A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA"

Transcrição

1 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1259 A INFLUÊNCIA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO NA FALA DE PORTUGUESES: O CASO DA HARMONIA VOCÁLICA Juliana Radatz Kickhöfel * Liliane da Silva Prestes ** Carmen Lúcia Barreto Matzenauer *** 1. Sobre as vogais no PB e no PE Em Português, o vocalismo átono apresenta variação. A realização das vogais médias, especialmente na posição pretônica, contribui para a configuração de áreas dialetais, tanto entre diferentes países de fala portuguesa, quanto entre regiões de um mesmo país. No Português Brasileiro (PB), o sistema vocálico é constituído por sete segmentos na pauta tônica. Já na pauta pretônica, segundo Mattoso Câmara (1972), há a perda de oposição entre as vogais médias, o que configura o fenômeno da neutralização, reduzindo o sistema a cinco vogais nessa posição. Tal processo ocorre categoricamente em todos os dialetos do PB. Assim, a realização fonética das vogais médias coronais [e] ou [E], bem como das vogais médias dorsais [o] ou [ç], nesse contexto, implica apenas variação alofônica, sendo caracterizadora de diferentes manifestações dialetais: em dialetos do Nordeste, as médias pretônicas podem realizar-se como [E] e [ç], em alguns contextos, enquanto nos dialetos do Sul do País, nesses mesmos ambientes, realizam-se como [e] e [o], conforme os exemplos apresentados em (1): (1) (a) realização de vogais médias pretônicas em dialetos do Nordeste 1 n[ç]vela ~ n[o]vela m[ç]ral ~ m[o]ral m[e]lão ~ m[e]lão (b) realização de vogais médias pretônicas em dialetos do Sul n[o]vela m[o]ral m[e]lão Segundo Silva (1991), quando na sílaba seguinte há uma vogal [+baixa], a forma fonética predominante no Nordeste apresenta as vogais médias baixas [E] e [ç] na posição pretônica. * PG - Universidade Católica de Pelotas ** PG - Universidade Católica de Pelotas *** Universidade Católica de Pelotas 1 Os exemplos foram retirados de Silva (1991, p. 81)

2 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1260 Os estudos sobre o comportamento das vogais médias pretônicas do PB têm apontado que três são os processos a elas aplicados em formas nominais da língua, conforme aparece em (2). Salientamos que os três processos têm natureza variável. (2) (a) abaixamento exs.: n[ç]vela, m[e]lão; (b) elevação exs.: b[u]lacha, g[u]verno; (c) harmonia vocálica exs.: m[i]nino, [c[u]ruja. A partir da identificação desses processos, podemos verificar que, foneticamente, sete vogais podem aparecer em posição pretônica no PB [i, e, E, å, ç, o, u], sendo que, no Sul, como não há a aplicação da regra de abaixamento, somente cinco vogais se fazem foneticamente presentes em nessa posição: [i, e, å, o, u]. No Português falado no Rio Grande do Sul, um dos fenômenos variáveis que a vogal média pretônica apresenta em nomes é a harmonização vocálica. Essa é uma regra de assimilação regressiva condicionada pela presença de uma vogal alta na sílaba contígua à vogal média, sendo favorecida por ambientes consonantais específicos (consoante precendente e consoante seguinte), segundo Bisol (1981) e Schwindt (2002). É um processo fonológico que tem motivação fonética: é regido pelo princípio da antecipação, ou seja, há uma tendência à preparação para a prática de um gesto seguinte, o que possibilita a aproximação das articulações, simplificando-as, de acordo com a lei do menor esforço. É uma regra variável, condicionada preponderantemente por fatores lingüísticos, que, segundo SCHWINDT (2002: 162), tem baixa aplicação no português brasileiro e que, do ponto de vista da mudança lingüística, é um processo estável, visto que, com base em dados do VARSUL 2, a porcentagem de aplicação da regra em 2001, no Rio Grande do Sul, era de 36% para /e/ e 42% para /o/, contra 24% para /e/ e 36% para /o/, em Da mesma forma que o PB, o Português Europeu (PE) também apresenta sete fonemas vocálicos na pauta tônica e cinco na pauta pretônica, mas, diferentemente do PB, o PE registra a aplicação predominante de dois processos às vogais em posição pretônica, os quais são apontados em (3). (3) (a) Elevação/redução exs.: m[u]rar, s[u]noro, p[ˆ]gar, t[ˆ]lhado; (b) Apagamento exs.: [pk]eno, [sg]uro 3 Assim, foneticamente, na pauta pretônica o número de segmentos vocálicos no PE reduz-se a apenas quatro: [i, ˆ, å, u] 4. Comparando os dois sistemas átonos, constatamos que, no PE, a variação da média pretônica se apresenta de maneira diversa da que ocorre no PB. Pode a vogal ser apagada em determinados contextos (vocábulos que têm /e/ na posição pretônica) ou Ter sua realização 2 VARSUL (Variação Lingüística Urbana da Região Sul do País) 3 Os exemplos são retirados de Mateus et all (2003) e Mateus & d Andrade (2000). 4 Segundo Mateus & d Andrade (2000, p ), as formas fonéticas [e], [E], [o] e [ç] podem aparecer em início de palavra com onset vazio exs.: [E]lvira, [i]conomia ~ [e]conomia, [o]spital ~ [ç]spital. Também os autores (p.135) referem que não há a redução de vogais átonas (pretônicas ou postônicas) em sílaba fechada pela coda /l/ exs.: b[e]ldade, incrív[e]l, v[ç]ltar, álco[ç]l.

3 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1261 reduzida, para a vogal [-tensa] [ˆ] ou ser elevada: [i] é a realização da vogal [- alta] /e/ e [u] é a realização da vogal /o/ (Mateus e d Andrade, 2000). Assim, quando há realização da pretônica, o PE articula-a da seguinte forma: FIGURA 1: ELEVAÇÃO E RECUO DAS VOGAIS ÁTONAS + alta i ˆ u -alta e o -baixa å +baixa E ç - recuada + recuada (MATEUS et al. 2003: 1013) Diferentemente do PB, o PE tende a não apresentar, no nível fonético, vogais médias em posição pretônica 5 : nessa posição, essas vogais, ou sofrem elevação/redução ou são apagadas. Em virtude desse fato, as vogais médias altas do PE ao contrário do que ocorre no PB não apresentam o processo de harmonização vocálica, uma vez que esse é sangrado pelos outros dois processos aplicados às vogais médias pretônicas. a 2. Metodologia da pesquisa A partir dessas constatações, propôs-se uma pesquisa cujo objetivo principal era verificar se falantes do PE, expostos ao dialeto gaúcho durante um longo período, apresentam, em formas fonéticas de nomes da língua, vogais médias altas pretônicas e, conseqüentemente, se a elas aplicam a regra de harmonização vocálica que, como já foi referido, é variável nesse dialeto e não se faz presente no PE. A primeira etapa da investigação consistiu na gravação de trinta minutos de fala espontânea de dois falantes nativos de PE, residentes na cidade de Pelotas (RS) há mais de trinta anos, e de dois residentes na cidade de Aveiro, Portugal, bem como na utilização de 5 Além dos casos excepcionais de emprego de vogais médias, em posição pretônica, em formas fonéticas do PE, Mateus & d Andrade (2000, p ) referem que vogais médias altas são foneticamente realizadas, em sílabas pretônicas, quando constituem ditongos exs.: c[oj]tado, end[ew]sar.

4 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1262 gravações de dois informantes de Pelotas, falantes nativos de PB, que integram o Banco de Dados Sociolingüísticos da Fronteira e da Campanha Sul-riograndense (BDS Pampa), constituído na UCPEL. Todos os informantes desta pesquisa são homens de mais de cinqüenta anos e têm o equivalente ao primeiro grau incompleto. Inicialmente realizamos a análise do comportamento das vogais médias pretônicas nos dados dos informantes brasileiros e nos dados dos informantes portugueses residentes em Portugal, a fim de verificarmos a aplicação variável da regra de harmonia vocálica nos falantes de PB e a sua não aplicação em falantes de PE, e os resultado confirmaram as informações contidas na literatura (MATEUS et al, 2003; BISOL, 1981; SCHWINDT, 2002). Em razão desse fato, torna-se desnecessária a apresentação aqui dos resultados obtidos. A seguir, passamos à coleta dos dados dos informantes portugueses residentes em Pelotas, seguindo-se a proposta laboviana de realização de diálogos e de elicitação de narrativas. Embora o corpus coletado já demonstrasse a existência de variação no emprego da vogal média pretônica, obtivemos pouca quantidade de dados relativos ao foco do presente estudo. Em razão desse fato, criamos, então, um instrumento para embasar a análise desta investigação: foi elaborada uma lista de cento e dez palavras que continham a vogal alta /i/ na sílaba tônica e das vogais médias /e/ e /o/ em sílaba pretônica, associadas a todos os possíveis contextos de aplicação/não-aplicação da regra. Para a constituição do instrumento, tomamos como parâmetro o estudo de Bisol (1981). As palavras deveriam ser ditas na frase : É melhor dizer (menino, polido) de novo. 6 Os dados foram transcritos foneticamente, codificados e submetidos a uma análise estatística pelo programa computacional VARBRUL. Foram analisados os fatores lingüísticos que favorecem a aplicação da regra no dialeto gaúcho, segundo Bisol (1981), para verificar se e como os falantes nativos de PE, em contato com o PB há mais de 30 anos, aplicavam a regra de harmonia vocálica às vogais médias pretônicas. Foram quatro as variáveis lingüísticas controladas nesta pesquisa, mostradas em (4): (4) Variáveis lingüísticas controladas na pesquisa: a) consoante precedente quanto ao ponto de articulação; b) consoante seguinte quanto ao ponto de articulação; c) proximidade da vogal média em relação à sílaba tônica; d) nasalidade.da vogal média pretônica Os dados de cada informante foram submetidos a uma análise individual, tanto para a vogal /e/ quanto para a vogal /o/, ambas em ambiente pretônico. As variáveis dependentes, para a vogal /e/, foram: (a) aplicação da harmonização vocálica, (b) redução e (c) realização plena da pretônica. Para a vogal /o/, as variáveis dependentes foram: (a) aplicação da harmonia vocálica e (b) realização plena da pretônica, pois não há, no PE, redução da pretônica /o/. 3. Descrição e análise dos dados Realizada a transcrição fonética dos dados, um fato, desde logo, ficou evidente diferentemente do que ocorre com os falantes nativos de PE residentes em Portugual, os 6 O tipo de frase aqui utilizada está contida no instrumento anteriormente empregado por MORAES & WETZELS (1992) para a análise da duração dos segmentos nasais e nasalizados em Português.

5 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1263 portugueses residentes no Brasil apresentaram, em suas realizações fonéticas, a presença das vogais médias altas [e] e [o], em posição pretônica, como ocorre com os falantes de PB residentes no Sul do País aí estava a primeira evidência do condicionamento que o PB já exerceu sobre a sua expressão lingüística. A observação da presença das pretônicas [e] e [o] nos informantes portugueses foi fundamental para o desenvolvimento do foco da pesquisa, que era, conforme já foi referido, a verificação da ocorrência ou não da aplicação da regra de harmonia a essas vogais, fenômeno que, embora com caráter variável, é característico do PB e inexistente nas formas nominais do PE. Outro resultado que também logo foi identificado como decorrente da influência, na fala dos informantes, do funcionamento do PB foi a nãoocorrência, no corpus da pesquisa, de apagamento da vogal média pretônica, fenômeno descrito como operante no PE. Assim, vimos que os dados coletados permitiriam responder às duas questões fundamentais que norteavam a pesquisa, já contidas no objetivo do trabalho: (a) Falantes do PE, expostos ao dialeto gaúcho durante um longo período, apresentam, em formas fonéticas de nomes da língua, vogais médias altas em posição pretônica? (b) Esses falantes nativos de PE aplicam a regra de harmonização vocálica a essas vogais? Na verdade, apenas com a transcrição dos dados, já foi possível dar uma resposta afirmativa à primeira questão proposta no trabalho. Para responder à segunda questão era indispensável submeter os dados a um tratamento estatístico. Aplicado o programa computacional, verificamos que, dentre as variáveis lingüísticas listadas acima, a letra (d) nasalidade da vogal média pretônica apresentou knockout tanto para /e/ como para /o/, com a permanência da média alta, nos dados dos dois informantes. Esse resultado evidencia que a nasalidade é um fator de permanência da vogal média. Nos estudos de Bisol (1981), a nasalidade é um traço que favorece a elevação de /e/ e tende a inibir a elevação de /o/, em falantes nativos de PB, residentes no RS. A utilização do programa VARBRUL possibilitou-nos a descrição e a análise dos resultados. Foram selecionadas como estatisticamente relevantes, para cada informante falante nativo de PE, as variáveis a seguir apresentadas. Os resultados são mostrados em quadros, com o registro dos dados obtidos Informante A: Vogal pretônica /e/: Para a vogal pretônica /e/, o programa selecionou um grupo de fatores para a variável dependente redução da vogal pretônica, o qual aparece no Quadro 1. QUADRO 1: CONSOANTE SEGUINTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (redução da vogal pretônica) Informante A: Coronal [-ant] 8/9 89%.85 Regime Coronal [+ ant] 9/27 33%.27 Ferida Labial 10/12 83%.78 Preferido Dorsal 3/7 43%.35 Preguiça Observando-se o Quadro 1, verificamos que, com relação à consoante seguinte quanto ao ponto de articulação, a classe que mais favorece a redução da vogal média pretônica é a

6 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1264 coronal [-anterior] (.85), seguida da labial (.78). Segundo Bisol (1981), as coronais [- anteriores], especialmente as palatais, tendem a propiciar a elevação das vogais /e/ e /o/, enquanto que as labiais favorecem apenas a elevação de /o/. Assim, podemos concluir que o Informante A, embora apresente vogais médias altas em posição pretônica, tende a reduzi-las como o fazem os falantes nativos de PE, sendo que essa redução, que é, também, um tipo de elevação, é favorecida por contextos lingüísticos que, de forma geral, também condicionam a elevação de vogais médias por falantes nativos de PB. Merece destaque o fato de que, para a vogal /e/, em relação à variável dependente aplicação da harmonia vocálica, o programa estatístico não selecionou qualquer variável, o que parece ser indicativo de que a regra de harmonia vocálica somente pode tender a ser aplicada, por falantes nativos de PE, em etapa evolutiva bem subseqüente àquela que corresponde ao emprego das vogais médias altas em posição pretônica. Esse fato pode ser indicativo de que a influência do PB sobre os falantes de PE é gradativa, como também pode ser indicativo de que pode afetar alguns fenômenos de caráter fonético-fonológicos enquanto outros permanecem imunes a essa influência Vogal pretônica /o/: Para a vogal pretônica /o/, o programa selecionou um grupo de fatores para a variável dependente aplicação da harmonia vocálica, o qual aparece no Quadro 2. QUADRO 2: CONSOANTE PRECEDENTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (aplicação da harmonia vocálica) Informante A: Coronal [-ant] 1/5 20%.09 Propina Coronal [+ ant] 12/19 63%.42 Domingo Labial 12/13 92%.83 Bonita Dorsal 12/18 67%.45 Gorila O Quadro 2 demonstra não somente que o Informante A já mostra, em suas formas fonéticas, a aplicação da regra de harmonia vocálica, como também expressa que o ponto de articulação labial da consoante precedente (.83) favorece a aplicação dessa harmonia, coincidindo com os resultados de Bisol (1981) e de Schwindt (2002) Informante B: Vogal pretônica /e/: Para a vogal pretônica /e/, o programa selecionou dois grupos de fatores: um para a variável dependente realização plena da vogal média, o qual aparece no Quadro 3, e um para a variável dependente redução da vogal pretônica, o qual aparece no Quadro 4.

7 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1265 QUADRO 3: PROXIMIDADE DA VOGAL MÉDIA EM RELAÇÃO À SÍLABA TÔNICA (realização plena) Informante B: Uma sílaba 51/53 96%.56 Pedido Duas sílabas 4/6 67%.09 Mexerico O Quadro 3 é evidência não somente de que o falante nativo de PE residente no Brasil realiza a vogal média [e] em posição pretônica, como mostra que a realização plena dessa vogal média pretônica é favorecida pela presença da vogal alta na sílaba seguinte, o que pode indicar que, quanto mais próxima a pretônica estiver da tônica, mais ela tende a se preservar, ou seja, pode estar indicando que, para esse falante, existe uma tendência crescente de conservação dos segmentos em direção à tônica. Tal fato se confirma pelos resultados obtidos no quadro a seguir, que trata da redução da pretônica: QUADRO 4: PROXIMIDADE DA VOGAL MÉDIA EM RELAÇÃO À SÍLABA TÔNICA (redução da pretônica /e/) Informante B: Uma sílaba 2/53 4%.44 Gemido Duas sílabas 2/6 33%.91 Prevenido Como podemos verificar, a ocorrência significativa de redução da vogal média pretônica /e/ se dá a duas sílabas da tônica (.91). Para a aplicação da harmonia vocálica, em se tratando do Informante B, também o programa não selecionou qualquer das variáveis controladas na pesquisa Vogal pretônica /o/: Para a vogal pretônica /o/, o programa selecionou um grupo de fatores para a variável dependente aplicação da harmonia vocálica, o qual aparece no Quadro 5. QUADRO 5: CONSOANTE SEGUINTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (aplicação da harmonia vocálica) Informante B: Coronal [-ant] 5/6 83%.75 Mochila Coronal [+ ant] 21/30 70%.58 Formiga Labial 9/13 69%.57 Noviça Dorsal 1/8 13%.08 Sorriso No Quadro 5, temos evidência de que o Informante B mostra, em seus dados, o emprego da harmonia vocálica e também podemos verificar o favorecimento, para a aplicação da regra, que representa a presença de uma consoante seguinte portadora da propriedade [coronal,-

8 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1266 anterior] (.75). Também não podemos deixar de salientar que uma consoante seguinte com o traço [dorsal] desfavorece a aplicação da regra. O resultado desse grupo de fatores confirma os achados no estudo de Bisol (1981), segundo o qual a presença da propriedade [dorsal] na consoante seguinte à vogal média pretônica é a que menos favorece a harmonização vocálica. Para fazer uma análise mais aprofundada dos dados, consideramos necessário realizar uma rodada em conjunto dos dados dos dois informantes falantes nativos de PE, separando os resultados relativos às vogais pretônicas /e/ e /o/. Cabe salientar que, para a vogal /o/, somente foi analisado o grupo de fatores que diz respeito à aplicação da harmonia, visto que, como já foi referido, não há redução de /o/, pois, no PE, este é produzido foneticamente como [u] na posição pretônica Análise conjunta dos informantes: Vogal pretônica /e/: Para a vogal pretônica /e/, o programa selecionou três grupos de fatores: um para a variável dependente realização plena da vogal média, o qual aparece no Quadro 6 e dois para a variável dependente redução da vogal pretônica, os quais aparecem nos Quadros 7 e 8. QUADRO 6: CONSOANTE PRECEDENTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (realização plena) Informantes A e B: Coronal [-ant] 16/34 47%.87 Gengiva Coronal [+ ant] 13/14 93%.31 Seguinte Labial 25/40 63%.46 Pepino Dorsal 14/19 74%.59 Querido Os dados do Quadro 6 confirmam, agora para os dois informantes falantes nativos de PE, a tendência à realização plena da vogal média [e] em posição pretônica, contrariando o que acontece com os portugueses que ainda vivem em seu país de origem, e evidenciando a influência que sua fonologia mostra do PB. Juntando-se os dados dos Informantes A e B, podemos ver que a realização plena da pretônica se mostra favorecida quando vem precedida por consoante das classes [coronal,-anterior] (.87) e [dorsal] (.59) esse resultado expressa que consoantes com a propriedade [-anterior], precedendo a vogal média [e], tendem a preservá-la, mantendo-a resistente às regras a que estão sujeitas as vogais médias em posição pretônica. Os dois quadros seguintes evidenciam que os dois informantes desta pesquisa ainda mostram a tendência à aplicação da redução da vogal média alta pretônica /e/, processo característico do PE.

9 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1267 QUADRO 7: CONSOANTE PRECEDENTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (redução da pretônica /e/) Informantes A e B: Coronal [-ant] 2/14 14%.24 Xerife Coronal [+ ant] 16/34 47%.73 Manequim Labial 13/40 32%.48 Bebida Dorsal 3/19 16%.33 Esquecido Os resultados expressos no Quadro 7 registram que uma consoante precedente à vogal média, que contenha a propriedade [coronal, +anterior], tende a favorecer a redução dessa vogal. QUADRO 8: CONSOANTE SEGUINTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (redução da pretônica /e/) Informantes A e B: Coronal [-ant] 9/21 43%.70 Mexido Coronal [+ant] 9/52 17%.39 Ferida Labial 12/25 48%.68 Temido Dorsal 4/16 25%.29 Guerrilha Pelos dados do Quadro 8, vemos que a presença de uma consoante [coronal,-anterior] ou [labial], em contexto seguinte à vogal média alta /e/, tende a favorecer sua redução. O que é importante ressaltar aqui é que os dados do Quadro 8 estão corroborando os registros do Quadro 1, referente apenas ao Informante A, e, ainda, que os resultados dos Quadros 7 e 8, relativos ao favorecimento da redução da vogal /e/ pretônica nos dois informantes portugueses, não são contraditórios com os resultados do Quadro 6, que evidencia a tendência que, por influência do PB, esses falantes mostram no sentido de empregar a vogal [e] em posição pretônica, contrariando o que ainda hoje ocorre em Portugal Vogal pretônica /o/: Para a vogal pretônica /o/, o programa selecionou, em se tratando do conjunto de dados dos dois informantes da pesquisa, dois grupos de fatores para a variável dependente aplicação da harmonia vocálica, os quais aparecem nos Quadros 9 e 10.

10 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1268 QUADRO 9: CONSOANTE PRECEDENTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (aplicação da harmonia vocálica) Informantes A e B: Coronal [-ant] 1/12 8%.06 Choquito Coronal [+ ant] 24/37 65%.51 Sortido Labial 24/27 89%.83 Bobina Dorsal 24/36 67%.43 Coringa QUADRO 10: CONSOANTE SEGUINTE QUANTO AO PONTO DE ARTICULAÇÃO (aplicação da harmonia vocálica) Informantes A e B: Coronal [-ant] 10/11 91%.83 Recolhido Coronal [+ant] 41/59 69%.54 Cozido Labial 19/28 68%.51 Novilha Dorsal 3/14 21%.12 Boquinha Os dados apresentados nos Quadros 9 e 10, referentes aos corpora dos dois informantes da pesquisa, além de consistentes com os resultados obtidos com cada falante nativo de PE isoladamente, mostram que há uma tendência à aplicação da regra de harmonia vocálica à vogal /o/ pretônica quando essa é precedida por uma consoante [labial] e seguida por uma consoante [coronal,-anterior]. Esses resultados vêm ao encontro das conclusões mostradas por Bisol (1981) e por Schwindt (2002), no sentido de que tais contextos não somente favorecem a regra de elevação da vogal pretônica /o/, mas também de sua submissão à regra de harmonia vocálica. Pelo fato de os mesmos fatores favorecedores da elevação de vogais pretônicas terem sido selecionados pelo VARBRUL como também favorecedores da regra de harmonia vocálica, poderia, em um primeiro momento, ser questionada a validade de sua interpretação como condicionadores da harmonia, ou seja, esse poderia ser tomado como um argumento circular, que estivesse apenas favorecendo a elevação da vogal pretônica. No entanto, esse questionamento seria falacioso, porque os dois informantes desta pesquisa, diferentemente do que fazem os falantes nativos de PE que residem em Portugal, empregam a vogal média [o] em posição pretônica, ao contrário de a elevarem como fazem os portugueses de forma quase categórica. Portanto, os contextos mostrados nos Quadros 9 e 10 como favorecedores da harmonia vocálica são efetivamente condicionadores dessa regra, pois os informantes poderiam não ter usado a forma fonética [u], já que seus dados, por influência do PB, mostram muitos exemplos da manutenção da vogal média [o] em posição pretônica (Exs.: b[o]bina, pr[o]pina). Além disso, merece ser retomado aqui o fato de que de as médias pretônicas nasalizadas nunca foram elevadas pelos informantes da pesquisa (Exs.: c[õ]nvite, c[õ]ndição)

11 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB Considerações Finais Os dados analisados no presente estudo mostraram que os falantes nativos de PE, em contato continuado com o PB, passam a integrar, em seu sistema, aspectos fonéticofonológicos característicos da região brasileira em que estão inseridos. Essa conclusão é corroborada pelo fato de os informantes desta pesquisa, falantes nativos de PE, realizarem foneticamente as vogais médias altas [e] e [o] em posição pretônica, deixando de aplicar uma regra característica do PE a regra de apagamento da vogal [e] pretônica e diminuindo a incidência de aplicação da regra de elevação/redução das vogais médias altas pretônicas. Esse fato mostrou que, diferentemente do sistema fonético pretônico dos portugueses que vivem em Portugal, os informantes deste trabalho têm um inventário fonético, nessa posição, constituído por seis vogais: [i, ˆ, e, å, o, u]; e isso ocorre, indubitavelmente, por influência do PB. Outra interpretação a que os dados deste estudo podem levar diz respeito à gradiência da incorporação de características de uma língua ou de um dialeto ao sistema fonéticofonológico nativo do falante embora os dois informantes do presente trabalho revelem a manutenção das vogais médias altas em posição pretônica por influência do PB, o que lhes possibilitaria aplicar, como os falantes de PB, a regra de harmonia vocálica, mostram a tendência a aplicar essa regra preferencialmente à vogal média alta dorsal /o/, revelando, em relação à vogal /e/, maior tendência à sua preservação ou à sua redução. Somente uma pesquisa longitudinal, ou uma nova coleta de dados realizada daqui a alguns anos, poderia revelar se os informantes desta investigação aumentarão a incidência de uso da regra de harmonia vocálica e se passarão a aplicá-la significativamente também em relação à vogal média alta coronal pretônica /e/. REFERÊNCIAS BISOL, Leda. Harmonização Vocálica: uma regra variável. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ, CALLOU, D.; MORAES, J. A.& LEITE. Y. O vocalismo do português. Letras de Hoje. Porto Alegre. V. 31. n. 2, p , junho CÂMARA MATTOSO JR, J. Estrutura da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Vozes, MATEUS, M. H. M. et al. Gramática da Língua Portuguesa. 5. ed. revista e atualizada. Lisboa: Caminho, MATEUS, M. H. M. & d ANDRADE. The Phonology of Portuguese. Oxford: Blackwell, MATZENAUER. C. L. B. & MIRANDA, A. R. M. Uma análise da harmonia vocálica e da metafonia nominal com base em restrições. In: HORA, Dermeval. & COLLICHON, Gisela. Teoria Lingüística: Fonologia e outros temas. João Pessoa: UFPB, MORAES, J. A & WETZELS, L. W. Sobre a duração dos segmentos vocálicos nasais e nasalizados em Português. Um exercício de fonologia experimental. Cadernos de Estudos Lingüísticos. Campinas: UNICAMP, n. 23, p , 1992.

12 ANAIS DA XX JORNADA GELNE JOÃO PESSOA-PB 1270 NARO, A. J. Estudos diacrônicos. Petrópolis: Vozes, SILVA,M.B.da. Um traço regional na fala culta de Salvador. Organon. Porto Alegre: UFRGS, v..5, n.18, p , SILVA. Rosa Virgínia Mattos e. O Português Arcaico: fonologia. 3. ed. São Paulo: Contexto, SCHWINDT, L. C. A regra variável de harmonização vocálica no RS. In: Bisol, L. e BRESCANCINI, C (org.) Fonologia e variação: recortes do português brasileiro. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX.

ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (510-515) ESTRUTURAS COM TER E HAVER EM TEXTOS JORNALÍSTICOS: DO SÉCULO XIX AO XX. Erica Sousa de ALMEIDA (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA

MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO SUGERIDO PARA PROJETO DE PESQUISA MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (Hospital Regional do Mato Grosso do Sul- HRMS) Campo Grande MS MÊS /ANO TÍTULO/SUBTÍTULO DO PROJETO NOME DO (s) ALUNO

Leia mais

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012 AS CONCEPÇÕES DE PSICÓLOGOS SOBRE ANGÚSTIA/ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA CLÍNICA Mayara Lúcia Embercics Calazans (Departamento de Psicologia,, Fundação Araucária, PIBIC); Paulo José

Leia mais

Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT. Indicadores Bibliométricos 2008-2012. Física e Astronomia

Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT. Indicadores Bibliométricos 2008-2012. Física e Astronomia Instituições de Ensino Superior Docentes Pertencentes a Unidades FCT Indicadores Bibliométricos 2008-2012 INTRODUÇÃO A presente publicação resume os principais resultados de um estudo bibliométrico realizado

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 7.0 Auxílio estatal 2 Ficha 7.0 Auxílio estatal Índice 1 Princípio... 5 2 Definição do conceito de auxílios estatais... 6 3 Quem

Leia mais

ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO

ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO MARINGÁ 2016 ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS: NORMAS PARA APRESENTAÇÃO Elaborado por: Carmen Torresan * MARINGÁ 2016 Bibliotecária / CRB9

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

Projeto 10Envolver. Nota Técnica

Projeto 10Envolver. Nota Técnica Nota Técnica Referência: Análise dos dados do componente Educação do Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de 2013 (Atlas do Desenvolvimento Humano 2013, PNUD, IPEA, FJP) para os municípios incluídos

Leia mais

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza.

Dureza Rockwell. No início do século XX houve muitos progressos. Nossa aula. Em que consiste o ensaio Rockwell. no campo da determinação da dureza. A UU L AL A Dureza Rockwell No início do século XX houve muitos progressos no campo da determinação da dureza. Introdução Em 1922, Rockwell desenvolveu um método de ensaio de dureza que utilizava um sistema

Leia mais

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado

Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Características do professor brasileiro do ensino fundamental: diferenças entre o setor público e o privado Luiz Guilherme Dácar da Silva Scorzafave RESUMO - Esse artigo realiza uma análise descritiva

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências Médicas Conselho Executivo Conselho de Faculdade da da Universidade Nova de Lisboa REGIMENTO Artigo 1º Composição 1. O Conselho de Faculdade da FCM é constituído por treze membros, sendo oito docentes e investigadores, um estudante,

Leia mais

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR

PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR EDUCAÇÃO FÍSICA E PARALISIA CEREBRAL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ACERCA DA INCLUSÃO ESCOLAR Gabrielle Cristina Sanchez Adriana Garcia Gonçalves São Carlos - UFSCar Eixo Temático: 9 Pesquisa e Inovação Metodológica

Leia mais

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA

COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AGRONEGÓCIO MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº 03/2016-PGDRA ABERTURA DE INSCRIÇÃO PARA SELEÇÃO DE CANDIDATO À BOLSA DE ESTUDOS DO PROGRAMA

Leia mais

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO

I ENCONTRO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NOS CURSOS DE LICENCIATURA LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA: EM BUSCA DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO PEDAGOGO Palavras-chave: Identidade do Pedagogo. Formação de Professores. Licenciatura em Pedagogia. LDB 9394/96. Introdução Este trabalho

Leia mais

RELATÓRIO SIMPLIFICADO FINAL PSICOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET 2ª UNIDADE. Instrução Geral ao Relatório:

RELATÓRIO SIMPLIFICADO FINAL PSICOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET 2ª UNIDADE. Instrução Geral ao Relatório: 1 RELATÓRIO SIMPLIFICADO FINAL PSICOLOGIA GENÉTICA DE JEAN PIAGET 2ª UNIDADE Prof. Dr. Alexsandro Medeiros do Nascimento Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva Departamento de Psicologia - UFPE Instrução

Leia mais

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Lauro Rafael Lima² Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. Resumo O trabalho apresenta uma análise

Leia mais

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos

Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE Registro de Retenções Tributárias e Pagamentos Atualização: 20/12/2012 A necessidade de registrar despesas em que há retenção tributária é

Leia mais

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1

ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 ENSINO-APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA: OS CONTEÚDOS COM BASES MATEMÁTICAS NO ENSINO FUNDAMEANTAL 1 Priscilla Régia de Castro PEREIRA 2 Ivanilton José de OLIVEIRA 3 Introdução Dentre as pesquisas existentes

Leia mais

APRESENTAÇÃO TRABALHOS ACADÊMICOS SEGUNDO A NBR 14724

APRESENTAÇÃO TRABALHOS ACADÊMICOS SEGUNDO A NBR 14724 APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS SEGUNDO A NBR 14724 ESTRUTURA Tabela 1 Elementos OBRIGATÓRIO OPCIONAL ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa Folha de rosto Folha de aprovação Resumo na língua vernácula Resumo

Leia mais

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar

Identidade e trabalho do coordenador pedagógico no cotidiano escolar 9 Considerações finais A partir da análise dos dados coletados nessa pesquisa algumas considerações finais se fazem pertinentes em relação às questões iniciais levantadas nesta pesquisa. 9.1 Identidade

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Caderno de Questões Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2009 Duração: 2 horas Prova com consulta Questão 1 (Construção de modelo ER) Deseja-se projetar a base de

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão

Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão Universidade Federal do Rio de Janeiro Campus Macaé Professor Aloísio Teixeira Coordenação de Pesquisa e Coordenação de Extensão EDITAL nº 1 Coordenação de Pesquisa/Coordenação de Extensão 2016 VIII JORNADA

Leia mais

Plano de Sustentabilidade. (Instrumento / Roteiro para Construção do Plano) NOME DA REDE: 1ª PARTE DO PLANO

Plano de Sustentabilidade. (Instrumento / Roteiro para Construção do Plano) NOME DA REDE: 1ª PARTE DO PLANO Plano de Sustentabilidade (Instrumento / Roteiro para Construção do Plano) NOME DA REDE: Inserir a logomarca da Rede Fomentada 1ª PARTE DO PLANO (Trabalho interno da Base de Economia Solidária e Feminista)

Leia mais

Congresso Internacional de Línguas e Culturas Lusófonas no Mundo, 28 e 29 de maio de 2013, Sorbonne Nouvelle, Institut du Monde Anglophone, Paris

Congresso Internacional de Línguas e Culturas Lusófonas no Mundo, 28 e 29 de maio de 2013, Sorbonne Nouvelle, Institut du Monde Anglophone, Paris Os desafios e o valor social e cultural da língua portuguesa Mário Filipe Língua com presença particularmente relevante em África e na América do Sul, uma presença multissecular na Europa, mas também presente

Leia mais

Exercício. Exercício

Exercício. Exercício Exercício Exercício Aula Prática Utilizar o banco de dados ACCESS para passar o MER dos cenários apresentados anteriormente para tabelas. 1 Exercício oções básicas: ACCESS 2003 2 1 Exercício ISERIDO UMA

Leia mais

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Suelen Moraes de Lorenzo 1 e-mail: suelen.lorenzo@gmail.com Amabriane da Silva Oliveira e-mail: amabriane@r7.com

Leia mais

(Eixo Temático: Formação de tradutores/intérpretes de língua de sinais)

(Eixo Temático: Formação de tradutores/intérpretes de língua de sinais) ANTES E DEPOIS DO LETRAS-LIBRAS: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A SITUAÇÃO PROFISSIONAL DOS ALUNOS DO BACHARELADO DO IFRN NO PRIMEIRO E ÚLTIMO SEMESTRE DO CURSO (Eixo Temático: Formação de tradutores/intérpretes

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2

Manual SAGe Versão 1.2 Manual SAGe Versão 1.2 Equipe de Pesquisadores do Projeto Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Criação da Equipe do Projeto (Proposta Inicial)... 3 2.1. Inclusão e configuração do Pesquisador Responsável (PR)...

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado-

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado- PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Doutorado- URCA UEPB MANUAL DO DOUTORANDO Recife, 2012 1 O que é o PPGEtno? O Programa de Pós-Graduação em Etnobiologia e Conservação

Leia mais

DECISÃO DA COMISSÃO. de 11.12.2014

DECISÃO DA COMISSÃO. de 11.12.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 11.12.2014 C(2014) 9360 final DECISÃO DA COMISSÃO de 11.12.2014 relativa ao plano de transição nacional comunicado pela República Portuguesa, em conformidade com o artigo 32.º,

Leia mais

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis

Figura 4.1: Diagrama de representação de uma função de 2 variáveis 1 4.1 Funções de 2 Variáveis Em Cálculo I trabalhamos com funções de uma variável y = f(x). Agora trabalharemos com funções de várias variáveis. Estas funções aparecem naturalmente na natureza, na economia

Leia mais

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO

UM JOGO BINOMIAL 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO UM JOGO BINOMIAL São muitos os casos de aplicação, no cotidiano de cada um de nós, dos conceitos de probabilidade. Afinal, o mundo é probabilístico, não determinístico; a natureza acontece

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS 72 CONSIDERAÇÕES FINAIS Com uma linguagem particular, os advogados, como locutores/enunciadores, gerenciaram as diversas vozes/ enunciadores existentes na petição inicial e na contestação em ação de união

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 2º/2013 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 2º/2013 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 2º/2013

Leia mais

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein

Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Ceará e o eclipse que ajudou Einstein Eixo(s) temático(s) Terra e Universo Tema Sistema Solar Conteúdos Sistema Terra-Lua-Sol / eclipses Usos / objetivos Retomada de conhecimentos / avaliação / problematização

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA INCLUSÃO DE PERIÓDICOS NO PORTAL DE PERIÓDICOS FCLAR UNESP

PROCEDIMENTOS PARA INCLUSÃO DE PERIÓDICOS NO PORTAL DE PERIÓDICOS FCLAR UNESP PROCEDIMENTOS PARA INCLUSÃO DE PERIÓDICOS NO PORTAL DE PERIÓDICOS FCLAR UNESP Os editores interessados em incluir sua revista no Portal de Periódicos FCLAr UNESP, devem apresentar um breve projeto, em

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção

REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso Artigo 2.º Objectivos Artigo 3.º Condições de acesso Artigo 4.º Critérios de selecção REGULAMENTO Artigo 1.º Criação do curso A Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC) e a Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho (EEGUM), através do seu Departamento de Economia,

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica 385 AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO E DO MÓDULO DE ELASTICIDADE DO CONCRETO QUANDO SUBMETIDO A CARREGAMENTO PERMANENTE DE LONGA DURAÇÃO (Dt = 9 dias) Wilson Ferreira Cândido 1,5 ;Reynaldo Machado

Leia mais

Eixo Temático ET-07-010 - Desenvolvimento de Estratégias Didáticas

Eixo Temático ET-07-010 - Desenvolvimento de Estratégias Didáticas 75 Eixo Temático ET-07-010 - Desenvolvimento de Estratégias Didáticas SANEAMENTO BÁSICO E A PERSPECTIVA DA COMUNIDADE COM RELAÇÃO AOS BENEFÍCIOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Mara Araújo Ferreira*; Edna Lúcia

Leia mais

OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (692-698) OS FONEMAS VOCÁLICOS DO PORTUGUÊS BRASILEIRO: EVIDÊNCIAS DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Juliana Radatz KICKHOFEL (Universidade Católica de Pelotas)

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada PROCESSO: 716944 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: Ronaldo Márcio Gonçalves PROCEDÊNCIA: Prefeitura Municipal de Pains ASSUNTO: Pagamento pelo Município, com recursos do FUNDEF, de curso superior para os

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MARKETING UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO DOUTORADO - TURMA 2011 VERSÃO

Leia mais

A Influência Do Cinema No Videoclipe: Uma Análise A Partir do Videoclipe De Janie s Got A Gun

A Influência Do Cinema No Videoclipe: Uma Análise A Partir do Videoclipe De Janie s Got A Gun A Influência Do Cinema No Videoclipe: Uma Análise A Partir do Videoclipe De Janie s Got A Gun Autoria: Luana Vitorino Sampaio Passos Resumo Este trabalho busca comprovar, não só a existência, mas como

Leia mais

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008

Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Enunciado de Projecto 2007 2008 1 Introdução Na primeira metade da década de 90 começaram a ser desenvolvidas as primeiras

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 4.015, DE 2012 Proíbe a prescrição do direito do consumidor aos pontos acumulados em programas de fidelidade junto a qualquer

Leia mais

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais.

Defender interesses difusos e coletivos, defender o regime democrático e a implementação de políticas constitucionais. 1. Escopo ou finalidade do projeto Ampliar a efetividade do velamento que o Ministério Público exerce sobre as Fundações Privadas, de forma a garantir que este patrimônio social seja efetivamente aplicado

Leia mais

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos

Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Análise Qualitativa no Gerenciamento de Riscos de Projetos Olá Gerente de Projeto. Nos artigos anteriores descrevemos um breve histórico sobre a história e contextualização dos riscos, tanto na vida real

Leia mais

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4

Rodrigo Claudino Diogo 1, Valéria A. Ribeiro de Lima 2, Vanusa Maria de Paula 3, Rosymeire Evangelista Dias 4 A formação docente em Ciência, Tecnologia, Sociedade e Educação Ambiental TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA SALA DE AULA: PRODUÇÃO DE VÍDEOS POR MEIO DE SMARTPHONES COMO UMA POSSIBILIDADE VIÁVEL

Leia mais

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1

FATURA ELETRÔNICA DO PRESTADOR Layout do Arquivo Texto Versão 1.1.1 Orientações gerais: 1. Este layout é destinado a todos os prestadores de serviços de saúde do Ipasgo. Os prestadores pessoas físicas e pessoas jurídicas nas categorias laboratório e clínicas que apresentam

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

Edital do Processo Seletivo de 2015

Edital do Processo Seletivo de 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE - UFF ESCOLA DE ENFERMAGEM AURORA DE AFONSO COSTA EEAAC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE Edital do

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014

ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 ESTUDO TÉCNICO N.º 12/2014 Principais resultados da PNAD 2013 potencialmente relacionados às ações e programas do MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO E GESTÃO

Leia mais

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002....

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Editora Atlas, 2002.... 1 Como encaminhar uma Pesquisa? A pesquisa é um projeto racional e sistemático com objetivo de proporcionar respostas

Leia mais

UMA ANÁLISE BAYESIANA DO PERFIL COR/RAÇA DOS INDIVÍDUOS QUE TEM CURSO SUPERIOR NO BRASIL

UMA ANÁLISE BAYESIANA DO PERFIL COR/RAÇA DOS INDIVÍDUOS QUE TEM CURSO SUPERIOR NO BRASIL ISSN 2175-6295 Rio de Janeiro- Brasil, 08 e 09 novembro de 2007. SPOLM 2007 UMA ANÁLISE BAYESIANA DO PERFIL COR/RAÇA DOS INDIVÍDUOS QUE TEM CURSO SUPERIOR NO BRASIL Giovani Glaucio de Oliveira Costa Universidade

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - CURSO DE DOUTORADO - E D I T A L 2016

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - CURSO DE DOUTORADO - E D I T A L 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS - CURSO DE DOUTORADO - E D I T A L 2016 O Departamento de Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro torna pública a abertura das

Leia mais

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM

Circuitos de Comunicação. Prática 1: PWM Circuitos de Comunicação Prática 1: PWM Professor: Hélio Magalhães Grupo: Geraldo Gomes, Paulo José Nunes Recife, 04 de Maio de 2014 SUMÁRIO Resumo 3 Parte I PWM - Teoria 3 Geração do PWM 5 Parte II Prática

Leia mais

TESTES SOCIOMÉTRICOS

TESTES SOCIOMÉTRICOS TESTES SOCIOMÉTRICOS Docente: Mestre Mª João Marques da Silva Picão Oliveira TESTES SOCIOMÉTRICOS * O Teste Sociométrico ajuda-nos a avaliar o grau de integração duma criança/jovem no grupo; a descobrir

Leia mais

Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico

Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico Dislexia: dificuldades, características e diagnóstico Célia Regina Rodrigues 1, Cristina Magalhães 1, Edna Rodrigues 1, Flávia Sousa Pereira 1, Maria das Graças Andrade 1, Solange Silva 1, Olavo Egídio

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

MODELOS INTUITIVOS DE VIGAS VIERENDEEL PARA O ESTUDO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL QUANDO SUJEITAS A APLICAÇÃO DE CARREGAMENTOS

MODELOS INTUITIVOS DE VIGAS VIERENDEEL PARA O ESTUDO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL QUANDO SUJEITAS A APLICAÇÃO DE CARREGAMENTOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 266 MODELOS INTUITIVOS DE VIGAS VIERENDEEL PARA O ESTUDO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL QUANDO SUJEITAS A APLICAÇÃO DE CARREGAMENTOS

Leia mais

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa

Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa 1 Orientações para Inscrição do Grupo e Projeto de Pesquisa O primeiro passo é criar um login de acesso que será com um e-mail e uma senha única para o grupo. Ao entrar no ambiente de Inscrição e selecionar

Leia mais

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções...

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10 4 10. CPU (CENTRAL PROCESSOR UNIT) Como vimos no capítulo

Leia mais

Tipos de investigação educacional diferenciados por:

Tipos de investigação educacional diferenciados por: Bento Março 09 Tipos de investigação educacional diferenciados por: Praticalidade Básica Aplicada Método Qualitativo Quantitativo Experimental Não experimental Questões Etnográfica Histórica Descritiva

Leia mais

I. Descrição das ações de auditoria interna realizadas pela entidade durante o exercício de 2015:

I. Descrição das ações de auditoria interna realizadas pela entidade durante o exercício de 2015: I. Descrição das ações de auditoria interna realizadas pela entidade durante o exercício de 2015: Ação nº 1: Elaboração do Relatório Anual de Atividades de Auditoria Interna RAINT 2015, referente ao exercício

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan

BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan FACULDADE EVANGÉLICA CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: CONTABILIDADE AMBIENTAL E SOCIAL TURMA: 3º, 4º e 5º PERÍODOS BALANÇO PATRIMONIAL AMBIENTAL - EXERCÍCIO COMENTADO Prof Alan Considere os fatos contábeis

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

ÁREA: TURISMO AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO FLUXO DE TURISTAS PARA A ILHA GRANDE EM ANGRA DOS REIS - RJ

ÁREA: TURISMO AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO FLUXO DE TURISTAS PARA A ILHA GRANDE EM ANGRA DOS REIS - RJ ÁREA: TURISMO AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO FLUXO DE TURISTAS PARA A ILHA GRANDE EM ANGRA DOS REIS - RJ LOPES JÚNIOR, Wilson Martins 1 FONSECA, Tiago Boruchovitch 2 Introdução O presente projeto de pesquisa

Leia mais

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE ESPECIAL Engenharia de Software DIMENSÕES DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE SOFTWARE por Paulo Borba DECISÕES IMPORTANTES A SEREM TOMADAS NOS PROJETOS E NA CARREIRA DE UM PESQUISADOR EM ENGENHARIA DE SOFTWARE.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO.

UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. UTILIZAÇÃO DE SENSORES CAPACITIVOS PARA MEDIR UMIDADE DO SOLO. Silveira, Priscila Silva; Valner Brusamarello. Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Av. Osvaldo Aranha, 103 - CEP: 90035-190 Porto

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Credenciada pelo Decreto Estadual N 7.344, de 27.05.1998 EDITAL Nº 035/2009 PROGRAMA DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2014 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

M =C J, fórmula do montante

M =C J, fórmula do montante 1 Ciências Contábeis 8ª. Fase Profa. Dra. Cristiane Fernandes Matemática Financeira 1º Sem/2009 Unidade I Fundamentos A Matemática Financeira visa estudar o valor do dinheiro no tempo, nas aplicações e

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 15/98 EMENTA: Revoga a Resolução Nº 71/89 deste Conselho e estabelece normas sobre afastamento para Pós-Graduação no Brasil e no Exterior dos servidores da UFRPE. O Presidente do Conselho

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5

Manual do Revisor Oficial de Contas. Recomendação Técnica n.º 5 Recomendação Técnica n.º 5 Revisão de Demonstrações Financeiras Intercalares Janeiro de 1988 Índice Julho de 1993 (1ª Revisão) Parágrafos Introdução 1-3 Justificação 4-5 Objectivos 6-8 Recomendações 9-17

Leia mais

Gestão Documental. Gestão Documental

Gestão Documental. Gestão Documental Alcides Marques, 2007 Actualizado por Ricardo Matos em Junho de 2009 Neste capítulo pretende-se analisar a temática da, começando por apresentar um breve resumo dos conceitos subjacentes e apresentando

Leia mais

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine

Na trilha da confiança. 32 KPMG Business Magazine 32 KPMG Business Magazine Na trilha da confiança A preocupação das empresas com as boas práticas de governança corporativa aumenta a cada ano no Brasil e fortalece a relação com os investidores O mercado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS EDITAL 08/2011 PROEST A Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis - PROEST, da Universidade

Leia mais

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros?

O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? O comportamento recente da taxa real de juros no Brasil: existe espaço para uma queda maior da taxa de juros? José Luís Oreiro * O Banco Central do Brasil iniciou o recente ciclo de flexibilização da política

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE EDITAL Nº. 02 /2015/SES/CEFOR-PB

ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE EDITAL Nº. 02 /2015/SES/CEFOR-PB ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE EDITAL Nº. 02 /2015/SES/CEFOR-PB EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DESCENTRALIZADO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE A Escola Nacional

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1 ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ORIENTAÇÕES GERAIS Cada aluno deve elaborar seu relatório, mesmo que o trabalho esteja sendo desenvolvido em grupo. Os relatórios devem

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DEPARTAMENTO DE PESQUISA, ANÁLISE DE INFORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA NO BRASIL 1. Paulo Sergio Bretones (IG/UNICAMP e ISCA) Jorge Megid Neto (FE/UNICAMP)

TENDÊNCIAS DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA NO BRASIL 1. Paulo Sergio Bretones (IG/UNICAMP e ISCA) Jorge Megid Neto (FE/UNICAMP) 1 TENDÊNCIAS DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA NO BRASIL 1 Paulo Sergio Bretones (IG/UNICAMP e ISCA) Jorge Megid Neto (FE/UNICAMP) Resumo Apresentam-se os resultados de uma pesquisa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Abril 2016 2016 367 Prova 11º Ano de escolaridade (Decreto-Lei nº 139/2012, de 05 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535

FREGUESIA DE QUIAIOS NIPC 510 833 535 PROGRAMA DE HASTA PÚBLICA Para atribuição do direito de ocupação efetiva de natureza precária da loja n.º 4 no Mercado de Quiaios Artigo 1.º Identificação A loja objeto de hasta pública localiza-se no

Leia mais

REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CAPÍTULO I DA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS CAPÍTULO I DA SUBMISSÃO DE TRABALHOS REGULAMENTO PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS A Comissão Científica e a Comissão de Avaliação de Trabalhos estabelecem os critérios para a submissão de trabalhos científicos para o CONBRAN 2016.

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P.

ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P. ESCOLA ESTADUAL DR. MARTINHO MARQUES VERA LUCIA DOS SANTOS GIVANILZA ALVES DOS SANTOS MARIA APARECIDA CRIVELI SIRLEI R. C. DO P. VITORINO SÓLIDOS GEOMÉTRICOS E OS POLIEDROS DE PLATÃO TAQUARUSSU = MS AGOSTO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia da Pesquisa Aplicada a Educação I Carga Horária Semestral: 40 h Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) A natureza

Leia mais

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008

Manual Geral de Aplicação Universal Entrada 2008 Universal Entrada 2008 Programa Programa - Manual do Aplicador Teste Universal - 2008 Teste Cognitivo Leitura/Escrita e Matemática Caro alfabetizador(a): Se você está recebendo este material, é porque

Leia mais

SPED Contábil - Versão 3.1.9

SPED Contábil - Versão 3.1.9 SPED Contábil - Versão 3.1.9 A Escrituração Contábil Digital (ECD) é parte integrante do projeto SPED e tem por objetivo a substituição da escrituração em papel pela escrituração transmitida via arquivo,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) 1 EDITAL DE SELEÇÃO PARA MESTRADO 2016 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (UNIFEI) O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP) da Universidade Federal

Leia mais

Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico

Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Prova escrita e oral 2016 Prova 06 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais