Mestrado em Engenharia e Gestão da Tecnologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mestrado em Engenharia e Gestão da Tecnologia"

Transcrição

1 Mestrado em Engenharia e Gestão da Tecnologia Pedro M. Ferreira Redes fixas e móveis para da dados e voz: perspectiva tecnológica Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

2 Agenda Tecnologias de informação e comunicação: Apoiadas por redes de computadores Ideias fundamentais do seu funcionamento Conceitos fundamentais de arquitectura Conceitos fundamentais de transmissão dados Modelo OSI: Nível físico, data link, rede e transporte Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

3 Previsões Famosas I think there is a world market for maybe five computers Thomas Watson IBM Chairman 1943 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

4 Previsões Famosas There is no reason anyone would want a computer in their home Ken Olson DEC President 1977 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

5 Previsões Famosas 640K ought to be enough for anybody Bill Gates CEO, Microsoft Corp Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

6 Moore s Law Na generalidade, a complexidade dos sistemas duplica todos os anos Gordon Moore, Intel, 1965 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

7 Comunicações de Dados Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

8 Comunicações de Dados Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

9 Comunicações de Dados Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

10 Computadores como apoio para a partilha de recursos Partilha de informação: Tipos de informçaão: Dados críticos para a missão (e.g. simulações) Dados utilizados frequentemente (e.g. apresentação) Manuais de procedimentos (e.g. especificações tarefas) Quem acede a que informação: Permissão de actualização ( update ) Permissão só de escrita ( read-only ) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

11 Computadores como apoio para a partilha de recursos Partilha de equipamentos (hardware): Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

12 Computadores como apoio para a partilha de recursos Partilha de aplicações (software): Aplicações instaladas centralmente, acessíveis LAN Uma única instalação central para actualizações Configuração central e consistente do sistema Mecanismo único de gestão de acessos Partilha de cópias de segurança (backups): Cópia central automatizada Infelizmente, ponto único de falha Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

13 Papéis dos computadores Clientes: Utilizam os recursos da rede, sem fornecer recursos adicionais Utilizam o seu sistema operativo próprio Servidores: Componentes dedicados a fornecer serviços/recursos à rede Executam e gerem os tarefas requeridas pelos clientes Peers (clientes & servidores): Utilizam e fornecem recursos à rede Comportam-se como servidores e como clientes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

14 Tipos de redes de computadores Cliente / Servidor: Mistura de clientes e servidores que os suportam Servidores dedicados a classes de serviço Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

15 Tipos de redes de computadores Peer to Peer : Rede de computadores que partilham recursos Sem servidores dedicados Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

16 Redes baseadas no modelo cliente/servidor Vantagens: Segurança central fortalecida Centralização de serviços (e.g. file system, backup) Gestão central do hardware e software partilhados Optimização de servidores para serviços específicos Possibilidade de gestão de utilizadores Desvantagens: Hardware e software caros Necessidade de administrador de rede Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

17 Redes Peer to peer Vantagens: Fácil instalação Inexistência de hardware ou software extra Inexistência de administrador de rede Utilizadores controlam uso dos recursos partilhados Custos reduzidos para redes pequenas Desvantagens: Maior carga nos computadores Inexistência de organização centralizada Segurança reduzida (operada por cada utilizador) Inexistência de gestão centralizada coerente Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

18 Segurança das redes Peer to peer : Redes menos seguras, cada recurso tem a sua password Segurança controlada por acesso a directoria partilhada Utilizadores gerem o acesso directo aos recursos Cliente / Servidor: Utilizadores fazem login na rede Permissões directas aos utilizadores individuais para acesso definidas centralmente pelo administrador de rede Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

19 Topologia de rede Forma como se interligam os vários equipamentos Topologia Bus Componentes ligados a um tronco principal Todos os componentes recebem todas as mensagens Apenas o componente destino aceita a mensagem Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

20 Topologia Bus Vantagens: Simples, bom funcionamento em redes pequenas De fácil utilização Requer pouca cablagem De fácil extensão (e.g. basta um repetidor) Desvantagens: Performance piora consideravelmente com tráfego Cada ligação reduz o sinal Difícil de reparar Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

21 Topologia de rede Forma como se interligam os vários equipamentos Topologia Ring Cada componente liga-se aos seus vizinhos Usa-se transmissão por meio de token Apenas o nó com o token pode transmitir Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

22 Topologia Ring Vantagens: Todos os nós têm acesso igual à rede Funciona bem mesmo com muito tráfego Desvantagens: Falha de um nó pode causar falha de toda a rede De difícil manutenção Adicionar ou remover nós pode parar a rede Tipicamente mais cara do que a topologia star Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

23 Topologia de rede Forma como se interligam os vários equipamentos Topologia Star Componentes interligados através de nó central Cada componente comunica apenas com o nó central Nó central gere a retransmissão das mensagens Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

24 Topologia Star Vantagens: Fácil de modificar Fácil de diagnosticar problemas Baixa de um computador não afecta o resto da rede Pode utilizar múltiplos tipos de cabos Desvantagens: Hub central é ponto único de falha Topologia mais cara do que a topologia bus Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

25 Topologia de rede Forma como se interligam os vários equipamentos Topologia Mesh Cada par de componentes liga-se directamente Cara par de componentes comunica directamente Cada componente responsável por gerir sessões Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

26 Topologia Mesh Vantagens: Extremamente resistente a falhas De fácil manutenção Desvantagens: Topologia que requer mais cablagem Tipicamente a topologia mais cara Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

27 Comparativo das Topologias Menos Mais barata Mais difícil Menor Menor CABLAGEM CUSTOS MANUTENÇÃO COMPLEXIDADE ROBUSTEZ Mais Mais cara Mais fácil Maior Maior Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

28 Serviço da rede de computadores: encapsular tarefas de baixo nível Alguns exemplos de problemas de rede : Erros ao nível dos bits: interferências eléctricas confundem zeros e uns Erros ao nível dos pacotes: congestionamento da rede leva à perda de pacotes Erros ao nível das mensagens: entregues com atrasos excessivos e fora da ordem de envio Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

29 Taxonomia de serviços Connection-Oriented : Caminho fim-a-fim com controlo de qualidade Connectionless : Mensagens distribuídas por pacotes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

30 Taxonomia de serviços Connection-Oriented : Connectionless : Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

31 Modelo de camadas para redes de computadores Modelo Open Systems Interconnection (OSI) Desenvolvido pela Organization for Standardization Standard globalmente aceite para modelar redes Define regras para/sobre: Como os componentes das redes contactam entre si Como os componentes das redes comunicam entre si Quem tem o direito a utilizar os canais de transmissão Verificação da correcção das transmissões efectuadas Garantir que a informação é correctamente representada Garantir que se comunica a velocidades correctas Garantir que as redes são fisicamente interligadas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

32 Modelo de camadas para redes de computadores Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

33 Modelo Open Systems Interconnection Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

34 Modelo simplificado: Princípio da ampulheta Nível Internet: Comutação de pacotes Serviço connectionless Máquinas injectam pacotes para a rede que a atravessam por caminhos independentes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

35 Modelo simplificado: Princípio da ampulheta Nível Transporte: Permite que pares de máquinas estabeleçam uma ligação fim-a-fim TCP: connection-oriented Comunicação sem erros de mensagens ordenadas; UDP: connectionless Sem controlo de fluxo, tipicamente utilizado para aplicações real-time Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

36 Modelo simplificado: Princípio da ampulheta Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

37 Modelo TCP/IP: Serviço fim-a-fim Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

38 Nível Físico (osi 1) Transmite, bit a bit as mensagens fornecidas pelo nível data link (nível 2) Especificações: Interfaces mecânicas e eléctricas Portos e fios para interligação Níveis de voltagem (+5V e -5V) Técnicas de codificação Velocidade de transmissão Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

39 Transmissão de sinal Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

40 Sinais digitais Representam bits: estado on ou off Transição imediata entre estados Codificação dos dados: Voltagem positiva pode indicar 0, 1 ou vice-versa Voltagem indica o valor actual dos dados Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

41 Sinais analógicos Representados por ondas electromagnéticas Sinais contínuos com valores num intervalo Características das ondas representam 0, 1 Especificações: Amplitude: intensidade máxima da onda Comprimento: distância entre duas ondas Frequência: número de ondas por segundo Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

42 Sinais analógicos Wavelength Amplitude Frequency (cycles in 1 second) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

43 Espectro electromagnético Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

44 Equações fundamentais λ = c / f λ: comprimento de onda c: velocidade da luz ( m/seg) F: frequência mdt = 2 f log 2 (#níveis) mdt: velocidade máxima de transmissão #níveis: número de níveis a diferenciar (digital:2) Exemplo: bandwidth=3100hz 2 log 2 (16)=24800 bps Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

45 Efeitos de propagação: Atenuação A amplitude de um sinal gerado decai com a distância à fonte qualquer que seja o canal de comunicação utilizado Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

46 Efeitos de propagação: Atenuação Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

47 Sinais analógicos vs. digitais Vantagens da comunicação digital: Mais robusto a erros de transmissão Pode eliminar-se a distorção entre fonte e receptor voltage voltage time time voltage analogue signal voltage digital signal time time analogue signal + digital signal + Pedro Ferreira 2006 noise MEGT 9 Ed noise 47

48 Sinais analógicos vs. digitais Vantagens da comunicação digital: Pode reconstruir-se sinais parcialmente destruídos Pode facilmente corrigir-se erros de transmissão Pode facilmente encriptar-se as mensagens Pode facilmente comprimir mensagens Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

49 Exemplos de canais de comunicação Unshielded Twisted Pair (UTP): pares de cobre entrelaçados revestidos por plástico Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

50 Exemplos de canais de comunicação Shielded Twisted Pair (STP): pares de cobre entrelaçados revestidos por alumínio Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

51 Exemplos de canais de comunicação Cabo Colaxial: dois condutores que partilham o mesmo eixo, centro axial sólido revestido pelo segundo condutor Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

52 Largura de Banda Capacidade de transporte de informação de um canal de comunicação (ciclos/segundo -1 ) Medido tipicamente em bits/segundo (e.g. redes Ethernet têm 10 Mbps de largura de banda) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

53 Fibras ópticas Lâminas muito finas de vidro Transmitem laser por meio de reflexão total Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

54 Fibras ópticas Fraca atenuação com a distancia Elevada largura de banda Dispersão da luz: Attenuation (db/km) μ band 1.30μ band 1.55μ band 1.5 Diferentes particulas de luz viajam por caminhos com tamanhos diferentes. Os pulsos de luz podem misturar-se Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed Wavelength (microns)

55 Redes de fibras ópticas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

56 Comparativo de canais com fios Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

57 Comunicações sem fios Utilizam a atmosfera para conduzir o sinal Tipos principais: Ondas de rádio Micro-ondas ( satélites ) Infra-vermelhos Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

58 Comunicações rádio Baixa frequência Alta frequência Para comunicar é necessário obter uma licença do regulador Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

59 Micro-ondas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

60 Micro-ondas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

61 Micro-ondas Principais bandas utilizadas com satélites Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

62 Aumentar a capacidade de transmissão dos canais Combinar vários sinais no mesmo meio de comunicação com possibilidade de distinção entre eles por parte do receptor Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

63 Multiplexagem Combinar a informação de várias fontes de dados num só canal Tipos de multiplexagem: Divisão na frequência (FDM) Divisão no tempo (TDM) Divisão no código (CDM) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

64 Divisão na frequência (FDM) O espectro da largura de banda é dividido em canais lógicos e cada conversa ocorre num canal dedicado (e.g. estações de rádio) A capacidade do sistema édefinidapelamargem de segurança necessária entre os canais Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

65 Wavelength Division Multiplexing (WDM) Em fibras ópticas cada canal tem um comprimento de onda diferente Cada utilizador usa uma cor diferente As cores são naturalmente misturadas e separadas através de prismas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

66 Wavelength Division Multiplexing (WDM) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

67 Divisão no tempo (TDM) A cada utilizador é atribuído um slot no tempo para transmitir Todos os utilizadores usam o meio em round robin Se um utilizador não desejar transmitir pode passar-se ao próximo Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

68 Sistemas combinados A largura de banda de um canal de comunicação pode ainda ser aumentada por exemplo utilizando FDM sobre TDM É atribuido um slot a cada grupo de utilizadores. Dentro desse slot cada utilizador do grupo tem associada uma frequência Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

69 Exemplos de Aplicação: Tecnologias de rede local com fios Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

70 Exemplos de Aplicação: Tecnologias de rede local com fios λ 3 λ 1 λ 2 λ 4 λ 5 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

71 Nível Data Link (osi 2) Responsável pela comunicação eficiente e fiável sobre o nível físico, através da transmissão correcta de frames (sequências de bits): Sincronização de frames: Identificação clara dos limites das frames Controlo de fluxo: Garantir que a fonte transmite a uma velocidade que o receptor pode processar Controlo de erros: Detectar e corrigir erros nas transmissões Endereçamento: Identificar as máquinas envolvidas na comunicação Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

72 Sincronização de frames Traduzir as sequências de bits do nível físico para grupos de bits com significado ( frames ) Principal problema: identificar as fronteiras (início e fim) das frames Métodos para o fazer: Contagem do tamanho das frames Preenchimento de bits (bit stuffing) Codificação por pulsos Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

73 Contagem do tamanho das frames Grande desvantagem: se a indicação do tamanho é incorrectamente transmitida perde-se por completo a sincronização entre emissor e receptor Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

74 Bit-stuffing Delimitar as frames através de uma flag : Data Problema: garantir que a flag delimitadora não aparece nos dados a transmitir Algoritmo utilizado: Fonte insere 0 depois de cinco 1s consecutivos nos dados O Receptor verifica se recebe cinco 1s seguidos e: Se o próximo bit for 0, remove este bit Se os próximos bits forem 10, detecta-se a flag Se os próximos bits forem 11, detecta-se um erro Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

75 Bit-stuffing : exemplo Dados a transmitir: Após stuffing e framing : Operação do receptor (sempre depois de cinco 1s): flag de-stuffing flag Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

76 Contagem do tamanho das frames Representar 1 por um pulso negativo, representar 0 por um pulso positivo. Representar o inicio e o fim das frames por manutenção do pulso Vantagem: não necessita de banda para stuffing Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

77 Controlo de erros A transmissão de frames pode sofrer dois tipos de erros: frames perdidas ou frames recebidas mas com bits trocados Métodos para controlo de erros: Acknowledgements Temporizadores Números de sequência Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

78 Acknowledgements O receptor envia uma mensagem de controlo para o emissor quando recebe correctamente as frames Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

79 Temporizadores Ainda assim, uma frame perdida tem de ser reenviada, o que acontece quando um temporizador expira Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

80 Números de sequência O sistema com re-transmissão de frames pode transmitir a mesma frame mais do que uma vez pelo que as frames são identificadas com um número de ordem Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

81 Detecção e correcção de erros Método mais simples de detecção de erros por paridade: Exemplo de paridade par Se o receptor receber uma frame com um número ímpar de 1s então certamente ocorreu um erro na transmissão Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

82 Detecção e correcção de erros Paridade por blocos (método mais eficaz) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

83 Controlo de fluxo Os protocolos de controlo de fluxo permitem que os receptores das mensagens informem os emissores sobre como adaptar a velocidade de transmissão Método mais simples: stop-and-wait: O emissor só envia mais frames depois de receber acknowledgment de todas as frames previamente enviadas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

84 Eficiência do Stop-and-wait t_prop: tempo de propagação t_frame: tempo para transmissão (t_ack): tempo para transmissão do ACK Ignorando t_ack (tipicamente reduzido): Tempo total: 2*t_prop + t_frame Eficiência: E=t_frame/(tempo_total) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

85 Eficiência do Stop-and-wait Exemplo #1: Canal com 4 Kbps e um atraso de propagação de 20 ms. Qual o tamanho das frames para garantir uma eficiência de pelo menos 50%? Resposta: E=0.5=t_frame/(t_frame + 2*t_prop) t_frame=2*t_prop=2*20 ms = 40 ms Tamanho da frame = R t_frame Tamanho da frame = =160 bits Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

86 Eficiência do Stop-and-wait Exemplo #2: Um laboratório tem 200 computadores ligados numa rede de R=10Mbps com tamanho de d=1500m. As frames têm L=800 bits. A velocidade de propagação neste meio é de V= m/s. Quantas frames pode cada computador transmitir por segundo? Resposta: t_prop/t_frame = (d/v) /(L/R)= / E=1/(1+2*t_prop/t_frame)=0.84 #frames=e R/L=0.84* /800=10500 frames/s #frames/computador=10500/200=525 frames/s Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

87 Protocolos de janelas deslizantes Melhor protocolo para transmitir mensagem em redes de computadores: Garante fiabilidade através de acknowledges e timeouts Garante ordem correcta das mensagens Garante controlo de fluxo Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

88 Nível de Rede (osi 3) Responsável por: Encaminhamento de pacotes Controlo de congestionamento Interligação entre diferentes redes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

89 Encaminhamento de pacotes Os pacotes de informação devem partir do emissor e chegar ao receptor através de nós intermédios que os encaminham ( routers ) O encaminhamento de pacotes pode ser realizado sob uma de duas formas: Circuitos virtuais Datagrams Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

90 Circuitos virtuais Ligação Connection Oriented Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

91 Circuitos virtuais É utilizado um caminho estabelecido à partida Ainda assim, os pacotes têm de esperar nos routers Garante que os pacotes são entregues ao receptor na ordem correcta Útilpara conversasões longas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

92 Encaminhamento de datagrams Cara pacote é encaminhado independentemente Não necessita de prédefinir o caminho Rede mais flexível para resposta a falhas e ataques Não é garantido que os pacotes cheruem ao receptor pela ordem correcta Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

93 Comparação Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

94 Estratégias de encaminhamento Encaminhamento fixo: todos os routers têm a mesma tabela Vantagem: Simples Desvantagem: Não é flexível Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

95 Encaminhamento pelo caminho mais curto Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

96 Encaminhamento adaptativo Estratégias de encaminhamento dinâmico que reajem às mudanças e às condições oferecidas pela rede Estas estratégias: São mais complexas Requerem mais processamento nos routers Principalmente requerem que o estado da rede seja transmitido entre os seus nós, aumentando portanto o tráfego que deve ser transmitido Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

97 Encaminhamento adaptativo Dois métodos para encaminhamento dinâmico: Distance Vector Routing Cada router troca as sua tabela de encaminhamento com os routers vizinhos periodicamente Cria bastante tráfego adicional na rede e as tabelas podem ficar facilmente desactualizadas Link State Routing Cada router envia para todos os routers a sua tabela de encaminhamento quando entra na rede Cada router comunica aos outros routers quaisquer alterações que existam na sua tabela de encaminhamento Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

98 Nível de rede: o nível IP IP: Internet Protocol, desenvolvido em 1973: Define o tipo de datagrams a utilizar na Internet Define a forma como os datagrams são transmitidos Define o espaço de endereçamento na Internet Vint Cerf, Chairman ICANN Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

99 Datagram IP (cabeçalho) Versão de IP Tempo de vida do datagram Endereço da máquina de chegada Tamanho Datagram Endereço da máquina de origem Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

100 Nível de rede: o nível IP Equipamento que ao longo da rede transmite os pacotes de informação Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

101 Estrutura da rede IP Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

102 O Border Gateway Protocol (BGP) Permite aos ISPs trocar informação sobre a estrutura da rede, tipicamente sobre acordos de interligação Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

103 Espaço de endereçamento IP Cada interface de uma máquina ligada à Internet possuí um endereço IP Endereço IP tem tipicamente 32 bits e é da forma AAA.BBB.CCC.DDD (eg ) O endereço IP identifica: A sub-rede onde a interface se liga A máquina específica dessa interface Os endereços IP são um recurso escasso! Os endereços IP são atribuídos por classes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

104 Classes de endereços IP Poucas redes muito grandes (256 redes) Muitas redes mais pequenas (256 máquinas) máquinas Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

105 Mobile IP Objectivo: permitir mobilidade às interfaces Critérios para o desenho da solução: Cada máquina deve poder usar o seu endereço IP tradicional mesmo estando fora da rede habitual O software dos routers não deve ser alterado, nomeadamente na operação das máquinas fixas Não deve haver sobrecarga quando a máquina se encontra ligada à rede habitual Os pacotes para máquinas fora da rede habitual devem seguir ao máximo o caminho mais directo Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

106 Componentes do Mobile IP Router na nova rede que fornece mobilidade Router na rede habitual utilizado para fornecer mobilidade Rede habitual da máquina Nova rede onde a máquina aparece Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

107 Funcionamento do Mobile IP Pacote enviado para o endereço típico da máquina O emissor estabelece um túnel directamente para a nova localização do máquina Home agent sabe que a máquina mudou-se para a rede do Foreign agent Indicação explícita do novo agente de rede É apenas necessário que quando a nova máquina se regista na nova rede o foreign agent indique o home agent que sabe onde a máquina se encontra Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

108 Nível de Transporte (osi 4) Responsável por: Encaminhamento de pacotes fim-a-fim Simula uma ligação directa emissor-receptor Nível visível aos developers de aplicações Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

109 Facilidade de utilização Os níveis mais baixos do modelo OSI são transparentes ao nível de transporte Ao nível do desenvolvimento das aplicações a operação é extremamente simples: Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

110 Facilidade de utilização Node Application AP Socket interface Transport Network Creates a new end point; allocates table space for it within the transport layer (pp ) Identification of application (port #) Identifies the node Data Link Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed Frames

111 Protocolos de Transporte: Modelo TCP/IP WWW (HTTP) TCP, UDP IP ADSL CABO SATÉLITE Wi-Fi Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

112 TCP vs. UDP TCP: Transmission Control Protocol: Connection-oriented Fiável, sem erros de transmissão, com controlo de fluxo UDP: User Datagram Protocol: Connectionless Sem garantias de fiabilidade, sem controlo de fluxo Útil para transmissões onde a entrega atempada da informação é mais importante que a sua correcção (eg. Video, Audio) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

113 Tarefas fundamentais do TCP Estabelecimento de uma sessão fim-a-fim para transmissão fiável de dados Garantir que os pacotes são correctamente entregues entre a fonte e o destino Cada pacote é entregue uma única vez e na ordem correcta Resultado: O modelo TCP/IP empresta alguma qualidade à fraca performance BEST-EFFORT da Internet Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

114 Protocolo TCP Cabeçalho do TCP: Sequencenumber Acknowledge number Window size Principais características: Controlo de fluxo Controlo de congestionamento Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

115 Controlo de fluxo vs. Controlo de congestionamento Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

116 Curva de performance da rede Pacotes começam a ficar nas filas de espera dos routers A retransmissão de pacotes leva ao colapso total Primeiras versões de TCP/IP (Postel, 1981) não implementavam controlo de congestionamento e a Internet colapsou drásticamente em 1986 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

117 Controlo de congestionamento (TCP) Janela de transmissão é aumentada de 1 por cada pacote correctamente entregue ao receptor até se atingir um nível pré-definido ou verificar-se perda de pacotes, caso em que a janela reduz-se para metade e passa a crescer linearmente Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

118 Sessão típica de TCP/IP Crescimento exponencial inicial Congestão atingida (reduz janela para metade) Incremento aditivo (segunda fase) Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

119 Controlo de congestionamento (TCP) TCP é um protocolo Additive Increase Mutliplicative Decrease TCP é um protocolo que converge para alocações eficientes e justas R1 Linha de eficiência: R1 + R2 = 100% Linha de justiça: R1 = R2 Objectivo Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed R2

120 Controlo de congestionamento (TCP) TCP é um protocolo Additive Increase (AI) Mutliplicative Decrease (MD) TCP é um protocolo que converge para alocações eficientes e justas R1 Injustiça: R1 > R2 Congestão MD: janela/2 Sem congestão AI: janela+1 Injustiça: R2 > R1 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed R2

121 Controlo de congestionamento (TCP) TCP é um protocolo Additive Increase Mutliplicative Decrease TCP é um protocolo que converge para alocações eficientes e justas X 1 X 3 X 0 X 4 X 2 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

122 Controlo de congestionamento (TCP) TCP é um protocolo Additive Increase Mutliplicative Decrease TCP é um protocolo que converge para alocações eficientes e justas X 3 X 4 X 1 X 2 X 0 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

123 Próxima Sessão Perspectiva Histórica Caracterização do estado actual (Portugal, EU, EUA) O Futuro Próximo Indústria das Telecomunicações Conceitos fundamentais: Economias de escala Externalidades de rede Principais tendências: Convergência tecnológica Tecnologias emergentes Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

124 Mestrado em Engenharia e Gestão da Tecnologia Pedro M. Ferreira Políticas de telecomunicações e estrutura da indústria: perspectiva histórica Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

125 Alguns conceitos fundamentais de economia aplicados a redes de computadores Curvas de procura e de oferta Cálculo de receitas e custos Mercados em equilíbrio Ineficiência dos mercados Tecnologias com economias de escala Tecnologias com externalidades de rede Monopólios naturais Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

126 Curva de procura Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

127 Curva de oferta Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

128 Mercado em equilíbrio Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

129 Receitas, custos e valor Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

130 Ineficiência do mercado Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

131 Preço de um monopolista Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

132 Custos marginais Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

133 Custos médios Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

134 Economias de escala Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

135 Economias de escala Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

136 Monopólio natural Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

137 Regular um monopólio natural Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed

138 Curva de procura com externalidades de rede $ P=1-s 0 1 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed s

139 Curva de procura com externalidades de rede $ P=1-s P=(1-s) s P 0 1 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed s

140 Curva de procura com externalidades de rede $ P=1-s Equilíbrio Instável P=(1-s) s Equilíbrio Estável P 0 MC 1 Pedro Ferreira 2006 MEGT 9 Ed s

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Introdução. Redes de computadores

Introdução. Redes de computadores Introdução Redes de computadores Usos das s de computadores Hardware das s de computadores Periferia da Tecnologias de comutação e multiplexagem Arquitectura em camadas Medidas de desempenho da s Introdução

Leia mais

Índice NETWORK ESSENTIALS

Índice NETWORK ESSENTIALS NETWORK ESSENTIALS Índice Estruturas Físicas... 3 Adaptador de Rede... 4 Tipos de par trançado... 5 Coaxial... 6 Tipos de cabos coaxial... 6 Fibra Óptica... 7 Tecnologias comunicação sem fios... 8 Topologias

Leia mais

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação

1 Arquitecturas e protocolos de comunicação Arquitecturas e protocolos de comunicação 1 Arquitecturas e protocolos de comunicação 1/33 Arquitectura dos protocolos de comunicações Arquitectura do sistema de comunicação É um bloco complexo de software

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

GRUPO DISICPLINAR - Informática

GRUPO DISICPLINAR - Informática Curso: Tecnológico de Informática ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 1ª UNIDADE DE ENSINO-APRENDIZAGEM: Fundamentos de Transmissão CARGA HORÁRIA: 10 UNIDADES LECTIVAS 1º PERÍODO Noções Básicas de Transmissão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução.

6127. Redes comunicação de dados. RSProf@iol.pt. 2014/2015. Introdução. Sumário 6127. Redes comunicação de dados. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Permite a interação entre pessoas. 6127. Redes comunicação de dados A Internet: Ensino; Trabalho colaborativo; Manutenção

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Adaptado dos transparentes do Prof. Legatheaux Martins

Introdução às Redes de Computadores. Adaptado dos transparentes do Prof. Legatheaux Martins Introdução às Redes de Computadores Adaptado dos transparentes do Prof. Legatheaux Martins Componentes essenciais Emissor: origem da informação Receptor: destinatário da informação Mensagem: a informação

Leia mais

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet

Capítulo1 Redes de computador es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo Redes de computador es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Comunicação em Rede Arquitecturas e pilhas de protocolos 1 Comutação de pacotes com circuitos virtuais Numa rede de comutação de pacotes, mesmo que os pacotes pertençam

Leia mais

Estrutura do tema ISC

Estrutura do tema ISC Introdução aos Sistemas de Computação (5) 6. Da comunicação de dados às redes de computadores Uma Rede de Computadores é constituida por: Estrutura do tema ISC 1. Representação de informação num computador

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

O nível Transporte nas redes ATM

O nível Transporte nas redes ATM O nível Transporte nas redes TM Introdução Estrutura da camada de adaptação TM (L) L 1 L 2 L 3/4 L 5 Comparação entre protocolos L COP Introdução camada L (TM daptation Layer) da rede TM corresponde a

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Guia de Estudo. Redes e Internet

Guia de Estudo. Redes e Internet Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Redes e Internet Aspectos Genéricos Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE COMUNICAÇÃO DE DADOS E REDES DE COMPUTADORES CADEIRA: INFORMÁTICA I- 1º A NO ANO LECTIVO: 2001/2002 DOCENTES: LUÍS BAPTISTA JOEL

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama

Frame Relay. Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Serviços de Suporte em Modo Trama Frame Relay Serviços de Suporte em Modo Trama FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Serviços de Suporte em Modo Trama A expressão Frame Relay é habitualmente usada, em sentido lato, para designar serviços baseados

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette

Transmissão e Multiplexação. Rodolfo I. Meneguette Transmissão e Multiplexação Rodolfo I. Meneguette Redes de Acesso e Meios Físicos P: Como conectar os sistemas finais aos roteadores de borda? Redes de acesso residencial redes de acesso institucional

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Modelos de Referência OSI e TCP/IP Redes Sem Fio e Ethernet Slide 1 Modelo de Referência OSI da ISO ISO (International Standards Organization); OSI (Open Systems Interconnection);

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA PEDRULHA ESCOLA BÁSICA RAINHA SANTA ISABEL Curso de Educação e Formação (Despacho Conjunto Nº453/2004, de 27 de Julho) Nome: Nazmul Alam Nº: 11 Ficha de Trabalho 1. No texto que se segue são mencionados três tipos de rede. Indica quais são. Ao chegar a casa, o Miguel ligou o telemóvel ao PC. Transferiu por bluetooth as

Leia mais

Redes de Computadores 1

Redes de Computadores 1 Redes de Computadores 1 IF66B Introdução Objetivos dessa aula: Obter contexto, terminologia, conhecimentos gerais de redes Maior profundidade e detalhes serão vistos durante o semestre Abordagem: Usar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1

Redes de Computadores e Teleinformática. Zacariotto 4-1 Redes de Computadores e Teleinformática Zacariotto 4-1 Agenda da aula Introdução Redes de computadores Redes locais de computadores Redes de alto desempenho Redes públicas de comunicação de dados Computação

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO.

Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. Funções específicas de cada camada do modelo OSI da ISO. 1ª Camada - Física - Grupo Rede Física Esta camada traduz os bits a enviar em sinais elétricos, de tensão ou corrente. Ela fornece os meios de hardware

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 11 Camada de Transporte TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte TCP/IP 2 Introdução à Camada de Transporte As responsabilidades principais da camada de

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais