O Sagrado Camuflado. A crise simbólica do mundo atual

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Sagrado Camuflado. A crise simbólica do mundo atual"

Transcrição

1 O Sagrado Camuflado A crise simbólica do mundo atual 0

2 1

3 Fernando Felix Schwarz O Sagrado Camuflado A crise simbólica do mundo atual 1ª edição Belo Horizonte, Edições Nova Acrópole,

4 Produção geral: Beatriz Quaglia Pereira Projeto Gráfico: Silvana Perri Paoluzzi Dias Capa: Vicente Passos Ribeiro e Silvana Perri Paoluzzi Dias Trabalho de texto: Dolores Belico, Leandro Guedes, Letícia Schlitler Vieira, Márcio Martinho de Oliveira, Rafael Silva Miramoto, Ruth Maria Fortes Andalafet Colaboração: Rafael José Dias Imagem de capa: Busto de Isabel II, Rainha da Espanha. Camillo Torreggiani, Museu do Prado, Madri. S729s Schwarz, Fernando, O sagrado camuflado: a crise simbólica do mundo atual / Fernando Schwarz; Belo Horizonte: Edições Nova Acrópole, p. il., p&b; 13,5 cm Tradução do original em francês Título original: Le sacré camouflé ou la crise symbolique du monde actuel ISBN: (broch.) 1. Simbolismo 2. Mudança social - aspectos simbólicos I. Schwarz, Fernando Felix II. Título Tarcila Peruzzo Bibliotecária CRB CDD Foi feito o depósito legal Outros números de CDD sugeridos:

5 CONTATOS Associação Organização Internacional Nova Acrópole do Brasil Av. Doutor Mário Galvão, 420, sala 06, Jardim Bela Vista, São José dos Campos, SP - telefone (12) Edições Nova Acrópole - fones (13) Atendimento ao Professor - fones (13)

6 Sumário Introdução... Entre sagrado e profano: mito, rito e símbolo... O sagrado e o profano... O poder significativo do mito... A necessidade de mitos... O propósito significativo do mito... Mitos e heróis... O símbolo... O rito... A iniciação... Tradição e transmissão... A imaginação simbólica, fator de equilíbrio psicossocial... Imagem e símbolo... As três diretrizes do imaginário... Conciliar razão e imaginação... 5

7 A crise simbólica, a modernidade, um imaginário esgotado... O sagrado e o profano no mundo moderno... A modernidade, um imaginário esgotado?... O poder e o sagrado. Seus mitos, ritos e símbolos... O simbolismo, fonte oculta do poder... A geografia sagrada do poder... Os palácios da República... Os rituais de poder... O batismo de Clóvis, rito fundador da França O ritual da investidura presidencial... Os ritos de manutenção do poder... A bandeira francesa, símbolo da união... Lema e hino, memória da identidade... Marianne, a face da República... O retrato oficial, o estilo de governo... O dólar, um mito que se torna história... A União Europeia, uma história sem mito... 6

8 O sagrado camuflado em nossa modernidade: os arquétipos no coração de marcas lendárias, da publicidade e do cinema... Marcas e máscaras: irmãs gêmeas... Os arquétipos, chave das marcas lendárias... Nike, o herói guerreiro... Sony, o mago... Apple, o fora da lei... Star Wars, a odisseia do herói moderno... Da desmitificação à remitologização... O herói exilado; viva o herói!... O fim de um mundo não é o fim do mundo. Oportunidades e desafios da pósmodernidade... O que é a pós-modernidade?... Como está constituída a modernidade?... A transição da modernidade à pósmodernidade... As características da pós-modernidade... Os limites das mitologias privadas... 7

9 Um novo olhar para as profundezas para encontrar uma nova forma de iniciação individual e social... Conclusão... O retorno ao imaginário iniciático... Bibliografia... 8

10 Introdução 9

11 A pesar da secularização 1 de nossas sociedades contemporâneas, o transfundo arcaico simbólico do ser humano não desapareceu. Os vestígios do sentimento religioso e da dimensão do sagrado voltam a ser encontrados hoje, camuflados em nossas práticas cotidianas. A modernidade ocidental é a metamorfose histórica de Fausto como Lionel Buse recorda e desafia o poder do sagrado. Toda criação do mundo moderno é encoberta por uma sacralidade negativa no sentido de que o profano e a matéria converteram-se em autoridades por sua própria sacralização. O domínio da matéria sobre si mesma é a última forma de camuflagem do sagrado no profano. A literatura fantástica também expressa a ideia da dissimulação do imaginário na história. O historiador de religiões, Mircea Eliade, nos 1 Secularização: laicização, dessacralização 10

12 lembra que a novidade do mundo moderno se traduz em uma revalorização dos antigos valores sagrados, ao nível do profano. Apesar das aparências, nossas sociedades reproduzem os comportamentos míticos por meio da repetição de determinados cenários antigos, imitando modelos (personagens literários, heróis, guerreiros, políticos, atletas, estrelas de cinema, estrelas do rock, etc.). O sentimento religioso sofreu perdas, mas não desapareceu por completo. O desgaste dos símbolos, como consequência direta do surgimento do pensamento técnico, reducionista e binário, foi o ensejador desta crise atual. Conforme Pierre Bourdieu, em nossas sociedades profanas reside uma riqueza simbólica que determina a posição social dos indivíduos e que proporciona o reconhecimento e prestígio - ou seu inverso. 11

13 O simbólico é uma das potências ocultas do poder. Os símbolos de uma nação são verdadeiras chaves de decodificação de seu sistema político e social. Na França, dois símbolos derivados da Revolução possuem raízes bastante antigas: a República e a Marianne. A República está representada vestida à maneira da deusa romana Minerva, símbolo da paz armada que protege a cidade, e hoje se encontra em todos os selos oficiais. Já Marianne resgata a imagem da deusa Ceres, a semeadora, e faz alusão à França fértil e à Pátria-Mãe. Ernest Cassirer nos recorda que o homem não vive em um universo puramente material, mas que inclui sentido e valores que organizam a representação simbólica de si mesmo e do mundo. Uma trama ininterrupta de sentido e valores alimenta a correspondência entre o ser humano e o mundo e também entre os pró- 12

14 prios seres humanos. Esta trama também controla sua eficiência. Como as práticas simbólicas deixaram de ocorrer, e isso se deu com os ritos da República e também outros, o impulso coletivo foi buscar outras formas de expressão, como o coletivismo, o fenômeno de organização dos bandos, o tribalismo e o isolacionismo. Apenas uma crise pode interromper a crença na autoridade simbólica reconhecida. Hoje em dia, é precisamente a crise dos mitos modernos - como o mito do progresso ou da sociedade de consumo - que projeta o sentimento de desencanto do mundo contemporâneo. A profanação das sociedades atuais e a deturpação do imaginário e da função simbólica afastaram o homem moderno de suas raízes e de sua identidade; a perda da consciência lançou-o numa profunda desordem metafísica. 13

15 Não poderia então a crise que estamos enfrentando ser a oportunidade de revitalização do sagrado e de regeneração que nossas sociedades necessitam? Este livro se dirige a um público cada vez maior que se pergunta sobre as causas profundas das mutações que estamos vivendo. Nos três primeiros capítulos do livro o leitor encontrará chaves de um novo quadro de interpretação sociológica, antropológica e filosófica do mundo atual. E na segunda parte alguns exemplos ilustrarão as tantas formas em que o sagrado encontra-se camuflado neste momento histórico. 14

16 Entre sagrado e profano: mito, rito e símbolo 15

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LITERATURA E INTERCULTURALIDADE PLANO DE CURSO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LITERATURA E INTERCULTURALIDADE PLANO DE CURSO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB CENTRO DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES MESTRADO EM LITERATURA E INTERCULTURALIDADE Componente Curricular: MITOCRÍTICA E MITANÁLISE Carga Horária: 45 HORAS

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM FILOSOFIA 1º PERÍODO FIL02457 - FILOSOFIA POLÍTICA I (60 h, OBR) O homem e sua ação política. A noção de polis no pensamento grego antigo e seus desdobramentos

Leia mais

Sociedade como fonte do pensamento lógico

Sociedade como fonte do pensamento lógico Sociedade como fonte do pensamento lógico E. Durkheim Antropologia I Prof. Vagner Gonçalves da Silva Grupo: Nara G. R. Castillo - NºUSP 7131083 Milena C. Gomes - NºUSP 9765938 Paula R. Jorge - NºUSP 9825177

Leia mais

UM RETORNO AOS MITOS: CAMPBELL, ELIADE E JUNG

UM RETORNO AOS MITOS: CAMPBELL, ELIADE E JUNG UM RETORNO AOS MITOS: CAMPBELL, ELIADE E JUNG Vinícius Romagnolli Rodrigues Gomes * Solange Ramos de Andrade ** O presente artigo provém de um Projeto de Iniciação Científica, cuja temática refere-se a

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas Pedro Sousa Pereira, in Fernando Pessoa Mensagem, Oficina do Livro, novembro de 2006 Entre Margens V I R I A T O Se a alma que sente e faz conhece Só porque lembra

Leia mais

FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores

FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores FCSH/UNL 2012/13 Teorias Sociológicas: Os Fundadores Consciência Colectiva - Conjunto de crenças e sentimentos comuns à generalidade de uma sociedade particular, que formam um sistema com características

Leia mais

Os Deuses Interiores. como identificar seu arquétipo pessoal

Os Deuses Interiores. como identificar seu arquétipo pessoal Os Deuses Interiores como identificar seu arquétipo pessoal 0 www.nova-acropole.org.br 1 Laura Winckler Os Deuses Interiores como identificar seu arquétipo pessoal 1ª edição, Belo Horizonte 2 Edições Nova

Leia mais

paul ramírez jonas domínio público

paul ramírez jonas domínio público paul ramírez jonas No desenho que organiza as diversas atividades do espaço urbano, sua circulação e formas de ocupação, os monumentos representam uma pontuação, a demarcação de um território coletivo

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Fábio Adriano Hering

Currículos dos Cursos UFV. HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura. COORDENADOR Fábio Adriano Hering 164 HISTÓRIA Bacharelado e Licenciatura COORDENADOR Fábio Adriano Hering fahering@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 165 Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV poderá atuar em instituições

Leia mais

QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ?

QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ? QUAL O SIGNIFICADO DE RELIGIOSIDADE PARA VOCÊ? COMO A FILOSOFIA ESPÍRITA DEFINE O PROCESSO DE ESPIRITUALIZAÇÃO DO SER HUMANO? QUANDO E COMO ELE COMEÇA? QUAL O REAL CONCEITO DE RELIGIÃO? A religião é caracterizada

Leia mais

Espiritualidade - A Nova Era

Espiritualidade - A Nova Era Ana Dantas Espiritualidade - A Nova Era 1ª edição São Paulo Ana Paula Dantas Ilges 2016 1 Copyright @Ana Dantas 2016 Todos os direitos dessa edição reservados à Ana Paula Dantas Ilges. Os direitos autorais

Leia mais

Ciência e Tecnologia

Ciência e Tecnologia Coleção Ciência e Tecnologia SOBRE A COLEÇÃO Ciência e Tecnologia A Série Ciência e Tecnologia trará aos leitores o conhecimento necessário para manter-se atualizado e estimulado na busca por novos caminhos.

Leia mais

Junito de Souza Brandão. Memórias

Junito de Souza Brandão. Memórias Junito de Souza Brandão Memórias Junito Brandão foi especialista em estudos clássicos Autor de livros sobre mitologia e cultura grega Tradutor dos clássicos gregos Professor inesquecível para todos os

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA DE HISTÓRIA - ENSINO FUNDAMENTAL D1 Identificar a constituição de identidades culturais em diferentes contextos Identificar as diferentes representações sociais e culturais no espaço paranaense no contexto brasileiro. Identificar a produção

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Licenciatura ATUAÇÃO O licenciado em História formado na UFV poderá atuar no ensino fundamental (séries finais: 5ª a 8ª séries), ensino médio e universitário. O curso está

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO AUGUSTE COMTE E O PENSAMENTO POSITIVISTA Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir do Prado 2013 A Sociologia enquanto ciência Augusto Comte (1798 1857) francês, autor de Catecismo

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO. ENSINO RELIGIOSO REVISÃO GERAL III TRIMESTRE 7ºs ANOS Tema: Deus se mostra as pessoas: o simbolismo nas religiões. CAPÍTULOS 9 AO 12 DO LIVRO DIDÁTICO (RSE). Professor: Roberto

Leia mais

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder!

O soberano não representava mais seus príncipes e condes, passando a encarnar diretamente a representação do povo submetido ao seu poder! Estado moderno! Europa e Estados Unidos! Centralização crescente e politização do poder! Na estrutura feudal da Idade Média, o poder ainda era uma relação de direito privado no sentido de dependência pessoal

Leia mais

A RELIGIÃO NAS MÚLTIPLAS MODERNIDADES

A RELIGIÃO NAS MÚLTIPLAS MODERNIDADES A RELIGIÃO NAS MÚLTIPLAS MODERNIDADES Rede de investigadores 3ª EDIÇÃO - Colóquio Anual 2017 31 de Maio e 1 de Junho 2017 Faculdade de Letras da Universidade do Porto Sala de Reuniões Coordenação e organização

Leia mais

Currículo do Curso de História

Currículo do Curso de História Currículo do Curso de História Bacharelado ATUAÇÃO O historiador formado na UFV poderá atuar em instituições de preservação, divulgação e estudo da memória histórica, como arquivos, museus, editoras, instituições

Leia mais

CONTEÚDOS E ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE ESTUDO PARA AVALIAÇÕES 6º ANO

CONTEÚDOS E ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE ESTUDO PARA AVALIAÇÕES 6º ANO CONTEÚDOS E ORIENTAÇÕES ROTEIRO DE ESTUDO PARA AVALIAÇÕES 6º ANO AV2 3º Bimestre Professores: Luciana / Paulo Disciplina: História 6º Ano Império Macedônico - apostila 5 Mundo Romano Monarquia - apostila

Leia mais

Currículo - Versão para Imprimir

Currículo - Versão para Imprimir Currículo LICENCIATURA EM FILOSOFIA - NOTURNO s Obrigatorios: 164 s Eletivos: 12 s Complementares: 14 Semestre selecionado: 2013/1 Etapa 1 HUM01059 HUM01502 HUM01060 HISTÓRIA DA FILOSOFIA GREGA INTRODUÇÃO

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007

A CONSTITUIÇÃO VIVA. cidadania e direitos humanos. Livraria do Advogado Editora. Porto Alegre, 2007 PAULO FERREIRA DA CUNHA Professor Catedrático e Diretor do Instituto Jurídico Interdisciplinar da Faculdade de Direito da Universidade do Porto, Portugal. Doutor em Direito das Universidades de Coimbra

Leia mais

Capacete de um chefe saxão

Capacete de um chefe saxão Capacete de um chefe saxão Fivela de ouro (séc. VI, Museu Britânico, A Europa no início do século VI Londres, Inglaterra). 2 Fim do Império Romano do Ocidente Guerras civis. Descrédito do Imperador. Fixação

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO UL CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE ARTES VISUAIS Professor Dr. Isaac A. Camargo Apoio Pedagógico: AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: www.artevisualensino.com.br

Leia mais

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL

FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL FRONTEIRAS POLÍTICAS: A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE POLÍTICA NA AMÉRICA DO SUL Jacqueline Cristina da Silva 1 RESUMO: As mudanças políticas observadas no mundo hoje remetem a questionamentos sobre o acesso

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG

CADERNO DE ENCENAÇÃO. Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG CADERNO DE ENCENAÇÃO Publicação do Curso de Graduação em Teatro Escola de Belas Artes/ UFMG Volume 2 - número 9 2009 CADERNO DE ENCENAÇÃO / publicação do Curso de Graduação em Teatro. - v. 2, n. 9 ( set.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Curso 42501 - COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO Disciplina TEORIAS DA MÍDIA I Departamento

Leia mais

LINGUAGENS PARA A RELIGIÃO

LINGUAGENS PARA A RELIGIÃO [Oracula, São Bernardo do Campo, 4.7, 2008] ISSN 1807-8222 LINGUAGENS PARA A RELIGIÃO CROATTO, José Severino. As linguagens da experiência religiosa: Uma introdução à fenomenologia da religião. São Paulo:

Leia mais

Mandalas. O que são mandalas?

Mandalas. O que são mandalas? Mandalas O que são mandalas? A mandala é literalmente um círculo, ainda que seu desenho seja complexo e muitas vezes se encerre em uma moldura quadrada. A mandala é ao mesmo tempo um resumo da manifestação

Leia mais

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO

SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO SOCIOLOGIA 1 ANO PROF. DARIO PINHEIRO PROF. JOSINO MALAGUETA ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Os clássicos da Sociologia 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 3.2 Conteúdo Max Weber 3 CONTEÚDOS

Leia mais

Currículo - Versão para Imprimir

Currículo - Versão para Imprimir Currículo BACHARELADO EM FILOSOFIA s Obrigatorios: 144 s Eletivos: 28 s Complementares: 6 Semestre selecionado: 2013/1 Etapa 1 HUM01059 HUM01502 HUM01060 HISTÓRIA DA FILOSOFIA GREGA LÓGICA I - A Etapa

Leia mais

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra

ROMANTISMO. Idealização e arrebatamento. Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra ROMANTISMO Idealização e arrebatamento Literatura Brasileira 2ª série EM Prof.: Flávia Guerra CONTEXTO NO BRASIL Em 1822, o Brasil conquista sua independência política, mas não tem definida sua identidade.

Leia mais

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho

DIPLOMACIA DO BRASIL JOSÉ VIEGAS FILHO. Autor. Formato: 17,0x24,0 cm CÓDIGO: DE TIRDESILHAS AOS NOSSOS DIAS. Prefácio José Viegas Filho entendimento e do diálogo com os demais países e a diversidade étnica da nossa população. Fatores como esses permitiram que desenvolvêssemos uma política externa construtiva e progressista, que aceita

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016-6º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula programada (Por que estudamos História?) Páginas Tarefa 1 Lembrar o passado: memória e história 10 e 11 Mapa Mental 3 O tempo

Leia mais

Evolução do Ambientalismo

Evolução do Ambientalismo Evolução do Ambientalismo Visão Semi-Sacralizada Sacralizada A invenção da agricultura e da pecuária representou os primeiros passos no processo de dessacralização do mundo, processo que avançou com a

Leia mais

COLÉGIO SETE DE SETEMBRO

COLÉGIO SETE DE SETEMBRO COLÉGIO SETE DE SETEMBRO Ent. Mantenedora: Centro Evangélico de Recuperação Social de Paulo Afonso Reconhecido pela Resolução nº CEE - 1464/ 02/04/2006 Av. Vereador José Moreira,u Orientações para Estudos

Leia mais

ARTES. Espaços Sagrados. Sônia Siqueira. Docente das Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena - SP.

ARTES. Espaços Sagrados. Sônia Siqueira. Docente das Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena - SP. Espaços Sagrados Sônia Siqueira Docente das Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena - SP. ARTES 36 O surgimento da espécie Homo, na Pré-História, se deve ao surgimento da imaginação. O Novo Dicionário

Leia mais

O Mito Individual do Neurótico

O Mito Individual do Neurótico O Mito Individual do Neurótico Campo Freudiano no Brasil Coleção dirigida por Jacques-Alain e Judith Miller Assessoria brasileira: Angelina Harari Jacques Lacan O Mito Individual do Neurótico ou Poesia

Leia mais

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

RELIGIÃO, LUGAR, ESPAÇO E TERRITÓRIO: um discurso geográfico sobre o Sagrado no continente africano

RELIGIÃO, LUGAR, ESPAÇO E TERRITÓRIO: um discurso geográfico sobre o Sagrado no continente africano RELIGIÃO, LUGAR, ESPAÇO E TERRITÓRIO: um discurso geográfico sobre o Sagrado no continente africano RELIGION, PLACE, SPACE E TERRITORY: a geographical discussion about the Sacred in the african continent

Leia mais

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas

A Teoria Crítica e as Teorias Críticas A Teoria Crítica e as Teorias Críticas As Teorias Críticas Clássicas apresentam uma contestação aos métodos utilizados pelas pesquisas administrativas Têm o marxismo como base filosófica e ideológica Teoria

Leia mais

O que é Sociologia?

O que é Sociologia? O que é Sociologia? A Sociologia é um ramo da ciência que estuda o comportamento humano em função do meio e os processos que interligam o indivíduo em associações, grupos e instituições. O que faz Sociologia?

Leia mais

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009

Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Instituto Brincante Programa Desafios IMPAES 2009 Projeto A Arte do Brincante para Educadores NOTÍCIAS MENSAIS Junho 2009 Módulo Figuras e adereços dos folguedos populares Facilitadora Maria Cristina Meirelles

Leia mais

STJ EDGAR GUIMARÃES. Márcio Cammarosano. Prefácio RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA P~LO DESFAZIMENTO DA LICITAÇAO.

STJ EDGAR GUIMARÃES. Márcio Cammarosano. Prefácio RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA P~LO DESFAZIMENTO DA LICITAÇAO. EDGAR GUIMARÃES Márcio Cammarosano Prefácio RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA P~LO DESFAZIMENTO DA LICITAÇAO Belo Horizonte I. r. ~ EDITORA.,rorum 2013 2013 Editora Fórum Ltda. É proibida a reprodução

Leia mais

1-INTRODUÇÃO. Aula 2 Mito e filosofia:

1-INTRODUÇÃO. Aula 2 Mito e filosofia: Prof. Gilmar Dantas 1-INTRODUÇÃO Aula 2 Mito e filosofia: Nesta aula, vamos ver outras características da filosofia e ver também os mitos. Houve uma passagem dos mitos para a filosofia na Grécia Antiga.

Leia mais

Ficar atentos ao calendário das Avaliações para melhor organização de estudos juntamente com CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES - 2º BIMESTRE 2016

Ficar atentos ao calendário das Avaliações para melhor organização de estudos juntamente com CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES - 2º BIMESTRE 2016 Ficar atentos ao calendário das Avaliações para melhor organização de estudos juntamente com seu filho (a). CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES - 2º BIMESTRE 2016 01/06/2016-1ª Avaliação PORTUGUÊS 03/06/2016-1ª Avaliação

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes A A Unidade I Natureza-Sociedade: questões ambientais. 2 A A Aula 9.2 Conteúdo As Grandes Civilizações Ocidentais Grécia II 3 A A Habilidade Conhecer a respeito

Leia mais

Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética

Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética Conceito da Ética Destacando as teorias da formação dos conceitos, o objeto e o objetivo da Ética. Definições e Conceitos O termo ética deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética

Leia mais

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES!

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES! UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2 Prof. M.Sc. KAREN KELES Curso Arquitetura e Urbanismo Carga Horária 80 Horas - 4 horas semanais Ementa: Estética como campo filosófico. 66 horas teórica - prática

Leia mais

SOCIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 A FORMAÇÃO CULTURAL DO BRASIL

SOCIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 A FORMAÇÃO CULTURAL DO BRASIL SOCIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 A FORMAÇÃO CULTURAL DO BRASIL Como pode cair no enem? F O trecho já que aqui a mestiçagem jamais foi crime ou pecado remete a qual conceito 1 polêmico atribuído ao Gilberto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA SECITECE FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI URCA Comissão do Concurso Departamento: CIÊNCIAS SOCIAIS Setor de Estudo: ANTROPOLOGIA 1. Historia e teoria antropológica. 2. Trabalho de campo: o método etnográfico. 3. Abordagens contemporâneas em etnografia. 4. Família, parentesco

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DA ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA História e Geografia de Portugal Informação aos Pais / Encarregados de Educação, turma 3 Programação do 5º ano 1. Aulas previstas (tempos letivos) 5º1 5º2 1º período

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

Pedro David Espiral Contínua - Galeria Roberto Alban Salvador BA 360 Metros Quadrados - Galeria Blau Projects São Paulo SP

Pedro David Espiral Contínua - Galeria Roberto Alban Salvador BA 360 Metros Quadrados - Galeria Blau Projects São Paulo SP Pedro David EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS 2016. Espiral Contínua - Galeria Roberto Alban Salvador BA 360 Metros Quadrados - Galeria Blau Projects São Paulo SP 2015. 360 Metros Quadrados - Blue Sky Gallery Portland

Leia mais

Por Júlia Silveira Matos

Por Júlia Silveira Matos Por Júlia Silveira Matos Escrita = preservação da memória; Memória pobre, confusa? Memória = veicula o que está fora do tempo; Memória = frágil; História e memória A escrita como forma de registro da memória

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade O mundo antigo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade O mundo antigo Professor Isaac Antonio Camargo 1 4 O MUNDO ANTIGO Encontramos a arte na antigüidade dentro de civilizações mais preparadas técnica e socialmente,

Leia mais

6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDOS CONCEITUAIS PARA PROVA FINAL

6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDOS CONCEITUAIS PARA PROVA FINAL 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL CONTEÚDOS CONCEITUAIS PARA PROVA FINAL LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA E INTERPRETAÇÃO o Textos narrativos PRODUÇÃO ESCRITA o Narrativas ASPECTOS DA LINGUAGEM o Substantivo Classificação

Leia mais

Professor Ricardo da Cruz Assis Sociologia - Ensino Médio. Positivismo

Professor Ricardo da Cruz Assis Sociologia - Ensino Médio. Positivismo Professor Ricardo da Cruz Assis Sociologia - Ensino Médio Positivismo 1 Contexto histórico: O cientificismo do século XVIII Séc XVIII Revolução Industrial; Nova mentalidade; A ciência é considerada o único

Leia mais

Rebecca Coscarelli Cardoso Bastos

Rebecca Coscarelli Cardoso Bastos Rebecca Coscarelli Cardoso Bastos A crise do mundo moderno e o desconforto contemporâneo: uma leitura dos conceitos de história, trabalho, ação e alienação em Hannah Arendt. Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

Pensamento e Sentimento

Pensamento e Sentimento Pensamento e Sentimento Pensar - Sentir - Fazer Espiritualidade e Evolução Amor-sabedoria Verdade -- Justiça A Conexão com a Consciência Superior Instr. Eliseu Mocitaíba da Costa Pensamento e Sentimento

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES 1º TRIMESTRE ABRIL/2014 TURMA 311. Professora Simone TURMA 311 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 411 Professora Simone 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 412 Professora Ana Paula 1 2 3 4 5 13 14 15 16 17 18 19 TURMA 511 Professora

Leia mais

Unidade: Introdução à Sociologia

Unidade: Introdução à Sociologia Unidade: Introdução à Sociologia Construção do conhecimento em sociologia Senso comum: conjunto de opiniões, recomendações, conselhos, práticas e normas fundamentadas na tradição, nos costumes e vivências

Leia mais

Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia

Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia Obras de José Marinho LISBOA 2007 Volume VIII Filosofia Portuguesa e Universalidade da Filosofia e outros textos Edição de Jorge Croce Rivera SUB Hamburg A/472203 IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA Apresentação

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO 1. A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Um relato supõe uma seleção de fatos a partir da sua relevância, por critérios estabelecidos por alguém. Como ele o estuda? Porque? Quais os pressupostos teóricos

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPEUTA XAMÂNICO

CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPEUTA XAMÂNICO CURSO DE FORMAÇÃO EM TERAPEUTA XAMÂNICO Aprenda técnicas poderosas de presença e autocura, conheça e desperte sua força e seu poder pessoal. Aprenda a trabalhar com uma rápida e eficiente técnica terapêutica

Leia mais

EM- RECUPERAÇÃO ANUAL E FINAL

EM- RECUPERAÇÃO ANUAL E FINAL EM- E FINAL 1 SÉRIES ASSUNTOS DE GEOGRAFIA 1 SÉRIE E Urbanização mundial e do Brasil. Questões ambientais. Migrações. Domínios Morfoclimáticos. ASSUNTOS DE MATEMÁTICA 1 SÉRIES Conjuntos; Função do 1º grau

Leia mais

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora

ILUMINISMO. Prof.ª Maria Auxiliadora ILUMINISMO Prof.ª Maria Auxiliadora A CRISE DO ANTIGO REGIME O ILUMINISMO O Antigo Regime vigorou entre os séculos XVI a XVIII na maioria dos países europeus. Este período caracterizou-se pelo: poder absoluto

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO ROSILDA SILVIO SOUZA A consciência de nossa humanidade nesta era planetária deveria conduzir-nos à solidariedade e à comiseração recíproca, de indivíduo para indivíduo, de todos

Leia mais

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010

Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Data 02-Jul 06-Jul 07-Jul Horário Exames da Universidade Aberta - Julho 2010 Disciplinas Cód. Descrição 11009 Conhecimento do Mundo Social

Leia mais

Cinema, televisão e história

Cinema, televisão e história Cinema, televisão e história Coleção PASSO-A-PASSO CIÊNCIAS SOCIAIS PASSO-A-PASSO Direção: Celso Castro FILOSOFIA PASSO-A-PASSO Direção: Denis L. Rosenfield PSICANÁLISE PASSO-A-PASSO Direção: Marco Antonio

Leia mais

INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 2º TRIMESTRE /2016 8º ANO A/B DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS. A Droga do Amor

INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 2º TRIMESTRE /2016 8º ANO A/B DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS. A Droga do Amor INSTITUTO LAURA VICUÑA PLANO DE ESTUDOS - 2º TRIMESTRE /2016 8º ANO A/B DISCIPLINA DATA CONTEÚDO INSTRUMENTAIS Interpretação textual; Orações subordinadas substantivas: objetiva direta, objetiva indireta,

Leia mais

Ana Beatriz Frischgesell Fonseca. O Simbolismo Alquímico na Obra de C. G. Jung DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Ana Beatriz Frischgesell Fonseca. O Simbolismo Alquímico na Obra de C. G. Jung DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Ana Beatriz Frischgesell Fonseca O Simbolismo Alquímico na Obra de C. G. Jung DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica Rio de Janeiro Março de

Leia mais

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação

A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação A Filosofia e a Sociologia: contribuições para a Educação Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana I Prof. Ms. Joel Sossai Coleti O que é? O que é? Filosofia: disciplina que tem como objeto

Leia mais

Patrimônio, museus e arqueologia

Patrimônio, museus e arqueologia Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Museu de Arqueologia e Etnologia - MAE Livros e Capítulos de Livros - MAE 2014 Patrimônio, museus e arqueologia http://www.producao.usp.br/handle/bdpi/47543

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

O Sistema de Classificação da Biblioteca, a CDU

O Sistema de Classificação da Biblioteca, a CDU O Sistema de Classificação da Biblioteca, a CDU O que é a CDU A Classificação Decimal Universal CDU) é um esquema internacional de classificação de documentos. Baseia-se no conceito de que todo o conhecimento

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA Disciplina: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h Professor: Prof. Dr. Sergio B. F. Tavolaro sergiotavolaro@unb.br

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA. Ministério da Educação

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA. Ministério da Educação INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

PROFECIAS NEWS Boletim Informativo de Religiões Proféticas

PROFECIAS NEWS Boletim Informativo de Religiões Proféticas PROFECIAS NEWS Boletim Informativo de Religiões Proféticas Judaísmo, Cristianismo, Islamismo Qual a definição da palavra religião? Vem do latim religare, tem o siginificado de religação. Essa religação

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti

CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Prof. Elcio Cecchetti CURRÍCULO DO ENSINO RELIGIOSO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Prof. Elcio Cecchetti elcio.educ@terra.com.br ENSINO RELIGIOSO? Como? Outra vez? O quê? Por quê? Para quê? O ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA PÚBLICA DO PASSADO

Leia mais

FENOMENOLOGIA DA RELIGIÃO

FENOMENOLOGIA DA RELIGIÃO 115 {RESENHA} FENOMENOLOGIA DA RELIGIÃO AUTOR: Marcos Flávio Portela Veras 1 SILVA, Cácio. Fenomenologia da Religião Compreendendo as idéias religiosas a partir de suas manifestações. Anápolis: Transcultural,

Leia mais

Partenon (Templo à deusa Atena)

Partenon (Templo à deusa Atena) ARTE GREGA A arte grega é focada na busca do prazer pelo homem, ao contrário do que era praticado nas civilizações da Antiguidade Oriental, os gregos buscavam o Antropocentrismo, ou seja todas as respostas

Leia mais

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS. 2 ENEM

1º AULÃO ENEM Sociologia 1) SAS.  2 ENEM 1º AULÃO 2016 1) SAS 2 1º AULÃO 2016 Na tirinha, Mafalda, após ler o conceito de democracia, não consegue mais parar de rir. Dentre várias interpretações sociológicas sobre as razões do riso contínuo da

Leia mais

Símbolo Sagrado O Sagrado da Água nas Tradições Religiosas

Símbolo Sagrado O Sagrado da Água nas Tradições Religiosas Símbolo Sagrado O Sagrado da Água nas Tradições Religiosas Conteúdo Básico: Símbolos Sagrados Celito Francisco Zanon Rossato (N. Toledo) celitozanon@seed.pr.gov.br Objetivos - Identificar o sagrado da

Leia mais

Programa Viagem Literária 2013 Criação coletiva realizada durante o 4º Módulo em 24 de março de 2014

Programa Viagem Literária 2013 Criação coletiva realizada durante o 4º Módulo em 24 de março de 2014 Programa Viagem Literária 2013 Criação coletiva realizada durante o 4º Módulo em 24 de março de 2014 Foi divertido e gostoso! Líderes de Bibliotecas Vivas Servir de exemplo Agir com dinamismo Nossa

Leia mais

ARTE: Conceito, Origem e Função

ARTE: Conceito, Origem e Função ARTE: Conceito, Origem e Função Irama Sonary de Oliveira Ferreira Lívia Freire de Oliveira INTRODUÇÃO Arte é conhecimento, e partindo deste princípio, pode-se dizer que é uma das primeiras manifestações

Leia mais

Q.01 Q.02. a) da identidade dos gregos. b) do significado da polis.

Q.01 Q.02. a) da identidade dos gregos. b) do significado da polis. Q.01 Tendo em vista as cidades-estado (polis), comente a seguinte passagem do livro História (Livro VIII, 144), na qual Heródoto verifica a existência da unidade de todos os helenos pelo sangue e pela

Leia mais

Conteúdos -4º ano. Português

Conteúdos -4º ano. Português Português Conteúdos -4º ano Oralidade - Expressão livre; - Relatos; - Recados; - Conto de histórias e factos; - Recriação de histórias e factos; - Questionários; - Entrevistas; - Dramatizações; - Apresentação

Leia mais

[ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ]

[ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] [ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] ~ 1 ~ ~ 2 ~ Carlos Artur Gallo Bruno Mello Souza Joyce Miranda Leão Martins [ Organizadores ] [ CIÊNCIA POLÍTICA HOJE ] Porto Alegre 2013 ~ 3 ~ dos autores Revisão: organizadores

Leia mais

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES

COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO BIBLIOTECA JUVENIL MAPA DE LOCALIZAÇÃO DAS ESTANTES VER MAPA E S T A N T E 5 E S T A N T E 4 B E S T A N T E 4 A E S T A N T E 3 B E S T A N T E 3 A E S T A N T E 2 B E S T

Leia mais

História Rafael Av. Mensal 21/05/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

História Rafael Av. Mensal 21/05/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM História Rafael Av. Mensal 21/05/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES. VERIFIQUE SE ESTÁ COMPLETO. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de uma questão será restrita somente ao que estiver apresentado no espaço correspondente,

Leia mais

Aula 11 O FENÔMENO RELIGIOSO I. José Rodorval Ramalho. META Apresentar as estruturas elementares da vida religiosa.

Aula 11 O FENÔMENO RELIGIOSO I. José Rodorval Ramalho. META Apresentar as estruturas elementares da vida religiosa. Aula 11 O FENÔMENO RELIGIOSO I META Apresentar as estruturas elementares da vida religiosa. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: compreender os conceitos de religião, rito, mito, magia. PRÉ-REQUISITO

Leia mais