MEDIDA DA POROSIDADE DE MATERIAIS AMORFOS POR TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA. Walmir Eno Pottker * e Carlos Roberto Appoloni **

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MEDIDA DA POROSIDADE DE MATERIAIS AMORFOS POR TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA. Walmir Eno Pottker * e Carlos Roberto Appoloni **"

Transcrição

1 MEDIDA DA POROSIDADE DE MATERIAIS AMORFOS POR TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA Walmir Eno Pottker * e Carlos Roberto Appoloni ** * Faculdades de Palmas - FACEPAL Caixa Postal , Palmas, PR, Brasil **Universidade Estadual de Londrina, UEL / Depto. Física Caixa Postal , Londrina, PR, Brasil ABSTRACT Neste trabalho apresenta-se a medida da porosidade total de amostras de solo TRe, rochas Arenito Berea e cerâmicas porosas do tipo Al 2 O -SiC. Para a determinação da porosidade total utilizou-se o método de Arquimedes (convencional) e o método da transmissão de raios gama. A medida da porosidade por metodologia gama tem uma significativa vantagem sobre a metodologia convencional, por ser de determinação rápida, não destrutiva e fornecer resultados com maior caracterização em pequenas escalas em relação à heterogeneidade na porosidade. O método convencional apresenta bons resultados somente em amostras homogêneas. Para a técnica da transmissão de raios gama usou-se uma fonte de 241 Am ( 59,5keV ), um detetor de cintilação NaI(Tl), colimadores, mesa micrométrica XYZ e eletrônica padrão de espectrometria gama conectada a um multicanal. I. INTRODUÇÃO Um dos parâmetros mais utilizados para descrever o comportamento de um material poroso é a sua porosidade, que é de grande interesse em várias áreas da engenharia tais como: rocha reservatório - potencial de extração de água e petróleo, cerâmicas porosas - filtros de metais líquidos, física do solo - condutividade da água através dos poros, concreto - infiltração da água. A medida da porosidade de materiais é normalmente dominada por metodologias convencionais. No entanto, a metodologia da transmissão de raios gama é mais precisa, rápida, e permite mostrar resultados da porosidade ponto a ponto em escala milimétrica (ou menor), sem interferir na integridade física da amostra. O método da transmissão de raios gama é uma ferramenta útil, que permite caracterizar vários aspectos, tais como: analisar a densidade, perfil espacial e temporal da umidade e porosidade de materiais amorfos e a distribuição espacial de poros da amostra em análise. O estudo da aplicação da metodologia de raios gama para o estudo da porosidade total em amostras de solo no laboratório foi introduzido por Phogat e Aylmore (1), aplicando a tomografia computadorizada. Mais recentemente a metodologia foi simplificada para o uso da transmissão de um feixe único de raios gama na medida da porosidade total, macroporosidade e microporosidade de solos (2). Esta técnica também foi aplicada e avaliada na medida da porosidade em rochas de reservatório por Bodwadkar e Reis (). Neste trabalho, o objetivo foi a medir da porosidade total de amostras de solo TRe (Terra Rocha eutrófica) extraído de uma área de preservação florestal do Campus da UEL, Londrina, PR, rocha Arenito Berea, fornecida pelo CENPES/PETROBRAS e três cerâmicas porosas do tipo Al 2 O -SiC, aplicadas na indústria siderúrgica como filtros para metais líquidos, confeccionados pelo Departamento de Engenharia de Materiais da USP, SP, através da metodologia convencional (Arquimedes) e pela Transmissão de Raios Gama. Arranjo Experimental II. MATERIAIS E MÉTODOS

2 Para a técnica da transmissão de raios gama, utilizouse uma fonte radioativa de 241 Am (, Bq; 0,0596MeV), com um detector de cintilação NaI(Tl) de 2x2", colimadores cilíndricos com orifícios de 0,002m de diâmetro, eletrônica padrão de espectrometria gama conectada a um multicanal e uma mesa micrométrica com movimentação XYZ. A figura 1 mostra esquematicamente o arranjo experimental do sistema de transmissão de raios gama. O trabalho foi realizado no Laboratório de Física Nuclear Aplicada do Depto. de Física da UEL. partícula; e µ a (m -1 ) é o coeficiente de atenuação linear médio sobre toda a secção da amostra Para determinação da porosidade total pelo método convencional (Arquimedes), aplicamos a equação () (Bodwadkar et al.,199) a seguir : Φ W s W d W s W ss () Fonte Pb Detetor Fotomultiplicadora Pré-amplificador Amplificador Multicanal Amostra Fonte de Alta Tensão Osciloscópio Figura 1: Arranjo Experimental aplicado. Determinação da Porosidade Para a determinação da porosidade total pela metodologia da transmissão de raios gama, é necessário determinar o coeficiente de atenuação linear dos materiais amorfos em estudo, como descrito na equação(1): 1 I µ o onde, µ (m -1 ) é o coeficiente de atenuação linear; I o e I são as intensidades líquidas dos feixes de raios gama incidente e emergente, respectivamente; (µ) V H2O (m -1 ) é o coeficiente de atenuação linear médio da água medido com V nosso arranjo experimental; θ (m /m ) é a umidade volumétrica determinada nos materiais amorfos e x (m) é a espessura da amostra atravessada pelo feixe de raios gama. Assim, a porosidade total é descrita pela equação (2) (Phogat, et al., 1989): V. ln - ( µ ) θ H 2O H 2 x I Pt µ p a µ p H 2 O µ / (2) onde, Pt é a porosidade total em percentual, µ (m - 1 ) é o coeficiente de atenuação linear na densidade de O p (1) onde, Φ é a porosidade total em percentual; W s a massa do solo saturado de água no ar; W d a massa do solo seca no ar e W ss a massa do solo saturada de água suspensa na água. Amostras de Solo O solo escolhido para o presente estudo foi a Terra Roxa Estruturada Eutrófica (TRe), coletado no município de Londrina - PR, BR, mais especificamente dentro de uma área de preservação florestal no Campus da UEL. No local escolhido foi aberta uma trincheira e as amostragens foram efetuadas de 0,10 em 0,10m até 0,50m de profundidade. Foram coletadas amostras: com estrutura deformada, para a determinação da densidade de partículas e porosidade pelo método convencional, amostras com estrutura indeformada, que foram coletadas em cilindros de aço para a determinação da porosidade pelo método de transmissão de raios gama, densidade do solo pelo método convencional e para a determinação da umidade nas amostras. Amostras de Rocha de Reservatório A amostra analisada foi de Arenito Berea, cortada de um cilindro de amostragem fornecido pelo CENPES/PETROBRAS. As medidas do coeficiente de atenuação linear da amostra ( µ ) foram realizadas utilizando a amostra em a forma de paralelepípedo, confeccionada com uma serra de diamante.

3 Para obtermos a porosidade total ponto a ponto através das faces analisadas, a amostra foi varrida por níveis. O deslocamento horizontal entre uma medida e outra no mesmo nível foi de x 1.10 m. O deslocamento vertical entre um nível e outro foi de z 2.10 m. Amostras de Cerâmica Porosa As amostras de cerâmicas porosas analisadas foram fabricadas pelo Departamento de Engenharia e Microestrutura de Materiais da Universidade Federal de São Carlos em São Carlos, SP, BR. A técnica de fabricação aplicada para as cerâmicas porosas foi o embevecimento de espumas de poliuretano de células abertas, com uma solução de SiC-Al 2 O, e a seguir tratada termicamente a uma temperatura de 1700ºC. Para a determinação da porosidade total, foram analisadas três amostras de cerâmica porosa, que foram denominadas conforme o número de poros por polegadas lineares (ppi), fornecido pelo fabricante (amostras C-60 com 60ppi, C-75 com 75ppi e C-90 com 90ppi). As três amostras ( cerâmicas C-60, C-75, C-90) foram varridas em dois níveis, com objetivo de determinar sua porosidade ponto a ponto. O espaçamento entre duas medidas sucessivas para o mesmo nível foi x 1.10 m, e entre dois níveis foi de z 2.10 m. III. RESULTADOS E DISCUSSÃO Resultados com Amostras de Solo TRe A tabela 1, mostra os valores dos coeficientes de atenuação linear das amostras de solo (µ a ) e de solo na densidade de partículas (µ p ), em todas as profundidades. TABELA 1: Coeficientes de atenuação linear das amostras de solo TRe e na densidade de partículas, em todas as profundidades Porosidade ( % ) Porosidade - Solo TRe Nível ( m ) Gama Arquimedes Figura 2: Distribuição da porosidade total do solo em função da profundidade metodologias de transmissão de raios gama e de Arquimedes Resultados com Amostras de Rocha de Reservatório As figuras e 4, apresentam a porosidade total em função da posição varrida pelo feixe de raios gama na amostra. ( % ) Medida Figura : - Rocha Reservatório - Medida 1 - metodologia gama. Nível ( m ) µ a (m -1 ) µ p (m -1 ) [ 0,0-0,10 ] 47,58 106,4 [ 0,10-0,20 ] 45,27 85,52 [ 0,20-0, ] 47,46 100,01 [ 0, - 0,40 ] 51,50 98,94 [ 0,40-0,50 ] 46,70 8,89 A figura 2 mostra a distribuição da porosidade do solo em função da profundidade, usando as metodologias de transmissão de raios gama e de Arquimedes. Analisando esta figura, percebe-se que no global a correlação entre as duas metodologias foi razoável. (% ) Medida Figura 4: - Rocha Reservatório- Medida 2 - metodologia gama. A porosidade total média do conjunto de pontos medidos conforme figuras e 4, com a metodologia de transmissão de raios gama foi de (29,68 ± 0,18)%. Para a

4 metodologia convencional obteve-se um valor médio para a porosidade total de (2,4 ± 0,2)%. A diferença do valor obtido pelo método gama em relação ao convencional, demostra que o método gama caracteriza a Porosidade Total e o método convencional caracteriza somente a Porosidade Efetiva (que representa uma parcela da porosidade total). Uma outra maneira de se avaliar esta diferença, é através das dificuldades de medir os microporos existentes na rocha através dos métodos convencionais (porosimetria de Hg, Arquimedes, etc), como descrito no artigo por Yuan et al., (4). Outro fator que pode interferir na medida da porosidade total, por métodos convencionais, está relacionado com a conectividade dos poros que pode ser mais escassa em rochas reservatório, que pode ser justificada através da cimentação dos grãos de areia que compõem a rocha. Resultados com Amostras de Cerâmicas Porosas A tabela 2, apresenta os valores da porosidade total média, pelos métodos gama e convencional. TABELA 2: média para cerâmicas analisadas- métodos gama e convencional. Amostras Transm. Raios-γ Convencional C ± 0,22 88,95 ± 1,16 C ,68 ± 0,19 87,6 ± 1,16 C ,14 ± 0,45 7,79 ± 2,59 A concordância entre os resultados dos dois métodos é boa, pois para este tipo de amostra não se aplicam os problemas com os métodos convencionais elencados no item anterior (4). As figuras 5 a 7, apresentam os resultados da ponto a ponto, para as cerâmicas porosas C-60, C-75 e C-90, varridos pelo feixe de raios gama. - Cerâmica C Posição ( m) - Cerâmica C Figura 6: Porosidade total - Cerâmica C Cerâmica C posição ( m ) Figura 7: Porosidade total - Cerâmica C-90 - IV. CONCLUSÃO A medida da porosidade, usando a metodologia da transmissão de raios gama tem uma significativa vantagem em relação à metodologia convencional, devido sua determinação ser rápida e não - destrutiva, e também por prover resultados com uma maior caracterização em pequenas escalas, com relação a heterogeneidade da porosidade. De um modo geral, foi verificado que com a metodologia de transmissão de raios gama é possível obter um descrição detalhada da porosidade total, de forma não destrutiva e com pequenos desvios experimentais, que oferece grande vantagem quando comparada com metodologias convencionais, que normalmente são destrutivas e determinam valores globais da porosidade. Figura 5: Porosidade total - Cerâmica C-60 -

5 REFERÊNCIAS (1) PHOGAT, V.K. and AYLMORE, L.A.G., Evaluation of Soil Structure by Using Computer Assisted Tomography, Soil Physics and Hydrology, vol. 27, p.1-2, (2) OLIVEIRA, J.C.M., APPOLONI, C.R., COIMBRA, M.M., REICHARDT,K., BACCHI, O. O. S., FERRAZ, E., SILVA, S.C., FILHO GALVÃO,W. - Soil Structure Evaluated by Gamma-Ray Attenuation - Soil & Tillage Research 48, P (1998). () BODWADKAR, S.V. and REIS, J.C., Porosity Measurements of Core Samples Using Gamma-Ray Attenuation, Nucl. Geophys., vol. 8, nº1, p 61-78, (4) YUAN, H.H. and SWANSON, B.F., Resolving Pore Space Characteristics by Rate-Controlled Porosimetry, SPE/DOE, p , ABSTRACT In this work it is presented the measurement of the total porosity of TRe soil, Sandstone Berea rocks and porous ceramics samples. For the determination of the total porosity, the Arquimedes method ( conventional ) and the gamma ray transmission methodology were employed. The porosity measurement using the gamma methodology has a significant advantage respect to the conventional method due to the fast and non-destructive determination, and also for supplying results with a greater characterization in small scales, in relation to the heterogeneity of the porosity. The conventional methodology presents good results only for homogeneous samples. The experimental set up for the gamma ray transmission technique consisted of a 241 Am source ( 59,5keV ), a NaI(Tl) scintillation detector, collimators, a XYZ micrometric table and standard gamma spectrometry electronics connected to a multichannel analyser.

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE E DIFUSIVIDADE HIDRÁULICA DOS SOLOS TERRA ROXA ESTRUTURADA E LATOSSOLO ROXO ATRAVÉS DA INFILTRAÇÃO VERTICAL a

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE E DIFUSIVIDADE HIDRÁULICA DOS SOLOS TERRA ROXA ESTRUTURADA E LATOSSOLO ROXO ATRAVÉS DA INFILTRAÇÃO VERTICAL a DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE E DIFUSIVIDADE HIDRÁULICA DOS SOLOS TERRA ROXA ESTRUTURADA E LATOSSOLO ROXO ATRAVÉS DA INFILTRAÇÃO VERTICAL a CR. APPOLONI b J.C.M. DE OLIVEIRA c L. FANTE JR. d A.D.B. DESOUZA

Leia mais

Análise Microestrutural de Cerâmicas Porosas de SiC por Transmissão de Raios Gama e Microtomografia de Raios X

Análise Microestrutural de Cerâmicas Porosas de SiC por Transmissão de Raios Gama e Microtomografia de Raios X 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 Análise Microestrutural

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE DA CORTIÇA ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA E ANÁLISE DE IMAGENS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA

DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE DA CORTIÇA ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA E ANÁLISE DE IMAGENS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA 2007 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2007 Santos, SP, Brazil, September 30 to October 5, 2007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-02-1 DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE

Leia mais

APLICAÇÃO DA TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA NO ESTUDO DE TELHAS ONDULADAS DE DIFERENTES IDADES

APLICAÇÃO DA TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA NO ESTUDO DE TELHAS ONDULADAS DE DIFERENTES IDADES 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 APLICAÇÃO DA TRANSMISSÃO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CURVA DE RETENÇÃO DA ÁGUA NO SOLO COM AUXILIO DA TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA. Luiz F. Pires e Osny O.S. Bacchi

DETERMINAÇÃO DA CURVA DE RETENÇÃO DA ÁGUA NO SOLO COM AUXILIO DA TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA. Luiz F. Pires e Osny O.S. Bacchi DETERMNAÇÃO DA CURVA DE RETENÇÃO DA ÁGUA NO SOLO COM AUXLO DA TRANSMSSÃO DE RAOS GAMA Luiz F. Pires e Osny O.S. Bacchi Centro de Energia Nuclear na Agricultura - CENA-USP Av. Centenário, 303 13.400-970

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS MICROESTRUTURAIS DE ROCHAS RESERVATÓRIO DO AQUÍFERO GUARANI POR MICROTOMOGRAFIA

DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS MICROESTRUTURAIS DE ROCHAS RESERVATÓRIO DO AQUÍFERO GUARANI POR MICROTOMOGRAFIA DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS MICROESTRUTURAIS DE ROCHAS RESERVATÓRIO DO AQUÍFERO GUARANI POR MICROTOMOGRAFIA Fernandes, Jaquiel Salvi 1 ; Balestieri, Paola dos Santos 2 ; Lima, Francieli Antunes 3 ; Vieira,

Leia mais

TOMÓGRAFO DE RESOLUÇÃO MICROMÉTRICA PARA ESTUDOS DO SISTEMA ÁGUA-SOLO-PLANTA 1 Álvaro Macedo 2

TOMÓGRAFO DE RESOLUÇÃO MICROMÉTRICA PARA ESTUDOS DO SISTEMA ÁGUA-SOLO-PLANTA 1 Álvaro Macedo 2 Nº 1, set/96, p.1-5 TOMÓGRAFO DE RESOLUÇÃO MICROMÉTRICA PARA ESTUDOS DO SISTEMA ÁGUA-SOLO-PLANTA 1 Álvaro Macedo 2 Carlos Manoel Pedro Vaz 3 Paulo Estevão Cruvinel 4 Sílvio Crestana 3 A investigação das

Leia mais

AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1

AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1 AGG 209 INTRODUÇÃO À PETROFÍSICA AULA 1 O QUE É PETROFÍSICA? O termo petrofísica foi introduzido por Archie (1950) para descrever o estudo das propriedades físicas das rochas que dizem respeito à distribuição

Leia mais

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA

MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA MEDIDAS DO PERFIL DE UMIDADE EM AMOSTRAS DE CONCRETO, COM FLUXO DE ÁGUA VERTICAL, ATRAVÉS DO MÉTODO DE TRANSMISSÃO DE RAIOS GAMA L. M. da Silva *, M. C. da Rocha *, C. R. Appoloni *, O. Portezan Filho

Leia mais

APLICABILIDADE DE UM SISTEMA PORTÁTIL DE ESPECTROMETRIA DE RAIOS-X E RAIOS GAMA IN SITU

APLICABILIDADE DE UM SISTEMA PORTÁTIL DE ESPECTROMETRIA DE RAIOS-X E RAIOS GAMA IN SITU 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 APLICABILIDADE DE UM SISTEMA

Leia mais

2 Tomografia Computadorizada de Raios X

2 Tomografia Computadorizada de Raios X 2 Tomografia Computadorizada de Raios X 2.1 Fundamentos Teóricos de Tomografia Computadorizada de Raios X A Tomografia Computadorizada de Raios X é uma técnica que permite a avaliação de modo não destrutivo

Leia mais

PERMEABILIDADE DAS ROCHAS

PERMEABILIDADE DAS ROCHAS Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo PERMEABILIDADE DAS ROCHAS PMI 1673 - Mecânica de Fluidos Aplicada a Reservatórios Prof. Eduardo César Sansone

Leia mais

CORREÇÃO DE AUTO-ABSORÇÃO NA ESPECTROMETRIA GAMA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS. Luzia Venturini e Marcelo B. Nisti

CORREÇÃO DE AUTO-ABSORÇÃO NA ESPECTROMETRIA GAMA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS. Luzia Venturini e Marcelo B. Nisti CORREÇÃO DE AUTO-ABSORÇÃO NA ESPECTROMETRIA GAMA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS. Luzia Venturini e Marcelo B. Nisti Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares - IPEN-CNEN/SP Caixa Postal 11049 054-970 São

Leia mais

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME

RELAÇÕES MASSA/ VOLUME RELAÇÕES MASSA/ VOLUME Atributos físicos e químicos do solo -Aula 7- Prof. Alexandre Paiva da Silva DENSIDADE DO SOLO 1 Introdução Porque uma amostra de solo de mata ou de um horizonte superior é mais

Leia mais

ANALISADOR GRANULOMÉTRICO AUTOMATIZADO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO DE PÓS DE VIDRO PROCESSADOS POR MOAGEM

ANALISADOR GRANULOMÉTRICO AUTOMATIZADO APLICADO NA CARACTERIZAÇÃO DE PÓS DE VIDRO PROCESSADOS POR MOAGEM ISSN 43-644 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rua XV de Novembro, 45

Leia mais

MICROTOMÓGRAFO - METODOLOGIA PARA AJUSTES E CALIBRAÇÃO

MICROTOMÓGRAFO - METODOLOGIA PARA AJUSTES E CALIBRAÇÃO CIRCULAR TÉCNICA ISSN 1413-9545 julho, 1997 Número 7/97 MICROTOMÓGRAFO - METODOLOGIA PARA AJUSTES E CALIBRAÇÃO Álvaro Macedo da Silva Carlos Monoel Pedro Vaz Silvio Crestana Empresa Brasileira de Pesquisa

Leia mais

Prof. Dr. Avacir Casanova Andrello

Prof. Dr. Avacir Casanova Andrello Prof. Dr. Avacir Casanova Andrello LABORATÓRIO DE FÍSICA NUCLEAR PLICADA (LFNA) criado em 1977 web page : http://www.fisica.uel.br/gfna METODOLOGIAS ANALÍTICAS MOLECULAR-ATÔMICO-NUCLEARES NÃO-DESTRUCTIVAS

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1

CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 31(2): 127-131, 2001 127 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-HÍDRICA DE UM LATOSSOLO VERMELHO PERFÉRRICO SUBMETIDO A DOIS SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO 1 Gisele de Macedo e Silva 2,Wilian

Leia mais

INFLUÊNCIA DA ESPESSURA E TAMANHO DO COLIMADOR EM MEDIDAS DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DO SOLO

INFLUÊNCIA DA ESPESSURA E TAMANHO DO COLIMADOR EM MEDIDAS DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DO SOLO INFLUÊNCIA DA ESPESSURA E TAMANHO DO COLIMADOR EM MEDIDAS DO COEFICIENTE DE ATENUAÇÃO DO SOLO Luiz Fernando Pires e Jonathan Cristiano da Costa Laboratório de Física Aplicada a Solos e Ciências Ambientais,

Leia mais

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA 1 ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS PLANTAS MOVIMENTO DA ÁGUA DO SOLO PARA A ATMOSFERA ATRAVÉS DA PLANTA COMPOSIÇÃO DO SOLO SOLO material poroso, constituído de três fases: Sólida

Leia mais

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I

APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I APOSTILA DE EXERCÍCIOS PARTE I CCA 039 - IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Centro/Setor: Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas Núcleo de Engenharia de Água e Solo NEAS Professores: Prof. Dr. Vital Pedro

Leia mais

VIII. FÍSICA DO SOLO NOTA

VIII. FÍSICA DO SOLO NOTA VIII. FÍSICA DO SOLO NOTA ESTIMATIVA DE FLUXOS DE ÁGUA EM SOLOS NÃO SATURADOS ( 1 ) KLAUS REICHARDT ( 2 ' 3 ' 5 ), OSNY OLIVEIRA SANTOS BACCHI ( 2>5 ) e MARIA MERCEDES VILLAGRA ( 4 ' 5 ) RESUMO Com dados

Leia mais

TÍTULO TIPO BOLSA ORIENTADOR. Prof. Dr. Carlos R. Appoloni. Prof. Dr. Carlos R. Appoloni Prof. Dr. Carlos R. Appoloni. Prof. Dr. Carlos R.

TÍTULO TIPO BOLSA ORIENTADOR. Prof. Dr. Carlos R. Appoloni. Prof. Dr. Carlos R. Appoloni Prof. Dr. Carlos R. Appoloni. Prof. Dr. Carlos R. TESES E DISSERTAÇÕES Concluídas: NOME DO ALUNO Richard M. da Cunha e Silva TÍTULO TIPO BOLSA ORIENTADOR 1 Mestrado CAPES ANO DA DEFESA 1997 C. 2 Mestrado 1997 CAPES 2 Doutorado 2004 Fabio L. Melquiades

Leia mais

Condições de radiação em tomografia computadorizada para laboratórios sem o feixe padrão em radiologia diagnóstica convencional

Condições de radiação em tomografia computadorizada para laboratórios sem o feixe padrão em radiologia diagnóstica convencional Condições de radiação em tomografia computadorizada para laboratórios sem o feixe padrão em radiologia diagnóstica convencional ANDRADE LC 1, PEIXOTO JGP 1,2 1 Instituto de Radioproteção e Dosimetria -

Leia mais

ANÁLISE DE PARAMÊTROS PARA DETERMINAÇÃO DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTORES TÉRMICOS PARA MEDIDA DO TEOR DE ÁGUA DE SOLOS 1

ANÁLISE DE PARAMÊTROS PARA DETERMINAÇÃO DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTORES TÉRMICOS PARA MEDIDA DO TEOR DE ÁGUA DE SOLOS 1 ANÁLISE DE PARAMÊTROS PARA DETERMINAÇÃO DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO DE TRANSDUTORES TÉRMICOS PARA MEDIDA DO TEOR DE ÁGUA DE SOLOS 1 GT 04 Modelagem Matemática Jonas Cegelka da Silva jonas.silva@unijui.edu.br

Leia mais

CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO. N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3. Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, Brasil

CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO. N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3. Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, Brasil CINÉTICA DE EVAPORAÇÃO DO ÓXIDO DE ZINCO N. Duarte 1, W.B. Ferraz 2, A.C.S.Sabioni 3 1 Departamento de Metalurgia / EM / UFOP Universidade Federal de Ouro Preto 35400-000 Ouro Preto, Brasil 2 Centro de

Leia mais

INFILTRÔMETRO DE CARGA CONSTANTE NA DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES HIDROLÓGICAS DO SOLO

INFILTRÔMETRO DE CARGA CONSTANTE NA DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES HIDROLÓGICAS DO SOLO INFILTRÔMETRO DE CARGA CONSTANTE NA DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES HIDROLÓGICAS DO SOLO Lúcio Flávio Ferreira Moreira; Antonio Marozzi Righetto; Victor Moisés de Araújo Medeiros Universidade Federal do

Leia mais

SONDA DE NÊUTRONS Finalidade de Uso e Aspectos Operacionais

SONDA DE NÊUTRONS Finalidade de Uso e Aspectos Operacionais SONDA DE NÊUTRONS Finalidade de Uso e Aspectos Operacionais Disciplina Métodos Instrumentais de Análise Física F do Ambiente Professor Dr. Sérgio S Oliveira Moraes Aluno Jaedson Cláudio Anunciato Mota

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE DAS ROCHAS

DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE DAS ROCHAS Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo DETERMINAÇÃO DA POROSIDADE DAS ROCHAS PMI 1673 - Mecânica de Fluidos Aplicada a Reservatórios Prof. Eduardo

Leia mais

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO GAMA DO 241 AM EM SUBSTRATOS VEGETAIS

APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ATENUAÇÃO DA RADIAÇÃO GAMA DO 241 AM EM SUBSTRATOS VEGETAIS 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE

Leia mais

Tomografia computadorizada aplicada a estudos de um Planossolo (1)

Tomografia computadorizada aplicada a estudos de um Planossolo (1) Tomografia computadorizada aplicada a estudos 819 Tomografia computadorizada aplicada a estudos de um Planossolo (1) Alceu Pedrotti (2), Eloy Antonio Pauletto (3), Silvio Crestana (4), Paulo Estevão Cruvinel

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO 1. Para determinar a porosidade aberta de uma pedra calcária, utilizou-se um provete com as dimensões de 7.1 7.1 7.1 cm 3. Determinou-se a massa no estado

Leia mais

IMAGENS DE DISTRIBUIÇÃO ELEMENTAR POR MICROTOMOGRAFIA POR FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X

IMAGENS DE DISTRIBUIÇÃO ELEMENTAR POR MICROTOMOGRAFIA POR FLUORESCÊNCIA DE RAIOS X 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 IMAGENS DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Engenharia Química 2

Universidade Federal de Sergipe, Departamento de Engenharia Química 2 ELABORAÇÃO DE FERRAMENTA DE CÁLCULO PARA A DETERMINAÇÃO DO COEFICIENTE CONVECTIVO EM EXPERIMENTOS DE CONVECÇÃO FORÇADA AO REDOR DE UM CORPO SUBMERSO E ALETAS TORRES, F. C. O. 1, BARBOSA NETO, A. M. 2 1

Leia mais

ESTRUTURA DO SOLO. Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados Solos bem agregados

ESTRUTURA DO SOLO. Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados Solos bem agregados 1 ESTRUTURA DO SOLO PROF. GILSON MOURA FILHO/SER/UFAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DISCIPLINA: FÍSICA DE SOLOS 1. INTRODUÇÃO Uma das propriedades mais importantes do solo Solos bem estruturados

Leia mais

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 07 - Vol. 2

Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 07 - Vol. 2 HTTP://WWW.COMSIZO.COM.BR/ Resolução de Curso Básico de Física de H. Moysés Nussenzveig Capítulo 7 - Vol. Engenharia Física 9 Universidade Federal de São Carlos /1/9 1 Uma esfera oca de alumínio tem um

Leia mais

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A.

PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO. José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. PERFILAGEM DE POÇOS DE PETRÓLEO José Eduardo Ferreira Jesus Eng. de Petróleo Petrobras S.A. 1 Conceito É uma operação realizada após a perfuração, a cabo ou com coluna (toolpusher), ou durante a perfuração

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MECÂNICA DOS SÓLIDOS II

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MECÂNICA DOS SÓLIDOS II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MECÂNICA DOS SÓLIDOS II Aula 04 Teoria das deformações Eng. Civil Augusto Romanini

Leia mais

Influência da composição química na permeabilidade em massas de porcelanato esmaltado

Influência da composição química na permeabilidade em massas de porcelanato esmaltado Influência da composição química na permeabilidade em massas de porcelanato esmaltado Ana Virgínia Lot*, Vanessa L. Gallo*, Leidy J. J. Nieves*, Suelen Nastri*, Murilo Inocentinni***, Vitor Malaguti***,

Leia mais

Uso da tomografia computadorizada de raios gama na avaliação de mudanças na estrutura do solo

Uso da tomografia computadorizada de raios gama na avaliação de mudanças na estrutura do solo 714-719 Uso da tomografia computadorizada de raios gama na avaliação de mudanças na estrutura do solo Luiz Fernando Pires 1,2 ; João Eduardo Pilotto 2 ; Robson Clayton Jacques Arthur 2 ; Osny Oliveira

Leia mais

Capítulo 2 Métodos diretos. Capítulo 2

Capítulo 2 Métodos diretos. Capítulo 2 Capítulo 2 2.1 Medida direta do teor de umidade Os solos/sedimentos inconsolidados possuem poros de variadas formas e dimensões que lhes condicionam um comportamento peculiar. A fração que mais decisivamente

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267

DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267 Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Artigo Original DETERMINAÇÃO DE CAMADAS SEMI-REDUTORAS EM FEIXES DE RADIAÇÃO X BASEADOS NA NORMA IEC 61267 A. F. Maia e L. V. E. Caldas Instituto

Leia mais

Conceitos de Engenharia de Reservatório

Conceitos de Engenharia de Reservatório Conceitos de Engenharia de Reservatório Rodrigo Iglesias Café com Ciência e Sapiência CEPAC - 04/09/2009 22/9/2009 Rodrigo Iglesias 1 Engenharia de reservatório: ramificação da engenharia de petróleo aplicada

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista

ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO. Não estudar apenas por esta lista ESTUDO DIRIGIDO EM FÍSICA DO SOLO QUESTÕES: Não estudar apenas por esta lista 1) Cite três importantes aplicações da moderna física do solo. 2) Cite as principais causas de compactação do solo. 3) Descreva

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y

CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y CALIBRAÇÃO DE UMA CÂMARA DE EXTRAPOLAÇÃO PTW EM DOIS SISTEMAS PADRÕES SECUNDÁRIOS, COM FONTES DE 90 Sr+ 90 Y Patrícia L. Antonio, Valdir S. Carvalho e Linda V. E. Caldas Instituto de Pesquisas Energéticas

Leia mais

3 Influência da Distribuição do Fluido na Variação da Velocidade Compressional (Vp)

3 Influência da Distribuição do Fluido na Variação da Velocidade Compressional (Vp) 3 Influência da Distribuição do Fluido na Variação da Velocidade Compressional (Vp) 3.1. Introdução Com base nos modelos de saturação homogêneo e heterogêneo (patchy), é realizada uma análise do efeito

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E SUA VARIAÇÃO COM UMIDADE E DENSIDADE

DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E SUA VARIAÇÃO COM UMIDADE E DENSIDADE DETERMINAÇÃO DA CONDUTIVIDADE TÉRMICA DE MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E SUA VARIAÇÃO COM UMIDADE E DENSIDADE S.M. Alves; C.L.R. Pietrobon & C. E. Pietrobon Universidade Estadual de Maringá Departamento

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS

CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS CALIBRAÇÃO DE TDR PARA DOIS SOLOS DE IMPORTÂNCIA AGRÍCOLA NO RS Maurício Kunz 1, Gilberto Loguercio Collares 2 Dalvan José Reinert 3, José Miguel Reichert 3, Douglas Rodrigo iser 4 Introdução A Reflectometria

Leia mais

pesados em esgoto doméstico com uso de leito cultivado Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior

pesados em esgoto doméstico com uso de leito cultivado Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ARQUITETURA E URBANISMO Avaliação da remoção de metais pesados em esgoto doméstico com uso de leito cultivado Pesquisador: Profº Dr. Ariston da Silva Melo Júnior INTRODUÇÃO

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4

TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 TRANSFERÊNCIA DE CALOR POR CONVECÇÃO NATURAL E FORÇADA À VOLTA DE CILINDROS METÁLICOS TP4 LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA QUÍMICA I 2009/2010 1. Objectivo Determinação do coeficiente de convecção natural e

Leia mais

CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO. CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG)

CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO. CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG) CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO CIRO PETRERE Eng. Agr. (UEPG) CALAGEM NA SUPERFÍCIE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO EM CAMPO NATIVO" Autor: Ciro Petrere Orientador:

Leia mais

Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos

Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos A mudança nas dimensões dos corpos, quando sofrem variações de temperatura, é um fenômeno que pode ser facilmente observado em situações do cotidiano. Quando

Leia mais

AJUSTE DAS FUNÇÕES DA RETENÇÃO DE UMIDADE PARA O LATOSSOLO AMARELO TEXTURA ARGILOSA DA AMAZÔNIA CENTRAL

AJUSTE DAS FUNÇÕES DA RETENÇÃO DE UMIDADE PARA O LATOSSOLO AMARELO TEXTURA ARGILOSA DA AMAZÔNIA CENTRAL AJUSTE DAS FUNÇÕES DA RETENÇÃO DE UMIDADE PARA O LATOSSOLO AMARELO TEXTURA ARGILOSA DA AMAZÔNIA CENTRAL Wenceslau Geraldes Teixeira (l); Jean Dalmo Marques (2); Adônis Moreira (1); Bernd Huwe (3). (1)

Leia mais

Determinação de Parâmetros Microestruturais e Reconstrução de Imagens 3-D de Rochas Reservatório por Microtomografia de Raios X

Determinação de Parâmetros Microestruturais e Reconstrução de Imagens 3-D de Rochas Reservatório por Microtomografia de Raios X Determinação de Parâmetros Microestruturais e Reconstrução de Imagens 3-D de Rochas Reservatório por Microtomografia de Raios X Microstructure Parameters Determination and Reconstruction 3-D Images of

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE MADEIRAS POR ATENUAÇÃO DE RADIAÇÃO GAMA DE BAIXA ENERGIA

DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE MADEIRAS POR ATENUAÇÃO DE RADIAÇÃO GAMA DE BAIXA ENERGIA IPEF, n.12, p.61-68, jun.1976 DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE MADEIRAS POR ATENUAÇÃO DE RADIAÇÃO GAMA DE BAIXA ENERGIA O. D. C. 812.31:U539.16 SUMMARY Epaminondas Sansigolo de Barros Ferraz (*) The present

Leia mais

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos 8.1 RECALQUES DEVIDOS A CARREGAMENTOS NA SUPERFÍCIE As deformações ocorridas na

Leia mais

3 Equipamento de Cisalhamento Direto com Sucção Controlada da PUC-Rio

3 Equipamento de Cisalhamento Direto com Sucção Controlada da PUC-Rio 3 Equipamento de Cisalhamento Direto com Sucção Controlada da PUC-Rio 3.1. Aspectos Históricos e Generalidades O estudo das características de resistência ao cisalhamento de solos não saturados tem sido

Leia mais

IPEF, n.30, p.37-41, ago.1985 DENSIDADE ANUAL DA MADEIRA DE EUCALYPTUS GRANDIS

IPEF, n.30, p.37-41, ago.1985 DENSIDADE ANUAL DA MADEIRA DE EUCALYPTUS GRANDIS IPEF, n.30, p.37-41, ago.1985 DENSIDADE ANUAL DA MADEIRA DE EUCALYPTUS GRANDIS M. A. Rezende C.P.G. Solos e Nutrição de Plantas Caixa Postal, 9- Piracicaba -SP E. S. B. Ferraz ESALQ -USP, Depto. de Física

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

À Senhora Dª. Maria Teresa Pinto da Secção de Materiais de Construção por toda a colaboração prestada.

À Senhora Dª. Maria Teresa Pinto da Secção de Materiais de Construção por toda a colaboração prestada. AGRADECIMENTOS Desejo expressar os meus agradecimentos a todos os que contribuíram para que fossem atingidos os objectivos propostos neste trabalho. Em particular agradeço: Ao Professor Arlindo Begonha,

Leia mais

Resumo. Abstract. Mestrando Junto ao Departamento de Física, Universidade Estadual de Londrina; 2

Resumo. Abstract. Mestrando Junto ao Departamento de Física, Universidade Estadual de Londrina; 2 ARTIGO ORIGINAL DOI: 10.5433/1679-0375.2016v37n2p3 Análise Microestrutural de Arenito da Formação Rio do Rasto pela Microtomografia Computadorizada por raios X Rio do Rasto Formation Sandstone s Microstructural

Leia mais

Atécnica de absorção da radiação gama pode

Atécnica de absorção da radiação gama pode Determinação do coeficiente de atenuação-gama de um catalisador de craqueamento catalítico fluido Wagner Esustaquio de Vasconcelos (1) ; Valdemir Alexandre dos Santos () ; Carlos Costa Dantas (3) Resumo

Leia mais

Procedimento para medição do fator de anisotropia de fontes de nêutrons

Procedimento para medição do fator de anisotropia de fontes de nêutrons Procedimento para medição do fator de anisotropia de fontes de nêutrons P. G. Creazolla a ; A. Camargo; A. Astuto; F. Silva; W.W. Pereira a LNMRI/LN, Instituto de Radioproteção e Dosimetria, 22780160,

Leia mais

Transferência de Calor 1

Transferência de Calor 1 Transferência de Calor Guedes, Luiz Carlos Vieira. G94t Transferência de calor : um / Luiz Carlos Vieira Guedes. Varginha, 05. 80 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World

Leia mais

Mudanças na estrutura do solo avaliada com uso de tomografia computadorizada

Mudanças na estrutura do solo avaliada com uso de tomografia computadorizada Mudanças na estrutura do solo avaliada com uso de tomografia computadorizada Luiz Fernando Pires (1) e Osny Oliveira Santos Bacchi (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, Departamento de Física,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Índices Físico Disciplina: Geotecnia 1 Prof a. : Melina Freitas Rocha O ESTADO DO SOLOS Índices físicos entre as três fases: os solos são constituídos de três

Leia mais

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAIS SÓLIDOS ATRAVÉS DA DENSIDADE

Materiais / Materiais I. Guia para Trabalho Laboratorial IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAIS SÓLIDOS ATRAVÉS DA DENSIDADE Materiais / Materiais I Guia para Trabalho Laboratorial IDENTIFICAÇÃO DE MATERIAIS SÓLIDOS ATRAVÉS DA DENSIDADE 1. Introdução Os materiais para engenharia são convencionalmente classificados em cinco classes:

Leia mais

Var. Mar. Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de sólidos Vv = volume de poros (vazios) = Var + Va

Var. Mar. Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de sólidos Vv = volume de poros (vazios) = Var + Va RELAÇÕES ÁGUA-SOLO SOLO-PLANTA 1. Relação massa volume dos constituintes do solo. Var Mar Vv Vt Va Ma Mt Vs Ms Mar = massa de ar Var = volume de ar Ma = massa de água Va = volume de água Ms = massa de

Leia mais

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS

7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS 7. APLICAÇÃO DE MODELOS PARA PREVISAO DA FORÇA DE CONTATO PIG / TUBO E COMPARAÇÃO COM RESULTADOS EXPERIMENTAIS O objetivo principal deste trabalho era fazer uma comparação entre os valores de forças de

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA RADICULAR DO MILHO EM TERRA ROXA ESTRUTURADA LATOSSÓLICA: I. COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS 1

DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA RADICULAR DO MILHO EM TERRA ROXA ESTRUTURADA LATOSSÓLICA: I. COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS 1 DISTRIBUIÇÃO DO SISTEMA RADICULAR DO MILHO EM TERRA ROXA ESTRUTURADA LATOSSÓLICA: I. COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS 1 L. FANTE JR 2 ; K. REICHARDT 3 Centro de Energia Nuclear na Agricultra-USP, C.P. 96 - CEP:

Leia mais

AUTORA: Letícia Xavier Corbini. ORIENTADOR: Nilson Romeu Marcílio

AUTORA: Letícia Xavier Corbini. ORIENTADOR: Nilson Romeu Marcílio AUTORA: Letícia Xavier Corbini ORIENTADOR: Nilson Romeu Marcílio INTRODUÇÃO O Brasil possui reservas significativas de carvão mineral. Este combustível representa 6 % da demanda total de energia no país.

Leia mais

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico

Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Aplicação da Estatística de Weibull na Avaliação da Tensão de Ruptura a Flexão de Revestimento Cerâmico Bruno Carlos Alves Pinheiro 1, Gustavo Matias Estevão 2, Ricardo da Rocha Vitor 3 1 Introdução Devido

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO

CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO Revista Brasileira de Física Médica, Volume 1, Número 1, 2005 Comunicação Técnica CONTROLE DE QUALIDADE DE CÂMARAS DE IONIZAÇÃO PLANAS UTILIZADAS COMO CÂMARAS MONITORAS EM FEIXES DE RADIODIAGÓSTICO J.

Leia mais

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS

O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS O EFEITO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E COMPRESSÃO SIMPLES NA FUNÇÃO DE UMIDADE DE SOLOS RESIDUAIS NÃO SATURADOS Alunos: Pedro Oliveira Bogossian Roque e Douglas Souza Alves Júnior Orientador: Tácio Mauro Pereira

Leia mais

EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS

EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS EMPUXOS DE TERRA E ESTEDO DE TENCOES EM MACISSOS TERROSOS Algumas vezes, na engenharia civil, não dispomos de espaço suficiente para fazer uma transição gradual das elevações do terreno onde queremos implantar

Leia mais

Técnicas de determinação das características de infiltração

Técnicas de determinação das características de infiltração UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA CURSO DE MESTRADO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Disciplina: AD 732 - Irrigação por superfície Professor: Raimundo

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES

EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES ELÁSTICAS DE ROCHAS RESERVATÓRIO COM ESTADOS DE TENSÃO IN SITU Projecto de Engenharia de Petróleos 1º Semestre 2014 Marco Marques (Aluno n.º 74778) ÍNDICE Introdução Objectivos

Leia mais

Mecânica dos Solos TC 035

Mecânica dos Solos TC 035 Mecânica dos Solos TC 035 Curso de Engenharia Civil 6º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Setembro 2015 Tensões totais, efetivas e neutras 1 Resistência ao cisalhamento Define-se como resistência

Leia mais

As seguintes considerações devem ser feitas inicialmente ou ao longo do trabalho:

As seguintes considerações devem ser feitas inicialmente ou ao longo do trabalho: EXPERIÊNCIA 1: Pesa-espíritos EXEMPLO DE RESOLUÇÃO: Esquema da montagem: H 0 h 0 M As seguintes considerações devem ser feitas inicialmente ou ao longo do trabalho: M = massa do tubo + massa adicionada

Leia mais

Redalyc MACEDO, A.; CRESTANA, S.

Redalyc MACEDO, A.; CRESTANA, S. Redalyc Sistema de Información Científica Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal MACEDO, A.; CRESTANA, S. AVALIAÇÃO DA MACROPOROSIDADE E DA DENSIDADE DE PARTÍCULAS

Leia mais

Propriedades Físicas dos Solos. Prof. Dra. Sheila Santos

Propriedades Físicas dos Solos. Prof. Dra. Sheila Santos Propriedades Físicas dos Solos Prof. Dra. Sheila Santos 1 Modelo conceitual simplificado da composição do solo - fases Solução Sólidos Biota Ar 2 Modelo conceitual simplificado da composição do solo -

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X. por

MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X. por RBE. VOL. 7 N. 11990 MÉTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINAÇÃO DE ENERGIA EFETIVA DE FEIXES DE RADlAçÃQ-X por M.P.P. ALBUQUERQUE & L V.E. CALDAS RESUMO - Foi verificada a possibilidade de aplicação do método

Leia mais

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS

ÍNDICES FÍSICOS DOS SOLOS 2 DOS S Cap. 3 Braja (Fundamentos da Engenharia Geotécnica) Ronaldo L. S. IZZO, D.Sc. izzo@utfpr.edu.br Cap. 2 Carlos de Souza Pinto (Curso Básico de Mecânica dos Solos) http://paginapessoal.utfpr.edu.br/izzo

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO. M. Akutsu & F. Vittorino. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A.

DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO. M. Akutsu & F. Vittorino. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. DESEMPENHO TÉRMICO DE TELHAS DE ALUMÍNIO M. Akutsu & F. Vittorino Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Divisão de Engenharia Civil Laboratório de Higrotermia e Iluminação 05508-901

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS - O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS Questão 1- Uma amostra de solo foi coletada em campo. Verificou-se que a amostra, juntamente com seu recipiente, pesavam 120,45g. Após permanecer

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

APÊNDICE A. Troncos de Cone Porosos. Porosidade e Permeabilidade. Determinação

APÊNDICE A. Troncos de Cone Porosos. Porosidade e Permeabilidade. Determinação APÊNDICES 131 APÊNDICE A Troncos de Cone Porosos Porosidade e Permeabilidade Determinação 132 A 1 - Determinação da porosidade dos troncos de cone filtrantes A porosidade (Ε) é um parâmetro importante

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia. Transmissão de calor. 3º ano UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenharia Transmissão de calor 3º ano Aula 3 Equação diferencial de condução de calor Condições iniciais e condições de fronteira; Geração de Calor num Sólido;

Leia mais

Estimativa da infiltração de água no solo através de pedofunções em área de floresta plantada

Estimativa da infiltração de água no solo através de pedofunções em área de floresta plantada Estimativa da infiltração de água no solo através de pedofunções em área de floresta plantada Schreiner, D. T. 1 ; Vogelmann, E. S. 2 ; Prevedello, J. 2 ; Reichert, J. M. 2 ; Reinert, D. J. 2 ; Consensa,

Leia mais

Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos

Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos Cap 03: Dilatação térmica de sólidos e líquidos A mudança nas dimensões dos corpos, quando sofrem variações de temperatura, é um fenômeno que pode ser facilmente observado em situações do cotidiano. Quando

Leia mais

INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR E QUADRÁTICO

INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR E QUADRÁTICO ENQUALAB 8 - Congresso da Qualidade em Metrologia Rede Metrológica do Estado de São Paulo - REMESP 9 a de junho de 8, São Paulo, Brasil INCERTEZAS DE CURVAS DE CALIBRAÇÃO AJUSTADAS SEGUNDO OS MODELOS LINEAR

Leia mais

TRADO PARA AMOSTRA INDEFORMADA

TRADO PARA AMOSTRA INDEFORMADA MANUAL DE INSTRUÇÕES TRADO PARA AMOSTRA INDEFORMADA TERMOS DE GARANTIA Este aparelho é garantido contra possíveis defeitos de fabricação ou danos, que se verificar por uso correto do equipamento, no período

Leia mais

5 Resultados de Campo

5 Resultados de Campo 5 Resultados de Campo O modelo desenvolvido e testado no capítulo anterior foi utilizado para realizar a previsão de depósito de parafina em um poço produtor da Petrobras. Utilizando informações de geometria,

Leia mais

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA OBJETIVOS Medidas de massa e comprimentos (diâmetros, espessuras, profundidades, etc.) utilizando balança, paquímetro e micrômetro; Estimativa de erro nas medidas, propagação

Leia mais

MEDIDAS E CÁLCULOS DE ESPECTRO DE ENERGIA DE NÊUTRONS EMERGENTES DE UM DUTO EM UMA BLINDAGEM

MEDIDAS E CÁLCULOS DE ESPECTRO DE ENERGIA DE NÊUTRONS EMERGENTES DE UM DUTO EM UMA BLINDAGEM MEDIDAS E CÁLCULOS DE ESPECTRO DE ENERGIA DE NÊUTRONS EMERGENTES DE UM DUTO EM UMA BLINDAGEM Elcio Angioletto, Alfredo Y. Abe e Paulo Rogério P. Coelho * Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, CTMSP

Leia mais

3. Descrição do Campo em estudo

3. Descrição do Campo em estudo 3. Descrição do Campo em estudo Este capítulo tem por finalidade descrever a área em estudo, além da contextualização do leitor nas principais propriedades do reservatório que foram utilizadas para o analise

Leia mais

Detectores de Radiação

Detectores de Radiação Detectores de Radiação Paulo R. Costa Instituto de Física da Universidade de São Paulo Laboratório de Física Moderna 2010 O que vamos aprender? Aula 1 Contadores Geiger-Mueller Fontes de radiação gama

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 3 ROTEIRO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS AULA 3 ROTEIRO 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 047 HIDRÁULICA Prof. Fernando Campos Mendonça AULA 3 ROTEIRO Tópicos da aula 3:

Leia mais

ESTUDO DA SENSIBILIDADE DE DETECÇÃO DE UM SISTEMA PORTÁTIL DE EDXRF COM UM DETECTOR DE SI-PIN E TUBO DE RAIO-X

ESTUDO DA SENSIBILIDADE DE DETECÇÃO DE UM SISTEMA PORTÁTIL DE EDXRF COM UM DETECTOR DE SI-PIN E TUBO DE RAIO-X 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 ESTUDO DA SENSIBILIDADE

Leia mais