VARIAÇÃO DITONGO/HIATO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VARIAÇÃO DITONGO/HIATO"

Transcrição

1 VARIAÇÃO DITONGO/HIATO Viviane Sampaio 1 1 Introdução Este estudo é parte integrante do projeto Epêntese Consonantal Regular e Irregular da prof. Dr. Leda Bisol 2 que trata das consoantes e do glide. Contudo, o presente trabalho aborda, apenas, o glide que na estrutura subjacente é uma vogal alta a qual, ao lado de outra vogal se manifesta como glide para resolver o hiato, criando pares como di.a.bo ~ dja.bo ou sem variação como ideia (idea), passeio (passeo), veia (vea), Leia (Léa), palavras assim dicionarizadas. O objetivo do estudo é fazer uma descrição cuidadosa da ocorrência do glide na fala de adultos nativos da cidade de Porto Alegre no intuito de oferecer elementos para a descrição do português brasileiro com o enfoque principal na observação da variação entre ditongo e hiato. Entende-se por ditongo a sequência de duas vogais, uma das quais é alta, como pai [paj] ou média convertida em alta como em [seara] > [siara]. Todo ditongo possui uma vogal alta que se manifesta como glide, o qual é também referido como semivogal. Segundo Clements (1990), o glide é uma vogal alta /i, u/ na estrutura subjacente que se manifesta na fala ou estrutura de superfície por silabação, na posição de consoante, formando ditongos como em pja.da ~ pi.a.da, min.gaw e pa.paj. 2 Procedimento A metodologia de análise segue a teoria de Labov (1966), que diz respeito ao estudo de regras variáveis na qual se admite duas formas de dizer uma mesma palavra. Labov defende a ideia de que a variação é condicionada por fatores linguísticos e sociais e que faz parte do sistema linguístico. Para a análise de regra variável, em que se encaixa o trabalho, foi criado um modelo específico denominado inicialmente VARBRUL 2S. Desde então muitos estudos se fizeram nessa linha no Brasil. Sobre o VARBRUL 2S Brescancini (2002) explica que esse toma um 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Rio Grande do Sul Brasil. 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul Brasil.

2 conjunto de dados linguísticos e organiza-os, de acordo com uma variável dependente, então realiza um algoritmo que oferece informações estatísticas, na forma de pesos relativos. Os dados para análise foram extraídos de oito entrevistas da amostra de Porto Alegre do Projeto VARSUL 3 que se trata de um banco de dados com de mais de 300 entrevistas gravadas, cada uma das quais com cerca de 1h de duração. O banco de dados VARSUL é constituído de amostras representativas da fala dos três Estados do Sul do País: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, envolvendo a capital e três cidades do interior. Quanto às etapas da análise, primeiramente realizou-se o levantamento dos dados da mostra de Porto Alegre (VARSUL), registrando-os e, em seguida, classificaram-se os dados de acordo com critérios estabelecidos com a orientadora do projeto de modo a prepará-los para a análise laboviana. Esses critérios constituíram as seguintes variáveis: origem do glide, no que diz respeito à natureza da vogal originária; posição do glide na palavra, precedido de cosoante como em piada, precedido de grupo consonantal com em prioridade ou se em início de palavra como em iodo ; vogal seguinte e posição na palavra, quanto à posição do glide na palavra em relação ao acento. No que diz respeito às variáveis socioculturais foram consideradas: idade, mais e menos de 50 anos; escolaridade, 1º e 2º graus e sexo, masculino e feminino. A segunda etapa do trabalho correspondeu à escuta das palavras com o registro das sequências (VV) em estudo. Somente foram analisados ditongos crescentes. Em seguida, classificaram-se os dados de modo a prepará-los para a análise de regra variável via modelo de Labov, de acordo com as variáveis linguísticas e socioculturais atribuindo-lhes símbolos específicos para a possibilidade de leitura do programa computacional. Pronta à classificação, os dados classificados foram submetidos a uma análise probabilística através do software GOLDVARB, que apresentou resultados em termos de percentual e probabilidade. A apresentação dos resultados por meio de tabelas e descrições correspondeu à última etapa do estudo. 3 Discussão dos resultados Quanto aos resultados apresentados, o programa computacional apontou como relevantes duas variáveis: a posição do ditongo na palavra e a escolaridade, as quais estão representadas nas tabelas 1 e 2. 3 Variação Linguística Urbana no Sul do Brasil.

3 Tabela 1 Posição do ditongo na palavra Fatores Aplicação/Total Percentual Peso Relativo Tônica dja.bo 289/290 99,7 % 0,99 Átona pje.da.de 129/130 99,2 % 0,98 Átona inicial iodo 2/242 0,8 % 0,0 Input: 0,894 Significância: 0,023 A Tab.1 indica que toda sequência de duas vogais em que uma delas é uma vogal alta tende a tornar-se ditongo, seja em sílaba tônica (0,99) seja em sílaba átona (0,98). Ao mesmo tempo, os resultados acima assinalam a pouca existência de palavras iniciadas por glide. Tabela 2 Escolaridade Fatores Aplicação/Total Percentual Peso Relativo 1º grau 189/294 64,3% 0,10 2º grau 231/368 62,8% 0,85 Input: 0,894 Significância: 0,023 A Tab. 2 indica que, na amostra em estudo, os falantes do 1 grau usam mais hiato do que ditongo, enquanto os de 2 grau dão preferência ao ditongo. Isso está a indicar que ditongação vem sendo preferida ao hiato. O escasso uso do ditongo está relacionado à influência da escrita nos anos inicias. A tabela seguinte, Tab. 3, não foi escolhida como relevante pelo programa, contudo como se trata de uma informação que nos parece importante, ela foi inserida na análise. Tabela 3 Vogal base do ditongo

4 Fatores Aplicação/Total Percentual Peso Relativo o piolho 72/83 86,7 % 0,78 a piada 279/435 64,1 % 0,49 e piedade 35/67 52,2 % 0,37 - ruela 3/6 50,0 % 0,35 i suíno 23/48 52,2 % 0,33 - carioca 3/7 42,9 % 0,29 u miúdo 5/16 31,2 % 0,2 Input: 0,645 Significância: 0,000 A Tab.3 apresenta com os valores mais altos as sequências (io) e (ia) tanto quanto ao percentual quanto ao peso relativo. Todas as demais estão abaixo de 0,50, o ponto neutro. Entre os valores mais baixos salientam-se (i, u) na base. Isso indica que quanto mais distantes estão as duas vogais em relação ao grau de abertura, mais apropriada é a sequência para a formação do ditongo, por exemplo, (a, i) é melhor do que (i, u). A última tabela (Tab.4) apresenta o total de ocorrências de ditongos e hiatos na amostra em estudo. Tabela 4 Total de ocorrência Fator Ocorrência Ditongo 420/662 = 63,4 % Hiato 242/662 = 36,6 % Dos resultados gerais da amostra (662 palavras), infere-se que o ditongo (63,4%) é preferido ao hiato (33,6%). 6 Conclusão A ocorrência do glide na amostra utilizada se mostrou mais frequente obedecendo a expectativas, uma vez que a língua portuguesa tem preferência à formação de ditongos.

5 Por meio da rodada do programa e das análises combinatórias das variáveis notou-se que a escolaridade é um fator influente nos primeiros escolares, pois controla a emergência do ditongo. Indivíduos com o 2º grau preferiram o ditongo ao hiato, o que se esperava, pois é uma tendência da língua falada. Também podemos constatar que a posição do ditongo na palavra é fator relevante no processo de ditongação. Todavia, tanto ditongo e como hiato estão presentes no sistema da língua portuguesa. Referências BRESCANCINI, Cláudia. A análise de regra variável e o programa VARBRUL 2S. In: BISOL, Leda; BRESCANCINI, Cláudia (Orgs.). Fonologia e Variação: recortes do português brasileiro. Porto Alegre, PUCRS, p CLEMENTS G e Hume, E. The Internal Organization of Speech Sounds. In: The Handbook of Phonological Theory. Blackwell, LABOV,W. The social Stratification of English in New York City. Whashington, D.C.: Center for Applied Linguistcs, 1966.

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES

A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES A ELISÃO DA VOGAL /o/ EM FLORIANÓPOLIS-SC RESULTADOS PRELIMINARES Letícia Cotosck Vargas (PUCRS/PIBIC- CNPq 1 ) 1. INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem por objetivo examinar um dos processos de sândi externo verificados

Leia mais

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na

A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na A harmonização vocálica nas vogais médias pretônicas dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (FAPESP 06/59141-9) Orientadora: Profa. Dra. Luciani Ester Tenani UNESP Câmpus

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Fonética e Fonologia da Língua Portuguesa Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 4 Semestre:

Leia mais

A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/

A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/ A DITONGAÇÃO VARIÁVEL EM SÍLABAS TÔNICAS FINAIS TRAVADAS POR /S/ Lúcia Lovato Leiria RESUMO: This paper aims at presenting a quantitative study of diphthongization resulting from anterior glide insertion

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo.

PALAVRAS-CHAVE: Fonologia; variação linguística; sociolinguística; ditongo. A REDUÇÃO DO DITONGO ORAL FINAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA Dúnnia HAMDAN Universidade Federal de Uberlândia hamdan.dunnia@gmail.com RESUMO: O presente projeto visa estudar a variação ocorrente em ditongos

Leia mais

REDUÇÃO DA NASALIDADE EM DITONGOS ÁTONOS FINAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL

REDUÇÃO DA NASALIDADE EM DITONGOS ÁTONOS FINAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL REDUÇÃO DA NASALIDADE EM DITONGOS ÁTONOS FINAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL LUIZ CARLOS SCHWINDT (UFRGS, CNPq) schwindt@pq.cnpq.br TAÍS BOPP DA SILVA (UFRGS, CNPq) taisbopp@gmail.com II SIS-VOGAIS, UFMG,

Leia mais

LHEÍSMO NO PORTUGÛES BRASILEIRO: EXAMINANDO O PORTUGÛES FALADO EM FEIRA DE SANTANA Deyse Edberg 1 ; Norma Lucia Almeida 2

LHEÍSMO NO PORTUGÛES BRASILEIRO: EXAMINANDO O PORTUGÛES FALADO EM FEIRA DE SANTANA Deyse Edberg 1 ; Norma Lucia Almeida 2 359 LHEÍSMO NO PORTUGÛES BRASILEIRO: EXAMINANDO O PORTUGÛES FALADO EM FEIRA DE SANTANA Deyse Edberg 1 ; Norma Lucia Almeida 2 1. Bolsista FAPESB, Graduanda em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual

Leia mais

AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO

AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO AQUISIÇÃO FONOLÓGICA EM CRIANÇAS DE 3 A 8 ANOS: A INFLUÊNCIA DO NÍVEL SÓCIO ECONÔMICO Palavras Chave: Criança, Fala, Desenvolvimento da Linguagem Introdução: A aquisição do sistema fonológico ocorre durante

Leia mais

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1.

QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. 1. QUE ESTRATÉGIAS UTILIZAM CRIANÇAS DAS SÉRIES INICIAIS PARA A EVITAÇÃO DO HIATO? GRASSI, Luísa Hernandes¹; MIRANDA, Ana Ruth Moresco 2. ¹FaE (FAPERGS)UFPel,luisagrassi@hotmail.com;²PPGE-FaE/UFPel,ramil@ufpel.tc

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA VOGAL ÁTONA /E/ DE CLÍTICOS PRONOMINAIS E OS PROCESSOS DE SÂNDI

O COMPORTAMENTO DA VOGAL ÁTONA /E/ DE CLÍTICOS PRONOMINAIS E OS PROCESSOS DE SÂNDI Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul O COMPORTAMENTO DA VOGAL ÁTONA /E/ DE CLÍTICOS PRONOMINAIS E OS PROCESSOS DE SÂNDI Luciene Bassols BRISOLARA (FURG/PUCRS) Carmen Lúcia

Leia mais

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq)

Ditongos derivados: um. Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Ditongos derivados: um adendo Leda Bisol, (PUCRS, CNPq) Em artigo precedente (1994), fez-se a distinção entre ditongos verdadeiros que correspondem a duas vogais na subjacência, como reitor e pauta e falsos

Leia mais

O PAPEL DAS VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS NA REALIZAÇÃO DO RÓTICO EM FALANTES DE REGIÕES DE IMIGRAÇÃO ALEMÃ

O PAPEL DAS VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS NA REALIZAÇÃO DO RÓTICO EM FALANTES DE REGIÕES DE IMIGRAÇÃO ALEMÃ O PAPEL DAS VARIÁVEIS LINGUÍSTICAS NA REALIZAÇÃO DO RÓTICO EM FALANTES DE REGIÕES DE IMIGRAÇÃO ALEMÃ The role of language in accent variables was performed in German immigration regions of Speakers Ana

Leia mais

OS CLÍTICOS, PRONOMES LEXICAIS E OBJETOS NULOS NAS TRÊS CAPITAIS DO SUL.

OS CLÍTICOS, PRONOMES LEXICAIS E OBJETOS NULOS NAS TRÊS CAPITAIS DO SUL. OS CLÍTICOS, PRONOMES LEXICAIS E OBJETOS NULOS NAS TRÊS CAPITAIS DO SUL. Edson Domingos Fagundes Este trabalho apresenta os resultados de pesquisa na área de Variação Lingüística que visou delinear a situação

Leia mais

Hiato: estratégias de evitação.

Hiato: estratégias de evitação. Hiato: estratégias de evitação. IX Salão de Iniciação Científica PUCRS Rita de Cássia Glaeser Stein 1, Fernanda de Marchi 2, Prof. Dr. Leda Bisol 1 (orientadora). 1 Faculdade de Letras, PUCRS. Resumo O

Leia mais

Quadro 2: vogais pretônicas orais do português (SILVA, 2008, p. 81)

Quadro 2: vogais pretônicas orais do português (SILVA, 2008, p. 81) ɔ Quadro 1: vogais tônicas orais do português (SILVA, 2008, p. 79) ɔ] em posição pretônica acarreta a marca de variação dialetal geográfica ou mesmo do idioleto. Ela cita como exemplo as palavras d[є]dal,

Leia mais

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1

ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 ESTUDO EM TEMPO REAL DA MONOTONGAÇÃO DO DITONGO DECRESCENTE /ej/ EM AMOSTRA DE PORTO ALEGRE 1 REAL-TIME STUDY OF THE FALLING DIPHTHONG /ej/ MONOPHTHONGIZATION IN SAMPLE FROM PORTO ALEGRE Eduardo Elisalde

Leia mais

OCORRÊNCIAS DE DITONGOS CONSONANTAIS: OUTROS AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE DITONGOS NO PORTUGUÊS DO BRASIL (PB)

OCORRÊNCIAS DE DITONGOS CONSONANTAIS: OUTROS AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE DITONGOS NO PORTUGUÊS DO BRASIL (PB) OCORRÊNCIAS DE DITONGOS CONSONANTAIS: OUTROS AMBIENTES DE PRODUÇÃO DE DITONGOS NO PORTUGUÊS DO BRASIL (PB) Carla Maria Cunha (UFRN) cmcunha@ufrnet.br Marlyton da Silva Pereira (UFRN) marlyton.let@gmail.com

Leia mais

UMA ANÁLISE DA DITONGAÇÃO CRESCENTE (V#V)

UMA ANÁLISE DA DITONGAÇÃO CRESCENTE (V#V) BAMBRILA, T. O. Uma análise da ditongação crescente (V#V). ReVEL, edição especial n. 13, 2016. [www.revel.inf.br]. UMA ANÁLISE DA DITONGAÇÃO CRESCENTE (V#V) Tarcisio Oliveira Brambila 1 tarcisio553@hotmail.com

Leia mais

Fonêmica do português

Fonêmica do português Fonêmica do português CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Prof. Cecília Toledo cissa.valle@hotmail. com

Leia mais

A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE

A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE A MONOTONGAÇÃO DO DITONGO ORAL DECRESCENTE [ej] EM PORTO ALEGRE Comunicação apresentada no III Colóquio do PPG-Letras/UFRGS. Eduardo Elisalde Toledo 1 RESUMO: No Português Brasileiro, os ditongos orais

Leia mais

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO

O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO O PORTUGUÊS BRASILEIRO CANTADO Prof. Dr. Flávio Carvalho Departamento de Música e Artes Cênicas/ UFU e-mail: fcarvalho@demac.ufu.br www.demac.ufu.br Resumo: Este Grupo de Trabalho pretende consolidar os

Leia mais

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1

O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, p. 1 Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Variação linguística e práticas pedagógicas nº 51, p. 261-268 261 O português falado no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014. 132 p. 1 Ivanete Mileski A variação

Leia mais

2. Corpus e metodologia

2. Corpus e metodologia 1. Introdução ACENTO SECUNDÁRIO, ATRIBUIÇÃO TONAL E ÊNFASE EM PORTUGUÊS BRASILEIRO (PB) Flaviane Romani Fernandes-Svartman flaviane@gmail.com (Unicamp) Implementação de acentos secundários (2 ários ) em

Leia mais

ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ARTIGOS DEFINIDOS DIANTE DE POSSESSIVOS PRÉ-NOMINAIS E ANTROPÔNIMOS EM DADOS DE FALA* 1

ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ARTIGOS DEFINIDOS DIANTE DE POSSESSIVOS PRÉ-NOMINAIS E ANTROPÔNIMOS EM DADOS DE FALA* 1 ANÁLISE DA OCORRÊNCIA DE ARTIGOS DEFINIDOS DIANTE DE POSSESSIVOS PRÉ-NOMINAIS E ANTROPÔNIMOS EM DADOS DE FALA* 1 Alane Luma Santana Siqueira (UFRPE/UAST) alane.siqueira@gmail.com 1. Introdução O Português

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS /E/ E /O/ SEM MOTIVAÇÃO APARENTE: UM ESTUDO EM TEMPO REAL THE RISING OF THE MIDDLE UNSTRESSED VOWELS /E/ AND /O/ WITHOUT APPARENT MOTIVATION: A STUDY IN REAL TIME

Leia mais

Revisão para o simulado

Revisão para o simulado Revisão para o simulado LÍNGUA PORTUGUESA Patrícia Lopes São as variações que uma língua apresenta, de acordo com as condições sociais, culturais, regionais e históricas em que é utilizada. Variedade linguística

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A PALATALIZAÇÃO DAS OCLUSIVAS DENTAIS NO VERNÁCULO PESSOENSE

UM OLHAR SOBRE A PALATALIZAÇÃO DAS OCLUSIVAS DENTAIS NO VERNÁCULO PESSOENSE UM OLHAR SOBRE A PALATALIZAÇÃO DAS OCLUSIVAS DENTAIS NO VERNÁCULO PESSOENSE Introdução Pedro Felipe de Lima Henrique (UFPB) pedrofelipelh@hotmail.com Dermeval da Hora (UFPB) ho_ra@hotmail.com A palatalização

Leia mais

OBSERVAÇÕES ACÚSTICAS SOBRE AS VOGAIS ORAIS DA LÍNGUA KARO

OBSERVAÇÕES ACÚSTICAS SOBRE AS VOGAIS ORAIS DA LÍNGUA KARO ARAÚJO, Fernanda Oliveira. Observações acústicas sobre as vogais orais da língua Karo. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. Edição especial n. 1, 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. OBSERVAÇÕES

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA UFRGS INSTITUTO DE LETRAS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS ÁREA DE TEORIA E ANÁLISE LINGÜÍSTICA PROGRAMA DA DISCIPLINA DE FONOLOGIA Aula 1 Fonologia: fundamentos (fonemas, sistemas fonológicos, alofones)

Leia mais

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista

Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Variação fonológica das vogais pretônicas /e/ e /o/ dos verbos na variedade do interior paulista Márcia Cristina do Carmo (UNESP/IBILCE) 1 Resumo: O presente artigo objetiva descrever e analisar o comportamento

Leia mais

Nonada: Letras em Revista E-ISSN: Laureate International Universities Brasil

Nonada: Letras em Revista E-ISSN: Laureate International Universities Brasil Nonada: Letras em Revista E-ISSN: 2176-9893 nonada@uniritter.edu.br Laureate International Universities Brasil Blaskovski Vieira, Maria José A influência dos fatores sociais na regência do verbo ir Nonada:

Leia mais

Fonêmica. CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

Fonêmica. CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Fonêmica CRISTÓFARO SILVA, Thaïs. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009. Prof. Cecília Toledo cissa.valle@hotmail. com 1) Sali 2)

Leia mais

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO

ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA RESUMO (1) ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA FALA ITAJUBENSE: O FENÔMENO DO ROTACISMO SOB UMA PERSPECITVA VARIACIONISTA Cecília de Godoi Fonseca (1) ;Valter Pereira Romano (2) Aluna do 6º Período do curso de Letras do

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA

A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1259 A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA Juliana Radatz Kickhöfel * Liliane da Silva Prestes ** Carmen Lúcia

Leia mais

O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL O APAGAMENTO DOS RÓTICOS EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Ester Nunes da Silva Dutra (UFRRJ) prof.tete@yahoo.com.br Marinazia Cordeiro Pinto (UFRRJ) marinazia@gmail.com RESUMO

Leia mais

Palavras-chave: Fonologia; variação; alteamento; vogal tônica; Geometria de Traços.

Palavras-chave: Fonologia; variação; alteamento; vogal tônica; Geometria de Traços. O fenômeno do alteamento do [o] > [u] das tônicas, na cidade de Breves/Pa, na perspectiva da Geometria de Traços Valena Regina da Cunha DIAS Mestranda em Linguística pelo PPGL/UFPA (valenadias@hotmail.com)

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR ANTONIO DUARTE

LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR ANTONIO DUARTE LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR ANTONIO DUARTE E-mail: professorantonioduarte@gmail.com Facebook: Antonio Duarte Quem teme perder já está vencido. jigoro kano FONOLOGIA Letra é uma representação gráfica do

Leia mais

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental

As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental As vogais médias pretônicas dos verbos no dialeto do noroeste paulista: análise sob a perspectiva da Teoria Autossegmental (The pretonic medial vowels of the verbs in the dialect of the northwest of São

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA MÓDULO 1. Fonética e Fonologia. Professora Rosane Reis

LÍNGUA PORTUGUESA MÓDULO 1. Fonética e Fonologia. Professora Rosane Reis LÍNGUA PORTUGUESA Professora Rosane Reis MÓDULO 1 Fonética e Fonologia Por que devemos aprender fonética? Porque precisamos conhecer mais profundamente como as palavras faladas são representadas pela escrita,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA CARINE HAUPT

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA CARINE HAUPT UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGUÍSTICA CARINE HAUPT O FENÔMENO DA MONOTONGAÇÃO NOS DITONGOS [a,e,o,u ] NA FALA DOS FLORIANOPOLITANOS: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA

Leia mais

A realização da preposição de na variedade dialetal da cidade de Bagé (RS) Taíse Simioni (UNIPAMPA) Bruna Ribeiro Viraqué (UCPEL)

A realização da preposição de na variedade dialetal da cidade de Bagé (RS) Taíse Simioni (UNIPAMPA) Bruna Ribeiro Viraqué (UCPEL) A realização da preposição de na variedade dialetal da cidade de Bagé (RS) Taíse Simioni (UNIPAMPA) Bruna Ribeiro Viraqué (UCPEL) Resumo Este trabalho tem como objetivo contribuir para a descrição da variedade

Leia mais

REALIZAÇÕES VARIÁVEIS DE VOGAIS TÔNICAS EM PORTO ALEGRE (RS): DITONGAÇÃO OU INGLIDING?

REALIZAÇÕES VARIÁVEIS DE VOGAIS TÔNICAS EM PORTO ALEGRE (RS): DITONGAÇÃO OU INGLIDING? REALIZAÇÕES VARIÁVEIS DE VOGAIS TÔNICAS EM PORTO ALEGRE (RS): DITONGAÇÃO OU INGLIDING? THE VARIATION OF STRESSED VOWELS IN PORTO ALEGRE (RS): DIPHTHONGISATION OR INGLIDING? Elisa Battisti Universidade

Leia mais

FONOLOGIA. Abaixo a relação dos ditongos decrescente e crescente:

FONOLOGIA. Abaixo a relação dos ditongos decrescente e crescente: FONOLOGIA FONOLOGIA É a parte da Gramática que estuda o comportamento dos fonemas de uma língua, tomando-os como unidades sonoras capazes de criar diferença de significados. Outros nomes: fonêmica, fonemática.

Leia mais

Análise das rupturas de fala de gagos em diferentes tarefas

Análise das rupturas de fala de gagos em diferentes tarefas Análise das rupturas de fala de gagos em diferentes tarefas Descritores: Gagueira, Leitura, Adulto. Introdução As rupturas têm sido utilizadas como parâmetro para descrever, definir e medir a gravidade

Leia mais

Elementos de Estatística. Michel H. Montoril Departamento de Estatística - UFJF

Elementos de Estatística. Michel H. Montoril Departamento de Estatística - UFJF Elementos de Estatística Michel H. Montoril Departamento de Estatística - UFJF O que é a estatística? Para muitos, a estatística não passa de conjuntos de tabelas de dados numéricos. Os estatísticos são

Leia mais

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações

Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Os róticos no sul do Brasil: panorama e generalizações Cláudia BRESCANCINI (PUCRS) Valéria Neto de Oliveira MONARETTO (UFRGS) Resumo: As pesquisas realizadas com dados de fala do Projeto VARSUL indicam

Leia mais

Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica

Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica Artigo Original Original Article Interferência da variante linguística nas estratégias de reparo utilizadas no processo de aquisição fonológica Carolina Lisbôa Mezzomo 1 Simone Weide Luiz 2 Interference

Leia mais

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado

O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado ARTIGO Letrônica v. 2, n. 2, p. 02-21, dezembro 2009 O processo de palatalização na fala de florianopolitanos nativos em corpus de fala espontâneo e controlado Carine Haupt 1 André Berri 2 1 Introdução

Leia mais

O papel do contexto fonológico no desenvolvimento da fala: implicações para a terapia dos desvios fonológicos evolutivos

O papel do contexto fonológico no desenvolvimento da fala: implicações para a terapia dos desvios fonológicos evolutivos LETRAS O papel do DE contexto HOJE LETRAS fonológico DE no HOJE desenvolvimento LETRAS DE da HOJE fala LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE LETRAS DE HOJE 15 O papel do contexto fonológico no desenvolvimento

Leia mais

O COMPORTAMENTO DAS LÍQUIDAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE ONSETS COMPLEXOS

O COMPORTAMENTO DAS LÍQUIDAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE ONSETS COMPLEXOS O COMPORTAMENTO DAS LÍQUIDAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DE ONSETS COMPLEXOS Letícia Bello Staudt * Cátia de Azevedo Fronza ** Introdução A aquisição de uma língua é, ainda hoje, assunto que desperta grande

Leia mais

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do

FONOLOGIA. [»bobu] [»bobu] este par mínimo permite-nos ver que os sons [b] e [l] têm função distintiva dentro do FONOLOGIA Fonemas e segmentos fonológicos A noção de fonema resulta de questões de funcionalidade (cf. escola funcionalista, estruturalismo pós-saussuriano). Nem todos os sons que ocorrem na cadeia fonética

Leia mais

PERFIL ORTOGRÁFICO DE ESCOLARES COM DISLEXIA, TRANSTORNOS E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA FONOAUDIOLOGIA

PERFIL ORTOGRÁFICO DE ESCOLARES COM DISLEXIA, TRANSTORNOS E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA FONOAUDIOLOGIA PERFIL ORTOGRÁFICO DE ESCOLARES COM DISLEXIA, TRANSTORNOS E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: IMPLICAÇÕES PARA FONOAUDIOLOGIA EDUCACIONAL Autores: THAÍS CONTIERO CHIARAMONTE, ADRIANA MARQUES DE OLIVEIRA, SIMONE

Leia mais

BOLSÃO 2017 / 6º ANO

BOLSÃO 2017 / 6º ANO Você que se inscreveu no Bolsão do Colégio Futuro Vip para cursar o 6º ano do Ensino Fundamental está BOLSÃO 2017 / 6º ANO Fonética Fonema distinção entre FONEMA e LETRA Sílaba número de sílabas / divisão

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS

PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS PALATALIZAÇÃO DO /S/ EM CODA SILÁBICA O PORTUGUÊS FALADO NA COSTA DA LAGOA EM FLORIANÓPOLIS PATALIZATION OF THE IMPLOSIVE /S/ IN PORTUGUESE SPOKEN IN COSTA DA LAGOA IN FLORIANÓPOLIS Gabriela Šmaiclová

Leia mais

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina)

Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa Catarina) A EXPRESSÃO DO TEMPO FUTURO NA LÌNGUA FALADA DE FLORIANÓPOLIS: VARIAÇÃO (THE EXPRESSION OF FUTURE TIME IN THE SPOKEN LANGUAGE OF FLORIANÓPOLIS: VARIATION) Adriana Gibbon (Universidade Federal de Santa

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BANCO DE DADOS DE LÍNGUA FALADA VARCEN/RS. Resumo

A FORMAÇÃO DO BANCO DE DADOS DE LÍNGUA FALADA VARCEN/RS. Resumo A FORMAÇÃO DO BANCO DE DADOS DE LÍNGUA FALADA VARCEN/RS Tatiana Keller Resumo De acordo com a Teoria Sociolingüística, não há língua que não sofra alterações seja por pressão do próprio sistema linguístico,

Leia mais

DATA: 06/09/2016 TURMA: 6º ANO A TURNO: MATUTINO. Horário Disciplina Conteúdo Tarefa 2 PORTUGUÊS FONÉTICA E FONOLOGIA SEM DESCRIÇÃO

DATA: 06/09/2016 TURMA: 6º ANO A TURNO: MATUTINO. Horário Disciplina Conteúdo Tarefa 2 PORTUGUÊS FONÉTICA E FONOLOGIA SEM DESCRIÇÃO DATA: 06/09/2016 TURMA: 6º ANO A 1 CIÊNCIAS ATMOSFERA: COMPOSIÇÃO DOS SERES. PESQUISAR: ALGAS SUA IMPORTÂNCIA PARA O PLANETA. 2 PORTUGUÊS FONÉTICA E FONOLOGIA 4 MATEMÁTICA NÚMEROS DECIMAIS TRABALHO AVALIATIVO

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS 314 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS EM FALARES MINEIROS: OS DADOS The pretonic mid vowels raising in Minas Gerais dialects: the data Fernando Antônio Pereira Lemos * Maria do Carmo Viegas ** RESUMO:

Leia mais

COMO FALA O NORDESTINO: A VARIAÇÃO FÔNICA NOS DADOS DO PROJETO ATLAS LINGÜÍSTICO DO BRASIL

COMO FALA O NORDESTINO: A VARIAÇÃO FÔNICA NOS DADOS DO PROJETO ATLAS LINGÜÍSTICO DO BRASIL COMO FALA O NORDESTINO: A VARIAÇÃO FÔNICA NOS DADOS DO PROJETO ATLAS LINGÜÍSTICO DO BRASIL Jacyra Andrade MOTA 1 UFBA/CNPq RESUMO O Projeto Atlas Lingüístico do Brasil tem como objetivos a descrição e

Leia mais

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas.

Após essa disciplina você vai ficar convencido que a estatística tem enorme aplicação em diversas áreas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA ESTATÍSTICA DESCRITIVA Departamento de Estatística Luiz Medeiros CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas eleitorais Taxa

Leia mais

A variação na interlíngua: o caso das palavras funcionais do inglês

A variação na interlíngua: o caso das palavras funcionais do inglês A variação na interlíngua: o caso das palavras funcionais do inglês Carina Silva Fragozo 1 Cláudia Regina Brescancini 2 1 Universidade de São Paulo 2 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Leia mais

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS

A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS A DITONGAÇÃO EM SÍLABAS TRAVADAS POR /S/ EM FLORIANÓPOLIS Carine Haupt (Universidade Federal de Santa Catarina) ABSTRACT: In this paper we analyzed the occurrences of diphthongs in syllables with /S/ in

Leia mais

O COMPORTAMENTO VARIÁVEL DA CONSOANTE NASAL EM POSIÇÃO DE CODA NA FALA DO PESSOENSE

O COMPORTAMENTO VARIÁVEL DA CONSOANTE NASAL EM POSIÇÃO DE CODA NA FALA DO PESSOENSE 135 O COMPORTAMENTO VARIÁVEL DA CONSOANTE NASAL EM POSIÇÃO DE CODA NA FALA DO PESSOENSE Ana Clarissa Santos Beserra 1 INTRODUÇÃO O estudo da língua falada vinha sendo desconsiderado, por muito tempo, pelos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA ESTATÍSTICA VITAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA ESTATÍSTICA VITAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA ESTATÍSTICA VITAL Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas eleitorais Taxa de

Leia mais

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador.

mas respiratório, fonatório e articulatório e dos órgãos que constituem o aparelho fonador. D.E.L.T.A., Vol. 16, N. 1, 2000 (183-188) RESENHA/REVIEW SILVA, THAÏS CRISTÓFARO. (1999) Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. São Paulo: Contexto. 254 p. Resenhado

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis X = Grau de Instrução e Y = Região

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica.

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica. APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo Viegas UFMG Alan Jardel de Oliveira UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo VIEGAS UFMG Alan Jardel de OLIVEIRA UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica.

APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL. Redução/apagamento. Vogal. Dialeto mineiro. Léxico. Variação fonético-fonológica. APAGAMENTO DA VOGAL ÁTONA FINAL EM ITAÚNA/MG E ATUAÇÃO LEXICAL Maria do Carmo VIEGAS UFMG Alan Jardel de OLIVEIRA UFMG RESUMO Nosso objetivo neste texto é o estudo do apagamento da vogal átona em sílaba

Leia mais

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG

O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG 1 O PROCESSO VARIÁVEL DO ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS PRETÔNICAS NO MUNICÍPIO DE ARAGUARI-MG Dayana Rúbia CARNEIRO 1 Universidade Federal de Uberlândia day_carneiro@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho consiste

Leia mais

A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL

A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL A PALATALIZAÇÃO VARIÁVEL DE /T, D/ EM CAXIAS DO SUL Gabriel Duso Matté Gabriel RESUMO: Para testar a hipótese de que Caxias do Sul (RS) difundiria a palatalização de /t, d/ a municípios vizinhos, realizou-se

Leia mais

Dicionário De Termos Gramaticais

Dicionário De Termos Gramaticais Dicionário De Termos Gramaticais Professor Leo Página 2 Este dicionário vai ajudar o candidato a entender melhor todos os assuntos gramaticais do português, além de auxiliá-lo na hora de estudar. Muitas

Leia mais

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS

O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS 2177 O PAPEL DOS MORFEMAS NO BLOQUEIO OU ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS Juliana Camargo Zani USP Introdução O objetivo do presente trabalho é verificar o papel do morfema no bloqueio e/ou alçamento das vogais

Leia mais

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a:

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: FONOLOGIA / ACENTUAÇÃO GRÁFICA O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: encontros vocálicos encontros consonantais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I Departamento de Estatística Tarciana Liberal CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE ESTATÍSTICA O que a Estatística significa para você? Pesquisas

Leia mais

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Estimação parâmetros e teste de hipóteses Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Intervalo de confiança para média É um intervalo em que haja probabilidade do verdadeiro valor desconhecido do parâmetro

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS

APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul APAGAMENTO DE SEMIVOGAIS EM DITONGOS ORAIS NO PORTUGUÊS DO SUL DO BRASIL: ESTUDO DE CASOS Gerusa PEREIRA (UNISUL) ABSTRACT: The present

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC CNPq e PIBIC UFPA RELATÓRIO TÉCNICO - CIENTÍFICO

Leia mais

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB)

Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) III Seminário Internacional de Fonologia 12.04.2007 Acento secundário, atribuição tonal e redução segmental em português brasileiro (PB) Maria Bernadete M. Abaurre babaurre@matrix.com.br Flaviane Romani

Leia mais

Palavras-chave: Ditongo em português. Verdadeiro ditongo. Falso ditongo.

Palavras-chave: Ditongo em português. Verdadeiro ditongo. Falso ditongo. UM ESTUDO SOBRE OS VERDADEIROS E OS FALSOS DITONGOS EM RESUMO PORTUGUÊS Nívea Rohling da Silva Mestre em Linguística e Doutoranda em Linguística pela UFSC. Neste artigo, objetiva-se apresentar uma análise

Leia mais

SEXO POPULAÇÃO AMOSTRA

SEXO POPULAÇÃO AMOSTRA Amostragem É o estudo de um pequeno grupo de elementos retirado de uma população que se pretende conhecer. Esses pequenos grupos retirados da população são chamados de Amostras. Como a amostragem considera

Leia mais

A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA. Albertina Rossi

A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA. Albertina Rossi A VARIAÇÃO DA VIBRANTE MÚLTIPLA NO INTERIOR DA PALAVRA LEXICAL NA FALA DE DESCENDENTES ITALIANOS DAS CIDADES SULINAS CHAPECÓ/ SC E FLORES DA CUNHA/ RS Albertina Rossi Introdução Este trabalho se insere

Leia mais

O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES 1585 O APAGAMENTO DO /R/ FINAL NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa PPGLL/UFBA 0 Introdução Um dos campos em que a teoria da variação lingüística se mostrou bastante fecunda, tal como

Leia mais

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1

O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 324 O ALÇAMENTO DAS VOGAIS MÉDIAS ALTAS PRETÔNICAS NA FALA DOS HABITANTES DE COROMANDEL-MG E MONTE CARMELO-MG 1 The raising of pre-stressed mid-high vowels in the speech of Coromandel-MG and Monte Carmelo-MG

Leia mais

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio

Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio Matriz de Referência da área de Matemática Ensino Médio C1 Utilizar o conhecimento sobre números e suas representações em situações relacionadas a operações matemáticas, grandezas e unidades de medidas.

Leia mais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Departamento do 1.º ciclo

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Departamento do 1.º ciclo Ano de escolaridade: 1ºAno Língua Portuguesa Diálogos Jogos de identificação (palavra/imagem) Completar frases e palavras Escrita e leitura de vogais e consoantes Ditongos orais e nasais Memorização de

Leia mais

OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (692-698) OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Juliana Radatz KICKHOFEL (Universidade Católica de Pelotas)

Leia mais

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se

Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se A NEUTRALIZAÇÃO DAS ÁTONAS Leda Bisol * Introdução Ainterpretação da elevação da vogal média como neutralização deve-se a Câmara Jr. (1977) que, chamando atenção para a variedade de timbre das átonas,

Leia mais

DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão

DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão Aula # 04 DISCIPLINA: PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA TURMA: Informática de Gestão Escala de Medidas de Variáveis. Frequência absoluta e relativa de dados quantitativos. Professor: Dr. Wilfredo Falcón Urquiaga

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO

CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO www.cenm.com.br 1 o DESAFIO CENM - 2013 LÍNGUA PORTUGUESA Direção: ANO: 4 EF 1- Complete a cantiga de roda, escrevendo nas linhas nomes de cinco colegas de classe que iniciem

Leia mais

O processo de ditongação sob a perspectiva da fonologia gerativa - aspectos sobre variação lingüística 1

O processo de ditongação sob a perspectiva da fonologia gerativa - aspectos sobre variação lingüística 1 Revista Língua & Literatura 69 O processo de ditongação sob a perspectiva da fonologia gerativa - aspectos sobre variação lingüística 1 Patrícia Graciela da Rocha 2 Rodrigo Acosta Pereira 3 Resumo: Partindo

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 28 de julho de 2017. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consultar à população sobre avaliação do panorama político atual.

Leia mais

O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC

O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC O USO DOS PRONOMES PESSOAIS NÓS/ A GENTE EM CONCÓRDIA SC Introdução Lucelene Franceschini - UFPR Este trabalho analisa o uso das formas pronominais de primeira pessoa do plural nós / a gente em Concórdia

Leia mais

Planificação Anual 4º Ano

Planificação Anual 4º Ano Planificação Anual 4º Ano Ano Letivo 2014 / 2015 Educaç ão literári a Leitura e escrita Geometria e medida Oralidade Números e Operações 1º Período Português Matemática Estudo do Meio Revisões O meu corpo

Leia mais

Contribuições da fonologia de uso e da teoria dos exemplares para o estudo da monotongação 1

Contribuições da fonologia de uso e da teoria dos exemplares para o estudo da monotongação 1 Contribuições da fonologia de uso e da teoria dos exemplares para o estudo da monotongação 1 Contributions of phonology of use and the exemplar theory to the study of monophthongization Resumo Carine Haupt

Leia mais

ÍNDICE curso CAIXA. Edital Sistematizado CAIXA Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente CRONOGRAMA do Curso...

ÍNDICE curso CAIXA. Edital Sistematizado CAIXA Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente CRONOGRAMA do Curso... ÍNDICE curso CAIXA Edital Sistematizado CAIXA...02 Tópicos mais exigidos pela banca em ordem decrescente...03 CRONOGRAMA do Curso...03 MÓDULO 1: Acentuação e Ortografia...04 Acentuação...04 Questões...10

Leia mais

A INTERAÇÃO SEGMENTO-SÍLABA NAS LÍQUIDAS NA COMUNIDADE DE SEGREDO/ RS E A VARIAÇÃO DO /L/ NA CODA

A INTERAÇÃO SEGMENTO-SÍLABA NAS LÍQUIDAS NA COMUNIDADE DE SEGREDO/ RS E A VARIAÇÃO DO /L/ NA CODA A INTERAÇÃO SEGMENTO-SÍLABA NAS LÍQUIDAS NA COMUNIDADE DE SEGREDO/ RS E A VARIAÇÃO DO /L/ NA CODA Ana Paula Ramos de Souza (UFSM) dofono.ufsm@gmail.com Janaína B. de Castro Weber (UPF) cidiomas@notredame.org.br

Leia mais

Análise do status fonológico do grafema consonantal duplo RR em Português Arcaico

Análise do status fonológico do grafema consonantal duplo RR em Português Arcaico Análise do status fonológico do grafema consonantal duplo RR em Português Arcaico Tatiana Somenzari Faculdade de Ciências e Letras UNESP-Campus Araraquara Rod. Araraquara-Jaú, Km. 01 Abstract. In this

Leia mais