PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS"

Transcrição

1 PERFIL METABÓLICO E ENDÓCRINO DE EQUÍDEOS Autores: Thais de Oliveira Fortes (PIBIC/CNPq) 1, Francisco Armando de Azevedo Souza (Orientador) 2, Emília de Paiva Porto 2, Marcia Fornasieri Domingos 3 Acadêmica da Universidade Estadual do Norte do Paraná/Campus Luiz Meneghel 1 Docente da Universidade Estadual do Norte do Paraná 2 Docente da Universidade do Norte Paranaense 3 Medicina Veterinária, Medicina Veterinária Preventiva. Palavras-chave: Hiperlipêmia, Jumentos Pêga, Doenças Metabólicas. Resumo Foram coletadas amostras de sangue de 131 jumentos da raça Pêga, hígidos de ambos os sexos, com o objetivo de dosar os valores séricos de triglicerídeos e colesterol, e avaliar a influência da idade, sexo e estado reprodutivo das jumentas. Do total de animais, 96 eram fêmeas e 35 eram machos e foram divididos em grupos de acordo com a faixa etária: animais abaixo de um ano; de 1 a 3 anos; de 4 a 6 anos; de 7 a 9 anos e maiores de 9 anos. O estado reprodutivo das jumentas foi separado em categorias: 39 gestantes, 10 gestantes/paridas, 2 paridas, 29 vazias (não prenhes), 11 cobertas e 5 paridas/cobertas. Os resultados foram analisados estatisticamente pelo teste de Tukey 5% e os valores obtidos foram comparados entre os grupos. Os valores séricos de triglicerídeos apresentaram diferenças em relação ao sexo e ao estado reprodutivo das jumentas, sendo significativos para os machos e para as gestantes. Enquanto para os valores séricos de colesterol não houve diferenças nos grupos estudados. Introdução O Brasil possui o maior rebanho de equinos na América latina e ocupa o terceiro lugar mundial (MAPA, 2015), com 8,4 milhões de equídeos, sendo 5,9 milhões de equinos, 1,3 milhões de muares e 1,2 milhões de asininos. O agronegócio dos equídeos gera em torno de 642,5 mil empregos (CNA, 2006). A região nordeste possui o maior número de registro de asininos e muares (MAPA, 2015). Entretanto as pesquisas com os jumentos da raça Pêga, ainda são escassas no Brasil. Tem-se observado na literatura que os valores de referência utilizados para esses animais são valores clínicos de cavalos (DUGAT et al. 2010), o que não é válido (DE ALUJA et al. 2001). É importante ter um padrão de referência específico para raça em estudo para que se possa de forma correta e eficaz diagnosticar doenças e aplicar tratamentos de acordo com as características do organismo animal. Apesar da falta de material de referência nesse assunto, especificamente do jumento da raça Pêga, o intuito desse trabalho foi avaliar os níveis séricos de triglicerídeos e colesterol desses animais, comparando com outros valores pesquisados na literatura de equídeos, a fim de estimar valores padrões para essa raça.

2 Material e métodos Foi coletado sangue por punção da veia jugular de 131 jumentos da raça Pêga, hígidos, de ambos os sexos, que estavam em jejum de no mínimo de 7 horas. Os animais foram divididos de acordo com o sexo, faixa etária e estado reprodutivos das jumentas. Após a coleta o material foi processado por centrifugação até a obtenção do soro sobrenadante que então foi dosado a partir dos kits comercias de colesterol e triglicerídeos. Os dados passaram por análises estatísticas pelo teste de Tukey com nível de significância de 5%. Resultados e Discussão A influência do sexo foi significativa para os valores de triglicerídeos (Tabela 1), no entanto não houve diferença nos valores séricos do colesterol (Tabela 2). Tabela 1: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do triglicerídeo de TRIGLICERÍDEOS Sexo Média(mg/dL) Desvio Máximo Mínimo CV (%) n Macho 62,97 b 30, ,03 35 Fêmea 97,85 a 121, ,5 124,01 96 a e b na mesma coluna indicam valores significativamente diferentes (p<0,05) Tabela 2: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol de COLESTEROL Sexo Média(mg/dL) Desvio Máximo Mínimo CV (%) n Macho 70,91 a 16, ,83 35 Fêmea 69,64 a 17, ,66 96 Entretanto ALVES et al. (2008) quando trabalharam com jumentos brasileiros obtiveram resultados diferentes tanto para triglicerídeos quanto para colesterol, que pode ser justificado pela utilização de animais mestiços. Quanto a influência da faixa etária de machos e fêmeas, não se observou diferenças nos valores de triglicerídeos (Tabela 3) e de colesterol (Tabela 4). Tabela 3: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de IDADE (MACHO + FÊMEA) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1ano) 88,91 a 21,54 124, ,22 6 II (1 a 3 anos) 92,82 a 125, ,46 50 III (4 a 6 anos) 75,80 a 52, ,5 69,16 38 IV (7 a 9 anos) 69,30 a 65, ,5 94,34 18 V (10 a 12 anos) 120,81 a 162, ,84 19

3 Tabela 4: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de IDADE (MACHO + FÊMEA) COLESTEROL I (abaixo de 1ano) 72,33 a 14, ,66 6 II (1 a 3 anos) 74,26 a 20, ,92 50 III (4 a 6 anos) 75,80 a 52, ,16 38 IV (7 a 9 anos) 69,30 a 65, ,34 18 V (10 a 12 anos) 120,81 a 162, ,84 19 Quanto a influência da faixa etária no grupo de fêmeas nos valores séricos de triglicerídeos (Tabela 5) e colesterol (Tabela 6) de jumentos da raça Pêga, não houve diferenças nos valores estudados. Tabela 5: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de jumentas da raça Pêga. IDADE (FÊMEA) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1 ano) 1 II (1 a 3 anos) 116,04 a 152, ,29 32 III (4 a 6 anos) 76,03 a 52, ,5 68,90 33 IV (7 a 9 anos) 69,28 a 73, ,5 105,83 14 V (10 a 12 anos) 131,34 a 176, ,19 16 Tabela 6: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol nos diferentes grupos de acordo com a faixa etária de jumentas da raça Pêga. IDADE (FÊMEA) COLESTEROL I (abaixo de 1 ano) 1 II (1 a 3 anos) 75,15 a 23, ,33 32 III (4 a 6 anos) 66,54 a 13, ,01 33 IV (7 a 9 anos) 69,92 a 10, ,52 14 V (10 a 12 anos) 65,43 a 16, ,72 16 Em relação ao grupo de machos não foi encontrado diferenças nos valores séricos de triglicerídeos (Tabela 7) e colesterol (Tabela 8) analisados.

4 Tabela 7: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de jumentos machos da raça Pêga. IDADE (MACHO) TRIGLICERÍDEOS I (abaixo de 1 ano) 86,70 a 23,30 124, ,88 5 II (1 a 3 anos) 51,52 a 20,43 95, ,65 18 III (4 a 6 anos) 74,30 a 58, ,24 5 IV (7 a 9 anos) 69,37 a 30,42 111, ,01 4 V (10 a 12 anos) 64,66 a 16, ,75 3 Tabela 8: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol nos diferentes grupos de acordo com a faixa etária de IDADE (MACHO) COLESTEROL I (abaixo de 1 ano) 75,00 a 15, ,04 5 II (1 a 3 anos) 72,66 a 14, ,58 18 III (4 a 6 anos) 65,60 a 18, ,64 5 IV (7 a 9 anos) 68,00 a 25, ,56 4 V (10 a 12 anos) 66,33 a 26, ,20 3 Os valores de triglicerídeos (Tabela 9) em jumentas de acordo com o estado reprodutivo apresentaram diferenças. Por sua vez para os valores séricos para o colesterol (Tabela 10) não houve diferença entre os grupos de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. Tabela 9: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do triglicerídeo de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. TRIGLICERÍDEOS Gestante 137,75 a 175, ,30 39 Coberta 92,72 ab 38,35 155,5 34,5 41,36 11 Vazia 83,94 ab 43, ,69 29 Gestante/Parida 36,00 b 48, ,5 134,08 10 Parida/Coberta 29,57 b 22,44 64,5 9,5 75,88 7 a, b e ab na mesma coluna indicam valores significativamente diferentes (p<0,05) Tabela 10: Valores médios, mínimos e máximos, desvio padrão, grau de variância e número de animais trabalhados (n) do colesterol de jumentas em diferentes estágios reprodutivos. COLESTEROL Gestante 65,56 a 12, ,81 39 Coberta 78,45 a 21, ,96 11 Vazia 73,13 a 22, ,79 29 Gestante/Parida 63,80 a 12, ,05 10 Parida/ Coberta 72,42 a 18, ,96 7

5 GIRARDI (2012) encontrou diferenças em jumentas da raça Pêga adultas com prenhez e não prenhes, sendo os valores de triglicerídeos maiores nas com prenhez. Entretanto não encontrou diferenças nos valores séricos de colesterol. Conclusões Considerando os objetivos propostos, os resultados obtidos neste experimento, permitem concluir que: 1-O sexo exerce influência sobre os valores de triglicerídeos. 2- A idade, independentemente do sexo, não exerce influência nos valores séricos dos triglicerídeos e do colesterol. 3- o estado reprodutivo exerce influência nos valores de triglicerídeos. 4- Os valores de triglicerídeos e colesterol observados no trabalho tiveram variações ao se comparar com a literatura pesquisada, que podem estar relacionadas aos diferentes manejos, ambientes, espécies e raças trabalhadas. Referências ALVES, Lorenna Marques Dias. INFLUÊNCIA DA IDADE E SEXO SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE JUMENTOS DA RAÇA BRASILEIRA; Dissertação (Mestrado em Genética e Bioquímica), Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de genética e bioquímica. Pós Graduação em genética e bioquímica, Uberlândia, CNA. Estudo do complexo do agronegócio cavalo no Brasil: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada ESALQ-USP/Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil, 70p, Coletânea Estudos Gleba, 40, DE ALUJA, A. S.; BOUDA, J.; LÓPEZ, A.C.; CHAVIRA, H. H. Valores bioquímicos em sangue de burros antes y después del trabajo. Veterinaria Mexico, Ciudad de Mexico, v. 32, n. 4, p , DUGAT S. L., TAYLOR T.S., MATTHEWS, N.S.; GOLD, J. Values for Triglycerides, Insulin, Cortisol, and ACTH in a Herd of Normal Donkeys. Journal of Equine Veterinary Science v. 30, n. 3, GIRARDI, Annita Morais. Parâmetros hematológicos e bioquímicos séricos de jumentos (Equus asinus) da raça pêga; Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinária, Jaboticabal- SP, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Equídeos. Acesso em 20 de maio de 2015.

Treinamento RLM Corte 2014

Treinamento RLM Corte 2014 Treinamento RLM Corte 2014 Campo Grande - MS 12 e 13 de Novembro de 2014 Patrocinador Introdução Desenvolvido na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" ESALQ, USP, Piracicaba, este software formula

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná - UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 01/2009 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: SEMESTRAL/PARCIAL ( ) FINAL/CONCLUSÃO

Leia mais

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos

Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos VI Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VI Jornada Científica 21 a 26 de outubro de 2013 Ganho de Peso de Coelhos de Diferentes Grupos Genéticos Felipe Evangelista PIMENTEL¹, Luiz Carlos

Leia mais

Palavras-Chave Imprint metabolico, obesidade, perfil fenotipico.

Palavras-Chave Imprint metabolico, obesidade, perfil fenotipico. EFEITO DA DISPONIBILIDADE AUMENTADA DA AMAMENTAÇÃO DURANTE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO EM UM NÚMERO REDUZIDO DE RATOS Alessandra Hilgemberg (PIBIC/UEPG), José Rosa Gomes (Orientador). Universidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO

PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO PERFIL PROFISSIONAL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE ESTATÍSTICA NOTURNO Andreza Jardelino da Silva 1,Ednário B. de Mendonça 2, Márcia Marciele dos Santos Silva 3, Kleber N. N. O. Barros 4 Departamento de Estatística,

Leia mais

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR

USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR 317 USO DE HORMÔNIOS INDUTORES DE OVULAÇÃO (GnRH e hcg) SOBRE A TAXA DE RECUPERAÇÃO EMBRIONÁRIA EM ÉGUAS MANGALARGA MARCHADOR Lucas Reis Vieira¹, Giancarlo Magalhães dos Santos², Gilberto Guimarães Lourenço³

Leia mais

Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso

Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso Situação epidemiológica da tuberculose bovina no Estado de Mato Grosso São Paulo, 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Orientador: Prof. Dr. José Soares Ferreira Neto Secretaria de

Leia mais

Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba

Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba Medidas lineares de eqüinos da raça Mangalarga criados na região de Itapetinga-Ba Leandro Pereira Lima 1, Rafael Costa Oliveira Coelho 2, João Rodrigo Santos Dantas 2, Igor Araújo Ferraz 3, Amanda dos

Leia mais

O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO

O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO O CAVALO BRASILEIRO DE HIPISMO É DESTINADO PARA ATENDER OS PRATICANTES DOS ESPORTES HIPICOS COMO: SALTO, ADESTRAMENTO E CONCURSO COMPLETO. É A ÚNICA RAÇA QUE ATENDE TODAS

Leia mais

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP

ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP PALAVRAS-CHAVE Lipídios, Dislipidemias, Lipidograma CONEXÃO ESTUDO DO PERFIL LIPÍDICO DE INDIVÍDUOS DO MUNICÍPIO DE MIRANDOPOLIS/SP Alyne Maia Silva 1 Jéssica Fontoura Junqueira 1 Tatiane Kelly Correa

Leia mais

PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS

PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS PADRÃO BIOMÉTRICO DOS CAVALOS DE TRAÇÃO DA CIDADE DE PELOTAS OLIVEIRA, P. Douglas* 1 ; DOS SANTOS, Carlos Anselmo 1 ; PAGANELA, Julio César 1 ; PAZ, Cahue. 1 ;FLÓRIO, Gabriel De Marco 1 ; NOGUEIRA, Carlos

Leia mais

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística Professor: Assunto(s): Curso(s): William Costa Rodrigues Inferência ; Tipo de Variáveis, Tipos de Amostras; Tamanho da Amostra; Medidas de tendência central: Medidas de Variação Ciências Contábeis Q1.

Leia mais

Acesso e Permanência no Ensino Superior

Acesso e Permanência no Ensino Superior Acesso e Permanência no Ensino Superior José Francisco Soares Presidente do INEP Brasília-DF Março 2015 Censo da Educação Superior Características: Anual e sistemático; Declaratório; Participação obrigatória;

Leia mais

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras

Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Estatística Aplicada às Ciências Sociais Sexta Edição Pedro Alberto Barbetta Florianópolis: Editora da UFSC, 006 Cap. 11 Testes de comparação entre duas amostras Planejamento da pesquisa e análise estatística

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE BOTUCATU FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Estatística Experimental CURSO: Mestrado ( X ) Doutorado ( X ) DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL:

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO

XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO XII SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMAÇÃO BOVINOS Biotecnologia da Reprodução - Novas Tendências Manejo de Pastagens X Reprodução X Nutrição Dr. Cirilo GPec - UNB Manejo Nutricional

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA DOS GRÂNULOS DE

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Alberto Cargnelutti Filho 1 Cláudia Burin 2 Marcos Toebe 3 André Luis Fick 2 Giovani Facco 4 1 - Introdução O nabo forrageiro (Raphanus

Leia mais

Providing global solutions for a healthier world

Providing global solutions for a healthier world Providing global solutions for a healthier world Curso RLM 2010 RLM 3.2 (Programa de Formulação de Rações de Lucro Máximo) Introdução RLM 3.2 (Programa de Formulação de Rações de Lucro Máximo) Desenvolvido

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DO EFEITO DO FUMO DE MASCAR NAS CARACTERÍSTICAS SALIVARES E CONDIÇÃO PERIODONTAL CATEGORIA:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ

CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ 1 CARACTERÍSTICAS SEMINAIS E PERÍMETRO ESCROTAL DE TOUROS NELORE E TABAPUÃ CRIADOS NA REGIÃO NORTE DO PARANÁ DENIS MARQUES ROSSI 1, FLÁVIO GUISELLI LOPES 2, FILIPE ALEXANDRE BOSCARO DE CASTRO 3, BRUNO

Leia mais

Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento

Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento Avaliação prospectiva da Osteocalcina em adolescentes usuárias de anticoncepcional oral de baixa dosagem: um ano de acompanhamento Stefany Hellen Sousa Martins, Tamara Beres Lederer Goldberg, Talita Poli

Leia mais

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR)

TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) TÍTULO: SEXAGEM FETAL:DIAGNÓTICO DO SEXO DO FETO POR REAÇÃO EM CADEIA DE POLIMERASE (PCR) CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ENADE e a proposta curricular do CFC: um estudo em cursos de Ciências Contábeis brasileiros

ENADE e a proposta curricular do CFC: um estudo em cursos de Ciências Contábeis brasileiros ENADE e a proposta curricular do CFC: um estudo em cursos de Ciências Contábeis brasileiros Vanessa Ramos da Silva UFU (vanessaramossilva@hotmail.com) Gilberto José Miranda UFU (gilbertojm@ufu.br) Janser

Leia mais

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA

COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA 1 COMPORTAMENTO HISTÓRICO DA PARTICIPAÇÃO DO SETOR RURAL NA COMPOSIÇÃO DO PIB DA PARAÍBA Sérgio Furtado - Consultor do Projeto Cooperar 1 DESEMPENHO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS NO ESTADO DA PARAÍBA EM 2012

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística INTERVALOS DE CONFIANÇA: Diferentes pesquisadores, selecionando amostras de uma mesma

Leia mais

Lista 5 de exercícios

Lista 5 de exercícios Lista 5 de exercícios 1. (ANDRADE; OGLIARI, 2010) Em um experimento, 320 em 400 sementes germinaram. Determine o intervalo de confiança de 99% para a verdadeira proporção de sementes que germinaram. Para

Leia mais

Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose e a produção de isopropanol a partir da acetona no rúmem

Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose e a produção de isopropanol a partir da acetona no rúmem Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Veterinária Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Aumento nas concentrações de isopropanol em vacas leiteiras com cetose

Leia mais

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II

Considerações. Planejamento. Planejamento. 3.3 Análise de Variância ANOVA. 3.3 Análise de Variância ANOVA. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARAN PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Estatística II Aula 8 Profa. Renata G. Aguiar Considerações Coleta de dados no dia 18.05.2010. Aula extra

Leia mais

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística/Introdução a Estatística

Número: Dois. Lista de Exercícios Estatística/Introdução a Estatística /Introdução a Professor: Assunto(s): Curso(s): William Costa Rodrigues Inferência ; Tipo de Variáveis, Tipos de Amostras; Tamanho da Amostra; Medidas de tendência central: Medidas de Variação. Engenharia

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=580>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Curva de crescimento para peso em potros da raça Quarto de Milha Patrícia Ferrari Viana

Leia mais

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas

Bioexperimentação. Prof. Dr. Iron Macêdo Dantas Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO

Leia mais

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FORMULÁRIO PADRÃO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Título do Projeto: Frequência dos tipos sanguíneos A, B e AB dos felinos domésticos da encaminhados para o Hospital Veterinário UNISUL Área de Conhecimento

Leia mais

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura

Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Noções de Marketing para profissionais da Equinocultura Marcelo Pardini Unifeob São João da Boa Vista/SP Maio/2013 Antes de falarmos sobre Marketing... Vamos falar do amor pelos cavalos! EQUINOS NO MUNDO

Leia mais

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza

Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym Christine de Freitas Cardoso, Anelise Ribeiro Peres, Fabiana Ferreira de Souza AVALIAÇÃO DA ESTERILIZAÇÃO APÓS A OCLUSÃO DOS VASOS SANGUÍNEOS OVARIANOS DE COELHAS UTILIZANDO ELÁSTICO DE AFASTAR OS DENTES OU ABRAÇADEIRAS DE NÁILON Tatiane Guedes Bueno*, Laiza Sartori de Camargo, Karym

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE MÉTODOS QUANTITATIVOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO - TURMA 2012 PROVA

Leia mais

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO

DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO DESEMPENHO DO MÉTODO DAS PESAGENS EM GARRAFA PET PARA A DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO E. D. ARAÚJO 1 ; A. M. A. AVILEZ 1 ; J. M. SANTOS 1 ; E. C. MANTOVANI 2 1 Estudante de Mestrado, Universidade Federal

Leia mais

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa 2011 O 1. Formular duas hipóteses sobre um valor que é desconhecido na população. 2. Fixar um nível de significância 3. Escolher a Estatística do Teste 4. Calcular o p-valor 5. Tomar a decisão mediante

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Técnicas Experimentais Aplicadas à Zootecnia UNIDADE 1. NOÇÕES DE PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Experimentos (testes) são realizados por pesquisadores em todos os campos de investigação, usualmente para descobrir

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DE CAPOEIRA NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DE UM LATOSSOLO AMARELO NA AMAZONIA ORIENTAL

DETERMINAÇÃO DO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DE CAPOEIRA NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DE UM LATOSSOLO AMARELO NA AMAZONIA ORIENTAL DETERMINAÇÃO DO EFEITO DE DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DE CAPOEIRA NAS PROPRIEDADES FÍSICAS DE UM LATOSSOLO AMARELO NA AMAZONIA ORIENTAL Clóvis M. Priebe Bervald (1), Osvaldo Ryohei Kato (2), José Miguel

Leia mais

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR

TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR TÍTULO: HIPERTRIGLICERIDEMIA PÓS-PRANDIAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 E O RISCO CARDIOVASCULAR CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FARMÁCIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Melhoramento Animal Código: VET224 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 4 Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir de: Créditos:

Leia mais

Criação de Novilhas Leiteiras

Criação de Novilhas Leiteiras Criação de Novilhas Leiteiras Introdução Tópicos Objetivos da criação de novilhas Estimativa do número de novilhas no rebanho Manejo da Novilha Considerações Econômicas (Criar ou Terceirizar?) Salvador,

Leia mais

RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO

RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO NOME DO ANIMAL Nº REGISTRO BOVINOS MACHO SIM BOVINOS MACHO SIM EQUINOS FEMEA NÃO EQUINOS FEMEA NÃO OVINOS CASTRADO PRENHA CAT Nº M D OVINOS CASTRADO PRENHA CAT Nº M D RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO RAÇA DO ANIMAL DATA DE NASCIMENTO

Leia mais

FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA

FACULDADE DE VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA PROGRAMA PARA A PROVA ESCRITA 1. Formação, diferenciação, maturação e funções dos eritrócitos e leucócitos. 2. Citomorfologia dos eritrócitos e leucócitos (normalidade citomorfológica e alterações mais

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 2013 2 APRESENTAÇÃO Os programas das

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS RELAÇÃO ENTRE ENERGIA METABOLIZÁVEL E AMINOÁCIDOS SULFUROSOS SOBRE O PERFIL BIOQUÍMICO SÉRICO DE POEDEIRAS NA FASE DE PRODUÇÃO DE 24 A 44 SEMANAS Márcia das Neves Soares (1); Sarah Gomes Pinheiro (1);

Leia mais

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n

Categorias Freq. absolutas Freq. relativas Categoria 1 n 1 f 1 = n 1 / n 3.4. Representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos Para a representação de dados qualitativos em tabelas e gráficos vamos precisar definir algumas quantidades: n = tamanho da amostra ou frequência

Leia mais

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA

Rio de Janeiro, 31 de março de (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Prof. Landeira-Fernandez Bioestatística Rio de Janeiro, 31 de março de 2014. (Finalizando a aula anterior) AULA 3: A IMPORTÂNCIA DO INSTRUMENTO A VALIDADE DE CONTUDO DE UMA ESCALA Quando constrói uma nova

Leia mais

1º PERÍODO 2º PERÍODO. Créditos Teórica Prática Pré-requisito Anatomia Veterinária Aplicada º PERÍODO

1º PERÍODO 2º PERÍODO. Créditos Teórica Prática Pré-requisito Anatomia Veterinária Aplicada º PERÍODO Medicina Modalidade: Bacharelado Turno: Integral (diurno) / Noturno Duração 5 anos Número de vagas: 60 Diurno / 60 Noturno Regime: Semestral Matriz Curricular: Matriz Curricular Medicina / 2016 1º PERÍODO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA CAMPUS: São Mateus CURSO: Agronomia DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Ciências Agrárias e Biológicas-DCAB PROFESSOR RESPONSÁVEL: Thasia Martins Macedo CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO PERIODIZAÇÃO

Leia mais

Rendimento Acadêmico

Rendimento Acadêmico , o que prediz (e o que não prediz): O caso dos alunos de Ciências Econômicas da UnB Orientador: Moisés Resende Filho PET Economia Universidade de Brasília 25 de Abril de 2012 Motivação Falta de trabalhos,

Leia mais

Dica de Manejo - Coleta de Sangue

Dica de Manejo - Coleta de Sangue Dica de Manejo - Coleta de Sangue Introdução A coleta de sangue deve ser uma prática conhecida pelos encarregados das granjas. A partir do sangue coletado, uma grande quantidade de testes pode ser realizada,

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL DESEMPENHO REPRODUTIVO DE OVELHAS INDUZIDAS AO ESTRO DURANTE O PERÍODO DE ANESTRO SAZONAL NA REGIÃO DO CERRADO PANTANAL Robson Andrade Rodrigues 1 ; Aya Sasa 2 1 Estudante do curso de Zootecnia da UEMS,

Leia mais

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.)

EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) EFEITO DO TIPO DE SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO E VIGOR DE SEMENTES DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) Reynaldo de Mello Torres Docente da Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP. Dagoberto

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS

MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA OVINOCULTURA MELHORAMENTO GENÉTICO E CRUZAMENTOS DE OVINOS André Gustavo Leão Dourados - MS, 09 de outubro de 2013

Leia mais

os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional

os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional os periódicos brasileiros na comunicação da pesquisa nacional Abel L. Packer SciELO, Coordenação Operacional Consultor em Informação e Comunicação em Ciência Fundação da Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

VPS 427: Avaliação Científica de Bem-Estar Animal

VPS 427: Avaliação Científica de Bem-Estar Animal VPS 427: Avaliação Científica de Bem-Estar Animal Responsável: Professor Adroaldo J. Zanella Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia

Leia mais

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos

Planejamento e Pesquisa 1. Dois Grupos Planejamento e Pesquisa 1 Dois Grupos Conceitos básicos Comparando dois grupos Testes t para duas amostras independentes Testes t para amostras pareadas Suposições e Diagnóstico Comparação de mais que

Leia mais

Métodos Estatísticos Básicos

Métodos Estatísticos Básicos Aula 1 - Conceitos introdutórios Departamento de Economia Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Março de 2014 Importância da estatística na economia A economia, em geral, é uma ciência não-experimental.

Leia mais

Conceito: produtor rural x indústria x empresa técnica

Conceito: produtor rural x indústria x empresa técnica Conceito: Um programa de parceria formal entre produtor rural x indústria x empresa técnica, visando garantias de comercialização, assessoria técnica de qualidade, incentivos financeiros e produção regular

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Palavras-chave: Desenvolvimento Infantil; Linguagem; Sociedades.

Leia mais

EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO

EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO Elizete Cavalcante de Souza Vieira¹; Lúcia Madalena Vivan²; Crébio

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA FAUNA DA UHE SANTO ANTÔNIO SUBPROGRAMA DE MONITORAMENTO DA HERPETOFAUNA DE RIOS QUELÔNIOS AQUÁTICOS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS Dr a. Daniely Félix-Silva OBJETIVOS Subprograma Avaliar

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49

RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 RELATÓRIO DE PESQUISA - 49 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Redução de Proteína Dietética Aplicando o Conceito de Proteína Ideal em Frangos de Corte Introdução A disponibilidade de aminoácidos

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Comparativo entre suínos castrados pelo método tradicional (castração cirúrgica ) e o método imunocastração. Palavras-chave: suínos imunocastrados, vacina anti-gnrh, castração cirúrgica.

Leia mais

Categorização de estado de risco de uma população

Categorização de estado de risco de uma população INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on-line em www.animal.unb.br em 07/01/2011 Categorização de estado de risco de uma população Concepta McManus

Leia mais

TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC

TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC TECNOLOGIA E CONFIABILIDADE DOS COLETORES DE AMOSTRAS INDIVIDUAIS DE LEITE DOS ANIMAIS IV CBQL FLORIANÓPOLIS - SC JOSÉ AUGUSTO HORST horst@holandesparana.com.br (41) 2105-1723 Gerente PARLPR ASSOCIAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Bovinocultura de Corte e Leite Código: VET244 Curso: Medicina Veterinária Semestre de oferta: 7 p Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência a partir

Leia mais

MEDIDAS LINEARES E ÍNDICES MORFOMÉTRICOS DE EQUINOS EM PROPRIEDADES RURAIS NA CIDADE DE FRANCISCO BELTRÃO

MEDIDAS LINEARES E ÍNDICES MORFOMÉTRICOS DE EQUINOS EM PROPRIEDADES RURAIS NA CIDADE DE FRANCISCO BELTRÃO 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS MEDIDAS LINEARES E ÍNDICES MORFOMÉTRICOS DE EQUINOS EM PROPRIEDADES RURAIS NA CIDADE DE FRANCISCO BELTRÃO Roberta Petry 1*, Katia Atoji

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA Cargnim, Jaqueline Marques ; Marcuzzo, Leandro Luiz Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL

PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Faculdade de Medicina Veterinária PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL Prof.Adjunto Paulo César Ciarlini 1800: Sir William Herschel Ciarlini@fmva.unesp.br Bons jovens têm sonhos ou disciplina. Jovens brilhantes têm

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS

III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS III SEMINÁRIO CRUZAMENTO ANGUS Fazenda Ponte Queimada Proprietário: Eduardo Musa de Freitas Guimarães 08 DE AGOSTO DE 2014 Dados da Propriedade: Localização: Barra do Garças MT; Área total: 2379 hectares;

Leia mais

ANÁLISES DA QUANTIDADE DE RESÍDUO LÍQUIDO RETIDO EM GARRAFAS PET E LATAS DESCARTADAS APÓS O USO NO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL, SANTA CATARINA.

ANÁLISES DA QUANTIDADE DE RESÍDUO LÍQUIDO RETIDO EM GARRAFAS PET E LATAS DESCARTADAS APÓS O USO NO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL, SANTA CATARINA. ANÁLISES DA QUANTIDADE DE RESÍDUO LÍQUIDO RETIDO EM GARRAFAS PET E LATAS DESCARTADAS APÓS O USO NO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL, SANTA CATARINA. Marcelo Augusto Moreira JUBINI 1 (Bolsista Interno ICT); Rodrigo

Leia mais

INCIDÊNCIA DE INSETOS EM ÁREAS DE CULTIVO DE HORTALIÇAS PRÓXIMAS A UM SISTEMA AGROFLORESTAL NO DISTRITO FEDERAL PROJETO DE PESQUISA

INCIDÊNCIA DE INSETOS EM ÁREAS DE CULTIVO DE HORTALIÇAS PRÓXIMAS A UM SISTEMA AGROFLORESTAL NO DISTRITO FEDERAL PROJETO DE PESQUISA INCIDÊNCIA DE INSETOS EM ÁREAS DE CULTIVO DE HORTALIÇAS PRÓXIMAS A UM SISTEMA AGROFLORESTAL NO DISTRITO FEDERAL PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: EDNEI PEREIRA DO PRADO CURSO:

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO

DESENVOLVIMENTO MOTOR DE BEBÊS NASCIDOS PRÉ- TERMO DE ACORDO COM O SEXO Introdução O nascimento prematuro é um problema de saúde pública mundial, e um dos mais significativos na perinatologia. Nasceram aproximadamente 12,87 milhões bebês prematuros no mundo, apenas em 2005,

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

Apresentação gráfica de séries estatísticas

Apresentação gráfica de séries estatísticas 15 R E S U M O 04 Apresentação gráfica de séries estatísticas 4.1 INTRODUÇÃO Além da apresentação tabular, outra forma de se resumir e apresentar dados estatísticos são por meio de gráficos. A principal

Leia mais

LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS

LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS LEVANTAMENTO E PADRÕES EPIDEMIOLÓGICOS DA HANSENÍASE NO ESTADO DO TOCANTINS Eduardo Bernardo Chaves Neto; Sandra Maria Botelho Pinheiro ;Fabiana Ribeiro Q. de Oliveira Fagundes Aluno do Curso de Medicina;

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA 2016

MEDICINA VETERINÁRIA 2016 UNIVERSIDADE ESDUAL DO CENTRO-OES UNICENTRO 1ª SÉRIE 2º SEMESTRE MANHÃ 7h30min Genética Animal (teórica) Genética Animal (teórica) (teórica) Genética Animal 8h20min Clínica Veterinária - Clínica Veterinária

Leia mais

Planejamento de Experimentos

Planejamento de Experimentos Planejamento de Experimentos Analise de Variância (ANOVA) com um Fator Planejamento de Experimentos Muitas vezes é necessário obter informações sobre produtos e processos empiricamente. Trabalho assemelha-se

Leia mais

EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS)

EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS) EFEITO DE CAULIM E ÓLEOS VEGETAIS SOBRE MICROTHECA PUNCTIGERA (ACHARD) (COLEPTERA: CHRYSOMELIDAE) EM COUVE CHINESA (BRASSICA PEKINENSIS) Nathalie Kristine Prado Maluta (PIBIC/CNPq-UEL), Maurício Ursi Ventura

Leia mais

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia

Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras. Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Nutrição e Eficiência Reprodutiva de Vacas Leiteiras Profa. Ricarda Maria dos Santos FAMEV Universidade Federal de Uberlândia Por que devemos nos preocupar com Eficiência Reprodutiva? Eficiência Reprodutiva

Leia mais

E-mail: giuliana@unicentro.br

E-mail: giuliana@unicentro.br GIULIANA GELBCKE KASECHER BOTELHO Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná (1999), mestrado em Ciências Veterinárias pela Universidade Federal do Paraná (2001) e doutorado

Leia mais

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas

Como Interpretar um Boletim de Análises Clínicas um Boletim Cristina V. Almeida Análises - Definição Conjunto de exames e testes, realizados normalmente a pedido do médico, executados em laboratórios de análise clínica. Os produtos biológicos mais comuns

Leia mais

AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples

AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples 1 AULAS 14 E 15 Modelo de regressão simples Ernesto F. L. Amaral 18 e 23 de outubro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma abordagem

Leia mais