Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano"

Transcrição

1 Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano

2 Aula 26 Temperatura Adiabatica de Chama Calor de Reacção Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Combustão completa de sistema H/N/O Temperatura Adiabática Da Chama Combustão a pressão constante Combustão a volume constante Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama 2

3 26.1 Calor de Reacção Quando um combustível arde, a energia associada ao vínculo existente entre as moléculas de combustível e as de ar é libertado e aparece na forma de calor, nos produtos de combustão. Para calcular a temperatura dos produtos de combustão é necessário conhecer as características energéticas dos combustíveis, que são designadas de várias formas: calor de reacção, calor de combustão ou entalpia de combustão. 3

4 26.1 Calor de Reacção Calor de Reacção (continuação) Quando uma unidade de combustível arde com a quantidade de oxigénio quimicamente correcta, o calor de reacção H rp e U rp, representam a energia adicionada para trazer os produtos da combustão à sua temperatura inicial de 25º C ou 298 K se a reacção se der à pressão ou volume constante respectivamente. 4

5 26.1 Calor de Reacção Calor de Reacção (continuação) O calor de reacção à pressão constante H rp é medido num calorímetro de fluxo constante como se apresenta na figura. O combustível e ar em excesso, relativamente ao quimicamente correcto, entram na câmara de combustão à temperatura de 298 K e os produtos da reacção são arrefecidos até a temperatura de entrada, por água circulando em torno do tubo onde se dá a combustão. Para um regime estacionário a equação de conservação de energia escreve-se: H r ( 298) H w( tentrada) H p (298) H w( tsaída) Onde os símbolos r, p e w referem-se aos reagentes, produtos e água de arrefecimento. 5

6 26.1 Calor de Reacção Calor de Reacção (continuação) Pela definição, H rp é a energia adicionada para o arrefecimento, daí: H rp M w c w( tentrada tsaída) (26.1) Onde M w é a massa de água que passa envolta do tubo por unidade de combustível queimado. Nota-se claramente que H rp é negativo, pois a temperatura de entrada é menor que a de saída da água. Seguindo este princípio pode-se escrever o seguinte: que é a definição termodinâmica ou a termodinâmica equivalente de H rp H rp H 298) H p ( r (298) (26.2) 6

7 26.1 Calor de Reacção Calor de Reacção (continuação) Calorímetro de fluxo contínuo 7

8 26.1 Calor de Reacção É de notar que a mistura contém excesso de ar, isto é não está quimicamente correcta. Há três razões que fazem com que se meça nestas condições: O ar está prontamente disponível enquanto que o oxigénio não. 1. Uma mistura correcta de combustível/oxigénio derreteria o equipamento. 2. O excesso de oxigénio é usado para assegurar que todo o carbono no combustível se transforme em CO 2 e que todo o Hidrogénio se transforme em H 2 O. 3. Como os reagentes e os produtos entram e saem do calorímetro à mesma temperatura, o excesso de oxigénio e nitrogénio contido no lado esquerdo e direito da Equação cancelam-se, logo a equação retracta uma medição realizada à uma razão estequiométricamente correcta de combustível e oxigénio. 8

9 26.1 Calor de Reacção Calor de Reacção (continuação) O calor de reacção a volume constante, Urp é medido num calorímetro de pilha conforme se mostra na figura. 9

10 26.1 Calor de Reacção Da análise deste evento, da mesma forma que se fez para a Equação a volume constante, pode-se escrever o seguinte: (26.3) U rp ( 298) U p (298) U r (298) que é a definição termodinâmica de U rp. Tendo o calor de reacção a volume constante pode-se calcular a pressão constante e vice-versa. Subtraindo as equações obtém-se a equação: H rp U rp ( H p U p ) ( H r U r ) (26.4) O subscrito da temperatura foi retirado pois sabe-se que se trata da temperatura de 298 K. Para gases pode-se escrever: h u RT (26.5) para líquidos: h u 0 (26.6) 10

11 26.1 Calor de Reacção A diferença entre o calor de reacção a pressão e a volume constantes pode então se escrever como: H rp U rp ( N p Nr ) RT (26.7) Ou por outra forma: H rp U rp 2480( N p Nr ) (26.8) Onde N p e N r são respectivamente o número de moles dos produtos de reacção e dos reagentes de vários espécimes gasosos de uma mistura quimicamente correcta de combustível e oxigénio. 11

12 26.2 Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Na combustão completa de uma mistura ar/combustível, que contem os elementos C/H/N/O, pressupõe-se que nos produtos de combustão: - Todo o carbono é oxidado e transforma-se em monóxido de carbono. Se existir ainda oxigénio, parte do monóxido de carbono é oxidado e transforma-se em dióxido de carbono. - Se a quantidade de oxigénio for suficiente para oxidar todo o carbono e transforma-lo em dióxido de carbono, o excesso de oxigénio aparecerá na forma de O 2. - Todo o nitrogénio aparecerá na forma N 2, por ser inerte. - Todo hidrogénio aparecerá na forma de água.

13 26.2 Combustão completa nos sistemas C/H/N/O O número de moles dos produtos de combustão, pode ser determinado no caso geral, do modo seguinte: Sejam MC, MH e MO o número de átomos de carbono, hidrogénio e oxigénio respectivamente, num mole de combustível. A quantidade quimicamente correcta, isto é, estequiométrica de oxigénio (YCC) por mole de combustível é: MH MO YCC MC 4 2 (26.9) O mínimo de oxigénio contido numa mistura reactiva por mole de combustível calcula-se por: ( ) min MC Y MO MH YCC MC (26.10) Onde MC representa o número de átomos de carbono, MO representa o número de átomos de oxigénio e MH é o número de átomos de hidrogénio. YCC designa a quantidade quimicamente correcta de oxigénio e Ymin designa a quantidade mínima de oxigénio para que ocorra combustão.

14 26.2 Combustão completa nos sistemas C/H/N/O Para uma mistura reactiva contendo um mole de combustível, " Y " moles de oxigénio e 3,76 moles de nitrogénio, a análise dos produtos de combustão é feita de dois modos: 1º Caso: A quantidade de oxigénio (Y) é maior ou igual à quantidade mínima de oxigénio(ymin) e menor ou igual a quantidade quimicamente correcta de oxigénio (YCC). Ymin Y YCC N1 = 2(YCC-Y) N2 = (Y-Ymin) N3 = MH/3 N4 = 3,76Y N5 = 0 (26.11)

15 26.2 Combustão completa nos sistemas C/H/N/O 2º caso: Y > YCC N1 = 0 N2 = MC N3 = MH/2 N4 = 3,76Y N5 = Y-YCC (26.12) Onde N1, N2, N3, N4, N5 representam o número de moles de, monóxido de carbono (CO), dióxido de carbono (CO 2 ), água (H 2 O), nitrogénio (N 2 ) e oxigénio (O 2 ) respectivamente.

16 26.3 Combustão completa de sistema H/N/O Depois de uma inspecção dos produtos de combustão nos sistemas H/N/O, verifica-se que: - Todo o nitrogénio contido na mistura reactiva aparece na forma de N 2 ; - O excesso de oxigénio, acima da quantidade química requerida, aparece na forma de O 2 ; - O Hidrogénio não queimado aparece na forma de H 2. Neste contexto, o número de moles nos sistemas H/N/O para uma mistura reactiva em que os produtos de combustão são: H 2 + YO 2 + 3,76YN 2 (26.13) Onde H 2 é o combustível e YO 2 + 3,76N 2 é o ar

17 26.3 Combustão completa de sistema H/N/O Os moles dos produtos de combustão nos sistemas H/N/O calculam-se do seguinte modo: 1º caso: A quantidade de oxigénio (Y) e maior ou igual a zero e menor ou igual a 0,5 0 Y 0,5 N1=1-2Y N2=2Y N3=3,76Y N4=0 (26.14)

18 26.3 Combustão completa de sistema H/N/O 2º Caso: A quantidade de oxigénio (Y) e maior ou igual a 0,5 2º caso: Y 0,5 N1=0 N2=1 N3=3,76Y N4=Y-0,5 (26.15) Onde N1, N2, N3, N4 representam o número de moles de, monóxido de carbono (CO), dióxido de carbono (CO 2 ), água (H 2 O), nitrogénio (N 2 ) respectivamente.

19 26.4 Temperatura Adiabática Da Chama Na maioria dos casos em que está patente a combustão, deve ser conhecida a temperatura adiabática da chama. Esta temperatura depende de muitos factores tais como: - O tipo de combustível ; - A composição química da mistura reactiva; - A temperatura inicial da mistura reactiva; - A pressão da mistura e; - As características do sistema Por outro lado deve ser considerado o tipo de mistura, uma vez que na combustão, o combustível é misturado com o ar. As misturas com excesso de ar ou combustível, produzem temperaturas baixas relativamente as misturas estequiométricas.

20 26.4 Temperatura Adiabática Da Chama Em virtude de o nitrogénio presente no ar não contribuir na combustão por ser inerte, as misturas de combustível e ar, produzem temperaturas mais baixas que as misturas de combustível e oxigénio, onde a quantidade de oxigénio é equivalente, visto que o nitrogénio absorve parte da energia. No quadro abaixo são apresentados valores de temperatura adiabática da chama de combustíveis gasosos, de acordo com o tipo de mistura. Tabela 26.1 Temperaturas adiabática de chama de combustíveis gasosos Ar (ºC) Oxigénio (ºC) Metano Etano Propano Butano Hidrogênio Acetileno

21 26.5 Combustão a pressão constante Para um dada mistura de ar/combustível, queimado a pressão constante, e temperatura T r, considerando que os produtos de combustão possuem uma temperatura T p, a equação de energia pode ser escrita como: H ( T ) H ( T ) r r p p (26.16) O que significa que a energia dos reagentes H r é igual a energia dos produtos H p. A energia dos reagentes determina-se como: H ( T ) h Y. h 3,76 Y. h r r comb O N 2 2 (26.17)

22 26.5 Combustão a pressão constante E a energia dos produtos é: H ( T ) N. h N. h N. h N. h N. h p p 1 CO 2 CO 3 H O 4 N 5 O (26.18) Onde h representa a entalpia e N1, N2, N3, N4, N5 representam o número de moles de cada componente dos produtos de combustão. Visto que o teor dos produtos de combustão depende do tipo de combustão, a entalpia dos produtos para cada caso é: 1º caso: Y YCC Neste caso, a combustão é completa. No entanto como há oxigénio em excesso este não é queimado e aparece nos produtos de combustão cuja energia calcula- se por: H ( T ) N. h N. h N. h N. h p p 2 CO 3 H O 4 N 5 O (26.19)

23 26.5 Combustão a pressão constante O calor de reacção a pressão constante H rp para este caso determina-se como: H N h N h N h N h rp 2 CO 3 H O 4 N 5 O 2º caso: Ymin Y YCC A combustão é incompleta, pois o oxigénio é insuficiente e consequentemente o carbono não é totalmente oxidado e aparece na forma de monóxido de carbono (CO) nos produtos de combustão, cuja energia H p determina-se por: (26.20) H N h N h N h N h p 1 CO 2 CO 3 H O 4 N (26.21) E o calor de reacção a pressão constante H rp é: H N h N h N h N h rp 1 CO 2 CO 3 H O 4 N (26.22)

24 26.5 Combustão a pressão constante O valor da variação da entalpia h para cada produto de combustão é: h h( T ) h( T ) p r (26.23) Onde T p é a temperatura em dos produtos de combustão e T r é a temperatura dos reagentes. O calor libertado durante a combustão Q p é expresso pelas fórmulas: Q N. h p i i i5 (26.24) Q p Hrp N1 Onde H rp é o calor de reacção a pressão constante e N1 representa o número de moles de monóxido de carbono (CO).

25 26.5 Combustão a pressão constante Q p representa o calor libertado quando uma unidade de combustível é queimada a pressão constante, e os produtos de combustão expelidos para o ambiente, voltam a temperatura inicial dos reagentes. O valor deste depende do tipo de mistura, onde o número de moles de dióxido de carbono depende do número de moles de oxigénio. O valor representa o calor de reacção que resulta da oxidação de monóxido de carbono. Nesta reacção, a entalpia de dióxido de carbono é de kJ/kmol

26 26.6 Combustão a volume constante Neste processo de combustão, uma mistura reactiva a temperatura T r e pressão P r é queimada, sendo calculada a temperatura adiabática e a pressão dos produtos de combustão P p, a temperatura e a pressão não dependem do volume da câmara de combustão, sendo conveniente trabalhar com a energia contida na mistura reactiva por cada mole de combustível e escrever que a energia dos reagentes a volume constante U r é igual a dos produtos U p : U r ( Tr ) U p( Tp) (26.25) Para a mistura reactiva, o energia dos reagentes é: H ] r ( Tr ) [ UComb. Y UO 3,76Y U 2 N2 T r (26.26) 26

27 26.6 Combustão a volume constante Considerando a dissociação de dióxido de carbono escreve-se: U H 2480( N N ) rp rp p r (26.27) Onde U rp representa o calor de reacção a volume constante e H rp o calor de reacção a pressão constante. N p é o número de moles dos produtos e N r é o número de moles dos reagentes. A energia libertada quando uma unidade de combustível é queimada a volume constante Q v, sendo os produtos de combustão arrefecidos até a temperatura dos reagentes é calculada pela expressão: Q v Q v U Ni. ui i5 rp N (26.28) Onde U rp é o calor de reacção a volume constante e N 1 representa o número de moles de monóxido de carbono (CO). 27

28 26.6 Combustão a volume constante O valor representa o calor de reacção que resulta da oxidação de monóxido de carbono a volume constante. Nesta reacção, a entalpia do dióxido de carbono é de kJ/kmol, A equação acima aplica-se para qualquer problema de combustão a volume constante. A pressão dos produtos de combustão P p calcula-se por: P p P r N N p r T T p r (26.29) Onde P r é a pressão dos reagentes, N r o número de moles reagentes, N p o número de moles dos produtos e T r e T p as temperaturas dos reagentes e dos produtos respectivamente. 28

29 26.7 Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama A análise de todos os motores de combustão interna requer o cálculo da temperatura adiabiática da chama que se verifica na câmara de combustão. Para uma pressão constante, a entalpia dos produtos de combustão aumenta com aumento da temperatura. Um modelo matemático baseado no método de Newton-Raphson é utilizado para determinar a temperatura adiabática a partir da condição: [ N h N h ] Q 0 i i( T 2) i i( T1) p (26.30) Onde N representa o número de moles e h a entalpia para cada produto de combustão. Q p representa a energia libertada, quando os produtos de combustão são arrefecidos até a temperatura dos reagentes. 29

30 26.7 Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama A entalpia h (kj/kmol) e o calor específico C p (kj/kmol K) de cada componente dos produtos de combustão são determinados usando os coeficientes AL, BL e CL da Tabela 26.2 e AH, BH CH da Tabela 26.3 com base nas fórmulas: h( T ) AL BL T CL ln( T) para 400 T 1600K h( T ) AH BH T CH ln( T) para 1600 T 6000K CL Cp( T ) BL T para 400 T 1600 K CH Cp( T ) BH T para 400 T 1600 K (26.31) (26.32 ) 30

31 26.7 Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama Como o objectivo é determinar a temperatura no fim da expansão quando ocorre uma expansão insentrópica deve-se inicialmente determinar a entropia total dos produtos de combustão pela expressão: S N S N R P ( P, T ) i T ln i (26.33) Onde N i representa o número de moles para cada produto de combustão, S i a entropia de cada produto de combustão, N t o número total de moles dos produtos de combustão, R a constante universal do gás ideal igual a 8,314 kj/kg K e P a pressão dos produtos de combustão. 31

32 26.7 Modelo Matemático para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama Para o cálculo da entropia S i (kj/kmol K) por mole dos componentes dos produtos de combustão em função da temperatura usa-se as expressões: CL S BL ln( T) DL para 400 T 1600 K T (26.34) CH S BH ln( T) DH para 1600 T 6000 K T Onde BL, CL, DL, BH, CH e DH são coeficientes retirados das Tabelas 26.2 e

33 26.7 Modelo Matemático para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama O valor da temperatura de expansão dos produtos de combustão é determinado quando se verifica a condição de igualdade das entropias dos produtos de combustão à temperatura adiabática e à temperatura depois da expansão. S ( P, T ) ex S( P, T ) ad (26.35) As pressões na câmara de combustão P c e na expansão P e dos produtos de combustão respectivamente, são calculadas por: P c N R T V T c (26.36) c 33

34 26.7 Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama Tabela 26.2 coeficientes para calculo da entalpia h(t), entropia s(t) e calor específico C p (T) dos componentes dos produtos de combustão para temperatura entre (400 T 1600 K) Composto Coeficiente AL Coeficiente BL Coeficiente CL Coeficiente DL CO ,00 37, ,90-31,10 CO ,00 66, ,00-200,00 H ,00 20,79-7,90-3,90 H ,00 40, ,20-121,00 H 2 O ,00 49, ,80-117,00 N ,00 37, ,30-34,82 O ,00 24, ,20 13,86 O ,00 42, ,40-55,15 OH ,00 37, ,40-44,06 NO ,00 37, ,80-15,70 N ,00 17, ,40 64,67 34

35 26.7 Modelo Matematico para o Calculo da Temperatura Adiabatica de Chama Tabela 26.3 Coeficientes para calculo da entalpia h(t), entropia s(t) e calor específico C p (T) dos componentes dos produtos de combustão para temperatura entre (1600 T 6000 K) Composto Coeficiente AH Coeficiente BH Coeficiente CH Coeficiente DH CO ,00 39, ,90-42,77 CO , ,00-220,00 H ,00 20,79 0-3,82 H ,00 46, ,00-176,60 H 2 O ,00 60, ,00-205,00 N ,00 39, ,00-50,24 O ,00 23, ,30-21,81 O ,00 46, ,00-92,15 OH ,00 42, ,00-92,24 NO ,00 39, ,80-33,90 N ,00 26, ,00-20,31 35

36 26.7 Modelo Matematico para o Cálculo da Temperatura Adiabatica de Chama Tabela 26.4 Valores de calor de reacção H rp de certos combustíveis no estado líquido e gasoso, usados para o cálculo da temperatura adiabática de chama. Combustível Fórmula Química Peso Molecular Estado Líquido Estado gasoso Metano CH Etano C 2 H Propano C 3 H Butano C 4 H Pentano C 5 H Hexano C 6 H Heptano C 7 H Octano C 8 H Nonano C 9 H Decano C 10 H Álcool Metílico CH 3 OH Álcool Etílico C 2 H 5 OH Benzeno C 6 H

Reações químicas e combustão

Reações químicas e combustão Reações químicas e combustão Introdução Reações químicas: Relacionam componentes antes e depois da reação Diversas aplicações termodinâmicas Aplicação de princípios termod. => considerar mudanças composição

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta Questão 1 Os componentes principais dos óleos vegetais são os triglicerídeos, que possuem a fórmula genérica ao lado: Nessa fórmula, os grupos R, R e R representam longas cadeias de carbono, com ou sem

Leia mais

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto

Variação de entalpia nas mudanças de estado físico. Prof. Msc.. João Neto Variação de entalpia nas mudanças de estado físico Prof. Msc.. João Neto Processo Endotérmico Sólido Líquido Gasoso Processo Exotérmico 2 3 Processo inverso: Solidificação da água A variação de entalpia

Leia mais

UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica. Tabela 1 Composição típica de alguns combustíveis

UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica. Tabela 1 Composição típica de alguns combustíveis ESTEQUIOMETRIA DAS REAÇÕES DE COMBUSTÃO Waldir A. Bizzo Caio G. Sánchez Reações de combustão são reações químicas que envolvem a oxidação completa de um combustível. Materiais ou compostos são considerados

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas.

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. Não há reação química que ocorra sem variação de energia! A energia é conservativa. Não pode ser criada

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

Lista de Termoquímica Prof. Paulo Carollo

Lista de Termoquímica Prof. Paulo Carollo 1. (UFRGS) Considerando a reação representada bromo ao alceno, representada pela equação. pela equação termoquímica N (g) + 3H (g) ë 2NHƒ (g) ÐH= -22kcal são feitas as seguintes afirmações. I - A quantidade

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

UNIVERSIDADE ZAMBEZE. Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Prof. Jorge Nhambiu

UNIVERSIDADE ZAMBEZE. Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Prof. Jorge Nhambiu UNIVERSIDADE ZAMBEZE Fundamentos de Combustão Al 3Páti Aula 3-Prática Aula 3. Tópicos Cinética química da combustão: Reacções elementares; Cadeia di de Reacções; Cinética da Pré-Ignição; Reacções globais.

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre

Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre Lista de Exercícios Química Geral Entropia e energia livre 1. Se a reação A + B C tiver uma constante de equilíbrio maior do que 1, qual das seguintes indicações está correta? a) A reação não é espontânea.

Leia mais

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R

ESTRUTURA DO CURSO 08:00-10:00 RTQ-R Método de Simulação Edifícios residenciais Roberto Lamberts, PhD Veridiana A. Scalco, Dra Gabriel Iwamoto Rogério Versage, MSc Apoio: Márcio Sorgato, Carolina Carvalho e Mariana G. Bottamedi Rio de Janeiro,

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

OPERAÇÕES UNITÁRIAS. Processo de Combustão

OPERAÇÕES UNITÁRIAS. Processo de Combustão OPERAÇÕES UNITÁRIAS Processo de Combustão Caldeiras ou Geradores de Vapor Aquatubular Para alta vazão e pressão de vapor Flamotubular Para baixa vazão e pressão de vapor Combustíveis A maioria dos combustíveis

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07 P2 - PRVA DE QUÍMICA GERAL - 08/10/07 Nome: Nº de Matrícula: GABARIT Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 R = 8,314 J mol -1 K -1 = 0,0821 atm L mol

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron:

Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: Equação de Estado de Van der Waals Do ponto de vista da Termodinâmica, gás ideal é aquele para o qual vale, para quaisquer valores de P e T, a equação de estado de Clapeyron: P i V i = nrt em que colocamos

Leia mais

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis

Capítulo 2. Caracterização dos gases Combustíveis Capítulo 2 Caracterização dos gases Combustíveis 1 Caracterização dos gases combustíveis... 1 2 Principais características dos gases... 2 2.1 Gases da 1ª família gás de cidade... 2 2.2 Gases da 2ª família

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

Índice. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas. Aluno: n.

Índice. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas. Aluno: n. Centro de Educação Tecnológica de Minas Gerais Curso Técnico de Mecânica Disciplina: Máquinas Térmicas Índice Aluno: n.º: - Turma: 1) Definição de combustíveis 3 2) Classificação 3 2.1) Sólido 3 2.2) Líquido

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

PRE-VEST AMANDA 14-05-2015 QUÍMICA. Rua Lúcio José Filho, 27 Parque Anchieta Tel: 3012-8339. f) 3-etil-2-metil-2-hexeno;

PRE-VEST AMANDA 14-05-2015 QUÍMICA. Rua Lúcio José Filho, 27 Parque Anchieta Tel: 3012-8339. f) 3-etil-2-metil-2-hexeno; PRE-VEST AMANDA 14-05-2015 QUÍMICA Lista de Exercícios Hidrocarbonetos Classificação e Nomenclatura de alcanos e alcenos. 01) Escreva as fórmulas estruturais e moleculares dos seguintes alcanos: a) propano;

Leia mais

Exercícios 3º ano Química -

Exercícios 3º ano Química - Exercícios 3º ano Química - Ensino Médio - Granbery 01-ufjf-2003- Cada vez mais se torna habitual o consumo de bebidas especiais após a prática de esportes. Esses produtos, chamados bebidas isotônicas,

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO QUÍMICA RESOLUÇÃO QUÍMICA CURSO APOIO 15. O sulfato de sódio é um composto utilizado na indústria de celulose e na fabricação de detergentes. Por apresentar grande afinidade por água, pode ser encontrado na forma de um

Leia mais

Biogás. Página 1 de 5

Biogás. Página 1 de 5 Biogás O atual sistema económico conduz à produção de grandes quantidades de resíduos agrícolas, industriais e domésticos, os quais, podem conter componentes importantes e valiosos, revelando-se ainda

Leia mais

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas.

Matrizes. matriz de 2 linhas e 2 colunas. matriz de 3 linhas e 3 colunas. matriz de 3 linhas e 1 coluna. matriz de 1 linha e 4 colunas. Definição Uma matriz do tipo m n (lê-se m por n), com m e n, sendo m e n números inteiros, é uma tabela formada por m n elementos dispostos em m linhas e n colunas. Estes elementos podem estar entre parênteses

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Termoquímica PROF. Prof. DAVID David TERMOQUÍMICA O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Estuda as quantidades de calor liberadas ou absorvidas durante as reações químicas

Leia mais

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo

STV 8 SET 2008 2. uma polaridade de sincronismo negativa, com os pulsos de sincronismo na posição para baixo, como mostrado na figura abaixo STV 8 SET 2008 1 ANÁLISE DOS SINAIS DE VÍDEO as três partes do sinal composto de vídeo, ilustradas na figura abaixo, são: 1 o sinal da câmera correspondendo às variações de luz na cena 2 os pulsos de sincronismo

Leia mais

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m

CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS. C = q/ T. C = n. C m CALOR, TEMPERATURA E CAPACIDADES CALORÍFICAS Nem todas as substâncias têm a mesma capacidade calorífica, isto é, para a mesma energia calorífica recebida, a elevação de temperatura é diferente. C capacidade

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição)

LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) LOQ - 4007 Físico-Química Capítulo 2: A Primeira Lei: Conceitos TERMOQUÍMICA Atkins & de Paula (sétima edição) Profa. Dra. Rita de Cássia L.B. Rodrigues Departamento de Biotecnologia LOT E-mail: rita@debiq.eel.usp.br

Leia mais

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Termoquímica. Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Termoquímica 1 História A sociedade é movida a energia e a invenção da máquina a vapor contribuiu decisivamente na Revolução Industrial, que levou ao aumento da produtividade e diminuição da influência

Leia mais

Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora

Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora Escola Básica da Gafanha da Encarnação Físico-Química 8º ano Ficha de trabalho 2014/2015 Nome N.º Turma Data: Enc. Educação Professora 1. A Maria adicionou uma colher de chocolate em pó a um copo com Leite

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess

Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess Exercícios sobre Termoquímica- lei de hess 01. (Unesp - adaptada) Definir, ou conceituar, e discutir, usando exemplos quando julgar conveniente: a) entalpia molar padrão de formação de uma substância;

Leia mais

Lista Prova - Gás Ideal

Lista Prova - Gás Ideal Lista Prova - Gás Ideal 1) Se 2 mols de um gás, à temperatura de 27ºC, ocupam um volume igual a 57,4 litros, qual é a pressão aproximada deste gás? Considere R=0,082 atm.l/mol.k (Constante dos Gases) a)

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento Métodos de Balanceamento Conteúdo Introdução... 1 Método das tentativas... 1 Método algébrico... 1 Método do íon-elétron... 2 Método da oxi-redução... 3 Auto oxi-redução... 3 Balanceamento dependendo do

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 29/06/06

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 29/06/06 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 9/06/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R 0,08 atm L -1 K -1 8,14 J -1

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 11/10/08 Nome: Gabarito Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821

Leia mais

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico

Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico Leis Ponderais e Cálculo Estequiométrico 1. (UFF 2009) Desde a Antiguidade, diversos povos obtiveram metais, vidro, tecidos, bebidas alcoólicas, sabões, perfumes, ligas metálicas, descobriram elementos

Leia mais

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006.

Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001; Membro do GT Tripartite da NR-33, publicada em 27/12/2006. Al. Iraé, 620 conjunto 56 Indianópolis São Paulo SP Tel: (11)

Leia mais

Propriedades de Misturas. Parte 1

Propriedades de Misturas. Parte 1 Propriedades de Misturas Parte 1 Introdução Muitos sistemas de interesse empregam misturas de substâncias Misturas de gases são de particular interesse É necessário saber avaliar propriedades de misturas

Leia mais

A ÁLISE TITRIMÉTRICA

A ÁLISE TITRIMÉTRICA A ÁLISE TITRIMÉTRICA Análise titrimétrica - O termo análise titrimétrica refere-se à análise química quantitativa feita pela determinação do volume de uma solução, cuja concentração é conhecida com exatidão,

Leia mais

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS

ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS ENERGIA E AS REAÇÕES QUÍMICAS Termoquímica é a parte da química que estuda as trocas de energia entre o sistema e o meio durante a ocorrência de uma reação química ou de um processo físico. ENTALPIA É

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Probabilidade. Luiz Carlos Terra

Probabilidade. Luiz Carlos Terra Luiz Carlos Terra Nesta aula, você conhecerá os conceitos básicos de probabilidade que é a base de toda inferência estatística, ou seja, a estimativa de parâmetros populacionais com base em dados amostrais.

Leia mais

Introdução à Psicrometria. Parte1

Introdução à Psicrometria. Parte1 Introdução à Psicrometria Parte1 Introdução Estudo de sistemas envolvendo ar seco e água Ar seco + vapor d água (+ eventualmente condensado) Importante na análise de diversos sistemas Ar condicionado Torres

Leia mais

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA

UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA UEM FACULDADE DE ENGENHARA DEMA PROJECTO DE CURSO TEMA: projecção de um gerador de vapor para aquecer água de uma piscina AUTOR: Kapella Maria SUPREVISOR: Prof. Dr eng Jorge Nhambiu Kapella,Maria 1 EXTRUTURA

Leia mais

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo

1331 Velocidade do som em líquidos Velocidade de fase e de grupo 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Osvaldo Guimarães PUC-SP Tópicos Relacionados Ondas longitudinais, velocidade do som em líquidos, comprimento de onda, freqüência,

Leia mais

Tratamento de efluentes

Tratamento de efluentes Tratamento de efluentes Aguas residuais não devem ser rejeitadas antes de tratamento adequado industriais / urbanas / agrícolas ETAR - estação de tratamento de águas residuais Objectivo: eliminação de

Leia mais

Substâncias puras e misturas; análise imediata

Substâncias puras e misturas; análise imediata Segmento: Pré-vestibular Resoluções Coleção: Alfa, Beta e Gama Disciplina: Química Volume: 1 Série: 5 Substâncias puras e misturas; análise imediata 1. C Considerando as ilustrações, temos: I. Mistura

Leia mais

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014.

QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. QUESTÕES DE QUÍMICA DA UNICAMP PROVA DE 2014. 1- Prazeres, benefícios, malefícios, lucros cercam o mundo dos refrigerantes. Recentemente, um grande fabricante nacional anunciou que havia reduzido em 13

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK Unidade 3 química - Conteúdos curriculares: c8: Reações Químicas (classificação e equações) c9: Balanceamento de equações (Estequiometria) c9:massa atômica, massa molecular e o conceito de mol Representação:

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03 FOLHAS DE PROBLEMAS Termodinâmica e teoria cinética Física dos Estados da Matéria 00/03 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ª FOLHA

Leia mais

Química - Grupo J - Gabarito

Química - Grupo J - Gabarito - Gabarito 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Informe a que volume deve ser diluído com água um litro de solução de um ácido fraco HA 0.10 M, de constante de ionização extremamente pequena (K

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA CONDE SABUGOSA, 27, 7º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.748515, -9.140355 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS

Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Cap. II EVENTOS MUTUAMENTE EXCLUSIVOS E EVENTOS NÃO- EXCLUSIVOS Dois ou mais eventos são mutuamente exclusivos, ou disjuntos, se os mesmos não podem ocorrer simultaneamente. Isto é, a ocorrência de um

Leia mais

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas.

Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Módulo VII Mistura de Gases Ideais. Relações p-v-t. Entalpia, Energia Interna, Entropia e Calores Específicos. Sistemas com Misturas. Composição de uma Mistura de Gases A especificação do estado de uma

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Emissão: MINEA/DNEE Dezembro 2010 Av. Cónego Manuel das Neves, 234 1º - Luanda ÍNDICE 1 OBJECTIVO...

Leia mais

Questão 69 Questão 70

Questão 69 Questão 70 Questão 69 Questão 0 Alguns polímeros biodegradáveis são utilizados em fios de sutura cirúrgica, para regiões internas do corpo, pois não são tóxicos e são reabsorvidos pelo organismo. Um desses materiais

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO

QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO QUÍMICA TAISSA LUKJANENKO SUBSTÂNCIA PURA MISTURA ESTUDO DAS SUBSTÂNCIAS E MISTURAS SUBSTÂNCIA: material formado por moléculas quimicamente iguais. Substância simples: é constituída de uma molécula formada

Leia mais

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico.

01) Considere as seguintes substâncias: e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. 01) onsidere as seguintes substâncias: I) 3 e as seguintes funções químicas: a ácido carboxílico. B álcool. aldeído. II) III) IV) 3 3 3 D cetona. E éster. F éter. A opção que associa corretamente as substâncias

Leia mais

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano

Módulo de Equações do Segundo Grau. Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Módulo de Equações do Segundo Grau Equações do Segundo Grau: Resultados Básicos. Nono Ano Equações do o grau: Resultados Básicos. 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. A equação ax + bx + c = 0, com

Leia mais

INTERPRETAÇÃO MOLECULAR DA TEMPERATURA:

INTERPRETAÇÃO MOLECULAR DA TEMPERATURA: REVISÃO ENEM Termodinâmica Termodinâmica é o ramo da física que relaciona as propriedades macroscópicas da matéria com a energia trocada, seja ela sob a forma de calor (Q) ou de trabalho (W), entre corpos

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR.

MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR. MASSA ATÔMICA, MOLECULAR, MOLAR, NÚMERO DE AVOGADRO E VOLUME MOLAR. UNIDADE DE MASSA ATÔMICA Em 1961, na Conferência da União Internacional de Química Pura e Aplicada estabeleceu-se: DEFINIÇÃO DE MASSA

Leia mais

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte

Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte Calor absorvido; gás ideal; expansão isotérmica e reversível: a energia das moléculas não varia quando T é cte não existe atração nem repulsão no gás ideal U = 0 q = - w q rev = nrtln(v f /V i ) q rev

Leia mais

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos

Função. Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Função Trigonométrica II Adição e subtração de arcos Duplicação de arcos Resumo das Principais Relações I sen cos II tg sen cos III cotg tg IV sec cos V csc sen VI sec tg VII csc cotg cos sen Arcos e subtração

Leia mais

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2

2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 2.1 Calor, trabalho e a 1ª lei da termodinâmica Swallin cap2 Há uma diferença fundamental entre as funções de estado, como T, P e U, e as variáveis de processo, como Q (calor) e W (trabalho), que são transientes

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

Propriedades de Misturas. Parte 2

Propriedades de Misturas. Parte 2 Propriedades de Misturas Parte 2 Exemplo: cálculo de M do ar seco M = y i M i 0,78M N2 + 0,21M O2 + 0,0093M Ar + 0,0003M CO2 0,78.28 + 0,21.32 + 0,0093.40 + 0,0003.44 = 28,97kg/kmol Exemplo A análise

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

Propriedades de uma Substância Pura

Propriedades de uma Substância Pura Propriedades de uma Substância Pura A substância pura Composição química invariável e homogênea. Pode existir em mais de uma fase, porém sua composição química é a mesma em todas as fases. Equilíbrio Vapor-líquido-sólido

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DA UFS 2014.1 GABARITO Questão 1) Para o composto sólido de C: 1 mol = 12 g. d = m / V = 12 g / 5,0 cm 3 = 2,4 g cm -3 Para o composto sólido

Leia mais

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ QUÍMICA Prof. Arthur LISTA DE EXERCÍCIOS - 2.8: TERMOQUÍMICA 1. (UFMG-MG) O gás natural (metano) é um combustível utilizado, em usinas termelétricas, na geração de eletricidade, a partir da energia liberada

Leia mais

Propriedades dos Precipitados

Propriedades dos Precipitados ANÁLISE GRAVIMÉTRICA ANÁLISE GRAVIMÉTRICA A análise gravimétrica ou gravimetria, é um método analítico quantitativo cujo processo envolve a separação e pesagem de um elemento ou um composto do elemento

Leia mais

Climatização e Refrigeração EXERCÍCIOS PSICROMETRIA

Climatização e Refrigeração EXERCÍCIOS PSICROMETRIA EXERCÍCIOS PSICROMETRIA Quantidade de vapor de água no ar ambiente 1. Uma sala com 5m x 5m x 3m contém ar a 25ºC e 100kPa com uma humidade relativa de 75%. Determine: a) Pressão parcial do ar seco (97,62kPa).

Leia mais

PERMUTADOR DE PLACAS TP3

PERMUTADOR DE PLACAS TP3 PERMUTADOR DE PLACAS TP3 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I (2009/2010 1. Objectivos Determinação de coeficientes globais de transferência de calor num permutador de calor de placas. Cálculo da eficiência

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

Centro Universitário Anchieta

Centro Universitário Anchieta 1) Um elemento da família 2 da tabela periódica forma um composto com o flúor. A massa molar desse composto é 78,074g. Escreva a fórmula e o nome do composto. O composto formado entre flúor e um elemento

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/10/04

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/10/04 P - PROV DE QUÍIC GERL - 8//4 Nome: Nº de atrícula: GBRITO Turma: ssinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total, Constantes R 8,34 J mol - K - R,8 atm L mol - K - atm L,35 J Equações

Leia mais

ENEM 2009 - Prova resolvida Química

ENEM 2009 - Prova resolvida Química ENEM 2009 - Prova resolvida Química 01. A atmosfera terrestre é composta pelos gases nitrogênio (N 2) e oxigênio (O 2), que somam cerca de 99 %, e por gases traços, entre eles o gás carbônico (CO 2), vapor

Leia mais

HIDROCARBONETOS ALCANOS

HIDROCARBONETOS ALCANOS HIDROCARBONETOS Os hidrocarbonetos são compostos formados por carbono e hidrogénio. Existem dois grandes grupos de hidrocarbonetos: os hidrocarbonetos alifáticos e os hidrocarbonetos aromáticos. Se os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I Eu tenho três filhos e nenhum dinheiro... Porque eu não posso ter nenhum filho e três dinheiros? - Homer J. Simpson UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki

Sistema Trifásico Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki Sistema Trifásico Prof Ms Getúlio Teruo Tateoki Em um gerador trifásico, existem três enrolamentos separados fisicamente de 0 entre si, resultando em três tensões induzidas defasadas de 0 figura abaixo

Leia mais