Regulamento de Estágio. Apresentação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento de Estágio. Apresentação"

Transcrição

1

2 Apresentação Caro aluno, o período de estágio é o seu primeiro contato com a vida profissional. Você encontrará na indústria condições às vezes bem diferentes do que a escola lhe oferece. O ambiente lhe será estranho e muitas vezes você se sentirá inseguro para tomar certas iniciativas. Haverá o desejo de acertar e, também, o receio de errar. Bem, sabemos que será um período difícil para você. Elaboramos este Regulamento de Estágio com a finalidade de auxiliá-lo no estágio que você fará junto com o curso Vivência Profissional. Nele você encontrará informações que poderão ser muito úteis nesta fase de sua vida escolar. Caberá a você complementar este trabalho apresentando críticas, sugestões, etc. Sempre que você tiver dúvidas ou dificuldades a respeito de estágio, procure o serviço de Coordenação de Estágio por meio do telefone r. 4830, ou pelo pois teremos o máximo prazer em auxiliá-lo. Escola SENAI Prof. Vicente Amato 7

3 Vivência Profissional A Vivência Profissional é um Curso de Aperfeiçoamento que tem por objetivo ampliar o repertório de conhecimentos, experiências, solução de problemas e autonomia do aluno nos cursos de educação profissional técnica, complementando a formação oferecida pelo SENAI-SP. Possibilita a realização de prática profissional na empresa que corresponde ao estágio supervisionado, com duração mínima de 400 horas e máxima de 1500 horas, se for realizada ao longo do curso técnico, devendo ser concluída junto com o mesmo. A Vivência Profissional também poderá ser cursada após a conclusão do Curso Técnico e, nesta condição, a prática profissional realizada na empresa deverá ter duração mínima de 400 horas e máxima de 1500 horas. Esta complementação é opcional, mesmo sem a qual o aluno receberá seu diploma de Técnico de Nível Médio na área correspondente. O estágio supervisionado deve propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem a serem planejados, executados, acompanhados e avaliados em conformidade com os currículos, programas e calendários escolares, a fim de se constituírem em instrumentos de integração, em termos de treinamento prático, de aperfeiçoamento técnico-cultural, científico e de relacionamento humano. Escola SENAI Prof. Vicente Amato 9

4 ITINERÁRIO DO CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA 10 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

5 ITINERÁRIO DO CURSO TÉCNICO DE ELETROELETRÔNICA Escola SENAI Prof. Vicente Amato 11

6 ITINERÁRIO DO CURSO TÉCNICO DE REDES DE COMPUTADORES 12 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

7 VANTAGENS GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Para o aluno, o estágio oferece os meios de: o aplicar na prática os conhecimentos teóricos; o aumentar as possibilidades de trabalho imediato, após a conclusão do curso; o possibilitar relacionamentos com os meios profissionais e empresariais. Para a empresa, constitui-se na oportunidade de: o dispor de um contingente profissional formado com maior eficiência, que não necessitará de longo período de adaptação ao trabalho; o contar com um eficiente sistema de recrutamento, seleção e treinamento que permita programar a ampliação ou renovação de seus quadros técnicos; o renovar seu quadro funcional através de novas metodologias operacionais; o reduzir investimentos no treinamento de pessoal profissional; o preencher a lacuna existente entre a gerência e o pessoal da produção, com elemento de boa formação profissional. Para a escola, apresenta a oportunidade de: o obter subsídios valiosos para sua organização curricular e de seus conteúdos programáticos, que resultarão em eficiência e objetividade na formação profissional, atendendo assim, as exigências da empresa moderna; o divulgar seu nome pelas qualidades dos profissionais formados Escola SENAI Prof. Vicente Amato 13

8 Atribuições do Coordenador de Estágios e dos docentes O diretor da escola deve designar um docente do curso técnico para atuar como responsável pela Coordenação de Estágios e os docentes que atuam nos cursos que colaborarão com o responsável pela Coordenação de Estágios no desempenho de suas funções. Atribuições do coordenador de estágios: o No decorrer da fase escolar o responsável pela Coordenação de Estágios deve orientar os alunos sobre o Regulamento de Estágios da unidade escolar, deve orientar também quanto ao mercado de trabalho e aos aspectos atitudinais, tanto nos processos seletivos bem como no desenvolvimento do estágio; o O coordenador de estágios deve elaborar e manter cadastro dos alunos para estágio; o Cabe ao coordenador de estágio a elaboração e manutenção do cadastro das concedentes; o Promover contatos buscando fidelizar a parceria firmada com atuais e na obtenção de novos concedentes; o Elaborar e manter cadastro de vagas; o Divulgar vagas existentes; o Deve realizar visita à candidata a concedente para verificar as condições de estágio, antes da formalização do primeiro Termo de Compromisso e periodicamente, num prazo nunca superior a vinte e quatro meses da avaliação. o Informar a AUDI-E Auditoria Educacional a inclusão/exclusão dos estagiários na apólice de seguros de acidentes pessoais e a verificação da existência de irregularidades, tais como: datas e nomes incorretos e/ou CPF s duplicados. 14 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

9 o O coordenador de estágios avaliará o desempenho do estagiário atribuindo notas numa escala de zero (0) a cem (100) e a nota final para aprovação deve ser igual ou superior a cinquenta (50). Escola SENAI Prof. Vicente Amato 15

10 Comportamentos e atitudes na empresa O estagiário deverá lembrar-se sempre de que está na empresa durante este período para aprender. Portanto uma atitude humilde será recomendável. Para isso: evite a pretensão de exaltar suas qualidades ou conhecimentos técnicos; aqueles que o observam perceberão tais qualidades ou conhecimentos através de atos e não de palavras; todo conhecimento de Relações Humanas que foi aprendido teoricamente deve ser colocado em prática. Observe sempre: disciplina: marcada pelo cumprimento das obrigações. iniciativa: demonstrada pelo interesse, pela procura de novos meios para solucionar problemas, pela cooperação com os que o rodeiam. precisão no trabalho: verificada pela mínima margem de erro nas tarefas. pontualidade e assiduidade. discrição: através da participação de conhecimentos, sem divulgação de assuntos confidenciais da empresa. 16 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

11 Matrícula no estágio supervisionado O estágio supervisionado tem a duração mínima de 400h e máxima recomendável igual à duração do curso, 1500 horas, devendo ser realizado, preferencialmente, ao longo de todo o curso. Em caráter excepcional, o estágio pode ser realizado em etapa posterior aos demais componentes curriculares do curso. Para iniciar o estágio o aluno deverá, obrigatoriamente, procurar a Coordenação de Estágios e providenciar os seguintes documentos: Cadastro de aluno para estágio Termo de compromisso para estágio de complementação educacional Proposta de adesão para seguro de acidentes pessoais Cópia do CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) Plano de Estágio Escola SENAI Prof. Vicente Amato 17

12 Referências SENAI-SP. PLANO DE CURSO: (De acordo com a Resolução CNE/CEB no. 4/99, atualizada pela Resolução CNE/CEB no. 1/05, e pela Resolução CNE/CEB no. 3/08): Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação: Habilitação: Técnico de Redes de Computadores. São Paulo, p. SENAI-SP. PLANO DE CURSO: (De acordo com a Resolução CNE/CEB no. 4/99, atualizada pela Resolução CNE/CEB no. 1/05, e pela Resolução CNE/CEB no. 3/08): Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais: Habilitação: Técnico em Eletroeletrônica. São Paulo, p. 18 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

13 Anexos Escola SENAI Prof. Vicente Amato 19

14 DECLARAÇÃO DE HORAS ESTAGIADAS (Papel timbrado da concedente ou carimbo do CNPJ) DECLARAÇÃO DE HORAS DE ESTÁGIO REALIZADAS Declaro para os devidos fins que o Sr., portador do RG nº /, estagiou nesta empresa no período de / / a / /, totalizando horas., de de 20. Nome e Assinatura do responsável Carimbo da Empresa 20 Escola SENAI Prof. Vicente Amato

15 CONTROLE DE REVISÕES Rev. Data Natureza da Alteração 00 22/03/2007 Primeira Emissão 01 20/03/ /01/ /12/ /03/2012 Reformulação da organização curricular do Curso Técnico de Redes de Computadores Executada correção para atender mudança da Lei nº , de Executada correção para incluir curso Técnico de Eletroeletrônica Executada correção para atender Resolução RE nº 13/ Março de 2014 Executada correção para atender Resolução RE nº 01/2014 Data Elaboração Aprovação Agosto de 2014 Marino do Carmo Ledier José Jorge de Andrade Escola SENAI Prof. Vicente Amato 21

16

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO 4 ATRIBUIÇÕES DO RESPONSÁVEL PELA ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO 4 PERFIL DE CONCLUSÃO DE CURSO 4 CAPTAÇÃO DE VAGAS 5

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Junho - 2014 SUMÁRIO 1 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2 DISPENSA DE ESTÁGIO 3 ATRIBUIÇÕES DO RESPONSÁVEL PELA ORIENTAÇÃO DE ESTÁGIO 4 PERFIL

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Escola SENAI Frederico Jacob REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSOS TÉCNICOS Versão 03 1 2 Regulamento de Estágio SENAI-SP, 2009 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Frederico Jacob para os Cursos

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Suíço-Brasileira Paulo Ernesto Tolle Regulamento de Estágio Setembro de 2014 FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

ESCOLA SENAI CONDE ALEXANDRE SICILIANO

ESCOLA SENAI CONDE ALEXANDRE SICILIANO GUIA DE ESTÁGIO ESCOLA SENAI CONDE ALEXANDRE SICILIANO Área Profissional: INDÚSTRIA Habilitação: Técnico em Plástico Técnico em Eletroeletrônica ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. Faculdade de Tecnologia SENAI Anchieta

REGULAMENTO DE ESTÁGIO. Faculdade de Tecnologia SENAI Anchieta REGULAMENTO DE ESTÁGIO Faculdade de Tecnologia SENAI Anchieta Sumário Página 01 Do perfil de conclusão do curso 03 02 Do estágio supervisionado 03 03 Da matrícula no estágio 03 04 Da documentação para

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL

Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Regulamento de Estágio ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Coronel Fabriciano/ 2008 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. OBJETIVOS... 1 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 2 4. ATRIBUIÇÕES... 2 5. LOCAIS DE ESTÁGIO E

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Regulamento de Estágio Supervisionado Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Art 1 o. O presente Estatuto disciplina os aspectos da organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado do

Leia mais

PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015.

PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015. PORTARIA CE Nº 48, de 04 de novembro de 2015. Regulamenta a realização de estágios dos alunos dos Cursos de Graduação do Campus de Itapeva. O Coordenador Executivo no uso de suas atribuições legais, expede

Leia mais

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU

FACULDADE DE PRESIDENTE VENCESLAU REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I Das Disposições Legais Art.1º - O estágio deve propiciar a complementação do ensino e da aprendizagem e ser planejado, executado, acompanhado e avaliado

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL 1º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA FACULDADE GUARAPUAVA Art. 1º. O Estágio Supervisionado é matéria constante do Currículo Pleno do Curso de Engenharia Elétrica da

Leia mais

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA

ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA ANEXO 2 NORMAS GERAIS ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECATRÔNICA A2-121 ESTÁGIO OBRIGATÓRIO A atual Resolução CNE/CES n o 11, de 11 de março de 2002, do Conselho Nacional de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

PORTARIA DO DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA n 236 de 10 de maio de 2010

PORTARIA DO DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA n 236 de 10 de maio de 2010 PORTARIA DO DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA n 236 de 10 de maio de 2010 REGULAMENTA A CONCESSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO REMUNERADO A ESTUDANTES DE INSTITUIÇÕES NACIONAIS DE ENSINO NA FACULDADE DE MEDICINA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO E TECNOLÓGICOS DE NÍVEL SUPERIOR Canoas, RS 2012 CAPÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado dos alunos

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS EAD 1º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS EAD 1º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO RELAÇÕES INTERNACIONAIS EAD 1º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º O componente Estágio Curricular Supervisionado em Biotecnologia éparte integrante do currículo pleno do

Leia mais

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório

Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório Campus Itaqui Curso de Ciência e Tecnologia de Alimentos Normas para o Estágio Supervisionado Obrigatório 1. ASPECTOS LEGAIS O Estágio Supervisionado tem caráter curricular obrigatório e é uma exigência

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Introdução O presente regulamento constitui um documento interno do curso de Ciências Contábeis e tem por objetivo reger as atividades relativas ao Estágio Supervisionado.

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ATO DE APROVAÇÃO: Resolução do Reitor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE RESPONSABILIDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE RESPONSABILIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE RESPONSABILIDADE Termo de Responsabilidade que entre si celebram a... (Escola/Faculdade da UFMG)... e o(a)... (Órgão/Unidade da UFMG)...,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA DE GUARATINGUETÁ REGULAMENTO DO ESTÁGIO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ENGENHARIA DO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DA UNESP

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA UFERSA PARA ESTUDANTES DA UFERSA

ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NA UFERSA PARA ESTUDANTES DA UFERSA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGEPE DIVISÃO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL DDP SEÇÃO DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO ORIENTAÇÕES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSFERÊNCIAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE TRANSFERÊNCIAS 1 - Para a inscrição no processo seletivo transferência é cobrada alguma taxa? Resposta: Sim. Atualmente o valor da taxa de inscrição para o processo seletivo de transferência é de R$ 20,00 (vinte Reais).

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA Escola SENAI Mariano Ferraz CADERNO DE ESTÁGIO CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA ELABORAÇÃO DATA APROVAÇÃO Rafael Lima de Oliveira 10/09/2015 Marcel Adriano Pereira Porto DATA DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA DITEC 11

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA REGULAMENTO DE ESTÁGIOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA E BIOQUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO TÍTULO I DO ESTÁGIO E SEUS FINS

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO TÍTULO I DO ESTÁGIO E SEUS FINS ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO TÍTULO I DO ESTÁGIO E SEUS FINS Art. 1º - O ESTÁGIO SUPERVISIONADO visa complementar a formação acadêmica e efetivar a habilitação profissional, exigida por lei, para

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS E NÃO OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE FAMETRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O presente Regulamento fixa diretrizes e normas

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGUROS 1º Semestre de 2017 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas

Leia mais

RESOLUÇÃO. Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais INTERTEC, do câmpus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco.

RESOLUÇÃO. Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais INTERTEC, do câmpus de Bragança Paulista da Universidade São Francisco. RESOLUÇÃO CONSEPE 24/2008 APROVA O REGULAMENTO DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS INTERTEC, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO.

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS Ilha Solteira SP 2015 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado pela Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica (CECEE) e aprovado

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina a oferta, o funcionamento e o registro acadêmico das

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Seção I Das Modalidades e seu desenvolvimento Art. 1º O Estágio Supervisionado constitui-se em meio para que o aluno,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DIRETORIA DE REGULAÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE MONITORIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO - PROGRAD DIRETORIA DE REGULAÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA DE MONITORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR EDITAL DE SELEÇÃO DE MONITORES 1. IDENTIFICAÇÃO Unidade/Campus: Cacoal Departamento: Ciências Contábeis Disciplina(s): Conforme quadro abaixo Número de vagas: 01

Leia mais

TELEFONE: MATRÍCULA: DATA DE NASCIMENTO: ESTADO CIVIL:

TELEFONE:   MATRÍCULA: DATA DE NASCIMENTO: ESTADO CIVIL: FICHA CADASTRAL DO ESTÁGIO Dados do aluno: NOME: ENDEREÇO: BAIRRO: CEP: CIDADE: TELEFONE: E-MAIL: MATRÍCULA: DATA DE NASCIMENTO: RG: ESTADO CIVIL: Dados da organização: ORGANIZAÇÃO: ENDEREÇO: BAIRRO: CEP:

Leia mais

EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO

EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CÂMPUS DE PALMAS CURSO DE ENFERMAGEM Av. NS 15, ALCNO 14, Bloco IV, 109 Norte Palmas/TO (63) 3232-8318 www.uft.edu.br enfermagem@uft.edu.br EDITAL N 001/2015 ENFERMAGEM

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes Departamento de Letras Curso de Secretariado Executivo Trilíngue Estágio Curricular Supervisionado MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Regulamento de Estágio para os cursos: Técnico de Eletroeletrônica Técnico de Fabricação Mecânica Técnico de Mecânica Técnico de Mecatrônica

Regulamento de Estágio para os cursos: Técnico de Eletroeletrônica Técnico de Fabricação Mecânica Técnico de Mecânica Técnico de Mecatrônica REGULAMENTO DE ESTÁGIO - versão 10 Regulamento de Estágio para os cursos: Técnico de Eletroeletrônica Técnico de Fabricação Mecânica Técnico de Mecânica Técnico de Mecatrônica UNIDADE ESCOLAR Escola SENAI

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fundação Educacional do Município de Assis Instituto Municipal de Ensino Superior de Assis Campus José Santilli Sobrinho REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Assis SP

Leia mais

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos

Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS Normas para realização do Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Engenharia de Alimentos Lavras 2014 INTRODUÇÃO Art. 1º. O Estágio

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE QUÍMICA E GEOCIÊNCIAS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍMICA COMISSÃO DE ESTÁGIO E MONOGRAFIA NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Pelotas, maio de 2009. NORMAS DOS ESTÁGIOS

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO MODELO DO TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO. 2 vias EM PAPEL TIMBRADO DA UNIDADE CONCEDENTE DO ESTÁGIO CÓPIA DO CNPJ - CÓPIA DO ATO DE NOMEAÇÃO DO REPRESENTANTE LEGAL E/OU CONTRATO SOCIAL E ÚLTIMA ALTERAÇÃO

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016/2 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016/2 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2016/2 APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CANDIDATOS FORMALMENTE ENCAMINHADOS POR INDÚSTRIAS CONTRIBUINTES DO SENAI/SC 1. Apresentação O SENAI/SC torna pública a abertura do período para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO CURSO DE PEDAGOGIA RESOLUÇÃO Nº 001/2013 DO COLEGIADO DO Regulamenta o funcionamento das disciplinas Projeto Integrado de Prática Educativa (PIPE) 1 e 2 Estágio Supervisionado 1 e 2 como atividades planejadas do Curso. O

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO A Parte Concedente e o Estagiário com a interveniência da Instituição de Ensino celebram este Termo de Compromisso de Estágio, sem vínculo empregatício, comprometendo-se

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório está organizado em duas etapas, uma no sétimo e outra

Leia mais

EDITAL UEFS/TOPA - ETAPA 2010 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE APOIO ADMINISTRATIVO DO PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO TOPA/UEFS

EDITAL UEFS/TOPA - ETAPA 2010 ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DE APOIO ADMINISTRATIVO DO PROGRAMA TODOS PELA ALFABETIZAÇÃO TOPA/UEFS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal nº 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19/12/86 Recredenciada pelo Decreto Estadual 9.271 de

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA EDITAL Nº 01/2014, DE 11 DE JUNHO DE 2014. A Faculdade Pernambucana de Saúde torna pública as Condições de

Leia mais

REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU REGIMENTO INSTITUCIONAL DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU Bom Jesus do Itabapoana - RJ 2017 Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º - Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) da FAMESC

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Hortolândia 2015 1 TRABALHO DE CONCLUSÃO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL

REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL REGULAMENTO INTEGRALIZAÇÃO DE DISCIPLINAS EM CARÁTER ESPECIAL Recife / PE, 2013 Institui as normas para integralização de disciplinas dos cursos de graduação em caráter especial CAPÍTULO I - DAS NORMAS

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO

COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO KIT ALUNO ESTÁGIO PASSO A PASSO Maceió/2016 1º PASSO: PREENCHIMENTO DO CADASTRO DO ALUNO COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS CADASTRO DO ALUNO Curso: Período que Cursa: Matrícula: Nome Completo:

Leia mais

PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 PEDAGOGIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará Instituto de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo UNIFESSPA

Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará Instituto de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo UNIFESSPA Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará Instituto de Ciências Exatas Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo UNIFESSPA EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UNIFESSPA NO 01/2016 PROCESSO SELETIVO

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Artigo 1º - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória no Currículo do Curso de Matemática Licenciatura

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância)

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL DIREÇÃO ACADÊMICA REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (cursos presenciais e à distância) CACOAL 2015 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO SME Nº. 05/2009. A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais, CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

RESOLUÇÃO SME Nº. 05/2009. A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais, CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SME Nº. 05/2009 A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais, Regulamenta os artigos 23 e 24 da Lei Complementar nº. 138/01 que tratam das substituições nos impedimentos

Leia mais

ESTÁGIOS E RELATÓRIOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

ESTÁGIOS E RELATÓRIOS DE CONCLUSÃO DE CURSO ESTÁGIOS E RELATÓRIOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE Documentos e Tutorial Esse documento foi feito para fornecer orientação básica ao aluno do Curso Técnico em Meio Ambiente na realização

Leia mais

FACER FACULDADES FACULDADE DE JARAGUÁ PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA

FACER FACULDADES FACULDADE DE JARAGUÁ PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA FACER FACULDADES FACULDADE DE JARAGUÁ PROGRAMA DE MONITORIA VOLUNTÁRIA INTRODUÇÃO O exercício da Monitoria constitui-se em uma atividade de grande relevância, especialmente, por estimular no aluno de graduação

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Curso de Engenharia Civil Ituverava SP 1- FINALIDADE 1.2 Introdução Este manual tem por finalidade orientar o acadêmico do Curso de Engenharia Civil da Faculdade

Leia mais

Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio do Curso de Engenharia Elétrica Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória aos acadêmicos do curso dividida

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi CEP Santa Maria/RS (minuta do) REGULAMENTO DE MOBILIDADE ACADÊMICA Dispõe sobre as normas e procedimentos para a mobilidade acadêmica, nacional e internacional, de estudantes do Instituto Federal Farroupilha. O Instituto

Leia mais

REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA EAD

REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA EAD REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO EM ADMINISTRAÇÃO NA MODALIDADE A DISTÂNCIA EAD O presente Regulamento tem o intuito de estabelecer normas gerais para cumprimento da Lei nº.

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGIMENTO E ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGIMENTO E ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) REGIMENTO E ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS 1. INTRODUÇÃO O TCC consiste do trabalho de conclusão de curso sobre uma pesquisa direcionada para as básicas e aplicadas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, NO CÂMPUS CURITIBA

EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, NO CÂMPUS CURITIBA EDITAL DE SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS, NO CÂMPUS CURITIBA Programa de Pós Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica (PPGFCET) 1. SITE OFICIAL DO PROGRAMA:

Leia mais

SELEÇÃO DE PROFESSORES /1 Processo seletivo simplificado Edital nº 01/2017

SELEÇÃO DE PROFESSORES /1 Processo seletivo simplificado Edital nº 01/2017 SELEÇÃO DE PROFESSORES - 2017/1 Processo seletivo simplificado Edital nº 01/2017 A Direção Acadêmica de Graduação da FAESA torna pública a abertura de inscrição para seleção de professores de educação

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE FILOSOFIA DA USJT CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece as normas para o cumprimento da carga horária mínima em Estágio

Leia mais

Minuta de Normas de Estágio DCOS

Minuta de Normas de Estágio DCOS Minuta de Normas de Estágio DCOS O Colegiado do Curso de Comunicação Social, no uso de suas atribuições, Considerando a vigência da Lei11.788, de 25/09/2008, que dispõe sobre o estágio de estudantes; Considerando

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E EMPREGO FUNDAÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO DE MINAS GERAIS UTRAMIG EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA O ATENDIMENTO NO LABORATÓRIO DO CURSOS TÉCNICO DE MEIO AMBIENTE UTRAMIG/DEP Nº 1/2016 1- A, inscrita sob o CNPJ 17.319.831/0001-23, com sede e foro nesta Capital,

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

CONSELHO DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA COMISSÃO DE ESTÁGIO REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA REGULAMENTO PARA O ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES ARTIGO 1º - Considera-se Estágio Curricular, o conjunto de atividades de aprendizagem social, profissional

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

RESOLUÇÃO SME Nº 11/2014. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

RESOLUÇÃO SME Nº 11/2014. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SME Nº 11/2014 A Secretária Municipal de Educação, no uso de suas atribuições legais, Regulamenta os artigos 23 e 24 da Lei Complementar nº. 138/01 que tratam das substituições nos impedimentos

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Manual de Estágio - Vivência Profissional Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini 2 Manual de Estágio - Vivência

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I Edital nº 01/2015 Salvador, 12 de janeiro de 2015 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO DO CAMPUS I UNEB, no uso de suas atribuições,

Leia mais

EDITAL N. 002/2016/DIREX PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS E BOLSISTAS DE EXTENSÃO VINCULADO AO PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PBEXT

EDITAL N. 002/2016/DIREX PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS E BOLSISTAS DE EXTENSÃO VINCULADO AO PROGRAMA DE BOLSAS DE EXTENSÃO PBEXT MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA EDITAL N. 002/2016/DIREX PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS E BOLSISTAS DE EXTENSÃO VINCULADO AO PROGRAMA DE BOLSAS

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE ESTUDANTIL DO SISTEMA ACAFE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE ESTUDANTIL DO SISTEMA ACAFE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE ESTUDANTIL DO SISTEMA ACAFE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Programa de Mobilidade Estudantil têm o objetivo de regular a relação de reciprocidade

Leia mais

ANEXO III - Estágio Obrigatório

ANEXO III - Estágio Obrigatório ANEXO III - Estágio Obrigatório O Estágio Supervisionado inicia- se, de acordo com a legislação vigente, na segunda metade do curso e tem como objetivo possibilitar ao acadêmico de Engenharia de Energias

Leia mais

APÊNDICE C Normas para Estágio Obrigatório

APÊNDICE C Normas para Estágio Obrigatório 159 APÊNDICE C Normas para Estágio Obrigatório Capítulo I - Requisitos de acesso Art. 1 - Será permitida a realização de Estágio Obrigatório em Engenharia de Software ao aluno que já tenha concluído, no

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO DO ESTÁGIO Artigo 01 - O Estágio Supervisionado constitui disciplina obrigatória do Currículo dos Cursos de Licenciatura.

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2017

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2017 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 1º SEMESTRE/2017 ABERTURA A IBE-FGV, em parceria com o programa de Pós Graduação GVlaw pós graduação lato sensu FGV DIREITO SP (GVlaw) torna

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Programa de Estágio Supervisionado Obrigatório

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Programa de Estágio Supervisionado Obrigatório UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Programa de Estágio Supervisionado Obrigatório Curso de Licenciatura em Educação Física Ingressantes

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Curriculum 2003/2008 e Curriculum 2010

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Curriculum 2003/2008 e Curriculum 2010 REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO Curriculum 2003/2008 e Curriculum 2010 Estágio Obrigatório o Para validação apresentar: Relatório de Estágio Documentos comprobatórios: Declaração de

Leia mais

Art. 5º- Para uma instituição ser conveniada como local de estágio é indispensável :

Art. 5º- Para uma instituição ser conveniada como local de estágio é indispensável : REGULAMENTO DE ESTÁGIOS ESPECÍFICOS Fixa normas para o funcionamento dos Estágios Supervisionados Específicos em Psicologia. (Aprovado pelo CONSEPE) I - DOS OBJETIVOS Art. 1º- O Estágio Curricular Específico

Leia mais

Regulamento de estágio supervisionado. Curso de Vivência Profissional

Regulamento de estágio supervisionado. Curso de Vivência Profissional Escola SENAI Santos Dumont Regulamento de estágio supervisionado Curso de Vivência Profissional Rev. nº 00-07 / 2015 ELABORAÇÃO DATA APROVAÇÃO DATA Coordenação de Estágio Direção Trabalho elaborado para

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PARANÁ UNESPAR PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID À DOCÊNCIA - PIBID EDITAL 007/2016 PIBID/UNESPAR - Campus Apucarana ABERTURA DE SELEÇÃO (E LISTA DE ESPERA) DE ESTUDANTES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CAMPUS DE APUCARANA NAS ÁREAS DE LETRAS INGLÊS, LETRAS

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O presente regulamento interno disciplina a organização, regulamentação e critérios para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS RESOLUÇÃO CCEAL Nº 01/2010 Regulamenta o Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia

Leia mais

SELEÇÃO. Edital DG nº ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO

SELEÇÃO. Edital DG nº ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO SELEÇÃO Edital DG nº001-2013 ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO FACULDADE INTERNACIONAL SIGNORELLI SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO 1 Do objeto 1.1 O presente Edital tem por objetivo a seleção

Leia mais