Programa de Formação. Impacto fiscal da adopção das novas regras contabilísticas (SNC e IAS/IFRS) TAX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Formação. Impacto fiscal da adopção das novas regras contabilísticas (SNC e IAS/IFRS) TAX"

Transcrição

1 Programa de Formação Impacto fiscal da adopção das novas regras contabilísticas (SNC e IAS/IFRS) TAX

2 Descrição dos conteúdos programáticos Introdução e principais objectivos da formação 6 Formação geral: Módulo 1 Activos fixos: tangíveis e intangíveis (NCRF 7/IAS 16 e NCRF 6/IAS 38) 9 Imparidade de activos (NCRF 12/IAS 36) 9 Formação geral: Módulo 2 Contratos de construção (NCRF 19/IAS 11) 10 Inventários (NCRF 18/IAS 2) 10 A informação contida neste documento é de natureza geral e não se aplica a nenhuma entidade ou situação particular. Apesar de fazermos todos os possíveis para fornecer informação precisa e actual, não podemos garantir que tal informação seja precisa na data em que for recebida/conhecida ou que continuará a ser precisa no futuro. Ninguém deve actuar de acordo com essa informação sem aconselhamento profissional apropriado para cada situação específica KPMG & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, S.A., a firma portuguesa membro da rede KPMG, composta por firmas independentes afiliadas da KPMG International Cooperativa, uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso em Portugal. A KPMG e o logótipo da KPMG são marcas registadas da KPMG Internacional. 2

3 Descrição dos conteúdos programáticos (cont.) Formação geral: Módulo 2 (cont.) Impostos diferidos (NCRF 25/IAS 12) 10 Propriedades de investimento (NCRF 11/IAS 40) 11 Provisões, passivos contingentes e activos contingentes (NCRF 21/IAS 37) 11 Activos não correntes detidos para venda (NCRF 8/IFRS 5) 12 Concessões (IFRIC 12) 12 3

4 Descrição dos conteúdos programáticos (cont.) Formação geral: Módulo 3 Concentração de actividades empresariais (NCRF 14/IFRS 3) 13 Custos de empréstimos obtidos (NCRF 10/IAS 23) 13 Instrumentos financeiros (NCRF 27/IAS 32) 14 Pagamento com base em acções (IFRS 2) 15 Benefícios dos empregados (NCRF 28/IAS 19) 16 Adopção das NCRF ou IAS/IFRS pela primeira vez (NCRF 3/IFRS 1) 16 4

5 Descrição dos conteúdos programáticos (cont.) Formação específica: Módulo 4 Regimes transitórios em vigor para as Instituições Financeiras 17 Regimes transitórios vs. Código do IRC adaptado 17 Impactos em impostos correntes e diferidos 18 5

6 Impacto fiscal da adopção do Sistema de Normalização Contabilística Foram publicados o Decreto-Lei n.º 159/2009, de 13 de Julho, que altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas ( IRC ), e o Decreto Regulamentar n.º 25/2009, de 14 de Setembro, que estabelece o novo regime aplicável às depreciações e amortizações para efeitos do IRC, os quais entraram em vigor a partir de 1 de Janeiro de Ambos os diplomas tiveram como objectivo primordial adaptar as regras de determinação do lucro tributável ao novo Sistema de Normalização Contabilística ( SNC ) que veio revogar o Plano Oficial de Contabilidade ( POC ) e às International Accounting Standards / International Financial Reporting Standards (IAS/IFRS). Neste sentido, e tendo em consideração as profundas alterações ao regime fiscal, consideramos ser este o momento oportuno para propor uma análise das mesmas através da presente acção de formação. Introdução A aprovação do SNC teve como objectivo a adopção das normas internacionais de contabilidade (IAS/IFRS) na sequência da aprovação do Regulamento n.º 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho. A adopção destas normas visa satisfazer um objectivo comunitário de harmonização contabilística como forma de reforçar a integração económica no espaço da União Europeia ( UE ). Com efeito, o referido Regulamento veio determinar que, a partir de 1 de Janeiro de 2005, as sociedades dos Estados-Membros da UE deveriam elaborar as suas demonstrações financeiras consolidadas em conformidade com as IAS/IFRS se, à data do balanço, tivessem emitido valores mobiliários admitidos à negociação num mercado regulamentado de qualquer Estado-Membro. 6

7 Introdução (cont.) No âmbito da aplicação do Regulamento n.º 1606/2002 surgiu o Decreto-Lei n.º 35/2005, de 17 de Janeiro, o qual reiterou a obrigação de adopção das IAS/IFRS nos termos e condições acima referidos e dispensou aquelas entidades da elaboração das demonstrações financeiras consolidadas de acordo com o POC. O referido diploma previu, igualmente, a possibilidade de as entidades optarem por elaborar as demonstrações financeiras individuais em conformidade com as IAS/IFRS, sendo, neste caso, obrigadas a manter a contabilidade organizada de acordo com a normalização contabilística nacional e demais disposições legais em vigor para o respectivo sector de actividade para efeitos da determinação da respectiva matéria colectável em sede de IRC. Não obstante, esta apresentava-se como uma norma de carácter transitório cujo efeito prático deixaria de ter aplicabilidade no momento em que ocorresse a adaptação do POC às IAS/IFRS. Actualmente, com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho, e consequente criação do SNC, as Empresas em geral deverão adoptar as Normas Contabilísticas de Relato Financeiro ( NCRF ) ou as IAS/IFRS, na preparação das demonstrações financeiras individuais, a qual passou a ser obrigatória a partir de 1 de Janeiro de Ora, no plano da fiscalidade, esta situação obrigou, como referido, à alteração do Código do IRC, alteração essa concretizada através do referido Decreto-Lei n.º 159/2009. Estas alterações traduziram-se em modificações profundas no sistema fiscal cujos impactos devem ser acautelados, quer pelos efeitos negativos que possam surgir, quer pelas oportunidades que daí possam advir. Com efeito, este cenário de alterações coloca as Empresas perante um conjunto de desafios e questões para as quais urge dar resposta. Por último, no que respeita às Instituições Financeiras que já aplicam as Normas de Contabilidade Ajustadas ( NCA ) ou o novo Plano de Contas para as Empresas de Seguros ( PCES ), os regimes transitórios que têm governado a aplicação do actual Código do IRC à realidade das IAS/IFRS foram revogados e substituídos pelas novas regras agora introduzidas. Essas alterações vão, em alguns aspectos, bastante além daqueles regimes transitórios, reflectindo não só um trabalho legislativo mais profundo de análise dos impactos fiscais da adopção das NCRF ou IAS/IFRS, mas também a consolidação e/ou adaptação de determinadas soluções que não se encontrariam devidamente enquadradas. 7

8 Introdução (cont.) Principais objectivos da formação A formação que nos propomos realizar contempla as seguintes vertentes: identificação do impacto fiscal das opções que sejam seguidas do ponto de vista contabilístico no âmbito do processo de conversão para as NCRF ou IAS/IFRS; identificação das novas regras fiscais introduzidas e dos regimes transitórios previstos; formação dos colaboradores relativamente às implicações fiscais resultantes da adaptação do Código do IRC às NCRF ou IAS/IFRS. 8

9 Formação geral: Módulo 1 Activos fixos (tangíveis e intangíveis) NCRF 7/IAS 16 e NCRF 6/IAS 38 No âmbito das normas referidas em epígrafe, passa a ser possível a adopção de dois critérios de mensuração dos activos fixos tangíveis e intangíveis: o modelo de custo e o modelo de revalorização. Por outro lado, a amortização dos activos fixos tangíveis e intangíveis passa a ser efectuada de acordo com o período de vida útil económica, em detrimento dos períodos de vida útil previstos no Decreto Regulamentar n.º 25/2009, aprovado em Conselho de Ministros. Assim, uma vez que o anterior regime fiscal das reintegrações e amortizações sofreu alterações, nomeadamente no que diz respeito ao enquadramento fiscal das realidades acima referidas, no decurso da formação irá ser abordada a articulação das normas contabilísticas com as novas regras fiscais relativamente a esta matéria. Imparidade de activos NCRF 12/IAS 36 De acordo com as normas aplicáveis à temática da imparidade de activos, o reconhecimento de imparidades ocorre sempre que o valor contabilístico de um activo seja superior à respectiva quantia recuperável, o que poderá resultar no reconhecimento de perdas desta natureza. Neste contexto, o regime fiscal anterior sofreu alterações, nomeadamente no que diz respeito ao reconhecimento fiscal destas perdas. No decurso da formação iremos ter em consideração, entre outros aspectos, as realidades abrangidas por esta norma, nomeadamente o tratamento fiscal a conferir às perdas em apreço. 9

10 Formação geral: Módulo 2 Contratos de construção NCRF 19/IAS 11 As normas relativas aos contratos de construção visam prescrever o tratamento contabilístico de réditos e custos associados a esta tipologia de contratos, sendo o único método admitido, no âmbito destas normas, o método da percentagem de acabamento, nos termos do qual o rédito contratual e os custos associados aos contratos de construção devem ser reconhecidos com referência à fase de acabamento do respectivo contrato à data do balanço. Como tal, as perdas esperadas nos contratos de construção devem ser imediatamente reconhecidas como tal no exercício em que sejam conhecidas ou puderem ser fiavelmente estimadas. Assim, face à existência de especificidades na legislação fiscal e doutrina administrativa no passado em torno do tratamento desta realidade, e na medida em que o regime contabilístico deixou de permitir a utilização do método do contrato completado, no âmbito da presente acção de formação iremos debruçar-nos sobre o impacto das mesmas no respectivo regime fiscal. Inventários NCRF 18/IAS 2 Nas normas relativas aos inventários são mencionados os aspectos relacionados com a determinação do custo e o seu subsequente reconhecimento como gasto, incluindo os ajustamentos para a determinação do valor realizável líquido. Nesta medida, o método do LIFO ( Last In First Out ) deixa de poder ser utilizado, passando apenas a ser permitidos os seguintes métodos como critérios de valorimetria: FIFO ( First In First Out ) e custo médio. Por outro lado, passa a ser possível incluir encargos financeiros, nos termos previstos na NCRF 10/IAS 23, na valorimetria dos inventários. Assim, a formação em apreço visará aferir sobre o impacto que as referidas alterações contabilísticas acarretam do ponto de vista fiscal, nomeadamente ao nível da alteração do critério de valorimetria aplicado/a aplicar. Impostos diferidos NCRF 25/IAS 12 As normas referidas em epígrafe prescrevem o tratamento contabilístico dos impostos sobre o rendimento e do reconhecimento de activos e passivos por impostos diferidos que daí advêm. De facto, de acordo com esta norma, os impostos correntes para períodos correntes e anteriores devem ser contabilizados como passivos quando não estejam pagos e como activos quando a quantia paga exceda a quantia devida para esses períodos. 10

11 Formação geral: Módulo 2 (cont.) Impostos diferidos (cont.) NCRF 25/IAS 12 Adicionalmente, os activos e passivos por impostos diferidos devem ser reconhecidos nas situações em que for provável que a recuperação/liquidação de quantias escrituradas a título de activo ou passivo impliquem que no futuro se pague menos/mais a título de impostos. Na medida em que as alterações contabilísticas decorrentes da adopção do SNC ou IAS/IFRS se traduzem em alterações ao nível da legislação fiscal, no âmbito desta acção de formação iremos dar nota do impacto destas alterações ao nível do cálculo dos impostos diferidos. Propriedades de investimento NCRF 11/IAS 40 Nas normas aplicáveis às propriedades de investimento é criada uma nova categoria de activos, os quais, no âmbito do regime contabilístico anterior, são reconhecidos como investimentos financeiros em imóveis. De acordo com a nova regra contabilística passam a existir dois modelos de avaliação: o modelo do custo e o modelo do justo valor, no âmbito do qual não serão reconhecidas as amortizações. Assim, no âmbito desta formação incidiremos, naturalmente, sobre as implicações fiscais associadas ao novo ordenamento contabilístico relativo a propriedades de investimento. Provisões, passivos contingentes e activos contingentes NCRF 21/IAS 37 A este nível, as normas referidas em epígrafe vem preconizar o abandono do conceito lato de provisão. Adicionalmente, a norma em apreço vem tipificar a constituição de provisões relativas a: contratos onerosos; custos de reestruturação; custos com garantias; custos com desmantelamento; encargos com processos judiciais em curso. Adicionalmente, o critério para reconhecimento de uma provisão passa a consistir no facto de a mesma consubstanciar uma obrigação presente, com exfluxo provável e estimado com fiabilidade, devendo esta ser reconhecida pelo seu valor actual. 11

12 Formação geral: Módulo 2 (cont.) Provisões, passivos contingentes e activos contingentes (cont.) NCRF 21/IAS 37 Face a estas alterações contabilísticas, foram introduzidas alterações no regime fiscal, nomeadamente no que respeita à dedutibilidade das provisões para garantias, bem como relativamente à dedutibilidade dos juros decorrentes da utilização do método do custo amortizado. Deste modo, abordaremos o efeito fiscal desta actualização, bem como as regras aplicáveis às provisões para garantias. Activos não correntes detidos para venda NCRF 8/IFRS 5 As normas aplicáveis aos activos não correntes detidos para venda vêm estabelecer o tratamento contabilístico e a apresentação e divulgação de unidades operacionais descontinuadas. Esta norma determina que, cumpridos determinados requisitos, quando a quantia escriturada de um activo não corrente seja recuperada principalmente através de uma transacção de venda e não de uso continuado, o mesmo deve ser classificado como um activo não corrente detido para venda. Adicionalmente, estabelece que um activo não corrente deverá ser mensurado ao menor valor entre a quantia escriturada e justo valor deduzido dos custos de venda, devendo a sua depreciação cessar. No âmbito da presente formação incidiremos, de um ponto de vista prático, sobre as implicações fiscais decorrentes da aplicação do justo valor e as regras a observar no apuramento do ganho ou perda no momento da alienação do activo em causa. Concessões IFRIC 12 A IFRIC 12 do International Financial Reporting Interpretations Committee vem estabelecer princípios gerais em matéria de reconhecimento e mensuração das obrigações e direitos conexos no quadro dos Acordos de Concessão de Serviços. Esta interpretação vem proporcionar orientações quanto à contabilização pelos concessionários dos acordos de concessão de serviços pelo sector público ou privado, definindo de que forma os operadores da concessão de serviços devem aplicar as IAS/IFRS existentes quando se considera que a entidade concedente fica com o controlo da infra-estrutura objecto do acordo. Adicionalmente, esta interpretação estipula dois modelos de contabilização para os contratos de concessão de serviços. 12

13 Formação geral: Módulo 3 Concessões (cont.) IFRIC 12 No modelo de activo financeiro o operador reconhece um activo financeiro caso tenha um direito contratual incondicional a receber uma retribuição do concedente. De acordo com o modelo do activo intangível, o operador reconhece um activo intangível na medida em que receba um direito de cobrar um preço aos utentes do serviço público. Ora, uma vez que as alterações contabilísticas que foram introduzidas têm consequências materiais em algumas sociedades concessionárias, importa, naturalmente, aferir do impacto fiscal daí decorrente. Desta forma, iremos abordar o impacto fiscal das referidas alterações, ilustrando com exemplos práticos a aplicação da norma. Concentração de actividades empresariais NCRF 14/IFRS 3 No âmbito das normas referidas em epígrafe, os activos e passivos decorrentes das operações de fusões, cisões, entradas de activos e permutas de partes sociais passaram a ser contabilizados ao justo valor ao invés do valor contabilístico. Ora, no regime anterior, um dos requisitos para a aplicação do regime da neutralidade fiscal consiste precisamente na obrigação de transferir e registar os elementos patrimoniais da sociedade contribuidora para a sociedade beneficiária pelos mesmos valores pelos quais aqueles se encontram inscritos na contabilidade da primeira. Neste contexto, e em virtude das referidas alterações contabilísticas no âmbito das operações de concentração de actividades empresariais, importa conhecer as consequentes alterações fiscais por forma a aferir da possibilidade das sociedades poderem vir a beneficiar do regime da neutralidade fiscal, uma vez que este representa regularmente um papel fundamental na definição da política estratégica de reestruturação de grupos de sociedades. Desta forma, pretendemos abordar nesta formação, de uma forma articulada, as alterações da legislação fiscal decorrentes das referidas alterações contabilísticas. Custos de empréstimos obtidos NCRF 10/IAS 23 A NCRF 10/IAS 23 vem possibilitar o reconhecimento dos custos de empréstimos obtidos como um gasto no exercício em que sejam incorridos. Por outro lado, a mesma norma permite (ou obriga, no caso da IAS 23) a capitalização dos custos quando os mesmos sejam directamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um activo elegível. 13

14 Formação geral: Módulo 3 (cont.) Custos de empréstimos obtidos (cont.) NCRF 10/IAS 23 Ora, no anterior regime, o custo de aquisição de um elemento do activo corresponde ao respectivo preço de compra, acrescido dos gastos acessórios suportados até à sua entrada em funcionamento, vigorando, ainda, o princípio da especialização dos exercícios. Acresce que podem ser incluídos no custo de produção os juros de capitais alheios destinados ao financiamento do fabrico ou construção de imobilizações, na medida em que respeitem ao período de fabricação ou construção e este não tenha uma duração inferior a dois anos. Face às alterações verificadas, na presente acção de formação, propomo-nos abordar o impacto fiscal destas ao nível dos financiamentos obtidos junto de entidades financeiras. Instrumentos financeiros NCRF 27/IAS 32 No que respeita às normas aplicáveis à temática dos investimentos financeiros, existem regras contabilísticas específicas relativas à classificação destes instrumentos como activos, passivos ou como instrumentos de capital, as quais assentam na substância económica das operações. No entanto, do ponto de vista da respectiva substância económica, determinados instrumentos apesar de formalmente corresponderem a instrumentos de capital ou dívida poderão equivaler a instrumentos de dívida ou capital, respectivamente. Desta forma, com a adopção das novas normas contabilísticas, poderão verificar-se alterações na qualificação dos instrumentos financeiros que poderão ter relevância do ponto de vista fiscal. Por outro lado, de acordo com o regime contabilístico previsto na NCRF 27/IAS 39, os instrumentos financeiros são repartidos em várias categorias distintas. A estes instrumentos financeiros são aplicáveis regras contabilísticas de mensuração específicas em função de cada uma das categorias, nomeadamente a mensuração pelo respectivo justo valor e pelo modelo do custo amortizado. Deste modo, do ponto de vista fiscal foram introduzidas regras específicas em função de cada categoria, cujo impacto será abordado no âmbito da acção de formação a prestar. Por último, e no que se refere aos instrumentos financeiros derivados, do ponto de vista contabilístico foram introduzidas novas regras específicas e os mesmos passam a ser definidos em diferentes categorias, consoante o seu fim: (i) (ii) à cobertura de justo valor; à cobertura de fluxo de caixa; 14

15 Formação geral: Módulo 3 (cont.) Instrumentos financeiros (cont.) NCRF 27/IAS 32 (iii) à cobertura de um investimento líquido numa unidade operacional estrangeira; (iv) trading. Ora, o regime fiscal anteriormente em vigor consagrado no artigo 78.º do Código do IRC passa pela diferenciação das operações efectuadas em bolsa daquelas efectuadas fora de bolsa. Neste sentido, em face das alterações contabilísticas introduzidas, nomeadamente ao nível da classificação dos instrumentos financeiros detidos, serão abordadas, de uma forma estruturada, as alterações fiscais decorrentes das alterações contabilísticas verificadas no âmbito do SNC. Pagamento com base em acções IFRS 2 O pagamento com base em acções está prescrito na IFRS 2, cujo intuito é o de especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção de pagamento com base em acções. Em particular, a norma exige que uma entidade reflicta nos seus resultados e posição financeira os efeitos das transacções de pagamento com base em acções, incluindo os gastos associados a transacções em que opções sobre acções são concedidas aos empregados. Esta norma deve ser aplicada na contabilização de todas as transacções de pagamento com base em acções incluindo: (i) (ii) transacções de pagamento com base em acções e liquidadas com capital próprio; transacções de pagamento com base em acções e liquidadas em dinheiro; e (iii) transacções em que a entidade recebe ou adquire bens ou serviços. O reconhecimento dos bens ou serviços recebidos ou adquiridos numa transacção de pagamento com base em acções deve ser efectuado quando a entidade obtiver os bens ou à medida que receber os serviços. Nesta medida, no âmbito da formação a desenvolver, iremos abordar o impacto fiscal associado à aplicação desta norma. 15

16 Formação geral: Módulo 3 (cont.) Benefícios dos empregados NCRF 28/IAS 19 Com a adopção do SNC, verificam-se algumas alterações ao nível do registo contabilístico dos benefícios dos empregados, as quais terão impacto fiscal. As alterações ao nível contabilístico traduzem-se no reconhecimento como custo dos benefícios dos empregados no exercício em que os serviços são prestados. Com efeito, os planos de participações nos lucros e de gratificações devem ser reconhecidos como custo quando: a empresa tenha uma obrigação presente legal ou construtiva de fazer tais pagamentos em consequência de acontecimentos passados; possa ser feita uma estimativa fiável da obrigação. No anterior regime, os benefícios de curto-prazo concedidos aos empregados encontram-se previstos no artigo 24.º do Código do IRC, sendo os mesmos considerados variações patrimoniais negativas. Nesta medida, e considerando as alterações contabilísticas acima referidas, iremos abordar as alterações introduzidas ao nível do regime fiscal por forma a compatibilizá-lo com o regime contabilístico e, desta forma, dar nota do impacto fiscal daquelas alterações. Adopção das NCRF ou IAS/IFRS pela primeira vez NCRF 3/IFRS 1 Por fim, importará abordar o impacto fiscal da adopção das referidas normas pela primeira vez, ou seja, o denominado ajustamento de transição. Com efeito, no plano contabilístico, aquando da adopção dos novos normativos contabilísticos é exigida a preparação de demonstrações financeiras de abertura de acordo com as regras na data de transição. Naturalmente, a preparação destas demonstrações financeiras envolve o reconhecimento/desreconhecimento de activos e passivos que aquelas normas exijam/impeçam, bem como a sua reclassificação e mensuração de acordo com as referidas normas. Nesta medida, o ajustamento inicial da adopção do SNC ou IAS/IFRS terá reflexo fiscal, o qual dependerá de uma análise casuística das diversas componentes do mesmo. Assim, propomo-nos abordar cada uma das alterações verificadas e, consequentemente, determinar o impacto fiscal decorrente de cada uma delas de forma detalhada. 16

17 Formação específica: Módulo 4 Regimes transitórios para as Instituições Financeiras Os regimes transitórios que têm governado a aplicação do anterior Código do IRC às Instituições Financeiras encontravam-se previstos no artigo 57º, n.ºs 2 e 3, da Lei n.º 53-A/2006, de 29 de Dezembro (Lei do OE para 2007) e no Decreto-Lei n.º 237/2008, de 15 de Dezembro, aplicando-se às entidades sujeitas à supervisão do Banco de Portugal que estejam obrigadas a elaborar as suas contas individuais em conformidade com as NCA e às entidades que se encontram obrigadas a aplicar o PCES aprovado pelo Instituto de Seguros de Portugal, respectivamente. Neste sentido, importará passar em resumo as principais adaptações ao Código do IRC que foram estabelecidas por esses regimes transitórios e o modo como influenciaram o apuramento da base tributável das Instituições Financeiras, tanto ao nível de impostos correntes como diferidos, servindo esta análise de ponto de partida para a identificação dos impactos decorrentes da substituição desses regimes transitórios pelas novas regras do Código do IRC. Regimes transitórios vs. Código do IRC adaptado Tal como já referido, as Instituições Financeiras (que já aplicam as NCA ou o novo PCES) têm vindo a seguir um conjunto de disposições transitórias para efeitos fiscais, importando apurar se as alterações introduzidas ao Código do IRC são, ou não, consistentes com as regras anteriormente em vigor. O regime previsto no Decreto-Lei n.º 159/2009 estabelece que, no caso destas entidades, o período de transição de 5 exercícios fiscais deve ser contado (não a partir da data de entrada em vigor do novo diploma, mas) a partir do período de tributação em que as NCA ou o novo PCES foram adoptados pela primeira vez para efeitos fiscais (2006 para as entidades que seguem as NCA e 2008 para as entidades que seguem o novo PCES). Parece, assim, que existe da parte do legislador uma forte convicção que as alterações agora introduzidas ao Código do IRC se encontram em perfeita sintonia com aqueles regimes transitórios. Contudo, não é esse o caso relativamente a um conjunto de áreas, pelo que na acção de formação serão abordadas as principais alterações cujo impacto deve ser analisado e salvaguardado em Essa análise será realizada tendo em conta as seguintes áreas: (i) instrumentos financeiros (disponíveis para venda e ao justo valor por resultados); (ii) activos não correntes detidos para venda; (iii) pagamentos com base em acções; (iv) imparidades; (v) transferências de carteiras; (vi) operações de cobertura. 17

18 Formação específica: Módulo 4 (cont.) Impactos em impostos correntes e diferidos Por fim, tendo identificado as principais alterações que foram introduzidas pelas novas regras do Código do IRC por comparação com os regimes transitórios anteriormente em vigor, serão abordados os principais impactos dessas alterações ao nível do apuramento dos impostos correntes e diferidos. No que respeita aos impostos correntes, esses impactos fazem-se sentir no período de tributação que teve inicio em ou após 1 de Janeiro de Contudo, no que respeita aos impostos diferidos, a IAS 12 estabelece que os activos e passivos por impostos diferidos devem ser mensurados pelas taxas fiscais que se espera que sejam de aplicar no período quando seja realizado o activo ou seja liquidado o passivo, com base nas taxas fiscais (e leis fiscais) que tenham sido decretadas ou substantivamente decretadas à data do balanço. Deste modo, o impacto ao nível do apuramento dos impostos diferidos resultante da aprovação das adaptações ao Código do IRC poderá coincidir ainda com o exercício de

19 A nossa equipa Luís Magalhães Head of Tax Tel.: Fax: Luís Magalhães é Head of Tax da KPMG em Portugal. A sua experiência profissional tem vindo a centrar-se na definição de políticas fiscais para a estruturação de grupos económicos e das obrigações fiscais e parafiscais, acompanhando de igual modo alguns dos principais grupos portugueses das áreas financeira e não financeira. A sua formação inclui a licenciatura em Direito pela Universidade Católica Portuguesa e o YMP no INSEAD. António Américo Coelho Partner Tel.: Fax: António Américo Coelho é Partner da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência profissional tem-se centrado em consultoria fiscal, bem como em operações de reestruturação de diversos grupos económicos e empresas de diferentes sectores de actividade. A sua formação inclui a licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto. Frequentou o curso de especialização em Fiscalidade ministrado no ISCTE, sendo também Revisor Oficial de Contas (ROC). 19

20 Jorge Taínha Partner Tel.: Fax: Jorge Taínha é Partner da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência tem-se centrado nas questões associadas ao sistema de reforma fiscal Portuguesa, não só ao nível da tributação de pessoas colectivas, como singulares, no âmbito do acompanhamento de colaboradores destacados. A sua formação inclui a licenciatura em Organização e Gestão de Empresas pelo Instituto Superior de Economia e uma Pós-graduação em Fiscalidade pelo Instituto de Estudos Superiores Financeiros e Fiscais. Pedro Marques Partner Tel.: Fax: Pedro Marques é Partner da equipa de consultoria fiscal da área financeira. A sua experiência tem-se centrado nas questões associadas à indústria financeira, em que se incluem cinco dos sete maiores Grupos Financeiros portugueses, diversos Bancos de Investimento internacionais, Seguradoras e Sociedades Financeiras especializadas em crédito automóvel. Participa como orador e formador em diversos Seminários e Conferências relacionadas com Tributação de Instrumentos e Produtos Financeiros, sendo também docente de cursos de pós-graduação de fiscalidade na área de Mercado de Capitais. A sua formação inclui a licenciatura em Economia pela Universidade Nova de Lisboa 20

21 Hugo Alves Senior Manager Tel.: Fax: Hugo Alves é Senior Manager da equipa de consultoria fiscal da área financeira. Possui 10 anos de experiência na prestação de serviços de assessoria fiscal a instituições financeiras, nomeadamente na área de banca comercial, gestão de activos e crédito especializado (neste último caso pelo apoio prestado a diversas instituições especializadas no crédito automóvel). A sua actividade tem estado igualmente centrada na assessoria relativa à tributação de produtos financeiros estruturados. Possui, ainda, experiência profissional anterior em entidade reguladora do mercado de capitais (CMVM). A sua formação inclui a licenciatura em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão e uma Pós-Graduação em Análise Financeira pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa. Maria do Céu Carvalho Senior Manager Tel.: Fax: Maria do Céu Carvalho é Senior Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. Especializou-se na área de IRC e a sua experiência centra-se na criação de estruturas adaptadas a estratégias fiscais a nível nacional e internacional, bem como na revisão e melhoria das políticas fiscais adoptadas. Anteriormente exerceu funções na área da auditoria e de corporate finance. A sua formação inclui a licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia do Porto, uma pós-graduação em Direito Fiscal pelo Instituto Superior de Gestão, sendo também Revisora Oficial de Contas (ROC). 21

22 Sandra Parente Senior Manager Tel.: Fax: Sandra Parente é Senior Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência profissional tem-se centrado na consultoria fiscal, bem como no apoio ao cumprimento de obrigações fiscais e parafiscais e em operações de reestruturação de diversos grupos económicos e empresas de diferentes sectores de actividade. A sua formação inclui a licenciatura em Licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Sandra Coutinho Senior Manager Tel.: Fax: Sandra Coutinho é Senior Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência tem-se centrado na consultoria fiscal, participando activamente na coordenação e desenvolvimento de diversos trabalhos de reestruturação económica, tax due diligences e tax compliance envolvendo empresas nacionais e internacionais. A sua formação inclui a licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Pós-graduação em Finanças e Fiscalidade pela EGP University of Porto Business School Faculdade de Economia da Universidade do Porto e Mestrado em Finanças e Fiscalidade na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, pendente da elaboração e defesa do Trabalho de Projecto na área do SNC. 22

23 Michael Santos Senior Manager Tel.: Fax: Michael Santos é Senior Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. Tem uma experiência significativa nos aspectos de natureza fiscal associados a operações de M&A, tendo participado na criação da equipa de Mergers & Acquisitions Tax da KPMG em Portugal em Outubro de A sua experiência em operações de M&A tem sido centrada na definição de estruturas internacionais de aquisição e de financiamento, bem como no apoio fiscal a operações de reestruturação de grupos económicos com o objectivo de redução dos encargos fiscais associados. Tem sido também responsável pela coordenação de trabalhos de due diligence, a nível nacional e internacional, onde tem assumido a responsabilidade pelo trabalho desenvolvido por diversas equipas em vários países e pela coordenação com os assessores jurídicos e financeiros da operação. A sua formação inclui a licenciatura em Organização e Gestão de Empresas. Bruno Veríssimo Senior Manager Tel.: Fax: Bruno Veríssimo é Senior Manager da área de consultoria fiscal a grandes grupos económicos da área não financeira. A sua experiência tem-se centrado na criação de estruturas adaptadas a estratégias fiscais a nível nacional e internacional, bem como na revisão e melhoria das políticas fiscais adoptadas. A sua formação inclui a licenciatura em Gestão pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG). 23

24 Filipe Grenho Manager Tel.: Fax: Filipe Grenho é Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência tem-se centrado na análise e definição de estruturas adaptadas a políticas fiscalmente eficientes a nível nacional e internacional, bem como na revisão e melhoria dos procedimentos fiscais adoptados. A sua formação inclui a licenciatura em Organização e Gestão de Empresas pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). Filipa Sequeira Manager Tel.: Fax: Filipa Sequeira é Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência profissional tem-se centrado na área de compliance e consultoria fiscal a empresas multinacionais estabelecidas em Portugal, liderando equipas multidisciplinares. Tem, igualmente, experiência na assistência fiscal a empresas do sector não financeiro, prestando apoio na revisão e optimização dos procedimentos fiscais adoptados. A sua formação inclui a licenciatura em Organização e Gestão de Empresas pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE).. 24

25 João Silva Manager Tel.: Fax: João Silva é Manager da equipa de consultoria fiscal da área não financeira. A sua experiência tem-se centrado no desenvolvimento e coordenação de trabalhos de reestruturação de grupos económicos nacionais e internacionais. Tem, igualmente, experiência na área de compliance e consultoria fiscal a empresas multinacionais estabelecidas em Portugal, bem como na revisão e melhoria dos procedimentos fiscais adoptados. A sua formação inclui a licenciatura em Economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto. 25

26 kpmg.pt A informação contida neste documento é de natureza geral e não se aplica a nenhuma entidade ou situação particular. Apesar de fazermos todos os possíveis para fornecer informação precisa e actual, não podemos garantir que tal informação seja precisa na data em que for recebida/conhecida ou que continuará a ser precisa no futuro. Ninguém deve actuar de acordo com essa informação sem aconselhamento profissional apropriado para cada situação específica KPMG & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, S.A., a firma portuguesa membro da rede KPMG, composta por firmas independentes afiliadas da KPMG International Cooperative, uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso em Portugal. A KPMG e o logótipo da KPMG são marcas registadas da KPMG Internacional.

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

Agenda Evolução de mapas legais Obrigado AGENDA Evolução do Normativo Contabilístico Nacional SNC Demonstrações Financeiras A nova terminologia Dificuldades de transição Siglas SNC: Sistema de Normalização

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira

Introdução à Contabilidade 2014/2015. Financeira Introdução à Contabilidade 2014/2015 Financeira 2 Sumário 1. O papel da contabilidade nas organizações. 2. A contabilidade externa vs a contabilidade interna. 3. Os diversos utilizadores da contabilidade.

Leia mais

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007

Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador. Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 Impacto fiscal das normas IAS/IFRS Especial ênfase no sector não financeiro e não segurador Domingos Cravo GETOC ISCA UA Out2007 1 2 Plano da Apresentação 1. As IAS/IFRS no ordenamento contabilístico Comunitário

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Março de 2012 1 Custo Amortizado Enquadramento e Determinação 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL MARÇO DE 2012 Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) 5ª Edição Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão Março de 2009 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Agosto de 2011 1 Contratos de Construção Enquadramento Contabilístico e Fiscal 2 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL AGOSTO DE 2011 Ministério das Finanças - Gabinete

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007

Contabilidade Normas Internacionais Futura Normalização Contabilística. 1 de Março de 2007 Contabilidade Normas Internacionais 1 de Março de 2007 O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que ele mude e o realista ajusta as velas (William George Ward) 1. Influência do meio envolvente

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 5 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos

Adaptação do Código do IRC. aos. novos normativos contabilísticos Adaptação do Código do IRC aos novos normativos contabilísticos 2009-04-23 1 Lei n.º 64-A/2008, de 31/12 (OE para 2009) Art.º 74.º Autoriza o Governo a alterar o Código do IRC e legislação complementar

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO:

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO: SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA (SNC) Apresentação A Comissão de Normalização Contabilística aprovou em Julho de 2007 o projecto do novo Sistema de Normalização Contabilística

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas

MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas MYBRAND MARKETING SESSIONS 02 Conferência - Avaliação de Marcas Tema: As Marcas e o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Orador: Pedro Aleixo Dias Senior Partner da BDO Membro da Comissão Executiva

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA NO SECTOR NÃO LUCRATIVO Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Escola Superior de Gestão 1 JUSTIFICAÇÃO DO CURSO No âmbito do processo de harmonização

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais

CONTABILIDADE. Docente: José Eduardo Gonçalves. Elementos Patrimoniais CONTABILIDADE Docente: José Eduardo Gonçalves Ano: 2008/2009 Universidade da Madeira Elementos Patrimoniais Activo Recurso controlado pela entidade como resultado de acontecimentos passados e do qual se

Leia mais

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro NCRF Sistema de Normalização Contabilística Após leitura e análise das Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF), a entrarem em vigor já em Janeiro próximo, senti me na obrigação de escrever este

Leia mais

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO

NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO NORMA CONTABILÍSTICA E DE RELATO FINANCEIRO 15 INVESTIMENTOS EM SUBSIDIÁRIAS E CONSOLIDAÇÃO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 27 Demonstrações

Leia mais

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura).

(c) Activos biológicos relacionados com a actividade agrícola e produto agrícola na altura da colheita (ver a NCRF 17 - Agricultura). NCRF 18 Inventários Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 2 - Inventários, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008

Leia mais

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS)

As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) As recentes alterações das normas contabilísticas no âmbito da concentração de actividades empresariais (SNC e IFRS) Por Carlos António Rosa Lopes O IASB aprovou em 2008 alterações à IFRS 3 sobre concentração

Leia mais

NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF)

NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) NCRF 3 Adopção pela primeira vez das normas contabilísticas e de relato financeiro (NCRF) Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 1

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

Norma Internacional de Relato Financeiro 2

Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Norma Internacional de Relato Financeiro 2 Pagamento com Base em Acções OBJECTIVO 1 O objectivo desta IFRS é especificar o relato financeiro por parte de uma entidade quando esta empreende uma transacção

Leia mais

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9.

Objectivo 1 e 2. Âmbito 3. Considerações Gerais 4 e 5. Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8. Período de Relato 9. ÍNDICE (parágrafos) Objectivo 1 e 2 Âmbito 3 Considerações Gerais 4 e 5 Identificação das Demonstrações financeiras 6 a 8 Período de Relato 9 Balanço 10 a 31 Demonstração dos Resultados 32 a 38 Demonstração

Leia mais

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre

Trabalho de Grupo. Contabilidade Geral 1. Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre Trabalho de Grupo Contabilidade Geral 1 Ano lectivo 2007/2008 1º Semestre 1 1 Objectivo Pretende-se com o presente trabalho que os alunos procedam a uma análise sintética do Novo Sistema de Normalização

Leia mais

Fundação Casa Museu Mario Botas

Fundação Casa Museu Mario Botas DEMOSNTRAÇAO DE RESULTADOS 2012 Fundação Casa Museu Mario Botas RENDIMENTOS E GASTOS 31-Dez-2012 31-Dez-2011 Vendas 551,62 Prestação de serviços Subsídios à exploração Ganhos/perdas imputados a subsidiárias

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

31-Dez-2013 31-Dez-2012

31-Dez-2013 31-Dez-2012 FUNDAÇÃO CASA MUSEU MÁRIO BOTAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ÀS CONTAS 31 DE DEZEMBRO DE 2013 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PARA OS PERÍODOS FFI INDOS EM 31 DE DEZZEMBRO DE 2013 E DE 2012 ACTIVO NÃO CORRENTE

Leia mais

ANEXO. Prestação de Contas 2011

ANEXO. Prestação de Contas 2011 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da entidade Fluviário de Mora, E.E.M. NIPC: 507 756 754 1.2. Sede Parque Ecológico do Gameiro - Cabeção 1.3. Natureza da Actividade O Fluviário de Mora, é uma

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 104/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova os modelos para várias demonstrações financeiras para microentidades A O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para microentidades, prevendo a

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística

Novo Sistema de Normalização Contabilística Acção de Formação Novo Sistema de Normalização Contabilística Novo Sistema de Normalização Contabilística Programa: 16 horas Formador: Dr. Vitor de Almeida Apresentação das demonstrações financeiras Estrutura

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

2.28. Benefícios dos Empregados

2.28. Benefícios dos Empregados . Modelo Geral do Sistema de Normalização Contabilística 179.8. Benefícios dos Empregados.8.1. Introdução O presente ponto é fundamentado na Norma Contabilística e de Relato Financeiro (NCRF) 8, e visa

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Conferência "Assumir a Mudança" 4 de Junho 2009

Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Conferência Assumir a Mudança 4 de Junho 2009 Principais alterações legislativas em sede de IRC em consequência do SNC Novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Conferência "Assumir a Mudança" 4 de Jorge Figueiredo Agenda 1. Razão da mudança

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Ciclo de Formações em Prestação de Contas

Ciclo de Formações em Prestação de Contas Ciclo de Formações em Prestação de Contas A prestação de informação financeira, exige uma constante actualização, quer gerada pela experiência prática de diferentes casos, cada vez mais complexos e não

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros

AHETA - Associação. Empreendimentos. Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros AHETA - Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve Oportunidades de poupança fiscal e incentivos financeiros Abril de 2013 Alojamento local AHETA Oportunidades de poupança fiscal Reafectação

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI)

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA PERSPECTIVA DOS UTILIZADORES (DGCI) ÍNDICE 1.A RELAÇÃO ENTRE A CONTABILIDADE E A FISCALIDADE 2. IMPLICAÇÕES FISCAIS DO SNC 2.1 - Determinação do lucro tributável

Leia mais

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril

PLANO DE CONTAS EMPRESAS DE SEGUROS PARA AS. Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Aprovado pela Norma Regulamentar n.º 4/2007-R, de 27 de Abril Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas contabilísticas e de relato financeiro Norma contabilística e de relato financeiro 1 - Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Norma contabilística e de relato financeiro 2 - Demonstração

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014

ANEXO RELATIVO AO ANO DE 2014 NOTA 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE: 1.1. Designação da entidade INSTITUTO PROFISSIONAL DO TERÇO 1.2. Sede PRAÇA MARQUÊS DO POMBAL, 103 4000 391 PORTO 1.3. NIPC 500836256 1.4. - Natureza da actividade CAE

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 13 INTERESSES EM EMPREENDIMENTOS CONJUNTOS E INVESTIMENTOS EM ASSOCIADAS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base as Normas Internacionais

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

Novo Modelo Contabilístico

Novo Modelo Contabilístico www.pwcacademy.pt Novo Modelo Contabilístico Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Academia da PwC Oportunidade única para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística.

Leia mais

Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016

Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016 Microentidades passam a integrar o Sistema de Normalização Contabilística (SNC) a partir de 2016 Foi publicado no dia 2 de junho, o Decreto-lei n.º 98/2015, que procedeu à transposição da Diretiva n.º

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA

DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA DINÂMICA DO PROCESSO DE ADAPTAÇÃO A BOLONHA SITUAÇÃO ACTUAL CRITÉRIOS DE RECONHECIMENTO SITUAÇÃO PRÉ - BOLONHA ADAPTAÇÃO A BOLONHA DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS DISCIPLINAS CHAVE DISCIPLINAS

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2011 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar n.º 05/2005-R. Data: 18/03/2005 Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar n.º 05/2005-R Data: 18/03/2005 Assunto: APLICAÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE EMPRESAS DE SEGUROS, SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE PENSÕES

Leia mais

C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE

C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE C I G E CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM GESTÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE PORTUCALENSE INFANTE D. HENRIQUE DOCUMENTOS DE TRABALHO WORKING PAPERS Nº 20 2011 SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA - (SNC) Dr. Carlos

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC 1 1 APRESENTAÇÃO A revogação do POC e o novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Aspectos fiscais mais relevantes decorrentes da adopção do

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

República de Moçambique. Ministério Das Finanças

República de Moçambique. Ministério Das Finanças República de Moçambique Ministério Das Finanças CEDSIF Centro de Desenvolvimento de Sistemas de Informação de Finanças TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O OBJECTO 1 E/OU OBJECTO 2 MAPUTO, Setembro de 2012 2 Introdução

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves

José Eduardo Mendonça S. Gonçalves José Eduardo Mendonça S. Gonçalves Estrutura Conceptual 49 Posição Financeira (Balanço) Activo, Passivo e Capital Próprio 64 Subclassificação no Balanço Fundos contribuídos pelos accionistas. Resultados

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 10 CUSTOS DE EMPRÉSTIMOS OBTIDOS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 23 Custos de Empréstimos

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 5ª Edição Lisboa, 9 e 16 de novembro Porto, 21 e 26 de novembro Academia da PwC 5ª Edição Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a IAS 23, Capitalização de Custos de Empréstimos

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 9ª Edição 2º semestre 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Após três exercícios em que a entrada em vigor de novas normas e alterações às existentes

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2.

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras. 2.2. Activo. 2. MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais