COGERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE BIOGÁS E DO LODO PROVENIENTE DE REATORES ANAERÓBIOS DA ETE RIO PRETO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COGERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE BIOGÁS E DO LODO PROVENIENTE DE REATORES ANAERÓBIOS DA ETE RIO PRETO"

Transcrição

1 ESTUDO TÉCNICO DE VIABILIDADE COGERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE BIOGÁS E DO LODO PROVENIENTE DE REATORES ANAERÓBIOS DA ETE RIO PRETO Equipe técnica: Eng. Waldo Villani Jr. Eng. Giovanni Rocha Martins Eng. Renato Takahashi Eng. Jefferson Celso de Agostinho Eng. Márcio Henrique Diniz Marques Eng. Gustavo Blaziza Borghi São José do Rio Preto, Setembro de 2011 Químico Rafael Nava Miceli SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

2 Conteúdo 1 Motivação Características Construtivas e Operacionais da ETE Rio Preto Histórico de implantação Características Construtivas do Sistema de Tratamento Custos operacionais Histórico de falhas e faltas de energia elétrica Demandas e consumo de energia elétrica Produção de biogás na ETE Rio Preto Volumes de resíduos sólidos e biomassa gerada Geração própria de energia elétrica para atendimento às emergências Cogeração: Conceito, Vantagens e Desvantagens Cogeração Atualidade Tecnologias Modos de operação de sistemas de cogeração Tecnologias Aplicáveis Sistemas de cogeração de energia elétrica com rejeitos da digestão anaeróbia Analise da geração de energia elétrica com o Biogás Analise da geração de energia elétrica com o lodo desaguado Projeto básico de implantação da Planta de cogeração de Energia Eletrica Projeções de produção de Energia para Início e Fim de Plano Orçamento de custos de Implantação de Projeto de cogeração ETE Rio Preto Estudos de viabilidade econômica Conclusões Referências SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

3 1 Motivação A premissa de operação de uma ETE - Estação de Tratamento de Esgoto é o seu funcionamento ininterrupto, visto que, o efluente aportado à planta é ininterrupto, somente variando a vazão de chegada durante as vinte e quatro horas do dia, como também nos 365 dias do ano. A interrupção da operação da ETE poderá ocorrer por falta de produto para o tratamento (interrupção do aporte de efluente por rompimento dos emissários ou interceptores); falha eletromecânica de equipamento; ou falta de energia elétrica para o acionamento destes. Dentre as causa das falhas apontadas anteriormente, o operador do sistema deixa de ter domínio somente ao que se refere à energia elétrica, pois, é de fornecimento de terceiro. Para tanto, na maioria das ETE s, são implantadas soluções de emergência para o suprimento de energia elétrica, visando à continuidade operacional da planta. O modelo mais utilizado para esta situação é a implantação de geradores movidos a DIESEL ou GÁS NATURAL, onde existe disponibilidade deste combustível. No projeto inicial da ETE Rio Preto, foi prevista a instalação de geradores movidos a diesel, capazes de gerar até kwh, visando às emergências. Tal solução não foi implantada à época, pois, a Concessionária de energia elétrica optou por instalar um alimentador expresso para o abastecimento da planta, com redundância de fonte, estimando ser suficiente para o abastecimento regular. Fatores externos vêm trazendo incerteza à garantia de abastecimento de energia elétrica pela Concessionária, vez que, não raro acontecem interrupções de fornecimento programadas para manutenção da rede, variações e quedas momentâneas de tensão, e até apagões com algumas horas de desabastecimento, principalmente nos verões, onde, as tempestades são comuns. Por outro lado, o sistema elétrico nacional se encontra sobrecarregado, e vez por outra, o desabastecimento de energia elétrica ocorre de forma generalizada em uma vasta região. Após um ano de operação da ETE pelo SeMAE, verificaram-se várias ocasiões em que o tratamento foi interrompido, por falta de energia elétrica, e por conseqüência, ocorreram extravasamentos do esgoto in natura para o rio Preto, que não causaram maiores danos porque foram de curta duração. Visando diminuir a vulnerabilidade do sistema, constatou-se a necessidade imediata da retomada do plano de geração própria de energia elétrica, para atendimento das situações emergenciais, como anteriormente proposto no plano de implantação da ETE. A outra questão em estudo é a destinação da biomassa gerada pelo lodo digerido proveniente da fase sólida do tratamento anaeróbio, que atualmente representa uma parcela importante no custo operacional da planta. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

4 O processo de tratamento do resíduo sólido implantado na ETE Rio Preto consiste na desidratação do lodo digerido em decanter centrífugo para a elevação do teor de sólidos totais de 1,5% para 20% do volume; desidratação complementar em estufas agrícolas elevando o teor de sólidos para 30% do volume; posterior disposição final em aterro sanitário. Todo o processo visa à redução do volume de transporte e disposição do lodo digerido, visto que, dependendo da distância em que se encontra o local de disposição final o custo do transporte onera sobremaneira a operação. Por outro lado, em medos do ano de 2010, o governo federal estabeleceu o Plano Nacional de Resíduos Sólidos, através da Lei /2010, regulamentada pelo decreto 7.404/2010, que proíbe a disposição final do lodo de ETE em aterro sanitário a partir de agosto de 2014, por ser resíduos passíveis de reaproveitamento. Tal situação acabou gerando mais uma fonte de preocupação aos operadores da ETE Rio Preto, devendo ser encontrada uma forma de reaproveitamento do lodo que atenda a legislação e não onere mais o custo operacional da planta. Sabe-se que o lodo gerado em ETE possui características que, com tratamento adequado, pode ser utilizado como fonte de energia, com poder calorífico semelhante à lenha. Portanto, quando o volume é considerável, poderá esse resíduo ser utilizado como fonte de calor para geração de energia em termoelétrica convencional, desde que o custo de implantação e operação seja viabilizado. E mais, com o biogás é possível produzir simultaneamente energia mecânica (em motores de ciclo Otto) gerando energia elétrica, e energia térmica (através dos gases de escape da combustão do motor), gerando energia térmica para a secagem complementar do lodo, transformando-o em combustível sólido para posterior geração de energia elétrica, dentro do conceito de cogeração de energia. Portanto, o paradigma a ser superado visa: 1- Encontrar uma solução que atenda os preceitos técnicos do estado da arte existente para a cogeração de energia elétrica; 2- O combustível para acionamento do sistema deverá ser os rejeitos provenientes do tratamento anaeróbio (biogás e lodo), pois possuem elevado poder energético; 3- Não gere passivo ambiental com sua operação; 4- O custo de implantação e operação da planta de cogeração de energia elétrica seja pago com o custo evitado para o descarte do lodo e a compra de energia elétrica da Concessionária; 5- Atenda todo o período de vida útil da ETE, sem aporte de capital extra; 6- Gere recurso adicional para aplicação da planta de cogeração, caso necessário e da ETE para atendimento quantitativo de final de plano. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

5 2 Características Construtivas e Operacionais da ETE Rio Preto 2.1 Histórico de implantação A concepção do Sistema de Tratamento de Esgoto da ETE Rio Preto foi concluída e definida no início de 2003, com a entrega pelo FIPAI-USP dos estudos de processos de tratamento e o RAP Relatório Ambiental Preliminar. Posteriormente, durante os anos de 2004 e 2005 foram concluídos o projeto básico e o projeto executivo. Em seguida foi realizada a licitação para construção da obra, sendo que o início da construção da ETE se deu em junho de 2006 e, cujas obras civis e montagem dos equipamentos foram terminadas e entregues em dezembro de Em janeiro de 2009 foram iniciadas as fases de comissionamentos dos equipamentos e préoperação da ETE, período em que a construtora e o SeMAE participaram, conjuntamente, das atividades operacionais e, finalmente, em setembro de 2010 a ETE foi entregue totalmente operacional, para o SeMAE, cabendo a este, desde então, a operação e manutenção do sistema. Figura 1 vista da ETE Rio Preto 2.2 Características Construtivas do Sistema de Tratamento A ETE Rio Preto foi planejada e projetada para ser construída em duas etapas. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

6 A primeira etapa, com capacidade de tratamento para: - População: habitantes; - Vazão média anual: l/s; - Vazão máxima horária: l/s; - Carga orgânica: kg DBO 5 /dia A segunda etapa com capacidade de tratamento para: - População: habitantes; - Vazão média anual: l/s; - Vazão máxima horária: l/s; - Carga orgânica: kg DBO 5 /dia para o fim do projeto. Nessa configuração final, a ETE Rio Preto terá capacidade de tratar todo o esgoto coletado da cidade até o ano O processo de tratamento da ETE Rio Preto consiste da associação de dois tipos de tratamentos: o anaeróbio e o aeróbio. O sistema de tratamento anaeróbio é formado por reatores UASB (Upflow Anaerobic Sludge Blanket ou RAFA Reator Anaeróbio de Fluxo Ascendente) que utilizam de bactérias anaeróbias para a degradação da matéria orgânica. Já o sistema aeróbio é composto de tanques de aeração associados à decantadores secundários e estações elevatórias de recirculação de lodo, sendo que esse tipo de sistema se utiliza da ação das bactérias aeróbias para realizar a degradação da matéria orgânica resultante do efluente dos reatores UASB. Esse tipo de associação permite eficiência de tratamento projetada de 92 a 95%, sendo que, a eficiência alcançada pelo tratamento atualmente, é de 98% de remoção da carga orgânica medida em kg de DBO 5. Atualmente, na 1ª Etapa da 1ª fase de tratamento, encontram-se implantadas as seguintes unidades: - Gradeamento grosseiro: completamente implantado para o final de plano, é composto por 2 grades mecanizadas que têm a função de retirar o material de maior volume, tais como garrafas PET, madeiras, plásticos, borrachas, cerâmicas, estopas, dentre outros. - Estação Elevatória de Esgoto Bruto: completamente implantado para final de plano, composto por três conjuntos de moto-bombas, sendo uma de reserva, responsável pelo bombeamento de esgoto bruto gradeado para as unidades seguintes, que então seguirá por gravidade até o final do processo de tratamento. - Tratamento Preliminar: completamente implantado para final de plano, composto pelo gradeamento fino com três grades mecanizadas; uma calha Pashall para medição de vazão; dois desarenadores. O sistema de tratamento preliminar realiza a retirada dos materiais que não foram retidos no gradeamento grosseiro. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

7 - Caixa distribuidora de vazão: completamente implantada é composta por quatro comportas que faz a distribuição da vazão para os reatores UASB s. - Dosagem de soda: completamente implantada, composto por dois tanques de armazenagem de soda e duas bombas dosadoras de soda, responsável pela correção de ph do esgoto, caso este esteja relativamente ácido (abaixo de 6,0) - Reatores UASB: compostos por três módulos com quatro reatores cada, compõem o sistema de tratamento anaeróbio, em que se descartam dois dos principais resíduos de uma ETE, o lodo e o biogás. - Queimadores de gás: completamente instalados para final de plano, realizam a queima do biogás gerado nos reatores UASB. - Tanques de aeração e sopradores: composto por três tanques de aeração, compõem o sistema de tratamento aeróbio, em que se insufla ar no esgoto a partir de difusores. - Decantadores: composto por três unidades que realizam a função de separação entre o efluente (esgoto tratado) e o lodo aeróbio. - Estação Elevatória de Recirculação de Lodo: com duas moto-bombas instaladas, sendo uma reserva, desempenha o papel de recircular parte do lodo decantado para o início do tratamento aeróbio (tanques de aeração). - Estação Elevatória de Lodo Excedente: completamente instalada para final de plano, composta por três moto-bombas, sendo uma reserva, bombeiam parte do lodo decantado para o início do tratamento anaeróbio (reatores UASB), donde, após sua estabilização, será descartado para a desidratação. - Pós-aeração e contato: completamente instalado para final de plano, composta por dezesseis aeradores de superfície e dosadora de cloro, etapas em que o efluente é polido, com desinfecção (Casa de cloração) e aeração adicional, se necessária, para atendimento às legislações ambientais. - Casa de desidratação de lodo: composta por dois decanter s centrífugos têm a função de produção de torta de lodo com concentração mínima 20 a 25 % de sólidos. - ETA de serviço: desempenha a função de produzir água de serviço a partir do efluente tratado da ETE Rio Preto. - Estufa agrícola: com três módulos instalados, construídas para obtenção de lodo desidratado com teores mínimos de sólidos de 30%. Fluxograma macro do tratamento de esgoto implantado na ETE Rio Preto. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

8 Figura 2 Fluxograma macro do tratamento de esgoto ETE Rio Preto - Atual Na 2ª etapa, dentro da 1ª fase do processo de tratamento, será necessário implantar as seguintes unidades adicionais principais: - Um módulo de reatores UASB; - Um tanque de aeração com ar difuso; - Um soprador na casa de sopradores; - Comportas na caixa de alimentação central dos decantadores para atender mais um decantador; - Um decantador; - Um decanter centrífugo. No futuro, caso seja necessário remover nitrogênio e fósforo, será necessário implantar a 2ª fase do processo de tratamento. Além das unidades já implantadas na 2ª etapa, para a 1ª fase, será necessário implantar as seguintes unidades adicionais: - Quatro tanques anóxicos, cada um com 2 misturadores submersíveis; - Um sistema para conduzir parte dos esgotos, ~ 30%, apenas peneirado e desarenado para a entrada dos tanques anóxicos; - Um sistema de mistura rápida e floculação química composto por uma calha Pashall, 4 floculadores, cada um com 4 câmaras em série, cada uma dotada de um agitador do tipo de turbina axial, e uma casa de dosagem de coagulantes para dosar cloreto férrico e polímero. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

9 No "layout" da ETE foi deixado espaço para eventuais unidades futuras, além das anteriormente previstas para: - Implantar um processo de polimento do efluente da ETE, possivelmente formado por filtração, caso seja necessário melhorar a eficiência da ETE em termos de remoção de SS, DBO, nitrogênio e fósforo. Este espaço está situado ao lado da casa de cloração; - Implantar estufas agrícolas adicionais, caso se deseje utilizar o lodo da ETE na agricultura; - Implantar uma ETA de Reuso, caso o SeMAE queira fornecer água de reuso para usos externos. 2.3 Custos operacionais Figura 3 Fluxograma macro do tratamento de esgoto ETE Rio Preto - Final de Plano Durante todo o período de pré operação e posteriormente quando a operação da ETE passou a cargo do SeMAE, estudaram-se os processos operacionais, de sorte que, os custos mensais incorridos com a operação, não deveriam ultrapassar R$ 0,39/m 3 de esgoto tratado. Na Tabela III foram listados os custos operacionais da ETE, onde se verifica que o transporte e disposição do lodo, e a Energia elétrica representam 20,93% e 22,83%, respectivamente dos custos operacionais mensais, perfazendo um montante de R$ ,99 (quatrocentos vinte mil, trezentos quarenta oito reais e noventa nove centavos). SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

10 Tabela III Custos operacionais ano: Histórico de falhas e faltas de energia elétrica Ao longo dos últimos dois anos, ocorreram várias interrupções de energia na ETE, sendo algumas poucas de modo planejado, mas na sua maioria, não-planejados, ocasionando prejuízos à operação da estação, principalmente no tocante aos transtornos do seu re-ligamento, mas também provocando pequenos extravasamentos do esgoto in natura para o rio. A ocorrência de um surto, uma queda de energia, uma pequena variação da tensão ou um pequeno apagão, causa o imediato desligamento dos equipamentos, para evitar danos, entretanto, operacionalmente, geram anomalias no sistema de controle e proteção, que interpretam como falhas e acionam os sistemas de proteção pré-programados. A cada interrupção de energia, a ETE Rio Preto necessita de uma seqüência de operações objetivando recompor todos os sistemas de tratamento, pois, faz-se necessário a vistoria na tubulação, nas válvulas de controle, equipamentos elétricos, bombas, circuitos de proteção e etc., enfim no sistema inteiro. Esse restabelecimento dura, em média, de 30 minutos a 1 hora, dependendo de cada situação. O sistema de interceptores implantados possui uma folga, no trecho entre o poço de sucção de entrada na ETE Rio Preto e o último ponto de lançamento, visto que, esse trecho SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

11 atualmente trabalha como um emissário, e é capaz de reservar aproximadamente m 3 de esgoto. Como a vazão média diária, atual, é de aproximadamente 1000 l/s, esse trecho é capaz de suportar até duas horas de fluxo de esgoto, sem que haja extravasamento para o rio Preto, no caso de paralisação do bombeamento. Portanto, a cada interrupção de energia, a planta fica no limite de transbordamento de esgoto para o rio Preto, fato que se agrava nos períodos chuvosos, onde o volume de esgoto é acrescido do volume de águas pluviais aportado clandestinamente à rede. De acordo com relatório de faltas de energia enviado pela concessionária CERRP Cooperativa de Eletrificação e Desenvolvimento da Região de São José do Rio Preto, no período de 5/11/2009 a 28/08/2010 ocorreram 13 falhas de abastecimento, reconhecidas, conforme a Tabela I abaixo. Tabela I Relatório de faltas de energia fonte: CERRP Início Término Duração (hh:mm:ss) 05/11/ :25:14 05/11/ :25:21 00:00:07 10/11/ :13:23 10/11/ :13:25 00:00:02 10/11/ :13:31 10/11/ :18:52 00:05:21 10/11/ :21:50 10/11/ :29:46 01:07:56 10/11/ :32:46 10/11/ :28:19 01:55:33 07/01/ :53:39 07/01/ :53:45 00:00:06 03/03/ :10:29 03/03/ :46:21 00:35:52 03/03/ :11:02 03/03/ :12:39 00:01:37 09/08/ :29:03 09/08/ :29:05 00:00:02 14/08/ :27:11 14/08/ :27:17 00:00:06 14/08/ :27:23 14/08/ :27:53 00:00:30 22/08/ :08:44 22/08/ :08:51 00:00:07 28/08/ :02:27 28/08/ :02:34 00:00:07 Total das 13 interrupções: 03:47:26 No período de 01/09/2010 a 28/09/211 foram registrados 42 (quarenta e dois) eventos com oscilações e interrupções no fornecimento de energia elétrica extraído dos diários operacional da ETE, ocasionando 1088 minutos de paralisação do tratamento. Destes, em 13 eventos ocorreram oscilações na energia elétrica, sem registro de desligamento de qualquer equipamento; e nos outros 29 (vinte e nove) eventos ocorreram interrupções no fornecimento de energia elétrica ou desligamento de algum equipamento. Entretanto em somente um destes SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

12 eventos ocorreu extravasão do esgoto in natura para o rio Preto, sem registro de danos ambientais naquele corpo d água, conforme relatório abaixo. Mês Dia Hora Início RELATÓRIO DE FALHAS DE ENERGIA ELÉTRICA NA ETE RIO PRETO Período: 01/09/2010 a 28/09/2011 Hora término Tempo total Paralisação (min) Motivo 6 01h56-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento Set h30 18h07 37 Queda de energia, desligamento total 16 18h27-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 1 18h20 19h40 80 Queda de energia apenas em algumas unidades: Aeração, decantador, pósaeração e ETA 7 17h30 18h40 70 Queda de energia, desligamento total Out h58-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 15 08h30 09h15 45 Desligamento de energia para instalação de medidor - CERRP 21 10h20-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 26 08h44 09h20 36 Desligamento de energia para retirada do medidor - CERRP 4 12h15 N/D 15 Queda de energia, desligamento total Nov h26-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 8 18h10-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 12 09h11-0 Oscilação de energia / EEEB, ETA e Casa de desidratação desligaram 20 04h00 N/D 30 Queda de energia, desligamento total Dez h00-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 21 22h44-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 25 16h46-0 Oscilação de energia / EEEB e Casa de desidatração desligaram 3 23h30 00h10 40 Queda de energia, desligamento total 11 09h03-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento Jan h30-0 Desligamento ETE - Manutenção da Cápua 29 18h50 N/D 10 Queda de energia, desligamento total 31 11h18 N/D 10 Queda de energia, desligamento total 12 21h35-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 18 18h55 19h38 43 Queda de energia, desligamento total Fev h04 05h34 30 Queda de energia, desligamento total 28 00h00-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 28 4h32-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento Mar h15 07h05 50 Queda de energia, desligamento total 11 17h14 17h51 37 Queda de energia, desligamento total Mai h20-0 Oscilação de energia / EEEB e Casa de desidratação desligaram 3 13h10-0 Oscilação de energia, sem desligamento de qualquer equipamento 9 12h11 12h20 9 Queda de energia, desligamento total 10 14h30 14h40 10 Queda de energia, desligamento total Jun h35 21h50 15 Queda de energia, desligamento total 26 16h50 17h07 17 Queda de energia, desligamento total 30 12h37 18h Desligamento ETE - Readequação da rede elétrica CERRP/CPFL- extravasou durante 286 min. Jul h03 12h30 27 Queda de energia, desligamento total 25 15h06-0 Oscilação de energia / Desligada BC Ago h27 19h47 80 Queda de energia, desligamento total 5 14h15 14h32 17 Queda de energia, desligamento total Set h00-0 Oscilação de energia / todas as unidades desligadas 23 16h00 16h51 51 Queda de energia / Ventania forte / Máx = 66,2 km/h TEMPO TOTAL DE PARALISAÇÃO (MINUTOS) 1088 TOTAL EVENTOS DE INTERRUPÇÕES (UN) 42 N/D - Não disponível SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

13 2.5 Demandas e consumo de energia elétrica As demandas energéticas da planta, nas diversas modalidades operacionais são: Tabela II Demandas das unidades de tratamento ETE Rio Preto Unidade de tratamento Demanda Disponível Atual oper. 1 bomba (kw) Atual oper. 2 bombas (kw) Situação emergência Final de plano (kw) (kw) (kw) Estação Elevatória de Esgoto Bruto: ,2 478,4 800,0 478,4 956,8 bombas de recalque 650 cv acionadas por inversores de frequência, sendo uma reserva Tratamento preliminar: peneiras e 30,0 30,0 30,0 30,0 30,0 desarenadores Tanques de aeração e sopradores: ,0 650,0 650,0 360,0 1104,0 conjuntos de sopradores 500 cv acionados por soft-starter, sendo um reserva Estação Elevatória de Recirculação de Lodo: 147,2 50,0 50,0 50,0 100,0 2 bombas de recalque 100 cv acionadas por inversor de frequência, sendo uma reserva Estação Elevatória de Lodo e decantadores 17,6 12,0 12,0 12,0 13,0 Pós-aeração e contato: 16 aeradores 80,0 80,0 80,0 0,0 80,0 mecânicos 7,5 cv Casa de desidratação de lodo: 2 decanter 100,0 100,0 100,0 0,0 100,0 centrífugos e demais equipamentos ETA de serviço: 2 bombas de recalque 60 cv 88,3 44,1 44,1 44,1 44,1 acionadas por soft-starter, sendo uma reserva Outras unidades: CCO, Manutenção e 40,0 40,0 40,0 15,0 60,0 Almoxarifado, Administrativo, iluminação externa Ampliações futuras: floculadores, ,0 desinfecção por ozônio (150 cv) e cogeração de energia (168 cv) TOTAL 3.410, , ,1 989,5 2771,9 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

14 Onde: Demanda disponível: considerada em relação ao total de equipamentos instalados. Demanda total utilizada: considerada em relação às atuais condições de operação da ETE Rio Preto com a utilização de 1 ou 2 bombas na EEEB. Demanda situação emergência: considerada em relação às situações mínimas para operação da ETE Rio Preto garantindo o limite de eficiência, com tempo limitado em 24 horas. Final de plano: considerada em relação as condições operacionais, os equipamentos a serem instalados na ampliação da capacidade de tratamento e a planta de cogeração de energia. Para levantamento da demanda real da planta, que varia de acordo com a vazão de entrada de esgoto, foram realizadas medições na subestação de entrada, cujo mínimo e máximo de energia elétrica requerida foi de 530 kwh e de 1575 kwh, respectivamente. Figura 3 Medições de energia realizadas (período: 16 a 22 de Outubro de 2010) Além da medição para análise da variação da demanda de energia elétrica durante a semana, analisaram-se também as contas de energia da ETE Rio Preto, a fim de considerar, não só a demanda utilizada, mas também o consumo em horário de ponta e fora de ponta e os gastos envolvidos com a energia elétrica. Observa-se na figura 4 que a demanda máxima utilizada na ETE Rio Preto é de kw, com diminuição considerável em meses em que não houve operação da bomba de recalque de esgoto bruto complementar, como nos meses de Janeiro e Agosto de A média, considerando o período de Setembro a Agosto de 2011, é de 1.656,25 kw. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

15 Figura 4 Demandas mensais utilizadas (ano: ) Para análises, são apresentados nas figuras 5 e 6 os históricos de consumo fora de horário de ponta e no horário de ponta. Figura 5 Consumos fora do horário de ponta (ano: ) SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

16 Figura 6 Consumos em horário de ponta (ano: ) Na figura 7 são apresentados os gastos com energia elétrica, referente ao ano de 2010 a 2011, estratificando os principais componentes dos gastos globais. O valor médio da conta de energia da ETE Rio Preto é em torno de R$ ,00. Figura 7 Gastos com energia elétrica (ano: ) O gráfico da figura 8 mostra como é a relação entre os gastos com consumo em horário de ponta e o consumo fora do horário de ponta. Essa relação, para as atuais condições de operação da ETE Rio Preto, é, em média, 0,76. Desse modo, conclui-se que, embora o horário de ponta seja limitado a 3 horas por dia, durante 5 dias da semana, o gasto nesse horário compõe praticamente 35% do valor total dos gastos com energia elétrica. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

17 Figura 8 Relação entre horário de ponta e fora de ponta (ano: 2011) Conforme os dados analisados, a demanda necessária para operação normal nas atuais condições da ETE Rio Preto é entre 1500 e 1600 kwh, considerando também que alguns planos de eficiência energética estão sendo desenvolvidos e serão futuramente implantados na ETE. Com base no estudo das medições de energia elétrica ao longo do período analisado, estabeleceu-se o consumo horário atual e projetou-se o consumo horário requerido para final de plano, com base na vazão afluente à ETE e obtiveram-se os seguintes resultados: A primeira etapa, com capacidade de tratamento para: - População: habitantes; - Vazão média anual: 942,32 l/s; - Vazão máxima horária: 1.204,31 l/s; - Consumo mínimo horário: 573 kwh - Consumo máximo horário: kwh - Consumo médio diário: kwh - Consumo médio mensal: ,88 kwh A segunda etapa com capacidade de tratamento para: - População: habitantes; - Vazão média anual: l/s; - Vazão máxima horária: l/s; - Consumo mínimo horário: kwh - Consumo máximo horário: kwh - Consumo médio diário: kwh - Consumo médio mensal: kwh SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

18 A tabela abaixo ilustra o consumo horário atual e para final de plano em função da vazão afluente à planta: Período Vazão Afluente l/s NECESSIDADE DIÁRIA de EE kwh Vazão Afluente l/s NECESSIDADE DIÁRIA de EE kwh Atual Atual Final de Plano Final de Plano 00:00 00: , , ,97 00:30 01:00 944, , ,40 01:00 01:30 897, , ,83 01:30 02:00 854, , ,48 02:00 02:30 773, , ,76 02:30 03:00 639, , ,60 03:00 03:30 626, , ,72 03:30 04:00 582, , ,88 04:00 04:30 526, , ,12 04:30 05:00 492, , ,28 05:00 05:30 451, , ,60 05:30 06:00 458, , ,66 06:00 06:30 456, , ,11 06:30 07:00 460, , ,68 07:00 07:30 545, , ,66 07:30 08:00 611, , ,28 08:00 08:30 684, , ,12 08:30 09:00 815, , ,88 09:00 09:30 907, , ,72 09:30 10: , , ,60 10:00 10: , , ,76 10:30 11: , , ,52 11:00 11: , , ,40 11:30 12: , , ,08 12:00 12: , , ,80 12:30 13: , , ,01 13:00 13: , , ,40 13:30 14: , , ,08 14:00 14: , , ,15 14:30 15: , , ,60 15:00 15: , , ,36 15:30 16: , , ,08 16:00 16: , , ,60 16:30 17: , , ,08 17:00 17: , , ,36 17:30 18: , , ,60 18:00 18: , , ,15 18:30 19: , , ,08 19:00 19: , , ,40 19:30 20: , , ,01 20:00 20: , , ,00 20:30 21: , , ,38 21:00 21: , , ,46 21:30 22: , , ,69 22:00 22: , , ,91 22:30 23:00 989, , ,52 23:00 23: , , ,75 23:30 00:00 986, , ,97 MÉDIA TOTAL 942, , , Produção de biogás na ETE Rio Preto Através do histórico de medições das vazões do esgoto bruto afluente, a carga orgânica removida no tratamento anaeróbio e a medição do biogás queimado nos flares, em média, a ETE Rio Preto produz Nm 3, cuja média horária diária é de 325 Nm 3 /h, sendo a mínima de 155 Nm 3 /h as 5:00 h e a máxima de 415 Nm 3 /h as13:30. O grafico 9 abaixo indica a produção do biogás em função da vazão ao longo do dia atual e o gráfico 10 a estimativa para o final de plano. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

19 Figura 9- Variação de vazão de entrada de esgoto em 24 horas x Produção de Biogás (atual) Vazão de esgoto x Produção de biogás Produção Biogás Nm3/h Vazão Afluente l/s Figura 10- Variação de vazão de entrada d esgoto em 24 horas x Produção de Biogás (final de plano) 2.6 Volumes de resíduos sólidos e biomassa gerada Os lodos produzidos pelos reatores UASBs são encaminhados por gravidade para um sistema de desidratação mecânica de lodos. Os UASBs na 1ª fase em final de plano produzirão até SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

20 775 m 3 /dia de lodo com concentração de sólidos de 2,5%. Na 2ª fase esta produção é estimada em 946 m 3 /dia. Para desidratação mecânica dos lodos com produção de tortas com concentração de sólidos mínima de 20% e captura de sólidos, mínima de 95%, foram instaladas duas centrífugas do tipo decanter cada uma com capacidade para até 30 m 3 /h. Estas centrífugas na 1ª fase poderão operar até 12,9 h/dia. Na 2ª fase este período passará para 15,8 h/dia. O lodo desidratado é transportado horizontalmente por duas roscas transportadoras (uma para cada centrífuga), para um galpão do tipo estufa agrícola situado ao lado da casa de desidratação. As roscas descarregam o lodo desidratado em uma ou duas caçambas do tipo roll-on ou um ou dois caminhões basculantes, que transportam o lodo para secagem complementar em estufas agrícolas, ou para descarte final em aterro sanitário. Para recebimento do lodo dos UASBs no sistema de desidratação, foram instalados dois tanques de estocagem de lodo com volume útil total da ordem de 950 m 3, o suficiente para cerca de um dia de produção de lodo em fim de plano na 2ª fase. Estes tanques são dotados com quatro misturadores do tipo submersível, cada um com potência de 4 cv. Do tanque de estocagem, o lodo é recalcado para as centrífugas por três conjuntos motorbomba do tipo helicoidal de velocidade variável, sendo um reserva, cada um com capacidade para recalcar vazões entre 15 e 30 m 3 /h. No recalque de cada conjunto foi instalado um medidor de vazão do tipo eletromagnético, e um misturador estático para o recebimento do polímero. O consumo de polímero puro é entre 4 e 8 kg/t de sólidos em peso seco. Utiliza-se polímero líquido com concentração da ordem de 30%, acondicionado em tambores de 200 l. Para aplicação, o polímero é rediluido até uma concentração de 0,1%. Para dosagem e re-diluição do polímero foram instalados três equipamentos automáticos, do tipo Poliblend ou similar, sendo um reserva, cada um com capacidade para dosar até 8 kg de polímero por tonelada de lodo seco. A produção máxima do lodo desidratado na 1ª fase será de 86 m 3 /dia (81t/dia), podendo chegar até 105 m 3 /dia (99 t/dia) na 2ª fase. Atualmente a produção de torta (lodo desidratado) é de 53 m 3 /dia ou 50 t/dia O filtrado das centrífugas é encaminhado, por gravidade, para a EEEB, e reciclado na entrada da ETE. O lodo desidratado, com concentração de sólidos mínima de 20%, é encaminhado por caminhões basculantes para estufas agrícolas para uma secagem complementar, para obtenção de teores sólidos mínimos de 30%, o suficiente à disposição dos lodos em aterros sanitários. Foram previstas quatro estufas cada uma com 12,80 m de largura, 252 m de comprimento e altura livre de 5,0 m, totalizando uma área de ,40 m 2, o suficiente para acomodar a área útil necessária e espaços livres para circulação de caminhões e máquinas. Atualmente estão SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

21 instaladas três unidades com área total de 9.676,80 m 2. As estufas foram executadas com estruturas metálicas e com cobertura abobadada com plástico transparente. Para operação das estufas serão necessários, no mínimo, dois caminhões basculantes, uma pá carregadeira e um trator com revolvedor de solo lateral. Atualmente, a secagem complementar do lodo desidratado em estufas não está em operação, sendo esse descartado diretamente em aterro sanitário. Os volumes médios mensais de resíduos sólidos e biomassa (lodo), encaminhados ao aterro sanitário são: Tipo de resíduo Local de captação Quantidade (t) Areia Clamshell e desarenadores 227,80 Material gradeado Gradeamento grosseiro e fino 12,20 Lodo desidratado concentração média 23,7% SST Casa de desidratação Geração própria de energia elétrica para atendimento às emergências. A primeira opção estudada, visando atender as faltas ou falta de abastecimento de energia elétrica por parte da Concessionária para a planta, foi a geração própria de energia elétrica em caso de emergência, com a instalação de grupos de geradores, movidos a Diesel, adotando-se a opção inicial de projeto, com as seguintes características: Dois geradores da linha Diesel de potência de 1500/1360 KVA, trifásicos, com fator de potência 0,8, na tensão de 480 / 277 Vca em 60 Hz, estação elevadora para 13,8 kva, para funcionamento paralelo e automático, estacionário, de combustão interna por ciclo diesel, com potência mecânica bruta máxima de 1781 CV em rotação nominal de 1800 RPM, instalado em uma sala de máquinas de 80 m 2, interligado à cabine de entrada e medição, dotado de sistema automático de partida e paralelismo com a rede da Concessionária. A proposta totalizou um investimento inicial de R$ ,00 (Um milhão setecentos e oitenta e nove mil trezentos e oitenta reais), sendo R$ ,00 (Um milhão seiscentos e setenta e sete mil, trezentos e oitenta reais) em equipamentos e R$ ,00 para construção da sala de máquinas de 80 m 2. A análise da proposta indicou que o custo para a energia elétrica gerada na situação de emergência seria em torno de R$ 0,35117 por kwh, considerando-se somente o custo do combustível (óleo diesel a R$ 1,85/l), muito próximo do custo médio, pago para a concessionária que é de 0,30211 kwh, entretanto abaixo do custo cobrado pelo horário de ponta da concessionária. Tal situação não satisfaz a necessidade plena da ETE, pois, atende somente a situações momentâneas, e ainda com a opção anteriormente descrita, seria necessária a compra de combustível fóssil, aumentando o custo operacional da ETE. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

22 Para que o sistema de geração de energia seja viabilizado técnica e economicamente, é preciso que a proposta atenda a três cenários: 1) Situação emergencial: Gerar energia elétrica suficiente para atendimento da quantidade mínima de equipamentos funcionando, para evitar transbordamento de esgoto in natura para o rio, quando houver falta ou desabastecimento; 2) Hora de ponta: Gerar energia elétrica suficiente para atendimento no horário de ponta, das 18:00 h às 21:00 h, estipulado pela concessionária, cujo custo do kwh têm um sobre valor; 3) Potencial de geração: Gerar energia elétrica suficiente para atender o consumo pelo maior tempo possível, utilizando o biogás e lodo, reduzindo ao máximo os custos com a compra de energia elétrica da Concessionária e a disposição da biomassa (lodo) em aterro sanitário. 4 Cogeração: Conceito, Vantagens e Desvantagens 4.1- Cogeração A co-geração consiste no aproveitamento local do calor residual originado nos processos termodinâmicos de geração de energia elétrica, que doutra forma seria desperdiçado. O aproveitamento pode dar-se sob a forma de vapor, água quente e/ou fria (tri geração), para uma aplicação secundária, que pode ou não estar ligada com o processo principal. Nos processos convencionais de transformação da energia fóssil em energia elétrica (centrais termoelétricas), por mais eficiente que seja o processo, a maior parte da energia contida no combustível, usado no acionamento das turbinas, é transformado em calor e perdido para o meio ambiente. Existe uma limitação física que apenas permite o aproveitamento de um máximo de 40% da energia contida no combustível que é usada no gerador para produção de energia elétrica. Assim, através da co-geração, é possível aproveitar o calor antes perdido, aumentando a eficiência energética do processo, a qual pode chegar aos 85% da energia contida no combustível. Pode-se definir, resumidamente, por cogeração como a produção simultânea de energia térmica e energia mecânica (elétrica), a partir de um único combustível. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

23 Uma das desvantagens da co-geração é que o calor só pode ser usado perto do centro produtor, devido à maior dificuldade no transporte da energia térmica (perdas térmicas nas tubulações), o que limita estas instalações a unidades relativamente pequenas se comparadas com as centrais térmicas convencionais Atualidade A necessidade de reduzir emissões de CO 2 incentivou nos últimos anos à adoção deste processo eficiente. Hoje, na Holanda e Finlândia, a co-geração já representa mais de 40% da potência instalada. Nos últimos anos, o novo modelo de setor elétrico propiciou a produção elétrica local tornando-a mais eficiente e de baixo custo e levando ao aperfeiçoamento da tecnologia da cogeração, inclusive ao nível da micro-geração (inferior a 150 KW) Tecnologias Os sistemas de cogeração mais utilizados são a turbina a gás, turbina a vapor, motor alternativo e célula de combustível, sendo as diferenças entre eles a relação entre as necessidades em energia térmica e elétrica, os custos da instalação e da exploração e os níveis de emissões e de ruídos. Estes sistemas abrangem os diferentes combustíveis e potências As células de combustível são outro sistema, em início de comercialização, mas com futuro promissor para pequenas potências. A utilização da cogeração permite um sistema de maior repartição de produção de energia, ao contrário do que se passa em relação às grandes centrais produtoras de eletricidade Modos de operação de sistemas de cogeração Uma vez conhecidas as possíveis tecnologias para implantação de sistemas de cogeração, torna-se necessário estabelecer regras e definir os modos de operação destes sistemas. O modo de operação é definido como sendo o caminho no qual o sistema de cogeração deve operar de maneira a assegurar a viabilidade da instalação e a utilização racional da energia no processo. Assim, fatores técnicos e econômicos devem ser correlacionados com o modo de operação escolhido, para completar a validade da avaliação de implantação de um sistema de cogeração em um determinado estabelecimento. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

24 Os principais fatores que pesam sobre o modo de operação e que devem ser considerados num projeto de cogeração são: - a necessidade de existir uma consistência entre as características de demanda do estabelecimento (eletricidade, calor e combustível) e as características de capacidade de produção de eletricidade e de recuperação de calor do sistema de cogeração escolhido; - o perfil da demanda térmica, incluindo níveis de temperatura e as flutuações típicas da demanda (diária, mensal e anual). O nível de temperatura deve ser consistente com o nível de calor rejeitado do sistema de cogeração escolhido; - o perfil da demanda elétrica e suas flutuações características; - o custo presente do combustível e da eletricidade comprada e a projeção desses custos para o futuro; - a capacidade da planta para as necessidades presentes e futuras do estabelecimento; - o custo de operação da planta; - os aspectos ambientais. Muitos caminhos para a operação de um sistema de cogeração podem ser seguidos de acordo com o tipo e a capacidade do sistema. Contudo, para assegurar a maior eficiência do sistema, a recuperação o calor rejeitado deve ser a maior possível, na condição de operação da planta de cogeração. Uma planta de calor adicional satisfará os requerimentos do usuário se sua necessidade for maior do que o calor recuperado. Dependendo do estabelecimento, esta restrição pode ser mais ou menos importante na determinação da capacidade da planta e no modo de operação desta. Desse modo, um sistema de cogeração deve operar sempre em torno de um ponto médio da demanda. Cabe, então, impor no projeto a escolha do modo de operação, em função da supremacia de uma modalidade de energia (energia elétrica ou mecânica e calor) sobre a outra, de modo a decidir qual será o produto principal entre estas modalidades, de acordo com os objetivos da instalação do sistema de cogeração. Desse modo, existem basicamente 4 estratégias de operação para o projeto de um sistema de cogeração: Operação em paridade térmica: Nesse modo de operação, o sistema de cogeração é projetado para ser capaz de produzir os requerimentos térmicos em cada período de tempo considerado, de maneira que o calor é o produto principal e a eletricidade é um subproduto da cogeração. O sistema deve ser conectado a rede SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

25 da concessionária, de modo a propiciar a venda de eletricidade excedente ou a compra de eletricidade adicional para o caso de déficit, dependendo dos perfis de demandas do estabelecimento e das condições operacionais. Operação em paridade elétrica: Nesse modo de operação, o sistema de cogeração é projetado para ser capaz de produzir os requerimentos elétricos em cada período de tempo considerado (pico ou base), de maneira que a eletricidade é o produto principal e o calor é um subproduto da cogeração. Se o calor produzido é insuficiente para satisfazer as necessidades do estabelecimento, um sistema auxiliar é acionado para produzir esta diferença. Em caso contrário, parte do calor produzido no sistema de cogeração é rejeitado para o ambiente. Operação econômica: A operação econômica consiste em deixar o sistema de cogeração operando governado por fatores econômicos. Assim, o sistema opera nas opções de suprir parte, totalidade ou ainda produzir excedente da demanda elétrica de pico, conforme a eletricidade é adquirida ou vendida sob uma tarifa mais elevada. Assim, o empresário cogerador pode optar pela compra de eletricidade da concessionária para completar o seu suprimento, ou se for o caso, vender o excedente. O estabelecimento deve utilizar um equipamento suplementar para satisfazer parte ou a totalidade da sua demanda térmica, quando necessário, dependendo das condições operacionais da planta de cogeração. Operação em cargas parciais: Nesse modo de operação, o sistema de cogeração é sub dimensionado em relação aos seus requerimentos de eletricidade e calor de processo, atendendo cargas parciais destas modalidades de energia. O sistema de cogeração não supre as demandas de eletricidade e de calor, e no caso deve comprar parte da eletricidade da concessionária e utilizar equipamento suplementar para completar as necessidades de calor Tecnologias Aplicáveis Dentro do exposto até aqui, e em função do nível de capacidade requerido para sistemas de cogeração em ETE s, basicamente três tipos de tecnologias são aplicáveis: as pequenas turbinas a vapor, as pequenas turbinas a gás e os motores de combustão interna. Sistemas de cogeração utilizando pequenas turbinas a vapor (ciclo Rankine), apresentam um alto custo capital e uma baixa razão entre a eletricidade e o calor produzido, além de geralmente utilizarem combustíveis mais poluentes, sendo suas aplicações viáveis a pequenas plantas afastadas de centros urbanos, onde geralmente, existe disponibilidades de combustíveis a baixos custos. A utilização de pequenas turbinas a gás e motores de combustão interna (ciclo Otto) se ajustam mais adequadamente às necessidades energéticas do caso em estudo, onde se observa cada vez mais um número crescente de casos que utilizam esta tecnologia. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

26 No Brasil, estudos técnico-cconômicos de sistemas de cogeração compactos, na faixa de 25kW a 4MW, baseados em motores de combustão interna e turbinas a gás, revelam-se como interessantes meios para geração descentralizada de energia, principalmente quando aplicados a ETE s. Entretanto, o maior problema existente, diz respeito a transação de excedentes, quanto a questão institucional e tarifária. 5 Sistemas de cogeração de energia elétrica com rejeitos da digestão anaeróbia. As tecnologias de geração e co-geração de energia, que é a geração combinada de eletricidade e calor a partir de uma mesma fonte primária de energia, estão bem desenvolvidas e suficientemente comprovadas com diversos sistemas disponíveis, cobrindo os diferentes combustíveis e uma vasta gama de potências. O caso em estudo consiste em utilizar como fonte de geração de energia elétrica o biogás e o lodo digerido proveniente da fase sólida do tratamento de esgotos, produzido nos UASB S. Complementarmente, o calor gerado nas máquinas térmicas deverá ser aproveitado como fonte de energia para o desaguamento complementar do lodo desaguado pelos decanter s centrífugos. O biogás e o lodo da ETE Rio Preto possuem os seguintes PCI - Poder Calorífico Inferior: Biogás - PCI de Kcal/Nm 3 com teor de metano (CH4) médio de 79%; Lodo digerido desaguado com umidade de 10% - PCI de kcal/kg. Atualmente, a ETE Rio Preto produz em média Nm 3 /dia de biogás e kg/dia de lodo com 75% de umidade. Entretanto o lodo para que seja passível de ser aproveitado como combustível requer desaguamento complementar para que atinja um teor de umidade de no máximo 10%. Nestas condições, a produção diária é de ,89 kg/dia de lodo com 10% de umidade. Portanto, estes combustíveis, somados, possuem um calor latente de ,22 kcal/dia passíveis de aproveitamento. A necessidade diária de energia elétrica da ETE é de kwh Analise da geração de energia elétrica com o Biogás Das várias tecnologias existentes para se obter energia a partir da queima do biogás as mais utilizadas são: - Turbina a Gás (Ciclo Brayton), aonde o biogás é queimado diretamente dentro da turbina, sendo esta conectada a um gerador; SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

27 - Motores de Combustão Interna (Ciclo Otto), o biogás é queimado dentro das câmaras de combustão e o movimento da manivela do motor é conectado a um gerador elétrico; - Turbina à Vapor (Ciclo Rankine), aonde temos a geração de vapor superaquecido e a utilização deste para geração de eletricidade através de uma turbina a vapor, conectada a um gerador. As turbinas a Gás não serão motivo de estudo, pois, seu custo de aquisição, manutenção e operação são atualmente proibitivos. Considerando o rendimento dos motores de ciclo Otto da ordem de 40%, com biogás é possível gerar kcal/dia, que equivale a ,50 kwh/dia, e os geradores elétricos acoplados a estes motores possuem um rendimento de até 92%, pode-se dizer que o biogás poderá gerar até ,62 kwh/dia. Nessa condição tem-se que o biogás poderá gerar 94% da necessidade diária de energia elétrica da ETE. Por outro lado, o rendimento de uma turbina a vapor (ciclo Rankine) é da ordem de 33%, com o biogás é possível gerar ,00 kcal/dia, que equivale a ,51 kwh/dia, e os geradores elétricos acoplados a estes turbo geradores possuem um rendimento de até 88%, podese dizer que biogás poderá gerar até ,61 kwh/dia. Nessa condição tem-se que o biogás poderá gerar 74% da necessidade diária de energia elétrica da ETE Portanto, no que se refere ao uso do biogás é mais viável a utilização de motores de ciclo Otto para geração de energia elétrica Analise da geração de energia elétrica com o lodo desaguado Considerando que a produção diária de lodo desaguado com umidade de 75% é de 50 t/dia, e o aproveitamento desse lodo como combustível, só é possível quando a unidade da massa é de no máximo 10%, será necessário o desaguamento complementar de ,89 kg/dia de água, pois, quando a torta sai do decanter centrífugo tem um teor de umidade de 75%. Tal desaguamento requer uma energia equivalente a ,44 kcal/dia ou ,54 kwh/dia o que a princípio inviabiliza a sua utilização, pois requer mais energia do que pode gerar com o seu reaproveitamento energético. Nesse ponto, entra a cogeração de energia, visto que o motor de ciclo Otto queimando biogás produz gases de escape da ordem de (60%) a 4000 (100%) m 3 /hora com temperatura média de 365 o C, que é disperso na atmosfera. O aproveitamento dessa energia, para a secagem complementar do lodo, passa a ser uma alternativa viável, pois, representa uma quantidade energética que vai de ,64 até ,35 kcal/h, consideradas as perdas no sistema e o teor de umidade durante a queima do combustível no motor. Considerando-se a possibilidade de se utilizar um secador térmico de lodo, cujo rendimento é de 72%, serão necessários ,06 kcal/dia para a secagem de ,89 kg/dia de água. Considerando que o motor funcionará 24 h/dia, cujos gases de escape serão aproveitados como fonte de energia, será possível recuperar ,05 kcal sabendo-se que o rendimento do sistema de tubulação é de SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

28 60%. Portanto, a energia recuperada do motor e suficiente para a secagem complementar do lodo em secador térmico rotativo. Por outro lado, há na ETE 3 estufas agrícolas, que poderão ser utilizadas para auxiliar na secagem complementar do lodo, com a implantação de uma enxada rotativa automática, desenvolvida para secagem/compostagem do lodo, cuja curva de decaimento da umidade foi determinada por experimentos de campo, e sendo possível chegar até 21% de umidade da massa com 21 dias de exposição ao processo. (relatório de ensaio preliminar REP-LAB-ETE-001) O lodo desaguado (LDP), pelos métodos descritos anteriormente, poderá ser utilizado para geração de energia elétrica somente através de uma caldeira - Turbina à Vapor (Ciclo Rankine), aonde temos a geração de vapor superaquecido e a utilização deste para geração de eletricidade através de uma turbina a vapor, conectada a um gerador O rendimento de uma caldeira acoplada à turbina a vapor (ciclo Rankine) é da ordem de 33%, com o lodo digerido desaguado com 10% de umidade é possível gerar ,25 kcal/dia, que equivale a ,04 kwh/dia, e os geradores elétricos acoplados a estes turbo geradores possuem um rendimento de até 88%, pode-se dizer que o lodo poderá gerar até ,88 kwh/dia. 6 Planta de cogeração de energia da ETE Rio Preto Após vários estudos que permitissem que o paradigma anteriormente estabelecido fosse atendido, chegou-se a uma solução que atende ao estado da arte em cogeração de energia elétrica, utilizando os rejeitos da digestão anaeróbica dos esgotos (o biogás e o lodo digerido desidratado) cujo fluxograma abaixo ilustra a proposta. SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

29 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

30 6.1 Projeto básico de implantação da Planta de cogeração de Energia Elétrica SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

31 6.2 Projeções de produção de Energia para Início e Fim de Plano SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

32 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

33 6.3 Orçamento de custos de Implantação de Projeto de cogeração ETE Rio Preto SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

34 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

35 7 Estudos de viabilidade econômica O horizonte de projeto a ser considerado para a analise de viabilidade econômica terá início no ano de 2012, com término de período em 2034, ano de fim de plano da ETE Rio Preto, ou seja, ano em que a ETE está em sua vazão limite. Considerando o histórico das contas de energia elétrica, sabe-se que a média horária de consumo na ponta é de 1.140,5 kwh e que na fora de ponta é de 994,9 kwh. O horário fora de ponta é menor, pois abrange o horário da madrugada (0:00 às 6:00), período de menor vazão e portanto, menor consumo de energia elétrica. A média paga pelo consumo, considerando os impostos, no horário de ponta é de 1,1275 R$/kWh e no horário fora de ponta é de 0,1709 R$/kWh. Considerando o funcionamento da planta de cogeração em três horas de horário de ponta e vinte uma horas no horário fora de ponta, a economia com energia elétrica, em um mês, será da ordem de R$ ,76, e a econômica anual será R$ ,11. Tabela IV Variáveis de operação e economia de energia elétrica Horas de funcionamento horário ponta 3 Horas de funcionamento horário fora de ponta 21 Média horária consumo horário ponta 1140,5 kwh Média horária consumo horário fora de ponta 994,9 kwh Custo de kwh horário ponta 1,1275 R$/kWh Custo de kwh horário fora de ponta 0,1709 R$/kWh Economia mensal energia horário ponta R$ ,93 Economia mensal energia horário fora de ponta R$ ,83 Economia mensal energia R$ ,76 Economia anual energia R$ ,11 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

36 A partir das quantidades médias enviadas ao aterro sanitário, cujo custo de disposição é de R$ 149,00/t, pela tabela V, verifica-se que o custo evitado com o aproveitamento do lodo como combustível, será de R$ ,22 ao mês, e a economia anual será R$ ,64. Tabela V Tipo de resíduo Local de captação Quantidade Custo de aterro Custo de aterro (t) (R$) (R$) Areia Clamshell e desarenadores 227, , ,20 Material gradeado Gradeamento grosseiro e 12, , ,80 fino Lodo desidratado concentração Casa de desidratação ,00 0,00 média 23,7% SST Cinza da queima do lodo (21% do Termoelétrica 61,22 0,00 R$ 9.121,78 lodo queimado) , ,78 O custo evitado anual com a operação da planta de cogeração de energia será R$ ,75. Testou-se a viabilidade do empreendimento considerando: 1- Financiamento pelo BNDES através do Proesco, cuja taxa de juros é de 6,52% ao ano, com prazo de carência de 12 meses e até 72 meses para pagamento. Para a aplicação dos saldos positivos do fluxo de caixa, adotou-se a taxa de remuneração básica praticada no mercado financeiro no valor 9,00 % a ano. 2- Financiamento pela CEF, cuja taxa de juros é de 8% ao ano, com prazo de carência de 12 meses e até 120 meses para pagamento. Para a aplicação dos saldos positivos do fluxo de caixa, adotou-se a taxa de remuneração básica praticada no mercado financeiro no valor 9,00 % a ano. 3- Financiador hipotético, cuja taxa de juros é de 10% ao ano, com prazo de carência de 12 meses e até 120 meses para pagamento. Para a aplicação dos saldos positivos do fluxo de caixa, adotou-se a taxa de remuneração básica praticada no mercado financeiro no valor 9,00 % a ano. 4- Financiador hipotético, cuja taxa de juros é de 12% ao ano, com prazo de carência de 12 meses e até 120 meses para pagamento. Para a aplicação dos saldos positivos do fluxo de caixa, adotou-se a taxa de remuneração básica praticada no mercado financeiro no valor 9,00 % a ano. Nas analises dos fluxos de caixa, também foram considerados os custos anuais para operação, manutenção preditiva, preventiva e corretiva; e a cada 5 anos ( horas) foi prevista uma revisão geral (overhall). A seguir são apresentados os quatro fluxos de caixa com as hipóteses retro considerada: SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

37 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

38 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

39 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

40 SEMAE. RUA ANTONIO DE GODOY Nº 2181 FONE/FAX CEP

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3

READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 READEQUAÇÃO DA ETE EXISTENTE Hipótese de Re-enquadramento do Corpo Receptor na Classe 3 1 - Vazões e Cargas de Dimensionamento População = Vazão média = Q k1 = Q k1k2 = CO = So = 49974 hab 133.17 L/s 156.31

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são:

As Diretrizes de Sustentabilidade a serem seguidas na elaboração dos projetos dos sistemas de abastecimento de água são: OBJETIVO A SANEPAR busca prestar serviços de Saneamento Ambiental de forma sustentável, a fim de contribuir com a melhoria da qualidade de vida. Portanto evidencia-se a necessidade de considerar o conceito

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas 1. A COPASA MG; 2. ETE Arrudas; 3. Central Termelétrica; 4. Próximos passos; A COPASA MG Fornece serviços de água para 98%

Leia mais

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO

3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO 3.9 VISCONDE DE RIO BRANCO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Em Visconde de Rio Branco, o sistema público de abastecimento de água é operado e mantido pela

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo

Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Aplicação do software Elipse E3 na Estação de Tratamento de Esgoto ABC ETEABC, em São Paulo Apresentamos neste case a implantação do software E3 para monitorar o processo realizado na Estação de Tratamento

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: O sistema conta com dois mananciais, ambos com captações superficiais: 3.8 SÃO JOÃO NEPOMUCENO Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, é o órgão responsável pela operação e manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Natal de Avila Antonini (1) Engenheiro Mecânico e Mestre na área de Energia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Engenheiro

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESGOTAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/7 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 ESGOTAMENTO COM BOMBAS... 3 02 REBAIXAMENTO DE LENÇOL FREÁTICO COM PONTEIRAS FILTRANTES... 3 03 REBAIXAMENTO DE LENÇOL

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico

Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico Melhorias na Estação de Tratamento de Água e Esgoto para combate ao stress hídrico Sr. Sylvio Andraus Vice- Presidente SINDESAM Agosto/2015 Índice ABIMAQ / SINDESAM Exemplos de Melhoria em Plantas de Água

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE FULIGEM Para atender às regulamentações ambientais de hoje, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana e outros tipos de biomassa similares devem, obrigatoriamente,

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA

TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica, Depto. de Recursos Hídricos e Meio Ambiente TRATAMENTO DE ESGOTOS E GERAÇÃO DE ENERGIA Eduardo Pacheco Jordão, Dr. Eng. GMI, florianópolis 2014

Leia mais

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP Rosane Ebert Miki Projeto de parceria Brasil- Alemanha, por meio da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) do Ministério das cidades, com cooperação técnica

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

X-004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIXO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO -004 - SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DE BAIO CUSTO PARA ESTAÇÕES COMPACTAS DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Celso J. Munaro Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Maria. Mestre e Doutor em Automação

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER

ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER ETEs COMPACTAS VERTICAIS BIOFIBER APRESENTAÇÃO O tratamento de esgoto nos centros urbanos tem se mostrado um desafio crescente. Devido à área requerida para implantação, bem como dos maus odores característicos

Leia mais

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012

Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. São Paulo 23/10/2012 Apresentação Hendrik Wernick Mercado de Biogás Opus Solutions 1ª CONFERÊNCIA DAS RENOVÁVEIS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo 23/10/2012 1 Composição Composição do biogás: Metano CH 4 45 75 Vol% Dióxido

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DE MADRE DE DEUS BAHIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GARDUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL EM TECNOLOGIAS APLICAVEIS À BIOENERGIA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DO BIOGÁS PRODUZIDO

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br Re9 Instalações e Sistemas contao@re9instalacoes.com.br A Empresa A Re9 Instalações e Sistemas, uma empresa especializada no fornecimento de Mão de obra especializada e implantação de sistemas para Condomínios

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO CAPIVARI II CAMPINAS - SP Objetivos principais do tratamento de esgoto O futuro e as próximas gerações na bacia PCJ INVESTIMENTO MACIÇO EM TRATAMENTO DE ESGOTO CONCEPÇÕES

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura

I. INTRODUÇÃO III. MATERIAL E MÉTODOS. A. Amostras Utilizadas no Processo de Conversão a Baixa Temperatura Geração de Energia Elétrica a partir de Combustível Inovador Proveniente da Conversão a Baixa Temperatura de Biomassas e Resíduos e Análise de Desempenho em Motores R.G. Pereira 1 ; G. A. Romeiro 2 ; R.

Leia mais

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB TRATAMENTO ANAERÓBIO DE ESGOTOS ATRAVÉS DE REATORES DO TIPO UASB Marcio Gomes Barboza/Eduardo L. C. de Amorim GTR/CTEC/UFAL 1 1. INTRODUÇÃO Upward-flow Anaerobic Sludge Blanket (UASB) Dr. Gatze Lettinga

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE GASES - ETALG Para atender às regulamentações ambientais atuais, os gases emitidos por caldeiras que utilizam bagaço de cana ou outros tipos de biomassa devem,

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem

TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem TÍTULO: Alternativa Para Desaguamento de Lodo de Estação de Tratamento de Água e Esgoto por Bag S de Secagem TEMA: Resíduos Sólidos AUTORES: Engª Gládis Meiry Matteo responsável pela apresentação oral

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS ITEMA DE LODO ATIVADO 1 INTODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica

Leia mais

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1 PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1. O Mercado

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água

3.1. JUIZ DE FORA. 3.1.1 Sistema Existente de Abastecimento de Água A adução é feita por gravidade, partindo da barragem que garante a submergência de duas tubulações que encaminham a água captada a duas estruturas de controle (Foto 2), ambas construídas em concreto armado,

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético

Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Conceitos Básicos sobre Biogás de Aterro e as Tecnologias para o seu Aproveitamento Energético Sandra Mazo-Nix SCS Engineers Consultora - US Environmental Protection Agency (US EPA) Sumário Conceitos Básicos

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA)

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) Autor - Júlio Cezar Caetano da Silva Matrícula 18.407. Lotação DSO / DPOE / DTPB / PBPM (Patos de Minas). E-mail: julio.caetano@copasa.com.br.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO 2

MEMORIAL DESCRITIVO 2 R:\Senador Canedo\Produtos 2007\Projeto SAA\PROJETO BÁSICO ÁGUA\HIDRÁULICO\RELATÓRIO\0.doc MEMORIAL DESCRITIVO 2 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 18 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação

Leia mais

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

SUMARÉ RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ PRESTADOR: DAE DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R3 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades Americana,

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D.

Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos. André Lermontov, D. Inovação em processos e tecnologias nas instalações operacionais para o tratamento de água e esgotos André Lermontov, D.Sc Junho 2013 Inovar: é imaginar o que ninguém pensou; é acreditar no que ninguém

Leia mais

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb

ESGOTAMENTO. Conceitos básicosb ESGOTAMENTO SANITÁRIO Conceitos básicosb Interrelação entre captação de água e lançamento de esgotos ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE) ÁREA URBANA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982.

INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. SISTEMA TAPACURÁ INÍCIO DE OPERAÇÃO DO SISTEMA: A primeira etapa entrou em operação em 1975 e a segunda, em 1982. UNIVERSO DE ATENDIMENTO: Produz, aproximadamente, 36% do volume distribuído na Região Metropolitana

Leia mais

Análise Técnica. 1. Introdução

Análise Técnica. 1. Introdução Análise Técnica 1. Introdução Este ensaio vem complementar os estudos realizados pelo Convênio de Cooperação Técnico-Científica para o Desenvolvimento do Projeto de Avaliação da Qualidade das Águas do

Leia mais

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar

Viabilidade Ec E onômic onômic Aquecimen to Solar Viabilidade Econômica Aquecimento Solar Sistema Aquecimento Solar - SAS Breve Histórico no Brasil A história do aquecedor solar no Brasil é recente. O primeiro aquecedor solar apareceu no Brasil na década

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Objetivo: DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Representar o processo, possibilitando identificar todos os equipamentos (bombas, válvulas,...), instrumentos (medidores de vazão, nível, pressão, analisadores,...),

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Termo de Referência 12/2015

Termo de Referência 12/2015 (ISO Em Processo de Implantação) Itapira, 25 de Setembro de 2015. Termo de Referência 12/2015 Especificações para a contratação de empresa especializada para execução, com fornecimento de materiais, equipamento

Leia mais

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES

MARETE INDUSTRIAL APLICAÇÕES A estação da série é um sistema de tratamento de efluentes industriais de fluxo contínuo com finalidade de lançamento em corpos receptores ou reuso interno, servindo a diversos segmentos industriais. O

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA

DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA DIMENSIONAMENTO DA NOVA ETA 1 - Estrutura de Chegada de Água Bruta Q dimensionamento = 50 L/s É proposta estrutura de chegada do tipo canal com calha Parshall. Dimensões padrão para garganta de largura

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais