Norma Técnica SABESP NTS 191

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norma Técnica SABESP NTS 191"

Transcrição

1 Norma Técnica SABESP NTS 191 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno Procedimento São Paulo Dezembro

2 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO REFERÊNCIAS NORMATIVAS DEFINIÇÕES CONDIÇÕES GERAIS Materiais Instalador, ferramentas e equipamentos de soldagem e instalação Tipos de união e derivação de tubos Condições gerais de execução Reparos em linha sem carga Reparos de linhas em carga Reparos em tê de sela e tê de serviço soldados Reparos em colar de tomada e tê de serviço mecânicos...5 ANEXO A /12/2004

3 Norma Técnica SABESP NTS 191 : 2004 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno 1 OBJETIVO Estabelecer os critérios de reparo para tubulações em polietileno PE 80 ou PE 100 de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto, exceto redes coletoras. 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS As normas citadas constituem prescrições para este texto. NTS 059:2004 Requisitos para soldadores, instaladores e fiscais de obras executadas com tubos de polietileno e conexões de polietileno ou polipropileno NTS 060:2004 Execução de solda em tubos e conexões de polietileno por termofusão (solda de topo) NTS 189:2004 Projeto de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgotos pressurizadas em polietileno PE 80 ou PE 100 NTS 190:2004 Instalação de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno PE 80 e PE 100 NTS 192:2004 Conexões de compressão para junta mecânica para tubos de polietileno ou PVC, para redes de distribuição, adutoras ou linhas de esgoto pressurizadas. NTS 193:2004 Conexões soldáveis de polietileno PE 80 e PE 100 NTS 194:2004 Tubos de polietileno para redes de distribuição, adutoras ou linhas de esgoto pressurizadas. NBR 14465:2000 Sistemas para distribuição de gás combustível para redes enterradas - Tubos e conexões de polietileno PE 80 e PE Execução de solda por eletrofusão 3 DEFINIÇÕES Para os efeitos desta norma, aplicam-se as definições contidas nas normas NTS 189 e NTS CONDIÇÕES GERAIS 4.1. Materiais Devem ser utilizados somente tubos, conexões e tipos de união que atendam aos requisitos contidos na NTS Instalador, ferramentas e equipamentos de soldagem e instalação Os serviços aqui especificados devem ser executados por profissionais tipificados pela NTS 059. A prestadora de serviços deve possuir todos os equipamentos e ferramentas necessárias, adequadas às condições da obra, conforme o Anexo F da NTS 190 e o Anexo A desta Norma Tipos de união e derivação de tubos Os tubos de polietileno devem ser unidos por termofusão (solda de topo), por eletrofusão, ou por juntas mecânica, conforme os requisitos contidos na NTS /12/2004 1

4 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP A compatibilidade de solda entre tubo / tubo, tubo / conexão e conexão / conexão deve ser demonstrada através de: - certificado que comprove que as peças foram produzidas com o mesmo composto de polietileno, ou; - através de ensaios especificados nas normas NTS 193 ou NTS 194; - através de históricos comprovados fornecidos por entidades ou fabricantes de matériaprima Condições gerais de execução Todos os serviços a serem executados devem atender aos cadernos Sabesp de especificação, regulamentação de preços e critérios de medição, Volumes 1 e 2, NTS 190 e demais condições especificadas nesta Norma Reparos em linha sem carga Cortar e substituir o trecho danificado por outro de mesmo DE e PN. Os reparos podem ser executados através de: - luva de correr tipo eletrofusão; - união mecânica de compressão; - carretel com colarinhos / flanges nas extremidades; - solda por termofusão em uma das extremidades e na outra, luva de correr de eletrofusão, união de compressão mecânica ou colarinho / flange. A Figura 1 apresenta os tipos de reparos descritos acima. Entre as etapas de corte e execução do reparo, as extremidades do tubo devem obrigatoriamente permanecer tamponadas. 2 10/12/2004

5 Norma Técnica SABESP NTS 191 : 2004 Corte Novo trecho de tubo Luva EF (Ø20 a 630 mm) União de Compressão (Ø20 a 160 mm) Colarinho e flange (Ø63 a 1600 mm) Solda de topo Colarinho e flange Solda de topo Luva EF Solda de topo União Compressão Figura 1 Esquemas de corte e reparo de trecho 4.6. Reparos de linhas em carga A soldagem não deve ser feita com água vazando. Portanto, se as válvulas existentes na linha não estancarem adequadamente o fluxo, ou não puderem ser acionadas, deve-se utilizar o estrangulador de vazão, para tubos com DE até 315, conforme procedimento específico descrito no item Não havendo a possibilidade de se estancar o fluxo de água, deve-se utilizar conexões de compressão para DE até 160, conforme NTS 192 e acima deste diâmetro usar juntas mecânicas autotravadas especiais, como as mostradas na Figura 2. No caso das juntas mecânicas especiais, as características de resistência à pressão, à tração e vida útil devem ser definidas e asseguradas pelo fabricante da peça. 10/12/2004 3

6 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP Figura 2 Juntas mecânicas autotravadas especiais Se a tubulação apresentar um dano tipo rasgo ou furo, pode-se utilizar provisoriamente abraçadeiras mecânicas de reparo, metálicas, como a mostrada na Figura 3, por um período máximo de 30 dias. Esse tipo de reparo só deve ser utilizado provisoriamente, porque esse tipo de dano tende a se propagar, acabando por extrapolar a área útil da conexão. Para execução do reparo definitivo proceder conforme itens 4.5 ou 4.6 anterior. Figura 3 Abraçadeira de reparo Procedimento para uso do estrangulador de vazão a) O estrangulador deve ser conforme especificado no Anexo A. b) Se houver alguma singularidade tal como: união, derivação, estrangulamento feito anteriormente, ou estrangulador, o novo estrangulador deve ser colocado a uma distância mínima de: - até DE 125 (inclusive) distância de 500 mm; - acima de DE 125 distância de 4 vezes o DE. Essa distância deve ser medida a partir da extremidade da singularidade. c) Uma vez estancado o fluxo de água ou esgoto, cortar fora o trecho danificado e proceder conforme 4.6. d) Após o término da operação, o local do estrangulamento deve ser marcado com fita adesiva, para não se repetir o estrangulamento no mesmo lugar. Para ilustração das etapas de estrangulamento, reparo e marcação com fita, vide Figura /12/2004

7 Norma Técnica SABESP NTS 191 : 2004 Corte Ruptura Estrangulador Novo trecho de tubo Fita de sinalização Figura 4 Estrangulamento, corte, reparo e marcação 4.7. Reparos em tê de sela e tê de serviço soldados Se a falha ocorrer entre a solda da peça de derivação e o tubo da rede ou do ramal, e o tubo da rede ainda não tiver sido furado, abandonar essa peça na forma em que se encontra e fazer a soldagem de uma nova peça ao seu lado. Se a falha ocorrer após a furação da rede, efetuar a substituição do trecho conforme itens 4.5. ou Reparos em colar de tomada e tê de serviço mecânicos - Retirar o colar de tomada ou tê de serviço defeituoso. - Limpar o local com pano e verificar se há dano no tubo. - Caso haja danos substituir o trecho conforme item Em caso negativo, substituir a peça defeituosa (colar ou tê de serviço). 10/12/2004 5

8 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP ANEXO A ESTRANGULADOR DE VAZÃO DE TUBOS DE POLIETILENO Dispositivo utilizado para estancar o fluxo de fluidos da tubulação de polietileno, provido de roletes de esmagamento e unidade de força mecânica ou hidráulica. O equipamento deve atender às seguintes especificações: - Ser capaz de estrangular tubo de polietileno de maior diâmetro e classe de pressão especificada pelo equipamento, até que a distância entre os cilindros de esmagamento atinja a 70% do dobro da espessura nominal do tubo. - O estrangulador deve possuir limitadores de esmagamento ajustáveis em função do diâmetro e espessura do tubo (SDR) para que o esmagamento não ultrapasse a 30% do dobro da espessura do tubo, ou seja, o esmagamento deve ser interrompido quando a distância entre os roletes de esmagamento atingir a 70% do dobro da espessura do tubo. Por exemplo, se o tubo tem espessura de 10 mm, a distância entre os roletes de esmagamento não deve ser menor que 14 mm (70% de 20 mm). - Se for de acionamento hidráulico deve possuir uma trava mecânica, que impeça o retorno do pistão hidráulico em caso de falha durante a operação. - Os roletes de esmagamento devem ter os diâmetros mínimos apresentados na Tabela 1. Tabela 1 - Diâmetros mínimos dos roletes de esmagamento DE Diâmetros mínimos (mm) dos roletes (mm) Até até até /12/2004

9 Norma Técnica SABESP NTS 191 : 2004 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno Considerações finais: 1) Esta norma técnica, como qualquer outra, é um documento dinâmico, podendo ser alterada ou ampliada sempre que for necessário. Sugestões e comentários devem ser enviados à Assessoria para Desenvolvimento Tecnológico - T V V; 2) Tomaram parte na elaboração desta Norma: UNIDADE DE ÁREA TRABALHO NOME C CSQ Adilson M. Melo Campos C CSQ Dorival Correa Valillo M MSSS Richard Welsch R REQ Pedro Jorge Chama Neto R RGO José Paulo Zamarioli T T E V José de Carvalho Neto T T V V Marco Aurélio Lima Barbosa T T V V Reinaldo Putvinskis 10/12/2004

10 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Diretoria de Tecnologia e Planejamento T Assessoria para Desenvolvimento Tecnológico T V V Rua Costa Carvalho, CEP São Paulo - SP - Brasil Telefone: (0xx11) / FAX: (0xx11) Palavras-chave: Rede de água, Adutora, Rede de esgoto - 06 páginas 10/12/2004

Norma Técnica SABESP NTS 059

Norma Técnica SABESP NTS 059 Norma Técnica SABESP NTS 059 Requisitos para soldadores, instaladores e fiscais de obras executadas com tubos de polietileno e conexões de polietileno ou polipropileno. Procedimento São Paulo Dezembro

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 189

Norma Técnica SABESP NTS 189 Norma Técnica SABESP NTS 189 Projeto de redes de distribuição em PE 80, adutoras e linhas de esgotos em polietileno PE 80 ou PE 100. Especificação São Paulo Junho 2013: Revisão 1 NTS 189: 2013 Norma Técnica

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 055

Norma Técnica Interna SABESP NTS 055 Norma Técnica Interna SABESP NTS 055 Tubos de Polietileno - Verificação da Resistência ao Esmagamento Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 055 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I

Leia mais

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação

abpe/e006 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação ABR 98 Tubos de polietileno PE e conexões - Equipamentos e ferramentas de soldagem e instalação Especificação Origem: abpe - associação brasileira de tubos poliolefínicos e sistemas CTPE - Comissão Técnica

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 320

Norma Técnica SABESP NTS 320 NTS 320 Tubos de PVC-O para redes de distribuição, adutoras ou linhas de esgoto pressurizadas - Critérios complementares à ABNT NBR 15750. Especificação São Paulo Março - 2016 S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 060

Norma Técnica SABESP NTS 060 Norma Técnica SABESP NTS 060 Execução de solda em tubos e conexões de polietileno por termofusão (solda de topo) Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 060 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

MÓDULO MÉTODOS DE UNIÃO DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS TERMOFUSÃO ELETROFUSÃO CONEXÕES DE COMPRESSÃO

MÓDULO MÉTODOS DE UNIÃO DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS TERMOFUSÃO ELETROFUSÃO CONEXÕES DE COMPRESSÃO MÓDULO 1 1.3 - MÉTODOS DE UNIÃO DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS Os métodos de união disponíveis para tubos poliolefínicos são: SOLDÁVEIS JUNTAS MECÂNICAS HÍBRIDAS TERMOFUSÃO ELETROFUSÃO CONEXÕES DE COMPRESSÃO

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SOLDAS EM TUBOS E ACESSÓRIOS EM POLIETILENO PE 80 / PE 100 NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-940-TME-005 ET-65-940-CPG-005 1 / 5 CONTROLE DE

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO VIII TÊ DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS019 ENTRONCAMENTO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Equipamentos...3 6. Métodos e

Leia mais

MÓDULO LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS

MÓDULO LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS MÓDULO 7 7.2 LINHAS DE TRANSPORTE HIDRÁULICO DE SÓLIDOS O transporte de sólidos é bastante utilizado em plantas de mineração, onde o desgaste por abrasão é um dos aspectos preponderantes, entretanto a

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 086

Norma Técnica SABESP NTS 086 Norma Técnica SABESP NTS 086 APLICAÇÃO DE COAL TAR EPÓXI POLIAMIDA Procedimento São Paulo Maio - 2001 NTS 086 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...1 3 GENERALIDADES...1

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 288

Norma Técnica Sabesp NTS 288 Norma Técnica Sabesp NTS 288 Cavalete múltiplo Manutenção - Ligação de Água (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h ou 3,0 m 3 /h) Especificação São Paulo Junho 201: revisão 1 NTS 288:201 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS:

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Ligação Predial Localização no website Tigre: Obra de Infra-Estrutura Saneamento Água LIGAÇÃO PREDIAL Função: Condução de água potável em trecho de tubulação compreendido entre o ponto de derivação da

Leia mais

Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286

Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286 Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286 Desenhos padrão para minimização de espaços confinados em poços de visita nos sistemas de água Especificação São Paulo Março - 2013 NTS 286: 2013 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 298

Norma Técnica SABESP NTS 298 Norma Técnica SABESP NTS 298 Tubos de ferro fundido dúctil para sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário Especificação São Paulo Julho - 2013 NTS 298: 2013 Norma Técnica SABESP S U M Á

Leia mais

Esquema de Certificação. Soldador Mantenedor de Tubos e Conexões de Polietileno

Esquema de Certificação. Soldador Mantenedor de Tubos e Conexões de Polietileno Esquema de Certificação Soldador Mantenedor de Tubos e Conexões de Polietileno a) Objetivo Definir o processo de certificação do Montador de Tubos e Conexões de Polietileno, de Polietileno para solda de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS024 CORTES E DESATIVAÇÃO DE REDES DE ÁGUA Revisão: 00 Abr/08 SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...4

Leia mais

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS

Procedimento. Qualificação de Empresa Instaladora - ABPE P011 JANEIRO 2016 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS JANEIRO 2016 Qualificação de Empresa Instaladora - Procedimento Origem abpe - Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas CN - Comissão de Normalização Polyethylene (PE) Pipes And Fittings

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC PP/PVC/PE TOMO VII LUVA DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO

Leia mais

POLIETILENO Histórico e Evolução José Roberto B. Danieletto Principais campos de aplicação dos tubos de PE Mercado Atual Volume mundial

POLIETILENO Histórico e Evolução José Roberto B. Danieletto Principais campos de aplicação dos tubos de PE Mercado Atual Volume mundial POLIETILENO Histórico e Evolução PVC surge em 1927 - Aplicação em tubos acelera-se na década de 50 PEAD surge em 1953 - Aplicação em tubos acelera-se na década de 80 Principais campos de aplicação dos

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 187

Norma Técnica SABESP NTS 187 Norma Técnica SABESP NTS 187 Tubos e conexões de PVC Exigências de desempenho complementares à NBR 5647-1, NBR 5648, NBR 5685, NBR 7362-1 e NBR 7665 Especificação São Paulo Abril - 2014 - revisão 1 NTS

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 193

Norma Técnica Sabesp NTS 193 Norma Técnica Sabesp NTS 193 Conexões soldáveis para tubos de polietileno Especificação São Paulo Março - 2007 NTS 193 : 2007 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial

Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial Boas práticas Boas práticas de instalações de gás residencial e comercial AGENDA DO DIA: Objetivo Apresentar boas práticas de instalação de gás combustíveis Equipamento de proteção individual e ferramentas

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 042

Norma Técnica Interna SABESP NTS 042 Norma Técnica Interna SABESP NTS 042 Inspeção de revestimentos com Holiday Detector via seca Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 042 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

MÓDULO QUALIFICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO

MÓDULO QUALIFICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 2013 MÓDULO 3 3.2 - QUALIFICAÇÃO DE FERRAMENTAS DE INSTALAÇÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, deve utilizar equipamentos e ferramentas de soldagem e estrangulamento

Leia mais

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC

Instalações Hidráulicas: Água Quente. Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC Instalações Hidráulicas: Água Quente Prof. Fabiano de Sousa Oliveira Curso: Engenharia Civil FTC/VC INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ÁGUA QUENTE Primeiro ponto: Apresentação da norma técnica, vigente. Projeto

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TUBOS E CONEXÕES DE POLIETILENO NÚMERO ORIGINAL NÚMERO COMPAGAS FOLHA ET-6000-6520-200-TME-002 ET-65-200-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VBA - VÁLVULA DE BLOQUEIO ABSOLUTO (LINE BLIND)

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. VBA - VÁLVULA DE BLOQUEIO ABSOLUTO (LINE BLIND) Descrição Geral As Válvulas de Bloqueio Absoluto FKB, foram desenvolvidas com a função de substituir o uso de Raquetes tipo figura 8, visto que além de garantir bloqueio total na vazão de fluídos, permite

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. NOVEMBRO/2013 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

ABNT NBR 5626:1998 Instalações prediais de água fria. ABNT NBR 7198:1993 Projeto e execução de instalações prediais de água quente

ABNT NBR 5626:1998 Instalações prediais de água fria. ABNT NBR 7198:1993 Projeto e execução de instalações prediais de água quente Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria tubulações de polipropileno tipo 3 (PP-R) instalação, armazenamento e manuseio Escopo Esta norma estabelece os requisitos

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE TUBOS E CONEXÕES DE MATERIAIS PLÁSTICOS PARA RESSUPRIMENTO

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PP/PVC/PE TOMO I ADAPTADOR DE PP/PVC/PE MAIO/2015 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...5 4 MATERIAIS DE PP/PVC/PE... 6 4.1

Leia mais

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. COMPORTAS TIPO ADUFA DE PAREDE VCO-21

FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. COMPORTAS TIPO ADUFA DE PAREDE VCO-21 Descrição Geral As Comportas tipo Adufa de Parede FKB (VCO-21) são fabricadas conforme norma AWWA C561 e tem como função o controle e/ou bloqueio na vazão de fluidos. São desenvolvidas para instalação

Leia mais

TRANSPORTE DE COORDENADAS POR MEIO DE POLIGONAL FECHADA UTILIZANDO-SE ESTAÇÃO- TOTAL

TRANSPORTE DE COORDENADAS POR MEIO DE POLIGONAL FECHADA UTILIZANDO-SE ESTAÇÃO- TOTAL NTS 093 TRANSPORTE DE COORDENADAS POR MEIO DE POLIGONAL FECHADA UTILIZANDO-SE ESTAÇÃO- TOTAL Especificação São Paulo Fevereiro: 2016 - revisão 1 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 1

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ETP 008 Unidade de medição para ligação de água ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO APLICAÇÃO... 2 5.

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO VI CURVA DE PVC/PP/PE JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME I MATERIAIS EM FERRO FUNDIDO TOMO XII LUVA DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL NOVEMBRO/2013 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO I ADAPTADOR DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II Lages, 26 de fevereiro de 2015. ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO XXI COLAR DE TOMADA DE PVC/PP/PL JULHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: LOTE 01, CONFORME ANEXO I DO EDITAL. Quantidade: 1 Unidade de Medida: Unidade

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) Item: 0001 Descrição: LOTE 01, CONFORME ANEXO I DO EDITAL. Quantidade: 1 Unidade de Medida: Unidade PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Novo Hamburgo Número: COMUSA 019/2012 Número do Processo: 5-9/2/2012 Unidade de Compra: COMUSA - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo Proposta(s) Item:

Leia mais

Grupo Material hidráulico

Grupo Material hidráulico O catálogo do grupo 30.24 contém as especificações de material hidráulico. Os itens que estão destacados com a mesma coloração significam que possuem a mesma descrição, no entanto, possuem diferentes unidades

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 232

Norma Técnica SABESP NTS 232 Norma Técnica SABESP NTS 232 Cavalete Simples Ligação de Água (DN 25 a 200 - Hidrômetro de 5 m 3 /h a 6500 m 3 /h) Especificação São Paulo Rev. 04 - Junho:2015 S U M Á R I O 1 OBJETIVO... 1 2 CAMPO DE

Leia mais

I ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MATERIAIS DE TUBULAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA

I ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MATERIAIS DE TUBULAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA I-204 - ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MATERIAIS DE TUBULAÇÃO PARA CONSTRUÇÃO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Pedro Alves Silva (1) Mestre em Engenharia Civil Modalidade Obras Hidráulicas pela Escola Politécnica

Leia mais

REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS

REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS REGISTRO PARA HIDRANTE 2 ½ E ACESSÓRIOS Manual Técnico 1 1.Descrição Também conhecida como válvula globo angular, a Registro para Hidrante 2 ½ é uma válvula de fecho, instalada em tubulações hidráulicas

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 049

Norma Técnica Interna SABESP NTS 049 Norma Técnica Interna SABESP NTS 049 Polietileno - Determinação da Densidade por Deslocamento Método de Ensaio São Paulo Fevereiro - 1999 NTS 049 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 153

Norma Técnica SABESP NTS 153 Norma Técnica SABESP NTS 153 Esquema de pintura para equipamentos e materiais plásticos expostos a raios solares Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 153 : 2001 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo II Aula 02 2. GIA DE TUBULAÇÃO 2.1. REPRENTAÇÃO GRÁFICA O desenho de tubulação pode ser considerado como uma ramificação do desenho técnico mecânico, ele

Leia mais

RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE

RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE RESULTADO FINAL PREGÃO PRESENCIAL Nº. 29/2013 PROCESSO LICITATÓRIO Nº. 144/2013 MENOR PREÇO POR LOTE LOTE 1: EMPRESA VENCEDORA: MORAL MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA Cód. SAAE Item Objeto Unid. Quant. Mar

Leia mais

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA DRENAGEM DE AR CONDICIONADO LOTE 2 Versão: 003 Vigência: 12/2014 Última atualização: 09/2016

Leia mais

VÁLVULA DE BLOQUEIO ABSOLUTO. Descrição Geral

VÁLVULA DE BLOQUEIO ABSOLUTO. Descrição Geral VÁLVULA DE BLOQUEIO ABSOLUTO Descrição Geral As válvulas de bloqueio absoluto são primordiais em muitas instalações industriais para segurança do pessoal que trabalha ao redor do bloqueio, principalmente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA de instalação hidráulica.indd 1 23/03/2015 16: Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS PVC/PP/PE TOMO XII UNIÃO DE PVC/PP JULHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia.

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia. TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO: Constitui objeto do presente termo, a aquisição de tubos e conexões em PVC destinados a reposição do estoque do almoxarifado da autarquia para o exercício de 2016. A avença

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO III CAP DE PVC/PP/PE MAIO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA CONFECÇÃO DA CAIXA TERMOPLÁSTICA

INSTRUÇÕES PARA CONFECÇÃO DA CAIXA TERMOPLÁSTICA O padrão tipo caixa termoplástica para assentamento na parede é utilizado para instalação de hidrômetro em ligações com expectativa de consumo de até 270 m3 por mês, e poderá ser empregado nas seguintes

Leia mais

FAIXA DE SERVIDÃO E DE DESAPROPRIAÇÃO PARA SISTEMAS LINEARES DE ÁGUA E ESGOTO

FAIXA DE SERVIDÃO E DE DESAPROPRIAÇÃO PARA SISTEMAS LINEARES DE ÁGUA E ESGOTO NTS 132 FAIXA DE SERVIDÃO E DE DESAPROPRIAÇÃO PARA SISTEMAS LINEARES DE ÁGUA E ESGOTO Especificação São Paulo Outubro: 2016 - revisão 2 SUMÁRIO 1. OBJETIVOS... 3 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 3 3. CONCEITOS...

Leia mais

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS SINAPI LOTE 2 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE CAIXAS E RALOS SIFONADOS PARA ÁGUAS PLUVIAIS LOTE 2 Versão: 002 Vigência:

Leia mais

DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS

DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS CATÁLOGO DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS UNIKAP GRANDES OBRAS TÊM! A Unikap atua especialmente no segmento da construção civil - em instalações e sistemas hidráulicos prediais, residenciais,

Leia mais

ATESTADO DE CONFORMIDADE TÉCNICA

ATESTADO DE CONFORMIDADE TÉCNICA Página 1 de 5 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Departamento de Qualificação e Inspeção de Materiais - CSQ ATESTADO DE CONFORMIDADE TÉCNICA C.N.P.J: 81.428.187/0001-20 Impresso em:

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: RC SAP 0010065941 Objeto: AQUISIÇÃO DE MATERIAIS GR.04 (ABRAÇADEIRA DN150 MM, TAMPÃO

Leia mais

Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS

Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOS E SISTEMAS CAPACITAÇÃO TÉCNICA EM CRITÉRIOS PARA PROJETO E INSTALAÇÃO DE TUBULAÇÕES DE POLIETILENO EM REDES DE ÁGUA Apresentação: eng José Roberto B. Danieletto

Leia mais

APLICAÇÃO ÁGUA SALGADA INDÚSTRIA

APLICAÇÃO ÁGUA SALGADA INDÚSTRIA 1. Introdução A Saint-Gobain Canalização possui uma gama completa de produtos para transporte de fluidos, como: Tubos, Conexões, Válvulas Tampões e Acessórios, fabricados em ferro fundido dúctil conforme

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 MÓDULO ESCORAMENTO 5 MOS ESPECIFICAÇÕES REVISÃO 2 PÁGINA 1/9 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 2 0502 ESCORAMENTO METÁLICO...

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 192

Norma Técnica SABESP NTS 192 Norma Técnica SABESP NTS 192 Conexões de compressão para junta mecânica para tubos de polietileno ou PVC, para redes de distribuição, adutoras ou linhas de esgoto pressurizadas. Especificação São Paulo

Leia mais

Ligação Predial. Benefícios. Função e Aplicação. Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas. UMC Unidade de Medição e Controle 3/4.

Ligação Predial. Benefícios. Função e Aplicação. Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas. UMC Unidade de Medição e Controle 3/4. Ligação Predial Tê de Serviço e Colar de Tomadas Contra Perdas Fazer a derivação da rede, com ou sem carga, para a instalação do ramal predial em redes de distribuição de água e rede da água em indústrias.

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE VÁLVULAS DE FF, PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS DO SES DO MUNICÍPIO

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 165

Norma Técnica Sabesp NTS 165 NTS 165 Instalação da Unidade de Medição de Água - UMA (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h a 5,0 m 3 /h) Procedimento São Paulo Setembro: 2017 - revisão 06 S U M Á R I O 1. OBJETIVO... 1 2. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2016 - revisão 1 S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO... 1 2 OBJETIVO... 1 3 CAMPO DE APLICAÇÃO... 1 4 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Segurança Melhorada Para Redes De Abastecimento De Gás

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Segurança Melhorada Para Redes De Abastecimento De Gás PIPES FOR LIFE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Segurança Melhorada Para Redes De Abastecimento De Gás INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO Série do tipo GS Fig. 19 Geral Estes tipos de Pipelife Gas-Stop

Leia mais

MÓDULO LINHAS DE EFLUENTES INDUSTRIAIS

MÓDULO LINHAS DE EFLUENTES INDUSTRIAIS MÓDULO 7 7.1 LINHAS DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Nas aplicações industriais há diversas utilidades onde os tubos poliolefínicos apresentam-se como ótima solução técnica-econômica, quais sejam: Redes e Adutoras

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 01 V E L K I F A C I L I T A O S E U T R A B A L H O ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VKF-621 Chave de Fluxo Tipo Palheta Fixa DESCRIÇÃO O Chave de Fluxo Tipo Palheta Fixa foi projetado para atender às aplicações

Leia mais

26º Encontro Técnico da AESabesp. Descobrindo como fazer pitometria em tubulações de Polie7leno PE 100

26º Encontro Técnico da AESabesp. Descobrindo como fazer pitometria em tubulações de Polie7leno PE 100 26º Encontro Técnico da AESabesp Descobrindo como fazer pitometria em tubulações de Polie7leno PE 100 São Paulo, 05 de agosto de 2015 Histórico O que é pitometria? Pitometria tem sua origem no tubos Pitot,

Leia mais

DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS

DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS CATÁLOGO DE PEÇAS SOLUÇÕES PARA CONDUÇÃO DE FLUIDOS UNIKAP GRANDES OBRAS TÊM! A Unikap atua especialmente no segmento da construção civil - em instalações e sistemas hidráulicos prediais, residenciais,

Leia mais

PREDIAL ÁGUA QUENTE PPR-3 (11) (11) MORELI REPRESENTAÇÕES

PREDIAL ÁGUA QUENTE PPR-3 (11) (11) MORELI REPRESENTAÇÕES 25 Ficha Técnica de Produtos PREDIAL ÁGUA QUENTE Descrição São Tubos e Conexões de Polipropileno Copolímero Random Tipo 3 () para condução de água quente e fria nas instalações hidráulicas, desenvolvidos

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: RC SAP 0010069675 Objeto: AQUISIÇÃO DE VÁLVULAS GAVETA PARA O SISTEMA DE ÁGUA

Leia mais

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis

DOSSIÊ TÉCNICO. Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis DOSSIÊ TÉCNICO Armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis Indexadores: Combustível; Inflamável; Armazenamento; Tanque; Recipiente; Tambores São Paulo, 01 de Julho de 2016. 1. RESULTADO FORNECIDO

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO Características técnicas Temperatura trabalho: -20 C a +70 C Pressão de trabalho: -0,13 a 13 bar Material: Tubo de alumínio estrudado

Leia mais

ACESSÓRIOS E VÁLV. P/ PRESSÃO EM PVC CH-CORAPLAX

ACESSÓRIOS E VÁLV. P/ PRESSÃO EM PVC CH-CORAPLAX ACESSÓRIOS E VÁLV. P/ PRESSÃO EM PVC CH-CORAPLAX COLAR ACESSÓRIOS E VÁLVULAS PARA PRESSÃO EM PVC Joelho 90º 0362501 20 0,24 0362502 25 0,29 0362504 32 0,45 0362506 40 0,64 0362508 50 0,83 0362510 63 1,29

Leia mais

Projeto Norma Técnica SABESP PNTS 170

Projeto Norma Técnica SABESP PNTS 170 Projeto Norma Técnica SABESP PNTS 170 Desobstrução e Limpeza de Sistemas de Esgoto Especificação São Paulo Julho - 2005 NTS 170 : 2005 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O INTRODUÇÃO...1 1 OBJETIVO...1 2

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

C ATÁLOGO DE PRODUTOS SANEAMENTO E PREDIAL

C ATÁLOGO DE PRODUTOS SANEAMENTO E PREDIAL C ATÁLOGO DE PRODUTOS SANEAMENTO E PREDIAL 2 GRUPO ASPERBRAS NOSSA HISTÓRIA O GRUPO ASPERBRAS RECONHECIMENTO NACIONAL ASPERBRAS HOJE 966 985 206 O Grupo Asperbras começou sua história com o talento e a

Leia mais

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total

Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total Item/Descrição Planilha de Orçamento SIMPLIFICADA Qtd. Un Valor Unit. R$ Total 1. PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso financ. Total de PLANEJAMENTO OBRA E LOGÍSTICA - Etapa sem desembolso

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Tubos e conexões para Transporte de polpa. DN 80 a 1200

Tubos e conexões para Transporte de polpa. DN 80 a 1200 Tubos e conexões para Transporte de polpa DN 80 a 1200 TUBOS E CONEXÕES DE FERRO FUNDIDO DÚCTIL PARA TRANSPORTE DE POLPA DURABILIDADE RAPIDEZ NA INSTALAÇÃO REVESTIMENTO INTERNO CUSTOMIZADO FÁCIL MANUTENÇÃO

Leia mais

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS

MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS: LIGAÇÕES ROSQUEADAS LIGAÇÕES SOLDADAS LIGAÇÕES FLANGEADAS LIGAÇÕES DE PONTA E BOLSA OUTROS SISTEMAS Ligações de compressão Ligações patenteadas FATORES QUE INTERFEREM

Leia mais

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água

Treinamento para Auditores Qualinstal GT Água Qualinstal GT Água 04/12/2015 Eng. José Rabelo Filho Tema: Interpretação de projeto e execução (interpretação check-list) 1 Objetivo: Dar subsídios para uma Auditoria, com foco na execução Estágio das

Leia mais

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25

Laboratório de Sistemas Hidráulicos. Aula prática S25 Laboratório de Sistemas Hidráulicos Aula prática S25 Relação entre áreas Vazão X Velocidade 1ª Verificação Aeração e Cavitação Cavitação Entende-se por cavitação a formação temporária de espaços vazios

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 07.0069.0011.0 ADESIVO TUBOS/CONEXOES PVC RIGIDO BISNAGA COM 90 CM3 (SOLDA RAPIDA) UTILIZACAO: INSTALACOES PREDIAIS DE AGUA FRIA NORMA: NBR 5648 APLICACAO: EXECUCAO DE JTA SOLDAVEL DE TUBOS/CONEXOES

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Hospital Paranoá Novas Instalações Código do Projeto: 1089-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

GF Piping Systems. Um acoplamento com travamento axial para todos os diâmetros de tubos DN50 - DN600 MULTI/JOINT 3000 Plus

GF Piping Systems. Um acoplamento com travamento axial para todos os diâmetros de tubos DN50 - DN600 MULTI/JOINT 3000 Plus GF Piping Systems Um acoplamento com travamento axial para todos os diâmetros de tubos DN50 - DN600 MULTI/JOINT 3000 Plus MULTI/JOINT 3000 Plus No seu dia a dia de trabalho, você deve encontrar tubulações

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAIS VOLUME III MATERIAIS DE PVC/PP/PE TOMO V TUBO DE PVC/PP/PE JUNHO/2015 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS CATÁLOGO TÉCNICO DE MATERIAS

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO 7. 168 13 14 1 12 13 14 Tubo Joelho 90 Tê Adaptador ador para bico 12 1 COMBATE E PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO 7 A linha de tubos e conexões foi desenvolvida para condução de água

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais