Processo Unificado (PU) Unified Process

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo Unificado (PU) Unified Process"

Transcrição

1 Processo Unificado (PU) Unified Process 10 de junho de 2011 Adonai Canêz One comment Introdução O Processo Unificado (PU) surgiu para realizar o desenvolvimento de software visando a construção de sistemas orientados a objetos. Este modelo de desenvolvimento de software é iterativo e adaptativo, desta forma consegue produzir um sistema de grande porte como se fosse vários pequenos sistemas, o que diminui o risco do projeto. O RUP (Rational Unified Process) surgiu como uma versão melhorada e proprietária do Processo Unificado, foi desenvolvido originalmente pela Rational e posteriormente comprado pela IBM, também irei apresentar alguns detalhes desse processo. Desenvolvimento: Iterativo e Incremental O Processo Unificado consiste na repetição de uma série de ciclos durante o desenvolvimento de um sistema, por isso esse processo é dito como evolucionário. Cada ciclo é concluído com uma versão do produto pronta para distribuição e é subdividido em 4 Fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. Estas Fases por sua vez são subdivididas emiterações e estas passam por cinco Fluxos de trabalho:requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Teste. A figura a seguir mostra um gráfico deste fluxo. Em cada Iteração incrementa se um pouco mais o produto, utilizando as informações que foram obtidas nas iterações anteriores e no feedback dos usuários que já estão utilizando o sistema. No Processo Unificado cada Iteração pode ser considerada um projeto de duração fixa, sendo que cada um destes inclui suas próprias atividades de análise de requisitos, projeto, implementação e testes. O resultado de cada Iteraçãoé um sistema executável, embora ainda incompleto, outra característica é que o resultado de cada iteração produz um sistema com data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 1/6

2 qualidade de produto final, e não um protótipo. Cada uma das Fases se foca numa dos Fluxos de Trabalho, durante a Concepção o foco está na captação derequisitos; na Elaboração o foco é a Análise e Projeto do sistema; na fase de Construção o foco é a Implementação e a fase de Transição é caracterizada pelos Testes e a entrega do produto final aos usuários. Fluxo de Requisitos A análise de requisitos é o primeiro passo de uma iteração, como pode se ver na figura a seguir. Os requisitos do sistema são especificados através da identificação das necessidades de usuários e clientes, estes requisitos são expressos em casos de uso através do modelo de casos de uso. Os casos de uso são representados através da notação UML, onde cada caso de uso é composto pelos diagramas de casos de uso que compõem o sistema. Durante afase de Concepção, os Requisitos mais importantes são identificadas, delimitando o domínio do sistema. Na Fase de Elaboração os Requisitos remanescentes são analisados, permitindo aos desenvolvedores identificar o real tamanho do sistema. Ao final da Fase de Elaboração 80% dos Requisitos do sistema já devem ter sido descritos, porem apenas 5% ou 10%destes Requisitos terão sido implementados nesta fase. OsRequisitos remanescentes serão identificados e implementados durante a Fase de Construção, na Fase de Transição praticamente não há Requisitos a serem identificados, a menos que ocorram mudanças nos mesmos. Fluxo de Análise A Análise é o segundo elemento do Fluxo de Trabalho de umaiteração, neste Fluxo é construído o Modelo de Análise. data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 2/6

3 O produto gerado no Fluxo de Análise é o Modelo de Análise, este refina os requisitos especificados no Fluxo de Requisitosatravés da construção de diagramas de classes conceituais, permitindo desta forma identificar o funcionamento interno do sistema. É no Modelo de Análise que é gerado o diagrama de interações e o diagrama de gráficos de estados que representam a dinâmica do sistema. Com este conhecimento é mais fácil definir uma arquitetura estável e facilita o entendimento detalhado dos requisitos. É no Modelo de Análise que é dado o primeiro passo para o desenvolvimento do Modelo de Projeto. O Fluxo de Análise tem maior importância durante a Fase de Elaboração. Para realizar essefluxo de Trabalho corretamente é necessário primeiro identificar e detalhar os casos de uso para uma Iteração, e depois, através da análise da descrição de cada caso de uso, sugerir quais classes e relacionamentos são necessários para realizar lo. Fluxo de Projeto O Projeto é o terceiro elemento do Fluxo de Trabalho de umaiteração, neste Fluxo é construído o Modelo de Projeto que é construido com base no Modelo de Análise definido no Fluxo de Análise. data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 3/6

4 No Fluxo de Projeto o sistema é moldado e sua e sua forma é definida de maneira a suprir as necessidades especificadas pelos requisitos. No Fluxo de Análise é gerado o Modelo de Análise que descreve as características comportamentos e estruturais do sistema em um nível conceitual, no Fluxo de Projeto é desenvolvido o Modelo de Projeto que descreve o sistema em um nível físico. A principal função deste Fluxo é obter a compreensão detalhada das requisitos do sistema, levando em consideração fatores como linguagens de programação, SO, tecnologias de banco de dados, interface com o usuário, etc. O trabalho realizado no Fluxo de Projeto é mais concentrado entre o fim da Fase de Elaboração e o início da Fase de Construção, como pode ser observado na figura anterior. Fluxo de Implementação O fluxo de implementação é baseado no produto do Fluxo de Projeto, o Modelo de Projeto; e implementa o sistema em termos de componentes, ou seja: código fonte, arquivos executáveis, etc. Como a maior parte da arquitetura do sistema é definida durante o Fluxo de Projeto, este produz ummodelo de Implementação que se limita a: Planejar as integrações do sistema em cada Iteração. Neste caso, o resultado é um sistema que é implementado como um sucessão de etapas pequenas e gerenciáveis; Implementar os subsistemas encontrados durante o Fluxo de Projeto; testar as implementações e integrá las, compilando as em um ou mais arquivos executáveis, antes de envia las ao Fluxo de Teste. Como pode ser visto na figura a cima o Fluxo de Implementação tem maior importância durante a Fase de Construção, este Fluxo é mais simples de ser realizado devido ao fato das decisões mais difíceis terem sido tomadas durante o Fluxo de Projeto. Por isso o código gerado durante a implementação, deve ser uma simples tradução das decisões de projeto em uma linguagem especifica. Fluxo de Teste O Fluxo de Teste é desenvolvido com base no produto gerado durante o Fluxo de Implementação, ou seja os componentes executáveis são testados para só então ser disponibilizado ao usuário final. Os componentes testados que apresentarem problema data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 4/6

5 retornarão a Fluxos anteriores, onde serão corrigidos. O teste de um sistema, propriamente dito, é realizado primeiramente durante a Fase de Elaboração quando a arquitetura do sistema é definida, e durante a Fase de Construção quando o sistema é implementado. Na Fase de Concepção já deve ser feito um planejamento inicial dos testes. Já na Fase de Transição, o Fluxo de Testes limita se ao conserto de defeitos encontrados durante a utilização inicial do sistema. Na figura a seguir pode se ver o Fluxo de Teste. Durante o Fluxo de Teste é gerado o Modelo de Teste, esse modelo descreve como componentes executáveis, provenientes do Fluxo de Implementação, serão testados. No Modelo de Testes pode vir descrito com os aspectos específicos do sistema serão testados, como por exemplo, se a interface com o usuário é simples e consistente ou se o manual de usuário cumpre o seu objetivo. Resumindo o papel do Fluxo de Teste é verificar se os resultados do Fluxo de Implementação comprem os requisito estipulados por clientes e usuários, para decidir se o sistema necessita de revisões ou se o processo de desenvolvimento pode continuar. Fases do Projeto Um ciclo está dividido em Fases, cada qual podendo ser subdividida em iterações e consequentemente incrementos. São quatro as Fases de compõem o ciclo de vida do Processo Unificado. Fase de Concepção Nesta Fase o objetivo principal é delimitar o escopo do projeto, definindo como o sistema será utilizado por cada usuário, utilizando se da criação dos casos de uso mais relevantes para o projeto. A partir dos dados captados durante essa Fasepoderá ser definido os custos e prazos para a realização do projeto. Nesta Fase é muito importante a identificação dos riscos do projeto, o que poderá evitar o fracasso do mesmo. A maior parte do trabalho da Fase de Concepção está concentrado no Fluxo de Requisitos, porém cada Fluxo de Trabalho possui seu papel dentro desta Fase. Ao final da Fase de Concepção, os objetivos do ciclo de vida do projeto devem ser analisados para se decidir de o desenvolvimento deve prosseguir em plena escala. data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 5/6

6 Fase de Elaboração Na Fase de Elaboração os requisitos remanescentes, que é a maioria são capturados e transformados em casos de uso; a base da arquitetura, que irá guiar os trabalho nas Fases de Construção e Transição, é estabelecida e os detalhes adicionais do projeto são averiguados. Nesta Fase o projeto deve ser estudado de forma ampla sem se preocupar com o aprofundamento de detalhes. O foco é formular uma base para a arquitetura do sistema, e para realizar essa tarefa é necessário estudar a maior parte dos casos de uso do sistema, cerca de 80%. Quando a Fase de Elaboração terminar, já estarão definidos o escopo e os objetivos detalhados so sistema, a escolha da arquitetura e a solução para os principais riscos, desta forma as informações necessárias para a Fase de Construção estarão disponíveis. Fase de Construção O trabalho na Fase de Construção inicia com base na arquitetura executável, que foi definida na Fase de Elaboração, e prossegue através de Iterações e incrementos, com objetivo de desenvolver um produto para operações iniciais no ambiente de usuário, ou seja, a versão beta. Durante a Fase de Construção são detalhados os casos de uso remanescentes e a descrição da arquitetura é modificada quando necessário. OsFluxos de Trabalho prosseguem para preencher os Modelos de Análise, Projeto e Implementação. Enquanto as Fases de Concepção e Elaboração estão ligadas diretamente à modelagem do sistema, a fase de Construção é caracterizada pelo desenvolvimento. Fase de Transição A Fase de Transição tem como objetivo disponibilizar o produto no ambiente operacional do cliente. A partir da avaliação da versão beta do sistema, a equipe de desenvolvimento pode verificar se o sistema realmente cumpre as necessidades do usuário, se possui falhas, problemas e se há ambiquidades na documentação do usuário. É nesta fazer que vai ser identificado se os usuários estão encontrando dificuldades na operação do sistema, caso isso aconteça pode ser adotado um treinamento para os usuários. Nesta Fase procura se por deficiências mínimas que passaram despercebidas pela Fase de Construção e possam corrigidas dentro da arquitetura existente. A conversão de bases de dados antigas para a nova configuração também é responsabilidade da Fase de Transição, sendo que esta Fase termina quando é realizada a entrega do produto ao cliente. data:text/html;charset=utf 8,%3Ch2%20class%3D%22post title%20entry title%22%20style%3d%22margin%3a%200px%200px%200.5em%3b%20paddi 6/6

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

Rational Unified Process (RUP)

Rational Unified Process (RUP) Rational Unified Process (RUP) A Rational é bem conhecida pelo seu investimento em orientação em objetos. A empresa foi à criadora da Unified Modeling Language (UML), assim como de várias ferramentas que

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

PROCESSO RUP. Progessora Lucélia

PROCESSO RUP. Progessora Lucélia PROCESSO RUP Progessora Lucélia RUP É UM PROCESSO: Dirigido por casos de uso (use cases) Centrado na arquitetura Iterativo e incremental COMO FUNCIONA: A arquitetura provê a estrutura para guiar o desenvolvimento

Leia mais

Processos de software

Processos de software Processos de software 1 Processos de software Conjunto coerente de atividades para especificação, projeto, implementação e teste de sistemas de software. 2 Objetivos Introduzir modelos de processos de

Leia mais

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES

Paradigmas da Engenharia de Software AULA PROF. ABRAHAO LOPES Paradigmas da Engenharia de Software AULA 03-04 PROF. ABRAHAO LOPES Introdução O processo de software é visto por uma sequência de atividades que produzem uma variedade de documentos, resultando em um

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Processo Unificado de Desenvolvimento de Software Processo Unificado O que é: Um processo (de engenharia) de software é a definição

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Prof. André Luiz Ribeiro Prof. Jorge Luis Pirolla Introdução à Computação Engenharia de Software Tópicos O que é Engenharia de Software? Engenharia de Software em camadas Processo

Leia mais

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia

Disciplina - Requisitos. Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia Disciplina - Requisitos Grupo Yuni Luiz Eduardo Káthia RUP(Rational Unified Process) 1. Introdução. 2. Introdução a disciplinas no RUP. 3. Requisitos. 4. Gerenciamento de Requisitos. 5. Relação com outras

Leia mais

Engenharia de Software. Processos. Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2. Prof. Luís Fernando Garcia

Engenharia de Software. Processos. Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2. Prof. Luís Fernando Garcia Engenharia de Software Processos Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Processos Um conjunto estruturado de atividades necessárias para o desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Elias Ferreira Elaborador por: Prof. Edison A. M. Morais Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

27) Em relação aos Projetos de Sistemas de Software, assinale a sequência correta de desenvolvimento de um sistema:

27) Em relação aos Projetos de Sistemas de Software, assinale a sequência correta de desenvolvimento de um sistema: Modelos de Ciclo de Vida e Metodologias de Software 33) No SCRUM, uma iteração que segue um ciclo (PDCA) e entrega incremento de software pronto é denominada: A) Backlog. B) Sprint. C) Daily scrum. D)

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS O que é RUP? É um metodologia para gerenciar projetos de desenvolvimento de software que usa a UML como ferramenta para especificação de sistemas. Ele é um modelo de processo híbrido Mistura elementos

Leia mais

Paradigmas de Software

Paradigmas de Software Paradigmas de Software Objetivos Introdução aos paradigmas de software. Descrição de modelos genéricos e sua aplicabilidade. Descrição dos processos de requisitos, desenvolvimento, teste e evolução. Modelo

Leia mais

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sumário PREFÁCIO...3 MODELO DA DOCUMENTAÇÃO...3 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO...3 1.1. Tema...3 2. DESCRIÇÃO

Leia mais

Unidade I MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade I MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade I MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Documentação Conceito básico: nos negócios; na administração; na ciência; na Tecnologia da Informação. Modelagem de processos Importância da

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Riscos Processos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Muitos problemas no desenvolvimento de software provêm de riscos Seriam problemas potenciais que poderão ocorrer em um futuro próximo

Leia mais

CICLO DE VIDA DO SOFTWARE. Nas empresas também é difícil adotar apenas um ciclo de vida, na maioria das vezes possui mais de um.

CICLO DE VIDA DO SOFTWARE. Nas empresas também é difícil adotar apenas um ciclo de vida, na maioria das vezes possui mais de um. Aula 02 CICLO DE VIDA DO SOFTWARE O ciclo de vida de um software é uma estrutura contendo todos os processos e tarefas envolvendo o desenvolvimento e finalização, ou seja, as etapas de operação e manutenção

Leia mais

Qualidade de Software II Testes e Documentação

Qualidade de Software II Testes e Documentação Qualidade de Software II Testes e Documentação Garantir a qualidade de uma aplicação é sempre um desafio, pois há muitas etapas envolvidas na sua construção, desde o levantamento dos requisitos, passando

Leia mais

INE 5417 Engenharia de Software I

INE 5417 Engenharia de Software I INE 5417 Engenharia de Software I Prof a. Patrícia Vilain 2008.2 Conteúdo 1. Introdução 2. Levantamento de Requisitos 3. Análise Orientada a Objetos 4. Projeto Orientado a Objetos 5. UML 6. Métodos Ágeis

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI Adrya da Silva Neres 1 Elionai de Souza Magalhães 2 1 Discente do Curso Técnico Integrado

Leia mais

Ciclo de Vida de Sistemas de Informação

Ciclo de Vida de Sistemas de Informação Ciclo de Vida de Sistemas de Informação PROCESSO DE DESEN. DE SIs Todo desenvolvimetno de SI pode ser caracterizado como um ciclo de solução de problema. Definição do Problema Situação atual Desenvolvimento

Leia mais

Disciplina: Engenharia de Software. 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE

Disciplina: Engenharia de Software. 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Disciplina: Engenharia de Software 3 Bimestre Aula 2: EVOLUÇÃO DE SOFTWARE Quando termina o desenvolvimento de um software? A maioria das grandes empresas gasta mais na manutenção de sistemas existentes

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES LIVRO ENGENHARIA FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO REQUISITOS 1 REQUISITOS TECNICO E GERENCIAL ESCOPO (RASCUNHO) CARACTERISTICAS 2 O que são Requisitos? São objetivos ou

Leia mais

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo

Ciência da Computação. Análise e Projeto Orientado a Objetos UML. Anderson Belgamo Ciência da Computação Análise e Projeto Orientado a Objetos UML Anderson Belgamo 1 Evolução do Software O rápido crescimento da capacidade computacional das máquinas resultou na demanda por sistemas de

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio

Requisitos de Software e UML Básico. Janaína Horácio Requisitos de Software e UML Básico Janaína Horácio janaina@les.inf.puc-rio.br Agenda Requisitos O que é? Objetivos? Atividades?... UML O que é? Modelos... Casos de Uso O que é? Componentes 2 Requisitos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software 1 Engenharia de Software CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º PROFESSOR(A): Francisco Ildisvan de Araújo Introdução METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Uma metodologia

Leia mais

Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software

Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MÓDULO V Sistema Mobi-Lar Engenharia de Software

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 02

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 02 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 02 Agenda RUP Visão Geral Qualidade de software Estrutura Fases Disciplinas Principais papéis Atualização dos Requisitos Visão Geral Conjunto Subjacente de

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Requisitos de Sistemas Unidade I - Engenharia de Requisitos Definição de Requisitos (Continuação) Processos de Engenharia de Requisitos (Cont.) - Análise - Registro - Validação - Gerência 1 Processo de

Leia mais

Visão Geral RUP (Rational Unified Process) Professor: Tiago Reis RUP

Visão Geral RUP (Rational Unified Process) Professor: Tiago Reis RUP Visão Geral RUP (Rational Unified Process) Professor: Tiago Reis RUP 1 RUP 1. Processo de engenharia de software 2. Oferece uma abordagem baseada em disciplinas para atribuir tarefas e responsabilidades

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2012 Paradigmas e Processo de Software Engenharia de Software: Abrangência Engenharia de Software possui

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 1 Conceitos Básicos de Modelagem. Luiz Leão

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 1 Conceitos Básicos de Modelagem. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático A Importância da Modelagem Princípios de Modelagem Atividades de Análise e Projeto Análise e Projeto Orientados a Objeto Procura

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software

TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software ENG SOFT - TESTES TESTES DE SOFTWARE 1. Fundamentos sobre testes de software A atividade de teste de software sempre foi considerada como um gasto de tempo desnecessário, uma atividade de segunda classe,

Leia mais

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades

Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario. FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades Luiz Fernando Maurício de Souza Sidemar Fidelis Cezario FDD Desenvolvimento dirigido a funcionalidades 2 Agenda FDD; Melhores práticas do FDD; Principais papéis; Processos. FDD Metodologia interativa e

Leia mais

RUP Rational Unified Process

RUP Rational Unified Process O RUP RUP Rational Unified Process Rational Unified Process Processo Framework para gerar processos Jorge Dias Jr. jorge@dce.ufpb.br www.jorgediasjr.com 1 2 O RUP O RUP Segue as boas práticas da Engenharia

Leia mais

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia

Componentes de SIs. Pessoas Organiz. Tecnologia Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

TS02. Teste de Software INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. COTI Informática Escola de Nerds

TS02. Teste de Software INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE. COTI Informática Escola de Nerds TS02 Teste de Software INTRODUÇÃO AO PROCESSO DE TESTE DE SOFTWARE COTI Informática Escola de Nerds 1. ENTENDENDO O PROCESSO DE TESTE. 1. ENTENDENDO O PROCESSO DE TESTE. Adequação de perfil profissional

Leia mais

ISO/IEC 12207: Manutenção

ISO/IEC 12207: Manutenção ISO/IEC 12207: Manutenção O desenvolvimento de um sistema termina quando o produto é liberado para o cliente e o software é instalado para uso operacional Daí em diante, deve-se garantir que esse sistema

Leia mais

Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP:

Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP: Apresentação do Capítulo 4 MDA (Model-Driven Archtecture) ALUNO: DOMENICO SCHETTINI FILHO NÚMERO USP: 8429016 Definição de MDA OMG (Object Management Group) propôs uma aplicação abrangente das práticas

Leia mais

Teste de Software Parte 2. Prof. Jonas Potros

Teste de Software Parte 2. Prof. Jonas Potros Teste de Software Parte 2 Prof. Jonas Potros Conteúdos Processo de Teste Planejamento de Teste Processo de Teste Independentemente da fase de teste, o processo de teste inclui as seguintes atividades:

Leia mais

Organização para Realização de Teste de Software

Organização para Realização de Teste de Software Organização para Realização de Teste de Software Quando o teste se inicia há um conflito de interesses: Desenvolvedores: interesse em demonstrar que o programa é isento de erros. Responsáveis pelos testes:

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto Modelo em Cascata ou Clássico O modelo de ciclo de vida em cascata foi o primeiro modelo a ser conhecido em engenharia de software e está na base de muitos ciclos de vida utilizados hoje em dia. Este consiste

Leia mais

Introdução à Gestão de Processos de Negócios

Introdução à Gestão de Processos de Negócios Introdução à Gestão de Processos de Negócios Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2. Semestre de 2016 SSC0531 - Gestão de Sistemas de Informação Slides inicialmente preparados por Roberto Rocha e Prof. João

Leia mais

2. Modelos de Desenvolvimento de Software

2. Modelos de Desenvolvimento de Software 2. Modelos de Desenvolvimento de Software Patrícia Macedo Joaquim Filipe João Ascenso Engenharia de Software 2005/06 EST, Setúbal Ciclo de Vida do Software Um sistema de software é desenvolvido gradualmente

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João

ESPECIFICAÇÃO DE PROJETO AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João AUTOR(ES) : João NÚMERO DO DOCUMENTO : VERSÃO : 1.1 ORIGEM STATUS : c:\projetos : Acesso Livre DATA DO DOCUMENTO : 22 novembro 2007 NÚMERO DE PÁGINAS : 13 ALTERADO POR : Manoel INICIAIS:

Leia mais

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão

TESTES DE SOFTWARE Unidade 1 Importância do Teste de Software. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 1.1 - O teste nas fases de vida e de desenvolvimento de um software. 1.2 - O teste na engenharia de sistemas e na engenharia de

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau

Universidade Regional de Blumenau Universidade Regional de Blumenau Curso de Bacharel em Ciências da Computação Protótipo de um Sistema de Informações Estratégicas para Consultórios Médicos utilizando Genexus Protótipo desenvolvido como

Leia mais

Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP)

Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP) Comparação entre Metodologias Rational Unified Process (RUP) e extreme Programming(XP) Fundamentos de Engenharia de Software PPGIA Carlos G. Vasco, Marcelo H. Vithoft, Paulo R. Estante Design and programming

Leia mais

Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS

Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS Etapa:Desenvolvimento de software Disciplina: Auditoria & Qualidade em Sistemas de Informação Professor: Lucas Topofalo Integrantes: Joel Soares de Jesus Luiz R. Bandeira

Leia mais

Descrição de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro

Descrição de Desenho de Software. Projeto de Sistemas de Software Prof. Rodrigo Ribeiro Projeto de Sistemas de Prof. Rodrigo Ribeiro Descrição de Desenho de DDSw Principal documento do fluxo de desenho Derivado a partir da ERSw Descreve como implementar... Para atender os requisitos presentes

Leia mais

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza

Engenharia de Software I. Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza 1 Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 2 Rational Unified Process RUP Fase Inicição VISÃO GERAL 3 Visão Geral FASES do RUP 4 A partir

Leia mais

14/11/2014. Engenharia de Software. Modelos de software. Modelo Clássico - Cascata

14/11/2014. Engenharia de Software. Modelos de software. Modelo Clássico - Cascata 4//204 Engenharia de Software Luiz A. Nascimento Modelos de software Cascata (especificação/desenvolvimento/ validação e evolução) Na teoria:desenvolvimento linear Na prática: São necessárias várias iterações

Leia mais

Processos de software Leitura: Cap3 Sommerville / Cap1: Pressman - Ariadne

Processos de software Leitura: Cap3 Sommerville / Cap1: Pressman - Ariadne Processos de software Leitura: Cap3 Sommerville / Cap1: Pressman - Ariadne Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 6º Edição / Ian Sommerville 2000 Slide 1 Processos de software Atividades para

Leia mais

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds TS04 Teste de Software PLANOS DE TESTE COTI Informática Escola de Nerds 1. PLANOS DE TESTE. Tipos de Testes de Software Teste Funcional Uma especificação funcional é uma descrição do comportamento esperado

Leia mais

Ferramenta MVCASE - Estágio Atual: Especificação, Projeto e Construção de Componentes

Ferramenta MVCASE - Estágio Atual: Especificação, Projeto e Construção de Componentes Ferramenta MVCASE - Estágio Atual: Especificação, Projeto e Construção de Componentes Antônio Francisco do Prado Daniel Lucrédio e-mail: prado@dc.ufscar.br Resumo Este artigo apresenta a ferramenta CASE

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER)

Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER) Modelagem de dados usando o modelo Entidade- Relacionamento (ER) slide 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. Publishing as Pearson Addison-Wesley Tópicos Usando modelo de dados conceituais de alto nível

Leia mais

Documentação de Software

Documentação de Software ISO/IEC 12207: Documentação de Software Registra a evolução do software para que sejam criadas as bases necessárias para uma melhor utilização e manutenção do software Estima-se que de 20% a 30% de todo

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo Declaração de Escopo Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/0/2011 1.00 Versão Inicial do Documento Rafael Faria Sumário 1 INTEGRANTES DO PROJETO 2 OBJETIVO DO PROJETO 3 - CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer

Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer Alexandre Helfrich Orientando Prof. Paulo Fernando da Silva Orientador Roteiro Introdução e Objetivos Fundamentação Teórica, Conceitos e Contexto Atual

Leia mais

Versão: 1.0 Doc Manager

Versão: 1.0 Doc Manager Plano de Gerenciamento de Configuração versão 1.0 Desenvolvimento do Sistema de Gestão de Documentos Doc Manager Cliente: São José Agroindustrial Representante do cliente: Paulo José de Souza 1 Data: 10/04/2016

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Página 1 de 13 Introdução à Engenharia de Software O QUE É SOFTWARE? SEGUNDO O DICIONÁRIO AURÉLIO: AQUILO QUE PODE SER EXECUTADO POR UM EQUIPAMENTO, NO CASO O HARDWARE;

Leia mais

As 10 Áreas da Engenharia de Software, Conforme o SWEBOK Prof. Elias Ferreira

As 10 Áreas da Engenharia de Software, Conforme o SWEBOK Prof. Elias Ferreira As 10 Áreas da Engenharia de Software, Conforme o SWEBOK Prof. Elias Ferreira Educação de iniciação profissional validada e legitimada pela sociedade Registro da adequação à prática através de certificação

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SITE E-COMMERCE

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SITE E-COMMERCE 48 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SITE E-COMMERCE Rodrigo Costa Guimarães 1 Ana Paula Ambrósio ZANELATO 2 RESUMO: Este artigo trata do desenvolvimento de um website de comércio eletrônico (e-commerce) para a empresa

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 03

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 03 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 03 Agenda Paradigma da Orientação a Objetos Classes e objetos Abstração Encapsulamento Herança e polimorfismo Associação de objetos Coesão e acoplamento Levantamento

Leia mais

PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo. Desenvolvimento de Aplicações para Cliente Servidor

PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo. Desenvolvimento de Aplicações para Cliente Servidor PUC-GO- ADS: Prof. Vicente P. de Camargo INTRODUÇÃO Seja bem vindo ao módulo de EAD da disciplina DACC(Desenvolvimento de Aplicações Para Cliente Servidor). A Modelagem com UML foi o assunto estabelecido

Leia mais

27/08/2013. Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas

27/08/2013. Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas Aula 05 Análise Estruturada de Sistemas A maior parte do trabalho do analista de sistema está baseada na construção de modelagem dos sistemas, ou seja, representar de forma gráfica aquilo que o usuário

Leia mais

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015

Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Engenharia Reversa e Reengenharia Software 13/05/2015 Problemas na manutenção de Software Código fonte e documentação mal elaborada. Falta de compreensão do sistema e suas funcionalidades. Muitas vezes

Leia mais

Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN

Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema. Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN Análise e Projeto Orientados a Objetos Aula III Concepção Visão Geral do Sistema Prof. Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução Fase de concepção do UP Analista vai em busca das primeiras informações sobre

Leia mais

Introdução a UML (Unified Modeling Language)

Introdução a UML (Unified Modeling Language) Introdução a UML (Unified Modeling Language) O que é a UML? Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário

Leia mais

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software AJA Software www.ajasoftware.wordpress.com De Olho na Pista Documento de Arquitetura Confidencial De Olho na Pista, 2013 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Metas e Restrições da Arquitetura 3 3. Padrão da Arquitetura

Leia mais

A modelagem é tida como a parte central de todas as atividades para a construção de um bom sistema, com ela podemos:

A modelagem é tida como a parte central de todas as atividades para a construção de um bom sistema, com ela podemos: Módulo 6 Análise Orientada a Objeto É interessante observar como a análise orientada a objeto utiliza conceitos que aprendemos há muito tempo: objetos, atributos, classes, membros, todos e partes. Só não

Leia mais

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO

Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 5.3.3.4 Diagrama de Classes Módulo de Treinamento FIGURA 19: DIAGRAMA DE CLASSES DO MÓDULO DE TREINAMENTO 101 5.3.4 Definição das Classes - Módulo Pedagógico 5.3.4.1 Classe GrupoCurso A classe GrupoCurso

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 4 Modelo de Classes de Projeto. Luiz Leão

MODELAGEM DE SISTEMAS Unidade 4 Modelo de Classes de Projeto. Luiz Leão Unidade 4 Modelo de Classes de Projeto Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático Definição da Visibilidade entre Objetos Adição de Operações às Classes de Projeto Adição

Leia mais

SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM ADS MODELOS CONCEITUAIS E DIAGRAMAS UML

SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM ADS MODELOS CONCEITUAIS E DIAGRAMAS UML SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM ADS MODELOS CONCEITUAIS E DIAGRAMAS UML Prof. Dr. Daniel Caetano 2014-1 DISCUSSÃO Modelos Conceituais O que é um modelo conceitual? Representação simplificada dos objetos Modelos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Princípios de Engenharia de Software

QUALIDADE DE SOFTWARE. Princípios de Engenharia de Software QUALIDADE DE SOFTWARE Princípios de Engenharia de Software Afinal o que é Software? Segundo o dicionário de Informática: Suporte lógico, suporte de programação. Conjunto de programas, métodos e procedimentos,

Leia mais

O conceito de casos de uso foi criado em 1986 por Ivar Jacobson, metodologista e um dos pais do Processo Unificado.

O conceito de casos de uso foi criado em 1986 por Ivar Jacobson, metodologista e um dos pais do Processo Unificado. Modelagem de casos de uso Casos de uso O conceito de casos de uso foi criado em 1986 por Ivar Jacobson, metodologista e um dos pais do Processo Unificado. O que é Segundo Ivar Jacobson, um caso de uso

Leia mais

RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP

RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS RUP Criado na década de 90 (a partir do Objectory [ver Jacobson, 1990] e utilizando os conceitos do Modelo em Espiral [ver Boehm, 1988]) como alternativa para resolução dos problemas

Leia mais

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI - DSI Fases do processo de Desenvolvimento de Sistemas Informação Estudo da viabilidade Engenharia de requisitos Desenho (Modelagem) Codificação Testes e Implantação Estudo da viabilidade Estudo preliminar

Leia mais

Processo de desenvolvimento

Processo de desenvolvimento Processo de desenvolvimento Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Agosto, 2016 1 / 19 Sumário 1 Desenvolvimento para a Web 2 / 19 1 Desenvolvimento

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Ementa do Curso O treinamento ios+swift Intro foi criado pela Catteno com o intuito de introduzir os alunos em programação de Apps para a plataforma ios (tablets e smartphones), utilizando a linguagem

Leia mais

O Fluxo de Requisitos

O Fluxo de Requisitos O Fluxo de 1 Finalidade do fluxo de requisitos A finalidade deste fluxo é: Chegar a um acordo com o cliente e o usuário sobre o que o sistema deve fazer. Oferecer ao desenvolvedor um melhor entendimento

Leia mais

As técnicas de concepção

As técnicas de concepção As técnicas de concepção Acadêmicos: Bruno Amaral de Sousa Claudivan Gottardi Guilherme Assufi Dallanol Marlon Victor de Paula Objetivo Demonstrar técnicas destinadas a implementar as especificações para

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 6-10/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software (Caps. 13 e 14 do

Leia mais

Arquitetura de Software: Documentação

Arquitetura de Software: Documentação Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquitetura de Software: Documentação SCE 526 Análise e Projeto Orientados a Objeto Profa. Elisa Yumi Nakagawa 2. Semestre de

Leia mais

Fase de Concepção. Levantamento e Organização de Requisitos

Fase de Concepção. Levantamento e Organização de Requisitos Fase de Concepção Levantamento e Organização de Requisitos Objetivos buscar as primeiras informações sobre o sistema a ser desenvolvido descobrir se vale a pena fazer a descobrir se vale a pena fazer a

Leia mais

Projeto e Desenvolvimento de SAD (2)

Projeto e Desenvolvimento de SAD (2) Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry Projeto e Desenvolvimento de SAD (2) DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão Metodologias de projeto e desenvolvimento:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo

PLANO DE ENSINO. ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo PLANO DE ENSINO ANO LETIVO/SEMESTRE: 2016/2 PROFESSOR: Leandro da Silva Camargo I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia 2. Campus: IFSUL Bagé 3. Endereço: Av. Leonel

Leia mais

Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial

Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial Protótipo de Software de Reconhecimento de Voz Para Navegação em Jogos, Utilizando Rede Neural Artificial Orientando: Derlei Brancher Orientador: Prof. Jacques Robert Heckmann - Mestre 1. Introdução Roteiro

Leia mais

- Prototipação Iterativa - Observação Direta

- Prototipação Iterativa - Observação Direta - Prototipação Iterativa - Observação Direta Júnia Coutinho Anacleto Silva Maio/2004 Prototipação Iterativa A interface com o usuário é a porta de entrada da aplicação, e desempenha um papel fundamental

Leia mais

ilaicol Versão Plano de Testes

ilaicol Versão Plano de Testes ilaicol Versão 16.1.3 Plano de Testes 1 Introdução... 2 2 Escopo... 2 3 Implementação... 2 3.1 0007818: Permitir selecionar várias restrições na tela de simulação... 3 3.2 0007887: Funcionalidade de tela

Leia mais

ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES

ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES ATLAS: UNINDO SUAS EQUIPES UNA AS EQUIPES DE DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS DURANTE TODO O CICLO DE VIDA ANALISTA DE NEGÓCIOS E CLIENTE: DOIS PÚBLICOS-ALVO, O MESMO RESULTADO Os analistas de negócios e os

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Conceitos

Gerência de Configuração de Software Conceitos Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Conceitos Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 Verificação e Validação (V&V) S.L.Pfleeger (Cap.8 & 9) R.Pressman (Cap.13 & 14) I.Sommerville (Cap.22 & 23) Introdução Verificação

Leia mais