BENEFICIÁRIOS DO RGPS (segurados e dependentes)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BENEFICIÁRIOS DO RGPS (segurados e dependentes)"

Transcrição

1 BENEFICIÁRIOS DO RGPS (segurados e dependentes) Se alguém segue confiantemente na direção dos próprios sonhos e se empenha em viver a vida que imaginou, encontrará um sucesso inesperado nas horas comuns. Atravessará uma barreira invisível e novas leis universais começarão a se estabelecer dentro dele e ao seu redor." Henry David Thoreau Todo trabalhador que exerça atividade remunerada, desde que não esteja vinculado a Regime Próprio de Previdência Social RPPS será considerado segurado obrigatório do Regime Geral de Previdência Social, independentemente da sua vontade. Portanto, a qualidade de segurado obrigatório está incitamente ligada ao exercício de atividade remunerada, com ou sem vínculo empregatício. Conclui-se que o vínculo existente entre o trabalhador e o RGPS é legal e não contratual como ocorre com a previdência complementar. Na relação jurídica decorrente do RGPS, o Estado chama para si a função de proteger o trabalhador diante de certas contingências previstas em lei, através de filiação e contribuição compulsórias. A única exceção a essa regra no RGPS decorre da aplicação do princípio da universalidade que admite a filiação de pessoa que não exerça atividade remunerada na qualidade de segurado facultativo, de acordo com a sua própria vontade. Em linhas gerais, os beneficiários do RGPG dividem-se em segurados e dependentes. Os segurados são aqueles que, de regra, contribuem e fazem jus a todos os benefícios do RGPS, desde que cumpram os requisitos exigidos em lei. Os dependentes são aqueles que não contribuem, mas mantém dependência econômica com os segurados na forma da lei. Possuem direito a percepção de apenas dois benefícios: pensão por morte do segurado e auxílio-reclusão. SEGURADOS Os segurados, por sua vez, dividem-se em obrigatórios e facultativos.

2 Segurados obrigatórios são aqueles cujo vínculo com o RGPS decorre de lei, portanto, independe da sua própria vontade. Exemplos: um camelô, um ambulante, um feirante, dentre outros, ainda que não estejam inscritos no INSS. Segurados facultativos são aqueles cujo vínculo com o RGPS depende da sua vontade. Com fundamento no princípio da universalidade, podem ser considerados segurados facultativos todas as pessoas que não exerçam atividade remunerada que os vincule obrigatoriamente aos regimes básicos de previdência. Exemplo: uma dona de casa, que não exerça atividade remunerada. Em resumo, a diferença básica entre o segurado obrigatório e o segurado facultativo está no fato de que a filiação do primeiro decorre da lei, enquanto a do segundo representa ato volitivo. SEGURADOS OBRIGATÓRIOS Os segurados obrigatórios dividem-se em cinco categorias: empregado; empregado doméstico; trabalhador avulso; contribuinte individual e especial. DISTINÇÃO (MÉTODO DE ELIMINAÇÃO) Caso o trabalhador exerça atividade remunerada e não esteja vinculado a Regime Próprio de Previdência, estará enquadrado em uma das cinco categorias de segurados obrigatórios do RGPS, sendo vedada a sua inscrição como segurado facultativo. Portanto, caso exerça atividade remunerada, pública ou privada, o segurado estará obrigatoriamente vinculado ao regime geral ou regime próprio e jamais poderá inscrever-se no RGPS como segurado facultativo. Esse vínculo (filiação) como segurado obrigatório independe da vontade do segurado. A grande dificuldade dos candidatos nas provas dos concursos públicos, em relação a esse tema tão importante, por ser um dos mais cobrados, é fazer a correta distinção entre as categorias de segurados obrigatórios, face às inúmeras hipóteses previstas na legislação previdenciária, dificultando qualquer tentativa de uma simples memorização. Para que possamos então resolver qualquer questão sobre esse tema (sem

3 decorar) com absoluta convicção, basta aplicarmos um método simples que consiste no processo de eliminação. De acordo com esse método, três categorias são inconfundíveis, não costumam trazer muita dificuldade, portanto devem ser analisadas e, se for o caso, eliminadas em primeiro lugar, a saber: 1) doméstico(a) é aquele que trabalha de forma contínua para a família com subordinação em atividades sem fins lucrativos. É o caso da babá, cozinheira, jardineiro e outros. É fundamental que a atividade seja estritamente doméstica, tanto urbana como rural, caso a atividade seja desvirtuada, ou seja, passe a ter fins lucrativos, o trabalhador (a) enquadra-se na condição de empregado (CLT); 2) avulso é o trabalhador que só pode ser contratado mediante intermediação obrigatória do sindicato da categoria ou do órgão gestor de mão-de-obra OGMO. Essa intermediação obrigatória só existe para essa categoria de trabalhadores e tem por finalidade a sua própria proteção diante do contratante (tomador de serviços). Portanto, observem que o avulso não mantém vínculo empregatício nem com o contratante e nem com o intermediário. O estivador é um dos exemplos de avulso portuário. 3) especial é o produtor rural pessoa física, em regime de economia familiar e os equiparados, como por exemplo, o pescador artesanal. A princípio, a atividade do especial é de subsistência, sem o auxílio de empregados permanentes, para aqueles que não tenham alguma outra atividade remunerada. Portanto, pelo nosso método, sobram apenas as duas maiores categorias: o segurado empregado e o contribuinte individual. Também nesses casos a distinção é simples. O empregado é o trabalhador que mantém vínculo empregatício caracterizado principalmente pela subordinação jurídica, como ocorre com o empregado celetista. Também se enquadram nessa categoria os equiparados a segurado empregado, como por exemplo, o exercente de mandato eletivo.

4 Finalmente, por eliminação, caso o trabalhador não esteja enquadrado nas três primeiras categorias inconfundíveis (doméstico, avulso e especial) e também não possua vínculo empregatício, será contribuinte individual que, não por acaso, é a maior categoria de todas (todo trabalhador que não esteja enquadrado nas anteriores e nem vinculado a regime próprio de previdência). Exemplos: ministro de confissão religiosa, garimpeiro, árbitro de futebol, dentre outros. Pela sua extensão, e com base em concursos anteriores, não há nenhuma dúvida que este assunto (segurados) será cobrado. Em resumo, para resolvermos qualquer questão sobre esse tema basta aplicarmos o processo de eliminação. Dentre as cinco categorias de segurados obrigatórios, três são inconfundíveis: o doméstico (trabalha para família em atividades sem fins lucrativos), o avulso (intermediação obrigatória do sindicato ou órgão gestor de mão-deobra) e o especial (produtor rural pessoa física, em regime de economia familiar e os equiparados, como por exemplo, o pescador artesanal). Sobram as duas maiores categorias: empregado(vínculo empregatício caracterizado pela subordinação jurídica e equiparados) e o contribuinte individual que é a maior categoria de todas (todo trabalhador que não esteja enquadrado nas anteriores e nem vinculado a regime próprio de previdência). Agora vamos por em prática a identificação das categorias de segurados obrigatórios através do método de eliminação. Para isso vamos imaginar que determinado trabalhador autônomo seja associado à cooperativa de trabalho para a prestação de serviços a terceiros através da cooperativa. Inicialmente, pelo exercício de atividade remunerada, não pode ser considerado facultativo. Quanto aos regimes de previdência, estará vinculado ao RGPS por não ser servidor público exercente de cargo efetivo. O trabalhador cooperado não pode ser segurado empregado doméstico do RGPS porque não trabalha de forma contínua para família, em atividade sem fins lucrativos. Não é avulso porque não há intermediação obrigatória do sindicato ou órgão gestor da mão-de-obra na sua contratação. Também é incompatível com o segurado especial, tendo em vista que este é o produtor rural ou equiparado que exerce

5 atividade agropecuária individualmente ou em regime de economia familiar. Não pode ser segurado empregado porque não há vínculo empregatício entre o cooperado e a cooperativa, embora nada impeça que a cooperativa tenha seus próprios empregados. Por eliminação constata-se que o cooperado é segurado obrigatório do RGPS na qualidade de contribuinte individual. É simples assim. CATEGORIAS DE SEGURADOS OBRIGATÓRIOS Para reforçar a nossa compreensão sobre esse tema, listamos abaixo o enquadramento dos trabalhadores em relação a cada uma das categorias previstas na legislação previdenciária. Reiteramos que, face à extensão do assunto, a simples decoreba deve ser evitada. EMPREGADO 1) aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural a empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado; Atenção.: a inscrição do segurado em qualquer categoria do RGPS, seja como obrigatório ou facultativo, exige a idade mínima de dezesseis anos, exceto como segurado obrigatório empregado, na condição de aprendiz. Esta exceção decorre do art. 7º, inciso XXXIII, da Constituição Federal, que proíbe o trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos. Observem que essa exceção não se aplica ao segurado facultativo porque, nesse caso, o limite mínimo de idade sempre será 16 anos. Apenas no caso do menor aprendiz, como segurado obrigatório do regime geral na condição de empregado, o piso para inscrição na previdência social poderá ser a partir dos 14

6 anos. Em síntese, a exceção (14 anos) aplica-se ao segurado obrigatório empregado (aprendiz) e não ao segurado facultativo, cujo limite de idade (16 anos) sempre seguirá a regra geral. 2) aquele que, contratado por empresa de trabalho temporário, por prazo não superior a 09 meses, prorrogável, presta serviço para atender a necessidade transitória de substituição de pessoal regular e permanente ou a acréscimo extraordinário de serviço de outras empresas, na forma da legislação própria; 3) o brasileiro ou o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado no exterior, em sucursal ou agência de empresa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sede e administração no País; 4) o brasileiro ou o estrangeiro domiciliado e contratado no Brasil para trabalhar como empregado em empresa domiciliada no exterior com maioria do capital votante pertencente a empresa constituída sob as leis brasileiras, que tenha sede e administração no País e cujo controle efetivo esteja em caráter permanente sob a titularidade direta ou indireta de pessoas físicas domiciliadas e residentes no País ou de entidade de direito público interno; 5) aquele que presta serviço no Brasil a missão diplomática ou a repartição consular de carreira estrangeira e a órgãos a elas subordinados, ou a membros dessas missões e repartições, excluídos o não-brasileiro sem residência permanente no Brasil e o brasileiro amparado pela legislação previdenciária do país da respectiva missão diplomática ou repartição consular; 6) o brasileiro civil que trabalha para a União no exterior, em organismos oficiais internacionais dos quais o Brasil seja membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo se amparado por regime próprio de previdência social; Obs.: no RGPS, todo brasileiro que trabalha no exterior é empregado, exceto o brasileiro civil que trabalha no exterior em organismo oficial internacional que é contribuinte individual (observem que esta é a única exceção), caso ele trabalhe para a União em organismo oficial internacional do qual o Brasil seja membro efetivo, será

7 considerado empregado, conforme disposto no item 6 acima. Em resumo: Brasileiro que trabalhe para a União em OI -> empregado. Exemplo: uma pessoa que trabalha para a União como seu representante na Organização das Nações Unidas - ONU Brasileiro que trabalhe em OI -> contribuinte individual. Exemplo: um pesquisador que exerce atividade privada e foi contratado diretamente pela Organização Mundial de Saúde OMS. 7) o brasileiro civil que presta serviços à União no exterior, em repartições governamentais brasileiras, lá domiciliado e contratado, inclusive o auxiliar local de que tratam os art. 56 e 57 da Lei no , de 29 de dezembro de 2006, este desde que, em razão de proibição legal, não possa filiar-se ao sistema previdenciário local; Observação: auxiliar local é o brasileiro ou o estrangeiro admitido para prestar serviços ou desempenhar atividades de apoio que exijam familiaridade com as condições de vida, os usos e os costumes do país onde esteja sediado o posto, em síntese, é uma espécie de adido. 8) o bolsista e o estagiário que prestam serviços a empresa, em desacordo com a Lei no , de 25 de setembro de 2008; 9) o servidor da União, Estado, Distrito Federal ou Município, incluídas suas autarquias e fundações, ocupante, exclusivamente, de cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração (o servidor efetivo que exerça cargo em comissão continua vinculado ao regime próprio); 10) o servidor do Estado, Distrito Federal ou Município, bem como o das respectivas autarquias e fundações, ocupante de cargo efetivo, desde que, nessa qualidade, não esteja amparado por regime próprio de previdência social; 11) o servidor contratado pela União, Estado, Distrito Federal ou Município, bem como pelas respectivas autarquias e fundações, por tempo determinado, para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público; 12) o servidor da União, Estado, Distrito Federal ou Município, incluídas suas autarquias e fundações, ocupante de emprego público (CLT); Dica importante: todos aqueles que exercem atividade pública remunerada

8 (empregados públicos, comissionados, temporários), com exceção do servidor público exercente de cargo efetivo com regime próprio, são segurados obrigatórios do RGPS como empregados. 13) o escrevente e o auxiliar contratados por titular de serviços notariais e de registro a partir de 21 de novembro de 1994, bem como aquele que optou pelo Regime Geral de Previdência Social; 14) o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, desde que não vinculado a regime próprio de previdência social; Observação: A lei /2004 reinseriu a figura do exercente de mandato eletivo como segurado obrigatório do RGPS na qualidade de empregado, com fundamento na EC 20/98 que prevê além da contribuição dos trabalhadores a dos demais segurados. A intenção foi demonstrar que a partir da EC 20/98 há fundamentação constitucional para o enquadramento do exercente de mandato eletivo no RGPS. Porém, o exercente de mandato eletivo federal, estadual ou municipal, só poderá ser considerado segurado obrigatório do RGPS na qualidade de empregado, caso não esteja vinculado a regime próprio de previdência social. Caso contrário, mesmo depois de eleito, continuará vinculado ao regime de origem (próprio), como por exemplo, um auditor da Receita Federal que seja eleito deputado estadual, permanecendo o vínculo com o seu regime próprio de previdência (União). 15) o empregado de organismo oficial internacional ou estrangeiro em funcionamento no Brasil, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social; 16) o trabalhador rural contratado por produtor rural pessoa física, na forma do art. 14-A da Lei no 5.889, de 8 de junho de 1973, para o exercício de atividades de natureza temporária por prazo não superior a dois meses dentro do período de um ano. EMPREGADO DOMÉSTICO Aquele que presta serviço de natureza contínua, mediante remuneração, a pessoa ou família, no âmbito residencial desta, em atividade sem fins lucrativos. CONTRIBUINTE INDIVIDUAL 1) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade agropecuária, a

9 qualquer título, em caráter permanente ou temporário, em área, contínua ou descontínua, superior a quatro módulos fiscais; ou, quando em área igual ou inferior a quatro módulos fiscais ou atividade pesqueira ou extrativista, com auxílio de empregados ou por intermédio de prepostos; 2) a pessoa física, proprietária ou não, que explora atividade de extração mineral - garimpo, em caráter permanente ou temporário, diretamente ou por intermédio de prepostos, com ou sem o auxílio de empregados, utilizados a qualquer título, ainda que de forma não contínua; 3) o ministro de confissão religiosa e o membro de instituto de vida consagrada, de congregação ou de ordem religiosa; 4) o brasileiro civil que trabalha no exterior para organismo oficial internacional do qual o Brasil é membro efetivo, ainda que lá domiciliado e contratado, salvo quando coberto por regime próprio de previdência social; Obs.: vamos supor que um brasileiro nato civil que mora há muito tempo na Suíça, foi contratado em Genebra para trabalhar na Organização Mundial de Saúde tendo optado por não se filiar ao regime próprio daquela organização. Nessa situação, Miguel é segurado obrigatório da previdência social brasileira na qualidade de contribuinte individual. Por outro lado, caso esse segurado trabalhasse no exterior para a União em organismo oficial internacional (exemplo: ONU), seu enquadramento no RGPS seria como empregado. 5) o titular de firma individual urbana ou rural; 6) o diretor não empregado e o membro de conselho de administração na sociedade anônima; 7) todos os sócios, nas sociedades em nome coletivo e de capital e indústria; 8) o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho e o administrador não empregado na sociedade por cotas de responsabilidade limitada, urbana ou rural; 9) o associado eleito para cargo de direção em cooperativa, associação ou entidade de qualquer natureza ou finalidade, bem como o síndico ou administrador eleito para exercer atividade de direção condominial, desde que recebam remuneração;

10 10) quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem relação de emprego; 11) a pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não; Obs.: essa é uma das hipóteses mais comuns (trabalhador autônomo) de segurado obrigatório do RGPS na qualidade de contribuinte individual. Exemplo típico dessa categoria seria o caso de três mulheres que passaram a trabalhar por conta própria e exercem suas atividades na residência de uma delas como cabeleireira, manicure e esteticista, respectivamente. 12) o aposentado de qualquer regime previdenciário nomeado magistrado classista temporário da Justiça do Trabalho ou nomeado magistrado da Justiça Eleitoral; 13) o cooperado de cooperativa de produção que, nesta condição, presta serviço à sociedade cooperativa mediante remuneração ajustada ao trabalho executado; 14) o Micro Empreendedor Individual - MEI de que tratam os arts. 18-A e 18-C da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006, que opte pelo recolhimento dos impostos e contribuições abrangidos pelo Simples Nacional em valores fixos mensais; Observações: a) é considerado MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei no , de 2002 (Código Civil), que tenha auferido receita bruta, no ano-calendário anterior, de até R$ ,00 (trinta e seis mil reais), optante pelo Simples Nacional e que não esteja impedido de optar pela sistemática de recolhimento mencionada neste inciso; b) conforme o disposto no art. 18-A, e seus parágrafos, da Lei Complementar nº 123/2006, poderá se enquadrar como MEI o empresário individual que possua um único empregado que receba exclusivamente um salário mínimo ou o piso salarial da categoria profissional. 15) o condutor autônomo de veículo rodoviário, assim considerado aquele que exerce atividade profissional sem vínculo empregatício, quando proprietário, co-proprietário ou promitente comprador de um só veículo; 16) aquele que exerce atividade de auxiliar de condutor autônomo de veículo rodoviário, em automóvel cedido em regime de colaboração; 17) aquele que, pessoalmente, por conta própria e a seu risco, exerce pequena

11 atividade comercial em via pública ou de porta em porta, como comerciante ambulante; 18) o trabalhador associado a cooperativa que, nessa qualidade, presta serviços a terceiros; 19) o membro de conselho fiscal de sociedade por ações; 20) o diarista, assim entendido a pessoa física que, por conta própria, presta serviços de natureza não contínua à pessoa ou à família no âmbito residencial destas, em atividade sem fins lucrativos; Observação: a diferença existente entre o diarista (contribuinte individual) e o doméstico está na continuidade do serviço, que é essencial para este e inexistente para aquele. 21) o notário ou tabelião e o oficial de registros ou registrador, titular de cartório, que detêm a delegação do exercício da atividade notarial e de registro, não remunerados pelos cofres públicos, admitidos a partir de 21 de novembro de 1994; Importante: somente o servidor público exercente de cargo efetivo está vinculado a regime próprio de previdência social, portanto o tabelião está vinculado ao RGPS como contribuinte individual. Caso exerça a atividade de escrevente ou auxiliar contratados por titular de serviços notariais e de registro, o enquadramento no RGPS será como empregado. 22) aquele que, na condição de pequeno feirante, compra para revenda produtos hortifrutigranjeiros ou assemelhados;23) a pessoa física que edifica obra de construção civil; 24) o médico residente; 25) o pescador que trabalha em regime de parceria, meação ou arrendamento, em embarcação com mais de seis toneladas de arqueação bruta, ressalvado quando na condição, exclusivamente, de parceiro outorgado, utilize embarcação de até dez toneladas de arqueação bruta; 26) o incorporador; 27) o bolsista da Fundação Habitacional do Exército; 28) o árbitro e seus auxiliares; 29) o membro de conselho tutelar, quando remunerado; 30) o interventor, o liquidante, o administrador especial e o diretor fiscal de instituição

12 financeira. 31) a pessoa física contratada para prestação de serviço em campanhas eleitorais por partido político ou por candidato a cargo eletivo, diretamente ou por meio de comitê financeiro; TRABALHADOR AVULSO Aquele que, sindicalizado ou não, presta serviço de natureza urbana ou rural, a diversas empresas, sem vínculo empregatício, com a intermediação obrigatória do órgão gestor de mão-de-obra ou do sindicato da categoria. Podem ser considerados avulsos: I - o trabalhador que exerce atividade portuária de capatazia, estiva, conferência e conserto de carga, vigilância de embarcação e bloco; II - o trabalhador de estiva de mercadorias de qualquer natureza, inclusive carvão e minério; III - o trabalhador em alvarenga (embarcação para carga e descarga de navios); IV - o amarrador de embarcação; V - o ensacador de café, cacau, sal e similares; VI - o trabalhador na indústria de extração de sal; VII - o carregador de bagagem em porto; VIII - o prático de barra em porto; IX - o guindasteiro; e X - o classificador, o movimentador e o empacotador de mercadorias em portos. Atenção: a definição acima consta no art. 9º, inciso VI, do Regulamento da Previdência Social. Contudo, o art. 12, inciso VI, da Lei 8.212/91, traz a seguinte definição: quem presta, a diversas empresas, sem vínculo empregatício, serviço de natureza urbana ou rural definidos no Regulamento. Comparando as duas definições verifica-se que a do RPS é mais completa,

13 porém, ambas são corretas. No concurso a ESAF tanto pode cobrar a definição na forma da lei 8.212/91, ou poderá exigir conforme dispõe o RPS. Ambas são corretas.

SEGURADOS da PREVIDÊNCIA SOCIAL. DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF Exercícios (02/08) SEGURADOS OBRIGATÓRIOS. Segurado Obrigatório: Empregado:

SEGURADOS da PREVIDÊNCIA SOCIAL. DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF Exercícios (02/08) SEGURADOS OBRIGATÓRIOS. Segurado Obrigatório: Empregado: DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF Exercícios (02/08) Prof. Eduardo Tanaka SEGURADOS da PREVIDÊNCIA SOCIAL Prof. Eduardo Tanaka 1 2 São divididos em 5 espécies: Empregado Empregado doméstico Trabalhador avulso

Leia mais

Segurados do Regime Geral de Previdência Social

Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do Regime Geral de Previdência Social Segurados do RGPS Segurados obrigatórios e os segurados facultativos. Segurados: são pessoas físicas que contribuem para o regime previdenciário e, por isso,

Leia mais

ANEXO II DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS.

ANEXO II DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. ANEXO II DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. Abrangência: pessoas físicas e jurídicas sujeitas ao recolhimento das Contribuições Previdenciárias (INSS).

Leia mais

ANEXO I DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS.

ANEXO I DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. ANEXO I DO COMUNICADO RFB ALTERA OS PROCEDIMENTOS REFERENTE ÀS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS. Abrangência: pessoas físicas e jurídicas sujeitas ao recolhimento das Contribuições Previdenciárias (INSS).

Leia mais

OUTROS PRINCÍPIOS e SEGURADOS

OUTROS PRINCÍPIOS e SEGURADOS OUTROS PRINCÍPIOS e SEGURADOS Como disse no final da aula n.02 Princípios Constitucionais da Seguridade Social, há na Carta Magna outros princípios que regem a Seguridade Social. Por exemplo, o parágrafo

Leia mais

Ministério da Previdência Social

Ministério da Previdência Social 1 de 8 09/01/2015 15:19 Brasil Acesso à informação Participe Serviços Legislação Canais Acessibilidade Alto Contraste Mapa do Site Ir para o conteúdo 1 Ir para o menu 2 Ir para a busca 3 Ir para o rodapé

Leia mais

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli

REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. Prof. Me. Danilo Ripoli REGIMES PREVIDENCIÁRIOS parte 2 Prof. Me. Danilo Ripoli O PLANO DE BENEFÍCIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL No PBPS estão todas as normas que regem a relação jurídica entre segurados, dependentes e previdência

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária Como os trabalhadores e trabalhadoras podem contar com a proteção da Previdência Social? É isso que veremos nesta aula. A Previdência Social é um regime contributivo, portanto, para ter direitos aos benefícios,

Leia mais

Segurados Obrigatórios e Facultativos P R O F. M U R I L LO S A P I A G U T I E R

Segurados Obrigatórios e Facultativos P R O F. M U R I L LO S A P I A G U T I E R Segurados Obrigatórios e Facultativos P R O F. M U R I L LO S A P I A G U T I E R Beneficiários da Previdência Social Beneficiários Segurados Dependentes Obrigatórios Facultativos Quadro Explicativo dos

Leia mais

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS

Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS Comentários do Primeiro Simulado Direito Previdenciário Aula 04 SEGURADOS DO RGPS Segurados do Regime Geral de Previdência Social Obrigatórios Empregado Empregado Doméstico Contribuinte Individual Trabalhador

Leia mais

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador:

Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: 4.3 - CATEGORIA Informar os seguintes códigos, de acordo com a categoria de trabalhador: Cód. 01 Empregado; 02 Trabalhador avulso; Categoria 03 Trabalhador não vinculado ao RGPS, mas com direito ao FGTS;

Leia mais

Segurados da Previdência Social: empresa e empregador doméstico

Segurados da Previdência Social: empresa e empregador doméstico Segurados da Previdência Social: empresa e empregador doméstico Segurados da Previdência Social Eduardo Tanaka Qualquer pessoa física com mais de 16 anos 1 pode ser segurado da Previdência Social 2. Ao

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 18 24/8/2010 1:4 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Texto compilado Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Texto compilado Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor

Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor 1 DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 2 Regime Geral de Previdência Social

Leia mais

DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicado em

DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicado em DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicado em 12/05/1999 Atualização: JULHO/2010 RELAÇÃO DE LEGISLAÇÃO CORRELATA E SUAS ALTERAÇÕES LIVRO I DA FINALIDADE E DOS PRINCÍPIOS

Leia mais

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários. Regimes. Previdenciários: Segurados Obrigatórios

REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIREITO PREVIDENCIÁRIO. Regimes Previdenciários. Regimes. Previdenciários: Segurados Obrigatórios DIREITO PREVIDENCIÁRIO REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 2 Regime Geral De Previdência Social Regimes Previdenciários Regimes Previdenciários Regimes Próprios De Previdência Regime Complementar De Previdência

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Previdênciário Tema: Prescrição e decadência Prof.: Flávia Cristina Data: 06/06/2005. Legislação

SUPER PLUS Disciplina: Direito Previdênciário Tema: Prescrição e decadência Prof.: Flávia Cristina Data: 06/06/2005. Legislação Legislação DECRETO N o 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE MAIO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 21/2014 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS CONTRIBUINTE INDIVIDUAL - CONSIDERAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS... Pág. 606 RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Regulamento

Leia mais

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE

CURSOS ON-LINE DIR. PREVIDENCIÁRIO CURSO REGULAR PROFESSOR FÁBIO ZAMBITTE Aula III: Regime Geral de Previdência Social; Segurados Obrigatórios; Filiação e Inscrição; Conceito, Características e Abrangência: empregado, empregado doméstico, contribuinte individual, avulso, segurado

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX PREVIDÊNCIA SOCIAL Orientador Empresarial Arrecadação Previdenciária Normas Gerais - Revogação da Instrução Normativa SRP n 03/2005

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005

Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005 1 de 314 3/5/2010 10:08 Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005 DOU de 15.7.2005 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal; Lei Complementar nº 77, de 13 de julho de 1993; Lei Complementar

Leia mais

Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005

Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005 Instrução Normativa SRP nº 3, de 14 de julho de 2005 DOU de 15.7.2005 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais administradas pela Secretaria da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 150 2/12/2009 14:06 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO N o.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências.

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

DECRETO 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999 Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O Presidente da República, no uso da

DECRETO 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999 Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O Presidente da República, no uso da DECRETO.048, DE 6 DE MAIO DE 1999 Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O Presidente da República, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 (*) (DOU de 17.11.2009)

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 (*) (DOU de 17.11.2009) INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 (*) (DOU de 17.11.2009) Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 - DO... Page 1 of 113

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 - DO... Page 1 of 113 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 - DO... Page 1 of 113 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 - DOU DE 17/11/2009 - ALTERADA Alterada pela IN RFB nº 1.210, de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU de 17.11.2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009. DOU de 17.11.2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 971, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU de 17.11.2009 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência Social

Leia mais

Esta e centenas de outras APOSTILAS estão disponíveis para download em www.acheiconcursos.com.br

Esta e centenas de outras APOSTILAS estão disponíveis para download em www.acheiconcursos.com.br Esta e centenas de outras APOSTILAS estão disponíveis para download em www.acheiconcursos.com.br Confira também nossas AULAS, PROVAS e SIMULADOS específicos para o concurso público de sua preferência Polícia

Leia mais

DECRETO No 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999.

DECRETO No 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. DECRETO No 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso

Leia mais

Art.1ºO Regulamento da Previdência Social passa a vigorar na forma do texto apenso ao presente Decreto, com seus anexos.

Art.1ºO Regulamento da Previdência Social passa a vigorar na forma do texto apenso ao presente Decreto, com seus anexos. DECRETO Nº 3.048 - DE 6 DE MAIO DE 1999 - (DOU Nº 86 DE 07/05/99 - Seção I PG. 50 a 108 ) Republicado em 12/05/99 - Alterado pelos Decretos nºs 3.265/99, 3.298/99, 3.452/2000, 3.668/2000, 4.032/2001 e

Leia mais

4º Equipara-se a empresa para fins de cumprimento de obrigações previdenciárias:

4º Equipara-se a empresa para fins de cumprimento de obrigações previdenciárias: MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 97, DE DE NOVEMBRO DE 009 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições

Leia mais

Previdência Social sob a forma de Regime Geral

Previdência Social sob a forma de Regime Geral Previdência Social sob a forma de Regime Geral Estrutura do Sistema Previdenciário no Brasil Regime Geral de Previdência Social (RGPS) Administrado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); Obrigatório,

Leia mais

SUPER PLUS Disciplina: Direito Previdênciário Tema: Dependentes e seus beneficiários Prof.: Flávia Cristina Data: 28/02/2005.

SUPER PLUS Disciplina: Direito Previdênciário Tema: Dependentes e seus beneficiários Prof.: Flávia Cristina Data: 28/02/2005. Legislação DECRETO N o 3.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição Federal, e de acordo com a Emenda Constitucional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE 15/07/2005 - ALTERADA

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE 15/07/2005 - ALTERADA INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE 15/07/2005 - ALTERADA Alterada pela IN SRP Nº 6, DE 11/08/2005 Alterada pela IN SRP Nº 5, DE 03/08/2005 Alterada pela IN SRP Nº 4, DE 28/07/2005

Leia mais

http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1999/3048.htm

http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1999/3048.htm DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicad... Page 1 of 88 RELAÇÃO DE LEGISLAÇÃO CORRELATA E SUAS ALTERAÇÕES DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 -

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1999/3048.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/23/1999/3048.htm DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 - Republicad... Page 1 of 78 RELAÇÃO DE LEGISLAÇÃO CORRELATA E SUAS ALTERAÇÕES DECRETO Nº 3.048 - DE 06 DE MAIO DE 1999 - DOU DE 7/05/1999 -

Leia mais

INSS 1. SEGURIDADE SOCIAL - CONCEITUAÇÃO:

INSS 1. SEGURIDADE SOCIAL - CONCEITUAÇÃO: 1. SEGURIDADE SOCIAL - CONCEITUAÇÃO: Conforme a Constituição Federal, artigo 194: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Educação Previdenciária Todo(a) brasileiro(a), a partir de 16 anos de idade, pode filiar-se à Previdência Social e pagar mensalmente a contribuição para assegurar os seus direitos e a proteção à sua família. Vejamos com isso

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 03, DE 14 DE JULHO DE

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP 03, DE 14 DE JULHO DE MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SRP nº 03, DE 14 DE JULHO DE 2005 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das

Leia mais

É vedado, também, o fornecimento de informações cadastrais inexatas ou incompletas nome, endereço, CPF, e-mail - no ato da matrícula.

É vedado, também, o fornecimento de informações cadastrais inexatas ou incompletas nome, endereço, CPF, e-mail - no ato da matrícula. Ponto dos Concursos Atenção. O conteúdo deste curso é de uso exclusivo do aluno matriculado, cujo nome e CPF constam do texto apresentado, sendo vedada, por quaisquer meios e a qualquer título, a sua reprodução,

Leia mais

1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL

1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL - Sindicato dos Contabilistas de São Paulo 1º EPAC 1º Encontro de Profissionais e Acadêmicos de Contabilidade PREVIDÊNCIA SOCIAL Atividade Simultânea, saiba como apurar a contribuição previdenciária do

Leia mais

Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências.

Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras providências. DECRETO No.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO No.048, DE 6 DE MAIO DE 1999. Aprova o Regulamento da Previdência Social, e dá outras

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

Presidência da República Casa Civil

Presidência da República Casa Civil Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

INSS Direito Previdenciário Apostila André Studart

INSS Direito Previdenciário Apostila André Studart INSS Direito Previdenciário Apostila André Studart 2013 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CAPÍTULO I SEGURIDADE SOCIAL NA CONSTITUIÇÃO 1. NOÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 100, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2003.(*)

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 100, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2003.(*) INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 100, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2003.(*) Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003

Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 Perguntas e respostas sobre a instrução normativa/inss/dc nº 89 de 11/06/2003 e a Lei nº 10.666 de 08/05/2003 01 De que trata a Instrução Normativa 89? A IN 89 trata da contribuição adicional para financiamento

Leia mais

TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Seção I. Dos Conceitos

TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Seção I. Dos Conceitos Instrução Normativa RFB nº 971, de 13 de novembro de 2009 Índice DOU de 17.11.2009 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência

Leia mais

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.

CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10. São Paulo, 21 de Agosto de 2003 DE: MÁRCIO FERNANDES DA COSTA PARA: ASSOCIADOS CIRCULAR Nº 024/2003 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A INSTRUÇÃO NORMATIVA/INSS/ DC Nº 89 DE 11/06/2003 E A LEI Nº 10.666 DE 08/05/2003

Leia mais

REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL REGULAMENTO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL LIVRO I DA FINALIDADE E DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS TÍTULO I DA SEGURIDADE SOCIAL Art. 1º A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Programa de Educação Previdenciária ria Quem é considerado trabalhador rural? A partir de 25 de julho de 1991,

Leia mais

3 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS. Segurados obrigatórios QUADRO GERAL DOS BENEFICIÁRIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL:

3 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS. Segurados obrigatórios QUADRO GERAL DOS BENEFICIÁRIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: 3 REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RGPS. 3.1 Segurados obrigatórios. QUADRO GERAL DOS BENEFICIÁRIOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL: Segurados Obrigatórios Empregado; Empregado doméstico Contribuinte individual;

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista www.sato.adm.br 1987 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Relatório Trabalhista Nº 047 12/06/97 BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS A Ordem de Serviço nº 564,

Leia mais

INSS TIPOS DE BENEFÍCIOS

INSS TIPOS DE BENEFÍCIOS - 1 - INSS TIPOS DE BENEFÍCIOS Í N D I C E Tipos de Benefício... 3 Definições Básicas... 3 SEGURADO EMPREGADO... 3 SEGURADO TRABALHADOR AVULSO... 4 EMPREGADO DOMÉSTICO... 4 CONTRIBUINTE INDIVIDUAL... 5

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 PRES/INSS, DE 21 DE JANEIRO DE 2015

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 PRES/INSS, DE 21 DE JANEIRO DE 2015 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77 PRES/INSS, DE 21 DE JANEIRO DE 2015 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Estabelece rotinas para agilizar e uniformizar o reconhecimento de direitos dos segurados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 71, DE 10 DE MAIO DE 2002 - DOU DE 15/05/2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 71, DE 10 DE MAIO DE 2002 - DOU DE 15/05/2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 71, DE 10 DE MAIO DE 2002 - DOU DE 15/05/2002 Dispõe sobre normas gerais de Tributação Previdenciária e de Arrecadação no âmbito do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Leia mais

Instrução Normativa INSS Nº 77 DE 21/01/2015

Instrução Normativa INSS Nº 77 DE 21/01/2015 Instrução Normativa INSS Nº 77 DE 21/01/2015 Publicado no DOU em 22 jan 2015 Estabelece rotinas para agilizar e uniformizar o reconhecimento de direitos dos segurados e beneficiários da Previdência Social,

Leia mais

Conteúdo Programático da Aula nº 5A SEGURADOS OBRIGATÓRIOS

Conteúdo Programático da Aula nº 5A SEGURADOS OBRIGATÓRIOS CEAP / CURSO DE DIREITO Disciplina: DIREITO PREVIDENCIÁRIO Professor: MsC. UBIRATAN RODRIGUES DA SILVA Plano de Ensino: Unidade IV. REGIME GERAL DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conteúdo Programático da Aula nº 5A

Leia mais

APOSTILA DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA SEGURADOS

APOSTILA DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA SEGURADOS APOSTILA DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA SEGURADOS Índice 1. Conceito. Diferenças: Segurado/Dependente/Empresa pag. 02 2. Segurado Obrigatório x Segurado Facultativo pag. 03 3. Segurados: Espécies pag. 06

Leia mais

ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE MARÇO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 12/2012 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS

ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE MARÇO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 12/2012 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS ANO XXIII - 2012-3ª SEMANA DE MARÇO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 12/2012 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS RETENÇÃO DE 11% (ONZE POR CENTO) DO CONTRIBUINTE INDIVIDUAL QUE PRESTA SERVIÇO A EMPRESA Introdução - Segurado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 20, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007 Fonte: DOU 11.10.2007 Estabelece critérios a serem adotados pela área de Benefícios.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 20, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007 Fonte: DOU 11.10.2007 Estabelece critérios a serem adotados pela área de Benefícios. INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 20, DE 10 DE OUTUBRO DE 2007 Fonte: DOU 11.10.2007 Estabelece critérios a serem adotados pela área de Benefícios. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS, no

Leia mais

CURSO DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA O AFT PROFESSOR: GABRIEL PEREIRA AULA 01. I Introdução. Olá, pessoal!

CURSO DE LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA PARA O AFT PROFESSOR: GABRIEL PEREIRA AULA 01. I Introdução. Olá, pessoal! AULA 01 I Introdução Olá, pessoal! Bem-vindos ao Curso de Legislação Previdenciária para o AFT! Depois da Aula Demonstrativa, hoje começamos pra valer nosso curso. Nesta Aula 01 abordaremos os tópicos

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO P/ O INSS (TÉCNICO E ANALISTA) E ARFRB TEORIA PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITTE

DIREITO PREVIDENCIÁRIO P/ O INSS (TÉCNICO E ANALISTA) E ARFRB TEORIA PROFESSOR: FÁBIO ZAMBITTE Aula III: Regime Geral de Previdência Social; Segurados Obrigatórios; Filiação e Inscrição; Conceito, Características e Abrangência: empregado, empregado doméstico, contribuinte individual, avulso, segurado

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social IV Conferência Brasileiros no Mundo PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Praia do Forte, 20 de novembro de 2013. 1 SEGURIDADE SOCIAL (CONCEITO AMPLO) CONTRIBUTIVO NÃO CONTRIBUTIVO

Leia mais

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77

LEGISLAÇÃO. Inscrição e Filiação: Artigo 17 da Lei 8213/91; Artigo 18 do Decreto 3048/99; Artigo 3º e seguintes da IN 77 FILIAÇÃO É o vínculo que as pessoas estabelecem com a Previdência Social a partir do momento em que passam a exercer uma atividade remunerada ou a recolher as contribuições previdenciárias. Com a filiação,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito previdenciário da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da União Com base no direito previdenciário,

Leia mais

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Instrução Normativa INSS nº 00.045/2010 Administração de Informação dos Segurados

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Instrução Normativa INSS nº 00.045/2010 Administração de Informação dos Segurados Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br Instrução Normativa INSS nº 00.045/2010 Administração de Informação dos Segurados INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 45, DE 6 DE AGOSTO DE 2010 DOU

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE INSTRUÇÃO NORMATIVA MPS/SRP Nº 3, DE 14 DE JULHO DE 2005 - DOU DE 15/07/2005 Dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais administradas pela Secretaria

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 7 Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p CONTRATO DE TRABALHO Contrato Individual de Trabalho o negócio jurídico pelo qual uma pessoa física se obriga, mediante remuneração, a prestar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 071, DE 10 DE MAIO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 071, DE 10 DE MAIO DE 2002 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 071, DE 10 DE MAIO DE 2002 Dispõe sobre normas gerais de Tributação Previdenciária e de Arrecadação no âmbito do Instituto

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF)

Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) Tribunal Regional do Trabalho 15.ª Região (Campinas/SP) Direito Previdenciário (AJAJ e OJAF) XX. (Analista Judiciário Área Judiciária/TRT-15/FCC/2013): 57. Quanto à relação entre empresas estatais e as

Leia mais

Capítulo I Dos Beneficiários Seção I Dos Segurados

Capítulo I Dos Beneficiários Seção I Dos Segurados INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/PRES Nº 45, de 6 de agosto de 2010 Dispõe sobre a administração de informações dos segurados, o reconhecimento, a manutenção e a revisão de direitos dos beneficiários da Previdência

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO RESUMO DE D. PREVIDENCIÁRIO 2 Cláudio Basques

DIREITO PREVIDENCIÁRIO RESUMO DE D. PREVIDENCIÁRIO 2 Cláudio Basques DIREITO PREVIDENCIÁRIO RESUMO DE D. PREVIDENCIÁRIO 2 Cláudio Basques CUSTEIO (L. 8212/91) Finalidade = pagar custos de manutenção Tipos: a) direto = ao pg contribuição, b) indireto = ao pg impostos Fontes:

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

segurado especial. A palavra facultativamente, nesse caso, significa opção. Portanto, o especial, apesar de ser segurado obrigatório (vínculo

segurado especial. A palavra facultativamente, nesse caso, significa opção. Portanto, o especial, apesar de ser segurado obrigatório (vínculo SEGURADO ESPECIAL Disciplinando-se a fazer o que você sabe que é certo e importante, embora difícil, é a estrada para o orgulho, autoestima e satisfação pessoal. Margaret Thatcher A pessoa física residente

Leia mais

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social PREVMóvel e PREVBarco Unidades móveis de atendimento que percorrem as regiões que não possuem agências da Previdência Social. As visitas dessas unidades são agendadas pela Gerência Executiva do INSS da

Leia mais

CONTRIBUINTE INDIVIDUAL - Considerações sobre Contribuições à Previdência Social

CONTRIBUINTE INDIVIDUAL - Considerações sobre Contribuições à Previdência Social CONTRIBUINTE INDIVIDUAL - Considerações sobre Contribuições à Previdência Social Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 03/10/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Contribuinte Individual 2.1

Leia mais

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras Matéria atualizada com base na legislação vigente em 07/10/2011. Sumário 1 - Introdução 2 - Segurado Facultativo 2.1 - Filiação 2.1.1

Leia mais

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles

expert PDF Trial Aspectos Trabalhistas e Previdenciários (Departamento Pessoal) Outubro 2013 Elaborado por: Valéria de Souza Telles Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Ministério da Previdência Social Instituto Nacional do Seguro Social Diretoria Colegiada INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 27 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre a contribuição para o financiamento da aposentadoria

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 118 - DE 14 ABRIL DE 2005 DOU DE 18/4//2005 O QUE MUDOU

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 118 - DE 14 ABRIL DE 2005 DOU DE 18/4//2005 O QUE MUDOU INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS/DC Nº 118 - DE 14 ABRIL DE 2005 DOU DE 18/4//2005 O QUE MUDOU SUMÁRIO CAPÍTULO I - DOS BENEFICIÁRIOS Art. 2º ao 52 Seção I - Dos Segurados Art. 3 º ao 10 Subseção Única - Da Manutenção

Leia mais

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 RIOS

ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 RIOS ANO XXVI - 2015-1ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 49/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIO RIOS CONTRIBUINTE FACULTATIVO - ATUALIZAÇÃO - IN INSS/PRES Nº 77/2015 - ASPECTOS PREVIDENCIÁRIOS... Pág.1228

Leia mais

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

GUIA DO SEGURADO da Previdência Social CÂMARA DOS DEPUTADOS GUIA DO SEGURADO da Previdência Social Conheça os direitos do seu seguro social. ANTONIO BULHÕES Deputado Federal PRB/SP BRASÍLIA Abril/2009 GUIA DO SEGURADO da Previdência Social

Leia mais

Art.1ºO Regulamento da Previdência Social passa a vigorar na forma do texto apenso ao presente Decreto, com seus anexos.

Art.1ºO Regulamento da Previdência Social passa a vigorar na forma do texto apenso ao presente Decreto, com seus anexos. DECRETO Nº 3.048 - DE 6 DE MAIO DE 1999 - (DOU Nº 86 DE 07/05/99 - Seção I PG. 50 a 108 ) Republicado em 12/05/99 - Alterado pelos Decretos nºs 3.265/99, 3.298/99, 3.452/2000, 3.668/2000, 4.032/2001 e

Leia mais

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade

Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Previdência social Aposentadoria por idade Documentação específica, por categoria Contribuinte individual / facultativo aposentadoria por idade Empregado(a) doméstico(a) aposentadoria por idade Segurado

Leia mais

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social

Guia do Trabalhador. Previdência Social. Saiba como utilizar o seu seguro social MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS Gabinete do Ministro GM Assessoria de Comunicação Social ACS Previdência Social Guia do Trabalhador Saiba como utilizar o seu seguro social Brasília DF Maio/2003 Ministério

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS BENEFICIÁRIOS

SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS BENEFICIÁRIOS SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS BENEFICIÁRIOS Seção I Dos Segurados Art. 2º a 9º Subseção Única Da Manutenção e da Perda da Qualidade de Segurado Art.10 a 16 Seção II Dos Dependentes Art. 17 a 28 Seção III Da Filiação

Leia mais

RESUMÃO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO

RESUMÃO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO 2005 Direito Previdenciário Assunto: RESUMÃO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO AFRF 2005 Autor: ALEXANDRE JOSÉ GRANZOTTO 2 DIREITO PREVIDENCIÁRIO INDICE 1. Seguridade social. 1.1. Conceituação. 1.2. Organização

Leia mais

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo

Direito Previdenciário - Prof. Ítalo 51 BOAS DICAS DE BENEFÍCIOS Professor Italo Romano DICA 1 São 10 os benefícios previdenciários (REGRA 4 3 2 1). DICA 2 São 6 os segurados da Previdência Social (CADES F). DICA 3 Os beneficiários do sistema

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOCIAL: DIREITO PREVIDENCIÁRIO

LEGISLAÇÃO SOCIAL: DIREITO PREVIDENCIÁRIO LEGISLAÇÃO SOCIAL: DIREITO PREVIDENCIÁRIO Aula 1 Direito Previdênciário Professor Marcelo Freire SUMÁRIO Regime Geral de Previdência Social. Beneficiários do RGPS Segurados obrigatórios 1 Regime Geral

Leia mais

Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil

Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Hugo Goes Simulado do concurso para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil Questões elaboradas pelo Prof. Hugo Goes 1. A respeito da base de incidência das contribuições previdenciárias, assinale

Leia mais