Motores de Combustão Interna

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores de Combustão Interna"

Transcrição

1 Motores de Combustão Interna Professora: Jaciana Silva de Santana

2 6 - Temperatura de Auto-Ignição Propriedade dos Combustíveis É a temperatura na qual aquecendo uma mistura ar-combustível inicia-se espontaneamente a sua combustão. Para cada tipo de combustível, existe uma temperatura de auto-ignição. Combustíveis LIF LSF T ign. ( C) Metano 5, Acetileno Etileno 2,7 28,6 450 Propano 2,4 9,5 450 Butano 2 8,5 550 Hidrogênio 4,1 72,2 560 Amoníaco Gasolina 1,4 7,6 300 Gasóleo 230 Metanol 6, Etanol 4,3 19

3 Propriedade dos Combustíveis 7 - Temperatura Adiabática de Chama A temperatura adiabática de chama é a temperatura do final da combustão de uma mistura, ou seja, é a temperatura mais elevada que se poderá atingir na sua combustão, sem retiragens ou perdas de calor.

4 Propriedade dos Combustíveis 8 - Poder Calorífico É a quantidade de energia disponível no combustível. Pode ser indicado pela massa de combustível ou pelo volume, já que os motores são limitados pelo volume da mistura.

5 Propriedade dos Combustíveis 9 - Produção de CO 2 O processo da combustão em combustíveis produzem dióxido de carbono, também chamado de gases do estufa. Estes gases poluem a camada de ozônio, provocando vários danos ambientais e de saúde. A tabela indica alguns exemplos de combustíveis com relação à emissão de CO 2. Combustíveis Emissões de CO 2 Gasolina 100 Gasóleo 102 GLP 87 Gás Natural 75 Hidrogênio 0

6 Gases da Combustão

7 GASOLINA A gasolina é um produto da destilação fracionada do petróleo bruto, com temperaturas de ebulição em torno de 25 C e 250 C. No mercado possuem diversos tipos de gasolina, dentre elas temos: gasolina automotiva tipo A; gasolina tipo A-Premium; gasolina tipo C; gasolina tipo C-Premium; gasolina aditivada e gasolina padrão.

8 OCTANAGEM A octanagem é a resistência que a gasolina tem à auto-ignição, o que pode levar à detonação localizada, causando perda de potência e sérios danos ao motor, dependendo de sua intensidade e persistência. Um combustível com mais octanas (ou maior octanagem) permite fazer um motor mais eficiente energeticamente, reduzido consumo e emissões.

9 OCTANAGEM Os projetistas de motores levam em conta a octanagem do combustível para determinar a taxa de compressão, curvas de avanço de ignição. A octanagem da gasolina é determinada pelos métodos RON e MON. MÉTODO RON (Research Octane Number Número de Octano Pesquisa) Avalia a resistência do combustível à detonação, sob condições suaves de trabalho em baixa rotação (Ex: ao arrancarmos o veículo em um sinal). Norma ASTM D 2699.

10 OCTANAGEM MÉTODO RON (Research Octane Number Número de Octano Pesquisa)

11 OCTANAGEM MÉTODO MON (Motor Octane Number Número de Octano Motor) Avalia a resistência da gasolina à detonação com carga total em alta rotação (Ex: subida de ladeira com marcha reduzida e velocidade alta, ultrapassagens). Norma ASTM D Os números adquiridos nos dois métodos (RON e MON), são obtidos através de um motor padrão, fabricado pela companhia DRESSER-WAUKESHA.

12 OCTANAGEM Motores CFR (Cooperative Fuel Research)

13 OCTANAGEM A avaliação da octanagem da gasolina é justificada pela necessidade de garantir que o produto atenda às exigências dos motores no tempo de compressão e início da expansão (quando ocorre aumento de pressão e de temperatura) sem entrar em auto-ignição. A especificação brasileira utiliza a média entre RON e MON conhecido como IAD (Índice antidetonante), que nada mais é que a média aritmética do método MON e RON. IAD = (MON + RON) / 2

14 OCTANAGEM No mundo, a gasolina com mais alta octanagem, entre todas comercializadas atualmente, é a Petrobras Podium. Ela é a mais avançada e apropriada para qualquer veículo a gasolina. Foi elaborada com a mesma tecnologia usada no desenvolvimento da gasolina Petrobras na Fórmula 1. Algumas de suas características específicas são mais bem observadas quando é usada para abastecer veículos de alto desempenho.

15 OCTANAGEM Proporciona: total aproveitamento da potência projetada pelo fabricante do motor, retomada de velocidade em menor tempo (conseqüentemente garante ultrapassagens mais seguras). Está disponível apenas nos postos Petrobras de algumas cidades brasileiras.

16 OCTANAGEM

17 Valores Típicos do Número de Octanas no Brasil Gasolina tipo C comum = 87 octanas IAD (Especial C - Texaco). Gasolina tipo C aditivada = 87 octanas IAD (Gasolina Plus Texaco). Gasolina tipo C premium = 91 octanas IAD (Gasolina premium Texaco). Gasolina tipo C = 95 octanas IAD (Podium BR). Gasolina de aviação = 100 a 145 octanas IAD. Álcool etílico anidro = 100 octanas IAD.

18 ANP n 05 de 2001

19 Propriedade dos Combustíveis GASÓLEO = DIESEL O gasóleo também é um produto da destilação fracionada do petróleo bruto, com temperatura de ebulição variando entre 180 C e 360 C. Este combustível é utilizado em motores à compressão, e ao contrário da gasolina este deve ser facilmente auto-inflamável. A densidade do gasóleo é superior ao da gasolina (0,85 contra 0,75) o que origina menor consumo (quando medido em volume).

20 Outros Combustíveis Além da gasolina e do gasóleo (diesel), há outros combustíveis que se podem usar nos motores de combustão interna. Estes podem ser combustíveis líquidos como ésteres, alcoóis ou mesmo óleos vegetais, mas também pode usar combustíveis gasosos como gás natural.

21 Outros Combustíveis Combustíveis Gasosos Gases de Petróleo Liquefeitos (GLP LPG) Gás Natural Hidrogênio Alcoóis, Ésteres e Outros Oxigenados Alcoóis Ésteres Ácidos Gordos (gorduras) Ésteres (biodiesel) Nitrometano.

22 Combustíveis Gasosos Os combustíveis gasosos possui baixa relação entre o número de moléculas de carbono e hidrogênio, no qual produzem menor quantidade de CO 2, além de facilmente se misturarem com o ar, fáceis de queimar. Porém, possuem baixa velocidade de propagação de chama e necessitam de maior energia de ignição, o que os torna impróprios para o uso em motores diesel.

23 Combustíveis Gasosos Gases do Petróleo Liquefeitos (GLP LPG) GLP Mistura (propano butano etano) >95% Vmáx = 80% do V.interno As principais vantagens: menor custo (metade do valor da gasolina); menor produção de CO 2 ; maior vida em serviço do motor. As desvantagens: preço da instalação; espaço ocupado pelo cilindro de gás.

24 Combustíveis Gasosos Existem três modos de fornecer gás de petróleo liquefeito para o motor: 1- Aspiração num Venturi situado no coletor de admissão. 2- Injeção MPI (sistema de injeção multiponto) no estado gasoso. 3- Injeção MPI (sistema de injeção multiponto) no estado líquido.

25 Combustíveis Gasosos Gases do Petróleo Liquefeito (GPL LPG) 2 - Injeção PMI (sistema de injeção multiponto) no estado gasoso. 3 - Injeção PMI no estado líquido. Nos sistemas (2) e (3) o fornecimento do GPL é feito, em sobrepressão, em frente a cada válvula de admissão.

26 Propriedade dos Combustíveis Gases do Petróleo Liquefeito (GPL LPG) Alterações do motor: Aumento da taxa de compressão (maior índice de octano). Aumento do avanço da ignição em cerca de 5 (devido a velocidade de propagação de chama ser menor que a da gasolina).

27 Gás Natural Combustíveis Gasosos Armazenado comprimido (fase gasosa ou líquida ) Como o metano tem uma baixa relação de C/H a produção de CO 2 é comparativamente baixa (cerca de 25% a menos que a gasolina) e os poluentes possuem níveis baixos de HC e CO devido a sua fácil mistura com o ar. Desvantagem: baixa velocidade de propagação de chama que é significativamente inferior a da gasolina.

28 Combustíveis Gasosos Gás Natural O gás natural pode ser armazenado comprimido na fase gasosa ou líquida em veículos. A sua velocidade de propagação de chama que é inferior a da gasolina.

29 Combustíveis Gasosos Hidrogênio A mistura ar/hidrogênio contém cerca de 30% (em volume) de hidrogênio. Visto como o combustível do futuro devido as suas características poluentes (sua combustão produz água e um pouco de óxido de azoto NO x ). Vantagens: Rendimento elevado mesmo contendo misturas extra-pobres; Possuir a velocidade de propagação de chama uma ordem de grandeza superior a da gasolina. Problemas: Facilidade de entrar em auto-ignição.

30 Combustíveis Gasosos Alcoóis Os alcoóis são hidrocarbonetos parcialmente oxidados. Em motores usam-se o metanol e o etanol. METANOL ETANOL O Etanol é o mais utilizado no Brasil na sua forma quase pura. Sua desvantagem é a corrosão. Éteres Os ésteres são moléculas com um átomo de hidrogênio ligando dois radicais. Podem ser líquido ou gases altamente inflamáveis. Sua obtenção se dá através de desidratação na presença de ácido sulfúrico.

31 Combustíveis Gasosos Ácidos Gordos (Gorduras) São geralmente compostas por vários triglicerídeos. Podem ser usados como combustível em motores de combustão interna. O modo de combustão é propício a motores de ignição por compressão. Pode ser misturado com o gasóleo. Sua combustão produz lacas e outros depósitos sólidos que rapidamente inutilizam o motor por obstrução da câmara de combustão. Por esta razão seu uso ainda é muito limitado.

32 Combustíveis Gasosos Ésteres (Biodiesel) São conhecidos como biodiesel ou por FAME (éster metílico de ácidos gordos) São obtidos por reação entre um ácido e um álcool, através de um processo chamado esterificação. Possuem índice de cetano superior ao gasóleo com propriedades lubrificantes contendo baixo teor de enxofre. CO 2 Ciclo do carbono curto Gases do efeito estufa

33 Combustíveis Gasosos Nitrometano O nitrometano é um composto que além de carbono e hidrogênio contém oxigênio e azoto e é conhecido por aumentar a potência dos motores e pelo seu poder explosivo. Uma desvantagem é seu custo elevado. Combustíveis Sintéticos Estes tipos de combustíveis são produzidos através de síntese de outros combustíveis tais como o carvão, gás natural ou hidrogênio.

34 Combustíveis Gasosos Óxido Nitroso A injeção de óxido nitroso N 2 O é usada para aumentar a potência dos motores durante um pequeno período. Essa substância não é um combustível, mas sim um oxidante, permitindo que uma maior quantidade seja injetada e queimada no motor.

35 ADITIVOS Os aditivos são utilizados para: propiciar desempenho relacionadas com a operação dos motores. minimizar problemas de manuseio e armazenamento. Existe uma variedade grande de aditivos usados nas gasolinas modernas. No Brasil, este uso é restrito e apenas alguns distribuidores juntam produtos especiais à gasolina. Nos postos de serviço são encontrados, também, alguns tipos de aditivos, mas o seu uso não é tão generalizado como em outros países.

36 ADITIVOS hidrocarbonetos aromáticos (xileno, benzeno ou tolueno) Alemanha, Inglaterra, França, tália, Suécia, Tchecoslováquia, Espanha, Argentina, Estados Unidos, África do Sul, Austrália. Alcoól Anidro Brasil (25% na mistura) Em países com petroquímica avançada, onde o processo de refinação fornece elevada octanagem, através do craqueamento e reforma catalítica, alquilação, polimerização, isomerização, o uso de aditivos vem desaparecendo.

Química Aplicada. QAP0001 Licenciatura em Química Prof a. Dr a. Carla Dalmolin

Química Aplicada. QAP0001 Licenciatura em Química Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Química Aplicada QAP0001 Licenciatura em Química Prof a. Dr a. Carla Dalmolin carla.dalmolin@udesc.br carla.dalmolin@gmail.com Combustíveis Reações de Combustão Reação química entre uma substância (combustível)

Leia mais

Combustíveis Derivados do Petróleo

Combustíveis Derivados do Petróleo Ana Catarina Bárbara Martins Mafalda Silva Bruno Castro Nuno Dias Inês Lima Silvana Ferreira Jorge Lata Supervisor: João Bastos Monitor: Cláudio Rocha Equipa: 8011 Combustíveis Derivados do Petróleo Objetivos

Leia mais

Motores de Combustão Interna - MCI

Motores de Combustão Interna - MCI Motores de Combustão Interna - MCI Eng. Nauberto R. Pinto Colaboração: Camila R. de Lacerda 29/01/2016 1 Elementos da Combustão 2 Classificação dos motores quanto ao tipo de combustão: Motores de Combustão

Leia mais

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 4. Química 12º Ano Paula Melo Silva. Conteúdos e Metas

Escola Secundária de Lagoa. Ficha de Trabalho 4. Química 12º Ano Paula Melo Silva. Conteúdos e Metas Escola Secundária de Lagoa Química 12º Ano Paula Melo Silva Ficha de Trabalho 4 Combustíveis, energia e ambiente Conteúdos e Metas Combustíveis fósseis: o carvão, o crude e o gás natural Compreender processos

Leia mais

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A

QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A QUÍMICA 12.º ANO UNIDADE 2 COMBUSTÍVEIS, ENERGIA E AMBIENTE 12.º A 26 de Janeiro de 2011 2 Destilação fraccionada do petróleo Destilação simples 3 Processo de separação de componentes de uma mistura líquida

Leia mais

COMBUSTÍVEIS. Diesel

COMBUSTÍVEIS. Diesel COMBUSTÍVEIS COMBUSTÍVEIS Diesel O Diesel é o combustível mais utilizado no Brasil. A maior parte da frota comercial brasileira é movida a óleo diesel. Assim como a gasolina, ele é um sub-produto do petróleo,

Leia mais

Assunto: Petróleo Folha 13.1 Prof.: João Roberto Mazzei

Assunto: Petróleo Folha 13.1 Prof.: João Roberto Mazzei www.professormazzei.com Assunto: Petróleo Folha 13.1 Prof.: João Roberto Mazzei 01. (MACKENZIE 2009) O "cracking" ou craqueamento do petróleo consiste na quebra de moléculas de cadeia longa, obtendo-se

Leia mais

Prof. Alberto Wisniewski Jr - DQI-UFS 18/05/2010

Prof. Alberto Wisniewski Jr - DQI-UFS 18/05/2010 PETRÓLEO Métodos Analíticos empregados em Gás Natural Composição H 2 ; He; O 2 ; N 2 ; CO; CO 2 ; CH 4 ; C 2 H 4 ; C 2 H 6 ; C 3 H 8 ; C 4 H 10 ; C 5 H 12 e C 6 H 14 +. Gás Natural, GLP e gás de refinaria;

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE IV REFINO DE PETRÓLEO Refino de petróleo O petróleo bruto é uma complexa mistura de hidrocarbonetos que apresenta contaminações variadas de enxofre, nitrogênio,

Leia mais

Unidade 04 Química C HIDROCARBONETOS

Unidade 04 Química C HIDROCARBONETOS Unidade 04 Química C HIDROCARBONETOS Hidrocarbonetos (HC) só C e H PROPRIEDADES GERAIS Ponto de fusão e de ebulição baixos em comparação a compostos polares. Fase de agregação: em condições ambiente os

Leia mais

Disciplina: Motores a Combustão Interna. Combustível

Disciplina: Motores a Combustão Interna. Combustível Disciplina: Motores a Combustão Interna Combustível Octanagem e Número de Cetano O número de cetano, índice de cetano ou NC é um indicador da velocidade de combustão do combustível diesel e da compressão

Leia mais

Aula de. Química Orgânica. Petróleo

Aula de. Química Orgânica. Petróleo Aula de Química Orgânica Petróleo Introdução Petróleo significa óleo de pedra. Ele é encontrado na natureza associado a camadas de rochas sedimentares. É resultado do acúmulo de seres vivos (matéria orgânica)

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 INFLAMABILIDADE DEFINIÇÃO O significado de limite de inflamabilidade é o seguinte: se um dado conjunto de condições permite

Leia mais

Petróleo. Petróleo. Prof: Alex

Petróleo. Petróleo. Prof: Alex Petróleo Petróleo O petróleo é um líquido escuro, oleoso, formado por milhares de compostos orgânicos, com grande predominância de hidrocarbonetos. A origem está ligada a pequenos seres vegetais e animais

Leia mais

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO

PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO DESTILAÇÃO ATMOSFÉRICA PROMOVE NOÇÕES DA CADEIA DE PETRÓLEO Esquema Geral 4.b ESQUEMA DE UMA REFINARIA: GÁS COMBUSTÍVEL CAFOR PROPANO GLP(C3 E C4) FGLP BUTANO NAFTA LEVE NAFTA PETROQUÍMICA REFORMA NREF

Leia mais

RECURSOS ORGÂNICOS RENOVÁVEIS NÃO RENOVÁVEIS

RECURSOS ORGÂNICOS RENOVÁVEIS NÃO RENOVÁVEIS RECURSOS ORGÂNICOS RECURSOS ORGÂNICOS ORIGEM RENOVABILIDADE BIÓTICOS ABIÓTICOS RENOVÁVEIS NÃO RENOVÁVEIS Carvão Carvão mineral: combustível fóssil natural extraído pelo processo de mineração; Séc XVIII:

Leia mais

GASOLINA. Qualidade & Tecnologia

GASOLINA. Qualidade & Tecnologia GASOLINA Qualidade & Tecnologia Janeiro 2019 Conteúdo Cenário Especificação da Gasolina Investimentos Atributos e benefícios da Gasolina Aspectos relevantes Cenário Principais Forças Direcionadoras TECNOLOGIA

Leia mais

Caldeiras Flamotubulares. Não apropriadas para combustíveis sólidos

Caldeiras Flamotubulares. Não apropriadas para combustíveis sólidos Reações Químicas Caldeiras Flamotubulares Não apropriadas para combustíveis sólidos Caldeiras Aquatubulares Ciclo Termodinâmico de Geração de Eletricidade Combustíveis Todo material que pode ser queimado

Leia mais

Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA

Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA Combustíveis e Redutores ENERGIA PARA METALURGIA Energia para Metalurgia Principal fonte energética: Carbono Carvão mineral e carvão vegetal C + O 2 >> CO 2 + energia Portanto, carbono é redutor, usado

Leia mais

S T F SUPER TRAINNING FFI PRODUTOS MPG. Ana Luiza Pimentel

S T F SUPER TRAINNING FFI PRODUTOS MPG. Ana Luiza Pimentel S T F SUPER TRAINNING FFI PRODUTOS MPG Ana Luiza Pimentel Ana Luiza Pimentel INTRODUÇÃO Alguma vez você abriu o capô do seu carro e ficou imaginando o que acontece lá dentro? O propósito do motor de um

Leia mais

ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS

ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS ADULTERAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS 1 - INTRODUÇÃO Atualmente, o número de veículos circulando pelas ruas das nossas cidades aumentou consideravelmente, a ponto de estimar-se uma média de dois a três carros por

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA Professor: Márcio Lista de Exercícios de Química 3 Laboratório de Química (Petróleo) A Idade da Pedra chegou ao fim, não porque faltassem pedras; a era do petróleo chegará

Leia mais

Prof: Francisco Sallas

Prof: Francisco Sallas Prof: Francisco Sallas Classificado como hidrocarboneto aromático. Todos os aromáticos possuem um anel benzênico (benzeno), que, por isso, é também chamado de anel aromático. É líquido, inflamável, incolor

Leia mais

RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO

RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO 9 anos ETAPA Rec Final 2017 RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA PROFESSOR CONTEÚDOS QUÍMICA Claudia Figueiredo Química Ambiental: combustíveis fósseis e renováveis, poluição atmosférica

Leia mais

RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO

RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO 9 anos ETAPA Rec Final 2018 RECUPERAÇÃO SEMESTRAL (RS) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DISCIPLINA PROFESSOR CONTEÚDOS QUÍMICA Claudia Figueiredo Química Ambiental: combustíveis fósseis e renováveis, poluição atmosférica

Leia mais

Qualidade dos Combustíveis no Brasil

Qualidade dos Combustíveis no Brasil Qualidade dos Combustíveis no Brasil Prof Luiz Antonio d Avila Escola de Quimica UFRJ LABCOM Qualidade x Especificação Roteiro Monitoramento da Qualidade de Combustíveis Qualidade x não conformidades x

Leia mais

Do crude ao GPL e aos fuéis: destilação fraccionada e cracking do petróleo O Petróleo

Do crude ao GPL e aos fuéis: destilação fraccionada e cracking do petróleo O Petróleo Do crude ao GPL e aos fuéis: destilação fraccionada e cracking do petróleo O Petróleo 2.1. Combustíveis fósseis: o carvão, o crude e o gás natural Actualmente o petróleo (crude) é um dos recursos naturais

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB

AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB AVALIAÇÃO DO RENDIMENTO DA GASOLINA UTILIZADA NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB Anna Raquel Amorim de Araújo Lima 1 ; Lívia Veríssimo dos Santos 2 ; Iliana de Oliveira Guimarães 3 ; Divanira Ferreira Maia

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E REDUTORES

COMBUSTÍVEIS E REDUTORES COMBUSTÍVEIS E REDUTORES Combustíveis e redutores usados em metalugia são as matérias primas responsáveis pelo fornecimento de energia, e pela redução dos minérios oxidados a metal A origem destas matéria

Leia mais

Combustão é uma reação química de óxido-redução entre um combustível e um comburente, sendo obtido calor (energia) e sub-produtos.

Combustão é uma reação química de óxido-redução entre um combustível e um comburente, sendo obtido calor (energia) e sub-produtos. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Combustão é uma reação química de óxido-redução entre um combustível e um comburente, sendo obtido calor (energia) e sub-produtos.

Combustão é uma reação química de óxido-redução entre um combustível e um comburente, sendo obtido calor (energia) e sub-produtos. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Quí. Monitor: Victor Pontes

Quí. Monitor: Victor Pontes Professor: Allan e Xandão Monitor: Victor Pontes Isomeria plana: função, posição, cadeia, metameria e tautomeria 12 set RESUMO Isomeria É o fenômeno quando dois ou mais compostos apresentam a mesma fórmula

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA II. Funções Orgânicas

QUÍMICA ORGÂNICA II. Funções Orgânicas QUÍMICA ORGÂNICA II Funções Orgânicas EMENTA 1. Identificar os tipos de reações orgânicas de acordo com o produto obtido. 2. Selecionar procedimentos para identificação de composto orgânico. 3. Identificar

Leia mais

4 A Gasolina 4.1. Tipos de Gasolinas

4 A Gasolina 4.1. Tipos de Gasolinas 4 A Gasolina 4.1. Tipos de Gasolinas A gasolina é um produto obtido a partir do refino do petróleo e sua composição depende de sua utilização, para aviação ou automotiva, de sua origem e dos processos

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. Laboratório De Controle de Qualidade

TABELA DE PREÇOS. Laboratório De Controle de Qualidade Laboratório De Controle de Qualidade APROVADO E PUBLICADO A 01/01/2019 Âmbito da Acreditação: COMBUSTÍVEIS, ÓLEOS E LUBRIFICANTES 1 Biodiesel 2 Biodiesel 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

Semana 09. A queima do carvão é representada pela equação química:

Semana 09. A queima do carvão é representada pela equação química: . (Enem 6) O benzeno, um importante solvente para a indústria química, é obtido industrialmente pela destilação do petróleo. Contudo, também pode ser sintetizado pela trimerização do acetileno catalisada

Leia mais

CB - Combustíveis e Biocombustíveis

CB - Combustíveis e Biocombustíveis CB - Combustíveis e Biocombustíveis Prof. Delmárcio Gomes ENERGIAS NÃO RENOVÁVEIS O que são? As fontes de energia não renováveis são aquelas que se encontram na natureza em quantidades limitadas e se extinguem

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: 510 - CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS DISCIPLINA: Química NÍVEL DE ENSINO: Secundário CURSO: Ciências e Tecnologias

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

Energia para metalurgia

Energia para metalurgia Energia para metalurgia Consumo energético brasileiro Consumo Energético Brasileiro 2006: 190.000.000 tep/ano Outros 19% Transporte 28% Industrial 41% Residencial 12% Metalurgia 35% da industria e 14,7

Leia mais

Caracterização das Chamas:

Caracterização das Chamas: Caracterização das Chamas: A combustão da mistura ar/combustível dentro do cilindro é um dos processos que controlam a potência, eficiência e emissões dos motores. Os processos de combustão são diferentes

Leia mais

Características dos principais combustíveis

Características dos principais combustíveis Características dos principais combustíveis PARTE I GASOLINAS Refinação de Petróleos e Petroquímica Ano lectivo 2012/2013 Filipa Ribeiro 1 GASOLINAS As propriedades de uma gasolina dependem basicamente:

Leia mais

Energia para Metalurgia

Energia para Metalurgia Energia para Metalurgia Energia para Metalurgia Principal fonte energética: Carbono Carvão mineral e carvão vegetal C + O 2 CO 2 + energia Carbono é combustível, usado para gerar energia reagindo com oxigênio

Leia mais

AULA 2. - Petróleo, obtenção de combustíveis, destilação; - Funções orgânicas; - Reações de combustão; - Termoquímica; - Lei de Hess.

AULA 2. - Petróleo, obtenção de combustíveis, destilação; - Funções orgânicas; - Reações de combustão; - Termoquímica; - Lei de Hess. AULA 2 - Petróleo, obtenção de combustíveis, destilação; - Funções orgânicas; - Reações de combustão; - Termoquímica; - Lei de Hess. GLP Gasolina Parafina Asfalto Destilação fracionada do petróleo: baseia-se

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. Laboratório De Controle de Qualidade

TABELA DE PREÇOS. Laboratório De Controle de Qualidade Laboratório De Controle de Qualidade APROVADO E PUBLICADO A 01/01/2018 Âmbito da Acreditação: COMBUSTÍVEIS, ÓLEOS E LUBRIFICANTES 1 Biodiesel 2 Biodiesel 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20

Leia mais

GASES INDUSTRIAIS. Universidade do Estado de Santa Catarina Acadêmica: Mayara Boettcher Prof : Sivaldo Leite Correia Disciplina: Química Aplicada

GASES INDUSTRIAIS. Universidade do Estado de Santa Catarina Acadêmica: Mayara Boettcher Prof : Sivaldo Leite Correia Disciplina: Química Aplicada GASES INDUSTRIAIS Universidade do Estado de Santa Catarina Acadêmica: Mayara Boettcher Prof : Sivaldo Leite Correia Disciplina: Química Aplicada Joinville, Abril 2014. 2 INTRODUÇÃO Grupo de gases comercialmente

Leia mais

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014

Aula 9 Sistema Flex. Introdução. Introdução UGA. Introdução UGA 23/04/2014 Introdução Aula 9 O sistema Flex Fuel é capaz de reconhecer e adaptar, automaticamente, as funções de gerenciamento do motor para qualquer proporção de mistura de álcool e de gasolina que esteja no tanque.

Leia mais

OS COMBUSTIVEIS ALTERNATIVOS LIQUIDOS E GASOSOS

OS COMBUSTIVEIS ALTERNATIVOS LIQUIDOS E GASOSOS OS COMBUSTIVEIS ALTERNATIVOS LIQUIDOS E GASOSOS Kamal A. R. Ismail Fátima Aparecida de Morais Lino Jose Carlos Charamba Dutra Ana Rosa Mendes Primo Jorge Recarte Henríquez Guerrero Armando Shinohara Carlos

Leia mais

(com até 0,7% em massa de água) na mistura com gasolina pura (gasolina A). A meta almejada era de 20% de adição de etanol anidro à gasolina (gasolina

(com até 0,7% em massa de água) na mistura com gasolina pura (gasolina A). A meta almejada era de 20% de adição de etanol anidro à gasolina (gasolina 15 1. INTRODUÇÃO Os motores a combustão interna continuarão sendo nos próximos anos a principal forma de propulsão dos veículos, justificando as intensas atividades de pesquisa e desenvolvimento nessa

Leia mais

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé

Composição. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Composição O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos leves, que, à temperatura ambiente e pressão atmosfé Na natureza, ele é encontrado acumulado em rochas porosas no subsolo, frequentemente acompanhad

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA QUÍMICA AMBIENTAL IFRN NOVA CRUZ CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA Prof. Samuel Alves de Oliveira INTRODUÇÃO Atmosfera CAMADAS ATMOSFÉRICAS Troposfera 1 Camada mais fina de todas Entre 10 a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINONA E MUCURI PROVA DE QUÍMICA Questão 01 Um recipiente de volume desconhecido V contém um gás ideal sob pressão de 760 torr. Uma válvula reguladora é aberta, permitindo

Leia mais

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL

PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL PROCEL PRODUÇÃO DE HIDROGÊNIO A PARTIR DA REFORMA DO ETANOL VANDERLEI SÉRGIO BERGAMASCHI E-mail: vsberga@ipen ipen.br PROCEL / IPEN-SP OUTUBRO / 2003 COMBUSTÍVEL PETRÓLEO: VANTAGENS: -LÍQUIDO DE FÁCIL

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. website:

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.   website: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS CURSO DE AGRONOMIA UTILIZAÇÃO DE E Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk Fontes

Leia mais

2. Revisão Bibliográfica

2. Revisão Bibliográfica 24 2. Revisão Bibliográfica 2.1. Combustão Diesel-Gás Dentro da câmara de combustão de um motor operado no modo diesel-gás, ocorre um modelo de queima diferente do Diesel ou Otto convencional. Na admissão

Leia mais

A radiação terrestre e as concentrações de gases de efeito estufa resultam na intensificação do efeito que naturalmente já se processa na atmosfera

A radiação terrestre e as concentrações de gases de efeito estufa resultam na intensificação do efeito que naturalmente já se processa na atmosfera POLUIÇÃO DO AR A radiação terrestre e as concentrações de gases de efeito estufa resultam na intensificação do efeito que naturalmente já se processa na atmosfera da Terra há bilhões de anos Pela presença

Leia mais

Química. Questão 17 A gasolina é uma mistura de hidrocarbonetos diversos que apresenta, dentre outros, os seguintes componentes:

Química. Questão 17 A gasolina é uma mistura de hidrocarbonetos diversos que apresenta, dentre outros, os seguintes componentes: Questão 16 Uma molécula de água, isolada, não apresenta certas propriedades físicas - como ponto de fusão e de ebulição - que dependem de interações entre moléculas. Em 1998, um grupo de pesquisadores

Leia mais

GASES INDUSTRIAIS. QUÍMICA APLICADA QAP 0001 Prof.: Sivaldo Leite Correia, Dr. Doutorando: Samoel Schwaab

GASES INDUSTRIAIS. QUÍMICA APLICADA QAP 0001 Prof.: Sivaldo Leite Correia, Dr. Doutorando: Samoel Schwaab GASES INDUSTRIAIS QUÍMICA APLICADA QAP 0001 Prof.: Sivaldo Leite Correia, Dr. Doutorando: Samoel Schwaab Introdução Gases Industriais; Grupo de gases comercialmente fabricados e vendidos; Contribuições

Leia mais

COMPOSIÇÃO PETRÓLEO BRUTO

COMPOSIÇÃO PETRÓLEO BRUTO Petróleo COMPOSIÇÃO PETRÓLEO BRUTO Carbono - 84% Hidrogênio - 14% Enxofre - de 1 a 3% (sulfeto de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre elementar) Nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos

Leia mais

Sumário. Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII

Sumário. Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII Sumário Apresentação... IX Prefácio... XI Minicurrículo do Autor... XIII Capítulo 1 CÁLCULOS, CONCEITOS E DEFINIÇÕES... 1 1.1 Cálculos de Combustão.... 1 1.1.1 Introdução... 1 1.1.2 Ar de combustão...

Leia mais

Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp. Marcos Moreira, 21/06/2017

Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp. Marcos Moreira, 21/06/2017 Empilhadeira hidrostática Linde. Linde STILL - Marcamp Marcos Moreira, 21/06/2017 Apresentação pessoal Linde STILL (KION SOUTH AMERICA) Desde Oct.2001 Gerente técnico; Marcos Moreira 41 anos, casado, 2

Leia mais

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I

PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I PQI-2321 Tópicos de Química para Engenharia Ambiental I Combustão Aula 01 Prof. Moisés Teles moises.teles@usp.br Departamento de Engenharia Química Escola Politécnica da USP Motivação: combustão e Engenharia

Leia mais

Química D Semi-Extensivo V. 4

Química D Semi-Extensivo V. 4 Semi-Extensivo V. 4 Exercícios 01) D proteínas 06) A proteínas (α-aminoácidos)n 07) 12 01. Falsa alto peso molecular cadeias complexas 02. Falsa 02) B 03) C ligação peptídica amídica 04) E aminas aminoácido

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES DA GASOLINA AUTOMOTIVA NO BRASIL A PARTIR DE 2002

EVOLUÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES DA GASOLINA AUTOMOTIVA NO BRASIL A PARTIR DE 2002 EVOLUÇÃO DAS ESPECIFICAÇÕES DA GASOLINA AUTOMOTIVA NO BRASIL A PARTIR DE 2002 Vanjoaldo dos Reis Lopes Neto 1,2 ; Rafael Martins Moreno 3 ; Noel Moreira Santos 3 ; Taille May Andrade da Cruz 2 ; Ioneide

Leia mais

O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA

O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Curso de Engenharias de Energias e Meio Ambiente Disciplina de Introdução a EEMA O PETRÓLEO COMO FONTE DE ENERGIA Profa. Mônica C.G. Albuquerque O PETRÓLEO

Leia mais

Lista de execícios- Petróleo

Lista de execícios- Petróleo TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: O debate sobre a reserva de petróleo da camada pré-sal é um dos temas polêmicos neste segundo semestre de 2008, já que envolve política e economia. No início de setembro,

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 26 Temperatura Adiabatica de Chama Calor de Reacção Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Combustão completa de sistema H/N/O Temperatura Adiabática Da Chama

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE ATRAVÉS DAS CURVAS DE DESTILAÇÃO DO B100 A PARTIR DO ÓLEO VEGETAL DE GIRASSOL.

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE ATRAVÉS DAS CURVAS DE DESTILAÇÃO DO B100 A PARTIR DO ÓLEO VEGETAL DE GIRASSOL. ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE QUALIDADE ATRAVÉS DAS CURVAS DE DESTILAÇÃO DO B100 A PARTIR DO ÓLEO VEGETAL DE GIRASSOL. Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: TILLMANN, Carlos

Leia mais

Energia e suas formas

Energia e suas formas Energia e suas formas A energia pode se apresentar de diversas formas, entre as quais podemos mencionar: Energia de radiação Energia química Energia nuclear Energia térmica Energia mecânica Energia elétrica

Leia mais

C (grafite) + 2 H 2(g) + ½ O 2(g) CH 3 OH (l) + 238,6 kj. CO 2(g) C (grafite) + O 2(g) 393,5 kj. H 2(g) + ½ O 2(g) H 2 O (l) + 285,8 kj

C (grafite) + 2 H 2(g) + ½ O 2(g) CH 3 OH (l) + 238,6 kj. CO 2(g) C (grafite) + O 2(g) 393,5 kj. H 2(g) + ½ O 2(g) H 2 O (l) + 285,8 kj Questão 1 (PUC SP) Num calorímetro de gelo, fizeram-se reagir 5,400 g de alumínio (Al) e 16,000 g de óxido férrico, Fe 2 O 3. O calorímetro continha, inicialmente, 8,000 Kg de gelo e 8,000 Kg de água.

Leia mais

ESTUDO DA COMBUSTÃO DA OPERAÇÃO BICOMBUSTÍVEL DIESEL-ETANOL NUMA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA

ESTUDO DA COMBUSTÃO DA OPERAÇÃO BICOMBUSTÍVEL DIESEL-ETANOL NUMA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA ESTUDO DA COMBUSTÃO DA OPERAÇÃO BICOMBUSTÍVEL DIESEL-ETANOL NUMA MÁQUINA DE COMPRESSÃO RÁPIDA Aluno: Pedro Delbons Duarte de Oliveira Orientador: Carlos Valois Maciel Braga Introdução Em virtude da frequente

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL

IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL JOSÉ AUGUSTO MARINHO SILVA IMPACTOS AMBIENTAIS DO AUTOMÓVEL ANÁLISE NUMÉRICA DO CICLO TERMODINÂMICO DE UM MOTOR DE 170kW OPERANDO A GÁS NATURAL Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola Politécnica

Leia mais

b) Tendo em conta a conclusão de Avogadro, selecione a opção que completa corretamente a frase seguinte. Em condições PTN,...

b) Tendo em conta a conclusão de Avogadro, selecione a opção que completa corretamente a frase seguinte. Em condições PTN,... QUESTÕES DE EXAME 4 Física e Química A Questões de provas nacionais realizadas entre 2008 e 2014 organizados por subdomínio e por secção, por ordem cronológica. Os itens estão identificados por data e

Leia mais

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar.

Petróleo. O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. Petróleo e Carvão Petróleo O petróleo é um líquido oleoso, menos denso que a água, cuja cor varia segundo a origem, oscilando do negro ao âmbar. É encontrado no subsolo, em profundidades variáveis e é

Leia mais

MINICURSO SOBRE BIODIESEL. Prof. Murilo D.M. Innocentini UNAERP - Fone: ,

MINICURSO SOBRE BIODIESEL. Prof. Murilo D.M. Innocentini UNAERP - Fone: , BIODIESEL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO Prof. Dr. Murilo Daniel de Mello Innocentini Curso de Engenharia Química Universidade de Ribeirão Preto - UNAERP MINICURSO SOBRE BIODIESEL Não-Renov Renovávelvel Carvão

Leia mais

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL

MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL MOTORES DIESEL E USO DE BIODIESEL Cummins Brasil LTDA 29 de Outubro de 2008 Luis Chain Faraj Agenda Definição de Biodiesel Análise do Ciclo de Vida - Diesel x Biodiesel Programa de Biodiesel do Brasil

Leia mais

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme.

PMC5617. Motores Flexíveis. Semana de Eng. Mackenzie. Eduardo S. Oliveira, José Maria Muniz, Luciana R. Colin José Mauro, Roger Guilherme. Apresentar: 1) Alguns conceitos de motores de combustão interna; 2) Funcionamento simplificado da tecnologia Total-Flex ; Motor Otto: Para cada 13,8g de ar você pode colocar 1g de combustível (gasohol);

Leia mais

Curso Engenharia de Energia

Curso Engenharia de Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS - UFGD FACULDADE DE ENGENHARIA Curso Engenharia de Energia Prof. Dr. Omar Seye omarseye@ufgd.edu.br Disciplina: COMBUSTÃO E COMBUSTÍVEIS Definição Toda substância

Leia mais

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04

48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 48 CONGRESSO BRASILEIRO DE CERÂMICA CURITIBA PR 29/06/04 2 OS BENEFÍCIOS DO GÁS NATURAL PARA A INDÚSTRIA CERÂMICA HUDSON BRITO 3 COMGÁS - Fundada em 28/08/1872 Segunda distribuidora mais antiga do Brasil

Leia mais

ANÁLISE DO ENXOFRE NO ÓLEO DIESEL E SEU RISCO COMO CONTAMINANTE

ANÁLISE DO ENXOFRE NO ÓLEO DIESEL E SEU RISCO COMO CONTAMINANTE 1 Universidade Potiguar, Unidade Natal Escola de Engenharia e Ciências Exatas allynelimaepg@gmail.com 1 Universidade Potiguar, Unidade Natal Escola de Engenharia e Ciências Exatas mab.andreza@hotmail.com

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III

SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE PRODUÇÃO E USO DE BIODIESEL BACIA DO PARANÁ III Santa Helena PR 28 de março de 2006 TECNOLOGIAS PARA PRODUÇÃO DE BIODIESEL Dra. Roseli Aparecida Ferrari DEA UEPG O que é BioDiesel?

Leia mais

Estudo Estudo da Química

Estudo Estudo da Química Estudo Estudo da Química Prof. Railander Borges Fale com o Professor: Email: rayllander.silva.borges@gmail.com Instagram: @rayllanderborges Facebook: Raylander Borges Aula 22 HIDROCARBONETOS - ORGANICA

Leia mais

COMBUSTÃO COMBUSTÍVEL + COMBURENTE (O2)

COMBUSTÃO COMBUSTÍVEL + COMBURENTE (O2) SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3º TURMA(S):

Leia mais

LISTA DE GRUPOS DE PRODUTOS PERIGOSOS

LISTA DE GRUPOS DE PRODUTOS PERIGOSOS LISTA DE GRUPOS DE PRODUTOS PERIGOSOS Tempo de Construção do Tanque de Carga - T Produtos Perigosos (anos) Grupos Nº ONU Prazo de Validade da Inspeção (meses) T 10 10 < T 15 15 < T 20 T > 20 - Cloro 1017

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA

INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA IBAMA MMA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO VEICULAR NA SAÚDE HUMANA CETESB HOMERO CARVALHO MOVIMENTO NOSSA SÃO PAULO ATO PÚBLICO PELA MELHORIA DA QUALIDADE DO DIESEL 12/09/2007 homeroc@cetesbnet.sp.gov.br CENÁRIO

Leia mais

Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL

Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio QUÍMICA AMBIENTAL COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS Combustível: material cuja queima é utilizada para produzir calor, energia ou luz. Características: disponibilidade,

Leia mais

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda

Apesar da área de simulação de motores ter evoluído muito nos últimos anos, as modelagens do combustível e dos processos de combustão ainda 1 Introdução O fenômeno da combustão sempre esteve diretamente ligado à história da humanidade desde os primórdios de sua existência. No início, através do fogo espontâneo presente na natureza. Pelas suas

Leia mais

Energia para Siderurgia

Energia para Siderurgia Energia para Siderurgia Principal fonte energética: Carbono Carvão mineral e carvão vegetal C + O 2 >> CO 2 + energia Portanto, carbono é redutor, usado para reagir com o oxigênio do minério de ferro Carbono

Leia mais

4 Produtos do Petróleo

4 Produtos do Petróleo 30 4 Produtos do Petróleo 4.1 Principais Derivados do Petróleo De acordo com FARAH (1989), os derivados do petróleo podem ser distribuídos em duas categorias: Derivados Leves e Derivados Pesados. Conforme

Leia mais

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS TÉRMICOS MOTORES ALTERNATIVOS DE COMBUSTÃO INTERNA Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 MACI Ciclo Otto Em 1862, Beau de Rochas enunciou o ciclo de quatro tempos que, primeiramente, o alemão

Leia mais

Motores Térmicos. Programa

Motores Térmicos. Programa Motores Térmicos Programa I II Introdução aos diversos tipos de motores 1 Generalidades 2 Funcionamento dos motores de Explosão 3 Funcionamento dos motores Diesel 4 Funcionamento dos motores a Dois Tempos

Leia mais

4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP

4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP 4º Seminário Internacional de Logística Agroindustrial 15 e 16/03/2007 ESALQ/USP Piracicaba/SP Histórico: do Óleo Vegetal ao Biocombustível BIODIESEL ASPECTOS DA QUALIDADE RELACIONADOS AO ARMAZENAMENTO,

Leia mais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Química / Metas Curriculares ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO-QUÍMICA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO

Leia mais

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA

ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA ZÍZIMO MOREIRA FILHO VINÍCIUS RODRIGUES BORBA 1680 Holandês Huygens propôs o motor movido à pólvora; 1688 Papin, físico e inventor francês, desenvolve motor à pólvora na Royal Society de Londres. O motor

Leia mais

Química. APL 2.5 Síntese de biodiesel a partir de óleo alimentar

Química. APL 2.5 Síntese de biodiesel a partir de óleo alimentar Química APL 2.5 Síntese de biodiesel a partir de óleo alimentar Luísa Neves, 12ºCT de abril de 2015 Índice Introdução...2 Material e Reagentes...3 Procedimento..4 Perigos específicos e conselhos de segurança

Leia mais

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1

PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 PROCONVE MAR-1 GUIA MAR-1 TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER TUDO O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE A FASE PROCONVE MAR-1 A FASE PROCONVE MAR-1 ESTABELECE LIMITES DE EMISSÕES DE MOTORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS E DE CONSTRUÇÃO

Leia mais

Gabaritos Resolvidos Energia Química Semiextensivo V4 Frente D

Gabaritos Resolvidos Energia Química Semiextensivo V4 Frente D 01) E Os polímeros são macromoléculas (grandes moléculas) formadas pela união de moléculas pequenas, que passam a ser chamadas de monômeros. A palavra polímero vem do grego (poly = "muitos" e meros = "partes").

Leia mais

QUÍMICA ORGÂNICA GABARITO PETRÓLEO E FONTES DE ENERGIA

QUÍMICA ORGÂNICA GABARITO PETRÓLEO E FONTES DE ENERGIA Prof. Sandro Lyra Resposta da questão 1: [C] Teremos: QUÍMICA ORGÂNICA GABARITO PETRÓLEO E FONTES DE ENERGIA Resposta da questão 2: 01 + 04 = 05. [01] Correta. A gasolina por ser mais leve (com 5 a 10

Leia mais