AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE UM PROTÓTIPO DE REATORES ANAERÓBIOS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES Adriane Dias da Silva Lisboa 1 *; Lucas Achaval Silva 2 ; Yovanka Pérez Ginoris 3 ; Marco Antonio Almeida de Souza 4 Resumo O presente trabalho apresenta os resultados da avaliação de um protótipo de reatores anaeróbios, que foi concebido, construído e instalado em uma residência de uma família com cinco pessoas, localizada em Vicente Pires, Distrito Federal. O propósito principal desse protótipo foi remover matéria orgânica e sólidos do esgoto, utilizando um processo de tratamento biológico essencialmente anaeróbio, composto de reator hidrobiolítico seguido de filtro anaeróbio, ambos coadjuvados por sedimentação laminar. O protótipo foi monitorado por dezenove meses, com início em julho de 2013 e término em janeiro de O protótipo apresentou melhores resultados de eficiências de remoção (acima de 70%) quanto aos parâmetros DQO, DBO, sólidos suspensos totais, e sólidos sedimentáveis, que foram de 81%, 83%, 87% e 100%, respectivamente. Quanto ao atendimento do padrão de lançamento de efluentes de sistemas de tratamento, o efluente final do protótipo apresentou resultados de temperatura, ph, DBO e sólidos sedimentáveis que respeitam a Resolução do CONAMA n 430/2011. Esse protótipo de reatores anaeróbios mostrou-se uma alternativa adequada para tratamento descentralizado de esgotos domésticos e poderia ser utilizado em unidades compactas para residências unifamiliares em diferentes situações reais. Palavras-Chave protótipo, esgotos domiciliares, tratamento descentralizado. PERFORMANCE EVALUATION OF A PROTOTYPE OF ANAEROBIC REACTORS FOR TREATING DOMESTIC SEWAGE Abstract This paper presents the evaluation results of a prototype of anaerobic reactors, which was designed, constructed and installed in a residence of a family with five people, located in Vicente Pires, Distrito Federal. The main purpose of this prototype was to remove organic and solid matter from sewage using a biological treatment process essentially anaerobic, consisting of hydrobiolytic reactor followed by anaerobic filter, both assisted by laminar sedimentation. The prototype was monitored for nineteen months, starting in July 2013 and ending in January The prototype showed better results removal efficiencies (over 70%) for COD, BOD, total suspended solids, and settleable solids, that were 81%, 83%, 87% and 100%, respectively. In relation to discharge standards for wastewater treatment systems into receiving bodies, the final effluent of the prototype presented results of temperature, ph, BOD, and settling solids complying with the CONAMA Resolution No. 430/2011. This prototype of anaerobic reactors proved to be a suitable alternative for decentralized wastewater treatment and could be used in compact units for single-family residences in different real situations. Keywords prototype, household sewage, decentralized treatment. 1 Discente no Doutorado em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos na Universidade de Brasília - UnB. 2 Mestre em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos pela UnB. 3 Docente no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos na UnB. 4 Docente no Programa de Pós-Graduação em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos na UnB. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

2 INTRODUÇÃO Mesmo com os avanços em saneamento básico, o levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010) consubstanciado nos resultados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB) referente ao ano de 2008, mostrou que pouco mais da metade dos municípios brasileiros (55,2%) possuíam serviço de esgotamento sanitário por rede coletora. Outro dado importante constatado é que apenas 28,52% dos municípios tratam o esgoto coletado. No Brasil, a utilização de fossas sépticas é muito difundida em locais onde a população não é atendida por rede coletora de esgotos, porém, muitas vezes são dimensionados e/ou construídos sem qualquer critério técnico resultando em baixa eficiência da carga poluidora. Um protótipo de reatores anaeróbios foi concebido, construído e instalado em uma residência unifamiliar, com o propósito de verificar a possibilidade de produzir um sistema compacto para tratar as águas residuárias que são geradas em residências situadas em regiões que não são atendidas por rede coletora de esgotos. Esse sistema deverá ser eficiente, mas ao mesmo tempo ser leve, para poder ser transportado e ocupar o menor espaço possível. Sabe-se que o tratamento anaeróbio de esgotos vem se destacando no País, já que possui um clima favorável para esse tipo de tecnologia, e também pelo fato de ser de fácil manutenção e operação, possuir baixos custos de instalação e simplicidade de construção, se comparado com outras tecnologias. O protótipo de reatores anaeróbios foi concebido, construído e instalado em uma residência familiar localizada em Vicente Pires, Distrito Federal. Na concepção do sistema pretendeu-se associar os conceitos de reatores anaeróbios de fluxo ascendente e manta de lodos, de reatores anaeróbios de meio fixo (filtros anaeróbios), de lodos ativados com e sem nitrificação e desnitrificação, de decantação laminar, e de placas coalescentes e sedimentação laminar. Essa associação de conceitos visou ao desenvolvimento de um protótipo que fosse capaz de tratar de forma eficiente o esgoto gerado por uma unidade unifamiliar (Achaval, 2014). O protótipo de reatores anaeróbios foi construído em fibra de vidro em uma indústria especializada em produtos fabricados para o tratamento de esgotos. A fibra de vidro é um material leve, transportável e acessível, e que pode ser aplicável a sistemas compactos. Houve duas fases diferentes de operação e monitoramento do protótipo. A primeira fase teve a duração de sete meses e constou do monitoramento da fase de estabilização e inicialização do sistema. A segunda fase teve a duração de 12 meses e, além do monitoramento, constou de observações quanto aos aspectos operacionais e de manutenção. O presente trabalho apresenta a eficiência do protótipo por trimestre de monitoramento quanto à remoção de matéria orgânica e inorgânica e de sólidos suspensos totais e sedimentáveis. MATERIAIS E MÉTODOS O protótipo de reatores anaeróbios foi instalado em uma residência unifamiliar em Vicente Pires, Distrito Federal e foi monitorado ao longo de 19 meses, com início em Julho de 2013 e término em Janeiro de Foram quatro os pontos de coleta de amostras no protótipo: ponto A entrada do protótipo na câmara 1, sendo um tanque hidrobiolítico composto de um Tanque Imhoff modificado (T.I.M); ponto B saída da câmara 1; ponto C saída da câmara 2, referente ao filtro anaeróbio de fluxo ascendente (F.A1); e ponto D saída da câmara 3 ou efluente final, referente ao XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 2

3 filtro anaeóbio composto de um decantador laminar secundário (F.A2+D.L.S). Os pontos de coleta são representados na Figura 1. Figura 1 - (a) Desenho da vista do topo do protótipo (b) Vista da câmara 1 T.I.M. Tanque Imhoff Modificado (c) Vista câmara 2 - F.A.1 - Filtro Anaeróbio 1 (d) Vista da câmara 3 F.A.2 + D.L.S - Filtro anaeróbio 2 e Decantador Laminar Secundário (Achaval, 2014). As amostras coletadas foram caracterizadas quanto aos parâmetros físicos e químicos apresentados na Tabela 1. As coletas e procedimentos de pré-tratamento, bem como as análises foram realizadas de acordo com os procedimentos descritos no Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater (APHA, 2005). Tabela 1 - Ensaios para a caracterização físico-química das amostras coletadas no protótipo de reatores anaeróbios. PARÂMETRO MÉTODO ph Potenciométrico (Medidor PHTEK, com eletrodo para Temperatura medir temperatura). Alcalinidade total Titulação potenciométrica Sólidos totais Gravimétrico ( ºC) Sólidos totais fixos e voláteis Gravimétrico (550ºC) Sólidos suspensos totais Gravimétrico ( ºC) Sólidos Sedimentáveis Visualização em Cone Imhoff DQO Colorimétrico DBO Manométrico Nitrito Colorimétrico Nitrato Colorimétrico Fósforo total Colorimétrico XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 3

4 RESULTADOS As amostras coletadas no protótipo de reatores anaeróbios foram caracterizadas quanto aos parâmetros temperatura, ph, alcalinidade, DQO, DBO, nitrito, nitrato, fósforo total, sólidos totais e totais voláteis, sólidos suspensos totais e sólidos sedimentáveis. Além da caracterização das amostras, a Tabela 2 mostra a eficiência de remoção do protótipo em relação a alguns parâmetros. Tabela 2 - Caracterização físico-química das amostras coletadas no protótipo de reatores anaeróbios e sua eficiência. Protótipo de reatores anaeróbios Entrada do sistema (1) Saída do sistema (4) ph Alcalinidade (mgcaco3/l) DQO (mg/l) DBO (mg/l) Nitrito (mg/l) Nitrato(mg/L) Fósforo total (mgp/l) Nº de dados Mínimo NO (5) 6, , Máximo NO 7, , Média 6, , Quartil (75%) 6, , Mediana 6, , Quartil (25%) 6, , Desvio Padrão 0, , CV (%) (6) Nº de dados Mínimo NO 6, , , ,0 Máximo NO 7, , Média 6, , Quartil (75%) 6, , Mediana 6, , Quartil (25%) 6, , Desvio Padrão 0, , CV (%) ST (1) (mg/l) STV (2) (mg/l) SST (3) (mg/l) Ssed (4) (ml/l) Eficiência de remoção (%) Saída do Tanque Imhoff Modificado (2) Saída do Filtro Anaeróbio 1 (3) Nº de dados Mínimo NO 6, ,01 0,0 20, ,0 Máximo NO 7, , ,1 Média 6, , ,0 Quartil (75%) 6, , ,0 Mediana 6, , ,3 Quartil (25%) 6, , ,1 Desvio Padrão 0, , ,5 CV (%) Nº de dados Mínimo NO 6, ,01 0, ,0 Máximo NO 7, , ,0 Média 6, , ,7 Quartil (75%) 6, , ,5 Mediana 6, , ,2 Quartil (25%) 6, , ,0 Desvio Padrão 0, , ,5 CV (%) (1) Sólidos totais; (2) Sólidos totais voláteis; (3) Sólidos suspensos totais; (4) Sólidos sedimentáveis; (5) Não Outlier; (6) Coeficiente de Variação. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 4

5 Os resultados foram tratados a partir de estatística descritiva com medidas de tendência central e de dispersão dos dados. Como os dados englobam a fase de estabilização do sistema e considerando que houve uma limpeza no protótipo no seu 12 mês de funcionamento, a medida de tendência central que representa melhor os dados de caracterização é a mediana, pois ela não é afetada por valores extremos como a média. A temperatura do esgoto no sistema manteve-se praticamente constante. A temperatura mediana na entrada do sistema foi de 23,5 C, 23,8 C na saída do Tanque Imhoff Modificado (T.I.M), 23,6 C na saída do filtro anaeróbio 1 e de 23,5 C na saída do sistema. As coletas das amostras foram realizadas no início da manhã, dessa forma, a temperatura era inferior nesse horário em comparação com o restante do dia. De acordo com Chernicharo (2007), para que haja um bom desempenho dos reatores anaeróbios de manta de lodo é adequado que o esgoto possua temperatura superior a 20 C, o desempenho dos reatores fica comprometido com temperaturas inferiores a 16ºC. Assim, as temperaturas obtidas nos quatro pontos coletados foram consideradas satisfatórias para manutenção das atividades microbianas do protótipo concebido. Dos resultados obtidos na medição de ph do esgoto domiciliar, observou-se que 50% dos dados encontram-se entre 6,55 e 6,90, com mediana de 6,70 na entrada do protótipo. O ph das amostras na saída do protótipo foi em mediana de 6,83, com 50% dos dados concentrados entre 6,69 e 6,98. As medianas dos pontos de coletas intermediários do protótipo de reatores anaeróbios foi de 6,77 no ponto de coleta 2, ou seja, na saída do T.I.M e de 6,84 no ponto de coleta 3, ou seja, na saída do filtro anaeróbio 1. Os resultados de ph próximos a neutralidade, favoreceram para o desenvolvimento da atividade dos microrganismos necessários para o tratamento anaeróbios de esgotos. Em relação à alcalinidade total, a concentração mediana foi de 300 mgcaco3/l, 280 mgcaco3/l, 296 mgcaco3/l e 295 mgcaco3/l, nos quatro pontos de coletas, respectivamente. Com os resultados de alcalinidade total, foi possível observar que o esgoto que passou pelo protótipo possui elevada capacidade de tamponamento. Assim, é provável que a manutenção do ph próximo a neutralidade pode estar associada às altas concentrações de alcalinidade dos efluentes. As concentrações medianas da Demanda Química de Oxigênio (DQO) nos quatro pontos de coletas foram de 1168 mg/l, 834 mg/l, 544 mg/l e 254 mg/l, respectivamente, com eficiência de remoção de 81% de DQO no protótipo. As concentrações medianas da Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) foram de 697 mg/l, 468 m/l, 183 mg/l e 122 mg/l, nos quatros pontos de coleta, respectivamente, com o protótipo apresentando em mediana uma eficiência de remoção de 83% de DBO. Para confirmar a indicação do esgoto doméstico bruto para o tratamento biológico foi calculada a relação DQO/DBO média do protótipo que deve ser menor que 2,5, o valor médio calculado foi de 1,68. Os resultados de DQO e DBO também foram analisados por trimestres de monitoramento, e os resultados são apresentados na Figura 2. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 5

6 Figura 2 Concentração mediana de DQO por trimestre de monitoramento (à esquerda) e concentração mediana de DBO por trimestre de monitoramento (à direita), e seus respectivos pontos de coletas. Observa-se uma variação irregular dos valores medianos de DQO nos quatro pontos de coletas, sendo que a variação menor dos valores medianos ocorreu no efluente de saída do sistema. Apesar disso, houve remoção significativa de DQO em todos os trimestres avaliados. Quanto às concentrações medianas de DBO, observa-se que, apesar de na entrada do sistema as concentrações medianas terem sido crescentes, as concentrações nos demais pontos de coletas foram decrescentes, mostrando que o sistema de tratamento anaeróbio remove melhor matéria orgânica ao longo do tempo. Verificou-se que grande parte da DQO e DBO eram removidas no primeiro filtro anaeróbio (câmara 2), porém, o sistema de tratamento do segundo filtro anaeróbio juntamente com o sistema de decantação laminar (câmara 3 saída do sistema) proporcionou remoção adicional, mesmo que pequena. Quanto aos resultados de nitrito, as concentrações medianas foram de 0,08 mgno2 - -N/L na entrada do sistema e na saída do T.I.M, e de 0,07 mgno2 - -N/L nos efluentes de saída do filtro anaeróbio 1 e da saída do sistema, sendo que o protótipo apresentou eficiência de remoção de 13% de nitrito. Enfatiza-se que a tecnologia de tratamento do protótipo não é destinada a remover nutrientes. As concentrações medianas de nitrato nos esgotos normalmente são muito baixas, porém, os resultados encontrados na caracterização das amostras coletadas no protótipo foram maiores. Possivelmente, a alta concentração de nitrato está relacionada à rápida nitrificação da amônia, e, como o nitrato é instável no esgoto, a passagem para nitrato é mais rápida. As concentrações medianas foram de 17 mgno3 - -N/L, 8 mgno3 - -N/L, 7 mgno3 - -N/L e 6 mgno3 - -N/L, nos quatro pontos de coletas, respectivamente. A eficiência de remoção mediana foi de 64%. Os resultados medianos de fósforo total também estiveram acima dos valores encontrados na literatura para esgotos sanitários, que giram em torno de 7 mg/l (Von Sperling, 2005). O protótipo concebido removeu pouco fósforo total, apenas 13%, com concentração mediana de 44 mg/l na entrada do sistema e de 36 mg/l na saída do sistema. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 6

7 Quanto à eficiência do protótipo na série de sólidos analisadas na presente pesquisa, ele apresentou uma eficiência de remoção de 51% de sólidos totais e de 55% para sólidos totais voláteis, mas os maiores resultados de eficiência no protótipo foram na remoção de sólidos suspensos totais, 87%, e de sólidos sedimentáveis, 100%. Observou-se que o decantador laminar instalado no T.I.M (câmara 1) removia, aproximadamente, 96% dos sólidos sedimentáveis presentes no esgoto, a concentração remanescente de sólidos sedimentáveis era removida no segundo decantador laminar localizado após o segundo filtro anaeróbio, ou seja, na câmara 3 do protótipo, alcançando a eficiência de 100%. Os resultados de sólidos suspensos totais e sólidos sedimentáveis foram analisados por trimestre de monitoramento, e as concentrações medianas por trimestre são apresentadas na Figura 3. Figura 3 Concentração mediana de Sólidos Suspensos Totais (SST) por trimestre de monitoramento (à esquerda) e concentração mediana de Sólidos Sedimentáveis (Ssed) por trimestre de monitoramento (à direita), e seus respectivos pontos de coletas. Observa-se que no sexto trimestre de monitoramento houve um aumento brusco da concentração mediana de SST e Ssed nas amostras coletadas na entrada do protótipo. O aumento brusco da concentração no sexto trimestre na amostra coletada na entrada do sistema, pode ter ocorrido devido à troca do sistema de amostragem, pois essa é a câmara com maior acúmulo das frações sólidas do lodo, ou seja, a nova configuração do amostrador pode ter interferido na amostragem do sexto trimestre de monitoramento. De qualquer forma, o protótipo manteve a eficiência de remoção de SST acima de 80% e de Ssed de 100%. Ao avaliar o efluente final do protótipo de reatores anaeróbios em relação à Resolução n 430 (CONAMA, 2011) que trata dos padrões para o lançamento de efluentes sanitários, verifica-se que ele atende aos padrões preconizados para Temperatura, ph e DBO e Sólidos sedimentáveis. A Resolução recomenda que a temperatura seja inferior a 40 C, a temperatura do efluente final do protótipo foi de 23,5 C, o ph deve-se concentrar entre 5 a 9, o ph do efluente final do protótipo foi de 6,83, quanto aos sólidos sedimentáveis a Resolução limita ao máximo 1 ml/l, o efluente final apresentou Ssed igual a 0mL/L. Quanto ao parâmetro DBO, a Resolução do CONAMA n 430/11, preconiza uma remoção mínima de 60%, o protótipo apresentou remoção de 83% de DBO. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 7

8 De acordo com as características avaliadas, o protótipo atendeu ao que determina a Resolução do CONAMA 430/2011 para lançamento de efluentes sanitários. CONCLUSÕES O protótipo de reatores anaeróbios mostrou-se uma alternativa adequada para tratamento de esgoto doméstico in situ, podendo evitar a contaminação dos corpos d água e melhorar a qualidade de vida da população beneficiada ao evitar o lançamento de esgotos em locais inadequados. Com a concepção de um sistema compacto e de baixo custo, o protótipo poderia ser utilizado em residências unifamiliares. AGRADECIMENTOS A presente pesquisa teve o apoio financeiro da FINEP Financiadora de Estudos e projetos, por meio do Convênio Rede Nacional de Tratamento de Esgotos Descentralizados. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq, pelo apoio financeiro por meio de bolsas de estudos. REFERÊNCIAS ACHAVAL, L. S. (2014). Desenvolvimento e avaliação de um protótipo de estação compacta para tratamento de esgoto em unidades residenciais unifamiliares. Dissertação de Mestrado em Tecnologia Ambiental e Recursos Hídricos. Publicação PTARH.DM- 162/2014, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 173p. APHA, AWWA; WPCF (2005). Standard methods for examination of water and wastewater. American Public Health Association, American Water Works Association, Water Pollution Control Federation, Washington DC, USA. 21ed. CHERNICHARO, C. A. L. (2007). Reatores anaeróbios: Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. 2ª Edição. UFMG Vol.5. Belo Horizonte, MG, Brasil. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE (2010). Pesquisa Nacional de Saneamento Básico- PNSB Disponível em Acesso em 20/03/2015. VON SPERLING, M. (2005). Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental UFMG, Vol. 1, 452p. XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 8

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Simone Fiori (1) ; Vera Maria Cartana Fernandes (2), Vinícius Scortegagna (3) ; Fernanda Liska (4) (1)

Leia mais

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/214 RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Ana Paula Cosso Silva Araujo (*), Bruno de Oliveira Freitas. * Universidade

Leia mais

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS NO MUNICÍPIO DE SÃO DOMINGOS - BA

VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS NO MUNICÍPIO DE SÃO DOMINGOS - BA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS NO MUNICÍPIO DE SÃO DOMINGOS - BA Autor: Mayara Santana Borges Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental Instituição:

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernanda Liska 1 ; Simone Fiori 2 *; Vera M. Cartana Fernandes 3 ; Vinícius Scortegagna 4 Resumo Apenas parte dos domicílios

Leia mais

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO

Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹ RESUMO AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE DBO E DE DQO DA ÁGUA RESIDUÁRIA DE UMA INDÚSTRIA FARMOCOSMECÊUTICA EMPREGANDO O PROCESSO DE LODOS ATIVADOS POR AERAÇÃO PROLONGADA Ruiter Lima Morais 1 Yara Vanessa Portuguez Fonseca¹

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Pedro Herlleyson Gonçalves Cardoso 1 RESUMO Este estudo

Leia mais

II-205 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES COMPOSTO DE TANQUE SÉPTICO MODIFICADO E REATORES ANAERÓBIOS HÍBRIDOS OPERANDO EM SÉRIE

II-205 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES COMPOSTO DE TANQUE SÉPTICO MODIFICADO E REATORES ANAERÓBIOS HÍBRIDOS OPERANDO EM SÉRIE II-25 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMICILIARES COMPOSTO DE TANQUE SÉPTICO MODIFICADO E REATORES ANAERÓBIOS HÍBRIDOS OPERANDO EM SÉRIE Vanessa Pereira de Sousa (1) Engenheira Civil e Sanitarista.

Leia mais

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES

EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES EFICIÊNCIA NA ADERÊNCIA DOS ORGANISMOS DECOMPOSITORES, EMPREGANDO-SE DIFERENTES MEIOS SUPORTES PLÁSTICOS PARA REMOÇÃO DOS POLUENTES Nome dos autores: Jarllany Cirqueira Lopes; Liliana Pena Naval Jarllany

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO

TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO DE LODOS ATIVADOS POR MEMBRANA DE ULTRAFILTRAÇÃO Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Doutorando da Escola Politécnica de

Leia mais

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO

IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO IV YOSHIDA BRASIL 1 REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E FÓSFORO DE EFLUENTE DE TRATAMENTO ANAERÓBIO POR PROCESSO FÍSICO-QUÍMICO Flávio Yoshida (1) Companhia de Saneamento do Paraná SANEPAR Engenheiro Civil,

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR

Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR Estudo Comparativo entre os Sistemas Aeróbio e Anaeróbio no Tratamento de Esgoto das ETE s Belém e Padilha Sul no Município de Curitiba-PR Nome dos Autores; Glaucia Espindola M. Schilling; Renata Silvério

Leia mais

Efficiency evaluation of a compact system of effluent treatment in a sugarcane mill

Efficiency evaluation of a compact system of effluent treatment in a sugarcane mill Avaliação da eficiência de um sistema compacto de tratamento de efluente em uma usina sucroalcooleira Andrade, Danyella Ferreira 2 ; Gondim, Gustavo Vieira³ 1 Artigo apresentado à Faculdade de Engenharia

Leia mais

II-269 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBICA COMPACTA NA REMOÇÃO DE COLIFORMES E OVOS DE HELMINTOS

II-269 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBICA COMPACTA NA REMOÇÃO DE COLIFORMES E OVOS DE HELMINTOS II-269 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBICA COMPACTA NA REMOÇÃO DE COLIFORMES E OVOS DE HELMINTOS Kleison José M. Leopoldino (1) Aluno de Graduação no curso de Ciências Biológicas da Universidade

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT R. Y. CABRERA-PADILLA 1,2, E. C. PIRES 3. 1 Universidade Tiradentes, Programa de

Leia mais

Keywords: WWTP; Anaerobic reactor; Deployment costs; Area requirement.

Keywords: WWTP; Anaerobic reactor; Deployment costs; Area requirement. PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Arício Vieira da Silva Júnior (aricio_junior@hotmail.com) Fausto Rodrigues de Amorin ( fausto.amorim@hotmail.com)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE DE PROCESSAMENTO DE PESCADO E DESEMPENHO DA LAGOA ANAERÓBIA

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE DE PROCESSAMENTO DE PESCADO E DESEMPENHO DA LAGOA ANAERÓBIA CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE DE PROCESSAMENTO DE PESCADO E DESEMPENHO DA LAGOA ANAERÓBIA Cosmann, N.J.* 1 ; Gomes, S. D. 2 ; Andrade, L. 3 ; Kummer, A.C.B. 3 1 Mestranda da UNIOESTE em Engenharia Agrícola,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO.

CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE RESULTANTE DO PROCESSO DE LAVAGEM DE PLÁSTICO FILME AVALIANDO APLICAÇÃO DE TRATAMENTO PELO PROCESSO ELETROLÍTICO. Caracterização do empreendimento Empresa de lavagem de plástico

Leia mais

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EMPREGO DO BALANÇO DE MASSA NA AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE DIGESTÃO ANAERÓBIA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Valderi Duarte Leite (1) Professor - UEPB Graduação: Engenharia Química - UFPB Mestrado: Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA BIODEGRADABILIDADE AERÓBIA DE EFLUENTE DE CANIL

AVALIAÇÃO DA BIODEGRADABILIDADE AERÓBIA DE EFLUENTE DE CANIL XLIV Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2015 Hotel Fazenda Fonte Colina Verde São Pedro - SP 13 a 17 de setembro de 2015 AVALIAÇÃO DA BIODEGRADABILIDADE AERÓBIA DE EFLUENTE DE CANIL ALINE

Leia mais

REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E OXIDAÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL PRESENTE EM ESGOTO SANITÁRIO POR SISTEMA COMBINADO UASB E BIOFILTRO AERADO SUBMERSO

REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E OXIDAÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL PRESENTE EM ESGOTO SANITÁRIO POR SISTEMA COMBINADO UASB E BIOFILTRO AERADO SUBMERSO REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E OXIDAÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL PRESENTE EM ESGOTO SANITÁRIO POR SISTEMA COMBINADO UASB E BIOFILTRO AERADO SUBMERSO Ana Paula Cosso Silva Araújo 1 ; Bruno de Oliveira Freitas

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS

AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM PRAIAS ESTUARINAS AVALIAÇÃO DOS INDICADORES DE BALNEABILIDADE EM ESTUARINAS Bianca Coelho Machado Curso de Engenharia Sanitária, Departamento de Hidráulica e Saneamento, Centro Tecnológico, Universidade Federal do Pará.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO: ESTUDO DE CASO RESUMO

VIABILIDADE ECONÔMICO-OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO: ESTUDO DE CASO RESUMO VIABILIDADE ECONÔMICO-OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO: ESTUDO DE CASO RESUMO Marcelo Tsuyoshi Haraguchi Fernando Ernesto Ucker Marcos Vinícius Meireles Andrade Hudson

Leia mais

Performance Assessment of a UASB Reactor of an Industrial Wastewater Treatment Plant

Performance Assessment of a UASB Reactor of an Industrial Wastewater Treatment Plant Performance Assessment of a UASB Reactor of an Industrial Wastewater Treatment Plant Prof. Dr. Benedito Inácio da Silveira Universidade Federal do Pará Instituto de Tecnologia Objetivo Avaliar o desempenho

Leia mais

II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO.

II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO. II-173 A FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO COMO ORIGEM DA POLUIÇÃO DOS CORPOS RECEPTORES: UM ESTUDO DE CASO. Anaxsandra da Costa Lima (1) Graduanda em Engenheira Civil pela Escola Universidade Federal do Rio

Leia mais

II CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS AFLUENTES A 206 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM OPERAÇÃO NO PAÍS

II CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS AFLUENTES A 206 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM OPERAÇÃO NO PAÍS II-46 - CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS AFLUENTES A 26 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS EM OPERAÇÃO NO PAÍS Sílvia M. A. Corrêa Oliveira (1) Engenheira eletricista, Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

Otimização da eficiência de remoção de matéria orgânica no sistema de filtros anaeróbios

Otimização da eficiência de remoção de matéria orgânica no sistema de filtros anaeróbios Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://revista.gvaa.com.br ARTIGO CIENTÍFICO Otimização da eficiência de remoção de matéria orgânica no sistema de filtros anaeróbios Optimizing

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO FÍSICO-QUÍMICO DE EFLUENTE DE INDUSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE ARROZ DA REGIÃO SUL DE SANTA CATARINA Ivan Nicoletti Ferari 1, Aline Fernandes 1, Marcelo Hemkemeier 2 1 Centro

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE SUINOCULTURA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE SUINOCULTURA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE SUINOCULTURA Rodrigues, L.S. *1 ; Silva, I.J. 2 ; Zocrato, M.C.O. 3 ; Papa, D.N. 4 ; Von Sperling, M. 5 ; Oliveira, P.R. 6 1

Leia mais

II-250 CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE EFLUENTES DE POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC

II-250 CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE EFLUENTES DE POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-250 CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DE EFLUENTES DE POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO Vagner Schüler Berté (1); Adriano de Gregori (2); Antonio Thomé (3) (1) Bolsista FAPERGS Curso de Engenharia

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE DIGESTÃO ANAERÓBIA E NITRIFICAÇÃO/DESNITRIFICAÇAO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA SUINOCULTURA

COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE DIGESTÃO ANAERÓBIA E NITRIFICAÇÃO/DESNITRIFICAÇAO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA SUINOCULTURA COMPARAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS DE DIGESTÃO ANAERÓBIA E NITRIFICAÇÃO/DESNITRIFICAÇAO NO TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA SUINOCULTURA Gabiatti N.C.* 1, Zacharias, N.D. 2, Schmidell, W. 3, Kunz, A. 4, Soares

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do monitoramento da ETE no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro de abrangência

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES

UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental I - 15 UTILIZAÇÃO DE ENZIMAS NA DEGRADAÇÃO AERÓBIA DE DESPEJO DE ABATEDOURO DE AVES Carlos Eduardo Blundi (1) Prof. Doutor do Departamento

Leia mais

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.6, p , 2009

Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.6, p , 2009 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.6, p.1428-1433, 2009 Avaliação de desempenho de lagoa de polimento para pós-tratamento de reator anaeróbio de manta de lodo (UASB) no tratamento de águas residuárias

Leia mais

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN

V-070 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN V-7 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA DO NORTE - RN André Luís Calado de Araújo (1) Engenheiro Civil pela UFPA (199). Mestre em Engenharia Civil pela UFPB (1993). PhD em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS SISTEMAS DE ABASTECIMENTO EMERGENCIAIS DO MUNICÍPIO DE NAZAREZINHO-PB Felipe Augusto Rodrigues Marques 1, Caio Henrique Pontes Fonteles 1, Francisco Josimar de Queiroz

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS EM ESCALA REAL

AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS EM ESCALA REAL AVALIAÇÃO DE SISTEMA DE TRATAMENTO DE DEJETOS SUÍNOS EM ESCALA REAL Araujo, I. S. * 1 ; Alves, R. G. C. M. 2 ; Belli Filho, P. 3 & Costa, R. H. R. 4 1 Pesquisadora da EPAGRI-CIRAM, Rod. Admar Gonzaga,

Leia mais

TRATAMENTO DO EFLUENTES

TRATAMENTO DO EFLUENTES TRATAMENTO DO EFLUENTES Para que serve tratamento de efluente? Remover as impurezas físicas, químicas, biológicas e organismos patogênicos do EFLUENTE AQUELE QUE FLUI Resíduos (impurezas) proveniente das

Leia mais

Palavras-chave: Tratamento de efluente agroindustrial. Tanque Séptico. Filtros plantados com macrófitas. Wetlands.

Palavras-chave: Tratamento de efluente agroindustrial. Tanque Séptico. Filtros plantados com macrófitas. Wetlands. TRATAMENTO DE EFLUENTE DOMÉSTICO COMBINADO COM EFLUENTE AGROINDUSTRIAL UTILIZANDO FILTRO PLANTADO COM MACRÓFITAS CONSTRUCTED WETLANDS Pablo Heleno Sezerino 1, Débora Parcias Olijnyk 2, Alessandra Pellizzaro

Leia mais

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Rodrigo dos Santos Bezerra Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ

Leia mais

II-243 CARACTERIZAÇÃO DE LODOS DE FOSSA SÉPTICA ATRAVÉS DE ENSAIOS DE BIOESTABILIDADE

II-243 CARACTERIZAÇÃO DE LODOS DE FOSSA SÉPTICA ATRAVÉS DE ENSAIOS DE BIOESTABILIDADE 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-243 CARACTERIZAÇÃO DE LODOS DE FOSSA SÉPTICA ATRAVÉS DE ENSAIOS DE BIOESTABILIDADE

Leia mais

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs PHA 3413 Tratamento de Esgoto Sanitário ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL Prof. Tit. Roque Passos Piveli Prof. Dr. Theo Syrto

Leia mais

Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil. Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG

Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil. Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG Desempenho operacional de lagoas de estabilização do estado de Goiás, Brasil Susane Campos Mota Angelim, SANEAGO Eraldo Henriques de Carvalho, UFG Introdução Lagoas de estabilização: sistemas amplamente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE METAIS PESADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR PROCESSO DE LODOS ATIVADOS Simone Damasceno (1) Engenheira Agrônoma, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA

AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA 1 AVALIAÇÃO DA OPERAÇÃO DA ETE DE GOIÂNIA SILVA, Maura Francisca; CARVALHO, Eraldo Henriques Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Em Engenharia Do Meio Ambiente - PPGEMA PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUTO DE QUÍMICA. Blênda Nágyla Paulina da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUTO DE QUÍMICA. Blênda Nágyla Paulina da Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA INSTITUTO DE QUÍMICA Blênda Nágyla Paulina da Silva Avaliação da eficiência da Estação de Tratamento de Efluentes sanitários

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

Testes de centrifugação para estimativa de sólidos em suspensão em amostras de resíduos esgotados por carros limpa-fossa.

Testes de centrifugação para estimativa de sólidos em suspensão em amostras de resíduos esgotados por carros limpa-fossa. Testes de centrifugação para estimativa de sólidos em suspensão em amostras de resíduos esgotados por carros limpa-fossa. Bruno e Silva Ursulino¹, Marise Daniele Maciel Lima², Maria Jaiane Germano Pinheiro²,

Leia mais

II DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA)

II DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA) II-113 - DESCOLORIZAÇÃO DE EFLUENTE DE INDÚSTRIA TÊXTIL UTILIZANDO COAGULANTE NATURAL (MORINGA OLEIFERA E QUITOSANA) Fernando José Araújo da Silva (1) Engenheiro Civil, Universidade de Fortaleza UNIFOR.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA CARLA CRISTINA ALMEIDA LOURES

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA CARLA CRISTINA ALMEIDA LOURES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA CARLA CRISTINA ALMEIDA LOURES Estudo da Aplicação de UV/F ENTON (Fe 2+ /H 2 O 2 ) no Tratamento de Efluentes de Laticínio Lorena SP 2011 CARLA CRISTINA

Leia mais

I-058 - TRATABILIDADE DOS DESPEJOS DE LATICÍNIOS POR LODOS ATIVADOS EM BATELADA

I-058 - TRATABILIDADE DOS DESPEJOS DE LATICÍNIOS POR LODOS ATIVADOS EM BATELADA I-058 - TRATABILIDADE DOS DESPEJOS DE LATICÍNIOS POR LODOS ATIVADOS EM BATELADA Maria Lucia Camargo Afonso Engenheira Química pela Universidade Federal do Paraná. Mestre em Tecnologia Química pela Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TANQUES SÉPTICOS COMO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM ÁREAS TROPICAIS

AVALIAÇÃO DOS TANQUES SÉPTICOS COMO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM ÁREAS TROPICAIS AVALIAÇÃO DOS TANQUES SÉPTICOS COMO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS EM ÁREAS TROPICAIS Carla Gracy Ribeiro Meneses (*) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, M.S.c em Saneamento Ambiental/UFRN,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico.

Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Tratamento alternativo do corpo hídrico do Ribeirão Vai e Vem no município de Ipameri GO contaminado por efluente doméstico. Luciana Maria da Silva 1 (IC)*, Janaína Borges de Azevedo França 2 (PQ) 1 Graduanda

Leia mais

8 Tratamento de efluentes líquidos

8 Tratamento de efluentes líquidos 8 Tratamento de efluentes líquidos 8.1-Introdução Ex.: Efluente doméstico Esgoto Bruto Efluente Seguro MO N P Patogênicos MO N P Patogênicos O quê remover? COMO REMOVER? Quanto remover? ETE Custo de implantação

Leia mais

Tratamento de efluentes de abatedouro de frangos por meio de reator UASB seguido de filtro anaeróbio

Tratamento de efluentes de abatedouro de frangos por meio de reator UASB seguido de filtro anaeróbio Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.68, n.1, p.97-103, 2016 Tratamento de efluentes de abatedouro de frangos por meio de reator UASB seguido de filtro anaeróbio [Treatment of waste water poultry slaughter

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ALTURA DO MEIO SUPORTE NA EFICIÊNCIA DE UM FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR UTILIZADO PARA O PÓS- TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UM REATOR UASB

INFLUÊNCIA DA ALTURA DO MEIO SUPORTE NA EFICIÊNCIA DE UM FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR UTILIZADO PARA O PÓS- TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UM REATOR UASB Pós-tratamento de efluentes de reatores anaeróbios 119 INFLUÊNCIA DA ALTURA DO MEIO SUPORTE NA EFICIÊNCIA DE UM FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR UTILIZADO PARA O PÓS- TRATAMENTO DE EFLUENTES DE UM REATOR UASB

Leia mais

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008

1º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 29 a 31 de Outubro de 2008 Tratamento de Efluentes da Indústria de Balas de Pequeno Porte em Reator em Batelada Seqüencial para remoção de Demanda Química de Oxigênio Vanessa Rita dos Santos 1, Paulo Roberto Koetz 2, Adriano de

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA.

INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA. INFLUÊNCIA DO ph NO TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO POR PROCESSO DE STRIPPING DE AMÔNIA. Edilma Rodrigues Bento Dantas 1 Graduanda em Engenharia Sanitária e Ambiental pela Universidade Estadual

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE CHORUME DE ATERRO SANITÁRIO EM SOLO AGRÍCOLA

DISPOSIÇÃO DE CHORUME DE ATERRO SANITÁRIO EM SOLO AGRÍCOLA DISPOSIÇÃO DE CHORUME DE ATERRO SANITÁRIO EM SOLO AGRÍCOLA Lidiane Pereira de Oliveira (PIBIC/CNPq-UEL), Sandra Márcia Cesário Pereira, (Orientador) email:sandracesariouel@gmail.com Universidade Estadual

Leia mais

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATORES UASB NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATORES UASB NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATORES UASB NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE PETROLINA-PE Ana Priscila de Oliveira Félix Martins Graduanda em Engenharia Agrícola e Ambiental. e-mail: primartins3@hotmail.com

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICA SOBRE A AUTO-INOCULAÇÃO DE UM REATOR UASB TRATANDO ESGOTO SANITÁRIO

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICA SOBRE A AUTO-INOCULAÇÃO DE UM REATOR UASB TRATANDO ESGOTO SANITÁRIO INFLUÊNCIA DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICA SOBRE A AUTO-INOCULAÇÃO DE UM REATOR UASB TRATANDO ESGOTO SANITÁRIO Stella Maris da Cruz Bezerra (1) Professora do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná

Leia mais

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO

MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO BENFICA COM VISTAS À SUA PRESERVAÇÃO J. S. M. NOGUEIRA 1, L.F. SANTOS 2 1 Escola de Engenharia de Lorena USP 2 Escola de Engenharia de Lorena

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM

CENTRO UNIVERSITÁRIO - UNIVATES LABORATÓRIO UNIANÁLISES Sistema de Gestão da Qualidade INSTRUÇÕES PARA AMOSTRAGEM Amostras de Efluentes, de Águas Superficiais e de Poços de Monitoramento Para coletar de água ou efluente, usa-se frasco de vidro âmbar ou polietileno com tampa, fornecidos pelo Laboratório UNIANÁLISES,

Leia mais

TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CONDOMINIAIS

TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CONDOMINIAIS TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS RESIDeNCIAIS utilizando SISTEMAS CONDOMINIAIS Deinar Bottamedi 1 Jorge Luís Bonamente 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI RESUMO O tratamento dos esgotos

Leia mais

PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE PRÉ-TRATADO ANAEROBIAMENTE ATRAVÉS DE REATOR SEQÜENCIAL EM BATELADA

PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE PRÉ-TRATADO ANAEROBIAMENTE ATRAVÉS DE REATOR SEQÜENCIAL EM BATELADA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE PRÉ-TRATADO ANAEROBIAMENTE ATRAVÉS DE REATOR SEQÜENCIAL EM BATELADA José Tavares de Sousa (1) Engenheiro Químico (1980), Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento UFPB (1986),

Leia mais

DESEMPENHO DE FILTROS AERÓBIOS INTERMITENTES NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE TANQUE SÉPTICO/FILTRO ANAERÓBIO DESTINADOS Á IRRIGAÇAO

DESEMPENHO DE FILTROS AERÓBIOS INTERMITENTES NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE TANQUE SÉPTICO/FILTRO ANAERÓBIO DESTINADOS Á IRRIGAÇAO DESEMPENHO DE FILTROS AERÓBIOS INTERMITENTES NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DE TANQUE SÉPTICO/FILTRO ANAERÓBIO DESTINADOS Á IRRIGAÇAO Leonardo Rodrigues dos Santos 1, Tércio José da Silva 2,Célia Regina Diniz

Leia mais

EFICIÊNCIA DE REATOR ANAERÓBIO UASB PRECEDIDO DE DECANTO- DIGESTOR NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E SÓLIDOS EM EFLUENTES DO ABATE DE BOVINOS

EFICIÊNCIA DE REATOR ANAERÓBIO UASB PRECEDIDO DE DECANTO- DIGESTOR NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA E SÓLIDOS EM EFLUENTES DO ABATE DE BOVINOS XLIV Congresso Brasileiro de Engenharia Agrícola - CONBEA 2015 Hotel Fazenda Fonte Colina Verde - São Pedro - SP 13 a 17 de setembro de 2015 EFICIÊNCIA DE REATOR ANAERÓBIO UASB PRECEDIDO DE DECANTO- DIGESTOR

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E OPERACIONAIS DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de Mauá

Leia mais

II AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBIA COMPACTA NA REMOÇÃO DE SÓLIDOS SUSPENSOS, DQO E TURBIDEZ

II AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBIA COMPACTA NA REMOÇÃO DE SÓLIDOS SUSPENSOS, DQO E TURBIDEZ II-267 - AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ETE ANAERÓBIA COMPACTA NA REMOÇÃO DE SÓLIDOS SUSPENSOS, DQO E TURBIDEZ Luiz Pereira de Brito (1) Engenheiro Civil pela UFRN. Mestre em Engenharia Química pela UFPB.

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO DESEMPENHO DE SISTEMA INDIVIDUAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS: ESTUDO DE CASO EM JI-PARANÁ RONDÔNIA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO DESEMPENHO DE SISTEMA INDIVIDUAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS: ESTUDO DE CASO EM JI-PARANÁ RONDÔNIA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO DESEMPENHO DE SISTEMA INDIVIDUAL DE TRATAMENTO DE ESGOTOS: ESTUDO DE CASO EM JI-PARANÁ RONDÔNIA CINDY DEINA FARTO¹; JOÃO GILBERTO DE SOUZA RIBEIRO²; NARA LUÍSA REIS DE ANDRADE³

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL.

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DO COAGULANTE TANINO NA REMOÇÃO DA COR, TURBIDEZ e DQO DO EFLUENTE TEXTIL DE UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL. A P. C. SOUZA 1 ; E.A. M. SOUZA 1 ;N. C. PEREIRA 2 1 Universidade Tecnológica

Leia mais

DESEMPENHO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR NO PÓS- TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMÉSTICO.

DESEMPENHO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR NO PÓS- TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMÉSTICO. DESEMPENHO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR NO PÓS- TRATAMENTO DE LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMÉSTICO. Elaine Gurjão de Oliveira (elaine_gurjao@hotmail.com) - Universidade Estadual da Paraíba,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUA DE CORPO HÍDRICO E DE EFLUENTE TRATADO DE ABATEDOURO DE BOVINOS Marco Sathler da Rocha 1 ; Erlon Alves Ribeiro 1 ; Michael Silveira Thebaldi 2 ; Alberto Batista Felisberto

Leia mais

Raoni de Paula Fernandes

Raoni de Paula Fernandes 19 de Agosto de 2010, Rio de Janeiro ANÁLISE DA QUALIDADE DO EFLUENTE FINAL DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO ETE BREJO COMPRIDO E DE SEU CORPO RECEPTOR, O CÓRREGO BREJO COMPRIDO. Raoni de Paula Fernandes

Leia mais

II- 005 REMOÇÃO DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS NA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO DE VALAS DE FILTRAÇÃO RECEBENDO EFLUENTE ANAERÓBIO

II- 005 REMOÇÃO DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS NA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO DE VALAS DE FILTRAÇÃO RECEBENDO EFLUENTE ANAERÓBIO II- 005 REMOÇÃO DE COLIFORMES TOTAIS E FECAIS NA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO DE VALAS DE FILTRAÇÃO RECEBENDO EFLUENTE ANAERÓBIO Osvaldo Natalin Junior (1) Engenheiro Civil Faculdade de Engenharia Civil -

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ETE NATAL CENTRAL NA REMOÇÃO DE NITROGÊNIO

AVALIAÇÃO DA ETE NATAL CENTRAL NA REMOÇÃO DE NITROGÊNIO AVALIAÇÃO DA ETE NATAL CENTRAL NA REMOÇÃO DE NITROGÊNIO Ynês Fonseca Oliveira 1, Danillo de Magalhães Ferraz 2, André Luis Calado Araújo 3 1 Graduanda em Gestão Ambiental IFRN. e-mail: ynesoliveira2010@hotmail.com

Leia mais

Caracterização físico-química de efluente de indústria de laticínios tratado por sistema de lagoas de estabilização

Caracterização físico-química de efluente de indústria de laticínios tratado por sistema de lagoas de estabilização Bento Gonçalves RS, Brasil, 9 a 31 de Outubro de 8 Caracterização físico-química de efluente de indústria de laticínios tratado por sistema de lagoas de estabilização Anelise Sertoli Lopes Gil 1, Jaqueline

Leia mais

Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos

Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos Estudo da Taxa de Consumo de Oxigênio em Sistemas de Lodos Ativados relacionado à Concentração de Sólidos Suspensos Ricardo Nagamine Costanzi (1) Docente da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Doutorando

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO ESGOTO AFLUENTE À ELEVATÓRIA DE ESGOTO DO UNA, BELÉM/PA.

COMPOSIÇÃO DO ESGOTO AFLUENTE À ELEVATÓRIA DE ESGOTO DO UNA, BELÉM/PA. COMPOSIÇÃO DO ESGOTO AFLUENTE À ELEVATÓRIA DE ESGOTO DO UNA, BELÉM/PA. Edgleuberson Guimarães Rocha (1) Graduando em Engenharia Sanitária pela Universidade Federal do Pará UFPA. Bolsista de Iniciação Tecnológica

Leia mais

I-110 - ESTUDO COMPARATIVO DO REATOR UASB E DO REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQÜENCIAL NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

I-110 - ESTUDO COMPARATIVO DO REATOR UASB E DO REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQÜENCIAL NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO I-110 - ESTUDO COMPARATIVO DO REATOR UASB E DO REATOR ANAERÓBIO COMPARTIMENTADO SEQÜENCIAL NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Miguel Mansur Aisse (1) Engenheiro Civil (1976), doutorando em Engenharia pela

Leia mais

II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA

II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA II-257 CONDIÇÕES DE MISTURA, OXIGENAÇÃO E DESEMPENHO DE UMA LAGOA AERADA DE MISTURA COMPLETA Olivia Souza de Matos (1) Engenheira Civil. Mestre da Área Interdisciplinar em Engenharia Ambiental - COPPE/UFRJ.

Leia mais

Análise do tratamento de água residuária sintética em reator UASB seguido de filtro preenchido com solo natural

Análise do tratamento de água residuária sintética em reator UASB seguido de filtro preenchido com solo natural Análise do tratamento de água residuária sintética em reator UASB seguido de filtro preenchido com solo natural Analysis of synthetic wastewater treatment in UASB reactor followed by filter filled with

Leia mais

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental I-14 - CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA BRUTA E AVALIAÇÃO DA CARGA HIDRÁULICA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DO BOLONHA (ETA-BOLONHA)-REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM Rubens Chaves Rodrigues (1) Graduando em Engenharia

Leia mais

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG

XX Encontro Anual de Iniciação Científica EAIC X Encontro de Pesquisa - EPUEPG ESTUDO DA APLICAÇÃO DA FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO COM UTILIZAÇÃO DE POLÍMERO PARA REMOÇÃO DE POLUENTES PRESENTES EM EFLUENTES DE REATOR ANAERÓBIO Ronaldo Luís Kellner (PAIC/FA), Carlos Magno de Sousa Vidal

Leia mais

Estudo de caso para a viabilidade de implementação de sistema de tratamento de esgoto compacto na região metropolitana de Goiânia

Estudo de caso para a viabilidade de implementação de sistema de tratamento de esgoto compacto na região metropolitana de Goiânia http://dx.doi.org/10.5902/2236130810964 Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria Revista Monografias Ambientais - REMOA e-issn 2236 1308 - V. 14, N. 1 (2014): Edição Especial

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR

CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO BIOLÓGICA EM LODOS ATIVADOS: CFSTR X SBR Carlos Gomes da Nave Mendes (1) Claudia Mayumi Yamassaki (2) Renata Ugliani Henrique Pereira (3) (1) Prof. Assistente Doutor da Faculdade

Leia mais

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Valderi Duarte Leite (1) Engenheiro Químico: DEQ/CCT/UFPB.Mestre em Saneamento: DEC/CCT/UFPB. Doutor em Saneamento : DHS/EESC/USP. Prof. do DQ/CCT/UEPB

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO E NITRIFICAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE ARROZ

REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO E NITRIFICAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE ARROZ REMOÇÃO DE CARBONO ORGÂNICO E NITRIFICAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DE ARROZ 1 ORGANIC CARBON REMOVAL AND NITRIFICATION OF RICE PROCESSING WASTEWATER ISOLDI, Loraine A. 1 ; KOETZ, Paulo

Leia mais

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos.

Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Painel 3 - Operação de Estações de Tratamento de Esgotos Influência das condições operacionais na eficiência de Estações de Tratamento de Esgotos. Cícero Onofre de Andrade Neto ANDRADE NETO, Cícero O.

Leia mais

2 - Sistema de Esgotamento Sanitário

2 - Sistema de Esgotamento Sanitário 2 - Sistema de Esgotamento Sanitário Sistema Separador Esgoto sanitário Esgoto doméstico Esgoto industrial Água de infiltração Contribuição Pluvial Parasitária Sistema de Esgotamento Sanitário TRATAMENTO

Leia mais

6 Metodologia experimental

6 Metodologia experimental 6 Metodologia experimental 6.1 Geração de efluentes e plano de amostragem As amostras de efluente foram cedidas por uma empresa petroquímica situada no município de Duque de Caxias, RJ. O efluente foi

Leia mais