SÍNCOPE DA PROPAROXÍTONA: UMA VISÃO VARIACIONISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SÍNCOPE DA PROPAROXÍTONA: UMA VISÃO VARIACIONISTA"

Transcrição

1 225 SÍNCOPE DA PROPAROXÍTONA: UMA VISÃO VARIACIONISTA André Pedro da Silva 1 Dermeval da Hora 2 Juliene Lopes Ribeiro Pedrosa 3 INTRODUÇÃO Os primeiros pensamentos abordando de forma inerente a relação entre língua e sociedade surgiram com Meillet, no século XIX, que mais tarde ganharam seguidores que o desenvolveram. Contudo, só em meados do século XX receberam significativa repercussão e alargamento com os estudos de Willian Labov, impetuoso defensor entre a relação língua e sociedade. Surge, assim, a partir desses estudos a Teoria da Variação Lingüística ou Sociolingüística Quantitativa (TARALLO, 2002, p. 7-8). A principal contribuição da Sociolingüística está em descrever a língua como objeto social variável e passível de sistematização. Daí, as maiores contribuições da Sociolingüística são: mostrar que o caos lingüístico é passível de sistematização e que, para a variação, o fator social é imprescindível. Observando os processos relacionados à língua falada, percebe-se que essa modalidade de linguagem difere das normas formalizadas pela gramática normativa. Isso nos mostra que a complexidade dos fenômenos lingüísticos ultrapassa as regras préestabelecidas. A Sociolingüística veio mostrar a importância de estudos que descrevem o perfil lingüístico dos falantes, desviando-se dos preconceitos existentes sobre a linguagem, uma vez que considera o fator social como dado relevante na determinação de formas de falar. Assim, a Sociolingüística mostra que a língua mostra processos correlacionados a fatores lingüísticos e extralingüísticos. Dessa forma, aceita a língua como objeto social, logo variável, fazendo-nos crer que a língua não é passível de sistematização. Assim sendo, os estudos acerca da linguagem oral foram intensificados, já que essa modalidade apresenta-se dinâmica. No Português do Brasil (PB), a síncope das proparoxítonas vem se sobressaindo no falar de várias regiões. A escolha do aspecto fônico deve-se ao fato de este nível refletir mais imediatamente as diferenças sociais e regionais, como também ao fato de esse aspecto causar muitos problemas na aquisição da língua escrita, dadas as divergências estruturais que apresentam e a tentativa de representação de uma pela outra. Para alcançar tal intento, analisaremos trabalhos já publicados que norteiam essa perspectiva e esse fenômeno, como: concepções Variacionistas de Cristina Schmitt e Regina Celi Pereira, respectivamente, Redução Vocálica Postônica e Estrutura Prosódica e As Vogais Médias Pretônicas na Fala do Pessoense Urbano; além da Síncope, objeto deste estudo, por Marisa Amaral. 1 Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPB, na linha de pesquisa Variação e Mudança. 2 Professor Dr. da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras. CNPq. 3 Professora Ms. da Universidade Estadual da Paraíba, Campus III (UEPB).

2 226 APRESENTAÇÃO E DESCRIÇÃO DO FENÔMENO A Síncope das Proparoxítonas é a supressão de um ou mais segmentos na(s) sílaba(s) átona(s) postônica(s) de um vocábulo. Quando esta ocorre, o grupo consonantal decorrente constitui um ataque ou uma coda bem formados. Este trabalho é descrito à luz da Sociolingüística Quantitativa ou Laboviana, tendo em vista contar com dados probabilísticos e quantitativos dos autores observados e analisados, a fim de estabelecer uma relação entre os fenômenos para ter noção do que influencia a Síncope das Proparoxítonas. Para alcançar tal intento, foi necessário analisar o comportamento das Vogais Pretônicas por Pereira; as Vogais Postônicas e suas Reduções por Schmitt; e por fim, a Síncope das Proparoxítonas na visão de Amaral. Convém esclarecer que o caráter desse trabalho, acerca da Síncope das Proparoxítonas, é puramente bibliográfico, ou seja, fazemos uso de trabalhos já realizados com esta variável, para supor certas influências de determinados fatores (lingüísticos e extralingüísticos). Com isso, não é nossa intenção, neste momento, apresentar dados de corpus, nem tampouco teorias explicativas que dêem conta do fenômeno estudado, uma vez que este servirá de base para um trabalho futuro, com análise de dados de fala de um corpus a ser levantado na cidade de Sapé PB. Assim, este fenômeno será posteriormente retomado para desenvolvimento da escritura e defesa de uma dissertação de mestrado, onde será minuciosamente analisado. Neste trabalho, apresentamos uma breve análise, bibliográfica, como dantes falado, de apenas um dos inúmeros aspectos da língua portuguesa. Conhecer um pouco dessa realidade significa buscar entender o comportamento lingüístico de cada falante e, na sua totalidade, o comportamento da comunidade lingüística brasileira. RESULTADOS ACERCA DOS FENÔMENOS A cerca das pretônicas, Pereira (1997), verificou que as vogais sofrem influências tanto das consoantes anteriores, quanto da posteriores, onde estas podem ser elevadas, abertas ou fechadas. Referente às consoantes anteriores, Pereira (1997), constatou que há um maior índice de elevação de e quando a consoante anterior é uma velar ou uma labial, onde apareceram com peso relativo (.79) e (.53), respectivamente. Em relação a o, tanto a labial, quanto a sibilante influenciaram sua elevação. Ex.: qu[i]ria, m[i]nina, p[i]ru, b[i]bida, b[i]xiga, p[i]rigoso; b[u]tar, b[u]neca, b[u]cado, b[u]lacha, m[u]leque, m[u]derna, f[u]gão, s[u]frimento, s[u]ssego, s[u]stento. Houve abertura do e devido o contexto vocálico seguinte e vibrante posterior (independente do contexto subseqüente). Para o, os contextos que influenciaram em sua abertura foram a consoante alveolar (principalmente o grupo consonantal pr) e as palatais. Ex.: v[é]rdade, p[é]cado, m[é]drosa, b[é]bendo; r[é]visão, r[é]sumo, r[é]ligião, r[é]vista, r[é]frigerante; pr[ó]fissão, pr[ó]prietário, pr[ó]dutividade, pr[ó]cura; n[ó]vicentos, d[ó]cumento.

3 227 A palatal precedente favorece o fechamento de e e a vibrante posterior apresenta-se como maior favorecedora ao seu fechamento do o. Ex.: g[ê]mendo, g[ê]ralmente; os demais casos são derivados do verbo chegar (independentemente da vogal seguinte) ch[ê]guei, ch[ê]garam, ch[ê]gasse, ch[ê]gado; Ex.: r[ô]mântico, r[ô]tina, r[ô]mance, r[ô]lei, r[ô]lou e r[ô]dou. No que tange às consoantes posteriores, Pereira (1997) notou que apenas a sibilante e palatal firmam-se como favorecedoras de elevação de e. Quanto a o não se tem nenhum contexto fonológico seguinte que condicione a sua elevação. Ex.: b[i]xiga e s[i]guinte. Quanto à abertura, a vibrante posterior apresenta-se como maior favorecedora de e e, no que se refere a o, o único contexto fonológico seguinte favorável à abertura e o da sibilante. Ex.: p[é]rgunta, p[é]rfume, t[é]rminar, v[é]rdura, s[é]rviço, s[é]rtaneja; pr[ó]cidimento, p[ó]ssibilidade, p[ó]ssuir, pr[ó]cesso, n[ó]ção, d[ó]cente. A vogal não-recuada e demonstra não sofrer nenhuma influência do contexto fonológico seguinte, quando se trata do fechamento. Já para o, aponta-se dois contextos favoráveis ao fechamento: a palatal com peso de (.63) e a vibrante posterior (.54). Ex.: g[ô]staria, p[ô]stura, c[ô]lheres, c[ô]stumava; m[ô]rdida, t[ô]rtura, t[ô]rcida. De acordo com Pereira (1997), as variáveis extralingüísticas não são relevantes para os estudos acerca das pretônicas, uma vez que todas ficaram próximas ao ponto neutro. Em relação as postônicas, Schmitt (1987) averiguou que as variáveis lingüísticas pertinentes ao seu estudo eram: juntura, consoante precedente, segmento seguinte e posição no sintagma frasal. Referente à juntura, comprovou-se que o contexto mais favorecedor é o do sandhi externo, como: gente interessante > gentiinteressante > gentinteressante e quarto escuro > quartuiscuro > quartiscuro. A consoante precedente aponta as palatais e as velares /k, g, x,, / como favorecedoras a elevação de e. E, ainda de acordo com Schmitt (1987), não há favorecimento por parte de nenhuma consoante posterior quanto a elevação de o. 4 As obstruintes labiais, alveolares, palatais e velares favoreceram a elevação tanto do e quanto do o em se tratando do segmento seguinte. E houve elevação, em ambas, quando se posicionam como núcleo ou periferia (seja à direita ou à esquerda) do sintagma. Já nos finais de frase não foi freqüente a elevação das vogais. Nas análises extralingüísticas, Schmitt (1987) verificou que, no que tange a Etnia, o comportamento das vogais postônicas depende da interferência de outras línguas faladas na região. Os italianos fazem maior uso da elevação (.75), seguido dos fronteiriços (.52) e dos alemães (.24). Quanto ao tipo de entrevista, observou-se que a elevação foi mais aplicada no teste (perguntas) e não na fala livre (relatos), apesar deste ser um ambiente de maior tensão. Já 4 Não podemos contar com os exemplos do corpus de Schmitt (1987), uma vez que o material disposto a nós, não os apresentava.

4 228 concernente a acentuação, as paroxítonas seguem o padrão geral e as proparoxítonas são marcadas de alguma forma, mesmo sendo estas, em geral, eruditas e devessem receber uma pronúncia mais cuidada, por essa razão, mais silabada. As proparoxítonas pronunciadas como paroxítonas foram consideradas com recebendo acento na penúltima sílaba (fosfro, abobra, estomo). Nos estudos de Amaral (2002) o contexto fonológico seguinte, os traços de articulação das vogais e o peso da sílaba precedente foram os fatores lingüísticos apontados como relevantes à síncope das proparoxítonas. Analisando o contexto fonológico seguinte, os resultados indicaram que o apagamento da postônica não-final foi mais favorecido pela presença da vibrante (.83): chácara > chacra; seguido da lateral (.53): pétala > petla (formando um grupo consonantal licenciado pelo sistema). Kiparsky (1979, p. 432) apresenta o lugar de /r/ na Hierarquia de Soância : oclusiva, fricativa, nasais, l, r, w, y, i, o, e, a. Observa-se, com isso, que a vibrante /r/ tem mais soância em relação a lateral /l/. As outras consoantes (oclusiva, fricativa e nasais) têm, respectivamente, menos soância, motivo pelo qual não são licenciadas para formar a segunda consoante do ataque complexo, sujeitando-se ao apagamento junto à vogal postônica não-final fígado > *figdo > figo. E formas como máquina > *makna não ocorrem, por não formarem um grupo consonantal licenciado pelo sistema lingüístico português. No que se refere aos traços de articulação das vogais, destacou-se como maiores favorecedores ao apagamento as sílabas com labiais /o, u/ Com peso relativo de (.63). É válido lembrar que, no grupo das coronais, as proparoxítonas mais resistentes à síncope têm o /i/ como vogal postônica e os contextos circundantes não apresentam grupos consonantais bem formados, como: atlântico [tk], médico [dk], África [frk], genético [t k], grávida [vd], máquina [kn], ótimo [t m], rápida [pd]. Amaral (2002) observou que quanto ao peso da sílaba precedente, a leve (.53) favorece mais do que a sílaba pesada (.38), como: pétala, cágado, abóbora. Para buscar elementos que refletissem os resultados, Amaral (2002) valeu-se do Princípio da Saliência Fônica, segundo o qual as formas mais salientes, com mais material fonético, são mais resistentes a processos de mudança do que as menos salientes, ou seja, com menos material fonético (Naro e Lemle, 1976). Avaliando o contexto fonológico precedente, Amaral (2002) contatou que a velar é a mais propícia ao apagamento (.60), como óculos, círculo, cágado. Já a labial mostra um contexto menos favorecedor (.48), apesar de haver maior número de palavras envolvendo este fator, muitos informantes não aplicaram a regra. Como ambiente menos favorecido, observou-se a alveolar (.46), respectivamente: abóbora e música. Já nos fatores extralingüísticos, Amaral (2002) observou a escolaridade, tipo de entrevista, sexo e faixa etária. Analisando esses fatores, Amaral (2002) considera o fator escolaridade a mais significativa, onde as pessoas mais escolarizadas tendem a apagar menos (.40) do que as que nunca foram à escola ou freqüentaram até a 4ª série (.60). Quanto ao tipo de entrevista, os resultados mostram que o peso relativo é (.61) na fala livre e (.44) na fala dirigida, evidenciando o favorecimento da situação mais natural. O fator sexo, parece desempenhar papel pouco significativo, pois ficaram próximos do ponto neutro (.56 e.44). Ainda assim este fator aponta o homem como favorecedores à síncope. Examinando a faixa etária, comprovou-se que os falantes mais velhos (59 anos em diante) apresentaram um índice de (.71) nas formas com apagamentos, seguidos dos mais

5 229 jovens de 24 a 39 anos (.57). Já os falantes da faixa intermediária 40 a 50 anos e 51 a 59 anos tendem a evitar as formas sincopadas. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nos estudos de Pereira (1997) constatou-se que a altura da pretônica está sempre condicionada à da vogal seguinte, seja ela alta, aberta ou fechada. E apesar de não se ter trabalhado dentro de uma perspectiva de análise autossegmental, intuiu-se que todas essas variantes se submetem aos mesmos princípios que regem a Harmonia Vocálica descrita por Bisol (1981), e que, segundo Battisti (1993) a representação deste fenômeno mostrou-se tratar de uma única operação na árvore, de espraiamento/assimilação de traços, tendo como conseqüência a alteração de um traço de abertura da vogal média. Assim, verificou-se que a mesma operação de espraiamento/assimilação de traço também se configurou uma árvore que representasse os contextos favoráveis à abertura e ao fechamento. No estudo de Schmitt (1987) observou-se que o acento é condicionador por excelência dos ambientes de redução vocálica, onde se procurou uma análise que permitisse não só relacionar acento e redução, como também explicar o levantamento não categórico dos casos que as regras de levantamento das postônicas é quase categórica, inibida lingüisticamente pelo fator: vogal seguida de C ou de CV (caráter, nível, tráfego, gênero). Dessa forma, o acento interfere e tem relação na qualidade da vogal. E, tanto na pretônica quanto na postônica, o acento mantêm-se, apesar da harmonização vocálica e de certas vogais postônicas serem apagadas em determinados contextos, isso, quando aceita a formação silábica. Os resultados da análise de Amaral (2002) apresentam o contexto fonológico seguinte como maior favorecedor à síncope da proparoxítona, apontando para a líquida vibrante como o melhor contexto. A vogal posterior labial é a que mais favorece a aplicação da regra. Já a coronal é a que menos favorece, cujos ambientes circundantes, em sua maioria, formam ataques proibidos no sistema. No que concerne ao contexto fonológico precedente, a consoante velar é a mais favorecedora. É interessante observar que, em relação ao peso da sílaba anterior, a posição canônica CV facilita a regra da síncope. Vale salientar que o fator mais propício à síncope é uma sílaba bem-formada, constituída de acordo com os padrões da língua; e que a vogal labial /o/ é a mais favorável ao processo, assim como vem sendo mais propensa à elevação, relacionando, dessa forma, os fenômenos de apagamento e elevação.

6 230 REFERÊNCIAS AMARAL, Marisa Porto do. A síncope em proparoxítonas: uma regra variável. BISOL, Leda; BRESCANCINI, Cláudia. Fonologia e Variação: recortes do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, BISOL, Leda (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, CALLOU, Dinah; LEITE, Yonne. Iniciação à fonética e à fonologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, CÂMARA Jr, Joaquim Mattoso. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, CHAMBERS, J. K. Sociolinguistic theory. Oxford: Blackwell, HERZOG, M. I. et al. Empirical foundations for a theory of language change. In: LEHMANN, W., MALKIEL, Y. (eds.). Directions for historical linguistics. Austin: University of Texas Press, HORA, Dermeval da. Teoria da variação: uma retrospectiva. In: Diversidade Lingüística no Brasil. Hora, Dermeval da (org). João Pessoa: Idéia, LABOV, William. Sociolinguistic patterns. Oxford: Blackwell, LUCCHESI, Dante. Sistema, Mudança e Linguagem: um processo da lingüística neste século. Lisboa: Colibri, TARALLO. Fernando. A pesquisa sociolingüística. São Paulo: Ática, WARDHAUGH, Ronald. An introduction to sociolinguistics. 2. ed. Oxford: Blackwell, 2001.

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (FAPESP 06/59141-9) Orientadora: Profa. Dra. Luciani Ester Tenani UNESP Câmpus

Leia mais

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES Letícia Cotosck Vargas (PUCRS/PIBIC- CNPq 1 ) 1. INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem por objetivo examinar um dos processos de sândi externo verificados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo.

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo. A REDUÇÃO DO DITONGO ORAL FINAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA Dúnnia HAMDAN Universidade Federal de Uberlândia hamdan.dunnia@gmail.com RESUMO: O presente projeto visa estudar a variação ocorrente em ditongos

Leia mais

O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES 1585 O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa PPGLL/UFBA 0 Introdução Um dos campos em que a teoria da variação lingüística se mostrou bastante fecunda, tal como

Leia mais

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Variação linguística e práticas pedagógicas nº 51, p. 261-268 261 O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. 132 p. 1 Ivanete Mileski A variação

Leia mais

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO

VARIAÇÃO DITONGO/HIATO VARIAÇÃO DITONGO/HIATO Viviane Sampaio 1 1 Introdução Este estudo é parte integrante do projeto Epêntese Consonantal Regular e Irregular da prof. Dr. Leda Bisol 2 que trata das consoantes e do glide. Contudo,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 4 Semestre:

Leia mais

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1.

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1. QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. ¹FaE (FAPERGS)UFPel,luisagrassi@hotmail.com;²PPGE-FaE/UFPel,ramil@ufpel.tc

Leia mais

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953)

Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de falar sulista, à área de falar fluminense e à área de falar mineiro, conforme Nascentes (1953) VARIAÇÃO DAS VOGAIS MÉDIAS PRÉ-TÔNICAS NO FALAR DE BELO HORIZONTE: UM ESTUDO EM TEMPO APARENTE Amanda Felicori de Carvalho e Maria do Carmo Viegas Minas Gerais pertence à área de falar baiano, à área de

Leia mais

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG 1 O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG Dayana Rúbia CARNEIRO 1 Universidade Federal de Uberlândia day_carneiro@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho consiste

Leia mais

NEUTRALIZAÇÃO DA VOGAL POSTÔNICA NÃO-FINAL NA CIDADE DE SAPÉ-PB

NEUTRALIZAÇÃO DA VOGAL POSTÔNICA NÃO-FINAL NA CIDADE DE SAPÉ-PB 1 NEUTRALIZAÇÃO DA VOGAL POSTÔNICA NÃO-FINAL NA CIDADE DE SAPÉ-PB André Pedro da SILVA Universidade Estadual da Paraíba pedroufpb@gmail.com Resumo: Este trabalho descreve o processo de neutralização da

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba.

TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba. TÍTULO DA PESQUISA: O ir e vir das preposições - um estudo diacrônico dos complementos dos verbos ir e vir no português mineiro de Uberaba. ANO DE INÍCIO: 2010 NOME DO BOLSISTA: Thamiris Abrão Borralho.

Leia mais

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS

VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS VARIAÇÃO NO USO DAS VOGAIS PRETÔNICAS [e] E [o] E DO PLURAL METAFÔNICO NO PORTUGUÊS FALADO EM DOURADOS Márcio Palácios de Carvalho¹; Elza Sabino da Silva Bueno². ¹Aluno do 4º ano do Curso de Letras Português/Espanhol.

Leia mais

O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE COROMANDEL E MONTE CARMELO

O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE COROMANDEL E MONTE CARMELO PIBIC-UFU, CNPq & FAPEMIG Universidade Federal de Uberlândia Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação DIRETORIA DE PESQUISA O SISTEMA VOCÁLICO PRETÔNICO DO TRIÂNGULO MINEIRO ENFOQUE SOBRE AS CIDADES DE

Leia mais

ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA

ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA ALÇAMENTO DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS /e/ E /o/ NAS CIDADES DE CURITIBA E LONDRINA Larissa Natiele de Lima 1 RESUMO Essa pesquisa, ancorada nos pressupostos teórico-metodologicos da Sociolinguistica Variacionista,

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 324 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 The raising of pre-stressed mid-high vowels in the speech of Coromandel-MG and Monte Carmelo-MG

Leia mais

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO Prof. Dr. Flávio Carvalho Departamento de Música e Artes Cênicas/ UFU e-mail: fcarvalho@demac.ufu.br www.demac.ufu.br Resumo: Este Grupo de Trabalho pretende consolidar os

Leia mais

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro

Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Estudos da Língua(gem) Características da duração do ruído das fricativas de uma amostra do Português Brasileiro Characteristics of the duration of the fricative noise of a sample of Brazilian Portuguese

Leia mais

Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA

Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA Universidade Federal da Bahia Instituto de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestrado em Letras Apócope dos fonemas átonos finais /I/ e /U/ na localidade de Beco, Seabra-BA Maria

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL THE RISING OF THE MIDDLE UNSTRESSED VOWELS /E/ AND /O/ WITHOUT APPARENT MOTIVATION: A STUDY IN REAL TIME

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE

A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE Comunicação apresentada no III Colóquio do PPG-Letras/UFRGS. Eduardo Elisalde Toledo 1 RESUMO: No Português Brasileiro, os ditongos orais

Leia mais

Fonêmica do português

Fonêmica do português Fonêmica do português CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Prof. Cecília Toledo cissa.valle@hotmail. com

Leia mais

O ABAIXAMENTO DA PRETÔNICA /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE)

O ABAIXAMENTO DA PRETÔNICA /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) O ABAIXAMENTO DA PRETÔNICA /O/ NO FALAR POPULAR DE FORTALEZA: UMA ABORDAGEM VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo (UECE) aluizaa@hotmail.com 1. Introdução O vocalismo átono do português, principalmente

Leia mais

A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/

A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/ A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/ Lúcia Lovato Leiria RESUMO: This paper aims at presenting a quantitative study of diphthongization resulting from anterior glide insertion

Leia mais

A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS LINGUÍSTICO DO PARÁ: UMA FOTOGRAFIA VARIACIONISTA

A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS LINGUÍSTICO DO PARÁ: UMA FOTOGRAFIA VARIACIONISTA A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS LINGUÍSTICO DO PARÁ: UMA FOTOGRAFIA VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo * Gustavo Henrique Viana Lopes ** Resumo: Com base nos pressupostos teórico-metodológicos

Leia mais

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq)

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Ditongos derivados: um adendo Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Em artigo precedente (1994), fez-se a distinção entre ditongos verdadeiros que correspondem a duas vogais na subjacência, como reitor e pauta e falsos

Leia mais

etras o alteamento da pretônica /o/ no falar popular de fortaleza Aluiza Alves de Araújo*

etras o alteamento da pretônica /o/ no falar popular de fortaleza Aluiza Alves de Araújo* lrevista de etras o alteamento da pretônica /o/ no falar popular de fortaleza Aluiza Alves de Araújo* Introdução No português do Brasil, as vogais médias pretônicas têm sido objeto de inúmeros estudos,

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos VOGAIS SEMIABERTAS ÁTONAS NO PORTUGUÊS DO BRASIL Afrânio Garcia (UERJ) INTRODUÇÃO De maneira geral, os estudiosos da fonética e da fonologia do português são unânimes em identificar três sistemas vocálicos

Leia mais

UM OLHAR SOCIOLINGUÍSTICO SOBRE A LINGUAGEM EM REDENÇÃO (PA):O /S/ PÓSVOCÁLICO

UM OLHAR SOCIOLINGUÍSTICO SOBRE A LINGUAGEM EM REDENÇÃO (PA):O /S/ PÓSVOCÁLICO UM OLHAR SOCIOLINGUÍSTICO SOBRE A LINGUAGEM EM REDENÇÃO (PA):O /S/ PÓSVOCÁLICO Denize Ramos Cardoso (UCNSA) dcardoso2005@hotmail.com Manoella Gonçalves Bazzo (UEPA) manubazzo@yahoo.com.br RESUMO: Embasando-se

Leia mais

APAGAMENTO DA FRICATIVA GLOTAL PÓS-VOCÁLICA NA VARIEDADE LINGUÍSTICA POTIGUAR

APAGAMENTO DA FRICATIVA GLOTAL PÓS-VOCÁLICA NA VARIEDADE LINGUÍSTICA POTIGUAR APAGAMENTO DA FRICATIVA GLOTAL PÓS-VOCÁLICA NA VARIEDADE LINGUÍSTICA POTIGUAR DELETION OF THE GLOTTAL FRICATIVE POSTVOCALIC IN THE POTIGUAR LINGUISTIC VARIETY Cid Ivan da Costa Carvalho 1 Universidade

Leia mais

KEYWORDS: Phonology; Haplology; Syllable reduction; Segmental approach.

KEYWORDS: Phonology; Haplology; Syllable reduction; Segmental approach. ESTUDO SOBRE REDUÇÃO SILÁBICA E HAPLOLOGIA NO FALAR DA CIDADE PAULISTA DE CAPIVARI (STUDY ON SYLLABLE REDUCTION AND HAPLOLOGY IN THE SPEECH OF CAPIVARI CITY) Eneida de Goes LEAL ABSTRACT: This paper investigates

Leia mais

Estudo acústico das vogais tônicas em palavras paroxítonas do português falado no Rio Grande do Sul

Estudo acústico das vogais tônicas em palavras paroxítonas do português falado no Rio Grande do Sul Estudo acústico das vogais tônicas em palavras paroxítonas do português falado no Rio Grande do Sul Virgínia Andréa Garrido Meirelles (UCB) RESUMO: Este trabalho faz parte da pesquisa de doutorado que

Leia mais

REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO

REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO Página31 REDUÇÃO DAS VOGAIS ÁTONAS FINAIS NO FALAR DE UM MANEZINHO Beatriz de Oliveira 1 Sara Farias da Silva 2 RESUMO: Neste trabalho são analisados fenômenos que envolvem vogais em posição final de vocábulos,

Leia mais

As vogais em final de palavras no falar goiano 1

As vogais em final de palavras no falar goiano 1 As vogais em final de palavras no falar goiano 1 FERREIRA, Mariana Luiza 2 UFG/CAC mariana.luizah@hotmail.com NUNES, Gisele da Paz 3 UFG/ CAC nunes.giselepaz@gmail.com Palavras-chave: alçamento vocálico;

Leia mais

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Cláudia BRESCANCINI (PUCRS) Valéria Neto de Oliveira MONARETTO (UFRGS) Resumo: As pesquisas realizadas com dados de fala do Projeto VARSUL indicam

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

UM ESTUDO CONTRASTIVO SOBRE AS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES DO AMAZONAS E DO PARÁ COM BASE NOS DADOS DO ALAM E DO ALISPA *

UM ESTUDO CONTRASTIVO SOBRE AS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES DO AMAZONAS E DO PARÁ COM BASE NOS DADOS DO ALAM E DO ALISPA * 1. Introdução UM ESTUDO CONTRASTIVO SOBRE AS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES DO AMAZONAS E DO PARÁ COM BASE NOS DADOS DO E DO ALISPA * Silvia Figueiredo Brandão UFRJ Maria Luiza de Carvalho Cruz UFAM

Leia mais

O APAGAMENTO DAS POSTÔNICAS NÃO-FINAIS NO FALAR MARANHENSE 1

O APAGAMENTO DAS POSTÔNICAS NÃO-FINAIS NO FALAR MARANHENSE 1 O APAGAMENTO DAS POSTÔNICAS NÃO-FINAIS NO FALAR MARANHENSE 1 Arthur Pereira SANTANA 2 RESUMO: Este estudo analisa a síncope em proparoxítonas no falar maranhense. Investigam-se os motivadores linguísticos

Leia mais

Apresentação do método sintético

Apresentação do método sintético Maria Cristina Pereira Cotta e Angela Maria Rodrigues Marques Galvão O tempo passa e, em Educação, continuam as dúvidas quanto à escolha do método ideal para alfabetizar. Para acertar nessa escolha, a

Leia mais

MONOTONGAÇÃO E DITONGAÇÃO EM TEXTOS ESCOLARES: UMA ANÁLISE SOCIOLINGUÍSTICA COM ÊNFASE NO LETRAMENTO

MONOTONGAÇÃO E DITONGAÇÃO EM TEXTOS ESCOLARES: UMA ANÁLISE SOCIOLINGUÍSTICA COM ÊNFASE NO LETRAMENTO 1 MONOTONGAÇÃO E DITONGAÇÃO EM TEXTOS ESCOLARES: UMA ANÁLISE SOCIOLINGUÍSTICA COM ÊNFASE NO LETRAMENTO ALVES NETO, V M - CUBM Ribeirão Preto SP; BACK, A C P - UNESC, Criciúma SC 1 INTRODUÇÃO A inquietação

Leia mais

ALÇAMENTO DA VOGAL PRETÔNICA /e/ NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG

ALÇAMENTO DA VOGAL PRETÔNICA /e/ NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG ALÇAMNTO DA VOGAL PRTÔNICA /e/ NA FALA DOS HABITANTS D COROMANDL-MG MONT CARMLO-MG TH RAISING OF PR-STRSSD VOWL // IN TH SPCH OF COROMANDL-MG AND MONT CARMLO-MG S INHABITANTS Fernanda Alvarenga RZND *

Leia mais

Aspiração e apagamento de em coda silábica no português quilombola de Alto Alegre-BA

Aspiração e apagamento de <S> em coda silábica no português quilombola de Alto Alegre-BA PAPIA, São Paulo, 26(1), p. 101-112, Jan/Jun 2016. Aspiração e apagamento de em coda silábica no português quilombola de Alto Alegre-BA Aspiration and deletion of in syllabic coda in the Brazilian

Leia mais

O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Ester Nunes da Silva Dutra (UFRRJ) prof.tete@yahoo.com.br Marinazia Cordeiro Pinto (UFRRJ) marinazia@gmail.com RESUMO

Leia mais

1. Introdução. (1) tasca [táskå] fisga [fízgå] casas claras [kázås klárås] casas bonitas [kázåz bunítås]

1. Introdução. (1) tasca [táskå] fisga [fízgå] casas claras [kázås klárås] casas bonitas [kázåz bunítås] A vibrante em coda no Português Europeu 1 Maria Helena Mira Mateus FLUL e ILTEC Celeste Rodrigues FLUL e CLUL Coda may not have place features Yip, 1991:62 1. Introdução A sílaba que ocorre com mais frequência

Leia mais

A SÍNCOPE REVISITADA: ANÁLISE COM BASE NO CORPUS DO ALiMA 1

A SÍNCOPE REVISITADA: ANÁLISE COM BASE NO CORPUS DO ALiMA 1 Número 05-2012 Departamento de Letras Universidade Federal do Maranhão A SÍNCOPE REVISITADA: ANÁLISE COM BASE NO CORPUS DO ALiMA 1 Arthur Pereira SANTANA 2 RESUMO: Estudo que analisa a síncope em proparoxítonas

Leia mais

AS VOGAIS PRETÔNICAS NO FALAR NORDESTINO: OS DADOS DO ALiB

AS VOGAIS PRETÔNICAS NO FALAR NORDESTINO: OS DADOS DO ALiB 2250 AS VOGAIS PRETÔNICAS NO FALAR NORDESTINO: OS DADOS DO ALiB Maria do Socorro Silva de Aragão UFC /UFPB INTRODUÇÃO O comportamento das vogais pretônicas nos falares regionais do Português do Brasil

Leia mais

A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS PRÉVIO DOS FALARES BAIANOS: UM OLHAR VARIACIONISTA

A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS PRÉVIO DOS FALARES BAIANOS: UM OLHAR VARIACIONISTA A SÍNCOPE DAS PROPAROXÍTONAS NO ATLAS PRÉVIO DOS FALARES BAIANOS: UM OLHAR VARIACIONISTA Aluiza Alves de Araújo * Brenda Kathellen Melo de Almeida ** Letícia Adriana Pires Ferreira dos Santos *** Resumo:

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Professor Bernardo Augusto. Fonética e Fonologia

LÍNGUA PORTUGUESA. Professor Bernardo Augusto. Fonética e Fonologia LÍNGUA PORTUGUESA Professor Bernardo Augusto Fonética e Fonologia Fonética articulatória é um dos principais ramos da FONÉTICA, que é a ciência responsável pelo estudo dos sons utilizados na linguagem

Leia mais

Apagamento do /r/ em final de palavras: um estudo comparativo entre falantes do nível culto e do nível popular

Apagamento do /r/ em final de palavras: um estudo comparativo entre falantes do nível culto e do nível popular Anais do CELSUL 28 Apagamento do /r/ em final de palavras: um estudo comparativo entre falantes do nível culto e do nível popular Anay Batista de Barros Linares, Camila Rigon Peixoto 2, Tiago Moreira 3

Leia mais

Reflexões sobre a Redução eles > es e a Simplificação do Paradigma Flexional do Português Brasileiro

Reflexões sobre a Redução eles > es e a Simplificação do Paradigma Flexional do Português Brasileiro Reflexões sobre a Redução eles > es e a Simplificação do Paradigma Flexional do Português Brasileiro Profa. Dra. Elizete Maria de Souza (UESB) 1 Resumo: Neste artigo, discute-se o processo de redução eles

Leia mais

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (UNESP/IBILCE) 1 Resumo: O presente artigo objetiva descrever e analisar o comportamento

Leia mais

APÓCOPE DO R EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NARRATIVAS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. PALAVRAS-CHAVE: Apócope, Processos Fonológicos, Produção textual

APÓCOPE DO R EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NARRATIVAS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. PALAVRAS-CHAVE: Apócope, Processos Fonológicos, Produção textual APÓCOPE DO R EM PRODUÇÕES TEXTUAIS NARRATIVAS DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Patrícia Tavares Cruz Oliveira Universidade de Pernambuco Campus Mata Norte patriciatavaress@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Apócope,

Leia mais

SOBRE AS CONSOANTES RÓTICAS E OS DADOS DE AQUISIÇÃO DE CRIANÇAS BRASILEIRAS E ARGENTINAS

SOBRE AS CONSOANTES RÓTICAS E OS DADOS DE AQUISIÇÃO DE CRIANÇAS BRASILEIRAS E ARGENTINAS Página 1 de 8 SOBRE AS CONSOANTES RÓTICAS E OS DADOS DE AQUISIÇÃO DE CRIANÇAS BRASILEIRAS E ARGENTINAS Ana Ruth Moresco Miranda [1] Resumo: Neste trabalho serão apresentados os resultados da aquisição

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO (1) ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA Cecília de Godoi Fonseca (1) ;Valter Pereira Romano (2) Aluna do 6º Período do curso de Letras do

Leia mais

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM Sumário Apresentação 11 Lista de abreviações 13 Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM O homem, a linguagem e o conhecimento ( 1-6) O processo da comunicação humana ( 7-11) Funções da

Leia mais

A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA

A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA 19 A MARCAÇÃO DE NÚMERO NO SINTAGMA NOMINAL NOS FALANTES BREVENSES: UM EXERCÍCIO VARIACIONISTA Alan Gonçalves MIRANDA (G-UFPA) Celso FRANCÊS JÚNIOR RESUMO Diversos estudos sociolinguísticos já comprovaram

Leia mais

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE

Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda. silábica: um estudo de caso em E/LE Estudo das características fonético-acústicas de consoantes em coda silábica: um estudo de caso em E/LE Fernanda R. P. Allegro (Universidad de Buenos Aires/ FUNCEB) Sandra Madureira (PUC-SP) Introdução

Leia mais

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 REAL-TIME STUDY OF THE FALLING DIPHTHONG /ej/ MONOPHTHONGIZATION IN SAMPLE FROM PORTO ALEGRE Eduardo Elisalde

Leia mais

Aula4 TRANSCRIÇÃO FONÉTICA E FONOLÓGICA. Denise Porto Cardoso

Aula4 TRANSCRIÇÃO FONÉTICA E FONOLÓGICA. Denise Porto Cardoso Aula4 TRANSCRIÇÃO FONÉTICA E FONOLÓGICA META Apresentar os sistemas de representação tanto fonética quanto fonológica, exemplifi cando-os com fonemas do português. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 O Curso de Licenciatura em Letras/LIBRAS é uma iniciativa da Universidade Federal de Santa Catarina, com

Leia mais

ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO

ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO 57 ANÁLISE DAS VOGAIS POSTÔNICAS FINAIS [e] e [o] NOS FALANTES DO MUNICÍPIO DE DOUTOR PEDRINHO THE ANALYSIS OF FINAL POSTTONIC VOWELS [e] AND [o] IN SPEAKERS FROM THE MUNICIPALITY OF DOUTOR PEDRINHO Morgana

Leia mais

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado ARTIGO Letrônica v. 2, n. 2, p. 02-21, dezembro 2009 O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado Carine Haupt 1 André Berri 2 1 Introdução

Leia mais

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do FONOLOGIA Fonemas e segmentos fonológicos A noção de fonema resulta de questões de funcionalidade (cf. escola funcionalista, estruturalismo pós-saussuriano). Nem todos os sons que ocorrem na cadeia fonética

Leia mais

O FENÔMENO DE NÃO-ELEVAÇÃO DA VOGAL /E/ NA FALA DE DESCENDENTES DE ESLAVOS DE MALLET, PARANÁ, BRASIL RESUMO

O FENÔMENO DE NÃO-ELEVAÇÃO DA VOGAL /E/ NA FALA DE DESCENDENTES DE ESLAVOS DE MALLET, PARANÁ, BRASIL RESUMO O FENÔMENO DE NÃO-ELEVAÇÃO DA VOGAL /E/ NA FALA DE DESCENDENTES DE ESLAVOS DE MALLET, PARANÁ, BRASIL Luciane Trennephol da Costa 1 Loremi Loregian-Penkal 2 RESUMO Este artigo 3, fundamentado nos pressupostos

Leia mais

Juliana Ludwig-Gayer 1

Juliana Ludwig-Gayer 1 SILVA, Thaïs Cristófaro. Dicionário de fonética e fonologia. Colaboradoras Daniela Oliveira Guimarães e Maria Mendes Cantoni. São Paulo: Contexto, 2011, 239p. Juliana Ludwig-Gayer 1 325 Este dicionário

Leia mais

Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico

Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico DOI: 10.5433/2237-4876.2015v18n1p333 Vogais Médias Pretônicas na Fala da Região Sudeste: um panorama geo-sociolinguístico MID PRETONIC VOWELS IN THE SPEECH OF SOUTHEAST REGION: A GEO-SOCIOLINGUISTIC OVERVIEW

Leia mais

Sobre a concordância nominal em Pedro Leopoldo/MG

Sobre a concordância nominal em Pedro Leopoldo/MG Sobre a concordância nominal em Pedro Leopoldo/MG Lília Soares Miranda Santos¹ RESUMO: Neste estudo, analisa-se a presença e a ausência de concordância nominal entre os elementos do SN na fala de Pedro

Leia mais

CLASSES DE SONS (AGRUPAMENTO DE SONS QUE PARTILHAM

CLASSES DE SONS (AGRUPAMENTO DE SONS QUE PARTILHAM Rita Veloso FLUL 1 de 10 CLASSES DE SONS (AGRUPAMENTO DE SONS QUE PARTILHAM DETERMINADAS PROPRIEDADES) MODO DE ARTICULAÇÃO (MA) Classificação dos sons quanto à forma como são produzidos, i.e., em função

Leia mais

Plano de Ensino da Disciplina

Plano de Ensino da Disciplina Disciplina: Fonética Clínica Código da disciplina: LIN012 Classificação: Obrigatória (OB) Plano de Ensino da Disciplina Unidade/Departamento: Faculdade de Letras Período do Curso: 2º período N.º de créditos:

Leia mais

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana

Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana Realizações do sujeito expletivo em construções com o verbo ter existencial na fala alagoana ELYNE GISELLE DE SANTANA LIMA AGUIAR VITÓRIO Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Letras

Leia mais

A variação no uso dos róticos em Porto Alegre

A variação no uso dos róticos em Porto Alegre A variação no uso dos róticos em Porto Alegre (La variación en el uso de los róticos en Porto Alegre) Jacqueline Ortelan Maia Botassini 1 1 Departamento de Letras Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Leia mais

ESTUDO DE CASOS: OS RÓTICOS EM MARINGÁ (PR) E FLORIANÓPOLIS (SC) 1

ESTUDO DE CASOS: OS RÓTICOS EM MARINGÁ (PR) E FLORIANÓPOLIS (SC) 1 Página82 ESTUDO DE CASOS: OS RÓTICOS EM MARINGÁ (PR) E FLORIANÓPOLIS (SC) 1 Eliane Cristina Scandiuzzi Scramim Lourencetti de Campos 2 Lilian Minikel Brod 3 Izabel Christine Seara 4 RESUMO: Este estudo

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS 314 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS The pretonic mid vowels raising in Minas Gerais dialects: the data Fernando Antônio Pereira Lemos * Maria do Carmo Viegas ** RESUMO:

Leia mais

Márcia Cristina do CARMO 1* Luciani Ester TENANI 2**

Márcia Cristina do CARMO 1* Luciani Ester TENANI 2** As vogais médias pretônicas na variedade do NOROESTE paulista: UMA análise sociolinguística Márcia Cristina do CARMO 1* Luciani Ester TENANI 2** Resumo: No presente trabalho, analisa-se o comportamento

Leia mais

Estrura Sublexical dos Sinais a partir de suas Unidades Mínimas Distintivas

Estrura Sublexical dos Sinais a partir de suas Unidades Mínimas Distintivas Texto retirado do endereço: http://www.ines.gov.br/ines_livros/35/35_002.htm Estrura Sublexical dos Sinais a partir de suas Unidades Mínimas Distintivas A palavra ou item lexical certo, em português, é

Leia mais

CHANGE IN PROGRESS IN BRAZILIAN PORTUGUESE: R-DELETION IN NORTHEAST DIALECTS

CHANGE IN PROGRESS IN BRAZILIAN PORTUGUESE: R-DELETION IN NORTHEAST DIALECTS CHANGE IN PROGRESS IN BRAZILIAN PORTUGUESE: R-DELETION IN NORTHEAST DIALECTS MUDANÇA EM CURSO NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: O APAGAMENTO DO R NO DIALETO NORDESTINO 1 Dinah CALLOU Universidade Federal do Rio

Leia mais

DOMÍNIOS DE Revista Eletrônica de Lingüística Ano 1, nº1 1º Semestre de 2007 ISSN

DOMÍNIOS DE Revista Eletrônica de Lingüística Ano 1, nº1 1º Semestre de 2007 ISSN ESTUDO EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL DO USO DO SUJEITO NULO NA FALA DE BELO HORIZONTE Nasle Maria Cabana RESUMO Neste artigo, analisa-se o comportamento do sujeito pronominal lexical e sujeito pronominal

Leia mais

PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS

PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS PATALIZATION OF THE IMPLOSIVE /S/ IN PORTUGUESE SPOKEN IN COSTA DA LAGOA IN FLORIANÓPOLIS Gabriela Šmaiclová

Leia mais

O NÃO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS NA FALA DE CURITIBA SOB A PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA QUANTITATIVA LARISSA LIMEIRA

O NÃO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS NA FALA DE CURITIBA SOB A PERSPECTIVA DA SOCIOLINGUÍSTICA QUANTITATIVA LARISSA LIMEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ÁREA: ESTUDOS DA LINGUAGEM ESPECIALIDADE: TEORIA E ANÁLISE LINGUÍSTICA LINHA DE PESQUISA: FONOLOGIA E MORFOLOGIA

Leia mais

CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA

CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA CONCORDÂNCIA DE NÚMERO NOS PREDICATIVOS ADJETIVOS E PARTICÍPIOS PASSIVOS DO PORTUGUÊS FALADO EM MACEIÓ: UM ESTUDO VARIACIONISTA Solyany Soares Salgado (autora bolsista), Renata Lívia de Araújo Santos (co

Leia mais

Um estudo sobre a grafia das vogais pretônicas no português em dados de aquisição da escrita

Um estudo sobre a grafia das vogais pretônicas no português em dados de aquisição da escrita Anais do CELSUL 2008 Um estudo sobre a grafia das vogais pretônicas no português em dados de aquisição da escrita Luísa Hernandes Grassi 1, Ana Ruth Moresco Miranda 2 1 Faculdade de Educação Universidade

Leia mais

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX PERÍODO: 76.1 / 77.2 I Unidade Estrutura e formação dos vocábulos 1.1 Estruturas mórficas 1.2 - Formação do léxico português 1.3 - Processos de formação de palavras II Unidade Funções sintáticas dos termos

Leia mais

Síncope e rotacismo: uma investigação de fenômenos linguísticos no falar de indivíduos de Patos de Minas e região 1

Síncope e rotacismo: uma investigação de fenômenos linguísticos no falar de indivíduos de Patos de Minas e região 1 Revista Crátilo, 8(1): 34-42, ago. 2015 Centro Universitário de Patos de Minas http://cratilo.unipam.edu.br Síncope e rotacismo: uma investigação de fenômenos linguísticos no falar de indivíduos de Patos

Leia mais

A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL

A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL Gabriel Duso Matté Gabriel RESUMO: Para testar a hipótese de que Caxias do Sul (RS) difundiria a palatalização de /t, d/ a municípios vizinhos, realizou-se

Leia mais

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental (The pretonic medial vowels of the verbs in the dialect of the northwest of São

Leia mais

Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU)

Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU) Variação linguística e o ensino de Língua Portuguesa Prof.ª Dr.ª Marlúcia Maria Alves 1 (UFU) Resumo: O presente artigo apresenta considerações sobre a variação linguística, principalmente a fonológica,

Leia mais

O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise.

O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise. 2. METODOLOGIA O presente capítulo visa à exposição da metodologia empregada na pesquisa: os objetivos, as hipóteses, a organização dos dados e o método de análise. 2.1 Objetivos 2.1.1 Objetivo geral Este

Leia mais

O que revelam os textos espontâneos e um ditado com palavras inventadas sobre a grafia das consoantes róticas

O que revelam os textos espontâneos e um ditado com palavras inventadas sobre a grafia das consoantes róticas O que revelam os textos espontâneos e um ditado com palavras inventadas sobre a grafia das consoantes róticas Pâmela Renata Machado Araújo (UFPel-PIBIC) Mirian Alvaro Costa Garcia (UFPel-FAPERGS) Ana Ruth

Leia mais

O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ

O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ Universidade Federal do Rio de Janeiro O COMPORTAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NA FALA DE NOVA IGUAÇU-RJ FABIANE DE MELLO VIANNA DA ROCHA Fevereiro de 2013 Faculdade de Letras/UFRJ 1 O COMPORTAMENTO

Leia mais

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Plano de ensino: CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Título Contextualização Ementa Objetivos gerais CONTEÚDO, METODOLOGIA E PRÁTICA DE ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A língua portuguesa,

Leia mais

ABAIXAMENTO DAS MÉDIAS PRETÔNICAS EM AURORA DO PARÁ- PA: UM ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO

ABAIXAMENTO DAS MÉDIAS PRETÔNICAS EM AURORA DO PARÁ- PA: UM ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO ABAIXAMENTO DAS MÉDIAS PRETÔNICAS EM AURORA DO PARÁ- PA: UM ESTUDO SOCIOLINGUÍSTICO Jany Éric Queirós Ferreira Doutorando em Linguística (UFPA) eric_qf@yahoo.com.br Regina Cruz Doutor em Ciências Humanas

Leia mais

A vocalização da consoante lateral em coda silábica em uma variedade de português brasileiro: análise sociolinguística em tempo real

A vocalização da consoante lateral em coda silábica em uma variedade de português brasileiro: análise sociolinguística em tempo real A vocalização da consoante lateral em coda silábica em uma variedade de português brasileiro: análise sociolinguística em tempo real Elisa Battisti a Viviane Tebaldi Moras b Resumo A análise de regra variável

Leia mais

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se A NEUTRALIZAÇÃO DAS ÁTONAS Leda Bisol * Introdução Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se a Câmara Jr. (1977) que, chamando atenção para a variedade de timbre das átonas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA GISELLY DE OLIVEIRA LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA GISELLY DE OLIVEIRA LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA GISELLY DE OLIVEIRA LIMA O EFEITO DA SÍNCOPE NAS PROPAROXÍTONAS: análise fonológica e variacionista com dados do Sudoeste Goiano Uberlândia 2008 GISELLY DE OLIVEIRA

Leia mais

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas.

Artigo 2 - O Curso de Letras habilitará o aluno em Português e uma Língua Estrangeira e suas respectivas literaturas. Resolução Unesp-41, de 12-7-2007 Publicada no D.O.E. de 13/07/2007 - Seção I pag 53 (Alterada pela Resolução UNESP 20 de 31-3-2009 Publicada no D.O.E. de 01/04/2009, Seção I, página 42 e Resolução UNESP

Leia mais

ANÁLISE DAS VARIAÇÕES FONÉTICAS E ORTOGRÁFICAS PRESENTES NOS TEXTOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

ANÁLISE DAS VARIAÇÕES FONÉTICAS E ORTOGRÁFICAS PRESENTES NOS TEXTOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ANÁLISE DAS VARIAÇÕES FONÉTICAS E ORTOGRÁFICAS PRESENTES NOS TEXTOS DE ALUNOS DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Marilene Rodrigues de Araújo Campos (UEMS) lenaraujo4@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS/UCG)

Leia mais

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações

6LET012 LINGÜÍSTICA II Introdução à teoria sintática funcionalista. Categorias gramaticais e relações HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM008 LÍNGUA ESPANHOLA I A Noções introdutórias de compreensão e expressão (oral e escrita) da língua espanhola. Discussões sobre o espanhol como

Leia mais