UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO ENGENHARIA CIVIL PROJETO PEDAGÓGICO MAIO, 2012.

2 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS 2 2. O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL 2 3. OBJETIVOS DO CURSO 4 4. PERFIL DO EGRESSO 5 5. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES 6 6. CORPO DOCENTE 6 7. SERVIDORES NÃO DOCENTES 8 8. CURRICULO PLENO GRADE CURRICULAR Ênfase em Estruturas Ênfase em Recursos Hídricos, Energéticos e Ambientais Ênfase em Gestão do Projeto e da Construção Ênfase em Saneamento e Ambiente Ênfase em Transportes e Geotecnia 8.2. TRABALHO FINAL DE CURSO ESTÁGIO SUPERVISIONADO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DOCENTE EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA Disciplinas Obrigatórias Disciplinas Eletivas INFRA-ESTRUTURA LABORATÓRIOS INFORMÁTICA BIBLIOTECA ANEXOS Anexo Anexo

3 1. DADOS GERAIS Denominação... Curso de Engenharia Civil Localização...Campinas/SP Instituição...UNICAMP Universidade Estadual de Campinas Unidade...FEC Diretor da Unidade...Paulo Sérgio Franco Barbosa Coordenador do Curso...Alberto Luiz Francato Número de Vagas Anuais...80 (oitenta) Número de alunos matriculados (quatrocentos e sessenta e nove) Regime de Ingresso...Anual Regime de Matrícula...Semestral Período...Integral Regime...Créditos Tempo de Integralização...10 Semestres Tempo Máximo de Integralização...16 Semestres Número Total de Créditos Total de Horas horas de atividades supervisionadas (além das horas de atividades de estudo não supervisionadas e horas a atividades à distância, que são variáveis dependendo da ênfase escolhida pelo aluno) Reconhecimento: Decreto Federal N o , de 26/04/1972 e renovado pela Portaria CEE/GP nº 99 de 27/02/2008 O exercício da profissão de Engenheiro Civil é regulamentado pela Lei Federal No , de 24 de dezembro de 1966, sendo sua regulamentação feita através do Decreto Federal No , de 10 de junho de O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL É de reconhecida importância social e econômica a atuação do Engenheiro Civil, que deve responder pelo atendimento de funções básicas da sociedade em que está inserido, visando o seu bem estar e desenvolvimento. Na atualidade, vivemos num clima generalizado de competição em todos os campos de atividades humanas, notoriamente no desenvolvimento tecnológico, que exerce uma influência marcante em todas as demais áreas. No cenário futuro 2

4 descortina-se uma tendência mundial de competição intensa, liderada principalmente pelos países mais ricos. O desenvolvimento tecnológico está intrinsecamente relacionado com as atividades de pesquisa, onde as novas descobertas são incorporadas com maior eficiência e cada vez mais rápidas à produção de bens e serviços. As empresas líderes deverão introduzir freqüentes aperfeiçoamentos em suas linhas de produtos, para não perderem a hegemonia. Sendo assim, deverão fazer investimentos, a taxas crescentes, na pesquisa científica e no desenvolvimento tecnológico. Conseqüentemente, a interação de empresas com as instituições de ensino e de pesquisa deverá crescer devido às necessidades de acesso às informações científicas e tecnológicas, absorção de pessoal qualificado e também contínua atualização dos seus profissionais. A Engenharia Civil caracteriza-se por ser um campo do conhecimento, em permanente, contínuo e crescente desenvolvimento científico e tecnológico. Portanto, a concepção do curso de Engenharia Civil deve atender, em essência, a esses pré-requisitos básicos e, ao mesmo tempo, dedicar especial cuidado para contemplar também o atendimento aos reclamos da relevante necessidade de contínua e permanente adaptação ao meio social. Com isso, garante-se ao profissional uma maior identidade com as necessidades e anseios da comunidade em que está inserido. Sendo assim, a concepção deste curso exige um currículo adequado às características regionais e nacionais, mantendo coerência com o previsto nos planos governamentais de desenvolvimento e com a própria conjuntura econômica do país, considerando inclusive uma projeção para as próximas décadas. O curso de Engenharia Civil da UNICAMP objetiva promover condições para a formação do profissional com bom nível teórico, com conhecimentos específicos e com habilidades práticas. O Engenheiro Civil assim formado deverá estar apto para o desempenho de funções relacionadas com a concepção, projeto, planejamento, supervisão, construção, operação e manutenção de edifícios e infra-estruturas em geral. Ao futuro profissional pretende-se assegurar uma sólida bagagem de conhecimentos básicos, estimulando-o a desenvolver um espírito de pesquisa, aliado ao domínio de conhecimentos específicos e capacitando-o a resolver problemas relativos ao seu campo de atuação. O profissional formado por esse curso possuirá noções básicas de economia, administração, legislação, normatização, controle do meio ambiente e políticas públicas, de modo a preparálo para desenvolver seu trabalho em equipes interdisciplinares. No mundo globalizado, o domínio de línguas estrangeiras é importante para se comunicar e ter acesso direto às informações geradas nos centros que detêm tecnologias, por isso o curso deve incentivar o aperfeiçoamento dessas línguas. Por último, o Engenheiro Civil deverá ser dinâmico, manter bom relacionamento com seus 3

5 subordinados sem prejudicar sua liderança, condições essenciais no ambiente de trabalho para alcançar as metas e resultados profissionais pretendidos, qualidades que devem ser estimuladas ao longo das diferentes disciplinas que compõem o curso de Engenharia Civil. O curso deve estar também vinculado ao progresso tecnológico, para responder aos desafios que surgirão pela competição, tanto em nível nacional como internacional. As aulas práticas são importantes para que os alunos aprendam fazendo e praticando, e não apenas verbalizando. Através do envolvimento com os professores na solução de problemas nas diversas áreas da Engenharia Civil, é esperada uma aprendizagem profícua e significativa. A informatização deve abranger todas as disciplinas, aproveitando ao máximo os recursos computacionais existentes. É de significativa importância para o desenvolvimento do curso levar em consideração os seguintes aspectos: As demandas sociais e as características econômicas e de desenvolvimento típicas da Região Metropolitana de Campinas, na qual está inserido o curso, do Estado de São Paulo e do Brasil; O campo de conhecimento da Engenharia Civil, devidamente caracterizado, que consiste em contínuas operações de transformação dos recursos naturais em prol do bem-estar social, econômico, cultural e ético do ser humano; Os objetivos institucionais da UNICAMP, como universidade pública e de qualidade. 3. OBJETIVOS DO CURSO O curso de Engenharia Civil da UNICAMP objetiva: Formar profissionais com espírito empreendedor, visão do contexto social, compromisso ético e aptidão para atuarem nas diversas áreas que compõem o campo da Engenharia Civil, que são: Construção Civil, Estruturas, Saneamento e Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Energéticos, Geotecnia e Transporte; Proporcionar aos discentes o ensino através de métodos e meios que garantam uma educação integral, a qual inclui valores humanos, éticos, sociais, científicos e tecnológicos, pelos quais deverão se pautar seus atos, tendo consciência da importância da defesa do meio ambiente e da necessidade de contribuírem para a construção de uma vida digna para todas as criaturas e para o equilíbrio vital entre elas; Capacitar os discentes para o trabalho de pesquisa nas diversas áreas da Engenharia Civil, estimulando a ação criadora, responsável e ética, a 4

6 partir de uma postura investigativa, de reflexão, de curiosidade perante o novo e o diferente, buscando conhecimentos e procedimentos que possam complementar e estimular o ensino-aprendizagem a graus mais elevados de excelência; Capacitar os discentes para atuarem na divulgação de novos conhecimentos técnicos, científicos e culturais por diferentes meios, e através de atividades de extensão, estimulando a orientação, discussão e parcerias para a busca de soluções dos problemas e desafios da comunidade em geral, em cooperação com os poderes públicos, notadamente nas atividades de pesquisa, planejamento e avaliação; Capacitar os discentes a enfrentarem problemas e conceberem soluções relativas às atividades profissionais rotineiras e àquelas decorrentes da evolução tecnológica. 4. PERFIL DO EGRESSO Em conformidade com a LDB - Lei de Diretrizes e Bases 9394/96, Deliberação 07/2000 do CEE - Conselho Estadual de Educação e as novas Diretrizes Curriculares estabelecidas pelo MEC, o Engenheiro Civil formado pela UNICAMP deve ter: Domínio dos conceitos fundamentais indispensáveis ao exercício profissional do Engenheiro Civil, associado à capacidade de enfrentar e solucionar problemas da área e de buscar contínua atualização e aperfeiçoamento; Formação abrangente nas diversas áreas da Engenharia Civil: construção civil, geotecnia, transportes, recursos hídricos, saneamento básico e estruturas; Domínio das técnicas básicas de gerenciamento e administração dos recursos humanos e materiais utilizados no exercício da profissão; Capacidade de utilização de novas alternativas no campo conceitual e prático da Engenharia Civil; Capacidade para atuação em equipes multidisciplinares; Senso ético-profissional, associado à responsabilidade social. Formação abrangente que lhe propicie sensibilidade para as questões humanísticas, sociais e ambientais. 5

7 5. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES O profissional deve desenvolver ao longo do curso as seguintes competências e habilidades: Raciocínio espacial; Operacionalização de problemas numéricos; Compreensão relativa a conceitos de ordem de grandeza; Expressão e interpretação gráfica; Assimilação e sistematização de conhecimentos teóricos; Síntese, aliada à capacidade de compressão e expressão da língua portuguesa; Obtenção e sistematização de informações; Construção de modelos matemáticos e físicos a partir de informações sistematizadas; Análise crítica dos modelos empregados no estudo das questões de engenharia; Formulação e avaliação de problemas de engenharia e concepção de problemas de engenharia e soluções; Interpretação, elaboração e execução de projetos; Gerenciamento e operação de sistemas de engenharia; Utilização da informática como instrumento do exercício da Engenharia Civil. 6. CORPO DOCENTE Abel Maia Genovez, Titular, UNICAMP, Adriana Aparecida Ambrosio de Souza, Doutora, FEC-UNICAMP, Adriano Luiz Tonetti, Doutor, FEC UNICAMP, 2008 Alberto Luiz Francato, Doutor,Unicamp, Ana Lúcia Nogueira de Camargo Harris, Pós-Doutorado, Universidad de Valladolid, Ana Maria Reis Góes Monteiro, Doutora, Unicamp, André Munhoz de Argolo Ferrão, Livre docente, UNICAMP, Antonio Carlos Zuffo, Livre docente, UNICAMP, Ariovaldo Denis Granja, Doutor, UNICAMP, Armando Lopes Moreno Junior, Livre docente, UNICAMP, Bruno Coraucci Filho, Titular, UNICAMP, Carlos Alberto Bandeira Guimarães, Doutor, UNICAMP, 1999 Carlos Alberto Mariotoni, Titular, UNICAMP, 2001 Carlos Gomes da Nave Mendes, Livre docente, FEC-UNICAMP, 2011 Cássio Eduardo Lima de Paiva, Livre docente, FEC-UNICAMP, 2006 Creso de Franco Peixoto, Mestre, EESC-USP, Daniel de Carvalho Moreira, Doutor, FEC-UNICAMP, Diógenes Cortijo Costa, Doutor, POLI-USP, Doris C. C. K. Kowaltowski, Titular, UNICAMP,

8 Edevar Luvizotto Junior, Pós-Doutorado, Universidade de Valência, Espanha, Edison Fávero, Doutor, USP, Edson Aparecido Abdul Nour, Livre, Docente, FEC-UNICAMP, Eglé Novaes Teixeira, Livre docente, FEC-UNICAMP, 2012 Emília Wanda Rutkowski, Doutora, USP, Evandro Ziggiatti Monteiro, Doutor, Unicamp, Flávio Augusto Picchi, Pós-Doutorado, MIT, EUA, Francis Rodrigues de Souza, Doutor, USP, Francisco Antonio Menezes, Doutor, EESC-USP, Francisco Borges Filho, Doutor, FAU-USP, Gladis Camarini, Livre docente, UNICAMP, Isaías Vizotto, Doutor, UNICAMP, João Alberto Venegas Requena, Livre docente, UNICAMP, Jorge Luiz Alves Trabanco, Doutor, USP, José Anderson do Nascimento Batista, Pós-Doutorado, EESC, José Gilberto Dalfré Filho, Pós-Doutorado, Universidade de Toronto, José Luiz Antunes de Oliveira e Sousa, Titular, UNICAMP, José Roberto Guimarães, Titular, FEC-UNICAMP, Lauro Luiz Francisco Filho, Doutor, UFRJ, Leandro Palermo Junior, Titular, UNICAMP, Leandro Silva Medrano, Livre docente, Unicamp, Lucila Chebel Labaki, Titular, UNICAMP, Luiz Carlos de Almeida, Pós Doutorado, ETSI UCLM - Espanhã, Maria Cecília Amorim Teixeira da Silva, Livre docente, Unicamp, Maria Gabriela Caffarena Celani, Pós-Doutorado, Universidade Técnica de Lisba, Maria Lúcia Galves, Livre docente, Unicamp, Maria Teresa Françoso, Doutor, USP, Marina Sangoi de Oliveira Ilha, Livre docente, UNICAMP, Mario Conrado Cavichia, Pós-Doutorado, University of Princeton, Mauricio Dario, Mestre, UNICAMP, Mauro Augusto Demarzo, Livre docente, Unicamp, Miriam Gonçalves Miguel, Doutor, EESC-USP, Newton de Oliveira Pinto Júnior, Doutor, POLI-USP, Nilson Tadeu Mascia, Titular, FEC-UNICAMP, Núbia Bernardi, Doutora, UNICAMP, Orlando Fontes Lima Junior, Livre docente, UNICAMP, Paulo José Rocha de Albuquerque, Livre docente, FEC-UNICAMP, 2012 Paulo Sérgio Franco Barbosa, Titular, UNICAMP, Paulo Sérgio Scarazzato, Doutor, FAU-USP, 1995 Paulo Vatavuk, Pós-Doutorado, Centro Técnico Aeroespacial, CTA, Percival Bisca, Mestre, Politécnica da USP, Pérsio Leister de Almeida Barros, Livre docente, UNICAMP, Philippe Remy Bernard Devloo, Titular, UNICAMP, Regina Andrade Tirello, Doutor, FAU-USP, Regina Coeli Ruschel, Livre docente, UNICAMP, Ricardo de Lima Isaac, Livre Docente, FEC-UNICAMP, Rosilene de Fátima Vieira, Doutora, FEC-UNICAMP, Rozely Ferreira Dos Santos, Livre docente, FEC-UNICAMP, Silvia Aparecida Mikami Gonçalves Pina, Livre docente, FEC-UNICAMP, Stelamaris Rolla Bertoli, Livre docente, UNICAMP,

9 Tiago Zenker Gireli, Doutor, POLI/USP, Vanessa Gomes da Silva, Livre docente, FEC-UNICAMP, Vinícius Fernando Arcaro, Doutor, UNICAMP, SERVIDORES NÃO DOCENTES Ademir de Almeida, Tecnólogo Alberto Fontolan, Engenheiro Alessandra Simões da Silva, Profissional de Assuntos Administrativos Andressa Grazielle dos Santos Teixeira, Tecnólogo em Construção Civil Antonio Carlos Coelho, Profissional de Assuntos Administrativos Antonio Luis Tebaldi Castellano, Arquiteto Ariovaldo da Silva Moraes de Queiroz, Profissional de Assuntos Administrativos Benigna Aparecida Pereira de Almeida, Técnico Administrativo Carlos Alberto Alcaide, Profissional de Assuntos Universitários Carlos Alexandre Bacci, Tecnólogo Cássia Helena de Souza Vasques, Administrador Celma da Conceição Lopes, Profissional de Assuntos Administrativos Daniel Batista, Profissional de Assuntos Administrativos Daniel Ghidotti Celente, Profissional Apoio Técnico de Serviços Daniel Hirata Klink, Profissional Técnico Informática e Comunicação David Izac, Administrador Diego Costa Romeiro, Profissional de Assuntos Administrativos Dulcinea de Oliveira Ortega, Profissional de Assuntos Administrativos Edilene Terezinha Donadon, Arquiteto Edimilson Correia, Profissional Apoio Técnico de Serviços Edmilson Roberto, Profissional de Assuntos Administrativos Eduardo Estevam da Silva, Profissional Apoio Técnico de Serviços Eduardo Jamal Francisco dos Santos, Engenheiro Elaine Lopes de Sales Francisco, Administrador. Eliete da Silva, Profissional de Assuntos Administrativos Elis Cristina da Silva, Profissional de Assuntos Administrativos Elizabeth Ap. Piva da S. Oliveira, Profissional da Arte Cultura e Comunicação Enelton Fagnani, Químico Fábio Albino de Souza, Tecnólogo Fernando Pena Candello, Biólogo Floriano Farina, Economista Haroldo José Cancio Dias, Profissional Apoio Técnico de Serviços Iara Silveira Cintra, Profissional Apoio Técnico de Serviços Isabel Cristina da Silva Leite, Profissional Apoio Técnico de Serviços Joel Gonçalves, Profissional Apoio Técnico de Serviços Jonas Lobo da Silva, Administrador Jose Benedito Cipriano, Tecnólogo José Benedito de Castro Henrique, Profissional de Assuntos Administrativos Jose Reinaldo Marçal, Profissional de Assuntos Universitários Jovelina Ferreira de Souza, Profissional de Assuntos Administrativos Ligia Maria Domingues, Tecnólogo Luciano Passos, Engenheiro Lucinere Batista de Oliveira Gomes, Profissional de Assuntos Administrativos 8

10 Marcelo Balbino da Silva, Tecnólogo Marcelo Francisco Ramos, Engenheiro Margarita de Los Angeles Bello Barrera, Profissional de Assuntos Administrativos Marina Martins Collaço, Profissional de Assuntos Administrativos Marisa Verídico Barbosa, Profissional de Assuntos Administrativos Mariza Geraldino, Profissional de Assuntos Administrativos Miguel Luis Leite, Profissional de Assuntos Administrativos Natacha Guilhermina Parma, Profissional de Assuntos Administrativos Obadias Pereira da Silva Junior, Tecnólogo Ondina de Almeida Batista Cardoso, Profissional Apoio Técnico de Serviços Patrícia Camargo Martins, Profissional Técnico de Informática e Comunicação Paulerman Maria da Conceição Mendes, Profissional de Assuntos Administrativos Paulo Buissa, Profissional Técnico de Informática e Comunicação Regina Meyer Branski, Profissional de Assuntos Administrativos Reinaldo Benedito Leite Silva, Profissional de Assuntos Administrativos Renata Franca Marangoni, Arquiteto Ricardo Marques Lourenço, Profissional de Assuntos Administrativos Rodolfo Bonamigo, Tecnico em Construção Civil Rosana Kelly Pedro Silva, Profissional de Assuntos Administrativos Rosangela Maria Marin Hofstatter, Profissional de Assuntos Administrativos Rosangela Soares Farias, Profissional de Assuntos Administrativos Sandra Rodrigues, Profissional de Assuntos Administrativos Saul Lima da Silva, Profissional Apoio Técnico de Serviços Sebastião Aparecido de Souza, Profissional Apoio Técnico de Serviços Sergio Adriano Bizello, Tecnólogo Solange Lisegle Schulz Staut, Tecnólogo Suze Meire de Farias, Profissional de Assuntos Administrativos Tania Claudia Laudeauzer da Silva, Profissional Técnico de Informática e Comunicação Vanderlei Costa Lima Junior, Profissional Técnico de Informática e Comunicação Wagner José Rinaldi, Administrador Wagner Pizani Guidi, Técnico de Construção Civil Waldir Vilalva Dezan, Arquiteto 8. CURRÍCULO PLENO O aluno ao ingressar no curso de Engenharia Civil pode escolher uma ênfase dentre as 05 (cinco) oferecidas. Para cada ênfase é sugerida uma grade curricular para cumprimento do currículo pleno conforme discriminado a seguir. Dentre as disciplinas indicadas o aluno irá cumprir o Trabalho Final de Curso e o Estágio Supervisionado que complementam a formação discente. 8.1 GRADE CURRICULAR É apresentada a sugestão das disciplinas a serem cursadas para cumprimento do curso em 10 (dez) semestres, que é feita aos alunos quando do ingresso na universidade. 9

11 Ênfase em Estruturas Para graduar-se neste curso, o aluno deverá obter o total de 282 créditos, correspondentes a 4230 horas de atividades supervisionadas, além de dedicar 90 horas a atividades à distância, perfazendo o total de 4320 horas, que poderão ser integralizadas em 10 semestres, conforme proposta oferecida pela unidade para o cumprimento do currículo pleno, sendo o prazo máximo de integralização 15 semestres. SEMESTRE 01 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA111 Cálculo I MA141 Geometria Analítica e Vetores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores CV141 Química para Engenharia Civil QG102 Química Experimental I CV101 Desenho Projetivo CV111 Sistemas Estruturais CV151 Introdução à Engenharia Civil Total de créditos do semestre 28 SEMESTRE 02 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA211 Cálculo II ME203 Estatística Elementar F128 Física Geral I F129 Física Experimental I GM420 Geologia Geral CV201 Desenho Assistido por Computador CV202 Materiais de Construção Civil I Total de créditos do semestre 27 SEMESTRE 03 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MS211 Cálculo Numérico F229 Física Experimental II CV311 Cálculo para Engenharia Civil CV301 Física para Engenharia Civil CV312 Mecânica Geral CV321 Topografia e Geodesia I CV332 Materiais de Construção Civil II CV351 Introdução à Economia Total de créditos do semestre 27 10

12 SEMESTRE 04 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C F328 Física Geral III F329 Física Experimental III CV401 Administração Aplicada à Empresas de Construção CV402 Projeto Arquitetônico CV431 Mecânica dos Fluídos CV411 Mecânica dos Sólidos I CV421 Topografia e Geodésia II CV422 CV450 Introdução à Pesquisa Operacional Metodologia Científica e Redação Científica Total de créditos do semestre 29 SEMESTRE 05 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV501 Planejamento Urbano CV511 Mecânica dos Sólidos II CV521 Geotecnia I CV522 Técnica dos Transportes CV531 Engenharia Hidráulica CV532 Eletrotécnica e Energia CV541 Qualidade Sanitária do Meio Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 30 SEMESTRE 06 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV612 Teoria das Estruturas I CV613 Estruturas de Madeira CV621 Geotecnia II CV622 Estradas I CV631 Sistemas Elétricos Prediais CV632 Hidrologia Básica CV633 Técnicas Construtivas I CV641 Sistemas de Abastecimento de Águas Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 31 11

13 SEMESTRE 07 SIGLA CV701 CV702 DISCIPLINAS Planejamento e Controle de Empreendimentos Sist. Prediais, Hidráulico- Sanitários. e Gás I Vetor T P L O D HS SL C CV712 Teoria das Estruturas II CV713 Estruturas Metálicas I CV714 Estruturas de Concreto Armado I CV721 Fundações CV722 Estradas II CV741 Sistemas de Esgotamento Hídrico: Sanitário e Pluvial Total de créditos do semestre 34 SEMESTRE 08 SIGLA CV811 DISCIPLINAS Estruturas de Concreto Protendido. I Vetor T P L O D HS SL C CV812 Estruturas de Pontes CV813 Estruturas Metálicas II CV814 Estruturas de Concreto Armado II CV821 Economia dos Transportes CV822 Estradas III CV823 Aeroportos CV831 Regulamentações na Eng. Civil CV832 Portos, Rios e Canais CV841 Ecologia para Engenharia Civil Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 34 SEMESTRE 09 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C Introdução à Análise não Linear de CV073 Estruturas CV910 Estruturas de Concreto Armado III Projeto Estrutural de Edifício de CV911 Concreto Armado Estruturas Metálicas Comp. por Chapas CV912 Dobradas Estruturas Metálicas dos Edifícios CV913 Industriais Introdução ao Método dos Elementos CV916 Finitos Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 20 12

14 SEMESTRE 10 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV950 Trabalho Final de Curso CV951 Estágio Supervisionado Eletivas Total de créditos do semestre Ênfase em Recursos Hídricos, Energéticos e Ambientais Para graduar-se neste curso, o aluno deverá obter o total de 282 créditos, correspondentes a 4230 horas de atividades supervisionadas, além de dedicar 90 horas a atividades à distância, perfazendo o total de 4320 horas, que poderão ser integralizadas em 10 semestres, conforme proposta oferecida pela unidade para o cumprimento do currículo pleno, sendo o prazo máximo de integralização 15 semestres. SEMESTRE 01 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA111 Cálculo I MA141 Geometria Analítica e Vetores MC102 Algoritmos e Programação de Computadores CV141 Química para Engenharia Civil QG102 Química Experimental I CV101 Desenho Projetivo CV111 Sistemas Estruturais CV151 Introdução à Engenharia Civil Total de créditos do semestre 28 SEMESTRE 02 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA211 Cálculo II ME203 Estatística Elementar F128 Física Geral I F129 Física Experimental I GM420 Geologia Geral CV201 Desenho Assistido por Computador CV202 Materiais de Construção Civil I Total de créditos do semestre 27 13

15 SEMESTRE 03 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MS211 Cálculo Numérico F229 Física Experimental II CV311 Cálculo para Engenharia Civil CV301 Física para Engenharia Civil CV312 Mecânica Geral CV321 Topografia e Geodesia I CV332 Materiais de Construção Civil II CV351 Introdução à Economia Total de créditos do semestre 27 SEMESTRE 04 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C F328 Física Geral III F329 Física Experimental III CV401 Administração Aplicada à Empresas de Construção CV402 Projeto Arquitetônico CV431 Mecânica dos Fluídos CV411 Mecânica dos Sólidos I CV421 Topografia e Geodésia II CV422 CV450 Introdução à Pesquisa Operacional Metodologia Científica e Redação Científica Total de créditos do semestre 29 SEMESTRE 05 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV501 Planejamento Urbano CV511 Mecânica dos Sólidos II CV521 Geotecnia I CV522 Técnica dos Transportes CV531 Engenharia Hidráulica CV532 Eletrotécnica e Energia CV541 Qualidade Sanitária do Meio Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 30 14

16 SEMESTRE 06 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV612 Teoria das Estruturas I CV613 Estruturas de Madeira CV621 Geotecnia II CV622 Estradas I CV631 Sistemas Elétricos Prediais CV632 Hidrologia Básica CV633 Técnicas Construtivas I CV641 Sistemas de Abastecimento de Águas Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 31 SEMESTRE 07 SIGLA CV701 CV702 DISCIPLINAS Planejamento e Controle de Empreendimentos Sist. Prediais, Hidráulico- Sanitários. e Gás I Vetor T P L O D HS SL C CV712 Teoria das Estruturas II CV713 Estruturas Metálicas I CV714 Estruturas de Concreto Armado I CV721 Fundações CV722 Estradas II CV741 Sistemas de Esgotamento Hídrico: Sanitário e Pluvial Total de créditos do semestre 34 SEMESTRE 08 SIGLA CV811 DISCIPLINAS Estruturas de Concreto Protendido. I Vetor T P L O D HS SL C CV812 Estruturas de Pontes CV813 Estruturas Metálicas II CV814 Estruturas de Concreto Armado II CV821 Economia dos Transportes CV822 Estradas III CV823 Aeroportos CV831 Regulamentações na Eng. Civil CV832 Portos, Rios e Canais CV841 Ecologia para Engenharia Civil Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 34 15

17 SEMESTRE 09 SIGLA CV076 CV930 CV932 CV933 CV936 DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C Obras Hidráulicas: Fundamentos Práticas e Projetos em Drenagem Urbana Engenharia Hidráulica Aplicada a Sistemas de Transportes Fluidos Gerenciamento de Recursos Hídricos Impactos Ambientais Resultantes de Obras Hidráulicas CV954 Trabalho Final de Curso I Eletivas A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 18 SEMESTRE 10 SIGLA CV031 DISCIPLINAS Introdução ao Planejamento Energético Vetor T P L O D HS SL C CV951 Estágio Supervisionado CV955 Trabalho Final de Curso Eletivas A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre Ênfase em Gestão do Projeto e da Construção Para graduar-se neste curso, o aluno deverá obter o total de 282 créditos, correspondentes a 4230 horas de atividades supervisionadas, além de dedicar 105 horas a atividades à distância, perfazendo o total de 4335 horas, que poderão ser integralizadas em 10 semestres, conforme proposta oferecida pela unidade para o cumprimento do currículo pleno, sendo o prazo máximo de integralização 15 semestres. SEMESTRE 01 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA111 Cálculo I MA141 Geometria Analítica e Vetores Algoritmos e Programação de MC102 Computadores CV141 Química para Engenharia Civil QG102 Química Experimental I CV101 Desenho Projetivo CV111 Sistemas Estruturais CV151 Introdução à Engenharia Civil Total de créditos do semestre 28 16

18 SEMESTRE 02 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MA211 Cálculo II ME203 Estatística Elementar F128 Física Geral I F129 Física Experimental I GM420 Geologia Geral CV201 Desenho Assistido por Computador CV202 Materiais de Construção Civil I Total de créditos do semestre 27 SEMESTRE 03 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C MS211 Cálculo Numérico F229 Física Experimental II CV311 Cálculo para Engenharia Civil CV301 Física para Engenharia Civil CV312 Mecânica Geral CV321 Topografia e Geodesia I CV332 Materiais de Construção Civil II CV351 Introdução à Economia Total de créditos do semestre 27 SEMESTRE 04 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C F328 Física Geral III F329 Física Experimental III CV401 Administração Aplicada à Empresas de Construção CV402 Projeto Arquitetônico CV431 Mecânica dos Fluídos CV411 Mecânica dos Sólidos I CV421 Topografia e Geodésia II CV422 CV450 Introdução à Pesquisa Operacional Metodologia Científica e Redação Científica Total de créditos do semestre 29 17

19 SEMESTRE 05 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV501 Planejamento Urbano CV511 Mecânica dos Sólidos II CV521 Geotecnia I CV522 Técnica dos Transportes CV531 Engenharia Hidráulica CV532 Eletrotécnica e Energia CV541 Qualidade Sanitária do Meio Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 30 SEMESTRE 06 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV612 Teoria das Estruturas I CV613 Estruturas de Madeira CV621 Geotecnia II CV622 Estradas I CV631 Sistemas Elétricos Prediais CV632 Hidrologia Básica CV633 Técnicas Construtivas I CV641 Sistemas de Abastecimento de Águas Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 31 SEMESTRE 07 SIGLA CV701 CV702 DISCIPLINAS Planejamento e Controle de Empreendimentos Sist. Prediais, Hidráulico- Sanitários. e Gás I Vetor T P L O D HS SL C CV712 Teoria das Estruturas II CV713 Estruturas Metálicas I CV714 Estruturas de Concreto Armado I CV721 Fundações CV722 Estradas II CV741 Sistemas de Esgotamento Hídrico: Sanitário e Pluvial Total de créditos do semestre 34 18

20 SEMESTRE 08 SIGLA CV811 DISCIPLINAS Estruturas de Concreto Protendido. I Vetor T P L O D HS SL C CV812 Estruturas de Pontes CV813 Estruturas Metálicas II CV814 Estruturas de Concreto Armado II CV821 Economia dos Transportes CV822 Estradas III CV823 Aeroportos CV831 Regulamentações na Eng. Civil CV832 Portos, Rios e Canais CV841 Ecologia para Engenharia Civil Eletiva A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre 34 SEMESTRE 09 SIGLA DISCIPLINAS Vetor T P L O D HS SL C CV068 Técnicas Construtivas II CV901 Qualidade de Projetos CV904 Qualidade na Construção CV951 Estágio Supervisionado Total de créditos do semestre 20 SEMESTRE 10 SIGLA CV900 DISCIPLINAS Sistemas Prediais, Hidráulico- Sanitários e Gás II Vetor T P L O D HS SL C CV902 Integração de Projeto CAD CV903 Gestão Financeira, Econômica e Riscos de Empreendimentos CV950 Trabalho Final de Curso Eletivas A escolher pelo aluno Total de créditos do semestre Ênfase em Saneamento e Ambiente Para graduar-se neste curso, o aluno deverá obter o total de 282 créditos, correspondentes a 4230 horas de atividades supervisionadas, além de dedicar 150 horas a atividades à distância, perfazendo o total de 4380 horas, que poderão ser integralizadas em 10 semestres, conforme proposta 19

Construção. Dia Horário Código Turma Disciplina Docente Sala Segunda-feira. 09h às 12h e 14h

Construção. Dia Horário Código Turma Disciplina Docente Sala Segunda-feira. 09h às 12h e 14h Segunda-feira 09h às 12h e 14h Metodologia de Pesquisa em Construção (Será oferecida na 1º IC929 A às 17h metade do 1º período letivo de 2016) Regina Coeli Ruschel Quarta-feira 09h às 12h IC936 A Controle

Leia mais

ÁREA DE CONSTRUÇÃO. Informática 10h às 13h e 14h

ÁREA DE CONSTRUÇÃO. Informática 10h às 13h e 14h ÁREA DE CONSTRUÇÃO Ariovaldo Denis Granja / Sala 11 - Quarta-feira 09h às 12h IC929 A Metodologia de Pesquisa em Construção Stelamaris Rolla Bertoli Informática 10h às 13h e 14h Projeto e Construção Sustentável

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO ENGENHARIA CIVIL PROJETO PEDAGÓGICO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO ENGENHARIA CIVIL PROJETO PEDAGÓGICO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CURSO ENGENHARIA CIVIL PROJETO PEDAGÓGICO JUNHO, 2010 SUMÁRIO 1. DADOS GERAIS 02 2. O CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CATÁLOGO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2013 FICHA CATALOGRÁFICA (Preparada pela Biblioteca

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

PAUTA 87ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

PAUTA 87ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Universidade Estadual de Campinas FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO UNICAMP PAUTA 87ª REUNIÃO

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO

FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO CATÁLOGO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO 2014 FICHA CATALOGRÁFICA (Preparada pela Biblioteca

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PAUTA 91ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

PAUTA 91ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Universidade Estadual de Campinas FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO UNICAMP PAUTA 91ª REUNIÃO

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Altera a Resolução n. 15/2006 do CONSEPE, que aprova a Projeto Pedagógico do

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I.

RESOLVE: Art. 1 o Aprovar o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, modalidade Bacharelado, do Centro de Tecnologia, no Campus I. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 23/2008 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, do Centro

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

FACULDADE SANTA RITA

FACULDADE SANTA RITA FACULDADE SANTA RITA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL BACHARELADO Matriz Curricular 1º SEMESTRE Introdução à Engenharia Geometria Analítica e Álgebra Linear 04 80 Cálculo I 04 80 Tópicos de Economia para Engenharia

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PRIMEIRO PERÍODO Calculo I 4 72 60 - Geometria Analítica 4 72 60 - Introdução a Engenharia Civil 4 72 60 - Metodologia Cientifica 4 72 60 - Filosofia Geral

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil com

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 147/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-479/2012,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA NAVAL Profa. M.Sc. Jose Luiz Sansone Junho de 2011. Breve Histórico 1974 UTAM Primeiro Vestibular para Eng. Operacional Mecânica 1985 UTAM Primeiro Vestibular

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

PAUTA 96ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

PAUTA 96ª REUNIÃO ORDINÁRIA DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo Universidade Estadual de Campinas FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E URBANISMO UNICAMP PAUTA 96ª REUNIÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 095/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 147/2012, que altera o Currículo do Curso de Engenharia de Produção Mecânica para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica Resolução CONSUN Nº 34/2014 de 29/10/2014 COD. NOME DA DISCIPLINA T P CH Pré-Requisito 1º SEMESTRE Introdução à 04 00 60 Introdução ao Cálculo 04 00 60 Química Geral Antropologia 02 00 30 Desenho Técnico

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 149/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia de Controle e Automação para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº MEC-481/2012,

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 Natureza Créditos Horas-aula Disciplinas Obrigatórias 210 3.150

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIA BÁSICA 2º ANO Nome da disciplina: Física Geral II Carga horária: 90h Acústica e Ondas. Óptica Física e Geométrica. Lei de Coulomb; Campo Elétrico. Lei de Gauss. Potencial. Capacitância.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil.

Leia mais

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES

TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Aplicação de softwares na confecção de textos, planilhas, e projetos. 2. Interpretação e desenvolvimento de desenhos técnicos e de projetos arquitetônicos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO N.º 08/2014 Altera a estrutura curricular do Curso de Engenharia Civil, modalidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Dados de Identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA

REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA DA EESC - USP COM BASE NAS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A ENGENHARIA Fernando César Almada Santos Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão. Objetivo Geral Curso: ENGENHARIA ELÉTRICA SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar engenheiros com sólidos e atualizados conhecimentos científicos

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa

RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa RELAÇÃO DESCRITIVA DO ACERVO INDICADO NO PPC Campus Formosa Bacharelado em Engenharia Civil bibliografia complementar ALMEIDA, Márcio de Souza S. Aterros sobre solos moles: projeto e desempenho. 1. reimpr.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA Rua Uruguai, 1675Bairro Central CEP: 98900.000

Leia mais

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2016s1-A 2016 Noturno

Curso: ENGENHARIA CIVIL Semestre: Turma: Ano: Período: 1º 2016s1-A 2016 Noturno 1º 2016s1-A 2016 Noturno Comunicação e Expressão Fundamentos de Cálculo Informática Aplicada à Engenharia Desenho Técnico Aux. por Computador Física Geral Introdução à Engenharia Civil Fundamentos de Cálculo

Leia mais

Alterado em 14/04/2015 1º PERÍODO Hora Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado

Alterado em 14/04/2015 1º PERÍODO Hora Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Sábado Alterado em 14/04/2015 1º PERÍODO (Christina Muniz Borges (Christina Muniz Borges (Christina Muniz Borges Leitura e Produção de Textos (Ana Paula Martins) Leitura e Produção de Textos (Ana Paula Martins)

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 008/2008 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Mestrado, com área de concentração em Engenharia de Edificações e Saneamento.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período 1º período EMC013 Desenho Projetivo para Engenharia A 6ª 09:25 11:55 1162 - BL 4 B 5ª 07:30 10:00 1162 - BL 4 C 5ª 10:15 12:45 1162 - BL 4 ENG011 Introdução à Engenharia Civil A 4ª 09:25 11:05 1165 - BL

Leia mais

Área das Engenharias

Área das Engenharias Engenharia de Alimentos Área das Engenharias Unidade: Escola Agronomia e Engenharia Alimentos - (EAEA) www.agro.ufg.br Duração: 10 semestres O Engenheiro de Alimentos é, atualmente, um dos profissionais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA

1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA 1. GRADE CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA 1 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO CURSO DE ENGENHARIA BIOTECNOLÓGICA Para melhor entendimento desta proposta de reestruturação curricular apresentamos

Leia mais

1º PERÍODO TURMA A DIA/SEMANA HORÁRIO DISCIPLINAS. 07:00h Introdução à Engenharia Civil (Demarcus) Quinta-Feira. Química 10:40h (Sandra Martins)

1º PERÍODO TURMA A DIA/SEMANA HORÁRIO DISCIPLINAS. 07:00h Introdução à Engenharia Civil (Demarcus) Quinta-Feira. Química 10:40h (Sandra Martins) 1º PERÍODO TURMA A Introdução à Engenharia Civil (Demarcus) Quinta-Feira Química (Sandra Martins) Sexta-Feira Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Cálculo Diferencial e Integral I (Maysa) Geometria Analítica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea

O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea O Engenheiro, a Universidade e o Sistema Confea/Crea PROF. ALBERTO LUIZ FRANCATO COORDENADOR DO CURSO DE ENG. CIVIL MARÇO/2012 Cenário nacional para a Engenharia Civil: O crescimento da indústria da construção

Leia mais

Projeto Integrador. Faculdade Senac

Projeto Integrador. Faculdade Senac Projeto Integrador Faculdade Senac Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás adota o Projeto Integrador nos cursos da área de Tecnologia da Informação com o intuito de possibilitar ao aluno criação de um produto

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.605, DE 10 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer n. 092/07-CEG, que aprova o Projeto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente

SALA DE REUNIÕES DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS, em Manaus, 19 de março de 2013. JOSÉ ALDEMIR DE OLIVEIRA Presidente UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N.º 18/2013 - CONSUNIV Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Controle e Automação, bacharelado, oferecido em Manaus e

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL II 30 CÁLCULO II 60 CÁLCULO I FÍSICA GERAL I 60 GEOMETRIA ANALÍTICA CÁLCULO I INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 60

FÍSICA EXPERIMENTAL II 30 CÁLCULO II 60 CÁLCULO I FÍSICA GERAL I 60 GEOMETRIA ANALÍTICA CÁLCULO I INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO 60 Matriz curricular Engenharia Civil 1º PERIODO CÁLCULO I 90 FÍSICA EXPERIMENTAL I 30 QUIMICA 60 GEOMETRIA DESCRITIVA 60 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA 30 GEOMETRIA ANALÍTICA 60 SOCIOLOGIA 60 Carga Horária Total

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos. Reitora: Profa. Márcia Nogueira Amorim. Campus Praça da Liberdade

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos. Reitora: Profa. Márcia Nogueira Amorim. Campus Praça da Liberdade Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos Reitora: Profa. Márcia Nogueira Amorim Campus Praça da Liberdade Curso de Arquitetura e Urbanismo Coordenação Duração do Curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ÁREA DO CONCURSO: TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PONTUAÇÃO-LIMITE DOS QUESITOS DA PROVA DE TÍTULOS DO CONCURSO PARA PROVIMENTO DE VAGA DE PROFESSOR ASSISTENTE EM REGIME DE 20 HORAS SEMANAIS PARA O DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MATERIAIS E CONSTRUÇÃO

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br

ENGENHARIA MECÂNICA. COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br ENGENHARIA MECÂNICA COORDENADOR Alexandre Martins Reis amreis@ufv.br 222 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Mecânico ATUAÇÃO O curso de Engenharia Mecânica da UFV visa fornecer a seus estudantes

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO II CÓDIGO: TAU076 CLASSIFICAÇÃO: PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 60 horas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade

ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade VICE-REITORIA ACADÊMICA DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ESCOLA DE ARQUITETURA E URBANISMO PROF. EDGAR ALBUQUERQUE GRAEFF Direção: Dirceu Lima da Trindade PLANO DE CURSO

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

PROCESSO N 1569/12 PROTOCOLO Nº 10.790.425-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 104/13 APROVADO EM 16/04/13

PROCESSO N 1569/12 PROTOCOLO Nº 10.790.425-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 104/13 APROVADO EM 16/04/13 PROTOCOLO Nº 10.790.425-5 PARECER CEE/CEMEP Nº 104/13 APROVADO EM 16/04/13 CÂMARA DO ENSINO MÉDIO E DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO INTERESSADO: ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CURITIBA

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Matriz curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Produção da UFERSA a partir de 2011.2. (Adequada à Matriz curricular do Curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia) Período Disciplinas Obrigatórias

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO N 998/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07

PROCESSO N 998/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07 PROTOCOLO N.º 9.113.967-7 PARECER N.º 342/07 APROVADO EM 13/06/07 CÂMARA DE PLANEJAMENTO INTERESSADO: ESCOLA TÉCNICA PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Pedido de Renovação do Reconhecimento do Curso

Leia mais

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DA PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO Mercados dinâmicos demandam profissionais com formação completa e abrangente, aptos a liderarem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR 2013. Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN

ESTÁGIO CURRICULAR 2013. Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN ESTÁGIO CURRICULAR 2013 Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN NOVA LEI DE ESTÁGIO (2008) 1) A carga horária está limitada a 06 horas diárias/30 horas semanais; 2) Não há vínculo empregatício;

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Condições de Oferta dos Cursos Reitora: Profa. Márcia Nogueira Amorim Campus Praça da Liberdade Arquitetura e Urbanismo Coordenação Duração do Curso Regina

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) Curso de especialização em Educação Matemática. Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP) 1. Apresentação/Público Alvo Este curso de Pós-Graduação Lato Sensu é destinado especialmente a alunos graduados

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO 2013 Coordenação Pedagógica: Prof. Ms José Luiz de Miranda Alves Coordenação do Núcleo de Estágio - NEST: Profª. Ms

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais