REPRESENT(AÇÕES) LITERÁRIAS EM A ESCRAVA, DE MARIA FIRMINA DOS REIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPRESENT(AÇÕES) LITERÁRIAS EM A ESCRAVA, DE MARIA FIRMINA DOS REIS"

Transcrição

1 REPRESENT(AÇÕES) LITERÁRIAS EM A ESCRAVA, DE MARIA FIRMINA DOS REIS Elizângela Fernandes Barbosa 1 RESUMO: o artigo tem como ponto de partida o conto A escrava, publicado na revista Maranhense (1887:1, nº3), de Maria Firmina dos Reis, escritora negra, criadora de uma literatura engajada no auge da campanha abolicionista 2. A investigação se concentra no modo que a narração possibilita a discussão da alteridade e, simultaneamente, a denúncia da condição crítica do escravo e da mulher. A figura da louca e sua ligação com a autoria feminina, a luta por autonomia e resistência criativa à dominante sociedade patriarcal brasileira do século XIX, em busca de novos papéis e expectativas sociais, é uma questão que deve ser também considerada neste trabalho. PALAVRAS-CHAVE: alteridade, denúncia, autoria ABSTRACT: the article has as its starting point the short story The Slave, published in Maranhão (1887:1, nº3), by Maria dos Reis Firmina dos Reis, black writer, a creator of literature engaged at the height of the abolitionist campaign. The investigation focuses on the story so that it enables discussion of otherness and, simultaneously, the denunciation of the critical condition of the slave and the woman. The figure of the crazy and its link to female authorship, the struggle for autonomy and creative resistance to the dominant patriarchal Brazilian society of the nineteenth century in search of new roles and social expectations is a question that must also be considered in this work. KEY- WORDS: otherness, denunciation, authorship 1 Mestranda Universidade Estadual de Montes Claros. Participação no Evento com apoio financeiro da Fapemig. 2 A esse respeito, leia-se p.274, de Eduardo de Assis Duarte, Maria Firmina dos Reis e os Primórdios da Ficção Afro-Brasileira, artigo apresentado como posfácio na Edição comemorativa dos 150 anos da 1 0 edição.

2 Conhecer a arte literária de Maria Firmina dos Reis e a sua trajetória intelectual enquanto cidadã colaboradora e participante ativa na sociedade, com publicações em jornais, poemas, cantos, hinos e romance e seu empenho no ensino público oficial é surpreender-se com a determinação e o espírito combativo de uma mulher do século XIX, no qual revela que sensibilidade pode ser sinônimo de força e luta, e literatura, ação. Traduzem essas vozes, dentre outros seus trabalhos, o conto A Escrava, publicado no auge da campanha abolicionista na Revista Maranhense 2 (1887:1. nº.3), onde a autora tem como caminho para dar o seu recado: denunciar as injustiças da escravidão, bem como alertar a humanidade da condição subumana e opressiva do negro no Brasil. Ainda nesta perspectiva, apontar o lugar obscuro que cercava a mulher no mundo político cultural. Pautada no ponto de vista do Outro, Maria Firmina reproduz a busca de um espaço onde as experiências narrativas oscilam entre o sentimento de alteridade e denúncia da autoridade legitimadora da escravidão. Elaborado com narrativas que se encaixam, a autora constrói o conto tendo como figura principal, a escrava Joana e o seu drama, narrado por uma personagem intitulada apenas de uma mulher. Nota-se que o anonimato para aquela que expõe os fatos, registra-se no texto literário, junto à denúncia da escravidão, o silenciamento das mulheres, uma vez que aquelas que ousaram o mundo das letras no período irromperam, inicialmente, pelo pseudônimo. Testando a significação e ressignificação da forma vaga, imprecisa e indefinida do artigo, a autora em um plano dual dá voz a todas as mulheres e ao mesmo tempo revela o apagamento da mulher na literatura e na luta pelos direitos políticos e sociais. O fio condutor da narrativa acontece em um salão com pessoas distintas e bem colocadas na sociedade (REIS, p. 241) que depois de discutirem diversos assuntos trazem em pauta a questão da servidão. É dentre esta conversação que surge uma senhora com um discurso abolicionista, no qual emerge um apelo à moral cívica e religiosa dos ouvintes, a fim de combater, o que em suas palavras, era o cancro, o abutre da sociedade, que era a escravidão. E em um período em que a igreja católica apoiava a escravidão negra, a autora traz imagens da religiosidade como recurso argumentativo na busca da compreensão e adesão dos leitores, conforme se vê:

3 Levantai os olhos ao Gólgota, ou percorrei-os em torno da sociedade e dizei-me: Para que se deu em sacrifício, o Homem Deus, que ali exaltou seu derradeiro alento? Ah! Então não é verdade que seu sangue era o resgate do homem! É então mentira abominável ter esse sangue comprado a liberdade!? (REIS, p.242) A igualdade e fraternidade entre os homens anunciada pelos preceitos religiosos entram em choque com a opressão dos escravos, que não são vistos como semelhantes. A mestiçagem e o hibridismo do brasileiro no cenário cultural e ideológico são destacados, quando aos distintos presentes da sociedade, afirma: Embalde procurará um dentre nós, convencer ao estrangeiro que em suas veias não gira uma só gota de sangue escravo.... (REIS, 2009.p.242) Neste jogo de reflexão questiona o papel que os dominadores representam na opinião social. E para exemplificar, a senhora se propõe a narrar um fato, no qual expõe o seu discurso antiescravista. Neste ponto, encaixa-se a segunda narrativa que se inicia em um tom contemplativo de uma tarde de agosto, bela como um ideal de mulher, poética como sons longínquos de um alaúde misterioso (REIS, 2009.p.243) cortada pelos gritos lastimosos e angustiantes de uma mulher trêmula e apavorada que corria para ocultar-se em uma grande moita de murta, pois era perseguida por um homem de cor parda, de estatura elevada, longas espáduas, cabelos negros, e anelados (REIS, 2009.p. 244). Tal situação empreende um movimento irônico a respeito da posição do pardo algoz na sociedade escravocrata que se descaracterizava para comprometer-se na desumanidade. Este, com fisionomia sinistra, brandia, brutalmente, na mão direita um azorrague repugnante; e da esquerda deixava pender uma delgada corda de linho. (REIS, 2009.p. 244). Compondo a imagem da fúria, de acordo mostra a citação, o feitor na busca pela escrava pergunta à senhora se não vira passar uma negra que se finge de douda. (REIS, 2009.p. 244). Indignada e sabendo onde se encontrava a que fugia, mas aparentando profunda indiferença, a narradora o direciona para posição contrária a que a negra havia tomado, para depois encontrá-la e tomá-la como protegida, juntamente com seu filho, Gabriel,

4 que ao sair à procura da mãe tornara-se também um foragido. Ao invocar a imagem do filho, a senhora enfatiza: Era quase uma ofensa ao pudor fixar a vista sobre aquele infeliz cujo corpo seminu mostrava-se coberto de recentes cicatrizes; entretanto sua fisionomia era franca e agradável. O rosto negro e descarnado; suposto seu juvenil aspecto aljofarado de copioso suor, seus membros alquebrados de cansaço, seus olhos rasgados, ora lânguidos pela comoção da angústia que se lhe pintava na fronte (...) (REIS, 2009.p Grifos meus) Como se vê retratado, embora Gabriel tenha aspectos de cansaço e marcas do peso da escravidão, seu rosto negro tem a expressão franca e agradável. Diante disso, o leitor depara-se com um novo olhar para com o negro escravo, um olhar que humaniza o oprimido, ao passo que animaliza o opressor. Isso fica evidente quando descreve o feitor: Franziu o sobrolho, e sua fisionomia traiu a cólera que o assaltou. Mordeu os beiços e rugiu: Maldita negra!. (REIS, 2009.p.245. Grifos meus) É importante salientar que o discurso de Maria Firmina configura-se na fala das personagens e no interdiscurso da tessitura narrativa onde tem a sua voz política, onde se concentra na condição do negro escravizado e, ao mesmo tempo, rompe com os padrões de silenciamento das mulheres. Sendo assim, a senhora, uma mulher e a escrava, são incógnitas que deixam aos leitores conhecer as vítimas de um sistema patriarcal, elitista e falocêntrico que se pautavam em categorias de etnicidade (cor, raça e religião) e de gênero. Desta forma, ao examinar a escrita de Maria Firmina dos Reis, observa-se o uso da linguagem como um instrumento, uma ação de poder que revela as suas convicções políticas. Vale destacar que esse encontro da literatura e o engajamento de prática política e partidária em Reis convivem de forma harmoniosa, uma vez que a plurissignificação e o intenso dinamismo das palavras são envolvidos em um processo de recriação que possibilitam um espaço para novas relações de sentido. A atuação na cena pública (literária, política e social) da autora

5 predispõe para um engajamento que no espaço literário pode ser entendido como uma Reflexão do escritor sobre as relações que trava a literatura com a política (e com a sociedade em geral) e sobre os meios específicos dos quais ele dispõe para inscrever a política na sua obra, e o autor desejaria, através de sua obra participar plenamente e diretamente no processo revolucionário. (DENIS, Benôit apud Thana Mara de Souza, 2008.p.46.) Por conseguinte, em Maria Firmina a ação reflexiva política da sociedade ilustrada no seu texto inscreve a sua obra no processo revolucionário e registra no conto A escrava a sua posição abolicionista na busca pela supressão total e imediata da escravidão. A seriedade ao tratar o tema, tal como se lê em Reis, é assumida em cada entrelinha do conto que ora se reveste de ironia, ora de indignação, para denunciar a hipocrisia das elites condutoras da vida brasileira. Nesse contexto geral, a autora de dentro do seu projeto de humanização evidencia em Gabriel, filho da escrava, os traços de amor filial, daquele que se arrisca aos mais hediondos castigos na tentativa de salvar das mãos do feitor a mãe foragida. Nota-se que esta imagem difere da figura rude, traiçoeira e animalesca divulgada pela imprensa do período. Transpondo os marcos visíveis do seu tempo, Maria Firmina gera em sua narrativa a loucura, este distúrbio da mente que é assumido pela personagem Joana, mãe do Gabriel. Segundo o feitor, esta ao menor descuido foge. Quer fazer acreditar que é douda. (REIS, 2009.p.245) E quando a procura pergunta: Não viu por aqui passar uma negra, que me fugiu das mãos ainda pouco? Uma negra que se finge douda... (REIS, 2009.p.244). Neste viés da literatura encontra-se a experiência da loucura como um subterfúgio que converte loucura em ruptura com o papel repressivo da escravidão. De modo que, esta deixa de ser a desrazão, a fala despropositada, imprudente ou insensata para executar uma executar uma

6 consciência de resistência e liberdade, alterando a sua condição de cativa e sua representação no mundo. Nesse sentido, pode-se incluir a metáfora da louca para a relação de autoria feminina que se estabelece em Maria Firmina dos Reis. Uma vez que, contrariando a conformidade tradicional do Brasil oitocentista na limitação das mulheres no mundo das letras, esta, com sua insanidade, transportam-nas ao cultivo da escrita, dando-lhes voz e liberdade para aventurar-se na literatura, criando assim uma nova condição para a mulher e para a escritora na sociedade. Consequentemente, essa ação desestabiliza a ordem cultural patriarcal permitindo uma concepção edificante do negro escravo e da mulher, aos olhos do leitor. Significante notar que o próprio ato da escrita imbuída de imaginação, no qual se lança a autora, carrega em si uma correlação com a loucura. Para Michael Foucault (apud Augusto Bach, 2010.p.142) por trás de todo escritor esconde-se a sombra de um louco que o sustenta e o domina e o recobre. Deste modo, a loucura em Maria Firmina dos Reis está á serviço da liberdade de um jugo da escravidão e da inserção da mulher na arte da escrita. Impregnado de intenção, o texto resulta em ação de formar e mudar consciências. No conto, sabendo-se à margem da lei por proteger dois escravos foragidos, a senhora impunha a si o que chamava de santo dever e recriminava a lei que garantia ao forte o direito abusivo, e execrando de oprimir o fraco (REIS, 2009.p.251), pois já havia se constituído como membro da sociedade abolicionista de sua província. Conferindo ao negro o direito à voz e a de falar de si mesmo, Joana, a escrava, relata a sua estória. Esta sob lágrimas, voz fraca e lastimosa relata a terceira narrativa que compõe o drama: Minha mãe era escrava, meu pai de raça índia; mas eu de cor fusca. Era livre, minha mãe era escrava. (REIS, 2009.p.251) Desta união ela procedia. O pai livre consumia os seus dias ajudando a mãe escrava a cumprir suas obrigações e após o nascimento da filha, este consegue fundos comprando para Joana a sua liberdade. Sem saber ler, o pai é ludibriado e recebe do senhor um papel do qual nada constava como documento. E desconhecendo a cilada, narra Joana: agradecido beijou as mãos daquela fera. Abraçou-me, chorou de

7 alegria e guardou a suposta carta de liberdade. (REIS, 2009.p.254) Após morte repentina de seu pai, a mãe descobre o fraude com a seguida a ordem do senhor: Joana que vá para o serviço, tem já sete anos, e eu não admito escrava vadia. (REIS, 2009.p.255) Com tal descoberta relata: Minha pobre mãe deu um grito, e caiu estrebuchando. Sobreveio-lhe febre ardente, delírios, e três dias depois estava com Deus. Fiquei só no mundo, entregue ao rigor do cativeiro. (REIS, 2009.p.255) Assim, vítima da desonestidade, Joana se vê nas mãos do carrasco. Para mais tarde achar-se na dor de ver suas crianças gêmeas, de oito anos, Carlos e Urbano, serem vendidas para o Rio de Janeiro. Neste ponto, ajusta-se a quarta narrativa em que a autora denuncia a atividade do tráfico humano. Joana vendo o feitor e o traficante corre para os seus filhos, mas é repelida com brutalidade e estes são arrastados para o cativeiro. Após o relato, entre angústia e rancor, a escrava silenciou-se, morrendo em seguida. A mulher que ouvia atentamente observa: tinha cessado de sofrer. O embate tinha sido forte demais para as suas débeis forças. (REIS, 2009.p.258). Neste instante, chega à porta o feitor, que, segundo ela, em presença da morte: teve um impulso de homem: mas, recompondo-se de pronto na rude, e feroz fisionomia. (REIS, 2009.p.258). No entanto, é dispensado pela senhora como miserável instrumento de um escravocrata (REIS, 2009.p.258). No dia seguinte, esta recebe em sua casa, o senhor Tavares, o dono dos escravos que ao deparar-se com o cadáver da negra, esclarece: Esta negra era alguma coisa de monomaníaca, de tudo tinha medo, andava sempre foragida, nisto consumiu a sua existência. Morreu, não lamento a perda; já para nada prestava. (REIS, 2009.p.258). Neste segmento fica assinalado a insensibilidade e o caráter violento do senhor em coisificar o negro escravo, reduzindo-o puramente à materialidade de seu cruel interesse. Decorrido a sua observação, este requerer que Gabriel lhe fosse entregue, pois como seu legítimo senhor, queria corrigi-lo. A senhora que amparava Gabriel em sua residência, de posse de um volume de papéis subscritados e completamente selados, (REIS, 2009.p.261) que conferia o direito à liberdade dos escravos, apresenta-os ao solicitante.

8 Após a leitura dos documentos, o senhor Tavares, contrariado, observa: A lei retrogradou. Hoje protege-se escandalosamente o escravo, contra o seu senhor, (REIS, 2009.p.261) e furioso presencia a senhora lhe proporcionar a visão de um cadáver, produto da tirania de senhores e um homem livre, que escapou dos ferros da escravidão. E de forma entusiástica, a senhora afirma: Gabriel ergue a fronte, Gabriel és livre! (REIS, 2009.p.262). Dignidade, liberdade e combate se entrelaçam. Não apenas Gabriel está livre neste momento, mas também o leitor que passou por um processo de ressignificação ideológica para celebrar e transmitir os valores abolicionistas. A alteridade envolvente que Maria Firmina vivifica através da literatura consolida o encontro com a angústia e a mortificação do Outro, negro escravo, e do Outro, mulher silenciada. No conto, ambos rompem com as velhas formulações tornando possível articular uma nova realidade no século XIX. Como bem lembra Michèle Ansart-Dourlen (2009.p.23) O Outro é passível de alterar a vida psíquica do indivíduo e a apreensão que tem de si mesmo. Em suma, o conto A escrava se abre para o mundo e para suas representações, permitindo o enfrentamento de todas as barreiras. Suas situações múltiplas engendram uma concepção de vida que reduz diferenças e amplia a liberdade. Fatos que reafirmam a importância de Maria Firmina dos Reis no cenário brasileiro literário do século XIX.

9 Bibliografia BACH, Augusto. Foucault e a Literatura (Arqueologia da Loucura e Escrita Literária). Dissertação, UFPel [31, 2010] DOURLEN, Michèle Ansart. A noção de Alteridade. In: NAXARA, M.: MARSON, L; BREPOHL, M. (org) Figurações do outro. Uberlândia: EdUFU, 2009, p REIS, Maria Firmina. A escrava. In: Maria Firmina dos Reis. Úrsula. Atualização do texto e posfácio de Eduardo de Assis Duarte. Florianópolis. Ed. Mulheres. Belo Horizonte; PUC Minas, SOUZA, Thana Mara de. Sartre e Literatura Engajada: Espelho Crítico e Consciência infeliz. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo

Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Os romancistas da Abolição: discurso abolicionista e representação do escravo nas obras de Bernardo Guimarães e Joaquim Manuel de Macedo Mestrando Marcos Francisco ALVES Orientadora Dra. Maria Amélia Garcia

Leia mais

ANÁLISE PSICO-DECLINAL DA PERSONAGEM PAULO HONÓRIO EM SÃO BERNARDO. Este trabalho terá como enfoque o estudo da trajetória da personagem Paulo Honório

ANÁLISE PSICO-DECLINAL DA PERSONAGEM PAULO HONÓRIO EM SÃO BERNARDO. Este trabalho terá como enfoque o estudo da trajetória da personagem Paulo Honório 1 ANÁLISE PSICO-DECLINAL DA PERSONAGEM PAULO HONÓRIO EM SÃO BERNARDO Dênia Suellen Santos 1 José Augusto dos Santos Filho 2 INTRODUÇÃO Este trabalho terá como enfoque o estudo da trajetória da personagem

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET Marquês de Sade O corno de si mesmo & outras historietas Tradução e notas de Paulo Hecker Filho www.lpm.com.br L&PM POCKET 1 Sumário Abençoada simulação... 5 O rufião punido... 8 Vai assim mesmo... 12

Leia mais

Rio de Janeiro, Agosto de 2013.

Rio de Janeiro, Agosto de 2013. Análise da Política de enfrentamento a violência contra a mulher num município do Rio de Janeiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro - Escola de Serviço Social Dayana Gusmão [Resumo: O combate à violência

Leia mais

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15

PROFESSOR: Daniel. ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO (a): Data da prova: 09/05/15 No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS P1 2 BIMESTRE O Barroco - a arte que predominou

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * Trabalhar a formação cidadã do aluno

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado!

Lucas 7,36 8,3. O amor cura qualquer pecado! Lucas 7,36 8,3 O amor cura qualquer pecado! Certo fariseu convidou Jesus para uma refeição em casa. Jesus entrou na casa do fariseu, e se pôs à mesa. Apareceu então certa mulher, conhecida na cidade como

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Redes Sociais: Combate à discriminação

Redes Sociais: Combate à discriminação Redes Sociais: Combate à discriminação As Redes sociais, o que são? http://www.youtube.com/watch?v=pezclyqnnem&feature=related Twitter 175 milhões de LinkedIn Trabalho 100 milhões de Wayn 10 milhões de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO

ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO ARGUMENTAÇÃO, TEXTUALIDADE E DESIGNAÇÃO NA SEMÂNTICA DO ACONTECIMENTO: OS SENTIDOS NOS DIFERENTES MODOS DE ESCRAVIDÃO Soeli Maria Schreiber da SILVA (UFSCar) xoila@terra.com.br Na pesquisa atual desenvolvida

Leia mais

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO

UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO UM ROCHEDO EM FLOR: REVIVENDO ENOCH SANTIAGO FILHO [1]Fabiana dos Santos O escritor, professor, pesquisador e historiador baiano radicado em Sergipe, Gilfrancisco nos presenteia com mais um de seus trabalhos

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 REFLEXÕES E IMPLICAÇÕES SOBRE O DIREITO À LITERATURA RESUMO

ANAIS 2010 ISSN 1808-3579 REFLEXÕES E IMPLICAÇÕES SOBRE O DIREITO À LITERATURA RESUMO REFLEXÕES E IMPLICAÇÕES SOBRE O DIREITO À LITERATURA Ana Paula Paschoal Pinto Lima (PG- CLCA-UENP/CJ) ana_pplima@hotmail.com Dda. Penha Lucilda de S. Silvestre (Orientadora CLCA-UENP/UNESP) RESUMO O presente

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1

Desde os anos oitenta nos acostumamos a um nome que logo se transformaria. Otavio Henrique Meloni 1 297 UM COLAR DE EXPERIÊNCIAS: O OLHAR COTIDIANO DE MIA COUTO EM O FIO DAS MISSANGAS Otavio Henrique Meloni 1 RESUMO O escritor moçambicano Mia Couto apresenta em O fio das missangas sua vertente mais perspicaz:

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR

Crack: o drama de uma escolha 1. Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR Crack: o drama de uma escolha 1 Isadora Nicastro Schwanke JULIÃO 2 Ana Paula MIRA 3 Universidade Positivo, PR RESUMO Esse trabalho se propõe a explicar o processo de produção da reportagem Crack: o drama

Leia mais

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses!

Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Mensagem aos Nossos Irmãos Estadunidenses! Armindo Abreu Armindo Augusto de Abreu (Especial para o MV-Brasil) Vocês, caros irmãos estadunidenses, estão chocados e aborrecidos com estas imagens? www.armindoabreu.ecn.br

Leia mais

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL

AUTO DE NATAL OUTRO NATAL AUTO DE NATAL OUTRO NATAL Escrito em conjunto com Cristina Papa para montagem pelo curso Técnico Ator 2007/2008 do SENAC Araraquara-SP, sob supervisão do professor Carlos Fonseca. PERSONAGENS: CORO / NARRADORES

Leia mais

1ª Estação Jesus é condenado à morte

1ª Estação Jesus é condenado à morte 1ª Estação Jesus é condenado à morte Jesus foi julgado e condenado. Falou pouco. Já tinha dito tudo. Olhou nos olhos de Pilatos. Abaixou a cabeça para Herodes. Olhou também para o Sumo Sacerdote. O Sinédrio

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo

Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo LITERAFRO - www.letras.ufmg.br/literafro Ancestralidade Bantu na Literatura Afro-brasileira: reflexões sobre o romance Ponciá Vicêncio de Conceição Evaristo * Margarete Aparecida de Oliveira Pedro Henrique

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460.

Historien (Petrolina). ano 5. n. 10. Jan/Jun 2014: 456-460. REIS, João José. Domingos Sodré: um sacerdote africano - Escravidão, Liberdade e Candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Companhia das letras, 2009. Jucimar Cerqueira dos Santos 1 Domingos Sodré:

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES

O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES O FEMINISMO NA OBRA ANTÍGONA DE SÓFOCLES Renan Figueiredo Menezes Bolsista PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora do Grupo

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

EJA: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Palavras chave: ensino de portugês, EJA, letramento

EJA: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Palavras chave: ensino de portugês, EJA, letramento EJA: O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL Denis Fernandes de Oliveira (UERJ) Rita Carolina Ribeiro Martins (UERJ) Este trabalho se baseia na prática de um Projeto de Pesquisa

Leia mais

Oração 1. Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz!

Oração 1. Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz! Oração 1 Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz! Onde houver ódio, que eu leve o amor; Onde houver ofensa, que eu leve o perdão; Onde houver discórdia, que eu leve a união; Onde houver dúvida,

Leia mais

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1

A ABDUZIDA. CELIORHEIS Página 1 CELIORHEIS Página 1 A Abduzida um romance que pretende trazer algumas mensagens Mensagens estas que estarão ora explícitas ora implícitas, dependendo da ótica do leitor e do contexto em que ela se apresentar.

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

Dia Internacional de Oraç o e Reflex o Contra o Tráfico de Pessoas o mais escravos, mas irm os e irm 8 de fevereiro: Festa de Santa Josefina Bakhita

Dia Internacional de Oraç o e Reflex o Contra o Tráfico de Pessoas o mais escravos, mas irm os e irm 8 de fevereiro: Festa de Santa Josefina Bakhita Dia Internacional de Oração e Reflexão Contra o Tráfico de Pessoas "Não mais escravos, mas irmãos e irmãs" 8 de fevereiro: Festa de Santa Josefina Bakhita Quando ouvimos falar de crianças, homens e mulheres

Leia mais

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE

FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE FEMINIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO: EMBATES DA PROFISSÃO DOCENTE Camila Emanuella Pereira Neves IE/UFMT- camilaemanuella@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. Edson Caetano IE/UFMT caetanoedson@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1. Rosita Da Silva Santos 2.

FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1. Rosita Da Silva Santos 2. FATORES ESTRATÉGICOS NA CONSTRUÇÃO DE TEXTOS: ANÁLISE DAS REDAÇÕES DO VESTIBULAR DA UNIJUÍ 1 Rosita Da Silva Santos 2. 1 Projeto de Pesquisa do Curso de Letras, do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar de

Leia mais

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO

LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO 1 LITERATURA AFRICANA: EM BUSCA DE CAMINHOS PARA A DESCONSTRUÇÃO DO RACISMO Vanuza Oliveira do Carmo (UFS) 1- INTRODUÇÃO Presenciamos atualmente muitas discussões acerca da Lei 10.639 aprovada em janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO

DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO CADAVÉRICO DONNEFAR SKEDAR CADAVÉRICO 3 Edição ELEMENTAL EDITORAÇÃO Copyright 2013 DONNEFAR SKEDAR, CADAVÉRICO 3 EDIÇÃO JANEIRO 2015 CAPA: DONNEFAR SKEDAR FOTO DA CAPA: PETR KRATOCHVIL DIAGRAMAÇÃO E EDIÇÃO:

Leia mais

CORRA, BERNARDO, CORRA!

CORRA, BERNARDO, CORRA! SINOPSE Bernardo precisa sair do prédio onde mora o mais rápido possível, mas o elevador não funciona, e então ele precisa descer as escadas. Como o garoto conhece quase todo mundo no prédio, os moradores

Leia mais

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS

O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS 1 O HÁBITO DE LEITURA DOS UNIVERSITÁRIOS Introdução Raema Almeida Borges (UEPB) Visando observar como está sendo a leitura dos professores em formação, que auxiliarão os novos leitores, a turma de Português

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia PRIMEIRA QUESTÃO A) É importante que o candidato ressalte o fato de que, na ilha, a princípio, tudo é eletivo : cabe aos indivíduos escolher os seus papéis. Esta liberdade da constituição do sujeito deve

Leia mais

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo

PORTUGUÊS LITERATURA. 1) Realismo PORTUGUÊS LITERATURA 1) Realismo 1.1) Introdução: É a denominação genérica da reação aos ideais românticos existentes na segunda metade do século XIX. As profundas transformações ocorridas na sociedade

Leia mais

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República.

A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos. candidatos à Presidência da República. Crátilo: Revista de Estudos Linguísticos e Literários. Patos de Minas: UNIPAM, (3):30 37, 2010 ISSN 1984 0705 A instituição midiática Veja e a produção de sentidos referentes aos sujeitos candidatos à

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES

LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES 700 LETRADOS PARA O CONSUMO: IMAGENS QUE TRADUZEM INTENCIONALIDADES Fabiana Raphaelli Dias Michels 1 RESUMO: Este artigo descreve uma cena recorrente no centro de Porto Alegre. Trata-se de um evento de

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

O ANÃO. Pär Lagerkvist ANTÍGONA

O ANÃO. Pär Lagerkvist ANTÍGONA O ANÃO Pär Lagerkvist ANTÍGONA Tenho vinte e seis polegadas de altura, mas sou perfeitamente constituído e proporcionado, salvo no que respeita à cabeça, que é um pouco grande. Os meus cabelos são ruivos,

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO:

VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO CAMILA FLESSATI RESUMO: VÁRIAS MENINAS: DA EXEMPLARIDADE AO DIÁLOGO RESUMO: CAMILA FLESSATI O presente artigo é fruto do trabalho realizado no grupo de estudos Literatura Infantil/Juvenil e Sociedade da Universidade de São Paulo.

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS:

CONTEÚDO ANUAL 2016 OBJETIVOS GERAIS: CONTEÚDO ANUAL 2016 SEGMENTO: Ensino Fundamental I SÉRIE: 1º ano OBJETIVOS GERAIS: Criar condições para o desenvolvimento integral das crianças, considerando as possibilidades de aprendizagem que apresentam,

Leia mais

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014) 1 Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons Algumas verdades sobre a vida #4 Sobre o pão de cada dia Tiago 5: Tg 5:1-3 (26 de Junho de 2014)

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels

Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels NOTA CRÍTICA Sobre A Sagrada Família: a superação do pensamento especulativo e contemplativo em Marx e Engels Leonardo Dorneles Gonçalves* O contexto da obra A Sagrada Família foi escrita em Bruxelas no

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Departamento de Letras e Artes Especialização em Estudos Literários IDENTIDADE BRASILEIRA NO ROMANTISMO DE CASIMIRO DE ABREU E SOUSÂNDRADE JOÃO BOSCO DA SILVA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Projeto Cultura Solidária

Projeto Cultura Solidária Projeto Cultura Solidária Concurso Literário Antônio Sérgio da Silva Arouca Tema: Vivências e Superação HOMENAGEM PÓSTUMA Nesta primeira edição do concurso pretendemos fazer uma justa homenagem ao médico

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Guerra dos Mundos em São Luís 1

Guerra dos Mundos em São Luís 1 Guerra dos Mundos em São Luís 1 Ana Paula Silva de SOUSA 2 Dara de Sousa SANTOS 3 Silvanir Fernandes da SIVA 4 Polyana AMORIM 5 Universidade Federal do Maranhão, MA RESUMO O documentário Guerra dos Mundos

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP

Verdade? 1. Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP Verdade? 1 Geraldo Augusto Aquino Guimarães 2 Jefferson José Ribeiro de Moura 3 Faculdades Integradas Teresa D Ávila - Lorena, SP RESUMO No trabalho apresentado aqui, tem-se um roteiro, um unitário com

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais