Complexidade e Conflitos: APP, Espaço Geográfico e Espaço Normativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Complexidade e Conflitos: APP, Espaço Geográfico e Espaço Normativo"

Transcrição

1 1 Complexidade e Conflitos: APP, Espaço Geográfico e Espaço Normativo Elisa Sesana Gomes Advogada, Mestre em Geografia (PUC-Rio). Colaboradora da Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio Leo Name Urbanista, Doutor em Geografia (UFRJ) Professor do Departamento de Geografia da PUC-Rio Resumo Rita de Cássia Martins Montezuma Bióloga, Doutora em Geografia (UFRJ) Professora do Departamento de Geografia da PUC-Rio As constantes inundações das áreas urbanas brasileiras remetem-nos à necessidade de se repensar o atual sistema normativo que delimita as Áreas de Preservação Permanente ao longo dos cursos d água a partir de análise técnica e multidisciplinar que considere as funções ecossistêmicas do sítio, assim como dos processos históricos de urbanização. Se, por um lado, a existência do Código Florestal e os recentes debates em torno de sua alteração são a representação do salutar processo democrático, a possibilidade de inaplicabilidade fática de parâmetros fixados em escala nacional, adotados tanto às áreas urbanas quanto rurais, é latente. Faz-se, assim, necessário rever a dicotomia existente entre os espaços geográficos e os espaços normativos e propor soluções que adequem a intencionalidade protetiva da Lei à efetiva proteção do meio ambiente e da população urbana. Palavras-chave: espaço geográfico, espaço normativo, Código Florestal. Abstract Constant floods of Brazilian urban áreas lead us to the prominence of rethinking the current normative system that borders the Permanent Preservation Areas along watercourses from a mustidisciplinary and technical analysis that considers ecossistems functions of the site, as well as the historical processes of urbanization. If, on one hand, the Forestry Code and the recent debate on its amendment are the representation of a healthy democratic process, the chance of inaplicability of parameters set on a national scale, adopted both to urban and rural areas is latent. Therefore, it is necessary to review the dichotomy between geographic and normative spaces and propose solutions to fit the protective intent of the Law to the effective protection of environment and urban population. Key-words: geographical space, normative space, Forestry Code.

2 2 Introdução Os eventos extremos que atingiram a Região Serrana do Rio de Janeiro em 2011 deixaram marcas de devastação, tanto no que diz respeito à paisagem quanto à perda de vidas humanas. Atingidas por fortes chuvas, localidades dos municípios de Petrópolis, Teresópolis e Nova Friburgo foram extremamente afetadas, às vezes varridas do mapa pela ação de enchentes e deslizamentos tão mais intensos quando sobre ocupações ao longo dos cursos d água e de encostas íngremes e com mais óbitos quando sobre áreas dentro dos perímetros urbanos, de maior densidade. Apesar de singular na magnitude dos impactos ambientais, econômicos e sociais, não se pode dizer, infelizmente, que se tratou de situação rara no Brasil. São comuns as enchentes e inundações nas cidades de diversos portes e configurações territoriais: trata-se do resultado da combinação desastrosa, à brasileira, entre padrões de uso e ocupação do solo predatórios e eventos climáticos extremos que mesmo inerentes aos ciclos naturais, cada vez têm mais agravadas suas consequências e mais frequente sua ocorrência, sobretudo no Sul e Sudeste do país (SHÄEFFER et al., 2011). Tais desastres não ocorrem, contudo, por desamparo legal ou ausência de mecanismos de gestão territorial em vistas à proteção ambiental e ao bem-estar das populações. Há rico aparato legal brasileiro a esse respeito, especialmente a Área de Preservação Permanente (APP), cuja definição e funções ambientais constam do inciso II, do artigo 1º, do Código Florestal (BRASIL, 1965): coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas As APP urbanas acabam por revelar contradições entre a especificidade dos processos ecológicos determinantes da condição de risco, dos processos de urbanização e das três escalas político-jurídicas oriundas do pacto federativo brasileiro. Considerando-se apenas a proteção das margens dos rios que aqui será nosso foco dentro do variado escopo a que se aplicam as APP, sabe-se que o Brasil teve como um de seus mais notórios processos de expansão da rede urbana a formação de núcleos à beira de cursos d água, em direção ao interior, crescentemente interconectados e dependentes de um núcleo principal litorâneo (GEIGER, 1963; CORRÊA [1996], 2001) grosso modo, o acesso à água era importante para a subsistência, o descarte de resíduos, a mobilidade e o transporte de mercadorias. Por outro lado, se tais áreas são ambientalmente protegidas também por seu potencial de risco e, por isso, sua ocupação configura-se perigosa às populações, não deixam de ser também indutoras de irregularidades, segregação e injustiça ambiental: por juridicamente terem a ocupação formal vetada, perdem enormemente seu valor imobiliário e, por isso mesmo, são ocupadas informalmente pelas camadas mais pobres. Em outras palavras pobreza, segregação espacial, vulnerabilidade e risco ambientais se entrelaçam. (MARICATO, 2003; HOGAN e MARANDOLA JR., 2005; MARANDOLA JR. e HOGAN 2006, 2007).

3 3 Partimos, assim, de duas premissas principais. A primeira delas procura enfatizar a complexidade multiescalar dos processos do espaço geográfico. O desempenho das funções que as estruturas possuem nos ecossistemas, assim como os processos delas decorrentes, são, em termos de abrangência, magnitude e duração, variáveis no tempo e no espaço. Para que as funções das APP urbanas atendam à intencionalidade protetiva constante da legislação é fundamental que a definição dessas áreas, e seu consequente estabelecimento, correspondam aos limites reais de ação dos processos ecossistêmicos em que elas se inserem. Diante disto, temos uma segunda premissa que nos aponta para o fato de que a legislação é dotada de intencionalidades e matrizes conceituais que se conectam a ideologias pretéritas, mas em permanente transformação sobre o que é natureza e o se fazer dela, o que é uma boa cidade ou o que se configura como risco, por exemplo. Sendo assim, as APP urbanas são meramente descrições da realidade que visam a instrumentalizá-la e não podem se confundir com os processos e objetos do espaço geográfico: elas representam um espaço normativo, i.e., representações espaciais que interpretam o espaço geográfico, dão ordem e inteligibilidade onde a priori há conflitos, complexidades e contradições. Como desdobramento desta premissa, as APP urbanas são espaços normativos que, configurados por meio do Código Florestal e demais normas jurídicas, guardam certa tradição positivista sobre o espaço ser abstrato, geométrico e matemático, supostamente neutro, de onde por isso mesmo surgem delimitações sem base territorial, igualmente aplicáveis em todo e qualquer sítio do vasto território brasileiro, ignorando grande parte dos processos geo-biofísicos e das dinâmicas sociais que são base do que se propõem proteger. Diante deste fato, procura-se ao final deste estudo enfatizar que o Projeto de Lei da Câmara nº 30/2001 PLC 30/2011 (BRASIL, 2011), aprovado pelo Senado Federal em 6 de dezembro de 2011 e que, se aprovado pela Câmara dos Deputados, o atual Código Florestal não surte efeito no que tange à principal crítica que aqui fizemos: sua concepção, delimitação e gestão das áreas de preservação permanente pautadas por abstração matemática e generalizante. Além disso, ele eleva à categoria de lei diversas definições e metragens das APP que hoje são tratadas pelas Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), reduzindo a competência deste Conselho e oferece tímidas possibilidades de adaptação das APP às especificidades do sítio. A complexidade multiescalar dos processos do espaço geográfico Os diversos dispositivos jurídicos que tratam das APP remetem claramente à importância do tema. Porém, a fixação de limites físicos dessas áreas sem diagnósticos específicos por área e sem que sejam considerados a definição e os parâmetros ecológicos que resultam no desempenho das funções das APP de que trata a legislação, já citados, revelam a distorção entre a generalidade do espaço normativo e a complexidade da totalidade multiescalar que é o espaço geográfico. O inciso II, do artigo 1º e as alíneas (a) a (c) do artigo 2º. do Código Florestal, ao tratar das APP ao longo dos rios e quaisquer cursos d água, procura tratar do que conceitualmente compreendem as matas riparianas, normalmente chamadas matas ciliares.

4 4 Matas riparianas, ciliares, beiradeiras ou de beira de rio, correspondem a qualquer forma de vegetação florestal, nativa ou não, que ocupam margens de corpos d água. Variam quanto à composição florística e estrutural, assim como de acordo com as zonas morfoclimáticas (AB SABER, 2004; RODRIGUES, 2004). Entretanto, dependendo de determinadas condições hidrogeomorfológicas, ecológicas e de uso do solo, as formações vegetacionais do entorno de corpos hídricos ou desenvolvidas sobre terrenos onde o lençol freático é superficial, a cobertura vegetal pode variar em composição e estrutura, não correspondendo necessariamente à tipologia florestal. Na área territorial brasileira, por exemplo, são bem destacáveis nas paisagens do tipo savânico, como as matas de galeria do cerrado e menos perceptíveis nas florestas atlânticas, tanto as baixomontanas quanto as altomontanas. Apesar da variabilidade estrutural na escala da paisagem e local, em termos fitoecológicos trata-se de um conjunto de espécies adaptadas à variação da dinâmica hidrossedimentológica do corpo hídrico ao qual está associada. Há casos em que as espécies presentes podem ocorrer em outras áreas sob baixa ou nenhuma influência de corpos d água, porém existem aquelas cuja presença indica o contrário, sendo restritas dessas zonas. No Cerrado, temos o exemplo das palmeiras buriti (Mauritia flexuosa) e pindaíba (Xylopia emarginata) e em florestas ombrófilas densa podemos citar a carrapeta (Guarea guidonia) e guanandi/jacareúba (Callophillum brasiliense). As formações vegetacionais riparianas resultam de uma combinação de fatores geográficos de maior abrangência espacial, como tipo de solo, macroclima e relevo; e, também, fatores locais, como histórico de uso das áreas e regime de perturbações. Segundo Durigan et al. (2004, p.159), a ampla variação existente não permite que as formações ciliares sejam consideradas uma unidade fitogeográfica única e distinta das demais, uma vez que não há padrão de natureza climática, topográfica, edáfica ou quaisquer outros que sejam determinantes das características e ocorrência em todas as situações morfoclimáticas. Porém, sob condições de natureza específica, como as situações ambientais existentes, os remanescentes vegetais apresentam características comuns, como uma matriz própria de espécies, espécies ingressantes definida pelas formações adjacentes, conjunto particular de espécies em destaque, variações estruturais e histórico de perturbação. Nesta perspectiva, a definição e delimitação das áreas de vegetação que constituem as APPs, sejam rurais ou urbanas, carecem de uma identificação na escala local, distanciando da sua delimitação unicamente baseada em distâncias (largura da calha do rio e consequente faixa de proteção) que, como veremos, é própria de uma concepção espacial abstrata e matemática, meramente geométrica. Desse modo, se por um lado tal nível de especificidade nos leva à necessidade de uma caracterização caso a caso e, por outro lado, se o critério vegetacional para a definição da APP é, sob o ponto de vista logístico, pouco factível, cabe verificar um segundo parâmetro baseado na função ambiental de preservação dos recursos hídricos. Para tanto é necessário destacar que a função ambiental em sua totalidade contempla a conjugação da funcionalidade da vegetação ciliar associada à hidrodinâmica dos corpos hídricos. No que diz respeito à primeira, cabe dizer que a função ecológica da vegetação é forma reducionista de tratar o conjunto de processos que envolvem a dinâmica

5 5 hidrológica, posto que a referência ao termo vegetação restringe o processo a apenas um dos elementos constituintes do sistema ripariano. O ecossistema como um todo, na interação de seus elementos, é o que controla e distribui a entrada e saída de energia e matéria envolvidas na relação entre o subsistema hídrico e o terrestre. Tal referência, contudo, pode ser empregada, desde que como forma simplificada e tecnicamente prática para a identificação imediata das unidades riparianas, tendo em vista que a vegetação espelha as correlações entre meio físico e biótico de um ecossistema. Sinteticamente, a função ecológica dos sistemas beiradeiros inicia-se na quantidade de água que incide (energia) sobre uma bacia hidrográfica e é atenuada através do processo de interceptação (ou intercepção) da precipitação (matéria) pela vegetação, sendo redistribuída sob a forma de armazenamento em suas estruturas foliares e caulinares e o excedente é transferido para o piso florestal (fluxo de atravessamento), onde, dependendo da fauna decompositora, a camada de serrapilheira armazena e transfere seu excedente, de forma gradativa, para o solo. Por sua vez, as condições do solo definidas por sua constituição mineralógica e estruturação física determinarão os processos de infiltração e escoamento (superficial e subsuperficial) da água. Tanto a fauna (micro, meso e macrofauna edáfica), na sua ação bioturbadora e de produção de matéria orgânica que se agrega às partículas do solo, quanto à vegetação, através da sua estrutura radicular e de superfície (estruturas de caule, tronco e copa), são definidoras dos padrões de evapotranspiração e de infiltração e escoamento da água no solo. A infiltração da água na camada superior do solo e sua percolação influenciam na contribuição da vazão subterrânea, consequentemente no aumento do nível do aquífero (TUCCI, 2001, p.391). Os efeitos de armazenamento interferem no escoamento, podendo atenuar a vazão dos rios. O somatório desses processos é determinante da forma e do tempo como os aquíferos são recarregados e também na resposta da hidrógrafa de rios e canais, refletindo diretamente na resposta destes às cheias. Em contrapartida, se por um lado o sistema ripariano controla e regula a dinâmica hidrológica dos corpos hídricos, a dinâmica destes é fundamental à espacialização e ao funcionamento dos ecossistemas sob sua influência. Tal correlação tem na morfologia fluvial seu principal suporte, uma vez que define as áreas e os períodos de influência hidrológica, bem como as características do fluxo. A variabilidade espacial de um corpo hídrico é, então, resultado complexo: está correlacionada a vários fatores multiescalares, como o relevo, que se diferencia nos compartimentos montanhoso, colinoso e planície; organização e características hidrográficas como drenagem, densidade e hierarquia; bacia de drenagem, forma e área, declividade e tipo de encostas (côncava, convexa, retilínea), declividade, largura e forma da calha do canal; embasamento geológico e tipos de solos. Se por um lado o embasamento rochoso é determinante para a amplitude do relevo que define a força, direção e velocidade de vazão de um fluxo, a relação solo-forma de encosta contribui para a disponibilização de sedimentos a ser carreado por um canal. Juntos contribuem para a caracterização da dinâmica hidrossedimentológica e da ação erosiva do corpo hídrico. Como se pode observar, as probabilidades de combinação desses fatores espaciotemporais denotam a variabilidade das áreas riparianas, tornando muito

6 6 difícil a delimitação geométrica usual criada pela legislação. Entretanto, a exemplo da vegetação que pode servir como um indicador das condições ciliares, a morfologia do canal nos indica as áreas e suas respectivas probabilidades de inundação. Assim, temos que uma planície aluvial pode comportar três tipos de leito, vazante, menor e maior ou excepcional i (figura 1), os quais, dependendo do grau de impermeabilização e de ocupação, poderão ter a extensão e magnitude de inundação alterada. É esta situação de variabilidade hídrica ao longo do tempo e do próprio curso do rio que, relacionada às ocupações existentes, diferenciam situações de enchentes e de inundações de áreas ribeirinhas. As figuras 1 e 2, subsequentes, são esclarecedoras. Figura 1: Tipos de leito, ou espaço ocupado pelas águas. Figura 2: Perfil esquemático do processo de enchente e inundação (Fonte: Min. Cidades/IPT, 2007). Tanto as enchentes quanto as inundações decorrem de processos naturais do ciclo hidrológico, mas propiciam maior risco quando populações ocupam as margens dos rios nos períodos mais secos, imaginando-as seguras seja através de invasão seja a partir de loteamentos clandestinos ou irresponsavelmente aprovados pelas municipalidades. Sobre essa população recaem, assim, prejuízos materiais e humanos, a veiculação hídrica de doenças e, algumas vezes, a contaminação da água pela inundação de depósitos tóxicos e estações de tratamento, por exemplo (TUCCI, 2005). Em termos práticos, a delimitação de uma APP não pode ser restrita a uma definição de área baseada apenas no parâmetro largura do rio, mas na especificidade das características do terreno que, por sua vez, irão influenciar nas características da vegetação e sua função ecológica. Se considerada a escala da paisagem, na qual podemos ter como unidade de análise a bacia hidrográfica, aos fatores acima expostos adicione-se a importância da dinâmica dos rios tributários que contribuem para o pulso de inundação e seca,

7 7 podendo agravar a resposta hidrológicas de corpos fora da zona de influência direta das chuvas (KLINGE et al., 1995). Destarte, fica evidente que esses parâmetros dissociados não atendem ao objetivo fundamental da lei que é garantir proteção e bem-estar da população. O estabelecimento de faixas de largura em torno dos corpos hídricos não se constitui em um parâmetro garantidor da redução do risco e, tampouco, da funcionalidade do sistema ripário. Sendo assim, remete-nos a necessidade de adaptação dos critérios legais que contemplem tanto a multiescalaridade dos processos, quanto à abordagem sistêmica fundamental à compreensão do espaço geográfico. Intencionalidades e espaços normativos Milton Santos ([1996] 2008, p ) compreende o espaço como um sistema de ações e objetos indissociáveis: objetos condicionam ações, assim como ações virão a condicionar novos objetos. Os objetos são, portanto, fonte e testemunho das ações e, como tal, dotados da subjetividade da percepção e intencionalidade das ações de cada sujeito social, mesmo quando decorrem do cumprimento de normas, i.e., quando então participam da produção de uma ordem. Assim a legislação, como produto de uma ação, também é dotada da intencionalidade, que objetiva condicionar as ações humanas sobre porção do espaço geográfico previamente valorado, escolhido para ser refuncionalizado para extrair-lhe maior valor, porém produzido pela associação e/ou conflito entre os mais diversos grupos sociais. As APPs são prescrições de clara intencionalidade protetiva e preventiva do meio ambiente, que graficamente se expressam em mapa por espaço delimitado a partir de simples geometria (sobretudo quando relacionada aos rios e demais cursos d água), que ao passo que modificam a inteligibilidade dos objetos pré-existentes, ao mesmo tempo designam-lhes novas funções e obrigam novas ações a diversos sujeitos na e por meio da articulação entre objetos, ações, valorações, funções e instituição e uso das delimitações. O que estamos designando como espaços normativos não são as formas geométricas em si que delimitam as unidades de conservação, os espaços de gestão territorial e, consequentemente, que articulam institucionalidades o que Pires do Rio chamou de superfícies de regulação e malhas de gestão (PIRES DO RIO, 2009; PIRES DO RIO e PEIXOTO, 2001). São representações do espaço constituídas não só a partir destas delimitações, mas também por meio das classificações, prescrições e sanções previstas no texto legal, pautadas por intencionalidades e pressupostos teóricos e ideológicos ideais de certo e errado, positivo e negativo, legal e ilegal etc., pelos quais um ou mais grupos sociais constroem, pensam e dão a ler determinada realidade social (CHARTIER, 1990, p. 17). São, enfim, espaços concebidos, no sentido lefebvriano da expressão (LEFEBVRE, [1974] 1981), que de forma dialética tanto submetem quanto estão submetidos à percepção e à vivência da complexidade do todo que é o espaço geográfico. Ao mesmo tempo processo e resultado da tradição lógico-positivista que concebe o espaço de forma pantométrica a partir de mensuração da realidade que visa a tratar o universo em termos de quantidades uniformes em uma ou mais características, quantidades estas sempre consideradas como dispostas em linhas,

8 8 quadrados, cálculos e outras formas simétricas (CROSBY, [1997] 1999, p. 24) estas abstrações legais a bem da verdade traduzem certa matematização da vida social e material, pautada pelo desejo de visualizar a realidade, ao máximo possível e de uma só vez. Talvez a principal construção teórica do espaço ligada a esses antigos preceitos pantométricos seja a chamada planície isotrópica, cara à geografia teoréticoquantitativa entre as décadas de 1950 e 1960, e que tem como ponto de partida uma superfície uniforme tanto no que se refere à geomorfologia como ao clima e a cobertura vegetal, assim como à sua ocupação humana... O ponto de partida é a homogeneidade, enquanto o ponto de chegada é a diferenciação espacial que é vista como expressando um equilíbrio espacial... Na planície isotrópica a variável mais importante é a distância, aquela que determina em um espaço previamente homogêneo a diferenciação espacial. (CORRÊA, 1995, p ). Esta é, para nós, a base fundamental de concepção espacial do Código Florestal. Pautado por um princípio de totalidade, por um lado os recursos naturais são entendidos dentro da lógica da abrangência do território nacional, com intencionalidades igualmente atribuídas e uniformemente distribuídas por toda sua extensão; por outro, o espaço é concebido por e submetido a princípios matemáticos, imbuídos do uso de geometrias, delimitação de distâncias e aplicação de percentagens. Tais procedimentos têm como resultado categorias estanques de diferenciação espacial as áreas de preservação permanente e as reservas legais que se aplicam a todo e qualquer ponto do espaço, com variações ligeiras (as larguras das calhas de rio, por exemplo, no primeiro caso; os biomas, no segundo). Intencionalidade, discurso, técnica, categorizações e delimitações dotam a referida lei de espaços normativos que compreendem o Brasil como essa grande planície isotrópica olhar que ao designar as APPs delimitam-nas a partir de faixas virtuais, sem nenhuma correspondência com limites ou outros atributos do sítio. Em outras palavras, o Código Florestal ignora, no nosso entendimento, a complexidade dos processos e condições dos próprios regimes naturais que quer regular, tanto quanto organiza a realidade, de forma um tanto arbitrária, a partir de pares dicotômicos positivo-negativo; vegetado-construído; não ocupado-ocupado; preservado-não preservado; legal-ilegal permanentemente postos em cheque por um espaço geográfico de relevo acidentado, variedade climática e vegetacional, diferentes regimes hídricos, ocupação histórica de beiras de rio, explosão demográfica nas cidades e déficit habitacional grandioso. As prováveis alterações do Código Florestal e a permanência da abstração Apesar dos inúmeros debates e polêmicas por conta da revisão do Código Florestal, intensificados a partir de 2009 e amplamente noticiados pela mídia, o recémaprovado PLC 30/2011, ainda pendente de aprovação pela Câmara dos Deputados, não alterará a sistemática de abstração generalizante das metragens das APPs ao longo dos cursos d água. Dado que as definições e critérios são aplicáveis tanto para as áreas urbanas quanto rurais, é esperado que não se mostrem adequados para cumprir suas funções

9 9 descritas no artigo 2º, II, do PLC 30/2011, em redação idêntica à do atual Código Florestal em vigor. Ao contrário, o novo Código elevará à categoria jurídica de lei diversas definições e metragens das APPs que hoje são tratadas pelas Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) n os. 302/02 (BRASIL, 2002a), 303/02 (BRASIL, 2002b) e 369/06 (BRASIL, 2006). Junte-se a isto o fato de que processo legislativo para uma futura alteração do sistema de metragens do Código Florestal será ainda mais demorado do que seria o que se estabeleceria no âmbito do CONAMA. Por outro lado, a elevação das referidas metragens e definições à categoria legal pode evitar que tais disposições deixem de ser cumpridas sob a alegação da ilegalidade da delegação de competência atribuída pelos artigos 6º, II e 8º, VII, da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente (BRASIL, 1981) ao CONAMA, principalmente no que se refere aos manguezais em toda a sua extensão, expressamente inseridos na categoria de APP pelo inciso VII, do artigo 4º do PLC 30/2011. Embora mantido o generalizante sistema de metragens, algumas alternativas de adequação das disposições gerais contidas no Código Florestal às especificidades locais são propostas pelo referido documento. No que diz respeito às APPs urbanas, propõe seu artigo 4º, 7º que em áreas urbanas, as faixas marginais de qualquer curso d água natural que delimitem as áreas da faixa de passagem de inundação terão sua largura determinada pelos respectivos Planos Diretores e Leis de Uso do Solo, ouvidos os Conselhos Estaduais e Municipais de Meio Ambiente, sem prejuízo dos limites estabelecidos pelo inciso I do caput deste artigo. Tal disposição pode vir a trazer à tona a necessidade de adequação das APPs ao longo dos cursos d água, especialmente nas planícies e fundos de vale das cidades urbanas brasileiras, onde, por paradoxal, concentram a maioria da população e, portanto, o solo é mais impermeabilizado do que as demais áreas. Torna-se importante ressaltar que tal previsão não constava do PL no /1999 (BRASIL, 1999) aprovado pela Câmara dos Deputados. Foi acrescida pela Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal em resposta aos apelos dos segmentos ambientalistas da sociedade em face da alteração do ponto de medição das APP das faixas marginais de cursos d água natural para desde a calha do leito regular, nos termos do artigo 4º, I do referido projeto de lei, ao invés de medi-las a partir do nível mais alto dos rios ou quaisquer cursos d agua conforme determina o artigo 2º, alínea (a), do Código Florestal em vigor. Porém não há uma definição de calha regular. A princípio permanecerá na norma geral a medição desde a calha do leito regular do curso d água, o que provavelmente não alcançará a área de inundação deste mesmo curso d água em períodos de alta pluviosidade. A inserção da obrigatoriedade de oitiva dos Conselhos Estaduais e Municipais de Meio Ambiente, órgãos integrantes do sistema de gestão participativa, para a fixação nos Planos Diretores e Leis de Uso do Solo de limites superiores aos fixados no Código Florestal para as referidas APPs nos leva a acreditar que quando respeitado o prazo para a revisão do Plano Diretor (dez anos), estabelecido no parágrafo 3º, do artigo 40 do Estatuto da Cidade (BRASIL, 2001), a sociedade tenha a oportunidade de rediscutir os efeitos da supressão da vegetação.

10 10 Outra possível alternativa para o impasse provocado pela exagerada pantometria que acomete a concepção e delimitação das APPs, impedindo-as de exercerem suas funções ecológicas previstas no próprio texto legal é a possibilidade que o novo texto em vias de aprovação dá de se declarar a APP de interesse social, pelo Chefe do Poder Executivo, se cobertas de florestas ou outras formas de vegetação destinadas, por exemplo, a conter a erosão do solo e mitigar riscos de enchentes e deslizamentos de terra e rocha e proteger áreas úmidas. Tal instrumento pode vir a ser de grande utilidade em áreas urbanas constantemente afetadas por inundações. Ocorre que o dispositivo autoriza o Chefe do Poder Executivo a declarar de interesse social a área com vegetação existente, o que reduz a eficiência do referido dispositivo legal. É bastante provável que áreas com altas taxas de erosão, as que possam mitigar os efeitos das enchentes e áreas úmidas, já não disponham de vegetação. Ressalte-se, porém, que tal atribuição do artigo 6º, II, do PLC 30/2011, aliada à disposição contida no parágrafo 7º, do artigo 4º, esclarecem que as áreas úmidas e várzeas não se constituem em APP, a não ser que assim declaradas pelo Chefe do Poder Executivo. Em relação à possibilidade de intervenção ou supressão das APP o artigo 8º do PLC 30/2011 admite, com ligeiras alterações em face dos termos do Código Florestal em vigor, a supressão por interesse público ou interesse social e a intervenção por atividade de baixo impacto ambiental. O conceito de interesse público trazido pela alínea b, do inciso VIII, do artigo 3º, do PLC 30/2011, acrescenta diversos itens que não constam do Código Florestal ou da Resolução CONAMA 369/2006, tais como as obras de infraestrutura destinadas ao sistema viário, inclusive aquele necessário aos parcelamentos de solo urbano aprovados pelos Municípios, gestão de resíduos, energia e as instalações necessárias à realização de competições esportivas estaduais, nacionais ou internacionais. Acrescenta, ainda, que outras atividades similares às descritas no referido artigo, caracterizadas e motivadas em procedimento administrativo próprio, quando inexistir alternativa técnica e locacional ao empreendimento proposto, poderão der definidas em ato do Chefe do Poder Executivo Federal. Tal disposição retira a competência atualmente atribuída pela alínea c, do inciso IV, do artigo 1º do Código Florestal ao CONAMA. As alíneas c e d, do inciso IX, do artigo 3º, acrescentam ao conceito de interesse social a possibilidade de implantação de infraestrutura pública destinada a esportes, lazer e atividades educacionais e culturais ao ar livre e a regularização fundiária de assentamentos humanos ocupados predominantemente por população de baixa renda em áreas urbanas consolidadas, observadas as condições estabelecidas na Lei nº , de 7 de julho de 2009 (BRASIL, 2009), que dispõe sobre o Programa Minha Casa Minha Vida. Se, por um lado, a expressa autorização legal de uso das APP ao longo dos cursos d água declaradas de interesse social para atividades de lazer ao ar livre pode vir a colaborar com a manutenção de alguma forma de vegetação, dependendo do projeto em questão, parece-nos que a possibilidade de construção de moradias do referido programa habitacional em APP necessitará de análise prévia local para que as referidas populações não venham a estar expostas aos perigos aos quais a maioria das construções em áreas de APP está submetida.

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 368, DE 2012 Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor sobre as Áreas de Preservação Permanentes em áreas urbanas. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 368, de 2012, da Senadora Ana Amélia, que altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, para dispor

Leia mais

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL

MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS SEMIÁRIDOS: ESTUDO NO RIO JAGUARIBE CEARÁ - BRASIL MUDANÇAS NO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES NOS RIOS Andrade, J.H.R. 1 ; Maia, C.E. 2 ; Cavalcante, A.A. 3 ; Sousa, D.M.M. 4 ; 1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO - UFERSA Email:hamilton.meioambiente@yahoo.com.br;

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad

Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei Federal nº 12.651/12 ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Eng. Agr. Renata Inês Ramos Eng. Ftal. Irene Tosi Ahmad Lei 12651/12 Áreas de Preservação Permanente CONCEITO - Art. 3º, inciso II Área protegida

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 2.123, DE 2003 Acrescenta expressão ao parágrafo único do art. 2º da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Autor: Deputado

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content

http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content http://www4.planalto.gov.br/legislacao/resenha-diaria/2012/maio-resenhadiaria#content Lei nº 12.651, de 25.5.2012 - Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis n os 6.938, de 31 de agosto

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas

Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Ações Integradas em Microbacias Hidrográficas Valdemir Antonio Rodrigues Luiza Zulian Pinheiro Guilherme Toledo Bacchim 4º Simpósio Internacional de Microbacias - FCA-UNESP - FEPAF- 2013. 11p. 1º Paisagem

Leia mais

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO

POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO POLÍTICA FLORESTAL E O NOVO CÓDIGO (Lei Federal n. 12.651/12) PROF. DR. RAFAEL COSTA FREIRIA E-MAIL: RAFAELFREIRIA@COM4.COM.BR DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL Fundamentos e Temas de Trabalho na Questão Florestal

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS.

Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa Maria, RS. !"$#% &' ()*+, -. /) /'0 1,2 ')3+0 /(' 45 06 ' 7 0 ' /(- /) 8 '( )* 9:; Marciel Lohmann (Autor) Luciane Strassbuger (Co-autora) Patricia Nascimento Móta (Co-autora) Roberto Cassol (Orientador) UFSM Santa

Leia mais

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos

O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos O Código Florestal, Mudanças Climáticas e Desastres Naturais em Ambientes Urbanos Carlos A. Nobre Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento - SEPED Ministério de Ciência, Tecnologia

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012)

CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO FLORESTALBRASILEIRO (LEI 12.651/2012) MANUAL DE DIREITO AMBIENTAL ROMEU THOMÉ ATUALIZAÇÃO DA 2ª PARA A 3ª EDIÇÃO CAPÍTULO 6 NOVO CÓDIGO BRASILEIRO (LEI 12.651/2012) NA PÁGINA 304: Onde se lê: Já em 25 de maio de 2012, e após intensos debates

Leia mais

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009

PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 MINISTÉRIO DAS CIDADES PORTARIA Nº, DE xx DE xxxxx DE 2009 Diretrizes para a criação, instituição e atualização do Cadastro Territorial Multifinalitário (CTM) nos municípios brasileiros. O MINISTRO DE

Leia mais

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla

Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Novo Código Florestal: as Falhas do Cadastro Ambiental Rural e os Possíveis Meios de Burla Joelson de Souza Passos Estudante de Graduação Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) Brasil Resumo O código

Leia mais

Sensoriamento remoto e SIG

Sensoriamento remoto e SIG Multidisciplinar Sensoriamento remoto e SIG aplicados ao novo Código Florestal Allan Arnesen Frederico Genofre Marcelo Curtarelli Matheus Ferreira CAPÍTULO 3 Mapeamento de APP e Reserva Legal APP de corpos

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Desoneração de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH

DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL Gerência de Licenciamento de Recursos Hídricos - GELIRH PRINCIPAIS ATRIBUIÇÕES DA GERÊNCIA a. analisar os requerimentos e processos de outorga de direito de uso de

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina

As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina As Áreas de Proteção Permanente (APP) e o Novo Código Florestal de Santa Catarina Ana Monteiro Barros Hardman de Castro Geógrafa ana_hcastro@yahoo.com.br Jaqueline Passos Ferreira Peluzo Geógrafa LABGIS-NIMA

Leia mais

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008

REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 REVOGADA PELA RESOLUÇÃO 005 DE 2008 Resolução Conjunta IBAMA / SEMA / IAP nº 45, de 25 de setembro de 2007. (Publicada no DOE em 13.10.2007) Define critérios para avaliação das áreas úmidas e seus entornos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA E PRODUÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: O CASO DO PEU DAS VARGENS (RIO DE JANEIRO, BRASIL)

LEGISLAÇÃO URBANA E PRODUÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: O CASO DO PEU DAS VARGENS (RIO DE JANEIRO, BRASIL) LEGISLAÇÃO URBANA E PRODUÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS: O CASO DO PEU DAS VARGENS (RIO DE JANEIRO, BRASIL) Departamento de Geografia Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio) Elisa Sesana

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL. Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 29/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Válida para os acadêmicos ingressantes a partir

Leia mais

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011

O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 O PL DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL FEDERAL: Gustavo Trindade Brasília, 15 de agosto de 2011 BREVE HISTÓRICO DA LEGISLAÇÃO FLORESTAL 1934 CÓDIGO FLORESTAL - DECRETO Nº 23.793, DE 23 DE JANEIRO DE 1934 Classificou

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP -

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Portaria MMA 354/06 APP: Conceito e Legislação GTI APP: Composição e Escopo Proposta de plano de trabalho APP Conceito

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SANTA CATARINA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental Regularização fundiária em áreas de preservação permanente APPs em zona urbana: uma proposta de gestão ALEXANDRE

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 4.095, DE 2012 Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho 2001, que regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DAS POLÍTICAS E LEIS AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS E SUAS REPERCUSSÕES SOBRE ÁREAS PROTEGIDAS URBANAS

ANÁLISE PRELIMINAR DAS POLÍTICAS E LEIS AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS E SUAS REPERCUSSÕES SOBRE ÁREAS PROTEGIDAS URBANAS ANÁLISE PRELIMINAR DAS POLÍTICAS E LEIS AMBIENTAIS E URBANÍSTICAS E SUAS REPERCUSSÕES SOBRE ÁREAS PROTEGIDAS URBANAS Claudia Steiner-estudante de doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia-UFRGS,

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS

Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS Cadastro Ambiental Rural: CAR E OS IMÓVEIS ABAIXO DE 4 MÓDULOS FISCAIS O que é Módulo Fiscal / agricultura familiar Classificação dos imóveis até 4 módulos fiscais Como e onde consultar os módulos fiscais

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela

Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Plano de zoneamento ambiental e urbanístico das Áreas de Preservação Permanente em perímetro urbano no município de Estrela Município de Estrela SMMASB SEPLADE Defesa Civil Introdução A crescente urbanização

Leia mais

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO

CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO CONDICIONANTES SOCIOAMBIENTAIS PARA A OCORRÊNCIA DE CATÁSTROFES NATURAIS NO ESTADO DO MARANHÃO Feitosa, A.C. (DEGEO/NEPA-UFMA/SÃO LUÍS) RESUMO Os elementos e as interações do meio físico sempre influenciaram

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida

APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE. Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida APP ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE Feições de Relevo com alta fragilidade, que exercem funções essenciais a vida Dispositivo legal aplicado em distintos ambientes: Urbano, Rural ou Florestal Área de Preservação

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/33 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Introdução Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli 2/33 Conteúdo

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL CARTAS DE DERIVAÇÕES AMBIENTAIS E TRANSGRESSÕES LEGAIS: DESTAQUE AS ÁREAS DE PLANICIE E TERRAÇOS FLUVIAIS NO ANTIGO E Silveira, A. 1 ; Cunha, C.M.L. 2 ; 1 CEETEPS Email:silveira_81@yahoo.com.br; 2 UNESP

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

TEXTO EM VIGOR EM VERDE

TEXTO EM VIGOR EM VERDE BUREAUX JURÍDICOS ASSOCIADOS Porto Alegre-RS Brasília-DF São Paulo-SP Belo Horizonte-MG Ricardo Alfonsin Advogados Ricardo Barbosa Alfonsin OAB/RS 9.275 Breno Moreira Mussi OAB/RS 5.791 Arilei Ribeiro

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP.

PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. 213 PLANEJAMENTO AMBIENTAL DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIBEIRÃO ANHUMAS, MUNICÍPIO DE ANHUMAS SP. Bruno Magro Rodrigues 1, Ana Paula de Lima Costa 1, Marcos Norberto Boin 2. 1 Discente do curso de

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º

As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º As Áreas de Preservação Permanente e a Constituição Federal, art. 225, 4º ROSELI S. GANEM e SUELY M. V. G. DE ARAÚJO Consultoras Legislativas da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial,

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. (UEL-2012) Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir da combinação dos elementos da natureza, como os climáticos, botânicos, pedológicos, hidrológicos

Leia mais

2. METODOLOGIA DE TRABALHO

2. METODOLOGIA DE TRABALHO TRAÇADO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE (APP) UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO COMO TÉCNICA AUXILIAR NA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE ÁREAS DEGRADADAS Autores: Adriana Gomes de Souza Pesquisadora

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais