NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO PADRÃO DE CONEXÕES PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA - RDA 1ª REVISÃO JULHO 2013 DIRETORIA DE ENGENHARIA SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA

2 FICHA TÉCNICA Coordenação: Jildésio Souza Beda Participantes: Celso Nogueira da Mota, Eleomar da Silva Ferreira, José César Nonato, Kamila Franco Paiva, Ricardo Bernardo da Silva, Sérgio Luiz Porto Amaral, Valdinei José Luciano. 1ª Edição: Apresentar os condutores padronizados utilizados, como também as conexões executadas no sistema da CEB-D. Colaboradores: Dione José de Souza, Nivaldo José Franco das Chagas, Paulo de Aleluia, Vantuel José Luciano, Roque da Silva Martins, Eduardo Gonçalves Godinho, Adriano José da Silva, Eltonn Jorge Hachimine. GRNT - Gerência de Normatização e Tecnologia FAX: Fone:

3 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 1/43 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 2.04 JUL/2013 AÉREA

4 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 2/43 SUMÁRIO 1. OBJETIVO HISTÓRICO NORMA E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DEFINIÇÕES CAMPO DE APLICAÇÃO REQUISITOS BÁSICOS PARA APLICAÇÃO DE CONEXÕES CARACTERISTICAS GERAIS DOS CONECTORES PARA CONEXOES EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS Identificação ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS CONECTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONDUTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA CONECTORES PADRONIZADOS Conectores Padronizados para Rede de Distribuição Aérea Primária Conector Derivação de Cunha Sem Cartucho Conector Luva de Emenda Torquimétrica Conector Terminal a Compressão por Parafuso Luva de Emenda Autotravante Conector Grampo de Linha Viva Corrente Nominal de 100 A ou 400 A Alça Estribo Corrente Nominal de 100 A Alça Estribo Corrente Nominal de 400 A CONECTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA SECUNDÁRIA Conector de Derivação de Cunha Sem Cartucho Conector de Derivação de Perfuração Conector de Derivação de Cunha para Ramal de Serviço CONECTORES DO SISTEMA DE ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA 12 Conector de Derivação de Cunha para Aterramento, Conector de Derivação de Cunha para Haste de Aterramento e Haste de Aterramento Tipo Cobreada CONECTORES DO SECCIONAMENTO E ATERRAMENTO DE CERCA Seccionador de Cerca de Arame CONSIDERAÇÕES GERAIS TABELAS TABELA 1 Condutores padronizados para Rede de Distribuição Aérea TABELA 1.1 Condutores Padronizados para Ramais de Ligação Aéreo TABELA 2 Conexões em Rede Primária e Secundária Convencional TABELA 4 Conexõesem Rede Primária Compacta TABELA 5 Conexões da Transição de Rede Primária Compacta para a Primária Convencional TABELA 6 Conexõesda Transição de Rede Primária Convencional para a Primária Compacta TABELA 7 Conexões da Rede de Distribuição Aérea em Equipamentos TABELA 8 Emendas para Condutores em Rede de Distribuição Aérea Convencional TABELA 9 Conexão da Alça Estribo com Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea TABELA 10 Conexão da Alça Estribo com Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea TABELA 11 Conexões em Rede Secundária Isolada - Neutro... 26

5 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 3/43 TABELA 12 Conexões do Neutro do Barramento do Transformador à Rede Secundária Isolada TABELA 13 Conexões em Rede Secundária Isolada - Barramento de Transformadores TABELA 14 Conexões em Rede Secundária Isolada - Estribo TABELA 15 Emendas para Condutores em Rede de Distribuição Aérea Compacta TABELA 16 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível - Ramal de Ligação Aéreo e Ramal de Entrada Subterrâneo - Medição Direta até 100 A TABELA 17 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível - Ramal de Ligação Aéreo e Ramal de Entrada Subterrâneo - Multiplas Medições ou Medição acima de 100 A TABELA 18 Conexões em Rede Secundária Isolada - Barramento de Transformadores de Iluminação Pública TABELA 19 Conexões do Neutro do Barramento do Transformador à Rede Secundária Isolada - Iluminação Pública TABELA 20 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível Iluminação Pública TABELA 21 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo - Iluminação Pública TABELA 22 Conexão do Grampo de Linha Viva em Alça Estribo em Pára-Raios e Chaves Fusíveis da Rede de Distribuição Aérea TABELA 23 Conexão do Grampo de Linha Viva em Alça Estribo em Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea TABELA 24 Conexão do Sistema de Aterramento de Rede de Distribuição Aérea TABELA 25 Conexão do Sistema de Aterramento de Rede de Distribuição Aérea TABELA 26 - Ligações na RDA Ramal de Ligação Aéreo/Ramal de Entrada Subterrâneo e Ligações do Ramal de Ligação Aéreo/Ramal de Entrada Aéreo... 42

6 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 4/43 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica tem os seguintes objetivos: Definir e padronizar um sistema básico de conexão para utilização nas redes de distribuição aérea da CEB. Estabelecer um critério de utilização racional, de forma a otimizar a quantidade e o tipo de conectores na rede. Diminuir as ocorrências no sistema elétrico de distribuição, decorrentes de falhas em conexões, consequentemente melhorando os indicadores de qualidade estabelecidos pelo órgão regulamentador. 2. HISTÓRICO As conexões elétricas nas redes de distribuição aéreas constituem uma das principais causas de defeitos, uma vez que dependem não somente do tipo de tecnologia empregada, mas principalmente do eletricista que executa tais procedimentos. Conexões mal feitas refletem no aumento das perdas técnicas no sistema elétrico e nos elevados custos para a distribuidora com: ressarcimento de danos causados em aparelhos eletro-eletrônicos, manutenções corretivas, descarte de conectores aplicados indevidamente e em condutores danificados. Tais condutas resultam no comprometimento da imagem da empresa, com a insatisfação dos consumidores, em razão de constantes interrupções no fornecimento de energia elétrica. Esta Norma Técnica foi concebida, visando facilitar os trabalhos das equipes de campo na aplicação de conexões elétricas, com incremento de novas tecnologias de ferramentas, materiais e equipamentos de redes de distribuição aérea convencional e compacta. A aplicação de conexões elétricas nas redes de distribuição aéreas depende, fundamentalmente, da capacitação dos eletricistas no cumprimento dos procedimentos de trabalho estabelecidos na IND Procedimentos para Aplicação de Conexões em Rede de Distribuição Aérea (complemento desta norma técnica). Estes procedimentos de trabalho proporcionam a correta utilização das ferramentas e equipamentos, bem como dos materiais padronizados e agilizam a execução destas atividades, contribuindo assim, na melhoria da qualidade do fornecimento de energia elétrica e no aumento da satisfação de nossos consumidores. 3. NORMA E/OU DOCUMENTOS COMPLEMENTARES IND Procedimentos para Aplicação de Conexões em Rede de Distribuição Aérea NBR Conectores de cobre para condutores elétricos em sistemas de potência NBR Conectores elétricos Terminologia NBR Ligas de cobre - Análise química - Método de ensaio

7 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 5/43 NBR Arruelas de pressão Especificação NBR Ferragens eletrotécnicas para redes de distribuição NBR Ensaios de ciclos térmicos e curto-circuitos em conectores para cabos de potência - Método de ensaio NBR Conectores de alumínio para ligações aéreas de condutores em sistemas de potência 4. DEFINIÇÕES 4.1. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica, órgão responsável pela fiscalização do setor elétrico que representa o poder concedente Aterramento Funcional: É o aterramento de um condutor vivo, normalmente o neutro, objetivando o correto funcionamento da instalação Aterramento Temporário Ligação elétrica efetiva e intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continuamente durante a intervenção na instalação elétrica Chave Dispositivo de proteção ou manobra destinado a fechar e abrir um ou mais circuitos, por meio de contatos separados Chave Faca Chave na qual, em cada pólo, o contato móvel (visível) é constituído por uma ou mais lâminas articuladas em uma extremidade, enquanto na outra extremidade se adapta por encaixe no contato fixo correspondente Chave Fusível Sua função é proteger os circuitos primários contra sobrecorrentes originadas por sobrecargas, curto-circuitos, dentre outros, um elemento fusível integra o equipamento e é o principal responsável pelas características básicas do seu princípio de funcionamento Composto Anti-Óxido Aplicada ao redor de um condutor elétrico, rompe a película de óxido que se forma. Deve ser aplicado logo após a escovação, elimina a entrada de ar e de umidade nas conexões, impedindo a corrosão e a oxidação. O uso da pasta anti-óxido é obrigatório em todas as conexões feitas em cabos de Alumínio Condutor Elemento metálico, geralmente de forma cilíndrica, com a função específica de transportar energia elétrica Conector Dispositivo eletromecânico que faz a ligação elétrica de condutores entre si e/ou a uma parte condutora de um equipamento, transmitindo ou não força mecânica e conduzindo corrente elétrica Conector de Derivação Conector que liga um condutor derivação a um condutor tronco Conector de Derivação Tipo Cunha Sem Cartucho Conector próprio para ser instalado nas ligações de equipamentos, jumper, cruzamento aéreo, interligação

8 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 6/43 de cordoalha de aterramento, ligações de alça estribo, conforme as normas técnicas de Montagens de Redes de Distribuição Aéreas, sendo que o condutor de maior bitola deve ser instalado no lado de maior curvatura da cunha Conector de Derivação Tipo Cunha Conector próprio para ser instalado nas ligações de unidades consumidoras por meio de ramais de ligação aéreo, ramais de entrada subterrâneos e interligação de ramal de ligação aéreo com ramal de entrada, conforme as normas técnicas de Montagens de Redes de Distribuição Aéreas, sendo que o condutor de maior bitola deve ser instalado no lado de maior curvatura da cunha Conector Perfurante Conector próprio para conexões de derivação por perfuração da isolação dos condutores das redes secundárias isoladas, ligações de unidades consumidoras em estribo flexível por meio de ramais de ligação aéreo e ramal de entrada subterrâneo, conforme normas técnicas de Montagens de Redes de Distribuiição Aéreas Conector Terminal de Compressão por parafuso Conector próprio para conexões em terminais de chaves seccionadoras, terminais de pára-raios, terminais de transformadores e demais equipamentos Conector de Aterramento Conector que liga um ou mais condutores a um eletrodo de aterramento Conector Grampo de Linha Viva Conector próprio para conexões, na alça estribo, das derivações das redes de distribuição aéreas, bem como possibilitar a instalação do conjunto de aterramento temporário ou jumpers provisórios (By-pass) Conector Luva de Emenda Torquimétrico Dispositivo que liga eletricamente as extremidades de dois lances de um mesmo condutor fase da rede de distribuição compacta Cadastramento e Especificação de Materiais e Serviços Formulário codificado utilizado pelas áreas técnicas da CEB-D de especificação de materiais e serviços para fins de cadastramento junto à área de suprimentos Especificação de Materiais da Distribuição EMD - Documento da área de normatização e tecnologia utilizado para especificação técnica de materiais da distribuição Haste de Aterramento Eletrodo de aço cobreado utilizado no sistema de aterramento funcional das redes de distribuição aéreas Luva de Emenda Autotravante Dispositivo que liga mecânica e eletricamente as extremidades de dois lances de um mesmo condutor Escova de Aço Tipo V - Escova de aço para limpeza de condutores, com entalhe tipo V.

9 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 7/ Fita Auto-Fusão Produto de borracha à base de etileno-propileno (EPR), utilizada para isolação primária e vedação em emendas, conexões e instalação de acessórios em fios e cabos, além de vedação contra umidade Fita PVC Isolante Fita adesiva isolante em PVC flexível, com adesivo à base de borracha e resinas Manta de Cobertura Acessório destinado à proteção de conectores tipo cunha, tipo cunha com estribo e emendas de cabos cobertos de 15 kv, na forma de manta, constituído por um dorso em EPR, coberto por uma camada de mastic para vedação e adesivo de fechamento Padrão de Entrada Ponto em que uma linha externa de energia elétrica penetra na edificação. Compreende o poste auxiliar, o ramal de entrada, a caixa de medição, o disjuntor de entrada e o aterramento Ponto de Entrega Ponto de conexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento Ramal de Entrada Subterrâneo Conjunto de condutores e acessórios que interligam o ponto de entrega ao ponto de proteção, medição ou transformação, instalado no interior da unidade consumidora Ramal de Ligação Aéreo Conjunto de condutores e acessórios instalado entre o ponto de derivação da rede da CEB e o ponto de entrega Rede Compacta Conjunto de cabo de aço, denominado mensageiro, e cabos cobertos (cabos protegidos) fixados em estruturas compostas por braços metálicos, espaçadores losangulares ou separadores de fase, confeccionados em material polimérico, sendo utilizadas na CEB na tensão de 13,8 kv e 34,5 kv Rede Convencional Rede de distribuição aérea composta por condutores nus de alumínio CA ou CAA Rede de AT Tensão nominal em corrente alternada superior a 1000 V, presente no lado de tensão primária da estação transformadora Rede de BT Tensão nominal em corrente alternada igual ou inferior a 1000 V, presente no lado de tensão secundária da estação transformadora Rede Secundária Isolada Rede de distribuição em Baixa Tensão que utiliza condutores multiplexados isolados Religador Automático Dispositivo de manobra constituído por um mecanismo automático projetado para abrir e fechar circuitos em carga ou em curtocircuito, comandado por relés de sobrecorrente de ação indireta e por um relé de religamento Alça Estribo Dispositivo próprio para possibilitar a conexão, por meio do grampo de linha viva, das derivações das redes de distribuição aéreas

10 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 8/43 preferencialmente energizadas, bem como a instalação do conjunto de aterramento temporário e jumpers provisórios (By-pass) Seccionador Pré-Formado para Cerca de Arame Dispositivo de material preformado que possibilita o seccionamento de cercas de arames transversais ou paralelas às rede de distribuição aéreas Unidade Consumidora conjunto composto por instalações, ramal de entrada, equipamentos elétricos, condutores e acessórios, incluída a subestação, quando do fornecimento em tensão primária, caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em apenas um ponto de entrega, com medição individualizada, correspondente a um único consumidor e localizado em uma mesma propriedade ou em propriedades contíguas; 5. CAMPO DE APLICAÇÃO Esta norma aplica-se às conexões elétricas utilizadas nas de redes de distribuição aéreas de energia elétrica padronizadas pela CEB-D. Nesta norma são apresentados os conectores padronizados para a execução de conexões utilizadas nas redes de distribuição aéreas. 6. REQUISITOS BÁSICOS PARA APLICAÇÃO DE CONEXÕES São considerados requisitos básicos para a realização de conexões: a) atenção aos procedimentos de trabalhos estabelecidos na IND Procedimentos para Aplicação de Conexões em Rede de Distribuição Aérea; b) existência de ordem de serviço específica para realização do serviço; c) realização do checklist da viatura, materiais, ferramentas e equipamentos; d) execução das conexões sempre com mais de um elemento para auxílio nas tarefas ou atender em casos de emergência; e) execução das conexões somente por elementos devidamente capacitados; f) estacionamento da viatura de forma adequada, com o calçamento das rodas e instalação do aterramento temporário da viatura; g) delimitação e sinalização adequada da área de serviço; h) realização do planejamento da tarefa, Conversa ao Pé do Poste, e da Análise Preliminar de Risco APR; i) preparação das ferramentas, materiais e equipamentos necessários para a realização da tarefa; j) execução das conexões com os seguintes equipamentos de proteção: luvas isolantes de borracha para 1 kv (classe 0) para trabalhos na rede de BT; luvas isolantes de borracha para 17 kv (classe 2) para trabalhos na rede de AT; luvas de couro, cobertura para as luvas isolantes de borracha; luvas em vaqueta; viatura equipada com cesto aéreo isolado ou escada extensível de fibra vidro;

11 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 9/43 equipamento de resgate aéreo, para o caso do uso da escada extensível; cinto tipo paraquedista com cordão umbilical, para o caso do uso do cesto aéreo isolado; cinto tipo paraquedista, para o caso do uso da escada extensível; trava quedas; talabarte ajustável; mosquetão; uniforme RF; capacete branco aba total, classe B; óculos de proteção lente escura ou incolor; botina de segurança; vara de manobra com três módulos; detetor de tensão; conjunto de aterramento temporário de BT e/ou AT; cones de sinalização de 750mm, a quantidade dependerá do tipo de serviço e velocidade da via; rebobinador com fita de sinalização refletiva; lençóis isolante de borracha (classe 0 ou classe 2); coberturas rígidas isolantes (classe 0 ou classe 2); coberturas flexíveis isolantes (classe 0 ou classe 2); manga isolante (classe 0 ou classe 2). Nota: Todos os EPI s e EPC s devem passar por testes periódicos e serem inspecionados diariamente antes do seu uso. k) comunicação com o COD via sistema, conforme rotina própria deste órgão; l) inspeção visual das condições físicas do poste, estrutura e condutores antes da execução de conexões; m) quando qualquer equipamento de proteção ou manobra for aberto para permitir a execução de serviços na rede, deve sempre ser colocado em lugar visível e junto ao equipamento operado, a bandeirola com os dizeres: Não opere esta chave, para efetivar a interdição; além de testar ausência de tensão e instalar os conjuntos de aterramentos temporários. 7. CARACTERISTICAS GERAIS DOS CONECTORES PARA CONEXOES EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREAS 7.1. Identificação No corpo dos conectores, luvas de emenda, alças estribos, grampos de linha viva e haste de aterramento, seccionador de cerca de aramedevem ter gravado de forma legível e indelével, no mínimo as seguintes indicações: a) marca ou nome do fabricante; b) faixa de bitola em AWG/MCM e mm², (quando aplicado) do maior e do menor condutor em que se aplica; c) tipo do condutor aplicado (CA, CAA, AL ou Cu); Do conector terminal por compressão a parafuso:

12 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 10/43 No corpo dos conectores além das alíneas do subitem acima deve ter a indicação da alínea abaixo: a) torque de instalação em dann x m. Nota: Opcionalmente a identificação do torque de instalação em dann x m dos conectores pode ser feita na cabeça do parafuso Do conector de derivação de cunha para ramal de serviço No corpo dos conectores além das alíneas do subitem acima deve ter a indicação da alínea abaixo: a) tipo do conector de acordo com a série simétrica ou assimétrica (serie simétrica tipo I, II, III, IV, VI e VII; assimétrica A, B, G e H). Nota: Somente deverão ser utilizados os conectores acondicionados nas suas embalagens individuais devidamente lacradas. 8. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS CONECTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA As especificações dos conectores padronizados nesta norma estão disponíveis na área de suprimentos para consulta, por meio do Cadastro de Especificação de Materiais e Serviços. 9. CONDUTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Os condutores padronizados para utilização nas redes de distribuição aérea estão indicados na Tabela 1 Condutores padronizados para rede de distribuição aérea e Tabela 1.1 Condutores padronizados para ramais de ligação aéreos, em conformidade com as Especificações de Materiais da Distribuição EMD e Cadastro de Especificação de Materiais e Serviços. 10. CONECTORES PADRONIZADOS Esta norma estabelece a padronização dos tipos de conectores para a aplicação de conexões em redes de distribuição aéreas convencionais e compactas, em conformidade com as Especificações de Materiais da Distribuição EMD, Cadastro de Especificação de Materiais e Serviços e Tabelas indicadas nos subitens a seguir Conectores Padronizados para Rede de Distribuição Aérea Primária Conector Derivação de Cunha Sem Cartucho Tabela 2 Conexões em rede primária e secundária convencional. Tabela 3 Conexões em rede primária compacta. Tabela 5 Conexões da transição de rede primária compacta para a primária convencional. Tabela 6 Conexões da transição de rede primária convencional para a primária compacta.

13 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 11/43 Conector Luva de Emenda Torquimétrica Tabela 15 Emendas para condutores em rede de distribuição aérea compacta. Conector Terminal a Compressão por Parafuso Tabela 7 Conexões da rede de distribuição aérea em equipamentos. Luva de Emenda Autotravante Tabela 8 Emendas para condutores em rede de distribuição aérea convencional. Conector Grampo de Linha Viva Corrente Nominal de 100 A ou 400 A Tabela 22 Conexão do grampo de linha viva em alça estribo em pára-raios e chaves. fusíveis da rede de distribuição aérea Tabela 23 Conexão do grampo de linha viva em alça estribo em equipamentos da rede de distribuição aérea. Alça Estribo Corrente Nominal de 100 A Tabela 10 Conexão da alça estribo com equipamentos da rede de distribuição aérea. Alça Estribo Corrente Nominal de 400 A Tabela 9 Conexão da alça estribo com equipamentos da rede de distribuição aérea CONECTORES PADRONIZADOS PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA SECUNDÁRIA Conector de Derivação de Cunha Sem Cartucho Tabela 2 Conexões em rede primária e secundária convencional. Tabela 11 Conexões em rede secundária isolada neutro. Tabela 12 Conexões do neutro do barramento do transformador à rede secundária isolada. Tabela 19 Conexões do neutro do barramento do transformador à rede secundária isolada iluminação pública. Tabela 20 Conexões em rede secundária isolada com estribo flexível iluminação pública. Tabela 21 Conexões em rede secundária isolada com estribo iluminação pública. Conector de Derivação de Perfuração

14 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 12/43 Tabela 13 Conexões em rede secundária isolada barramento de transformadores. Tabela 14 Conexões em rede secundária isolada estribo. Tabela 16 Conexões em rede secundária isolada com estribo flexível ramal de ligação aéreo e ramal de entrada subterrâneo - medição direta até 100 A. Tabela 17 Conexões em rede secundária isolada com estribo flexível ramal de ligação aéreo e ramal de entrada subterrâneo múltiplas medições ou medição acima de 100 A. Tabela 18 Conexões em rede secundária isolada barramento de transformadores de iluminação pública. Conector de Derivação de Cunha para Ramal de Serviço Tabela 26 Ligações na rede de distribuição aérea com o ramal de ligação/ramal de entrada e ligações do ramal de ligação aéreo/ramal de entrada aéreo CONECTORES DO SISTEMA DE ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Conector de Derivação de Cunha para Aterramento, Conector de Derivação de Cunha para Haste de Aterramento e Haste de Aterramento Tipo Cobreada Tabela 24 Conexão do sistema de aterramento de rede de distribuição aérea CONECTORES DO SECCIONAMENTO E ATERRAMENTO DE CERCA Seccionador de Cerca de Arame Tabela 25 Conexão do sistema de aterramento de rede de distribuição aérea 11. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os casos não previstos, as críticas e sugestões deverão ser submetidos à área de normatização e tecnologia para apreciação e respostas.

15 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÂO Página 13/43 TABELAS

16 Pág. 14/43 TABELA 1 Condutores padronizados para Rede de Distribuição Aérea CONDUTORES DIÂMETROS NOMINAL (mm) FORMAÇÃO CARGA DE RUPTURA (dan) NOME CA CAA mm² CA CAA mm² CA CAA mm² CAPACIDADE NOMINAL DE CORRENTE (A) ROSE , SWAN , / IRIS , SPARROW , / POPPY 1/ , HAVEN - 1/ , / OXLIP 4/ , PENGUIN - 4/ , / TULIP 336, , ORIOLE - 336, , / , , CONDUTORES (mm²) Condutores Padronizados para Rede de Distribuição Aérea Secundária Isolada DIÂMETROS NOMINAL (mm) NOME CA CAL CA CAL CABO FORMAÇÃO CARGA DE RUPTURA (dan) CAPACIDADE NOMINAL DE CORRENTE (A) ,00 7,00 3 X 1 X ,20 9,00 3 X 1 X ,75 10,35 3 X 1 X ,80 10,35 3 X 1 X

17 Pág. 15/43 Cordoalha de Aço Padronizada para o Cabo Mensageiro da Rede de Distribuição Aérea Compacta DIÂMETRO NOMINAL SEÇÃO FORMAÇÃO MASSA CATEGORIA (ABNT) Nº DE DIÂMETROS POLEGADA mm mm² kg/km FIOS NOMINAL (mm) CARGA DE RUPTURA MÍNIMA (dan) MÓDULO DE ELASTICIDADE FINAL /8" 9,5 51,14 7 3,05 407±20 AR OU HS ± Cordoalha de Aço Padronizada para Estaiamento de Estruturas da Rede de Distribuição Aérea MPa APLICAÇÃO Sustentação dos espaçadores e separadores e proteção eletro-mecânica. DIÂMETRO NOMINAL SEÇÃO FORMAÇÃO MASSA CATEGORIA (ABNT) Nº DE DIÂMETROS POLEGADA mm mm² kg/km FIOS NOMINAL (mm) CARGA DE RUPTURA MÍNIMA (dan) MÓDULO DE ELASTICIDADE FINAL /4" 6,4 22,66 7 2,03 180±9 MR OU SM ± /16" 7,9 38,32 7 2,64 305±15 AR OU HS ± DIÂMETRO NOMINAL SEÇÃO POLEGADA mm mm² Condutor Padronizado para o Sistema de Aterramento Rede de Distribuição Aérea Nº DE FIOS FORMAÇÃO DIÂMETROS NOMINAL (mm) CARGA DE RUPTURA (dan) - 1/4" 6,4 22,91 7 2, MPa PESO CAMADA kg/km µm 62 APLICAÇÃO Estaiamentos dos tipos: cruzeta a cruzeta, cruzeta a poste e poste a poste. Estaiamentos do tipo âncora. APLICAÇÃO Aterramento funcional do sistema.

18 Pág. 16/43 CONDUTORES (mm²) TABELA 1.1 Condutores Padronizados para Ramais de Ligação Aéreo DIÂMETROS NOMINAL (mm) FORMAÇÃO DO CABO CA CAL CA CAL CARGA DE RUPTURA (dan) CAPACIDADE NOMINAL DE CORRENTE (A) NÚMERO DE FIOS X 1 X ,80 5, X 1 X ,80 5, X 1 X ,80 5, X 1 X ,00 9, Nota: Deverão ser utilizados cabos multiplexados coloridos, sendo neutro núe fases: A preta, B cinza e C vermelha, conforme EMD CABOS DE ALUMINIO MULTIPLEXADOS COLORIDOS (auto-sustentados de 0,6/1,0 kv).

19 Pág. 17/43 TABELA 2 Conexões em Rede Primária e Secundária Convencional Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,38 5,18 6,55 4, ,11 6,53 6,55 4, ,11 6,53 8,38 5, /0 4 10,11 6,53 8,38 5, /0 2 14,53 8,23 11,79 4, /0 1/0 14,53 8,23 11,79 4, /0 4 14,53 8,23 11,79 4, /0 2 14,53 9,25 14,53 6, /0 1/0 14,53 9,25 14,53 6, /0 4/0 14,53 9,25 15,53 9,25 CA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,4 4 17,37 15,24 12,17 4, ,4 2 17,37 15,24 14,27 6, ,4 1/0 17,37 15,24 14,27 6, ,4 4/0 17,37 15,24 15,24 8, ,4 336,4 17,37 15,24 17,37 11,68 CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,4 4 18,5 16,3 6,95 4, ,4 2 18,5 16,3 10,11 7, ,4 1/0 18,5 16,3 10,8 9, ,4 4/0 18,5 16,3 14,6 12, ,4 336,4 18,5 16,3 18,5 15 CAA /CA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,4 336,4 18,5 16,3 18,5 15

20 Pág. 18/43 TABELA 3 Conexões em Rede Primária Compacta Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,11 6,53 10,11 6, ,37 15,24 14,27 6, ,37 15,24 17,37 11,68

21 Pág. 19/43 TABELA 4 Conexõesem Rede Primária Compacta Cobertura Tipo Manta - 15 kv DIMENSÕES (mm) LARGURA COMPRIMENTO Nota: 1) As coberturas tipo manta deverão ser aplicadas conforme as normas e padrões da CEB-D. 2) Em todas as aplicações de conexões na rede de distribuição aérea compacta deverão ser utilizadas coberturas tipo manta para recomposição da capa protetora dos condutores.

22 Pág. 20/ TABELA 5 Conexões da Transição de Rede Primária Compacta para a Primária Convencional Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) 4 10,11 6,53 6,55 4, ,11 6,53 8,38 5, /0 14,53 8,23 11,79 4, ,37 15,24 12,17 4, ,37 15,24 14,27 6, /0 17,37 15,24 14,27 6, /0 17,37 15,24 15,24 8, ,4 17,37 15,24 17,37 11, ,4 CAA 18,5 16,3 18,5 15

23 Pág. 21/ TABELA 6 Conexõesda Transição de Rede Primária Convencional para a Primária Compacta Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) 10,11 6,53 6,55 4, ,11 6,53 8,38 5, /0 14,53 8,23 11,79 4, /0 14,53 9,25 14,53 6, ,4 17,37 15,24 14,27 6, ,4 CAA 18,5 16,3 10,11 7, /0 17,37 15,24 14,27 6, /0 17,37 15,24 15,24 8, ,4 17,37 15,24 17,37 11, ,4 CAA 18,5 16,3 18,5 15

24 Pág. 22/43 TABELA 7 Conexões da Rede de Distribuição Aérea em Equipamentos CA/CAA/Cu (AWG) Conector a Compressão por Parafuso DIÂMETROS MAX(mm) MIN (mm) DESCRIÇÃO ,4 5, ,1 6, /0 10, /0 15,1 14, ,4 18,9 15,4 CA/CAA/Cu (mm²) DIÂMETROS MAX(mm) MIN (mm) , , ,1 14, ,1 14, ,1 14, ,9 15,4 Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 1 furo Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 1 furo Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos DESCRIÇÃO Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Conector terminal a compressão por parafuso, ca,caa e cu com 2 furos Notas: 1) Os ramais de entrada subterrâneo com seção superior a 70 mm² deverão ser ligados com transformador exclusivo diretamente nas buchas secundárias; 2) Os condutores de seção igual a 95 mm² e 150 mm² desta tabela, pertencem exclusivamente ao ramal de entrada subterrâneo e deverão ser conectados diretamente nas buchas secundárias do transformador exclusivo.

25 Pág. 23/43 CÓDIGO (AWG/MCM) TABELA 8 Emendas para Condutores em Rede de Distribuição Aérea Convencional CABO AL-CA e CAA Diâmetro da envoltória CA (mm) Diâmetro da envoltória CAA (mm) Luvas de Emenda Autotravantes Formação do condutor Resistência mínima à tração do condutor (dan) Resistência mínima à tração da luva de emenda (dan) 15% da resistência mínima à tração Capacidade Mínima de Condução de corrente (A) CA CAA CA CAA A (mm) DIMENSÕES APRÓXIMADAS ,81 6,53 7 6/ , Laranja ,36 8,27 7 6/ , Vermelho /0 9,36 10,4 7 6/ , Amarelo /0 13,13 14,67 7 6/ , Rosa ,4 CA 16, , Verde ,4 CAA - 17,96-30/ , Azul B (mm) Código de Cores

26 Pág. 24/43 TABELA 9 Conexão da Alça Estribo com Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea CÓDIGO DERIVAÇÃO ALÇA ESTRIBO CAPACIDADE DE CORRENTE (A) Alça Estribo Tipo Cunha - Rede Convencional DIÂMETRO (mm) TRONCO - CONECTOR TIPO CUNHA EM LIGA DE ALUMÍNIO - SEM CARTUCHO CA/CAA (AWG) CÓDIGO ,8 ± 0, / CÓDIGO 4/ , ALÇA ESTRIBO TIPO CUNHA - REDE COMPACTA DERIVAÇÃO TRONCO - CONECTOR TIPO CUNHA EM LIGA DE ALÇA ESTRIBO ALUMÍNIO - SEM CARTUCHO CAPACIDADE DE DIÂMETRO CA/CAA CÓDIGO CORRENTE (mm) (AWG) (A) ,8 ± 0,

27 Pág. 25/43 TABELA 10 Conexão da Alça Estribo com Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea CÓDIGO DERIVAÇÃO ALÇA ESTRIBO CAPACIDADE DE CORRENTE (A) Alça Estribo Tipo Cunha - Rede Convencional DIÂMETRO (mm) ,5 ± 0,2 TRONCO - CONECTOR TIPO CUNHA EM LIGA DE ALUMÍNIO - SEM CARTUCHO CA/CAA (AWG) CÓDIGO DO CONECTOR / / , Alça Estribo Tipo Cunha - Rede Compacta CÓDIGO DERIVAÇÃO ALÇA ESTRIBO CAPACIDADE DE CORRENTE (A) DIÂMETRO (mm) ,5 ± 0,2 TRONCO - CONECTOR TIPO CUNHA EM LIGA DE ALUMÍNIO - SEM CARTUCHO CA/CAA (AWG) CÓDIGO DO CONECTOR

28 Pág. 26/43 TABELA 11 Conexões em Rede Secundária Isolada - Neutro Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,11 6,53 8,38 5, ,11 6,53 10,11 6, ,11 6,53 10,11 6, ,53 8,23 7,6 4, ,53 8,23 11,79 4, ,53 9,25 14,53 6, ,53 8,23 11,79 4, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 15,53 9,25

29 Pág. 27/43 TABELA 12 Conexões do Neutro do Barramento do Transformador à Rede Secundária Isolada Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho TRONCO CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO (NEUTRO) MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,53 8,23 11,79 4, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6,55

30 Pág. 28/43 TABELA 13 Conexões em Rede Secundária Isolada - Barramento de Transformadores Conector de Perfuração em Liga de Alumínio Cu/CA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,53 8,23 11,79 4, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 15,53 9,25

31 Pág. 29/43 TABELA 14 Conexões em Rede Secundária Isolada - Estribo Conector de Perfuração em Liga de Alumínio CA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO TRONCO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) (ESTRIBO)* ,53 8,23 11,79 4, ,53 9,25 14,53 6, ,53 9,25 14,53 6,55 * Estribo Flexível Confeccionado em Cabo de Alumínio CA XLPE e instalado conforme as normas e padrões da CEB-D.

32 Pág. 30/43 TABELA 15 Emendas para Condutores em Rede de Distribuição Aérea Compacta Conector Luva de Emenda Torquimétrica CABO AL-CA CÓDIGO (mm²) Diâmetro da envoltória (mm) Diâmetro interno (mm) Comprimento do conector (mm) Anéis de Centragem Azul Sem Anel NOTA: Para fins de requisição, o código do conector luva de emenda torquimétrica é composto de um conjunto com os seguintes itens: Conector luva de emenda torquimétrica, manta de alumínio auto-adesiva e cobertura tipo manta isolante para 15 kv. As dimensões destes itens estão descritas no cadastro de especificação do material.

33 Pág. 31/43 TABELA 16 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível - Ramal de Ligação Aéreo e Ramal de Entrada Subterrâneo - Medição Direta até 100 A TRONCO (ESTRIBO) * Conector de Perfuração em Liga de Alumínio CA/Cu PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO (RAMAL) MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,11 6,53 3,24 2, ,11 6,53 6,55 4, ,11 6,53 8,38 5, ,11 6,53 10,11 6,53 * Estribo Flexível Confeccionado em Cabo de Alumínio CA XLPE e instalado conforme as normas e padrões da CEB-D.

34 Pág. 32/43 TABELA 17 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível - Ramal de Ligação Aéreo e Ramal de Entrada Subterrâneo - Multiplas Medições ou Medição acima de 100 A TRONCO (ESTRIBO)* Conector de Perfuração em Liga de Alumínio CA/Cu PRINCIPAL LADO A DERIVAÇÃO LADO B DERIVAÇÃO (RAMAL) MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,53 8,23 11,79 4, ,53 6,55 14,53 9,25 * Estribo Flexível Confeccionado em Cabo de Alumínio CA XLPE e instalado conforme as normas e padrões da CEB-D.. Notas: 1) O dimensionamento dos condutores dos ramais de entrada subterrâneo, previstos nesta tabela, deverá ser limitado a no máximo seção de 2 x 50 mm² ou 1 x 70 mm², por cabo alimentador, para possibilitar a sua ligação diretamente no estribo flexível da rede secundária isolada; 2) O dimensionamento de condutores de seção acima daquelas previstas no item 1 desta nota, deverá ser executado com transformadores exclusivos.

35 Pág. 33/43 TABELA 18 Conexões em Rede Secundária Isolada - Barramento de Transformadores de Iluminação Pública Conector de Perfuração em Liga de Alumínio Cu ou CA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) TRONCO DERIVAÇÃO MAX(mm) MIN (mm) MAX(mm) MIN (mm) ,53 8,23 7,6 4,11

36 Pág. 34/43 TABELA 19 Conexões do Neutro do Barramento do Transformador à Rede Secundária Isolada - Iluminação Pública Conector Derivação de Cunha em Liga de Alumínio - Sem Cartucho TRONCO CA OU CAA PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO (NEUTRO) MAX (mm) MIN (mm) MAX (mm) MIN (mm) ,53 8,23 11,79 4,11

37 PADRÃO DE CONEXÕES PARA RDA Pág. 35/43 TABELA 20 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo Flexível Iluminação Pública TRONCO Conector de Perfuração em Liga de Alumínio CA PRINCIPAL LADO (A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO (ESTRIBO)* MAX (mm) MIN (mm) MAX (mm) MIN (mm) ,53 8,23 7,6 4,11 * Estribo Flexível Confeccionado em Cabo de Alumínio CA XLPE e instalado conforme as normas e padrões da CEB-D.

38 PADRÃO DE CONEXÕES PARA RDA Pág. 36/43 TABELA 21 Conexões em Rede Secundária Isolada com Estribo - Iluminação Pública TRONCO (ESTRIBO)* Conector de Perfuração em Liga de Alumínio CA/Cu PRINCIPAL LADO(A) DERIVAÇÃO LADO(B) DERIVAÇÃO MAX (mm²) MIN (mm²) MAX (mm²) MIN (mm²) , , , ,5 * Estribo Flexível Confeccionado em Cabo de Alumínio CA XLPE e instalado conforme as normas e padrões da CEB-D.

39 PADRÃO DE CONEXÕES PARA RDA Pág. 37/43 TABELA 22 Conexão do Grampo de Linha Viva em Alça Estribo em Pára-Raios e Chaves Fusíveis da Rede de Distribuição Aérea GRAMPO DE LINHA VIVA Conector Grampo de Linha Viva - Convencional TRONCO ALÇA ESTRIBO DERIVAÇÃO CONDUTOR CÓDIGO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) CONEXÃO NA ALÇA ESTRIBO CONEXÃO NO JUMPER - 2 CAA CÓDIGO MAX (mm) MÍN (mm) MAX (mm) MÍN (mm) CAPACIDADE DE CORRENTE(A) DIÂMETRO (mm) CAA (AWG) ,61 4,67 10,61 3, ,5 ± 0,2 2 CONECTOR GRAMPO DE LINHA VIVA - COMPACTA CÓDIGO CAPACIDADE DE CORRENTE (A) GRAMPO DE LINHA VIVA CONEXÃO NA ALÇA ESTRIBO CONEXÃO NO JUMPER 50 mm² MAX (mm) MÍN (mm) MAX (mm) MÍN (mm) CÓDIGO TRONCO ALÇA ESTRIBO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) DIÂMETRO (mm) DERIVAÇÃO CONDUTOR CA (mm²) ,61 4,67 10,61 3, ,5 ± 0,2 50 NOTAS: 1) No sistema de ligação de para-raios, em rede de distribuição convencional, os jumpers das fases de entrada deverão ser feitos com condutores 2 CAA; 2) No sistema de ligação de chaves fusíveis, em rede de distribuição convencional, os jumpers das fases de entrada e saída deverão ser constituídos de condutores 2 CAA; 3) No sistema de ligação de para-raios, em rede de distribuição compacta, os jumpers das fases de entrada deverão ser feitos com condutores CA 50 mm²; 4) No sistema de ligação de chaves fusíveis, em rede de distribuição compacta, os jumpers das fases de entrada esaída deverão ser feitos com condutores CA 50 mm².

40 Pág. 38/43 TABELA 23 Conexão do Grampo de Linha Viva em Alça Estribo em Equipamentos da Rede de Distribuição Aérea Conector Grampo de Linha Viva - Convencional GRAMPO DE LINHA VIVA TRONCO ALÇA ESTRIBO DERIVAÇÃO CONDUTOR CÓDIGO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) CONEXÃO NA ALÇA ESTRIBO CONEXÃO NO JUMPER MAX (mm) MÍN (mm) MAX (mm) MÍN (mm) CÓDIGO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) DIÂMETRO (mm) CAA (AWG) ,83 9,47 20,55 8, ,8 ± 0,2 CÓDIGO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) GRAMPO DE LINHA VIVA CONEXÃO NA ALÇA ESTRIBO Conector Grampo de Linha Viva - Compacta CONEXÃO NO JUMPER MAX (mm) MÍN (mm) MAX (mm) MÍN (mm) CÓDIGO TRONCO ALÇA ESTRIBO CAPACIDADE DE CORRENTE(A) DIÂMETRO (mm) 1/0 4/0 336,4 DERIVAÇÃO CONDUTOR CA (mm²) ,83 9,47 20,55 8, ,8 ± 0,

41 Pág. 39/43 TABELA 24 Conexão do Sistema de Aterramento de Rede de Distribuição Aérea CONDUTOR Sistema de Aterramento de Pára-Raios Conexão de Entrada da Rede Primária no Pára-Raios DIÂMETROS CAA (AWG) MAX (mm) MIN (mm) ,1 6,7 APLICAÇÃO Conector terminal à compressão por parafuso, CA, CAA, Cu com 1 furo para interligação da rede de distribuição aérea com os terminais de entrada dos pára-raios de distribuição. Conexão de Saída do Pára-Raios do Sistema de Aterramento QUANTIDADE DE CONECTORES MAX (mm) DIÂMETROS MIN (mm) ,38 4,11 CÓDIGO - COMPRIMENTO (m) Cordoalha de Aço Cobreado do Sistema de Aterramento APLICAÇÃO Conector terminal a compressão por parafuso, CA, CAA, Cu com 1 furo para interligação da cordoalha de aço cobreado de 6,4 mm com o terminais de saída dos pára-raios de distribuição. Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação das cordoalhas de aço cobreado de 6,4 mm de saída dos terminais dos pára-raios com a cordoalha de aço cobreado que deriva para as hastes de aterramento. APLICAÇÃO Cordoalha de aço cobreado 6,4 mm para utilização no sistema de aterramento funcional com pára-raios ou demais equipamentos da rede de distribuição aérea Cordoalha de aço cobreado 6,4 mm para utilização no sistema de aterramento funcional simples da rede de distribuição aérea primária Cordoalha de aço cobreado 6,4 mm para utilização no sistema de aterramento funcional simples da rede de distribuição aérea secundária Conexão no Condutor Neutro ou Cabo Mensageiro da Rede Compacta sem Baixa Tensão QUANTIDADE DE CONECTORES MAX (mm) DIÂMETROS MIN (mm) ,11 4, ,38 4,11 DESCRIÇÃO Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o cabo mensageiro da rede compacta Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro da rede compacta de 50 mm²

42 Pág. 40/43 Conexão no Condutor Neutro da Rede Compacta com Rede Secundária Isolada QUANTIDADE DE CONECTORES MAX (mm) DIÂMETROS MIN (mm) ,38 4, ,38 4, ,53 4,11 DESCRIÇÃO Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro da rede secundária isolada de 35 mm² - Iluminação Pública Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro da rede secundária isolada de 50 mm² Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro da rede secundária isolada de 70 mm² Conexão no Condutor Neutro da Rede de Distribuição Aérea Convencional QUANTIDADE DE CONECTORES MAX (mm) DIÂMETROS MIN (mm) ,38 4, ,38 4, ,53 4,11 CÓDIGO MATERIAL DIÂMETRO Haste de aterramento aço cobreado Conector de aterramento tipo cunha Cordoalha de aço cobreado Conexão na Haste de Aterramento 5/8" (14,30 mm) DESCRIÇÃO Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro de CAA 4 AWG Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro de CA/CAA 2 AWG Conector de derivação tipo cunha - sem cartucho para interligação do sistema de aterramento com o condutor neutro de CA/CAA 1/0 AWG Conector de aterramento tipo cunha PRINCIPAL DERIVAÇÃO MAX (mm) MIN (mm) MAX (mm) MIN (mm) , Notas: 1) O aterramento de equipamentos elétricos deverão ser realizados conforme as normas e padrões da CEB-D; 2) Todas as partes metálicas (carcaças) de equipamentos elétricos, não condutoras, devem ser devidamente aterradas e interligadas ao condutor neutro.

43 Pág. 41/43 TABELA 25 Conexão do Sistema de Aterramento de Rede de Distribuição Aérea Sistema de Aterramento e Seccionamento de Cercas Conexão de Cerca de Arame CÓDIGO MATERIAL Haste de aterramento aço cobreado Conector de aterramento tipo cunha Seccionador preformado para cerca Cordoalha de aço cobreada DIMENSÕES (mm) 5/8" (14,30) Conector de aterramento tipo cunha PRINCIPAL DERIVAÇÃO MAX (mm) MIN (mm) MAX (mm) MIN (mm) x10 3,00-2,60 3,00-2,60 6, Notas: 1) O seccionamento e aterramento de cerca de arame deverá ser realizado conforme as normas e padrões da CEB-D; 2) As excepcionalidades de cercas metálicas deverão ser tratadas conforme o caso.

44 Pág. 42/43 TABELA 26 - Ligações na RDA Ramal de Ligação Aéreo/Ramal de Entrada Subterrâneo e Ligações do Ramal de Ligação Aéreo/Ramal de Entrada Aéreo LIGAÇÕES NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA (AWG/mm²) RAMAL DE LIGAÇÃO AÉREO/RAMAL DE ENTRADA SUBTERRÂNEO (AWG) CABO MULTIPLEX CA (AWG) CABO MULTIPLEX CA (mm²) FIO DECOBRE (mm²) CABO DE COBRE (mm²) I I II II I III III III II I I REDE DE BT 2 VII I I I VII A II A I I VII 1/0 VI VII VII VII VI B B B VII VII VI NUA REDE DE BT RSI 4/0 ESTRIBO BIGODE) 35 mm² ESTRIBO (BIGODE) 50 mm² OBSERVAÇÃO: As redes de distribuição aéreas convencionais de BT construídas com condutores 4/0 AWG deverão ser substituídas por redes secundárias multiplexadas. USAR CONECTOR DE PERFURAÇÃO 1. QUANDO NECESSÁRIA A SUBSTITUIÇÃO DE CONECTOR CUNHA, RECOMPOR A ISOLAÇÃO DO ESTRIBO COM FITA AUTO-FUSÃO E ISOLANTE; 2. NAS NOVAS LIGAÇÕES DE UNIDADES CONSUMIORAS NA REDE DE BT DA CEB E NAS CONEXÕES DO RAMAL DE LIGAÇÃO COM O RAMAL DE ENTRADA. REDE DE BT CONVENCIONAL (NUA) RSI (ISOLADA) OBSERVAÇÃO ILUMINAÇÃO PÚBLICA FIO / CABO (1,5 mm²) 4 AWG 2 AWG 1/0 AWG 35 mm² 50 mm² USAR ESTRIBO (BIGODE) NA BT RSI G G H USAR CONECTOR DE 1. CABO 35 mm² = 35 mm² PERFURAÇÃO 2. CABO 50 mm² OU MAIOR = 50 mm²

45 Pág. 43/43 (mm²) RAMAL DE ENTRADA AÉREO (AWG/mm²) FIO DE COBRE (mm²) CABO DE COBRE (mm²) RAMAL 2 A II A I I VII DE LIGAÇAO CABO MULTIPLEX AL CA (AWG) 4 III III III II - - AÉREO 6 IV III III III - - CABO MULTIPLEX AL CA (mm²) 16 III III III III A II A I I VII

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 003 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 00 MONTAGEM DE BANCO DE CAPACITORES SEM CONTROLE AUTOMÁTICO DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA 1. OBJETIVO Estabelecer a padronização da montagem de bancos de capacitores

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO ADENDO 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO MPN-DP-/MN-002 MANUAL DE Página 1 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 MANUAL DE ADENDO 1 MPN-DP-/MN-002 Página 2 de 26 08/03/26 RES nº. 053/26, 08/03/26 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3.

Leia mais

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA

REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA REMANEJAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA Redes de Distribuição de Baixa e Média Tensão CANOAS- RS MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO 1. OBJETIVO: Fornecer informações necessárias sobre os

Leia mais

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário

REDE COMPACTA PARA-RAIOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas de Transição Rede Compacta Rede Nua com Para-Raios 6.1. Estrutura CE3.N3

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA PT.DT.PDN COM CABOS BAIXA TENSÃO PRÉ-REUNIDOS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.009 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA E CADASTRO-SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Requisitos Ambientais 6. Estruturas Básicas 6.1. Estrutura Tangente com Isolador Roldana SI-1 6.2. Estrutura

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA ENTRADA CLIENTE. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Ramal de Entrada Subterrâneo 6.1. CE2H ES Poste de Concreto de Seção Circular 6.2.

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL EQUIPAMENTOS. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Banco Regulador de Tensão 6.1. Em Plataforma 6.1.1. Vista Lateral 6.1.2. Vista Frontal

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 26 / 04 / 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para grampo de linha viva utilizado nas Redes de Distribuição Aéreas da Companhia

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 2ª EDIÇÃO ABRIL 2015 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO E PROJETOS FICHA TÉCNICA Coordenação: José Cezar Nonato Participantes: Eleomar da Silva, José

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO 44/81 3. Deverão ser afixadas, com parafusos, placas identificando as chaves-facas com os dizeres FONTE, CARGA e BY PASS ; 4. Todos os reguladores de tensão deverão ser solidamente conectados ao neutro

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 007

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 007 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 007 INSTALAÇÃO DE RELIGADOR AUTOMÁTICO NOJA - POWER DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO. Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 INSTRUÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO Critérios para Dimensionamento e Ajustes da Proteção de Redes Aéreas de Distribuição Classes 15 e 36,2 kv ITD-17 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. OBJETIVO 1 2. NORMAS E

Leia mais

Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos

Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Árvores e Galhos Estruturas de Rede de Distribuição em Áreas com Riscos de Desmoronamento e de Queda de Galhos e Árvores

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO T Í T U L O REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL POSTE DUPLO T CÓDIGO PT.PN.03.13.0012 VERSÃO Nº ATA Nº APROVAÇÃO DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-27/05/2011 27/05/2011

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT - CONEXÕES. Sumário

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE MULTIPLEXADA BT - CONEXÕES. Sumário Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Condições Gerais 5. Conexão em Estrutura 5.1. Transição Rede Nua com Rede Multiplexada 5.2. Derivação de Rede Tangente 5.3. Derivação

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA

ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. CAMPO DE APLICAÇÃO. 3 4. TERMINOLOGIA E DEFINIÇÕES 4 5. CONDIÇÕES GERAIS 6 6. AFASTAMENTOS MÍNIMOS 7 Afastamentos Mínimos entre Condutores e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv EMD-.014 1/06 DESENHO MANTA COBERTURA- CLASSE 15 kv Código Tensão Dimensões (mm) CEB (kv) Largura Comprimento 92020176 13,8 140 200 92020174 13,8 200 400 DESENHO MANTA COBERTURA CLASSE 35 kv Código Tensão

Leia mais

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO

ESTRUTURAS DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO - MULTIPLEXADA NTD SUMÁRIO Página: 1 de 15 SUMÁRIO.001 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES E AMARRAÇÕES... 1.002 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA... 2.003 - REDE SECUNDARIA MULTIPLEXADA INSTALAÇÕES BÁSICA...

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia

PD Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento e Engenharia PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana 24,2kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia Da Distribuição PD-4.002 Redes de Distribuição Aérea Urbana

Leia mais

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE

NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE NORMA TÉCNICA DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA - DPE 1- OBJETIVO Padronizar a estrutura de montagem da chave tripolar sob carga SF6 15 kv do fabricante Arteche. 2- APLICAÇÃO DO TIPOS DE MONTAGEM

Leia mais

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv.

Comunicado MS/PM - 053/2016. Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Comunicado MS/PM - 053/2016 Assunto: Instalação de religadores dos fornecedores ABB e Schneider em Redes de Distribuição Aéreas Urbanas 15 kv. Prezados Senhores, A CEMIG D através da Gerência de Engenharia

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ESTRUTURAS PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.007 SECUNDÁRIAS AÉREAS ISOLADAS 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA E CADASTRO-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2.

Leia mais

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10

Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 Norma Técnica de Distribuição NTD-10 Padrão de Construção Estruturas de Distribuição de Média e Baixa Tensão NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-10 PADRÃO DE CONSTRUÇÃO ESTRUTURAS DE DISTRIBUIÇÃO DE MÉDIA

Leia mais

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura

1. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO Diretoria de Infraestrutura 1. FINALIDADE MEMORIAL DESCRITIVO Fornecimento de energia elétrica a três edifícios da Universidade Federal do Sul da Bahia, com a sede sendo a Reitoria localizada na Rua Itabuna, s/n, Rod. Ilhéus Vitória

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL AMARRAÇÕES, ATERRAMENTO, CONEXÕES E CRUZAMENTOS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações em MT 7. Amarrações em BT 8. Cruzamento Aéreo em MT 9. Cruzamento Aéreo

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD-.034 1/5 Alça Estribo para Conector Grampo de Linha Viva-GLV 100 Ampéres - Desenho orientativo - CÓDIGO CEB 32020052 EMD-.034 2/5 Alça Estribo Conector Grampo de Linha Viva-GLV - 400 Ampéres - Desenho

Leia mais

Instalações Básicas de Redes de Distribuição Compactas

Instalações Básicas de Redes de Distribuição Compactas ND-2.9 Diretoria de Distribuição e Comercialização Norma de Distribuição Instalações Básicas de Redes de Belo Horizonte Minas Gerais Brasil ND-2.9 Diretoria de Distribuição e Comercialização Norma de

Leia mais

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS CC-MD10 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para o fornecimento de materiais e serviços para Desativação com remoção de dois transformadores

Leia mais

Conferência do Projeto

Conferência do Projeto 214-DPDORC4B 22/4/214 1 de 5 12/2/214 1:9.23 CARACTERIZAÇÃO Data Projeto Nº Pedido Finalidade 16/7/213 Título Implantação de SE Descrição da Obra: Tipo da Obra: IMPLANTAÇÃO EXPANSÃO DA REDE ELÉTRICA (ALTA

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO ATERRAMENTO EM REDES DE DISTRIBUIÇÃO 1/8 1. Objetivo Estabelecer critérios básicos para a instalação de sistemas de aterramento das instalações e equipamentos utilizados em redes aéreas de distribuição. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos

Leia mais

ESTRUTURA ALTERNATIVA B4 PR-SF6 AFASTAMENTOS

ESTRUTURA ALTERNATIVA B4 PR-SF6 AFASTAMENTOS ESTRUTURA ALTERNATIVA B4 PR-SF6 AFASTAMENTOS 600 600 250 500 850 7300 1900 1800 9200 850 150 12000 (1) Medidas em milímetros. EMISSÃO: CT/PRJ-FEVEREIRO/04 REVISÃO: CNT -JUNHO/10 FOLHA : 1 / 7 ESTRUTURA

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Engenharia. Gerência de Serviços Técnicos PD-4.014 Redes de Distribuição Aérea Compacta - 34,5 kv Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos Padrão de Distribuição - PD-4.014 REVISADO POR: Alexandre Amaral

Leia mais

1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA CONDIÇÕES GERAIS Nomenclatura das estruturas... 4

1 INTRODUÇÃO TERMINOLOGIA CONDIÇÕES GERAIS Nomenclatura das estruturas... 4 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 TERMINOLOGIA... 3 3 CONDIÇÕES GERAIS... 4 3.1 Nomenclatura das estruturas... 4 3.1.1 Estruturas básicas e suas variações... 4 3.1.2 Equipamentos:... 4 3.1.3 Configurações:...

Leia mais

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e

Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: NTC-D-01 Norma Técnica e Título do Documento: Rede de Distribuição de Energia Elétrica Aérea com Condutores Nus - Estruturas (Convencional) Tipo: Norma Técnica e Padronização NORMA TÉCNICA E PADRONIZAÇÃO: REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA

CNPJ: / INSC. EST.: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA Notas: CRITÉTRIOS CONSTRUTIVOS DO PADRÃO DE ENTRADA A fiação do ramal de saída deve ser a mesma fiação do ramal de entrada; O padrão de entrada na zona rural deverá ficar no mínimo de 10 metros e no máximo

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE COMPACTA AMARRAÇÕES, DERIVAÇÕES E ATERRAMENTO Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Amarrações e Ancoragens 6.1. Amarrações para Isoladores 6.2. Amarrações para Espaçadores

Leia mais

Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão

Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada de Baixa Tensão 1 OBJETIVO NOR.DISTRIBU-ENGE-40 1/44 Estabelecer os critérios para elaboração de projetos de redes de distribuição aéreas multiplexadas de baixa tensão utilizando condutores multiplexados isolados para

Leia mais

Conector Bimetálico para Condutor Concêntrico de Alumínio

Conector Bimetálico para Condutor Concêntrico de Alumínio TIPO 1 Tabela 1 Item Seção do condutor (mm²) Diâmetro Condutor (mm) Dimensões (mm) A (máx.) B C Código 1 6 3,1 6790664 2 10 4,1 7,93 0,05 20 1,0 18 1,0 6797691 3 16 5,1 6797692 Nº Data Revisões Aprov.:

Leia mais

DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí

DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí Quantidade de Unidade de Serviço por Atividade de Manutenção em Rede Primária Aérea Energizada VERSÃO SÉRIE PADRONIZAÇÃO Diretoria Técnica QUANTIDADE DE

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016

MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA TRIFÁSICA 13,8 E 34,5 KV NTD-016 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE...3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-PROCEDIMENTOS...5 5.1-Afastamentos padronizados na estrutura...5 5.2-Afastamentos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CONECTOR GRAMPO DE LINHA VIVA GLV 100 E 400 AMPÉRES - CLASSE 15 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CONECTOR GRAMPO DE LINHA VIVA GLV 100 E 400 AMPÉRES - CLASSE 15 kv EMD-.035 1/5 Conector Grampo de Linha Viva - GLV 400 Ampéres - Desenho orientativo - NOTA: Pequenas variações de forma, nas partes não cotadas, são admissíveis, desde que mantidas as características mecânicas

Leia mais

1. Desenho da estrutura. VI RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS CURITIBA / PR OBS.: 1. Medidas em centímetros.

1. Desenho da estrutura. VI RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS CURITIBA / PR OBS.: 1. Medidas em centímetros. LISTA DE MATERIAIS 1. Desenho da estrutura. VI RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS OBS.: 1. Medidas em centímetros. 2 2. Lista de materiais. VI RODEIO NACIONAL DE ELETRICISTAS MATERIAIS DA ESTRUTURA N1 NSCF

Leia mais

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD

ATERRAMENTO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO NTD Página: 1 de 9 Data Elaboração: Dezembro/07 Data Revisão : Setembro/08 1. Objetivo Esta norma tem a finalidade de uniformizar os procedimentos para especificação, execução, medição e inspeção dos serviços

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.022 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv

Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv ND 2.10 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Instalações Básicas de Linhas e Redes de Distribuição Compactas de 24,2 e 36,2 kv Belo Horizonte Minas Gerais Brasil ND-2.10 Classificação:

Leia mais

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO.

NORMA TÉCNICA MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO. NORMA TÉCNICA NTE 026 MONTAGEM DE S DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA COM CONDUTORES NUS DE SISTEMAS TRIFÁSICOS DE MÉDIA TENSÃO - 1,8 E 4,5 kv- Cuiabá Mato Grosso - Brasil NTE 026 11ª Edição GPS/NT 1/12/2012

Leia mais

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição

PD Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV. Padrão Técnico da Distribuição. Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição PD-4.009 Redes de Distribuição Aérea Compacta 15kV Padrão Técnico da Distribuição Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia da Distribuição Folha de Controle

Leia mais

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS

AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS AFASTAMENTOS MÍNIMOS PADRONIZADOS 1000 (máximo) 1750 450 500 600 VISTA LATERAL 1800 12000 100 1000 150 7300 VISTA FRONTAL VISTA SUPERIOR (1) Sem escala. (2) Medidas em milímetros. (3) Deverá atender os

Leia mais

EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS DE TRABALHO (escolha, uso, conservação, verificação, ensaios).

EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS DE TRABALHO (escolha, uso, conservação, verificação, ensaios). EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS DE TRABALHO (escolha, uso, conservação, verificação, ensaios). 10.2 - MEDIDAS DE CONTROLE 10.2.4 Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kw devem constituir e manter

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PADRÃO TÉCNICO TÍTULO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 00-06//2009 06//2009 APROVADO POR José Rubens Macedo Junior TÍTULO SUMÁRIO. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD -.001 1/8 Fotos meramente ilustrativas, para aquisição EMD -.001 2/8 NTD CÓDIGO CEB-D DESCRIÇÃO 4.17 E 4.12 1 OBJETIVO 12095161 121162 Detetor de tensão por contato para baixa tensão BT para utilização

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações...

SUMÁRIO. 1. Objetivo Simbologia para Mapeamento Simbologia para Projeto e Cadastramento Nomenclatura Alterações... SUMÁRIO 1. Objetivo...2 2. Simbologia para Mapeamento...2 3. Simbologia para Projeto e Cadastramento...4 4. Nomenclatura... 10 5. Alterações... 13 Revisado: Gilnei Santos Aprovado: Leandro Silva Projetos

Leia mais

Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados

Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados Transmissão: Seção 6 PLP BRASIL Seção 6 Armaduras, Emendas, Reparos e Protetores Preformados Índice Página Armadura Preformada para Condutor de Alumínio e Cordoalha de Aço AR 6-2 Emenda Preformada para

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONEXÃO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONEXÃO A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1/6 1. Objetivo Estabelecer orientações técnicas da conexão dos condutores de alimentação da estrutura de iluminação pública com a rede de distribuição de energia elétrica. 2. Aplicação Iluminação pública.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs. Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE LTs Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki AGENDA Cabos condutores Isoladores e ferragens Estruturas das LTs Cabos para-raios Prof. Dr. Alexandre Rasi Aoki TE-140 2 CABOS CONDUTORES Prof.

Leia mais

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01

PADRÃO TÉCNICO SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PT.DT.PDN REDES DE DISTRIBUIÇÃO SUBTERRÂNEA MONTAGEM ELÉTRICA 01 SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.022 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA SP MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA - ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Acessórios Desconectáveis 600A

Acessórios Desconectáveis 600A 600A APLICAÇÃO Os Acessórios da Prysmian possuem uma concepção de projeto baseada no sistema plugue - tomada, porém para tensões, permitindo fácil conexão e desconexão de um cabo de potência, de um equipamento,

Leia mais

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE

RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - REDE DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV REDE SUL / SUDESTE RELAÇÃO DE MATERIAIS PADRONIZADOS - DE DISTRIBUIÇÃO CLASSE 15 KV SUL / SUDESTE AFASTADOR, ARMACAO SECUNDARIA, ACO CARBONO 1010-1020, ZINCADO A QUENTE, DIMENSOES: 1000 X700 10002599 MM, 4 FUROS, NORMAS

Leia mais

Fluorpact-6 Painel Compacto

Fluorpact-6 Painel Compacto Painel Compacto 1. Apresentação 2 2. Aplicação 2 3. Normas Aplicadas 2 4. Principais Vantagens 2 5. Segurança 3 6. Características Elétricas Nominais 3 7. Configurações Existentes 4 7.1 Para Conexões à

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD 035.02.04 REDE CONVENCIONAL TRANSFORMADORES Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Condições Gerais 6. Estruturas Trifásicas com Transformadores 6.1. Estrutura M1 com Transformador 6.2.

Leia mais

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5.

Finalidade Fonte de Alimentação Proteção da Rede de Média Tensão Proteção contra Sobretensão: 2.5. MEMÓRIAL DESCRITIVO 5 2.1. - Finalidade Traçar diretrizes básicas para a implementação dos projetos de iluminação externa do Campus Petrolina e iluminação da via de interligação entre o anel viário e os

Leia mais

INTRODUÇÃO - LEIA TODO MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DA MONTAGEM

INTRODUÇÃO - LEIA TODO MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DA MONTAGEM INSTRUÇÕES DE MONTAGEM ELOS ACESSÓRIOS PARA CABO REDE SUBTERRÂNEA PÁG. 1 / 7 EMCF 36kV TAM. 3 Edição: JUN 14 DESCRIÇÃO: A EMENDA ELOS COMPACTA FRIA é um acessório de cabo de média tensão isolado com EPR

Leia mais

Instalações Elétricas

Instalações Elétricas Instalações Elétricas Condutores Elétricos (Parte 2) Prof. Gilmário Lima SELEÇÃO E DIMENSIONAMENTO DE CONDUTORES Chama-se de dimensionamento técnico de um circuito à aplicação dos diversos itens da NBR

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD-RE- 001 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO COMPACTA PROTEGIDA CLASSE 15 kv DIRETORIA DE ENGENHARIA CORPORATIVA página APRESENTAÇÃO...3 1. OBJETIVO...4 2. CAMPO DE APLICAÇÃO...4

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL

COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL Página 1 de 2 COMUNICADO TÉCNICO Nº 05 ALTERAÇÕES NAS TABELAS PARA DIMENSIONAMENTO DOS PADRÕES DE ENTRADA DE BAIXA TENSÃO DE USO INDIVIDUAL 1. OBJETIVO Visando a redução de custos de expansão do sistema

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição

Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição Chave Fusível Polimérica tipo MZ uso externo para distribuição Página 1 de 6 A Chave fusível Polimérica tipo MZ foi desenvolvida para operar em redes de distribuição com tensões de 15, 27 e 38 kv. Especialmente

Leia mais

Chave Fusível Religadora

Chave Fusível Religadora INSTALAÇÃO MONOFÁSICA: N O Data Revisões Visto Vanderlei Robadey Aprov. Antônio C.Alves Página 1 de 5 ITEM QUANTIDADE C M MATERIAIS M4 02 02 ALÇA PREFORMADA OLHAL DE DISTRIBUIÇÃO A2 03 05 ARRUELA E14 01

Leia mais

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A

A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A A N E X O VI M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S D E M E D I Ç Ã O D E E N E R G I A C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E S U B E S T A Ç Õ

Leia mais

PAPER. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações.

PAPER. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações. Título As Subestações de Entrada de Energia e entradas de Serviço no Brasil um estudo das possíveis configurações. Propuesta de sesión * 1 Introdução Autores del Trabajo Fernando Reis da Cunha Brasil cunhac3e@yahoo.com.br

Leia mais

LISTA / CATÁLOGO Edição Setembro/2016

LISTA / CATÁLOGO Edição Setembro/2016 LISTA / CATÁLOGO (Revisão) Condições fornecimento 1. Faturamento mínimo R$ 600,00. 2. Condições pagamento 28 ddl. 3. Frete FOB / CIF 4. Faturamento - Até 30 dias OBS: Toda mercadoria será stinada ao nosso

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Manaci Gadelha Maia Companhia Energética do Ceará Antonio Gutemberg Silva de Sousa

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0072 EMENDAS E TERMINAIS UNIPOLARES

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 09 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de luva de emenda à compressão para cabos de alumínio nas Redes de Distribuição

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO. CABOS DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADOS COLORIDOS (AUTOSSUSTENTÁVEL DE 0,6/1,0 kv)

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO. CABOS DE ALUMÍNIO MULTIPLEXADOS COLORIDOS (AUTOSSUSTENTÁVEL DE 0,6/1,0 kv) EMD - 0.005 1/10 NTD 2.07 CÓDIGO CEB-D ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E TIPO DE CABO FORMAÇÃ O SEÇÃO NOMINAL (mm 2 ) Nº MÍN. DE FIOS TABELA 1 CONDUTOR FASE DIÂMETRO DO ESPES CONDUTOR (mm) SURA DA ISOLAÇ

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-06/08/2014 06/08/2014 APROVADO POR RODNEY PEREIRA MENDERICO JÚNIOR DTES-BD SUMÁRIO

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PADRÃO TÉCNICO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-29/05/2014 09/06/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 2ª 30/11/2007 Revisão e atualização do texto, e adequação ao modelo atual de normativo. Projeto de Rede de Distribuição Aérea Multiplexada em Baixa Tensão Processo `Planejar, Ampliar e Melhorar a Rede Elétrica Atividade Elabora Projetos e Orçamentos Código Edição Data VR01.02-01.07 2ª Folha

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS

Sumário ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO OTD REDE CONVENCIONAL - ESTRUTURAS BÁSICAS Sumário 1. Objetivo 2. Âmbito de Aplicação 3. Documentos de Referência 4. Requisitos Ambientais 5. Termos e definições 6. Condições Gerais 7. Engastamento 7.1. Engastamento Simples 7.2. Engastamento F1

Leia mais

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV

ÍNDICE NTD-15 MONTAGEM DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL TRIFÁSICA E MONOFÁSICA 13,8 E 34,5 KV ÍNDICE APRESENTAÇÃO....2 1-OBJETIVO...3 2-AMPLITUDE... 3 3-RESPONSABILIDADE QUANTO AO CUMPRIMENTO...3 4-INSTRUÇÕES GERAIS...3 5-CONDUTORES...4 6-PROCEDIMENTOS...5 6.1- Afastamentos padronizados...5 6.2-Engastamento

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do isolador pilar de porcelana para sua utilização nas Redes de Distribuição da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD CONJUNTO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO EMD -.037 1/19 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO EMD.037 EMD -.037 2/19 1. OBJETIVO Esta EMD padroniza as características mínimas exigíveis para os conjuntos de aterramentos

Leia mais

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 3.0

NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 3.0 NTD 3.0.05 ESPECIFICAÇÕES E PADRÕES DE ENTRADA DE UNIDADES MARÇO-1996 DIRETORIA DE DISTRIBUIÇÃO SUPERINTENDENCIA DE ENGENHARIA E NORMATIZAÇÃO GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO 1/13 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B

Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina PARTE 3 SEÇÃO 3-B Rede de Distribuição Aérea de Média Tensão em condutores nus para áreas com Poluição Salina

Leia mais

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA.

SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO AÉREA 225KVA PNT IND E COM DE PLASTICOS LTDA. 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Execução de aterramento em residências

Execução de aterramento em residências Página 1 de 11 Execução de aterramento em residências Boa execução do sistema de aterramento exige atenção e materiais adequados Reportagem: Gisele Cichinelli Os sistemas de aterramento residenciais têm

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO

MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO MEMORIAL DESCRITIVO SUPRIMENTO DE ENREGIA ELÉTRICA AO EDIFÍCIO CREA - PI INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO Teresina Piauí Março 2017 MEMORIAL DESCRITIVO EDIFÍCIO CREA - PI INTALAÇÕES ELÉTRICAS BAIXA

Leia mais

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74

NORMA TÉCNICA CELG D. Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 NORMA TÉCNICA CELG D Ligações Especiais para Atendimento em Baixa Tensão NTC-74 ÍNDICE SEÇÃO TÍTULO PÁGINA 1. INTRODUÇÃO 1 2. OBJETIVO 2 3. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3 4. CONDIÇÕES GERAIS DE

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÃO DE ATERRAMENTO TEMPORÁRIO 1/6 1. Objetivo Estabelecer procedimentos para utilização do aterramento temporário, na manutenção ou construção de redes e linhas aéreas urbanas e rurais de distribuição primária ou secundária, desenergizadas.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS - CAMPUS SENADOR CANEDO-GO

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS - CAMPUS SENADOR CANEDO-GO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SENADOR CANEDO -GO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE SPDA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS - CAMPUS SENADOR CANEDO-GO

Leia mais