NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA GERAL DE SEGURANÇA E USO DE RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE REDE - INTERNET"

Transcrição

1 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 1/10 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação (DTIC) e aprovada pelo Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comunicação (CGSIC) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM) instituído pela Portaria número 33 de 16 de janeiro de REFERÊNCIA NORMATIVA Compete ao Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comunicação do IFTM - CGSIC determinar e orientar acerca do uso de recursos de Internet dentro de seu domínio. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se a todo o IFTM. OBJETIVOS GERAIS Estabelecer regras e diretrizes gerais no uso de recursos de acesso à Internet, observados os objetivos Institucionais. 1 Objetivo. SUMÁRIO 2 Fundamentação legal e normativa. 3 Do uso e segurança dos recursos computacionais e de comunicações 4 Disposições gerais 5 Vigência 6 Anexos

2 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 2/10 INFORMAÇÕES ADICIONAIS Esta norma observa a estrutura proposta pela Norma 01/IN01/CGSIC/IFTM. APROVAÇÃO Presidente do CGSIC Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação

3 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 3/10 1 OBJETIVO Estabelecer critérios gerais para a manutenção da segurança da informação e uso de recursos computacionais e de rede, incluindo-se aqui o acesso à Internet. 2 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL E NORMATIVA. Conforme disposto na POSIC compete ao CGSIC em conjunto com a DTIC do IFTM determinar critérios para uso seguro e direcionado dos recursos computacionais e de comunicação dentro e fora do domínio de rede do IFTM. 3 DO USO E SEGURANÇA DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS E DE COMUNICAÇÃO. O uso dos recursos de tecnologia da informação providos pelo IFTM devem observar os seguintes critérios: 3.1 As fontes de informações devem ser utilizadas pelos membros da comunidade observando-se o respeito ao princípio da dignidade humana e da ética. 3.2 Os recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) devem ser utilizados de maneira responsável, consistente com objetivos educacionais, de ensino, de pesquisa, extensão e finalidades administrativas do IFTM. 3.3 O uso dos recursos de TIC, quando necessitar de autorização prévia, deve estar de acordo com os objetivos específicos do projeto ou tarefa. 3.4 Os recursos de TIC não podem ser utilizados para constranger, assediar, ameaçar ou perseguir qualquer pessoa, invadir, alterar ou destruir recursos computacionais dela própria ou de outras instituições. 3.5 Constituem responsabilidades do usuário relativo ao uso dos recursos de TIC: Respeitar as políticas, normas e procedimentos de uso dos recursos de TIC do IFTM Exibir a comprovação de vínculo com o IFTM ou autorização especial do pessoal responsável, sempre que solicitado durante a utilização dos recursos, sob pena de imediata suspensão da conexão, sem prejuízo das disposições legais pertinentes Respeitar a integridade e limites de sua autorização de acesso ou conta Responsabilizar-se por qualquer atividade desenvolvida com o auxílio dos recursos de TIC sob sua custódia e pelos eventuais prejuízos dela decorrentes, em qualquer nível Manter sigilo sobre sua conta e senha, salvo em casos específicos para os quais exige-se autorização expressa e por escrito do responsável pela gestão de TIC/Reitoria A DTIC não se responsabilizará, em nenhuma hipótese, por eventuais perdas e danos causados pela utilização dos recursos oferecidos, direta ou indiretamente Não permitir ou colaborar com o acesso aos recursos de TIC do IFTM por parte de pessoas não autorizadas, sob pena de ser corresponsabilizado pelos eventuais problemas que esses acessos vierem a causar.

4 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 4/ Usar o computador, sistema ou a rede de forma a não interferir ou interromper a operação normal do computador, sistema ou rede Não tentar, permitir ou causar qualquer alteração ou dano aos ambientes operacionais, dados ou equipamentos de processamento ou comunicações instalados no IFTM, de sua propriedade ou sob sua responsabilidade Não ligar ou desligar fisicamente ou eletricamente a um recurso de TIC, nenhum componente externo, como cabos, access points, impressoras, discos ou sistemas de vídeo, sem uma autorização específica emitida pela Diretoria de TIC ou Coordenação de TIC dos campi Respeitar todas as obrigações contratuais do IFTM, inclusive com as limitações definidas nos contratos de software e outras licenças no uso dos recursos de TIC Comunicar ao responsável pela gestão de TIC do Campus/Reitoria qualquer evidência de violação das normas em vigor, não podendo acobertar, esconder ou ajudar a esconder violações de terceiros, de qualquer natureza. 3.6 Constituem diretrizes de acesso: O acesso será controlado e limitado ao necessário, considerando-se as atribuições de cada usuário O acesso à rede sem fio do IFTM estará condicionada a um dispositivo (notebook, netbook, tablet, smartphone) por usuário em cada Campus/Reitoria O usuário poderá solicitar a inclusão de novos dispositivos, a qual será analisada em função da disponibilidade de acesso em cada Campus/Reitoria O acesso a Internet, o qual está sujeito a monitoramento, não poderá ser utilizado para: Acesso a conteúdos impróprios ou ofensivos Furto de identidade Invasão de privacidade Divulgação de boatos Plágio e violação de direitos autorais Acesso a jogos não educativos, pornografia, sites de compartilhamento P2P Acesso de dispositivos pessoais (notebook, netbook, tablet, smartphone) à rede cabeada, sem a configuração do domínio Institucional no dispositivo O acesso a Internet poderá ser liberado, de forma limitada e controlada (limitação de banda e horário), mediante análise técnica de viabilidade, análise do uso pedagógico e/ou administrativo da ferramenta e preenchimento de formulário de responsabilização, anexo a esta norma, para: Parágrafo único: a análise de viabilidade técnica deverá ser realizada pela direção/coordenação de TIC em cada Campus/Reitoria. Já a análise do uso pedagógico da ferramenta deverá ser realizada pelo núcleo de acompanhamento pedagógico (NAP) e/ou pelo Coordenador do Curso

5 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 5/10 (ressalta-se que os planos de ensino chancelados pela Coordenação de curso e pelo NAP não necessitarão de parecer de uso pedagógico). Por fim, a análise do uso administrativo da ferramenta deverá ser realizada pela Direção de Administração e Planejamento em cada Campus e pela PROAD na reitoria. Todas as análises deverão ser chanceladas pelo membro local do CGSIC. Na reitoria a chancela deverá ser do membro da DTIC Compartilhamento de arquivos e armazenamento Download de freeware e software Sites de web-learnig Redes sociais Sites de Rádios e TV Web Sites de mídias streaming Chat web (exceção feita ao chat via institucional, o qual é totalmente liberado) O acesso aos sistemas internos da instituição deverá ocorrer via browsers homologados, no caso, o Mozilla Firefox e o Google Chrome. 3.7 Constituem responsabilidades dos Administradores de TIC (Diretor e Coordenadores) do IFTM: Constituir e gerir controles que garantam a observância do disposto nesta Norma; Proteger os direitos dos usuários Propor políticas e normas de segurança e uso dos recursos de TIC Controlar e, se for o caso, vetar o acesso ao usuário que violar as normas de uso de recursos de TIC; Garantir prioridade de acesso via rede aos serviços essenciais do Instituto, mesmo que para isto tenha que limitar banda para acesso a outros serviços; Divulgar junto à comunidade interna a política e as normas de TIC devidamente aprovadas. 3.8 O IFTM caracteriza como não ético e considera como motivo de ação disciplinar, qualquer atividade através da qual um usuário: Não observe estritamente os objetivos institucionais; Viole questões tais como direitos autorais, proteção de patentes e licenças de uso e outros contratos Interfira no uso correto dos recursos de informação Tente conseguir ou consiga acesso não autorizado a recursos de informação Sem autorização administrativa, destrua, altere, desmonte, desconfigure, impeça o acesso de direito ou interfira na integridade dos recursos de TIC.

6 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 6/ Sem autorização judicial ou por força de sindicância, invada a privacidade de indivíduos ou entidades que são autores, criadores, usuários ou responsáveis por recursos de TIC Remova dos recursos computacionais do IFTM algum documento de sua propriedade ou por ele administrado, sem uma autorização específica Se faça passar por outra pessoa ou esconda sua identidade na utilização dos recursos de TIC, salvo nos casos em que o acesso anônimo é explicitamente permitido Viole ou tente violar os sistemas de segurança dos recursos de TIC, como quebra ou tentativa de obter identificações ou senhas de terceiros, interferir em fechaduras automáticas ou sistemas de alarme Intercepte ou tente interceptar transmissão de dados não destinados ao seu próprio acesso Tente interferir ou interfira em serviços de outros usuários ou o seu bloqueio, provocando, por exemplo, congestionamento da rede, inserindo códigos maliciosos ou tentando a apropriação dos recursos de TIC Obtenha benefícios financeiros ou de outra espécie, para si ou para terceiros através da utilização dos recursos de TIC do IFTM. 3.9 As penalidades a serem aplicadas às condutas relacionadas no Item 3.8, sem prejuízo de outras penas previstas em lei ou em normas do IFTM, são: redução ou eliminação, temporárias ou permanentes de privilégios de acesso, tanto aos recursos de TIC, quanto às redes, salas de computadores do IFTM e outros serviços ou facilidades A infração ou tentativa de infração às regras constantes desta norma ou às regras previstas em lei serão apuradas por meio de sindicância administrativa ou processo administrativo disciplinar, nos termos da legislação em vigor Sempre que julgar necessário para a preservação da integridade dos recursos de TIC, dos serviços aos usuários ou dos dados, tanto o administrador local dos recursos de TIC, como o Diretor de TIC do IFTM, chancelados pelo membro local do CGSIC, poderão suspender temporariamente qualquer conta, seja o responsável pela conta suspeito de alguma violação, ou não No caso do uso de redes externas, as normas envolvendo este tipo de uso também são aplicáveis e precisam ser adotadas. 4 DISPOSIÇÕES GERAIS 4.1 Os casos omissos e as dúvidas com relação a esta Norma serão submetidos ao Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação que, se considerar necessário fará convocação de reunião do Comitê. 5 VIGÊNCIA 5.1 Esta Norma entra em vigor a partir da data de sua publicação. 6 ANEXOS

7 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 7/ Formulário de Responsabilização

8 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 8/10 FORMULÁRIO DE RESPONSABILIZAÇÃO Nome completo: CPF: RG: Situação Funcional: Matricula SIAPE: Cargo/Função: Classe/Nível/Padrão: Campus/Lotação: Fone/ramal: Ao Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comunicação Venho requerer a liberação de acesso: a ferramentas de compartilhamento de arquivos e armazenamento download de softwares (freeware ou não) site de web-learnig redes sociais sites de rádios e TV web sites de mídias streaming chat web outros (especificar tipo: ) Tal liberação estará associada a: - Local sala de aula (n o ) qualquer sala de aula Laboratório (n o ) qualquer laboratório nas dependências do Campus/Unidade/Reitoria - Período por tempo indeterminado durante as aulas do semestre vigente (Horário da aula: ) durante o semestre vigente durante o ano vigente por exatamente

9 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/2013 9/10 Nome e descritivo da aplicação a ser liberada: Justificativa para a liberação: Nestes termos, pede deferimento. /MG / / Assinatura do(a) requerente Parecer da análise do uso pedagógico da aplicação: (Uso Exclusivo dos Núcleos de Apoio Pedagógico e Coordenadores) Membro do Núcleo de Apoio Pedagógico: Coordenador do curso: Aplicação liberada em função do uso pedagógico Aplicação liberada parcialmente em função do uso pedagógico (limitação de horário) Horário de Liberação: Aplicação não liberada Justificativa para não liberação: Assinatura Membro NAP/PROEN - Data Assinatura Coordenador de Curso - Data

10 02/IN02/CGSIC/IFTM 00 - / / /08/ /10 Parecer da análise do uso administrativo da aplicação: (Uso Exclusivo dos DAPs/PROAD) Membro do DAP/PROAD: Aplicação liberada em função do uso administrativo Aplicação liberada parcialmente em função do uso administrativo (limitação de horário) Horário de Liberação: Aplicação não liberada Justificativa para não liberação: Assinatura Membro DAP/PROAD - Data Parecer de viabilidade técnica: (Uso Exclusivo das Coordenações de TIC e/ou da DTIC) Coordenador de TIC/DTIC: Liberação total de acesso Liberação parcial de acesso (limitação de largura de banda) Largura disponibilizada: Liberação parcial de acesso (limitação de horário) Horário de Liberação: Liberação parcial de acesso (limitação de largura de banda e horário) Largura disponibilizada: Horário: Não liberação de acesso Justificativa para não liberação: Assinatura Membro TIC/DTIC - Data Parecer do Comitê Gestor de Segurança da Informação e Comunicação: Membro do CGSIC: Assinatura Membro CGSIC - Data

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE RIO VERDE NORMATIZAÇÃO DE USO DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO CEFET RIO VERDE Capítulo I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins desta Norma,

Leia mais

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO

POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO POLÍTICAS DE USO DA REDE SEM FIO Departamento de Tecnologia da Informação Públicado em julho de 2014 Cachoeiro de Itapemirim ES Definição Uma rede sem fio (Wireless) significa que é possível uma transmissão

Leia mais

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0

POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE. Versão 1.0 POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE Versão 1.0 Versão 1.0 Pág. 1 Considerações Gerais 1 - A Tecnologia da Informação fica definida como a responsável pela gestão dos Sistemas de Informação e dos Recursos de

Leia mais

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 RESOLUÇÃO DA REITORIA Nº 003/2002, DE 29 DE JULHO DE 2002 Define políticas, normas e procedimentos que disciplinam a utilização de equipamentos, recursos e serviços de informática do Unilasalle. O Reitor

Leia mais

Faculdade AlfaCastelo

Faculdade AlfaCastelo Faculdade AlfaCastelo REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA BARUERI - 2015 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA A Faculdade AlfaCastelo possui dois laboratórios de informática composto por uma

Leia mais

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011.

SINERGIA SISTEMA DE ENSINO LTDA FACULDADE SINERGIA Portaria Recredenciamento MEC nº 1.424 D.O.U, de 10/10/2011. REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º O laboratório de Informática constitui-se em espaço de apoio técnico pedagógico da Faculdade Sinergia. Art. 2º O Laboratório

Leia mais

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS...

Assunto: Política de uso dos Recursos Computacionais SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... PÁGINA: 1 SUMÁRIO ITEM TÓPICO _ PG I. OBJETIVO... 02 II. ABRANGÊNCIA... 02 III. RESPONSÁVEIS... 02 IV. CONCEITO... 02 1. Recursos computacionais... 02 2. Usuário... 03 V. ATRIBUIÇÕES... 03 VI. POLÍTICA

Leia mais

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTO E POLITICAS PARA O USO DA REDE DE COMPUTADORES DO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta a utilização dos serviços corporativos disponíveis na rede de computadores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 22/2007, DE 19 DE JULHO DE 2007 Normatiza a utilização dos recursos de tecnologia da informação e comunicação da Fundação Universidade Regional de Blumenau FURB, na forma do Anexo. O PRESIDENTE

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO

RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 1 DE 22 DE OUTUBRO DE 2015, DA PRÓ-REITORA DE PLANEJAMENTO Aprova a Norma Procedimental NP 70.01.005 Uso da Rede

Leia mais

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS

Regulamento dos Laboratórios de Informática da Faculdade Arthur Thomas REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FACULDADE ARTHUR THOMAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos cursos, das áreas de Graduação,

Leia mais

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO 1 OBJETIVO: 1.1 A presente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA CPRH Nº. 004/2014 O Diretor Presidente da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos CPRH, no uso de suas atribuições legais conferidas pelo Decreto nº. 30.462 de 25 de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 32/2014 Institui a política de segurança da informação da UFPB, normatiza procedimentos com esta finalidade e

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA FACULDADE ESTÁCIO DE BELÉM ESTÁCIO BELÉM REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA BELÉM PA 2015 1 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. Os Laboratórios de Informática visam atender: I. alunos dos

Leia mais

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições,

O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, flas RESOLUÇÃO 01 05 NORMAS DE USO ACEITÁVEL DOS RECURSOS COMPUTACIONAIS DO INPE IMEDIATA O Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE, no uso de suas atribuições, RESOLVE Estabelecer

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade facilitar e democratizar

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA

REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA REGIMENTO DOS LABORATORIOS DE INFORMÁTICA Dos Laboratórios Art 1º O objetivo dos laboratórios de informática é suprir necessidades laboratoriais, de informática, nas áreas de ensino, pesquisa, extensão,

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless) Apucarana, 01 de fevereiro de 2011. Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao

Leia mais

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO

07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 2/8 1. OBJETIVO 07/IN01/DSIC/GSIPR 00 06/MAI/10 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe Universidade Federal de Sergipe Centro de Processamento de Dados Coordenação de Redes Regras de Acesso à Rede Sem Fio da UFS 1. DESCRIÇÃO A rede sem fio do projeto Wi-Fi UFS foi concebida para complementar

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi

NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi NORMAS PARA ACESSO À REDE SEM FIO EMERJ WiFi 1. FINALIDADES E OBJETIVOS 1.1. Esta política tem a finalidade de estabelecer as regras e orientar as ações e procedimentos na utilização da rede sem fio da

Leia mais

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS

NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS NORMAS DE UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICAS DIGITAIS I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 O Laboratório de Práticas Digitais (LPD) caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO

Centro de Processamento de Dados REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO REGULAMENTO DO CENTRO DE PROCESSAMENTO DE DADOS E DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DA ORGANIZAÇÃO Art. 1º O centro de processamento de dados (CPD), ao qual o laboratório de Informática e Laboratório de Gestão

Leia mais

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014.

PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. PORTARIA Nº 076 DE 21 DE JANEIRO DE 2014. Dispõe sobre aprovação da Política de Segurança da Informação do IFMG. O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS, no uso

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES () Versão 2.0 08/08/2014 Política de Segurança da Informação e Comunicações - SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 CONCEITOS... 2 3.1 Autenticidade...

Leia mais

Laboratórios de Informática Regulamento

Laboratórios de Informática Regulamento 1 Laboratórios de Informática Regulamento Pagina 1/10 Sumário DA CONSTITUIÇÃO...3 DA ADMINISTRAÇÃO...4 DA UTILIZAÇÃO...5 DISPOSIÇÕES GERAIS...10 Pagina 2/10 REGULAMENTO INTERNO DA CONTISTUIÇÃO Art. 1 -

Leia mais

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Orientações de uso da rede na Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas 1. OBJETIVO Esta cartilha define normas para preservar a confidencialidade, integridade e a disponibilidade das informações e recursos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede

Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Políticas de Segurança da Informação e Utilização de Recursos da Rede Índice 1 Introdução... 3 2 Política de cadastro e senhas... 5 3 Política de Utilização da Internet... 7 4 Política de Utilização de

Leia mais

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ESTRUTURA DAS NORMAS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 01/IN01/CGSIC/IFTM 00 - / /2013 29/08/2013 1/6 ORIGEM Esta é uma norma complementar à Política de Segurança da Informação e Comunicação (POSIC), a qual foi elaborada pela Diretoria de Tecnologia de Informação

Leia mais

ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio

ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede do ICMBio Página: 1/7 SUMÁRIO 1.OBJETIVO 2.APLICAÇÃO 3.INSTRUÇÕES GERAIS 4.PROCEDIMENTOS ELEMENTOS COMPLEMENTARES: ANEXO I - Termo de Responsabilidade ANEXO II - Formulário para Solicitação de Acesso VPN à rede

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PRÁTICAS EM ADMINISTRAÇÃO E ESCRITÓRIO MULTIMÍDIA DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO - UNIR - CACOAL TÍTULO I - DO LABORATÓRIO DIDÁTICO CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA

Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Política de Utilização da Rede Sem Fio (Wireless)- UNICARIOCA Objetivos A política de utilização da rede wireless tem como objetivo estabelecer regras e normas de utilização e ao mesmo tempo desenvolver

Leia mais

WEBMAIL Política de Uso Aceitável

WEBMAIL Política de Uso Aceitável WEBMAIL Política de Uso Aceitável Bem-vindo ao Correio Eletrônico da UFJF. O Correio Eletrônico da UFJF (Correio-UFJF) foi criado para ajudá-lo em suas comunicações internas e/ou externas à Universidade.

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ

[Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ [Ano] NORMATIZAÇÃO DE USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS IBIRUBÁ Coordenadoria de Tecnologia da Informação 2013 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV

Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Regulamento da utilização dos laboratórios de informática do CRP/UFV Capítulo I Do regimento e seus objetivos O presente regimento, elaborado pela Central de Processamento de dados da UFV- CRP, visa disciplinar

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS

SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PO - PSI 1ª 1/9 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ALCANCE... 2 3. ÁREA GESTORA... 2 4. CONCEITOS/CRITÉRIOS GERAIS... 2 5. DIRETRIZES... 3 6. RESPONSABILIDADES... 3 6.1 Todos

Leia mais

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR

NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR NORMAS PARA UTILIZAÇÃO DA REDE SETUR GETAD/TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1-OBJETIVO Esta norma estabelece os critérios e procedimentos relacionados à utilização da REDE SETUR por todos os servidores, estagiários

Leia mais

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

ORIGEM Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 07/IN01/DSIC/GSIPR 01 15/JUL/14 1/9 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DE CONTROLES DE ACESSO

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FESB I Da Caracterização Art. 1 Os Laboratórios de Informática da FESB, sob responsabilidade do Departamento de Informática, dispõem de infra-estrutura

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 19 DE MAIO DE 2015 A DIRETORA-GERAL PRO TEMPORE, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais conferidas

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) art 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo de complemento aos

Leia mais

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013

PR 29/07/2013. Instrução Normativa Nº 24/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PR 29/07/2013 Instrução Normativa Nº 24/2013 Assunto: Institui a Política

Leia mais

Título I Dos laboratórios de Informática

Título I Dos laboratórios de Informática Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1 o O Centro de Processamento de Dados - CPD, ao qual os laboratórios de Informática da FAPAN estão subordinados, tem como principal

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013

PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 29/07/2013 RESOLUÇÃO Nº 106/2013 Assunto: Estabelece normas

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DO INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO NORMAS DE USO I - DA NATUREZA (da finalidade) Artigo 1 - O Laboratório caracteriza-se por sua natureza didático-pedagógica, servindo

Leia mais

Modelo!de!Política!de! Segurança!da!Informação!

Modelo!de!Política!de! Segurança!da!Informação! ModelodePolíticade SegurançadaInformação Contato:evandro.santos@ecsan.com.br Sumário Introdução...2 ObjetivosdaPolíticadeSegurançadaInformação...3 AplicaçõesdaPolíticadeSegurançadaInformação...4 PrincípiosdaPolíticadeSegurançadaInformação...5

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO APRESENTAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Este documento foi elaborado pelo setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (CSGI), criada com as seguintes atribuições: Assessorar a Direção da SESAU

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA EXECUTIVA COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES NORMA OPERACIONAL/DTI/ Nº 01, DE 1 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a governança e

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências.

Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. PORTARIA No- 192, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2010 Institui a Política de Segurança da Informação da Advocacia-Geral da União, e dá outras providências. O ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO PRESIDÊNCIA PORTARIA CNMP-PRESI N.030, DE 07 DE ABRIL DE 2010. Dispõe sobre critérios de uso e segurança dos recursos de Tecnologia da Informação do Conselho Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJA INSTRUÇÃO NORMATIVA N' 001. - DE 26 DE FEVEREIRO DE 2008. 1 Estabelece as Normas de Uso Aceitável dos Recursos Computacionais da Prefeitura Municipal de Arujá e todos os estabelecimentos

Leia mais

Contrato Servidor Dedicado

Contrato Servidor Dedicado Contrato Servidor Dedicado Pelo presente instrumento particular de contrato, de um lado, Intersit Tecnologia, sobre o CNPJ 09.131.781/0001-28 com sede em Curitiba PR, doravante denominada CONTRATADA, de

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Normatiza o uso e aproveitamento dos recursos computacionais dos Laboratórios de Informática, visando os recursos disponíveis e as necessidades dos usuários.

Leia mais

Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes

Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA. 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1 regimento interno - faculdade de artes dulcina de moraes Regulamento LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA I - DA NATUREZA Art. 1º. Este documento regulamenta e normatiza

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online

Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online Termos de Uso Sistema Diário de Obras Online Estes são os termos que determinarão o nosso relacionamento Este contrato refere-se ao sistema Diário de Obras Online, abrangendo qualquer uma de suas versões

Leia mais

PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015

PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015 PORTARIA Nº 056, DE 30 DE JUNHO DE 2015 O DIRETOR DO CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RENATO ARCHER CTI, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, nomeado por meio da Portaria

Leia mais

PORTARIA N. TC 347/2007

PORTARIA N. TC 347/2007 PORTARIA N. TC 347/2007 Dispõe sobre a política de segurança e utilização dos recursos de tecnologia da informação e cria o Comitê de Assunto de Informática do Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA Art. 1. O uso e o funcionamento do Laboratório de Informática da Faculdade de Direito do Vale do Rio Doce (FADIVALE) obedecerá às normas constantes deste regulamento.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011.

REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. REGULAMENTAÇÃO Nº 1, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2011. Regulamenta o uso do correio eletrônico institucional e normatiza as regras para criação e exclusão de caixas postais institucionais. TÍTULO I DO OBJETIVO

Leia mais

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA

ÁLAMO ENGENHARIA POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMÁTICA ELABORAÇÃO / REVISÃO APROVAÇÃO Marcelo Costa 16/05/2013 Fernando Matias 16/05/2013 NOME DATA NOME DATA Introdução: A segurança é um dos assuntos mais importantes dentre as preocupações de nossa empresa.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO BASEADO NA NORMA ABNT 21:204.01-010 A Política de segurança da informação, na empresa Agiliza Promotora de Vendas, aplica-se a todos os funcionários, prestadores de

Leia mais

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação

Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação. Política de Segurança da Informação Tópico 28 e 29 Política de Segurança da Informação Política de segurança da Informação. Metodologia de levantamento da política de segurança. Objetivos e responsabilidades sobre a implementação. Métodos

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA Título I Dos laboratórios de Informática Capítulo I - Da Organização Artigo 1º A área de Help Desk de TI executa a organização dos laboratórios de Informática

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 139, DE 10 DE MAIO DE DE 2011. Aprova a instituição e o funcionamento da equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais do IPEA.

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

versão 1.0 26/02/2010

versão 1.0 26/02/2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Espírito Santo POLÍTICA DE USO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO versão 1.0 26/02/2010 Pró-Reitoria

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012

PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 PORTARIA NORMATIVA Nº 003, DE 30 DE MARÇO DE 2012 Normatiza o uso do correio eletrônico institucional em atendimento à Resolução nº 34/2011- CS/IFB O REITOR PRO TEMPORE DO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA,

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA

REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX. Empresa XX LTDA 1 REGULAMENTO PARA USO DA REDE CORPORATIVA DE COMPUTADORES DA EMPRESA XX Empresa XX LTDA A EMPRESA XX LTDA, através de seu Comitê de Tecnologia da Informação, órgão responsável pela normatização e padronização

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto Seção Técnica de Informática. Política de Informática CCRP Política de Informática CCRP Índice 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 2. ESPECIFICAÇÃO E AQUISIÇÃO DE NOVOS EQUIPAMENTOS... 2 3. INSTALAÇÃO DE SOFTWARES... 2 4. DESENVOLVIMENTO, MANUTENÇÃO E BACKUP DE SISTEMAS

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA REGULAMENTO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA 1. DOS HORÁRIOS DE FUNCIONAMENTO 1.1 O Laboratório de informática pode ser utilizado das 7:30 às 22:30

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ

REGULAMENTO INTERNO PARA UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA DO PPGEQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Endereço: BR. 465, km 7, Centro

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS

Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Regulamento do Laboratório de Informática FACOS - MARQUÊS Art. 1º A missão do Laboratório de Informática da FACOS/Marquês é buscar a excelência no atendimento aos seus usuários. seguintes: informática.

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR REGULAMENTO DE GESTÃO E DE UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTF Art. 1º O presente Regulamento estabelece as diretrizes, normas de gestão e de utilização dos recursos de Tecnologia

Leia mais

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente,

PORTARIA Nº 7876. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que lhe confere a Legislação vigente, PORTARIA Nº 7876 Dispõe sobre a Norma PSI/N.0001 - Utilização da Estação de Trabalho, nos termos dos arts. 20 e 24, da Resolução nº 041/2010-SPDE. O PREFEITO DE JUIZ DE FORA, no uso das atribuições que

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA GADE SOLUTION Tatiana Lúcia Santana GADE SOLUTION 1. Conceituação: A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação de qualidade é capaz

Leia mais

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação.

USO DE CONTROLES CRIPTOGRÁFICOS. 1 OBJETIVO Estabelecer regras sobre o uso efetivo e adequado de criptografia na proteção da informação. 1786/2015 - Quinta-feira, 06 de Agosto de 2015 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região 1 FL. 2 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comitê de Segurança da Informação Secretaria de Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES

POLÍTICA DE SEGURANÇA. Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INDICE DE REVISÕES Título: Data: Contrato/Unidade/Seção: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 de 6 INDICE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DAS ALTERAÇÕES E/OU PÁGINAS ALTERADAS 0 Primeira Edição da Instrução de Trabalho. 1 Nova nomenclatura

Leia mais

Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB

Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB Política de uso de recursos tecnológicos, serviços de infraestrutura de rede de computadores e sistemas de apoio acadêmico do UniCEUB Com o objetivo de prover a segurança, a disponibilidade e a integridade

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar:

ORDEM DE SERVIÇO OS 002/DINFO/2014 29/10/2014. Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ, com vistas a assegurar: A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede WIFI UERJ,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA GERÊNCIA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA REGRAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA GERÊNCIA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÃO O presidente da Fundação Cultural de Belo Horizonte (Fundac-BH), no uso de suas atribuições estatutárias e considerando a necessidade de normatizar as regras para utilização dos Laboratórios de Informática

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicada no Boletim de Serviço Nº 4, em 7/4/2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 81, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Disciplina o uso dos recursos de tecnologia da informação do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências.

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DO IFSUL 1 OBJETIVO A Política de Segurança da Informação do Instituto Federal Sul-rio-grandense estabelece as diretrizes para a segurança da informação, visando preservar

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA VERSÃO 2.0 / 2010 I - DA NATUREZA (da finalidade) Este documento regulamenta e normatiza o funcionamento e uso do laboratório de informática do curso,

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética Página 1 de 5 Código de Conduta e Ética 2012 Resumo A SAVEWAY acredita que seu sucesso está pautado na prática diária de elevados valores éticos e morais, bem como respeito às pessoas, em toda sua cadeia

Leia mais

PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais

PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais PSI Política de Segurança da Informação Documento Normas Educacionais V.1.0 Índice APRESENTAÇÃO... 3 1. ABRANGÊNCIA E APLICAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 3 4. REGRAS DE APLICAÇÃO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 004/DINFO/2013 05/11/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização da Política de Uso da Rede de Dados

Leia mais

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 195/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 195/2011 Institui a Norma de Segurança dos Recursos de Tecnologia da Informação - NSRTI, do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais