Rio Grande (RS), Junho de 2004 Aprovado pelo Conselho Deliberativo (Ata n 02/2004)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rio Grande (RS), Junho de 2004 Aprovado pelo Conselho Deliberativo (Ata n 02/2004)"

Transcrição

1 DIRETORIA EXECUTIVA Prof. Luiz Carlos Krug Diretor Executivo Prof. Volnei Damasceno - Secretário Econ. Hélio Cortinhas Soldera - Tesoureiro Rio Grande (RS), Junho de 2004 Aprovado pelo Conselho Deliberativo (Ata n 02/2004) 1

2 2

3 3

4 FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE DO RIO GRANDE DIRETORIA EXECUTIVA Prof. MSc. Luiz Carlos Krug Diretor Executivo Prof. Volnei Damasceno - Secretário Econ. Hélio Cortinhas Soldera - Tesoureiro CONSELHO DELIBERATIVO Prof. Carlos Rodolfo Brandão Hartmann Reitor (Presidente) Profa. MSc. Maria Elisabeth Gomes da Silva Itusarry Vice-Reitora Prof. José Carlos Henrique Duarte Santos Pró-Reitor de Graduação Prof. Dr. Milton Lafourcade Asmus Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Profa. Maria Antonieta Lavoratti Pró-Reitora de Extensão e Assuntos Comunitários Prof. Dr. Humberto de Camargo Picolli Pró-Reitor de Planejamento e Desenvolvimento Eng. Carlos Kalikowski Weska Pró-Reitor de Administração Prof. Dr. Everton das Neves Gonçalves Chefe Departamento Ciências Jurídicas Prof. Dr. Carlos Hartmann Chefe Departamento de Geociências Prof. Dr. Cláudio Renato Rodrigues Dias Chefe Departamento Materiais e Construção Prof. Dr. Cléber Palma Silva Chefe Departamento de Ciências Morfo-Biológicas Profa. MSc. Eli Sinnot Silva Chefe Departamento de Ciências Fisiológicas Prof. MSc. Ernesto Luiz Casares Pinto Chefe Departamento de Física Profa.Dr. Valéria Lerch Lunardi Chefe Departamento de Enfermagem Profa. Dra. Ivalina Porto Chefe Departamento Educação e Ciências do Comportamento Prof. Luiz Antonio Dapuzzo Spotorno Chefe Departamento de Materno Infantil Prof. MSc. José Luiz de Lima Azevedo Diretor Colégio Téc Industrial Prof. Mário Alquati Prof. José Rafael Rodrigues Schiavon Chefe Departamento de Matemática Prof. Dr. Luiz Antonio de Almeida Pinto Chefe Departamento de Química Prof. Dr. Luiz Henrique Torres Chefe Departamento de Biblioteconomia e História Profa. Dra. Maura Dumont Huttner Chefe Departamento de Medicina Interna Prof. Dra. Sandra Crippa Brandão Chefe Departamento de Cirurgia Prof. Dr. Fernando D Incao Chefe Departamento de Oceanografia Prof. Dr. Paulo Renato Lessa Pinto Chefe Departamento de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis Profa. Dra. Marilei Resmini Grantham Chefe Departamento de Letras e Artes Profa. MSc. Vera Regina Mendonça Signorini Chefe Departamento de Patologia CONSELHO FISCAL Prof. Ildefonso Mario Caminha Poester - Departamento Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis Prof. José Vanderlei Silva Borba - Departamento Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis Prof. Claudinei Terra Brandão - Departamento Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis 4

5 INTRODUÇÃO A Fundação de Apoio à Universidade do Rio Grande FAURG foi instituída em 28 de outubro de 1998 com o objetivo básico de apoiar a Fundação Universidade Federal do Rio Grande na consecução de seus objetivos, no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão. De fato, entretanto, a FAURG passou a atuar a partir de 1 de outubro de 1999, quando da escolha dos membros da primeira Diretoria Executiva (Ata n 01/99). Em 18 de 0utubro do mesmo ano foi firmado um Protocolo de Cooperação entre a Universidade e a Fundação, garantindo o amparo jurídico necessário aos programas e projetos desenvolvidos pelas cooperadas. Tendo assumido em 09 de março de 2001 (Ata n 01/01), a atual Diretoria Executiva da FAURG, composta pelo Prof. Luiz Carlos Krug (Diretor Executivo), pelo Prof. Volnei Costa Damasceno (Secretário) e pelo Econ. Hélio Cortinhas Soldeira (Tesoureiro), foi reconduzida para um novo mandato de dois anos em (Ata n 01/03). Neste terceiro ano de gestão a Diretoria Executiva enfrentou uma série de dificuldades, oriundas do crescimento acelerado da quantidade e complexidade dos projetos administrados, que obrigaram a uma alteração profunda nos procedimentos até então adotados, de forma a evitar a perda do controle do processo de gerência de tais projetos. Ao assumir a tarefa de conduzir a Fundação, a atual Diretoria constatou que era prática manter um registro das receitas e despesas dos projetos em planilhas eletrônicas (Microsoft Office Excel), uma espécie de contabilidade paralela a oficial, que servia de referência para os usuários. Assim, toda vez que o responsável por um determinado projeto queria saber sua situação financeira, recebia cópia da referida planilha, impressa ou encaminhada por meio eletrônico, a partir da qual tomava decisões sobre a aplicação dos recursos disponíveis. Apesar de entender que este sistema era falho, uma vez que muitos lançamentos efetuados pela contabilidade não eram registrados nas planilhas, a Diretoria se viu 5

6 obrigado a mantê-lo, por falta de uma alternativa que pudesse orientar minimamente os responsáveis de projetos. Entretanto, já na negociação com o Escritório Amaral Contabilidade S/C Ltda., que assumiu a contabilidade da FAURG a partir de abril de 2001, ficou definido que seria buscada uma forma de disponibilizar aos usuários, via internet, uma informação mais precisa, fosse através do acesso aos dados contábeis do próprio Escritório ou mesmo através de um sistema paralelo mais eficiente, que pudesse ser fiscalizado rotineiramente pelos usuários. A complexidade do programa utilizado pelo Escritório Amaral Contabilidade S/C Ltda inviabilizou a primeira alternativa. Apesar de ser montado um sistema de transmissão periódica dos dados contábeis para a Fundação, não havia como interpreta-los de maneira completa para repassar as informações para os usuários. Após consultar diferentes prestadores deste tipo de serviços, a Diretoria optou por firmar uma parceria com a empresa Vetorial.net, que se propôs a desenvolver um programa que pudesse repassar, via internet, as informações financeiras aos usuários. Em final de 2002 começou a ser estruturado o Sistema de Controle Financeiros de Projetos SCFP. Em abril de 2003 o Diretor Executivo da Fundação foi convidado a participar de uma reunião com a Comissão Permanente do Vestibular - COPERVE, quando foi informado da existência de uma série de falhas e omissões na execução do Processo Seletivo Ficou ali evidente que o processo que vinha sendo adotado na execução dos projetos não era adequado. As ordens de pagamentos eram verbais em grande parte, as liquidações eram executadas em qualquer momento e não havia uma fiscalização eficiente por parte dos usuários. Era preciso mudar os procedimentos. Ao longo dos três meses seguintes a Diretoria Executiva, com o auxílio dos funcionários da Fundação, revisou todos os procedimentos até então adotados e promoveu as mudanças necessárias. Ao mesmo tempo, com o auxílio do Escritório de Contabilidade, revisou a contabilidade paralela de todos os projetos, fazendo os ajustes 6

7 necessários. A Diretoria decidiu, ainda, implantar o Sistema de Controle Financeiro de Projetos, que foi disponibilizado através da página da Fundação em Foi necessário também renovar e ampliar o quadro de funcionários, dada a quantidade de novas tarefas burocráticas que foram incorporadas a rotina da entidade. Foi um período difícil, em face das cobranças e incompreensões de toda a ordem, mas que resultou em ganhos extraordinários para a Fundação. Hoje os procedimentos são claros, seguidos à risca, garantindo a igualdade de tratamento e a transparência dos atos da Diretoria. As informações sobre a situação financeira dos projetos podem ser consultadas através da página da Fundação, com o SCFP sendo atualizado diariamente. O Conselho Fiscal da FAURG vinha manifestando, em diferentes oportunidades, a posição de que deveria ser atendido o disposto no artigo 22 do Estatuto da FAURG, que prevê o controle dos atos do Diretor Executivo por auditoria permanente, designada pelo Conselho Fiscal. A contratação desta auditoria vinha sendo postergada pela Diretoria, uma vez que representava um custo adicional para a Fundação. No entanto, as dificuldades enfrentadas levaram a Direção a tratar de implantar esta exigência estatutária ainda na metade de Em , o Conselho Deliberativo aprovou a CENTEC Centro Técnico Contábil para exercer a auditoria externa, empresa indicada pelo Conselho Fiscal, através do Of. 004/2003, de (Ata N 04/2003). Além de implantar a auditoria externa, a Diretoria adotou a prática de submeter à apreciação do Conselho Deliberativo balancetes periódicos. Assim, em o Conselho analisou e aprovou o Balancete relativo ao 1 semestre de 2003 (Ata N 04/2003), sendo que o relativo ao 3 trimestre foi analisado e aprovado somente em (Ata N 01/2004). A Diretoria, no entanto, não passou o ano de 2003 só corrigindo aquilo que estava errado. Ao contrário, foram tomadas iniciativas que tinham como objetivo ampliar e consolidar o papel da Fundação 7

8 como entidade de apoio à Universidade. A criação em , através da Deliberação N 01/2003, do Fundo de Bolsas, foi um passo fundamental para a regularização da situação de professores, técnicos administrativos e estudantes que desenvolvem atividades junto à FAURG. Constituído por contribuições aportadas por projetos de ensino, pesquisa e extensão, por doações de entidades públicas e privadas e, ainda, por receitas próprias destinadas a esta finalidade, o Fundo de Bolsas instituiu as modalidades de Bolsa de Ensino (destinada à complementação educacional e profissional de seus beneficiários); de Bolsa de Pesquisa (destinada a incentivar talentos em potencial e estimular a investigação cientifica); de Bolsa de Extensão (destinada a apoiar a participação em projetos cujo objetivo é tornar acessível à sociedade os conhecimentos científicos e tecnológicos produzidos pela FURG); de Bolsa de Pós- Graduação (destinadas a estudantes matriculados em curso de pósgraduação da FURG e para docentes e técnicos administrativos e marítimos matriculados em cursos de pós-graduação fora da sede); e de Bolsa Estágio (destinada a estudantes regularmente matriculados em cursos da FURG ou do Colégio Técnico Industrial "Prof. Mário Alquati"). A Deliberação N 02/2003, de , definiu, para o período abril de 2003 a março de 2004, os valores máximos das bolsas instituídas pelo Fundo de Bolsas. O Conselho Departamental da FURG, como resultado de um longo processo de discussão, que envolveu a Diretoria e o Conselho Deliberativo da Fundação e a Administração Superior, a Assessoria Jurídica e os Conselhos Superiores da Universidade, aprovou em a Deliberação N 019/2003, que dispõe sobre a execução de serviços solicitados pela comunidade que utilizem a infra-estrutura física e funcional da Universidade e dá outras providências. O Artigo 12 da citada norma faculta a participação de Fundações de Apoio, devidamente credenciadas pelo Poder Público e que mantenham relacionamento de cooperação com a Universidade, na execução de tais serviços. A mencionada Deliberação, que substitui a Deliberação N 8

9 027/99, , estabeleceu uma série de procedimentos que devem ser observados quando da proposição de projetos de prestação de serviços. Os novos procedimentos, que em grande parte já vinham sendo observados pela FAURG, foram implementados de imediato, de forma a evitar conflitos com órgãos de controle externo, particularmente o Tribunal de Contas da União TCU, que vem mantendo fiscalização rígida sobre os recursos públicos administrados pelas Fundações de Apoio. A Deliberação N 019/2003 também definiu a questão do ressarcimento devido à Universidade por conta do disposto no Artigo 6 da Lei n 8.958, de Em seu Artigo 18, a nova norma prevê a incidência de uma parcela de 5% (cinco por cento) a ser destinada ao Fundo Geral de Desenvolvimento Acadêmico da Universidade - FGDAU, cuja aplicação caberá ao Conselho Departamental. A FAURG, conforme já fartamente mencionado nos Relatórios de Gestão e Prestação de Contas de 2001 e 2002, já adotara esta prática desde a posse da atual Diretoria Executiva, fato ocorrido em , de forma que manteve o mesmo procedimento. Entretanto, é preciso esclarecer que esta retenção incide somente sobre o montante arrecadado por projetos privados, uma vez que há vedação expressa a este tipo de retenção na maior parte dos convênios/contratos firmados com órgãos públicos, que constituem os denominados projetos públicos. A Deliberação em tela previu, ainda, no Inciso VI de seu Artigo 17, o ressarcimento integral à Universidade pela utilização de suas instalações, equipamentos e pela participação de outros servidores que não aqueles inicialmente autorizados a desenvolverem os serviços de que trata a norma, na conformidade de parâmetros estabelecidos pelas Pró- Reitorias de Administração e de Planejamento e Desenvolvimento. A definição de tais parâmetros ainda não foi efetuada. Entretanto, é preciso ter presente que a FAURG, baseada na sua natureza jurídica, adota como prática doar para a Universidade, mediante Termo de Doação específico, todos os bens patrimoniais adquiridos ou instalações construídas com os recursos financeiros de projetos 9

10 privados. O Relatório de Gestão mostra que em 2001 a FURG recebeu, na forma de equipamentos e de construções, 12,83% dos recursos efetivamente executados pelos projetos privados, enquanto os projetos públicos propiciaram a incorporação, na forma de equipamentos, bens de terceiros e construções, de 61,89% dos recursos efetivamente executados (Ver: Relatório de Gestão e Prestação de Contas fls. 31 a 38). Já em 2002, estes percentuais ficaram respectivamente em 12,84% e em 53,75%, não incluídos neste último os recursos investidos em construção, que foram repassados pela própria Universidade (Ver: Relatório de Gestão e Prestação de Contas fls. 32 a 41). É evidente que este aporte patrimonial é uma forma de ressarcimento que a FAURG faz para a Universidade, que por certo deverá ser tomado em conta quando da definição dos parâmetros mencionados na Deliberação N 019/2003. Em relação ao exercício de 2002, cabe destacar que o Ministério Público, através da Portaria N 138/03-PF, de , declarou aprovadas sem ressalvas as contas apresentadas pela FAURG. É conveniente destacar que em 2003, pela primeira vez, foi submetido à apreciação do Conselho Universitário o Relatório de Gestão e Prestação de Contas da FAURG (Ata n 324, de ). Esta iniciativa atende o disposto no Artigo 3, Inciso III, da Lei N 8.958, de , que prevê o controle finalístico e de gestão pelo órgão máximo da Instituição Federal de Ensino, quando se tratar de execução de convênios, contratos, acordos e/ou ajustes que envolvam a aplicação de recursos públicos por parte de Fundações de Apoio. Em 2003 a FAURG, em face dos recursos repassados em 2002 pela Universidade para o cumprimento de diversos objetivos, teve suas relações com a Universidade auditadas pela Controladoria Geral da União. A maior parte das impropriedades relacionadas no Relatório de Auditoria da Corregedoria-Geral da União foi sanada, restando divergência sobre a participação de Professores com Dedicação Exclusiva na administração da 10

11 Fundação e ainda a natureza de alguns contratos, que no entendimento daquele órgão de controle não objetivam apoio a projetos de pesquisa, ensino e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico. Por certo estas matérias precisam ser pacificadas, sem o que a Fundação poderá enfrentar problemas em futuro próximo. Em 2003 a FAURG também passou por uma vistoria in loco por parte do Ministério Público, que manifestou, no Relatório de Inspeção datado de , que Pela vistoria realizada constata-se que a Fundação de Apoio à Universidade do Rio Grande atende, na íntegra, as finalidades para as quais foi constituída, razão pela qual a continuidade desta afigura-se amplamente favorável em face dos interesses da comunidade.. É, portanto, um indicador de que a Fundação vem conseguindo resolver de forma satisfatória as questões atinentes ao cumprimento de suas finalidades. A quantidade e complexidade dos projetos administrados em 2003, assim como o número crescente de pessoas que trabalham e que buscam diariamente a Fundação, levaram a constatação de que a entidade necessitava com urgência de um espaço físico mais adequado para o desenvolvimento de suas atividades. A opção foi pela construção de um espaço próprio junto ao Centro de Convivência do Campus Carreiros. Para tanto, foi firmado com a Universidade, em , o Contrato Administrativo N 035/2003 (Processo n / ), cujo objeto é a permissão de uso de espaço físico de uma área de 224,95 m² pela FAURG por um prazo de 18 anos. A obra, projetada para ser construída em duas etapas (Figura 1), teve iniciada sua construção na metade de 2003, sendo que estava em fase adiantada de conclusão da sua primeira etapa no final do Exercício (Figuras 2). Para cobrir os custos da nova sede, foi buscada a parceria do Banco do Brasil, uma vez que a FAURG mantém depositado nesta instituição financeira o montante total dos recursos captados pelos projetos que administra. As negociações, que no início se mostravam promissoras, 11

12 não avançaram nos últimos meses de 2003, o que leva a conclusão de que a Diretoria terá de abrir negociações com outras instituições bancárias. Caso não obtenha êxito, será necessária a amortização dos custos da obra em dois ou três anos. A Proposta Orçamentária de 2004 já prevê a destinação de recursos para esta finalidade, caso não se concretize a parceria com o Banco do Brasil ou outra instituição bancária. Figura 1: Planta baixa da sede da FAURG, com destaque para a parte interna da primeira etapa. 12

13 Figura 2: Vista da nova sede da FAURG em dois momentos da construção. PROJETOS EM DESENVOLVIMENTO No ano de 2003 a FAURG administrou um total de 126 projetos, sendo 23 públicos e 103 privados (Quadro I 1 ), nestes incluídos aqueles contratados em anos anteriores, mas que tiveram aporte financeiro no 1 Neste Relatório de 2003 foi alterada a forma e apresentação da listagem de projetos em andamento que vinha sendo adotada desde O Quadro I informa o nome do projeto ou convênio, o código do projeto, o número do contrato (quando houver), a data de início do projeto, o objeto do projeto, o valor contratado, a entidade ou unidade da Universidade favorecida, as unidades da Universidade envolvidas, a validade do projeto e nome do coordenador do projeto. O código é composto pelo número atribuído ao projeto, pela natureza do projeto (PU público; PR privado) e pelo dígito de controle, que identifica o ano em que o projeto foi contratado. Os projetos contratados em 2000, e que, portanto, estavam em andamento quando assumiu a atual Diretoria Executiva, receberam uma numeração a partir de 900, já que a codificação foi implantada inicialmente para os projetos assinados em período, e aqueles contratados no ano, que tiveram ou não aportes financeiros 2. A Figura 3 mostra a evolução do número de projetos públicos e privados administrados pela Fundação a partir da sua criação. Entre 2002 e 2003 houve um crescimento de 15,00% na quantidade de projetos públicos administrados, enquanto o número de projetos privados cresceu 71,67% no mesmo período. 2 O Relatório de Gestão e Prestação de Contas de 2003 não contém os dados de todos os projetos administrados pela Fundação desde o início de suas atividades. Os dados completos dos projetos em andamento, assim como dos encerrados, podem ser consultados no endereço eletrônico (http://www.faurg.furg.br). 13

14 Universidade estava despreparada para prestar. Números Anos Figura 3: Distribuição do número de projetos públicos (em verde) e privados (em azul) administrados pela FAURG no período A elevada taxa de crescimento do número de projetos privados administrados indica que tem aumentado a procura das empresas pelos serviços prestados pela Universidade. Além do crescente aporte de patrimônio, representado pelos equipamentos adquiridos e pelas áreas físicas construídas, e de novas receitas financeiras, oriundas da cobrança da Taxa de Indenização, o aumento no número de projetos pode ser interpretado como um indicador da qualidade do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Universidade. É este trabalho de qualidade que faz com que as empresas, e a sociedade em geral, busquem a FAURG para a execução de serviços que até a poucos anos a Já a quantidade de projetos públicos não tem crescido com a mesma taxa verificada entre os privados, possivelmente em razão do reduzido volume de recursos que tem sido disponibilizado para ciência e tecnologia nos últimos anos, tanto pelos órgãos federais como estaduais de fomento. Acrescente-se a isto, o número cada vez maior de pesquisadores de alto nível do País, nas mais variadas áreas do conhecimento, o que tem provocado uma competição cada vez mais acirrada pelos parcos recursos públicos disponíveis. As Tabelas I A e I B discriminam os valores contratados e recebidos a cada ano pelos projetos privados e públicos administrados pela FAURG desde o início de suas atividades. A Figura 4 mostra os valores totais contratados por projetos públicos e privados no período Em 1999 não foram contratados projetos públicos. 14

15 Tabela I - A: Projetos privados contratados pela FAURG entre 1999 e 2003, destacando os valores contratados e recebidos a cada ano. Projetos Privados 1999 Valor Contratado Recebido/2000 Recebido/2001 Recebido/2002 Recebido/2003 Não Codificado (COLÉGIO JOANA D ARC) 750,00 750,00 0,00 0,00 0,00 Não Codificado (CRECHE SÃO JOSÉ DO NORTE) 1.500, ,00 0,00 0,00 0, PR - 00 (DIREITO PENAL) 3.650,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Total (do ano de 1999) 5.930, ,00 0,00 0,00 0,00 Projetos Privados 2000 Valor Contratado Recebido/2000 Recebido/2001 Recebido/2002 Recebido/2003 Não Codificado (MUSEU OCEANOGRÁFICO) 8.000,00 292,50 0,00 0,00 0, PR - 00 (AGUAAN) , , ,48 0,00 0, PR - 00 (COPERVE/ VESTIBULAR 2001) , ,50 0,00 0,00 0, PR - 00 (CRICTE) , , ,00 0,00 0, PR - 00 (CTI) , ,00 0,00 0,00 0, PR - 00 ( MATEMÁTICA) 5.040, , , , , PR - 00 (DMC - SUPRG) , ,00 600,00 0,00 0, PR - 00 (ECOLOGIA AQUÁTICA COSTEIRA) 800,00 795,00 390,00 0,00 0, PR - 00 (EDUCAÇÃO BRASILEIRA) , , ,61 0,00 0, PR - 00 (EDGRAF) 9.000, , ,33 0,00 0, PR - 00 (GESTÃO EMPRESARIAL) , , ,96 0,00 0, PR - 00 (GESTÃO SOC., POL. E CULT.) 9.800, , , , , PR - 00 (MONITORAMENTO AMBIENTAL) , , ,88 0,00 0, PR - 00 (MAR DE DENTRO) , , ,00 0,00 0, PR - 00 (DRAGAPORT II) , , ,00 0,00 0, PR - 00 (DRAGAPORT III) , , ,00 0,00 0, PR - 00 (CASA DO ESTUDANTE) , , ,37 0,00 0, PR - 00 (ANÁLISE MICROBIOLÓGICA) 8.000, , ,56 0,00 0, PR - 00 (PROF. LEIGOS Sta. VITÓRIA PALMAR) , , , , , PR - 00 (PROF. LEIGOS SÃO JOSÉ DO NORTE) , , , , , PR - 00 (SUL QUÍMICA) 7.560,00 0, ,00 0,00 0, PR - 00 (TSC I) , , ,00 0,00 0, PR - 00 (TSC II) , ,34 350,00 0,00 0, PR - 00 (UNITRABALHO) , , , ,00 0, PR - 00 (SEBRAE) 5.000,00 880,00 0,00 0,00 0, PR - 00 (INGLÊS PARA O VESTIBULAR) 8.000, ,00 0,00 0,00 0, PR - 00 (PESCA ARTESANAL) 5.000, ,94 0,00 0,00 0,00 Não Codificado (ANÁLISE COMPORTAMENTAL) 220,00 220,00 0,00 0,00 0,00 Não Codificado (OGMO) 2000, ,00 0,00 0,00 0,00 Não Codificado (ESANTAR/FROTA) 1.668, ,00 0,00 0,00 0,00 Total (do ano de 2000) , , , , ,80 15

16 Projetos Privados 2001 Valor Contratado Recebido/2001 Recebido/2002 Recebido/ PR - 00 (SAÚDE DA FAMÍLIA) ,00 00, , , PR - 01 (LEITURA DE TEXTO EM INGLÊS) 4.000, , ,00 0, PR - 01 (FAPEU) 6.948, ,50 0,00 0, PR - 01 (ESANTAR) , , , , PR - 01 (IDENT. TAX. VEG., ALGAS E FUNGOS) 8.000,00 0,00 0,00 0, PR - 01 (AUTOCAD) 660,00 600,00 0,00 0, PR - 01 (CAMARÃO) , , , , PR - 01 (ESPENSUL) , ,50 0,00 0, PR - 01 (VESTIBULAR 2002) , ,00 0,00 0, PR - 01 (PREFEITURA. - CONSULTORIA SMF) , ,00 0,00 0, PR - 01 (CONGRESSO - OCEANO) , ,00 0,00 0, PR - 01 (JAPONÊS I) 2.500, ,00 490,00 0, PR - 01 (CEEE) , , , , PR - 01 (LABORATÓRIO DE HIDROQUÍMICA) 6.000, ,00 940, , PR - 01 (CONC. SANTA VITÓRIA DO PALMAR) 5.000, ,00 0,00 0, PR - 01 (MUSEU II) , , , , PR - 01 (OFICINA DE PAPEL RECICLADO) 400, ,00 952,40 830, PR - 01 (DBH - ESPECIALIZAÇÃO) , , ,56 0, PR - 01 (CURSO TV ESCOLA) , , ,30 0,00 Total (do ano de 2001) , , , ,35 Projetos Privados 2002 Valor Contratado Recebido/2002 Recebido/ PR - 01 (ESTUDO DA PESCA) , , , PR - 02 (VIA PÚBLICA) , ,00 0, PR - 02 (ECOSUD) , , , PR - 02 (CTI PREFEITURA) , , , PR - 02 (ITALIANO) 5.500, , , PR - 02 (CTI - 5 DISTRITO NAVAL) ,00 0,00 0, PR - 02 (LET S SPEAK ENGLISH) 2.800,00 0,00 0, PR - 02 (NID QUALIFICAÇÃO) , , , PR - 02 (VESTIBULAR 2003) , ,12 0, PR - 02 (CURSO RÁDIO E TV/FURG) , ,50 415, PR - 02 (CURSO DE FÍSICA) 750,00 225,00 220, PR - 02 (ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DE ÁGUAS) 8.000,00 0,00 0, PR - 02 (CURSO AUTOCAD SEARG) 3.000, , , PR - 02 (TV FURG 02) , , , PR - 02 (SEBRAE - CTI) , , , PR - 02 (INTRODUÇÃO À ENERGIA EÓLICA) 1.000,00 0,00 0, PR - 02 (CURSO DE DESENHO) 1.200,00 120,00 0,00 16

17 Projetos Privados 2002 (continuação) Valor Contratado Recebido/2002 Recebido/ PR - 02 (CURSO DE MERGULHO SUBMARINO) 5.150, , , PR - 02 (TRATAMENTO DE EFLUENTES) ,00 0,00 0, PR - 02 (CTI RELAÇÕES EMPRESARIAIS) , , , PR - 02 (DMC CAIS DO PORTO NOVO) , , , PR - 02 (PROPESQ AMOSTRA) , ,00 0, PR - 02 (KODAK) ,00 0, , PR - 02 (CURSO MESTRADO ENFERMAGEM) 5.500,00 0, , PR - 02 (DAER) , , , PR - 02 (GLOBALLAST) , , , PR - 02 (CURSO FORMAÇÃO DE PROFESSORES) , , , PR - 02 (CURSO MESTRADO EM LITERATURA) 3.000,00 0, , PR - 02 (CORSAN AGUAAN) , , , PR - 02 (SAMAE AGUAAN) ,00 0,00 0, PR - 02 (SANEPAR AGUAAN) ,00 0,00 0, PR - 02 (ANÁLISE MICROBIOLÓGICA) 8.900, , , PR - 02 (CURSO ESP. ECOLOGIA AQ. COSTEIRA) 1.000, ,00 580, PR - 02 (EDIGRAF) 2.000, , , PR - 02 (SUL QUIMICA) 3.153, , , PR - 02 (ESPECIALIZAÇÃO EDUCAÇÃO BRASILEIRA) 6.200, , , PR - 02 (APOIO IMP. NOV. MET. OCEANOGRÁFICA) ,00 0,00 0, PR - 02 (LABORATÓRIO GEOCIÊNCIAS) ,00 0,00 0, PR - 02 (GERENC. AMBIENTAL PORTUÁRIO) 8.969,19 0,00 0, PR - 02 (CURSO ESP. GESTÃO EMPRESARIAL) , , , PR - 02 (CURSO ESP. ENFERMAGEM) 400, , , PR - 02 (CURSO PG EDUCAÇÃO AMBIENTAL) 5.010,00 0, , PR - 03 (GESTAÇÃO DE RISCO) , , ,50 Total (do ano de 2002) , , ,90 Projetos Privados 2003 Valor Contratado Recebido/ PR - 03 (FEIRA DO LIVRO) , , PR - 03 (SISTEMA GESTÃO ATLÂNTICO SUL ) 993, , PR - 03 (FROTA ESANTAR) , , PR - 03 (RÁDIO UNIVERSIDADE) , , PR - 03 (ESP. GESTÃO PORTUÁRIA) , , PR - 03 (SABESP) , , PR - 03 (CURSO DURABILIDADE DO CONCRETO) 250,00 140, PR - 03 (PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA) 6.700, , PR - 03 (AVALIAÇÃO QUALIDADE VEGA) 1.155, , PR - 03 (PETROBRÁS TESTES DE TOXIDADE) , ,00 17

18 Projetos Privados 2003 (continuação) Valor Contratado Recebido/ PR - 03 (VESTIBULAR 2004) , , PR - 03 (CONTEÚDOS DE FÍSICA I E II) 250,00 270, PR - 03 (PETROBRÁS CULTIVO DE MICROALGAS) , , PR - 03 (ESPANHOL P/ VESTIBULAR) 1.200,00 700, PR - 03 (APOIO À ADMINISTRAÇÃO) , , PR - 03 (TV FURG III) , , PR - 03 (CURSO DE LÍNGUA RUSSA) 2.400, , PR - 03 (PETROBRÁS - ESTUDO IMPACTO AMBIENTAL) , , PR - 03 (RANÁRIO EXPERIMENTAL) 100,00 100, PR - 03 (INDÚSTRIA DE ALIMENTOS) 1.000,00 254, PR - 03 (DRAGAPORT 2003) , , PR - 03 (ESTATÍSTICA. APLICADA OCEAN. E BIOLOGIA) 1.350,00 200, PR - 03 (SERVIÇOS TECNOLÓGICOS DMC) , , PR - 03 (PROCOBRE) , , PR - 03 (PEIXE BOI) , , PR - 03 (MOSTRA DA PRODUÇÃO UNIVERITÁRIA) , , PR - 03 (GESTÃO FACULDADES ATLÂNTICO SUL) ,15 993, PR - 03 (CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LIMNOLOGIA) 5.250,00 0, PR - 03 (DCJ - SEMANA JURÍDICA) , , PR - 03 (PISCICULTURA UNISOL) , , PR - 03 (PRODUÇÃO & PLOTAGEM) 1.000,00 220, PR - 03 (RESGATANDO A LÍNGUA ESPANHOLA) 164,00 350, PR - 03 (POLICAB - ENSAIOS DE CABOS PETROBRÁS) , , PR - 03 (ANÁLISE DE CAPAS) 8.000,00 0, PR - 03 (DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DE RG) , , PR - 03 (CAPTURA DE AEROFOTOGRAFIAS) 7.939, , PR - 03 (SOBRE-ESPESSURA EM GASODUTOS) , , PR - 03 (NUDESE) ,31 0, PR - 03 (SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE) ,20 0, PR - 03 (COM. EXTERIOR E TÓPICOS PORTUÁRIOS) , , PR - 03 (ACOMP. FUNCIONÁRIOS DA SMEC) 3.125, , PR - 03 (LEVANTAMENTO AÉREO DIGITAL) , , PR - 03 (CURSO BÁSICO DE SINAIS) 2.000,00 200, PR - 03 (ASSESSORAMENTO GERAL DA AMÉRICA LATINA) ,00 0, PR - 03 (ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL) 9.100,00 0, PR - 03 (MUSEU III) , , PR - 03 (FEIRA DO LIVRO 2004) , , PR - 03 (MICROCONTAMINANTES ORGÂNICOS) , , PR - 03 (GESTÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS) , , PR - 03 (ATLANSAT) 9.000,00 0,00 18

19 Projetos Privados 2003 (continuação) Valor Contratado Recebido/ PR - 03 (ILHA DOS MARINHEIROS) 4.066,30 0, PR - 03 (BALNEABILIDADE FEPAM) ,00 0, PR - 03 (EXTENSÃO EMPRESARIAL II) ,00 0,00 Total (do ano de 2003) , ,12 Observações: 1.Os projetos grifados em preto estiveram em andamento em 2003, enquanto os projetos encerrados nos anos de 2000, 2001 e 2003 estão grifados em azul. 2. O projeto PR - 01 (PREFEITURA. - CONSULTORIA SMF) está grifado em vermelho por estar suspenso em razão de Ação Civil Pública impetrada pelo Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul (Processo nº ). Tabela I - B: Projetos públicos contratados pela FAURG entre 2000 e 2003, destacando os valores contratados e recebidos. Projetos Públicos 2000 Valor Contratado Recebido/2000 Recebido/2001 Recebido/2002 Recebido/ PU - 00 (CNPq PRONEX) , , , , , PU - 00 (CT PETRO) , , , ,00 0, PU - 00 (CT PETRO POLICAB) ,00 0, ,00 0,00 0, PU - 00 (PRH/ANP/MME) , , ,22 0,00 0, PU - 00 (PETROBRÁS) , ,00 0,00 648,00 0, PU - 00 (PETROBRÁS POLICAB) ,00 0, ,00 0,00 0, PU - 00 (TRAIN-SEA-COAST ONU) , ,94 0,00 0,00 0, PU - 00 (TRAIN-SEA-COAST ONU CIRM 2000) , ,00 0,00 0,00 0,00 Total (do ano de 2000) , , , , ,00 Projetos Públicos 2001 Valor Contratado Recebido/2001 Recebido/2002 Recebido/ PU - 01 (TRAIN-SEA-COAST CIRM) , ,00 0,00 0, PU - 01 (INCUB. TECN. USINA FAB. DE TIJOLOS) ,00 0, ,85 0, PU - 01 (FINEP) ,00 0, ,00 0, PU - 01 (EXTENSÃO EMPRESARIAL) ,00 0, , , PU - 01 (CNPq MILÊNIO) , , , , PU - 01 (PNCAP MMA) ,00 0, ,00 0,00 Total (do ano de 2001) , , , ,00 Projetos Públicos 2002 Valor Contratado Recebido/2002 Recebido/ PU - 01 (CONVÊNIO N 15/01 FURG/FAURG) , ,00 0, PU - 01 (CONVÊNIO N 16/01 FURG/FAURG) , ,00 0, PU - 01 (CONVÊNIO N 16/01 FURG/FAURG 2 ) , ,11 0, PU - 02 (CEEE GEOCIÊNCIAS) , , , PU - 02 (CIRM 2002) , ,00 0,00 19

20 Projetos Públicos 2002 (continuação) Valor Contratado Recebido/2002 Recebido/ PU - 02 (CONCENTRAÇÕES DE METAIS) ,00 0, , PU - 02 (TOXIDADE DE INVERTEBRADOS) ,00 0, , PU - 02 (CASA ESTUDANTE) , ,00 0, PU - 02 (CONSTRUÇÃO DEPARTAMENTO QUIMICA) ,00 0, , PU - 02 (RESGATE HISTÓRICO CTI) , , ,00 Total (do ano de 2002) , , ,32 Projetos Públicos 2003 Valor Contratado Recebido/ PU - 03 (INFORMATIZAÇÃO NAS ESCOLAS) , , PU - 03 (CIRM ESANTAR) , , PU - 03 (CTI BANDA) , , PU - 03 (APOIO AO CTI) , ,93 Total (do ano de 2003) , ,61 Observações: 1.Os projetos grifados em preto estiveram em andamento em 2003, enquanto os projetos encerrados em 2001 e 2002 estão grifados em azul. 2. Não foram contratados projetos Públicos em O projeto PU - 01 (FINEP) que constou no Relatório de Gestão e Prestação de Contas de 2002 com um valor recebido de R$ ,00 recebeu de fato R$ ,00 naquele período. 20

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES

ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES ANEXO: OUTROS FATOS RELEVANTES Em atendimento à Decisão Normativa TCU no. 96 de 04/03/2009, especificamente quanto ao conteúdo expresso em seu Anexo II, letra A, item 16, cabe registrar as seguintes atividades:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO Define diretrizes e procedimentos relativos a gestão de recursos financeiros captados ou administrados pela Fundação de Apoio

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CENTEC CENTRO TÉCNICO CONTÁBIL * Contabilidade - Auditoria - Perícias

CENTEC CENTRO TÉCNICO CONTÁBIL * Contabilidade - Auditoria - Perícias FAURG - FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE DE RIO GRANDE Rio Grande - RS RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 021/2009 1 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES (1.1) Com vistas à execução dos trabalhos de ínterim referentes à

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2002

PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2002 PLANO DE TRABALHO E PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2002 RIO GRANDE, NOVEMBRO DE 2001 INTRODUÇÃO A Fundação de Apoio à Universidade do Rio Grande FAURG, instituída em 28 de outubro de 1998, conforme estabelece o

Leia mais

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente.

ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. ITG 2002: Os principais desafios na implementação das novas práticas na visão da Auditoria Independente. Evelyse Amorim Lourival Amorim Florianópolis, 11 de novembro de 2014 ITG 2002 Introdução e Principais

Leia mais

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro)

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) A elaboração de relatórios deve servir, em primeiro lugar, ao próprio projeto: como retrospecção das

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS

LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. CAPITULO I DOS OBJETIVOS LEI Nº 213/1994 DATA: 27 DE JUNHO DE 1.994. SÚMULA: INSTITUI O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. O Sr. Ademir Macorin da Silva, Prefeito Municipal de Tapurah, Estado de Mato Grosso, no

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS

GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS GESTÃO DE PROJETOS SICONV APRENDIZADO QUE GERA RESULTADOS ABORDAGEM Conceitos relacionados ao tema; Legislação aplicável à execução; Modelo de gestão e processo adotado pela Fundep. O que é o SICONV? CONCEITOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO N o 016/2009-CONSAD, de 18 de junho de 2009. Fixa normas para uso de equipamentos e dependências físicas da UFRN por terceiros,

Leia mais

Editorial. Stella Cintra Diretora-presidente

Editorial. Stella Cintra Diretora-presidente Editorial Em Março, com o início do período para envio das declarações de Imposto de Renda de 2009, recebemos algumas mensagens de colaboradores perguntando sobre a possibilidade de desconto dos valores

Leia mais

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle

4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle 4. Padrão Mínimo de Qualidade dos Sistemas Integrados de Administração Financeira e Controle Luís Eduardo Vieira Superintendência de Gestão Técnica SGT Financeira e Controle. Introdução A transparência

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO Nº 3.736, DE 15 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o afastamento do país e concessão de passagens para servidores da UNIRIO. O Conselho de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO. Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Resolução n 027/2011-CONSU De 22 de dezembro de 2011 Regulamenta as normas para o relacionamento entre a Universidade Federal do Amapá e as Fundações de Apoio prevista na Lei n 8.958, de 20 de dezembro

Leia mais

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental

Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Sistema Integrado de Municipalização do Licenciamento Ambiental Documento Interno Texto base: Leoni Fuerst Preocupações referentes às questões relativas ao meio ambiente e a ecologia vêm se tornando crescentes

Leia mais

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011

LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 LEI Nº. 1826 DE 4 DE MAIO DE 2011 "AUTORIZA ASSINATURA DE CONVÊNIO E CONCEDE CONTRIBUIÇÃO CORRENTE ESPECIAL À ASSOCIAÇÃO DESENVOLVIMENTO DAS BANDEIRINHAS & DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS" A Câmara Municipal

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100

3. BANCO BANORTE 266,6 285,0 17,4 569,0. CPI Proer Capítulo III-3 100 3. BANCO BANORTE O Banco Banorte S/A foi constituído em 05/05/1942 sob a denominação de Banco Nacional do Norte S/A. Quando da intervenção, possuía uma rede de 81 agências e um quadro de pessoal de 2.612

Leia mais

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008

DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 DECRETO Nº 30226 DE 8 DE DEZEMBRO DE 2008 Regulamenta o Fundo Especial Projeto Tiradentes, criado pela Lei nº 3.019, de 2000, de 3 de maio de 2000. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005

RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 RESOLUÇÃO CONJUNTA CGM/SMAS/SMA Nº 019 DE 29 ABRIL DE 2005 Dispõe sobre os procedimentos para cadastramento de Fundações Privadas ou Associações pela Comissão de Cadastramento de ONGs e Associações, de

Leia mais

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PPP PARCERIA PÚBLICO PRIVADA Autores: Eng Sérgio Piccinelli Eng Carlos Henrique Machado Edição: José Carlos Lada Outubro / 2014 Formas de Contratação pela Administração 1) Contratação Direta (Formas de

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2006 e 1 o semestre letivo de 2007 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este caderno contém:

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes

FAQ Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes Índice 01. Incorporação Imobiliária...3 02. Contrato...4 03. Pagamento e Boletos...5 04. Financiamento...6 05. Distrato e Transferência...8 06. Documentações...9 07. Instalação

Leia mais

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos

Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos Edital 01/2013 PRPPG/Unespar Apoio à publicação de artigos em periódicos científicos A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Paraná PRPPG/Unespar torna pública a seleção

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO

PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO EDITAL Nº. 01/2008 O Presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, Prof. Tarcísio

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010

TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATTURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA PROJETO FLORESTA EM PÉ TERMO DE REFERÊNCIA N.º 02/2010 TÍTULO DO SERVIÇO A SER PRESTADO: Assessoria de natureza financeira

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013

Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 Procedimento Administrativo de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação dos Servidores do IFG 2013 O Programa Institucional de Incentivo à Participação em Eventos e Cursos para Capacitação

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas.

RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01. Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. RESOLUÇÃO CFC N.º 920/01 Aprova, Da NBC T 10 Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Diversas, o item: NBC T 10.8 Entidades Cooperativas. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 27/2015

REITORIA EDITAL Nº 27/2015 REITORIA EDITAL Nº 27/2015 O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 29 de setembro até 10 de outubro de 2015, as inscrições de propostas provenientes

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PROF. DR. ALFREDO ARGUS

PLANO DE TRABALHO PROF. DR. ALFREDO ARGUS PLANO DE TRABALHO PROF. DR. ALFREDO ARGUS 2015 INTRODUÇÃO O presente plano de trabalho foi elaborado com o proposito de apresentar as diretrizes norteadoras da candidatura para a Reitoria do UNIFEB na

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

CENTEC CENTRO TÉCNICO CONTÁBIL * Contabilidade - Auditoria - Perícias

CENTEC CENTRO TÉCNICO CONTÁBIL * Contabilidade - Auditoria - Perícias FAURG - FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE DE RIO GRANDE Rio Grande - RS RELATÓRIO DE AUDITORIA Nº 026/2010 1 CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES (1.1) Com vistas à execução dos trabalhos de ínterim referentes à

Leia mais

L E G I S L A Ç Ã O Lei nº 20/68. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOSSORÓ: FAÇO SABER que a Câmara MunIcipal aprovou e eu sanciono a seguinte

L E G I S L A Ç Ã O Lei nº 20/68. O PREFEITO MUNICIPAL DE MOSSORÓ: FAÇO SABER que a Câmara MunIcipal aprovou e eu sanciono a seguinte L E G I S L A Ç Ã O Lei nº 20/68 TRANSFORMA A FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIÊNCIA E D TÉCNICA EM FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DO RIO GRANDE DO NORTE E DÁ OUTRAS PR0VIDÊNCIAS. Lei: O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.881, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013. Mensagem de veto Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 052/2014, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS

A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS NUTRINDO RELAÇÕES A RESOLUÇÃO CFC Nº 1409/12 REFLEXOS NA CONTABILIDADE DAS ENTIDADES SEM FINALIDADE DE LUCROS APRESENTAÇÃO José Alberto Tozzi Adm. Empresas FGV MBA USP Mestre pela PUC-SP Instrutor de Gestão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99)

TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA (Art. 9º da Lei nº 9.790, de 23.3.99, e Art. 8º do Decreto nº 3.100, de 30.6.99) TERMO DE PARCERIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A (UNIÃO/ESTADO/MUNICÍPIO), ATRAVÉS DO (ÓRGÃO/ENTIDADE ESTATAL),

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011.

Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Resolução nº 264/CONSEA, de 29 de agosto de 2011. Estabelece critérios e normas para credenciamento de professores para prestação de serviço voluntário nos cursos da UNIR. O Presidente do Conselho Superior

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnico n.º 08/07 Relações das obras com indícios de irregularidades graves constantes nos anexos às leis orçamentárias para os exercícios de 2002

Leia mais

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO

FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO FLUXOGRAMA DO TRÂMITE INTERNO DE CONTRATAÇÃO DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO Verificada a necessidade de cumprimento de meta de governo para a qual não haja recurso disponível, pode a Secretaria interessada analisar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 14/2007 Regulamenta o VESTIBULAR ESPECIAL para ingresso nos cursos de graduação

Leia mais

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015

ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 ANÁLISE DA NOTA TÉCNICA DPREV/ATUÁRIA 034/2015 PROJETO DE LEI 252/2015 Este parecer tem por objetivo analisar atuarialmente o Projeto de Lei 0252/2015 que Dispõe sobre a Reestruturação do Plano de Custeio

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador INÁCIO ARRUDA PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Ofício S nº 9, de 2011 (Ofício GS nº 2.097, de 22 de novembro de 2010, na origem), da Secretaria do Planejamento e Gestão do Estado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 278/2002-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 278/2002-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 278/2002-CAD/UNICENTRO Celebra Termo Aditivo de Gestão financeira do Curso de Mestrado Interinstitucional em Métodos Numéricos em Engenharia, firmado entre a UNICENTRO e a FAU. O REITOR DA

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro;

a) nome completo, sexo, data de nascimento, naturalidade, nacionalidade, estado civil, filiação e nome do cônjuge ou companheiro; Instrução CVM 301/99. DA IDENTIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES Art. 3º Para os fins do disposto no art. 10, inciso I, da Lei nº 9.613/98, as pessoas mencionadas no art. 2º (DENTRE OUTRAS, CORRETORAS DE

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 UMA ABORDAGEM PARA O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS Pelas disposições da Lei 11.445 as concessões em caráter precário, as que estiverem com prazo

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES;

II O contato com culturas distintas constitui-se em um importante instrumento de formação intelectual dos estudantes da IES; CONSIDERANDO QUE: I É de interesse da IES aprimorar o ensino, propiciando aos seus estudantes, estabelecer e desenvolver relações com instituições de ensino localizadas em países distintos através da participação

Leia mais

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal.

Palavras-chave: Demonstrações Contábeis. Setor público. Lei de Responsabilidade Fiscal. ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NO SETOR PÚBLICO Adriana Oliveira Nogueira Universidade de Fortaleza (UNIFOR-CE) adriana@secon.ce.gov.br Manuel Salgueiro Rodrigues Júnior Universidade

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais