Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA"

Transcrição

1 Programa de melhoramento de Pinus da EMBRAPA 4º Workshop EMBRAPA-APRE 14-15/09/2016

2 Formação da base de recursos genéticos de Pinus da Embrapa Florestas Transferência via convênio Embrapa/IBDF (1978): - Testes de procedências de Pinus do Sul dos EUA ( ) - Intercâmbio com USFS, OFI e DANIDA via FAO Cooperativa CAMCORE: - Testes de procedências e progênies de Pinus da América Central e México Cooperação técnica com IPEF: - P. kesiya - P. caribaea var. hondurensis; var. bahamensis (CCGMPT) Cooperação técnica com IBDF IBAMA ICMBio: - P. merkusii Cooperação técnica com empresas: - P. elliottii progênies de alta produção de resina; P. taeda Intercâmbio/Importação: - P. elliottii, P. taeda, P. patula, Pell x Pch

3 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Ponta Grossa Colombo Embrapa (T. Prog.) Embrapa (PC) P. taeda Três Barras ICMBio (T. Proc.) Monte Carlo Piraí do Sul Imaribo (T. Prog. - PM) Iguaçu Celulose (T. Prog. - PM)

4 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. elliottii Três Barras Capão Bonito Colombo Ponta Grossa Ribeirão Branco ICMBio (T. Proc.) ICMBio (T. Prog. resina) Embrapa : (T. Prog. resina) (PC resina) (PM) (PC) Embrapa (PC resina) Pinara: (T. Prog. 2ªG) (T. Prog. 2ªG 2)

5 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. caribaea var. hondurensis Vilhena Felixlândia Planaltina Belterra Embrapa RO (T. Prog. - PM) Epamig (T. Prog. - PM) Embrapa Cerrado (T. PP) Embrapa Am. Oriental (T. PP)

6 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Híbrido P. ell x P. ch Colombo Vargem Bonita Embrapa Florestas Celulose Irani

7 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. caribaea var. bahamensis Vilhena Embrapa RO (BC)

8 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Angatuba IFSP (PM) P. oocarpa Planaltina Embrapa Cerrado (T. PP) Felixlândia Epamig (T. PP)

9 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. oocarpa var. ochoterenai Planaltina Esplanada Embrapa Cerrado (T. PP) Suzano?

10 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Itapetininga IFSP (PM) 4 Planaltina Embrapa Cerrado (T. PP) 2 P. tecunumanii Vilhena Embrapa RO (T. PP - PM) Ventania Klabin (ex-pisa) (PM) 2 Alagoinhas Suzano?

11 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. greggii Ponta Grossa Embrapa Campo do Tenente Arauco (PM) 2

12 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Campo do Tenente Arauco (TPP) P. patula S. Francisco de Paula Faz. das Taipas (PM) Vargem Bonita Celulose Irani (?)

13 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. chiapensis Ventania Ponta Grossa Klabin (ex-pisa) (PM) Embrapa (BC)

14 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Ponta Grossa Embrapa (PM) P. maximinoi Angatuba IFSP (PM) 4 Ventania Klabin (ex-pisa) (PM)

15 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução Brasília Embrapa (PC 2; T. Prog.) P. kesiya Vilhena Embrapa RO (T. PP) Planaltina Embrapa Cerrado (T. Prog.)

16 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. merkusii Capão Bonito ICMBio (Arboreto)

17 Germoplasma de Pinus no Espécie / var. Local Execução P. masoniana Capão Bonito ICMBio (Arboreto)

18 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

19 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

20 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

21 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

22 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

23 Programa de Melhoramento de Pinus no Objetivos gerais: 1- aumentar a capacidade de adaptação às condições climáticas e pedológicas locais ao longo de gerações (mudanças climáticas); 2- aumentar a produtividade de madeira para usos múltiplos (fins estruturais) 3- melhorar a qualidade da madeira para fins específicos 4- aumentar a produtividade de resina 5- formar e manter base genética para uso em programas de melhoramento 6- viabilizar tecnologias para utilização de genótipos especiais em grande escala

24 Programa de Melhoramento de Pinus no Características: 1- a Embrapa não é usuária de produto florestal 2- ações em benefício de toda a sociedade 3- disponibilidade de mat. genéticos de alto potencial para setores específicos 4- recursos intelectuais e institucionais disponíveis 5- possibilidade de ações integradas com setores específicos para melhoramento genético

25 Programa de Melhoramento de Pinus no Características: 1- a Embrapa não é usuária de produto florestal 2- ações em benefício de toda a sociedade 3- disponibilidade de mat. genéticos de alto potencial para setores específicos 4- recursos intelectuais e institucionais disponíveis 5- possibilidade de ações integradas com setores específicos para melhoramento genético

26 Programa de Melhoramento de Pinus no Características: 1- a Embrapa não é usuária de produto florestal 2- ações em benefício de toda a sociedade 3- disponibilidade de mat. genéticos de alto potencial para setores específicos 4- recursos intelectuais e institucionais disponíveis 5- possibilidade de ações integradas com setores específicos para melhoramento genético

27 Programa de Melhoramento de Pinus no Características: 1- a Embrapa não é usuária de produto florestal 2- ações em benefício de toda a sociedade 3- disponibilidade de mat. genéticos de alto potencial para setores específicos 4- recursos intelectuais e institucionais disponíveis 5- possibilidade de ações integradas com setores específicos para melhoramento genético

28 Programa de Melhoramento de Pinus no Características: 1- a Embrapa não é usuária de produto florestal 2- ações em benefício de toda a sociedade 3- disponibilidade de mat. genéticos de alto potencial para setores específicos 4- recursos intelectuais e institucionais disponíveis 5- possibilidade de ações integradas com setores específicos para melhoramento genético

29 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

30 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

31 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

32 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

33 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

34 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

35 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

36 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

37 Programa de Melhoramento de Pinus no Recursos intelectuais/tecnológicos da Embrapa: Especialistas em áreas específicas: - genética molecular/quantitativa - manejo de pólen/polinização controlada/hibridação - micro propagação vegetativa (embriogênese somática) - fisiologia vegetal (indução desenvolvimento vegetativo/reprodutivo) - pedologia; fertilidade do solo/nutrição de plantas - qualidade da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - ILPF - outras

38 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

39 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

40 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

41 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

42 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

43 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

44 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

45 Recursos físicos Programa de Melhoramento de Pinus no Laboratórios: - genética molecular - pólen; sementes - fisiologia vegetal; cultura de tecidos - solos/nutrição de plantas - tecnologia da madeira - química de produtos florestais (madeira/resina) - fitopatologia - entomologia

46 Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS

47 INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios Empresas - demandas específicas - plantios operacionais - testes de progênies - testes clonais - viveiros - pomares de semente - mat. genéticos

48 INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios Empresas - demandas específicas - plantios operacionais - testes de progênies - testes clonais - viveiros - pomares de semente - mat. genéticos

49 INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios Empresas - demandas específicas - plantios operacionais - testes de progênies - testes clonais - viveiros - pomares de semente - mat. genéticos

50 INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios Sementes/ clones melhorados Empresas - demandas específicas - plantios operacionais - testes de progênies - testes clonais - viveiros - pomares de semente - mat. genéticos

51 INTEGRAÇÃO EMBRAPA-EMPRESAS Embrapa - especialistas - laboratórios - mat. genéticos - intercâmbios Sementes/ clones melhorados Empresas - demandas específicas - plantios operacionais - testes de progênies - testes clonais - viveiros - pomares de semente - mat. genéticos

52 Muito obrigado! Jarbas Shimizu

Melhoramento de Espécies Florestais na Embrapa

Melhoramento de Espécies Florestais na Embrapa Melhoramento de Espécies Florestais na Embrapa Jarbas Yukio Shimizu 1 Apesar da Embrapa ter iniciado sua atuação na pesquisa florestal em 1978, os trabalhos de melhoramento genético florestal sob sua responsabilidade

Leia mais

WORKSHOP EMBRAPA - APRE

WORKSHOP EMBRAPA - APRE WORKSHOP EMBRAPA - APRE MANEJO PARA USO MÚLTIPLO A ÁRVORE DE PINUS DO FUTURO Vinicius de Moura Santos Engº de Pesquisa e Desenvolvimento ArborGen: Líder em melhoramento genético florestal Global HQ Summerville,

Leia mais

RIGESA. Junho de 2006

RIGESA. Junho de 2006 RIGESA Junho de 2006 A Empresa RIGESA, CELULOSE, PAPEL E EMBALAGENS LTDA. Matriz: MeadWestvaco - (USA) 8 Unidades industriais 1 Unidade florestal 2400 Funcionários diretos em todo o Brasil 64 anos de Brasil

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal

Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal Ferramentas da Biotecnologia no Melhoramento Florestal III Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada Piracicaba SP 16 / 09 / 2008 Fernando S. Gomes ArborGen Ltda ArborGen RUBICON

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 48. Maio/1979 SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS NO BRASIL

CIRCULAR TÉCNICA N o 48. Maio/1979 SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS NO BRASIL CIRCULAR TÉCNICA N o 48 Maio/1979 PBP/1.11 Nelson Kazuo Kano * Jânio Carlos Gonçalves * Paulo Yoshio Kageyama ** Walter Sales Jacob *** SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS NO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 1, DE 15 DE MAIO DE 2015.

SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. ATO No- 1, DE 15 DE MAIO DE 2015. TEMÁRIO: 1 Ato nº. 1, de 15 de maio de 2015 Publicação: D.O.U. do dia 19/05/15, Seção 1. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO

Leia mais

Madeira para Produção de Celulose e Chapas de Fibras. Workshop PP&D - IPEF 2020

Madeira para Produção de Celulose e Chapas de Fibras. Workshop PP&D - IPEF 2020 Madeira para Produção de Celulose e Chapas de Fibras Workshop PP&D - IPEF 2020 22/05/2009 . Objetivo O objetivo deste tema é apresentar os aspectos técnicos e científicos da produção de madeira para Celulose

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel 2016.2 Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR klockuer@ufpr.br ou klockuer@gmail.com Prof. Dr. Umberto Klock CADEIA

Leia mais

O atual estagio do material genético de Pinus taeda SEMENTES MELHORADAS HELENA REGINA PEREIRA

O atual estagio do material genético de Pinus taeda SEMENTES MELHORADAS HELENA REGINA PEREIRA O atual estagio do material genético de Pinus taeda SEMENTES MELHORADAS HELENA REGINA PEREIRA 1974 - 1974-1988 População Base Plantios comerciais Procedências região sudeste dos Estados Unidos e sul da

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 21 MELHORAMENTO GENÉTICO. Seleção massal e individual

CIRCULAR TÉCNICA N o 21 MELHORAMENTO GENÉTICO. Seleção massal e individual CIRCULAR TÉCNICA N o 21 PBP/2.4 (Arquivar nesta pasta) MELHORAMENTO GENÉTICO Seleção massal e individual 1. INTRODUÇÃO A seleção é a evolução ao desejo do homem, representando a mais útil ferramenta de

Leia mais

Eucalipto/Pinus. Bases Para um Projeto Florestal. 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul. 7 a 9 de Junho de

Eucalipto/Pinus. Bases Para um Projeto Florestal. 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul. 7 a 9 de Junho de M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L Bases Para um Projeto Florestal Eucalipto/Pinus 2º Congresso Florestal de Mato Grosso do Sul 7 a 9 de Junho de 2010 1 Situaçã ção Florestal

Leia mais

subsídios para um PLANO DE AÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO para o decênio

subsídios para um PLANO DE AÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO para o decênio Discutir diferentes temas da área do melhoramento genético florestal visando colher subsídios para um PLANO DE AÇÃO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO para o decênio 2010-2020 1 Conservação genética Melhoramento

Leia mais

Melhoramento de espécies florestais

Melhoramento de espécies florestais Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Melhoramento de espécies florestais Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação Introdução

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal

Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal Introdução de Espécies e Melhoramento Florestal III Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada - IPEF Piracicaba SP / 16 e 17 de setembro de 2008 Alex Passos dos Santos Pesquisa Florestal

Leia mais

Silvicultura no Tocantins

Silvicultura no Tocantins Silvicultura no Tocantins Situação atual e perspectivas Alisson Moura Santos Pesquisador Palmas/TO, 17 de junho de 2016 Integração de esforços Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária Contextualização

Leia mais

História do Eucalyptus no Brasil (e a demanda de madeira)

História do Eucalyptus no Brasil (e a demanda de madeira) História do Eucalyptus no Brasil (e a demanda de madeira) Rildo Moreira e Moreira Estações Experimentais de Ciências Florestais ESALQ/USP 9º.. Curso de Atualização em Eucaliptocultura 26 a 28 de maio 2009

Leia mais

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus Pinus elliotti Pinus Pinaster Pinus Taeda - P. elliottii e P. taeda- introduzidas dos Estados Unidos, visto que as atividades com florestas plantadas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Disciplina de Solos Florestais Docência Orientada

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Disciplina de Solos Florestais Docência Orientada Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Rurais Disciplina de Solos Florestais Docência Orientada PRODUTIVIDADE DE SÍTIOS FLORESTAIS Neiva Somavilla Gelain - Mestranda PPGEF Simone Abrão

Leia mais

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas LCF581-2016 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas 2. Aula Seleção de Espécies/Procedências e Clones Weber Amaral, PhD Email: wana@usp.br Última aula: Fatores da competitividade: Michael Porter,

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP.

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP. CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - CHTS C H S NÚCLEO NATUREZA 01 5117 Introdução à Engenharia Florestal EA 32 32 00 Específico Obrigatória 02

Leia mais

Campus de Ilha Solteira FRANCINE BEATRIZ DE SOUZA. SELEÇÃO DE ESPÉCIES E PROCEDÊNCIAS DE Pinus sp PARA A REGIÃO DE ASSIS, ESTADO DE SÃO PAULO.

Campus de Ilha Solteira FRANCINE BEATRIZ DE SOUZA. SELEÇÃO DE ESPÉCIES E PROCEDÊNCIAS DE Pinus sp PARA A REGIÃO DE ASSIS, ESTADO DE SÃO PAULO. Campus de Ilha Solteira FRANCINE BEATRIZ DE SOUZA SELEÇÃO DE ESPÉCIES E PROCEDÊNCIAS DE Pinus sp PARA A REGIÃO DE ASSIS, ESTADO DE SÃO PAULO. Ilha Solteira 2015 Campus de Ilha Solteira FRANCINE BEATRIZ

Leia mais

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo

Nível:Graduação Início: Fim: Legislação: Curso reconhecido através da Portaria n 1.098, de 24 de dezembro de 2015 Currículo 1 de 8 Colegiado: Nível:Graduação Início: 20051 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA235 - FUNDAMENTOS DE FILOSOFIA - Ativa desde: CCA281 - FUNDAMENTOS

Leia mais

Págiina 1 de 5 webmail assinantes shopping vídeos músicas games na Web Busca.... Compre aqu OK Instruções............ Fruta Frutas A à Z Economia Informações Técnicas Banco de Germoplasma e Coleções BANCOS

Leia mais

Reunião Técnica ACR Produtividade Potencial do Pinus no Brasil

Reunião Técnica ACR Produtividade Potencial do Pinus no Brasil Reunião Técnica ACR Produtividade Potencial do Pinus no Brasil Lider Científico: Prof. Dr. Mauro V. Schumacher Coordenadora executiva: Isabel Deliberali Histórico Champion (IPB) Duratex Leon Feffer (Suzano)

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. *

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PBP/2.A3 (Arquivar nesta pasta) PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * 1 INTRODUÇÃO Iniciando os seus plantios em 1958, na região de Agudos (SP), a Companhia Agro Florestal

Leia mais

Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal

Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal Isabel Carrasquinho INIAV Oeiras, Portugal Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal Alcácer do Sal, 28 Março 2014 isabel.carrasquinho@iniav.pt A Pinus pinea L. ocupa actualmente

Leia mais

PRODUÇÃO DE PAINÉIS COMPENSADOS DE PINUS TROPICAIS COLADOS COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO

PRODUÇÃO DE PAINÉIS COMPENSADOS DE PINUS TROPICAIS COLADOS COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO PRODUÇÃO DE PAINÉIS COMPENSADOS DE PINUS TROPICAIS COLADOS COM RESINA FENOL-FORMALDEÍDO Setsuo Iwakiri 1, Jorge Luis Monteiro de Matos 1, Adauto José Miranda de Lima 2, Érika da Silva Ferreira 3, Djeison

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas. (Notas da aula em )

Importância e objetivos do melhoramento de plantas. (Notas da aula em  ) Importância e objetivos do melhoramento de plantas (Notas da aula em www.uenf.br ) A origem da agricultura Dependência - alimentação (plantas e derivados) Vestuário Combustível Medicamentos Kates (1994),

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado. COORDENADORA Silvia das Graças Pompolo

Currículos dos Cursos do CCB UFV. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado. COORDENADORA Silvia das Graças Pompolo 118 Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado COORDENADORA Silvia das Graças Pompolo spompolo@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 119 Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências

Leia mais

O Setor de Celulose e Papel

O Setor de Celulose e Papel O Setor de Celulose e Papel Polpa e Papel Tecnologia de produção de polpa celulósica e papel Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal Setor de Ciências Agrárias UFPR

Leia mais

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para:

Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios. Apresentação para: Eucalipto Geneticamente Modificado Aspectos Regulatórios Apresentação para: Março 2014 Agenda Ambiente regulatório Eucalipto GM FuturaGene Avaliação ambiental e de segurança Resumo 2 Estrutura legal no

Leia mais

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia.

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. Corymbia e Eucalyptus E. tesselaris, E. papuana E. citriodora, E. torelliana, E. maculata E. miniata, E. phoenicia, E. bayleiana E. deglupta,

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado. COORDENADORA Luzimar Campos da Silva

UFV Catálogo de Graduação CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado. COORDENADORA Luzimar Campos da Silva UFV Catálogo de Graduação 2013 77 CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Bacharelado COORDENADORA Luzimar Campos da Silva luzimar@ufv.br 78 Currículos dos Cursos UFV Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências Biológicas

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

Currículo do Curso de Ciências Biológicas

Currículo do Curso de Ciências Biológicas Currículo do Curso de Ciências Biológicas Bacharelado ATUAÇÃO O Bacharelado em Ciências Biológicas tem como objetivo principal formar e capacitar profissionais para atuar como pesquisadores, consultores

Leia mais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais

Diversificação de atividades na propriedade rural. 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Diversificação de atividades na propriedade rural 30 de junho de 2011 Uberlândia - Minas Gerais Roteiro da apresentação Apresentação da Campo Globalização e a demanda pelos serviços do agroecossistema

Leia mais

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx

FLO032 - Gênese, Física e Classificação do Solo- 75 h ZOO042 Metodologia Científica xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008 (Alteração

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges

Currículos dos Cursos do CCA ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges 48 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL Rita de Cássia Gonçalves Borges borgerg@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades

Leia mais

CRESCENTE EMPREENDIMENTOS LTDA.

CRESCENTE EMPREENDIMENTOS LTDA. CRESCENTE EMPREENDIMENTOS LTDA. Rua Alfa, 367 Bairro Vila Paris Contagem/MG Telefax: (31) 3281-8975 E-mail: gerencia@grupocrescente.com.br CRESCENTE EMPREENDIMENTOS LTDA. PROJETO: Agropecuária Rancho do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia Matriz Curricular do Curso de Agronomia Total 240 120 360 24 2º Período Letivo: Componentes curriculares 1º Período Letivo: Componentes curriculares Prérequisito AGR 100 Biologia Celular Inexistente AGR

Leia mais

FuturaGene Visão Geral

FuturaGene Visão Geral FuturaGene Visão Geral Agenda Apresentação Institucional Introdução Porque a Biotecnologia Nosso negócio Resumo 2 Introdução Líder brasileiro em biotecnologia florestal Setor atraente; expectativas da

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 1 Carga horária

Leia mais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais IV Workshop em Melhoramento Florestal IPEF Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais Edson Seizo Mori FCA / UNESP Campus de Botucatu Introdução e Histórico A cultura dos eucalyptus no Brasil

Leia mais

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL

SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL SILVICULTURA DE Eucalyptus EM ÁERAS DE OCORRÊNCIA DE GEADAS NO SUL DO BRASIL James Stahl Klabin: Uma empresa líder 110 anos de tradição, inovação, liderança e sustentabilidade 17 unidades fabris em nove

Leia mais

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016 1º PERÍODO AT141 FÍSICA I - 3 55 2F07:30-10:30 CD046 EXPRESSÃO GRÁFICA I - GEOMETRIA DESCRITIVA - 3 35 35 CENTRO 4F 09:30-12:30 4F 09:30-12:30 CM22 MATEMÁTICA I - 4 55 CENTRO 5F 07:30-09:30 6F 09:30-11:30

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Biotecnologia

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Biotecnologia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Biotecnologia estado da arte e aplicações na agropecuária Editores Técnicos Fábio Gelape Faleiro Solange

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução

CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO. Introdução ISSN1516-4349 CONSERVAÇÃO DE AMENDOIM (Arachis hypogaea L.) A LONGO PRAZO Introdução O amendoim (Arachis hypogaea L), originário da América do Sul, é uma fonte importante de proteína para dieta do povo

Leia mais

CURSO BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 9 a 20 de julho de Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan. 4 a edição

CURSO BIOTECNOLOGIA. Aplicada à Agropecuária. 9 a 20 de julho de Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan. 4 a edição CURSO BIOTECNOLOGIA Aplicada à Agropecuária 9 a 20 de julho de 2012 Embrapa Cerrados Auditório Roberto Engel Aduan 4 a edição Introdução A Biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com tecnologia,

Leia mais

QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA HORÁRIO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1 8:00-8:55

QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA HORÁRIO Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1 8:00-8:55 QUINTO PERÍODO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA 1 8:00-8:55 2 8:55-9:50 3 10:00-10:55 Melhoramento Vegetal Fitopatologia Geral Fitopatologia Geral Entomologia Geral Turma E Laboratório de Microscopia Zootecnia

Leia mais

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS SÃO PAULO 06 de Novembro de 2008 CARRETÉIS DE MADEIRA INTRODUÇÃO ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA FLORESTAS PLANTADAS MATÉRIA

Leia mais

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx

MAT002 Geometria Analítica e Álgebra Linear xxx MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE GRADUAÇÃO: ENGENHARIA FLORESTAL Estrutura Curricular - vigência a partir de 2008/1º

Leia mais

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D Distribuição das disciplinas da matriz curricular do Curso de Agronomia do Campus Universitário de Alta Floresta por fase (semestre) CURSO DE AGRONOMIA 1ª Fase Citologia 3 0 1 0 0 Ecologia Geral 2 0 1

Leia mais

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso

Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Bases Para Uma Indústria Florestal Competitiva no Mato Grosso Histórico O Grupo Floresteca foi fundada em 1994 tendo como objetivo o desenvolvimento de plantações de teca no Brasil de maneira sustentável

Leia mais

JULIANA PRADO MOREIRA

JULIANA PRADO MOREIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA JULIANA PRADO MOREIRA GANHO ESPERADO NA SELEÇÃO DE PROGENIES DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MATRIZ CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MATRIZ CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS MATRIZ CURRICULAR Curso: AGRONOMIA Grau Acadêmico: BACHARELADO Campus: SAMAMBAIA Turno: INTEGRAL Modalidade: PRESEIAL Matriz: 53BI3 N o H Componente Curricular UA PRÉREQUISITO

Leia mais

Aspectos Gerais e Produção Comercial. Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues 1

Aspectos Gerais e Produção Comercial. Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues 1 BROMÉLIAS Aspectos Gerais e Produção Comercial Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues 1 Bromélias Rio - Campinas Vista Geral 2 Família Bromeliaceae 03 subfamílias : Pitcairnioideae Tillandsioideae Cerca

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira

Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira 106 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sílvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 107 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

Currículo do Curso de Engenharia Florestal

Currículo do Curso de Engenharia Florestal Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar em atividades relacionadas com: construções de madeira; silvimetria e inventário; recursos naturais renováveis;

Leia mais

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO

ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO ArcelorMittal BioEnergia Ltda PRODUÇÃO DE MADEIRA EM REGIÃO DE DÉFICIT HÍDRICO Localização V. Jequitinhonha 430 km Vitória TURMALINA VEREDINHA MINAS NOVAS CAPELINHA ITAMARANDIBA ÁREA TOTAL DRENAGEM TOTAL

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Licenciatura. COORDENADORA Mara Garcia Tavares

Currículos dos Cursos UFV. CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Licenciatura. COORDENADORA Mara Garcia Tavares 88 Currículos dos Cursos UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Licenciatura COORDENADORA Mara Garcia Tavares mtavares@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 89 Licenciatura (Integral) ATUAÇÃO A Licenciatura em Ciências

Leia mais

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE

MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE MANEJO PARA PRODUÇÃO DE CELULOSE Reunião de Integração e Atualização Técnica em Floresta Plantada Veracel Celulose SA Principais Números INVESTIMENTO TOTAL (Fábrica, Florestal, Infraestrutura): US$ 1.2

Leia mais

VARIAÇÃO GENÉTICA EM PROGÊNIES DE Pinus caribaea Morelet var. bahamensis ROBSON FERNANDO MISSIO. Engenheiro Agrônomo

VARIAÇÃO GENÉTICA EM PROGÊNIES DE Pinus caribaea Morelet var. bahamensis ROBSON FERNANDO MISSIO. Engenheiro Agrônomo i VARIAÇÃO GENÉTICA EM PROGÊNIES DE Pinus caribaea Morelet var. bahamensis ROBSON FERNANDO MISSIO Engenheiro Agrônomo Orientador: Prof. Dr. Mario Luiz Teixeira de Moraes Co-orientador: Prof. Dr. Luiz Antonio

Leia mais

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia Semana Nacional de Ciência e Tecnologia A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) promoverá diversos eventos que integram a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece entre

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Sebastião Renato Valverde ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Sebastião Renato Valverde valverde@ufv.br 92 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado a atuar

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

29ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Flores e Plantas Ornamentais. José Luiz Mosca

29ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Flores e Plantas Ornamentais. José Luiz Mosca 29ª Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Flores e Plantas Ornamentais José Luiz Mosca Pesquisador, Doutor Fisiologia e Tecnologia Pós-colheita de Frutos e Flores Tropicais EMBRAPA

Leia mais

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira

104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira 104 Currículos dos Cursos do CCA UFV ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2015 105 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O

Leia mais

Aspectos Gerais e Produção Comercial. Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues2

Aspectos Gerais e Produção Comercial. Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues2 BROMÉLIAS Aspectos Gerais e Produção Comercial Prof. Dr. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues2 Bromélias Rio - Campinas Vista Geral 3 Família Bromeliaceae 03 subfamílias : Pitcairnioideae Tillandsioideae Cerca

Leia mais

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto

Currículos dos Cursos UFV ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto 102 ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADOR Silvio Nolasco de Oliveira Neto snolasco@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 103 Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará habilitado

Leia mais

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente

Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte 1 Manejo de cafeeiro em áreas infestadas pelos nematoides-das-galhas com uso de cultivar resistente Beatriz de Pauli (1), Sônia

Leia mais

Carlos Henrique Siqueira de Carvalho. Embrapa Café/Fundação Procafé

Carlos Henrique Siqueira de Carvalho. Embrapa Café/Fundação Procafé Carlos Henrique Siqueira de Carvalho Embrapa Café/Fundação Procafé 105 espécies conhecidas Espécies de Café Espécies de Importância Comercial: - Coffea arabica: 65% (Café arábica) - Coffea canephora: 35%

Leia mais

RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO

RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO RENDIMENTO DE SUCO E TEOR DE SÓLIDOS SOLÚVEIS TOTAIS EM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO Orlando Maciel Rodrigues Junior 1 ; Walnice Maria Oliveira do Nascimento 2, Olivia Domingues Ribeiro 1, Juliana

Leia mais

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III * Saldo = produção do ano - (comercializada + plantio próprio + outros destinos) ANEXO I Produtor: RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORE S TA I S Ano de produção:

Leia mais

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS

MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS MELHORAMENTO E PRODUÇÃO DE SEMENTES FLORESTAIS ISRAEL GOMES VIEIRA Setor de Sementes IPEF Agosto 2007 SEMENTES CATEGORIAS IDENTIFICADA: material de propagação, coletado de matrizes com determinação botânica

Leia mais

c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009

c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009 c u r s o Biotecnologia Aplicada à Agropecuária 20 a 31 de julho de 2009 Introdução A Biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com tecnologia, é um conjunto de técnicas que utilizam os seres

Leia mais

VARIAÇÃO GENÉTICA E MÉTODOS DE MELHORAMENTO PARA Pinus

VARIAÇÃO GENÉTICA E MÉTODOS DE MELHORAMENTO PARA Pinus IVONE SATSUKI NAMIKAWA FIER VARIAÇÃO GENÉTICA E MÉTODOS DE MELHORAMENTO PARA Pinus maximinoi H. E. Moore EM TELEMACO BORBA (PR) Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

Aspectos de Desenvolvimento e Uso de Árvores GM

Aspectos de Desenvolvimento e Uso de Árvores GM Aspectos de Desenvolvimento e Uso de Árvores GM 06.08.15 Uma empresa Suzano Papel e Celulose Contexto e perspectivas Uso atual de madeira - 3 bilhões m 3 por ano Demanda projetada de madeira para 2050

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas

Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas Programa de Pós-Graduação em Genética e Melhoramento de Plantas LGN 5799 SEMINÁRIOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DE PLANTAS O PROGRAMA DE MELHORAMENTO GENÉTICO DA BATATA DA EMBRAPA Aluno: Roberto Fritsche

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução

MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE. Palestrante: Allan Henrique da Silva. Introdução MELHORAMENTO GENÉTICO DO TRITICALE Palestrante: Allan Henrique da Silva Introdução Primeiro cereal criado pelo homem; Reduzir a deficiência de alimento; Uso: Forragem verde e feno Silagem Grãos secos para

Leia mais

O Potencial e os Desafios da Agrossilvicultura na Região Noroeste de Mato Grosso. Eduardo Matos

O Potencial e os Desafios da Agrossilvicultura na Região Noroeste de Mato Grosso. Eduardo Matos O Potencial e os Desafios da Agrossilvicultura na Região Noroeste de Mato Grosso Eduardo Matos Embrapa Agrossilvipastoril Embrapa Agrossilvipastoril Janeiro de 2010 Infraestrutura - 8.400 m² 5 Complexos

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

Boletim de Pesquisa 97 e Desenvolvimento ISSN Outubro, 2005

Boletim de Pesquisa 97 e Desenvolvimento ISSN Outubro, 2005 Boletim de Pesquisa 97 e Desenvolvimento ISSN 1676-1340 Outubro, 2005 ANÁLISE DE PARÂMETROS ANATÔMICOS DE TRAQUEÓIDES AXIAIS DAS MADEIRAS DE QUATRO PROCEDÊNCIAS DE PINUS República Federativa do Brasil

Leia mais

"Economia Verde nos Contextos Nacional e Global" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura -

Economia Verde nos Contextos Nacional e Global - Desafios e Oportunidades para a Agricultura - "Economia Verde nos Contextos Nacional e Global" - Desafios e Oportunidades para a Agricultura - Maurício Antônio Lopes Diretor Executivo de Pesquisa e Desenvolvimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

ISSN Dezembro, Melhoramento genético de espécies arbóreas na Embrapa Florestas: uma visão histórica

ISSN Dezembro, Melhoramento genético de espécies arbóreas na Embrapa Florestas: uma visão histórica ISSN 1980-3958 Dezembro, 2013 259 Melhoramento genético de espécies arbóreas na Embrapa Florestas: uma visão histórica ISSN 1980-3958 Dezembro, 2013 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa

Leia mais

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013.

Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Nedio Jair Wurlitzer Eng. Alimentos / DSc. 10 de dezembro de 2013. Laboratórios Análise de solo, água e planta Biologia molecular Gestão ambiental e resíduos Cultura de tecidos e genética vegetal Análise

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Marco Tuoto mtuoto@treeflorestal.com.br Preparado para: Simpósio Internacional BIO.COMBRASIL Biomassa Sólida, Tecnologias e Negócios

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 17 TRATOS CULTURAIS * CONTROLE DE ERVAS DANINHAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 17 TRATOS CULTURAIS * CONTROLE DE ERVAS DANINHAS CIRCULAR TÉCNICA N o 17 PBP/1.5 (Arquivar nesta pasta) TRATOS CULTURAIS * CONTROLE DE ERVAS DANINHAS 1. INTRODUÇÃO Os programas de plantio a serem cumpridos anualmente pelas firmas ligadas ao ramo florestal,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEAP

RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEAP UNIVERSIDADE DO ESADO DO AMAÁ CONSELHO SUERIOR UNIVERSIÁRIO RESOLUÇÃO N 070/2014- CONSU/UEA Aprova alterações na matriz curricular do curso de Engenharia Florestal da Universidade do Estado do Amapá. O

Leia mais

Florestas plantadas (cultivadas)

Florestas plantadas (cultivadas) Florestas plantadas (cultivadas) Curso de Engenharia Industrial Madeireira AT073 Introdução a Engenharia Industrial Madeireira Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal

Leia mais

HORÁRIO DE PROVA DO 1º PERÍODO (1º ANO)

HORÁRIO DE PROVA DO 1º PERÍODO (1º ANO) HORÁRIO DE PROVA DO 1º PERÍODO (1º ANO) HORÁRIO DE PROVA DO 1º PERÍODO (1º ANO) SEGUNDA FEIRA BIOLOGIA GERAL 25/05 TERÇA FEIRA QUIMICA 26/05 QUARTA FEIRA METODOLOGIA CIENTIFICA 27/05 QUINTA FEIRA ANATOMIA

Leia mais

Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação. Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia

Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação. Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia Etanol de 2ª. Geração desafios para instrumentação e automação Cristina Maria Monteiro Machado Embrapa Agroenergia São Carlos, 28/nov/2008 Escopo de Atuação da Embrapa Agroenergia Dados Básicos: Unidade

Leia mais

ISSN Outub o, 2013 r 254. Carta de zoneamento de Pinus caribaea para o Estado do Paraná

ISSN Outub o, 2013 r 254. Carta de zoneamento de Pinus caribaea para o Estado do Paraná ISSN 1980-3958 Outub o, 2013 r 254 Carta de zoneamento de Pinus caribaea para o Estado do Paraná ISSN 1980-3958 Outubro, 2013 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Florestas Ministério da

Leia mais