MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS"

Transcrição

1 Publicação IPR 738 MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS 2010

2 MINISTRO DOS TRANSPORTES Dr. Paulo Sérgio Oliveira Passos DIRETOR GERAL DO DNIT Dr. Luiz Antonio Pagot DIRETOR EXECUTIVO DO DNIT Eng. o José Henrique Coelho Sadok de Sá DIRETOR DE INFRAESTRUTURA RODOVIÁRIA Engº Hideraldo Caron INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS Eng. o Chequer Jabour Chequer

3 MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS

4 EQUIPE TÉCNICA: CONSULTORIA ESPECIALIZADA Eng.º José Alberto Jordão de Oliveira Consultor Engesur Eng.º José Luís Mattos Britto Pereira Coordenador Engesur Eng.ª Maria Lúcia Barbosa de Miranda Supervisora Engesur Téc.º Luiz Carlos Aurélio - Informática Engesur Téc.ª Carolina Lima de Carvalho Informática Engesur Téc.ª Célia de Lima M. Rosa Informática Engesur COMISSÃO DE FISCALIZAÇÃO Eng.º Gabriel de Lucena Stuckert Coordenador Técnico IPR/DNIT Eng.º Pedro Mansour Supervisor Técnico IPR/DNIT Biblª. Heloisa Maria Moreira Monnerat Supervisora Administrativa IPR/DNIT COLABORADORES: Bibl.ª Tânia Bral Mendes Apoio Administrativo IPR/DNIT Estat. Dener dos Santos Coelho Informática IPR/DNIT PRIMEIRA EDIÇÃO ELABORADA EM 1996 POR: EQUIPE TÉCNICA: Dr. Raimundo Tarcísio Delgado DNER/DG Eng.º Emerson Rozendo Salgado) DNER/DEST Adm. Ítalo Mazzoni da Silva DNER DIR. OPER. ROD. Eng.º Fabiano Vivacqua - DNER / 7º DRF Eng.º Ricardo Katz - DNER / 7º DRF Eng.ª Leda Lígia R. Albuquerque - DNER / DEST Eng.º Jair Bizzo Gonçalves - DNER / DEST Eng.º Guilherme H. de B. Montenegro - DNER / DEST Eng.º Marco Antônio B. Menezes - DNER / DEST Eng.º Wanderson L. da Silva - DNER / DEST Eng.º Elmir Germani - Coordenador Geral Arquit.ª Ada T. Hamaguishi - TTC Eng.º Francisco Moreno Neto - TTC Sr. Leyde R. Buxbaum - TTC Arquit.º Ivan Carvalho Moraes - TTC Arquit.º Valter Casseb - TTC Arquit.ª Kátia M. Vespucci - Consultora Eng.º Sérgio Ejzenberg - Consultor Brasil. Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Diretoria Executiva. Instituto de Pesquisas Rodoviárias. Manual de sinalização de obras e emergências em rodovias. 2.ed. - Rio de Janeiro, p. (IPR. Publ. 738). 1. Rodovias Sinalização Manuais. I. Série. II. Título. CDD Reprodução permitida desde que citado o DNIT como fonte.

5 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS Publicação IPR 738 MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS 2ª edição RIO DE JANEIRO 2010

6 DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL DIRETORIA EXECUTIVA INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS Rodovia Presidente Dutra, km 163 Vigário Geral Cep.: Rio de Janeiro RJ Tel.: (21) Fax.: (21) / : TÍTULO: MANUAL DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS EM RODOVIAS Primeira edição original: 1996 Elaboração: DNIT / ENGESUR Contrato: DNIT / ENGESUR 264 / 2007 DIREX Aprovado pela Diretoria Colegiada do DNIT em 10 / 08 / 2010 Processo administrativo: / Impresso no Brasil / Printed in Brazil

7 APRESENTAÇÃO O Instituto de Pesquisas Rodoviárias vem apresentar a 2ª Edição do Manual de Sinalização de Obras e Emergências em Rodovias, decorrente de seu Programa de Revisão de Normas e Manuais Técnicos do DNIT. A 1ª edição, publicada pela Diretoria de Operações Rodoviárias do DNER, tinha como objetivo aperfeiçoar os dispositivos e suas normas de utilização, para se obter uma sinalização padronizada capaz de advertir os motoristas, canalizando o fluxo de tráfego com segurança e eficácia. Da mesma forma, a atual edição, apresenta os conjuntos de sinais e dispositivos de engenharia de tráfego, bem como as diretrizes para a execução de projetos e para implantação, manutenção e desativação da sinalização de obras e emergências, acrescida de uma seção em que se apresentam 37 projetos-tipo, com as mais diversas situações típicas, possibilitando aumentar as condições de segurança no trânsito. Foram ainda incorporadas as determinações do Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito, do Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN. Assim, espera-se que o presente Manual possa contribuir para a uniformização dos procedimentos para sinalização de obras e de emergências, tornando mais seguro o trânsito por nossas rodovias. Na oportunidade, solicita-se aos que utilizarem este Manual, que enviem suas contribuições e críticas, por carta ou , para: Instituto de Pesquisas Rodoviárias IPR, Rodovia Presidente Dutra, Km 163 Centro Rodoviário Vigário Geral Rio de Janeiro, RJ, CEP: , Engº Civil CHEQUER JABOUR CHEQUER Gerente de Projeto DNIT Instituto de Pesquisas Rodoviárias IPR 5

8

9 LISTA DE SÍMBOLOS E ABREVIATURAS AMC Amortecedor de impacto CONTRAN Conselho Nacional de Trânsito DENATRAN Departamento Nacional de Trânsito DNIT- Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes LBO Linha de borda LFO Linha de divisão de fluxos de sentidos opostos LFO-1 Linha simples contínua LFO-2 Linha simples seccionada LFO-3 Linha dupla contínua LFO-4 Linha dupla seccionada de um lado e contínua do outro LMS-1 Linha simples contínua LMS-2 Linha simples seccionada LRE Linha de retenção MOF Seta indicativa de mudança obrigatória de faixa PEM Seta indicativa de posicionamento na pista PMV Painel de mensagens variáveis 7

10

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURAS Figura 1 Áreas de sinalização de obras e emergências (I) Figura 2 Áreas de sinalização de obras e emergências (II) Figura 3 Faixas de acomodação e de transição Figura 4 Dimensões mínimas para abertura de canteiro e posição da canalização na entrada de desvios Figura 5 Dimensões mínimas para abertura de canteiro e posição da canalização na saída de desvios SINALIZAÇÃO VERTICAL DE ADVERTÊNCIA Figura 6 Sinal A-15: Parada obrigatória à frente Figura 7 Sinal A-17: Pista irregular Figura 8 Sinal A-18: Lombada Figura 9 Sinal A-19: Depressão Figura 10 Sinal A-21a: Estreitamento de pista ao centro Figura 11 Sinal A-21b : Estreitamento de pista à esquerda Figura 12 Sinal A-21c: Estreitamento de pista à direita Figura 13 Sinal A-24: Obras Figura 14 Sinal A-25: Mão dupla adiante Figura 15 Sinal A-27: Área com desmoronamento Figura 16 Sinal A-28: Pista escorregadia Figura 17 Sinal A-29: Projeção de cascalho Figura 18 Sinal A-37: Altura limitada Figura 19 Sinal A-38: Largura limitada Figura 20 Sinal A-42c: Início de pista dividida

12 SINALIZAÇÃO VERTICAL DE REGULAMENTAÇÃO Figura 21 Sinal R-1: Parada obrigatória Figura 22 Sinal R-7: Proibido ultrapassar Figura 23 Sinal R-19: Velocidade máxima permitida Figura 24 Sinal R-28: Figura 25 Sinal R-15: Altura máxima permitida Figura 26 Sinal R-16: Largura máxima permitida SINALIZAÇÃO VERTICAL DE INDICAÇÃO DE OBRAS Figura 27 Sinal de desvio à direita Figura 28 Sinal de desvio à esquerda Figura 29 Sinal de desvio à direita a...metros Figura 30 Sinal de desvio à esquerda a...metros Figura 31 Sinal de acostamento em obras a... metros Figura 32 Sinal de tráfego em meia pista a...metros Figura 33 Sinal de obedeça ao operador Figura 34 - Sinal de fim de obras SINALIZAÇÃO HORIZONTAL DE OBRAS Figura 35 Linha simples contínua (LFO-1) Figura 36 Linha simples seccionada (LFO-2) Figura 37 Linha dupla contínua (LFO-3) Figura 38 Linha dupla, seccionada de um lado e contínua do outro (LFO-4) Figura 39 Linha simples contínua (LMS-1) Figura 40 Linha simples seccionada em pista dupla (LMS-2) Figura 41 Linha Simples Seccionada em Pista Simples (LMS-2) Figura 42 Linha de borda em pista dupla (LBO) Figura 43 Linha de borda em pista simples (LBO) Figura 44 Linha de retenção (LRE) Figura 45 Marcas de canalização

13 Figura 46 Marcação de aproximação de obstáculo Figura 47 Dimensões das setas PEM em vias rurais Figura 48 - Dimensões das setas MOF para rodovias rurais DISPOSITIVOS DE CANALIZAÇÃO E SEGURANÇA Figura 49 Barreiras Tipo I, II e III Figura 50 Barreira Tipo I: Dimensões e características Figura 51 Barreira Tipo II: Dimensões e características Figura 52 Barreira Tipo III: Dimensões e características Figura 53 Barreiras Plásticas: Dimensões e características Figura 54 Cones: Dimensões e características Figura 55 Cilindro canalizador de tráfego: Dimensões e características Figura 56 Tapumes: Dimensões e características Figura 57 Telas plásticas: Características Figura 58 Fitas de canalização: Características Figura 59 Gradis portáteis: Características Figura 60 Marcadores de perigo: Tipos, dimensões e características Figura 61 Marcadores de obstáculo: Dimensões e características Figura 62 Marcadores de alinhamento: Dimensões e características DISPOSITIVOS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Figura 63 Posicionamento dos operadores das bandeiras Figura 64 Operação do sinal PARE (I) Figura 65 Operação do sinal PARE (II) Figura 66 Painel com seta luminosa montado em veículos Figura 67 Caminhão equipado com atenuador de impacto e painel com seta luminosa Figura 68 Instalação de luzes de advertência de emissão contínua Figura 69 Luzes intermitentes: Características Figura 70 Posicionamento das lâmpadas do painel com seta iluminada Figura 71 Painel de mensagens variáveis PMV portátil móvel

14 Figura 72 Semáforo portátil DETALHAMENTO DAS PLACAS Figura 73 Sinal A-15: Parada obrigatória à frente Figura 74 Sinal A-17: Pista irregular Figura 75 Sinal A-18: Saliência ou lombada Figura 76 Sinal A-19: Depressão Figura 77 Sinal A 21a: Estreitamento de pista ao centro Figura 78 Sinal A-21b: Estreitamento de pista à esquerda Figura 79 Sinal A-21c: Estreitamento de pista à direita Figura 80 Sinal A-24a: Obras Figura 81 Sinal A-25: Mão dupla adiante Figura 82 Sinal A-27: Área com desmoronamento Figura 83 Sinal A-28: Pista escorregadia Figura 84 Sinal A-29: Projeção de cascalhos Figura 85 Sinal A-37: Altura limitada Figura 86 Sinal A-38: Largura limitada Figura 87 Sinal A-42c: Pista dividida Figura 88 Última saída Figura 89 Última saída a 500 m Figura 90 Próximos 1000 m Figura 91 A 500 m Figura 92 A 50 m Figura 93 A 1500 m Figura 94 Tráfego em meia pista a 750 m Figura 95 Tráfego em meia pista a 500 m Figura 96 Desvio à esquerda Figura 97 Desvio à direita Figura 98 Obedeça ao operador Figura 99 Máquinas na pista

15 Figura 100 Fim das obras Figura 101 Desvio à esquerda a 200 m Figura 102 Desvio à direita a 200 m Figura 103 Acostamento em obras a 200 m Figura 104 Sinal R-1: Parada obrigatória Figura 105 Sinal R-7: Proibido ultrapassar Figura 106 Sinal R-15: Altura máxima permitida Figura 107 Sinal R-16: Largura máxima permitida Figura 108 Sinal R-19: Velocidade máxima permitida Figura 109 Sinal R-28: Duplo sentido de circulação

16

17 LISTA DE ILUSTRAÇÕES TABELAS Tabela 1 Dimensões das marcas viárias longitudinais Tabela 2 Dimensões do painel com seta iluminada

18

19 LISTA DE ILUSTRAÇÕES PROJETOS-TIPO Significado dos símbolos de diagramas de aplicações típicas Projeto-Tipo Nº. 01: Sinalização de obras - obra fora da pista Pista única (1 faixa por sentido) Projeto-Tipo Nº. 02: Sinalização de obras - Bloqueio do acostamento Pista simples (1 faixa por sentido) Projeto-Tipo Nº. 03: Sinalização de obras Bloqueio do acostamento e de parte da faixa adjacente Pista única Projeto-Tipo Nº. 04: Sinalização de obras - Bloqueio de 1 faixa com desvio para o acostamento e sem desvio do fluxo oposto Pista única Projeto-Tipo Nº. 05: Sinalização de obras Bloqueio de ½ pista com desvio do fluxo oposto Pista única Projeto-Tipo Nº. 06: Sinalização de obras bloqueio de ½ pista com circulação alternada Pista única Projeto-Tipo Nº. 07: Sinalização de obras bloqueio de ½ pista com desvio para fora da pista Pista única Projeto-Tipo Nº. 08: Sinalização de obras Bloqueio da pista com desvio para os acostamentos Pista única Projeto-Tipo Nº. 09: Sinalização de obras Bloqueio total com desvio para fora da pista... Pista única Projeto-Tipo Nº. 10: Sinalização de obras Bloqueio da faixa adicional Pista única (com 3ª Faixa) Projeto-Tipo Nº. 11: Sinalização de obras Bloqueio da faixa adicional e parte da faixa adjacente com desvio do fluxo oposto Pista única (com 3ª faixa)

20 Projeto-Tipo Nº. 12: Sinalização de obras Bloqueio das 2 faixas no mesmo sentido com desvio para fora da pista Pista única (com 3ª faixa) Projeto-Tipo Nº. 13: Sinalização de obras Bloqueio do acostamento e parte da faixa adjacente Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 14: Sinalização de obras Bloqueio Total do acostamento, total da 1ª faixa e parcial da 2ª faixa Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 15: Sinalização de obras bloqueio da faixa adjacente ao canteiro central Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 16: Sinalização de obras Bloqueio de 1 pista com desvio para o acostamento Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 17: Sinalização de obras Bloqueio de 1 pista com desvio no fluxo oposto Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 18: Sinalização de obras Bloqueio de 1 pista e do acostamento com desvio para fora da pista Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 19: Sinalização de obras Bloqueio do acostamento e das 2 faixas adjacentes com desvio para 3ª faixa Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 20: Sinalização de obras Bloqueio das 2 faixas adjacentes ao acostamento com desvio para a faixa remanescente e para o acostamento Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 21: Sinalização de obras Bloqueio das 2 faixas adjacentes ao canteiro central Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 22: Sinalização de obras Bloqueio da faixa central Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 23: Sinalização de obras Bloqueio das 3 faixas com desvio para o acostamento e para fora da pista 18

21 Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 24: Sinalização de obras móveis - Topografia Pista única Projeto-Tipo Nº. 25: Sinalização de obras móveis Pré-marcação Pista única Projeto-Tipo Nº. 26: Sinalização de obras móveis Reparos rápidos no pavimento com circulação alternada Pista única Projeto-Tipo Nº. 27: Sinalização de obras móveis Implantação de sinalização horizontal Pista única Projeto-Tipo Nº. 28: Serviços móveis na pista Bloqueio da faixa da direita e do acostamento Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 29: Sinalização de emergência Obstáculo no acostamento Pista única Projeto-Tipo Nº. 30: Sinalização de emergência Obstáculo em 1 faixa e 1 acostamento Desvio no acostamento Pista única Projeto-Tipo Nº. 31: Sinalização de emergência Obstrução de meia pista Circulação alternada Pista única Projeto-Tipo Nº. 32: Sinalização de emergência Obstáculo na pista Pista única Projeto-Tipo Nº. 33: Sinalização de emergência Bloqueio na faixa da direita e no acostamento Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 34: Sinalização de emergência Bloqueio nas faixas da direita Pista dupla Projeto-Tipo Nº. 35: Sinalização de emergência Bloqueio na faixa da esquerda Pista dupla

22 Projeto-Tipo Nº. 36: Sinalização de emergência Bloqueio nas faixas da esquerda Pista dupla Projeto-Tipo Nº 37: Bloqueio do passeio de pedestres com travessia para o passeio oposto ou desvio para o estacionamento (Acostamento)

23 SUMÁRIO 21

24

25 SUMÁRIO Apresentação... 5 Lista de símbolos e abreviaturas... 7 Lista de ilustrações Figuras... 9 Lista de ilustrações Tabelas Lista de ilustrações Projetos-tipo Introdução Considerações gerais Diretrizes de projeto, segurança, fluidez e procedimentos básicos Sinalização vertical de obras Sinalização horizontal de obras Dispositivos de canalização e segurança Projetos tipo Detalhamento das placas de obras Referências bibliográficas Índice

26

27 1. INTRODUÇÃO 25

28

29 1. INTRODUÇÃO O Manual de Sinalização de Obras e Emergências em Rodovias foi elaborado com o objetivo de se obter uma uniformização da Sinalização de obras em rodovias sob circunscrição do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT. É composto de cinco partes conceituais e duas gráficas, de forma a proporcionar aos projetistas as diretrizes necessárias para a elaboração do projeto e à equipe responsável pela execução da intervenção pertinente sua implantação, manutenção e desativação. As partes conceituais são representadas pelas seguintes Seções: Seção 2. Considerações Gerais onde são apresentadas as funções da sinalização e a análise das condições que interferem na elaboração do projeto e as responsabilidades legais envolvidas. Seção 3. Diretrizes de Projeto, Segurança e Fluidez e Procedimentos Básicos onde são apresentadas a caracterização das áreas junto às obras, as condições a serem observadas para a segurança e fluidez, e os procedimentos para a implantação, manutenção, desativação e fiscalização. Seção 4. Sinalização Vertical de Obras onde são apresentadas as características da sinalização vertical e os sinais de advertência, regulamentação e de indicação usualmente empregados. Seção 5. Sinalização Horizontal de Obras onde são apresentadas as características da sinalização horizontal, as marcas viárias longitudinais, transversais, de canalização e inscrições no pavimento usualmente empregadas. Seção 6. Dispositivos de Canalização e Segurança onde são apresentados os dispositivos de canalização, os dispositivos e procedimentos de segurança, os dispositivos acoplados aos veículos e os dispositivos luminosos. As partes gráficas são representadas pelas seguintes seções: Seção 7. Projetos Tipo, onde são apresentados exemplos de sinalização em situações típicas; e Seção 8. Dimensionamento dos Sinais, onde se detalham os aspectos construtivos dos mesmos. Deve-se ressaltar que as partes conceituais e gráficas são complementares, recomendando-se, portanto, a leitura completa do Manual para a plena compreensão das regras estabelecidas. 27

30 As orientações e padrões estabelecidos neste Manual são passíveis de revisões periódicas, devendo seus usuários remeterem sugestões e, em caso de dúvidas, pedidos de informações ou esclarecimentos ao DNIT. 28

31 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 29

32

33 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2.1 FUNÇÕES DA SINALIZAÇÃO DE OBRAS E EMERGÊNCIAS A execução de serviços de manutenção do pavimento e de obras em rodovias, em especial, assim como a ocorrência de situações de emergência, são fatores que determinam o surgimento de problemas de fluidez e segurança na circulação de veículos. Situações deste tipo constituem-se em fatos imprevistos para quem está dirigindo ao longo da rodovia, em condições de velocidade relativamente constantes. Junto a trechos em obras, acidentes podem ocorrer, devido à implantação de sinalização que venha a transmitir informações confusas ou contraditórias. Essa situação pode ser agravada pela implantação de sinais a distâncias incorretas ou pela escolha e implantação de dispositivos de canalização e controle inadequados ou em número insuficiente. Dessa forma, além de um adequado planejamento para a execução desses tipos de obras e do desenvolvimento de projetos de desvio de trânsito, cuidado especial deve ser dado à sinalização para que se obtenha um controle seguro do fluxo de tráfego. Seguindo esse pressuposto, uma sinalização para as obras em rodovias deve: Advertir, com a necessária antecedência, a existência de obras ou situações de emergência adiante e a situação que se verificará na pista de rolamento; Regulamentar a velocidade e outras condições para a circulação segura; Canalizar e ordenar o fluxo de veículos junto à obra, de modo a evitar movimentos conflitantes, evitar acidentes e minimizar congestionamento; Fornecer informações corretas, claras e padronizadas aos usuários da via. 2.2 SINALIZAÇÃO DE OBRAS CONDIÇÕES DETERMINANTES A sinalização deve estar sempre adaptada às características da obras e da rodovia onde será implantada. Deve apresentar boa legibilidade, visibilidade e credibilidade. Dessa forma, as condições básicas que determinam a escolha do tipo e quantidade de sinais e dispositivos e suas características são as seguintes: 31

34 2.2.1 Duração da obra A sinalização provisória deve ter características próprias, conforme o tempo necessário à execução das obras, que podem ser de curta ou longa duração. Para as obras de curta duração, os dispositivos de sinalização devem, também, ser os mais portáteis possíveis, admitindo-se, porém, dispositivos fixos e de maior porte. Para as de longa duração, a portabilidade perde importância como fator determinante na escolha dos dispositivos. O fato gerador da necessidade da intervenção pode, também, ocorrer de forma não prevista (casos emergenciais), tais como desmoronamentos, acidentes ou erosão da pista. Nos casos de emergências, recomenda-se a utilização de dispositivos portáteis, possibilitando uma rápida implantação ou desativação da sinalização Mobilidade da obra A sinalização de obras também se caracterizará por uma maior ou menor necessidade de adoção de dispositivos portáteis, conforme o evento determine a implantação de canteiros de obras móveis ou fixos Interferência no tráfego A localização da obra na pista de rolamento determina a alteração da circulação de forma específica, conforme a situação bloqueie acostamento, faixas à direita, à esquerda, no centro ou toda a pista. Isso implica em variações na forma de sinalizar o trecho em obras, com o objetivo de canalizar adequadamente o fluxo de veículos Características da rodovia Além da variação na localização da obra na pista, a característica do trecho da rodovia em obras também determinará a variação da sinalização, particularmente, nas seguintes condições: Rodovia de pista única, com uma ou duas faixas de circulação por sentido; Rodovia de pista dupla (com canteiro central), com duas ou mais faixas de circulação por sentido; Trecho de rodovia apresentando melhores ou piores condições de visibilidade. 32

35 2.2.5 Legibilidade e visibilidade Tendo em vista a condição de imprevisibilidade da situação provocada pela ocorrência de obras ou emergências, a sinalização a ser implantada deve apresentar legibilidade e visibilidade. Para tanto, a sinalização provisória deve: Apresentar dimensões e características padronizadas; Ser implantada com critérios uniformes; Apresentar bom estado de conservação; Estar adaptada às condições atmosféricas, devendo ser sempre retrorrefletiva ou acompanhada de dispositivos luminosos, quando os canteiros de obras permanecerem ativados durante o período noturno ou estiverem implantados em locais sujeitos à neblina; Ser objeto de manutenção, enquanto perdurar a situação temporária Credibilidade Como toda a sinalização de trânsito, a relativa a obras deve informar ao usuário a exata situação decorrente da implantação do canteiro de obras. Assim, o conjunto de sinais deve ser implantado de forma a transmitir com clareza e precisão as condições que serão encontradas adiante, tais como: a localização da obra, as consequências na circulação e o fim do trecho em obras. A informação precisa através da sinalização, da real situação verificada, é fundamental para credibilidade das mensagens transmitidas e para a predisposição de obediência a determinações e orientações. Assim, é de fundamental importância informar o fim do trecho em obras, quando a condição normal da pista voltar a ocorrer. 2.3 RESPONSABILIDADES LEGAIS Este Manual apresenta as regras de sinalização de obras, devendo todas as partes envolvidas no projeto, implantação, manutenção e operacionalização, seguirem suas recomendações. Deve-se ressaltar que o Código de Trânsito Brasileiro estabelece: Art. 80. Sempre que necessário, será colocada ao longo da via, sinalização prevista neste Código e em legislação complementar, destinada a condutores e pedestres, vedada a utilização de qualquer outra. 33

36 1º A sinalização será colocada em posição e condições que a tornem perfeitamente visível e legível durante o dia e a noite, em distância compatível com a segurança do trânsito, conforme normas e especificações do CONTRAN. Art. 88. Nenhuma via pavimentada poderá ser entregue após sua construção, ou reaberta ao trânsito após a realização de obras ou de manutenção, enquanto não estiver devidamente sinalizada, vertical e horizontalmente, de forma a garantir as condições adequadas de segurança na circulação. Parágrafo único. Nas vias ou trechos de vias em obras deverá ser afixada sinalização específica e adequada. Art. 90. Não serão aplicadas as sanções previstas neste Código por inobservância à sinalização quando esta for insuficiente ou incorreta. 1º O órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via é responsável pela implantação da sinalização, respondendo pela sua falta, insuficiência ou incorreta colocação. 2º O CONTRAN editará normas complementares no que se refere à interpretação, colocação e uso da sinalização. Art. 94 Qualquer obstáculo à livre circulação e à segurança de veículos e pedestres, tanto na via quanto na calçada, caso não possa ser retirado, deve ser devida e imediatamente sinalizado. Art. 95. Nenhuma obra ou evento que possa perturbar ou interromper a livre circulação de veículos e pedestres, ou colocar em risco sua segurança, será iniciada sem permissão prévia do órgão ou entidade de trânsito com circunscrição sobre a via. 1º A obrigação de sinalizar é do responsável pela execução ou manutenção da obra ou do evento. 4º Ao servidor público responsável pela inobservância de qualquer das normas previstas neste e nos artigos 93 e 94, a autoridade de trânsito aplicará multa diária na base de cinquenta por cento do dia de vencimento ou remuneração devida enquanto permanecer a irregularidade. Dessa forma, ficam estabelecidas as responsabilidades das diversas partes envolvidas, devendo: O responsável seguir as normas de sinalização contidas neste Manual e encaminhar os Projetos de Sinalização ao DNIT, para sua aprovação. O DNIT aprovar os Projetos de Sinalização que atendam às diretrizes estabelecidas, cuidando, através de fiscalização, para que sejam efetivamente implantados. 34

37 As entidades responsáveis pela implantação da sinalização seguirem as diretrizes estabelecidas ou contidas nos projetos aprovados pelo DNIT. A entidade que executar a obra manter a sinalização implantada, tomando as medidas de reposição necessárias, quando da verificação de sua danificação ou furto durante a obra. O DNIT manter fiscalização periódica para verificação das condições de manutenção da sinalização e da sua correta desativação, nos casos de obras executadas por empreiteiras contratadas. O DNIT implantar, manter e desativar adequadamente a sinalização de obras executadas por administração direta. 35

38

39 3. DIRETRIZES DE PROJETO, SEGURANÇA, FLUIDEZ E PROCEDIMENTOS BÁSICOS 37

40

41 3. DIRETRIZES DE PROJETO, SEGURANÇA, FLUIDEZ E PROCEDIMENTOS BÁSICOS 3.1. CARACTERIZAÇÃO DAS ÁREAS JUNTO A OBRAS E SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA Conforme já salientado, nas aproximações das áreas onde estão sendo implantadas obras de manutenção/conservação ou ocorram situações de emergência (doravante tratadas apenas como obras, para simplificar a leitura), deve-se condicionar os condutores de veículos a circularem com redobrada atenção, segundo velocidades adequadas à nova situação e de acordo com os esquemas de circulação estabelecidos. Para possibilitar o alcance desse objetivo, toda a área de influência da obra na rodovia deve ser adequadamente sinalizada. De acordo com a influência no tráfego, a área a ser sinalizada deve ser subdividida em: Área de pré-sinalização; Área de transição; Área de atividade; Área de proteção; Área de trabalho; Área de retorno à situação normal; Área de sinalização de fim das obras. As Figuras 1 e 2 representam esquematicamente, em planta, essas áreas. 39

42 Figura 1 Áreas de sinalização de obras e emergências (I) Área de Sinalização de Fim de Obras Área de Atividade Área de Transição Área de Pré-sinalização Área de Pré-sinalização Área de Transição Área de Atividade Área de Sinalização de Fim de Obras 1 - Área de Proteção 2 - Área de Trabalho 3 - Área de Retorno à Situação Normal Figura 2 Áreas de sinalização de obras e emergências (II) Área de Sinalização de Fim de Obras Área de Atividade Área de Transição Área de Pré-Sinalização Área de Proteção 2 - Área de Trabalho 3 - Área de Retorno à Situação Normal 40

43 Área de pré-sinalização A área de pré-sinalização é aquela onde deve ser implantada a sinalização destinada a advertir os condutores de veículos da existência de obras adiante e das consequências na circulação do tráfego. Nessa área, devem ser implantados, também, os sinais que regulamentam condições de comportamentos obrigatórios, de modo que os motoristas, ao atingirem o início das obras ou da canalização implantada, sejam claramente informados da situação com que irão se deparar adiante e trafeguem em condições seguras. A extensão da área de pré-sinalização deve variar de acordo com as características das obras. Para a maioria dos casos, essa extensão deve, pelo menos, ser de: 1500 m, quando a obra for executada na pista, obrigando um ou mais fluxos de veículos a parar ou ser desviado para uma pista auxiliar, acostamento ou outra pista; 1000 m, quando a obra for executada na pista, mas, por exigir apenas o estreitamento da faixa de rolamento, não provocar o desvio do fluxo de veículos; 500 m, quando a obra for executada no acostamento; 100 m, quando a obra for executada fora do acostamento Área de transição A área de transição é o trecho da rodovia onde os dispositivos de sinalização direcionam os motoristas para fora do seu caminho normal. A transferência do fluxo de veículos de uma faixa a outra deve ser efetuada de modo a propiciar segurança, ou seja, através da implantação de faixas de desaceleração delimitadas por dispositivos de canalização e segundo distâncias que devem variar de acordo com a velocidade regulamentada para a rodovia. Assim, de acordo com essas velocidades, o comprimento (L, na Figura 3, apresentada adiante) dessas faixas de acomodação deve ser de: 100 m quando V 60 km/h; 150 m quando 60 km/h < V 80 km/h; e 200 m quando V > 80 km/h. Quando a obra ocorrer no acostamento, a área de sinalização de transição deve ter uma extensão de 50 metros. 41

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição VOLUME III OBRAS, SERVIÇOS DE CONSERVAÇÃO E EMERGÊNCIA 2006 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Manual

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO DE SINALIZAÇÃO VIARIA NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO Nº 04 Memorial Descritivo De

Leia mais

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização

Segurança do trânsito 8. A sinalização rodoviária Fevereiro 2010. 8. A sinalização 8. A sinalização Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do Manual de Direção Defensiva do DENATRAN Através da sinalização, os responsáveis pelo trânsito transmitem

Leia mais

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4

1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 SUMÁRIO 1. O QUE É SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO?... 3 2. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE TRÂNSITO... 4 2.1. Sinalização Vertical... 6 2.1.1. Sinalização de Regulamentação... 7 2.1.2. Sinalização de Advertência...

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços PÁG. 1/16 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão de sinalização, identificação e isolamento nas obras e serviços da Bahiagás, a fim de minimizar os riscos a das atividades em vias públicas, proteger os munícipes

Leia mais

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no

ANEXO II 1.1. SINALIZAÇÃO DE REGULAMENTAÇÃO. Tem por finalidade informar aos usuários as condições, proibições, obrigações ou restrições no ANEXO II 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou suspenso sobre a pista, transmitindo

Leia mais

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO

5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5. CLASSIFICAÇÃO DA SINALIZAÇÃO DE INDICAÇÃO 5.1 Placas de identificação Posicionam o condutor ao longo do seu deslocamento, ou com relação a distâncias, ou locais de destino. 5.1.1 Placas de identificação

Leia mais

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade

Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO M. NAGAO 5060215720/SP. Coord. Adjunto Contrato. Sítio GERAL. Especialidade / Subespecialidade 0 EMISSÃO INICIAL 08/03/10 LG WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto CREA / UF ENGº WILSON VIEIRA 060040558/SP Autor do Proj./Resp. Técnico CREA / UF ENG.º EDUARDO

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

Obras complementares - sinalização vertical

Obras complementares - sinalização vertical MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Os dispositivos de sinalização semafórica devem ser implantados segundo critérios de projeto, de modo que a informação resultante para os condutores de veículos

Leia mais

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s SP 01/93 NT 160/93 Projeto e Operação Escola Engº Waldemar A.C. Christianini (GET2) 1. Introdução O presente trabalho tem por objetivo principal adequar as condições de tráfego da malha viária junto às

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 160, DE 22 DE ABRIL DE 2004. Aprova o Anexo II do Código de Trânsito Brasileiro. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN, usando da competência que lhe confere o art. 12, inciso VIII, da

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita

Placas de regulamentação. R-4a Proibido virar à esquerda. R-8a Proibido mudar de faixa ou pista de trânsito da esquerda para direita Sinalização Sinalização vertical Código de Trânsito Brasileiro (CTB) Anexo II Conselho Nacional de Trânsito (Contran) De acordo com sua função, a sinalização vertical pode ser de regulamentação, de advertência

Leia mais

Município de Alvaiázere

Município de Alvaiázere Empreitada de: Requalificação urbana da envolvente à Casa do Povo de Alvaiázere, incluindo parte da rua José Augusto Martins Rangel e rua Colégio Vera Cruz Dono de Obra: Município de Alvaiázere 1 SUMÁRIO

Leia mais

INTRODUÇÃO. Dirigindo drogado...

INTRODUÇÃO. Dirigindo drogado... INTRODUÇÃO Dirigindo drogado... Curso de Sinalização de Obras Bibliografia MUTCD Manual de Sinalização de Obras e Emergências, DNER, 1996 Manual de Sinalização de Obras, NovaDutra, Grupo CCR, 2005 Curso:

Leia mais

ANEXO II. A forma padrão do sinal de regulamentação é a circular, nas seguintes cores:

ANEXO II. A forma padrão do sinal de regulamentação é a circular, nas seguintes cores: ANEXO II 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL. É um subsistema da sinalização viária, que se utiliza de placas, onde o meio de comunicação (sinal) está na posição vertical, fixado ao lado ou suspenso sobre a pista,

Leia mais

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP. PLANEJAMENTO

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

MANUAL DE ACESSO DE PROPRIEDADES MARGINAIS A RODOVIAS FEDERAIS

MANUAL DE ACESSO DE PROPRIEDADES MARGINAIS A RODOVIAS FEDERAIS DNIT Publicação IPR - 728 MANUAL DE ACESSO DE PROPRIEDADES MARGINAIS A RODOVIAS FEDERAIS 2006 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Obras. Volume 8. 2ª Edição

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Obras. Volume 8. 2ª Edição Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Obras Volume 8 2ª Edição GPV/Normas Julho - 2004 APRESENTAÇÃO A Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo apresenta este Manual de

Leia mais

ÁLBUM DE PROJETOS-TIPO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM

ÁLBUM DE PROJETOS-TIPO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM DNIT Publicação IPR - 725 ÁLBUM DE PROJETOS-TIPO DE DISPOSITIVOS DE DRENAGEM 2006 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA

Leia mais

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA

PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA PST. PLANO DE SINALIZAÇÃO TEMPORÁRIA (Descrição da Obra) Empreitada: descrição da empreitada Dono da Obra: identificação do dono da obra Edição / Revisão / Código: PST. Entidade Executante/Construtor:

Leia mais

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição

MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 2ª edição VOLUME I PROJETO 2006 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Manual de sinalização rodoviária. -- São Paulo

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB

ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB ANEXO II DO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO - CTB 1. SINALIZAÇÃO VERTICAL É um subsistema da sinalização viária cujo meio de comunicação está na posição vertical, normalmente em placa, fixado ao lado ou

Leia mais

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano

Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano Inicie a disciplina apresentando novamente o objetivo geral e agora os específicos para esta aula que estão no Plano de Aula Teórica da disciplina de Legislação de Trânsito 14, neste material. 115 Para

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12

Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA. Rodízio. Critérios de Projeto Revisão 0. Volume 12 Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Rodízio Critérios de Projeto Revisão 0 Volume 12 Fevereiro - 2014 Introdução Esta norma de projeto faz parte do Manual de Sinalização Urbana,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE - SINALIZAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE - SINALIZAÇÃO A placa A-1a informa ao motorista a existência de: 1 curva à esquerda. 2 pista sinuosa à esquerda. 3 curva acentuada à esquerda. 4 curva acentuada em "S" à esquerda. A placa A-1b informa ao motorista a

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06)

RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) RESOLUÇÃO Nº 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 (com as alterações das Resoluções nº 165/04, nº 202/06 e nº 214/06) Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores,

Leia mais

NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN

NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN Manual Brasileiro de Sinalização de Trânsito VOLUME I Sinalização Vertical de Regulamentação CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN DENATRAN 2005 Ministério das Cidades Presidente da República LUIZ INÁCIO

Leia mais

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO

6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO 6. ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ORIENTAÇÃO DE DESTINO Este capítulo apresenta uma metodologia para a elaboração de projeto de sinalização de orientação de destino cujas placas são tratadas nos itens 5.2, 5.4,

Leia mais

AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS. Regina Malaguti 1. Camilo Michalka Jr.

AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS. Regina Malaguti 1. Camilo Michalka Jr. 7 e 8 Novembro 2012 ISSN 2175-3695 AS DENOMINADAS CICLOVIAS CARIOCAS: UMA AVALIAÇÃO À LUZ DA LEGISLAÇÃO FEDERAL E DAS RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS Regina Malaguti 1 Camilo Michalka Jr. 2 RESUMO A bicicleta,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 01. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no que diz respeito às infrações, analise as assertivas a seguir. I. Confiar ou entregar a direção de veículo à pessoa

Leia mais

Regulamentação de Estacionamento e Parada

Regulamentação de Estacionamento e Parada Companhia de Engenharia de Tráfego MANUAL DE SINALIZAÇÃO URBANA Regulamentação de Estacionamento e Parada Ponto de Ônibus Critérios de Projeto Revisão 01 Volume 10 Parte 1 Março - 2001 PONTO DE ÔNIBUS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

c Publicada no DOU de 2-9-2003.

c Publicada no DOU de 2-9-2003. RESOLUÇÃO DO CONTRAN N o 146, DE 27 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL ORIENTAÇÕES PARA MODELO DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos necessários de sinalização, identificação e isolamento, para atingir aos objetivos de segurança, qualidade, proteção

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS TEMPO DE VERMELHO INTERMITENTE/PISCANTE EM SEMÁFOROS DE PEDESTRES, SEGUNDO O CTB CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO E A BOA PRÁTICA DE SEGURANÇA NA ENGENHARIA DE TRÁFEGO Sergio Ejzenberg SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 11 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 8 2. INTRODUÇÃO 9 2.1 Formas de controle do tráfego em interseção ou seção de via... 9 2.2 Princípios da Sinalização Semafórica... 9 3. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

Leia mais

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB)

Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito (27/09/2011) Fichas individuais dos enquadramentos Infrações referentes a sinais, bloqueios e prioridades (Artigos 208 a 217 do CTB) Art. 208. Avançar o sinal

Leia mais

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012

NOVO SIMULADO DE SINALIZAÇÃO 2012 1 O procedimento do pedestre diante da sinalização semafórica, identificada na cartela pelo código SS-07 é: a) Atenção; b) Pode seguir; c) Pare o veículo; d) Proibido a travessia; 2 São placas utilizadas

Leia mais

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m

CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m A P Ê N D I C E E CARGAS EXCEDENTES/INDIVISÍVEIS A t u a l i z a d o e m 2 7 / 0 5 / 1 2 NOTA DO AUTOR: este capítulo traz dicas resumidas acerca da fiscalização de veículos e combinações que ultrapassam

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003

DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 DELIBERAÇÃO Nº 38, DE 11 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade, de avanço de sinal vermelho e da parada sobre a faixa de pedestres de veículos automotores,

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 10 - Guia de Gestão e Segurança do Tráfego (GGST) O Manejo do Trânsito de veículos e pedestres no entorno e no

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

SP 01/04/91 NT 128/91

SP 01/04/91 NT 128/91 SP 01/04/91 NT 128/91 Gerenciamento de Grandes Eventos Antonio Carlos Rissardo (DO) Marco Aurélio Reginatto (GET 5) Maria Cecília Figueiredo de Toledo (GDT) Marta Maria Alcione Pereira (AA) Milton Roberto

Leia mais

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N, 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA

SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: TT-401 - TRANSPORTES A PROFESSORES: Djalma Martins Pereira Eduardo

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO

LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO Sistema Nacional de Trânsito - Esquema Organizacional ESQUEMA Executivos Normativos Consultivos Coordenadores S.N.T De Trânsito De Rodoviárias Fiscalizadores Recursais Veículos CONTRAN: Máximo / Restrições

Leia mais

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO

DNIT. Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento /2009 NORMA DNIT - PRO DNIT /2009 NORMA DNIT - PRO Obras complementares Segurança no tráfego rodoviário - Projeto de barreiras de concreto Procedimento MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

MANUAL DE ACESSO ÀS RODOVIAS FEDERAIS

MANUAL DE ACESSO ÀS RODOVIAS FEDERAIS DNIT MANUAL DE ACESSO ÀS RODOVIAS FEDERAIS VERSÃO PRELIMINAR 2006 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO São Paulo, setembro de 2.007 2 CODIGO DE TRANSITO BRASILEIRO -PEDESTRES- INDICE 2 CAPITULO I (Artigos 1 a 4) sem citação de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências.

Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 214, de 13/11/2006 Altera o art. 3º e o Anexo I, acrescenta o art. 5º-A e o Anexo IV na Resolução CONTRAN nº 146/03 e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO - CONTRAN,

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº / 05

PROJETO DE LEI Nº / 05 PROJETO DE LEI Nº / 05 DISPÕE SOBRE O USO DA BICICLETA E O SISTEMA CICLOVIÁRIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Uberlândia, APROVA: Art. 1º. Esta lei regula o uso da bicicleta e o sistema

Leia mais

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto

Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Lei complementar Nº122, de 14 de Março de 2005 Autoria vereadores Jair Gomes de Toledo e Marilda Prado Yamamoto Dispõe sobre a regulamentação de posicionamento de caçambas usadas na remoção de entulhos,

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 4. CRITÉRIOS GERAIS PARA IMPLANTAÇÃO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Este capítulo aborda um dos principais aspectos da sinalização semafórica, que é a decisão relativa à utilização ou não dessa sinalização

Leia mais

onde Ia = índice de acidentes = acidentes ocorridos num período duração do período

onde Ia = índice de acidentes = acidentes ocorridos num período duração do período SP 01/93 NT 159/93 Algumas considerações sobre segurança em cruzamentos com e sem semáforos Núcleo de Estudos de Tráfego 1. Introdução Há poucos casos em que uma análise exclusiva de fluidez justifica

Leia mais

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais.

PROJETO BR-116 BR-381 BR 116 BR 381 PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP. Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais. BNDES PESQUISAS E ESTUDOS DE VIABILIDADE DE PPP Sistema Rodoviário Federal - Minas Gerais GO BA DISTRITO FEDERAL MINAS GERAIS GOIÁS BR 116 BR 040 PROJETO BR-116 BR-381 BR 381 ES SP RJ Produto 3A ESTUDOS

Leia mais

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla

Aplicação do dispositivo CAIXA DE SEGURANÇA (Safety Box) para Travessias de Pedestres em vias simples e mão dupla NT2162011 AplicaçãododispositivoCAIXADESEGURANÇA(SafetyBox)para TravessiasdePedestresemviassimplesemãodupla LuizAlbertoGonçalvesRebelo MarcosCézarZaccaria MarceloGuidolin MariaMargaridaNunesSobral 1 Apresentação

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Minirrotatória Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Introdução A minirrotatória é um dispositivo de segurança utilizado em cruzamento não muito movimentado, para organizar a circulação

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

MANUAL SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

MANUAL SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 705 100 MANUAL DE SINALIZAÇÃO RODOVIÁRIA 1999 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO MINISTRO DOS TRANSPORTES Dr. Eliseu Padilha

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: SERVIÇOS INICIAIS, CAPEAMENTO ASFÁLTICO, QUEBRA-MOLA, SINALIZAÇÃO E SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTARES MUNICÍPIO: ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL - RS LOCAL: RUA LUIZ GRAEF ÁREA: 427,20

Leia mais

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes

3. Referenciais. 3.1 Referenciais teóricos. 3.1.1 O sistema cicloviário e seus elementos componentes 21 3. Referenciais "Se a mobilidade física é condição essencial da liberdade, a bicicleta talvez tenha sido o instrumento singular mais importante, desde Gutenberg, para atingir o que Marx chamou de plena

Leia mais

Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr.

Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr. EMPRESA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO DE CAMPINAS S/A EMDEC CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2007 Cód. 15 Analista Transporte e Trânsito Jr. 1. Na sinalização horizontal a linha simples secionada na cor amarela

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002

RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 RESOLUÇÃO N.º 131, DE 02 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para fiscalização da velocidade de veículos automotores, elétricos, reboques e semi-reboques, conforme o Código de Trânsito

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANGÃO LEI COMPLEMENTAR 024 de 17 de outubro de 2011 DISPÕE SOBRE O SISTEMA VIARIO DO MUNICIPIO DE SANGÃO-SC E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Antônio Mauro Eduardo, Prefeito Municipal de Sangão, faz saber a todos os

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução

Resumo. Palavras-chave. ABNT NBR 7188:2013; Projeto de Recuperação. Introdução Efeitos da Mudança da NBR 7188:2013 nos Projetos de Pontes. Estudo de Caso: Projeto de Recuperação da Ponte sobre o Rio Correias na BR 101/SC. Pauline Fonseca da Silva 1, Marcus Alexandre Noronha de Brito

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração

PREFEITURA MUNICIPAL DE OURINHOS Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração LEI Nº. 5.126 De 04 de janeiro de 2007. Dispõe sobre a colocação e a permanência de caçambas para a coleta de resíduos inorgânicos nas vias e logradouros públicos do município de Ourinhos. A Câmara Municipal

Leia mais

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA

NEA. Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias. Avaliação do Vídeo Registro das Rodovias Federais Catarinenses NEA Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Transportes e Logística Núcleo de Estudos sobre Acidentes de Tráfego em Rodovias NEA Núcleo

Leia mais

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias.

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias. Normas gerais de circulação ABETRAN Detalhadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em mais de 40 artigos, as Normas Gerais de Circulação e Conduta merecem atenção especial de todos os usuários da

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008

SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS. Outubro/2008 SAU SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS Outubro/2008 O QUE É O SAU? SERVIÇOS DE ATENDIMENTO A USUÁRIOS PROJETO PILOTO ABRANGENDO 421,2 KM DE TRECHOS DAS RODOVIAS FEDERAIS BR-040, BR- 060 E BR-153, NO DISTRITO

Leia mais

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS

7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS 7. DIAGRAMAÇÃO DAS PLACAS A diagramação das placas de Sinalização Vertical de Indicação compreende os seguintes passos: Definição da altura das letras, a partir da velocidade regulamentada na via; Dimensionamento

Leia mais