMENTO

61 DESOBSTRUÇÃO DE REDES COLETORAS VÁCUO

62 DESOBSTRUÇÃO DE REDES COLETORAS VÁCUO E HIDROJATEAMENTO

63 Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Tratamento de Esgotos

64 Tratamento de Esgotos Estudos de concepção devem definir: Impacto ambiental do lançamento no corpo receptor Objetivos do tratamento Níveis do tratamento Eficiência de remoção desejada

65 Tratamento de Esgotos Níveis do tratamento de Esgotos: Preliminar Primário Secundário Terciário

66 Tratamento de Esgotos Níveis do tratamento de Esgotos:

67 Tratamento Preliminar Destina-se principalmente a remoção de : Sólidos grosseiros Areia Objetivos: Proteção dos dispositivo de transporte dos esgotos Proteção da unidades de tratamento subsequentes Proteção dos corpos receptores

68 Tratamento Preliminar Unidades componentes: Gradeamento Remoção de sólidos grosseiros Desarenador (caixa de areia) Remoção de areia e partículas sólidas de diâmetro semelhante

69 Tratamento Preliminar Unidades componentes:

70 Tratamento Preliminar Gradeamento: Retenção de Material com dimensões maiores que o espaçamento entre as barras

71 Tratamento Preliminar Desarenação: Finalidades básicas: Evitar abrasão nos equipamentos e tubulações Eliminar ou reduzir a possibilidade de obstrução em tubulações, tanques, sifões, etc. Facilitar o transporte do líquido

72 Desarenação: Tratamento Preliminar

73 Medição de Vazão: Tratamento Preliminar

74 Tanque de Equalização: Tratamento Preliminar Homogeneização das vazões afluentes

75 Tanque de Equalização: Tratamento Preliminar

76 Tratamento Primário Destina-se a remoção de: Sólidos em suspensão sedimentáveis Sólidos flutuantes Objetivos: Reduzir a carga de sólidos e DBO dirigida ao tratamento secundário

77 Decantador primário: Tratamento Primário

78 Decantador primário: Tratamento Primário

79 Tratamento Secundário Objetivo: Remoção de matéria orgânica que se apresenta sob as formas: Matéria orgânica solúvel Matéria orgânica em suspensão Inclusão de uma etapa biológica Bactérias + matéria orgânica bactérias + H 2 O + CO 2 e CH 4 (condições anaeróbias)

80 Processos de tratamento: Tratamento Secundário Lagoas de estabilização e variantes Reatores Anaeróbios Lodos Ativados Reatores Aeróbios com biofilmes Processos de disposição sobre o solo

81 Variantes: Lagoas facultativas Lagoas de Estabilização Sistemas de lagoas anaeróbias - lagoas facultativas Lagoas anaeróbias Lagoas aeradas facultativas Lagoas aeradas de mistura completa lagoas de decantação Lagoas de alta taxa Lagoas de maturação Lagoas de polimento Sistemas de lagoas aeradas de mistura completa

82 Lagoas Facultativas: Lagoas de Estabilização Construção é simples (corte e aterro) e preparação de taludes Lagoas primárias (recebe esgoto bruto) Lagoas secundárias (recebe afluente de uma unidade de tratamento precedente) É um processo essencialmente natural, não necessitando de nenhum equipamento

83 Lagoas Facultativas: Lagoas de Estabilização

84 Lagoas de Estabilização Lagoas Facultativas Esquema simplificado de uma lagoa facultativa

85 Lagoas de Estabilização Lagoas Facultativas Entrada e saída contínua do esgoto DBO particulada sedimenta (decomposição anaeróbia) DBO solúvel, DBO particulada (decomposição bactérias facultativas) Perfeito equilíbrio entre produção e consumo de oxigênio e gás carbônico Requer locais com elevada radiação solar e baixa nebulosidade

86 Lagoas Facultativas Lagoas de Estabilização Profundidade: 1,5 a 2,0 m Com o aumento da profundidade predomina o consumo de oxigênio sobre a sua produção Ausência de oxigênio à noite (fotossíntese só durante o dia) A estabilização da matéria orgânica ocorre a taxas mais lentas (usualmente superior a 20 dias) Requer grandes áreas Simplicidade operacional

87 Lagoas Facultativas Lagoas de Estabilização

88 Reatores Anaeróbios Filtro anaeróbio Sistema tanque séptico filtro anaeróbio (sistema fossafiltro) Utilizado no meio rural e em comunidades de pequeno porte Utilizado também em empresas com poucos funcionários

89 Reatores Anaeróbios Tanque séptico de câmara única Esquema de tanque séptico de câmara única

90 Reatores Anaeróbios Sistema tanque séptico filtro anaeróbio Fluxograma típico de um sistema de tanque séptico seguido por filtro anaeróbio

91 Filtro anaeróbio Reatores Anaeróbios Esquema de um filtro anaeróbio de fluxo ascendente (fonte: Chernicharo, 2001)

92 Reatores Anaeróbios Filtro anaeróbio Filtro anaeróbio retangular, de fluxo ascendente (fonte: Chernicharo, 2001)

93 Reatores Anaeróbios Sistema tanque séptico- filtro anaeróbio A eficiência do sistema é usualmente inferior à dos processos aeróbios (suficientes para maior parte das situações) A produção do lodo em sistemas anaeróbios é bem baixa O lodo já sai estabilizado Sempre há risco de geração de maus odores

94 Filtro anaeróbio Reatores Anaeróbios Filtro anaeróbio da ETE de São Bartolomeu

95 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo Reatores Anaeróbios de Fluxo Ascendente e de Manta de Lodo (RAFA) Upflow Anaerobic Sludge Blanket (UASB) Tendência no Brasil como tratamento único ou seguido de alguma forma de pós-tratamento Não há necessidade de tratamento primário

96 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo A biomassa cresce dispersa no meio A concentração de biomassa é elevada (manta de lodo) Volume requerido é bastante reduzido, comparando com todos os outros sistemas de tratamento Retém grande parte da biomassa no sistema (retorno gravitacional) Idade do lodo é elevada e o tempo de detenção hidráulica é reduzido (6 a 10h)

97 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo Fluxograma típico de um sistema com reator anaeróbio de manta de lodo e fluxo ascendente (UASB)

98 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo Representação esquemática do funcionamento de um reator UASB

99 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo Foto e representação esquemática de um reator UASB cilíndrico, de pequeno porte (250 hab). ETE Experimental UFMG/COPASA.

100 Reator anaeróbio de manta de lodo Produção de lodo é baixa Reatores Anaeróbios O lodo já sai digerido e adensado Risco de geração de liberação de maus odores pode ser minimizado: Projeto bem elaborado (cálculos cinéticos e hidráulicos) Completa vedação do reator Operação adequada do reator

101 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo

102 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo Limitação da eficiência de remoção da DBO (70%) Para atingir a eficiência desejada, os reatores UASB devem ser seguidos por alguma forma de pós-tratamento O pós-tratamento pode ser qualquer dos processos secundários (aeróbios e anaeróbios) O sistema de pós-tratamento é bem mais compacto O tamanho (volume) total das unidade no sistema UASB pós-tratamento é também um pouco menor, comparada a alternativa sem reator UASB

103 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo

104 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo

105 Reatores Anaeróbios Reator anaeróbio de manta de lodo

106 Lodos ativados Sistema muito utilizado em nível mundial. Efluente com elevada qualidade e com baixo requisito de área O nível de mecanização, o consumo energético e a complexidade operacional são mais elevados Pode ser utilizado com pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios

107 Lodos ativados Lodos ativados convencional (fluxo contínuo) Lodos ativados de aeração prolongada (fluxo contínuo) Fluxo intermitente (operação intermitente) Lodos ativados como pós-tratamento de efluentes anaeróbios

108 Lodos ativados Lodos ativados convencional A redução no volume pode ser alcançada por meio da concentração de biomassa no meio líquido Na unidade de decantação do sistema de lagoas aeradas lagoas de decantação, possui bactérias ativas e ávidas Aumentar a concentração de bactérias na unidade de aeração retornando o lodo (princípio básico de lodos ativados)

109 Lodos ativados Lodos ativados convencional Esquema das unidades da etapa biológica do sistema de lodos ativados

110 Lodos ativados Lodos ativados convencional Biomassa é separada no decantador secundário (flocular) A concentração de sólidos em suspensão no tanque de aeração é mais de 10 vezes superior à de uma lagoa aerada de mistura completa TDH do líquido é de 6 a 8 horas, requerendo um volume bem reduzido Idade do lodo: 4 a 10 dias, bem superior ao do líquido Remoção de matéria orgânica sedimentável no decantador primário

111 Lodos ativados Lodos ativados convencional

112 Lodos ativados Lodos ativados convencional Fluxograma típico do sistema de lodos ativados convencional

113 Lodos ativados convencional Tanques são de concreto Lodos ativados As bactérias crescem e se reproduzem continuamente no tanque de aeração devido à entrada contínua de alimento Retirar a mesma quantidade de biomassa que é aumentada por reprodução para manter o sistema em equilíbrio (lodo biológico excedente) O lodo excedente deve sofrer adensamento, digestão e desidratação

114 Lodos ativados Lodos ativados convencional A aeração é responsável pela introdução de oxigênio e manutenção da biomassa em suspensão A aeração pode ser por aeradores mecânicos superficiais ou por ar difuso Ocupa áreas reduzidas e tem elevada eficiência de remoção O fluxograma do sistema é complexo, requerendo uma elevada capacitação para a sua operação Os gastos com energia elétrica são um pouco superiores aos das lagoas aeradas

115 Reatores aeróbios com biofilmes Biomassa cresce aderida a um meio suporte Leito de material grosseiro pedras brita escória de alto-forno ripas material plástico (mais leves e maior área superficial) A função do filtro não é filtrar

116 Reatores aeróbios com biofilmes São sistemas aeróbios A aplicação de esgotos é feita através de distribuidores rotativos (movidos pela própria carga hidráulica) A matéria orgânica é adsorvida pela película microbiana e então é estabilizada Esquema de um filtro biológico percolador

117 Reatores aeróbios com biofilmes (a) Vista de um filtro percolador, com quatro braços distribuidores, leito de brita e aberturas na parede lateral, para saída do efluente e entrada de ar. (b) Detalhe de um braço distribuidor aplicando o afluente sobre o leito de pedras.

118 Reatores aeróbios com biofilmes São normalmente circulares e podem ter vários metros de diâmetro Têm uma menor capacidade de se ajustar a variações do efluente Podem ser usados como pós-tratamento do efluente de reatores anaeróbios os decantadores primários podem ser substituídos pelos reatores anaeróbios se o lodo excedente não estiver estabilizado, ele é retornado ao reator anaeróbio

119 Reatores aeróbios com biofilmes Filtros biológicos percoladores de baixa carga Fluxograma típico de um filtro biológico percolador de baixa carga

120 Reatores aeróbios com biofilmes Filtros biológicos percoladores de alta carga O efluente é recirculado, porque? Uniformizar a vazão Equilibrar a carga afluente Possibilitar novo contato MO efluente da Fluxograma típico de um filtro biológico de alta carga

121 Reatores aeróbios com biofilmes Filtros biológicos percoladores de alta carga Recirculação do efluente Manter vazão uniforme durante todo dia Equilibrar a carga afluente Novo contato matéria orgânica efluente Levar oxigênio dissolvido para o líquido afluente Para melhorar a eficiência, pode-se utilizar dois filtros biológicos em série

122 Reatores aeróbios com biofilmes Filtros biológicos percoladores de alta carga Limitações de filtros biológicos com leito de pedras a área superficial específica é baixa volume de espaços vazios é limitado entupimento de espaços vazios (elevadas cargas) podem ocorrer inundações e falhas do sistema

123 Reatores aeróbios com biofilmes Filtros biológicos percoladores de alta carga Usar outros materiais com maior área superficial (plástico corrugado, tablados de ripas e anéis plásticos) possuem aproximadamente o dobro de área aumentam os espaço vazio para circulação de ar são mais leves (cerca de 30 vezes), diminui o requisito de área

124 Disposição de Efluentes no Solo Conduzem à recarga do lençol subterrâneo e/ou evapotranspiração O esgoto supre as necessidades das plantas, tanto em termos de água, quanto de nutrientes Um poluente no solo tem três possíveis destinos: Retenção na matriz do solo Retenção pelas plantas Aparecimento na água subterrânea

125 Disposição de Efluentes no Solo Infiltração Lenta (irrigação) Sistema de infiltração lenta Objetivo: tratamento de esgotos As taxas de aplicação são controladas pela carga de nitrogênio ou pela permeabilidade do solo São projetados para maximizar a quantidade de esgotos aplicados por unidade de área Aplicação em solo argiloso, com boa drenagem e profundidade de águas subterrâneas superior a 1,5 m

126 Disposição de Efluentes no Solo Infiltração Lenta (irrigação) Sistema de irrigação de culturas (fertirrigação) objetivo: Reuso da água para produção agrícola As taxas de aplicação são baseadas nas necessidades de irrigação da cultura e na eficiência de aplicação do sistema de distribuição Avaliar as características microbiológicas e bioquímicas dos esgotos Requer maior área e é o sistema natural mais eficiente

127 Disposição de Efluentes no Solo Infiltração Lenta (irrigação) Fluxograma típico de um sistema de infiltração lenta por aspersão (ao invés do tratamento primário, podem-se ter reatores anaeróbios.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Sistemas de Esgotos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com Conceito Sistemas de Esgotos

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior

Recomendações para o Projeto e Dimensionamento. Profª Gersina N.R.C. Junior Recomendações para o Projeto e Dimensionamento Profª Gersina N.R.C. Junior Vazão; Recomendações Para Projeto Principais recomendações que o projetista deve observar: Diâmetro mínimo; Lâmina d água máxima;

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG.

TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. FUNASA SOLUÇÕES INOVADORAS DE TRATAMENTO E REÚSO DE ESGOTO EM COMUNIDADES ISOLADAS Campinas, 20-21 junho 2013 TRATAMENTO DE ESGOTOS EM PEQUENAS COMUNIDADES. A EXPERIÊNCIA DA UFMG. Marcos von Sperling Universidade

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO

SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PROF. MARCO AURELIO HOLANDA DE CASTRO INTRODUÇÃO 1.1 Partes de um Sistema de Esgotamento Sanitário: Rede Coletora: Conjunto de tubulações destinadas a receber e Conduzir

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos Prof. Robson Alves de Oliveira robson.aoliveira@gmail.com.br Ji-Paraná - 2014 Atividades realizadas pelo projetista da rede coletora de esgoto: Identificação

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário

Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Coleta e Transporte de Esgoto Sanitário Giovana Martinelli da Silva Ricardo Franci Gonçalves Universidade Federal do Espírito Santo Índice Evolução Histórica Definição Objetivos Tipos de Sistemas Componentes

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS ETE 600L 2 Cuidando do Meio Ambiente Anderson Müller Larrymar Ruoso Memorial Descritivo, Justificativa, Memória de Cálculo e Procedimentos de Operação

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Materiais das Tubulações. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Materiais das Tubulações Profª Gersina Nobre Materiais das tubulações Fatores que devem ser observados na escolha: Resistência a cargas externas; Resistência a abrasão e a ataque químico;

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior

Dimensionamento da Rede Coletora de Esgotos. Profª Gersina N.R.C. Junior da Rede Coletora de Esgotos Profª Gersina N.R.C. Junior Rede de Esgoto - Após a definição do traçado, numeração dos trechos e indicação do sentido de escoamento da rede de esgoto: a) Cálculo da vazão a

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo;

Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte. Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Tratamento de efluentes líquidos e sólidos Segunda Parte REATORES ANAERÓBIOS Divididos em dois grupos: Sistemas convencionais: tanques sépticos, lagoa anaeróbia e digestores de lodo; Sistemas de Alta Taxa:

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS ITEMA DE LODO ATIVADO 1 INTODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Reservatórios e Redes de Distribuição de Água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção

Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC. Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Projeto de Engenharia do Sistema de Esgoto Sanitário de Dr. Pedrinho - SC Projeto Relatório 2 Estudo de Concepção Dezembro/ 2008 Revisão: Abril/2012 Revisão: Julho/2013 Preparado para: CASAN Companhia

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Disciplina: Processos de Tratamento de Esgoto Professora: Nara Luisa Reis de Andrade naraluisar@gmail.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB Marcio Gomes Barboza/Eduardo L. C. de Amorim GTR/CTEC/UFAL 1 1. INTRODUÇÃO Upward-flow Anaerobic Sludge Blanket (UASB) Dr. Gatze Lettinga

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE Definição Conjunto de obras e instalações destinadas a propiciar a coleta, transporte, tratamento e disposição final das águas residuárias da comunidade, de uma forma adequada do ponto de vista

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO

UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DE BAIXO CUSTO Resumo Até alguns anos atrás, os sistemas anaeróbicos de tratamento de efluentes eram considerados como "caixas pretas", cheios de segredos e truques,

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 230

Norma Técnica Sabesp NTS 230 Norma Técnica Sabesp NTS 230 Projeto de lagoas de estabilização e seu tratamento complementar para esgoto sanitário Procedimento São Paulo Junho - 2009 NTS 230 : 2009 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO

DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail:

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE ESTAÇÕES COMPACTAS PARA TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR FILTRO ANAERÓBIO REATOR ANAERÓBIO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/97 N 16 TRATAMENTO DE ESGOTO: TECNOLOGIAS ACESSÍVEIS 1. Introdução No Brasil, 49% do esgoto produzido é coletado através de rede e somente

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO E DE CÁLCULO HIDRO-SANITÁRIO OBRA: UNIDADE DE ACOLHIMENTO ADULTO PREFEITURA MUNICIPAL DE SOBRAL ENDEREÇO: Rua Dinamarca, S/N Sobral - Ceará PROJETO: HIDRO-SANITÁRIO E ÁGUAS PLUVIAIS

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. Guia de Instalação BIODIGESTOR ECOLIMP 600 L 1.300 L Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. guia_biodigestor_1397x2159_v02.indd 1 07/06/2010 10:58:54 1.

Leia mais

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

SUMÁRIO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ESGOTO SANITÁRIO SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15

SUMÁRIO. 6.1 Memorial Descritivo...14 7. Verificação...14 8. Medição...15 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início do serviço...3 5. Métodos e procedimentos de execução...4 5.1 Estudo Preliminar...4 5.1.1 Consolidação

Leia mais

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal!

AUDITORIA DE OBRAS HÍDRICAS EM EXERCÍCIOS TCU/2011 PROFESSOR: REYNALDO LOPES Olá pessoal! Olá pessoal! Foi com grande alegria que recebi um novo convite para elaborar um curso online do Ponto. O objetivo agora é contribuir para a aprovação dos alunos no concurso para o TCU/2011 por meio de

Leia mais

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011

ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL ESTUDO DA NOVA NORMA BRASILEIRA DE PROJETO DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR 12.209/2011 Eduardo Fazza Dielle Juiz de

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre

Sistema de Esgoto. Órgãos acessórios. Profª Gersina Nobre Sistema de Esgoto Órgãos acessórios Profª Gersina Nobre Concepção da coleta de esgoto sanitário Para a concepção da coleta de esgoto sanitário é necessária a definição dos dispositivos que serão empregados

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08

GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/050/01/08 Data de aprovação 05.11.2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4951/08 CADASTRO TÉCNICO DE SISTEMAS DE SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 2 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 2

Leia mais

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL

O USO DO FILTRO ANAERÓBIO PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS NO BRASIL ANDRADE NETO, C O de; HAANDEL, A van ; MELO, H N S. (2002). O Uso do Filtro Anaeróbio para Pós-Tratamento de Efluentes de Reatores Anaeróbios no Brasil. In: X SIMPÓSIO LUSO-BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA

Leia mais

VAZÕES DE ESGOTO. Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva

VAZÕES DE ESGOTO. Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental VAZÕES DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Caracterização da Quantidade de Esgotos Concepção

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO: SOLUÇÃO PARA O

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO: SOLUÇÃO PARA O Paulo Roberto dos Santos RA:3250065 10º Semestre LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO: SOLUÇÃO PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES Itatiba SP 2007 i Paulo Roberto dos Santos RA:3250065 10º Semestre LAGOAS DE

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO

SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO SUMIDOUROS E VALAS DE INFILTRAÇÃO Projeto Permanente de Educação Ambiental PPEA 1-Generalidades Sumário 2-O que é o sumidouro e como funciona? 3-Aspectos Construtivos 4-Prescrições Normativas e Critérios

Leia mais

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital

PROJETO VIDA. Recomposição e Preservação do Ambiente Vital PROJETO VIDA Recomposição e Preservação do Ambiente Vital Justificativas Considerando que os diversos tipos de plásticos levam 50, 100 ou mais anos para se decomporem; Considerando que 67,8 m3 por segundo

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SANEAMENTO. Sistema de esgotamento sanitário hospitalar

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SANEAMENTO. Sistema de esgotamento sanitário hospitalar DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SANEAMENTO Sistema de esgotamento sanitário hospitalar 1 1 APRESENTAÇÃO O presente documento fixa as condições mínimas exigíveis para apresentação

Leia mais

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7)

DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) DISCIPLINA: SISTEMA SANITÁRIO (2/7) Rede de capitação, tratamento e distribuição de água Rede de drenagem de águas pluviais Rede de coleta e tratamento de esgoto Serviço de coleta e tratamento de resíduos

Leia mais

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-146 - TRATAMENTO ECOEFICIÊNTE DE ESGOTO SANITÁRIO PARA PEQUENAS COMUNIDADES

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-146 - TRATAMENTO ECOEFICIÊNTE DE ESGOTO SANITÁRIO PARA PEQUENAS COMUNIDADES 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-146 - TRATAMENTO ECOEFICIÊNTE DE ESGOTO SANITÁRIO PARA PEQUENAS COMUNIDADES Ederaldo

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS ARENA DE SALVADOR PROJETO BÁSICO DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS Resp. Técnico: Carlos A. N. Viani MD-1944/02-HP-001 Rev. 0 1. OBJETIVO Este memorial

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP)

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO (RAP) REGIONAIS 5.9.8.1 Executar rotina geral de manutenção da ETE REGIONAIS 5.9.8.2 Executar a manutenção geral das elevatórias das ETEs REGIONAIS 5.9.8.3 Executar a manutenção dos conjuntos motobombas Executar

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais