Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos"

Transcrição

1 V CONGED Congresso de Tecnologias para Gestão de Dados e Metadados do Cone Sul Gerenciamento de Processos de Negócio Usando Álgebra de Processos João Eduardo Ferreira Esta palestra é uma síntese dos trabalhos desenvolvidos no Laboratório de Banco de Dados do Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo. Em especial nesta palestra abordaremos resultados dos pesquisadores: Devanir Zuliani, Grace Borges, Kelly R. Braghetto, Marcio K. Oikawa e Pedro L. Takecian.

2 Agenda Contextualização - Motivação Histórico do Gerenciamento de Processos de Negócio (GPN) Exemplo Fundamentos para GPN: - BPMN e BPEL - Redes de Petri e - Álgebra de Processos - Padrões para Controle de fluxo Alternativa para Projetos de GPN Planos de Navegação e GPN Conclusão

3 Contextualização Cenário corporativo cada vez mais competitivo; Mudanças repentinas nas regras de negócio; Integração de Processos colaborativos para realizar cadeia de valor; Gestão por processos (visão horizontal) em contrapartida a gestão departamental (Visão vertical); Necessidades organizacionais voltadas para a qualidade, flexibilidade e eficiência dos processos de negócio; Customização de produtos para satisfazer consumidores específicos.

4 Motivação Necessidades de métodos, técnicas e ferramentas principalmente para apoiar o projeto dos processos de negócio; Diversas tecnologias como a Reengenharia, ERPs, entre outras, surgiram como apoio a automatização e gestão de processos de negócio. A principal crítica é quanto a falta de flexibilidade. Modelagem de processos como atividade fundamental para caracterizar, identificar e especificar os processos de negócio; abordagem formal X modelagem amigável em processos: necessidade de uma abordagem didática para construção de projetos conceituais de processos de negócio.

5 Motivação Necessidade de controle e execução confiáveis dos processos de negócio. Diversas tecnologias propostas, entretanto poucas tornam transparentes os fundamentos para os mecanismos de controle.

6 Histórico Antes dos anos 70. Processos produtivos baseados em pessoas e ferramentas de apoio;. Uso do computador era caro e complexo;. Automatização de trabalhos repetitivos;. Barateamento do custo total dos produtos;. Grande dificuldade em melhorar a coordenação de tarefas.

7 Histórico Nas décadas de 70 e 80. Skip Ellis, Anatol Holt e Michael Zisman;. Preocupação com a coordenação de tarefas;. Office Information Systems ;. No início, grande otimismo;. Fracasso na maioria das aplicações;. Estagnação.

8 Histórico Na década de 90. Interesse renovado;. Retomada das pesquisas;. Início dos Sistemas Gerenciadores de Workflow. Atualmente. Muitos produtos comerciais disponíveis;. Utilização restrita a setores específicos;. Existência de problemas conceituais:. Falta de padronização na modelagem de processos;. Rigidez imposta pelos sistemas.

9 Histórico Desafios atuais. Escolha da melhor fundamentação matemática;. Escolha da melhor linguagem para representação e execução de processos de negócio.

10 Exemplo - DECA Eletrônica da SEFAZ-SP DECA Eletrônica da SEFAZ-SP Sistema cadastral utilizado pela SEFAZ-SP para captar, armazenar e gerenciar os dados cadastrais das empresas contribuintes do ICMS; Possui características de processos colaborativos e gerenciamento de processos de negócio; O Posto Fiscal Eletrônico PFE é o portal por meio do qual a SEFAZ disponibiliza aos seus contribuintes e demais usuários todos os seus serviços operados de forma eletrônica; DECA Eletrônica efetua troca de informações com outros sistemas governamentais e ou privados como: JUCESP, CETESB, Vig. Sanitária e CRC; O Contribuinte não precisa apresentar nenhum documento comprobatório das informações prestadas; A partir da sua implantação que ocorreu em 2000 o tempo de uma abertura reduziu de meses para horas.

11 Exemplo - DECA Eletrônica da SEFAZ-SP Interfaces Off-line contribuintes JUCESP SP SEFAZ SP SRF Processamento da requisição detax_id (~ por mês) feitas manualmente tinham a duração de 20 dias.

12 Exemplo - DECA Eletrônica da SEFAZ-SP - Requisição usando serviço de interface Web; - Requisição navega por várias instituições. SRF JUCESP CETESB Controle centralizado Outros

13 Desafios subjacentes ao exemplo Processamento de requisição consiste em dois passos: Validação e verificação da requisição; Decisão para aprovar ou reprovar a requisição. Processamento de requisição é parte de: E-commerce Workflows científicos: aplicações em bioinformática para aquisição e análise de dados.

14 Desafios subjacentes ao exemplo Características: Representação concisa das regras de verificação e validação; Controle correto e execução eficiente do conjunto de regras e atividades; Integração com sistemas autônomos e heterogêneos; Variedade de requisições de serviços

15 Agenda Contextualização - Motivação Histórico do Gerenciamento de Processos de Negócio (GPN) Exemplo Fundamentos para GPN: - BPMN e BPEL - Redes de Petri e - Álgebra de Processos - Padrões para Controle de fluxo Alternativa para Projetos de GPN Planos de Navegação e GPN Conclusão

16 FUNDAMENTOS Gerenciamento de Processos de Negócio (GPN ou BPM) oferece uma das primeiras oportunidades reais para a separação de gerenciamento de negócios do gerenciamento de sistemas [DELPHI GROUP 2005] O GPN, por meio de suas linguagens de modelagem e execução de processos, apoiadas por padrões de controle de fluxo, possui um repositório capaz de representar, simular, executar e gerenciar processos de negócio.

17 FUNDAMENTOS PROCESSO DE NEGÓCIO (DEFINIÇÕES) Um processo de negócio é uma ordenação de atividades de trabalho utilizando tempo e espaço, com um início, um fim e um conjunto claramente definido de entradas e saídas [DAVENPORT 1994]. um conjunto de um ou mais procedimentos e de atividades ligadas, os quais coletivamente realizam um objetivo de negócio ou político, normalmente dentro de um contexto de uma estrutura organizacional, definindo papeis e relacionamentos funcionais [WfMC 1995]. uma seqüência de atividades que satisfazem as necessidades de um cliente externo ou interno [JURAN 1998]. Um processo de negócio é um conjunto completo e dinamicamente coordenado de atividades colaborativas e transacionais que gera valor aos clientes [SMITH, FINGAR, 2003].

18 FUNDAMENTOS Processos e instância Em todos os processos uma coisa tangível é produzida ou modificada, seja um objeto específico ou algo mais abstrato. AALST, HEE [2002] chamam essas coisas de uma instância. Uma instância possui a seguinte anatomia: Todas as instâncias possuem um início e um fim; Cada instância deve ser identificada univocamente; Cada instância envolve um processo de execução; Um processo consiste de um número de tarefas que precisam ser executas e um conjunto de condições que determinam a ordem das tarefas; Uma tarefa é uma unidade lógica de trabalho que é executada como um todo por um recurso; Um recurso é o nome genérico para uma pessoa, máquina ou grupo de pessoas ou máquinas que podem realizar tarefas específicas.

19 SÍNTESE DOS PADRÕES DE CONTROLE Padrão seqüência Relação de dependência Ponto de divisão de fluxo Passos em paralelo Ponto de Sincronização de fluxo i A B C D E f iteração Seleção Emprego de Padrões de controle de fluxo

20 FUNDAMENTOS O que é o BPM ou GPN? O GPN é um novo método e uma nova tecnologia para manipulação de processos [SMITH, FINGAR, 2003]; O GPN também pode ser compreendido por meio das seguintes características [DELPHI GROUP 2005]: Separar sistemas dos processos que eles apóiam; Orquestrar componentes abstratos de funcionalidades de aplicativos por meio de modelos de processos adaptáveis e dirigidos ao contexto; Prover a visibilidade e o feed-back necessário para alavancar a adaptabilidade oferecida pela orquestração de processo. O GPN cobre o ciclo-de-vida dos processos por meio da seguintes fases: projeto, implementação, execução e diagnóstico [AALST, HOFSTEDE, WESKE 2003]

21 FUNDAMENTOS Surgimento do BPM o BPM surgiu da convergência entre três tecnologias: Workflow, EAI (Enterprise Application Integration ) e Web [HOLLINGSWORTH 2004] Fonte: adaptada de [HOLLINGSWORTH. D et all, 2004]

22 FUNDAMENTOS Workflow Web EAI A automação de um processo de negócio, durante o qual documentos, informações ou tarefas são passadas de um participante a outro, de acordo com um conjunto de regras procedimentais [WfMC mod ref. 1003]. Nova base de infra-estrutura construída em torno dos protocolos de serviços e padrões como: HTTP, XML, SOAP, WSDL Web Services, paradigma emergente para arquiteturas e implementações de negócios colaborativos dentro e fora dos limites organizacionais. middleware ou software que fornece a infra-estrutura para conectar informação entre aplicações internas das organizações [PINKSTON. J 2004 pg, 48]. EAI enfatiza os aspectos de automatização transacional.

23 FUNDAMENTOS Visão geral de uma implementação de BPM Usuário Adm. Repositório de Metadados XML Integração WS Servidor de EAI Outros Outros API Toolkit Módulos do BPM Módulo de Projeto Gestão de Conteúdo Ambiente de Edição Monitoramento Visual do Processo Ambiente de Alertas Módulo de Workflow BAM Análise do Processo Desenho de Formulários Gestão de Registros Módulo de Execução Representar Processo Ambiente de Execução API Aplicações Corporativas Conteúdo Web Simulador ERP CRM SCM Conteúdo não Estruturado Telefonemas Fax Arq. Papel Áudio/Vídeo DB2 Oracle MS-SQL Adabas MySQL Bancos de Dados Empresariais Fonte: Identitech

24 FUNDAMENTOS CICLO DE VIDA DO WORKFLOW X BPM Fonte: [W.M.P. van der Aalst et al, 2003]. DIFERENÇAS ENTRE WORKFLOW e BPM Enfoque do gerenciamento de Workflow tradicional está na metade inferior do ciclo de vida do BPM. No workflow, a fase de projeto é limitado ao fornecimento de um editor, o apoio para análise e ao projeto não existe [AALST W.M.P. van der et al, 2003]

25 FUNDAMENTOS MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS A BPMN - Business Process Management Notation realiza a especificação do processo de negócio por meio de gráficos que representam a sua lógica e se utiliza de um Diagrama de Processo de Negócio (BPD-Business Process Diagram); A BPEL4WS - Business Process execution Language for Web Services é uma linguagem que utiliza o formato XML, é resultante da fusão das linguagens: Web Service Flow language (WSFL) desenvolvida pela IBM, e Web Service for Business Process Design (XLANG) desenvolvida pela Microsoft. BPMN BPEL4WS Arquivo Linguagem

26 FUNDAMENTOS Elementos de modelagem da notação BPMN Fluxo de objetos : Eventos, Atividades e Gateways; Objetos de conexão: Fluxo de seqüência, Fluxos de mensagem, Associação Raias : Piscinas e Pistas Artefatos P I S C I N A R A I A R A I A Fluxo de sequência Fluxo de mensagem Associação Evento Atividade Gatewey

27 FUNDAMENTOS Cronômetro Execução Cancelamento Compensação Regra Atalho Múltiplos Encerramento Subprocesso compactado Subprocesso Expandido Inicial Intermediário Final Tipos de eventos da BPMN Laço Instância Múltipla Ordem de Execução Compensação variada Tipos de Sub-processos da BPMN Exclusivo De cis ão/união E-Paralelo XOR-Baseado OU Inclusivo Complexo Bifurcação/ em Dados em Eventos Decisão/União Decisão/União Junção OU Tipos de Gateways Banco Pedido de autorização Resposta ao Pedido Tipos de fluxos Loja Fluxo de Sequência Fluxo de Sequência Condic ional Fluxo de Sequência por Definição (Defalt ) Exemplo com Gateway XOR Baseado em eventos Criar Lista Lista Tipos de Associação Lista Prod. Associação Associação Direcionada

28 FUNDAMENTOS Organizações que apóiam o Workflow e BPM WFMC Workflow Management Coalition, fundada em 1993 com a finalidade de promover a padronização na termologia de Workflow objetivando a interoperabilidade entre diferentes sistemas de workflow. Atualmente juntou-se a Object Management Group (OMG) XPDL - XML Process definition Language, é um padrão XML de descrição de regras de processos de negócio capitaneado pela WFMC. A versão 2.0 do XPDL, publicada em outubro de 2005, incorporou a notação da BPMN. BPMI - Business Processes Management Initiative, fundada em 2000, conta com cerca de 300 corporações como: IBM, Microsoft, BEA, Oracle, entre outras. Atualmente juntou-se a Organization for the Advancement of Structured Information Standards (OASIS) para da continuidade a BPEL4WS.

29 Fundamentos: Síntese BPEL Surgimento. Web Services Flow Language - WSFL (IBM);. Web Services for Business Process Design - XLANG (Microsoft);. Business Process Execution Language - BPEL. Versões. BPEL4WS1.0;. BPEL4WS1.1;. WS-BPEL 2.0.

30 Fundamentos: Síntese BPEL BPEL e serviços Web. Baseada em XML;. Utilizada no contexto de serviços Web; Serviço Web descrito por WSDL;. Interações por interfaces disponibilizadas pelos serviços;. Modular e composicional.

31 Fundamentos: Síntese BPEL Manipulação de dados. Objetivo de controlar o fluxo do processo;. Manipular dados das mensagens;. Tratamento de dados nos serviços web;. Provê funções limitadas;. Utiliza variáveis e expressões.

32 Fundamentos: Síntese BPEL União de dois paradigmas. WSFL: estrutura de grafos;. XLANG: estrutura hierárquica formada por blocos ;. BPEL: utiliza as duas abordagens. Atividades. Processo relaciona diversas atividades;. Duas categorias: básicas e estruturadas;. Básicas: ações atômicas do comportamento do processo;. Estruturadas: regras de comportamento e restrições.

33 Fundamentos: Síntese BPEL Atividades básicas Invoke: chamada a serviços; Receive: espera por mensagem; Reply: envia resposta; Wait: aguarda por um tempo; Assign: copia dados; Throw: sinaliza falha;

34 Fundamentos: Síntese BPEL Atividades básicas (cont.). Compensate: compensação de escopo;. Exit: finaliza instância;. Empty: ponto de sincronização;. Rethrow: lança falhas capturadas;. Validate: valida valores;. ExtensionActivity: define novas atividades.

35 Fundamentos: Síntese BPEL Atividades estruturadas. Sequence: seqüência de atividades;. Flow: atividades concorrentes;. Pick: pares evento-atividade;. While: repetição de atividade;. RepeatUntil: repetição de atividade;. Scope: agrupa atividades;. If : comportamento condicional;. ForEach: repetição de atividade.

36 Fundamentos: Síntese BPEL Processamento de um Pedido

37 Fundamentos: Síntese BPEL

38 Fundamentos: Síntese BPEL Cenário recente. Vários produtos de para gerenciamento de processos;. Várias linguagens de composição de serviços web;. Trabalho comparativo utilizando padrões de controle de fluxo. Conclusões. Linguagens de composição são mais expressivas;. Nenhuma linguagem mostra-se perfeita;. BPEL de fato representa união de padrões;. BPEL é a mais representativa.

39 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA critérios para escolha de ferramenta de BPM Critérios para escolha de ferramentas de BPM Com base em pesquisas realizadas com 900 empresas pertencentes a vários setores da economia pelo DELPHI GROUP [2003] Ambiente que permita apresentar e alterar as descrições gráficas dos processos e as especificações das regras de negócio, em tempo de execução do processo; Uma máquina de execução BPM (engine) que use as descrições dos processos para controlar a chamada manual ou automática de componentes de software; Um repositório de metadados do ambiente de BPM que possa armazenar informações sobre os processos e a sua execução; Um padrão aberto de linguagem que facilite o processamento de Web services; Uma interface de BAM para que gerentes possam obter informações sobre processos específicos administrados por eles; Habilidade para apoio à simulação de processos de negócio.

40 Agenda Contextualização - Motivação Histórico do Gerenciamento de Processos de Negócio (GPN) Exemplo Fundamentos para GPN: - BPMN e BPEL - Redes de Petri e - Álgebra de Processos - Padrões para Controle de fluxo Alternativa para Projetos de GPN Planos de Navegação e GPN Conclusão

41 Fundamentos: Redes de Petri Características: Técnica de especificação formal Possui representação gráfica Baseia-se em estados e não apenas em eventos Possui várias técnicas de análise do modelo

42 Fundamentos: Redes de Petri Componentes: Transições Lugares Arcos dirigidos Marcas Marcação Peso p1 t 2 M 0 = (3, 0) p2

43 Fundamentos: Redes de Petri Exemplo: Atendimento a reclamações pagar registrar Reclamação Sob avaliação Pronto enviar carta

44 Limitações: Fundamentos: Redes de Petri Apenas um tipo de marca Não diferencia recursos de um mesmo lugar Manipulações de dados representadas na estrutura da rede Modelos excessivamente grandes Redes de alto nível Redes de Petri Coloridas Redes de Petri Hierárquicas

45 Fundamentos: Redes de Petri Processo p Processo q Aq Bp 2 R Q1 Bq P2 Q2 Cp Dp P3 S Q3 Cq Dq Ep P4 P5 2 2 T 2 Q4 Q5 Eq Mais um processo?

46 Fundamentos: Redes de Petri Coloridas Características: Incorporam tipos de dados (conjuntos de cores) Pode utilizar decomposição hierárquica Permite redução do modelo Exemplo: Linha de manufatura

47 Fundamentos: Redes de Petri Coloridas Composta por: Estrutura: lugares, transições, arcos, marcas (textual) Declarações: conjuntos de cores e variáveis Inscrições Lugar: nome; conjunto de cores; marcação inicial; Transição: nome; expressão de guarda; Arco: expressão de arco;

48 Declaração cor U = com p q; cor I = int; cor P = produto U*I; cor V = com r s t; var x: U; var i: I; Fundamentos: Redes de Petri Coloridas 1 r + 3 s + 2 t Res V case x of p => 2 s + 2 t q => 2 s + 1 t 1 r + 1 s case x of p => 2 s q => 1 s if x = p then 1 t else empty if x = q then 1 r else empty t 3 (q, 0) P A (x, i) T1 2 (p, 0) (x, i) P B (x, i) T2 (x, i) P C (x, i) T3 (x, i) P D (x, i) T4 (x, i) P E (x, i) T5 if x = q then 1 (q, i + 1) else empty [x = q] if x = p then 1 (p, i + 1) else empty

49 Fundamentos: Álgebra de Processos Utilização. Representação textual;. Semântica formal;. Mecanismos de análise. Componentes básicos. Conjunto de ações;. Operador de composição seqüencial (. ): (a. b);. Operador de composição alternativa ( + ): (a + b);. Axiomas de equivalência de processos;. Regras de transição.

50 Fundamentos: Álgebra de Processos Axiomas de equivalência x + y = y + x ; x + x = x ; (x. y). z = x. (y. z) Processos bissimilares. Devem executar exatamente as mesmas cadeias ações;. Possuem a mesma estrutura de ramificação; z.(x + y) e z.x + z.y não são bissimilares.

51 Fundamentos: Álgebra de Processos Regras de Transição

52 Fundamentos: Álgebra de Processos

53 Fundamentos: Álgebra de Processos Máquina de café ou chá : M1 = c10. c10. c10. c10. C + c10. c10. C10.T M2 = c10. c10. c10. (c10.c + T)

54 Fundamentos: Álgebra de Processos Características favoráveis. Textual e composicional;. Fácil manipulação computacional;. Mecanismos de análise. Características desfavoráveis. Não tem representação explícita de estados;. Expressões de difícil compreensão.

55 Fundamentos: PADRÕES DE CONTROLE DE FLUXO Definição cada padrão descreve um problema no nosso ambiente e o núcleo da sua solução, de tal forma que você possa usar esta solução mais de um milhão de vezes, sem nunca fazê-lo da mesma maneira [GAMA. E. et all]. Objetivo O objetivo estabelecer critérios de comparações entre as diversas linguagens para especificação de controle de fluxos existentes no mercado, Contribuir para a modelagem de processos. categorias de padrões Os padrões estão separados em seis categorias: básicos de controle de fluxos; ramificação e sincronização avançadas; estruturais, múltiplas instâncias; baseados em estados; e padrões de cancelamento[w.m.p. van der Aalst, et all, 2000 pg 18-29].

56 PADRÕES DE CONTROLE DE FLUXO Padrão 1 Sequence Padrão 2 - Parallel Split Padrão 3 - Synchronization Padrão 4 - Exclusive Choice Padrão 5 - Simple Merge Padrão 6 - Multi Choice Padrão 7 - Synchronizing Merge Padrão 8 - Multi Merge Padrão 9 - Discriminator Padrão 10 - Arbitrary Cycles Padrão 11 - Implicit Termination Padrão 12 Mult.Inst.Without Synchronization Padrão 13 - Multiple Instances With a Priori Design Time Knowledge Padrão 14 - Multiple Instances With a Priori Runtime Knowledge Padrão 15 - Multiple Instances Without a Priori Runtime Knowledge Padrão 16 - Deferred Choice Padrão 17 - Interleaved Parallel Routing Padrão 18 - Milestone Padrão 19 - Cancel Activity Padrão 20 - Cancel Case

57 PADRÕES DE CONTROLE DE FLUXO

58 Agenda Contextualização - Motivação Histórico do Gerenciamento de Processos de Negócio (GPN) Exemplo Fundamentos para GPN: - BPMN e BPEL - Redes de Petri e - Álgebra de Processos - Padrões para Controle de fluxo Alternativa para Projetos de GPN Planos de Navegação e GPN Conclusão

59 Alternativa para projetos GPN Proposta das diretrizes para projetos conceituais Criar uma seqüência de fases que conduza a construção de Projetos conceituais de processos de negócio; Facilitar a identificação dos comportamentos relevantes que influenciam no direcionamento do fluxo de controle de processos de negócios; Ordenar e encadear o conjunto de atividades (passos de negócio) que compõe um processo de negócio Explorar com maior ênfase o trabalho de especialistas de negócio nas etapas iniciais de construção de projetos conceituais de workflow. Criar modelos amigáveis com semântica formal subjacente

60 Alternativa para projetos GPN As diretrizes se apóiam nos seguintes fundamentos: Estrutura de processo Na arquitetura do RiverFish [FERREIRA et all, 2005]; No plano navegação, [FERREIRA et all, 2006] para classificação de processos de negócio; Encadeamento e controle dos passos de negócio Nos mecanismos básicos para representação de fluxo de controle de processos de negócio como: seqüência, paralelismo, iteração e sincronismo de atividades, propostos por [AALST, HEE, 2002]; No conceito de precedência de atividades, apresentada por [AGRAWAL et all, 1997]; Nos Padrões de Controle de Fluxo propostos por [AALST, HOFSTEDE, WESKE, 2003]

61 Alternativa para projetos GPN Estrutura do processo usando o conceito de plano de navegação estrutura o processo de negócio Plano de Navegação SCC 2006.

62 Alternativa para projetos GPN Arquitetura RiverFish RiverFish é uma arquitetura para gerenciamento de processos de negócio, apresentada por FERREIRA et all [2005 a, 2005b]. Principais definições para da arquitetura RiverFish Definição 1: Ação Simples. Uma ação simples é um conjunto de ações atômicas compostas usando os operadores de seqüência e composição alternativa; Definição 2: Ponto de verificação. Um ponto de verificação é um conjunto de ações atômicas compostas usando regras restritivas e condicionais. Definição 3: Passo de Negócio. Um passo de negócio ou é uma ação simples ou um ponto de verificação Definição 4: Processo de Negócio. Um processo de negócio é um conjunto de passos de negócio compostos. Definição 5: Plano de Navegação. Um plano de navegação é um conjunto de todos os processos de negócio exigidos em uma aplicação para atingir o objetivo de negócio.

63 Alternativa para projetos GPN Unified Control Storing of data users x services x data db-ac Execution of the NP Instances s 1 s 2 check steps DB1 DB2 d 3 d 2 d 3 data quality is growing up db-np Request by form s 3 d 1 d 2 s n check steps d 1 db-ai -Navigation plans -Scheduler services Database monitor Iidentification Certification Authentication Characterization DB3 DB4 DBn Storing of data

64 Alternativa para projetos GPN Diretrizes para Projetos conceituais de GPN

65 Diretrizes para Projetos conceituais de workflow Fase 1 - Declarar e classificar os passos de negócio

66 Diretrizes para Projetos conceituais de workflow Fase 2 - Posicionar os passos do processo de negócio O passo E é acrescentado para atender ao mecanismo de ITERAÇÃO devido aos passos classificados como constraints.

67 Diretrizes para Projetos conceituais de workflow FASE 3 Relação de dependência entre passos do processo de negócio

68 Diretrizes para Projetos conceituais de workflow FASE 4 Modelar graficamente o fluxo de controle do processo de negócio Nesta fase, a proposta é usar apenas quatro elementos de modelagem Esta fase consiste em conectar os passos predecessores aos seus sucessores

69 Diretrizes para Projetos conceituais de workflow FASE 5 Declarar o comportamento dos pontos de divisão e sincronismos existentes no modelo construído. Primeiramente um rótulo deve ser criado para que cada um desses pontos possa ser declarado Projeto conceitual de workflow

70 Voltando ao Exemplo - DECA Eletrônica da SEFAZ-SP

71 Voltando ao Exemplo- DECA Eletrônica da SEFAZ-SP Projeto Conceitual GPN MODELO GRÁFICO DO WORKFLOW DA DECA ELETRÔNICA DA SEFAZ-SP S11 INICI O S S02 S03 S04 S05 S02 S03 S04 S S07 5 S09 S06 4 S10 8 S14 S15 7 S16 S17 R18 S S13 S19 S S22 S24 13 S21 S23 S25 S29 S33 S37 S26 S30 S34 S38 S27 S28 14 S31 S32 15 S35 S36 16 S39 S40 17 P41 S S43 S44 S45 S46 S49 S47 S S48 END S05 Legenda X = Rótulo Y...Z = Padrão X Y... Z

72 NPDL Linguagem para Planos de Navegação

73 NPDL Linguagem para Planos de Navegação

74 NPDL Linguagem para Planos de Navegação

75 NPDL Linguagem para Planos de Navegação

76 NPDL Linguagem para Planos de Navegação Deferred Choice Exclusive Choice SET P = A.(B + C) SET P = A.(%r B + %!r C) Simple Merge SET P = (%r A + %!r B).C

77 NPDL Linguagem para Planos de Navegação Multi-Choice SET P = A.(%r 1 (B C) + %!r 1 (%r 2 B + %!r 2 C))

78 NPDL Linguagem para Planos de Navegação Discriminator SET P = A.(%r 1 (B C) + %!r 1 (%r 2 B + %!r 2 C))^D

79 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

80 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

81 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

82 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

83 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

84 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

85 NPDL Linguagem para Planos de Navegação a1: client request order form (get_deca) a2: fill order form a3: send order form a4: State gov. non-approval a5: State gov. approval a6: Federal gov. non-approval a7: Federal gov. approval ag: continuation / resume a6 q4 a5 q3 a3 a31 q2 a2 q1 a1 q0 q7 a7 ag a4 ag q8 q5 Pget_DECA Pget_DECA = a1. a2. a3. ( (a5. (a7 + a6. ag)) + (a4. ag. (a7 + a6. ag )))

86 NPDL Linguagem para Planos de Navegação q7 a6 ag a11: get order form (ch_partners) q4 a7 q8 a8 q9 a21: fill order form a5 ag a9 ag a31: send order form a4: State gov. non-approval a3 q3 a31 a4 q5 q10 a5: State gov. approval q2 q2 a7: Federal gov. approval a2 a21 a8: finances non-approval q1 q1 a9: finances approval a1 a11 ag: continuation/resume q0 q0 Pget_DECA Pch_partners Pch_partners = a11. a21. a31. ( a5. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a4. ag. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a6. ag. ( a8. ag + a9))

87 NPDL Linguagem para Planos de Navegação q7 a6 ag a11: get order form (ch_partners) q4 a7 q8 a8 q9 a21: fill order form a5 ag a9 ag a31: send order form a4: State gov. non-approval a3 q3 a31 a4 q5 q10 a5: State gov. approval q2 q2 a7: Federal gov. approval a2 a21 a8: finances non-approval q1 q1 a9: finances approval a1 a11 ag: continuation/resume q0 q0 Pget_DECA Pch_partners Pch_partners = a11. a21. a31. ( a5. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a4. ag. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a6. ag. ( a8. ag + a9))

88 NPDL Linguagem para Planos de Navegação q7 a6 ag a11: get order form (ch_partners) q4 a7 q8 a8 q9 a21: fill order form a5 ag a9 ag a31: send order form a4: State gov. non-approval a3 q3 a31 a4 q5 q10 a5: State gov. approval q2 q2 a7: Federal gov. approval a2 a21 a8: finances non-approval q1 q1 a9: finances approval a1 a11 ag: continuation/resume q0 q0 Pget_DECA Pch_partners Pch_partners = a11. a21. a31. ( a5. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a4. ag. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a6. ag. ( a8. ag + a9))

89 NPDL Linguagem para Planos de Navegação q7 a6 ag a11: get order form (ch_partners) q4 a7 q8 a8 q9 a21: fill order form a5 ag a9 ag a31: send order form a4: State gov. non-approval a3 q3 a31 a4 q5 q10 a5: State gov. approval q2 q2 a7: Federal gov. approval a2 a21 a8: finances non-approval q1 q1 a9: finances approval a1 a11 ag: continuation/resume q0 q0 Pget_DECA Pch_partners Pch_partners = a11. a21. a31. ( a5. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a4. ag. ( a7. (a9 + a8. ag ) + a6. ag. (a8.ag + a9) ) + a6. ag. ( a8. ag + a9))

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br)

Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) DAS5316 - Integração de Sistemas Corporativos BPEL Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br)

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI

DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI DISSEMINAÇÃO DE CONHECIMENTO FERRAMENTA BIZAGI Harley Caixeta Seixas Márcia Lúcia Borges de Melo Gomes Roberta A. de Mello Bezerra Silvana Dias Soares FERRAMENTA BIZAGI BPMN Business Process Modeling Notation

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Business Process Integration Architecture

Business Process Integration Architecture Business Process Integration Architecture Definição, Motivações e Conceitos Base 3/2/2005 José Alves Marques 1 Processo de Negócio A modelação de processos está focada em: Criar e optimizar modelos de

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio

PROJELER. Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Otimização e Automação de Processos de Negócio Abril/2008 Solução de código aberto para gerenciamento de processos de negócio Maurício Bitencourt, PMP Diretor Executivo mauricio.bitencourt@projeler.com.br

Leia mais

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN

Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR. Business Process Modeling Notation BPMN Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Business Process Modeling Notation BPMN BPMN Business Process Modeling Notation A especificação da notação de modelagem

Leia mais

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.

Integração de Sistemas Corporativos DAS5316. BPM e BPMN. Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc. DAS5316 BPM e BPMN Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPM Introdução Definição Características Ciclo de vida Integração com

Leia mais

WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language

WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language DAS5316 WS-BPEL Web Service Business Process Execution Language Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC),

Leia mais

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos.

BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. BPMN: Identificando vantagens e desvantagens do uso desta ferramenta para modelagem de processos. Franciele da Costa Canello 1 RESUMO As organizações estão cada vez mais necessitando de sistemas que aliem

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1

BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BPM Definições e Contexto Prática Aula 1 BP Business Process Algumas definições sobre o que é Processos de Negócio (BP) Um processo é um fluxo coordenado e padronizado de atividades executadas por pessoas

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL

Combinação de serviços já existentes para criar um novo serviço. jcd@cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. cin.ufpe.br. Composição de Serviços Com WS-BPEL Introdução à Composição de serviços Web Júlio César Damasceno jcd@ Agenda Definição Motivação Background Arquitetura Orientada a Serviço (SOA) Computação Orientada a Serviço (SOC) Web Services Composição

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos

Tutorial de BPMN. Visão Geral. Escopo. Elementos Tutorial de BPMN Visão Geral É um padrão para modelagem de processos de negócio que fornece uma notação gráfica para especificação de processos de negócio em um DPN (Diagrama de Processo de Negócios).

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Guia de utilização da notação BPMN

Guia de utilização da notação BPMN 1 Guia de utilização da notação BPMN Agosto 2011 2 Sumário de Informações do Documento Documento: Guia_de_utilização_da_notação_BPMN.odt Número de páginas: 31 Versão Data Mudanças Autor 1.0 15/09/11 Criação

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR

UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR UTILIZAÇÃO DA TECNOLOGIA BPMS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSOS ADERENTES AO MODELO DO MPS.BR Karin Maria Sohnlein (UNISC) karin.sohnlein@gmail.com Rafael Bortolini (UNISC) rfbortolini@gmail.com Vinicius

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 01 LEVANTAMENTO, MODELAGEM

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS

PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS PADRÃO DE MODELAGEM DE PROCESSOS - 1 - Sumário 1. INTRODUÇÃO 6 2. BASE CONCEITUAL 7 3. DIAGRAMAS PARA GESTÃO DE PROCESSOS NO INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL 9 3.1. Cadeia de Valor

Leia mais

BPEL: Modelagem de Processos

BPEL: Modelagem de Processos BPEL: Modelagem de Processos Brauleyn Z. Nunes 1, Cesar R. de S. Junior 1, Elena D. Bastos 1, Munir C. K. de Moraes 1, Paola J. C. R. Goncalves 2, Roger T. 2 Instituto Metodista Granbery Faculdade Metodista

Leia mais

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI

TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. TRADUZINDO A DEFINIÇÃO DE PROCESSO EM XPDL PARA MODELOS EM REDES DE PETRI Rosemary Francisco (PUCPR) rmaryf@gmail.com Eduardo de Freitas Rocha Loures (PUCPR)

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação

FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA XPDL E BPEL. Tese de Mestrado. Mestrado em Sistemas de Informação ESCOLA DE ENGENHARIA FRANCISCO JOSÉ MENDES PEREIRA BUSINESS PROCESS MANAGEMENT PROPOSTA DE FRAMEWORK COMPARATIVA DAS TECNOLOGIAS XPDL E BPEL Tese de Mestrado Mestrado em Sistemas de Informação Trabalho

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

Curso de BPMN - II. Desenho de processo

Curso de BPMN - II. Desenho de processo Curso de BPMN - II Glauco Reis (gsrt@terra.com.br) é Consultor em Java e metodologias OO, e especializado em plataforma IBM. Têm o título de SCJP 1.1 e 1.4, SCJWCD 1.4, e IBM CSE e IBM Websphere Application

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO

REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA REALIZANDO PADRÕES DE WORKFLOW EM SISTEMAS BASEADOS EM COMPONENTES TRABALHO DE GRADUAÇÃO ALUNA: FLÁVIA LEITE

Leia mais

BPMN Business Process Modeling Notation

BPMN Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Business Process Modeling Notation Página 1 Objetivo O objetivo deste curso é apresentar os elementos da notação de modelagem de processos de negócio BPMN 1.1 (Business

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO SOBRE PADRÕES DE WORKFLOW E SUAS IMPLEMENTAÇÕES EM WORKFLOW MANAGEMENT

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br

BPMN. Business Process Modeling Notation. Outubro/2006. Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br BPMN Business Process Modeling Notation Outubro/2006 Rafael Bortolini rafael@cryo.com.br Cryo Technologies www.cryo.com.br 1 Agenda Introdução História Especificação Swinlanes Atividades Eventos Gateways

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões

Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões CRICIÚMA 2015 Mapeamento, Melhoria, Transformação e Operacionalidade de Processos e Decisões Maurício Bitencourt, CBPP Vice-presidente e co-fundador da ABPMP Brasil Criciúma, 16 de junho de 2015 http://mauriciobitencourt.com

Leia mais

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações.

- - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. - - flow é uma suíte de ferramentas de workflow que permite desenhar e automatizar os processos de negócio das organizações. Com Q-flow, uma organização pode tornar mais eficientes os processos que permitem

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática. Minicurso do SBSI 2012

Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática. Minicurso do SBSI 2012 Introdução ao Gerenciamento de Processos de Negócio e Inteligência Artificial na Bioinformática Minicurso do SBSI 2012 Dra. Lucinéia Heloisa Thom Dr. Ronnie Alves Roteiro Histórico da tecnologia de Workflow

Leia mais

Gestão de Processos de Negócios

Gestão de Processos de Negócios Gestão Operacional da TI Gestão de Processos de Negócios Business Process Management (BPM) Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Professor NOME: RÔMULO CÉSAR DIAS DE ANDRADE

Leia mais

Introdução à Bonita BPM

Introdução à Bonita BPM WHITE PAPER Introdução à Bonita BPM Como começar a usar o Bonita BPM para capturar um processo conceitual e transformá-lo em um diagrama de processo Charlotte Adams, Alexandre Bricout e Maria Picard, Bonitasoft

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos.

Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Gestão de Conteúdo web através de ontologias: conceitos e aplicações Fernando Silva Parreiras Contextualização O que? Uso de taxonomias na gestão de conteúdo de portais corporativos. Quem? Gerentes, consultores

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma

Oracle BPM 11g. Análise à Plataforma Oracle BPM 11g Análise à Plataforma Maio de 2010 Tive o privilégio de ser convidado a participar no "EMEA BPM 11g beta bootcamp" em Abril de 2010, no qual tive contacto mais próximo com a última versão

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN

AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO AUTOMATIZAÇÃO DE PROCESSOS EM APLICAÇÕES DE GESTÃO DE INCIDENTES UTILIZANDO BPMN Eduardo Leopoldino de Souza Prof. Cláudio Ratke, Orientador

Leia mais

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0

Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Treinamentos em Gestão por Processos Dominando o Mapeamento de Processos com BPMN 2.0 Representando processos de negócio com a notação mais poderosa do Mercado. BPMN (Business Process Model and Notation)

Leia mais

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012

Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 Renata Alves Campos (CoInfo) Sandra Maria Peron de Lima (DP) Março/2012 O que é um processo? Um processo é um grupo de atividades realizadas numa seqüência lógica com o objetivo de produzir um bem ou um

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI

BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI DAS5316 BPMN (Exemplos e Exercícios) e UDDI Prof. Ricardo J. Rabelo (rabelo@das.ufsc.br) Responsável pela elaboração dos slides Alexandre Perin (perin@das.ufsc.br) Florianópolis (SC), 2010. Roteiro BPMN

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I BPMN I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br 1 + Processo de Negócio 2 n Coleção de atividades relacionadas e estruturadas que produzem um serviço ou produto específico.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ANDERSON VALTRIANI SIQUEIRA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ANDERSON VALTRIANI SIQUEIRA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ANDERSON VALTRIANI SIQUEIRA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO São Paulo Dezembro / 2006 ANDERSON VALTRIANI SIQUEIRA MODELAGEM DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Monografia apresentada ao

Leia mais

Introdução à Modelagem e Execução de Workflows Científicos

Introdução à Modelagem e Execução de Workflows Científicos Introdução à Modelagem e Execução de Workflows Científicos Kelly R. Braghetto e Daniel Cordeiro Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo Jornadas

Leia mais

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13

Computação Orientada aos Serviços. WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Computação Orientada aos Serviços WF (parte 1) Semestre de Inverno 12/13 Workflow No desenvolvimento de software, o principal objectivo é resolver problemas reais de negócio. Normalmente parte-se a resolução

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation

BPMN. Business Process Modeling Notation BPMN Business Process Modeling Notation Montar viagem UML (diagrama de atividades) Montar viagem BPMN Tipos de diagrama 1) Private Business Process ou Diagramas de processos privados: usado quando não

Leia mais

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio

Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Artigo de Conclusão de curso sobre BPM - Gestão de Processo de Negócio Este é um artigo sobre BPM que merece destaque no Portal GSTI. No trabalho abaixo, de Francisco Sobreira Neto, é elaborado um apanhado

Leia mais

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager

IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5. Visão Geral do IBM Business Process Manager IBM Business Process Manager Versão 8 Release 5 Visão Geral do IBM Business Process Manager ii Visão Geral Manuais PDF e o Centro de Informações Os manuais PDF são fornecidos como uma conveniência para

Leia mais

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio

A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio A aplicação do BPM e as suas soluções na modelagem de processos de negócio Meire Helen Batista Dias Faculdade de Tecnologia da Zona Leste/FATEC-ZL São Paulo SP Brasil meirehelenbdias@bol.com.br Cristina

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

O desafio de uma visão mais ampla

O desafio de uma visão mais ampla com SAP NetWeaver BPM Descrição de Solução A competição acirrada tem levado as organizações a adotar novas disciplinas de gestão e empregar recursos tecnológicos avançados, a fim de atingir melhores índices

Leia mais

Uma Linguagem de Workflow Para Composição de Web Services - LCWS

Uma Linguagem de Workflow Para Composição de Web Services - LCWS Uma Linguagem de Workflow Para Composição de Web Services - LCWS Luiz Alexandre Hiane da S. Maciel 1, Edgar Toshiro Yano 1 1 Divisão de Pós-Graduação Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Praça Marechal

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g

Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g Introdução ao BPEL utilizando o Oracle SOA Suíte 10g 1. Introdução Neste artigo serão apresentados alguns conceitos inerentes a SOA Service Oriented Architecture e um exemplo prático de construção de processo

Leia mais

Definição de Processos de Workflow

Definição de Processos de Workflow Definição de Processos de Tiago Telecken Universidade Federal do Rio Grande do Sul telecken@inf.ufrgs.br Resumo Este artigo apresenta uma introdução a tecnologia de workflow informando noções básicas sobre

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga

Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil. Automação de Processos. Jones Madruga Liderança em idéias, métodos e resultados em BPM no Brasil Automação de Processos Jones Madruga Promover melhorias e inovações que efetivamente criam valor não é simples... Apresentação Ø Organização PRIVADA

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System

The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System The Architecture of a Mobile Emergency Plan Deployment System Fábio Meira de O. Dias, Marcelo Tílio M. Carvalho TecGraf PUC-Rio Tópicos Introdução Planos de emergência Linguagem de definição de planos

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais