COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR-32 ATA DA 20ª REUNIÃO ORDINÁRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR-32 ATA DA 20ª REUNIÃO ORDINÁRIA"

Transcrição

1 COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR-32 ATA DA 20ª REUNIÃO ORDINÁRIA Aos vinte e quatro, vinte e cinco e vinte e seis dias do mês de outubro de dois mil e onze, reuniram-se os membros da CTPN da NR-32, na sede do MTE em Brasília DF, com as seguintes presenças: representantes do Governo Marcos Antonio Lisboa Miranda (SRTE/PE), Antônio Carlos Ribeiro Filho (GRTE - Juiz de Fora), Luiz Carlos Fonseca (ANVISA) e Josélia Ramalho O. da Costa Nogueira (DSST/SIT). A Sra. Érica Lui Reinhardt (FUNDACENTRO) justificou a ausência. Na Representação dos Empregadores Luís Sérgio Soares Mamari (CNC), Mauro Daffre (CNI) e Lucinéia Aparecida Nucci (CNA). A Assessora Técnica da bancada Vera Lucia Cantalupo (CNIF). Os representantes Alexandre Frederico de Marca (CNT) e Mário Hélio Souza Ramos (CNIF) justificaram as ausências. Na Representação dos Trabalhadores Pedro Tolentino (UGT), Maria Nelcy Ribeiro Oliveira da Costa (Força Sindical), Lindinere Jane Ferreira (CUT) e Ademir Portilho (CUT). O representante Joel Félix (Força Sindical) justificou a ausência. A reunião foi iniciada pelo coordenador da CTPN NR-32 Antônio Carlos, que solicitou que os presentes apresentassem os informes julgados necessários. 1. Lucinéia A. Nucci informou o recebimento do documento CNU/Cred 107 EPI. 107/11 da UNIMED Central Nacional, datado de 21/06/11. Neste documento a UNIMED comunica à Rede Credenciada que, a partir de 21/06/11, os EPI (luvas de procedimento não estéril, máscara cirúrgica, máscara N95, avental descartável) serão considerados como parte integrante do valor da diária e das taxas de sala, não cabendo, portanto, cobranças individuais. O coordenador solicitou que a demanda seja apresentada formalmente ao DSST/SIT. 2. Vera Cantalupo apresentou as dúvidas mais comuns sobre o Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes, recolhidas em eventos onde o referido Plano foi apresentado, contando com 744 participantes. Ainda apresentou diversos depoimentos de trabalhadores dos serviços de saúde sobre a implementação dos materiais perfurocortantes com dispositivos de segurança, na percepção antes e depois do trabalho executado com os novos materiais. 3. Nelcy informou sobre o site do Sindicato dos Trabalhadores, que disponibiliza para os trabalhadores espaço para perguntas e respostas sobre os direitos trabalhistas e a implantação e cumprimento da NR-32 nos locais de trabalho. Informou ainda sobre a iniciativa da Universidade do Vale do Sapucaí em Pouso Alegre (MG) na parceria a ser realizada entre a referida Universidade e o Sindicato mencionado acima, no que se refere à criação e implantação do Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes. 4. O coordenador informou sobre a nomeação de 220 novos Auditores-Fiscais do Trabalho, que serão capacitados no período de 21/11 a 17/12/11. No período de 12 a 17/12/11 os AFT serão capacitados sobre a NR-32. A próxima reunião da CTPN está marcada para os dias 12 a 14 de dezembro. Portanto, o coordenador propôs o cancelamento da reunião. Temas pendentes poderão ser encaminhados através da internet. Os membros da CTPN concordaram com a proposta. 5. O DSST/SIT tendo em vista a necessidade de planejamento, gerenciamento e execução das atividades das Comissões e Grupos Tripartites para o ano de 2012, e em atendimento ao disposto no inciso VI do art. 5º da Portaria SIT n.º 186/10, encaminhou uma planilha a ser preenchida com as informações solicitadas. O prazo limite para envio da planilha é o dia 15/12/11. Os membros CTPN apresentaram a seguinte proposta de planejamento para o ano de 2012.

2 Comissão / Grupo: - Comissão Tripartite Permanente Nacional da NR-32 Coordenador: - Antônio Carlos Ribeiro Filho Representantes do MTE (DSST e FUNDACENTRO): - Antônio Carlos Ribeiro Filho (GRTE - Juiz de Fora - MG) - Marcos Antônio Lisboa Miranda (SRTE-PE) - Josélia Ramalho O. da Costa Nogueira (DSST/SIT) - Érica Lui Reinhardt (FUNDACENTRO - CTN) Reuniões Realizadas em 2011 (local e data): - 25 e 26 de janeiro - DSST/SIT/MTE - Brasília (DF) Extraordinária - 21 e 22 de março - DSST/SIT/MTE - Brasília (DF) - 26 a 28 de junho - DSST/SIT/MTE - Brasília (DF) - 29 e 30 de agosto - DSST/SIT/MTE - Brasília (DF) - 24 a 26 de outubro - DSST/SIT/MTE - Brasília (DF) Resultados obtidos em 2011 (alteração de NR, publicação de manuais, anexos e etc.): - Emissão de 05 pareceres técnicos relativos à implementação da NR Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes. - Adequação do Regimento Interno da CTPN à Portaria n.º 186/10. Dificuldades encontradas no desenvolvimento dos trabalhos (logística necessária, quorum, impasses, dissensos, etc.): - A implementação do subitem relativo à substituição dos materiais perfurocortantes por outros com dispositivos de segurança gerou muitas demandas para a CTPN, suscitando a elaboração de pareceres técnicos e interpretação do conteúdo do texto legal. Com a elaboração e publicação do Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfurocortantes, as demandas em torno do tema reduziram. Discussões em andamento: - Portaria MS/MTE n.º 482/99 (Esterilização com óxido de etileno). Pauta de discussão para 2012: - Portaria MS/MTE n.º 482/99 - Revisão do Guia Técnico de Riscos Biológicos - Elaboração do Guia Técnico de Riscos Químicos - Elaboração do Guia Técnico de Quimioterápicos Antineoplásicos (promover seminário em São Paulo com serviços de saúde). Cronograma de reuniões para 2012 (quantidade, previsão do mês e local): - 27, 28 e 29 de março no DSST/SIT em Brasília. - 29, 30 e 31 de maio no DSST/SIT em Brasília. - 24, 25 e 26 de julho no DSST/SIT em Brasília. - 25, 26 e 27 de setembro na FUNDACENTRO em São Paulo. - 27, 28 e 29 de novembro no DSST/SIT em Brasília. Sugestão de melhoramentos: - Disponibilização prévia dos documentos relativos às demandas aos membros da CTPN para tornar as reuniões mais produtivas. - Criação de fórum de discussão na internet para os membros da CTPN. - Atualização periódica do FAQ disponível no site do MTE. 6. O DSST/SIT ainda solicitou uma proposta de adequação do Regimento Interno da CTPN NR-32 à Portaria SIT n.º 186/10. Os membros da CTPN NR-32 elaboraram e aprovaram a seguinte proposta: COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR-32

3 REGIMENTO INTERNO DO OBJETIVO Art. 1º - A Comissão Tripartite Permanente Nacional da NR-32, doravante denominada CTPN NR-32, instituída pela Portaria MTE n. 485, de 11 de novembro de 2005, item da NR-32, tem por objetivo acompanhar a implementação da Norma Regulamentadora n.º 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde, subsidiando o DSST/SIT. DA COMPETÊNCIA Art. 2º - Compete à CTPN NR-32: I. elaborar e divulgar instrumentos e materiais consultivos que contribuam para a implantação do disposto nas normas regulamentadoras em segurança e saúde no trabalho; II. incentivar a realização de estudos e debates visando o aprimoramento permanente da legislação; III. avaliar distorções ou efeitos não previstos ou não pretendidos da regulamentação; IV. sugerir, quando necessário e ouvida a Comissão Tripartite Paritária Permanente - CTPP, a criação de grupos de trabalho, subcomissões, comissões estaduais ou regionais; V. contribuir para a melhoria e aperfeiçoamento das práticas da regulamentação, propondo atualizações ou alterações na legislação. DA COMPOSIÇÃO Art. 3º - A CTPN NR-32 será composta por: a) 5 (cinco) membros representantes do Governo, dos quais, 4 (quatro) pertencentes ao Ministério do Trabalho e Emprego, sendo 3 (três) indicados pelo Diretor do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho - DSST e 1 (um) indicado pelo Presidente da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho - FUNDACENTRO e 1 (um) pertencente ao Ministério da Saúde, indicado pelo Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. b) 5 (cinco) membros representantes dos empregadores indicados pelas entidades que compõem a c) 5 (cinco) membros representantes dos trabalhadores, indicados pelas entidades que compõem a Parágrafo primeiro - A coordenação da CTPN NR-32 será indicada pelo DSST dentre os membros da Bancada de Governo. Parágrafo segundo - As bancadas dos trabalhadores e dos empregadores deverão indicar seus respectivos coordenadores dentre seus membros. Parágrafo terceiro - Cada bancada poderá convidar para as reuniões até 02 (dois) assessores técnicos. Parágrafo quarto - Poderá ser solicitado ao DSST/SIT a participação de assessores técnicos em temas específicos, cujo número é limitado a dois por representação. DO FUNCIONAMENTO Art. 4º - As deliberações da CTPN NR-32 serão tomadas sempre buscando a construção do consenso entre seus membros, cabendo à Secretaria de Inspeção do Trabalho - SIT decidir sobre questões que permanecerem controversas. Art. 5º - As reuniões ordinárias realizar-se-ão, conforme calendário a ser elaborado pelos membros da Comissão. Art. 6º - As reuniões extraordinárias devem ser propostas ao DSST/SIT, que analisará a demanda. Art. 7º - O quorum para a abertura das reuniões ordinárias ou extraordinárias da CTPN NR-32 será de 2/5 (dois quintos) dos membros de cada bancada.

4 Art. 8º - Todos os membros da CTPN NR-32 terão direito a voz e voto em igualdade de condições. Parágrafo único - Os assessores poderão fazer uso da palavra, desde que de comum acordo entre os membros da CTPN NR-32, sem direito a voto. Art. 9º - São direitos e deveres dos membros da CTPN NR-32: a) participar das reuniões da Comissão, discutir e deliberar sobre quaisquer assuntos constantes de pauta; b) cumprir e zelar pelo cumprimento dos objetivos e atribuições da CTPN NR-32; c) participar da elaboração da pauta das reuniões da CTPN NR-32, mediante envio de sugestões ao Coordenador, de quaisquer assuntos relacionados com a implantação, implementação e adequação da Norma; d) deliberar sobre a aprovação ou alteração deste Regimento Interno; e e) registrar em ata as ausências justificadas ou não de quaisquer dos membros de sua respectiva bancada às reuniões da Comissão. Art O não comparecimento injustificado de qualquer membro da CTPN NR-32 a 2 (duas) reuniões consecutivas ou 3 (três) não consecutivas, sejam ordinárias ou extraordinárias, implica na sua substituição, ouvida a respectiva coordenação de bancada. A solicitação deve ser feita pelo DSST/SIT, à instituição representada, que deve efetuar nova indicação em sessenta dias. Parágrafo único - As justificativas de ausência devem ser feitas por escrito à coordenação de bancada, que as comunicará à Coordenação da CTPN NR-32. DAS ATRIBUIÇÕES Art Cabe ao Coordenador da CTPN NR-32: I. coordenar as reuniões e acompanhar a execução do planejamento da Comissão, bem como das subcomissões, comissões estaduais e regionais e grupos de trabalho, quando houver; II. observar o cumprimento das atribuições da CTPN; III. solicitar ao DSST/SIT a convocação das reuniões ordinárias e extraordinárias da Comissão, assim como das subcomissões e grupos de trabalho; IV. elaborar a pauta e as atas das reuniões, encaminhando-as ao DSST; V. encaminhar à CTPP o plano de trabalho anual da comissão, bem como das subcomissões, comissões estaduais e regionais e grupos de trabalho, quando houver, assim como os relatórios semestrais; VI. solicitar ao DSST/SIT apoio técnico e administrativo necessário ao funcionamento da Comissão. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art Este Regimento Interno somente poderá ser alterado em reuniões ordinárias, desde que haja item específico na pauta. Parágrafo único - As solicitações de alterações no Regimento Interno da CTPN NR-32 deverão ser encaminhadas por escrito ao Coordenador da CTPN NR-32, com antecedência mínima de 20 (vinte) dias, a fim de que sejam repassadas aos demais membros. Art A participação dos membros da CTPN NR-32 é considerada atividade relevante e não remunerada, cabendo a cada instituição custear as despesas decorrentes. Art Este Regimento Interno entra em vigor na data de sua aprovação pela CTPN NR Os membros da CTPN NR-32 decidiram propor ao DSST/SIT a reconsideração do texto do art. 11 da Portaria n.º 186/10, que estabelece: A ausência de representantes não obsta a deliberação de assuntos previstos na pauta da reunião, desde que a convocação tenha sido feita regularmente a todos os participantes. A CTPN entende que o conteúdo deste artigo está em desacordo com os art. 4, 8 e 15 da Convenção 155 da OIT. 8. O coordenador informou o recebimento do Ofício n.º 0016/11 da Comissão Paritária Permanente Regional de São Paulo da NR-32. No ofício o coordenador da CTPR-SP, Sr. Edison Ferreira da Silva, solicita a avaliação das Resoluções 01/07 e 02/07, quanto

5 à existência de conflitos ou irregularidades. A Resolução 01/07 tem como objetivo Definir, entre os diversos itens da NR32, aquelas que são consideradas prioridades para o estado de São Paulo para as ações de fiscalização, das empresas e das representantes de trabalhadores. A Resolução 02/07 tem como objetivo Definir a relação e responsabilidades de contratadas e contratantes em Serviços de Saúde na área de segurança e saúde no trabalho para o estado de São Paulo. Em atenção ao Ofício n.º 0016/11 da CTPR-SP NR-32, os membros da CTPN NR-32 reunidos em Brasília, no dia 25/10/11, tem o seguinte a considerar: A definição das condições de risco grave e iminente para fins de inspeção do trabalho deve ser realizada por meio de instrumento legal próprio. Outrossim, a avaliação das condições de trabalho quanto a existência de condição de risco grave e iminente é atribuição exclusiva do Auditor-Fiscal do Trabalho durante a ação fiscal. Portanto, a Resolução 01/07 da CTPR-SP está em desacordo com a legislação vigente. Com relação à Resolução 02/07, a responsabilidade primária no que concerne às obrigações trabalhistas é do empregador, independente do número de trabalhadores vinculados. As resoluções emitidas pela CTPR-SP não tem a prerrogativa de estabelecer ônus a terceiros não previstos em lei ou outros instrumentos normativos. 9. Como a Portaria n.º 485/05, que deu redação à NR-32, criou as Comissões Tripartites Permanentes Regionais, os membros da CTPN NR-32 concluíram como necessário a definição de diretrizes para a organização e o funcionamento das Comissões. Portanto, a CTPN encaminha ao DSST a proposta de regimento interno para as CTPR NR-32, para orientar a organização e funcionamento das mesmas. DO OBJETIVO COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE REGIONAL DA NR-32 REGIMENTO INTERNO Art. 1º - A Comissão Tripartite Permanente Regional da NR-32, doravante denominada CTPR NR-32, instituída pela Portaria MTE n. 485, de 11 de novembro de 2005, item da NR-32, tem por objetivo acompanhar a implementação da Norma Regulamentadora n.º 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde, subsidiando a Comissão Tripartite Permanente Nacional da NR-32. DOS PRINCÍPIOS Art. 2º A CTPR NR-32 deve pautar-se pelos princípios: I. da legalidade, eqüidade, legitimidade, efetividade e eficácia; II. do compromisso ético adequado ao trato da coisa pública; III. da busca do consenso, valorizando a atuação comprometida com interesses coletivos; IV. da transparência, facilitando a participação e o acesso equitativo ao processo; V. das boas práticas, visando ampliar a eficácia e eficiência do Estado no cumprimento dos seus objetivos. DA COMPETÊNCIA Art. 3º - Compete à CTPR NR-32: I. encaminhar subsídios para CTPN NR-32 objetivando a elaboração e divulgação de instrumentos e materiais consultivos que contribuam para a implantação do disposto na NR-32; II. incentivar a realização de estudos e debates visando o aprimoramento permanente da legislação; III. avaliar distorções ou efeitos não previstos ou não pretendidos pela regulamentação;

6 IV. sugerir, quando necessário e ouvida a Comissão Tripartite Permanente Nacional, a criação de grupos de trabalho e subcomissões; V. encaminhar contribuições para a CTPN NR-32 para a melhoria e aperfeiçoamento da regulamentação. DA COMPOSIÇÃO Art. 4º - A CTPR NR-32 será composta por: a) 5 (cinco) membros representantes do Governo, dos quais, 3 (três) pertencentes ao Ministério do Trabalho e Emprego, sendo 2 (dois) indicados pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) e 1 (um) indicado pelo Diretor da unidade regional da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho - FUNDACENTRO e 2 (dois) pertencentes à Secretaria de Estado da Saúde, sendo 1 (um) da Vigilância Sanitária Estadual, indicados pelo Secretário de Estado da Saúde. b) 5 (cinco) membros representantes dos empregadores indicados pelas entidades que compõem a c) 5 (cinco) membros representantes dos trabalhadores, indicados pelas entidades que compõem a Parágrafo primeiro - A coordenação da CTPR NR-32 será indicada pela SRTE dentre os membros da Bancada de Governo. Parágrafo segundo - As bancadas dos trabalhadores e dos empregadores deverão indicar seus respectivos coordenadores dentre seus membros. Parágrafo terceiro - Cada bancada poderá convidar para as reuniões até 02 (dois) assessores técnicos. DO FUNCIONAMENTO Art. 5º - As deliberações da CTPR NR-32 serão tomadas sempre buscando a construção do consenso entre seus membros, cabendo à CTPN NR-32 decidir sobre questões que permanecerem controversas. Art. 6º - As reuniões ordinárias devem ser realizadas conforme calendário a ser elaborado pelos membros da Comissão. Art. 7º - As reuniões extraordinárias devem ser propostas ao Coordenador da CTPR, que analisará a demanda. Art. 8º - O quorum para a abertura das reuniões ordinárias ou extraordinárias da CTPR NR-32 será de 2/5 (dois quintos) dos membros de cada bancada. Art. 9º - Todos os membros da CTPR NR-32 tem direito a voz e voto em igualdade de condições. Parágrafo único - Os assessores podem fazer uso da palavra, desde que de comum acordo entre os membros da CTPR NR-32, sem direito a voto. Art São direitos e deveres dos membros da CTPR NR-32: a) participar das reuniões da Comissão, discutir e deliberar sobre quaisquer assuntos constantes de pauta; b) cumprir e zelar pelo cumprimento dos objetivos e atribuições da CTPR NR-32; c) participar da elaboração da pauta das reuniões da CTPR NR-32, mediante envio de sugestões ao Coordenador, de quaisquer assuntos relacionados com a implantação, implementação e adequação da Norma; d) deliberar sobre proposta do Regimento Interno ou de sua alteração; e e) registrar em ata as ausências justificadas ou não de quaisquer dos membros de sua respectiva bancada às reuniões da Comissão. Art O não comparecimento injustificado de qualquer membro da CTPR NR-32 a 2 (duas) reuniões consecutivas ou 3 (três) não consecutivas, sejam ordinárias ou extraordinárias, implica na sua substituição, ouvida a respectiva coordenação de bancada. A solicitação deve ser feita pelo Coordenador da CTPR à instituição representada, que deve efetuar nova indicação em sessenta dias. Parágrafo único - As justificativas de ausência devem ser feitas por escrito à coordenação de bancada, que as comunicará à Coordenação da CTPR NR-32.

7 DAS ATRIBUIÇÕES Art Cabe ao Coordenador da CTPR NR-32: I. coordenar as reuniões e acompanhar a execução do planejamento da Comissão, bem como das subcomissões e grupos de trabalho, quando houver; II. observar o cumprimento das atribuições da CTPR NR-32; III. convocar as reuniões ordinárias e extraordinárias da Comissão, assim como das subcomissões e grupos de trabalho; IV. elaborar a pauta e as atas das reuniões, encaminhando-as à CTPN NR-32; V. submeter a proposta de Regimento Interno ou de suas alterações à aprovação pela CTPN NR-32; VI. encaminhar à CTPN NR-32 o plano de trabalho anual da comissão, bem como das subcomissões e grupos de trabalho, quando houver; e VII. solicitar a SRTE apoio técnico e administrativo necessário ao funcionamento da Comissão. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art As propostas de Regimento Interno ou de suas alterações devem ser deliberadas em reuniões ordinárias, desde que haja item específico na pauta. Parágrafo único - As solicitações de alterações no Regimento Interno da CTPR NR-32 devem ser encaminhadas por escrito ao Coordenador da CTPR NR-32, com antecedência mínima de 20 (vinte) dias, a fim de que sejam repassadas aos demais membros. Art A participação dos membros da CTPR NR-32 é considerada atividade relevante e não remunerada, cabendo a cada instituição custear as despesas decorrentes. Art Este Regimento Interno entra em vigor na data de sua aprovação pela CTPN NR Mauro Daffre (CNI) solicitou que a CTPN NR-32 informasse se os materiais perfurocortantes com dispositivos de segurança devem ser considerados como equipamento de proteção individual - EPI. Os membros da CTPN NR-32 deliberaram que as características dos dispositivos de segurança dos materiais perfurocortantes não atendem aos critérios técnicos e legais para enquadramento como equipamento de proteção individual - EPI.

ATA DA 22ª REUNIÃO 29 A 30/05/2012 COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR 32

ATA DA 22ª REUNIÃO 29 A 30/05/2012 COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR 32 ATA DA 22ª REUNIÃO 29 A 30/05/2012 COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE NACIONAL DA NR 32 Aos vinte e nove, trinta e trinta e um dias do mês de maio de dois mil e doze, reuniram se os membros da CTPN da NR 32,

Leia mais

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES FEFISO Faculdade de Educação Física da ACM de Sorocaba - Comissão Própria de Avaliação CPA REGULAMENTO INTERNO Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente Regulamento contém as disposições

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE

REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO DOCONSELHO CONSULTIVO DO OBSERVATÓRIO DE ANÁLISE POLÍTICA EM SAÚDE TÍTULO I Disposições Gerais Da Composição e da Finalidade Art.1º O Conselho Consultivo é um órgão colegiado de assessoramento

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 128, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011. Dispõe sobre a instituição e definição das atribuições do Comitê de Extensão Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. O Presidente do DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º O presente regulamento interno disciplina a organização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24

RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E , p. 24 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO Nº 1.295/2017 Publicada no D.O.E. 16-08-2017, p. 24 Aprova a criação do Comitê Institucional de Pós-Graduação (CIPÓS) da

Leia mais

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde AGENCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 115, DE 3 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprova o Regimento Interno da Câmara de Saúde Suplementar CSS. A Diretoria Colegiada

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regimento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições da Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO BRASIL Os coordenadores das câmaras especializadas de Engenharia de Segurança do

MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO BRASIL Os coordenadores das câmaras especializadas de Engenharia de Segurança do MARCO REGULATÓRIO DA ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO BRASIL Os coordenadores das câmaras especializadas de Engenharia de Segurança do trabalho, dos CREAs, em conjunto com lideranças da ANEST e SOBES,

Leia mais

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA Nº 416, DE 22 DE JANEIRO DE 2014 Institui o Grupo Especial de Fiscalização do Trabalho em Transportes - GETRAC. O SECRETÁRIO DE INSPEÇÃO DO TRABALHO, no uso

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 SUMÁRIO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DOS CURSOS 2 CAPÍTULO I 2 DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS 2 CAPITULO II 2 DO COLEGIADO DOS CURSOS 2 CAPITULO III 3 MANDATOS DO COLEGIADO DO CURSO 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011.

RESOLUÇÃO/SED n , de 8 de dezembro de 2011. RESOLUÇÃO/SED n. 2.491, de 8 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o Projeto de Implementação das Salas de Tecnologias Educacionais - STEs e a utilização das diversas tecnologias midiáticas nas unidades escola

Leia mais

Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP), destacando que a parte técnica dos Anexos VI e VII foi aprovada por consenso entre as bancadas, com

Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP), destacando que a parte técnica dos Anexos VI e VII foi aprovada por consenso entre as bancadas, com RELAÇÕES DO TRABALHO Órgão Ministério do Trabalho (MT) Representação Efetiva Comissão Nacional Tripartite Temática - NR 12 (Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos) Representante Titular Marcio

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015.

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. Altera o Regimento Interno da Comissão Especial de Acompanhamento e Fiscalização dos Programas de Bolsas da Secretaria de Estado da Educação de Santa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR 1 CAPÍTULO I Objetivos e Forma de Atuação Art. 1º O Fórum Permanente em Defesa do Empreendedor, constituído por entidades da sociedade civil

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Ética em Pesquisa da UERJ/COEP. Deliberação n 026/2003, do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Regimento Interno da Comissão de Ética em Pesquisa da UERJ/COEP. Deliberação n 026/2003, do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão, Regimento Interno da Comissão de Ética em Pesquisa da UERJ/COEP Das Finalidades: Art. 1 - A Comissão de Ética em Pesquisa da UERJ/COEP, instituída pela Deliberação n 026/2003, do Conselho Superior de Ensino,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE FINANÇAS I DEFINIÇÃO Este Regimento Interno, organizado em conformidade com o Estatuto Social da Ser Educacional S.A. ( Companhia ), estabelece procedimentos a serem observados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail -

REGIMENTO INTERNO. Casa dos Conselhos Rua Três de Maio, nº 1060 Pelotas,RS Telefone (53) E- mail - REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Capitulo I - DA CONSTITUIÇÃO E SEDE: Art.1- O Fórum dos Conselhos Municipais de Pelotas, adiante designado apenas Fórum, foi criado em 1995 a partir de um trabalho de

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

LEI Nº /09/2001

LEI Nº /09/2001 LEI Nº 13.174 05/09/2001 Art 1º IMPLANTAÇÃO DA CIPA Todas as unidades das diversas secretarias; Autarquias; 20(vinte) trabalhadores (as) Art. 3º NR 5 Portaria 3.214/78 Lei 6.514/78 MTE Art 2º ESTABILIDADE

Leia mais

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV)

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV) COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO (CV) CAPÍTULO I DA FINALIDADE DA CV - Art. 1º - A CV -, tem por finalidade: Adotar uma política institucional de atenção aos usuários

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO

Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO Universidade Federal de São Paulo Comissão de Capacitação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação REGIMENTO INTERNO 2012 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º - A Comissão de Capacitação dos Servidores

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA-UNILA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regimento disciplina

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAÇOIABA DA SERRA DECRETO Nº. 1491, DE 10 DE JANEIRO DE 2013. Institui a Mesa Permanente de Negociação com os Servidores Municipais - MESA e dá outras providências.. MARA LÚCIA FERREIRA DE MELO, Prefeita Municipal da Cidade

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES

ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES 314 ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES 315 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS - NAID CAPÍTULO I DO OBJETIVO E SUAS FINALIDADES Art. 1º Mediante a diversidade

Leia mais

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo

Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo Estatuto da Frente Parlamentar do Cooperativismo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Art. 1º. A Frente Parlamentar do Cooperativismo, Frencoop, é uma entidade civil, de interesse

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA Versão 1 BARRETOS-SP 1 ÍNDICE REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA/FACISB 3 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 TÍTULO II DA NATUREZA E

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO

CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DA EPPEN UNIFESP/CAMPUS OSASCO REGIMENTO INTERNO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º A Câmara de Pós-Graduação e Pesquisa (CmPOS) da Escola Paulista de Política, Economia

Leia mais

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE 2015. Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. JOSÉ CARLOS SILVA PINTO, Prefeito do Município de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV

REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV REGIMENTO INTERNO DO CPE/EPSJV Das Finalidades Art. 1º. O Conselho de Política Editorial (CPE) da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), instituído pela

Leia mais

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA

Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão GRUPO NEOENERGIA Minuta de 18.04.2004 Regimento do Comitê de Remuneração e Sucessão do GRUPO NEOENERGIA, o qual é constituído pela NEOENERGIA S.A. e por suas

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE USUÁRIOS SAÚDE CAIXA CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE USUÁRIOS SAÚDE CAIXA CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Anexo I do Acordo Coletivo de Trabalho, Aditivo à CCT Convenção Coletiva de Trabalho 2007/2008 Celebrado entre a CAIXA e a CONTRAF/CUT Conforme Cláusula 23, parágrafo 14 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE

Leia mais

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO

COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO Aprovado na Reunião do Conselho de Administração realizada em 8 de maio de 2015 COMITÊ DE RECURSOS HUMANOS REGIMENTO INTERNO 1. Regimento. O presente Regimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Regimento Interno da Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, criada pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro

Leia mais

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA

Regimento do Comitê Financeiro. Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro Grupo NEOENERGIA Regimento do Comitê Financeiro do Grupo NEOENERGIA constituído por decisão do Conselho de Administração da NEOENERGIA S.A O presente Regimento foi aprovado

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE PORTO ALEGRE REGULAMENTO ELEITORAL DO NUCLEO DE COORDENAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE PORTO ALEGRE REGULAMENTO ELEITORAL DO NUCLEO DE COORDENAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE PORTO ALEGRE REGULAMENTO ELEITORAL DO NUCLEO DE COORDENAÇÃO Art. 1º - O Regulamento Eleitoral trata das eleições para o Núcleo de Coordenação do Conselho Municipal de Saúde

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO I - DISPOSIÇÃO PRELIMINAR REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL RECKITTPREV RECKITT BENCKISER SOCIEDADE PREVIDENCIÁRIA CAPÍTULO DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Este Regimento Interno do Conselho Fiscal da RECKITTPREV ( Regimento )

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO FINANCEIRO E DE RELACIONAMENTO COM INVESTIDORES 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário Financeiro e de Relacionamento com Investidores ( Comitê ) é um

Leia mais

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002

MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ. Criada pela Lei nº , de 24 de abril de 2002 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 MIINIISTÉRIIO DA EDUCAÇÃO UNIIVERSIIDADE FEDERAL DE IITAJUBÁ REGIMENTO DO CONSELHO CURADOR PREÂMBULO

Leia mais

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica.

II docentes e pesquisadores na área específica, que utilizam animais no ensino ou pesquisa científica. CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL RESOLUÇÃO NORMATIVA CONCEA No 1, DE 9 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre a instalação e o funcionamento das Comissões de Ética no Uso de Animais (CEUAs).

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE, anexo a esta Resolução. RESOLUÇÃO N o 043, de 15 de outubro de 2012. Aprova Regimento Interno do Departamento de Engenharia Química e Estatística DEQUE. A PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016 Dispõe sobre a Criação, Instalação e Regulamentação do Centro de Psicologia Aplicada, que substitui e amplia as funções da Clínica de Psicologia do Departamento de Psicologia

Leia mais

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE REGULAMENTO CAPÍTULO I Das

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO

1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO 1ª CCA RV 1ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE RIO VERDE - GO Com fundamento no artigo 65 do Regimento Interno, procede-se à quinta alteração do Regimento Interno, tomando-se as seguintes deliberações:

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

NR-32 A ATUALIDADE DA IMPLANTAÇÃO

NR-32 A ATUALIDADE DA IMPLANTAÇÃO NR-32 A ATUALIDADE DA IMPLANTAÇÃO Mario Hélio Souza Ramos Representante da Bancada Patronal Confederação Nacional das Instituições Financeiras CTPN - NR-32 Componentes da CTPN NR -32 I. Representantes

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno

NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno NÚCLEO ESTADUAL DE REGULAMENTAÇÃO DA ANS Regimento Interno 1. DAS ATRIBUIÇÕES 1.1. O Núcleo Estadual de Regulamentação da ANS tem por atribuições: a) padronizar ações, modelos e processos que envolvam

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE

REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA 11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE CURITIBA REGULAMENTO CONFERÊNCIA DISTRITAL DE SAÚDE Curitiba / 2011 APROVADO NA 5ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS)

USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) USINA HIDRELÉTRICA SINOP (UHE SINOP) PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) Regimento do Fórum de Acompanhamento Social (FAS) SETEMBRO DE 2014 Sumário Apresentação... 3 Regimento... 4 Capítulo I - Da Denominação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010

REGIMENTO INTERNO F A C T E. Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação. Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 REGIMENTO INTERNO Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação F A C T E Para aprovação em reunião a ser realizada em: 06/05/2010 Araraquara-SP 1 A Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Objetivo A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE REMUNERAÇÃO Capítulo I - Objeto Art. 1º O presente Regimento Interno disciplina o funcionamento do Comitê de Remuneração, observadas as disposições do Estatuto Social, as

Leia mais

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA

Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Anexo I REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA Artigo 1 : O Comitê de Gestão de Pessoas e Governança Corporativa ( Comitê ) é um órgão de apoio ao Conselho de Administração

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Matemática Curso de Bacharelado em Estatística RESOLUÇÃO N o 01/2011, DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ESTATÍSTICA Regulamenta a composição, as competências

Leia mais

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador.

Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Regimento Interno do Conselho Técnico de Vela CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º - O Conselho Técnico de Vela é de caráter consultivo, normativo e fiscalizador. Art. 2º - O Conselho Técnico

Leia mais

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE

FACULDADE PRESBITERIANA MACKENZIE RIO MANTIDA PELO INSTITUTO PRESBITERIANO MACKENZIE Regulamento Comissão Local de Acompanhamento e Controle Social do Programa Universidade Para Todos REGULAMENTO DA COMISSÃO LOCAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC O Trabalho de Conclusão de Curso está estruturado sob a forma de elaboração de artigo científico, sendo este resultado de um trabalho integrado entre as disciplinas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI DIAMANTINA MINAS GERAIS CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO INTERNO DOS NÚCLEOS DAS ÁREAS DE CONHECIMENTO DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº 2555 - Cabula REGIMENTO DO COMITÊ INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS APROVADO EM RCA DE 27/07/2016 CAPÍTULO I DO COMITÊ DE GESTÃO DE PESSOAS Art. 1º. O Comitê de Gestão de Pessoas ( Comitê ) é um órgão não estatutário, subordinado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus.

Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. Programa de Iniciação Científica da Faculdade Processus. CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Iniciação Científica PIC da Faculdade Processus, constitui-se em um conjunto de ações destinadas a propiciar

Leia mais

FACULDADE SANTA MARIA DA GLÓRIA - SMG REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA

FACULDADE SANTA MARIA DA GLÓRIA - SMG REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE SANTA MARIA DA GLÓRIA - SMG REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA Maringá 01/2017 1 REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA CAPÍTULO I Da Comissão Própria de Avaliação CPA Concepção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS.

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. Art. 1 - O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher CMDM de Rio do Sul, criado através

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais