Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável"

Transcrição

1 Eletrônica Geral 1 Introdução Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável O projeto de uma fonte de tensão tem como principal objetivo o exercício de montagem prática, colocando o aluno face aos conceitos discutidos em sala de aula, além de resultar em uma importante ferramenta para o estudante, indispensável a seu laboratório de eletrônica particular. Com a montagem, o aluno terá condições de compreender a função de todos os componentes de uma fonte de tensão, além do comportamento do sinal elétrico em cada estágio. Diagrama em Blocos A figura abaixo mostra o diagrama em blocos do projeto. Mais adiante, veremos a forma de onda em cada uma dessas etapas. A entrada do circuito é a tensão alternada disponível no sistema elétrico urbano (110V ou 220V, ou em Taubaté 127V). A frequência do sinal de entrada é 60Hz, que é a frequência adotada no Brasil. Outros países do continente sul-americano, como o Paraguai, adotam a frequência de 50Hz. O transformador é responsável por isolar o circuito da rede elétrica e também por abaixar a amplitude da tensão para o valor desejado (ou próximo dele), porém o sinal continua alternado. O bloco retificador converte a tensão alternada do secundário em contínua pulsante, o que ainda é impróprio para alimentar alguns tipos de circuito. O filtro capacitivo, então, diminui a variação dessa tensão, deixando o sinal mais próximo do desejado, apresentando uma pequena variação da tensão na crista da onda, chamada de ripple. Quanto maior o valor da capacitância, menor será a variação ripple.

2 Eletrônica Geral 2 Lista de Materiais Legenda Código Descrição Qtd Ilustração P1 Plugue Plugue para Tomada Padrão ABNT 1 CB1 Cabo paralelo Cabo elétrico paralelo Ǿ 1,5mm 2m S1 Chave Interruptor Comum 250V 2A 1 S2 Chave Chave de seleção 110/220V 1 SF1 - Suporte para Fusível 1 F1 Fusível Fusível de Vidro 1A 1 T1 Trafo 12V Transformador com enrolamento primário de 110V/220V e enrolamento secundário de 12V (ou 6+6V) e corrente de 1A ou mais 1 D1 ~ D4 1N4002 Diodo retificador 1N4002 ou equivalente 4 C1 1000µF/25V Capacitor Eletrolítico 1 C2 10µF/25V Capacitor Eletrolítico 1 C3 100µF/25V Capacitor Eletrolítico 1 R1 R2 2k2Ω x 1/8W 220Ω x 1/8W Resistor 1 Resistor 1 P1 Pot 4k7 Ω Potenciômetro 1 Q1 TIP41 Transistor NPN 1 Z1 12,6V x 400mW Diodo Zener 1

3 Eletrônica Geral 3 LED1 LED VM LED vermelho redondo 3mm 1 V1 0~12V Bornes - Caixa - Voltímetro 0 a 12V (sugestão é comprar um mini multímetro de R$10,00) Par de Bornes fêmea para plugue banana preto e vermelho Caixa plástica 7x10x15cm (aprox.) para acomodar a montagem 1 1 par 1 PCI - Placa de Circuito Impresso virgem 5x5cm 1 Parafusos - Parafusos com porcas para fixação do transformador e da PCI 6 Dissipador de Calor - Dissipador (ou radiador) de calor para transistor TO Esquema Elétrico O esquema elétrico foi desenhado utilizando o software gratuito ExpressSCH (SCH é a sigla para schematics, que significa esquema elétrico em inglês), que pode ser facilmente encontrado na internet. Temos então no circuito uma fonte de tensão alternada (proveniente da tomada) e então S1 que é a chave geral do circuito, ligando ou desligando a fonte. Logo após temos F1, que é um fusível de vidro, com a função de proteger o primário do transformador em caso de sobre-corrente, ou seja, ele abre o circuito se a corrente circulante superar o limite estabelecido. Quando o fusível abre, deve ser constatada a causa da falha e então substituir o fusível, pois o antigo não tem conserto. O outro terminal do fusível é então ligado ao primário do transformador. Partindo do segundo terminal da fonte de tensão alternada, temos a chave S2, cujo a função é selecionar qual o tape receberá a tensão da rede elétrica, ou seja, 110V ou 220V.

4 Eletrônica Geral 4 A partir do secundário do transformador temos o conjunto de quatro diodos (D1 a D4) formando a ponte retificadora, que disponibiliza a tensão contínua pulsante. Essa tensão então chega aos terminais do capacitor C1 que filtra o sinal, deixando-o mais estabilizado. O conjunto formado por R1 e LED1 serve apenas para indicar que a fonte de tensão está ligada. O diodo zener Z1 juntamente com o resistor R2 e o potenciômetro P1, ajusta a tensão na base do transistor Q1. Essa tensão é filtrada pelo capacitor C2. Assim, o transistor vai conduzir de coletor da emissor somente o permitido pela tensão da base. O capacitor C3 filtra o sinal de saída mais uma vez, e disponibiliza para a saída através dos bornes. O Voltímetro está em paralelo com a saída para mostrar a tensão ao usuário. Essa tensão nos bornes poderá ser de 0 a 12V conforme ajuste do potenciômetro. Existe a possibilidade de montar um voltímetro digital para apresentar a tensão de saída, como é explicado no final desse material. Leiaute (Lay-out) da Placa de Circuito Impresso O leiaute (isso mesmo, é assim que se escreve em português) aqui apresentado é bastante compacto, e foi desenvolvido através do programa ExpressPCB. Note que os componentes até o transformador não se incluem no leiaute. A placa de circuito impresso já receberá o sinal alternado do secundário do transformador, para então realizar o tratamento do sinal. A próxima imagem mostra as bordas da placa de circuito impresso de 5x5cm em cor preta. As trilhas em cor verde estão do lado de baixo da placa, enquanto os componentes em azul são mostrados no lado superior da placa. Nas quatro extremidades estão os furos para fixação da placa na caixa plástica através de parafusos ou outro tipo de suporte. Pode-se ver em azul a posição e polaridade dos componentes. Em uma placa profissional, essa marcação seria chamada de silk, e nada mais é que uma pintura sobre o lado dos componentes da placa. No nosso caso nós não faremos a impressão do silk por falta de recursos, mas ainda assim ele é importante para sabermos a posição dos componentes durante a montagem.

5 Eletrônica Geral 5 As ilhas são os pontos vermelhos, também chamados de pads, que são onde os componentes devem ser soldados. As marcações na cor verde representam as trilhas que estão do lado cobreado da placa, ou seja, o lado oposto ao dos componentes. É chamado de Bottom Layer ou Camada Inferior. Quando estamos trabalhando com placas dupla face, existe também a Top Layer que é a camada de trilhas que fica do mesmo lado dos componentes, e é representado pela cor vermelha. Existem ainda placas com múltiplas camadas de trilhas (possuem camadas no interior da placa), chamadas Multi-layers boards. Top. A figura seguinte exibe o posicionamento dos componentes, observando-se o lado A figura abaixo mostra o leiaute da placa, observando-se o lado Bottom, ou seja, já é o lado das trilhas. É esse desenho que se deve utilizar para a confecção da placa de circuito impresso (PCI, ou PCB do inglês Printed Circuit Board). Agora deve-se tomar muito cuidado ao escolher o método de transferência do leiaute para a sua PCI. Dependendo do método utilizado, será necessário inverter o desenho. Se escolhermos o método de desenhar as trilhas com caneta de retroprojetor, nenhuma alteração será necessária, mas se desejarmos executar a transferência térmica utilizando papel Gloss, aí sim devemos realizar a inversão da imagem do leiaute. Para esses casos, segue abaixo.

6 Eletrônica Geral 6 Atenção! Esse leiaute está invertido para transferência térmica. Lembre-se sempre de executar a limpeza da placa com palha de aço limpa e seca antes de iniciar a transferência do desenho, independentemente do método escolhido, caso contrário haverá o risco de a trilha se soltar durante o mergulho no percloreto de ferro, comprometendo o seu projeto. Após a transferência do desenho para a PCI, imersão no banho de percloreto de ferro e limpeza das trilhas, lembre de secar a sua placa muito bem e de novamente realizar a limpeza com palha de aço seca, para remover qualquer início de oxidação da placa. Após esse processo, evite colocar a mão na parte cobreada da placa, pois isso reiniciará o processo de oxidação devido à umidade e salinidade presente em mãos humanas. Inicie a montagem dos componentes na placa começando por aqueles mais baixos seguido de sua respectiva solda. Após ter soldado os componentes mais baixos (resistores e diodos), vá para os mais altos e por fim solde os fios elétricos do transformador e dos bornes de saída. Lembre-se que uma boa solda é aquela executada encostando-se o ferro de solda ao mesmo tempo no terminal, ilha e estanho. Desencoste primeiro o estanho e depois o ferro de solda. Não coloque estanho em excesso e nem permaneça com o ferro de solda no mesmo ponto por mais de 2 segundos. Lembre-se também de trabalhar com segurança ao executar a solda. O ideal é sempre trabalhar utilizando os óculos de segurança, para evitar qualquer acidente. Leia o arquivo Dicas de Soldagem disponível no site Com a montagem da placa finalizada, é hora de fazer a montagem mecânica do projeto, realizando-se os furos e rasgos necessários à fixação dos dispositivos dentro da caixa. O ideal é que a chave seletora 110/220V, o porta fusíveis e a entrada da tomada sejam dispostos na traseira da caixa, enquanto os bornes, o LED, o potenciômetro, o voltímetro e a chave liga/desliga devem ser dispostos para a frente. Finalizada a montagem, é hora de testar a sua nova fonte de alimentação e anotar as formas de onda em cada etapa do circuito com a ajuda de um Osciloscópio. Mãos à obra.

7 Eletrônica Geral 7 Uma opção para o voltímetro pode ser a montagem de uma placa de circuito do voltímetro digital utilizando o CI ICL7107. O circuito pode ser encontrado no site abaixo:

8 Eletrônica Geral 8 Componentes R1 = 180k R2 = 22k R3 = 1,2k (ver nota) R4 = 1M R5 = 470k R6 = 560 C1 = 100pF C2 = 100nF C3 = 47nF C4 = 10nF C5 = 220nF P1 = 20k Trimpot U1 = ICL 7107 LD1,2,3,4 = Display 7 segmentos ânodo comum Nota- R3 ( escala voltímetro) 0-20 V.R3 = 1.2K V R3 = 12K V..R3 = 120K Referências Bibliográficas: BRAGA, Newton C. - Curso Prático de Eletrônica. Editora Saber, 1995 MALVINO, Albert Paul Eletrônica. Mcgraw Hill acessado em 12/outubro/2011.

Projeto Fonte de Tensão Variável

Projeto Fonte de Tensão Variável Projeto Fonte de Tensão Variável Aluno: Fábio de Oliveira Ribeiro Turma: 2PE Turno da Noite Professor: Cristiano Amaral INTRODUÇÃO: O primeiro desafio que me deparei foi entender o esquemático do projeto

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão

Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão Linear VHF com 4CX250 Fonte de Alta Tensão Dando início a descrição do linear para VHF utilizando a válvula 4CX250, vou começar pela fonte de Alta tensão. O circuito estpa descrito na Figura 1. Esta fonte

Leia mais

VU/ BARGRAPH ELZ0110/0111A/0111B Manual de montagem versão 1.0

VU/ BARGRAPH ELZ0110/0111A/0111B Manual de montagem versão 1.0 VU/ BARGRAPH ELZ0110/0111A/0111B Manual de montagem versão 1.0 O projeto VU/Bargraph foi desenvolvido para que iniciantes na área, possam aprender um pouco de eletrônica e se divertir com o kit. O kit

Leia mais

Laboratório de Processadores. Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI)

Laboratório de Processadores. Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI) Laboratório de Processadores Prof. Anderson Royes Terroso www.aterroso.com Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI) Este material foi desenvolvido com o objetivo de apresentar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento =1= ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

TUTORIAL FONTE LINEAR

TUTORIAL FONTE LINEAR TUTORIAL FONTE LINEAR Agradecemos a oportunidade de aprendizagem prática: Agradecimentos Programa de Educação Tutorial (PET) do MEC/SESu pelo suporte para o desenvolvimento deste tutorial. Francisco José

Leia mais

Pequeno livro sobre fontes de alimentação

Pequeno livro sobre fontes de alimentação 1 Pequeno livro sobre fontes de alimentação Antes de começarmos a falarmos de como funciona uma fonte de alimentação é preciso saber qual a sua função. Uma fonte de alimentação tem a função de transformar

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

CNC3AX V2010. Placa controladora de motor de passo via porta paralela para 3 eixos

CNC3AX V2010. Placa controladora de motor de passo via porta paralela para 3 eixos CNC3AX V2010 Placa controladora de motor de passo via porta paralela para 3 eixos FOUGA Laurent 2001-12-12 Vendas : www.shopcnc.com.br Suporte : www.guiacnc.com.br A placa CNC3AX permite controlar 3 motores

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

Professor Dário - CTU/UFJF - Pernas dos componentes - 09/06/04 - página 1 de 8

Professor Dário - CTU/UFJF - Pernas dos componentes - 09/06/04 - página 1 de 8 Professor Dário - CTU/UFJF - Pernas dos componentes - 09/06/04 - página 1 de 8 Os componentes eletrônicos possuem diversas características como tamanho e forma. Todos eles possuem terminais (pernas) que

Leia mais

DM-1000 MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES

DM-1000 MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES DM-1000 MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. DM-1000 MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier

The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier http://www.handmades.com.br The Secret Weapon Guitar Pre-amplifier PCB Ver. 1.7 DOC Ver. 1.2 - Haroldo Gamal e Leonardo Plautz Chocron Introdução Hoje em dia o site www.handmades.com.br representa uma

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

Manual montagem VXO40

Manual montagem VXO40 Manual montagem VXO40 PY2MG 1/1 2/2 Após cada operação, coloque um X nos parêntesis. A placas foi projetada para colocação de conectores Molex, mas se não tiver ou não quiser, pode-se ligar os fios diretamente

Leia mais

Carmine. HB-1 Tube Amplifier. Placa versão 1.22 Documento Versão 1.1

Carmine. HB-1 Tube Amplifier. Placa versão 1.22 Documento Versão 1.1 1 Carmine HB-1 Tube Amplifier Placa versão 1.22 Documento Versão 1.1 2 Carmine HB-1 Tube Amplifier Placa versão 1.22 Documento Versão 1.1 Índice Introdução 3 Dicas de Montagem 4 Esquema - Pré Amplificador

Leia mais

MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100

MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100 MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL DE BANCADA ITMD -100 1. GERAL Este multímetro é um instrumento de alto desempenho, com display de 4½ dígitos para medições de voltagem DC e AC, corrente DC e AC,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE

RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE Albert Cruz Loyanne Lemos Matheus Carvalho Pricilla Brandão Salvador Dezembro - 2010 Albert Cruz,

Leia mais

MULTÍMETRO DIGITAL ET-1001

MULTÍMETRO DIGITAL ET-1001 MULTÍMETRO DIGITAL ET-1001 MANUAL DE INSTRUÇÕES ET-1001 MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. ADVERTÊNCIA... 2 3. DESCRIÇÃO DO PAINEL FRONTAL... 5 4. ESPECIFICAÇÕES... 7

Leia mais

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Objetivo: Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Prof. Stefano Apresentar algumas considerações iniciais para permitir ao estudante se familiarizar com a placa de circuito impresso (PCI),

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares

Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares PY2 NFE - Ron Carga de teste para fontes chaveadas ou lineares Um dos problemas que nos defrontamos quando montamos ou modificamos uma fonte é o teste da mesma. Apenas a leitura da tensão de saída com

Leia mais

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 1 APOSTILAS Venda >>>Expressa MULTÍMETRO >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 2 MULTÍMETRO O multitester ou multímetro é o aparelho

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

5 Montagem Circuítos

5 Montagem Circuítos Montagem 5 Circuítos Ambiente de trabalho: Para trabalhar com montagem eletrônica e reparação de equipamentos o técnico precisa de algumas ferramentas, são elas: 1 - Ferro de solda: O ferro de solda consiste

Leia mais

Manual Montagem WAVmeter

Manual Montagem WAVmeter Página 1 de 9 Manual Montagem WAVmeter Rev. 0 Página 2 de 9 Antes de iniciar a montagem, leia o manual até o final, pois muitas perguntas serão respondidas no seu devido lugar. A placa que está recebendo,

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT

Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Universidade Federal Fluminense UFF Escola de Engenharia TCE Curso de Engenharia de Telecomunicações TGT Programa de Educação Tutorial PET Grupo PET-Tele Dicas PET-Tele Uma breve introdução à componentes

Leia mais

A importância das unidades

A importância das unidades APOSTILA DE Montagem de Circuitos Eletroeletrônicos CURSO: TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Prof: Carlos Alberto Serpeloni Barros A importância das unidades Medida: é a comparação dela com uma unidade padrão

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

Revisão de Fontes Lineares

Revisão de Fontes Lineares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Projeto de Fontes Chaveadas Revisão de Fontes Lineares Projeto de Magnéticos Projeto Térmico PCBs

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE

INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL RICARDO GARCIA JESKE RELATÓRIO: CONFECÇÃO DE CIRCUITO ELETRÔNICO PARA CONTROLE DE POTÊNCIA USANDO O CI TCA785 Pelotas

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Conjunto Sensor IR Para quem tem fome de vencer

Conjunto Sensor IR Para quem tem fome de vencer Conjunto Sensor IR Para quem tem fome de vencer Introdução: Muito obrigado por adquirir este produto. Ele foi projetado de forma a oferecer a melhor performance possível dentro de sua aplicação. Fornecemos

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Descarregador Bateria RX / TX. Funcionamento

Descarregador Bateria RX / TX. Funcionamento Descarregador Bateria RX / TX Funcionamento Você conectará os terminais das baterias RX e TX ao descarregador observando a polaridade correta, positivo (+) vermelho e o negativo (-) preto do seu pack de

Leia mais

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006. PdP. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Montagem da Ponte H Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL. Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento.

DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL. Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. DM-68 MULTÍMETRO DIGITAL Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 INTRODUÇÃO... 04 ACESSÓRIOS... 04 ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6250

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6250 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6250 fevereiro de 2010 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

Construindo um Filtro de Linha

Construindo um Filtro de Linha Construindo um Filtro de Linha Eng Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos> Este artigo descreve como construir de forma prática um filtro de linha para PC. 1 Índice: Conteúdo:

Leia mais

Testador de cabos de rede

Testador de cabos de rede Testador de cabos de rede Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram neste manual: detalhes

Leia mais

Trânsito Inteligente

Trânsito Inteligente Trânsito Inteligente Adriano de Miranda - floric_adm@yahoo.com Marcio José Stedile - marciostedile@aol.com Samuel Alessandro Camargo - mirindauva@ig.com.br 1. Abstract The objective of the project was

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR RL DIGITAL MODELO RL-250 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM CONVERSOR FLYBACK

PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM CONVERSOR FLYBACK INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento Acadêmico de Eletrônica Pós-Graduação em Desenvolvimento de Produtos Eletrônicos Conversores Estáticos e Fontes Chaveadas PROJETO DE FONTE CHAVEADA COM

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428 Eletrônica Básica Educador Social: Alexandre Gomes Multimetro Resistores Varistor Termistor Fusível Capacitores Diodos Transistores Fonte de Alimentação Eletrônica Básica: Guia Prático Multimetro É o aparelho

Leia mais

DM-98 MULTÍMETRO DIGITAL

DM-98 MULTÍMETRO DIGITAL DM-98 MULTÍMETRO DIGITAL Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 INTRODUÇÃO... 04 ACESSÓRIOS... 04 ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo

Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Lista VI de Eletrônica Analógica I Retificadores e Filtro Capacitivo Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Lista de Exercícios 6 de Eletrônica Analógica Introdução Teórica Os

Leia mais

Eletricidade Aplicada à Informática

Eletricidade Aplicada à Informática Professor: Leonardo Leódido Ligações Elétricas Sumário Dispositivos Eletro-Eletrônicos Dispositivos de Medição Dispositivos Eletro-Eletrônicos Resistência Todo elemento em um circuito oferece um certa

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ ANEXO I RELAÇÃO DO MATERIAL PARA REVITALIZAÇÃO DOS LABORATORIOS DE CIENCIAS em favor da EEEP JOAQUIM NOGUEIRA, NE: 15.134, Valor Limite: R$5.580,88 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MÍNIMAS DOS MATERIAIS ITEM DESCRITIVO

Leia mais

Acendendo as luzes. Projeto 1 LED piscante. Componentes necessários. capítulo 2. Protoboard. LED de 5 mm. Resistor de 100 ohms * Fios jumper

Acendendo as luzes. Projeto 1 LED piscante. Componentes necessários. capítulo 2. Protoboard. LED de 5 mm. Resistor de 100 ohms * Fios jumper capítulo 2 Acendendo as luzes Projeto 1 LED piscante Protoboard LED de 5 mm Resistor de 100 ohms * Fios jumper * Esse valor pode ser diferente, dependendo do LED que você utilizar. O texto explicará como

Leia mais

Descrição e dimensões dos itens elétricos

Descrição e dimensões dos itens elétricos Descrição e dimensões dos itens elétricos Item 2 2.1 Condutivímetro (Kit 01 Química - Compostos Iônicos) Lâmpada miniatura rosca. Voltagem 6 volts. Corrente 150 ma à 250 ma Diâmetro 9,5 mm e altura 22

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA CWF24-01 FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA (Input: 85 ~ 264 Vac / 120 ~ 370 Vdc) (Output: 24 Vdc / 1 A) CWF24-01 Fonte de Alimentação Chaveada Manual do usuário MAN-PT-DE-CWF24-01-01.00_14 Introdução Obrigado por

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000

Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Modificação do LED POWER Logic@sat L4000 Caro amigo, proprietário de um receptor Logic@sat L4000, alguma vez você já se questionou sobre o funcionamento do LED POWER do receptor? Além de ser vermelho,

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N

COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES. II III IV Dopagem com impureza. II Lado da junção a) N COORDENADORIA DE ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA BÁSICA - LISTA DE EXERCÍCIOS DIODOS SEMICONDUTORES 1. Associe as informações das colunas I, II, III e IV referentes às características do semicondutor I II III

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6130

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6130 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6130 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança...

Leia mais

CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T

CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR PARA TERMOPAR TRM-270T. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-270T, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006

PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Utilizando uma Fonte de Computador Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 28/08/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto laboratório de tecnologia Instituto ensino médio ensino fundamental disciplina tecnologia UTILIZANDO O MuLTISIM Introdução ao Multisim Software de Simulação de Circuitos da National Instruments ESCOLA:

Leia mais

Texto Teórico 02: RESISTORES

Texto Teórico 02: RESISTORES INSTITUTO FEDERL SNT CTRIN MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CURSO DE ENGENHRI DE TELECOMUNICÇÕES Texto Teórico

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

1/ 11 PY2MG. Manual Montagem Maritaca. Parte 1 Recepção

1/ 11 PY2MG. Manual Montagem Maritaca. Parte 1 Recepção 1/ 11 PY2MG Manual Montagem Maritaca Parte 1 Recepção 2/ 11 PY2MG Siga as instruções passo a passo para ter sucesso na montagem. Não tenha pressa e ao colocar os componentes, seja cuidadoso. Faça uma montagem

Leia mais

SEÇÃO 7C Alternadores

SEÇÃO 7C Alternadores SEÇÃO 7C Alternadores Índice da Seção Página ALTERNADORES Tabela nº... Identificação, Descrição dos Sistemas... Teste de Saída de Tensão - Somente CA... 0 Teste de Saída de Tensão - Somente CC... 9 / A...

Leia mais

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução (Eletrônica 1) GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima O que são sistemas eletrônicos? Sistemas elétricos, como os circuitos da sua casa, usam corrente elétrica para alimentar coisas como

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

fig. 1 - símbolo básico do diodo

fig. 1 - símbolo básico do diodo DIODOS São componentes que permitem a passagem da corrente elétrica em apenas um sentido. Produzidos à partir de semicondutores, materiais criados em laboratórios uma vez que não existem na natureza, que

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6150

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6150 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6150 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042

MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042 MULTÍMETRO DIGITAL ET-2042 MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 02 2. INTRODUÇÃO... 04 3. ACESSÓRIOS... 05 4. ESPECIFICAÇÕES... 05 4.1 Especificações Gerais... 05 4.2 Especificações

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6360

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6360 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-6360 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Física Experimental II. Instrumentos de Medida

Física Experimental II. Instrumentos de Medida Física Experimental II Instrumentos de Medida Conceitos Básicos I 1. Corrente Elétrica: chamamos de corrente elétrica qualquer movimento de cargas de um ponto a outro. Quando o movimento de cargas se dá

Leia mais

COMO TESTAR COMPONENTES ELETRÔNICOS

COMO TESTAR COMPONENTES ELETRÔNICOS NEWTON C. BRAGA COMO TESTAR COMPONENTES ELETRÔNICOS VOLUME 1 Instituto Newton C. Braga www.newtoncbraga.com.br contato@newtoncbraga.com.br COMO TESTAR COMPONENTES ELETRÔNICOS NEWTON C. BRAGA Copyright

Leia mais