IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical"

Transcrição

1 IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

2 Produção de Uvas no Brasil

3 Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52% Fonte: Mello (2014)

4 Produção de Uvas no Brasil 8% 12% 63% Fonte: Mello (2014)

5 Produção de Uvas em SP Vitis labrusca Niágara Rosada Vitis vinifera Itália, Rubi, Benitaka,... 51,6 47,6 0,9 Uva comum para mesa Uva fina para mesa Uva para industria Fonte: IEA/CATI - SAAESP (2014)

6 Uvas em São Paulo Safra de Inverno e Primavera Safra de Verão

7 Oeste Paulista Região de Jales Região de Dracena (Tupi Paulista) Fonte: CATI

8 Relevo

9 Solos (Conceição et al., 1998)

10 Clima - Abril a Setembro Geadas IF Noites Temperadas IH IS Quente Seca Moderada Fonte: Marin et al. (2008)

11 PRECIPITAÇÃO (mm) TEMPERATURA ( C) PRECIPITAÇÃO (mm) TEMPERATURA ( C) Necessidade de Irrigação 350 Petrolina (PE) P(mm) Tmax Tmin IRRIGAÇÃO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MÊS Jales (SP) P(mm) Tmax Tmin IRRIGAÇÃO Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MÊS

12 Regiões Hidrográficas do Brasil Fonte: ANA (2015)

13 Rede Hidrográfica I. Solteira A. Vermelha T. Irmãos Jupiá Fonte: IGC

14 Córregos Regionais Fonte: Unesp de Ilha Solteira

15 Uso de Recursos Hídricos na Bacia TG

16 Aquífero Guarani

17 Sistemas de Irrigação (Fonte: Costa, 2011)

18 Microaspersão

19 Aspersão por baixo da copa (subcopa)

20 Aspersão por cima da copa (sobrecopa)

21 Gotejamento

22 Manejo da Irrigação x Tipo de Uva Uvas para Vinho Fino Qualidade (ºBrix/acidez, compostos) X Uvas de Mesa, Suco e Vinho de Mesa Quantidade ( = $) Qualidade (ºBrix, tamanho, aparência)

23 Fonte: Ojeda (2007) Irrigação com Restrição Hídrica

24 Fonte: Ojeda (2007) Irrigação sem Restrição Hídrica

25 BRS Morena -BRS Clara Suspensão Maturação Fonte: Zeoli et al. (2011); Conceição et al. (2013)

26 Fonte: Conceição et al. (2014) Niágara Rosada Suspensão Maturação

27 Evapotranspiração da Cultura (ETc) ETc = Tv + Tc + Es Transpiração das Videiras (Tv) Evaporação do Solo (Es) Transpiração da Vegetação de Cobertura do Solo (Tc)

28 Estimativa da ETc ETo evapotranspiração de referência (fatores meteorológicos) X Kc coeficiente de cultura (fatores da cultura)

29 Evapotranspiração de Referência (ETo) Método de Penman-Monteith (FAO-56) Médias Mensais Menores Valores = ± 3,0 mm/dia (Maio e Junho) Maiores Valores = ± 4,5 mm/dia (Agosto a Novembro) Obs: Valores diários podem ser superiores a 6,0 mm/dia

30 ETo Unesp Ilha Solteira

31 ETo - Tanque Classe A ETo = ECA x Kp ECA - evaporação tanque Kp coeficiente tanque

32 ETo - Termômetro de Máxima e Mínima Método de Hargreaves (FAO-56) Fonte: Conceição (2013)

33 ETo - Termômetro de Máxima e Mínima ETo com termômetro de máxima e mínima (EToHt) e da estação automática (EToHa). Fonte: Conceição (2010)

34 ETo - Temperatura Máxima e Mínima Sem Ajuste Com Ajuste Fonte: Conceição (2013)

35 Estimativa da ETc ETo evapotranspiração de referência (fatores climáticos) X Kc coeficiente de cultura (fatores da cultura)

36 Valores médios de Kc ( Niágara Rosada, Latada, Tela) Obs: Valores em subperíodos podem ser > 0,90 Fonte: Conceição (2013); Hernandez (2013)

37 Valores médios mensais de ETc ( Niágara Rosada, Latada, Tela) Médias Mensais Menores Valores 1,5 mm/dia = L/ha.dia (Kc = 0,45 - Maio e Junho) Maiores Valores 3,5 mm/dia = L/ha.dia (Kc = 0,75 - Agosto a Novembro) Obs: Valores diários podem ser > 5,0 mm/dia (Fonte: Conceição, 2013)

38 Fonte: Holcman et al. (2012) Tela e Cobertura Plástica

39 Vegetação de Cobertura Consumo de água em Niágara Rosada, com (Tc) e sem (Es) vegetação de cobertura no solo. I = brotação - florescimento; II = florescimento - frutificação; III = frutificação - maturação; IV = maturação - colheita. Fonte: Conceição & Souza (2013)

40 Fonte: Conceição (2009) Microclima - Irrigação

41 Sistema de Condução

42 Sistema de Condução + Cobertura + Tela

43 Cultivar BRS Vitória Niágara Rosada

44 Estádios Fenológicos

45 Monitoramento da Água no Solo Tensiômetro, Irrigas... TENSÍMETRO Foto: BARROS, B.F. da C. Fonte: Braga & Calgaro (2010)

46 Profundidade Efetiva das Raízes Profundidade das Raízes PROFUNDIDADE EFETIVA (40 a 60 cm) IRRIGAÇÃO

47 Curva de Retenção da Água no Solo 0 30 cm cm

48 Transpiração Relativa Niágara Rosada (vasos) Fonte: Conceição et al. (2010)

49 IRRIVITIS

50 IRRIVITIS

51 Uva para Suco e Vinho de Mesa IAC/Unesp/Embrapa Votuporanga (SP)

52 Uva para Vinho Fino? Manejo da Água Fonte: Conceição & Tonietto (2012)

53 E. E. Viticultura Tropical Jales - SP Jales B. Gonçalves Vacaria

54 OBRIGADO! Marco Antônio F. Conceição

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva

Viticultura Clima. Centros de dispersão da videira. Cultivo da videira no Brasil. A videira. Fatores climáticos no cultivo da uva Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP Viticultura Clima Centros de dispersão da videira Eurásia América Mar Negro Mar Cáspio A videira - Cultura de clima temperado

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Implantação, condução e tratos culturais na cultura da videira Formação dos vinhedos operações

Leia mais

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury

Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Estratégias de Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido e Convencional de Vinhedos no RS Prof. Dr. Leonardo Cury Bento Gonçalves, 4 de Novembro de 2015. Irrigação Suplementar em Cultivo Protegido 2 Água

Leia mais

Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa

Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa IIª Semana Integrada de Cursos CFO/CFOC - Adapar Dia 03/07/2015 - CDT, Iapar Londrina Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa Eng Agr Elcio Félix Rampazzo Emater Londrina. elciorampazzo@emater.pr.gov.br

Leia mais

Alturas mensais de precipitação (mm)

Alturas mensais de precipitação (mm) Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos AGUASPARANÁ - Instituto das Águas do Paraná Sistema de Informações Hidrológicas - SIH Alturas mensais de precipitação (mm) Estação: Município: Tipo: Altitude:

Leia mais

O Clima e o desenvolvimento dos citros

O Clima e o desenvolvimento dos citros O Clima e o desenvolvimento dos citros Flórida 2010 Glauco de Souza Rolim Centro de Ecofisiologia e Biofísica IAC rolim@iac.sp.gov.br glaucorolim@gmail.com VII Simpósio de Citricultura Irrigada,16 de setembro

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Aptidão climática para o cultivo da videira em Boa Vista, Roraima

Aptidão climática para o cultivo da videira em Boa Vista, Roraima Revista Agro@mbiente On-line, v. 7, n. 3, p. 277-283, setembro-dezembro, 2013 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal de Roraima, Boa Vista, RR www.agroambiente.ufrr.br Artigo Científico ISSN

Leia mais

Capítulo VIII Irrigação

Capítulo VIII Irrigação Capítulo VIII Irrigação Eugênio Ferreira Coelho Édio Luiz da Costa Antônio Heriberto de Castro Teixeira Em qualquer região do Brasil há riscos de ocorrência de déficit de água no solo nos períodos secos,

Leia mais

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948

Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Capítulo 01 Método de Thornthwaite, 1948 Tanque para evaporaçao Classe A Varejao-Silva, 2005 1-1 SUMÁRIO Ordem Assunto 1.1 Introdução 1.2 Método de Thornthwaite, 1945 1.3 Conclusão 1.4 Bibliografia e livros

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER

SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER SOMAR METEOROLOGIA É BEM MELHOR SABER CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SAFRA 2014/15 MARCO ANTONIO DOS SANTOS ENGENHEIRO AGRÔNOMO MESTRE E DOUTORADO EM AGROMETEOROLOGIA marcoantonio@somarmeteorologia.com.br (19) 99763-1014

Leia mais

A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira

A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira A Informação Agrometeorológica e o Manejo de Irrigação na Cultura da Videira Magna Soelma Beserra de Moura Introdução O paradigma da agricultura x globalização sugere que o setor agrícola seja cada vez

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ANGRA DOS REIS - RJ Célia Maria Paiva (1); Gisele dos Santos Alves; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Profª. do Departamento de Meteorologia da UFRJ-Ms E-mail:

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO

UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E ZONA DE AMORTECIMENTO ANEXO 5.2 - CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO PNSB E DA ZONA DE AMORTECIMENTO A 5.2.1 REGIME PLUVIOMÉTRICO O regime pluviométrico das áreas do PNSB e de sua Zona de Amortecimento foi avaliado com base nos dados

Leia mais

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA

MODELAÇÃO MATEMÁTICA DOS RECURSOS HÍDRICOS SUBTERRÂNEOS DA REGIÃO DE MOURA 7 CLIMA 7.1 Introdução Para a caracterização do clima de uma região, no que respeita à água, uma das técnicas correntemente utilizadas consiste na realização do balanço sequencial mensal da água no solo.

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007

IRRIGAÇÃO LOCALIZADA. Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Valmir Netto Wegner EMATER/RS 06/2007 IRRIGAÇÃO LOCALIZADA Métodos de irrigação onde a água é aplicada ao solo diretamente sobre a região radicular, em pequena intensidade, porém com

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS UFAL ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JEQUIÁ ATRAVÉS DOS MÉTODOS BLANEY- CRIDDLE E THORNTHWAITH Carlos Alberto Inacio da Silva Mestrando em Recursos

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m

Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta. Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: Longitude: Altitude: 432 m Nome do Sítio Experimental: Cruz Alta Localização e Mapas do Sítio Experimental: Latitude: -28.6036 Longitude: -53.6736 Altitude: 432 m Rio Grande do Sul torre Cruz Alta torre DESCRIÇÃO: Descrição Geral:

Leia mais

Produção de Uvas e Vinhos

Produção de Uvas e Vinhos Curso de Qualificação Profissional Produção de Uvas e Vinhos Professor: Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br Variedades de Uvas Brasil: principais regiões produtoras de uva Santa Catarina

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 110 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva

MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS. Daniel Vieira Silva MANEJO DE IRRIGAÇÃO PARA PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Plantas Oleaginosas Aumento no uso dos óleos vegetais para a produção de biodiesel. Políticas de incentivo ao cultivo. Necessidade de farelos

Leia mais

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I CCA 039 - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Centro/Setor: Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas Núcleo de Engenharia de Água e Solo NEAS Professores: Prof. Dr. Vital Pedro

Leia mais

Jornadas da Meteorologia Abril Vila do Conde

Jornadas da Meteorologia Abril Vila do Conde ENTIDADE ESTÁTICA CAUSA DETERMINANTE 7ºC Terras altas do interior Centro 18ºC Litoral Sul Diferença significativa entre o Norte e o Sul de Portugal Temperatura média anual (1961-1990) Diferença significativa

Leia mais

Evaporação e Evapotranspiração

Evaporação e Evapotranspiração Capítulo Evaporação e Evapotranspiração 7 Conceituação Fatores intervenientes Grandezas características Medidas e estimativas 1. GENERALIDADES Cerca de 70% da quantidade de água precipitada sobre a superfície

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO

MANEJO DE IRRIGAÇÃO INTRODUÇÃO MANEJO DE IRRIGAÇÃO Francisco Fernandes da Costa Eng o. Agr o, M.Sc. em Irrigação e Drenagem; Projetar Irrigação LTDA, Av. Monsenhor Ângelo Sampaio, 56302-290, Petrolina-PE, fone (87) 3864.4010. E-mail:

Leia mais

Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila

Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila Leandro José Grava de Godoy (CER-UNESP) Thais Regina de Souza (FCA-UNESP) Roberto Lyra Villas Bôas

Leia mais

Circular. Técnica. Modelos para estimativa dos coeficientes de cultivo (Kc) de videiras irrigadas. Introdução. Autor ISSN

Circular. Técnica. Modelos para estimativa dos coeficientes de cultivo (Kc) de videiras irrigadas. Introdução. Autor ISSN ISSN 1808-6810 Modelos para estimativa dos coeficientes de cultivo (Kc) de videiras irrigadas 132 Circular Técnica Introdução A produção de uvas nas regiões tropicais do Brasil tem sido realizada, normalmente,

Leia mais

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012.

Figura 1 Distribuição espacial do índice de seca meteorológica em 31de Agosto e em 15 de Setembro de 2012. Situação de Seca Meteorológica em 15 de setembro Contributo do Instituto de Meteorologia, I.P. para o Acompanhamento e Avaliação dos Efeitos da Seca 1. Situação Atual de Seca Meteorológica A situação de

Leia mais

Viníferas em Regiões Tropicais

Viníferas em Regiões Tropicais Viníferas em Regiões Tropicais Tintas Brancas Syrah Alicante Bouschet Tempranillo Petit Verdot Touriga Nacional Barbera Chenin Blanc Moscato Canelli Verdelho French Colombard Itália Uvas de mesa Uvas de

Leia mais

http://www.lodiwine.com/ http://www.fatosdesconhecidos.com.br/5-fatosimpressionantes-que-voce-nao-sabe-sobre-vinho/ O vinho possui uma longa história que remonta pelo menos 6.500 a.c., pensando-se que

Leia mais

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES

REFERENCE EVAPOTRANSPIRATION ESTIMATE (ETo) THE METHOD OF PENMAN-MONTHEITH FOR DIFFERENT ALAGOAS STATE MUNICIPALITIES ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTHEITH PARA DIFERENTES MUNICÍPIOS DO ESTADO DE ALAGOAS J. C. SILVA 1 ; T. F. CIRILO ; L. A. SANTOS; D. F. LIMA; D. P. dos SANTOS

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense. Cluster dos vinhos da Região do Douro

Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense. Cluster dos vinhos da Região do Douro 3/4/2 ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Evolução do ciclo vegetativo - Abrolhamento Branca Teixeira Maria do Carmo Val Cristina Carlos Fernando Alves

Leia mais

Comunicado 98 Técnico

Comunicado 98 Técnico Comunicado 98 Técnico ISSN 1808-6802 Setembro, 2009 Bento Gonçalves, RS Foto: Marco A. F. Conceição Microclima em vinhedo coberto com tela plástica Marco Antônio Fonseca Conceição 1 Introdução Na região

Leia mais

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves

Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Avaliação Qualitativa da Porosidade /Permeabilidade de Aquíferos em Função da Dinâmica Sazonal das Precipitações e das Vazões na Bacia Hidrográfica do Rio Verde-BA. Dr. Mário Jorge de Souza Gonçalves Novembro

Leia mais

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Meteorologia e Climatologia - Aula - Balanço Hídrico SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 Capitulo 12 e 13 do PEREIRA, A.R.; ANGELOCCI, L.R.; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas.

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio-Norte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio-Norte. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 0104-866X Outubro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Meio-Norte Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 203 Potencial climático da região semiárida do

Leia mais

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO

Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG. CARVALHO e MATIELLO Arborização de cafeeiros com Cedro Australiano(Tooma ciliata) nas condições da Zona da Mata-MG CARVALHO e MATIELLO Justificativas O cafeeiro (Coffea arabica L.) é uma planta originária da Etiópia, onde

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Boletim Climatológico Anual da Madeira Ano 2010

Boletim Climatológico Anual da Madeira Ano 2010 Boletim Climatológico Anual da Madeira Ano 2010 CONTEÚDOS DRM - OMF 01 Resumo Anual 03 Caracterização Climática Anual 03 Temperatura do Ar 05 Precipitação Total 07 Outros Elementos Climáticos 08 Factos

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar Meteorologia Agrícola Aula # 6 Temperatura do solo e do ar Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação e de energia, o saldo de radiação na superfície terrestre será destinado,

Leia mais

Título - Arial 44pt - Bold

Título - Arial 44pt - Bold Variedades resistentes: intersecção entre rusticidade e qualidade a experiência brasileira Título - Arial 44pt - Bold Patricia Ritschel Outras João Informações Dimas G. Maia - Arial 28pt Umberto Almeida

Leia mais

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO

COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO COEFICIENTES DE CULTURA PARA O ALHO IRRIGADO RESENDE, B.P.M.C. 1 ; SANTANA, M.J. de 2 ; SILVEIRA, A.L. da 3 ; TAVARES, W.A. 1 ; BARRETO, A.C. 2 ; CRUZ, O.C. 2 1 Estudante de Tecnologia de Irrigação e Drenagem

Leia mais

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires -

Produção de Folhosas sem desperdício de água. Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento. Regina Célia de Matos Pires - Produção de Folhosas sem desperdício de água Palestra 2 Tecnologia de Cultivo e Gotejamento Regina Célia de Matos Pires - IAC Campinas, 10 agosto de 2016 Economia de água - importância População mundial

Leia mais

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS.

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE 2014 - EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e J. Renato Dias e Lucas

Leia mais

V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos

V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos V Workshop em Modelagem Numérica de tempo e clima em mesoescala utilizando o Modelo Eta: Aspectos físicos e numéricos V WORKETA Aplicações em Agricultura São José dos Campos 03 a 08/Abril 2016 Escala temporal

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da bananeira para a região litorânea do Ceará

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da bananeira para a região litorânea do Ceará Rev. Ciên. Agron., Fortaleza, v. 39, n. 02, p. 203-208, Abr.- Jun., 2008 Centro de Ciências Agrárias - Universidade Federal do Ceará www.ccarevista.ufc.br ISSN 1806-6690 Evapotranspiração e coeficiente

Leia mais

Comunicado Técnico 47

Comunicado Técnico 47 Comunicado Técnico 47 ISSN 1679-0162 Dezembro, 2002 Sete Lagoas, MG CULTIVO DO MILHO Manejo de Irrigação Paulo Emílio Pereira de Albuquerque 1 Morethson Resende Introdução O milho é considerado uma cultura

Leia mais

Análise Climatológica da Década (Relatório preliminar)

Análise Climatológica da Década (Relatório preliminar) Análise Climatológica da Década 2000-2009 (Relatório preliminar) Resumo Boleti m Climat ológico Anual - 2008 Produz ido por Institut o de Meteor ologia, I.P. També m A análise dos dados meteorológicos

Leia mais

O congelamento dos lagos da EACF e as temperaturas do ar e do solo em 2007

O congelamento dos lagos da EACF e as temperaturas do ar e do solo em 2007 O congelamento dos lagos da EACF e as temperaturas do ar e do solo em 2007 Alberto Setzer e Marcelo Romão CPTEC INPE, Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais,

Leia mais

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica

Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Manejo de água em cultivo orgânico de banana nanica Water management in organic cultivation of banana nanica PINTO, José Maria. Embrapa Semiárido, Petrolina, PE, jmpinto@cpatsa.embrapa.br; GALGARO, Marcelo.

Leia mais

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo

6-1. Capitulo 6- Método de Priestley-Taylor para evapotranspiração de referência ETo de referência ETo 6.1 Introdução O Método de Priestley-Taylor é uma simplificação das equações de Penman e de Penman-Monteith. Apresenta a vantagem de se exigir menos dados. Este método é também citado

Leia mais

EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO

EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO EVAPOTRASPIRAÇÃO E COEFICIENTE DE CULTIVO DA VIDEIRA EM AMBIENTE PROTEGIDO Magna Soelma Beserra de Moura 1, José Monteiro Soares 1, Marcelo Tavares Gurgel 2, Mário de Miranda Villas Boas Ramos Leitão 3,

Leia mais

Circular. Técnica. Irrigação de Fruteiras por Microaspersão. Introdução. Autor ISSN

Circular. Técnica. Irrigação de Fruteiras por Microaspersão. Introdução. Autor ISSN 49 Irrigação de Fruteiras por Microaspersão ISSN 1808-6810 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Setembro, 2004 Autor Marcos Antônio Fonseca Conceição, Eng. Civil, Embrapa Uva e Vinho, Estação Experimental

Leia mais

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008

Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 2008 Climatologia Agrícola Relatório Anual Ano de 28 No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Luís Eduardo Corrêa Antunes 2 Rafael Pio 3 1 INTRODUÇÃO O Brasil possui

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Climatologia Agrícola Ano de 2007

Climatologia Agrícola Ano de 2007 Climatologia Agrícola Ano de 27 Relatório Anual No âmbito da actividade do Sistema Agrometeorológico para a Gestão da Rega no (SAGRA) e no seguimento de anos anteriores, apresenta-se no presente relatório,

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DO MUNICÍPIO DE JATAÍ-GO: Subsídios às atividades agrícolas Nathalie Ribeiro Silva Universidade Federal de Uberlândia / Instituto de Geografia nathaliersilva@yahoo.com.br Samuel

Leia mais

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI;

I. Analisar a evolução dos recursos hídricos superficiais na bacia do rio Sabor, desde a segunda metade do século XX até aos primórdios do XXI; RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO RIO SABOR: EVOLUÇÃO RECENTE E RELAÇÕES COM MUDANÇAS AS SÓCIOAMBIENTAIS Adélia NUNES Instituto de Estudos Geográficos, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Praça da

Leia mais

GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA

GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA Clima GEOGRAFIA DO BRASIL CLIMA 1 Conceitos Básicos Tempo Estado momentâneo da Atmosfera Clima Sucessão habitual do tempo Continentalidade Influência da distância do mar no clima 2 Fatores que influenciam

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009

Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 Boletim Climatológico Anual - Ano 2009 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 04 Caracterização Climática Anual 04 Temperatura do Ar 07 Precipitação 09 Factos e Fenómenos Relevantes RESUMO ANUAL Temperatura em 2009

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

FENÔMENOS 2015 17 A HORA LEGAL DO FUSO DE -3 HORAS

FENÔMENOS 2015 17 A HORA LEGAL DO FUSO DE -3 HORAS FENÔMENOS 2015 17 A Jan. 2 9 Aldebarã 1 S da Lua 4 4 Terra no perihélio 5 1h53min LUA CHEIA 8 5 Júpiter 4 N da Lua 8 23 Regulus 4 N da Lua 9 15 Lua no apogeo 13 6h46min QUARTO MINGUANTE 13 7 Spica 3 S

Leia mais

Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central)

Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central) Simpósio Coopercitrus 2016 Manejo de Irrigação e Fertirrigação na Cultura de Cana-de-açúcar (gotejamento e pivô central) Prof. Rubens Duarte Coelho ESALQ - USP Piracicaba / SP 2015 Departamento de Engenharia

Leia mais

PANORAMA & PERSPECTIVAS DE MERCADO DE FOLHOSAS EQUIPE: LARISSA PAGLIUCA RENATA POZELLI MARIANA COUTINHO

PANORAMA & PERSPECTIVAS DE MERCADO DE FOLHOSAS EQUIPE: LARISSA PAGLIUCA RENATA POZELLI MARIANA COUTINHO PANORAMA & PERSPECTIVAS DE MERCADO DE FOLHOSAS EQUIPE: LARISSA PAGLIUCA RENATA POZELLI MARIANA COUTINHO PROJETO HORTIFRUTI/CEPEA O Hortifruti/Cepea é um dos grupos do Centro de Estudos Avançados em Economia

Leia mais

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2

CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 2 M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira Diferença entre Tempo e Clima TEMPO: Variações diárias das condições atmosféricas. CLIMA: É a condição média

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP

AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP AVALIAÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELACIONADAS AO CULTIVO DA CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE ITUVERAVA - SP 77 GARCIA, Anice 1 Recebido em: 2011-02-09 Aprovado em: 2011-09-26 ISSUE DOI: 10.3738/1982.2278.558

Leia mais

A vegetação como base da classificação climática

A vegetação como base da classificação climática A vegetação como base da classificação climática O conhecimento dos limites de uma planta ou de um tipo de vegetação em relação a dada variável climática permite extrapolar a zona climática em função da

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS DE CHUVA NO MUNICÍPIO DE PETROLINA - PE CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO E DO NÚMERO DE DIAS

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1

ARTIGO TÉCNICO SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1 SOFTWARE PARA CÁLCULO DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA DIÁRIA PELO MÉTODO DE PENMAN-MONTEITH 1 J.C.Q. MARIANO 2 ; F.B.T. HERNANDEZ 3 ; G.O. SANTOS 4, A.H.C. TEIXEIRA 5 RESUMO: Este trabalho tem como

Leia mais

UVAS FINAS DE MESA. * Bicane x Moscato Hamburgo. * Principal no Brasil. * Sabor moscatel. * Alta produtividade * Exigente em mão-dem

UVAS FINAS DE MESA. * Bicane x Moscato Hamburgo. * Principal no Brasil. * Sabor moscatel. * Alta produtividade * Exigente em mão-dem UVAS FINAS DE MESA Itália * Bicane x Moscato Hamburgo * Principal no Brasil * Sabor moscatel * Alta produtividade * Exigente em mão-dem de-obra * Usada p/ espumante moscatel UVAS FINAS DE MESA Rubi * Mutaçã

Leia mais

PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1

PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1 PRECIPITAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO NOROESTE PAULISTA 1 I.B. AMERICO 2 ; F.B.T. HERNANDEZ 3 ; SILVA, Y.F.³; A.H.C. TEIXEIRA 4 RESUMO:O trabalho teve como objetivo interpolar dados de Evapotranspiração

Leia mais

Comunicado 63 Técnico

Comunicado 63 Técnico Comunicado 63 Técnico ISSN 1516-8093 Dezembro, 2005 Bento Gonçalves, RS BRS VIOLETA Nova Cultivar de Uva para Suco e Vinho de Mesa Umberto Almeida Camargo1 João Dimas Garcia Maia2 Jair Costa Nachtigal3

Leia mais

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM

CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM CAPÍTULO 2 GEORREFERENCIAMENTO DA REGIÃO DELIMITADA DA DENOMINAÇÃO DE ORIGEM VALE DOS VINHEDOS: CARTAS IMAGEM Loiva Maria Ribeiro de Mello Carlos Alberto Ely Machado André Rodrigo Farias Sonia Marliza

Leia mais

200 180 Indice (abr/2004=100) 160 140 120 100 80 dez/97 jun/98 dez/98 jun/99 dez/99 jun/00 dez/00 jun/01 dez/01 jun/02 dez/02 jun/03 dez/03 jun/04 dez/04 jun/05 dez/05 jun/06 dez/06 jun/07 dez/07 Faturamento

Leia mais

Temperatura do solo e do ar

Temperatura do solo e do ar LCE 306 Meteorologia Agrícola Prof. Paulo Cesar Sentelhas Prof. Luiz Roberto Angelocci Aula # 6 Temperatura do solo e do ar ESALQ/USP 2009 Temperatura do ar e do solo Como vimos na aula de balanço de radiação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA

IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento IMPLANTAÇÃO DO VINHEDO, CULTIVARES E MANEJO DA PLANTA VOLUME 3 Samar Velho da Silveira

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1

PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1 PLANILHA ELETRÔNICA PARA AUXILIO À TOMADA DE DECISÃO EM MANEJO DE IRRIGAÇÃO LOCALIZADA: APLICAÇÃO NO CULTIVO DA VIDEIRA 1 PATRICIA DOS SANTOS NASCIMENTO (1), LUÍS HENRIQUE BASSOI (2),VITAL PEDRO DA SILVA

Leia mais

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador:

Duas dessas massas de ar são formadas nas proximidades do Equador: GEOGRAFIA DO BRASIL Massas de ar Além da importância dos fatores climáticos estáticos (latitude e altitude), deve-se destacar também a atuação dos fatores dinâmicos sobre os climas encontrados no território

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 06 Ciclo Hidrológico Profª Heloise G. Knapik O Ciclo Hidrológico O Ciclo Hidrológico - Fases Precipitação: retorno da água para

Leia mais

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL

LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL ANEXO 2 LISTA DE PROPOSTAS SELECIONADAS PARA A GRADE 2015 DO PROGRAMA DE RÁDIO PROSA RURAL Região Norte Mês Semana Título principal FEV. 1ª Como lidar com a resistência de bovinos e ovinos aos antiparasitários

Leia mais

Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1)

Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1) ARTIGO CIENTÍFICO Estimativa da evapotranspiração e coeficiente de cultivo da Heliconia bihai L., cultivada em ambiente protegido (1) RUBENS SONSOL GONDIM (2), ANTÔNIA RENATA MONTEIRO GOMES (3), FRED CARVALHO

Leia mais

Planejamento e Manejo da Água na Agricultura Irrigada 17 a 21 de outubro de 2011 UNL (Esperanza/Santa Fe) 2 - Agrometeorologia aplicada à irrigação

Planejamento e Manejo da Água na Agricultura Irrigada 17 a 21 de outubro de 2011 UNL (Esperanza/Santa Fe) 2 - Agrometeorologia aplicada à irrigação 2 - Agrometeorologia aplicada à irrigação 2.1 - Introdução Irrigação fornecimento de água às culturas Condições climáticas Disponibilidade de água no solo - viabiliza a exploração agrícola em climas semiáridos,

Leia mais

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Águas. Superficiais: Disponibilidades Hídricas. Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de: Águas Superficiais: Rios Lagos Lagoas Albufeiras Subterrâneas: Aquíferos Águas do Subsolo até 800 metros de Profundidade Disponibilidades Hídricas Quantidade de Água disponível no Planeta. Dependem de:

Leia mais

VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA REGIÃO ATENDIDA PELO CANAL DO SERTÃO ALAGOANO

VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA REGIÃO ATENDIDA PELO CANAL DO SERTÃO ALAGOANO I SIMPÓSIO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Integrando conhecimentos científicos em defesa do Velho Chico. VALORES DE REFERÊNCIA PARA A NECESSIDADE HÍDRICA DAS CULTURAS DE MILHO E MELANCIA NA

Leia mais

Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola

Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola XII Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia - Anais 79 Lançamento Oficial O Site Internacional Internet do Sistema CCM Geovitícola Flávio Bello Fialho 1 Jorge Tonietto 1 1 Introdução O clima faz

Leia mais

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE

RECALL SMITHS LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE DOCUMENTO 2 LISTA DOS PRODUTOS ENVOLVIDOS, IMPORTADOS AO BRASIL PELA CIRÚRGICA FERNANDES, COM INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS VENDIDOS E EM ESTOQUE 100.105.025 644425 10 10 fev/05 fev/10 9660 10/10/2005 13/10/2005

Leia mais