ARBORIZAÇÃO URBANA E REDES DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA PROPOSTA DE MANEJO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARBORIZAÇÃO URBANA E REDES DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA PROPOSTA DE MANEJO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL."

Transcrição

1 UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADE CATARATAS FACULDADE DINÂMICA DAS CATARATAS Curso de Engenharia Ambiental ARBORIZAÇÃO URBANA E REDES DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA PROPOSTA DE MANEJO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL. MÁRIO MAIA DE OLIVEIRA JÚNIOR Foz do Iguaçu - PR 2009

2 II MÁRIO MAIA DE OLIVEIRA JÚNIOR ARBORIZAÇÃO URBANA E REDES DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA PROPOSTA DE MANEJO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL. Trabalho Final de Graduação apresentado à disciplina de TFG II da Faculdade Dinâmica de Cataratas UDC, como requisito parcial para avaliação da disciplina. Prof.:Elídio de Carvalho Lobão Foz do Iguaçu - PR 2009

3 III TERMO DE APROVAÇÃO UNIÃO DINÂMICA DE FACULDADES CATARATAS ARBORIZAÇÃO URBANA E REDES DE ENERGIA ELÉTRICA: UMA PROPOSTA DE MANEJO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA DE TFG II Aluno: Mário Maia de Oliveira Júnior Profª. Nota Final Avaliador: Prof.:Elídio de Carvalho Lobão Foz do Iguaçu, 14 de dezembro de 2009.

4 IV AGRADECIMENTOS A Deus pela vida e pela natureza exuberante e maravilhosa que nos impulsiona para uma luta inglória mas necessária. Agradeço aos meus pais Mário Maia de Oliveira e Delvair Ferreira de Oliveira, a minha irmã Glaci Ferreira de Oliveira, minha namorada Angela Zanolla e a todos os meus familiares que me apóiam e contribuem para meu crescimento intelectual na busca de conhecer e lutar por um mundo melhor. Aos meus companheiros de jornada do saber e professores que contribuíram para que eu adquirisse uma nova maneira de perceber o mundo, especialmente ao Prof. Elídio de Carvalho Lobão, pela orientação neste trabalho.

5 V A participação da sociedade civil, em todos os momentos (planejamento, concepção, criação e administração), deve ser um mecanismo essencial no modelo desejável de preservação e conservação dos recursos naturais, fundamentados nos preceitos do desenvolvimento sustentável. (Nájila Rejanne Alencar Julião Cabral, 2005)

6 VI RESUMO OLIVEIRA JÚNIOR, Mário Maia de. Arborização Urbana e Redes de Energia Elétrica: uma proposta de manejo e gerenciamento ambiental. Foz do Iguaçu: UDC, A constatação de que a arborização urbana interfere nas redes de transmissão de energia elétrica e que somente as podas são insuficientes para contornar o problema motivou esse estudo voltado para a relação entre a arborização urbana e as redes aéreas de energia dentro do contexto da legislação, visando definir parâmetros possíveis para a realização de manejo. O objetivo da pesquisa foi quantificar a interferência da arborização na rede elétrica, visando a melhoria do sistema de gestão da arborização urbana. A metodologia utilizadas constou de uma entrevista com os diretor da Copel em Foz do Iguaçu, quando também foi cedida pela empresa uma planilha constando as interrupções no fornecimento de energia no ano de 2009, onde se apresenta a importância das árvores nesse processo, em seguida foi realizada uma análise da arborização nos bairros mais antigos com ampla arborização contando com registros fotográficos das interferências e posturas incorretas, além de também registrar os locais onde a arborização foi devidamente planejada, também foi verificado junto à Prefeitura Municipal o número de imóveis e a porcentagem aproximada de árvores urbanas em Foz do Iguaçu, concluindo que há necessidade de interferir na arborização através da realização de um plano de manejo envolvendo podas e educação ambiental da população para sua realização. Palavras-chaves: Urbanismo; Meio Ambiente; Planejamento; Qualidade Ambiental.

7 VII ABSTRACT OLIVEIRA JÚNIOR, Mario Maia de. Urban Tree Networks and Power: a proposal for management and environmental management. Foz do Iguaçu: UDC, The fact that the urban tree interferes with the transmission networks of power and that only pruning is insufficient to circumvent the problem prompted this study on the relationship between urban tree planting and aerial power in the context of legislation for define possible parameters for the conduct of management. The objective of this research was to quantify the interference of afforestation on the grid, thereby improving the management system of urban areas. The methodology used consisted of an interview with the director Copel in Foz do Iguaçu, also when the company was sold a spreadsheet consisting interruptions in energy supply in 2009, which shows the importance of trees in the process, then was Analysis of the stock in older neighborhoods with large stock counting on photographic records of interference and incorrect postures, and also record the locations where the stock was properly planned, was also found near the City Hall the number of properties and the approximate percentage of urban trees in Foz do Iguacu, concluding that there is no need to interfere in stock by carrying out a management plan involving pruning and promote environmental education for its realization. Keywords: Urban Planning, Environment, Planning, Environmental Quality..

8 VIII LISTA DE FIGURAS Tabela 1: Tipos de Plantio em função da largura e ocupação dos lotes Tabela 2: Normas da Secretaria do Meio Ambiente de Foz do Iguaçu Tabela 3: Planilha de diagnóstico Gráfico 1: Interferências de árvores na rede elétrica em Foz do Iguaçu Gráfico 2: Interrupções causadas por ausência de poda Gráfico 3: Causas de interferências ambientais controláveis Figura 1: Árvores em contato com os fios Figura 2: árvore de grande porte sob linhas de transmissão Figura 3: Arborização Planejada por Itaipu Figura 4: Árvore plantada muito próxima do poste Figura 5: Árvore podada em via pública Gráfico 4: Imóveis que possuem árvores Gráfico 5: Imóveis com jardim Gráfico 6: Índice de árvores internas e externas Gráfico 7: Índice de árvores frutíferas Figura 6: Esquema do plano de Manejo Tabela 4: Síntese da Proposta de Manejo... 59

9 IX SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO ARBORIZAÇÃO URBANA LEGISLAÇÃO VERDE: A PROTEÇÃO DO AMBIENTE URBANO A COPEL E O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NO MEIO URBANO PLANEJAMENTO DE ARBORIZAÇÃO URBANA LEGISLAÇÃO REFERENTE À ARBORIZAÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA PLANEJAMENTO DA PESQUISA Coleta de Dados RESULTADOS E DISCUSSÃO INTERFERÊNCIA AMBIENTAL NA TRANSMISSÃO DE ENERGIA PLANO DE ARBORIZAÇÃO Diagnóstico Planejamento CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 63

10 1. INTRODUÇÃO A maioria da população contemporânea vive no meio urbano necessitando de condições que melhorem a convivência com ambiente adverso causado pelo caos das cidades. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), no ano de 2005 o Brasil tinha uma taxa de urbanização de 84,2% e, de acordo com algumas projeções, até 2050, a porcentagem da população brasileira que vive em centros urbanos deve pular para 93,6%. Em termos absolutos, serão 237,751 milhões de pessoas morando nas cidades do país na metade deste século (MIRANDA, 2009). A vegetação, pelos vários benefícios que pode proporcionar exerce importante papel na aproximação entre homem e o restante do meio natural, garantindo melhor qualidade de vida. A arborização urbana é importante na melhoria da qualidade de vida dessa população, principalmente no que diz respeito ao

11 12 conforto ambiental. Entretanto, nas cidades onde a arborização não foi planejada, as árvores tendem a entrar em contato com as redes de distribuição de energia e oferecer risco à população. Por isso, são anualmente podadas, minimizando os riscos de curto-circuito elétrico, de quedas de energia, ou de rompimento de fios (PIVETTA et al., 2002). O problema analisado relaciona-se ao conflito entre a necessidade simultânea de modernizar a urbanização e de preservar o meio ambiente. Adotando os princípios da preservação ambiental, pois inegavelmente as árvores possuem vida e sofrem com a ação das podas, cabendo, portanto, adotar ações de proteção e de gerenciamento ambiental, abrangendo tanto o cuidado com as pessoas, quanto com a vegetação. Desta forma, inicialmente foi realizada junto à Copel uma investigação das causas de interrupção no fornecimento de energia, procurando verificar sua associação com o tipo de arborização existente no município e seu manejo. Em seguida, foram percorridos os bairros da região da Vila A, Vila Iolanda, Vila Portes, Centro, Parque Presidente, Jardim Paraná e Jardim Petrópolis, além das avenidas Tancredo Neves e JK, registrando-se por meio de fotografias o tipo de arborização e potencial de interferência ou de não-interferência à conservação dos fios da rede de transmissão de energia elétrica. A Companhia Paranaense de Energia Elétrica (COPEL) além de informar como acontecem as podas forneceu um planilha com informações do sistema informatizado da empresa que serviu de suporte para a discussão do estudo e a Prefeitura Municipal contribuiu com informações registradas em seu Plano de Desenvolvimento Urbano, informando a quantidade de imóveis e de árvores situadas

12 13 na área urbana da cidade. Observou-se que existem locais onde a arborização foi planejada, como as Vilas de Itaipu, onde não interferem nas redes áreas de energia. Espera-se que esta pesquisa possa subsidiar o planejamento, manutenção e monitoramento da arborização de ruas, contribuindo para melhorar o conforto ambiental do município, a qualidade e a segurança da transmissão de energia elétrica por vias aéreas, além de proporcionar redução de custos de manutenção a COPEL. Esta pesquisa teve por objetivo qualificar a interferência da arborização na rede de energia elétrica, tendo em vista a melhoria do sistema de gestão da arborização urbana.

13 14 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 ARBORIZAÇÃO URBANA Segundo Segawa (1996) o desenvolvimento urbano da Europa iniciou-se na metade do século XV quando houve o primeiro fechamento de terras naquele continente, o que contribuiu para o surgimento de burgos nas mediações dos castelos dos senhores feudais. Porém estes eram lugares não planejados, o que exigiu posteriormente o planejamento dos espaços públicos, contribuindo para o aparecimento da vegetação em espaços urbanos. A partir do século XVII, em muitas cidades da Europa foram construídos jardins que terminaram por tornarem-se passeios públicos. A partir do século XVIII, sob influência européia, também os centros urbanos do Brasil passaram a ter esse tipo de preocupação, mas somente no século

14 15 XIX com a vinda da família real para o Brasil foram criados o passeio público e o Jardim Botânico na cidade do Rio de Janeiro (PEDROSA, 1983). Farah (1999) em uma análise detalhada e histórica apresenta uma forte influência do paisagismo nos ambientes urbanos, onde a arborização e os elementos vegetais são compreendidos como estruturadores do espaço definindo a paisagem e o desenho dos centros urbanos. O crescimento demográfico se junta a outros aspectos do espaço urbano, contribuindo também para degradação do meio ambiente e alteração dos elementos climáticos. A cidade imprime modificações nos parâmetros de superfície e da atmosfera que, por sua vez, conduzem a uma alteração no balanço de energia. Assim, os elementos paisagísticos devem ser voltados para trazer benefícios que visem a integração e a melhoria da qualidade do ar, do aquecimento, das sombras e do controle da ventilação e da umidade, pois é muito importante considerar a radiação solar e a temperatura do ar exterior, para eliminar o excesso de energia que torna inóspito o ambiente construído (FARAH, 1999). As áreas urbanas são ambientes artificiais constituídas de diferentes elementos, possuem áreas construídas e pavimentadas que favorecem a absorção da radiação solar diurna que aquece e reflete durante a noite, formando ilhas de calor. A interferência das árvores nesse tipo de ambiente é notadamente uma interferência muito positiva, pois estas interceptam, refletem, absorvem e transmitem a radiação solar, assim a arborização é fundamental para garantir conforto térmico em climas tropicais úmidos (GUERRA e CUNHA, 2006). Segundo (LANG, 2000) as áreas verdes constituem em espaços sociais e coletivos de relevada importância na manutenção da qualidade de vida, pois permitem o acesso a todos, independentemente de sua classe social, integrando as

15 16 pessoas e isso é considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) quando estipula que cada cidade deve promover no mínimo 12 metros quadrados de área verde por habitante. O planejamento da arborização deve considerar a necessidade de combater as poluições atmosférica, sonora e visual, pois no ambiente urbano as árvores contribuem para remover partículas e gases poluentes da atmosfera, constituindo-se em verdadeiras cortinas vegetais capazes de diminuir o teor de poeira do ar, minimizando o excessivo som urbano proveniente do tráfego, equipamentos, indústrias e construções que interferem na comunicação, no lazer e no descanso das pessoas afetando-as psicológica ou fisiologicamente (SEGAWA, 1996). Para (MILANO, 1984) é possível utilizar as árvores para atenuar o ruído, visto que os vegetais diminuem a reverberação do som, no entanto é necessário planejamento dessa utilização, pois o efeito protetor varia de acordo com a freqüência dos sons, com a posição das árvores em relação à fonte emissora e com a estrutura e composição do plantio. A arborização contribui também para atenuar a poluição visual, pois as árvores são componentes que conferem forma aos ambientes urbanos e desempenham um papel importante, delimitando espaços, caracterizando paisagens, orientando visualmente e valorizando imóveis, além de integrar vários componentes do sistema (FARAH, 1999). No entanto, um cuidado deve ser tomado, pois a uniformização da vegetação dos centros urbanos constitui-se um perigo para o equilíbrio ecológico da Terra e por isso essa ação deve ser evitada, pois da diversidade das espécies vegetais depende a sobrevivência da fauna e o equilíbrio ecológico. As cidades que

16 17 não diversificarem sua vegetação poderão se transformar em desertos verdes. Sendo assim, cada cidade deve priorizar espécies nativas regionais, permitindo que turistas tenham maior prazer ao visitá-las, visto que elas apresentam aspectos distintos e típicos de sua vegetação (MENEZES, 1996). Através de entrevista e do fornecimento de uma planilha, a COPEL informou que todos os anos, principalmente nos períodos chuvosos, ocorrem desligamentos de energia motivados pela interferência de árvores na rede de distribuição. Estas interferências podem ser causadas por galhos que se encostam, ou mesmo árvores que caem sobre a rede elétrica. As árvores das ruas e avenidas, muitas vezes são danificadas, mutiladas, ou mesmo, eliminadas, quando se trata de manutenção da rede elétrica, construção e reforma de edificações residenciais, comerciais e mesmo institucionais. Quando as árvores são podadas, têm seu aspecto original alterado, porém torna-se necessário respeitar a natureza da vegetação, pois as árvores não aceitam as exigências impostas pela estética e pela ciência. (MASCARÓ, 2005) apresenta os aspectos gerais voltados para a arborização urbana da seguinte forma: A arborização urbana deve ser feita, sempre que possível, para amenizar os aspectos negativos do entorno urbano, transformando os lugares hostis em bastante hospitaleiros para os usuários. Geralmente no ambiente urbano as plantas estão submetidas a condições bastante adversas ao seu crescimento e vida. Entretanto, com alguns cuidados tomados, desde a escolha adequada para o plantio e manutenção se conseguirá com facilidade cumprir as funções que lhe forma destinadas (p.186). As afirmações acima conduzem para a conclusão de que as árvores necessitam de luz e de outros aspectos para se reproduzirem, o que na área urbana pode representar uma dificuldade ao processo de arborização, pois em muitos locais existe o sombreamento provocado por áreas construídas prejudicando o

17 18 desenvolvimento natural das plantas. Além disso, há ainda o problema do efeito de canalização com ventos dominantes, que podem provocar danos principalmente nas estações frias. (MENEZES, 1996) ao discorrer sobre o processo de revitalização das áreas verdes de Curitiba nos anos 70 faz a seguinte citação: Assim, de um índice inferior a 1 m 2 de área verde por habitante no final dos anos 60, atingiu-se 16 m 2 por habitante no final de 1974 índice igual ao estipulado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Três grandes parques foram implantados, dois financiados pelo BNH, que além de se constituírem em pontos de encontro para a população, foram projetados com o objetivo de se encontrar uma solução alternativa para a contenção das enchentes dos rios que cortam a cidade. Ambos são parques lineares de fundo de vale (p. 102). Segundo (MASCARÓ, 2005) o sombreamento constitui-se em um fator muito importante nos planos de urbanização, principalmente nos locais de climas fortes, tanto secos como úmidos, ou temperados, com estações quentes, como é o caso de Foz do Iguaçu, que segundo o SIMEPAR (2009) possui uma variação de temperatura entre mínima de 8º e máxima de 32º em sua média anual. O autor afirma ainda que a há um controle maior da variação do índice de temperatura média anual nos locais onde existem mais árvores e sombreamento, além de melhorar a alimentação das camadas populares com o plantio de árvores frutíferas, onde as espécies mais comuns são as mangueiras, laranjeiras, amoreiras, goiabeiras e outras mais raras como as jaqueiras e ameixeiras. No entanto, de acordo com (MASCARÓ, 2005) a escolha das espécies de árvores a serem plantadas no perímetro urbano deve considerar alguns aspectos como: o objetivo da arborização, os aspectos geológicos e topográficos do espaço físico, a localização e o tipo de infra-estrutura a ser implantada,

18 19 a morfologia do recinto urbano público, e a forma de ocupação dos lotes. Para Pivetta et al. (2002) há ainda alguns outros pontos a serem considerados como o clima da região, e a disponibilidade de água para a rega. Uma das preocupações do planejamento da arborização urbana está relacionada com a compatibilização entre ao plantio e a infra-estrutura de forma a evitar o conflito que pode acontecer em diferentes níveis: no nível subterrâneo, quando as raízes se expandem desordenadamente afetando as redes; no nível da superfície, quando as raízes afetam a pavimentação, ou quando as folhas das árvores caduciformes (que perdem as folhas no inverno) entopem os bueiros ou bocas de lobo prejudicando as galerias pluviais; e, por fim, no nível aéreo, onde por falta de planificação pode haver interferência entre as copas das árvores e as redes de eletricidade, telefone e tv a cabo, etc. Os ambientes urbanos apresentam fatores característicos que devem ser levados em consideração e por isso, as árvores devem ser plantadas em buracos especialmente preparados e preenchidos com terra adequada ao tipo da espécie escolhida. Esse procedimento tem como finalidade evitar que a expansão das raízes das mesmas atinja as redes de infra-estrutura, como esgoto e abastecimento de água, além de manter a integridade da pavimentação (MASCARÓ, 2005). A preocupação em adequar o meio urbano de forma a proporcionar melhor qualidade vida aos seus habitantes exigiu que durante anos fossem gradativamente surgindo leis de adequação do meio urbano à natureza de forma a

19 20 garantir melhorias de acordo com as indicações da Organização Mundial de Saúde e em atendimento às leis de responsabilidade ambiental e social, fazendo com que recentemente sejam discutidas novas leis ligadas à preservação da flora, também conhecida como Legislação Verde (CABRAL, 2005). 2.2 LEGISLAÇÃO VERDE: A PROTEÇÃO DO AMBIENTE URBANO Cabral (2005) comenta que as normas gerais são feitas através de Lei, fixadas na Constituição Federal que estabelece a ordem pública e o interesse social. As ações de desenvolvimento urbano são feitas, basicamente, com políticas para habitação, saneamento básico e transportes rodoviários e ferroviários, entre outras. "Todos têm o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à qualidade de vida, impondo-se ao poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações" (art. 255 da Constituição Federal). Cabe aos Estados organizar o interesse comum criando ou fundindo novos municípios mediante consulta à comunidade, para se obter uma administração mais adequada de forma integrada, e, os municípios são responsáveis por zelar pelo bem estar da comunidade executando planos diretores que servem para controlar o parcelamento do solo e executar as políticas de desenvolvimento urbano e social. Cada uma das três instâncias de poder público tem a uma série de responsabilidades definida pela legislação a fim de fixar critérios de cooperação administrativa sobre a proteção ao meio ambiente e combate à poluição em qualquer das suas formas. O poder público Municipal é responsável pela fixação de critérios para uma gestão ambiental urbana de forma a tornar as cidades mais humanizadas em obediência às determinações do artigo 182 da CF/1988, o que vem completar as

20 21 determinações do art.5º da mesma Constituição que afirma que a qualidade de vida está implícita como um direito fundamental do ser humano (MENEZES, 1996). Em relação ao manejo das florestas, o Estado do Paraná através de seu Instituto Ambiental do Paraná IAP, realiza a regulamentação do uso e do manejo ambiental no estado por meio da realização de projetos adequados à legislação vigente. Um dos programas apresentados com essa finalidade que se encontra em vigor atualmente é o Programa SERFLOR que consiste no Sistema Estadual de Reposição Florestal Obrigatória SERFLOR e que foi concebido com base no dispositivo constitucional estadual que determina a obrigatoriedade de todos os consumidores de matéria prima de origem florestal efetuarem a reposição florestal em quantidade equivalente ao volume consumido. O programa SERFLOR tem como objetivo propiciar alternativas técnicas e economicamente viáveis aos consumidores para realizarem o reflorestamento em terras de sua propriedade, terras de terceiros, sob regime de sociedade, associações, em parcerias ou individualmente, ou ainda sob delegação ao Estado através do recolhimento de Cotas-árvore, cujos recursos são destinados especificamente (conforme determina o Decreto Estadual nº 1.940/96) ao PRODEFLOR, com retorno direto em benefícios ao setor florestal paranaense. Esse programa é destinado a todos os consumidores de matéria prima de origem florestal e que devem ser cadastrados junto ao IAP para participarem desse programa de reflorestamento no estado (IAP, 2009). No meio ambiente urbano o cumprimento da legislação verde compreende a obediência às principais Leis ambientais brasileiras, como o Código Florestal brasileiro, a Lei de Política Nacional de Meio Ambiente, a Lei de Crimes e Infrações contra o Meio Ambiente e a Lei do Sistema Nacional de Unidades de

21 22 Conservação. Estes são os principais instrumentos de gestão ambiental em vigor, que têm como missão criar unidades de conservação, preservar as reservas florestais legais e as áreas de preservação permanente, gerenciar o licenciamento ambiental e o Conselho Nacional de Meio Ambiente. 2.3 A COPEL E O GERENCIAMENTO AMBIENTAL NO MEIO URBANO A Companhia Paranaense de Energia Elétrica apresenta um compromisso de aprimorar o seu planejamento estratégico visando estabelecer objetivos voltados para a preservação ambiental e a geração de energia com qualidade de atendimento sem interferir na qualidade de vida dos usuários. Trata-se de um Programa de gestão de sua área de meio ambiente pela implantação de um processo integrado e colaborativo. Desta forma, a Copel alinha-se às diretrizes nacionais e estaduais e contribui para a melhoria das condições ambientais nas localidades onde atua. Esse processo de gestão ambiental é participativo e conta com a contribuição de todos os colaboradores de meio ambiente da empresa (COPEL, 2009). A gestão ambiental é organizada por processos estruturados em função de três fatores: o referencial estratégico da empresa, a nova política de gestão por unidades hidrográficas e a visão participativa. Itens de controle e indicadores foram definidos com base em quatro referenciais: a organização por processos, o GRI (Global Report Iniciative), o ISE Bovespa (Índice de Sustentabilidade Empresarial) e a Lei Sarbanes Oxley, facilitando assim a geração de informações necessárias para cada um destes referenciais. Alejandro (2002) comenta que o maior desafio enfrentado pela sociedade atual é o de manter o planeta Terra apto para a sobrevivência e o desenvolvimento

22 23 das futuras gerações. Essa preocupação está fundamentada no grau de poluição e depredação apresentado em nome do desenvolvimento de tecnologia. É, portanto, considerado desenvolvimento sustentável aquele que é economicamente viável, ambientalmente adequado e socialmente justo para toda a humanidade. Trata-se de reconhecer que os recursos da terra são finitos e que é preciso eleger um caminho que garanta o desenvolvimento integrado e participativo considerando a valorização e o uso racional dos recursos naturais. O desenvolvimento sustentável estuda a possibilidade de tornar compatíveis duas grandes aspirações globais: o direito ao desenvolvimento e a preservação ambiental. Vale lembrar que preservação e conservação possuem conceitos diferentes, enquanto a conservação prevê a utilização adequada e a manutenção das propriedades fundamentais do meio ambiente, a preservação diz respeito a não utilização dos bens naturais (ANDRADE FILHO, 1992). A Copel reconhece que a arborização urbana deve ser pensada de forma a garantir as boas condições ambientais de habitabilidade no meio urbano, mas sem interferir na transmissão de energia, visto que a eletricidade é um bem que pode representar a sobrevivência das pessoas em muitos casos, como por exemplo, a manutenção do funcionamento de aparelhos hospitalares ligados a pacientes terminais (COPEL, 2009). Segundo informações da COPEL (2009) as quedas na transmissão de energia podem ser causadas por várias ações como: a.vandalismo: intencionalmente alguém joga algum objeto na rede; b.defeitos em equipamentos, componentes ou nos sistemas; c. procedimentos: projeto ineficiente, normas e regras equivocadas, planos mal elaborados;

23 24 d. fatores Ambientais: animais, árvores, poluição; e. fenômenos Naturais: descargas atmosféricas, maresia, chuva, vento forte, inundação; f. Furto: apropriação de ativos (roubo de material); g. fraude: roubo de energia (adulteração do medidor, do padrão, gato, etc.); h. fator Humano: profissional próprio e terceirizado; i. Acidentes: abalroamento, pipa, incêndio, balões; j. externo: Furnas, instalações do cliente ou outras concessionárias, operadora de telefonia celular; k. Comunicação: falta de adequada comunicação da empresa junto a seus clientes e autoridades com relação a desligamentos programados; l. Contingência (operação emergencial). Destaca-se no ambiente urbano a relação entre as árvores e a rede elétrica, pois cada espécie de árvore possui características biológicas específicas e a si inerentes. Normalmente essas características são usadas para identificar e diferenciar umas das outras. Mascaro (2005) afirma que as características que devem ser consideradas e merecem planejamento para que seja realizada a arborização urbana são: Os tipos de copas das árvores são muito importantes na arborização urbana, principalmente no que se relaciona ao clima que se classifica em: tropical, temperado e frio. A dimensão da copa das árvores deve ser sempre compatível com o espaço físico existente, procurando conciliar também os diferentes tipos de copas com as redes de energia elétrica, o que compreende uma distância mínima de segurança que varia de um a três metros entre as copas das árvores e os fios de transmissão de energia.

24 25 Em relação aos troncos e ramos recomenda-se que esses não possuam espinhos ou outra característica que represente risco à saúde da população. Deve ser resistente aos ventos e, também, suportar o peso dos ramos sem lascar ou tombar. A folhagem das árvores que caem durante o outono e o inverno deve ser coletada e usada como adubo orgânico. O excesso de folhas causa o entupimento de calhas e bueiros. Neste caso, as árvores devem ser de espécies que tenham folhas menores (PIVETA e SILVA, 2002). As árvores que apresentam flores e frutos de maiores portes, devem ser evitadas em áreas urbanas, pois trazem riscos de acidente nas calçadas, tornandoas escorregadias e com sujeira excessiva. As raízes também são fonte de problemas, pois podem aflorar à superfície e destruir calçadas ou causar danos aos transeuntes. Em relação à arborização deve-se considerar também que algumas árvores contribuem para a proliferação de insetos e o uso de remédios (fungicidas e inseticidas) no meio urbano, pode acarretar problemas sérios de saúde à população e ao meio ambiente (MASCARÓ, 2005). As árvores rústicas são as melhores na arborização urbana pois essa característica permite que as mesmas adaptem-se com mais facilidade ao solo modificado em aspectos químicos e físicos, A escolha das espécies deve considerar que as mesmas sejam fortes para suportar as condições do ambiente urbano, onde a disputa de espaço entre uma árvore e as estruturas socialmente construídas é intensa, e frequente, além das limitações impostas pelo próprio homem. O planejamento da arborização contribui para que sejam plantadas as espécies corretas de forma a garantir que as características físicas do ambiente sejam consideradas em relação às características da planta (SANTOS, 2009).

25 PLANEJAMENTO DE ARBORIZAÇÃO URBANA. As características físicas servem de referências às condições dos espaços urbanos. No planejamento da arborização é importante a observação da geografia e da topografia de ruas, avenidas, praças, parques e construções. Mascaró (2005) apresenta uma tabela com medidas que devem ser consideradas no planejamento da arborização urbana: Tabela 1: Tipos de plantio em função da largura da rua e ocupação dos lotes. Largura Situação de Construções Plantio / espécie Rua Passeio Na divisa Com recuo Porte Local < 6,0m < 2,5 m sim Não arborizar Sim Pequeno Dentro propriedade > 2,5 m Sim Pequeno Oposto à fiação Sim Pequeno Oposto à fiação Dentro propriedade > 9,0 m < 2,5 m Sim Médio Oposto fiação Sim Médio Oposto à fiação Dentro propriedade >2,5 m Sim Grande Oposto à fiação Sim Sim Pequeno Sob fiação <2,5 m Sim Grande Oposto fiação > 12,0 m Sim Pequeno Sob fiação sim Grande Oposto fiação >2,5 m sim Pequeno Sob fiação Fonte: Mascaró (2005) Dadas as normas para o planejamento da arborização apresentam-se a seguir as determinações da Secretaria de Meio ambiente de Foz do Iguaçu para orientar a população sobre o plantio correto de árvores na área urbana, pois a maior preocupação está voltada para preservação ambiental, porém vive-se num tempo em que já não se pode viver nas cidades sem energia elétrica e tanto o rompimento das redes transmissão que interrompem a transmissão de energia quanto as árvores que crescem e se enroscam nos fios oferecem riscos á população. Um fio que rompe se continua energizado oferece como risco a possibilidade de descargas

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC - RS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO DE PESQUISA Plantar é preservar! Plante hoje, respire amanhã. Alegrete, de Janeiro de 2011 Plantar é preservar a vida. Plante hoje, respire amanhã. Professor

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO

IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 IMPLANTAÇÃO DE ARBORIZAÇÃO URBANA CONSCIENTE NO MUNICIPIO DE JATAÍ, GO Estela da Silva Lemes Secretaria do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia; coordenadora do Jardim Botânico;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná PREFEITURA MUNICIPAL DE JURANDA Estado do Paraná LEI Nº 644/2005 Dispõe sobre o Código de Arborização e Ajardinamento Urbano do Município de Juranda. A CÂMARA MUNICIPAL DE JURANDA, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG

ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG ARBORIZAÇÃO URBANA EM PAINS-MG Amanda Pereira do Carmo 1 ; Kátia Daniela Ribeiro 2 1 Bacharel em Engenharia Ambiental, amandambiental@yahoo.com.br 2 Professora Titular I, UNIFOR-MG, katiadr@bol.com.br

Leia mais

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA

SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA SUGESTÕES PARA MELHORAR A DIFÍCIL CONVIVÊNCIA DAS ÁRVORES DO GRAJAÚ COM AS REDES AÉREAS E CALÇADAS DO BAIRRO NELSON ARAUJO LIMA 1 SUMÁRIO página Apresentação... 3 A urbanização das ruas do Grajaú... 4

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia

Palavras-chave: Semiárido. Arborização Urbana. Sertânia Considerações Sobre a Gestão de Áreas Verdes Com Foco na Arborização de Sertânia - PE Edmaylson Jóia Leandro 1 Maria Betânia Moreira Amador 2 RESUMO Face a necessidade de implantação de espécies vegetais

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS Elinalva Silva de Lira 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 1 Bolsistas do Programa de Extensão Oficinas comunitárias

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O N. 10.944, de 13 de agosto de 2014 EMENTA: Regulamenta dispositivos da Lei Municipal n 1.198, de 14 de setembro de 1979 Código de Obras do Município de Itabuna na parte que indica e, dá outras

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012

3º Congresso Internacional de Tecnologias para o Meio Ambiente. Bento Gonçalves RS, Brasil, 25 a 27 de Abril de 2012 Análise dos Microclimas do Parque Farroupilha, Porto Alegre/RS Pedro Hasstenteufel 1, Izadora Flores Rech 2, Bruna Prades Bitencourt 3, Fernanda Saretta 4, Renata Dias Silveira 5 1 Porto Alegre (pedro_hass@hotmail.com)

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Missão: Através da pesquisa, tecnologia e educação, a Sociedade Internacional de Arboricultura promove a prática

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

1º - O projeto apresentado para análise incluirá os seguintes itens:

1º - O projeto apresentado para análise incluirá os seguintes itens: Lei nº 2.409, de 26 março de 2003. Estabelece critérios para instalação de Estações de Rádio-Base ERB, de microcélulas de Telefonia e equipamentos afins, dando outras providências. (Lei alterada em função

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL

LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL LAUDO DE CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL INTERESSADO: IMOBILIÁRIA PARQUE BRASIL LTDA DENOMINAÇÃO: LOTEAMENTO RESIDENCIAL VILA REAL FINALIDADE: LAUDO TÉCNICO PARA CUMPRIMENTO DA LEI MUNICIPAL 4.123 DE 04/05/2007

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável;

Instrução n. 22/2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas. Considerando o Princípio do Desenvolvimento Sustentável; Instrução n. 22/2007 Visa garantir nos imóveis, Área Livre de qualquer intervenção, permeável, passível de arborização e dá outras providências. atribuições legais, O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG

CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM VIAS PÚBLICAS DE INCONFIDENTES, MG Lilian Vilela Andrade Pinto (1) Professora DSc. em Manejo Ambiental do IFSULDEMINAS Campus Inconfidentes. Leciona as disciplinas de

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com.

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ACÚMULO DE RDC (RESÍDUO DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO) EM ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AVALIAÇÃO DOS RISCOS E PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS.

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios

Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios Arborização Urbana e Sistema Elétrico: Realidade e Desafios Teófilo Otoni Ipatinga Edvaldo Silva Dutra Gerência de Planejamento e Acompanhamento da Operação e Manutenção de Redes de Distribuição Alguns

Leia mais

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO

MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO MÉTODOS DE PROTEÇÃO CONTRA GEADAS EM CAFEZAIS EM FORMAÇÃO Paulo Henrique Caramori, Armando Androcioli Filho, Francisco Carneiro Filho, Dalziza de Oliveira, Heverly Morais, Alex Carneiro Leal e Jonas Galdino.

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO MEIO RURAL O ESPAÇO RURAL e a EDUCAÇÃO AMBIENTAL Luciano Gebler, MSc TESTE DE NIVELAMENTO 1 - O MEIO RURAL É : A - REGIÃO ONDE É FEITO O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES AGRÍCOLAS; B

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise

Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise Estiagem é tema de edição especial deste mês Instituições contam as medidas adotadas para atravessar o período de crise O forte período de estiagem que assola a região é o tema desta edição especial do

Leia mais

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM )

Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental (CGVAM ) LÍDERES Curso Internacional sobre Saúde, Desastres e Desenvolvimento Brasília DF 26 de novembro a 07 de dezembro de 2007 Ministério da Saúde

Leia mais

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil

Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil Revista de Biologia e Ciências da Terra ISSN: 1519-5228 revbiocieter@yahoo.com.br Universidade Estadual da Paraíba Brasil de Almeida Neto, Jorge Xavier; Silva, Humberto; Coelho Dantas, Ivan Avaliação dos

Leia mais

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL

TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA CONFORTO AMBIENTAL I PROFª RITA SARAMAGO TRABALHO 1 - ANÁLISE PROJETUAL PROJETO: SUGAWARADAISUKE ARCHITECTS LOANY GONZAGA.LUIZA DALVI.MÁRCIA MICHELLE.THAÍS MARA 1.ANÁLISE

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA:

CÂMARA MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO DECRETA: 2001 N Despacho PROJETO DE LEI N 503/2001 DISPÕE SOBRE A INSTALAÇÃO DE ESTAÇÕES RÁDIO BASE (ERBs) E DE EQUIPAMENTOS DE TELEFONIA SEM FIO NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Autor: Vereador GUARANÁ A

Leia mais

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG Câmpus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014

VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG Câmpus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Plantando a Semente, Cultivando Vidas Alex Lopes Carvalho 1 ; Vagner Aparecido Vítor² Ricardo Monteiro Corrêa ³; ¹ Estudantes de Agronomia. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Bambuí MG.

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. DECRETO Nº 17.108, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece normas e procedimentos para cooperação entre o e a sociedade, no que concerne à adoção de áreas verdes públicas, institui o Programa Floresça Caxias,

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE D I R E T O R I A D E S A Ú D E 05 DE JUNHO DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE Em 05 de Junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente e nesse ano o foco está voltado para as Mudanças Climáticas com o tema

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO

ÓRGÃO: 14000 - SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO-AMBIENTE PROGRAMA DE TRABALHO PLANO PLURIANUAL 2010-2013 CÓDIGO ESPECIFICAÇÃO - FUNCIONAL PROGRAMÁTICA 18000000 GESTÃO AMBIENTAL 18542000 CONTROLE AMBIENTAL 18542010 PROGRAMA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE 185420102.074 COORDENAÇÃO DOS

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992

PLANO DIRETOR DECENAL DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO. LEI COMPLEMENTAR N 16, de 4 de junho de 1992 Um plano e novas definições Em 1992, foi publicado na forma de lei complementar o Plano Decenal da Cidade do Rio de Janeiro. Estabeleciam-se então as normas para a política urbana de nossa cidade que deveriam

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA

AQUECIMENTO GLOBAL. Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas CAPA CAPA AQUECIMENTO GLOBAL Ações que o setor hortifrutícola deve realizar para se proteger das mudanças climáticas Por Mônica Georgino Um dos maiores desafios da humanidade no século 21 é aprender a lidar

Leia mais

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil

Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Congresso Internacional de Gestão da Inovação no Setor Público CIGISP 2015 15-17, abril, Brasília/Brasil Proposta de equacionamento de conflito ambiental e urbanístico: plantio de eucalipto na faixa lateral

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 11.934, DE 5 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre limites à exposição humana a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos; Mensagem de veto altera a Lei n o 4.771, de 15 de setembro de 1965; e dá

Leia mais

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE

Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Estado de Santa Catarina. Prefeitura Municipal de Garopaba. Setor de Engenharia PONTO DE ÔNIBUS COM TELHADO VERDE Praça Governador Ivo Silveira, 296 Centro Garopaba/SC. CEP 88.495-000 Fone/Fax: (048) 3254.8100

Leia mais

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN)

Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo. 0,5-0,5 0,5 3 pavim. Altura máxima de 13m. 8,5m 15% - - 15% Das Disposições Gerais (IPHAN) Logradouro: Rua Francisco Manoel, 10 1ª Categoria Terreno: 1400m² Observações: PMP: SIP3 INEPAC: Conjunto XI / 3 IPHAN: 1ª categoria, tipo V Prefeitura INEPAC IPHAN Resumo Taxa de ocupação 30% - 30% 30%

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

1. Programa Manaus Verde e Viva

1. Programa Manaus Verde e Viva 1. Programa Manaus Verde e Viva No intuito de fortalecer a arborização da cidade a Prefeitura de Manaus por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade - SEMMAS a administração deu

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ NÚCLEO DE CIDADANIA E MEIO AMBIENTE 30ª Promotoria de Justiça RECOMENDAÇÃO N.º 16/2011 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ, por intermédio da representante da abaixo firmada, com fundamento no art. 27, parágrafo único, inciso IV, da Lei Orgânica Nacional do Ministério

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo

Análise da Paisagem. Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo Análise da Paisagem Riscos ambientais relacionados ao uso e apropriação do relevo (análise do meio físico como subsídio para o planejamento territorial) Desastres naturais ocorridos no mundo e seus respectivos

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA

LEI Nº 5.477 TÍTULO I DA DEFINIÇÃO DE CALÇADA LEI Nº 5.477 Regulamenta a Lei nº 1.674/77 e a Lei nº 5.406/13, nos aspectos que definem a reforma e a construção dos passeios dos logradouros públicos municipais, através do projeto denominado Calçada

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N.º 1504/98 TITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N.º 1504/98 Dispõe sobre o código de arborização do município de lagoa santa O povo do município de lagoa santa, através de seus representantes legais na câmara municipal, aprovou, e eu, prefeito municipal,

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

Avaliação do Manejo Arbóreo em dez parques urbanos no Município de São Paulo

Avaliação do Manejo Arbóreo em dez parques urbanos no Município de São Paulo Avaliação do Manejo Arbóreo em dez parques urbanos no Município de São Paulo URAS, P. M. C¹.; GAMBERA, P. M. A.²; PEDRO, G. K.³; RESUMO Os Parques Urbanos são grandes espaços verdes localizados em áreas

Leia mais

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS

ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental - I COBESA ASPECTOS CONSTRUTIVOS E AMBIENTAIS DE TELHADOS VERDES EXTENSIVOS Matheus Paiva Brasil (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Urbanização Brasileira

Urbanização Brasileira Urbanização Brasileira O Brasil é um país com mais de 190 milhões de habitantes. A cada 100 pessoas que vivem no Brasil, 84 moram nas cidades e 16 no campo. A população urbana brasileira teve seu maior

Leia mais

LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003.

LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003. LEI Nº 1226, DE 12 DE SETEMBRO DE 2003. DISPÕE SOBRE O MANEJO, A PODA E O CORTE DE VEGETAÇÃO DE PORTE ARBÓREO E ARBUSTIVO EXISTENTE OU QUE VENHA A EXISTIR NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOAQUIM

Leia mais

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais