PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS"

Transcrição

1 PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS Autores: Thais de Oliveira Fortes (PIBIC/CNPq) 1, Francisco Armando de Azevedo Souza (Orientador) 2, Emília de Paiva Porto 2, Marcia Fornasieri Domingos 3 Acadêmica da Universidade Estadual do Norte do Paraná/Campus Luiz Meneghel 1 Docente da Universidade Estadual do Norte do Paraná 2 Docente da Universidade do Norte Paranaense 3 Medicina Veterinária, Medicina Veterinária Preventiva. Palavras-chave: Hiperlipêmia, Jumentos Pêga, Doenças Metabólicas. Resumo Foram coletadas amostras de sangue de 131 jumentos da raça Pêga, hígidos de ambos os sexos, com o objetivo de dosar os valores séricos de triglicerídeos e colesterol, e avaliar a influência da idade, sexo e estado reprodutivo das jumentas. Do total de animais, 96 eram fêmeas e 35 eram machos e foram divididos em grupos de acordo com a faixa etária: animais abaixo de um ano; de 1 a 3 anos; de 4 a 6 anos; de 7 a 9 anos e maiores de 9 anos. O estado reprodutivo das jumentas foi separado em categorias: 39 gestantes, 10 gestantes/paridas, 2 paridas, 29 vazias (não prenhes), 11 cobertas e 5 paridas/cobertas. Os resultados foram analisados estatisticamente pelo teste de Tukey 5% e os valores obtidos foram comparados entre os grupos. Os valores séricos de triglicerídeos apresentaram diferenças em relação ao sexo e ao estado reprodutivo das jumentas, sendo significativos para os machos e para as gestantes. Enquanto para os valores séricos de colesterol não houve diferenças nos grupos estudados. Introdução O Brasil possui o maior rebanho de equinos na América latina e ocupa o terceiro lugar mundial (MAPA, 2015), com 8,4 milhões de equídeos, sendo 5,9 milhões de equinos, 1,3 milhões de muares e 1,2 milhões de asininos. O agronegócio dos equídeos gera em torno de 642,5 mil empregos (CNA, 2006). A região nordeste possui o maior número de registro de asininos e muares (MAPA, 2015). Entretanto as pesquisas com os jumentos da raça Pêga, ainda são escassas no Brasil. Tem-se observado na literatura que os valores de referência utilizados para esses animais são valores clínicos de cavalos (DUGAT et al. 2010), o que não é válido (DE ALUJA et al. 2001). É importante ter um padrão de referência específico para raça em estudo para que se possa de forma correta e eficaz diagnosticar doenças e aplicar tratamentos de acordo com as características do organismo animal. Apesar da falta de material de referência nesse assunto, especificamente do jumento da raça Pêga, o intuito desse trabalho foi avaliar os níveis séricos de triglicerídeos e colesterol desses animais, comparando com outros valores pesquisados na literatura de equídeos, a fim de estimar valores padrões para essa raça.

2 Material e métodos Foi coletado sangue por punção da veia jugular de 131 jumentos da raça Pêga, hígidos, de ambos os sexos, que estavam em jejum de no mínimo de 7 horas. Os animais foram divididos de acordo com o sexo, faixa etária e estado reprodutivos das jumentas. Após a coleta o material foi processado por centrifugação até a obtenção do soro sobrenadante que então foi dosado a partir dos kits comercias de colesterol e triglicerídeos. Os dados passaram por análises estatísticas pelo teste de Tukey com nível de significância de 5%. Resultados e Discussão A influência do sexo foi significativa para os valores de triglicerídeos (Tabela 1), no entanto não houve diferença nos valores séricos do colesterol (Tabela 2). Tabela 1: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do triglicerídeo de TRIGLICERÍDEOS Sexo Média(mg/dL) Desvio Máximo Mínimo CV (%) n Macho 62,97 b 30, ,03 35 Fêmea 97,85 a 121, ,5 124,01 96 a e b na mesma coluna indicam valores significativamente diferentes (p<0,05) Tabela 2: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol de COLESTEROL Sexo Média(mg/dL) Desvio Máximo Mínimo CV (%) n Macho 70,91 a 16, ,83 35 Fêmea 69,64 a 17, ,66 96 Entretanto ALVES et al. (2008) quando trabalharam com jumentos brasileiros obtiveram resultados diferentes tanto para triglicerídeos quanto para colesterol, que pode ser justificado pela utilização de animais mestiços. Quanto a influência da faixa etária de machos e fêmeas, não se observou diferenças nos valores de triglicerídeos (Tabela 3) e de colesterol (Tabela 4). Tabela 3: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de IDADE (MACHO + FÊMEA) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1ano) 88,91 a 21,54 124, ,22 6 II (1 a 3 anos) 92,82 a 125, ,46 50 III (4 a 6 anos) 75,80 a 52, ,5 69,16 38 IV (7 a 9 anos) 69,30 a 65, ,5 94,34 18 V (10 a 12 anos) 120,81 a 162, ,84 19

3 Tabela 4: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de IDADE (MACHO + FÊMEA) COLESTEROL I (abaixo de 1ano) 72,33 a 14, ,66 6 II (1 a 3 anos) 74,26 a 20, ,92 50 III (4 a 6 anos) 75,80 a 52, ,16 38 IV (7 a 9 anos) 69,30 a 65, ,34 18 V (10 a 12 anos) 120,81 a 162, ,84 19 Quanto a influência da faixa etária no grupo de fêmeas nos valores séricos de triglicerídeos (Tabela 5) e colesterol (Tabela 6) de jumentos da raça Pêga, não houve diferenças nos valores estudados. Tabela 5: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de jumentas da raça Pêga. IDADE (FÊMEA) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1 ano) 1 II (1 a 3 anos) 116,04 a 152, ,29 32 III (4 a 6 anos) 76,03 a 52, ,5 68,90 33 IV (7 a 9 anos) 69,28 a 73, ,5 105,83 14 V (10 a 12 anos) 131,34 a 176, ,19 16 Tabela 6: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol nos diferentes grupos de acordo com a faixa etária de jumentas da raça Pêga. IDADE (FÊMEA) COLESTEROL I (abaixo de 1 ano) 1 II (1 a 3 anos) 75,15 a 23, ,33 32 III (4 a 6 anos) 66,54 a 13, ,01 33 IV (7 a 9 anos) 69,92 a 10, ,52 14 V (10 a 12 anos) 65,43 a 16, ,72 16 Em relação ao grupo de machos não foi encontrado diferenças nos valores séricos de triglicerídeos (Tabela 7) e colesterol (Tabela 8) analisados.

4 Tabela 7: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de jumentos machos da raça Pêga. IDADE (MACHO) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1 ano) 86,70 a 23,30 124, ,88 5 II (1 a 3 anos) 51,52 a 20,43 95, ,65 18 III (4 a 6 anos) 74,30 a 58, ,24 5 IV (7 a 9 anos) 69,37 a 30,42 111, ,01 4 V (10 a 12 anos) 64,66 a 16, ,75 3 Tabela 8: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol nos diferentes grupos de acordo com a faixa etária de IDADE (MACHO) COLESTEROL I (abaixo de 1 ano) 75,00 a 15, ,04 5 II (1 a 3 anos) 72,66 a 14, ,58 18 III (4 a 6 anos) 65,60 a 18, ,64 5 IV (7 a 9 anos) 68,00 a 25, ,56 4 V (10 a 12 anos) 66,33 a 26, ,20 3 Os valores de triglicerídeos (Tabela 9) em jumentas de acordo com o estado reprodutivo apresentaram diferenças. Por sua vez para os valores séricos para o colesterol (Tabela 10) não houve diferença entre os grupos de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. Tabela 9: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do triglicerídeo de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. TRIGLICERÍDEOS Gestante 137,75 a 175, ,30 39 Coberta 92,72 ab 38,35 155,5 34,5 41,36 11 Vazia 83,94 ab 43, ,69 29 Gestante/Parida 36,00 b 48, ,5 134,08 10 Parida/Coberta 29,57 b 22,44 64,5 9,5 75,88 7 a, b e ab na mesma coluna indicam valores significativamente diferentes (p<0,05) Tabela 10: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. COLESTEROL Gestante 65,56 a 12, ,81 39 Coberta 78,45 a 21, ,96 11 Vazia 73,13 a 22, ,79 29 Gestante/Parida 63,80 a 12, ,05 10 Parida/ Coberta 72,42 a 18, ,96 7

5 GIRARDI (2012) encontrou diferenças em jumentas da raça Pêga adultas com prenhez e não prenhes, sendo os valores de triglicerídeos maiores nas com prenhez. Entretanto não encontrou diferenças nos valores séricos de colesterol. Conclusões Considerando os objetivos propostos, os resultados obtidos neste experimento, permitem concluir que: 1-O sexo exerce influência sobre os valores de triglicerídeos. 2- A idade, independentemente do sexo, não exerce influência nos valores séricos dos triglicerídeos e do colesterol. 3- o estado reprodutivo exerce influência nos valores de triglicerídeos. 4- Os valores de triglicerídeos e colesterol observados no trabalho tiveram variações ao se comparar com a literatura pesquisada, que podem estar relacionadas aos diferentes manejos, ambientes, espécies e raças trabalhadas. Referências ALVES, Lorenna Marques Dias. INFLUÊNCIA DA IDADE E SEXO SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE JUMENTOS DA RAÇA BRASILEIRA; Dissertação (Mestrado em Genética e Bioquímica), Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de genética e bioquímica. Pós Graduação em genética e bioquímica, Uberlândia, CNA. Estudo do complexo do agronegócio cavalo no Brasil: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada ESALQ-USP/Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, 70p, Coletânea Estudos Gleba, 40, DE ALUJA, A. S.; BOUDA, J.; LÓPEZ, A.C.; CHAVIRA, H. H. Valores bioquímicos em sangue de burros antes y después del trabajo. Veterinaria Mexico, Ciudad de Mexico, v. 32, n. 4, p , DUGAT S. L., TAYLOR T.S., MATTHEWS, N.S.; GOLD, J. Values for Triglycerides, Insulin, Cortisol, and ACTH in a Herd of Normal Donkeys. Journal of Equine Veterinary Science v. 30, n. 3, GIRARDI, Annita Morais. Parâmetros hematológicos e bioquímicos séricos de jumentos (Equus asinus) da raça pêga; Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinária, Jaboticabal- SP, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Equídeos. Acesso em 20 de maio de 2015.

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES INFLUÊNCIA DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA AMOSTRA SOBRE OS PARÂMETROS HEMATOLÓGICOS DE CÃES Liamara A. LEIDENTZ, Daiane LAZAROTTO. Orientador: Wanderson A. B. Pereira. Introdução O hemograma é um dos exames

Leia mais

ANÁLISE DO GANHO DE PESO DE LEITÕES NO PERÍODO DE CRECHE SOB EFEITO DE TERAPIA HOMEOPÁTICA

ANÁLISE DO GANHO DE PESO DE LEITÕES NO PERÍODO DE CRECHE SOB EFEITO DE TERAPIA HOMEOPÁTICA ANÁLISE DO GANHO DE PESO DE LEITÕES NO PERÍODO DE CRECHE SOB EFEITO DE TERAPIA HOMEOPÁTICA Aline Emilia da Silva 1 ; Tânia Mara Baptista dos Santos 2 1 Estudante do Curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO

AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO AVALIAÇÃO DO CONSUMO E PESO DE BEZERROS DA RAÇA GIROLANDO ALIMENTADOS COM CONCENTRADO FARELADO OU PELETIZADO DURANTE A FASE DE ALEITAMENTO FERREIRA, F.O.B. 1 ; BARBOSA, K.A. 1 ; SENE, G.A. 1 ; JAYME, D.G.

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 01/2009 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: SEMESTRAL/PARCIAL ( ) FINAL/CONCLUSÃO

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo

Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo Ajuste de distribuições para preços recebidos pelos agricultores de soja da cidade de São Paulo 1 Introdução Kamylla Rodrigues Leandro 1 Marcelo Tavares 2 No Brasil, a atividade agrícola destaca pela participação

Leia mais

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL

COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL COMPORTAMENTO SEXUAL DE CARNEIROS NATIVOS PANTANEIROS EM MATO GROSSO DO SUL Cesar Miazzi1; Charles Ferreira Martins; Carlos Eurico Fernandes3; Amanda Tosta Carneiro ; Guilherme dos Santos Pinto ; Fernando

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliações de parâmetros hematológicos e bioquímicos do sangue de frango de corte na fase de 22 a 42 dias alimentados com diferentes níveis de farinha do mesocarpo do babaçu Ariane de Sousa Rodrigues 1

Leia mais

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS

MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS MÉTODOS ALTERNATIVOS DE MUDA FORÇADA EM POEDEIRAS COMERCIAIS Larissa O. CARVALHO 1 ; Renata M. de SOUZA²; Alexandre T. FERREIRA 3 ; Jonathan MENDES 4 ; Hemerson J. ALMEIDA 5 RESUMO Foi realizado experimento

Leia mais

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR 317 USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR Lucas Reis Vieira¹, Giancarlo Magalhães dos Santos², Gilberto Guimarães Lourenço³

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina ZOO437 Produção de Bovinos de Corte

Programa Analítico de Disciplina ZOO437 Produção de Bovinos de Corte 0 Programa Analítico de Disciplina ZOO37 Produção de Bovinos de Corte Departamento de Zootecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba

Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba Leandro Pereira Lima 1, Rafael Costa Oliveira Coelho 2, João Rodrigo Santos Dantas 2, Igor Araújo Ferraz 3, Amanda dos

Leia mais

Treinamento RLM Corte 2014

Treinamento RLM Corte 2014 Treinamento RLM Corte 2014 Campo Grande - MS 12 e 13 de Novembro de 2014 Patrocinador Introdução Desenvolvido na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ, USP, Piracicaba, este software formula

Leia mais

Palavras-Chave Imprint metabolico, obesidade, perfil fenotipico.

Palavras-Chave Imprint metabolico, obesidade, perfil fenotipico. EFEITO DA DISPONIBILIDADE AUMENTADA DA AMAMENTAÇÃO DURANTE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO EM UM NÚMERO REDUZIDO DE RATOS Alessandra Hilgemberg (PIBIC/UEPG), José Rosa Gomes (Orientador). Universidade

Leia mais

PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS

PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS OLIVEIRA, P. Douglas* 1 ; DOS SANTOS, Carlos Anselmo 1 ; PAGANELA, Julio César 1 ; PAZ, Cahue. 1 ;FLÓRIO, Gabriel De Marco 1 ; NOGUEIRA, Carlos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=580>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Curva de crescimento para peso em potros da raça Quarto de Milha Patrícia Ferrari Viana

Leia mais

DÁCIO DE CASTRO DIAS. Hematologia e bioquímica sérica em muares

DÁCIO DE CASTRO DIAS. Hematologia e bioquímica sérica em muares DÁCIO DE CASTRO DIAS Hematologia e bioquímica sérica em muares Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Clínica Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DE ALGUNS FACTORES QUE INFLUENCIAM AS PONTUAÇÕES ATRIBUÍDAS NA ADMISSÃO AO LIVRO DE ADULTOS DO CAVALO PURO SANGUE LUSITANO

ESTUDO PRELIMINAR DE ALGUNS FACTORES QUE INFLUENCIAM AS PONTUAÇÕES ATRIBUÍDAS NA ADMISSÃO AO LIVRO DE ADULTOS DO CAVALO PURO SANGUE LUSITANO ESTUDO PRELIMINAR DE ALGUNS FACTORES QUE INFLUENCIAM AS PONTUAÇÕES ATRIBUÍDAS NA ADMISSÃO AO LIVRO DE ADULTOS DO CAVALO PURO SANGUE LUSITANO Santos R. 1, Recto R. 1 y Ralão Duarte R 2 1 Escola Superior

Leia mais

DETERM INAÇÃO DO TEO R N O RM AL DE COLES TEROL TO T A L NO SÔRO SANGUÍNEO DE CAVA LOS P. S. I. DE CORRIDA

DETERM INAÇÃO DO TEO R N O RM AL DE COLES TEROL TO T A L NO SÔRO SANGUÍNEO DE CAVA LOS P. S. I. DE CORRIDA IN S T IT U T O DK B IO Q U ÍM IC A. DA U N IV E R SID AD E DO P A R A N A DKPAKTAMKNTd I>K TKItAPKl TII A, KAKMACODINÂMICA, TOMCOMHilA A ARTK l»k KOK Ml I.AR I)A KSCOI.A SIPKKIOR 1)K AGKICt LTURA K v

Leia mais

O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO

O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO É DESTINADO PARA ATENDER OS PRATICANTES DOS ESPORTES HIPICOS COMO: SALTO, ADESTRAMENTO E CONCURSO COMPLETO. É A ÚNICA RAÇA QUE ATENDE TODAS

Leia mais

TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1

TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1 575 TEORES DE GORDURA E PROTEÍNA DO LEITE CRU REFRIGERADO INDIVIDUAL E COMUNITÁRIO DE PROPRIEDADES RURAIS DO VALE DO RIO DOCE (MG) 1 Thales Marcondes Ferreira Santos 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Jéssica

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Título do Projeto: Frequência dos tipos sanguíneos A, B e AB dos felinos domésticos da encaminhados para o Hospital Veterinário UNISUL Área de Conhecimento

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO Andreza Jardelino da Silva 1,Ednário B. de Mendonça 2, Márcia Marciele dos Santos Silva 3, Kleber N. N. O. Barros 4 Departamento de Estatística,

Leia mais

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS ESTIMATIVA DA QUANTIDADE E DESTINO DE RESÍDUOS ORGÂNICOS DE AVIÁRIOS PRODUZIDOS NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Fabio César Bratti 1, Laércio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA ANTI-HELMÍNTICA EM REBANHO OVINO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA ANTI-HELMÍNTICA EM REBANHO OVINO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA ANTI-HELMÍNTICA

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COGNITIVO NO COMPORTAMENTO E BEM ESTAR DE EQUINOS

INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COGNITIVO NO COMPORTAMENTO E BEM ESTAR DE EQUINOS INFLUÊNCIA DO ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL COGNITIVO NO COMPORTAMENTO E BEM ESTAR DE EQUINOS Acácio GONÇALVES NETTO 1 ; Yago D. GOVEIA 2 ; Daiane M. SILVA 3 ; Maria de L. L. BRAGION 4 RESUMO Alguns animais

Leia mais

Código Disciplina/Pré Requisito Caráter Créditos. VET02233 ECOLOGIA APLICADA À VETERINÁRIA Obrigatória 2 30

Código Disciplina/Pré Requisito Caráter Créditos. VET02233 ECOLOGIA APLICADA À VETERINÁRIA Obrigatória 2 30 Período Letivo: 2016/2 Curso: MEDICINA VETERINÁRIA Habilitação: MEDICINA VETERINÁRIA Currículo: MEDICINA VETERINÁRIA Créditos Obrigatórios: 293 Créditos Eletivos: 0 Créditos Complementares: 6 Total: 299

Leia mais

ESTUDO DA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE SEMENTE DE UVA DA VARIEDADE BORDÔ POR PRENSAGEM

ESTUDO DA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE SEMENTE DE UVA DA VARIEDADE BORDÔ POR PRENSAGEM ESTUDO DA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE SEMENTE DE UVA DA VARIEDADE BORDÔ POR PRENSAGEM Maraísa Lopes de Menezes 1 Nehemias Curvelo Pereira 2 Resumo: O Brasil, com sua economia fortemente baseada na agricultura,

Leia mais

Grade Curricular - Medicina Veterinária

Grade Curricular - Medicina Veterinária Grade Curricular - Medicina Veterinária SEMESTRE 1 0100111 Introdução ao Estudo da Medicina Veterinária I 3 0 3 BIO0225 Genética e Evolução 4 0 4 BMC0115 Biologia Celular, Tecidual I e do Desenvolvimento

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG

Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Qual o delineamento e quantas observações devo considerar em meu projeto? Ivan Barbosa Machado Sampaio Professor Emérito Escola de Veterinária - UFMG Após 45 dias sob mesmo manejo... Foram selecionados

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Faculdade de Medicina Veterinária PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini 1800: Sir William Herschel Ciarlini@fmva.unesp.br Bons jovens têm sonhos ou disciplina. Jovens brilhantes têm

Leia mais

ANOVA - parte I Conceitos Básicos

ANOVA - parte I Conceitos Básicos ANOVA - parte I Conceitos Básicos Erica Castilho Rodrigues 9 de Agosto de 2011 Referências: Noções de Probabilidade e Estatística - Pedroso e Lima (Capítulo 11). Textos avulsos. Introdução 3 Introdução

Leia mais

ESTRUTURA DA POPULAÇÃO DE BOVINOS INDUBRASIL E SINDI: RESULTADOS PRELIMINARES

ESTRUTURA DA POPULAÇÃO DE BOVINOS INDUBRASIL E SINDI: RESULTADOS PRELIMINARES ESTRUTURA DA POPULAÇÃO DE BOVINOS INDUBRASIL E SINDI: RESULTADOS PRELIMINARES F.J.C. Faria 1, A.E. Vercesi Filho 1, F.E. Madalena 1, L.A. Josahkian 2 1 Depto. de Zootecnia - Escola de Veterinária da UFMG

Leia mais

COMPONENTE CURRICULAR

COMPONENTE CURRICULAR U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE COMPONENTES CURRICULARES COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO MEV-142 NOME CAPRINOCULTURA

Leia mais

BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE. Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG

BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE. Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG BOVINOS RAÇAS PURAS, NOVAS RAÇAS, CRUZAMENTOS E COMPOSTOS DE GADO DE CORTE Moderador: Prof. José Aurélio Garcia Bergmann UFMG PAPEL DOS CRUZAMENTOS ENTRE RAÇAS DE CORTE Pedro Franklin Barbosa Embrapa -

Leia mais

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA

CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA 1 CONTROLE ZOOTÉCNICO - TÉCNICA EFICIENTE E NECESSÁRIA O mercado de leite no Brasil é historicamente conhecido por apresentar tendências instáveis e impondo, principalmente, estreitas margens ao produtor.

Leia mais

PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS

PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS PREVALÊNCIA DE MYCOPLASMAGALLISEPTICUM EM FRANGOS DA REGIÃO DA GRANDE ARAGUAÍNA, ESTADO DO TOCANTINS Aléxia Lohanna Monteiro Lima¹; Francisco Baptista² 1 Aluna do Curso de Medicina Veterinária; Campus

Leia mais

CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E BACTERIANAS DO LEITE CRU REFRIGERADO CAPTADO EM TRÊS LATICÍNIOS DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (MG)

CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E BACTERIANAS DO LEITE CRU REFRIGERADO CAPTADO EM TRÊS LATICÍNIOS DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (MG) 131 CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS E BACTERIANAS DO LEITE CRU REFRIGERADO CAPTADO EM TRÊS LATICÍNIOS DA REGIÃO DA ZONA DA MATA (MG) Gilmara Cláudia Bordoni Silva 1, Ricardo Celes Maia 2, Adriano França

Leia mais

Efeito da idade da vaca sobre o peso ao nascimento e peso à desmama de bovinos da raça Aberdeen Angus

Efeito da idade da vaca sobre o peso ao nascimento e peso à desmama de bovinos da raça Aberdeen Angus Efeito da idade da vaca sobre o peso ao nascimento e peso à desmama de bovinos da raça Aberdeen Angus Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: BIEGELMEYER, Patrícia; MENEZES,

Leia mais

Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso

Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso São Paulo, 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Orientador: Prof. Dr. José Soares Ferreira Neto Secretaria de

Leia mais

ESCOLHA DO TESTE ESTATÍSTICO

ESCOLHA DO TESTE ESTATÍSTICO Curso de Medicina Veterinária ECOLHA DO TETE ETATÍTICO Prof. Adjunto Paulo César Ciarlini ciarlini@fmva.unesp.br inutilidadeson.blogspot.com UEP CICLO DO MÉTODO CIETÍFICO UEP Observação crítica de fatos

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica ) e o método imunocastração. Palavras-chave: suínos imunocastrados, vacina anti-gnrh, castração cirúrgica.

Leia mais

RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO

RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO BOVINOS MACHO SIM BOVINOS MACHO SIM EQUINOS FEMEA NÃO EQUINOS FEMEA NÃO OVINOS CASTRADO PRENHA CAT Nº M D OVINOS CASTRADO PRENHA CAT Nº M D RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano.

Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano. Avaliação e caracterização do perfil da genitália feminina de bovinos Nelore e mestiços do oeste goiano. Beatriz Barbosa Coutinho 1 (IC)*, Joyce Caroliny dos Santos Lopes 1 (PG), Camila da Silva Castro

Leia mais

LEVANTAMENTO DO ÍNDICE DE GLICEMIA EM COELHOS (ORYCTOLAGUS CUNÍCULUS)

LEVANTAMENTO DO ÍNDICE DE GLICEMIA EM COELHOS (ORYCTOLAGUS CUNÍCULUS) LEVANTAMENTO DO ÍNDICE DE GLICEMIA EM COELHOS (ORYCTOLAGUS CUNÍCULUS) Elizabete Soares Cotrim 1, Janaína Araújo Bonfim 1, Valtânia Xavier Nunes 1, Arão Cardoso Viana 2, Mariana Texeira Rodrigues Vila 3,

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO

XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO BOVINOS Biotecnologia da Reprodução - Novas Tendências Manejo de Pastagens X Reprodução X Nutrição Dr. Cirilo GPec - UNB Manejo Nutricional

Leia mais

Manejo Reprodutivo. Introdução. Manejo do Garanhão. Garanhão. Égua. facilitar o manejo durante a estação número de éguas a serem cobertas.

Manejo Reprodutivo. Introdução. Manejo do Garanhão. Garanhão. Égua. facilitar o manejo durante a estação número de éguas a serem cobertas. Manejo Reprodutivo Prof. Me. Diogo Gaubeur de Camargo Introdução Garanhão Égua Vazia; Prenhe; Parida. Manejo do Garanhão facilitar o manejo durante a estação número de éguas a serem cobertas. exames físicos

Leia mais

CidadeUniversitáriaPauloIV Tirirical - SãoLuís/MA. Fone: (98) /site:

CidadeUniversitáriaPauloIV Tirirical - SãoLuís/MA. Fone: (98) /site: A Epidemiologia da Brucelose Bovina no Estado do Maranhão nos anos de 2010 a 2014. Ana Elvira Ribeiro de Oliveira 1, Aulino Barbosa Lopes Filho 2 ¹Bacharel em Enfermagem e Graduanda em Medicina Veterinária

Leia mais

CEMEQ/UNICENTRO Centro em Medicina Equina da UNICENTRO

CEMEQ/UNICENTRO Centro em Medicina Equina da UNICENTRO CEMEQ/UNICENTRO Centro em Medicina Equina da UNICENTRO Área Temática: Meio Ambiente. Autor(es): Ana Carolina Fanhani de Arruda Botelho (PIAE) 1, Adriano Felipe Mendes 2 (UNICENTRO), Karen Regina Lemos

Leia mais

TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO

TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO TEAZ Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia PLANO DE ENSINO II EMENTA Principais delineamentos experimentais usados em pesquisas zootécnicas. Condução de pesquisas e análises estatísticas mais utilizadas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS RESUMO

AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS RESUMO AVALIAÇÃO DA TAXA DE FILTRAÇÃO GLOMERULAR EM CÃES OBESOS Lidia Maria Melo (¹); Drª. Angela Akamatsu(²) ¹ Monitora do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário de Itajubá- FEPI, na área de Diagnóstico

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS CAMPUS CEDETEG, GUARAPUAVA, PR EDITAL nº 05/2017-PPGA/UNICENTRO ABERTURA DE MATRÍCULA PARA VAGAS REMANESCENTES NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM AGRONOMIA MESTRADO E DOUTORADO, ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Componentes de Produção de Seis Cultivares de Milho na Região de Pompéia - SP. Elvio Brasil Pinotti 1, Silvio José

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS

EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS EFEITO DE DIFERENTES REVESTIMENTOS SOBRE A QUALIDADE DE OVOS DE POEDEIRAS COMERCIAIS ARMAZENADOS SOB REFRIGERAÇÃO POR 28 DIAS Gislaine Paganucci Alves¹; Cinthia Eyng²; Valdiney Cambuy Siqueira²; Rodrigo

Leia mais

INIBIÇÃO DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO DE GUARIROBA MINIMAMENTE PROCESSADA

INIBIÇÃO DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO DE GUARIROBA MINIMAMENTE PROCESSADA INIBIÇÃO DO ESCURECIMENTO ENZIMÁTICO DE GUARIROBA MINIMAMENTE PROCESSADA Fernanda Pinheiro dos Santos¹, Elisângela Elena Nunes Carvalho², Bruno de Oliveira Garcia³. 1 Aluna do Curso de Engenharia de Biotecnologia

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DO PESO CORPORAL E DO COMPORTAMENTO DE CÃES APÓS OVÁRIO-HISTERECTOMIA E ORQUIECTOMIA ELETIVA. Introdução

ANÁLISE DA VARIAÇÃO DO PESO CORPORAL E DO COMPORTAMENTO DE CÃES APÓS OVÁRIO-HISTERECTOMIA E ORQUIECTOMIA ELETIVA. Introdução 49 ANÁLISE DA VARIAÇÃO DO PESO CORPORAL E DO COMPORTAMENTO DE CÃES APÓS OVÁRIO-HISTERECTOMIA E ORQUIECTOMIA ELETIVA Mayra Fonseca Zerlotini 1, Kelly Cristine de Sousa Pontes 2, Rogério Pinto 3 Resumo:

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA 2016

MEDICINA VETERINÁRIA 2016 UNIVERSIDADE ESDUAL DO CENTRO-OES UNICENTRO 1ª SÉRIE 2º SEMESTRE MANHÃ 7h30min Genética Animal (teórica) Genética Animal (teórica) (teórica) Genética Animal 8h20min Clínica Veterinária - Clínica Veterinária

Leia mais

ANUÁRIO DA PRODUÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISCENTE. Mariangela Fernanda Baptistella. Vol. XII, Nº. 13, Ano 2009 RESUMO

ANUÁRIO DA PRODUÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISCENTE. Mariangela Fernanda Baptistella. Vol. XII, Nº. 13, Ano 2009 RESUMO ATIVIDADE SÉRICA DAS ENZIMAS ASPARTATO AMINOTRANSFERASE, CREATINOQUINASE E LACTATO DESIDROGENASE EM EQUINOS SUBMETIDOS A DIFERENTES INTENSIDADES DE EXERCÍCIO ANUÁRIO DA PRODUÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia 1 / 44 Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Variância - ANOVA Referência: Cap. 12 - Pagano e Gauvreau (2004) - p.254 Enrico A. Colosimo/UFMG Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2 / 44

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina AGF473 Produção de Ruminantes

Programa Analítico de Disciplina AGF473 Produção de Ruminantes Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina AGF7 Produção de Ruminantes Campus de Florestal - Campus de Florestal Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas:

Leia mais

FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS

FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS FECHAMENTO DAS PLACAS DE CRESCIMENTO EM EQÜINOS CRIOULOS MATTOSINHO, Rodrigo oliveira DE SOUZA, Wagner do Amaral SANT ANA, Tatiane Marileia Acadêmicos da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS Márcia das Neves Soares (1); Sarah Gomes Pinheiro (1);

Leia mais

TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2013 APRESENTAÇÃO Os programas das Áreas de Concentração

Leia mais

Genética Quantitativa. Recursos Computacionais. Estatística. no Processo da Pesquisa. Desenvolvimento Avícola. Nutrição Manejo. Modelos Estatísticos

Genética Quantitativa. Recursos Computacionais. Estatística. no Processo da Pesquisa. Desenvolvimento Avícola. Nutrição Manejo. Modelos Estatísticos Genética Quantitativa Recursos Computacionais Estatística no Processo da Pesquisa Desenvolvimento Avícola Modelos Estatísticos Nutrição Manejo Genética Quantitativa Definição do Problema Planejamento da

Leia mais

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras.

Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Influências da primiparidade no tamanho ao nascimento, crescimento, eixo somatotrófico e fertilidade em novilhas leiteiras. Apresentadores: Guilherme Nunes Bolzan Igor Santa Bárbara Araújo Orientação:

Leia mais

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Marcelo Pardini Unifeob São João da Boa Vista/SP Maio/2013 Antes de falarmos sobre Marketing... Vamos falar do amor pelos cavalos! EQUINOS NO MUNDO

Leia mais

Avaliação sensorial de requeijão cremoso de diferentes marcas comerciais

Avaliação sensorial de requeijão cremoso de diferentes marcas comerciais Avaliação sensorial de requeijão cremoso de diferentes marcas comerciais Flávia Regina PASSOS 1 ; Welker Denner Bernardes ARAÚJO 2 ; Lorena RIBEIRO 2 ; Rhana Amanda Ribeiro TEODORO 2 ; Regiane Victória

Leia mais

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1

ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 ENGORDA DE LAMBARIS, DO RABO VERMELHO E AMARELO, EM DOIS DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO 1 Meliza Mercedes Uller Antunes 2 ; Karen da Cruz Hartman 3 ; Luis Sérgio Moreira 4 ; Adolfo Jatobá 5 INTRODUÇÃO

Leia mais

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA

Resumo Expandido. Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Resumo Expandido Título da Pesquisa: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA FRIGORÍFICA NA FERTILIZAÇÃO DE PLANTAS FORRAGEIRAS DO GÊNERO BRACHIÁRIA Palavras-chave: brachiária, adubação, conteúdo ruminal.

Leia mais

BIOMETRIA. Profa. Dra. Mõnica Trindade Abreu de Gusmão

BIOMETRIA. Profa. Dra. Mõnica Trindade Abreu de Gusmão BIOMETRIA Profa. Dra. Mõnica Trindade Abreu de Gusmão ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES EM PROBABILIDADE Condicionada por um gene recessivo autossomal (a) Se manifesta na infância Problemas no sistema nervoso

Leia mais

Palavras-chave: Cor da polpa. Textura. Aroma. Sabor. Psidium guajava L.

Palavras-chave: Cor da polpa. Textura. Aroma. Sabor. Psidium guajava L. QUALIDADE SENSORIAL DOS FRUTOS DE CULTIVARES DE GOIABA VERMELHA EM AQUIDAUANA-MS. Laís de Lima Luqui 1 ; Edson Talarico Rodrigues 2 ; Daniel Makoto Kusano 1 ; Ricardo Fernando da Rui 1 ; Kleyton Rezende

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE ABÓBORA E MORANGA CRISTALIZADAS PELO PROCESSO DE AÇUCARAMENTO LENTO.

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE ABÓBORA E MORANGA CRISTALIZADAS PELO PROCESSO DE AÇUCARAMENTO LENTO. AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE ABÓBORA E MORANGA CRISTALIZADAS PELO PROCESSO DE AÇUCARAMENTO LENTO. Nicodemos Braz Junior 1, Gilma Auxiliadora Santos Gonçalves 2, Elisvanir Ronaldo Simões 3, Matheus

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE MANEJO DOS TOUROS LEITEIROS TESTADOS DAS RAÇAS HOLANDÊS E JERSEY DISPONIBILIZADOS NO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE MANEJO DOS TOUROS LEITEIROS TESTADOS DAS RAÇAS HOLANDÊS E JERSEY DISPONIBILIZADOS NO BRASIL DISTRIBUIÇÃO DE CARACTERÍSTICAS DE MANEJO DOS TOUROS LEITEIROS TESTADOS DAS RAÇAS HOLANDÊS E JERSEY DISPONIBILIZADOS NO BRASIL Valdirene Zabot¹, Quêti Di Domenico 2, Marcio Pereira Soares 3, Leila de Genova

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1573 Página 1573 AVALIAÇÃO DE LINHAGENS DE MAMONEIRA NO MUNICÍPIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES/SE Francisco Elias Ribeiro 1 ; Samuel Silva da Mata 1 ; Milena Mascarenhas de Jesus Ribeiro 2 ; Máira Milani 3 1Pesquisador

Leia mais

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.90

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.90 Nome do Documento Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.90 1. Classificação Etária do Rebanho Após a importação do arquivo de carga no DataCollection com os dados de uma propriedade é possível

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS

AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS AVALIAÇÃO DOS TEORES DE ÓLEOS ESSENCIAIS PRESENTES EM PLANTAS AROMÁTICAS FRESCAS E DESIDRATADAS Valéria Cristina Ramalho 1 Denise Andreo 2 Priscila Milene Angelo 3 Neuza Jorge 4 RESUMO Óleos essenciais

Leia mais

Caracterização Fenológica de Cinco Variedades de Uvas Sem. Sementes no Vale do São Francisco [1] Introdução

Caracterização Fenológica de Cinco Variedades de Uvas Sem. Sementes no Vale do São Francisco [1] Introdução Caracterização Fenológica de Cinco Variedades de Uvas Sem Sementes no Vale do São Francisco [1] Emanuel Elder Gomes da Silva [2] Patricia Coelho de Souza Leão [3] Introdução No estudo de novas variedades,

Leia mais

ZOOTECNIA DE EQUINOS. Anelise Hammes Pimentel, M.V., MSc, Doutoranda CPGZ - UFPel. Departamento de Zootecnia Universidade Federal de Pelotas

ZOOTECNIA DE EQUINOS. Anelise Hammes Pimentel, M.V., MSc, Doutoranda CPGZ - UFPel. Departamento de Zootecnia Universidade Federal de Pelotas ZOOTECNIA DE EQUINOS Anelise Hammes Pimentel, M.V., MSc, Doutoranda CPGZ - UFPel Departamento de Zootecnia Universidade Federal de Pelotas Carga Horária: 2 0 1 Aulas práticas: 1 ou 2 turnos Provas: 1ª:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA CAMPUS: São Mateus CURSO: Agronomia DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Ciências Agrárias e Biológicas-DCAB PROFESSOR RESPONSÁVEL: Thasia Martins Macedo CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Reconhecido pela Portaria 516 de 15/10/2013. Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Reconhecido pela Portaria 516 de 15/10/2013. Currículo 1 de 8 Nível:Graduação Título: 01 - - CCA238 - HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA - Ativa desde: 14/07/2008 CCA275 - BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR - Ativa desde: 11/01/2008 CCA283 - METODOLOGIA DA PESQUISA - Ativa

Leia mais

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Experimentos (testes) são realizados por pesquisadores em todos os campos de investigação, usualmente para descobrir

Leia mais

INFORMATIVO PRODUÇÃO ANIMAL. N o

INFORMATIVO PRODUÇÃO ANIMAL. N o INFORMATIVO PRODUÇÃO ANIMAL N o 01-2015 Informativo da Produção Animal, com base na Pesquisa Pecuária Municipal, IBGE (2014) Animais de Grande Porte São os bovinos (bois e vacas); bubalinos (búfalos e

Leia mais

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO

ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO ÁCIDO FUMÁRICO NA ALIMENTAÇÃO DE LEITÕES PÓS-DESMAME E EM CRECHE: ESTUDO META-ANALÍTICO Fernanda Maria Denck (PIBIC/UEPG), Cheila Roberta Lehnen (Orientadora) e-mail: cheilalehnen@gmail.com, Joao Otávio

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS

CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS CURSO PREPARATÓRIO PARA CONCURSO PÚBLICO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO CRONOGRAMA DE AULAS - 2017 Data Dia Horário Disciplina Duração Instrutor 02/09 sábado 08:30 / 09:00 1ª SEMANA

Leia mais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais

Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais Lamentável caso de Mormo, em Minas Gerais O Mormo é uma doença infecto-contagiosa que acomete os Equinos e Asininos e tem como agente causador a bactéria Burkholderia mallei; Mormo é uma Zoonose porque

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas Avaliação do efeito da inclusão da farinha do mesocarpo do babaçu sobre o rendimento de carcaça, rendimento de cortes nobres e composição corporal de frangos de corte na fase de 22 a 42 dias de idade Luciana

Leia mais

Função do IGF-I na reprodução de fêmeas bovinas

Função do IGF-I na reprodução de fêmeas bovinas NUPEEC Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária Função do IGF-I na reprodução de fêmeas bovinas Domestic Animal Endocrinology (2008) Apresentadores: José Wilson da Silva Neto Pedro Augusto Silva

Leia mais

Curriculum Vitae. 1 Participação em Eventos de Natureza Científica sem Apresentação de Trabalho:

Curriculum Vitae. 1 Participação em Eventos de Natureza Científica sem Apresentação de Trabalho: Curriculum Vitae DADOS PESSOAIS Nome: Fábio Carrilho Ernandes Data de nascimento: 25 de maio de 1976 Naturalidade: Nova Esperança-PR Filiação: Antonio Santos Martins Ernandes e Cleire Carrilho Ernandes

Leia mais

CEP: Telefones:

CEP: Telefones: Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Veterinária Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal Av. Antônio Carlos 6627 CP 567 - CEP 30161970 Belo Horizonte - MG Telefax: (31) 3409

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO E REPRODUTIVO, BIOMETRIA CORPORAL E GENEALOGIA DE BOVINOS DA RAÇA ANGUS E SUAS CORRELAÇÕES

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO E REPRODUTIVO, BIOMETRIA CORPORAL E GENEALOGIA DE BOVINOS DA RAÇA ANGUS E SUAS CORRELAÇÕES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO PRODUTIVO E REPRODUTIVO, BIOMETRIA CORPORAL E GENEALOGIA DE BOVINOS DA RAÇA ANGUS E SUAS CORRELAÇÕES EVANDRO MILANI PRETTO ¹*, MARCELO FALCI MOTA¹, ADALGIZA PINTO NETO¹, JÚLIO CESAR

Leia mais

Categorização de estado de risco de uma população

Categorização de estado de risco de uma população INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on-line em www.animal.unb.br em 07/01/2011 Categorização de estado de risco de uma população Concepta McManus

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE FATORES NÃO GENÉTICOS SOBRE O PESO AO DESMAME DE OVINOS SANTA INÊS NA REGIÃO DE MARINGÁ

INFLUÊNCIAS DE FATORES NÃO GENÉTICOS SOBRE O PESO AO DESMAME DE OVINOS SANTA INÊS NA REGIÃO DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INFLUÊNCIAS DE FATORES NÃO GENÉTICOS SOBRE O PESO AO DESMAME DE OVINOS SANTA INÊS NA REGIÃO

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais