PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO"

Transcrição

1 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Condições para início dos serviços Materiais e equipamentos necessários Equipamentos Métodos e procedimentos de execução Entroncamentos entre redes de mesmo material Redes de FF e FD Redes de PEAD Redes de PVC Entroncamentos entre redes de materiais diferentes Redes de FF e FD com redes de PEAD Redes de FF e FD com redes de FC Redes de FF e FD com redes de PVC Redes de PEAD com FC Redes de PEAD com PVC Verificação Medição Observações Registros Histórico das Alterações Anexos...5 Elaboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Engº Marco Faccin Carla Leão 13/04/08 Airana R. Canto 30/04/08 Página 1 de 5

2 1. Objetivo e campo de aplicação Esta norma tem o objetivo de estabelecer as condições mínimas e procedimentos quanto à execução dos serviços de entroncamentos de redes adutoras e distribuidoras de água e é aplicada a todos os envolvidos nos processos de entroncamentos de redes de água. 2. Referências NS 002/00 - Sinalização NS 009/00 - Escavação de Valas em Redes de Água e Remoção de Material Bota-Fora IT Realização de Manobras Operacionais nos Sistemas de Abastecimento de Água Tratada NS 025/00 - Juntas 3. Definições Para os efeitos desta norma aplicam-se as seguintes definições: ANEL: Componente de vedação de elastômero apropriado para junta elástica ou mecânica, conforme o caso. BOLSA: Extremidade fêmea de um tubo ou de uma conexão, que permite a montagem com uma extremidade macho de um tubo ou conexão adjacente. CONEXÕES: Peças utilizadas nas redes de água que permitem derivações, mudanças de direção ou diâmetro e fechamento de extremidades. DIÂMETRO EXTERNO (DE): designação alfanumérica adimensional, comum a todos os componentes de uma canalização de PEAD. DIÂMETRO NOMINAL (DN): designação alfanumérica adimensional, comum a todos os componentes de uma canalização de PVC, AÇO e FERRO. ENTRONCAMENTO: é a interligação de duas ou mais redes de água, podendo ocorrer entre redes em carga ou entre rede nova e rede em carga. FERRO FUNDIDO DUCTIL (FD): tipo de liga de ferro fundido utilizada para fabricação de tubos conexões e acessórios. FERRO FUNDIDO (FF): ferro fundido cinzento FIBROCIMENTO (FC): material composto de fibras de amianto e cimento portland, combinados sob pressão, tendo como conseqüência uma forte ligação entre o cimento e as fibras do amianto. FLANGE: extremidade chata, circular, perpendicular em relação ao eixo de um tubo ou conexão, com um circulo de furação com furos igualmente espaçados em relação ao eixo ortogonal, apropriado para instalação de parafusos. JUNTA: conjunto constituído pela extremidade de um tubo ou de uma conexão com outro componente contíguo e um elemento destinado a promover sua vedação. JUNTA ELÁSTICA: junta que proporciona uma deflexão angular e um movimento paralelo e/ou perpendicular em relação ao eixo dos tubos, das conexões ou de um tubo e uma conexão, montados com um anel de borracha. A junta elástica é constituída pela bolsa do tubo, pela ponta do outro tubo e por um anel de borracha e é utilizada tanto para os tubos quanto para as conexões e algumas válvulas. JUNTA DE FLANGES: junta constituída pela união de dois componentes com extremidades flangeadas e uma arruela de face plena de borracha. A junta de flanges é constituída por dois flanges entre os quais é colocada uma arruela de borracha natural ou sintética que é comprimida pelo aperto dos parafusos com porcas proporcionando sua estanqueidade. O número de parafusos e o seu tamanho dependem do DN da tubulação e da classe de pressão (PN). JUNTA MECÂNICA: junta com a qual se obtém a vedação, aplicando-se pressão no anel de borracha por meios mecânicos, como, por exemplo, contraflange e parafusos. A junta mecânica é utilizada nas redes adutoras e distribuidoras de água, em conexões com bolsa, para unir bolsa de uma conexão e ponta de um tubo ou de outra conexão. Página 2 de 5

3 JUNTA DE CHUMBO: junta com a qual se obtém a vedação, aplicando-se chumbo e corda. A junta de chumbo é constituída pela bolsa do tubo, pela ponta do outro tubo a ser ligado e pelo enchimento do espaço interno restante entre a bolsa e o tubo com corda alcatroada ou creosotada e chumbo derretido. A mesma junta de chumbo é utilizada também para unir conexões e tubos. PONTA: extremidade macho de um tubo ou uma conexão que permite a montagem com uma extremidade fêmea de um tubo ou conexão adjacente. PEÇA ESPECIAL: peça fabricada em aço, especialmente dimensionada para adaptar-se a situações não atendidas pela linha comercial de conexões disponíveis no mercado. PEAD: tipo de plástico flexível composto de polietileno de alta densidade SCLA: Seção de Lançamento SOLDA POR ELETROFUSÃO: tipo de solda realizada através de conexão de eletrofusão, cujos terminais da resistência elétrica incorporada à mesma são conectados a um equipamento que tem por função fornecer tensão elétrica e tempos controlados, suficientes para levar a superfície interna da conexão e a superfície externa do tubo à fusão. Aplica-se tanto às conexões de eletrofusão tipo bolsa, quanto à do tipo sela. SOLDA POR TERMOFUSÃO: a soldagem por termofusão consiste, basicamente em submeter os materiais à determinada temperatura e por tempo tal que os materiais entrem em fusão, unindo em seguida as superfícies fundidas sob certa pressão, para que haja interação das massas fundidas e assim sejam resfriadas. SOLDA DE TOPO: a soldagem de topo por termofusão é a forma mais tradicional e utilizada de soldagem de tubos de polietileno. Neste tipo de soldagem os tubos são soldados topo a topo, dispensando o uso de conexões. 4. Condições para início dos serviços Aprovação da fiscalização do DMAE em caso de empresas contratadas. Ocorrências registradas no Sistema 115 ou na planilha de serviço da SCLA Mobilização da equipe de conservação Local sinalizado conforme NS 002/00 Local escavado conforme NS 009/00 Manobra para interrupção do fluxo de água realizada conforme IT - Realização de Manobras Operacionais nos Sistemas de Abastecimento de Água Tratada 5. Materiais e equipamentos necessários Na execução dos entroncamentos previstos nesta Norma, devem ser utilizados materiais de acordo com as especificações do DMAE e peças especiais quando necessário. Também deverão ser observadas as instruções dos fabricantes, normas da ABNT e outras aplicáveis. 5.1 Equipamentos As equipes do DMAE ou a fiscalização, em caso de contratadas, definirão os equipamentos a serem utilizados nos entroncamentos de modo a atender as necessidades demandadas nos serviços. 6. Métodos e procedimentos de execução Os entroncamentos (interligações), de redes novas com redes em carga, serão executados conforme projetados e alterados, se necessário, com aprovação da fiscalização e dos técnicos da área operacional. Entroncamentos entre redes existentes serão analisados e definidos pela área operacional. A escolha da metodologia de execução dependerá do material das redes a serem entroncadas, bem como das peças e conexões projetadas e deverá recair em um dos métodos descritos nos itens a seguir. Todos os entroncamentos realizados devem ser devidamente ancorados e calçados de modo a suportar o empuxo hidráulico decorrente do escoamento sob pressão. Página 3 de 5

4 As juntas citadas nesta Norma devem ser executadas de acordo com a NS 025/00. Elaborar croqui esquemático das alterações efetuadas na rede para ser encaminhado ao cadastro. 6.1 Entroncamentos entre redes de mesmo material Redes de FF e FD Os entroncamentos entre redes de ferro devem ser executados através de conexões de FD de junta mecânica e/ou de flanges, sendo admitido também à substituição destas por conexões de aço com o mesmo tipo de juntas Redes de PEAD Os entroncamentos entre redes de polietileno devem ser executados através de conexões de PEAD de eletrofusão ou termofusão. Nos entroncamentos de prolongamentos de redes de mesmo diâmetro externo e mesma classe de pressão, em trechos retos, é possível dispensar o uso de conexão, utilizando a soldagem de topo para unir as pontas dos tubos Redes de PVC Os entroncamentos entre redes de PVC devem ser realizados através de conexões de PVC de junta elástica e/ou de flanges. 6.2 Entroncamentos entre redes de materiais diferentes Redes de FF e FD com redes de PEAD Os entroncamentos de redes de FF e FD com redes de PEAD devem ser executados de forma mecânica, através de flanges. As conexões utilizadas devem ser de FD, PEAD ou aço Redes de FF e FD com redes de FC Os entroncamentos de redes de FF e FD com redes de FC deverão ser executados de acordo com uma das seguintes metodologias: bolsa da conexão de FD de junta mecânica com ponta de tubo de FC de diâmetro compatível; conexão especial em aço, de dimensões compatíveis com tubo de FC, com conexão ou ponta de ferro dúctil. Admite-se ainda, em situações emergenciais, o entroncamento de redes de FF ou FD com redes de FC, através de junta de chumbo, desde que os diâmetros não sejam superiores a 150 mm e executadas por equipes do DMAE Redes de FF e FD com redes de PVC Os entroncamentos de redes de FF e FD com redes de PVC devem ser executados através de conexões FD e PVC com flanges Redes de PEAD com FC Os entroncamentos de redes de PEAD com FC devem ser executados através de conexões mecânicas com flanges. No tubo de FC deve ser utilizada peça especial em aço, sendo admitida também conexão de FD de dimensões compatíveis Redes de PEAD com PVC Os entroncamentos de redes de PEAD com PVC devem ser executados através de conexões de PEAD e PVC com flanges. 7. Verificação Após a conclusão dos entroncamentos realizados nas redes adutoras e distribuidoras de água, deve se colocar a rede em carga, verificar a estanqueidade e corrigir eventuais vazamentos. Página 4 de 5

5 8. Medição 9. Observações PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Os entroncamentos em redes de FC devem ser precedidos de sondagem para determinação exata do diâmetro externo (DE) da rede. Os entroncamentos não previstos nesta Norma deverão ser definidos pela equipe técnica da área operacional responsável pelos serviços. 10. Registros 11. Histórico das Alterações 00 Criação do documento. 12. Anexos Página 5 de 5

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...4

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS Instalações em Sistemas Industriais Profa. Roberta Leone Aula 04 MEIOS DE LIGAÇÃO Para que serve? Ligação tubo a tubo, ou a dispositivos, equipamentos tanques

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 189

Norma Técnica SABESP NTS 189 Norma Técnica SABESP NTS 189 Projeto de redes de distribuição em PE 80, adutoras e linhas de esgotos em polietileno PE 80 ou PE 100. Especificação São Paulo Junho 2013: Revisão 1 NTS 189: 2013 Norma Técnica

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO III CAP DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...4 5.1 Mão de obra de assentamento e

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PP/PVC/PE TOMO I ADAPTADOR DE PP/PVC/PE MAIO/2015 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...5 4 MATERIAIS DE PP/PVC/PE... 6 4.1

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 191

Norma Técnica SABESP NTS 191 Norma Técnica SABESP NTS 191 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA

DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA DEPEO/SUPRO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTOS E ESPECIFICAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA EXECUÇÃO DA AMPLIAÇÃO DA REDE COLETORA E RAMAIS PREDIAIS PARA O SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

Leia mais

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4

SUMÁRIO HDD para Redes de Água HDD para Redes de Esgoto Sanitário...4 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 HDD...3 5.2 Túnel Linner...3

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO I ADAPTADOR DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO XIII JUNTA DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL NOVEMBRO/2013 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO VII EXTREMIDADE DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO VII EXTREMIDADE DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO VII EXTREMIDADE DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL OUTUBRO/2013 ÍNDICE 2 MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO...

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 288

Norma Técnica Sabesp NTS 288 Norma Técnica Sabesp NTS 288 Cavalete múltiplo Manutenção - Ligação de Água (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h ou 3,0 m 3 /h) Especificação São Paulo Junho 201: revisão 1 NTS 288:201 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS035 POÇOS DE VISITA TIPOS 1A,1B e 1C Revisão: 03 Mai/10 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e Equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO VI CURVA DE PVC/PP/PE JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 059

Norma Técnica SABESP NTS 059 Norma Técnica SABESP NTS 059 Requisitos para soldadores, instaladores e fiscais de obras executadas com tubos de polietileno e conexões de polietileno ou polipropileno. Procedimento São Paulo Dezembro

Leia mais

GS de Tubos e Conexões de Ferro Fundido

GS de Tubos e Conexões de Ferro Fundido GS de Tubos e Conexões de Ferro Fundido XI Audiência de Inovação Tubulações para Sistemas de Abastecimento de Água Palestrante: Eng. Fernando Puell Neto São Paulo, 29 de Maio de 2008 Introdução Evolução

Leia mais

SUMÁRIO. 7. Verificação Medição Observações Registros Histórico das Alterações Anexos...9

SUMÁRIO. 7. Verificação Medição Observações Registros Histórico das Alterações Anexos...9 NS034 ASSENTAMENTO DE TUBULAÇÃO E MONTAGEM DE REDES Revisão: 02 Abr./2012 SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5.

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 MÓDULO ESCORAMENTO 5 MOS ESPECIFICAÇÕES REVISÃO 2 PÁGINA 1/9 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 2 0502 ESCORAMENTO METÁLICO...

Leia mais

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação ABR 98 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação Especificação Origem: abpe - associação brasileira de tubos poliolefínicos e sistemas CTPE - Comissão Técnica

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Damper tipo Borboleta Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção Damper tipo Borboleta ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. NOVEMBRO/2013 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS PVC/PP/PE TOMO XII UNIÃO DE PVC/PP JULHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS: LIGAÇÕES ROSQUEADAS LIGAÇÕES SOLDADAS LIGAÇÕES FLANGEADAS LIGAÇÕES DE PONTA E BOLSA OUTROS SISTEMAS Ligações de compressão Ligações patenteadas FATORES QUE INTERFEREM

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS DE FERRO FUNDIDO TOMO I TUBO DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL MARÇO/2015 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MATERIAIS DE FERRO FUNDIDO...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS037 POÇOS DE VISITA TIPOS 3A, 3B e 3C Revisão: 03 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 6. Métodos e Procedimentos de Execução...3

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

PROCESSO Nº. 49/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 13/2015

PROCESSO Nº. 49/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 13/2015 PROCESSO Nº. 49/2015 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 13/2015 LOTE 01 Empresa vencedora: HG Comércio de Materiais Hidráulicos Ltda ME CNPJ: 04.722.894/0001-84 Marca Quant 01 8636 02 3791 03 6092 04 1329 05 402 06

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II Lages, 26 de fevereiro de 2015. ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

Produtos para PVC PBA (Versão 2006)

Produtos para PVC PBA (Versão 2006) Produtos para PVC PBA (Versão 2006) SUMÁRIO - Produtos para PVC PBA: CAPÍTULO 1 - LINHA KLIKSO: Resistência e Garantia da Estanqueidade nas Redes PVC PBA para água Conexões em Ferro Dúctil para Tubos Rígidos

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA E TOP-ENTRY NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME II MATERIAIS DE CONCRETO TOMO I TUBO NOVEMBRO/2013 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS RESUMO:

Leia mais

Mangueiras e Flexíveis. Adicionando Flexibilidade ao seu Sistema de Fluidos

Mangueiras e Flexíveis. Adicionando Flexibilidade ao seu Sistema de Fluidos Mangueiras e Flexíveis Adicionando Flexibilidade ao seu Sistema de Fluidos Célula de Mangueiras PTFE, PFA e Termoplásticas Montadas no Brasil Inaugurado em Agosto de 2013, o Tech Center Brasil possui em

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 04.0720.0138.1 TE FF DUCTIL TRIPARTIDO C/VEDACAO BORRACHA/SAIDA C/FLANGE DN 300 X 150 - FL PN 10/16-400 MM (COMP. MINIMO) CONSTRUCAO: SEGMENTOS INTEIRICOS, DO MESMO MATERIAL, ACOPLADOS ENTRE SI POR PARAFUSOS

Leia mais

CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP

CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP ETM 008 VERSÃO 0 Jundiaí - 2013 Sumário 1 Objetivo...2 2 Referências Normativas...2 3 Definições...3 4 Material e condições gerais...4 5 Requisitos específicos...8

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 4.1 Lavagem de redes existentes...3 4.2 Lavagem de redes novas...3 5. Materiais

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO XXI COLAR DE TOMADA DE PVC/PP/PL JULHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO ETM 002 VERSÃO 0 Jundiaí 2013 Aplicação: GAE e GME ETM-002 Sumário 1 Objetivo...3 2 Referências normativas...3 3 Definições...3 4 Requisitos gerais...4 4.1 Condições de

Leia mais

2014 Saneamento na Rede. Soluções Saint-Gobain para. Combate às Perdas. Marcus V. D. Canellas. 19 de Maio de 2010

2014 Saneamento na Rede. Soluções Saint-Gobain para. Combate às Perdas. Marcus V. D. Canellas. 19 de Maio de 2010 2014 Saneamento na Rede Soluções Saint-Gobain para Combate às Perdas Marcus V. D. Canellas 19 de Maio de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas

Leia mais

Escritório Comercia l : Estrada Fernando Nobre, nº 293 Fábric a: Estrada Fernando Nobre, nº 487 Cotia SP Brasil

Escritório Comercia l : Estrada Fernando Nobre, nº 293 Fábric a: Estrada Fernando Nobre, nº 487 Cotia SP Brasil AER - Revisão I - Dezembro 2015 ADUTORA DE ENGATE RÁPIDO SISTEMA K10 / K20 Escritório Comercia l : Estrada Fernando Nobre, nº 293 Fábric a: Estrada Fernando Nobre, nº 487 Cotia SP Brasil 06705-490 Telefone:

Leia mais

Sistemas Tubulares: criando conexões, estabelecendo alianças

Sistemas Tubulares: criando conexões, estabelecendo alianças ADUTORA DE ENGATE RÁPIDO SISTEMA K10 / K20 2 0 1 6 02 02 www.alvenius.ind.br Adutora de engate rápido K10 / K20 Sistemas Tubulares: criando conexões, estabelecendo alianças A Alvenius atua no mercado brasileiro

Leia mais

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica

FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO DE ÁREA COM RECOLHEDOR - Especificação Técnica FITA DE SINALIZAÇÃO E DELIMITAÇÃO - Especificação Técnica CELG Distribuição S/A SESMT- Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho 1 de 5 ÍNDICE ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total Item/Descrição Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total 1. PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso financ. Total de PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Tubos Flexíveis ( Flexíveis ) para aplicação em instalações internas prediais de gás e estações de regulagem e medição IDENTIFICAÇÃO COMPLEMENTAR NÚMERO FOLHA

Leia mais

COMPORTAS DE CANAL ( AWWA C513) - VCO-17

COMPORTAS DE CANAL ( AWWA C513) - VCO-17 FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. DESCRIÇÃO GERAL As Comportas de Canal Aberto FKB, são desenvolvidas conforme norma AWWA C513 e tem como função o controle e bloqueio na vazão de fluidos em canais. São

Leia mais

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT DATA DA REALIZAÇÃO DA VD: / / Profissional Avaliado: N O SEQUI: Modalidade Nível: Data da certificação: Empregador: Supervisor Responsável: Empreendimento/Obra: Fabricante / Fornecedor: Empresa de Inspeção:

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 037

Norma Técnica SABESP NTS 037 Norma Técnica SABESP NTS 037 VÁLVULA GAVETA DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL COM CUNHA REVESTIDA DE ELASTÔMERO Especificação São Paulo Abril - 2014 - revisão 1 NTS 037: 2014 - rev.1 Norma Técnica SABESP S U M Á

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo III Aula 01 1. CONEXÕES E OS MEIOS DE LIGACÕCES Dificilmente uma tubulação se desenvolve em uma linha reta, sempre ocorre algum tipo de alteração, como

Leia mais

43Q - Série 400 DN20-50

43Q - Série 400 DN20-50 Bermad Brasil Válvulas e Soluções Hidráulicas Matriz: Rua Jesuíno Arruda, n 797 - Conj. 22 Itaim Bibi - São Paulo - SP - Brasil CEP: 04532-082 Fone: +55 11 3074.1199 Fax: +55 11 3074.1190 Website: www.bermad.com.br

Leia mais

Linha Amanco Biax Lançamento

Linha Amanco Biax Lançamento Linha Amanco Biax Lançamento Linha Amanco Biax para Adução de Água em Infraestrutura Linha Amanco Biax s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Biax para Adução de Água em Infraestrutura

Leia mais

WL-AR WL Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção TECNOFLUID

WL-AR WL Manual de Instruções. CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção TECNOFLUID Português WL-AR WL-120 190 250 CHAVE DE FLUXO Tipo Palheta de Inserção Manual de Instruções Leia este manual atentamente antes de iniciar a operação do seu aparelho. Guarde-o para futuras consultas. Anote

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à realização do ensaio de pressão a efetuar nas condutas dos sistemas de abastecimento de água. O seu objetivo é permitir verificar a estanquidade e a estabilidade

Leia mais

Poço de proteção Para aplicações sanitárias Modelo TW61, para solda orbital

Poço de proteção Para aplicações sanitárias Modelo TW61, para solda orbital Poços termométricos Poço de proteção Para aplicações sanitárias Modelo TW61, para solda orbital WIKA folha de dados TW 95.61 outras aprovações veja página 5 Aplicações Aplicações sanitárias Indústria alimentícia

Leia mais

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit.

A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. A caixa-d água de polietileno polivalente da Eternit. As caixas-d'água de polietileno Eternit são de alta densidade e grande resistência, produzidas pelo processo de rotomoldagem totalmente mecanizado,

Leia mais

Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS

Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS Bomba Vertical Padrão Tipo Turbina JTS Principais Aplicações A bomba vertical padrão tipo turbina JTS integra nossa tradição de oferecer bombas engenheiradas altamente confiáveis com materiais e configurações

Leia mais

Filtro de retorno RF

Filtro de retorno RF Filtro de retorno até 15000 l/min, até 25 bar 30 60 110 160 240 330 450 580 660 950 1300 2500 4000 5200 6500-7800 15000 1. DESCRIÇÃO TÉCNICA 1.1 CARCAÇA DE FILTRO Construção As carcaças de filtro são dimensionadas

Leia mais

Gaveta com bolsa tipo JE F.Nodular V.Bronze - PN 16 Métrica Oval 16A 16A

Gaveta com bolsa tipo JE F.Nodular V.Bronze - PN 16 Métrica Oval 16A 16A ÍNDICE VÁLVULAS Fig. Pág. Gaveta HF Fofo Nodular V.Bronze PN 10, PN 16 e PN 25 01 01 Gaveta HF Fofo Nodular V.Inóx PN 10 e PN 16 02 02 Gaveta HA Fofo Nodular V.Bronze PN 10 e PN 16 03 03 Gaveta HA Fofo

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VÁLVULAS DE BLOQUEIO - REDE DE AÇO CARBONO VÁLVULA ESFERA NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-005 ET-65-200-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE REVISÃO

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios e procedimentos para elaboração da Simulação Hidráulica dos Sistemas de Abastecimento de Água, visando: Simulação e Calibração do Sistema Existente;

Leia mais

Aplicação do tubo de PEAD na cidade de Limeira

Aplicação do tubo de PEAD na cidade de Limeira Aplicação do tubo de PEAD na cidade de Limeira Águas de Limeira S.A. Quem somos? Contrato de Concessão dos Serviços por 30 anos, com compromisso de investimentos de R$ 120 milhões SPE (Sociedade de Propósito

Leia mais

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS:

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Ligação Predial Localização no website Tigre: Obra de Infra-Estrutura Saneamento Água LIGAÇÃO PREDIAL Função: Condução de água potável em trecho de tubulação compreendido entre o ponto de derivação da

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo II Aula 02 2. GIA DE TUBULAÇÃO 2.1. REPRENTAÇÃO GRÁFICA O desenho de tubulação pode ser considerado como uma ramificação do desenho técnico mecânico, ele

Leia mais

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro.

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro. MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Obra: CONSTRUÇÃO DO POSTO DE SAÚDE FENACHAMP End.: Rua Campo Experimental, 190 - Bairro São Miguel Garibaldi DESCRIMINAÇÕES: A construção desta unidade de saúde

Leia mais

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo.

Meios de Ligação. Ligações nas Estruturas Metálicas Aço. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido. Objetivo. O uso do Aço na Arquitetura 1 Aluízio Fontana Margarido Meios de Ligação 4 Objetivo Conhecer os sistemas de ligação utilizados nas estruturas de aço Ligações nas Estruturas Metálicas Aço As ligações nas

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

P A P E L E C E L U L O S E

P A P E L E C E L U L O S E P A P E L E C E L U L O S E 2 0 1 5 02 02 www.alvenius.ind.br Sistemas tubulares revestidos: Criando conexões, estabelecendo alianças Após décadas de atuação em diversos mercados, com significativos investimentos

Leia mais

Válvulas de bloqueio SVA-S e SVA-L

Válvulas de bloqueio SVA-S e SVA-L MAKING MODERN LIVING POSSIBLE Ficha técnica Válvulas de bloqueio SVA-S e SVA-L As válvulas de bloqueio SVA estão disponíveis nas versões angular e reta e com haste padrão (SVA-S) e haste estendida (SVA-L)

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

ORGÃOS ACESSÓRIOS E MATERIAIS DAS TUBULAÇÕES

ORGÃOS ACESSÓRIOS E MATERIAIS DAS TUBULAÇÕES FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL ORGÃOS ACESSÓRIOS E MATERIAIS DAS TUBULAÇÕES Profa. Nara Luisa Reis de Andrade Profa. Margarita Maria

Leia mais

Filtros de sucção SF/SFM/SFF e elementos filtrantes de sucção S/S.. até 500 l/min

Filtros de sucção SF/SFM/SFF e elementos filtrantes de sucção S/S.. até 500 l/min Filtros de sucção /M/F e elementos filtrantes de sucção S/S.. até 500 l/min Filtro: 60 110 160 240 330 M 330 F 400 F 500 Elementos: S SH. SU. SG. 1. DESCRIÇÃO TÉCNICA 1.1 CARCAÇA DE FILTRO Construção As

Leia mais

Sumário. Adaptador Storz 2 1/2'' 1. Adaptador Storz Rosca Macho 2. Chave Storz Dupla 2 1/2'' x 1 1/2'' 3

Sumário. Adaptador Storz 2 1/2'' 1. Adaptador Storz Rosca Macho 2. Chave Storz Dupla 2 1/2'' x 1 1/2'' 3 Sumário Adaptador Storz /'' Adaptador Storz Rosca Macho Chave Storz Dupla /'' x /'' Esguicho de Jato Sólido /'' Esguicho de Jato Sólido '' Esguicho de Jato Regulável tipo Elkhart Registro Gaveta d Haste

Leia mais

Ligação Predial. Benefícios. Função e Aplicação. Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas. UMC Unidade de Medição e Controle 3/4.

Ligação Predial. Benefícios. Função e Aplicação. Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas. UMC Unidade de Medição e Controle 3/4. Ligação Predial Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas Fazer a derivação da rede, com ou sem carga, para a instalação do ramal predial em redes de distribuição de água e rede da água em indústrias.

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO Características técnicas Temperatura trabalho: -20 C a +70 C Pressão de trabalho: -0,13 a 13 bar Material: Tubo de alumínio estrudado

Leia mais

MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO

MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) MESA ESTABILIZADORA MANUAL DE CONFECÇÃO PROJETO ELABORADO

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO V TUBO DE PVC/PP/PE JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

SÉRIE RT. F) Projeto ::Construção: API 609 Categoria B. Característica dos componentes:

SÉRIE RT. F) Projeto ::Construção: API 609 Categoria B. Característica dos componentes: O Grupo InterAtiva SÉRIE RT A InterAtiva desenvolveu a sua linha de válvulas borboleta série RT buscando atender a uma crescente demanda e carência, no exigente mercado por produtos de alta qualidade e

Leia mais

Misturador 500 Lts. maquesonda. Rua Francisco Siqueira, 95 Inhaúma Rio de Janeiro RJ Tel.: ( 21 ) / Fax.

Misturador 500 Lts. maquesonda. Rua Francisco Siqueira, 95 Inhaúma Rio de Janeiro RJ Tel.: ( 21 ) / Fax. Misturador 500 Lts Misturador Justa Posto 500 Lts de lama e cimento. Misturador duplo de alta turbulência composto por 2 tanques de 500 litros, sendo um tanque turbina (aonde é efetuada a mistura do material

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE PEÇAS EM FERRO FDIDO - GR.04 (COLAR TOMADA DN50 X DNR25

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA.

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. Descrição Geral As Válvulas Guilhotina FKB modelo VGU-03 tem como função o bloqueio e/ou controle na vazão de fluídos. Aplicação comum em Fluidos com Concentração de polpa >5%, Carepas, Licor e Rejeitos.

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS

PETRÓLEO E GÁS TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS PETRÓLEO E GÁS Conectar Tubos entre si Conectar Tubos às válvulas MEIOS DE LIGAÇÃO Conectar Tubos às conexões e outros acessórios Conectar Tubos aos equipamentos (tanques, bombas, vasos de pressão) 2 PRINCIPAIS

Leia mais

Rede de Ar Comprimido

Rede de Ar Comprimido Objetivo: O objetivo de uma rede de ar comprimido é fornecer à fonte consumidora de ar comprimido: Pressão; Vazão; Qualidade. Isto é: Conduzir o ar comprimido desde o reservatório, instalado após a unidade

Leia mais

Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção.

Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone: (47) 3349-6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Medidor de vazão Eletromagnetico tipo de inserção. 1. Características: 1) A medição não é afectada

Leia mais

Termômetro à expansão de gás Modelo 73, série em aço inoxidável

Termômetro à expansão de gás Modelo 73, série em aço inoxidável Medição mecânica de temperatura Termômetro à expansão de gás Modelo 73, série em aço inoxidável WIKA folha de dados TM 73.01 outras aprovações veja página 15 Aplicações Instrumentação geral de s nas indústrias

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 007

Especificação Técnica de Projeto N.º 007 SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 007 Especificação Técnica de Projeto N.º 007 ETP007 conexões de PVC 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais DN 125 até DN 270 INDICE 1. Objetivo...1

Leia mais

PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA

PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA GGO GRUPO GESTOR DE OBRAS CPO COORDENADORIA DE PROJETOS DE OBRAS Rua Bernardo Sayão, 38 - Térreo - Cidade Universitária Zeferino Vaz - Campinas/SP PROPOSTA DE PADRONIZAÇÃO PARA SPDA Cidade Universitária,

Leia mais

10.09-PORB. Válvulas de retenção FireLock. Nº. Sistema Enviado por Seção Espec. Parágr. Local Data Aprovado Data

10.09-PORB. Válvulas de retenção FireLock. Nº. Sistema Enviado por Seção Espec. Parágr. Local Data Aprovado Data As válvulas de retenção FireLock de alta pressão Série 717R e a Série 717HR são desenhadas em CAD para uma eficiência hidrodinâmica e estão disponíveis nos tamanhos 2 3 /50 80 mm (Série 717HR) e 4 8 /100

Leia mais

RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE

RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE LOTE 1: EMPRESA VENCEDORA: MORAL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA Cód. SAAE Item Objeto Unid. Quant. Mar

Leia mais

Lista de materiais. 1 Carcaça 1. 2 Placas superior e inferior 2. 3 Molde 6. 4 Roletes de suporte 2. 5 Pinos dos roletes de suporte 2.

Lista de materiais. 1 Carcaça 1. 2 Placas superior e inferior 2. 3 Molde 6. 4 Roletes de suporte 2. 5 Pinos dos roletes de suporte 2. 0 Lista de materiais Código Descrição Unidades 1 Carcaça 1 2 Placas superior e inferior 2 3 Molde 6 4 Roletes de suporte 2 5 Pinos dos roletes de suporte 2 6 Alavanca 1 7 Bolsa de peças de reposição 1

Leia mais

MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO

MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO MESA ADAPTÁVEL PARA CADEIRA DE RODAS MANUAL DE CONFECÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA TECNOLOGIA ASSISTIVA (http://www.damec.ct.utfpr.edu.br/assistiva/) UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO

Leia mais

Tabela de Preços Para Materiais de Expansão / Operação / Manutenção 2013 BDI: 12,00%

Tabela de Preços Para Materiais de Expansão / Operação / Manutenção 2013 BDI: 12,00% M010000000 TUBOS PECAS E CONEXÕES DE FERRO FUNDIDO DUCTIL M010100000 TUBO DE FoFo DUCTIL K7 PONTA E BOLSA C/ JUNTA ELASTICA (JGS), INCLUINDO ANEIS DE BORRACHA M010101000 TK7 JGS PB FoFo M010101001 TK7

Leia mais

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Tubulações Industriais. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Tubulações Industriais Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. TUBULAÇÕES E VASOS DE PRESSÃO São equipamentos vitais nas plantas industriais das mais diversas áreas da engenharia. Generalidades e Classificação

Leia mais