Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático"

Transcrição

1 Redes de Distribuição de Conteúdos Enunciado do Trabalho Prático Este trabalho pretende familiarizar os alunos com as redes de distribuição de conteúdos. Para tal terão de implementar diversos componentes necessários ao funcionamento de uma rede de distribuição de conteúdos. Server Load Balancing com recurso ao NAT A primeira parte do trabalho pretende criar uma arquitectura de rede que permita fazer o balanceamento de carga entre dois servidores Web recorrendo aos mecanismos de NAT, visto que o objectivo é sempre a melhoria da performance numa primeira fase utilize dois servidores Web já existentes efectuar medidas de performance. Como ferramenta para medição da performance recomenda-se o uso o Apache Bench, que é fornecido em conjunto com o pacote do servidor http. Numa segunda fase como servidores de destino, instale o seu próprio servidor em 2 PCs do laboratório, pode inclusive fazer medidas de performance entre servidores diferentes, recomenda-se o uso do Apache, Lighttpd e Nginx, com uma aplicação Web em PHP instalada (por exemplo o Wordpress). Para uma primeira aproximação ao balanceamento de carga utilize um router Cisco 1700 ou 1800 onde irá configurar o NAT Inside de forma a fazer balanceamento de carga recorrendo a um mecanismo básico de round-robin. O acesso do cliente aos servidores passa a ser feito acedendo ao endereço IP do router (http://a.b.c.d).

2 Servidor Web 1 c/nat Servidor Web 2 Figura 1 SLB para servidores públicos já existentes Servidor Web 1 c/nat Servidor Web 2 Figura 2 SLB para servidores próprios No fim deverá obter as medidas e avaliar as diferenças de performance entre os diferentes cenários. Explore as capacidades do equipamento de forma a conseguir fazer o balanceamento de carga influenciado pelo estado dos servidores, também conhecido como IP Service Level Aggreements (IP SLA). Ver: 1f5c.shtml 0808d2b72.shtml Problemas Ao utilizar servidores públicos pode encontrar servidores que estejam suportados sobre virtual hosting, para tal é preciso influenciar o pedido para que o pedido HTTP seja feito para o nome

3 correcto e não para o endereço IP do router com NAT, para isso pode ter de manipular o ficheiro hosts ou criar um servidor de DNS especifico para o cliente. Webcache Ainda com os dois servidores Web, substitua o router que está a fazer NAT por uma outra máquina a correr um Proxy HTTP, teste com o Squid e o NGINX para verificar se existem diferenças. Meça as diferenças de performance com e sem webcache.

4 Anycast O objectivo deste ponto é criarmos um serviço que estará disponível por Anycast, para isso precisamos de criar nos diferentes servidores (um por grupo) uma interface dummy (dummy0) com o endereço IP que será posteriormente anunciada por OSPF para a rede do ISEL através do Quagga (terá de o instalar no servidor). Este servidor será inserido na rede de acordo com a figura seguinte: VLAN Y /24 Trunk VLANS DNS Forwarder Anycasted Eth0: Y Dummy0: /32 VLAN X/28 Figura 3 - Diagrama Anycast O switch utilizado será um Cisco 2950, com duas portas de Gigabit (uma delas a efectuar o trunk) e com 24 portas, de onde a VLAN 902 está nas portas 1 a 3 e a VLAN 903 nas portas 4 a 6. O switch já se encontra pré-configurado, caso não esteja a configuração é fornecida na aula. Para um teste inicial não é necessário nenhum serviço implementado, no final o objectivo é que o serviço Anycasted seja um DNS Forwarder e que os alunos demonstrem as funcionalidades e a redundância a funcionar. IP Multicast Intra-Domain Pretende-se que os alunos estudem o protocolo PIM, recorrendo à seguinte estrutura de rede VLAN Y /29 Rede Cliente Y / /24 Trunk VLANS VLAN Z /29 VLAN X /29 Rede Servidor X /29 Servidor Figura 4 Diagrama de rede para o IP Multicast

5 Numa primeira aproximação deve ser configurado o PIM-DM, e observar as mensagens a passar nas diferentes redes, de seguida deve ser configurado o PIM-SM em que o RP deve ser colocado no router que faz fronteira com a rede do laboratório, deve de seguida ser observada todas as trocas de mensagens bem como a troca entre a Shared Tree e a Source Tree. Ver: Após ter o PIM-SM correctamente configurado, active o suporte de PIM-SSM nos routers e utilize o VLC para confirmar o seu funcionamento. Observe as diferenças entre o PIM tradicional e o PIM-SSM. IP Multicast Inter-Domain A utilização de Anycast no Rendez-Vous Point do PIM-SM permite a que vários domínios IP Multicast partilhem entre si quais as diferentes fontes de tráfego Multicast existentes. Para isso deve ligar o seu domínio Multicast, definido no ponto anterior, à rede do laboratório e configurar o endereço IP como IP Anycast do Rendez-Vous Point. O protocolo utilizado para troca de fontes Multicast será o MSDP (Multicast Source Discovery Protocol). No final da montagem, para garantir o funcionamento correcto, um cliente no seu domínio IP Multicast deverá conseguir receber vídeo de uma fonte noutro domínio IP Multicast. Observe também a funcionalidade de IGMP Snopping a funcionar nos equipamentos de nível 2. Relatório No final do trabalho os alunos devem entregar ao docente um relatório resumido das configurações dos diferentes passos para colocar o trabalho a funcionar bem como os outputs que considerem necessários para demonstrar que atingiram os objectivos. Como outputs consideram-se: 1) SLB e Webcache Relatórios do Apache Bench 2) Anycast Outputs de traceroutes que demonstrem o anycast a funcionar 3) IP Multicast Diagrama temporal de mensagens PIM, IGMP e MSDP trocadas em cada um dos troços de rede.

Trabalho de laboratório sobre DHCP

Trabalho de laboratório sobre DHCP Trabalho de laboratório sobre DHCP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 21 a 25 de Novembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle

SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots. 1.2. - Controle SWITCH CORE 1.1. - Chassi/Slots 1.1.1. Deve possuir no mínimo 06 slots para inserção de módulos de I/O, ou seja, 06 além dos slots para supervisoras; 1.1.2. Deve vir acompanhado de kit de suporte específico

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 12 -MOSPFDifuso Inter-Domnio (MSDP, MBGP e BGMP) p.4. Optimização na procura por difusão MOSPF Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 12 - Extensões OSPF para difusão. Aplicação de difusão em grande escala. MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012)

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Instituto Superior de Engenharia de Lisboa ADEETC Tecnologias Avançadas de Redes Enunciado da 2ª parte do trabalho (semestre de vera o 2011/2012) Data limite de entrega do relatório do trabalho: 8 de Julho

Leia mais

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6

Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Barreiras e dificuldades na implementação do IPv6 Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Hotel Olissippo Oriente Lisboa, 19 de Maio de 2010 1 CONTEXTO IPL Escolas e serviços dispersos por

Leia mais

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE

Inter-Domain IP Multicast. Multicast Internet Exchange (MIX) Aula 11 BGMP) 2005-2006. Problema: Como expandir a arquitectura baseada no MBONE Aula 11 Difusão Inter-Domínio (PIM-SM// e ) Aplicação de difusão entre domínios. FCUL 2005-2006 Internet Exchange (MIX) Inter-Domain IP Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem

Leia mais

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas

Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Redes de Comunicações Móveis / Tecnologias de Redes de Comunicações / Segurança Informática em Redes e Sistemas Enunciado do Projecto Conjunto

Leia mais

Handson Policy Based Routing

Handson Policy Based Routing Handson Policy Based Routing Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição PBR Serial 0/0/0 10.0.0.1 /30 Protected Connection Serial 0/0/1 10.0.0.5 /30 Free Connection FastEthernet

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Complementos de Redes de Computadores

Complementos de Redes de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Complementos de Redes de Computadores Enunciado do trabalho - Semestre de Inverno

Leia mais

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos:

Formação em Redes de Computadores, composta pelos seguintes módulos: O grande crescimento da Internet e das tecnologias e serviços a ela associados, bem como a liberalização do mercado das telecomunicações, está a originar uma procura de profissionais na área das Tecnologias

Leia mais

Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server

Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server Caciano Machado, Éverton Foscarini, Fernando Macedo 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Centro de Processamento de Dados

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação

Firewall e Proxy. Relatório do Trabalho Prático nº 2. Segurança em Sistemas de Comunicação Segurança em Sistemas de Comunicação Relatório do Trabalho Prático nº 2 Firewall e Proxy Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 07.11.2006

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Actividade 3: Configuração de VLANs

Actividade 3: Configuração de VLANs Actividade 3: Configuração de VLANs Gestão de Sistemas e Redes 1. Introdução As VLANs operam no nível 2 e permitem segmentar as redes locais em múltiplos domínios de difusão. Isto pode ser feito de forma

Leia mais

Alta Disponibilidade na IPBRICK

Alta Disponibilidade na IPBRICK Alta Disponibilidade na IPBRICK IPBRICK International 5 de Dezembro de 2012 1 Conteúdo 1 Introdução 3 1.1 Vantagens.................................... 3 2 Requisitos HA 4 3 Configuração HA 4 3.1 Serviço

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre ARP

Trabalho de laboratório sobre ARP Trabalho de laboratório sobre ARP Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC - Tagus Park Semana de 3 a 7 de Dezembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Interligação e Gestão de Sistemas Informáticos 2006/2007 Interface WEB para Gestão de Máquinas Virtuais

Leia mais

Conectando à malha multicast da RNP

Conectando à malha multicast da RNP Conectando à malha multicast da RNP Laboratório - SCI 2003 Raniery Pontes Outubro 2003 2003 RNP SCI 2003 Laboratório multicast Objetivo Demonstrar os mecanismos para conexão de clientes acadêmicos à malha

Leia mais

03.01 IP Multicast Introdução

03.01 IP Multicast Introdução 03.01 IP Multicast Introdução Fonte: Cisco RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Introdução Porquê Multicast? Quando se envia os mesmos dados a múltiplos receptores Melhor utilização da largura de banda disponível Menor

Leia mais

Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server. Caciano Machado Everton Foscarini Fernando Macedo

Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server. Caciano Machado Everton Foscarini Fernando Macedo Implementação de um balanceador de carga utilizando o Linux Virtual Server Caciano Machado Everton Foscarini Fernando Macedo Roteiro Conceitos básicos Problemas/Motivações Alternativas estudadas Arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

Aula Prática Roteador

Aula Prática Roteador Aula Prática Roteador INTRODUÇÃO Os roteadores são os equipamentos empregados na função de interconexão das redes como, por exemplo, redes IP. Diferentes redes IPs enviam suas informações/tráfego por meio

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre DNS

Trabalho de laboratório sobre DNS Trabalho de laboratório sobre DNS Redes de Computadores I - 2006/2007 LEIC - Tagus Park Semana de 2 a 6 de Outubro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade

Livro de Ponto Automático e Controlo de Assiduidade Instituto Superior Politécnico Gaya Disciplina de Seminário Engenharia Informática 2006/2007 cms@ispgaya.pt spss@ispgaya.pt Manual de administração e Controlo de Assiduidade Outubro de 2007 Índice Introdução...

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados

Protocolos em Redes de Dados GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Fichas de laboratório: OSPF Hugo Miranda e Luís Rodrigues DI-FCUL GU PRD 02 2 Março 2002 Departamento de Informática Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa

Leia mais

Trabalho de laboratório sobre ARP

Trabalho de laboratório sobre ARP Trabalho de laboratório sobre ARP Redes de Computadores I - 2005/2006 LEIC - Tagus Park Semana de 5 a 9 de Dezembro 1 Introdução O objectivo desta aula é a familiarização com conceitos básicos do protocolo

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1

GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados. Ficha de Laboratório nº 1 GUIÃO DE Protocolos em Redes de Dados Ficha de Laboratório nº 1 Bruno Simões, Paulo Sousa, Fernando Vicente, Nuno Neves, Luís Rodrigues e Hugo Miranda DI-FCUL GU PRD 02 1 Março 2002 Departamento de Informática

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP

Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (MSDP, MBGP e BGMP) 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Multicast entre-domínios MSDP Aula 12 MOSPF Difusão Inter-Domínio (, e ) FCUL 2004-2005 Aplicação de difusão entro domínios. Internet Exchange (MIX) Pontos onde fornecedores de serviço com suporte para multicast podem trocar tráfego

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos 1ª chamada, 9 de Janeiro de 2009 1º Semestre, 2009/2010 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento

LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento LANs Virtuais Comutação e Encaminhamento 1. Introdução Neste trabalho são utilizados dois tipos de dispositivos activos usados em LANs: Comutadores de nível 2 Layer 2 LAN switches Comutadores com capacidade

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Network Address Translation NAT Rui Prior 2006/07 (adap. Pedro Brandão) 1 Objectivo / Motivação Escassez de endereços IPs Pequenas / médias empresas com ligação dial-up, ADSL ou cabo

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Encaminhamento interior OSPF

Encaminhamento interior OSPF Encaminhamento interior OSPF (terceiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Topologia genérica (OSPF e BGP) Objectivo e descrição sumária Os

Leia mais

Nome do estudante:...

Nome do estudante:... Nome do estudante:... Escreva o nome no cabeçalho de todas as folhas de exame que entregar; Apresente as respostas na sua folha de exame segundo a ordem correspondente do enunciado; Leia atentamente o

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais

Segurança em Sistemas de Informação. Agenda. Conceitos Iniciais Segurança em Sistemas de Informação Agenda 1. Conceitos Iniciais; 2. Terminologia; 3. Como funcionam; 4. : 1. Cache; 2. Proxy reverso; 5. Exemplos de Ferramentas; 6. Hands on; 7. Referências; 2 Conceitos

Leia mais

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede

Relató rió. Gestão de equipamento activo de rede Relató rió INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Gestão de equipamento activo de rede Trabalho realizado por: Tiago Conceição Nº 11903 Tiago Maques Nº 11904 Paulo Martins

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas

Segurança Informática e nas Organizações. Guiões das Aulas Práticas Segurança Informática e nas Organizações Guiões das Aulas Práticas João Paulo Barraca 1 e Hélder Gomes 2 1 Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática 2 Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução

Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução Guia de Laboratório de Redes 1º Laboratório: Introdução Objectivos (1) Estudo dos protocolos: DHCP, ARP e DNS (2) Familiarização com os utilitários: ipconfig, ping, arp, nslookup e wireshark 1 Objectivo

Leia mais

Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS

Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS Apoio à compatibilização do IPv6 em instituições de Ensino Superior ligadas à RCTS Instituto Politécnico de Lisboa (IPL) Pedro Ribeiro Lisboa, Pequeno Auditório do LNEC 15/12/09 1 BARREIRAS ANTERIORES

Leia mais

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte II

FormaçãoIPv6-RCTS. Componente Prática Parte II FormaçãoIPv6-RCTS Componente Prática Parte II Parte II Gestão, Encaminhamento, Segurança, Aplicações e Transição Prática #1 Fazer Login via SSH na respectiva VMx e transferir por FTP primeiro em IPv4 e

Leia mais

Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS.

Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS. Capítulo 4 TCP/IP FIREWALLS. O que é uma firewall? É um router entre uma rede privada e uma rede pública que filtra o tráfego com base num conjunto de regras. GRS - Capitulo 4 1/1 Arquitecturas de redes

Leia mais

Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP

Nuno Cruz <ncruz@net.ipl.pt> Infra-Estrutura VoIP Nuno Cruz Infra-Estrutura VoIP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Semana Informática 2007 Cronologia Setembro 2002 Primeira aproximação ao VoIP no ISEL, relacionado com um Projecto

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch

VLANs and IP networks. 1. Computadores ligados ao Switch LAB-VLANs 1 VLANs and IP networks Manuel P. Ricardo João Neves Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto LAB-VLANs 2 1. Computadores ligados ao Switch Bancada x, computador y Computadores gnuxy

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Administração de Sistemas 2008/2009 (Trabalho de Administração de Sistemas) Docente: Armando Ventura

Administração de Sistemas 2008/2009 (Trabalho de Administração de Sistemas) Docente: Armando Ventura Administração de Sistemas 2008/2009 (Trabalho de Administração de Sistemas) Docente: Armando Ventura Introdução Pretende-se com este trabalho que os alunos criem alguma autonomia na implementação de alguns

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica

Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Uso de Bridges Linux no Controle de Tráfego entre Sub Redes em Uma Mesma Rede Lógica Ricardo Kléber M. Galvão (rk@ufrn.br) http://naris.info.ufrn.br Núcleo de Atendimento e Resposta a Incidentes de Segurança

Leia mais

VLAN (Virtual Local Area Network)

VLAN (Virtual Local Area Network) ISEP - Administração de Sistemas 2007/2008 1/6 VLAN (Virtual Local Area Network) É um grupo de dispositivos de rede no mesmo domínio de broadcast Segmenta de uma forma lógica em contraste com a segmentação

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1)

Handson Cisco IOS VPN. (Guião CE1) Handson Cisco IOS VPN (Guião CE1) Esquema de Rede Esquema Endereçamento Nome Interface IP Máscara Descrição CE1 Serial 0/0/0 191.18.24.2 255.255.255.252 Ligação Service Provider FastEthernet 0/0 192.168.1.1

Leia mais

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server

Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Especificação da Appliance + SO CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server Versão: 1.05 Data: 2010-12-15 Appliance CAMES.GT 1 ÍNDICE A Apresentação da Appliance CAMES - CAixa Mágica Enterprise Server B Características

Leia mais

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto

MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS. Especificação do Projecto MERC 2010/11 RCM/TRC/SIRS Especificação do Projecto Grupo nº: 9 Turno (e campus): Taguspark Nome Número Luís Silva 68672 Ivo Marcelino 70684 José Lucas 70685 Nome do Projecto Enterprise Digital Content

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga

Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Agregação de enlace ethernet e balanceamento de carga Sobre LAG na terminologia ethernet: Agregação de enlace (link aggregation), balanceamento de carga (load balancing), ligação de enlace (link bonding)

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP

Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Protocolos em Redes de Dados 2000-2001 Ficha de Laboratório Número 4 BGP Luís Pires e Luís Rodrigues 12 de Dezembro de 2000 Agradecimento Os encaminhadores utilizados neste trabalho foram amavelmente cedidos

Leia mais

Administração de Redes 2014/15. Network Address Translation (NAT)

Administração de Redes 2014/15. Network Address Translation (NAT) Administração de Redes 2014/15 Network Address Translation () 1 Motivação Escassez de endereços IP motivação original Nem todas as máquinas de uma rede necessitam de acesso ao exterior (e.g., impressoras)

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Linux Administração. Sobre o curso. Destinatários. Redes e Sistemas - Sistemas Operativos

Linux Administração. Sobre o curso. Destinatários. Redes e Sistemas - Sistemas Operativos Linux Administração Redes e Sistemas - Sistemas Operativos Localidade: Braga Data: 08 Aug 2016 Preço: 1050 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes ) Horário:

Leia mais

Trabalho de VLANs e Redes IP

Trabalho de VLANs e Redes IP Trabalho de VLANs e Redes IP FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2008/09 José Ruela Bancada de trabalho Configuração inicial Inicialmente todos os computadores gnuxy devem estar configurados na mesma

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Total de Horas (a) (Ciclo de Formação) Componente de Formação Sociocultural Português

Leia mais

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1

02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 02.01 Taxinomia das CDNs RDC/ISEL-DEETC-SRT 1 Taxinomia? Taxinomia = classificação científica; nomenclatura das classificações; O que é necessário para a criação de uma CDN? Como fazer a distribuição e

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo Autoconfiguração Maputo 26 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga Autoconfiguração Agenda/Índice Autoconfiguração sem estados Autoconfiguração com estados Autoconfiguração sem

Leia mais

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP

Projecto Para Uma Rede de Acesso e Core de Um ISP Universidade do Minho Mestrado em Engenharia Informática Tecnologias e Protocolos de Infraestrutura Projecto Integrado - TRAC/RCSFM Tecnologias de Redes de Acesso e Core Redes de Comunicações sem Fios

Leia mais

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento

3.1.2 Protocolos e informação de encaminhamento 1- Introdução 1 1.1 Desafios da administração de redes 1.2 Objectivos do livro e abordagem utilizada 1.3 Organização do presente texto 2 - As Actuais Infra-Estruturas De Rede 7 2.1 Introdução 2.2 Tecnologias

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

Sobre a licença Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. No caso de criação de obras derivadas, os logotipos do CGI.br, NIC.br, IPv6.br e

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal

Licenciatura em Eng.ª Informática Redes de Computadores - 2º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 1 - Ethereal 1. Objectivos do Trabalho Trabalho Nº 1 - Ethereal Tomar conhecimento com um analisador de pacotes o Ethereal Realizar capturas de pacotes e analisá-los o TCP / UDP o IP o Ethernet o HTTP / DNS 2. Ambiente

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento

Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador. Viva o momento Vodafone ADSL Station Manual de Utilizador Viva o momento 3 4 5 5 6 6 7 8 9 12 12 14 16 17 18 19 20 21 22 22 23 23 24 24 24 25 26 27 Ligar o Router LEDs Configuração do Router Aceder à ferramenta de configuração

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos

Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico. Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Guia de Laboratório de Gestão de Redes e Sistemas Dsitribuídos Teresa Maria Sá Ferreira Vazão Vasques LERCI LEIC Versão 3.0 Setembro de 2005 Conteúdo

Leia mais

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF

Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF Guia de Laboratório de Redes Encaminhamento OSPF 1 Introdução Este trabalho tem como objectivo familiarizar os alunos com os protocolos de encaminhamento dinâmico RIP e OSPF e a utilização de rotas estáticas.

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais