COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA"

Transcrição

1 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV COMISSÃO NACIONAL DE SAÚDE AMBIENTAL CNSA Maria do Rosário Lira Castro

2 Medicina da Conservação e Saúde Ambiental

3 MEIO AMBIENTE - é tudo que nos rodeia, é o ambiente em que vivemos e do qual dependemos para nossa sobrevivência, é nossa casa, nosso planeta. Tudo que acontece com nosso meio ambiente terá repercussão direta sobre nossas vidas. CONSERVAÇÃO AMBIENTAL contempla o amor à natureza, aliado ao seu uso racional, ou seja, permite exploração de recursos naturais de forma racional. É o meio termo entre preservação ambiental e desenvolvimento econômico, sendo considerada como alicerce do desenvolvimento sustentável.

4 PRESERVAÇÃO AMBIENTAL protege a natureza, independente de seu valor econômico e/ou utilitário. Propõe a criação de santuários intocáveis, que não sofram interferências antrópicas.

5 PROTEÇÃO INTEGRAL Tipo Objetivo Acesso e uso Posse e domínio Estação ecológica Preservar a natureza Só para pesquisa e educação ambiental. Posse e domínio públicos, sem área privada em seus limites. Reserva biológica Proteger integralmente a área, salvo medidas de recuperação e manejo. Só para pesquisas e educação ambiental. Posse e domínio públicos. Parque nacional Monumento natural Preservar ecossistemas naturais de grande relevância ambiental e beleza cênica. Preservar sítios naturais raros, singulares ou de grande beleza cênica. Para pesquisas, educação e lazer; aberto ao público. Condicionado ao plano de manejo e regulamento da área. Posse e domínio públicos. Pode ser constituído por áreas particulares ou públicas. Refúgio de vida silvestre Proteger ambientes Acesso condicionado à naturais fundamentais autorização. para a existência ou a reprodução de espécies da flora e fauna. Pode ser constituído por áreas particulares ou públicas.

6 DE USO SUSTENTÁVEL Área de proteção ambiental Tipo Objetivo Acesso e uso Posse e domínio Proteger a diversidade biológica, disciplinar a ocupação e assegurar a sustentabilidade no uso dos recursos naturais. Geralmente em áreas extensas e com ocupação humana. Ocupação e exploração controladas. Constituída por terras publicas ou privadas. Área de rel evante proteção a mbiental Manter os ecossistemas naturais de importância local e regular seu uso, visando à conservação da Acesso e uso controlados pelos decretos de criação Constituída por terras públicas ou privadas. natureza. de cada unidade. Floresta nacional Reserva extrativista Promover o uso sustentável dos recursos florestais e a pesquisa, com ênfase na exploração sustentável de florestas nativas Proteger os meios de vida das populações nativas e assegurar o uso sustentável dos recursos naturais em área com pop ulações ext rativistas Atividades de pesquisa, educação, recreação e turismo. Acesso e uso controlados pelos decretos de criação de cada unidade. Posse e domínio públicos. Domínio público com uso concedido às populações ext rativist as. Reserva de fauna Proteger o habitat de populações animais de espécie nativa, ad equada para estu dos técni co-cientí ficos. Visitação permitida com caça proibida. Posse e domínio públicos. Reserva de desenvolvimento sustentáv el Preservar áreas com populações tradicionais, que vivam de sistemas sustentáveis de exploração dos recursos n aturais. Permitido. Posse e domínio públicos. Reservas particulares de patrimônio natural Preservar espaços de importância ambiental ou paisagística. Atividades de pesquisa, ecoturismo, recreação e educação.

7 ASPECTOS AMBIENTAIS são todos os eventos ambientais com potencial para gerar impactos. Aspectos ambientais estão relacionados à prevenção. IMPACTOS AMBIENTAIS são as ocorrências destes eventos ambientais gerando efeitos deletérios para o meio ambiente. Impactos ambientais estão relacionados a mitigação e correção. PREVENÇÃO importante campo de atuação do profissional de medicina veterinária.

8 Medicina da Conservação Primeira intervenção antrópica intencional no meio ambiente ocorreu a 700 mil anos atrás. Constantes impactos ambientais sobre toda variedade de recursos naturais geraram, na década de 1990, uma situação crítica com o surgimento de eventos epidemiológicos em diferentes regiões do planeta. Manutenção da saúde humana é dependente da manutenção da saúde dos ecossistemas. Excesso de gases de efeito estufa Intensificação do processo natural de aquecimento da Terra Alterações climáticas no Planeta Potencialização de eventos ambientais naturais Enchentes, secas, tempestades, furacões, ocorrências de doenças emergentes e reemergentes a nível global. A Medicina da Conservação é conhecida como a ciência para a crise ambiental, pesquisa a origem dos atuais eventos ambientais potencializados e a perda da diversidade biológica, planeja ações e políticas públicas ambientais voltadas à manutenção da saúde dos ecossistemas.

9 ECOSSISTEMA É um complexo dinâmico de comunidades vegetais, animais, de microrganismos e o seu meio inorgânico, que interagem como uma unidade funcional. Desta unidade funcional a espécie humana é auto dependente.

10 regulam a composição química da atmosfera e o clima; controlam a erosão do solo e a retenção de sedimentos e atuam sobre os processos de formação de solo; produzem alimentos e matérias-primas; absorvem e reciclam resíduos gerados por ação humana; regulam os fluxos hidrológicos e suprimento de água (retenção e estocagem); atuam sobre o ciclo de nutrientes e a polinização; fazem o controle biológico (regulando populações); são refúgios para populações residentes e migrantes; são fonte de recursos genéticos; ECOSSISTEMAS são fontes de recreação e cultura para a espécie humana. Fonte : Primeiro Relatório Nacional para a Conservação sobre Diversidade Biológica, Brasil, MMA 1998

11 Saúde Ambiental Saúde (OMS) é o estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença Saúde Ambiental objetiva descobrir, interpretar e integrar informações sobre problemas de saúde existentes, determinados por fatores ambientais. Diz respeito às circunstâncias e condições do meio ambiente que influenciam a saúde e o bem- estar da população humana. Segundo a Organi zação Mundial da Saúde (OMS), a Saúde Ambiental engloba os aspectos da saúde humana e das doenças que são determinados por fatores ambientais. A OMS criou uma nova área Desenvolvimento Sustentável e Ambientes Saudáveis na qual inclui a Saúde Ambiental.

12 Saúde Ambiental pesquisa analisa aspectos ambientais significativos Foco implanta ações preventivas e corretivas aquecimento global alterações climáticas perda de biodiversidade desmatamentos desertificações assoreamento de cursos d água poluição ambiental saneamento manejo de populações silvestres ocorrência de doenças emergentes e reemergentes avanço e crescimento de comunidades humanas sobre áreas naturais

13 Saúde Ambiental Tem como objetivo encontrar soluções para os problemas de saúde no seu aspecto mais amplo. Indica a necessidade de intervenções na área ambiental por técnicos de diferentes formações profissionais, capacitados para transpor os limites clássicos de seus conhecimentos acadêmicos à procura de soluções eficientes para minimizar ou corrigir impactos ambientais e principalmente para prevenir aspectos ambientais significativos. MAIS IMPORTANTE DO QUE REVERTER E CORRIGIR, É PREVENIR.

14

15 ASPECTOS AMBIENTAIS Análise Técnica Preliminar fragmentação de paisagens leva ao afastamento de populações da fauna e da flora; desmatamento altera e/ou destrói a cobertura vegetal protetora do solo, levando ao empobrecimento mineral e orgânico, aumenta a exposição do solo a intempéries com facilitação de processos erosivos, a perda de espécies vegetais nativas, raras ou endêmicas e a modificação da flora com aumento do efeito de borda nos fragmentos florestais ; facilitação para o surgimento de espécies generalistas ; prática de queimadas empobrece o solo;

16 grandes áreas desmatadas para implantação de monoculturas podem: tornar terras menos produtivas; contaminar o solo pelo uso indicriminado de fertilizantes, que podem infiltrar e atingir reservas e fontes de recargas subterrâneas de água; causar desequilíbrio nos ecossistemas, facilitando o aparecimento de pragas; poluir o solo, cursos d água superficiais e reservatórios subterrâneos, além de causar danos à espécie humana e à cadeia alimentar, por utilização indiscriminada de agrotóxicos.

17 desmatamento e consequente erosão de áreas extensas: diminuição de precipitações pluviométricas; assoreamento de cursos d água; alteração na movimentação dos ventos; alteração da temperatura média a nível local e até regional; potencialização para surgimento de áreas de desertificação.

18 alterações na dinâmica populacional da fauna, devido a: diminuição de populações pela perda de habitat s e mudança de nicho ecológico; aumento da predação; alterações na cadeia alimentar; afastamento entre populações; redução na migração da fauna; aumento na taxa de extinção local.

19 alteração na dinâmica populacional de vetores, hospedeiros e agentes infecciosos; facilidade de contato com populações humanas e de animais domésticos; criação de condições favoráveis para o surgimento de patologias diversas, inclusive zoonoses; fauna silvestre acometida por doenças tipicamente humanas ou de animais domésticos.

20 Como equilibrar desenvolvimento econômico e conservação de recursos naturais? Uso sustentável Recursos Naturais Cabe à equipe multidisciplinar que realizar a análise dos aspectos ambientais inerentes ao empreendimento as respostas relativas às ações a serem implantadas, ficando claro que a atuação interdisciplinar de profissionais é fator de suma importância em todos os processos ambientais.

21 Veterinária e Zootecnia e a Realidade do Mercado Ambiental Desconhecimento quanto às aptidões do médico veterinário e do zootecnista a nível ambiental. Necessidade de capacitação para legitimar qualificações e obter maior visibilidade frente à sociedade e neste mercado gerador de muitas oportunidades, porém de acesso ainda restrito à nossa classe. Existência de número insuficiente de profissionais capacitados para atuação no mercado ambiental.

22 O que fazer para aumentar nossa participação no mercado ambiental? conscientizar nossa classe quanto ao importante papel que devemos exercer frente às demandas imediatas e expectativas da sociedade relativas a eventos ambientais; qualificar o médico veterinário e o zootecnista, já na graduação, para atuação em condições de igualdade com os demais profissionais atuantes no mercado ambiental, estando legalmente constituído; implementar programas de educação continuada e cursos de pós graduação especializados na área; transpor os limites de conhecimentos de nossa formação acadêmica; unir a classe em torno de um ideal maior, lutando por nosso espaço, por maior visibilidade e reconhecimento de nossas qualificações no mercado ambiental.

23 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental O conhecimento da linguagem utilizada na área ambiental permitirá ao médico veterinário: entender melhor os processos ambientais; falar a mesma linguagem que os demais profissionais da área ambiental, estando capacitado para atuar nas equipes multidisciplinares; entender a importância da interdisciplinaridade no mercado ambiental.

24 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental BIODIVERSIDADE significa a variabilidade de organismos vivos de todas as origens (ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais eles fazem parte, compreendendo a diversidade dentro das espécies (diversidade genética), entre espécies (diversidade de espécies ou diversidade taxonômica) e de ecossistemas (diversidade ecológica ou funcional).

25 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental BIOMA é o conjunto de ecossistemas, por ex.: a Amazônia.

26 BIOMAS BRASILEIROS Fonte - IBAMA

27 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental HOT SPOT - são as áreas mais ricas e ameaçadas da terra, que contenham pelo menos 1500 espécies endêmicas de plantas e menos de 70% de sua vegetação original. Existem 34 hot spots no mundo, que cobrem 2,3% da superfície terrestre e abrigam 50% das plantas e 42% dos vertebrados conhecidos do planeta, sendo dois hot spots brasileiros, quais sejam a Mata Atlântica e o Cerrado. SUSTENTABILIDADE significa a utilização de componentes da diversidade biológica de modo e em ritmo tais que não levem a longo prazo a sua diminuição, mantendo assim seu potencial para atender as necessidades e aspirações das gerações presentes e futuras.

28 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental CORREDOR ECOLÓGICO OU CORREDOR DA BIODIVERSIDADE - um novo espaço de conservação, onde a vegetação linear conectará pelo menos duas manchas de vegetação que já foram unidas, servindo como um tampão, zona de amortecimento, filtro, habitat, condutor de fauna e flora, fonte e escoadouro de espécies, auxiliando na manutenção da biodiversidade local por facilitação na aproximação de populações para trocas genéticas. trocas

29 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental ASSOREAMENTO DE CURSOS D AGUA é um processo de elevação de uma superfície por deposição de sedimentos, decorrente de desmatamentos, principalmente de mata ciliar, podendo facilitar o extravasamento de água das calhas, causando enchentes.

30 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental MATA CILIAR é a mata que margeia cursos d água. A manutenção e recuperação de matas ciliares é importante para diminuição do assoreamento e manutenção da vida de cursos d água, como também para utilização como corredor ecológico, pois legalmente é área de preservação permanente, podendo ao longo do seu trajeto estabelecer conexões entre fragmentos florestais.

31 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental Áreas de Preservação Permanente (APP s) APP s são áreas protegidas por lei, de domínio público ou privado, cobertas ou não por vegetação nativa, com função de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem-estar das populações humanas. Algumas áreas definidas como APP s, conforme Resolução CONAMA n 303/ ao redor de nascente ou olho d água, ainda que intermitente, comraio mínimo de 50 metros; - margens de rios e cursos d água, em faixa com metragem mínima de 30 metros; - ao redor de lagoas e lagos naturais, em faixa mínima de 30 metros em área urbanas e 100 metros em áreas rurais, exceto os corpos d água com até 20 ha de superfície, cuja faixa marginal é de 50 metros; - topo de morros e montanhase nas linhas de cumeada; - encostas com declividade superior a 45 graus na linha de maior declive.

32 Modificações em APPs 21 anos 03 anos Largura da margem do rio APP Largura da margem do rio até 10 metros metros mais 200 metros APP deve estar 5 metros ½da largura 100 metros até 10 metros 30 metros metros 50 metros metros 100 metros metros 150 metros mais 200 metros 200m largura metros 100 metros metros 200 metros mais 600 metros 500 metros até 10 metros 30 metros metros 50 metros metros 100 metros Resolução CONAMA 303/ metros 200 metros mais 600 metros 500 metros CFMV/CNSA

33 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental RESERVA LEGAL ou RESERVA FLORESTAL LEGAL Conceito: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas, imprescindíveis para o desenvolvimento econômico, social e ambiental sustentável da propriedade rural; A Reserva Florestal Legal, é protegida pela Constituição da República. Portanto, a não ser por consentimento expresso da lei federal, nem o proprietário privado nem o Poder Executivo (quaisquer órgãos da Administração Pública) podem consentir na diminuição e na supressão da Reserva Florestal Legal (Art. 225, 1º, III da CR/88).

34 % de Reserva Legal na Propriedade 31 anos 24 anos 07 anos 06 anos % 20% NE/SE/S e sul do CO 50% N / norte do CO 20% Cerrado 20% Demais 50% N / norte MT 50% Cerrado NO/norte MT 80% N e norte MT 20% Demais 35% Cerrado na Amazônia 80% Amazônia 20% Demais (jamais foi implementada) (entre 1979 e 1985 a fronteira foi aberta)

35 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental DESERTIFICAÇÃO - é causada pelo empobrecimento de ecossistemas, em virtude de atividades predatórias do homem e em menor escala por mudanças naturais. O alastramento de área de desertificação não decorre somente da progressão natural dos desertos, resultado de alterações climáticas naturais e fenômenos tectônicos ao longo de milhares de anos, ele é provocado principalmente por ações antrópicas, podendo ser agravado pelo efeito estufa.

36 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental BURACO NA CAMADA DE OZÔNIO - é um buraco na camada de gás ozônio da alta atmosfera, que envolve e protege a terra da radiação ultravioleta do sol. OZÔNIO RUIM - é poluente secundário originado de smog fotoquímico. É o ozônio de baixa altitude e tóxico. OZÔNIO BOM - é o ozônio natural, é a camada de gás protetor que envolve a Terra, ocorrendo em grandes altitudes (entre 15 e 50 km acima do nível do mar). Este ozônio pode ser destruído pelos poluentes do ar, sendo o buraco nesta camada de ozônio, no pólo ártico, altamente preocupante.

37 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental AQUECIMENTO GLOBAL é o aumento da temperatura ambiente a nível global, conseqüente a exacerbação do efeito estufa. EFEITO ESTUFA NATURAL - é mecanismo importante para a manutenção da vida no planeta no qual a camada de gases da atmosfera que envolve o globo terrestre retém parte da radiação infravermelha que chega à Terra vinda do sol, refletindo somente o excesso desta radiação. EFEITO ESTUFA EXACERBADO há aumento na retenção de calor conseqüente à diminuição da reflexão da radiação infra vermelha, que ocorre pela maior concentração de gases poluentes na atmosfera. Leva ao aumento da temperatura ambiente e a mudanças climáticas a nível global, acarretando efeitos deletérios sobre a agricultura e áreas florestadas, viabilizando a ocorrência de enchentes, secas, pragas e doenças.

38 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental PRINCIPAIS GASES DE EFEITO ESTUFA: gás carbônico (CO2) - responsável por 76 % do efeito estufa, cujas fontes de emissão são a queima de combustíveis fósseis e as grandes queimadas de áreas florestadas; metano (CH4) com 13 % e óxido nitroso (N2O) com 6%, cujas fontes de emissão são as atividades agrícolas, mudanças no uso da terra e outras fontes; clorofluorcarbono (CFC) com 5%, é o gás de geladeira.

39 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental PROTOCOLO DE KYOTO - acordo nascido em dezembro de Determina que países desenvolvidos signatários reduzam suas emissões de gases de efeito estufa(gee) em 5,2% em média, relativas ao ano de 1990, entre 2008 e REDD - (redução de emissões por desmatamento e degradação) é um dos pontos mais avançados nas negociações climáticas internacionais, onde países ricos e pobres concordam que as florestas tem papel fundamental na redução de emissões globais de gases do efeito estufa.

40 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental FONTES DE ENERGIA LIMPA A energia eólica e a solar são fontes praticamente inesgotáveis, que não poluem e nem deixam resíduos no meio ambiente. ENERGIA SOLAR E EÓLICA - estes tipos de geração de energia não causam aumento de impactos ambientais (como as grandes hidrelétricas), não são perigosas (como a energia nuclear), não desmatam nem poluem o ar (como as termelétricas), substituem geradores a diesel, utilização de botijões de gás, diminuem o consumo de energia elétrica, sendo por isso formas de geração de energia sustentável, importantes matrizes do futuro. ENERGIA EÓLICA importante fonte de geração de energia em áreas onde há fluxo contínuo de ventos, como na região Nordeste do Brasil.

41 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental CONTAMINAÇÃO é a presença de substância estranha ao meio ambiente, por exemplo: presença de Hg em curso de água. POLUIÇÃO há mudança no meio ambiente detectável, com efeito deletério, por exemplo o acidente em plataforma de petróleo da BP (British Petroleum) no golfo do México.

42 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental AUDITORIA AMBIENTAL é um processo de avaliação da eficiência e viabilidade de um empreendimento. PLANO DE CONTINGÊNCIAS tem por objetivo ordenar de maneira clara e objetiva as atribuições e responsabilidades de cada órgão envolvido, de modo que, numa situação de emergência, não ocorra superposição de ações e comandos, permitindo que as decisões sejam tomadas em tempo hábil, para reduzir impactos ambientais. PASSIVO AMBIENTAL são efeitos deletérios ao meio ambiente consequentes de impactos ambientais, sendo de difícil ou impossível recuperação. Um exemplo de passivo ambiental conhecido internacionalmente foi a provável extinção da ararinha azul (Cyanopsitta spixii) que vivia na Caatinga, ao norte da Bahia.

43 Importância do Conhecimento da Linguagem Multidisciplinar no Mercado Ambiental FAUNA são populações de animais de espécies nativas, terrestres ou aquáticas, residentes ou migratórias. PAPEL DA FAUNA NOS ECOSSISTEMAS herbivoria, carnivoria, simbioses, moderadores de populações, transportadora de nutrientes, dispersão de sementes, condicionadores de solos e criadores de substratos, decompositores (detritívoros). ESPÉCIE GUARDA-CHUVA - é uma espécie que, para ser preservada, necessita que outros elos de sua cadeia alimentar também sejam preservados. CADEIA ALIMENTAR é uma seqüência de transferência de energia, de organismo para organismo, em forma de alimentação. É uma seqüência completa de alimentação em um ecossistema. ESPÉCIES BANDEIRA são aquelas com maior potencial de chamar a atenção do grande público, usadas normalmente como modelos a serem conservados ou como representantes da fauna a conservar.

44 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Arara canindé Ara ararauna

45 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Cachorro-do-mato-comum Cerdocyon thous

46 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Maracanã-do-buriti Primolius maracana

47 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Ouriço caxeiro Sphigurus villosus

48 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Papa pinto Pseustes sulphureus

49 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Preguiça Comum Bradypus variegatus

50 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Seriema Cariama cristata

51 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Sagüi Callithrix aurita CPRJ

52 Fauna silvestre brasileira... grande desconhecida da população Onça pintada Panthera onca Foto: Orlando Kissner

53 Para conservar é preciso primeiro conhecer... implementando pesquisas em Universidades e Instituições afins; implementando pesquisas a campo; implementando cursos especializados em instituições de ensino; multiplicando o conhecimento adquirido, através de programas de educação ambiental em todos os níveis (mais uma vertente importante de atuação para o médico veterinário).

54 Programas de educação ambiental permitirão que a sociedade em geral entenda que ao adquirir uma espécie silvestre poderá estar estimulando o tráfico nacional e internacional de animais silvestres, negócio ilegal altamente lucrativo, cotado como terceiro maior do mundo, só perdendo para o tráfico de drogas e de armas. O Brasil é cotado como um dos maiores fornecedores de animais silvestres para o restante do mundo. De cada 10 animais capturados geralmente somente um chega vivo ao consumidor. 60% dos animais comercializados ilegalmente são para consumo interno (tráfico doméstico) e 40% são para o tráfico internacional.

55 CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO DO MÉDICO VETERINÁRIO COM FAUNA SILVESTRE A CAMPO

56 Os profissionais de Medicina Veterinária e Zootecnia podem e devem colaborar para a melhoria da qualidade de vida em nosso planeta pois todos têm responsabilidade sobre o ônus moral, ambiental e econômico que nossa sociedade deixará para futuras gerações, se nada for feito para reverter o atual quadro de degradação ambiental, ou seja, o passivo ambiental que será deixado para gerações futuras.

57 Ninguém comete erro maior do que não fazer nada porque só pode fazer um pouco (Edmund Burke)

58 OBRIGADA! Contato CNSA SIA Trecho 6 - Lotes 130 e CEP Brasília-DF Fone: (61) Fax: (61) ou

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com

Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP. marciosuganuma@gmail.com Marcio S. Suganuma Escola de Engenharia de São Carlos EESC/ USP marciosuganuma@gmail.com Área de preservação permanente (artigos 2 o e 3 o ) Reserva Legal (artigos 16 e 44) Área de preservação permanente

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira

Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração. Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Funções Ecológicas das APPs e RL: O papel da restauração Flávio Bertin Gandara Renata Evangelista de Oliveira Silvicultura de Nativas (além da Restauração...) Silvicultura de Nativas Restauração Ecológica

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa.

O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O que é o Aquecimento Global? O Aquecimento Global se caracteriza pela modificação, intensificação do efeito estufa. O efeito estufa é um fenômeno natural e consiste na retenção de calor irradiado pela

Leia mais

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL

Educação Ambiental. Cartilha do Trabalhador. Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL Educação Ambiental Cartilha do Trabalhador Ferrovia de Integração Oeste Leste - FIOL 2 Introdução Esta cartilha foi elaborada pelo Programa de Educação Ambiental da Ferrovia de Integração Oeste Leste -

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC).

Zoneamento. No caso desse exercício, as UTBs de interesse são as Unidades de Conservação (ou UC). Zoneamento O Zoneamento é o instrumento de ordenação territorial usado para atingir melhores resultados no manejo de qualquer unidade territorial básica (UTB). No caso desse exercício, as UTBs de interesse

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO

Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO Aula 16 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO I Ocorre de maneira natural; Atividade humana; Década de 1970 preocupação com a biodiversidade e poluição; Esforço global... Substituir civilização

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP)

Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) Engenharia de Avaliações Aplicada Às Áreas de Preservação Permanente (APP). Engenharia de Avaliações Aplicada às Áreas de Preservação Permanente (APP) 1. Fundamento Legal das APPs: Constituição Federal

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos

Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Curso: Legislação Ambiental Aplicado a Implantação de Parques Eólicos Exercício Capítulo 5 Aluno: Vinicius Nóbrega De acordo com a imagem dos aerogeradores em ambiente litorâneo e o exemplo de um mapa

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

Noções de Cidadania. Profª Karin

Noções de Cidadania. Profª Karin Noções de Cidadania Profª Karin Meio Ambiente e Saúde Ecologia: estudo seres vivos, ambiente, solo, água, ar, animais e vegetais. Equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Avaliar as atitudes e consequências

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS

REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS REFLEXÕES SOBRE O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E SUAS IMPLICAÇÕES PRÁTICAS Dr. Sergius Gandolfi www.lerf.esalq. 22/03/2012 19:30 20:30h - São Carlos-SP Escola Paulista da Magistratura Laboratório de Ecologia

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 23 O CERRADO Como pode cair no enem? (UNESP) Leia. Imagens de satélite comprovam aumento da cobertura florestal no Paraná O constante monitoramento nas áreas em recuperação do

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

Indicadores MEB versão para consulta pública

Indicadores MEB versão para consulta pública MEB - Governança Política Indicadores MEB versão para consulta pública A fim de garantir que as questões relacionadas à biodiversidade estejam incorporadas aos processos de trabalho e às atitudes/comportamentos

Leia mais

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal

Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal Posicionamento sobre proposta de novo Código Florestal A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental, Seção São Paulo, entidade sem fins lucrativos de âmbito nacional que preconiza a defesa

Leia mais

I - os bens produzidos e proporcionados pelos ecossistemas, incluindo alimentos, água, combustíveis, fibras, recursos genéticos, medicinas naturais;

I - os bens produzidos e proporcionados pelos ecossistemas, incluindo alimentos, água, combustíveis, fibras, recursos genéticos, medicinas naturais; PL 00792/2007 Ementa: Dispõe sobre a definição de serviços ambientais e dá outras providências. Apensado a este os PL 1190/2007, PL 1667/2007 e PL 1920/2007 Foco: Compensação financeira por serviços ambientais.

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE

EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE EXERCÍCIOS ON LINE 6 ANO - 1 TRIMESTRE 1- Leia o texto e responda as questões Todos os animais, independentemente do seu estilo de vida, servem como fonte de alimento para outros seres vivos. Eles estão

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR

ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) - AR ECOLOGIA IMPACTOS ANTRÓPICOS (AR E ÁGUA) é uma das áreas da biologia que mais cai no ENEM, sendo que, dentro da ecologia, impactos ambientais são pontos bem cobrados. Nessa aula, iremos estudar alguns

Leia mais

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Professor: Cláudio Custódio www.espacogeografia.com.br Estocolmo 1972 -Desenvolvimento zero X Desenvolvimento a qualquer custo. - Desenvolvimento sustentável - Crise do petróleo Rio 1992 - Agenda 21 -

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 30 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E POLUIÇÃO DO AR C ( p f d o m r s a b c d e omo pode cair no enem ENEM) As cidades industrializadas produzem grandes proporções de gases como o

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - "Minas Gerais" - 18/02/2005)

Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005. (Publicação - Diário do Executivo - Minas Gerais - 18/02/2005) Page 1 of 10 Resolução SEMAD nº 318, de 15 de fevereiro de 2005 Disciplina o cadastramento das unidades de conservação da natureza e outras áreas protegidas, bem como a divulgação periódica das informações

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos

SOLO. Fragmentos de rochas. Matéria orgânica. Decomposição. Intemperismo. Água. fixação de raízes fonte de elementos químicos SOLO Fragmentos de rochas Matéria orgânica em + decomposição = SOLO Atividade vulcânica Intemperismo Decomposição Elementos minerais Água Matéria orgânica Ar Importância ambiental fixação de raízes fonte

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos

Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos BIOTA FAPESPeABECO ImpactodealteraçõesdoCódigoFlorestalnabiodiversidade v.30/10/2010 1 Impactos potenciais das alterações propostas para o Código Florestal Brasileiro na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

A importância do Cerrado

A importância do Cerrado A importância do Cerrado Quem vive no Cerrado mora em uma das regiões mais ricas em espécies de plantas e animais do mundo, muitas delas ainda desconhecidas pela ciência e que só existem ali. É ainda nas

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais