LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS"

Transcrição

1 LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1

2 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS ELÉTRICAS 6 LOCAIS AUDITADOS E SITUAÇÃO ENCONTRADA 7 8 CONSIDERAÇÕES 9 DIRETRIZES GERAIS 10 CONCLUSÃO 2

3 1. OBJETIVO. Elaboração de Laudo Técnico de Avaliação apresentando a situação atual na qual se encontra as instalações elétricas de entrada de energia elétrica do Condomínio Solar das Laranjeiras, medição das grandezas elétricas e detecção de problemas nas Cabines e Caixas de Distribuição de energia elétrica, apontando soluções técnicas para os problemas elétricos encontrado, aferindo sua conformidade com as normas técnicas aplicáveis. O Condomínio Solar das Laranjeiras está situado a Rua das Laranjeiras nº 43, Laranjeiras, Rio de janeiro. 2. NORMAS APLICÁVEIS. Norma Técnica Brasileira NBR-5410 (instalações elétricas em baixa tensão), Norma Técnica Brasileira NBR-5419 (Proteção de estruturas contra descargas atmosfericas), NR10 Portaria 3214 Lei 6514/TEM e Regulamentação para Fornecimento de Energia a Consumidores em Baixa Tensão RECON-LIGHT. 3. GENERALIDADES O Condomínio Solar das Laranjeiras é composto por 320 apartamentos, divididos em 2 blocos, cada um com 160 unidades residenciais e 28 lojas sendo atendido pela concessionária LIGHT S/A em 220/127 Volts, tendo à entrada de Força Trifásica do tipo Subterrânea. A Cabine de Força está localizada no 1º piso de garagem do prédio, no lado do bloco 1, com frente para a rua das Laranjeiras. Dentro da cabine de força temos o ramal de ligação LIGHT composto por 4 conjuntos de cabos de 300mm2 fixadas numa chave tipo faca trifásica acoplada ao disjuntor geral de 4000 A. Na saída do disjuntor geral tem barramentos que alimentam os apartamentos dos blocos 1 e 2, as 28 lojas e os serviços dos blocos 1 e Ao lado da cabine de força tem uma sala com os medidores, chaves e equipamentos das lojas 1 a Os medidores das lojas 15 a 28 encontram-se em uma sala no 1º piso de garagem próximo a entrada do bloco 2. Nesta sala tem uma cabine de distribuição com blocos fusíveis compostos por fusíveis cartucho de 100 A que alimentam os andares do 2º ao 17º do bloco 2. Nesta mesma cabine tem bloco fusível NH que alimentam as lojas 15 a Também no 1º piso próximo a entrada do bloco 1 encontrou-se uma cabine de distribuição composta por 14 blocos fusíveis compostos com fusíveis cartucho de 100 A, respectivamente dos andares, 2º,3º,4º,5º,6º,7º,9º,10º,12º,13º,14º,15º,16º e 17º e 2 blocos fusíveis com fusíveis cartucho de 200 A do 8º e 11º andar. 4. METODOLOGIA. O procedimento utilizado na elaboração deste Laudo Técnico foi o de registrar através de imagens todos os componentes do sistema, bem como efetuar medições de grandezas elétricas. No ato da auditoria, foram registrados numa planilha todos os detalhes observados pelo Engenheiro Eletricista, identificando e qualificando todos os componentes apontando as necessidades de correção das inconformidades apuradas. O laudo Técnico foi elaborado identificando cada componente através de imagem e comentando as inconformidades segundo as Normas Técnicas aplicáveis. 3

4 5. MEDIÇÕES DAS GRANDEZAS ELETRICAS SIELETRICAS INFORMAÇÕES SMD Rua das Laranjeiras 43 bloco 2 Número de série do registrador: 166 Início: Quinta 17/11/ :50:59 Fim:Quinta 24/11/ :20:59 Disparo: Imediato Intervalo entre registros: 30:00 Corrente Corrente A (máx) Valor mínimo: 142,3 A Valor máximo: 615,3 A Corrente B (máx) Valor mínimo: 115,8 A Valor máximo: 627,5 A Corrente C (máx) Valor mínimo: 108,1 A Valor máximo: 614,7 A Valor máximo: 96,77L% Pot. Aparente Trifásica (máx) Valor mínimo: 42,9kVA Valor máximo: 231,2kVA Pot. Ativa Fase A (máx) Valor mínimo: 16,5kW Valor máximo: 69,25kW Pot. Ativa Fase B (máx) Valor mínimo: 13,79kW Valor máximo: 70,61kW Pot. Ativa Fase C (máx) Valor mínimo: 13,46kW Valor máximo: 68,21kW Pot. Ativa Trifásica (máx) Valor mínimo: 38,89kW Valor máximo: 205,5kW Pot. Reativa Trifásica (máx) Valor mínimo: 15,71kVAr Valor máximo: 141,3kVAr Tensão A (máx) Valor mínimo: 125,9 V Valor médio: 128,8 V Valor máximo: 131,8 V FP Trifásico Pot. Aparente Pot. Ativa Pot. Reativa Tensão Corrente A (mín) Valor mínimo: 87,65 A Valor máximo: 435,6 A Corrente B (mín) Valor mínimo: 61,2 A Valor máximo: 466,2 A Corrente C (mín) Valor mínimo: 68,5 A Valor máximo: 401,9 A Valor mínimo:= 84,66L% Pot. Aparente Trifásica (mín) Valor mínimo: 32,6kVA Valor máximo: 166,3kVA Pot. Ativa Fase A (mín) Valor mínimo: 10,68kW Valor máximo: 53,43kW Pot. Ativa Fase B (mín) Valor mínimo: 7,857kW Valor máximo: 55,14kW Pot. Ativa Fase C (mín) Valor mínimo: 8,714kW Valor máximo: 48,21kW Pot. Ativa Trifásica (mín) Valor mínimo: 31,32kW Valor máximo: 157,7kW Pot. Reativa Trifásica (mín) Valor mínimo: 4,714kVAr Valor máximo: 51,29kVAr Tensão A (mín) Valor mínimo: 119,8 V Valor médio: 126,2 V Valor máximo: 129,4 V Tensão B (máx) Valor mínimo: 126,4 V Valor máximo: 132,5 V Tensão C (máx) Valor mínimo: 126,3 V Valor máximo: 131,4 V Tensão B (mín) Valor mínimo: 123,7 V Valor máximo: 130,2 V Tensão C (mín) Valor mínimo: 123,6 V Valor máximo: 129,4 V 4

5 INFORMAÇÕES SMD Rua das Laranjeiras 43 bloco 1 Número de série do registrador: 166 Início: Quinta 24/11/ :45:47 Fim:Quinta 01/12/ :15:47 Disparo: Imediato Intervalo entre registros: 30:00 Corrente Corrente A (máx) Valor mínimo: 98 A Valor máximo: 477 A Corrente B (máx) Valor mínimo: 102,1 A Valor máximo: 507,9 A Corrente C (máx) Valor mínimo: 120,8 A Valor máximo: 467,2 A FP Trifásico Valor máximo:= 89,53L% Pot. Aparente Pot. Aparente Trifásica (Max) Valor mínimo: 37,45kVA Valor máximo: 180,8kVA Pot. Ativa Pot. Ativa Fase A (máx) Valor mínimo: 10,57kW Valor máximo: 44,07kW Pot. Ativa Fase B (máx) Valor mínimo: 11,29kW Valor máximo: 50,64kW Pot. Ativa Fase C (máx) Valor mínimo: 12,68kW Valor máximo: 43,68kW Pot. Ativa Trifásica (máx) Valor mínimo: 30,18kW Valor máximo: 136,3kW Pot. Reativa Pot. Reativa Trifásica (máx) Valor mínimo: 22,14kVAr Valor máximo: 122,6kVAr Tensão Tensão A (máx) Valor mínimo: 125,9 V Valor máximo: 131,1 V Tensão B (máx) Valor mínimo: 126,1 V Valor máximo: 132,1 V Tensão C (máx) Valor mínimo: 125,8 V Valor máximo: 131,3 V Corrente C (mín) Valor mínimo: 68,85 A Valor máximo: 176,3 A Corrente B (mín) Valor mínimo: 64,95 A Valor máximo: 163,1 A Corrente A (mín) Valor mínimo: 57,2 A Valor máximo: 169,8 A Valor mínimo: = 53,08L% Pot. Aparente Trifásica (mín) Valor mínimo: 28,1kVA Valor máximo: 67,25kVA Pot. Ativa Fase A (mín) Valor mínimo: 6,393kW Valor máximo: 19,36kW Pot. Ativa Fase B (mín) Valor mínimo: 7,214kW Valor máximo: 19,29kW Pot. Ativa Fase C (mín) Valor mínimo: 7,107kW Valor máximo: 19,86kW Pot. Ativa Trifásica (mín) Valor mínimo: 23kW Valor máximo: 59,5kW Pot. Reativa Trifásica (mín) Valor mínimo: 15,21kVAr Valor máximo: 30,07kVAr Tensão A (mín) Valor mínimo: 122,6 V Valor máximo: 128,4 V Tensão B (mín) Valor mínimo: 123,1 V Valor máximo: 129,1 V Tensão C (mín) Valor mínimo: 123 V Valor máximo: 128,3 V 5

6 6 LOCAIS AUDITADOS E SITUAÇÃO ENCONTRADA O presente trabalho foi realizado seguindo o fluxo normal de energia elétrica. - Entrada de Força LIGHT, vindo da Cabine de força, disjuntor geral. - TCs de Medição do Condomínio, cabos de entrada, cabos de saída. - Sala dos medidores e equipamentos das lojas de 1 a Cabine de distribuição dos apartamentos do Bloco 1, serviço do bloco 1. - cabine de distribuição dos apartamentos do bloco 2, serviço do bloco 2 e lojas de 15 a 28. Cabine de Força do Condomínio Solar das Laranjeiras DISJUNTOR GERAL TCs DE MEDIÇÃO CABOS DE ENTRADA DISJ. GERAL BLOCO 2 E LOJAS 15 A 28 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA DISJUNTOR GERAL NBR 5361 CABOS DE ENTRADA NBR 5410 / NR10 INSPEÇÃO DA CABINE DE FÔRÇA Deverá ser realizada manutenção preventiva e corretiva. Aferição com teste e ensaios de bancada. Retirada da oxidação dos barramentos e bornes de entrada. Deverá ser realizada manutenção preventiva e corretiva, reaperto das conexões. 6

7 ALIMENTAÇÃO GERAL BLOCO 1 E SERVIÇO IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Falta de equipamento de proteção. NBR 5410 / NR10 Falta de identificação bloco 1 e serviço. NBR 5410 / NR10 BLOCO FUSIVEL NH LOJAS 1, 3 A 14 Instalação de disjuntor geral. Instalação de placa de identificação. BARRAMENTO E CABOS NEUTRO Equipamento de proteção obsoleto Falta de identificação no bloco de fusível NH NBR 5410 / NR10 Falta de identificação nos cabos de neutro Troca de bloco fusível NH por disjuntor. Instalação de placa de identificação. Instalação de placas de identificação. 7

8 CHAVE SECCIONADORA DA ENTRADA GERAL DE ENERGIA ELÉTRICA IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Pontos de corrosão na chave seccionadora da Retirada da oxidação dos barramentos e entrada geral de energia elétrica bornes de entrada. NBR 5410 / NR10 Reaperto geral dos cabos e acessórios. CABOS ALIMENTADORES DAS LOJAS 1e3 CABOS ALIMENTADORES DA LOJA 2 ( CEF ) IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Falta de equipamento de proteção NBR 5410 / NR10 Falta de identificação NBR 5410 / NR10 Instalação de disjuntor geral Instalação de placa de identificação 8

9 BARRAMENTO GERAL Pontos de corrosão no barramento geral NBR 5410 / NR10 Retirada da oxidação dos barramentos e bornes de entrada.reaperto geral dos cabos e acessórios. SALA DOS MEDIDORES DAS LOJAS 1 A 14 CAIXA DE DISTRIBUIÇÃO LOJAS 4 a 14 Na Caixa de distribuição falta identificação de neutro das lojas e organização dos condutores gerais Limpeza, reaperto das conexões, organização dos condutores e identificação de neutro. 9

10 CAIXA ECONOMICA FEDERAL IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Equipamento de proteção obsoleto Troca da chave com fusíveis por disjuntor. LOJA 1/3 LOJA 4 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Equipamento de proteção obsoleto loja 1/3 Loja 4 - disjuntor geral maior do que a capacidade de corrente do medidor Troca da chave com fusíveis por disjuntor. Solicitação de aumento de carga a concessionária Light, ou troca do disjuntor. 10

11 LOJA 5 LOJA 6 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Loja 5 - Equipamento de proteção obsoleto e fora de capacidade de carga. Loja 6 - Condutor neutro não pode ser seccionado por equipamento de proteção. condutores de entrada e saída. Troca de disjuntor bipolar para monopolar e colocação de conector ao neutro. LOJA 8 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. 11

12 LOJA 9 LOJA 10 Loja 9 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. Loja 10 - Emenda do fio neutro com mau contato. LOJA 12 Instalação de disjuntor geral compatível com os condutores de entrada e saída Refazer emenda com conector apropriado. Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída LOJA 14 12

13 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Loja 14 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. CABINE DE DISTRIBUIÇÃO BLOCO 1 E SERVIÇO IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Equipamento de proteção obsoleto Troca do bloco fusível por disjuntor compatível com os condutores de entrada e saída. 13

14 MEDIDOR DE SERVIÇO BLOCO 1 BANCO DE CAPACITORES BLOCO 1- SERVÇO Equipamento de proteção obsoleto Banco de capacitores Troca da chave com fusíveis por disjuntor compatível com os condutores de entrada e saída. Verificação do funcionamento do Banco de capacitores. BLOCO 2 LOJA 15 LOJA 16 Loja 15 - disjuntor está com um(1) borne danificado Loja 16 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. Instalação de um novo disjuntor geral condutores de entrada e saída 14

15 LOJA 17 Loja 17 - Equipamento de proteção obsoleto e acima da capacidade de corrente dos condutores condutores de entrada e saída gerais. LOJA 18 A Loja 18 A - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais de entrada. Instalação de disjuntor geral compatível com os condutores de entrada e saída 15

16 LOJA 19 Loja 19 - Equipamento de proteção obsoleto e acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída LOJA 20 Loja 20 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais condutores de entrada e saída. 16

17 LOJA 21 Loja 21 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. LOJA 22 Loja 22 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. 17

18 LOJA 23 Loja 23 - Equipamento de proteção obsoleto e acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. LOJA 24 Loja 24 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. 18

19 LOJA 25 Loja 25 - Equipamento de proteção obsoleto condutores de entrada e saída. LOJA 28 Loja 28 - Equipamento de proteção acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída ou solicitação de aumento de carga. 19

20 SERVIÇO DO BLOCO 2 E GALERIA 20

21 Circuitos elétricos de serviço desabrigados de proteção mecânica, disjuntores sem identificação e sem segurança quanta a sua manipulação por pessoas não credenciadas. Instalação de quadro de distribuição para abrigar os circuitos elétricos de serviço. MEDIDOR DE SERVIÇO BL2 Medidor de serviço - Equipamento de proteção obsoleto e acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. 21

22 MEDIDOR GALERIA Medidor da galeria - Equipamento de proteção obsoleto e acima da capacidade de corrente dos condutores gerais. condutores de entrada e saída. CABINE DE DISTRIBUIÇÃO Equipamento de proteção obsoleto. Troca do bloco fusível por disjuntor compatível com os condutores de entrada e saída. 22

23 PROTEÇÃO DA CAIXA DE DISTRIBUIÇÃO DAS LOJAS 15 A 28,GALERIA E SERVIÇO. Equipamento de proteção obsoleto condutores de entrada e saída. CABOS DEALIMENTAÇÃO DA CAIXA DE DISTRIBUIÇÃO LOJAS 15 A 28,GALERIA E SERVIÇO Cabos provavelmente com danos no isolamento NBR 5410 / NR10 Os cabos de distribuição de energia das lojas 15 a 28 deverão ser desligados para verificação do seu isolamento. Caso, estejam com o isolamento comprometido deverão ser trocados. 23

24 SIELETRICAS BANCO DECAPACITORES SERVIÇO BLOCO 2 Banco de capacitores Foram encontrados diversos disjuntores sem identificação do circuito que protege. NBR 5410 / NR10 Minuterias sem utilização, ou seja, ligadas na posição direta. NBR 5410 / NR10 Verificação do funcionamento do Banco de capacitores. Efetuar a identificação do quadro de distribuição. No caso do condomínio não fazer mais uso das minuterias, estas devem ser retiradas do circuito. 24

25 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Minuterias sem utilização, ou seja, ligadas na posição direta. NBR 5410 / NR10 Foram encontrados diversos disjuntores sem identificação do circuito que protege. NBR 5410 / NR10 No caso do condomínio não fazer mais uso das minuterias, estas devem ser retiradas do circuito. Efetuar a identificação do quadro de distribuição. Equipamento de proteção obsoleto. condutores de entrada e saída. 25

26 IRREGULARIDADES LEVANTADAS E NORMA Minuterias sem utilização, ou seja, ligadas na posição direta. NBR 5410 / NR10 Equipamento de proteção obsoleto No caso do condomínio não fazer mais uso das minuterias, estas devem ser retiradas do circuito. condutores de entrada e saída Como recomendação primordial, sugere-se a implantação de um programa de manutenção anual que estabeleça uma rotina específica para cada componente do sistema elétrico, de maneira que se mantenha a integridade da instalação e a adequação da mesma às normas técnicas, em especial as NBR 5410, NBR5419 e NR Deverá ser realizada manutenção nas cabines de força e distribuição de energia elétrica dos blocos 1 e 2, realizar limpeza dos barramentos, substituir quadros danificados, organizar os fios e trocar as chaves tipo faca com fusíveis por disjuntores e/ou substituir disjuntores danificados, instalar proteção de acrílico (ou metálica aterrada) para os barramentos e partes energizadas, para que os mesmos não fiquem expostos, colocando em risco a vida humana. Verificar e instalar aterramentos nas portas e nas proteções dos quadros. Deverá ser realizada a retirada dos condutores elétricos que não estão sendo utilizados Os quadros de distribuição devem possuir espaço reserva para ampliações futuras, com base no número de circuitos com que o quadro for efetivamente equipado. A capacidade de reserva deve ser considerada no cálculo do alimentador do respectivo quadro de distribuição Todos os condutores elétricos devem ser identificados, de acordo com sua finalidade, em caso de identificação por cor, o fio neutro (N) deverá ser identificado com a cor azul-clara na isolação, o fio de proteção (PE) deverá ser identificado com a cor verde-amarela ou verde na isolação, o fio do condutor PEN deverá ser identificado com a cor azul-clara na isolação com anilhas verde amarela, e o fio fase deverá ser identificado com qualquer cor na isolação, com exceção das cores utilizadas para os condutores N, PE e PEN Os cabos de distribuição de energia devem ser reinstalados, de modo que a isolação dos cabos não fique em contato direto com os barramentos de energia, pois uma falha da isolação (causada por rachaduras ou ressecamento) pode resultar em um curto-circuito fase- fase. 26

27 7.6. A documentação e a identificação local dos disjuntores do quadro de distribuição de energia deverão ser atualizadas. Todos os disjuntores de um quadro devem ser identificados de forma que a correspondência entre disjuntor e respectivo circuito possa ser prontamente reconhecida. Essa identificação deve ser legível, indelével, posicionada de forma a evitar qualquer risco de confusão e, corresponder à notação adotada no projeto (esquemas e demais documentos) Os locais de serviços elétricos, compartimentos e invólucros de equipamentos e instalações elétricas são exclusivos para esta finalidade, sendo expressamente proibido utilizá-los para armazenamento ou guarda de quaisquer objetos Deverão ser verificados e instalados aterramentos nas caixas metálicas das máquinas e motores, painéis, quadros, portas metálicas, alambrados, etc. Onde são de primordial importância a interligação das partes metálicas ao sistema de aterramento, a fim de evitar possíveis choques elétricos em pessoas que desenvolvem suas atividades laborais neste ambiente. A verificação dos valores de resistência de aterramento de equipamentos, portas, escadas, alambrados e qualquer parte metálica presente na instalação devem ser executados periodicamente, e deverá ser providenciada a instalação do aterramento nos locais em que não existe Utilizar dispositivos de proteção (disjuntores ou fusíveis) adequados, previstos por norma em todas as instalações (nunca dispositivos monopolares para a proteção de circuitos polifásicos ou dispositivos multipolares para a proteção de circuitos monofásicos). O uso incorreto desses dispositivos pode acarretar em risco aos equipamentos da instalação e às pessoas que trabalham na manutenção das instalações elétricas. Cada disjuntor deve estar protegendo um único circuito terminal, de acordo com o projeto elétrico Anualmente deve ser realizada a avaliação quantitativa da resistência Ôhmica de aterramento das cabines elétricas (portas, alambrados, equipamentos) onde é de extrema importância esse acompanhamento, visando à prevenção de acidentes que possam ocorrer devido a possíveis correntes de fugas, que possam surgir, energizando as estruturas componentes inseridos nestas cabines, pondo em risco a vida humana. Deve ser providenciado o aterramento nos locais que ainda não possuem Deverá ser elaborado um cronograma de adequações para que as instalações elétricas estejam de acordo com as normas vigentes A iluminação de emergência também deve ser prevista nas subestações/cabines para que se possa efetuar manutenções e/ou operações de manobra, durante o período noturno ou quando houver algum desligamento não programado A cabine de força deve possuir fixado em seu interior, diagrama unifilar de comando, proteção e seccionamento, onde em eventuais emergências e ou manutenções, possa se ter informações rápidas a respeito da construção e funcionamento destes. 8 CONSIDERAÇÕES 8.1. Encontramos alguns quadros de lojas onde os condutores elétricos gerais de alimentação estão inadequados para a proteção geral dos circuitos. Exemplo: Disjuntor de 100 A como proteção para condutores gerais de saída em 10 mm2, quando deveria ser disjuntor de 40 A Não foram identificados sistema de pára-raios e aterramento nos prédios Nas medições de grandezas elétricas do Condomínio encontramos: Potência Aparente do Bloco 1- Valor máximo: 180,8kVA. Potência Aparente do Bloco 2- Valor máximo: 231,2kVA. Pelo RECON LIGHT para 16x(1x240)+P, a demanda de atendimento é de 231,9< D < 265,1 kva. Nas medições de grandezas elétricas do Condomínio constatamos que as demandas dos bloco 1 e 2 estão abaixo do limite máximo de 265,1kVA. Portanto, caso seja necessário realizar aumento de carga de alguma loja ou apartamento a instalação elétrica tem condições para tal questão. 9 DIRETRIZES GERAIS 9.1. Contratar serviço para executar Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas no prédio Execução das obras de modernização Adequação das instalações existentes, de acordo com item 7 recomendações. 27

28 10 CONCLUSÃO O presente Laudo Técnico apresentou a análise das instalações elétricas indicando as inconformidades e sugerindo recomendações para que sejam implementadas a fim de fazer com que o sistema elétrico do Condomínio Solar das laranjeiras funcione perfeitamente. Como recomendação primordial, sugere-se a implantação de um programa de manutenção anual que estabeleça uma rotina específica para cada componente do sistema elétrico,de maneira que se mantenha a integridade da instalação e a adequação da mesma às normas técnicas, em especial as NBR 5410, NBR5419, NR-10 e RECON-LIGHT. Rio de Janeiro, 20 de dezembro de FERNANDO DE JESUS TEIXEIRA Engenheiro Eletricista CREA-RJ ART n IN

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015 Engenharia, Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO Condomínio Santa Tecla Bagé RS 21 de Maio de 2015 Sumário 1. OBJETIVO. 3 2. NORMAS APLICÁVEIS.

Leia mais

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização.

SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) É PROIBIDA a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização. SPDA (Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas) Desenvolvimento de projetos Instalação de sistema de proteção (SPDA) Manutenção do sistema de SPDA Laudo Técnico Medição da resistividade do solo

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO

VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO VERIFICAÇÃO FINAL DOCUMENTAÇÃO Inspeção visual e documentação............................................................284 Ensaios de campo em instalações...........................................................285

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS CÁLCULO DA DEMANDA E OUTRAS PROVIDÊNCIAS Prof. Marcos Fergütz Outubro/2012 INTRODUÇÃO Para a elaboração de um projeto para edifício de uso coletivo, em Santa Catarina, deve-se

Leia mais

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO

NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO NR-10 MEDIDAS DE CONTROLE DO RISCO ELÉTRICO Prof. Pedro Armando da Silva Jr. Engenheiro Eletricista, Dr. pedroarmando@ifsc.edu.br DESENERGIZAÇÃO A desenergização é um conjunto de ações coordenadas, sequenciadas

Leia mais

A entrada de energia elétrica será executada através de:

A entrada de energia elétrica será executada através de: Florianópolis, 25 de março de 2013. 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS O presente memorial tem como principal objetivo complementar as instalações apresentadas nos desenhos/plantas, descrevendo-os nas suas partes

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica Manual do Usuário Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO Introdução A norma para Instalações elétricas de baixa tensão, NBR 5410:2004,

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO

www.cpsol.com.br LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO LAUDO TÉCNICO ELÉTRICO 1. APRESENTAÇÃO Em cumprimento às Normas Regulamentadora NR10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE e NBR5410 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO, apresentamos as verificações

Leia mais

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO

ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO ESCOPO DE SERVIÇOS PARA ELABORAÇÃO DO CUSTO DO LAUDO TECNICO DO PAR ARAIO E ATERRAMENTO 1-Objetivo da Cotação: Elaboração do Laudo Técnico do Para Raio e Aterramento seguindo as orientações das norma da

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Projetos e execução de Subestações (em poste ou abrigadas em cubículos); Projetos e execução de Rede Rural ou Urbana (Condomínios);

Projetos e execução de Subestações (em poste ou abrigadas em cubículos); Projetos e execução de Rede Rural ou Urbana (Condomínios); Portfólio A Empresa A S h o c k P r o j e t o s s u r g i u e m 2 0 0 0, t e n d o como diferencial, até os dias de hoje, a procura por um atendimento d i f e r e n c i a d o a o s s e u s c l i e n t

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS GONZALEZ CÁCERES, João Rafael Engenheiro Eletricista Centro Universitário de Lins (UNILINS) E-mail: eng_jrafael@yahoo.com.br Resumo: Um dos

Leia mais

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES:

9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9. MANUTENÇÃO DE TRANSFORMADORES: 9.1 OTIMIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA OPERAÇÃO DOS TRANSFORMADORES Os transformadores são máquinas estáticas que transferem energia elétrica de um circuito para outro, mantendo

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02

COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 COMUNICADO TÉCNICO Nº 02 Página 1 de 1 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1.OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA

CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO PROJETO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS EM MÉDIA TENSÃO 13.8KV CENTRO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES GERAÇÃO FUTURA RUA OSVALDO PRIMO CAXILÉ, S/N ITAPIPOCA - CE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS

Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS Pára-raios de Baixa Tensão para Rede de Distribuição Secundária PRBT - RDS O que é? É um Dispositivo de Proteção contra Surtos Elétricos (DPS) para uso em redes de distribuição de energia elétrica de baixa

Leia mais

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE

Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE Manual de Execução de Trabalhos em Equipamento de Contagem de Energia e de Controlo de Potência em instalações BTN ÍNDICE 1. Localização e montagem... 2 1.1. Equipamento de contagem... 2 1.2. Dispositivos

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Regras práticas para projeto elétrico Iluminação, TUG, TUE Recomendações práticas Alguns símbolos diferentes (outra concessionária) Página do Professor - Manuel Rendón UFJF Manual

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO

USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO US3-RALF RESUMO MEMORIAL TÉCNICO: TROCA DE TRANSFORMADOR, CONSTRUÇÃO DE SUBESTAÇÃO EM POSTE SIMPLES COM CABINA DE MEDIÇÃO INDIRETA EM BT DE ENERGIA ELÉTRICA E ADEQUAÇÃO AS NORMAS VIGENTES USINA DE TRATAMENTO DE ESGOTO

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

SAN.T.IN.NT 31. Os barramentos instalados em subestações e/ou cubículos deverão ser pintados em toda sua extensão, exceto nos pontos de conexão.

SAN.T.IN.NT 31. Os barramentos instalados em subestações e/ou cubículos deverão ser pintados em toda sua extensão, exceto nos pontos de conexão. 1 / 7 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS 5. REFERÊNCIAS 6. ANEXOS 1. FINALIDADE Esta norma tem como finalidade regulamentar os princípios básicos e procedimentos

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Instalações para Iluminação e Aparelhos Eletrodomésticos ABNT NBR 5410: 2004 Determinação das características gerais Na concepção de uma instalação elétrica, devem ser determinadas

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Instalações Elétricas de Baixa Tensão Porto Alegre, Maio de 2010 Revisão: B Esta Norma estabelece as condições a que devem satisfazer as instalações

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Eletricidade Instalações Elétricas Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 2 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Concessionária

Leia mais

Dispositivos De Proteção Residual

Dispositivos De Proteção Residual Dispositivos De Proteção Residual Normas Técnicas A proteção diferencial residual deve ser instalada como: Proteção Geral; Proteção por Circuito; Nos circuitos em que o dispositivo de proteção esteja instalado,sempre

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Principais alterações:

Principais alterações: 2 Principais alterações: Quantidade de medições De 1 a 2 medições no mesmo terreno Norma Norma número 13 Fornecimento em Tensão Secundária de Distribuição De 3 a 12 medições Unidade consumidora pertencente

Leia mais

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00

DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DA REDE DT-144/2013 DECISÃO TÉCNICA DT-144/2013 R-00 INSTALAÇÃO DE CAIXA DE PROTEÇÃO SECUNDÁRIA NA REDE DE BAIXA TENSÃO FOLHA DE CONTROLE DECISÃO TÉCNICA INSTALAÇÃO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA -

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - Técnica que estende a visão humana ao espectro infravermelho, sendo a aquisição e análise das informações térmicas feitas a partir de dispositivos de obtenção de

Leia mais

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada

Critérios Construtivos do Padrão de Entrada Notas: Critérios Construtivos do Padrão de Entrada A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada. O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar novas ligações. Executa ligação BT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Fornecimento de Energia Elétrica a Edificações de Múltiplas Unidades Consumidoras do Programa Minha Casa Minha Vida com Telemedição Processo Atividade Realizar novas ligações Executa ligação BT Código

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI

PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI PLANO DE CURSO PARCERIA SENAI 1 - NOME DO CURSO: Projetos de RDI / RDP: RDI: Redes de Distribuição Aéreas Isoladas; RDP: Redes de Distribuição Aéreas Protegidas (Compactas). 2 - ÁREA: Eletrotécnica Sub

Leia mais

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva Esquemas de Aterramento 1 Aterramento O aterramento é a ligação de um equipamento ou de um sistema à terra, por motivos de proteção ou por exigência quanto ao funcionamento do mesmo. Aterramento de proteção:

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios

Proteção contra. choques elétricos e incêndios. Proteção contra. choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Proteção contra choques elétricos e incêndios Fabricado no Brasil Dispositivos D Proteção contra correntes de fuga à terra em instalações elétricas de baixa

Leia mais

Proteção Diferencial

Proteção Diferencial GE Consumer & Industrial GE Energy Management Industrial Solutions Proteção Diferencial DR - Interruptor Diferencial Residual DDR - Disjuntor com Proteção Diferencial DOC (Diff-o-Click) - Blocos Diferenciais

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO ELÉTRICO PARA CONSTRUÇÃO DAS CASAS POPULARES DO LOTEAMENTO DE INTERESSE SOCIAL PRESIDENTE KENNDY ES MEMORIAL DESCRITIVO Memorial Descritivo Elétrico Projeto: Marcelo

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

ROTEIRO PARA ESCOLHA DA PROTEÇÃO CONTRA TRANSIENTES

ROTEIRO PARA ESCOLHA DA PROTEÇÃO CONTRA TRANSIENTES ROTEIRO PARA ESCOLHA DA PROTEÇÃO CONTRA TRANSIENTES PROTEÇÕES PARA LINHA TELEFÔNICA São Proteções Contra Surtos de Tensão Classe II, conforme estabelece a IEC 61643-1 e a NBR 5410 usadas em linhas telefonicas,

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10

Características & Interligação. Módulo APGV. Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada. Revisão 00 de 13/05/10 Características & Interligação Módulo APGV Módulo Ponte Graetz com Ventilação Forçada Revisão 00 de 13/05/10 Direitos Reservados à Todas as informações contidas neste manual são de uso exclusivo da Equipamentos

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO Sat5 Telecom www.sat5.com.br Última Revisão: 25/01/2012 Manual Técnico.:. Fonte No-Break.:. Sat5 Telecom 1 1. Modelos e diferenças As fontes no-break, são fornecidas em 2

Leia mais

EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO

EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO EVAPORADOR ELIMINADOR DE GOTEJAMENTO Aparelho Bivolt 110v 220v ATENÇÃO: INSTALAR EXTERNAMENTE * Capacidade total em 220v. Em 110v, redução de 50% a 60% na capacidade de evaporação. *Não testar com água

Leia mais

SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO

SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO SPOT RGB MANUAL DE OPERAÇÃO INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Este equipamento foi desenvolvido para uso interno. Mantenha-o protegido contra umidade, respingos ou excesso de poeira e calor. Para prevenir fogo ou

Leia mais

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão

Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão Manual de Aprovação de Projeto para Clientes de Média Tensão 1 2 Clientes de Média Tensão São aqueles conectados ao sistema de distribuição de energia de 13.800 volts (Rede de MT) da Coelce. Definidos

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais