LINUX. Retirado do livro Linux Curso completo, 5ª edição, de Fernando Pereira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LINUX. Retirado do livro Linux Curso completo, 5ª edição, de Fernando Pereira"

Transcrição

1 LINUX Retirado do livro Linux Curso completo, 5ª edição, de Fernando Pereira

2 A primeira versão do sistema operativo UNIX foi desenvolvida durante os anos 70 pelos famosos laboratórios Bell, da companhia telefónica norte-americana AT&T Tudo começou com uma equipa de programadores que não estavam satisfeitos com os sistemas operativos, nem com as linguagens de programação que existiam na altura

3 Por esse motivo resolveram criar outra linguagem de programação e um novo sistema operativo A linguagem de programação chamou-se C e o sistema operativo foi o UNIX As primeiras versões de UNIX foram utilizadas exclusivamente para uso interno na AT&T, mas começaram a surgir outras entidades com interesse no sistema Algumas das primeiras entidades que começaram a usar o UNIX foram as universidades e centros de investigação

4 Durante os primeiros tempos, a AT&T licenciava o UNIX sob a forma de código-fonte Desta forma, os utilizadores recebiam o código-fonte de todos os programas e utilitários do sistema operativo, juntamente com o próprio sistema O acesso ao código-fonte foi extremamente importante para o crescimento do próprio sistema, porque permitia aos utilizadores modificar e adaptar o sistema de acordo com as suas necessidades

5 Dentro do meio científico e universitário, existiam bastantes pessoas com conhecimentos profundos de programação e alguma teoria dos sistemas operativos, que desenvolveram várias extensões ao UNIX e criaram novas ferramentas Na altura, as instituições científicas encontravam-se ligadas entre si, utilizando uma rede de dados que funcionava sobre o protocolo UUCP (Unix-to-Unix Copy) Esta rede ainda era relativamente rudimentar, mas já permitia aos investigadores trocar informação sob a forma de e possibilitava a transferência de ficheiros

6 No meio científico sempre existiu uma grande tradição de troca e partilha de informação Este facto é amplamente reconhecido como um dos factores mais importantes para o avanço da ciência Quando os investigadores entraram em contacto com o sistema UNIX, começaram imediatamente a aplicar a mesma filosofia, trocando entre si as correcções e extensões que iam desenvolvendo Na verdade, algumas dessas extensões foram tão importantes que começaram a ser incluídas no próprio sistema operativo

7 Uma das entidades que mais destacou neste campo foi a Universidade da Califórnia em Berkely As contribuições realizadas pelos membros desta academia foram tantas que acabaram por dar origem a uma nova variante de UNIX, chamada BSD Por outro lado, o MIT (Instituto Tecnológico do Massachusetts) também merece ser mencionado, porque alguns anos mais tarde veio a fazer uma contribuição de enorme importância: foi aí que nasceu o sistema de janelas X

8 Com o passar dos anos, o sistema UNIX expandiu-se bastante, começando a penetrar em muitos sectores, até se tornar num verdadeiro sistema operativo comercial As variantes de UNIX começaram a ser utilizadas por uma grande quantidade de fabricantes de hardware (OEM), que as incluíam nos seus computadores Por outro lado, a AT&T começou a restringir cada vez mais a licença de utilização do sistema operativo As licenças de código-fonte começaram a ser cada vez mais difíceis de obter e, em alguns casos, chegaram mesmo a ser impossíveis de obter

9 Este facto constituiu um motivo de grande desapontamento para os utilizadores originais, que mais contribuíram para a expansão e para o desenvolvimento do UNIX À medida que o sistema se foi tornando mais comercial e cada vez mais fechado, a onde de frustração e desilusão dos utilizadores foi crescendo Por esse motivo, no início dos anos 80 foi criada uma fundação chamada FSF (Free Software Foundation) que se propunha desenvolver e proteger o software livre

10 Um dos maiores objectivos da FSF era construir um ambiente de trabalho constituído integralmente por software livre Pretendia-se fazer renascer o espírito inicial da comunidade de utilizadores de UNIX, que entretanto quase se havia perdido Para proteger legalmente o software livre, foi criada uma nova licença, intitulada GPL (General Public Licence) A GPL garante a qualquer pessoa o direito de copiar, redistribuir e até modificar e melhorar todo o software por ela protegido

11 Basicamente, a GPL tenta ser uma licença com o menor número de restrições possível, para que qualquer pessoa possa utilizar o software da forma que melhor entender Contudo, existem três grandes restrições que gerem e protegem o software abrangido pela GPL:

12 A primeira diz que o software livre pode ser distribuído e comercializado por qualquer pessoa, mas o distribuidor tem sempre de avisar o receptor acerca dos termos da GPL A segunda restrição diz que qualquer pacote de software derivado de software protegido pela GPL também tem de estar abrangido pela GPL Finalmente, a terceira condição diz que o código-fonte de todo o software protegido pela GPL tem de estar acessível publicamente. Isto significa que o código fonte deve ser fornecido a todos os utilizadores ou, então, estes devem ser informados sobre a forma de o obter

13 Os activistas da FSF eram maioritariamente programadores e especialistas em software de sistemas Quando estes programadores tiveram de escolher um modelo para o novo sistema operativo que se propunham criar, basearam-se no sistema operativo que preferiam: o UNIX Foi a partir do UNIX que surgiu a palavra GNU, que significa GNU is Not Unix

14 Ao longo dos anos, os membros do projecto GNU foram desenvolvendo vários programas e utilitários, para construir um ambiente capaz de substituir integralmente um sistema UNIX apenas com software livre Por esse motivo, todos os utilitários foram desenhados com o objectivo de manter a compatibilidade com as versões standard do UNIX, apesar de terem sido acrescentadas algumas melhorias

15 Entre estes programas, estão as ferramentas de desenvolvimento de aplicações GNU, que incluem compiladores como o gcc, depuradores de erros e versões alternativas de praticamente todas as ferramentas normais dos sistemas UNIX Com o passar do tempo, o número de programadores que desenvolviam programas livres foi crescendo lentamente, até que no final dos anos 80 com o início do crescimento da Internet, se deu um grande impulso no movimento do software livre

16 Com o auxílio da Internet, os programadores podem trocar ideias muito facilmente e tornou-se possível formar grupos de trabalho com pessoas distribuídas por todo o mundo Por esta razão, as equipas de desenvolvimento dos projectos de software livre, cresceram bastante e, em alguns casos, chegam a atingir várias centenas de voluntários Actualmente, existem projectos em que o número de voluntários é tão grande que a sua dimensão rivaliza ou mesmo supera as equipas de profissionais que trabalham nas maiores companhias de software

17 Por outro lado, a quantidade e a diversidade dos projectos de software livre também cresceu bastante Neste momento, os projectos não se limitam apenas a sistemas operativos, pois também foram criados serviços de rede, sistemas de janelas, ambientes gráficos do tipo desktop, processadores de texto, folhas de cálculo, jogos e muitas, mas mesmo muitas, aplicações

18 No princípio dos anos 90, um jovem finlandês chamado Linus Torvalds estava bastante insatisfeito com os sistemas operativos que existiam para PC, porque ou eram muito maus ou eram demasiado caros Por exemplo, era frequente uma versão completa de UNIX para PC custar valores equivalentes a mais de 1000 euros Por essa razão, o jovem Linus resolveu começar a escrever o seu próprio núcleo (kernel) de sistema operativo Passados cerca de seis meses, já tinha a primeira versão a funcionar e resolveu chamar-lhe Linux A primeira versão ainda era muito incompleta e limitada, mas apesar disso, o autor resolveu afixar o código-fonte na Internet

19 Apesar de o autor afirmar que se tratava apenas de um sistema experimental, que ainda estava em pleno desenvolvimento, houve várias pessoas que se interessaram imediatamente pelo projecto e cerca de uma semana depois, já existia mais de uma centena de utilizadores Todos os primeiros utilizadores eram programadores que, por uma razão ou outra, necessitavam de um sistema operativo aberto Devido ao seu perfil, os primeiros utilizadores trouxeram bastantes contribuições para o projecto, pois implementaram novos drivers, resolveram erros e problemas, adicionaram novas funcionalidades e, acima de tudo, fizeram muitas sugestões

20 As contribuições feitas pelos novos utilizadores foram sendo reunidas pelo autor inicial, Linus Torvalds, que as conjugava com as suas próprias alterações, fazendo com que o Linux evoluísse a um ritmo muito rápido Com o passar dos tempos, o Linux evoluiu até estar ao nível dos sistemas operativos comerciais e possuir um conjunto de funcionalidades extremamente sofisticado

21 A versão actual do núcleo de Linux (2.6), funciona em processadores de 32 e 64 bits, suporta vários processadores funcionando em multiprocessamento simétrico, tem um stack de protocolos de rede bastante evoluído, permite instalar e remover módulos (drivers e subsistemas do núcleo) em pleno funcionamento e está em conformidade com várias normas, como o POSIX

22 O modelo de desenvolvimento aberto, que recentemente recebeu a designação genérica open source, está por detrás da sua rápida evolução: como o código-fonte está acessível a todos os utilizadores, sempre que alguém descobre um erro ou tem uma ideia brilhante, pode implementar a solução imediatamente Em seguida, os utilizadores apenas têm de enviar as suas alterações aos responsáveis do projecto, para que estas passem a ser integradas na próxima versão oficial

23 Uma das consequências mais importantes do modelo open source é a estabilidade e a fiabilidade que os projectos de sotware livre atingem Qualquer erro que possa existir tem uma probabilidade muito baixa de passar por todos os utilizadores, sem nunca chegar a ser detectado Assim que um problema é detectado, é imediatamente corrigido pelos autores ou, muitas vezes, pelo próprio utilizador que o encontrou

24 Como cada utilizador é um potencial contribuidor para a resolução de erros, considera-se que, neste momento, muitos projectos de software open source já atingiram um nível de qualidade e de fiabilidade muito superior ao dos produtos comerciais equivalentes Por exemplo, quando é detectada alguma falha de segurança nos pacotes de software open source que costumam ser fornecidas com o Linux, é habitual a correcção ser publicada após algumas horas

25 Desta forma, um administrador de sistemas atento pode manter o seu sistema tão seguro que nem chega a dar tempo aos possíveis atacantes, para aproveitar as eventuais falhas de segurança que possam ser descobertas No caso das companhias de software comercial, é costume as falhas de segurança serem negadas oficialmente durante longos períodos de tempo e quando são reconhecidas, é normal que as correcções só sejam publicadas várias semanas depois Durante todo esse tempo, os sistemas dos seus clientes ficam vulneráveis a possíveis ataques

26 Como já foi referido, Linus Torvalds apenas criou o núcleo do sistema operativo Por esse motivo, a designação «Linux» apenas pode ser aplicada ao núcleo do sistema, que controla o hardware e cria um ambiente virtual, sobre o qual funcionam as aplicações O sistema operativo propriamente dito é composto pelo núcleo do sistema e várias centenas de programas e utilitários, muitos dos quais já existiam antes de o próprio Linux ter aparecido

27 Nos primeiros tempos, os utilizadores de Linux tinham de instalar manualmente o kernel (núcleo) do sistema operativo e reunir todos os programas e utilitários, necessários para pôr o sistema em funcionamento Essa tarefa era de tal forma complicada e difícil de executar, que só as pessoas com conhecimentos mais profundos do funcionamento interno do sistema a conseguiam realizar Foi para resolver este problema que surgiram as distribuições de Linux As distribuições são constituídas pelo núcleo de Linux propriamente dito e uma enorme colecção de programas, serviços e aplicações, devidamente pré-configurados e prontos a utilizar

28 As distribuições mais conhecidas são a Slackware, a Red Hat, a Suse Linux, a Debian, a Yggdrasil, a Conectiva, a Mandrake e a TurboLinux da Pacific HiTech Em Portugal, temos também a distribuição Caixa Mágica de origem nacional Cada distribuição possui um programa de instalação e configuração inicial que automatiza todo o processo de instalação Nessa fase, existem vários menus em que o utilizador pode seleccionar os pacotes de software que vai utilizar e personalizar o sistema à medida das suas necessidades Os discos rígidos são inicializados e o sistema operativo é automaticamente copiado para as partições escolhidas

29 As primeiras distribuições de Linux ainda eram relativamente rudimentares, o que conferiu ao Linux o estatuto de sistema operativo mais difícil de instalar, de entre todos os sistemas operativos Contudo, actualmente a situação já é radicalmente diferente As distribuições de Linux evoluíram bastante e, neste momento, o Linux já é tão fácil de instalar como qualquer outro sistema operativo ou até mais fácil, dependendo da experiência anterior do utilizador

30 Ao nível da utilização, o Linux também evoluiu bastante Nos primeiros tempos, os utilizadores só tinham a linha de comandos, em que o computador é controlado a partir de ordens escritas no teclado Este método é muito versátil, mas os novos utilizadores encontram grandes dificuldades, porque são obrigados a memorizar os nomes dos comandos Actualmente, para além da linha de comandos, já existem vários ambientes gráficos do tipo desktop, como o Gnome e o KDE

31 Os ambientes gráficos não são tão versáteis como a linha de comandos, mas são muito mais fáceis de utilizar para os novos utilizadores, que conseguem trabalhar sem ter de possuir grandes conhecimentos acerca do sistema que está por baixo A linha de comandos só apresenta desvantagens nos primeiros tempos, até o utilizador aprender a usar os comandos mais frequentes Depois da fase inicial de aprendizagem ser superada, conseguem-se atingir níveis de desempenho fabulosos, muito superiores aos que se obtêm com os ambientes gráficos

32 Uma das consequências benéficas da linha de comandos é o facto de obrigar os utilizadores a progredir Ao fim de algum tempo a utilizar a linha de comandos, qualquer utilizador se transforma num verdadeiro especialista, preparado para procurar informação na documentação do sistema e enfrentar qualquer situação Por outro lado, os ambientes gráficos possuem uma enorme desvantagem: limitam a evolução e a aprendizagem dos utilizadores Um utilizador típico de sistemas gráficos, mesmo com vários anos de experiência, não consegue adquirir capacidade para enfrentar novas situações

33 Habitualmente, um utilizador que só esteja habituado aos sistemas gráficos, bloqueia sempre que lhe surge uma situação diferente do normal Quando necessita de realizar uma determinada operação e não consegue encontrar nenhum ícone ou uma entrada nos menus, então não sabe como proceder Por esse motivo, é costume necessitar do apoio constante de alguém com um pouco mais de experiência que funciona como baby-sitter

34 1.1. Conceitos Básicos Utilizadores, tarefas e processos

35 Utilizadores, tarefas e processos O sistema operativo Linux é um sistema multitarefa e multiutilizador Trata-se de um sistema multiutilizador, porque pode ser utilizado por muitas pessoas ao mesmo tempo O facto de ser multiutilizador põe um pequeno problema: para o sistema suportar muitos utilizadores em simultâneo, é necessário encontrar uma forma de fazer com que estes tenham acesso físico ao sistema, pois os computadores pessoais só costumam possuir um conjunto de teclado, rato e monitor

36 Utilizadores, tarefas e processos Antigamente, o problema era resolvido utilizando terminais, que consistiam num conjunto de teclado e monitor, ligados ao computador central através de uma ligação por cabo série Nos dias que correm, os antigos terminais quase caíram em desuso, mas continuam a ser utilizados programas que simulam o seu funcionamento Desta forma, podemos usar computadores pessoais para aceder a sistemas remotos via cabo série, modem, ou mesmo utilizando ligações em rede (Internet, etc.)

37 Utilizadores, tarefas e processos Por exemplo, os PC antigos (XT, AT 286 ou 386) que já não tinham qualquer utilidade, podem voltar a ser usados como terminais Para isso, basta instalar-lhes o software adequado e ligá-los a um sistema central (PC recente correndo Linux) através de um cabo série Por ser um sistema multiutilizador, o sistema tem ainda de possuir mecanismos para impedir que os utilizadores possam interferir no trabalho uns dos outros Por exemplo, o sistema tem de impedir que os utilizadores tenham acesso aos dados confidenciais de outras pessoas

38 Utilizadores, tarefas e processos Um dos mecanismos que o sistema utiliza são as sessões de trabalho Sempre que um utilizador começa a trabalhar no sistema, é criada uma nova sessão de trabalho, que começa por um procedimento de entrada no sistema, designado por login Durante o login, o utilizador tem de indicar o seu nome (username) e uma senha (password) O username, que muitas vezes também é designado por loginname, é apenas o nome (ou a sigla), pela qual o sistema conhece cada um dos utilizadores A password é uma palavra secreta que serve para evitar que pessoas estranhas entrem no sistema, fazendo-se passar por utilizadores credenciados

39 Utilizadores, tarefas e processos Fig 1.1 Imagem de um ecrã de login, usando o sistema de janelas X (gdm)

40 Utilizadores, tarefas e processos Assim que um utilizador entra no sistema (faz login), é criada uma sessão de trabalho em que o computador executa todas as ordens recebidas do utilizador Quando um utilizador termina tudo o que tem a fazer, ou se por alguma razão decidir abandonar o seu posto de trabalho, deve terminar a sua sessão Para isso, executa um procedimento chamado logout Durante a sua sessão de trabalho, os utilizadores podem executar muitas tarefas, uma de cada vez, ou lançar várias tarefas em simultâneo É por essa razão que o Linux também é classificado como sistema operativo multitarefa

41 Utilizadores, tarefas e processos Em Linux, as tarefas têm o nome técnico de «processos» Em cada instante, existem sempre muitos processos a correr no sistema De outra forma, também podemos dizer que existem muitas tarefas a ser executadas simultaneamente Geralmente, os processos são iniciados pelos utilizadores, mas também existem processos que são lançados automaticamente pelo sistema, chamados daemons Os daemons são responsáveis pelos diversos serviços do sistema operativo

42 Utilizadores, tarefas e processos Caso um utilizador assim o pretenda, poderá terminar a sua sessão de trabalho e deixar alguns processos ainda em funcionamento Por exemplo, quando estamos a descarregar grandes quantidades de informação a partir da Internet, podemos ter de esperar muitas horas Nesses casos, é habitual deixar um processo em funcionamento no computador, encarregue de concluir a transferência de informação

43 1.1.2 Sistema de ficheiros

44 Sistema de ficheiros O sistema operativo Linux oferece aos seus utilizadores a possibilidade de guardar informação dentro do computador, que é armazenada sob a forma de ficheiros Os ficheiros podem conter dados, documentos ou programas Por exemplo, os documentos podem conter cartas, relatórios, listagens de pagamentos, etc. Um programa corresponde a uma sequência de ordens que se destina a ser executada pelo computador

45 Sistema de ficheiros Como geralmente existem muitos ficheiros num computador, o Linux possui um mecanismo de directórios e subdirectórios, que permite organizar os ficheiros de acordo com os assuntos a que se relacionam

46 Sistema de ficheiros Fig 1.2 A directoria / (root) do sistema de ficheiros do Linux

47 Sistema de ficheiros A estrutura de directórios apresenta um formato em árvore, em que a directoria principal se chama root, porque corresponde à raiz da árvore de directórios Como o sistema pode ter muitos utilizadores, o Linux implementa um sistema de protecções, que permite definir regras de acesso ao conteúdo de cada ficheiro Desta forma, a informação pode estar acessível a alguns utilizadores e escondida dos restantes

48 Sistema de ficheiros Para simplificar a gestão de acessos, os utilizadores podem ser classificados segundo grupos Em vez de definir regras para cada utilizador de um grupo, basta definir uma regra geral que se aplica a todo o grupo Cada utilizador possui uma directoria dedicada a si próprio, na qual pode guardar ficheiros com toda a informação que desejar À partida, cada utilizador apenas tem privilégios para modificar informação dentro da sua própria directoria

49 Sistema de ficheiros Existe um utilizador especial, chamado superutilizador, supervisor ou administrador, que possui privilégios especiais e tem acesso a todos os ficheiros do sistema, incluindo os que pertencem aos outros utilizadores O login-name do superutilizador é root Este nome deriva do facto de o superutilizador ter privilégios para controlar integralmente toda a árvore de directórios do sistema

50 Sistema de ficheiros Quando o Linux é usado em computadores domésticos, isolados de qualquer rede, existe a tentação de usar sempre o login-name root Contudo, isso não é aconselhável porque pode causar vários problemas Em vez disso, é preferível criar uma conta de utilizador pessoal (username/password) para realizar as tarefas habituais do dia-a-dia

51 Sistema de ficheiros O acto de fazer login como root deve ser sempre evitado, pois este utilizador possui privilégios para fazer virtualmente tudo e basta cometer um pequeno erro para causar estragos enormes Por exemplo, existe o risco de apagar ficheiros acidentalmente, danificar o sistema operativo e, mais grave ainda, perder muita informação

52 Sistema de ficheiros Pelo contrário, os utilizadores normais não possuem privilégios para modificar o sistema Por esse motivo, possuem um grau de segurança contra erros de utilização bastante mais elevado Por exemplo, um utilizador normal não pode formatar discos rígidos, nem pode apagar nem modificar ficheiros do sistema

53 Sistema de ficheiros Um dos maiores problemas com que se debatem os utilizadores actuais de computadores são os vírus informáticos Os vírus informáticos são programas que realizam tarefas indesejáveis, sem que o utilizador tenha conhecimento disso Uma das acções que os vírus praticam é a autopropagação, que consiste na contaminação de outros programas fazendo com que estes também fiquem infectados

54 Sistema de ficheiros Em Linux, os utilizadores normais não possuem privilégios para modificar os ficheiros que contêm os programas instalados no sistema Por esse motivo, mesmo que um utilizador executasse um programa contendo vírus, este não se poderia propagar aos outros programas É por esse motivos que praticamente não se conhecem vírus para Linux e mesmo os poucos que se conhecem nunca se propagaram em larga escala: dizse que o sistema operativo é virtualmente imune a vírus

55 1.1.3 A árvore de directorias do Linux

56 A árvore de directorias do Linux - / A directoria principal da árvore de directorias do Linux chama-se root e costuma ser representada pelo carácter «/» Dentro desta directoria, existem habitualmente as seguintes subdirectorias: /bin Contém um conjunto mínimo de programas utilitários, que são usados durante o arranque do sistema /boot Arranque do sistema: contém um ficheiro com o núcleo (kernel) do sistema operativo e vários ficheiros auxiliares

57 A árvore de directorias do Linux /dev /etc /home /lib Contém ficheiros que representam todos os dispositivos de hardware e periféricos do sistema Contém a maioria dos ficheiros de configuração do sistema operativo Directorias de trabalho dos utilizadores Contém bibliotecas necessárias para que o sistema e os programas possam funcionar. A subdirectoria «/lib/modules» contém módulos de software com drivers, que podem ser carregados em andamento no kernel do sistema

58 A árvore de directorias do Linux /mnt /proc /root /sbin /tmp Directoria usada para aceder ao conteúdo de unidades de discos amovíveis, como disquetes, CD-ROM, discos magneto-ópticos, discos USB e drives ZIP Contém ficheiros virtuais que representam o estado actual dos processos em execução e informação sobre o estado de muitos componentes do sistema operativo Directoria de trabalho do superutilizador Contém os principais programas necessários para administrar e reparar o sistema operativo Ficheiros temporários: todos os utilizadores podem criar ficheiros de dados temporários nesta directoria. Estes ficheiros podem ser apagados sempre que o sistema arranque

59 A árvore de directorias do Linux /usr /var /lost+found Contém mais subdirectórios com programas, bibliotecas, utilitários, documentação, etc. Contém ficheiros de dados do sistema operativo: correio electrónico que entra e sai, ficheiros em fila de espera para impressão, locks para impedir que vários utilizadores usem o mesmo periférico em simultâneo e logs que registam todos os eventos que vão acontecendo Sempre que o sistema é desligado em andamento, podem perder-se ficheiros. Quando o sistema arranca, verifica todo o disco e os ficheiros perdidos são enviados para esta directoria. Por regra, existe uma directoria lost+found em cada partição e disco rígido instalados no sistema

60 A árvore de directorias do Linux - /usr A directoria «/usr», também contém várias subdirectorias importantes: Local onde se encontra a esmagadora maioria dos /usr/bin programas e utilitários do sistema /usr/games /usr/include /usr/lib Ficheiros de dados pertencentes a jogos (records, níveis, figuras, etc.) Ficheiros com dados e definições sobre o sistema operativo e as bibliotecas do sistema, utilizados nas linguagens de programação C e C++ Muitos ficheiros contendo bibliotecas dinâmicas partilháveis, que são utilizadas pelos programas durante a sua execução

61 A árvore de directorias do Linux - /usr /usr/sbin /usr/share /usr/share/doc /usr/share/info Local onde se encontra a maioria do programas de administração do sistema e os deamons, ou seja, os programas que implementam os vários serviços Ficheiros de dados partilhados pelos programas e aplicações. Possui várias subdirectorias, para cada programa ou família de programas. Numerosos ficheiros com documentação, manuais e cursos sobre o sistema operativo, os serviços e os programas instalados Mais documentação, com informação e manuais sobre o sistema

62 A árvore de directorias do Linux - /usr /usr/share/man /usr/src /usr/x11r6 ou /usr/x11 /usr/local Ficheiros onde são guardados os verdadeiros manuais do sistema (usados com o comando «man») O código-fonte do sistema operativo. É utilizado pelos programadores que pretendem modificar o sistema O sistema de janelas X e os seus programas utilitários Contém as directorias onde são guardados pacotes de software opcionais, que são instalados manualmente pelo utilizador, pois não fazem parte do sistema standard.

63 A árvore de directorias do Linux - /var A directoria «/var», subdivide-se em várias subdirectorias. As mais relevantes são as seguintes: /var/spool /var/lock /var/run /var/log Área onde são guardadas as filas de espera das impressoras e do correio electrónico Área onde é registada a utilização de vários serviços e periféricos, para impedir que vários utilizadores e serviços possam interferir uns com os outros Inclui vários ficheiros com a identificação dos vários processos responsáveis pelos serviços em funcionamento. Estes ficheiros podem ser utilizados para parar ou terminar os serviços Vários ficheiros com o registo de praticamente todos os eventos que acontecem no sistema (muito útil para efeitos de segurança e administração).

Sistema Operativo Linux

Sistema Operativo Linux Sistema Operativo Linux Linux É um sistema operativo da família UNIX, desenvolvido colaborativamente através da internet. É um software livre ou open source, com o código fonte disponível em www.kernel.org

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL

LINUX. Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker. - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL LINUX Lapro I Profa. Fernanda Denardin Walker - Aula 2 - Material adaptado de: Isabel Mansour, Marcia Moraes e Silvia Moraes SISTEMA OPERACIONAL Para que o computador funcione e possibilite a execução

Leia mais

1.5. Computador Digital --Software. INFormática. 1.5.1. Tipos de Software. Software. Hardware. Software do Sistema. Software de Aplicação.

1.5. Computador Digital --Software. INFormática. 1.5.1. Tipos de Software. Software. Hardware. Software do Sistema. Software de Aplicação. 1.5. Computador Digital --Software 1.5.1. Tipos de Software Utilizador Aplicações Linguagens Programação Software Sistema Operativo Hardware Software de Aplicação Processadores de Texto Folhas de Cálculo

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI)

Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) Instalação e Manutenção de Microcomputadores (COI) 4. Montagem do Computador Disco rígido limpeza; Disco rígido verificação de erros (modo gráfico); Disco rígido verificação de erros (linha de comandos;

Leia mais

Sistema Operacional LINUX

Sistema Operacional LINUX SISTEMA OPERACIONAL Sistema Operacional LINUX Para que o computador funcione e possibilite a execução de programas é necessária a existência de um sistema operacional. O sistema operacional é uma camada

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Curso Técnico de Informática de Sistemas

Curso Técnico de Informática de Sistemas Curso Técnico de Informática de Sistemas Módulo: 772 Sistemas Operativos Formador: Henrique Fidalgo Objectivos da UFCD: Instalar e configurar sistemas operativos. Instalar e configurar utilitários sobre

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Linux Caixa Mágica 14. Como Gravar um Live CD. http://www.caixamagica.pt. Julho 2009 Versão 1.1

Linux Caixa Mágica 14. Como Gravar um Live CD. http://www.caixamagica.pt. Julho 2009 Versão 1.1 Linux Caixa Mágica 14 Como Gravar um Live CD http://www.caixamagica.pt Julho 2009 Versão 1.1 Índice 1. Introdução...3 2. Gravar um Live CD em sistemas Linux...3 2.1. Verificação da Integridade da Imagem

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

Segurança no Computador

Segurança no Computador Segurança no Computador Segurança na Internet: Módulo 1 (CC Entre Mar E Serra), 2008 Segurança na Internet, CC Entre Mar E Serra 1 Segurança no Computador Um computador (ou sistema computacional) é dito

Leia mais

Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux)

Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux) Manual de Preparação do Computador para Sistema Dual Boot (Windows e Linux) Autores: Hugo Manuel Santos (1040711) Maria João Viamonte (MJV) Berta Batista (BPP) Nota introdutória Devem seguir este manual,

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Instalação do software cygwin

Instalação do software cygwin Instalação do software cygwin O software cygwin permite instalar no sistema operativo Windows um conjunto de programas e ferramentas que reproduzem de forma muito aproximada o ambiente usualmente encontrado

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico Apontamentos do livro de AI Linux 1.5 Modo texto e modo gráfico 1 Modo texto e modo gráfico O sistema operativo Linux possui duas formas de acesso: modo texto e modo gráfico No modo gráfico, o utilizador

Leia mais

Manual de Reposição de Linux Caixa Mágica

Manual de Reposição de Linux Caixa Mágica Manual de Reposição de Contract Ref.: Ref. Contrato Sistema de Reposição Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: 10/9/2004 13 Draft Public i Approved Version: RR Name Function Signature Date Paulo

Leia mais

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS

O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Unidade 1: Sistema Operativo Linux

Unidade 1: Sistema Operativo Linux Unidade 1: Sistema Operativo Linux 1 2 Sistema Operativo Linux Objectivos desta unidade Caracterizar o sistema operativo Linux Saber como obter documentação e apoio sobre a instalação e utilização do Linux

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Contéudo 3 Introdução 4 Elementos necessários 5 Descrição geral da instalação 5 Passo 1: Verificar se existem actualizações 5 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Aula 34 Software livre e código aberto Aula 34 2 Gestão em Sistemas

Leia mais

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7

Guia de Instalação para Windows Vista /Windows 7 Série Impressora Laser Guia de Instalação para Windows Vista / 7 Antes de utilizar a impressora, tem de configurar o hardware e instalar o controlador. Leia o Guia de Instalação Rápida e este Guia de Instalação

Leia mais

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano

Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Integração de Sistemas Embebidos MECom :: 5º ano Device Drivers em Linux - Introdução António Joaquim Esteves www.di.uminho.pt/~aje Bibliografia: capítulo 1, LDD 3ed, O Reilly DEP. DE INFORMÁTICA ESCOLA

Leia mais

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM.

No VirtualBox, carregar no Botão Novo (New), que irá abrir o Assistente de Criação de Máquina Virtual para criar uma nova VM. INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES INFORMÁTICAS EFA NS/NÍVEL III UFCD 5 FORMADOR: PAULO RELVAS Fontes: http://www.formatds.org/instalar-ubuntu-no-virtualbox/ MANUAL DE INSTALAÇÃO UBUNTU 8.10 SOBRE VBOX DA SUN

Leia mais

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft. SOFTWARE LIVRE Software Livre é todo programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem nenhuma restrição. O software livre tem seu modelo de desenvolvimento baseado

Leia mais

Manual de Instalação Solução Alinex Salas TIC Pág. 1/32

Manual de Instalação Solução Alinex Salas TIC Pág. 1/32 Í n d i c e 1) Pré-requisitos...5 2) Apresentação da solução...5 3) Instruções Passo a Passo de instalação da Solução...6 4) Primeiros passos...7 a) Preparar o equipamento...7 b) Configuração RAID em Servidores

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br

NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux. www.ncd.ufes.br NÚCLEO DE CIDADANIA DIGITAL Caminho Livre para o novo mundo! Conceitos básicos de Linux www.ncd.ufes.br Licença Este trabalho é licenciado sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial-ShareAlike

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração

Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Boot Camp Manual de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 3 Elementos necessários 4 Descrição geral da instalação 4 Passo 1: Verificar se existem actualizações 4 Passo 2: Preparar o computador

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente Gráfico Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e que comunique com o exterior. Actualmente o Windows é

Leia mais

CET GRSI 2011. Sistema Operativo de Rede. António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt

CET GRSI 2011. Sistema Operativo de Rede. António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt CET GRSI 2011 Sistema Operativo de Rede António Paulo Santos aps@estgf.ipp.pt O que é um S.O. de Rede? Sistema operativo que incluí: funções especiais que permitem a ligação de um computador a uma LAN.

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA O auge das redes zombi em 2012 Este fenómeno tem evoluído nos últimos anos e têm surgido, por exemplo, redes zombi descentralizadas, móveis e administradas através das redes sociais,

Leia mais

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição

ANEXO 1. Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI. Instituição de acolhimento. Supervisor nomeado pela instituição INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação DCTI Formulário de Candidatura da Instituição Projecto Final de Curso de IGE/ETI ANEXO 1 Instituição

Leia mais

Estes apontamentos das aulas teóricas são da autoria de Pedro Vasconcelos (2007) tendo sido adaptados e modificados por Armando Matos (2010)

Estes apontamentos das aulas teóricas são da autoria de Pedro Vasconcelos (2007) tendo sido adaptados e modificados por Armando Matos (2010) 1 Apresentação e objectivos Introdução à Programação Estes apontamentos das aulas teóricas são da autoria de Pedro Vasconcelos (2007) tendo sido adaptados e modificados por Armando Matos (2010) Introdução

Leia mais

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires O Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Usar o Remote Desktop Connection 7 3.1 Ligar o Remote

Leia mais

Procedimentos de Segurança

Procedimentos de Segurança Procedimentos de Segurança Proteger o seu computador Utilize um anti-vírus para proteger o seu sistema e os seus dados Mantenha-o constantemente ligado e actualizado, e sempre configurado com protecção

Leia mais

Um dos dispositivos mais utilizados nos nossos dias são as memórias USB, vulgarmente conhecidas pelo nome Pen.

Um dos dispositivos mais utilizados nos nossos dias são as memórias USB, vulgarmente conhecidas pelo nome Pen. Akropole Catequista Como usar numa Pen USB Quando instala o Akropole Catequista, a partir do seu instalador, as configurações do seu computador não são alteradas. Por outro lado, o Akropole Catequista

Leia mais

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693

Seu manual do usuário EPSON LQ-630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/1120693 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração

Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Mac OS X 10.6 Snow Leopard Manual de Instalação e Configuração Leia este documento antes de instalar o Mac OS X. Ele inclui informações importantes acerca da instalação do Mac OS X. Requisitos de sistema

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Introdução à Computação 5910157 4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Física e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 4.1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Introdução Fabricio Breve Introdução O que é Linux? Uma versão do UNIX (re-implementação do padrão POSIX) Principais diferenciais: Gratuito

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre?

1 / 6. Cartilha O ABC do Software Livre. O que é PcLivre? 1 / 6 Cartilha O ABC do Software Livre O que é PcLivre? O PC Livre é um projeto de iniciativa do PSL-Brasil, coordenado por voluntários e operado por vários parceiros que apoiam a iniciação de novos usuários

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL

UIFCUL. Unidade de Informática Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL UIFCUL Universidade de Lisboa Regulamento de Utilização dos Laboratórios de Informática da FCUL Versão 1.0 2 Janeiro de 2014 Versão Data Alterações / Notas Responsável 1.0 2014.01.07 Aprovação inicial

Leia mais

História. Sistema Operacional

História. Sistema Operacional História Linux é o termo geralmente usado para designar qualquer sistema operacional que utilize o núcleo Linux. Foi desenvolvido pelo Finlandês Linus Torvalds, inspirado no sistema Minix. O seu código

Leia mais

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico UNIDADE 2: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique

Leia mais

Manual Upgrade para a Versão 6

Manual Upgrade para a Versão 6 Manual Upgrade para a Versão 6 Gabinete de Manutenção Informática Unipessoal, Lda. Rua Rui de Pina, 1B 2805-241 Almada Tel. 21 274 34 41 Fax. 21 274 34 43 www.gmi.co.pt * geral@gmi.mail.pt -1- Conteúdo

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

Escola Profissional Vasconcellos Lebre

Escola Profissional Vasconcellos Lebre CURSO UNIDADE LOCAL DE FORMAÇÃO DURAÇÃO FORMADORA EFA-NS/NÍVEL 3 TEC. INF. GESTÃO DE REDES FT5 SISTEMA OPERATIVO DISTRIBUIÇÃO LINUX ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE 50 HORAS Paulo Relvas Reflexão

Leia mais

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers

MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA. Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers MANUAL DE INICIAÇÃO RÁPIDA PARA Instalar o Nokia Connectivity Cable Drivers Índice 1. Introdução...1 2. Requisitos...1 3. Instalar O Nokia Connectivity Cable Drivers...2 3.1 Antes da instalação...2 3.2

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros na Caixa Mágica Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo Conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior; Windows: sistema operativo mais utilizado nos

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com

Por: Rafael Nink de Carvalho www.linuxeducacional.com www.rafaelnink.com L I N2 U0 X0 9 Manual de Instalação do Linux Educacional 3.0 Por: Rafael Nink de Carvalho ü Configurando o SETUP do computador ü Rodando a versão Live CD ü Instalando o Linux www.linuxeducacional.com Educacional

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho nº 0 Instalação dos programas

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas. Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração.

Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas. Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração. Manual de Recuperação, Cópias de Segurança e Resolução de Problemas Crie os suportes de recuperação imediatamente após a configuração. Conteúdo Introdução... 3 Acerca da recuperação... 3 Acerca da cópia

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS

NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS 1 NOÇÕES ELEMENTARES DE BASES DE DADOS Este primeiro capítulo aborda conceitos elementares relacionados com bases de dados. Os conceitos abordados neste capítulo são necessários para trabalhar adequadamente

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração

Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Boot Camp Guia de Instalação e Configuração Conteúdo 3 Introdução 4 Visão geral da instalação 4 Passo 1: Buscar atualizações 4 Passo 2: Preparar o Mac para Windows 4 Passo 3: Instalar o Windows no seu

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006

SOFTWARE. A parte lógica do Computador. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Introdução à Informática SOFTWARE A parte lógica do Computador Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Novembro de 2006 Conceito de Software Parte lógica do sistema de

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Instalação em Rede. v2011 Manual Avançado Instalação em Rede v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Hardware... 3 b) Servidor:... 3 c) Rede:... 3 d) Pontos de Venda... 4 4. SQL Server... 5 e) Configurar porta estática:... 5 5.

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Licenciatura em Engenharia Informática. Relatório de Portfólio.

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Licenciatura em Engenharia Informática. Relatório de Portfólio. Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Licenciatura em Engenharia Informática Relatório de Portfólio GNU / Linux Nº 3113 Beja 2007 1 Índice Índice... 2 Resumo... 3 A Actividade...

Leia mais

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE

05/11/2010 Tech In HARDWARE TOMÉ & THEODORE HARDWARE 1 TOMÉ & THEODORE INTRODUÇÃO O QUE É O COMPUTADOR? Um computador é um dispositivo electrónico controlado por um programa (chamado sistema operativo) ; 05/11/2010 Tech In É constituído por componentes

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Histórico do sistema operacional 2. Licença de softwares 3. Aspectos

Leia mais

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Utilizador 7. 4 Configurar as opções internas 9

Conteúdo. 1 Introdução 5. 2 Pré-configuração 6. 3 Configurar a Interface do Utilizador 7. 4 Configurar as opções internas 9 Esta documentação foi convertida a partir da Base de Utilizadores do KDE para o K3b a 2011-01-20. Actualização para o 2.1 pela Equipa de Documentação do KDE Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais