Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união."

Transcrição

1 Soldagem

2 Tipos de Soldagem

3 Soldagem Processo de soldagem: Os processos de soldagem podem ser classificados pelo tipo de fonte de energia ou pela natureza da união.

4 Tipos de Fontes Mecânica: Calor gerado por atrito, deformação plástica ou ondas de choque. Química: Reações químicas exotérmicas (queima combustivel, reação de oxidação do Alumínio). Elétrica: Passagem corrente elétrica ou formação arco elétrico. Radiante: Ondas eletromagnéticas

5 Natureza da união

6 Soldagem

7 Arco elétrico Descarga elétrica mantida através de um gás ionizado, iniciada por uma quantidade de elétrons emitidos do eletrodo negativo (catodo) aquecido e mantido pela ionização térmica do gás aquecido. Calor Emissão Ionização

8 TIG ( Tungsten Inert Gas ) - Arco elétrico Eletrôdo de tungstênio não consumível (teoricamente). - Proteção Gás inerte (Argônio ou Hélio) - Com ou sem material de adição. - Manual ou automática.

9 TIG ( Tungsten Inert Gas )

10 TIG ( Tungsten Inert Gas ) Vantagens: - Soldas de alta qualidade - Solda a maioria dos metais ( Al, Mg, Ti, Aços inoxdáveis). - Poça de fusão calma (alta frequência, intensidade regulável). - Fonte concentrada de calor (Baixa ZAC e distorções).

11 TIG ( Tungsten Inert Gas ) Limitações: - Processo com baixa taxa de deposição - Não funciona em locais com correntes de ar - Inclusão de tungstênio na solda - Emissão intensa de radiação ultravioleta

12 Plasma (parecido com o TIG) - Arco elétrico Eletrôdo de tungstênio não consumível (teoricamente). - Gás suficientemente aquecido a ponto de se tornar ionizado

13 Plasma Vantagens: - Maior tolerância da distância bocal peça - Maior velocidade de soldagem - Melhoria do ciclo de trabalho devido à ausência de contaminação do eletrodo de tungstênio - Redução da distorção das chapas soldadas

14 Plasma

15 MIG/MAG (Metal Inert/Active Gas) - Arco elétrico Eletrôdo consumível. - Eletrôdo sem proteção. - Manual ou automática.

16 MIG/MAG Vantagens: - Processo semi-automático, versátil, facilmente adaptável. - Eletrôdo nu continuamente alimentado - Soldagem em todas as posições - Não há formação de escória - Menores distorções

17 MIG/MAG Limitações: - Maior velocidade de resfriamento -> Pode gerar mais trinca - Não funciona em locais com correntes de ar - Equipamentos mais caros e complexo e menos portatil (comparado a soldagem com eletrodo revestido)

18 MIG/MAG

19 Eletrodo revestido Arco Submerso Oxicorte Feixe de eletróns Laser Brasagem

20 Eletrôdo revestido - Características parecidas com a soldagem a arco - Eletrodo consumível e revestido - Soldagem de tubos, aços Inoxidáveis e ligas de Al e Cu.

21 Eletrôdo revestido

22 Eletrôdo revestido Função do Revestimento (compostos minerais ou organicos: - Proteção do metal de solda - Adição de elementos de liga ao metal de solda - Direcionamento do arco elétrico - Função da escória como agente fluxante - Controle da integridade do metal de solda -

23 Arco Submerso - Eletrôdo consumível - Alimentação contínua do Arame nu. - Atmosfera protetora Arco permanece totalmente submerso em uma camada(fluxo) de pó - Isolante térmico (+ Concentrado) - Processo automatizável

24 Arco Submerso

25 Oxicorte - Chama como fonte de calor (maçarico) - Combustível: mistura de gases (Acetileno e oxigênio). - Reação química entre o Oxigênio de alta pureza e o metal pre-aquecido ao seu ponto de ignição

26 Oxicorte - Cortes precisos e de bom aspecto - Ocorrencia de dilatação e contração (Necessidade de controle do processo)

27 Feixe de Elétrons - Canhão de elétrons (Filamento Tungstênio -vácuo)

28 Feixe de Elétrons Vantagens: - Possibilita soldagem de materiais refratários - Qualidade da solda superior ao processo TIG - Permite soldas estreitas e profundas em um único passe. - Pequena ZAC - Baixas distorções.

29 Feixe de Elétrons Desvantagens: - Alto custo dos equipamentos - Limitações de tamanho Camâra de vácuo - Geração de raio-x durante o processo - Necessidade de desmagnetização da peça antes do processo

30 Laser - localizada da junta através de bombardeamento por feixe de luz concentrada coerente e monocromática de alta intensidade, o fóton. - Semelhante ao processo de soldagem por Feixe de elétrons. - Soldagem em larga escala (Processo Caro)

31 Laser Vantagens: - Aporte térmico elevado à uma área muito pequena. Quando a área afetada é pequena, há uma redução da ZTA - Raramente requer o uso de metais de adição - A poça da solda produzido possui uma mínima contaminação - Devido o laser ser concentrado e

32 Brasagem (Soldabrasagem/Soldagem Branca) - Brasagem por: Forno, Imersão, Indução e Resistência. - apenas do metal de adição - Soldagem obtida pela difusão atômica entre metal de adição no estado líquido e o metal base no estado sólido)

33 Pressão Também conhecida como soldagem por deformação Soldagem Soldagem Soldagem Soldagem a Pino por Resistência por Centelhamento por difusão

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran

FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA. Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran FCVA/ UNESP JABOTICABAL ESPECTROSCOPIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1. INTRODUÇÃO Átomos ou Íons: têm estados de energia característicos, nos quais os elétrons podem permanecer.

Leia mais

As melhores soluções em corte e solda.

As melhores soluções em corte e solda. As melhores soluções em corte e solda. Desde 1987 no ramo de solda e corte. Certificação ISO 9001/2008 Soluções completas em solda e corte. VENDAS DE EQUIPAMENTOS E CONSUMÍVEIS. MANUTENÇÃO E SERVIÇOS.

Leia mais

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG)

A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A SOLDAGEM GMAW (OU MIG-MAG) A suposta facilidade operacional da soldagem pelo processo GMAW (MIG-MAG) pode sugerir que este seja um processo que requeira poucos cuidados, mas quando se começa a entender

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS )

PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 1 LÂMPADAS ELÉTRICAS ( FONTES LUMINOSAS ) PEA - Eletrotécnica Geral 2 - OBJETIVOS: 1) CONCEITOS BÁSICOS DE FOTOMETRIA E DA AÇÃO DA LUZ SOBRE O OLHO 2) TIPOS DE LÂMPADAS 2.1) LÂMPADAS

Leia mais

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de:

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG-MAG Prof. Luiz Gimenes Jr. Engº José Pinto Ramalho INTRODUÇÃO A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG, quando a proteção gasosa utilizada

Leia mais

n o 7 Solda GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA

n o 7 Solda GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA n o 7 Solda GUIAS BÁSICOS DE SEGURANÇA 1. INTRODUÇÃO Trabalhos de corte e soldas são realizados com muita freqüência, sendo que estas operações representam 7% das ocorrências de incêndios em ambientes

Leia mais

Soldagem. Prof. Manoel Messias Neris. Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais

Soldagem. Prof. Manoel Messias Neris. Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Soldagem Prof. Manoel Messias Neris Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais expansão do Ensino Técnico no Brasil, fator importante para melhoria A de nossos recursos humanos, é um dos pilares

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE O PERFIL DE DUREZA EM SOLDAS PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS GMAW E FCAW, UTILIZANDO O AÇO SAE 1020

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE O PERFIL DE DUREZA EM SOLDAS PRODUZIDAS PELOS PROCESSOS GMAW E FCAW, UTILIZANDO O AÇO SAE 1020 FACULDADES INTEGRADAS DE ARACRUZ FAACZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ELIANE CORREIA NASCIMENTO SOUZA JOSIMAR MARTINS GARUZZI BÁRBARA RODRIGUES DURÃO ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA CORRENTE DE SOLDAGEM SOBRE

Leia mais

Criando soluções para a indústria.

Criando soluções para a indústria. Criando soluções para a indústria. Principais segmentos de atuação Ogramac. A indústria do futuro começa aqui. ÌÌAÇÚCAR / ÁLCOOL ÌÌAERONÁUTICO ÌÌAGROINDÚSTRIA / CAMPO ÌÌALIMENTÍCIO ÌÌAUTOMOTIVO ÌÌBOMBAS

Leia mais

CURSO DE. Franco Canan

CURSO DE. Franco Canan CURSO DE SOLDAGEM Curso de Soldagem 1. INTRODUÇÃO 1.1) O que é soldagem 1.2) Visão geral do processo MIG/MAG 1.3) Responsabilidades do soldador 1.4) Compromisso com a Empresa (Cliente) 2. EQUIPAMENTOS

Leia mais

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17.

10. Fluxos e Arames para Soldagem a Arco Submerso AWS A5.17. CONSUMÍVEIS DE SOLDAGEM ÍNDICE: 1. Conceitos. 2. Normas Técnicas Aplicáveis. 3. Especificações e Classificações AWS. 4. As Normas AWS. 5. Gases de Proteção AWS A5.32. 6. Eletrodos Revestidos AWS A5.1,

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Processo de Soldagem TIG - GTAW

Processo de Soldagem TIG - GTAW Universidade Federal de Minas Gerais. Escola de Engenharia. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica. Processo de Soldagem TIG - GTAW Disciplina: Processo de Soldagem. Professor: Alexandre Queiroz

Leia mais

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I

ELEMENTOS DE MÁQUINAS I UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS DE MÁQUINAS I APOSTILA PARA O CURSO o Semestre de 001 UNIÃO DE COMPONENTES METÁLICOS POR SOLDAGEM AUTOR: P ROF. DR. AUTELIANO

Leia mais

Controle de qualidade em juntas soldadas: Um estudo de caso em fabricante de equipamentos criogênicos

Controle de qualidade em juntas soldadas: Um estudo de caso em fabricante de equipamentos criogênicos Controle de qualidade em juntas soldadas: Um estudo de caso em fabricante de equipamentos criogênicos Carlos Eduardo Paro Benedette Manoel Rodrigues Monção Neto Resumo: Nas últimas décadas, as indústrias

Leia mais

Apostila de Soldagem MIG/MAG

Apostila de Soldagem MIG/MAG Apostila de Soldagem MIG/MAG MODOS DE TRANSFERÊNCIA DE METAL... 4 EQUIPAMENTOS Soldagem manual... 7 SUPRIMENTO DE ENERGIA... 10 GASES DE PROTEÇÃO... 14 ARAMES... 23 SEGURANÇA... 29 TÉCNICAS E PARÂMETROS

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Corte com laser. Mas você já deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com processos de fabricação.

Corte com laser. Mas você já deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com processos de fabricação. A UU L AL A Corte com laser Até bem pouco tempo atrás, quando se ouvia a expressão raio laser (lê-se lêiser), as imagens que vinham à nossa cabeça estavam associadas aos filmes de ficção científica: criaturas

Leia mais

Falando em CORTE. Corte GRSS

Falando em CORTE. Corte GRSS Falando em CORTE Prof. Alexandre Queiroz Bracarense, PhD Laboratório de Robótica, Soldagem e Simulação Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Falando em CORTE Métodos

Leia mais

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências

2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4. Tipos de interferências ANÁLISE INSTRUMENTAL MESTRADO BIOQUÍMICA 1.ºANO Capítulo 2 2. Espectroscopia de emissão e absorção atómica 2.1. Efeito de Doppler e efeito de pressão 2.2. Efeito da temperatura 2.3. Instrumentação 2.4.

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória na Soldagem Oxi-acetilênica 1. Objetivos: - Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem (e corte) oxi-acetilênica. - Familiarizar-se

Leia mais

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital

Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex stainless steel by the process (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Avaliação de diferentes gases de proteção na soldagem de aço inoxidável superduplex pelo processo (GTAW) gas tungsten arc welding orbital Evaluation of different shielding gases in the welding of superduplex

Leia mais

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre

ESPECTROMETRIA ATÔMICA. Prof. Marcelo da Rosa Alexandre ESPECTROMETRIA ATÔMICA Prof. Marcelo da Rosa Alexandre Métodos para atomização de amostras para análises espectroscópicas Origen dos Espectros Óticos Para os átomos e íons na fase gasosa somente as transições

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ. Inspeções Internas. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DE ATUAÇÃO SENAC EM JUNDIAÍ Inspeções Internas João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas

Leia mais

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Solda soldagem EaD 10/10/2010 Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Prof. Dr. Almir M. Quites www.soldasoft.com.br O mercado exige cada vez mais qualificação profissional, mas todos nós temos

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética

Técnicas de fundição. Técnicas De Fundição. Page 1 1. Odontologia: tem por função restituir ao dente: Saúde Forma Função Estética Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Técnicas de fundição Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

Sistemas de Corte CNC ESAB

Sistemas de Corte CNC ESAB Sistemas de Corte CNC ESAB Soluções em Sistemas de Corte CNC Pioneira no processo de corte a plasma, a ESAB domina desde 1957 toda a tecnologia envolvida no processo, sendo a única empresa no mundo capaz

Leia mais

Comunicado à imprensa

Comunicado à imprensa Energia hidráulica: Tecnologia de soldagem para o planeta azul Andritz Hydro segurança absoluta requerida / Tendências para novos processos de união Fontes de energia renováveis representam uma parcela

Leia mais

Distribuição. Soluções em Aço para Solda

Distribuição. Soluções em Aço para Solda Distribuição Soluções em Aço para Solda A ArcelorMittal Distribuição apresenta sua linha de produtos para solda. A Belgo Bekaert Arames é líder de mercado no Brasil e tem um dos mais modernos parques industriais

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche.

Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS. Aula 02. Processo de Fabricação. Prof. Sandro Vilela da Silva. sandro@cefetrs.tche. Centro Federal de Educação Tecnológica de Pelotas CEFET-RS Projeto Físico F Digital Aula 02 Processo de Fabricação Prof. Sandro Vilela da Silva sandro@cefetrs.tche.br Copyright Diversas transparências

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 0 UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança do Trabalho TIAGO ALEXANDRE

Leia mais

Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação

Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação Espectrofotometria Atômica Fundamentos e Instrumentação Patrocinadores: Instrutor: Nilton Pereira Alves Métodos Espectrofotométricos São um conjunto de técnicas relacionadas com a interação da radiação

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015

ASPERSÃO TÉRMICA. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015 ASPERSÃO TÉRMICA Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015 LABORATÓRIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA - AT Os processos

Leia mais

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação

Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Radiografias: Princípios físicos e Instrumentação Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Radiografias: Princípios físicos Roteiro Definições e histórico

Leia mais

Espírito Santo CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção

Espírito Santo CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Mecânica Noções Básicas de Processos de Soldagem e Corte Noções básicas de Processos de Soldagem e Corte - Mecânica SENAI - ES, 1996 Trabalho realizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA Professor Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. Curitiba PR 2012 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA TOCHA DE PLASMA PARA APLICAÇÃO NO PROCESSO DE ASPERSÃO TÉRMICA

DESENVOLVIMENTO DE UMA TOCHA DE PLASMA PARA APLICAÇÃO NO PROCESSO DE ASPERSÃO TÉRMICA DESENVOLVIMENTO DE UMA TOCHA DE PLASMA PARA APLICAÇÃO NO PROCESSO DE ASPERSÃO TÉRMICA Gabriel Villetti Vintacourt, gv000776@fahor.com.br 1 Leandro Vianna Fernandes, lf000809@fahor.com.br 1 Richard Thomas

Leia mais

Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas

Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas Ensaios não destrutivos Terminologia Parte 1: Descontinuidades em juntas soldadas APRESENTAÇÃO 1) Este 1º Projeto de Norma foi elaborado pela Comissão de Estudo de Terminologia (CE- 58:000.13) do ABNT/ONS-58

Leia mais

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM INTRODUÇÃO Atualmente, o problema das emissões de fumos e gases tóxicos nos processos de solda já é bastante conhecido dos engenheiros

Leia mais

APOSTILA L&A SOLDAGEM

APOSTILA L&A SOLDAGEM APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM POR ELETRODO REVESTIDO 1 APOSTILA L&A SOLDAGEM PROCESSO DE SOLDAGEM POR ELETRODO REVESTIDO SALVADOR 2012 2 Copyright 2012 por L&A SOLDAGEM. Todos os direitos

Leia mais

Riscos e soluções para os fumos de solda

Riscos e soluções para os fumos de solda Riscos e soluções para os fumos de solda MANUAL DE SAÚDE PARA SOLDADORES 2 A soldagem produz fumos, substâncias tóxicas na forma de particulado fino em suspensão (pó). Isso também ocorre com atividades

Leia mais

Segurança nos Processos de Soldagem

Segurança nos Processos de Soldagem 1 Segurança nos Processos de Soldagem 1 Classificação dos Processos de Soldagem - Brasagem - Soldagem - Solda Fraca Brasagem Na brasagem a união entre os materiais é feita sem a fusão dos materiais de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição

Ensaio por raios X. Na aula anterior você conheceu os raios X e os. Nossa aula. Geometria da exposição A U A UL LA Ensaio por raios X Introdução Na aula anterior você conheceu os raios X e os raios gama, que são radiações eletromagnéticas, e algumas de suas propriedades. Nesta aula, estudaremos mais detalhadamente

Leia mais

B E L G O B E K A E R T A R A M E S S. A.

B E L G O B E K A E R T A R A M E S S. A. A TT S O U R C E Sistemas completos de exaustão localizada e filtragem de fumos metálicos e demais particulados gerados em diversos processos industriais. Filtros para névoa de óleo. Sistemas de aspiração

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA

DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA DETERMINAÇÃO DO CÁLCIO NUMA ÁGUA POR ESPECTROFOTOMETRIA DE ABSORÇÃO ATÓMICA Eng.ª Maria Fátima Sá barroso Métodos Instrumentais de Análise I Engenharia Química Elaborado por: Vera Pereira nº990542 Turma:

Leia mais

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS À BASE DE DIFERENTES CARBONETOS

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS À BASE DE DIFERENTES CARBONETOS XV Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 29/09 a 03/10/2008 - Curitiba PR Paper CRE08-CM09 SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão

2 Deposição por PVD. 2.1. Introdução. 2.2. Processos de erosão 2 Deposição por PVD 2.1. Introdução Pretendemos fazer uma pequena revisão da física da erosão induzida por íons energéticos (sputtering), os processos físicos que acontecem nas interações na superfície

Leia mais

Soluções para Tratamento Térmico de Metais

Soluções para Tratamento Térmico de Metais Soluções para Tratamento Térmico de Metais Nosso foco na Air Products é claro: desenvolver tecnologias de ponta que possam ajudar nossos clientes a economizar dinheiro. Engenharia de Aplicações e Desenvolvimento

Leia mais

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com

RADIOLÓGICA. Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com EMENTA Produção de Raios X : O Tubo de Raios X Sistema de geração de imagens por raios X Formação de Imagem radiográfica

Leia mais

ÍNDICE 60050-841 IEC:2004 368

ÍNDICE 60050-841 IEC:2004 368 60050-841 IEC:2004 368 ÍNDICE A abertura de acesso... 841-29-21 abóbada... 841-22-35 abóbada arrefecida a água... 841-26-33 abóbada de arrefecimento por nevoeiro... 841-26-19 abóbada do forno de arco...

Leia mais

Título do Trabalho: O Uso de Queimadores Infravermelho a Gás na Indústria

Título do Trabalho: O Uso de Queimadores Infravermelho a Gás na Indústria Instruções gerais: Forma de apresentação: de preferência Programa Word 6.0 / 7.0 - Papel A4 fonte Arial 11- no máximo 20 páginas Se houver ilustrações (figuras, desenhos, mapas, tabelas, etc devem vir

Leia mais

TEORIA INFRAVERMELHO

TEORIA INFRAVERMELHO TEORIA INFRAVERMELHO Irradiação ou radiação térmica é a propagação de ondas eletromagnética emitida por um corpo em equilíbrio térmico causada pela temperatura do mesmo. A irradiação térmica é uma forma

Leia mais

Lâmpadas de Descarga (HID)

Lâmpadas de Descarga (HID) Lâmpadas de Descarga (HID) ARTCOLOUR (MH-T) HPLN (Mercúrio) Lâmpada de Multi-Vapor Metálico coloridas, tipo MH-T, consistem de um tubo de descarga em quartzo, contendo vapor de mercúrio em alta pressão

Leia mais

Tecnologia em Equipamentos de Solda

Tecnologia em Equipamentos de Solda Catálogo de para Soldagem e Corte Plasma Seleção do Processo de Soldagem X Material Base Selecione o melhor Processo de Soldagem em função do Material Base a ser utilizado. Este diagrama é ilustrativo

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg

12:00 Lunch 13:00 Agregando valor através da escolha correta Thomas Linkenheil, Trelleborg 0 Agenda 8:30 Registration Coffee 9:00 Value Added Packaging Rainer Kuhn, PrintCity 9:30 Desafios na Indústria de embalagem de Dr. Bernhard Fritz, SunChemical papelão 10:10 Agregando Valor através de tecnologias

Leia mais

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA

UFJF CONCURSO VESTIBULAR 2011-2 GABARITO DA PROVA DISCURSIVA DE QUÍMICA UFJF CNCURS VESTIBULAR 2011-2 GABARIT DA PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA Questão 1 Sabe-se que compostos constituídos por elementos do mesmo grupo na tabela periódica possuem algumas propriedades químicas semelhantes.

Leia mais

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO

SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO SISTEMAS DE DESPOEIRAMENTO para Alto-Forno, Aciaria e Fundição Captação eficiente das emissões Redução do consumo de energia Proteção do meio ambiente OTIMIZAÇÃO DO FLUXO: REDUÇÃO DE CUSTOS Placa de bocal

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

Professor Ventura Ensina Tecnologia

Professor Ventura Ensina Tecnologia Professor Ventura Ensina Tecnologia Experimento PV001 Maquete com Instalação Elétrica Ensino Fundamental Direitos Reservados = Newton C. Braga 1 Maquete com Instalação Elétrica Você gostaria de aprender

Leia mais

SEPARATAS. uec- e^^vo^0^» UIMICAMP INSTITUTO DE FÍSICA - GLEB WATAGHIN FORARCOI. B.J. Holt. J.V. Diaz, H.G. Huber e Carlos A.

SEPARATAS. uec- e^^vo^0^» UIMICAMP INSTITUTO DE FÍSICA - GLEB WATAGHIN FORARCOI. B.J. Holt. J.V. Diaz, H.G. Huber e Carlos A. e^^vo^0^» INSTITUTO DE FÍSICA - GLEB WATAGHIN UIMICAMP SEPARATAS FORARCOI B.J. Holt. J.V. Diaz, H.G. Huber e Carlos A. Luengo uec- 6EPARATA S -030/78 Forarcol* BJ. HOLT*». J.V. DIAZ, H.G. HUBER** e CARLOS

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO

FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO FUNDAMENTOS DO PROCESSO DE RECICLAGEM DE ALUMÍNIO O Consome Consome-se alumínio se 17000 é o metal kwh/t Al em maior consumo abundância de aproximadamente na crosta 4t terrestre de bauxita produção de

Leia mais

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO

PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO PROCESSOS E VARIÁVEIS DE FUNDIÇÃO Sergio Mazzer Rossitti maio/1993 Fundição não é uma arte! É um campo do conhecimento tecnológico, bastante complexo e com um grande numero de variáveis. Exige pois, do

Leia mais

RICARDO ALMEIDA SANCHES DEFEITOS EM SOLDA DETECTÁVEIS ATRAVÉS DE INSPEÇÃO VISUAL

RICARDO ALMEIDA SANCHES DEFEITOS EM SOLDA DETECTÁVEIS ATRAVÉS DE INSPEÇÃO VISUAL CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE MANAUS CEULM CURSO DE ENGENHARIA CIVIL RICARDO ALMEIDA SANCHES DEFEITOS EM SOLDA DETECTÁVEIS ATRAVÉS DE INSPEÇÃO VISUAL Manaus 2010 RICARDO ALMEIDA SANCHES DEFEITOS EM

Leia mais

Centro Universitário Padre Anchieta

Centro Universitário Padre Anchieta Absorbância Centro Universitário Padre Anchieta 1) O berílio(ii) forma um complexo com a acetilacetona (166,2 g/mol). Calcular a absortividade molar do complexo, dado que uma solução 1,34 ppm apresenta

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (Perfil 08) «21. A grafia incorreta do resultado da medição propicia problemas de legibilidade, informações desnecessárias e sem sentido. Considerando

Leia mais

UFU 2009/1. 2- Uma das alternativas para reduzir a quantidade de lixo produzida mundialmente é aplicar a teoria dos 3Rs:

UFU 2009/1. 2- Uma das alternativas para reduzir a quantidade de lixo produzida mundialmente é aplicar a teoria dos 3Rs: UFU 2009/1 1-Nas festas de Réveillon, o céu fica embelezado pelas cores emitidas pela queima dos fogos de artifício. A esses fogos são adicionadas substâncias, cujos átomos emitem radiações de luminosidades

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

MÁSCARA DE SOLDA CR-02

MÁSCARA DE SOLDA CR-02 *Imagens meramente ilustrativas MÁSCARA DE SOLDA CR-02 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁSCARA DE SOLDA SR-02 Modelo: Área de visão: Dimensões do filtro: V8-MS-CR2 92 x 42 mm

Leia mais

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999

O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 O Conceito de Corrosão Engenharia SACOR, setembro/1999 A corrosão é a deterioração de metais e ligas por ação química do meio ambiente. Sendo este meio a água do mar ou o solo, metais e ligas que nele

Leia mais

Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual

Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual Comparativo de desempenho de processos de soldagem MIG robotizado X manual Everaldo César de Castro 1, Valner João Brusamarello 2 1 GPIAS- Grupo de pesquisa em Informática, automação e sistemas- Universidade

Leia mais

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA

ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA ESPECTROSCOPIA VISÍVEL E ULTRAVIOLETA Princípios básicos A espectrofotometria visível e ultravioleta é um dos métodos analíticos mais usados nas determinações analíticas em diversas áreas. É aplicada para

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81

Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81 Gerador de Nitrogênio - NG NG 7-81 O que é o Nitrogênio? Gás incolor, inodoro e sem gosto Constitui 78% da atmosfera de nosso planeta Gás inerte Gás Volume % Nitrogênio 78,08 Oxigênio 20,94 Argônio Hidrogênio

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

O CONTADOR GEIGER-MULLER

O CONTADOR GEIGER-MULLER O CONTADOR GEIGER-MULLER O contador Geiger (ou contador Geiger-Müller ou contador G-M) serve para medir certas radiações ionizantes. Este instrumento de medida, cujo princípio foi imaginado por volta de

Leia mais

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso

Importante. Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso Importante Desligar os celulares ou colocar no modo silencioso ENG101 MATERIAIS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS Prof. Dr. Vitaly F. Rodríguez-Esquerre 1989-1994 Eng. Eletrônico - Peru 1996-1999 Mestre em Eng. Elétrica

Leia mais

1895: Wilhelm Conrad Röntgen, físico alemão, descobriu os raios-x em suas experiências com tubos de raios catódicos;

1895: Wilhelm Conrad Röntgen, físico alemão, descobriu os raios-x em suas experiências com tubos de raios catódicos; I. INTRODUÇÃO A radiologia geral de diagnóstico foi a primeira técnica de diagnóstico por imagem e continua sendo hoje uma das mais importantes modalidades. Suas principais aplicações são em traumatologia

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA

INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA INFLUÊNCIA DOS PARÂMETROS DE SOLDAGEM NA MICROESTRUTURA DA ZONA AFETADA TERMICAMENTE - ZAT DA JUNTA SOLDADA DE UM AÇO DE ALTA RESISTÊNCIA José Francisco dos REIS SOBRINHO (1); Nelson Guedes de ALCÂNTARA

Leia mais

webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com.

webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com. webcomm.com.br CATÁLOGO DE PRODUTOS Rua Redenção, 176 Belém São Paulo SP Brasil +55 11 2692 4735 allprot@allprot.com.br www.allprot.com.br Linha PARA LENTES PLANAS E GRADUADAS Desde 1996 a Allprot se preocupa

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE GÁS DE PROTEÇÃO DA SOLDAGEM MIG/MAG NA QUALIDADE DO CORDÃO DE AÇO INOXIDÁVEL

INFLUÊNCIA DO TIPO DE GÁS DE PROTEÇÃO DA SOLDAGEM MIG/MAG NA QUALIDADE DO CORDÃO DE AÇO INOXIDÁVEL INFLUÊNCIA DO TIPO DE GÁS DE PROTEÇÃO DA SOLDAGEM MIG/MAG NA QUALIDADE DO CORDÃO DE AÇO INOXIDÁVEL Demostenes Ferreira Filho Universidade Federal de Uberlândia UFU FEMEC, Campus Santa Mônica, Bloco M,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO

DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO Cristiano Borchate, cb000687@fahor.com.br¹ Richard Thomas Lermen, richard@fahor.com.br¹ Faculdade Horizontina (FAHOR), Avenida

Leia mais

TRINCA A FRIO NA SOLDAGEM. Alexandre Araújo Bezerra. Doutor em Engenharia Mecânica pela USP Professor do CEFET-SP - Unidade Sertãozinho

TRINCA A FRIO NA SOLDAGEM. Alexandre Araújo Bezerra. Doutor em Engenharia Mecânica pela USP Professor do CEFET-SP - Unidade Sertãozinho TRINCA A FRIO NA SOLDAGEM Alexandre Araújo Bezerra Doutor em Engenharia Mecânica pela USP Professor do CEFET-SP - Unidade Sertãozinho Este trabalho tem o intuito de apresentar uma revisão bibliográfica

Leia mais

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria

Radiação. Grupo de Ensino de Física da Universidade Federal de Santa Maria Radiação Radiação é o processo de transferência de energia por ondas eletromagnéticas. As ondas eletromagnéticas são constituídas de um campo elétrico e um campo magnético que variam harmonicamente, um

Leia mais

Válvulas gaveta e borboleta Válvulas de controle e transferência Válvulas angular e in-line Acessórios

Válvulas gaveta e borboleta Válvulas de controle e transferência Válvulas angular e in-line Acessórios inovar constantemente, oferecer um excelente serviço de pós-venda e atender a clientes da indústria e pesquisa com produtos e serviços apoiados no comprometimento com a qualidade e uso de tecnologia de

Leia mais

ELETROQUÍMICA (Parte II)

ELETROQUÍMICA (Parte II) ELETROQUÍMICA (Parte II) I ELETRÓLISE A eletrólise é um processo de oxirredução não espontâneo, em que a passagem da corrente elétrica em uma solução eletrolítica (solução com íons), produz reações químicas.

Leia mais

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL

4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 39 4 MÉTODO ANALÍTICO EMPREGADO NA DETERMINAÇÃO DE MERCÚRIO TOTAL 4.1 O Processo de absorção atômica A absorção de energia por átomos livres, gasosos, no estado fundamental, é a base da espectrometria

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais