Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo"

Transcrição

1 Analise Comparativa de Manejo e Sistemas de Irrigação Geraldo Antonio Ferreguetti Engenheiro Agrônomo Presidente da SEEA Sociedade Espiritossantense de Engenheiros Agrônomos

2 Sumario Crise hídrica Vilões da crise Importância da irrigação no ES Manejo de irrigação Avaliação de sistemas de irrigação Conclusões

3 Crise hídrica no ES BH Histórico Def. 210mm BH 2015 Def. 685mm

4 REGIÃO NORTE São Mateus ETP Média 1420 mm Prec. Média mm 500 Metade da ETP Média -710 mm 0 Balanço Hídrico Anual em São Mateus de 1947 a anos.

5 litros de água Quem são os vilões da crise hídrica? Pegada Hidrica da Humanidade - FAO 120,00 100,00 100,00 80,00 70,00 60,00 40,00 20,00 19,00 11,00 - Agropecuaria Industria População TOTAL Uso da água

6 Consumo consuntivo baixo

7 Importância da Irrigação Fonte Revendas /SEAG /INCAPER /Outros Proporcionalmente somos o estado que mais utiliza irrigação no Brasil (DADALTO, SEAG/INCAPER)

8 Importância da Irrigação Dardengo, M.C.J.D

9 Manejo da Irrigação Aplicação de água e nutrientes nos instantes fisiológicos que a planta necessita e as reservas de água no solo são insuficientes para atender suas necessidades

10 Manejo da Irrigação Fórmula básica do consumo de água pela cultura: ETc = ETo. Kc onde: ETc: evapotranspiração da cultura (mm/dia) ETo: evapotranspiração de referência (mm/dia) Kc: coeficiente de cultura (Doorenbos & Kassam, 1979):

11 Elementos do Manejo Et0 fornecida em função de dados do clima; Kc em função da fisiologia da planta Considerando: - Capacidade do solo da armazenar água; - Fornecimento de água irrigação/precipitação; - Capacidade da planta de retirar água do solo Gotejamento - Kl coeficiente de localização em função do equipamento

12 Calculo da Et0 Método Heargreaves & Samani A Et0 é calculada pela fórmula: Et0 = x Q o x (T max T min ) 0.5 x (T med ) Onde: Et0 = evapotranspiração de referencia - mm Q o = irradiação solar extraterrestre, expressam em mm de evaporação equivalente.

13 Calculo da Et0 Método Heargreaves & Samani A Et0 é calculada pela fórmula: Et0 = x Q o x (T max T min ) 0.5 x (T med ) Onde: Et0 = evapotranspiração de referencia - mm Q o = irradiação solar extraterrestre, expressam em mm de evaporação equivalente.

14 Calculo da Et0 Método Heargreaves & Samani Calculo da Eto - Município de Linhares - Hargreaves & Samani Meses Latitude Hem. Sul 19 30'00" t C max t C min t C med Eto Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

15 Calculo da Et0 Tanque Classe A A Et0 é calculada pela fórmula: Et0 = Evt x Kt Onde: Et0 = evapotranspiração de referencia - mm Evt = evaporação do tanque. Kt = Coeficiente do tanque

16 Calculo da Et0 Tanque Classe A A Et0 é calculada pela fórmula: Et0 = Evt x Kt Onde: Et0 = evapotranspiração de referencia - mm Evt = evaporação do tanque. Kt = Coeficiente do tanque

17 Calculo do Kc - Método do Lisimetro Kc UC-01 - Marinho, A.B, 2007

18 Lamina de Irrigação Et mm Kc 1.20 Lamina liquida 5.61mm Eficiência do gotejamento 95% Lamina bruta de irrigação 5.90 mm Para atender o momento de maior necessidade da cultura A irrigação é projetada para atender o pico da demanda, daí a necessidade do manejo => economia de água e energia, defensivos agrícolas, adubos e etc...

19 Manejo da Irrigação por Gotejamento Etc = Et0 x Kc => 5.61 mm => 95% eficiência => 5.90mm Sistemas de irrigação por gotejamento => determinar o efeito da localização Etc = Et0 x Kc x Kl Kl coeficiente de localização do equipamento

20 Coeficiente de localização Modelo proposto por Keller (1978):Kl = x PAS ou PAM Modelo proposto por Ferreres (1981): - PAM ou PAS > 60% - Kl = 1 - PAM ou PAS de 20 a 65% - Kl = x PAS ou PAM PAM ou PAS de 0 a 20% - Kl = PAM ou PAS Modelo proposto por Keller & Bliesner (1990): Kl = 0.1 x (PAM ou PAS) 1/2 Modelo Proposto por Bernardo (1998): Kl = PAM ou PAS PAM ou PAS Percentagem de área molhada ou sombreada

21 Coeficiente de localização Autor Kl Keller 0.58 Ferreres 0.85 Keller & Bliesner 0.71 Bernardo 0.50 Em mamão hoje na Caliman usamos Keller

22 PAS - % de área sombreada

23 Taxa de aplicação do gotejador Taxa de aplicação mm/h litros de água/m2 Tubogotejador 1.6 l/h 0.50 m x 0.50 m Txa mm/h = 4.8 l /5.4 m2 = 0.89mm/h

24 Taxa de aplicação do gotejador Autor Kl taxa de aplicação mm/h taxa de aplicação localizada - mm/h Keller Ferreres Keller & Bliesner Bernardo

25 Tempo de operação do sistema Autor Kl taxa de aplicação mm/h taxa de aplicação localizada - mm/h lamina bruta - mm tempo de operação - horas Keller Ferreres Keller & Bliesner Bernardo

26 Capacidade de armazenamento de água no solo Dados obtidos em analises laboratoriais

27 Capacidade de armazenamento de água no solo CC - % PMP - % DAP g/cm3 CTA cm3/cm2 l/m2 mm Profundidade das raízes m CTA Capacidade de Armazenamento Total

28 Capacidade de armazenamento de água no solo Fator de disponibilidade em função da capacidade da planta de extrair água do solo

29 Manejo da Irrigação IRRIGAMETRO TANQUE CLASSE A ESTAÇOES METEREOLOGICAS COMPACTAS TENSIOMETRIA

30 Manejo da Irrigação Uso da tensiometria em papaya

31 Taxa fotossintética líquida (g.co 2.H -1 ) FFF ( mol.m -2.s -1 ) 7:00 AM 8:00 AM 9:00 AM 10:00 AM 11:00 AM 12:00 PM 1:00 PM 2:00 PM 3:00 PM 4:00 PM 5:00 PM g de H2O h-1 Condições climáticas 1.600, , , ,00 800,00 600,00 400,00 200, l de H 2 O.dia -1 y = x R² = horas 14 FFF g CO 2 planta -1 dia :00 9:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 Hora do dia 8:00 9:00 10:00 11:00 12:00 13:00 14:00 15:00 16:00 17:00 Hora do dia

32 Manejo de Irrigação

33 Manejo da irrigação

34 Qual o sistema de irrigação ideal?

35 Avaliação de sistemas de irrigação Sistemas de irrigação mal projetados e/ou mal operados determinam danos expressivos aos recursos naturais

36 Fatores a serem analisados: Recursos Hídricos; Topografia; Solo Clima; Culturas Aspectos econômicos Aspectos humanos

37 Dimensionamento do Projeto Área de 40 ha

38 Projetos dos diferentes métodos na mesma área Pivô central Microaspersão Gotejamento Convencional

39 Área irrigada efetivamente

40 PAS - % de área sombreada

41

42 17.3 l 18.3 l 18.1 l L => l => 59% de redução

43 Consumo de água Sistemas de Irrigação PAM (**) Eficiencia (***) Consumo de agua - l/s/há Relação (%) Aspersão Convencional % 77.00% % Pivô Central com Pendural % 91.46% % Micoraspersão 87.77% 90.00% % Gotejamento (*) 55.22% 95.00% % (*) - PAM medida em café com 05 anos (**) Porcentagem de área molhada (***) Referencias de Eficiência: Autores SALASSIER, Aspersão Convencional MANTOVANI., 2006 Coeficiente de localização - Kl baseado no modelo de Keller Kl= ( * PAM ou PAS) PAM ou PAS(%) Sistema de irrigação PAS / PAM Kl Pivo Central com Pendural Micoraspersão Gotejamento ZOCOLER et all.,2012 NETAFIM NETAFIM Convencional Pivô Micro-aspersão Gotejamento

44 Comentários sobre os diferentes métodos Sistema de irrigação Culturas intercalares ou com características especiais (*) Qualidade da água Custo de implantação Pequenas áreas Mão de Obra e Controle Fitossanitário e Plantas Daninhas Nutrição e Manejo de Irrigação Aspersão convencional Sim Interfere pouco R$ 3 a 5 mil/há Sim ++ Convencional Pivô central Sim Interfere pouco Microaspersão Sim/Não Interfere Gotejamento Não Interfere muito R$ 8 a 10 mil/há R$ 6 a 8 mil/há R$ 7 a 9 mil/ha Não + Convencional Sim + ou - Convencional Sim - Fertirrigação (*) banana, culturas anuais e etc... (**) produtividade e beneficio/custo

45 % 44.88%

46 Conclusões Cadastro de usuários; Organização dos produtores ; Equipe técnica com qualidade x quantidade; com treinamentos de técnicos e gestores; Estudos sobre novos parâmetros físico- hídricos; Melhoria na remuneração dos quadros técnicos de órgãos municipais e estaduais; Pesquisa => culturas de sequeiro (café) Vontade política fortalecimento político e econômico dos CBH; Compromisso ambiental.

47 CONSIDERAÇÕES FINAIS MUITA CAUTELA MUITO CONHECIMENTO MUITA ORGANIZAÇÃO POLITICA MUITA ÉTICA

48 Pessoas éticas tem amigos, os não éticos têm cumplices. Obrigado

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos

IRRIGAÇÃO. Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Importância e Aspectos Técnicos IRRIGAÇÃO Breve histórico Povos antigos Egito (Rio Nilo) Mesopotâmia (Rios Tigre e Eufrates) Índia (Rio Indo) Século XX Estados Unidos Israel IRRIGAÇÃO Situação

Leia mais

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires -

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires - Produção de Folhosas sem desperdício de água Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento Regina Célia de Matos Pires - IAC Campinas, 10 agosto de 2016 Economia de água - importância População mundial

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Métodos de irrigação onde a água é aplicada ao solo diretamente sobre a região radicular, em pequena intensidade, porém com

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE IRRIGAÇÃO Francisco Fernandes da Costa Eng o. Agr o, M.Sc. em Irrigação e Drenagem; Projetar Irrigação LTDA, Av. Monsenhor Ângelo Sampaio, 56302-290, Petrolina-PE, fone (87) 3864.4010. E-mail:

Leia mais

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA

DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO - PPGIC DISCIPLINAS CRÉDITOS CH MATRIZ CURRICULAR CARACTERÍSTICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO GERÊNCIA DE PÓSGRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO NO CERRADO DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM IRRIGAÇÃO

Leia mais

Irrigação de Fruteiras

Irrigação de Fruteiras Fruticultura Geral Irrigação de Fruteiras Alessandra Alves Rodrigues DCR / FAPESQ / CNPq Prof a Railene Hérica Carlos Rocha UAGRA / CCTA / UFCG Introdução Definição de irrigação: é a aplicação artificial

Leia mais

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical Produção de Uvas no Brasil Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52%

Leia mais

Capítulo VIII Irrigação

Capítulo VIII Irrigação Capítulo VIII Irrigação Eugênio Ferreira Coelho Édio Luiz da Costa Antônio Heriberto de Castro Teixeira Em qualquer região do Brasil há riscos de ocorrência de déficit de água no solo nos períodos secos,

Leia mais

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I CCA 039 - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Centro/Setor: Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas Núcleo de Engenharia de Água e Solo NEAS Professores: Prof. Dr. Vital Pedro

Leia mais

Seleção do Irrigâmetro

Seleção do Irrigâmetro Capítulo 2 Seleção do Irrigâmetro Este capítulo trata dos procedimentos para indicação dos modelos de réguas de Manejo, Temporal e Percentual do Irrigâmetro, incluindo diversos exemplos. A sua leitura

Leia mais

Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central)

Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central) Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central) Prof. Rubens Duarte Coelho ESALQ - USP Piracicaba / SP 2015 Departamento de Engenharia

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos

Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos Práticas conservacionistas e sua importância para os recursos hídricos IX Simpósio de Pesquisa dos cafés do Brasil Curitiba, 24 a 26 de junho de 2015 Resumo Desafios da agricultura; Água disponível e utilizada

Leia mais

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO RESENDE, B.P.M.C. 1 ; SANTANA, M.J. de 2 ; SILVEIRA, A.L. da 3 ; TAVARES, W.A. 1 ; BARRETO, A.C. 2 ; CRUZ, O.C. 2 1 Estudante de Tecnologia de Irrigação e Drenagem

Leia mais

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02

Prof o. LER IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 Prof o LER 1571 - IRRIGAÇÃO Dr. Marcos Vinícius Folegatti Aula 02 LER - 1571 Irrigação DISPONIBILIDADE DE RECURSOS HÍDRICOS E DESENVOLVIMENTO DA IRRIGAÇÃO Marcos Vinícius Folegatti DISTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS

Leia mais

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE

XXV CONIRD Congresso Nacional de Irrigação e Drenagem 08 a 13 de novembro de 2015, UFS - São Cristóvão/SE Avaliação do manejo de irrigação em pivô central na Região Oeste da Bahia 1 S. O. Dayube 2, M. L. de Jesus 3, S. B. A. Viana 4, L. M. de Araújo Junior 5, J. Silva 6, S. B. da S. Paranhos 7 RESUMO: O desempenho

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS

VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS VIABILIDADE ECONÔMICA DA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DO PÊSSEGO NA SERRA GAÚCHA, RS R.O.C. MONTEIRO 1 ; A. ZANON 2 ; O. ANZOLIN 2 ; L.F.P. ORTIZ 2 RESUMO: O cultivo do pêssego é uma das atividades agrícolas de

Leia mais

Sistema Móvel de Apoio a Decisão para Manejo de Irrigação

Sistema Móvel de Apoio a Decisão para Manejo de Irrigação Sistema Móvel de Apoio a Decisão para Manejo de Irrigação Aricelio S. Fernandes 1, Henrique F. Oliveira 2 1 Núcleo de Informática Instituto Federal no Norte de Minas Gerais (IFNMG) ariceliodesouza@gmail.com,

Leia mais

Operação do Irrigâmetro

Operação do Irrigâmetro Capítulo 4 Operação do Irrigâmetro Preparação da água de abastecimento Adicionar cinco litros de água filtrada em um balde e acrescentar apenas uma pitada de sulfato de cobre, misturando o suficiente para

Leia mais

Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado

Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado Coeficientes de cultura e evapotranspiração da cultura do alho irrigado Márcio José de Santana, Bruno Phelipe M. da Cunha Resende, Othon Carlos da Cruz, Amanda Letícia da Silveira Eng. Agrônomo, Dr. Engenharia

Leia mais

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012

Consultoria em Irrigação e Fertirrigação. 3ª Reunião do GIC. Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 3ª Reunião do GIC Ribeirão Preto-SP, 18 de Setembro de 2012 Acionamento de motores elétricos em sistemas de irrigação via Inversor de Frequência e Qualidade na Aplicação e Operação de Sistema Carretel

Leia mais

Circular. Técnica. Irrigação de Fruteiras por Microaspersão. Introdução. Autor ISSN

Circular. Técnica. Irrigação de Fruteiras por Microaspersão. Introdução. Autor ISSN 49 Irrigação de Fruteiras por Microaspersão ISSN 1808-6810 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Setembro, 2004 Autor Marcos Antônio Fonseca Conceição, Eng. Civil, Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA IRRIGAÇÃO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA IRRIGAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA IRRIGAÇÃO Antônio Carlos Coutinho Engº Agrônomo CEMIG Distribuição S/A Rua Afonso Rato, 1301 CEP 38060-040 Uberaba-MG acco@cemig.com.br 1 - INTRODUÇÃO A irrigação como um segmento

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Plantas Oleaginosas Aumento no uso dos óleos vegetais para a produção de biodiesel. Políticas de incentivo ao cultivo. Necessidade de farelos

Leia mais

IRRIGAÇÃO NA CULTURA DA CANA

IRRIGAÇÃO NA CULTURA DA CANA IRRIGAÇÃO NA CULTURA DA CANA Discentes: Andrews Molnar Alcalde Nádia Maria Poloni Gabriel Otávio Di Santi Pinheiro Docente: Prof. Dr. Fernando Braz Tangerino Hernandez Panorama do setor canavieiro brasileiro

Leia mais

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO

NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA Centro de Ciências Agrárias, Biológicas e Ambientais NÚCLEO DE ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO Vital Pedro da Silva Paz vpspaz@ufba.br Francisco A. C. Pereira pereiras@ufba.br

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO

EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO EFEITO DE DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NO CRESCIMENTO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO Adilson Rodrigues Soares 1 ; Everardo Chartuni Mantovani 2 ; Antônio Alves Soares 3 ; Maurício Bernardes Coelho 4 ; Alemar

Leia mais

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Tanque para evaporaçao Classe A Varejao-Silva, 2005 1-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 1.1 Introdução 1.2 Método de Thornthwaite, 1945 1.3 Conclusão 1.4 Bibliografia e livros

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

II SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA

II SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA II SIMPÓSIO DE CITRICULTURA IRRIGADA TÓPICOS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS ÁREAS DE CITRUS IRRIGADAS NO ESTADO DE SÃO PAULO Eng. Agr. Danilo José Fanelli Luchiari M.S. Recursos Hídricos e Saneamento

Leia mais

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA

MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA MÉTODOS DE MANEJO DA IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DA ALFACE AMERICANA VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BIULCHI, P.A. 2 ; VASCONCELOS, R.F. 3 1 Estudante de Agronomia do CEFET Uberaba MG, bolsista FAPEMIG, e-mail:

Leia mais

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global

XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO Eficiência nas cadeias produtivas e o abastecimento global Fatores de correção para a evapotranspiração de referência estimada para uso no software IrrigaFácil Paulo

Leia mais

Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros

Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros 38⁰ Semana de Citricultura Centro de Citricultura Sylvio Moreira Bases para Uso Mais Eficiente de Nutrientes pelos Citros Fernando Zambrosi Cordeirópolis - SP 07 de Junho 2016 Instituto Agronômico Centro

Leia mais

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO

OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO OS MÉTODOS DE IRRIGAÇÃO ASPERSÃO Convencionais Mecanizados MICROIRRIGAÇÃO Gotejamento Microaspersão SUPERFÍCIE Sulcos Faixas Inundação QUAL O MELHOR SISTEMA DE IRRIGAÇÃO? Não existe um único sistema de

Leia mais

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL

SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL SISTEMA DE IRRIGAÇÃO EFICIENTE POR PIVÔ CENTRAL Definição da Problemática Necessidade de produzir mais alimentos X Restrição para ampliar a área plantada Como Resolver o Impasse? Investimento em pesquisa

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

! "# $% "# $ &' & ( ' ) ( * ) ( * ) ( + )

! # $% # $ &' & ( ' ) ( * ) ( * ) ( + ) !! "# $ $% "# #$ $ &'()*()+ - CONTEXTO TÉCNICO; T - A IMPORTÂNCIA DA CITRICULTURA PARA O BRASIL E O TAMANHO DO PARQUE CITRÍCOLA; COLA; - A NECESSIDADE DA IRRIGAÇÃO NA CITRICULTURA, PLANEJAMENTO MACRO ESTRATÉGICO

Leia mais

1 de 6 16/11/ :54

1 de 6 16/11/ :54 1 de 6 16/11/2016 09:54 a Esqueceu a senha? Quero me cadastrar 16/11/2016 Palavra-chave Busca Avançada 05/11/2016 V Silvania Weekend - Gir Leiteiro Caçapava - SP 08/11/2016 IV Congresso Brasileiro de Recursos

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

Gerenciamento da irrigação e fertirrigação em pequenas propriedades rurais do município de Monte Alto - SP

Gerenciamento da irrigação e fertirrigação em pequenas propriedades rurais do município de Monte Alto - SP Gerenciamento da irrigação e fertirrigação em pequenas propriedades rurais do município de Monte Alto - SP Rafael G. Chioda, Luiz F. Palaretti, Antonio B. Neto, Alexandre B. Dalri, Rogério T. de Faria,

Leia mais

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA, CULTIVAR CATUAÍ, SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO.

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA, CULTIVAR CATUAÍ, SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO. FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ ARÁBICA, CULTIVAR CATUAÍ, SOB DIFERENTES LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO. Marcelo G. e SILVA 1 E mail: mgsilva@uenf.br, Elias F. de SOUSA 1, Salassier BERNARDO 1, Maurício C. R. GOMES 2,

Leia mais

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo.

Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições normais de pressão (pressão relativa = 0) e sobre a superfície do solo. 7 POTENCIAIS DE ÁGUA NO SOLO Potencial de água no solo define o estado de energia em que a água se encontra no solo em relação a um potencial padrão Padrão: água pura isenta de sais, submetida a condições

Leia mais

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA 4 DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DO SOLO PARA AS PLANTAS CONCEITO MODERNO toda vez que o fluxo de água do solo para a raiz é de uma intensidade tal que supre a demanda de água

Leia mais

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d

Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d Avaliação do sistema de irrigação por aspersão via catch3d João Paulo Chaves Couto 1, Antônio Ramos Cavalcante 1, Neilon Duarte da Silva 1, Tatyana Keyty de Souza Borges 2 Resumo: A uniformidade de aplicação

Leia mais

Dow Packaging & Specialty Plastics Irrigação localizada e FINGERPRINT :

Dow Packaging & Specialty Plastics Irrigação localizada e FINGERPRINT : Irrigação localizada e FINGERPRINT : um compromisso com a sustentabilidade A água e a agricultura O setor agrícola enfrenta o desafio de atender à crescente demanda por alimentos e produtos agrícolas em

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

Bebedouro 20 de setembro de 2005

Bebedouro 20 de setembro de 2005 Bebedouro 20 de setembro de 2005 Dr. Everardo C. Mantovani Prof. Titular da UFV e Coordenador do GESAI Ms. Luiz Fabiano Palaretti Doutorando da UFV e Pesquisador do GESAI 1 Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016

Nexo água-alimentoenergia: produzir com sustentabilidade. Brasília, 27 de julho de 2016 Nexo água-alimentoenergia: o desafio de produzir com sustentabilidade Brasília, 27 de julho de 2016 Desafios para produção de alimentos Multifuncionalidade A Agricultura será, cada vez mais, pressionada

Leia mais

NETAKITS CATÁLOGO DE KITS DE IRRIGAÇÃO

NETAKITS CATÁLOGO DE KITS DE IRRIGAÇÃO NETAKITS CATÁLOGO DE KITS DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO A Netafim compreende a importância de estar o mais próxima possível de seus milhões de clientes, oferecendo soluções que abrangem desde pequenas propriedades

Leia mais

Componentes do Irrigâmetro

Componentes do Irrigâmetro Capítulo 1 Componentes do Irrigâmetro O Irrigâmetro é composto pela associação de um evaporímetro com um pluviômetro (Figura 1), descritos a seguir. Evaporímetro O Evaporímetro é constituído pelos seguintes

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil O DESAFIO DO PAÍS NA ABORDAGEM DO BINÔMIO ÁGUA E ALIMENTO João Martins da Silva Junior Presidente da CNA Fatores que influenciam na produção de alimentos

Leia mais

ISSN Dezembro, Utilização do Software Irrigafácil para Manejo de Irrigação

ISSN Dezembro, Utilização do Software Irrigafácil para Manejo de Irrigação ISSN 1518-4277 Dezembro, 2011 128 Utilização do Software Irrigafácil para Manejo de Irrigação ISSN 1518-4277 Dezembro, 2011 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Milho

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA IRRIGAÇÃO LOCALIZADA A água é aplicada diretamente na região do sistema radicular, sobre ou abaixo da superfície do solo em pequenas vazões e altas frequências. Mantendo com alto grau baixo volume de umidade

Leia mais

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo de referência ETo 6.1 Introdução O Método de Priestley-Taylor é uma simplificação das equações de Penman e de Penman-Monteith. Apresenta a vantagem de se exigir menos dados. Este método é também citado

Leia mais

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO

SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS E SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO AUTORES: FABIANA AQUINO JORGE WERNECK LIMA MARCELA COSTA O que são Serviços Ecossistêmicos? Benefícios diretos e indiretos obtidos pelo Homem a

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Manga PI-Manga CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone: ( ) Fax:( )

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS NETAFIM PRODUZINDO MAIS COM MENOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS NETAFIM PRODUZINDO MAIS COM MENOS CATÁLOGO DE PRODUTOS NETAFIM PRODUZINDO MAIS COM MENOS A irrigação localizada é uma técnica que consiste no fornecimento controlado de água para as plantas em quantidade suficiente e no momento certo,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO

AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO AVALIAÇÃO DE LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DE PIMENTÃO CULTIVADO EM AMBIENTE PROTEGIDO M. B. BRAGA 1 ; W.A. MAROUELLI 1 ; I. M. R. GUEDES 1 ; M. CALGARO RESUMO: Este trabalho teve como objetivo determinar

Leia mais

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Bento Gonçalves, 4 de Novembro de 2015. Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido 2 Água

Leia mais

VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA REGIÃO ATENDIDA PELO CANAL DO SERTÃO ALAGOANO

VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA REGIÃO ATENDIDA PELO CANAL DO SERTÃO ALAGOANO I SIMPÓSIO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Integrando conhecimentos científicos em defesa do Velho Chico. VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1

PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1 PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1 PATRICIA DOS SANTOS NASCIMENTO (1), LUÍS HENRIQUE BASSOI (2),VITAL PEDRO DA SILVA

Leia mais

Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO

Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO I CURSO DE IMERSÃO EM CULTIVO PROTEGIDO DE TOMATE DE MESA 2015 Desenvolvimento De Competências Técnicas Para o Manejo De Estufas Agrícolas NÍVEL BÁSICO OBJETIVOS De 25 a 28 de Março de 2015 Cunha - SP

Leia mais

Evapotranspiração e coeficientes de cultivo da melancia sem sementes 1

Evapotranspiração e coeficientes de cultivo da melancia sem sementes 1 Rev. Ciên. Agron., Fortaleza, v. 39, n. 01, p. 53-59, Jan.- Mar., 2007 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Evapotranspiração e coeficientes

Leia mais

Irrigação: Gotejamento x Aspersão Eficiência do Uso da Água

Irrigação: Gotejamento x Aspersão Eficiência do Uso da Água TECNOLOGIAS DE IRRIGAÇÃO PARA SITUAÇÃO DE ESCASSEZ DE RECURSOS HÍDRICOS Irrigação: Gotejamento x Aspersão Eficiência do Uso da Água 17/10/14 Palestra 30 minutos Prof. Dr. Rubens Duarte Coelho Departamento

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA

CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO SEMIÁRIDO: CISTERNAS DE PLACA Ana Cristina de Lima 1, Jógerson Pinto Gomes Pereira 2, Marcia Cristina de Araújo Pereira 3, 1 Universidade Federal de Campina Grande UFCG; E-mail:

Leia mais

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo.

CICLO DA ÁGUA O ciclo da água corresponde ao conjunto de mudanças, de lugar e de estado físico, que acontecem com a água ao longo do tempo. CONSIDERAÇÕES INICIAIS Irrigação pode ser definida como sendo a aplicação artificial de água ao solo, em quantidades adequadas, visando proporcionar a umidade adequada ao desenvolvimento normal das plantas

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM

DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM DETERMINAÇÃO DE Kc DE MELÃO E MELANCIA UTILIZANDO OS SOFTWARES SingleKcSIM E DualKcSIM Andre Herman Freire Bezerra 1 ; Sérgio Luiz Aguilar Levien 2 ; Tayd Dayvison Custódio Peixoto 3 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3, Eliezer Santurbano Gervásio 4

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3, Eliezer Santurbano Gervásio 4 SIMULAÇÃO DOS CUSTOS COM ENERGIA E ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO DO CAFEEIRO, EM UMA PROPRIEDADE COM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO, SITUADA EM LAVRAS-MG 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone

Leia mais

AGB Doce. Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22)

AGB Doce. Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Programa Incentivo ao Uso Racional de Água na Agricultura (P22) Objetivos: Identificar áreas críticas relacionadas ao uso de água para irrigação,

Leia mais

Comunicado109 Técnico

Comunicado109 Técnico Comunicado109 Técnico ISSN 1678-1937 Aracaju, SE Dezembro, 2010 Julio Roberto Araujo de Amorim Determinação da Eficiência de Uso da Água na Parcela de Irrigação, no Perímetro Irrigado Califórnia, em Sergipe

Leia mais

PRODUÇÃO DO PIMENTÃO IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE REPOSIÇÃO

PRODUÇÃO DO PIMENTÃO IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE REPOSIÇÃO PRODUÇÃO DO PIMENTÃO IRRIGADO COM DIFERENTES LÂMINAS DE REPOSIÇÃO PIZOLATO NETO, A. 1 ; SANTANA, M.J. de 2 ; CARDOZO, M.T.D. 3 ; GALBIATTI, J.A. 4 1 Estudante de Engenharia Agronômica do IFTM- Uberaba,

Leia mais

Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas

Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas São Paulo, 19 de março de 2009 Rede Interinstitucional para o Desenvolvimento do Setor Sucroalcooleiro CECA Ecofisiologia da cana-de-açúcar no estado de Alagoas Prof. Dr. Laurício Endres CECA - UFAL PMGCA

Leia mais

PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO IRRIGADO, NA REGIÃO DE VIÇOSA-MG, PRIMEIRO ANO DE RESULTADO 1

PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO IRRIGADO, NA REGIÃO DE VIÇOSA-MG, PRIMEIRO ANO DE RESULTADO 1 PRODUTIVIDADE E CRESCIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO IRRIGADO, NA REGIÃO DE VIÇOSA-MG, PRIMEIRO ANO DE RESULTADO 1 2 VIEIRA, G. H. S.; 3 MANTOVANI, E. C.; 4 SOARES, A. R.; 5 SOUSA, M. B. A. 1 Trabalho financiado

Leia mais

Análise química do solo: amostras para análise

Análise química do solo: amostras para análise Análise química do solo: Amostragem de solos e Preparo das amostras para análise Análise do solo A análise de solo conjunto de procedimentos físicos e químicos que visam avaliar as características e propriedades

Leia mais

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG

Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar- Município de Jequitibá - MG XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Racionalização do Uso de Energia Elétrica e Água na Irrigação para Agricultura Familiar-

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS IRRIGAÇÃO LOCALIZADA POR MANGUEIRA PLÁSTICA PERFURADA TRIPAS Jarbas Honorio de Miranda 1 Manoel Alves de Faria 1 Giuliano da Silva Igarashi 2 1 O que é Irrigação Localizada? A irrigação localizada nada

Leia mais

Comunicado Técnico 47

Comunicado Técnico 47 Comunicado Técnico 47 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Manejo de Irrigação Paulo Emílio Pereira de Albuquerque 1 Morethson Resende Introdução O milho é considerado uma cultura

Leia mais

Perímetro de Irrigação do Arroio Duro. Camaquã-RS

Perímetro de Irrigação do Arroio Duro. Camaquã-RS Perímetro de Irrigação do Arroio Duro Camaquã-RS Apresentação LOCALIZAÇÃO PATOS PROJETO DE IRRIGAÇÃO DO ARROIO DURO PLANTA GERAL CI-0 CI-1 D CI-2 DRENO S tª RITA LAGOA DO GRAXAIM CI-3 DOS CI-4 LAGOA Da

Leia mais

III CONGRESSO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE BANANASE PLÁTANOS

III CONGRESSO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE BANANASE PLÁTANOS III CONGRESSO LATINO-AMERICANO E DO CARIBE DE BANANASE PLÁTANOS Irrigação e ecofisiologia em Musáceas: aspectos práticos de manejo para o uso eficiente da água Sérgio Donato, Eugênio Ferreira Coelho, Alessandro

Leia mais

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Meteorologia e Climatologia - Aula - Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Capitulo 12 e 13 do PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas.

Leia mais

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DA CULTURA DO TOMATE PARA DIFERENTES LÂMINAS*

FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DA CULTURA DO TOMATE PARA DIFERENTES LÂMINAS* FUNÇÃO DE PRODUÇÃO DA CULTURA DO TOMATE PARA DIFERENTES LÂMINAS* CAMPOS, T.M. 1 ; SOUZA, S.S. de 1 ; SANTANA, M.J. de 2 ;VIEIRA, T.A. 3 ; PEREIRA, U.C. 4 ; BEIRIGO, J.D.C. 4 *Parte de projeto financiado

Leia mais

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG CARVALHO e MATIELLO Justificativas O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma planta originária da Etiópia, onde

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes

Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Estratégias integradas para o aumento da produtividade da amendoeira em Trás os Montes Projecto em curso no âmbito da ação 1.1.1. do ProDeR (Cooperação para a Inovação) António Castro Ribeiro Ana Paula

Leia mais

Método do Balanço Hídrico

Método do Balanço Hídrico Apêndice 3 Método do Balanço Hídrico Ioana Nicoleta Firta e Armando Borges de Castilhos Jr. Histórico do Método do Balanço Hídrico O método do balanço hídrico, um dos modelos mais utilizados atualmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Evaporação. Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Evaporação. Elsa Vieira Mafalda Morais Rita Soares 31157 Universidade de Aveiro Departamento de Física Evaporação Elsa Vieira 26297 Mafalda Morais 31326 Rita Soares 31157 Introdução A evaporação é um fenómeno no qual, os átomos ou moléculas no estado líquido

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU*

UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* UTILIZAÇÃO DE POLÍMEROS NATURAIS E MELHORIA DO DESEMPENHO DA ETA DE MANHUAÇU* Autores: Felix de Carvalho Augusto (apresentador) Técnico em Química (Colégio São José RJ), Químico Industrial (Faculdade da

Leia mais

Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA

Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA Eng. Agrônomo Roberto Santinato MAPA Região Cerrado Arábica Região Planalto Arábica Região Atlântica - Robusta Dados (a) Brasil (b) Bahia % b/a Área (milhões de ha) População (Bilhões de pés) Potencial

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH Carlos Alberto Inacio da Silva Mestrando em Recursos

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

Relatório sobre a Avaliação de Safra de Grãos do RN 10º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos Período: 20 a 24 de junho de 2016 Por telefone

Relatório sobre a Avaliação de Safra de Grãos do RN 10º Levantamento da Safra Brasileira de Grãos Período: 20 a 24 de junho de 2016 Por telefone Superintendência Regional do Rio Grande do Norte Sureg/RN Gerência de Operações e de Suporte Estratégicos (Geose) Setor de Apoio à Logística e Gestão da Oferta (Segeo) Relatório sobre a Avaliação de Safra

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVAS PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/10/2013 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVAS 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARÁ REUNIÃO DA CÂMARA TÉCNICA DE OUTORGA E COBRANÇA - CTOC REUNIÃO SEGMENTO SANEAMENTO Divinópolis, 22 de novembro de 2011 Política Nacional de Recursos Hídricos Lei

Leia mais

Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí. Palavras-chave: Zea mays L., evapotranspiração, lisímetro de pesagem.

Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí. Palavras-chave: Zea mays L., evapotranspiração, lisímetro de pesagem. Coeficiente de cultivo do milho nos Tabuleiros Litorâneos do Piauí 1 Edson A. Bastos 1, Milton J. Cardoso 1, Antônio Guaraná Mendes 2 Aderson Soares de Andrade Júnior 1, Francisco José de Seixas Santos

Leia mais

Segurança hídrica para produção sustentável de alimento. Uberlândia, 15 de setembro de 2015

Segurança hídrica para produção sustentável de alimento. Uberlândia, 15 de setembro de 2015 Segurança hídrica para produção sustentável de alimento Uberlândia, 15 de setembro de 2015 População (bilhões) 0 10 20 30 Aumento da população 9.1 bilhões em 2050 1950 2000 2050 2100 ANO Média Alta Baixa

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS CONSIDERAÇÕES INICIAIS A irrigação foi uma das primeiras modificações no ambiente realizadas pelo homem primitivo. As primeiras tentativas de irrigação foram bastante rudimentares, mas a importância do

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga

Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada. Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Desafios e Perspectivas da Agricultura Irrigada Eng. Agro. Marcos Brandão Braga Fundamentos sólidos para o aumento do consumo de alimentos Crescimento populacional, urbanização e participação dos países

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO. G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO. G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DOS TABULEIROS COSTEIROS DO RECÔNCAVO BAIANO G.L.B. D`Angiolella (1); M.T. Castro Neto; E.F. Coelho (1) Engº. Agrônomo, BSc, Pesquisador FEESC/INMET/Embrapa Mandioca e Fruticultura.

Leia mais